Ácidos Nucléicos OS ÁCIDOS NUCLÉICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ácidos Nucléicos OS ÁCIDOS NUCLÉICOS"

Transcrição

1 Ácidos Nucléicos DNA e RNA Profª Ana Luisa Miranda Vilela OS ÁCIDOS NUCLÉICOS Constituintes: Nucleotídeos formados por três diferentes tipos de moléculas: um açúcar (pentose) desoxirribose no DNA e ribose no RNA. um grupo fosfato. uma base nitrogenada. Nucleotídeo de DNA Nucleotídeo de RNA OBS.: A molécula sem o grupo fosfato é chamada nucleosídeo. 1

2 RNA versus DNA PENTOSES 5 HOH 2 C 4 H H O OH H H 3 2 OH OH Ribose (RNA) 1 5 HOH 2 C 4 H H O OH H H OH H Desoxirribose (DNA) 2

3 Compostos heterocíclicos Entendem-se por compostos heterocíclicos, aqueles compostos orgânicos cíclicos estáveis, que contem no seu anel um ou mais átomos diferentes do carbono. 4

4 5

5 O prefixo ribo também é aceitável para os ribonucleosídeos e ribonucleotídeos; porém a nomenclatura mais curta é a mais usada. Timina é uma exceção: o nome ribotimina é usado para descrever sua ocorrência não usual no RNA. 6

6 LIGAÇÃO GLICOSÍDICA Ligação covalente estabelecida entre o carbono 1 da pentose e o N1 das pirimidinas ou o N9 das purinas. Pentose + base nitrogenada = nucleosídeo. Figura representativa de nucleosídeos de DNA NUCLEOTÍDEOS DE DNA 1

7 NUCLEOTÍDEOS DE RNA 2

8 É necessário que a hidroxila da posição 3 de um nucleotídeo esteja livre para que a DNA polimerase possa catalisar o ataque nucleofílico ao fosfato (alfa) ligado ao carbono 5 do desoxinucleosídeo 5 trifosfato seguinte, promovendo liberação de pirofosfato inorgânico e de energia suficiente para que ocorra a ligação fosfodiéster. 10

9 11

10 Por definição, a extremidade 5 não possui nucleotídeo ligado na posição 5, e a extremidade 3 não o possui na posição 3. Outros grupos (na maioria das vezes um ou mais fosfatos) podem estar presentes em uma ou em ambas as extremidades. 12

11 DNA - REGRA DE CHARGAFF Erwin Chargaff (1950) técnica para medir a quantidade de cada tipo de base no DNA de diferentes espécies. Seus dados mostraram que: quantidade relativa de um dado nucleotídeo pode ser diferente entre as espécies, mas sempre A = T e G = C. razão 1:1 entre bases púricas e pirimídicas em todos os organismos estudados : A+G=T+C. quantidade relativa de cada par AT ou GC pode variar bastante de organismo para organismo razão A+T/G+C é característica da espécie analisada. 1

12 Por definição, a extremidade 5 não possui nucleotídeo ligado na posição 5, e a extremidade 3 não o possui na posição 3. Outros grupos (na maioria das vezes um ou mais fosfatos) podem estar presentes em uma ou em ambas as extremidades. 14

13 DNA - PAREAMENTO DE BASES Bases são complementares. Pontes de hidrogênio entre os grupamentos amino e carbonil de duas bases ocorrem em função da configuração eletrônica e da configuração espacial da molécula: A = T 2 pontes de hidrogênio G C 3 pontes de hidrogênio G C É MAIS ESTÁVEL DNA - PAREAMENTO DAS FITAS Complementares. Anti-paralelas. 1

14 DNA - MOLÉCULA Grupo fosfato e desoxirribose (parte hidrofílica) localizados na parte externa da molécula. Bases nitrogenadas (parte hidrofóbica) empilhadas dentro da dupla hélice, com suas estruturas hidrofóbicas de anéis quase planos muito próximos e perpendiculares ao eixo da hélice. DNA - MOLÉCULA Pareamento das bases cria dois sulcos na superfície da dupla fita : sulco maior (principal): 22Å. sulco menor (secundário): 12Å. Hélice dextrógera: uma volta completa 36 (10,5 pares de bases empilhadas); diâmetro: 20Å. 2

15 DUPLA HÉLICE DE DNA DNA TOPOLOGIAS ALTERNATIVAS Ocorrem em função do estado fisiológico. FORMA B FORMA A FORMA Z Diâmetro ~20 Å ~26 Å ~18Å Base/volta 10,5 11,0 12,0 Inclinação das bases Onde acontece Sentido da hélice fisiológica [H 2 O] Regiões C/G ( * ) dextrógera dextrógera levógera ( * ) promotor de gene eucariótico. 3

16 PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS DO DNA Soluções de DNA, em ph = 7,0 e temperatura ambiente, são altamente viscosas. Em altas temperaturas ou ph extremos o DNA sofre desnaturação ruptura das pontes de hidrogênio diminui a viscosidade da solução de DNA. Durante a desnaturação nenhuma ligação covalente é desfeita, ficando portanto as duas fitas de DNA separadas. Quando o ph e a temperatura voltam ao normal, as duas fitas de DNA espontaneamente se enrolam formando novamente o DNA dupla fita. DNA - FUNÇÕES Contém os genes, responsáveis pelo comando da atividade celular e pelas características hereditárias. Cada molécula de DNA contém vários genes dispostos linearmente ao longo da molécula. Cada gene, quando em atividade, é transcrito em moléculas de RNA. 4

17 RNA - MOLÉCULA TIPOS DE RNA RNA mrnas (RNAs mensageiros) rrnas (RNAs ribossômicos) FUNÇÃO Informacional: codificam cadeias polipeptídicas (veículo pelo qual a informação genética é transferida do DNA aos ribossomos para a síntese de cadeias polipeptídicas). Estrutural: componentes estruturais dos ribossomos. Catalítica: catalisa a tradução de um mrna em uma cadeia polipeptídica (ribossomo). 5 mrna 3 Ribossomo (rrna + proteínas) 5

18 RNA trnas (RNA transportador ou de transferência) TIPOS DE RNA FUNÇÃO Transferência de informação: moléculas adaptadoras que traduzem a informação presente no mrna em uma seqüência específica de aminoácidos. Aminoacil-tRNA Sintetase Faz o reconhecimento e a ligação do aminoácido correto aos seus trna apropriados. 6

19 TIPOS DE RNA RNA snrnas (pequenos RNA nucleares do inglês small nuclear RNA) scrnas (pequenos RNA citoplasmáticos do inglês small cytoplasmic RNA) RNA SL (spliced leader RNA ou RNA-líder) SnoRNAs (pequenos RNAs encontrados nos nucléolos) RNA I (RNA iniciador ou primer) FUNÇÃO Partículas ribonucleoprotéicas envolvidas no processamento do mrna (splicing). Envolvido no processamento do mrna em diversas espécies de tripanossomos e no nematódeo Caernohabditis elegans. Envolvidos no processamento do rrna. Fornece uma extremidade 3 -OH livre para a DNA polimerase iniciar a adição de nucleotídeos durante a replicação do DNA. 7

20 A ribonuclease P (RNAse P) é uma endonuclease que processa trna de E.coli e pode ser dissociada em dois componentes: um RNA de 375 bases e um polipeptídeo de 20 kd. Sua atividade catalítica reside no RNA, mas o componente protéico é responsável por um grande aumento na velocidade da reação. Os pequenos RNAs de vegetais são moléculas de RNA infecciosas que funcionam como endonucleases em reações de autoclivagem. Os viróides funcionam independentemente, sem necessidade de um capsídeo protéico, enquanto os virusóides (chamados RNAs satélites) são incluídos em capsídeos protéicos juntamente com o genoma viral. 28

21 RNA fita dupla: ex.: reovírus. DNA fita simples: ex.: fagos, FX174, S13, M13, parvovírus. 29

22 30

23 Experimento de Meselson e Stahl: células de E. coli foram cultivadas em meio nutritivo contendo somente N 15 (nitrogênio pesado) durante várias gerações (a). Essas células foram transferidas para outro meio nutritivo contendo apenas N 14 (nitrogênio leve): após um único ciclo de replicação (b moléculas híbridas N 15 /N 14 padrão de sedimentação intermediário) e após um segundo ciclo de replicação (c padrão de sedimentação: ½ híbrida e ½ N 14 apenas). 31

24 Enzimas especializadas chamadas iniciases sintetizam os iniciadores quando e onde eles forem requeridos. 32

25 REPLICAÇÃO DO DNA REPLISSOMO OU SISTEMA DA DNA REPLICASE: 1- Desenovelar dupla hélice e separar as duas fitas: helicase reconhece a origem de replicação, corta e separa as duas fitas. 2- Manter o DNA desenovelado: proteína de estabilização de DNA fita simples (SSB Single-Strand Binding protein) em procariotos e RPA (Replication Protein A) em eucariotos. 3- Superenovelamento para anular a tensão criada pela abertura da dupla hélice necessidade de mais uma atividade enzimática que reduz a tensão da molécula topoisomerase. 1

26 A topoisomerase ou DNA topoisomerase é uma enzima que desempenha importante papel nos processo de replicação e empacotamento de DNA. Seria uma nuclease reversível. Ela catalisa uma quebra nas moléculas de DNA, mas usa ligações covalentes para segurar as moléculas de DNA que foram quebradas. Existem dois tipos de topoisomerases: 1) Topoisomerase I: Produz quebras em uma fita do DNA e permite o giro da fita quebrada sobre a fita intacta. A topoisomerase I conserva a energia do rompimento da ligação fosfodiéster, estocando-a na forma de ligação covalente que ocorre entre ela e os grupamentos fosfatos, no ponto de clivagem. Depois ela utiliza essa energia para restaurar a ligação fosfodiéster e selar a quebra. Algumas topoisomerases I podem relaxar superespiralamentos positivos e negativos no DNA. 2) Topoisomerase II Produz quebras nas duas fitas do DNA. Ela quebra as duas fitas de DNA ao mesmo tempo e pode introduzir ou retirar superespiras, duas de cada vez, em um mecanismo que é dependente de ATP. Ela corta as duas fitas de DNA, prendem-se às extremidades através de ligações covalentes, passa a dupla fita através do corte e sela a quebra. 35

27 36

28 Fita descontínua: vários iniciadores consecutivos, cada um responsável pela polimerização de um fragmento de DNA. Em bactérias, os fragmentos de Okazaki possuem comprimento de aproximadamente a nucleotídeos. Nas células eucarióticas, eles possuem de 150 a 200 nucleotídeos de comprimento. 37

29 REPARO Revisão de leitura e correção: DNA polimerase correção de leitura no sentido contrário ao de polimerização 3 5. Sistema de reparo: pareamentos errados são instáveis e provocam dobras na molécula (alteração espacial) percebidos e corrigidos. REPLICAÇÃO EM PROCARIOTOS Alças de replicação se iniciam sempre em um único ponto chamado origem. Ambas as fitas são replicadas ao mesmo tempo bidirecional extremidades das alças possuem forquilhas de replicação ativas uma no sentido horário e outra no sentido anti-horário. 1

30 PRINCIPAIS DNA POLIMERASES DE BACTÉRIAS DNA POLIMERASE I II III FUNÇÃO PRINCIPAL Principal enzima de reparo do DNA. Reparo do DNA Principal enzima de replicação do DNA. REPLICAÇÃO EM EUCARIOTOS Características essenciais ~ procariotos. Variações: Várias origens da replicação (replicadores) ao longo de uma única molécula seqüências de replicação autônomas (ARS autonomously replicating sequences) para cada origem, duas forquilhas bidirecionais. Iniciação da replicação requer uma proteína com muitas subunidades complexo de reconhecimento da origem (ORC origin recognition complex) que se liga a várias seqüências dentro do replicador interage e é regulada por várias outras proteínas envolvidas no controle do ciclo celular. 2

31 Os telômeros são complexos DNA-proteína encontrados nas extremidades dos cromossomos lineares, que os protegem da degradação, da recombinação e da fusão, estabilizando-os. Devido à observação de que seu tamanho regride ao longo das duplicações celulares até um tamanho mínimo que interrompe a proliferação celular, criou-se a hipótese de que o telômero funcionaria como um relógio celular e seria um dos fatores responsáveis pela senescência. Na maioria dos organismos, os telômeros são formados por repetições em tandem (agrupadas) de DNA com uma seqüência simples. 42

32 PRINCIPAIS DNA POLIMERASES DE MAMÍFEROS DNA POLIMERASE (alfa) FUNÇÃO PRINCIPAL LOCALIZAÇÃO Replicação da fita contínua. núcleo (épsilon) Reparo do DNA. núcleo (delta) Replicação da fita descontínua. núcleo (beta) Reparo do DNA. núcleo (gama) Síntese de novo do DNA (sem necessidade de molde pré-existente). mitocôndria TRANSCRIÇÃO GÊNICA Denominação dada à síntese de uma cadeia de RNA a partir de uma das fitas de um duplex de DNA. Fita de RNA é complementar à fita molde do DNA utilizada para a sua síntese. RNA sintetizado possui seqüência idêntica à da outra fita do DNA (não utilizada para a sua síntese), que é chamada fita codificadora. 1

33 TRANSCRIÇÃO GÊNICA A síntese de RNA é catalisada pela enzima RNApolimerase. Começa quando a RNA-polimerase liga-se a uma região especial, o promotor, no início de um gene inclui o primeiro par de bases transcrito no RNA sítio de início. RNA-polimerase move-se ao longo do molde a partir do sítio de início, até que encontre a seqüência do terminador esta ação define uma unidade de transcrição. TRANSCRIÇÃO GÊNICA Primeiro estágio da expressão gênica e principal etapa na qual é controlada. Proteínas regulatórias definem se um determinado gene está ou não disponível para ser transcrito pela RNA-polimerase etapa inicial (e às vezes a única) é a decisão de transcrever ou não um gene. Fases: reconhecimento, iniciação, alongamento e terminação. 2

34 TRANSCRIÇÃO FASES TRANSCRIÇÃO GÊNICA Seqüências anteriores ao sítio de início estãoamontante ( upstream ) dele. Seqüências localizadas depois do sítio de início (na própria seqüência transcrita) estãoajusante ( downstream ) dele. Convenção: seqüências escritas representam a transcrição progredindo da esquerda (montante) para a direita (jusante) 5 3. seqüência do DNA representada apenas pela região codificadora posições das bases numeradas em ambas as direções a partir do sítio de início recebe valor +1 números aumentam a jusante; base anterior ao sítio de início numerada como 1 números negativos progridem a montante. 3

35 TIPOS DE RNA-POLIMERASES RNA-polimerase I: localização: nucléolo; função: transcreve rrna. RNA-polimerase II: localização: nucleoplasma; função: transcreve mrna. RNA-polimerase III: localização: nucleoplasma; função: transcreve trna. As RNApolimerases eucarióticas consistem de muitas subunidades. PROMOTORES Promotores para as RNA-polimerases I e II geralmente a montante do sítio de início da transcrição. Alguns promotores para a RNA-polimerase III situam-se a jusante do sítio de início da transcrição. RNA-polimerases I e III reconhecem um conjunto relativamente restrito de promotores e contam com um pequeno n de fatores acessórios. 4

36 PROMOTORES E REFORÇADORES DA RNA-POLIMERASE II Um gene transcrito pela RNA-polimerase II possui um promotor que se estende a montante do sítio de início da transcrição: contém vários elementos de seqüência curtos (< 10 pb), aos quais se ligam os fatores de transcrição, espalhados por > 200 pb geralmente a montante do sítio de início da transcrição. Um reforçador (enhancer) contém um arranjo de elementos mais compactamente organizado, ao qual também se ligam fatores de transcrição: outro tipo de sítio envolvido na iniciação; seqüências que estimulam a iniciação, mas que estão localizadas a uma distância considerável do sítio de início podem estar localizados a vários Kb de distância; são freqüentemente alvos para a regulação tecido-específica ou temporal. PROMOTORES E REFORÇADORES DA RNA-POLIMERASE II 5

37 APARATO BASAL DA TRANSCRIÇÃO DA RNA-POLIMERASE II RNA polimerase II não é capaz de iniciar a transcrição sozinha dependente de fatores de transcrição auxiliares. Aparato basal = enzima RNA-polimerase II + fatores de transcrição auxiliares: proteínas acessórias requeridas pela polimerase II para iniciar qualquer transcrição. Sítio de início da transcrição: sem extensa homologia de seqüência; tendência da primeira base do mrna ser uma A, flanqueada de ambos os lados por pirimidinas iniciador (Inr) contido entre as posições 3 e +5 forma mais simples que pode ser reconhecida pela RNA-polimerase II. INICIAÇÃO DA TRANSCRIÇÃO Requer que os fatores de transcrição atuem em ordem definida construir um complexo ao qual se junta a RNA-polimerase. Cada série de eventos aumento do tamanho do complexo protéico associado ao DNA. À medida que cada fator une-se ao complexo, uma extensão maior do DNA é coberta a RNApolimerase é incorporada no último estágio. 6

38 INICIAÇÃO DA TRANSCRIÇÃO FATORES DE INICIAÇÃO DA RNA-POLIMERASE II fatores a montante (upstream factors) proteínas que se ligam ao DNA e reconhecem elementos consensuais curtos e específicos: localizados a montante do sítio de transcrição; atividade não é regulada; atuam sobre qualquer promotor que tenha o sítio de ligação ao DNA apropriado; aumentam a eficiência da iniciação e são necessários para o funcionamento de um promotor em um nível adequado. 7

39 FATORES DE INICIAÇÃO DA RNA-POLIMERASE II fatores induzíveis: funcionam da mesma maneira geral que os fatores a montante, mas possuem um papel regulador; são sintetizados ou ativados em momentos ou em tecidos específicos responsáveis pelo controle dos padrões de transcrição; seqüências a que eles se ligam são chamadas elementos de resposta. TATA BOX Possui localização relativamente fixa em relação ao sítio de início da transcrição ~25 pb a montante do sítio de início da transcrição. Encontrada em todos os eucariotos. Seqüência de consenso de 8 pb constitui inteiramente de pares de bases A-T em duas posições a orientação é variável. Tende a ser circundado por seqüências ricas em CG podem ser um fator importante para o seu funcionamento. 8

40 TRANSCRIÇÃO GÊNICA Ocorre pelo processo de pareamento de bases complementares catalisado e supervisionado pela enzima RNApolimerase. Acontece em uma bolha de transcrição DNA é transitoriamente separado em fitas simples e uma das fitas é utilizada como molde. Bolha de transcrição move-se à medida que a RNA-polimerase move-se ao longo do DNA cadeia de RNA aumenta de tamanho. TRANSCRIÇÃO GÊNICA À medida que a RNA-polimerase move-se ao longo do molde de DNA, ela desenrola o duplex na frente da bolha e enrola o DNA atrás de si sítio de enrolamento. Extensão da bolha de transcrição varia com a fase de alongamento entre 12 e 20 pb extensão da região híbrida de DNA-RNA é mais curta. 9

41 RNA-POLIMERASE À medida que a enzima se move, o duplex de DNA é reformado permite a formação de uma ligação fosfodiéster apenas quando um nucleotídeo complementar pareia com a base do molde nucleotídeo é expulso se não formar um par apropriado. Funções: desenrolar e enrolar o DNA; manter as fitas de DNA separadas e segurar o produto de RNA; catalisar a adição de ribonucleotídeos à cadeia de RNA nascente; ajustar-se às dificuldades na progressão clivando o RNA e reiniciando a sua síntese (com a assistência de alguns fatores acessórios). TRANSCRIÇÃO GÊNICA Produto de transcrição transcrito primário RNA que se estende do promotor ao terminador possui as extremidades 5 e 3 originais. Transcrito primário quase sempre instável: Procariotos: rapidamente degradado ou clivado para dar origem a produtos maduros rrna e trna. Eucariotos: modificado nas suas extremidades e/ou clivado para dar origem a produtos maduros todos os RNAs. 10

42 PROCESSAMENTO DE UM mrna EUCARIÓTICO Extremidade 5 do RNA modificada pela adição de uma estrutura chamada cap : consiste na adição de um nucleotídeo extra na terminação 5, na adição de um grupo metil à base do nucleotídeo recém adicionado e na adição de um grupo OH no açúcar de um ou mais nucleotídeos selar a extremidade 5. Extremidade 3 modificada pela adição de uma série de nucleotídeos de ácido adenílico (ácido poliadenílico ou poli(a). RNAs derivados de genes interrompidos requerem remoção dos íntrons por splicing (processamento) gera um mrna menor contendo uma seqüência codificadora intacta. Somente depois da conclusão de todos os eventos de modificação e processamento que o mrna pode ser exportado do núcleo para o citoplasma ~20 minutos. GENE Seqüência codante ATG Promotor E1 I1 E2 I2 E3 Terminador Interruptor do gene Fatores transcricionais RNA polimerase Seqüência não-codante Splicing 11

43 O pré-mrna é modificado na terminação 5 pela adição de uma estrutura chamada cap5. Consiste na adição de um nucleotídeo extra na terminação 5, da metilação pela adição de um grupo metil à base do nucleotídeo recém adicionado e a adição de um grupo OH no açúcar de um ou mais nucleotídeos. Proteínas reconhecem o cap5 e se ligam; um ribossomo liga-se a proteína e se move ao longo do RNA até que o start Codon é atingido e a transcrição se inicia. A presença do cap5 também aumenta a estabilidade do mrna e influencia a remoção dos Introns. O RNA maduro contém entre 50 a 250 adeninas na porção 3, esta estrutura é chamada cauda poli A. Estes nucleotídeos não são codificados no DNA, mas são adicionados após a transcrição em um processo chamado poliadenilação. A cauda poli A confere estabilidade ao RNA, aumentando o tempo pelo qual o mrna permanece intacto e disponível para a tradução antes da degradação. 65

44 TRANSCRIÇÃO GÊNICA Sítio de poliadenilação Promotor E1 I1 E2 I2 E3 PoliA mrna SPLICING DEFINIÇÃO Processo em que são removidos os íntrons do RNA mensageiro, tornando-o maduro. 1

45 Intron removido Spliceosomo AAAAAAAAAAAAAA AAAAAAAAAAAAAA mrna maduro Seqüências terminais 2

46 UTR(untranslated region) representa uma região não traduzida que é parte de uma unidade transcricional. O mrna possui três regiões primárias: 5 não traduzida - (5 UTR), uma seqüência de nucleotídeos que não codifica aminoácidos; região codificadora da proteína, que compreende os Codons que especificam a seqüência de aminoácidos, inicia com com um códon de início e termina com um códon de parada; e 3 não traduzida (3 UTR), que afeta a estabilidade do mrna e a tradução da seqüência codificadora da proteína. 69

47 SPLICING DIFERENCIAL OU ALTERNATIVO SPLICING ALTERNATIVO Legenda: 1

48 Tradução Nome que se dá ao processo de síntese de polipeptídeos. Tradução Participação dos três tipos de RNA: rrna ocorre associado a proteínas, formando os ribossomos. mrna formado por um filamento simples que contém várias seqüências de três bases nitrogenadas códons seqüência determina a seqüência de aminoácidos da proteína. 1

49 Tradução trna em uma das extremidades livres de sua molécula associa-se ao aminoácido; em outra região, há uma seqüência de três bases nitrogenadas anticódon complementar ao códon do mrna reconhece a posição do aminoácido no mrna e une-se ao códon do mrna. Código genético: Tradução A leitura do mrna é linear. Existem 20 diferentes aminoácidos naturais cada códon codifica apenas um aminoácido. O código genético é degenerado um aminoácido pode ter mais de um códon sinônimo. O código genético é universal. 2

50 Tradução Etapas da Tradução A tradução ocorre em três etapas sucessivas: Iniciação Alongamento Terminação Iniciação: Porção menor do ribossomo associa-se ao trna da metionina 3

51 Etapas da Tradução Juntos passam a percorrer a molécula de mrna até encontrarem o códon de iniciação Quando o encontram, a subunidade maior do ribossomo une-se à subunidade menor Etapas da Tradução OBS.: existem no ribossomo dois sítios: sítio A onde ocorre a entrada do aminoácido; sítio P onde fica o polipeptídeo em formação RNA da metionina fica associado ao sítio P metionina é o primeiro aminoácido da cadeia polipeptídica. 4

52 Alongamento: Etapas da Tradução Um segundo trna, transportando um aminoácido correspondente ao códon seguinte penetra no sítio A estabelece-se a ligação peptídica. Etapas da Tradução O trna da metionina é liberado O ribossomo deslocase no mrna e o peptídeo em formação passa para o sítio P, deixando o sítio A vazio 5

53 Etapas da Tradução Esse processo se repete, e o polipeptídeo vai sendo formado Etapas da Tradução Terminação: O sítio A é ocupado por proteínas citoplasmáticas que se ligam diretamente ao códon de terminação do mrna Liberação do polipeptídeo e dissociação das subunidades maior e menor do ribossomo. 6

54 Etapas da Tradução OBSERVAÇÕES: A metioniona do início da cadeia pode ser removida ou fazer parte do polipeptídeo; A síntese leva de 20 a 60 segundos e o mesmo mrna pode ser traduzido por vários ribossomos. Para ver uma animação sobre o tema, acesse: ntent_/userfiles/flash/sonialopes_esquemas_ani mados/sintese_proteica.swf 7

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO Departamento de Ciências Exatas e da Natureza Disciplina: Biologia Professora: Lauren Valentim A natureza química do material genético A natureza

Leia mais

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação SÍNTESES NUCLEARES O DNA éo suporte da informação genética Parte 1 Replicação Estrutura do DNA Replicação do DNA Nucleótidos A informação genética das células é armazenada sob a forma de 2 moléculas similares:

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

RNA: transcrição e processamento

RNA: transcrição e processamento Universidade Federal do Piauí Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-graduação em Genética e Melhoramento Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento Bases Moleculares da Hereditariedade RNA: transcrição

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DO DNA: Tipos de RNA

TRANSCRIÇÃO DO DNA: Tipos de RNA TRANSCRIÇÃO DO DNA: Síntese do mrna Gene (Unidades transcricionais) Tipos de RNA Tipos de RNA polimerase Tipos de RNA polimerase DNA dependente Transcrição em Procariotos Transcrição em Eucariotos Mecanismos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Araçatuba. Curso Superior de Tecnologia em Bioenergia Sucroalcooleira

Faculdade de Tecnologia de Araçatuba. Curso Superior de Tecnologia em Bioenergia Sucroalcooleira Faculdade de Tecnologia de Araçatuba Curso Superior de Tecnologia em Bioenergia Sucroalcooleira 1 ÁCIDOS NUCLÉICOS Estrutura e funções 2 Ácidos nucléicos são polímeros de nucleotídeos adenina citosina

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

Replicação do DNA a Nível Molecular

Replicação do DNA a Nível Molecular Replicação do DNA a Nível Molecular Função do DNA Transferência de informação Copiada em DNA (Replicação) Traduzida em proteína Modelo de replicação do DNA proposto por Watson e Crick Replicação ou Duplicação?

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

07/05/2015. Replicação do DNA REPLICAÇÃO DO DNA DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO. Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DNA DNA

07/05/2015. Replicação do DNA REPLICAÇÃO DO DNA DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO. Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DNA DNA REPLICAÇÃO DO Plano de Aula -Composição e estrutura do - e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO DO Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO Bibliografia

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto

Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto Metabolismo de RNA: Transcrição procarioto/eucarioto Controle do nível de proteínas DNA inibição RNA degradação inibição Proteína degradação Tipos de RNA produzidos em uma célula Abundancia dos diferentes

Leia mais

Como a vida funciona? O processo de Transcrição. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi

Como a vida funciona? O processo de Transcrição. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Como a vida funciona? O processo de Transcrição Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Dogma central O fluxo da informação é unidirecional Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos Transcrição

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética V e t e r i n a r i a n D o c s Genética Introdução Conceitos Gene: segmento de DNA que é expresso para produzir um produto funcional, o que pode ser RNA ou polipeptídeo. 3 partes: seqüência reguladora,

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

Aula 6 REPLICAÇÃO DO DNA E TRANSCRIÇÃO

Aula 6 REPLICAÇÃO DO DNA E TRANSCRIÇÃO REPLICAÇÃO DO DNA E TRANSCRIÇÃO META Apresentar os processos de replicação e transcrição do material genético e fornecer as informações necessárias para o estudante compreender a base molecular da hereditariedade

Leia mais

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO.

Transcrição e Tradução. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Transcrição e Tradução Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Biologia, enfermagem, nutrição e TO. Tópicos abordados na aula Dogma Central da Biologia Molecular;

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

RNA: extrema. plasticidade... funcional. Estrutura do RNA: extrema plasticidade. Estrutura do RNA: um mundo de. diferenças. & extrema plasticidade

RNA: extrema. plasticidade... funcional. Estrutura do RNA: extrema plasticidade. Estrutura do RNA: um mundo de. diferenças. & extrema plasticidade Estrutura do RNA: um mundo de diferenças & extrema plasticidade Estrutura do RNA: extrema plasticidade RNA: extrema plasticidade... funcional RNA: funções múltiplas rrna, mrna, trna, RNAs de funções especiais

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

MÓDULO III AULA 2: CONTROLE DA EXPRESSÃO GÊNICA EM EUCARIOTOS

MÓDULO III AULA 2: CONTROLE DA EXPRESSÃO GÊNICA EM EUCARIOTOS BIOLOGIA MOLECULAR BÁSICA MÓDULO III Olá! Chegamos ao último módulo do curso! Antes do início das aulas, gostaria de ressaltar que este módulo está repleto de dicas de animações. Dê uma olhada nas animações

Leia mais

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli

MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli REPLICAÇÃO DE DNA MAPA DO CROMOSSOMA DE E.coli TERMINOLOGIA Regras básicas para a designação de genes e proteínas: Genes bacterianos 3 letras minúsculas em itálico que reflectem a sua função aparente Ex:

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc.

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc. Replicação de DNA DNA Dupla-hélice composta de nucleotídeos ligados entre si e cujas bases nitrogenadas de uma hélice fazem pontes de hidrogênio com bases nitrogenadas de outra hélice, numa direção anti-paralela

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

Química de Ácidos Nucleicos

Química de Ácidos Nucleicos Biologia Molecular O termo Biologia Molecular é usualmente aplicado à Química de Ácidos Nucleicos Ácido Deoxirribonucleico - DNA Ácido Ribonucleico RNA Ciência Genômica A informação genética de todos os

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

Fluxo da informação gênica transcrição em eucariotos

Fluxo da informação gênica transcrição em eucariotos Fluxo da informação gênica transcrição em eucariotos AULA 21 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Estudar o mecanismo de transcrição em eucariotos. Entender a formação do RNA mensageiro

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

Aula 7 Ácidos nucléicos

Aula 7 Ácidos nucléicos Aula 7 Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos DNA (ácido desoxirribonucléico) e o RNA (ácido ribonucléico) são substâncias essenciais para os seres vivos, pois mantêm a informação genética que controla a

Leia mais

O complexo maquinário de replicação e suas enzimas

O complexo maquinário de replicação e suas enzimas O complexo maquinário de replicação e suas enzimas AULA 10 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Apresentar os diferentes componentes do maquinário de replicação. Conhecer as diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia REPLICAÇÃO Plano de Aula -DNA e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO Prof. Juliana Schmidt Curso Farmácia 2012 REPLICAÇÃO - Bibliografia DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO ALBERTS, B.; BRAY, D.;

Leia mais

8/18/2015. IFSC Campus Lages. Biologia Molecular. Prof. Silmar Primieri. O que é Biologia Molecular?

8/18/2015. IFSC Campus Lages. Biologia Molecular. Prof. Silmar Primieri. O que é Biologia Molecular? IFSC Campus Lages Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri O que é Biologia Molecular? 1 Aplicabilidades da Biologia Molecular Genética do Câncer Doenças com herança complexa Preservação de espécies ameaçadas

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

Controle da expressão gênica

Controle da expressão gênica Programa de Biologia Celular V Curso de Verão Controle da expressão gênica Renata Ramalho Oliveira roliveira@inca.gov.br Desenvolvimento e fenótipos explicados pela modulação da expressão gênica Lehninger.

Leia mais

Genética Humana. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Genética Humana. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Genética Humana Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JAN/2012 Princípios Básicos As proteínas são vinculo entre genótipo e fenótipo; A expressão gênica é o processo pelo qual o DNA coordena

Leia mais

Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS

Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS Estudo Dirigido Aula 2 - Revisão 1. Características comuns a todos os organismos vivos; 2. Domínios da Vida e tipos celulares, principais diferenças dos tipos celulares;

Leia mais

Aula 4 Estrutura do RNA

Aula 4 Estrutura do RNA Biologia Molecular Básica Módulo I Básico Aula 4 Estrutura do RNA O RNA é uma molécula intermediária na síntese de proteínas. Ela faz a intermediação entre o DNA e as proteínas. As principais diferenças

Leia mais

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA.

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Genes Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Ácidos nucleicos Os ácidos nucléicos são macromoléculas

Leia mais

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA CROMATINA ATIVIDADE BIOLÓGICA 1 Qual é a natureza química da molécula responsável por estocar a informação genética??? CARACTERÍSTICAS 1. Estocar a informação e transmitir

Leia mais

Química do material genético

Química do material genético 1 O NÚCLEO No núcleo estão os cromossomos, onde estão "armazenadas" as informações genéticas de cada espécie. Os seguintes componentes constituem o núcleo celular: Membrana Nuclear: também chamada de carioteca

Leia mais

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA Juliana Mara Stormovski de Andrade As proteínas são as moléculas mais abundantes e funcionalmente diversas nos sistema biológicos. Praticamente todos os processos vitais

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 2- Organização do Genoma Estrutura dos Ácidos Nucleicos- Nucleotídeos Cinco tipos: Adenina, Guanina, Citosina, Timina e Uracila.

Leia mais

Atividade de Biologia 1 série

Atividade de Biologia 1 série Atividade de Biologia 1 série Nome: 1. (Fuvest 2013) Louis Pasteur realizou experimentos pioneiros em Microbiologia. Para tornar estéril um meio de cultura, o qual poderia estar contaminado com agentes

Leia mais

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Introdução Uma das características mais pertinentes de todos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA ÁCIDOS NUCLEICOS E RNA E RNA Plano de Aula -Componentes básicos de e RNA -Características estruturais e funcionais -Tipos de RNA Profª Dra. Juliana Schmidt Medicina 2014 E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Genética e Evolução: Profa. Gilcele

Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É o estudo da hereditariedade, a transmissão de traços de genitores para filhos. É dividida

Leia mais

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da expressão gênica Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da Expressão gênica Procariotos Princípios da regulação gênica Organismos procariontes e eucariontes são sensíveis à pequenas variações

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi

Tradução Modificando o alfabeto molecular. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução Modificando o alfabeto molecular Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Tradução em eukarya e prokarya Eventos pós-transcricionais Processo de síntese de proteínas RNAm contém o código do gene RNAt é

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA E GENÉTICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA E GENÉTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA E GENÉTICA Março 2008 Texto Didático (revisado em agosto 2008) Drª Judith Viégas, Profª Adjunta BIOLOGIA

Leia mais

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular DNA RNA Proteínas Universo Celular Ciclo celular Ciclo Celular: Mitose Célula animal Núcleo Celular: Cromossomas Cromossoma:

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

objetivo RNA aspectos funcionais e estruturais AULA Pré-requisito

objetivo RNA aspectos funcionais e estruturais AULA Pré-requisito RNA aspectos funcionais e estruturais 5 objetivo Ao final desta aula, você terá a oportunidade de: Descrever os aspectos funcionais e estruturais do RNA. Pré-requisito Para acompanhar mais facilmente esta

Leia mais

A Molécula da Vida. Estrutura

A Molécula da Vida. Estrutura A Molécula da Vida Os cromossomos de células eucarióticas são formado por DNA associado a moléculas de histona, que são proteínas básicas. É na molécula de DNA que estão contidos os genes, responsáveis

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

Unidade 6. Transcrição e regulação da expressão gênica. I. Introdução. II. Do DNA ao RNA. III. Mecanismos de transcrição

Unidade 6. Transcrição e regulação da expressão gênica. I. Introdução. II. Do DNA ao RNA. III. Mecanismos de transcrição EIXO BIOLÓGICO Unidade 6 Transcrição e regulação da expressão gênica Autor: Elisângela de Paula Silveira Lacerda I. Introdução II. Do DNA ao RNA III. Mecanismos de transcrição IV. Particularidades da RNAP

Leia mais

Sistemas biológicos e a química de biomoléculas

Sistemas biológicos e a química de biomoléculas Sistemas biológicos e a química de biomoléculas Nelson, D.L. & Cox, M.M.. Lehninger Principles of Biochemistry, 4th Ed. Nelson, D.L. & Cox, M.M.. Lehninger Principles of Biochemistry, 4th Ed. O que a bioquímica

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B.

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B. Do Corpo Humano ao DNA Noções de Biologia Molecular Prof a. Dr a. Mônica B. Melo FCM - SCSP - Estrutura dos ácidos nucléicos (DNA, RNA) - Replicação - Transcrição - Processamento - Tradução -Mutações -

Leia mais

DNA, RNA e PROTEÍNAS

DNA, RNA e PROTEÍNAS DNA, RNA e PROTEÍNAS DNA PROTEÍNA Carla Costa Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço e Laboratório de Biologia Celular e Molecular OBSERVAÇÃO A descoberta do DNA foi crucial para o entendimento

Leia mais

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica A estrutura química da molécula de RNA apresenta pequenas diferenças em relação ao DNA. http://www.nature.com/scitable/learning-path/theelaboration-of-the-central-dogma-701886#url

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

www.aliancaprevestibular.com

www.aliancaprevestibular.com Professor Juliana Villa-Verde Disciplina Bio I Lista nº Assuntos Texto I Intodução à Citologia CITOLOGIA É o ramo da biologia que estuda a célula, unidade básica dos seres vivos. Hans e Zacarias Jensen

Leia mais

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA".

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou impressão digital de DNA. Ácidos Nuclêicos 1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA". a) Segundo o resultado acima, qual dos homens,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO CELULAR Massa compacta, ocupando um volume limitado As suas variadas actividades, tal como replicação e transcrição, têm

Leia mais

Aula 2 Organização gênica em eucariotos

Aula 2 Organização gênica em eucariotos Biologia Molecular Básica Módulo II Intermediário Aula 2 Organização gênica em eucariotos Os eucariotos, células nucleadas e com organelas, teriam surgido de eventos de endossimbiose (simbiogênese) entre

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

03/02/2010. Estrutura de Ácidos. Nucléicos e. Organização do. Genoma Humano. DNA por Watson & Crick, (Nature 171: ).

03/02/2010. Estrutura de Ácidos. Nucléicos e. Organização do. Genoma Humano. DNA por Watson & Crick, (Nature 171: ). DNA por Watson & Crick, 1953 Estrutura de Ácidos Nucléicos e Organização do Genoma Humano (Nature 171: 737-738). Modelo de estrutura tridimensional do DNA, baseado principalmente nos estudos de difração

Leia mais

IFSC Campus Lages. Transcrição. Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri

IFSC Campus Lages. Transcrição. Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri IFSC Campus Lages Transcrição Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri RNA - estrutura Semelhante ao DNA, com ribose como glicídio e uracila como base nitrogenada, no lugar da timina do DNA. RNA é unifilamentar

Leia mais

Núcleo e Divisões Celulares

Núcleo e Divisões Celulares UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 10 Aula 1 Núcleo: estrutura e composição Cromossomos, genes e DNA 1. NÚCLEO: NÚMERO E FORMA Células eucarióticas Cromossomos DNA + proteínas (histonas)

Leia mais

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas

Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Bioinformática Estrutura primária, secundária, terciária e quaternária de proteínas Luís Fernando S.M. Timmers Porto Alegre, 11 de Agosto de 2015 Revisão

Leia mais

CONTROLE DO METABOLISMO GENES

CONTROLE DO METABOLISMO GENES CONTROLE DO METABOLISMO GENES 10/06/15 1º ANO - BIOLOGIA 1 ESTRUTURA DO GENE Segmentos (pedaços) da molécula de DNA, o constituinte dos nossos cromossomos, onde estão inscritas receitas (códigos genéticos)

Leia mais

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo 2 - ÁCIDOS NUCLÉICOS Na natureza há dois tipos de ácidos nucléicos: DNA ou ácido desoxirribonucléico e RNA ou ácido ribonucléico. Analogamente a um sistema de comunicação, essas informações são mantidas

Leia mais

DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR

DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR Transcrição do DNA DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR Replicação DNA Transcrição RNA Tradução PROTEÍNA Transcrição Processo pelo qual o DNA é copiado numa molécula de RNA (mrna, rrna e trna). Todos os

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Prof. João Carlos Setubal

Prof. João Carlos Setubal Prof. João Carlos Setubal QBQ 102 Aula 3 (biomol) Transcrição e tradução Replicação Dogma Central da Biologia Molecular Transcrição RNA mensageiro Usa Uracila ao invés de Timina Tradução de mrnas Ocorre

Leia mais