TRIBUTAÇÃO NO CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA: a essencialidade na incidência do ICMS, no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUTAÇÃO NO CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA: a essencialidade na incidência do ICMS, no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis TRIBUTAÇÃO NO CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA: a essencialidade na incidência do ICMS, no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte Natália Costa Lírio de Laia Belo Horizonte 2011

2 Natália Costa Lírio de Laia TRIBUTAÇÃO NO CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA: a essencialidade na incidência do ICMS, no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte Monografia apresentada ao Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais São Gabriel, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Davidson Campos Soares Barbosa Belo Horizonte 2011

3 Natália Costa Lírio de Laia TRIBUTAÇÃO NO CONSUMIO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA: a essencialidade na incidência do ICMS, no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte Monografia apresentada ao curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Davidson Campos Soares Barbosa (Orientador) PUC Minas Prof. Márcia Prímola de Faria (convidada) PUC Minas Belo Horizonte, 01 de Dezembro de 2011

4 Hoje tenho orgulho de dedicar essa maravilhosa e árdua conquista, à minha mãe, pelo esforço imensurável para minha criação e educação, e a Deus por me dar forças e proporcionar que eu chegasse até aqui. Natália Laia

5 AGRADECIMENTOS Tenho tanto a agradecer nesse momento... Muitas foram as pessoas que colaboraram com a realização desse estudo. A começar pelo professor Davidson Soares Campos Barbosa, que com seu amor pela profissão, consegue nos motivar a cada dia nessa longa caminhada. Muitas foram as tentativas em busca de sua orientação, mas com muito esforço e dedicação aos meus estudos consegui sua orientação nessa reta final. A conclusão dessa etapa, não poderia ser melhor, obrigada Davidson! Agradeço a todos os professores que com seus ensinamentos e experiência, certamente contribuíram para elaboração desse estudo. Ao coordenador do Curso de Ciências Contábeis, Hildegardo, por estar sempre disposto a nos ajudar quando precisamos. Aos amigos, que sempre nos incentivam nos momentos mais difíceis, obrigada! Em especial, Alexandra Dias, por me apoiar e ajudar nesse momento, à Patrícia da Consolação por me ajudar com sua experiência nessa etapa e Tâmara Alves pelo apoio e incentivo sempre.

6 EPÍGRAFE Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos. Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer. Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor. Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa. Mário Quintana

7 RESUMO A idéia da realização desse estudo se deu pela necessidade de alertar o meio acadêmico e a sociedade da elevada cobrança da alíquota de ICMS no consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte, bem como demonstrar o papel social do contador atualmente. O objetivo é compreender o processo de instituição de cobrança da alíquota de ICMS no consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte e saber a opinião de especialistas tributários sobre a Constitucionalidade desta cobrança. Mediante as características apresentadas, esse é um estudo de caráter exploratório, realizado através de uma pesquisa de campo, de natureza qualitativa, onde foram feitas entrevistas a especialistas tributários, além de pesquisa documental e bibliográfica. Os resultados mostraram que o Governo de Minas Gerais não utiliza dos princípios jurídicos básicos para esse processo de cobrança, seja pelo modelo utilizado ou por conveniência. E que a sociedade deve se informar e conscientizar na luta contra a regularização dessa cobrança, ou seja, que com a manifestação popular, o Governo de Minas Gerais, pode ter condições de rever o processo de instituição e cobrança da alíquota de ICMS sobre o consumo de energia elétrica em Belo Horizonte. Palavras-chave: ICMS Alíquota Energia Elétrica

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Alíquotas incidentes de ICMS sobre bens e serviços em Minas Gerais...27 TABELA 2 Distribuição da Carga Tributária Bruta do Brasil segundo faixa de Salário Mínimo (SM)...38

9 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Consumo Energia - Eletrodomésticos...41 QUADRO 2 Alíquotas estaduais de Energia Elétrica...42 QUADRO 3 Índice de Recolhimento dos setores em relação ao faturamento...46 QUADRO 4 Informações de Faturamento Conta de consumo de 342 kwh...47 QUADRO 5 ICMS sobre a tarifa de energia elétrica - Minas Gerais...48 QUADRO 6 Tarifa por segmento...49 QUADRO 7 Cálculo do imposto em uma conta de luz...49

10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 Participação das fontes de tributos na composição da arrecadação no Brasil em GRÁFICO 2 Carga tributária na tarifa final de energia elétrica em GRÁFICO 3 Composição da carga tributária consolidada no setor elétrico...43

11 LISTA DE SIGLAS CTN Código Tributário Nacional CF Constituição Federal DIMAC Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas do IPEA ICMS Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPI Imposto sobre produtos industrializados MG Minas Gerais RICMS Regulamento de ICMS SINDIFISCO Sindicato dos Fiscais e Agentes Fiscais de tributos de Estado de Minas Gerais KWH - quilowatts

12 SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Contextualização do tema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Problema de Pesquisa Justificativa...19 CAPÍTULO II REFERENCIAL TEÓRICO Poder de tributar ICMS Fato Gerador Base de Cálculo e alíquota Contribuinte Seletividade em função da Essencialidade de Mercadorias e Serviços Opiniões contraditória acerca do uso efetivo da Seletividade Princípios Jurídicos Princípio da Capacidade Contributiva Princípio da Seletividade ICMS sobre a Energia Elétrica ICMS na Energia Elétrica em Belo Horizonte Entendendo a conta de luz...47 CAPÍTULO III METODOLOGIA DA PESQUISA Classificação da Pesquisa Quanto ás bases lógicas da investigação Quanto à abordagem do problema Quanto à abordagem dos objetivos Segundo o propósito da pesquisa Segundo os procedimentos técnicos Seleção dos Sujeitos...54

13 3.3 Tratamento dos Resultados...55 CAPÍTULO IV RESULTADOS DA PESQUISA Caracterização dos Sujeitos Pesquisados Análise dos Tributaristas Especialistas Tributários Análise do SINDIFISCO...60 CAPÍTULO V CONCLUSÕES Considerações Finais Limitações do Estudo Sugestões para estudos futuros...66 REFERÊNCIAS...67 APÊNDICE...71

14 14 CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO A monografia compreende de cinco capítulos, onde o primeiro capítulo encontra se a Introdução, que estabelece o assunto tratado e para tanto se subdivide em seis subtítulos. São eles: a contextualização do tema, que apresenta uma ampla visão da escolha do tema e a importância desse estudo; o problema de pesquisa, demonstrado através de uma indagação sobre o problema levantado; os objetivos são divididos em geral e específico, o geral, exprimi de forma abrangente o que se espera ao final do estudo bem como o motivo do estudo e o específico apresenta os motivos de forma mais detalhada e por fim a justificativa, demonstra de forma geral, o porquê da escolha do tema, delimitando, para a contribuição da vida profissional, acadêmica e social. No segundo capítulo, tem se o referencial teórico, onde são apresentados o que os principais autores discorrem sobre o tema, bem como uma análise da legislação vigente em Minas Gerais e os alguns princípios jurídicos que estão voltados diretamente para a cobrança de ICMS sobre a alíquota de ICMS no consumo de residencial de energia elétrica em Belo Horizonte. As análises dos principais autores e da legislação específica têm o objetivo de embasar teoricamente o tema e comparar com a prática da cobrança e com a teoria. No terceiro Capítulo, é apresentada a metodologia utilizada na pesquisa, em suma, são os métodos que foram definidos para se chegar ao fim. Esses métodos classificam toda a pesquisa. Através das bases lógicas foi utilizado o método indutivo, que parte de uma premissa menor para generalização; da abordagem do problema, como qualitativa, porque foram feitas entrevistas com especialistas tributários; da abordagem dos objetivos, como exploratória, pois apresenta uma causa desconhecida e do propósito da pesquisa como diagnóstico.todos esses quatro métodos permitem analisar, interpretar, conhecer e compreender o processo e instituição da cobrança da alíquota de ICMS sobre o consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte. E por fim, os procedimentos técnicos, se deram através da pesquisa bibliográfica, em livros e artigos científicos, da pesquisa documental, por intermédio de documentos restritos, disponibilizados pelo Sindicato dos Agentes fiscais e fiscais de tributos de estado de Minas Gerais (SINDIFISCO) e a pesquisa de campo, que se deu através da entrevista realizada com dois públicos alvos, os especialistas tributários e membros do SINDIFISCO.

15 15 No quarto capítulo, são apresentados os resultados obtidos, através de análises das entrevistas realizadas com especialistas tributários, e com membros, podendo assim responder a problemática proposta. E por fim, no quinto capítulo, são apresentadas as conclusões da realização da pesquisa, de acordo com as entrevistas realizadas, bem como as limitações do estudo, podendo se dizer que a maior dificuldade foi à obtenção das respostas e por último, são divulgadas as sugestões para estudos futuros acerca do tema. 1.1 Contextualização do tema A preocupação com a distribuição contributiva na sociedade vem desde os primórdios, como o ideal de justiça distributiva, elaborado por Aristóteles. [...] utilizava-se a expressão capacidade contributiva também na Idade Média, com base nos princípios da Ética e da Moral, e em algumas leis dos primeiros séculos da Idade Moderna. (MARTINS, 2005, p.89). O receio de Aristóteles, pela justiça distributiva, conceituava-se em repartir para a sociedade, de forma proporcional e geométrica, a riqueza da polis, de forma a igualar os desiguais. Como muito bem relatado, no princípio da igualdade tributária, onde prioriza em [...] tratar igual os iguais e os desiguais desigualmente na medida de suas desigualdades. (BAPTISTA, 2009). Baseado nesses princípios, muitos países ao elaborar sua Lei Maior, a famosa Constituição, partiram de origens analisadas pelos antigos, enfatizando- os em seus artigos. No Brasil, a Constituição de 1988, em seu artigo 145, parágrafo 1º, conceitua que sempre que possível, a cobrança dos impostos terão caráter pessoal, de acordo, com a capacidade econômica do contribuinte, considerando a renda, o patrimônio e as atividades econômicas de cada cidadão, este conceito regula o Princípio da capacidade contributiva. A cobrança de impostos no Brasil pode ser de responsabilidade da esfera federal, estadual e municipal, que fará distinção, quanto à competência, de acordo com a atribuição elaborada pela Constituição federal. No âmbito estadual, cabe a competência, de estabelecer impostos, sobre: a transmissão de causa mortis e doação, de quaisquer bens e direitos; operações relativas á circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, mesmo que as operações se iniciem no exterior e sobre a propriedade de veículos automotores.

16 16 A Federação, os estados e os municípios, ao cobrarem os impostos de suas responsabilidades, devem atentar a alguns princípios, estabelecidos pela Constituição Federal, para cada imposto. O estado, ao estabelecer a cobrança do imposto sobre operações relativas á circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS), dentre algumas regras, deve preocupar se com a seletividade do imposto em decorrência de sua essencialidade. A característica da seletividade não é impositiva, mas poderá ser considerada, em conformidade com a essencialidade do bem, uma vez, que, quanto mais essencial for o bem para a sociedade, menor será a alíquota do imposto cobrada sobre esse bem. Um dos ramos de atuação do Contador é a área fiscal e tributária, onde os profissionais contábeis ajudam as pessoas físicas e jurídicas com consultorias fiscais até a apuração dos impostos devidos pelos contribuintes, sobre o consumo, renda, industrialização, entre outras operações, esse é um dos focos da área fiscal. Geralmente, o Contador desempenha essa função diretamente para as pessoas jurídicas, que terceirizam os serviços contábeis, no que tange ao departamento de recursos humanos, departamento contábil e departamento fiscal, onde são realizadas todas as obrigações impostas pelo fisco e até mesmo departamento jurídico. O Contador hoje em dia é visto com prestador de serviços para a pessoa jurídica em geral, exceto na época da entrega da Declaração do imposto de renda da pessoa física, mas o papel do contador está mudando com o passar dos anos, se voltando também para as pessoas físicas, em questões de planejamento, bem como em questões sociais no geral. Até mesmo pelo fato de a Contabilidade integrar o ramo da Ciência Social Aplicada pois estuda o comportamento das riquezas que se integram no patrimônio, em face das ações humanas. (MARION, 2009, p.28). E acredito que o papel do contador não deve ser somente a questão social dos relatórios para com a sociedade, mas também a questão social do próprio contador para com a sociedade, pelo fato de ser um profissional atualizado e que detêm muita informação que afeta a sociedade, assim ele pode ser um porta voz da sociedade, informando a, quando necessário. Como o próprio Iudícibus diz ao relatar sobre a abordagem sociológica essa abordagem está sendo bastante pesquisada na atualidade, dada a amplitude de interesse que procura atingir (sindicatos de empregados, governos, etc). (IUDÍCIBUS, 2010, p.10). E porque não levar esse interesse para a sociedade? Ela sem dúvida, é a mais interessada, como é o caso do estudo proposto, do processo de cobrança de ICMS sobre o consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte, essa cobrança afeta diretamente a população.

17 Objetivos Objetivo geral Pretende-se, com a pesquisa proposta, compreender o processo de instituição e cobrança da alíquota de ICMS no consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte, bem como a opinião de advogados tributaristas, auditores fiscais e de sindicalistas fiscais sobre a Constitucionalidade desta cobrança Objetivos específicos Analisar a teoria expressa na legislação proveniente à competência e regulamentação do ICMS no estado de Minas Gerais; Conhecer a opinião dos advogados tributaristas, auditores fiscais e sindicalistas fiscais, sobre a cobrança da alíquota de ICMS sobre o consumo residencial de energia elétrica; Avaliar o sistema utilizado com base na legislação; Verificar a Constitucionalidade ou não desta cobrança partindo da opinião de especialistas no assunto. 1.3 Problema de Pesquisa Baseado em informações empíricas, levantamentos de informativos e legislação específica, um bem essencial, pode ser considerado como indispensável para a sociedade, afirmando esse contexto, de acordo com a Lei 7.783/1989, no parágrafo único do artigo 11, considera atividade essencial, aquela que, de alguma maneira não seja fornecida a comunidade, gere perigo imediato a sobrevivência, a saúde e a segurança da sociedade.

18 18 O conceito no dicionário Aurélio parte na mesma linha de raciocínio da legislação acima citada, (FERREIRA, 2001), assim conceitua o essencial como tudo aquilo que é importante ou indispensável para a sobrevivência do cidadão, e através deste contexto, podese considerar como bem essencial, o tratamento e fornecimento de água, telecomunicações, medicamentos, produtos da cesta básica, produção e distribuição de energia elétrica, gás, combustíveis, transporte coletivos e entre outros. Pelo fato desses bens serem indispensáveis para a sociedade, a Lei Maior, disciplina que compete aos Estados instituir o ICMS, e que a cobrança da alíquota sobre esse bem, poderá ser seletiva, de acordo com a essencialidade do bem, em regra geral, quanto mais essencial for o bem menor será a alíquota de ICMS cobrada sobre esse bem. Pode-se afirmar o contexto acima na Constituição Federal, em seu artigo 155, parágrafo 2º, inciso III, dispõe que, o imposto poderá ser seletivo em decorrência da essencialidade das mercadorias e serviços, característica que deverá ser observada pelo Estado, ao instituir as alíquotas do ICMS, na circulação das mercadorias, serviços, telecomunicações, transportes intermunicipais e interestaduais. A seletividade do imposto se dará a essencialidade das mercadorias e serviços, resumindo, os produtos considerados de primeira necessidade, na prática deveriam ter alíquotas inferiores em comparação aos outros produtos. Ao longo do desenvolvimento da sociedade, alguns bens que antes eram considerados supérfluos nos dias de hoje se tornaram essenciais, como é o caso da energia elétrica. Assim, pode-se dizer que o fornecimento de energia elétrica é um bem essencial, uma vez que, a falta de fornecimento dessa mercadoria, causa prejuízo ao cidadão. [...] basta imaginar um black - out por apenas 24,00 horas para que possamos ter a idéia de quão essencial a energia elétrica para a moderna sociedade em que vivemos (HARADA, 2008). Diante da afirmação da essencialidade do fornecimento de energia elétrica para a sociedade, pretende-se conhecer como é aplicada a essencialidade na cobrança do fornecimento residencial de energia elétrica em belo horizonte, uma vez, que a alíquota de ICMS para esse tipo de consumo em Belo Horizonte (Minas Gerais) é de 30% (trinta por cento). Com base nesse contexto, questiona-se: Qual a opinião de especialistas, como Auditores Fiscais, Advogados Tributaristas e Sindicalistas Fiscais, sobre o processo de cobrança da alíquota de ICMS, no consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte, tendo em vista a essencialidade deste bem?

19 Justificativa Este estudo justifica-se pela necessidade de conhecer os motivos pelos quais a teoria expressa na Lei maior e específica não serem praticadas em Belo Horizonte. Visa ainda, compreender as possíveis causas, que levam o Estado a cobrar uma alíquota de 30% sobre o consumo de um bem, que para a sociedade é considerado um bem essencial. Bem como, buscar a opinião de especialistas, como os advogados tributaristas, auditores fiscais e sindicalistas fiscais, sobre o processo de cobrança e instituição da alíquota do ICMS no consumo de energia elétrica em Belo Horizonte, praticada pelo Estado de Minas Gerais e por fim, contribuir com esse estudo, para ajudar a sociedade de Belo Horizonte, a requerer a prática dos direitos expressos em lei, bem como demonstrar o papel social do contador na atualidade. Pretende-se, ao final da pesquisa proposta, contribuir com a sociedade na luta, pela devida cobrança do ICMS sobre o consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte e discutir com o órgão responsável os motivos, que levam a alíquota do ICMS em Belo Horizonte, ser tão alta, chegando a 30% (trinta por cento). Diante dos parágrafos acima, e a importância da pesquisa, faz-se necessário o estudo da teoria comparando se com a prática, e interligando com a formação de juízo dos especialistas tributários, com o intuito de compreender o processo e instituição da cobrança da alíquota de ICMS no consumo residencial de energia elétrica em Belo Horizonte. Academicamente, pretende-se, com esse estudo iniciar a formulação de artigos acadêmicos, bem como participar de Congressos de Contabilidade, pelo país. E profissionalmente, espera-se, reconhecimento e novas oportunidades de trabalho na área tributária.

20 20 CAPÍTULO II - REFERENCIAL TEORICO 2.1 Poder de Tributar Para Martins (2004), o Estado desperta da evolução da família, onde no Feudalismo, já se podia considerar um pequeno Estado, pelo fato de ter preponderância o dono das terras, para explora lá. E já o Estado Moderno, está apoiado na Lei. Com isso, Figueiredo citado por Martins (2004, p.32), define Estado como uma comunidade constituída por um povo que, a fim de realizar a democracia, através da busca incessante da justiça e do bem estar, em dado território nele soberanamente delega aos mandatários o poder (lato sensu) de direção dos objetivos constitucionais, com vistas á organização social e política. Neste contexto, A Constituição Federal não cria tributos, mas outorga competência para a União, Estados, Distrito Federal e Municípios fazê-lo. (SPAGNOL, 2004, p.89). A constituição de 1988, em seu artigo 155, inciso II, permite aos Estados e ao Distrito Federal, a competência de instituir impostos, e dentre eles, de cobrar o imposto sobre operações relativas á circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS), o poder de tributar é uma prerrogativa do Estado que, através dele, tem o direito de instituir, fiscalizar e arrecadar. (COSTA, 2006, p.16), observado algumas características, tais como: 2.º O imposto previsto no inciso II atenderá ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993) I - será não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços com o montante cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal; II - a isenção ou não-incidência, salvo determinação em contrário da legislação: a) não implicará crédito para compensação com o montante devido nas operações ou prestações seguintes; b) acarretará a anulação do crédito relativo às operações anteriores; III - poderá ser seletivo, em função da essencialidade das mercadorias e dos serviços; (BRASIL, 1988). A Constituição Federal de 1988 estabelece poderes, em específico para os Estados na instituição e cobrança de tributos, sendo assim a competência tributária consiste no poder atribuído pela Constituição ao ente público para exigir o tributo a ele pertinente. (MARTINS, 2005, p. 135).

21 21 A partir da competência estabelecida pela constituição federal, foi sancionada em 1996, a chamada Lei Kandir, ou Lei complementar 87 de 13 de setembro de 1996, que dispõe sobre o imposto dos Estados e do Distrito federal, relativo ao ICMS. Em suma, o imposto sobre operações relativas á circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS) é de competência dos Estados, instituído as regras gerais pela Constituição Federal e normas mais específicas através da Lei Kandir, a partir desses pretextos, cada Estado tem o seu regulamento sobre o ICMS, que deve obedecer a características impostas na Lei Maior. Minas Gerais tem o seu próprio Regulamento de ICMS (RICMS/MG), onde no artigo 42, institui as alíquotas para os bens e serviços. Na alínea c, do respectivo artigo, é imposta a alíquota de 30% para o consumo residencial de energia elétrica. A comparação do texto relatado pela CF de 1988, quando menciona que o imposto poderá ser seletivo, em função da essencialidade das mercadorias e serviços (art. 155, parágrafo 2º, inciso III, CF), contradiz com a alíquota de 30% imposta no RICMS/MG, por parecer não ser considerada essa essencialidade. Abaixo, Martins, contribui de forma mais específica sobre o conceito, acrescentando que o imposto deve ser cobrado de acordo com a capacidade econômica contributiva do contribuinte, ou seja, sua renda. Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte, facultado á administração tributária, especialmente para conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o patrimônio, os rendimentos e as atividades econômicas do contribuinte. (MARTINS, 2004). De forma genérica, o artigo 42, do RICMS/MG, não detalha as alíquotas para consumo residencial de Energia Elétrica por consumo, o que poderia ser uma forma de cobrança justa. 2.2 ICMS O imposto sobre operações relativas á circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS), é uma espécie de tributo, conceituado como imposto, que incide indiretamente sobre a riqueza do contribuinte.

22 22 Sendo assim, de acordo com o artigo 3º, da Lei de 25 de outubro de 1966, ou seja, o Código tributário nacional (CTN), Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Tributo, nada mais é que uma parcela estabelecida em moeda, que independe da vontade do contribuinte, não incidindo em atividades ilícitas, (o que não quer dizer, que não incida sobre a renda de uma pessoa que atua com atividade ilícita), e para se efetivar a cobrança do tributo, deve constar em Lei, estabelecendo o fato gerador, alíquota e base de cálculo. De maneira comum, (Martins, 2005, p.99), conceitua Tributo como, [...] é uma prestação de dar, de pagar. Não se trata de obrigação de fazer ou não fazer. Tributo é o objeto da relação tributária. O tributo tem por objetivo, carrear para os cofres do Estado meios financeiros para a satisfação das necessidades da coletividade. Como afirma Martins (2005), o objetivo principal da arrecadação através, dos tributos é o recebimento para os Estados de verba, para suprir as necessidades da população. Essas arrecadações são feitas por intermédio das existentes espécies de tributos, tais como taxas, contribuições, entre outras. O artigo 5º do CTN, diz que são tributos, os impostos, taxas e contribuições de melhoria, mas Martins rebate essa colocação, quando diz [...] que o art.5º do CTN foi derrogado pela Constituição de 1988, que amplia as espécies tributárias, incluindo o empréstimo compulsório e as contribuições sociais. (MARTINS, 2005, p.101). O CTN em seu artigo 16 define, que Imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. Para Martins (2005) o imposto é geral, pelo fato de deferir os interesses comuns da sociedade, que não podem ser especificados. O ICMS é considerado um imposto indireto pelo fato de não incidir diretamente a riqueza, como afirma Spagnol. Os impostos indiretos gravam, por sua vez, não a riqueza em si mesma, mas sua utilização, sua circulação ou seu consumo. (SPAGNOL, 2004, p.57). Em suma, o ICMS é considerado um tributo, por ser cobrada uma parcela em moeda na atividade lícita definida em Lei. É imposto e indireto, por incidir sobre a circulação da mercadoria, independente da atividade da empresa, e da riqueza do contribuinte.

23 Fato Gerador O fato gerador do ICMS, em regra geral é o momento da saída da mercadoria, para a circulação do produto. Falcão citado por Rossi (2006), diz que fato gerador, é, pois, o fato, o conjunto de fatos ou estado de fato, a que o legislador vincula o nascimento da obrigação jurídica de pagar um tributo determinado. A lei complementar 87/1996, mais especificamente no artigo 2º e parágrafo 1º, define em quais operações incidem o ICMS e quais não incidem. E ainda acrescenta no Parágrafo 2º que A caracterização do fato gerador independe da natureza jurídica da operação que o constitua. Na visão de Rossi, constitui Fato Gerador do ICMS cada percurso de circulação da mercadoria na cadeia produtiva promovida por qualquer agente econômico, seja uma indústria, um atacadista ou um varejista. Concluindo, o fato gerador do ICMS ocorre a cada operação praticada pelos agentes econômicos, com o objetivo de impulsionar a mercadoria da fase industrial até o consumidor final [...] (ROSSI, 2006). Em suma, são muitas as hipóteses que incidem o ICMS, mas como dito, em regra geral, é devido a partir do momento da saída da mercadoria e ou serviço, serviço de transporte e de comunicação para circulação Base de Cálculo e alíquota A base de cálculo do imposto é o valor da operação da circulação da mercadoria ou o preço do serviço prestado. (MARTINS, 2005, p.289). O valor da base de cálculo será o valor cobrado pela mercadoria, mas integra a base de cálculo do tributo o valor do frete, cobrado por outro estabelecimento da mesma empresa, ou por empresa independente, que exceda os níveis normais de preço do serviço de transporte. (MARTINS, 2005, p.280). No RICMS/MG, em seu artigo 43, dispõe sobre as hipóteses e os valores que corresponderão à base de cálculo para fins do ICMS, de acordo com a situação.

24 24 Resumidamente, a base de cálculo é o valor dos produtos, acrescido das despesas, frete e seguro. Sobre o valor da base de cálculo é aplicado um percentual, definido no artigo 42, de acordo com o tipo de mercadoria, denominada de alíquota. São diversas as alíquotas estabelecidas para os produtos, dentre elas alíquotas de 7% (sete por cento), 12% (doze por cento), 18% (dezoito por cento), 25% (vinte e cinco por cento) e 30% (trinta por cento). Para o consumo residencial de energia elétrica, foi instituída uma alíquota de 30% (art.42, alínea c, do RICMS/MG). O Estado torna isento de cobrança de ICMS, o consumo residencial de até 90 kwh, como relacionado no item 79, Parte I, do Anexo I do RICMS/MG. Saída em operação interna ou interestadual, na energia elétrica para consumo: a) em imóveis residenciais urbanos ou rurais, que consumam até 90 kwh (noventa quilowatts/hora) mensais (MINAS GERAIS, 2011). Com isso, o consumo a partir de 91 kwh, tem a cobrança de 30%, sobre o consumo de Energia Elétrica. Essa tarifa é embutida no consumo final Contribuinte A lei complementar 87/1996 citada por Borges (2009, p.59), conceitua como Contribuinte é qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize operação de circulação de mercadoria ou prestação de serviços descritos como fato gerador do imposto. Borges (2009, p.59), acrescenta que a análise dessa definição demonstra que está inserido no conceito de contribuinte do ICMS qualquer pessoa que venha a concretizar uma de suas hipóteses de incidência. A lei complementar 87/1996 em seu artigo 4º, citado por Martins, diz que: contribuinte é toda e qualquer pessoa física ou jurídica, que realize, com habitualidade ou em volume que caracterize intuito comercial, operações de circulação de mercadorias ou prestações de serviço de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. (LEI COMPLEMENTAR 87/1996 CITADO POR MARTINS, 2005)

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Planejamento da Gestão Pública Planejar é essencial, é o ponto de partida para a administração eficiente e eficaz da máquina pública, pois

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação Imposto 1. IMPOSTO O imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte (art. 16, do CTN). Como esse assunto

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br ICMS substituição tributária. IVA ajustado. Um desajuste tributário para os estabelecimentos varejistas Paulo Henrique Gonçalves Sales Nogueira * Pretende se com o presente texto

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA Atualmente, com a expansão de mercados e forte aumento da concorrência, vê-se a necessidade cada vez maior de promover

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA *José Antonio de França I CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Tributário Brasileiro é um sistema complexo, composto por muitos impostos, taxas e contribuições de competência Federal, Estadual e Municipal. A tarefa

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19 Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Capítulo I IMPOSTO... 25 1. Imposto... 27 1.1. Sínteses das

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta:

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ENVIADA AO CONGRESSO EM FEVEREIRO DE 2008 (SE REFERE AOS TÓPICOS DE INTERESSE DOS MUNICÍPIOS) Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: Adv.

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa Direito Tributário: desenvolvimento nacional Objetivo CF art. 3º

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) Regulamenta o inciso VII do art. 153 da Constituição Federal, para dispor sobre a tributação de grandes fortunas O CONGRESSSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2011 TRIBUTOS FEDERAIS GUIA COMPLEMENTAR - SIMPLES NACIONAL Introdução - Casos de Emissão do DAS Complementar - Geração do DAS Após o

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam

Leia mais

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Formas de Redução e Isenção da Obrigação Tributária gerada pelo ganho de capital com a venda de imóveis. Lucas Calafiori Catharino de Assis Conceito de Tributo

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A Para se compreender a tributação ecológica é necessário que se tenha uma noção ampla da necessidade e importância

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada*

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Vários artigos sobre assunto já escrevemos. A única forma de acabar com as guerras fiscais deflagradas sob diferentes espécies incentivos fiscais

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Consulta Operações personalizadas de vendas que realiza. PARECER Nº 097/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE VENDAS PERSONALIZADAS PELO SENAC-RO À EXCEÇÃO DAS VENDAS DE LIVROS, QUE GOZAM DE

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Artigo 1 A Constituição Federal passa a vigorar com os seguintes artigos alterados ou acrescidos: Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: XVI estabelecer

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI A S S I P I ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI Os dados apresentados a seguir constam do texto da Emenda Substitutiva 5, aprovada no Senado Federal e publicada no Diário Oficial

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais