CENTRO UNIVERSITARIO CHRISTUS CURSO DE DIREITO THIAGO PARENTE CÂMARA A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DO PROTOCOLO ICMS 21/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITARIO CHRISTUS CURSO DE DIREITO THIAGO PARENTE CÂMARA A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DO PROTOCOLO ICMS 21/2011"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITARIO CHRISTUS CURSO DE DIREITO THIAGO PARENTE CÂMARA A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DO PROTOCOLO ICMS 21/2011 Fortaleza 2012

2 THIAGO PARENTE CÂMARA A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DO PROTOCOLO ICMS 21/2011 Monografia apresentada ao Curso de Direito do Centro Universitário Christus como requisito parcial necessário à obtenção do grau de bacharel em Direito. Orientador: Vicente Martins Prata Braga Fortaleza 2012

3

4 Dedico esse trabalho aos meus pais, meus irmãos, minha namorada, que sempre estiveram comigo, tendo sido imprescindíveis para a realização deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, meus maiores incentivadores, por serem modelos de profissionais, que sempre me deram todo o apoio necessário. Agradeço aos meus avós, pelas orações, pelas palavras sábias de motivação e pela ajuda incondicional durante o período de realização da monografia. Agradeço, também, aos amigos e colegas que adquiri durante o período de faculdade, dos quais levarei grandes amizades e espero que assim se perpetue. A minha namorada, que durante todo o curso sempre esteve ao meu lado, me apoiando em todos os momentos difíceis. Aos meus professores, que durante o curso, me ajudaram no meu crescimento e aprendizado. Agradeço especialmente ao meu orientador Vicente Martins Prata Braga.

6 O êxito na vida não se mede pelo que você conquistou, mas sim pelas dificuldades que superou no caminho. Abraham Lincoln

7 RESUMO A constituição determina que nas operações interestaduais envolvendo não contribuinte do Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadoria e sobre prestação de serviço de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação (ICMS), o imposto será recolhido pelo Estado da origem do produto, porém com o avanço do comércio eletrônico, os Estados menos desenvolvidos começaram a perceber que estava caindo consideravelmente a arrecadação do ICMS devido ao aumento nas vendas não presenciais. Para tentar reverter a situação, os Estados que se sentiram prejudicados, assinaram o Protocolo ICMS 21/2011, modificando a forma na arrecadação nas vendas remotas, contrariando a Constituição Federal. O primeiro capítulo trata da origem dos tributos, bem como suas espécies e funções. Posteriormente, no segundo capítulo, é abordado o Protocolo ICMS 21/2011, analisando-se os seus aspectos. Finalmente, no ultimo capítulo, em resposta ao objetivo principal da pesquisa é exposto a provável inconstitucionalidade do Protocolo ICMS 21/2011 em face da Constituição Federal. Palavras-chave: Comércio eletrônico. Protocolo ICMS 21/2011. Operações Interestaduais. ICMS.

8 ABSTRACT The constitution stipulates that operations not involving interstate ICMS taxpayer, the tax is collected by the State of origin of the product, but with the advancement of electronic commerce, the less developed states began to realize that I was falling considerably ICMS collection due to increased sales not face. To try to reverse the situation, the member who felt harmed, signed the Protocol ICMS 21/2011, modifying the way in online sales revenue, contrary to the Federal Constitution. The first chapter deals with the origin of the taxes, as well as species and their functions. Later, in the second chapter addresses the Protocol ICMS 21/2011, analyzing its aspects. Finally, the last chapter, in response to the main objective of the research is likely exposed the unconstitutionality of Protocol ICMS 21/2011 in the face of the Constitution. Keywords: Ecommerce. Protocol ICMS 21/2011. Interstate Operations. ICMS

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONSIDERACOES GERAIS SOBRE O TRIBUTO A Origem do Tributo Conceito de Tributo Espécies Tributarias Impostos Taxas Contribuição de Melhoria Empréstimo Compulsório Contribuições Especiais Contribuições de interesse das categorias corporativas Contribuições para a Seguridade Social Contribuições de intervenção no domínio econômico A Função Social do Tributo Fiscalidade Parafiscalidade Extrafiscalidade Análise Geral do ICMS...29

10 3. PROTOCOLO ICMS 21/ O ICMS no Comercio Eletrônico Considerações Gerais do Protocolo ICMS 21/ Mudanças advindas com o Protocolo ICMS 21/ A (IN)CONSTITUCIONALIDADE DO PROTOCOLO ICMS 21/ Afronta do Protocolo ICMS 21/2011 à Constituição Federal Posicionamento Favorável Propostas de emenda à Constituição Federal CONCLUSÃO...68 REFERÊNCIAS...70 APÊNDICES...72 APÊNDICE A...73

11 11 1. INTRODUÇÃO Nesta monografia, abordou-se a temática da constitucionalidade do protocolo ICMS 21/2011, pois se compreende que o ICMS é considerado o imposto de maior importância para os entes federados, desta forma, um assunto de grande valia. Mesmo se tratando de um imposto estadual, por sua grande dimensão, pode-se considerá-lo como um imposto de caráter nacional por se tratar de uma exação onde sempre são suscitados grandes embates, no qual cada Estado quer levar uma parcela maior. Com o avanço da internet, ao longo da última década o comércio eletrônico teve um elevado crescimento, apresentando a cifra de aproximadamente R$ 20 bilhões de reais em Pela regra posta pela Constituição Federal, o ICMS devido nas operações interestaduais envolvendo a empresa remetente da mercadoria e consumidor final, será recolhido em sua totalidade pelo Estado onde a mercadoria saiu. Com a mudança de comportamento das pessoas em preferirem comprar via internet e deixar de comprar presencialmente, os Estados menos desenvolvidos sentiram uma grande diferença na perda da arrecadação que antes era obtida pelas vendas presenciais, visto que a Carta Magna não acompanhou o avanço tecnológico e não permitiu que os Estados destinatários também recebesse alguma parcela do imposto pela transação realizada. Com o intuito de reestabelecer o volume de arrecadação do imposto de maior importância para os Estados, os que se sentiram desfavorecidos com a regra constitucional assinaram o Protocolo ICMS 21/2011, em que foi estabelecido que nas operações interestaduais envolvendo não contribuinte do imposto, o Estado de origem cobra o diferencial de alíquota que será repassado para o Estado de destino.

12 12 Ocorre que tal determinação é presumidamente inconstitucional, de modo que estabelece norma contraria a Constituição, especificamente ao art. 155, a qual determina que nas operações envolvendo consumidor final em outro Estado, o imposto será devido ao Estado de origem. Desta forma, o presente trabalho tem como finalidade abordar o referido tema, pois tem suscitado grandes discussões jurídicas acerca de sua constitucionalidade, gerando, assim, um sentimento insegurança para todos os envolvidos. Frisa-se que para alcançar escopo central do trabalho, foi utilizada a metodologia indutiva, bem como todo material bibliográfico e jurisprudencial disponível acerca do assunto, de modo a corroborar com a formação do problema dentro de um referencial teórico. Com essa prévia a presente pesquisa está estruturada da seguinte forma: no primeiro capítulo, tratou-se da origem dos tributos, bem como suas espécies e funções. No segundo capítulo, foi abordado o Protocolo ICMS 21/2011, analisando-se os seus aspectos. Finalmente, no último capítulo, em resposta ao objetivo principal da pesquisa é exposto à provável inconstitucionalidade do Protocolo ICMS 21/2011 em face da Constituição Federal. Em seguida, têm-se as considerações finais e as referências bibliográficas.

13 13 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O TRIBUTO Os tributos surgiram na antiguidade como forma de presente para os líderes de tribos por suas prestações à comunidade. Vê-se que com o passar do tempo, esta oferenda passou a ser obrigatória, como forma de angariar recursos para os cofres públicos, para que desta maneira pudesse haver investimentos. Muito era discutido acerca das espécies tributarias, porém, hoje, o entendimento doutrinário majoritário defende serem cinco, as espécies, entendimento esse acatado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 2.1 A Origem do Tributo. Presume-se que as primeiras manifestações tributárias não ocorreram de forma obrigatória e foram feitas em forma de oferendas aos líderes tribais por seus serviços prestados à comunidade. Inicia-se desta forma a mudança na filosofia da arrecadação, deixando sua forma voluntaria para se tornar obrigatória. A origem dos tributos é muito antiga. Há milhares de anos, já existiam registros de que o Estado obrigava seus súditos a retirar parte do patrimônio, sob a prerrogativa de que seria em benefício geral. Em um contexto geral, os impostos seguem o desenvolvimento da sociedade humana organizada. Nos primórdios da sociedade, em tempos de guerra, as nações vencidas eram obrigadas a pagar tributos à nação vencedora, com a finalidade de evitar novos conflitos e abastecer os cofres públicos que foram desfalcados com os gastos da guerra. 1 1 RIOS, José Lázaro Carneiro. Origem e evolução do tributo. Viajus. Disponível em Acesso em : 27 fev 2012.

14 14 Faz-se importante destacar a Revolução Francesa na história da arrecadação de tributos. Na França de Luís XIV, a população, revoltou-se devido às constantes majorações tributárias, resultando, assim, em uma grande revolta popular, provocando grandes mudanças não somente na França, como também em vários países do ocidente. Na época em que o Brasil era colônia, Portugal, instituiu o quinto, que correspondia a um quinto da produção do ouro, dentre outros tributos que incidiam da importação, produtos agrícolas, etc. 2.2 Conceito de Tributo. Embora não seja a única fonte de renda para o Estado, o tributo ocupa lugar de significante importância para a obtenção de receita para as finanças públicas. Através do tributo o Estado consegue recolher fundos para angariar as necessidades financeiras. O tributo é figura essencial para o funcionamento regular de um Estado, pois é a partir de sua arrecadação que se torna possível a consecução de obras, a prestação de serviços, investimentos em diversos setores, dentre outras finalidades. O Art. 3 do Código Tributário Nacional nos traz o conceito jurídico do tributo: Art. 3 Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção ao ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Na doutrina encontram-se outros significados do termo tributo: segundo Carrazza, tributo é a relação jurídica que se estabelece entre o Fisco e o contribuinte (pessoa

15 15 colhida pelo direito positivo), tendo por base a lei, em moeda, igualitária e decorrente de um fato lícito qualquer. 2 Já Luciano Amaro relata que tributo é a prestação pecuniária não sancionatória de ato ilícito, instituída em lei e devida ao Estado ou a entidades não estatais de fins de interesse público 3 Após, a leitura do CTN, fica esclarecido o conceito de tributo, mas se faz importante aprofundar as características das espécies tributárias, na qual todas devem estar presentes, sem exceção, caso contrário, não se trata de um tributo, mas de outro tipo de exação: a) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória ; A referida afirmação, não comporta qualquer prestação voluntaria, pois se trata de comportamento obrigatório que nasce de lei e não da por vontade das partes. Esta obrigação de pagar é representada por uma prestação pecuniária. b) Em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir ; No sistema tributário, todas as normas tributárias requerem pagamento em dinheiro. c) Que não constitua sanção de ato ilícito ; Não se pode confundir tributo com as multas originarias de infrações de trânsitos e as que decorrem de crimes, pois estas não são consideradas tributos e sim uma penalidade pelo cometimento de uma infração à lei, as quais podemos qualificar como receitas de natureza compulsória. Ricardo Lobo Torres, ao distinguir as penalidades pecuniárias e as multas fiscais dos tributos, leciona que as primeiras, embora constituam prestações compulsórias, têm a finalidade de garantir a inteireza da ordem jurídica tributária contra prática de 2 CARRAZA, Antonio Roque. Curso de Direito Constitucional Tributário. 25. ed. São Paulo: Malheiros, 2009, p AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003, p. 21.

16 16 atos ilícitos, sendo destituídas de qualquer intenção de contribuir para as despesas do Estado 4 d) Instituída em lei ; Segundo o Art. 5º, II, CF Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa se não em virtude de lei e art. 150, I, CF - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça. e) Cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada; Tratase de ato obrigatório do administrador público, pois na ocorrência de fato gerador, este, não pode se eximir de cobrar o tributo, inexistindo margem para discricionariedade, por ser instituída na forma da lei; Ao analisar o conceito de tributo, pode-se deduzir que se trata de um dever, que consiste em prestação em pecúnia, em que não represente imposição de pena, exigido de quem tenha realizado o fato exposto em lei e com o propósito de obter receita a fim de suprir às necessidades públicas. 2.3 Espécies Tributárias. Quanto à classificação dos tributos, podem-se encontrar diversas teorias; A Teoria Bipartida classifica como espécies apenas os impostos e taxas. Outra é a Teoria Tripartite, uma divisão que se adéqua a Constituição, que prevê a instituição de impostos, taxas e contribuições de melhoria. Com outra linha de pensamento, demais doutrinadores, entendem que os tributos se encaixam na Teoria Tetrapartida, na qual as contribuições especiais expostas nos arts. 148 e 149 da CF/88 encontram-se inseridas nas contribuições de melhoria, esta de 4 TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. São Paulo: Renovar, 2003, p. 291.

17 17 interpretação em sentido amplo, portanto, apresentando os impostos, taxas, contribuições de melhoria e empréstimos compulsórios. Tem-se como melhor classificação, a Teoria Pentapartida que considera os impostos, taxas, contribuições de melhoria, os empréstimos compulsórios e contribuições especiais, doutrina em acordo com o entendimento do Supremo Tribunal Federal. As sábias palavras de Hugo de Brito Machado nos reforçam a ideia de que realmente são cinco as espécies tributarias; Finalmente, tendo em vista o art. 148 da vigente Constituição Federal, também os empréstimos compulsórios não podem ser deixar de ser considerado uma espécie de tributo [...] o empréstimo compulsório na verdade não é tributo. Ele não é receita, do ponto de vista econômico [...] Mas, no direito positivo brasileiro [...] figura no capítulo do Sistema Tributário o que parece indicar que o constituinte de 1988 também lhe atribuiu à natureza de tributo. 5 Finalmente, há ainda, a Teoria Hexapartida incluindo uma sexta espécie, que devido a Emenda Constitucional n.º 39 de 2002, alguns operadores do direito defendiam serem os serviços de iluminação, conhecida como CIP ou COSIP. Trata-se de entendimento sem expressão na jurisprudência e doutrina Impostos O imposto é um tributo, cuja obrigação tem por fato gerador uma situação que não depende de contraprestação estatal - é o que se depreende da dicção do art. 16 do CTN; 5 MACHADO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. 26.ed. São Paulo : Malheiros, 2005, p.77.

18 18 Art. 16. Imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. De acordo com o que nos diz o art. 16 do CTN, o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal especifica relativa ao contribuinte, que dizer que trata de um tributo não vinculado. Imposto é a quantia em moeda, exigida na forma da lei pelo Estado, que a pessoa - física ou jurídica - deverá pagar para que as depessas feitas vizando o interesse comum sejam atendidas, não devendo, levar-se em conta a existência de vantagens pessoais. Destina-se a cobrir às necessidades públicas gerais. Dentre o gênero tributo, encontra-se a espécie imposto. Para Geraldo Ataliba, imposto é uma modalidade de tributo que tem por hipótese de incidência um fato qualquer, não consistente numa atuação estatal. 6 Esclarece Hugo de Brito Machado, que as hipóteses de incidência de impostos evidenciam ser sua cobrança independente da atuação estatal específica relativa ao contribuinte: [...] não importa que o Estado tenha ou não prestado algum serviço [...] o surgimento da obrigação tributária é sempre relacionado ao agir, ou ao ter do contribuinte, e inteiramente alheia ao agir do Estado. 7 A finalidade do imposto é a de arrecadar receita para que o Estado possa cumprir suas funções e abastar as necessidades do povo, podendo o contribuinte se beneficiar com isso. Entretanto, é favorecido das atividades estatais, porque é um cidadão, e não 6 ATALIBA, Geraldo. Hipótese de incidência tributária. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2009, p MACHADO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. 26.ed. São Paulo : Malheiros, 2005,p.297.

19 19 porque é contribuinte. Não há uma relação direta entre o beneficio usufruído e o pagamento. Pelo depreendido do art. 145 da Carta Magna, os imposto podem ser estabelecidos pela União, Estados, DF e Municípios. Em sendo de competência distrital, este poderá instituir impostos municipais e estaduais, segundo a redação do art. 147 da Constituição Federal Taxa Taxas são tributos cobradas em razão de serviço público prestado ao contribuinte ou colocador, a sua disposição, para seu uso particular ou por interesse individual específico. De forma contrária ao o que acontece com os impostos, a taxa, é uma espécie de tributo vinculado a uma prestação de serviço estatal. Desta forma, deve-se entender que a taxa deverá ser cobrada de forma que irá onerar quem efetivamente utilizou o serviço ou o tem à sua disposição, desde que seja, possível quantificar, o seu uso potencial ou real. Assim, como os outros tributos, a taxa possui base de cálculo a ser definida por lei e deverá ser diferente daquela fixada aos impostos, bem como ter correlação ao custo da atividade prestada pelo Estado. A respeito da base de calculo das taxas, Kiyoshi Harada, trás o seguinte pensamento; É preciso analisar as bases de cálculo das taxas, a fim de averiguar se não coincidem com bases de cálculo típicas dos impostos. Por exemplo, não podem as taxas incluir em sua base

20 20 de cálculo a área do imóvel, que é fator componente da base de cálculo do IPTU. 8 Na legislação tributária brasileira, taxa é uma quantia de pagamento obrigatório em moeda em troca de algum serviço público ou para o exercício do poder de polícia oferecido diretamente pelo estado. A respeito dos limites de validade da cobrança das taxas leciona Paulo de Barros Carvalho, relata que as taxas podem ser exigidas em função do exercício do poder de polícia ou em função da prestação efetiva ou potencial de serviço público específico e divisível. Expressa-se abaixo a lição do autor: Em função do exercício do poder de polícia inspecionando e fiscalizando os particulares em nome do bem comum,, que abre espaço à remuneração por meio da taxa de polícia [...] o ato expressivo do poder de polícia deve ser específico e divisível para fins de exigência da taxa. Em função da prestação efetiva ou potencial de serviço público específico e divisível - específico refere-se exatamente à referência direta ao particular que constitui a especificidade do serviço público [...] divisibilidade por sua vez, significa a possibilidade de mensurar o serviço. [...] a cobrança da taxa poderá ocorrer não apenas nos casos em que houver efetiva utilização do serviço público específico e divisível, mas também nas hipóteses em que, sendo o serviço de utilização compulsória, seja ele colocado à disposição do particular. 9 O poder de polícia, expresso no artigo 78 do CTN, ocorre pelo fato de existirem direitos em que o seu exercício pode ferir o interesse da coletividade, razão pela qual sofrem limitações de ordem pública. Citam-se, como exemplo, os casos de licença para construir imóveis, ou alvará para o porte de arma. Nesses casos, o Estado não exerce um serviço, mas executa uma atividade de polícia, tendo em vista que o exercício de 8 HARADA, KYIOSHI. Direito financeiro e tributário. 17. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p CARVALHO, Paulo de Barros. Direito tributário linguagem e método. 2. ed. São Paulo, 2008, p.698.

21 21 tais direitos obedecem às leis de segurança, cabendo ao Estado verificar o cumprimento das exigências legais. Já as taxas de serviços, o que dá ensejo à cobrança é o serviço público essencial de competência do Estado. São aquelas que têm como fato gerador a utilização de determinados serviços públicos. Exemplos: taxa de emissão de passaporte, taxa para emissão de certidão de bons antecedentes. De acordo com o artigo 145, II da Constituição e com o disposto pelo artigo 77 do CTN, para que o serviço público possa servir como fato gerador da taxa, ele deve ser: específico e divisível; prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição; e utilizado, efetiva ou potencialmente, pelo contribuinte Contribuição de Melhoria A Contribuição de Melhoria é o tributo que tem como propósito custear obras públicas das quais decorrem em valorização de bens imóveis. A sua cobrança ocorre em decorrência de obra pública, um imóvel tenha sido valorizado. Elucida Kiyoshi Harada; que a contribuição de melhoria tem sua cobrança legitimada sempre que da execução da obra pública decorrer valorização imobiliária para o contribuinte. 10 Ausente à valorização do imóvel não estará legitimada a cobrança da contribuição de melhoria, conforme ensina Luciano Amaro 11 Adotada a doutrina de Geraldo Ataliba, pode-se dizer que a contribuição de melhoria é tributo vinculado, tal qual a taxa. Ocorre que no caso da contribuição de 10 HARADA, Kyioshi. Direito financeiro e tributário. 17. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p

22 22 melhoria a hipótese de incidência consiste na descrição de uma consequência da atuação estatal, a valorização do imóvel, e não na atuação estatal em si. 12 A hipótese de incidência da contribuição de melhoria ocorre quando há a construção de obra pública que acarrete valorização imobiliária ao patrimônio do contribuinte. As pessoas que irão se beneficiar com a obra terão que arcar com seus custos, podendo ser total ou parcialmente. A contribuição de melhoria não é uma contraprestação estatal, mas sim, a recuperação do enriquecimento obtido por um proprietário em razão de obra pública no local onde está localizado o imóvel. Importante ser frisado que é qualquer obra pública que enseja cobrança de contribuição de melhoria. É requisito necessário para a cobrança que com a obra realizada o imóvel venha a sofrer uma real valorização. O valor cobrado não irá ultrapassar o valor da valorização, nem mesmo o valor total da obra Empréstimo Compulsório A característica mais importante deste tributo é a sua natureza restituível, ou seja, o tributo pago será devolvido ao contribuinte. Para que possa ser instituído necessita de lei que o estabeleça. Essa espécie tributaria é de competência exclusiva da União. A União apenas poderá instituir empréstimos compulsórios por lei complementar, é o que dispõe o artigo 148 da Constituição; Art A União, mediante lei complementar, poderá instituir Empréstimo Compulsório: 12 ATALIBA, Geraldo. Hipótese de incidência tributária. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2009,p.131.

23 23 I - para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; II - no caso de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional, observado o disposto no Art. 150, III, b. Parágrafo único - A aplicação dos recursos provenientes de empréstimo compulsório será vinculada à despesa que fundamentou sua instituição. Despesas extraordinárias, segundo Sacha Calmon Navarro Coelho, ocorrem; Quando comprovada a inanição do Tesouro, quando, esgotados os fundos públicos, inclusive os de contingência, subsiste a necessidade de custear medidas essenciais a serem tomadas em caso de calamidades públicas sérias (maremotos, terremotos, graves enchentes), verdadeiras catástrofes, hecatombes avassaladoras. 13 O valor obtido com o Empréstimo Compulsório, não integra o patrimônio público, pois será restituído a quem contribuiu. A Lei na qual irá determinar o empréstimo compulsório, irá também determinar sua devolução e o prazo para ser resgatado. A devolução deverá ser feita em moeda corrente. Deve ser apontado que o empréstimo compulsório não é um tributo vinculado a uma atuação da Administração Pública como ocorre com as taxas Contribuições Especiais 13 COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Comentários à Constituição de 1988: sistema tributário. 4. ed. Rio de Janeiro Forense, 1992.

24 24 As contribuições especiais, do mesmo modo como ocorre com os empréstimos compulsórios, são tributos que competem a União instituir, conforme se pode depreender do art. 149 da Carta Magna;. Art. 149, caput. Compete exclusivamente a União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesses das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, 6, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo. Como se pode auferir do artigo acima, existem três tipos de contribuições especiais: 1- Contribuições de interesse das categorias corporativas; 2- Contribuições para a Seguridade Social e 3- Contribuições de intervenção no domínio econômico Contribuições de interesse das categorias corporativas. Luciano Amaro expressa que: As contribuições de interesse das categorias profissionais e econômicas destinam-se ao custeio das instituições que fiscalizam e/ou representam categorias econômicas ou profissionais, que tem capacidade para cobrar contribuições em nome da União e se beneficiarem de tais recursos. 14 Pode-se citar como exemplos das contribuições aqui tratadas, as contribuições arrecadadas para a manutenção do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - 14 AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2003, p. 55.

25 25 SENAC, do Serviço Social do Comércio- SESC e da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB Contribuições Sociais As contribuições sociais estão classificadas como subgênero das contribuições especiais, configurando-se quando se trate de contribuição voltada à atuação da União na área social 15. As Contribuições Sociais desdobram-se em três contribuições, quais sejam; Contribuições de Seguridade Social, Outras da Seguridade Social e às Sociais Gerais, dispostas nos artigos 194, 195 e 215 da Constituição Federal. Porém, ocorre que; Apenas as contribuições para a seguridade social encontram, na Carta Magna, disciplina exaustiva das suas hipóteses de incidência, exigindo, para criação de novas materialidades, estrita observância aos requisitos impostos ao exercício da competência residual: instituição mediante lei complementar, nãocumulatividade, e hipótese de incidência e base de cálculos diversos dos discriminados na Constituição (art. 195, 4º) 16 De início, importa compreender que as contribuições para a Seguridade Social destinam-se ao custeio dos serviços de Saúde, Previdência e Assistência Social. É o que se depreende do artigo 194 da Constituição Federal: Art A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. 15 PAULSEN, Leandro, Direito tributário: Constituição e Código Tributário a luz da doutrina e da jurisprudência, 7. ed. Rev. atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado: ESMAFE, 2005, p CARVALHO, Paulo de Barros. Direito tributário linguagem e método. 2. ed. São Paulo, 2008.p. 45.

26 26 Sobre as contribuições sociais, Paulo de Barros Carvalho observa que; O legislador federal, ao descrever hipótese de incidência e base de cálculo para as contribuições delineadas no artigo 195 da Constituição Federal, deverá limitar-se a instituir apenas uma contribuição para cada hipótese. Ademais, tais contribuições devem ter a receita, com elas arrecadada, destinada ao Orçamento da Seguridade Social (art. 165, 5º, III c/c art. 167, VIII, CF71). 17 Hugo de Brito Machado aduz que: O Orçamento da Seguridade Social não se confunde com o do Tesouro Nacional, restando claro que as receitas das contribuições do artigo 195 da Constituição Federal, vinculam-se, exclusivamente, ao custeio da Seguridade Social Contribuições de intervenção no domínio econômico A CIDE será instituída somente pela União e tem com fim, intervir na atividade econômica. A intervenção estatal inclui as atividades de fiscalizar, normatizar e regular a atividade econômica e incentivar a iniciativa privada, por meio de favores fiscais ou financiamentos. A dicção acima tem base legal na Constituição, precisamente em seu art. 174, que diz que incumbe ao Estado atuar como fiscalizador, incentivador e planejador da atividade econômica; destacando e, todavia, que o planejamento estatal não vincula a iniciativa privada, pois meramente indicativo. 17 BARROS CARVALHO, Paulo de Curso de Direito Tributário, São Paulo : Saraiva, 2002; p MACHADO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. 26.ed. São Paulo : Malheiros, 2005.p. 68

27 27 Roque Antônio Carraza expõe que por meio da CIDE: A União usa de institutos tributários para direcionar os contribuintes a certos comportamentos, comissivos ou omissivos, úteis ao interesse coletivo. 19 Percebe-se que as CIDEs são contribuições finalísticas, que visam intervir na atividade econômica. Assim, presume-se que a atividade geradora da CIDE teve ser à finalidade por ela ansiada. 2.4 A Função Social do Tributo O Estado possui suas diversas funções, exercendo suas atividades sempre buscando a melhoria de vida das pessoas, o bem comum. Para que essas atividades sejam possíveis, é preciso, serem custeadas e nessa hora em que o contribuinte tem papel essencial para a arrecadação. O indivíduo, componente fundamental do Estado, é submetido ao pagamento de tributos, de forma instituída em lei, com a finalidade de angariar as necessidades do Estado para que poça cumprir com sua função. O contribuinte precisa ter consciência de que é a peça fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade, pois somente com a tributação é possível que o Estado tente diminuir as desigualdades sociais, suprindo as necessidades e tentar promover a igualdade social entre os cidadãos Fiscalidade 19 CARRAZA, Roque Antonio. Curso de Direito Constitucional Tributário Op. Cit., p. 563.

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos importantes para um melhor entendimento de temas futuros, ok! 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES 1. FATO GERADOR/ HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul fundamento a necessidade de de tal medida, nos seguintes termos:

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul fundamento a necessidade de de tal medida, nos seguintes termos: Processo Gab n 067/2011 REQUERENTE: Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Mato Grosso do Sul OBJETO: Análise da constitucionalidade do Decreto n 13.162, de 27 de abril de 2011. VOTO. O Governo do

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Artigo 1 A Constituição Federal passa a vigorar com os seguintes artigos alterados ou acrescidos: Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: XVI estabelecer

Leia mais

Reconhecer as diversas espécies de tributos cobrados pela União, pelos Estados e pelos Municípios;

Reconhecer as diversas espécies de tributos cobrados pela União, pelos Estados e pelos Municípios; 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-45 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTARIO II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Impostos.

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA Salvador, 17 de Março de 2014. Da: CAMP - Consultoria em Administração Pública Ltda. Para: Prefeito Municipal de Barrocas Senhor Prefeito, Vimos por meio deste, em atenção a consulta feita por V.Exª.,

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Olá amigos concurseiros, Hoje eu venho falar um pouco sobre a prova de direito tributário do concurso do ICMS/PE que será elaborada pela banca FCC.

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS GUIA COMPLEMENTAR - SIMPLES NACIONAL Introdução - Casos de Emissão do DAS Complementar - Geração do DAS Após o

Leia mais

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Ordenamento Jurídico- Tributário 1.Constituição Federal, Título

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS 1 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS IRACI DE OLIVEIRA KISZKA 1 SANDRÉA ALVES ABBAS 2 RESUMO Este trabalho procura apontar algumas divergências doutrinárias sobre as contribuições sociais, em

Leia mais

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF

I SEMANA DE ATUALIZAÇÃO FISCAL Direito Tributário e Legislação Tributária - Aula 01 Alan Martins. Posicionamento Clássico do STF Tema 1: Quentinho do forno!!! MP 670/2015 PLV 7/2015 Nova tabela do IRPF Isenção de PIS/PASEP e de COFINS sobre óleo diesel Dedução para professores de gastos com livros para si e seus dependentes. Princípio

Leia mais

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta:

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ENVIADA AO CONGRESSO EM FEVEREIRO DE 2008 (SE REFERE AOS TÓPICOS DE INTERESSE DOS MUNICÍPIOS) Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: Adv.

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETA DE ESGOTO-TAXA OU PREÇO PÚBLICO?

A NATUREZA JURÍDICA DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETA DE ESGOTO-TAXA OU PREÇO PÚBLICO? A NATUREZA JURÍDICA DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETA DE ESGOTO-TAXA OU PREÇO PÚBLICO? CARLA ADRIANA BASSETO DA SILVA A autora é advogada, do SERVIÇO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Cássio Furlan cassiofurlan@yahoo.com.br Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL. Irapuã Beltrão

ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL. Irapuã Beltrão ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL Irapuã Beltrão As primeiras lições dos ramos de Direito Público, seja no Direito Constitucional como no Direito Administrativo e Tributário, encaminham o

Leia mais

A COBRANÇA DE ICMS NA ENTRADA DE MERCADORIAS ORIUNDAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO ESTADO DO CEARÁ

A COBRANÇA DE ICMS NA ENTRADA DE MERCADORIAS ORIUNDAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO ESTADO DO CEARÁ A COBRANÇA DE ICMS NA ENTRADA DE MERCADORIAS ORIUNDAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO ESTADO DO CEARÁ Autor: Álisson Rafael Fraga da Costa OAB/RS 74.259 Sócio do Escritório Costa & Koenig Advogados Associados

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

CRÉDITO FISCAL DE ICMS: UMA FERRAMENTA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA. 1. Apresentação

CRÉDITO FISCAL DE ICMS: UMA FERRAMENTA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA. 1. Apresentação CRÉDITO FISCAL DE ICMS: UMA FERRAMENTA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA Renato Crivelli Martins 8º Semestre de Ciências Contábeis na Finan. 1. Apresentação Atualmente as empresas encontram-se preocupadas com a elevada

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009 PARECER: 41 / 2009 ASSUNTO: Descabimento da exigência de nota fiscal de serviços para pagamento de valores de aluguel contratados com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: UESPI- Universidade

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Definição: aptidão para criar, in abstracto, tributos. (Roque Carrazza)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO GETRI 1 Interessado: 6ª DRRE/ARIQUEMES. EMENTA: Diferencial de alíquota. Bens do ativo fixo. Produtor rural. Leasing. Incidência do ICMS na opção de compra. 1. DO RELATÓRIO: A 6ª DRRE, com suporte no disposto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada*

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada* Fato gerador do ISS Kiyoshi Harada* Este é um tema aparentemente pacífico, mas na prática vem causando muitas dúvidas. senão confusões. Façamos considerações pertinentes para melhor explicitar o aspecto

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

MATERIAL PARA ESTUDO COMPLEMENTAR BENEFÍCIOS FISCAIS PROF. EDUARDO SABBAG OAB/2ª FASE TRIBUTÁRIO

MATERIAL PARA ESTUDO COMPLEMENTAR BENEFÍCIOS FISCAIS PROF. EDUARDO SABBAG OAB/2ª FASE TRIBUTÁRIO Página 1 MATERIAL PARA ESTUDO COMPLEMENTAR BENEFÍCIOS FISCAIS PROF. EDUARDO SABBAG OAB/2ª FASE TRIBUTÁRIO Entende-se por benefício fiscal a redução ou eliminação, direta ou indireta, de ônus tributário

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 56, de 2011, que altera os incisos VII e VIII do 2º do art. 155 da Constituição Federal

Leia mais

Tributo e espécies tributárias

Tributo e espécies tributárias Tributo e espécies tributárias Alexsander Roberto Alves Valadão* Conceito de tributo O conceito de tributo está previsto no artigo 3.º do Código Tributário Nacional (CTN), que estabelece de modo adequado

Leia mais

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009 01. Analise os itens a seguir: I - Imposto direto é aquele em que a pessoa que praticou o fato tipificado na lei suporta o respectivo ônus fiscal e imposto indireto é aquele em que o ônus financeiro do

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO.

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Centro Universitário de Brasília - UNICEUB VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Brasília 2009 1 VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imposto Sobre Circulação De Mercadorias E Serviços * Vanessa Pavani Mello O critério material do ICMS O ICMS está previsto na CF no artigo 155, inciso II, e inserido na competência

Leia mais

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR)

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR) 1. (OAB/CESPE 2007.3) Entre as seguinte vedações, não tem exceção expressa no texto constitucional A a instituição de tributo sem lei que o estabeleça. B a majoração de tributo sem lei que o estabeleça.

Leia mais

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro CONSULTA A Consulente vem promovendo a operação de venda de lubrificantes (óleo protetivo derivado

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

IPI ICMS - RJ ISS - RJ LEGISLAÇÃO - RJ ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2010

IPI ICMS - RJ ISS - RJ LEGISLAÇÃO - RJ ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2010 ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2010 IPI REMESSA PARA UTILIZAÇÃO FORA DO ESTABELECIMENTO - ASPECTOS GERAIS Introdução - Remessa - Nota Fiscal - Retorno - Nota Fiscal...

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais