ETIVA JURÍDICA REVISTA FACULDADE OUT/2014 ELETRÔNICA RIO VERDE - GOIÁS. Vol. 1 N.º 1 ISSN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETIVA JURÍDICA REVISTA FACULDADE OUT/2014 ELETRÔNICA RIO VERDE - GOIÁS. Vol. 1 N.º 1 ISSN: 2358-6486"

Transcrição

1 ETIVA JURÍDICA OB REVISTA ELETRÔNICA Vol. 1 N.º 1 OUT/2014 ISSN: FACULDADE RIO VERDE - GOIÁS

2 Expediente FACULDADE OBJETIVO ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS AESGO DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Paulo Gomes DIREÇÃO ACADÊMICA Stefane Barbosa COORDENADORA DO CURSO Helena Maria Campos COORDENAÇÃO DA REVISTA Helena Maria Campos Hadassa Ester David Paulo Antonio Rodrigues Martins REVISÃO Stefane Barbosa CONSELHO EDITORIAL Eduardo Saraiva Elza Miranda Schmidt Hadassa Ester David Helena Maria Campos Jammes Miller Bessa Murilo Couto Lacerda Paulo Antonio Rodrigues Martins Ricardo Luiz Nicoli Rosangela de Paiva Leão Cabrera Warley Augusto Pereira PARECERISTAS/COLABORADORES Anielle Aparecida de Morais Marcolina Cândida de Jesus Neto Mônica Gomes Roberta Moraes Stefane Barbosa Warley Augusto Pereira CONTATO Por telefone: (64) (64) Por ENDEREÇO Rua 12 de Outubro, Nº. 40, Qd.: 64, Lt.: 02 Jardim Adriana CEP: Rio Verde/GO Fone: (64) Fax (64)

3 OB ETIVA JURÍDICA Sumário EDITORIAL A Faculdade Objetivo apresenta o periódico do seu curso de Direito, a Revista Objetiva Jurídica de publicação semestral, com a finalidade de divulgar artigos originais, procedentes de pesquisas realizadas por seu corpo acadêmico, tanto de docentes como discentes. O desígnio é estimular a pesquisa científica em uma área do conhecimento que se encontra em constantes mudanças e que requer sempre atualizações desse saber específico. Além disso, é de extrema importância para a comunidade acadêmica difundir suas produções e contribuições para o campo jurídico. Os artigos publicados na Revista Objetiva Jurídica não expressam necessariamente as opiniões do coletivo da revista. A reprodução dos textos, no todo ou em parte, é permitida desde que citada a fonte, e os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. O curso de Direito da Faculdade Objetivo lança a edição piloto da revista, que conta com 7 (sete) artigos produzidos exclusivamente por acadêmicos da instituição em conjunto com professores orientadores de trabalhos de conclusão de curso A (in) existência da estabilidade provisória nos contratos a termo - por Patrícia Gouveia Appollonio e Rosângela de Paiva Leão Cabrera Direito de vizinhança: uso anormal da propriedade - por Paulo César de Souza Costa e Rodrigo Ferreira Rodrigues Doação de órgãos: o princípio da dignidade humana sobre a disposição do corpo ou parte em vida ou post mortem - por Juarez Caçula de Oliveira Júnior e André Cavichioli Brito Imperativo de consciência: e agora Bilac? - por Nathan Porto Lima e Allan Pereira Vilela O arresto eletrônico como mecanismo de aplicação do princípio da efetividade e da celeridade no processo de execução extrajudicial - por Denise Facco e Ricardo Luiz Nicoli O papel do juiz na implementação de políticas públicas de acordo com as normas programáticas da CF/88 - por Flávio Ribeiro Martins e Jammes Miller Bessa Responsabilidade tributária do sócio na execução fiscal - por Diego Guimarães Paiva e Vanderlan dos Santos de Lima Júnior Capa:

4 POLÍTICA EDITORIAL Regras para Publicação Da Revista A Revista Objetiva Jurídica, de periodicidade semestral, constitui um espaço aberto à divulgação de conhecimentos e seu projeto de edição corrobora os interesses da Faculdade Objetivo de Rio Verde, ao estimular e divulgar a produção científica na academia. Os trabalhos aceitos para publicação na Revista serão submetidos à avaliação do Conselho e dos Pareceristas/Colaboradores. Os trabalhos serão aceitos com base na originalidade, significância e contribuição científica. Cabe ao Conselho Editorial sugerir retificações e/ou modificações nos textos, desde que não altere o conteúdo científico, com a devida concordância do autor (a). Das normas para publicação 1- Os autores cedem os direitos de reprodução para a Revista Objetiva Jurídica. Quanto aos direitos autorais, os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo das publicações. 2- Os dados, conceitos e opiniões emitidos nos trabalhos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. 3- Os artigos deverão ser remetidos à Revista Objetiva Jurídica por meio do 4- Os artigos submetidos à Revista Objetiva Jurídica serão inicialmente examinados pelo Conselho Editorial, para verificar a conformidade com as normas aqui apresentadas, as possíveis melhorias quanto à forma e ao conteúdo do texto, serão sugeridas pelos pareceristas/colaboradores. 5- Os trabalhos deverão ser inéditos, apresentados em língua portuguesa, exceto casos excepcionais a critério do conselho editorial. 6- Os trabalhos poderão ter no mínimo 09 e no máximo 18 páginas em formato Word for Windows. 7- O resumo em português deverá conter um único parágrafo, em arial 12, espaçamento simples, com o limite de 150 a 250 palavras e até cinco palavras-chave separadas por ponto. O título, arial 14, em caixa alta. 8- O(s) nome(s) completo(s) do(s) autor(es) deve(m) constar abaixo do título, alinhando a direita e com nota de rodapé com mini currículo de até três linhas para informar a titulação, cargo que exerce e a instituição a qual está ligado, entre outras. 9- O artigo deve estar em consonância com as Diretrizes para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos e Científicos da Faculdade Objetivo: downloads/diretmono.pdf. 10- O texto deve ser formatado em papel tamanho A4, com margem superior de 3,0 cm, inferior 2,0cm, esquerda 3,0cm, direita 2,0cm, em fonte arial 12, espaçamento entrelinhas 1,5cm. O espaçamento entre os subtítulos e o texto deverá ser de dois espaços de 1,5cm. 11- Citações de até três (3) linhas deverão estar dispostas no corpo do texto entre aspas. Excedendo essa quantidade precisam ser formatadas em espaço simples, arial 10, com recuo de 4cm em relação à margem esquerda. 12- As ilustrações (quadros, tabelas, figuras etc.), quando houver, deverão ser apresentadas no corpo do texto, identificadas com legenda e numeração sequencial (Quadro 1, Quadro 2, Tabela 1, Tabela 2, Figura 1, Figura 2, etc.). 13- As Referências Bibliográficas devem seguir as especificações da ABNT (NBR 6023) e listadas, em ordem alfabética, ao final do texto.

5 A (IN) EXISTÊNCIA DA ESTABILIDADE PROVISÓRIA NOS CONTRATOS A TERMO Patrícia Gouveia Appollonio 1 Rosângela de Paiva Leão Cabrera 2 RESUMO O presente artigo visa abordar a problemática acerca da existência ou inexistência da estabilidade provisória nos contratos a termo, pois parte da doutrina e da jurisprudência negam a concessão da estabilidade provisória aos empregados contratados por tempo determinado. Ocorre que esses trabalhadores exercem as mesmas atividades dos demais, devendo receber as mesmas garantias, então é preciso fazer um estudo dos entendimentos aplicáveis a esse tipo de contratação, pois negar essa garantia fere os ditames constitucionais que prezam pela redução dos riscos inerentes ao trabalho, bem como a garantia da dignidade da pessoa humana. Para tanto, a pesquisa foi desenvolvida por meio da técnica de coleta de dados: documental indireta (bibliográfica e documental), onde foi realizado um estudo teórico sobre o tema, mostrando o posicionamento atual do Tribunal Superior do Trabalho. Palavras-chave: Contrato a termo. Estabilidade. Estabilidade provisória. 1 INTRODUÇÃO A necessidade de se estudar a estabilidade provisória nos contratos a termo se dá pelo fato do empregado contratado por tempo determinado estar mais vulnerável em relação aos outros tipos de trabalhadores. Pois, apesar de exercerem as mesmas atividades dos demais trabalhadores, os empregados contratados por tempo determinado não possuem o mesmo amparo legal, como no caso da estabilidade provisória. Nesse sentido, foi desenvolvido um estudo conceituando e classificando estabilidade no emprego, buscando a compreensão do referido instituto nos contratos a termo. 1 Bacharel em Direito pela Faculdade Objetivo/ IESRIVER - Instituto de Ensino Superior de Rio Verde. 2 Professora especialista em Direito Administrativo Contemporâneo.

6 Uma das classificações da estabilidade no emprego é a estabilidade provisória, que se trata do direito de permanecer no emprego durante certo período de tempo, em virtude de uma circunstância especial, mesmo que seja contra a vontade do empregador. Outro tema que foi estudado é o contrato de trabalho por tempo determinado ou a termo, que é aquele que tem data de início e término prefixados antecipadamente entre empregador e empregado, onde será demonstrada a forma de sua pactuação, a previsão legal, e as hipóteses que servirão para justificar o prazo determinado. Ocorre que a regra é de que não existe previsão legal de estabilidade provisória ao trabalhador contratado por tempo determinado, que fica desamparado ao se deparar com alguma causa relevante que poderia permitir a sua dispensa, como no caso de gravidez ou acidente no trabalho. Muitos empregados que trabalham por tempo determinado sofreram por não terem nenhum amparo legal ao encontrar-se em algumas situações de risco e, por isso, é tão importante discutir sobre os direitos desses trabalhadores. Diante de todo o exposto, foi desenvolvido um estudo acerca da problemática da existência ou inexistência da estabilidade provisória nos contratos a termo, onde foi demonstrado que atualmente a jurisprudência trabalhista possui um entendimento inovador e revolucionário pautado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da continuidade da relação de emprego. 2 ESTABILIDADE NO EMPREGO A estabilidade estudada neste artigo é a jurídica, aquela que impede a dispensa do empregado e que acarreta a aplicação do princípio da continuidade no emprego, onde é assegurada uma maior possibilidade de permanência do trabalhador em seu emprego. Nas palavras de Nascimento (2011, p. 394), estabilidade é o direito do trabalhador de permanecer no emprego, mesmo contra a vontade do empregador, enquanto existir uma causa relevante expressa em lei e que permita a sua dispensa. É o direito ao emprego.

7 Ou seja, não permite que o empregado seja dispensado diante das situações garantidas por lei, isso é a chamada estabilidade no emprego, onde o empregado não poderá ser despedido sem justa causa, desse modo, restringindo o poder que o empregador tem de dispensar o empregado. 2.1 Estabilidades previstas no Brasil A legislação brasileira prevê algumas modalidades de estabilidades no emprego, que serão tratadas a seguir Estabilidade Celetista A estabilidade celetista de acordo com o art da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é aquela onde o empregado que contar mais de 10 (dez) anos de serviço na mesma empresa não poderá ser despedido senão por motivo de falta grave ou circunstância de força maior, devidamente comprovadas (BRASIL, 1943). 2 Art.: é a abreviatura da palavra artigo que nos textos jurídicos, leis, decretos e códigos é cada uma das divisões do texto numeradas ordinalmente. A Lei nº 5.107/66 criou o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS e estabeleceu que a estabilidade celetista só atingisse os empregados não optantes pelo sistema do FGTS. A Constituição Federal de 1988, por sua vez, tornou o regime do FGTS obrigatório. Atualmente, só possuem estabilidade celetista aqueles que adquiriram 10 (dez) anos de serviço até 04/10/1988, e que não fizeram a opção pelo sistema do FGTS Estabilidade do Artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição Federal de 1988

8 Os servidores públicos civis da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, da administração direta, autárquica e das fundações públicas, em exercício na data da promulgação da Constituição Federal 1988 (CF/88), há pelo menos cinco anos continuados, e que não tenham sido admitidos na forma regulada no art. 37 da CF/88, são considerados estáveis no serviço público (art. 19 do ADCT). Depreende-se que os servidores não concursados, contratados pelo regime celetista, que trabalham há mais de cinco anos contínuos na mesma função, possuem estabilidade, em igualdade com os demais servidores concursados. O que busca essa estabilidade é garantir à boa-fé do servidor, que dedicou anos de serviço à administração pública, ao invés, de prestar concurso público para obter sua estabilidade Estabilidade do Artigo 41 da Constituição Federal de 1988 De acordo com essa estabilidade, são estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público (caput 3, art. 41, CF/88). A Súmula 390 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) garante essa estabilidade não só ao servidor estatutário, mas também ao servidor público da administração direta, autarquia ou fundacional. E diz ainda que o empregado de empresa pública ou de sociedade de economia mista, ainda que admitido mediante aprovação em concurso público, não possui a referida estabilidade. Ressalta-se que o servidor público poderá perder o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado, mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada a ampla defesa e mediante avaliação periódica de desempenho. 3 Caput: enunciado de artigo de lei ou regulamento (HOUAISS, 2009, p. 397).

9 2.2 Estabilidade provisória (garantias de emprego) Além das estabilidades no emprego, existe também a estabilidade provisória, além das chamadas garantias de emprego, que para Delgado (2012, p. 1276): É a vantagem jurídica de caráter transitório deferida ao empregado em virtude de uma circunstância contratual ou pessoa obreira de caráter especial, de modo a assegurar a manutenção do vínculo empregatício por um lapso temporal definido, independentemente da vontade do empregador. Trata-se do direito de permanecer no emprego, durante certo período de tempo, salvo algumas exceções legais, pois, por não se tratar de uma estabilidade absoluta, o empregado pode ser despedido, por exemplo, por justa causa, por motivo de força maior ou em decorrência de apuração de uma falta grave. Além disso, diz Cassar (2010, p. 1108), a garantia de emprego é uma política socioeconômica, enquanto a estabilidade é um direito do empregado. Nesse sentido, a garantia de emprego é mais do que uma estabilidade, pois além de garantir o emprego temporariamente ao empregado ela também exerce uma função de promover a inclusão das pessoas no mercado de trabalho. Quando uma lei obriga as empresas a contratarem determinado número de menores, por exemplo, essa inclusão de menores no mercado de trabalho se trata de uma garantia de emprego Estabilidades provisórias constitucionais Existem diversas estabilidades provisórias asseguradas pelo Direito brasileiro, algumas delas estão previstas no próprio texto da Constituição. São elas: a) Empregado sindicalizado O art. 8º da CF/88, art. 543, 3º da CLT e a Súmula 369, inciso I do TST, veda a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro da sua candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, o empregado passa a

10 gozar da estabilidade provisória até um ano após o final do mandato, atingindo inclusive os suplentes. Essa estabilidade visa proteger a classe que defende os interesses dos trabalhadores, garantindo a eles o direito de permanecer no emprego, prevalecendo assim o princípio da continuidade no emprego. b) Membro da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato (art. 10, II, a, do ADCT). O TST tem entendido que os suplentes também gozam dessa garantia. (Súmula 339 TST). De acordo com o art. 165 da CLT, o membro da CIPA só poderá ser despedido em decorrência de motivo disciplinar, técnico, econômico ou financeiro. Tanto a estabilidade provisória do dirigente sindical como do membro da CIPA, trata-se de estabilidade coletiva, por comunicar-se com os demais membros envolvidos na mesma área. c) Empregada gestante Em relação à empregada gestante é vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto (art. 10, II, b, do ADCT). A Súmula 244 do TST, também, prevê essa garantia quando diz em seu inciso III que a empregada gestante tem direito à estabilidade provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea b, do ADCT, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado. Ressalta-se que as referidas estabilidades provisórias não são absolutas, podendo haver a dispensa em caso de justa causa; em relação aos dirigentes sindicais, a apuração da falta grave deve ocorrer mediante a abertura de inquérito judicial nos termos do art. 482 da CLT.

11 2.2.2 Estabilidades provisórias infraconstitucionais A legislação prevê, ainda, outras garantias de emprego, ainda que não se trate apenas de leis trabalhistas. Sendo elas: a) Empregado acidentado O empregado que sofreu acidente do trabalho tem garantido, pelo prazo mínimo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa, após a cessação do auxílio-doença acidentário, independentemente de percepção de auxílio-acidente (art. 118 da Lei nº 8.213/91). Mas para concessão dessa garantia é importante observar que o inciso II da Súmula 378 do TST, que prevê como pressuposto o afastamento superior a 15 dias e a consequente percepção do auxílio-doença acidentário, salvo se constatada, após a despedida, doença profissional que guarde relação de causalidade com a execução do contrato de emprego. O art. 60, 1º da Lei nº 8.213/91, dispõe que: Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz. 1º Quando requerido por segurado afastado da atividade por mais de 30 (trinta) dias, o auxílio-doença será devido a contar da data da entrada do requerimento (BRASIL, 1991). Aos demais segurados (empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador avulso, especial e facultativo), o benefício será concedido a contar da data do início da incapacidade ou da data da entrada do requerimento, se entre essas datas decorrerem mais de 30 dias. A Súmula 378 do TST, com a inserção do inciso III, passou a entender que o empregado submetido ao contrato de trabalho por tempo determinado, também, tem direito à garantia de emprego decorrente de acidente do trabalho, prevista no art. 118 da Lei nº 8.213/91. b) Trabalhador reabilitado ou deficiente habilitado

12 É vedada a dispensa do trabalhador reabilitado ou deficiente habilitado ao final do contrato por prazo determinado de mais de 90 (noventa) dias, e a imotivada, no contrato por prazo indeterminado, só poderá ocorrer após a contratação de substituto de condição semelhante (art. 93, 1º, da Lei nº 8.213/91). Essa vedação faz com que as vagas destinadas aos deficientes e aos reabilitados não deixem de ser preenchidas, garantindo o direito ao trabalho a essa classe de trabalhadores. c) Representantes dos trabalhadores em atividade no Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) Enquanto representantes dos trabalhadores em atividade, titulares e suplentes, é assegurada a estabilidade no emprego, da nomeação até um ano após o término do mandato de representação, somente podendo ser demitidos por motivo de falta grave, regularmente comprovada através de processo judicial (art. 3º, 7º, da Lei nº 8.213/91). d) Representantes dos empregados nas Comissões de Conciliação Prévia É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia, titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave, nos termos da lei (art. 625-B, 1º da CLT). e) Membros do Conselho Curador do FGTS A Lei nº 8.036/90 em seu art. 3º, 9º prevê que aos membros do Conselho Curador do FGTS, enquanto representantes dos trabalhadores, efetivos e suplentes, é assegurada a estabilidade no emprego, da nomeação até um ano após o término do mandato de representação, somente podendo ser demitidos por motivo de falta grave, regularmente comprovada através de processo sindical. f) Empregados eleitos como diretores de sociedades cooperativas

13 Os empregados eleitos como diretores de sociedades cooperativas farão jus à estabilidade prevista para os dirigentes sindicais (art. 55 da Lei nº 5.764/71), gozando de estabilidade provisória até um ano após o final do mandato. g) Estabilidade provisória determinada em acordo ou convenções coletivas e em regulamentos de empresa Os sindicatos, com a intenção de assegurar aos empregados, a garantia de emprego e salário, podem determinar algumas estabilidades, sendo elas: garantia do empregado em vias de aposentadoria, aviso prévio, retorno das férias, auxílio doença, estabilidade da gestante, entre outros. Existe também o regulamento interno das empresas que é o meio utilizado pelo empregador para estabelecer direitos e obrigações, como promoções, prêmios, regras sobre faltas e atrasos, licenças, estabilidade, dentre outros. 3 CONTRATO DE TRABALHO A TERMO O contrato de trabalho por tempo determinado ou a termo é aquele que tem data de início e término prefixados antecipadamente entre empregador e empregado. Esse tipo de contrato se refere geralmente a atividades temporárias ou transitórias. Barros (2011. p. 381) diz que: [...] os efeitos do contrato determinado dependem de um termo futuro, que poderá ser certo quanto a unidade de tempo ou quanto ao serviço a ser executado (dies certus na et quando). Aqui, tanto o tempo como o evento são certos. Poderá ocorrer, entretanto, de o trabalhador saber que o contrato se extinguirá, mas não quando (dies certus na etincertus quando). Isso poderá ser verificado quando o empregado for contratado para a construção de um edifício. Sabe-se que a obra terminará, mas não sabe quando. O mesmo ocorre com os serviços executados durante uma safra. O art. 443, 1º da CLT, traz o conceito de contrato de trabalho por tempo determinado sendo o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada (BRASIL, 1943).

14 Onde termo prefixado é um termo certo em que as partes têm certeza de que o evento irá ocorrer, e de quando irá ocorrer, pois foi tudo predefinido. A execução de serviços especificados é um termo incerto, pois as partes sabem que a atividade será desenvolvida, mas não se sabe quando. E a realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada, significa dizer que não dá pra saber o dia exato do início ou término do contrato, em decorrência de alguns fatores, mas sabe-se que ele irá ocorrer. Existem três hipóteses de contrato a termo previsto na CLT, sendo eles o serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a determinação do prazo (art. 443, 2º a da CLT), as atividades empresariais de caráter transitório (art. 443, 2º b da CLT) e o contrato de experiência (art. 443, 2 c da CLT). Outras formas de contrato a termo também estão presentes na Lei n 9.601/98 (estímulo a novos empregos), Lei n 2.959/56 (obra certa), parágrafo único do art. 14 da Lei n 5.889/73 (safra), Decreto-Lei n 691/69 (técnico estrangeiro), Lei n 6.019/74 e Decreto-Lei nº /74 (trabalho temporário), Lei n 7.064/82 (trabalho no exterior), art. 428, 3, da CLT e Lei n /00 (aprendizagem), Lei n /08 (trabalhador rural temporário), art. 30 da Lei nº 9.615/98 (contrato de atleta profissional), Lei n 6.354/76 (jogador de futebol), art. 9º da Lei nº 6.533/78 (contrato de artistas), dentre outros. Observa-se que são várias as modalidades de contrato a termo, o que ajuda a diminuir o quadro de trabalhadores irregulares, sendo assim, um instituto favorável para o desenvolvimento social, que beneficia ambas as partes. 4 A (IN) EXISTÊNCIA DA ESTABILIDADE PROVISÓRIA NOS CONTRATOS A TERMO A estabilidade provisória é uma garantia do empregado de não ser despedido sem justa causa, prevalecendo assim o princípio da continuidade no emprego, protegendo as pessoas economicamente mais fracas, e promovendo a dignidade da pessoa humana, pois, o desemprego prejudica a autoestima da pessoa e a sua dignidade.

15 Ao passo que o contrato a termo é uma das modalidades de contrato de trabalho, sendo essa por prazo determinado, onde o empregado é contratado temporariamente em decorrência de um dos diversos motivos descritos em linhas pretéritas, para prestação de um serviço que tem data para seu início e seu término. A princípio, a estabilidade provisória é garantida apenas aos empregados contratados por tempo indeterminado, sob a justificativa de que as pessoas que trabalham temporariamente não podem ter estabilidade provisória, pois seu contrato teve as datas de início e término prefixadas antecipadamente entre as partes. Ocorre que os trabalhadores temporários também podem vir a precisar de uma das modalidades de estabilidade provisória, uma vez que desenvolvem as mesmas atividades dos demais trabalhadores, e que estão passíveis de sofrer os mesmo riscos, e sendo trabalhador não deve receber tratamento diferenciado dos demais, sob pena de ferir princípios constitucionais. Então, sob essa ótica, a jurisprudência tem inovado seu entendimento, e com a mudança ocorrida na Súmula 378 do TST em 17 de setembro de 2012, por exemplo, o empregado contratado temporariamente que venha a sofrer algum acidente decorrente do trabalho, não fica mais desamparado, recebendo o direito de permanecer no emprego por mais 12 (doze) meses após a cessação do auxíliodoença, previsto no art. 118 da Lei nº 8.213/91. Pois, ainda que o empregado tenha sido contratado temporariamente, ele está sob os riscos de sofrer acidente laboral desde o primeiro dia de trabalho. A mudança no entendimento do TST foi amparada, entre outros argumentos, pela Convenção 168 da Organização Internacional do Trabalho OIT, que trata a respeito dos trabalhadores doentes, nos princípios constitucionais, como a dignidade da pessoa humana e a valorização do trabalho e também pelo fato da Lei nº 8.213/91, não falar a que modalidade contratual se vincula o direito a tal garantia, entendendo-se então que deve abranger todas as modalidades de emprego. Outro exemplo é o da empregada gestante, onde até setembro de 2012 a Súmula 244 do TST, na redação do item III não garantia à empregada gestante estabilidade provisória quando admitida através de contrato por prazo determinado. Mas com a nova redação do item III da Súmula, a empregada gestante passa a ter o direito à estabilidade provisória prevista constitucionalmente, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado.

16 Então, observa-se que existe a estabilidade provisória nos contratos a termo, e que o empregado contratado por tempo determinado vem aos poucos conquistando seu espaço, e as mesmas garantias dos demais trabalhadores, fazendo assim, com que diminua o receio das pessoas de serem contratadas temporariamente, com o medo de virem a ficar desempregados ou desamparados. A jurisprudência concedeu a estabilidade da empregada gestante e do empregado acidentado, que são as duas formas de estabilidade provisória mais genéricas, por atingir a todas as modalidades de contrato a termo. As outras modalidades de estabilidade provisória, citadas anteriormente neste artigo, por serem específicas, não podem atingir as demais modalidades de contrato a termo. Mas, preenchidos os requisitos, as mesmas deverão ser respeitadas e cumpridas. 5 CONCLUSÃO Conforme foi demonstrado no presente artigo, os trabalhadores contratados por tempo determinado obtiveram uma grande conquista nos últimos anos, que foi o reconhecimento da estabilidade provisória da empregada gestante e do empregado acidentado. A estabilidade provisória objetiva assegurar ao empregado, contratado por certo período de tempo, o direito de permanecer no emprego. Só que até então, os empregados contratados por tempo determinado ficavam desamparados, por não possuir a referida estabilidade. Foram necessários vários casos concretos, de pessoas passando por dificuldades e ficando desamparadas, para o TST perceber que a vedação à estabilidade provisória nos contratos a termo viola todas as garantias constitucionais que visam preservar a dignidade da pessoa humana, a saúde e a segurança do trabalhador. Essas garantias devem prevalecer sobre qualquer modalidade de contrato de trabalho, afinal, os empregados contratados por tempo determinado realizam as mesmas atividades dos empregados contratados por tempo indeterminado.

17 Foi nesse sentido que o TST reconheceu a estabilidade provisória à empregada gestante com a reforma da Súmula 244 do TST e ao empregado acidentado através da Súmula 378 do TST, contratado por tempo determinado. É muito comum o trabalhador sofrer danos que o fará necessitar de uma garantia, seja ele admitido por tempo determinado ou indeterminado. Então, a lei tem o dever de proteger o trabalhador frente às situações de abuso do poder, violação dos direitos e garantias, realizados pelos empregadores, pois é incontestável que o empregado acaba sofrendo danos irreparáveis em razão dessa falta de estabilidade expressa em lei. REFERÊNCIAS BARROS, Alice Monteiro de. Curso de Direito do Trabalho. 7. ed. São Paulo: Ltr, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de Brasília: Senado Federal, 05 de outubro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 21 set Decreto-Lei nº 5.452, de 01 de maio de Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Rio de Janeiro: Senado Federal, 01 de maio de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm>. Acesso em: 20 set Lei nº de 13 de setembro de Cria o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5107.htm>. Acesso em: 15 out Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm>. Acesso em: 01 out Lei nº 8.036, de 11 de maio de Dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8036consol.htm#art32>. Acesso em: 30 set Lei nº 8.213, de 24 de julho Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 24 set Tribunal Superior do Trabalho. Súmula nº 244. Gestante. Estabilidade provisória (redação do item III alterada na sessão do Tribunal Pleno realizada em ) -Res. 185/2012, Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, set Disponível em: <http://www.tst.jus.br/sumulas>. Acesso em: 15 out

18 . Tribunal Superior de Trabalho. Súmula nº 369. Dirigente sindical. Estabilidade provisória. Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, set Disponível em: <http://www.tst.jus.br/sumulas>. Acesso em: 15 out Tribunal Superior de Trabalho. Súmula nº 378. Estabilidade provisória. Acidente do trabalho. Art. 118 da Lei nº 8.213/1991. (inserido item III) -Res. 185/2012, Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, set Disponível em: <http://www.tst.jus.br/sumulas>. Acesso em: 15 out Tribunal Superior de Trabalho. Súmula nº 390. Estabilidade. art. 41 da cf/1988. celetista. administração direta, autárquica ou fundacional. Aplicabilidade. Empregado de empresa pública e sociedade de economia mista. Inaplicável. Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, abr Disponível em: <http://www.tst.jus.br/ sumulas>. Acesso em: 15 out CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. 4. ed. Niterói: Impetus, DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11. ed. São Paulo: LTr, HOUAISS, Antônio. Dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciação ao Direito do Trabalho. 36. ed. São Paulo: Ltr, OIT Organização Internacional do Trabalho. Convenção n Promoção do emprego e proteção contra o desemprego. Brasília: OIT, 1991.

19 DIREITO DE VIZINHANÇA: uso anormal da propriedade Paulo César de Souza Costa 1 Rodrigo Ferreira Rodrigues 2 RESUMO Este artigo trata do direito de vizinhança decorrente do uso anormal da propriedade. Para tanto, foi necessário o cunho norteador estabelecido pelo princípio da função social da propriedade, de modo que, entre a compatibilidade da normalidade e da tolerabilidade no uso da propriedade, uma vez excedida ensejará na indenização cabal. Ressalvou-se o caso do interesse público no uso anormal. Por derradeiro, consignou-se sobre as ações decorrentes do uso anormal da propriedade. Um estudo de cunho bibliográfico norteou esta pesquisa. Palavras-chave: Função social. Indenização. Normalidade. Propriedade vizinha. Tolerância. 1 INTRODUÇÃO As normas que formam o direito de vizinhança propõem resguardar e compor casuais conflitos de interesses entre proprietários de imóveis adjacentes. No geral, as fronteiras ou medidas são determinadas como imposição, a fim de permitir o mecanismo de certas condutas ou atos pelo vizinho e de renunciar e privar-se do exercício de outros. O direito de vizinhança deriva da lei, suas regras originam e alicerçam direitos e deveres bilaterais, isto é, para ambas as partes, sendo o proprietário e o proprietário vizinho. São ainda de seu objeto, as responsabilidades, compromissos e atribuições decorrentes entre o dever e coisa que acompanham o encargo, porquanto a obrigação vincula a quem quer que se depare na condição de vizinho, transferindo ao seu legatário a titulação exclusiva. Por tais razões, o direito de vizinhança merece ser objeto de estudo, aliás, nessa parte do direito, em especial o uso anormal da propriedade. 1 Bacharel em Direito pela Faculdade Objetivo/IESRIVER- Instituto de Ensino Superior de Rio Verde. 2 Especialista em Constituição, Processo e Sociedade.

20 2 PROPRIEDADE VIZINHA O direito de propriedade é estável, por ser um direito constatável pela coisa, o próprio objeto material, pertencente ao ramo de direito real. Não obstante, o direito de propriedade ainda tem por objetivo o domínio da coisa. Sendo a propriedade gênero e o domínio espécie. Antes mesmo de se tratar da propriedade vizinha, é necessário definir a própria propriedade, como faz Monteiro (2009 p ): Sua importância - O direito de propriedade, o mais importante é o mais sólido de todos os direitos subjetivos, o direito real por excelência, é o eixo em torno do qual gravita o direito das coisas. Dele pode dizer-se, com SCUTO, ser a pedra fundamental de todo o direito privado. Sua importância é tão grande no direito como na sociologia e na economia política. Suas raízes aprofundam-se tanto no terreno do direito privado como no direito público. Do ponto de vista jurídico, cumpre desde logo salientar as duas acepções do direito de propriedade. Num sentido amplo, estesrecai tanto sobre coisas corpóreas tem a denominação como incorpóreas. Quando recai exclusivamente sobre coisas tem a denominação peculiar de domínio. A noção de propriedade mostra-se, destarte, mais ampla e mais compreensiva do que a de domínio. Aquela representa o gênero de que este vem a ser espécie. Para melhor definir a propriedade, tarefa que não é fácil, urge que se conheçam seus caracteres e elementos constitutivos. Realmente, num certo sentido, o direito de propriedade é de fato absoluto, não só porque oponível erga omnes, como também porque apresenta caráter de plenitude, sendo, incontestavelmente, o mais extenso e o mais completo de todos os direitos reais. A propriedade é a parte nuclear ou central dos demais direitos reais, que pressupõem, necessariamente, o direito de propriedade, do qual são modificações ou limitações, ao passo que o direito de propriedade pode existir independentemente de outro direito real em particular. A propósito, BONFANTE estabelece sugestivo paralelo entre a propriedade e os direitos reais que dela se desmembram, na esfera do direito privado, e a soberania e os direitos que dela resultam, na esfera do direito público. A soberania é o conjunto dos direitos reais unidos e conglomerados. Pode-se, pois ao direito de propriedade atribuir, em primeiro lugar, caráter absoluto. O proprietário pode dispor da coisa como entender, sujeito apenas a determinadas limitações, impostas no interesse público ou pela coexistência do direito de propriedade dos demais indivíduos. O segundo atributo desse direito é ser exclusivo. A mesma coisa não pode pertencer com exclusividade e simultaneamente duas ou mais pessoas. O direito de um sobre determinada coisa exclui o direito de outro sobre essa mesma coisa (duorum vel plurium dominium in solidum esse non potest). proprietário pode excluir da coisa, objeto de seu direito, a ação de outrem. O jos excludendi alios constitui a substância do direito de propriedade. O Código Civil de 2002 reconhece expressamente esse característico, quando declara, no art. 1231: A propriedade presume-se plena e exclusiva,

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE ESTABILIDADE ESTABILIDADE DEFINITIVA X ESTABILIDADE PROVISÓRIA (GARANTIA DE EMPREGO) DIRIGENTE SINDICAL Art. 8, VIII CF + Art. 543, 3º CLT + Súmula 369 TST Tanto titulares como SUPLENTES (dirigentes sindicais)

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

(67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 &RQFHLWR

(67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 &RQFHLWR (67$%,/,'$'((*$5$17,$'((035(*2 5RGULJR&RLPEUD $GYRJDGRHP3RUWR$OHJUH56 &RQFHLWR "Estabilidade é o direito do trabalhador de permanecer no emprego, mesmo contra a vontade do empregador, enquanto existir

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1.

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. Genesio Vivanco Solano Sobrinho Juiz do Trabalho aposentado 1.- Da Organização Sindical. Preliminares. 2.- Das Associações

Leia mais

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da EMPREGADA GESTANTE Trabalho elaborado por IVALDO KUCZKOWSKI, advogado especialista em Direito Administrativo e Consultor de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. 001 A garantia de emprego à gestante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br

DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br DIREITO DO TRABALHO Prof. Rodolpho Bacchi www.facebook.com/direitodotrabalhobatista www.rodolphobacchi.com.br Interrupção e Suspensão do Contrato de Trabalho A interrupção e a suspensão do contrato de

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

1. Histórico: 2. Conceito:

1. Histórico: 2. Conceito: Estabilidade e FGTS 1. Histórico: A primeira norma que efetivamente tratou da estabilidade no setor privado foi o Decreto nº 4682, de 24/01/1923, a chamada Lei Eloi Chaves. A CLT, de 1943, disciplinou

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Oraides Morello Marcon Marques 1 Com o retorno da Copa Mundial de Futebol ao Brasil crescerá a demanda do comércio por

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Registro. Pessoal. Fernando Silva da Paixão

Registro. Pessoal. Fernando Silva da Paixão Registro de Pessoal Fernando Silva da Paixão Rescisão por Término do Contrato Determinado O empregado terá direito a: 1. Saldo de salário (art. 462 da CLT art.. 7º, inciso X da CF) 2. Férias vencidas e

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II material 03

DIREITO DO TRABALHO II material 03 DIREITO DO TRABALHO II material 03 (Lázaro Luiz Mendonça Borges) 3. ESTABILIDADE DECENAL e as GARANTIAS PROVISÓRIAS NO EMPREGO 3.1. Conceito de estabilidade no emprego: vantagem jurídica de caráter permanente

Leia mais

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE Weliton José da Silva Balduino 1 Rafaella Gil Almeida 2 INTRODUÇÃO Historicamente, a mulher sempre desempenhou atividades, seja, no lar, nas atividades agrícolas familiares

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

Estabilidade e Garantia de Emprego:

Estabilidade e Garantia de Emprego: AULA 9 Estabilidade e Garantia de Emprego: A CLT inicialmente previa o pagamento de uma indenização ao empregado sempre que este fosse despedido sem justa causa, sendo que após dez anos de serviço a empresa,

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO FLÁVIO LANDI (*) A Lei n. 10.406, publicada aos 11.1.2002, com vacatio legis de um ano, instituiu

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS Hélcio Luiz Adorno Junior. Juiz do Trabalho em São Paulo Prof. de Direito Processual do Trabalho no curso da LEX-APAMAGIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS

Leia mais

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Curatela. Instituto do Direito Civil que visa proteger a pessoa que não pode reger sua vida civil. Curador é o representante

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO Thiago Leão Nepomuceno (*)1 Normalmente, todo final de ano ao se aproximar traz consigo um aumento na demanda de algumas empresas, fazendo com que a necessidade

Leia mais

Artigos CARLA MARIA SANTOS CARNEIRO As Súmulas 244 e 378 do TST e a possível derrogação da indenização prevista no art. 14 da Lei nº 5.

Artigos CARLA MARIA SANTOS CARNEIRO As Súmulas 244 e 378 do TST e a possível derrogação da indenização prevista no art. 14 da Lei nº 5. Artigos CARLA MARIA SANTOS CARNEIRO As Súmulas 244 e 378 do TST e a possível derrogação da indenização prevista no art. 14 da Lei nº 5.889/73 É pacífico o entendimento de que a indenização do contrato

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa Bacharelanda em Direito pela UEFS (Universidade Estadual

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exceção ao princípio da continuidade, ao trato

Leia mais

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 1.1 NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1.1.1 Teoria do Direito Público... 19 1.1.2 Teoria do Direito

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 O secretário de relações do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, com atuação em Brasília

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF 1 Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas Dos Direitos Sociais Art. 6º a 11 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. S U M

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC quanto aos procedimentos operacionais

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo cujas atividades

Leia mais

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel de direito pela

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

Lei 5666/67 FGTS com a adoção do fundo passaram a optar pelo novo sistema, renunciando a estabilidade que estava por vir.

Lei 5666/67 FGTS com a adoção do fundo passaram a optar pelo novo sistema, renunciando a estabilidade que estava por vir. DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: ESTABILIDADE E GARANTIA DE EMPREGO PONTO 2: ESTABILIDADE PONTO 3: GARANTIA ESTABILIDADE (ABSOLUTA que pode ser definitiva ou temporária) E GARANTIA DE EMPREGO

Leia mais

1. CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL.

1. CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL. 1. CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL. O princípio do equilíbrio financeiro atuarial determina que para cada benefício deve haver um fonte de custeio. O art. 195, caput, prevê que toda a sociedade financia a

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium 1 Aula 01 1 Princípios 1.1 Conceito Segundo palavras de Maurício Godinho Delgado os princípios correspondem à noção de proposições ideais, fundamentais, construídas a partir de uma certa realidade e que

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito do Trabalho Professor André Luiz Data: 16/06/2009

OAB 139º - 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito do Trabalho Professor André Luiz Data: 16/06/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 4ª Aula: Justa Causa; Direito Coletivo do Trabalho. 1. Justa Causa (JC) JC é a forma de demissão e falta grave é a conduta irregular do empregado que por uma ou várias vezes leva

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

A AÇÃO DE DANO INFECTO COMO MECANISMO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS DE VIZINHANÇA RESUMO

A AÇÃO DE DANO INFECTO COMO MECANISMO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS DE VIZINHANÇA RESUMO A AÇÃO DE DANO INFECTO COMO MECANISMO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS DE VIZINHANÇA Thais de Camargo Oliva Rufino Andrade Advogada. Professora do Curso de Direito da Faculdade Bertioga. Especialista em Direito

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico,

Leia mais

X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS X SUSPENSÃO CONTRATUAL E INTERRUPÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS I. DIFERENÇA DOS INSTITUTOS II. HIPÓTESE A: COMO TEMPO EFETIVO III. HIPÓTESE B: COMO TEMPO EFETIVO E SALÁRIO IV. HIPÓTESE C: COMO PARALISAÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO Rafael Bratfich GOULART 1 Cleber Affonso ANGELUCI 2 RESUMO: O presente trabalho pretende buscar a melhor teoria de responsabilidade civil a

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL V Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro do Grande ABC Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - B. Casa Branca - Santo André CEP.: 09020-250 - Tel. ( 11 ) 4993-8299 Fax. ( 11 ) 4993-8290 CNPJ 43.339.597/0001-06

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em julho/2015 DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO 1. DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO O presente artigo abordará os direitos do trabalhador

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

Desdobramentos Jurídicos do Salário-maternidade no Contrato de Trabalho por Prazo Determinado

Desdobramentos Jurídicos do Salário-maternidade no Contrato de Trabalho por Prazo Determinado Desdobramentos Jurídicos do Salário-maternidade no Contrato de Trabalho por Prazo Determinado I - Intróito Gabriel de Araujo Sandri i OAB/SC 30.717 É procedimento corriqueiramente adotado no ato da contratação

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO

O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO José Carlos Batista Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE/ES Resumo: Quando um trabalhador é dispensado

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS SAMIRA MARQUES HENRIQUES 1 RESUMO: O presente trabalho tem a pretensão de contribuir para a discussão a cerca do Princípio específico do Direito

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se de ação de consignação em pagamento, com previsão no art. 164, I, do CTN, tendo em vista que a Fazenda Municipal se recusa a receber a prestação tributária

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010.

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010. CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Requisitos 3.1 - Pressupostos de Validade

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

Estabilidade e garantia no emprego. Conceito. Classificação. Estabilidade definitiva

Estabilidade e garantia no emprego. Conceito. Classificação. Estabilidade definitiva Estabilidade e garantia no emprego Conceito Estabilidade e garantia no emprego não se identificam, embora tenham significados muito próximos. A garantia de emprego é um instituto mais amplo que a estabilidade,

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais