FÓRUM DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA -DIRETORIA EXECUTIVA- Relatório de Gestão FORTEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA -DIRETORIA EXECUTIVA- Relatório de Gestão FORTEC 2010-2014"

Transcrição

1 Relatório de Gestão FORTEC

2 Biênio Coordenação Nacional: Diretoria Executiva Rubén Dario Sinisterra (UFMG) Presidente Oswaldo Massambani (Centro Paula Souza) Vice-Presidente Francisca Dantas Lima (FUCAPI) Diretora Administrativa Coordenações Regionais Região Norte Maria das Graças Ferraz Bezerra (MPEG) Coordenadora Regional Rosângela Bentes (INPA) Vice-Coodenadora Regional Maria do Socorro Lima Verde Coelho (UFAM) Suplente Região Nordeste Gilvanda Silva Nunes (UFMA) Coordenadora Regional Silvia Beatriz Beger Uchôa (UFAL) Vice-Coodenador Regional Nema Mirian Chagas de Araújo (IFPB) Suplente Região Centro-Oeste Luís Afonso Bermudez (UNB) Coordenador Regional Fernanda Marques Caldeira (IFMT) Vice-Coodenador Regional João de Amorim Litaiff Júnior (SECCTM) Suplente Região Sudeste Shirley Virgínia Coutinho (PUC-Rio) Coordenador Regional Elza Fernandes de Araújo (UFV) Vice-Coodenador Regional José Arana Varela (UNESP) Suplente Região Sul Marcus Julius Zanon (TECPAR) Coordenador Regional Marzely Gorges Farias (UDESC) Vice-Coodenador Regional Raquel Santos Mauler Suplente 2

3 Biênio Coordenação Nacional: Diretoria Executiva Rubén Dario Sinisterra (UFMG) Presidente Oswaldo Massambani (Centro Paula Souza) Vice-Presidente Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues Chaves (UFAM) Diretor-técnico Marli Elizabeth Ritter dos Santos (PUC-RS) Diretor-técnico Conselho Fiscal Régia Ruth Ramirez Guimarães (CDTN) Conselheira Cristina Quintella (UFBA) Conselheira Silvia Beatriz Uchoa (UFAL) Conselheira Coordenações Regionais Região Norte Rosângela Fernandes Bentes (INPA) Coordenadora Regional Solange Ugalde de Lima (UEA) Vice-Coodenadora Regional Suplente Região Nordeste Tecia Vieira Carvalho (PADETEC) Coordenadora Regional Gesil Sampaio Amarante Segundo (UESC) Vice-Coodenador Regional Aldayr Dantas de Araújo (UFRN) Suplente Região Centro-Oeste Grace Ferreira Ghesti (UNB) Coordenador Regional Vice-Coodenador Regional Suplente Região Sudeste Shirley Virgínia Coutinho (PUC-Rio) Coordenador Regional João de Oliveira Junior (CTI/MCTI) Vice-Coodenador Regional Suplente Região Sul Marcus Julius Zanon (TECPAR) Coordenador Regional Rozangela Pedrosa (UFSC) Vice-Coodenador Regional Suplente 3

4 Apresentação O Diretório Nacional apresenta, por meio deste relatório, a toda a comunidade de gestores de inovação e transferência de tecnologia das instituições cientificas e tecnológicas brasileiras, o conjunto de ações desenvolvidas pelo Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia - FORTEC, a partir de 26 de abril de 2010 até 17 de maio de 2014, completando assim o quadriênio de atividades da presente gestão e o encerramento das atividades da atual presidência, vice-presidência, diretoria executiva, diretores, técnicos, fiscais, e coordenações regionais. Ainda gostariamos de mencionar e cumprimetar que todas essas atividades são a consequência do proceso de consolidação das atividades de ciência, tecnología e inovação no Brasil as quais surgem como consequência das politícas públicas da formação de recursos humanos na pós-graduação, apoio e consolidação de grupos de pesquisa ao longo do país nas mais diversas áreas do conhecimento desde a década de 70. Assim verifica-se que no final da década de 90 algumas ICTs brasileiras criaram alguns Núcleos de Inovação Tecnológica tais como a CTIT da UFMG, o NIT da Embrapa, da Fundação Fiocruz, da UFRGS da USP e da Unicamp e o CDT da UnB, os quais coincidiram com a promulgação da nova Lei de Propriedade Industrial no país 9279 de Na mesma época foi criada a Repict (Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro) a qual teve um papel fundamental para o inicio das discussões e reflexões sobre PI, TT e comercialização de tecnologías. Em 2003 nasce a Rede Mineira de PI como uma iniciativa e mobilização das ICTs mineiras com a liderança da UFMG e UFV. Mais recentemente surgem outras redes como consequência do processo de consolidação da cultura de PI como a Rede Nordeste de PI, Rede Sul de PI e a Rede Paulista de PI e duas Redes de PI no norte do país, Rede da Amazônia Oriental e outra a Amazônia Ocidental. A representatividade, nacional e internacional no campo da propriedade intelectual, transferência de tecnologia e inovação, do FORTEC, foi muito influenciada pela Lei N o de 02 dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, de 11 de outubro de A qual estimulou a participação das Instituições Científicas e Tecnológicas (ICT) no processo de inovação, e a criação dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas instituições, de Norte a Sul, de Leste a Oeste. Como uma consequência desse movimento interno de algumas ICTs bem como resposta as politícas públicas naquele momento e buscando uma maior representatividade e 4

5 participação no ecosistema brasileiro de inovação foi proposto a criação do Fórum Nacional de Gestores Fortec, na cidade de Florianópolis, em 2006 e contou com a participação inicial de 43 NITs. A presidência do Fórum Nacional de Gestores de inovação foi feita pela Profa. Elizabeth Ritter da PUC-RS por dois mandatos até abril de Em 2010 houve mudança de direção e de estrutura formal do Fortec na V Reunião Anual do em Recife e assume a presente Diretoria Executiva, os três diretores técnicos e três fiscais e os respectivos cinco coordenadores, sub-coordenadores e suplentes regionais (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste). Em 14 de Outubro de 2011 foi criada a Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnología - Fortec, no Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais. Nasce assim, uma associação da maior importância estratégica para o ambiente de inovação brasileiro. Art. 1. O Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia FORTEC é uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos, de duração indeterminada, regida pelo presente Estatuto e pelas demais disposições legais que lhe forem aplicadas, com sede, domicílio e foro na Avenida Presidente Antônio Carlos 6627, Unidade Administrativa II 4º Andar - Campus UFMG, Belo Horizonte -MG, Brasil, CEP Art. 2º. O FORTEC tem por objetivos: I. Disseminar a cultura da inovação, da propriedade intelectual e da transferência de tecnologia; II. Potencializar e difundir o papel das Entidades de Ciência, Tecnologia e Inovação (ECTI); III. Auxiliar na criação e na institucionalização dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) e de outras Instâncias Gestoras de Inovação (IGI); IV. Estimular a capacitação profissional dos que atuam nos NIT e nas IGI; V. Estabelecer, promover e difundir as melhores práticas para os NIT e para as IGI; VI. Apoiar os NIT e as IGI em suas gestões junto ao Poder Público e demais organizações da sociedade civil; VII. Mapear e divulgar as atividades e indicadores dos NIT e IGI; VIII. Apoiar eventos de interesse de seus associados; IX. Promover a cooperação e atuação em rede entre seus associados; 5

6 X. Contribuir para a proposição de políticas públicas relacionadas à inovação tecnológica, propriedade intelectual e transferência de tecnologia nos âmbitos nacional, estadual e municipal; XI. Incentivar a pesquisa, o desenvolvimento científico e tecnológico, a inovação, a propriedade intelectual e a transferência de tecnologia no âmbito nacional, estadual e municipal; XII. Fomentar e cooperar com a capacitação, formação e o desenvolvimento dos profissionais envolvidos no esforço de gestão da inovação, propriedade intelectual e transferência de tecnologia para as ECTI que atuam no país; XIII. Promover a cooperação e o intercâmbio com Associações e entidades públicas ou privadas nacionais e internacionais; XIV. Elaborar por conta própria ou por demanda de seus associados ou de entidades ou parceiros externos, estudos, levantamentos, pesquisas, diagnósticos, projetos, ferramentas, sistemas, programas, cursos, seminários e publicações relativos ao seu âmbito de atuação e coerentes com os princípios do FORTEC. Parágrafo Único O FORTEC desenvolve suas atividades por meio da execução direta de projetos, programas ou planos de ações, por meio da doação de recursos físicos, humanos e financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam em áreas afins. O crescimento, na área da inovação, pode ser evidenciado pelo aumento significativo do número de membros, de 161 Núcleos de Inovação Tecnológica registrados em 2008, para 215 em Nesse contexto, o presente relatório tem como objetivo demonstrar as atividades desenvolvidas pelo FORTEC durante a gestão de modo a facilitar o planejamento estratégico das atividades futuras. Os principais feitos deste período de gestão serão apresentados em duas partes: a primeira delas é formada pelo relatório do primeiro biênio e a segunda é composta pelo último biênio

7 GESTÃO

8 Todas as atividades desenvolvidas na presente gestão do FORTEC foram pautadas pela transparência, uso da democracia e espírito coletivo para cumprir com os seguintes objetivos: 1. Mapeamento geral dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs); 2. Criação de banco de patentes, a partir das tecnologias geradas nas instituições de ciência e tecnologia em áreas estratégicas portadoras de futuro visando a negociação e transferência das tecnologias; 3. Desenvolvimento de novos modelos de negócios para a transferência de tecnologia do FORTEC para o setor público, privado nacional e internacional; 4. Capacitação de recursos humanos na área da propriedade intelectual, negociação e transferência de tecnologia no âmbito nacional e internacional em parceria com o Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI), Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) e o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); 5. Internacionalização de parcerias e atividades de negociação e transferência de tecnologia da do FORTEC; 6. Promoção de atividades de empreendedorismo no FORTEC bem como no Brasil; 7. Fortalecimento de ações com as associações congêneres como a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI) e Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica (ABIPTI) de forma a compartilhar as boas práticas da interação Universidade-Empresa e adensar o processo de transferência de tecnologia para o setor produtivo privado; 8. Reuniões do FORTEC com autoridades do Governo Federal e Instituições parceiras; 9. Reuniões do Diretório Nacional do FORTEC, para a programação e execução da agenda FORTEC para a inovação; 10. Considerações Finais 8

9 1-Mapeamento geral dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) O mapeamento dos NITs é fundamental para verificar o processo de aumento e consolidação da institucionalização das estruturas responsáveis pela gestão de propriedade intelectual, transferência de tecnologia e inovação por região no país. Abaixo estão representados os NITs associados ao FORTEC por região e tipo de Instituição. Gráfico 1- NITs associados ao FORTEC por região do país em 2012 Verificou-se assim um crescimento do número dos NITs, passando de 193 para 204 núcleos associados ao FORTEC. O aumento ocorreu em todas as regiões do país, mas observa-se uma taxa de crescimento maior para algumas regiões (Norte e Nordeste) quando comparada às outras regiões. Foi feito também uma análise do crescimento dos NITs por região. Quando analisado o Gráfico 2, em que se mostra a distribuição dos NITs da região Sul por tipo de instituição, verifica-se que as universidades privadas somam 24 NITs, representando 48%, seguido por 9 NITs das universidades federais (18%), 7 NITs de universidades estaduais (14%), 6 NITs de instituições federais (12%), 6 NITs dos institutos de pesquisa (6%) e 1 de empresas (2%). 9

10 Gráfico 2 - NITs associados ao FORTEC na Região Sul divididos por tipo de Instituição em 2012 Em uma análise comparativa dos dados do Biênio de e o atual Biênio ( ) verificou-se um aumento de 14% no número de NITs da região Sul (6 NITs), conforme mostrado no Gráfico 3. Gráfico 3 - Aumento do número de NITs na região Sul no biênio Quando avaliados os dados da região Sudeste (Gráfico 4) verifica-se um predomínio dos Institutos de Pesquisa com 21 NITs (33%), seguido das Universidades Federais com 20 NITs (31%), Institutos Federais com 10 NITs (16%), Universidades Estaduais com 7 NITs (11%) e Universidades Particulares com 6 NITs (9%). 10

11 Gráfico 4 - NITs associados ao FORTEC na Região Sudeste divididos por tipo de Instituição em 2012 Em uma análise comparativa entre os dados do Biênio e o Biênio verificou-se um aumento de 23% no número de NITs da região Sudeste (12 NITs), conforme mostrado no Gráfico 5. Gráfico 5 - Aumento do número de NITs na região Sudeste no biênio Analisando os dados dos NITs associados na Região Centro-Oeste (Gráfico 6) verificase um predomínio das Universidades Federais na composição total dos associados com 7 NITs (35%), seguidos dos Institutos de Pesquisa e dos Institutos federais ambas com 4 NITs 11

12 (20%) e Universidades Estaduais com 3 NITs (15%) e Universidades Particulares com 2 NITs (10%). Gráfico 6 - NITs associados ao FORTEC na Região Centro-Oeste divididos por tipo de Instituição em 2012 Em uma análise comparativa entre os dados do Biênio com os dados do Biênio verificou-se um aumento de 43% no número de NITs da região Centro- Oeste (6 NITs), conforme mostrado no Gráfico 7. Gráfico 7 - Aumento do número de NITs na região Centro-Oeste no biênio Avaliando os dados dos NITs associados ao FORTEC na região Nordeste, conforme o 12

13 Gráfico 8, que as Universidades federais representam o maior índice com 14 NITs (30%), seguido dos Institutos de Pesquisa com 12 NITs (26%), 10 NITs de Institutos Federais (21%), 8 NITs de Universidades Estaduais (17%) e 3 NITs Univeridades Particulares (6%). Gráfico 8 - NITs associados ao FORTEC na Região Nordeste divididos por tipo de Instituição em 2012 Em uma análise comparativa entre os dados do Biênio com os dados do Biênio verificou-se um aumento de 27% no número de NITs da região Nordeste (10 NITs), conforme mostrado no Gráfico 9. Gráfico 9 - Aumento do número de NITs na região Nordeste no biênio

14 Na Região Norte existe um predomínio dos Institutos de Pesquisa somando 10 NITs (43%), seguido por 6 NITs das Universidades Federais (26%), 4 NITs dos Institutos Federais (17%), 2 NITs das Universidades Estaduais (9%) e 1 NIT das Universidades Particulares (4%). O número de NITs de acordo com o tipo de instituição encontra-se no Gráfico 10. Gráfico 10 - NITs associados ao FORTEC na Região Norte divididos por tipo de Instituição em 2012 Dentre todas as regiões Brasileiras, o Norte apresentou o maior crescimento percentual entre todas regiões, passando de 14 NITs associados para um total de 23 14

15 associados. Obteve assim um aumento segnificativo de 64% nos últimos 2 anos. Esse aumento pode ser evidenciado no Gráfico 11. Gráfico 11 - Aumento do número de NITs na região Norte no biênio O aumento expressivo do número de associados em todas as regiões e em especial da região Norte é um reflexo das ações do FORTEC voltadas para a região, como por exemplo, o VI FORTEC realizado em Belém do Pará entre os dias 17 e 19 de abril. O crescimento geral do número de NITs, é melhor evidenciado no Gráfico 12: Gráfico 12 - Crescimento do número de NITs 15

16 2 - Criação de banco de patentes, a partir das tecnologias geradas nas instituições de ciência e tecnologia em áreas estratégicas portadoras de futuro visando a negociação e transferência das tecnologias O inicio da montagem do banco de patentes dos NITs brasileiros foi feito escolhendo áreas estratégicas: biotecnologia, fármacos e medicamentos, energia alternativas, química e nanotecnologia, materiais, tecnologias oriundas da biodiversidade, tecnologia da informação e engenharia. Foi usado também o critério de tecnologias protegidas pelo mecanismo Patent Cooperation Trade (PCT) e patentes depositadas e concedidas nos EUA nas áreas acima. Visando assim buscar a internacionalização das tecnologias brasileiras, bem como a atração de novos investimentos e negócios internacionais no Brasil. Para maiores detalhes sobre as tecnologias vide os catálogos de tecnologias, no site do FORTEC: Catalogo de tecnologias preparadas para a primeira mesa redonda em Washington em 2010, Catálogo de tecnologias na área de biotecnologia preparadas para participar da reunião da BIO 2011 em Chicago, junho de 2011, assim como as tecnologias preparadas para participar da reunião da AUTM em Las Vegas EUA, fevereiro de

17 Figura 1 - Pôster apresentando tecnologias brasileiras na AUTM, Las Vegas,

18 Patentes Internacionais PCT ou USA do FORTEC por Área Industrial Patentes Internacionais PCT ou USA do FORTEC por Área Industrial Patentes por Área Industrial PCT ou USA Farmacêutica Biotecnologia Engenharia e Ambiente Nanotecnologia Materiais e Energias Alternativas Tecnologias da Informação Instituições UFMG, FAPEMIG, USP, UFSCAR, UnB, UNESP, UFRJ, PUC- RS PUC-RS, UFSCAR, UFSC, USP-I. Ludwig- H. Einsten, UNICAMP, FAPESP, UnB, UCS, UFMG PUC-RS, IPT, FAPESP, UFSC, PUC-Rio, UFMG- CEMIG, TECPAR UFSCAR, UFMG UFSCAR, IPT, UFSC UFMG Figura 2 - Patentes internacionais PCT do FORTEC por área industrial 18

19 Figura 3 - Catálogo das patentes brasileiras apresentadas pelo FORTEC na AUTM, em Las Vegas, 2011 Foi feito também um catálogo com as tecnologias assistivas dos NITs brasileiros, Figura 4. O catálogo foi apresentado no terceiro Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação para Pessoas com Deficiência, o Direito Universal da Indústria Brasileira, em São Paulo, entre os dias 24 e 26 de outubro de O presente evento foi organizado em parceria com a Secretária de Estado Prof.Dra. Linamara Rizzo Battistella da Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo. O catálogo encontrase no site do FORTEC. Figura 4 - Catálogo FORTEC de Tecnologias Assistivas 19

20 3 - Desenvolvimento de novos modelos de negócios para a transferência de tecnologia do FORTEC para o setor público, privado nacional e internacional Para o cumprimento do presente objetivo o FORTEC usou os catálogos preparados com as tecnologias estratégicas dos NITs nas mais diversas áreas do conhecimento e de relevância industrial bem como portadoras de futuro para o país e para o mundo. Dessa forma vide os catálogos disponíveis no site do FORTEC. Por outro lado, o FORTEC continua buscando oportunidades para a aproximação e consolidação da interação com outros agentes do ecossistema de inovação brasileiro: Anprotec, Anpei e ABPTI, buscando novas parcerias e possibilidades de transferência de tecnologia de forma a adensar o processo de inovação nas pequenas e médias empresas nas incubadoras brasileiras bem como com as empresas inovadoras associadas da ANPEI. Com esse intuito foi feito na VI reunião do FORTEC em Belém do Pará, em 17/04/2012. A primeira atividade conjunta das associações acima, apresentou um Catálogo de Tecnologias Verdes das ICT s brasileiras, das pequenas e médias empresas em incubadoras e parques tecnológicos e empresas de grande porte inovadoras, Figura 5. O catálogo completo estará disponível no site do FORTEC e será um catálogo permanente e dinâmico, ou seja será possível adicionar novas tecnologias verdes das instituições brasileiras. A seguir vide o índice das tecnologias verdes. Finalmente o presente Catálogo será aprimorado para ser apresentado na Reunião Rio+20 em junho de

21 Figura 5 - Catálogo das tecnologias verdes do FORTEC, Anprotec, Anpei e Abipti INDICE GERAL DAS TECNOLOGIAS E NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ENERGIAS ALTERNATIVAS - BIOCOMBUSTÍVEIS 1. Biocombustível de aviação obtido através de processo catalítico de hidrogenólise de biomassa (INT) 2. Processo catalítico de hidrogenação de biomassa para obtenção de p-mentano e seu uso como biocombustível de aviação (INT) 3. Processo de obtenção de biocombustíveis para motores diesel, veiculares e estacionários (INT) 4. Instrumento para classificação de biodiesel (UEPB) 5. Aditivo para utilização de etanol em motores diesel (ANPEI) 6. Processo para o pré-tratamento de biomassa lignocelulósica (INT) 7. Produção de bioetanol a partir da biomassa lignocelulósica (UFRJ) 8. Processo para aumento de produtividade na produção de etanol por biomassa (UNICAMP) 9. Produção de etanol a partir de algas (UFRJ) 10. Produção de etanol a partir da celulose (UFRJ) 11. Produção de etanol com leveduras imobilizadas em colmos de cana-de-açúcar ou sabugos de milho (ANPROTEC) 12. Levedura para produção de etanol em condições de estresse (UNESP) 13. Composição de enzimas para degradação da biomassa de cana (UFRJ) 14. Solazyme óleos renováveis e bioprodutos (ANPEI) 15. Processo para produção de propeno a partir de etanol (INT) 16. Reator UASB com duplo estágio de coleta de biogás (UFMG) 17. Uso de biogás como reagente gaseificante termoquímico (UFMG) 18. Tratamento térmico de biomassa e resíduos sólidos - Pirolix (UFMG) 19. Briquete de Açaí e Briquete de Tucumã (INPA) 20. Unidade produtora de energia e carvão UPEC 250 (ANPROTEC) 21

22 ENERGIAS ALTERNATIVAS - ENERGIA SOLAR 21. Sistema híbrido de geração de energia elétrica e aquecimento de água (UNICAMP) 22. Gerador termelétrico automotivo autônomo (UNITAU) 23. Substituição de geradores diesel por conversão fotovoltaica da energia solar (UFSC) 24. Células solares orgânicas para conversão de energia solar em elétrica (ANPEI) 25. Superfícies seletivas solares para uso em coletores solares (ANPROTEC) 26. Exploração espacial para geração de eletricidade (UFABC) 27. Projeto Megawatt Solar (UFSC) 28. Painéis fotoelétricos inteligentes dotados de sistema de guiamento e apontamento (ANPROTEC) 29. Energia de fontes alternativas para dispositivos portáteis (ANPROTEC) ENERGIAS ALTERNATIVAS - CÉLULAS A COMBUSTÍVEL 30. Catalisadores para a produção de hidrogênio para células a combustível de baixa temperatura (INT) 31. Produção de hidrogênio para células a combustível de baixa temperatura a partir de álcoois (INT) 32. Bioanodos para biocélulas a combustível de etanol (USP) 33. Pilhas a combustível a óxido sólido (ANPROTEC) MINERAÇÃO: RECUPERAÇÃO DO SOLO E APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS 34. Biomanta artesanal de fibra de taboa (UFMS) 35. Substrato agrícola para produção de mudas e implantação de jardins (IFSE) 36. Processo de formação de compósitos poliméricos utilizando resíduos gerados na lavra e no beneficiamento de rochas ornamentais (INT) 37. Uso de resíduos de rochas ornamentais como base para resinas (INT) 38. Uso de resíduos de rochas para produção de vidros (INT) TRATAMENTO DE EFLUENTES 39. Fotoreator simplificado de radiação ultravioleta para desinfecção de águas (UFMG) 40. Reator fotoquímico para degradação de efluentes aquosos (ANPROTEC) 41. Tratamento de efluentes coloridos por fotoeletrocatálise (UNESP) 42. Sistema compacto UASB/filtro biológico para tratamento de águas residuárias (UFMG) 43. Tecnologias Vivas: sistema vivo de tratamento de efluentes domésticos (UNIFEI) 44. Sistemas residenciais para tratamento de esgoto (UNITAU) 45. Câmara de mistura turbilhonar para tratamento de efluentes (PUC-Rio) 46. Processo e agente removedor de compostos fenólicos de efluentes industriais (UCS) 47. Cianobactérias e reaproveitamento de efluentes (USP) 48. Material carbonáceo para remoção de contaminantes orgânicos (UFMG) 49. Nanopartículas magnéticas anfifílicas à base de crisotila ou vermiculita (UFMG) 50. Adsorventes magnéticos para aplicações ambientais e industriais (UFMG) 51. Nanocompósitos ferrita/ciclodextrina como dispositivos de descontaminação magneticamente dirigível (UFMG) 52. Utilização de fungos do gênero pleurotus sp. na remoção de metais pesados contidos em efluentes (UCS) 53. Agente bioadsorvente para remoção de metais pesados (PUC-Rio) 54. Aditivo de separação de metais pesados (PUC-RS) 55. Peneiras moleculares para adsorção de metais pesados (ANPROTEC) 56. Cinzas de folhas de azadirachta como adsorvente de metais tóxicos (IFCE) 57. Processo de eliminação de mercúrio de rejeitos sólidos (UFMG) 58. Processo de regeneração e reciclagem de materiais adsorventes (UFMG) 59. Processo para tratamento de efluentes de nanotubos de carbono (UNICAMP) 60. Produção de biossurfactante em escala comercial e baixo custo (UNICAMP) 61. Aumento da produção de biossurfactantes empregando Burkholderia kururiensis (UFRJ) 62. Materiais cerâmicos para absorção de gases ácidos (UFMG) 63. Fotorreator para biofixação de gases poluentes e obtenção de biomassa (UFRJ) 64. Sistema de otimização de secagem de lodo de esgoto a partir do aproveitamento do biogás (ANPROTEC) 65. Tratamento biológico off site de solos contaminados por hidrocarbonetos (ANPROTEC) 66. Remediação e/ou tratamento in situ de solos contaminados (PUC-Rio) 67. Sistema compacto para tratamento de efluentes da lavagem de veículos (ANPROTEC) APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS 68. Espuma flexível de poliuretano (UFMG) 69. Materiais anfifílicos para formação e quebra de emulsões (UFMG) 70. Resina superabsorvente à base de poliestireno (UFMG) 22

23 71. Reaproveitamento de resíduos da atividade pesqueira do camarão para produção boias de contenção de derrame de óleo no mar (UENF) 72. Composição adesiva contendo resíduo de tinta em pó (UCS) 73. Processo de desvulcanização de resíduos de terpolímeros por micro-ondas (UCS) 74. Processo de reciclagem de poliestireno via polimerização em miniemulsão (UFSC) 75. Processo tecnológico para aproveitamento de bagaço de maçã na alimentação animal (UEPG) 76. Processo de obtenção de carbeto de silício (UFSCAR) 77. Processo de produção de aguardente a partir de resíduos industriais (UNESP) 78. Sinalizador viário (PUC-RS) 79. Conversão de borra e resíduos de petróleo de passivos ambientais em ativos (ANPROTEC) AGRICULTURA E PECUÁRIA 80. Integração agricultura pecuária no oeste do estado de São Paulo (APTA) 81. Integração lavoura-pecuária-silvicultura (ILPS) adaptada à Região Noroeste Paulista (APTA) 82. Construindo ambientes pastoris adequados à produção de cordeiros (APTA) 83. Seleção de bovinos para produção de carne com redução de emissão de gases de efeito estufa (IZ) 84. Estratégia de pastejo rotativo para melhoria da produtividade animal (IZ) 85. Utilização do ozônio para desinfecção do sistema de ordenha (ANPROTEC) 86. Mutirão agroflorestal no Vale do Paraíba do Sul (APTA) 87. Sistema de produção de cana-de-açúcar sustentável: pré-cultivo de adubos verdes (APTA) 88. Produção de palmito pupunha no Estado de São Paulo (IAC) 89. Consórcio de milho safrinha e braquiária (IAC) 90. Controle biológico de pragas agrícolas (IB) 91. Bioclonagem - Produção de Mudas Clonadas (ANPEI) 92. Efeito de extratos vegetais no controle de Rotylenchulus reniformis (IAPAR) 93. Herança de resistência do algodoeiro a Ramularia areola (IAPAR) 94. Indutor do aumento de resistência em plantas de batata (PUC-RS) 95. Bioprotetor da qualidade do café (ANPROTEC) 96. Nova fonte de nutrientes de planta (ANPPROTEC) 97. Reciclagem agrícola de resíduos urbanos (IAC) 98. Terra Preta Nova TPA (MPEG) 99. Estrutura biodegradável retentora de erosão e indutora de regeneração vegetal (INPA) 100. Centro de Referência de Tecnologia Social: agricultura sustentável para famílias de baixa renda (ANPROTEC) OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS 101. Método para quantificação de aminas no flotado de minério de ferro (UFMG) 102. Coalescentes verdes para tintas base água (ANPEI) 103. Processo de separação das camadas de PEBD/AL/PEBD para reciclagem de embalagens cartonadas longa vida (UEPG) 104. Processo de reciclagem de borracha vulcanizada (UFRJ) 105. Extração supercrítica (PUC-RS) 106. Síntese de vidros bioativos aplicados à reconstituição óssea (ANPROTEC) 107. Máquina ecológica para mistura de polpa e água de coco (ANPROTEC) REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA 108. Ecoenergy: redução do consumo em stand-by (UESC-BA) Sistema de climatização brise soleil duplo (UFRJ) 110. Street-Lux: sistema de monitoramento e controle de iluminação pública (USP) 111. Utilização de pastilhas de cerâmica supercondutora para a produção de motor elétrico com maior eficiência energética (UEPG) 112. Dispositivos protetores contra sobretensões elétricas em redes de alta tensão (UNESP) 113. Dispositivos protetores contra sobretensões elétricas (UNESP) GESTÃO SUSTENTÁVEL 114. Medidor Sustentável - Painel de Indicadores de Sustentabilidade (Instituto Stela) 115. Monitoramento Ambiental Terrestre em Tempo Real (PUC-RS) 116. Ferramentas para gestão da pesquisa e avaliação tecnológica (IEA) 117. Sustentabilidade hídrica (IAC) 118. Sistema de destinação e reaproveitamento de resíduos vegetais e da construção civil (ANPROTEC) 23

24 119. Inteligência artificial para economia de energia e água (ANPROTEC) 120. ItGreen Centro de Gestão em Resíduos Eletroeletrônicos (ANPROTEC) 121. Actio AU, sistema auxiliar para gerenciamento da arborização urbana (ANPROTEC) 122. Registrador multipropósito modular para monitoramento remoto (INT) 123. Sistema de tratamento e aproveitamento de água de chuva (ANPROTEC) 124. Sistema de drenagem vertical sustentável (UNESP) 125. Modelagem de Derrames Criogênicos e de Incêndios em Poça no Transporte Marítimo de Gás Natural Liquefeito (GNL) (PUC-Rio) 126. Dispositivo para medida de nível de água, aplicado no monitoramento de rios, e lagos, marés, tanques e correlatos (CTI) 127. Sensor planar para sinais elétricos em ambientes aquáticos (CTI) 128. Nucleação intensiva: tecnologia para recuperação de áreas degradadas (UTFPR) 129. CTDUT: Um modelo de compartilhamento de instalações em P&D, visando maior segurança do setor dutoviário (ANPEI) 130. Gestão de transporte público urbz (ANPROTEC) 131. iprof: sistema para visualização de materiais didáticos em tablets (ANPROTEC) MATERIAIS ALTERNATIVOS - MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL 132. Barra de esterilhas de bambu (UFMG) 133. Conexão nervurada para tubos de bambu (UFMG) 134. Dispositivo de bambu protendido (UFMG) 135. Sistema construtivo leve em madeira (UFSC) 136. Painéis de folhas de vegetais (INPA) 137. Utilização de fibra natural de arumã no reforço de matriz cimentícia (INPA) 138. Escritório Verde da UTFPR: construção sustentável modelo carbono zero (UTFPR) 139. Compósito ecológico para uso em pisos e revestimentos (PUC-Rio) 140. Uso de pneus inservíveis na construção civil (UFMS) 141. Aproveitamento sustentável de resíduo da laminação do aço na produção de compósito de cimento Portland (UFSC) 142. Blocos Sustentáveis para Alvenaria e Pavimentação (ANPROTEC) 143. Tijolo modular com pó de mármore (ANPROTEC) 144. Telhado verde (ANPROTEC) 145. Adaptação da tecnologia telhado verde à região amazônica (ANPROTEC) MATERIAIS ALTERNATIVOS - MATERIAIS BIODEGRADÁVEIS 146. Materiais biodegradáveis com alto teor de amido de mandioca para produção industrial de filmes e bandejas para embalagens de alimentos (UEL) 147. Mistura polimérica biodegradável (UCS) 148. Mistura polimérica biodegradável para a produção de peças plásticas injetáveis (UCS) 149. Material plástico biodegradável (UFPR) 150. Adesivo biodegradável Hot Melt (UFSCAR) 151. Uso de fibras vegetais como promotor de fluxo em mantas híbridas (UFRGS) MATERIAIS ALTERNATIVOS - OUTROS 152. Produção de móveis com madeira de pupunha (INPA) 153. Papel de Cauaçu (INPA) 154. Tensoativos obtidos a partir de fontes renováveis (ANPEI) 155. Couro ecológico (UFSCAR) 156. Adesivo para calçados (PUC-RS) 157. Uso de insumos verdes na produção sustentável de artefatos em couro (FIEB/SENAI) 158. Composto contendo material reciclado para fabricação de para-choques (UFRJ) 159. Adesivo para pneus (PUC-RS) 160. Grampo sutura (INPA) MEDICAMENTOS, COSMÉTICOS, PRODUTOS DE HIGIENE, PESTICIDAS E DESINFETANTES 161. Zerumbona obtida de óleos essenciais das raízes de zingiber zerumbet (INPA) 162. Método para produção de Spirulina usando soro lácteo clarificado (UFMG) 163. Extratos antimicrobianos do piper aduncum (INPA) 24

25 164. Fitocosmecêuticos de jatropha com atividade antibacteriana (UFBA) 165. Creme antioxidante à base de óleo de pupunha (INPA) 166. Emolientes verdes para cosméticos (ANPEI) 167. Nanovetores: vetores ativos multifuncionais (ANPEI) 168. Avaliação de substâncias com potencial de aplicação em dermatocosméticos (ANPROTEC) 169. Produtos de uso doméstico para profilaxia bucal (INPA) 170. Carrapaticida ecológico (ANPROTEC) 171. Bioinseticida atóxico biodegradável BBA (UNIVILLE) 172. Testes in vitro sem a utilização de animais (ANPROTEC) PRODUÇÃO DE ALIMENTOS E NUTRACÊUTICOS 1. Pupurola (INPA) 2. Formulação e processamento de alimentos (congelados e salgados) à base de fibra de caju (USP) 3. Cultivo de espécies de cogumelo para elaboração da farinha do bagaço miceliado (UFGD) 4. Biscoito integral elaborado com resíduo industrial da acerola (IF Baiano) 5. Alimentos para nutrição clínica especializada (ANPROTEC) 6. Whey Protein hidrolisado isento de sabor amargo e com elevado valor nutricional (ANPROTEC) 7. Processo e aparelho de separação e purificação da casca de frutas para obtenção da farinha da casca e pectina (UENF) 8. Produção de pectina a partir de resíduos vegetais: frutos cítricos, maçã e maracujá (UTFPR) 9. Sopa desidratada instantânea à base de carne de piranha (INPA) 10. Ração para peixes (INPA) 11. Maricultura (Instituto de Pesca) 12. Carne mecanicamente separada do pescado (CMS) (Instituto de Pesca) ACESSE PARA CONHECER MELHOR CADA UMA DAS TECNOLOGIAS E NEGÓCIOS 4 - Capacitação de recursos humanos na área da propriedade intelectual, negociação e transferência de tecnologia no âmbito nacional e internacional em parceria com o INPI, OMPI e MCTI Os cursos de treinamento de recursos humanos na área de PI e TT têm sido promovidos pela direção nacional e pelas coordenações regionais do FORTEC, de forma muita ativa e eficiente. Os diferentes treinamentos foram promovidos pela Diretoria Nacional do FORTEC em nível nacional, regional e internacional como mostrado a seguir. Vale salientar que as respectivas atividades regionais serão apresentadas em relatórios em separado. Treinamento em Redação de Patentes, promovido pela OMPI e INPI, em parceria com a UFMG, curso com intensidade horária de 40h presenciais e 2 meses de seguimento a distância. Data: 07 a 11 de junho de 2010 Cidade: Belo Horizonte / MG 25

26 Local: Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG - Auditórios 01 e 03 Campus Pampulha V Reunião do FORTEC em Salvador, de abril de 2011 Os grandes esforços de recursos para o treinamento de nível internacional na presente gestão foram feitos durante a realização da V Reunião do FORTEC em Salvador, de abril de Foram planejados e ministrados dois cursos intensivos de altíssima qualidade. O primeiro de busca: PRG Art & Science of Patent Searching, Patentability, Validity & Infringement, ministrado por Matthew Lyby e Jonathan Skovholt. Oferecido pela Landon IP - USA, empresa encarregada de fazer os cursos de busca para os examinadores de patentes da United States Patent and Trademark Office (USPTO), através da pareceria com a empresa Axonal, a intensidade horário do presente curso foi de 15h/aula. O segundo Curso de Prospecção Tecnológica e Inteligência competitiva foi ministrado pelos professores Alan Porter (Georgia Tech/EUA) e Fernando Palop e José M. Vicente (Universidade Politécnica de Valencia, Espanha) e a consultora brasileira Gilda Massari Coelho. Contou-se com a participação expressiva de mais de 200 pessoas em cada um deles. A intensidade horária do curso foi de 15h/aula. O Curso 2 teve a seguinte divisão: 2A - Mão-na-Massa de Mineração de Textos Científicos e Tecnológicos (Tech Mining) através de ferramentas de software: 10 etapas; VP; Buscas - Alan Porter, Fernando Palop e Gilda M. Coelho. 2B - Inteligência Competitiva e Vigilância Tecnológica (Intelligence and Technology Watch) - Alan Porter. 2C - O Uso da Semântica da Teoria da Resolução dos Problemas de Invenção (TRIZ) e Tech Mining para Extrair Informações Relevantes para o Direcionamento e Estruturação da Inovação (através de Arte e Ciência da Busca de Patentes e Prospecção Tecnológica) - José M. Vicente e Fernando Palop. 26

27 Além do mais tivemos dois mini-cursos, um de Inteligência e Vigilância Tecnológica - Dra. Dina Chaves - Clarke Modet e o segundo ministrado pela Landon IP sobre Análise Estratégica de Patentes. Plataforma de serviços Business Insights Finalmente gostaríamos de destacar a contratação do acesso à plataforma de serviços do Business Insights (base de dados paga pelo FORTEC com apoio o MCT cujo acesso foi disponibilizado aos NIT s por região). Foram contratados quinze acessos que foram distribuídos no dia 29 de Outubro de 2011, da seguinte maneira: 6 acessos para o Regional Sudeste do FORTEC: (Unicamp, USP, Federal de São Carlos, Unifesp, UNESP e Centro Paula Souza, UFMG e Rede Mineira de PI, PUC-RJ e UFRJ); 3 acessos para o Regional Sul do FORTEC (TECPAR, Santa Catarina e Rio Grande do Sul); 2 acessos para o Regional Nordeste do FORTEC (Pernanbuco e Rede NIT Nordeste); 2 acessos para o Regional Norte do FORTEC (Amazonas e Pará); 1 acesso para o Regional Centro-Oeste do FORTEC (UNB); 1 acesso para a Diretória Nacional do FORTEC; Foi feito um levantamento das pessoas responsáveis das regionais para fazer um treinamento para o uso da base de dados de mercado em diversas áreas do conhecimento e industriais: 27

28 Tabela 1 - Pessoal treinado para o uso da base de serviços Business Insights Nome Telefone Alisson Robert Gomes Peixoto Ana Lúcia Torkomian André Luiz de Rezende Cardoso Cristina M. Quintella Gilvanda Silva Nunes Helio Kiyoshi Takahashi José Arana Varela Marcus Julius Zanon Marli Elizabeth R dos Santos Oswaldo Massambani Pedro Pires Goulart Guimarães Pedro Vidigal Roberto de Alencar Lotufo Rogerio Andrade Filgueiras / Rosângela Fernandes Bentes Rozangela Pedrosa Rubén Dario Sinisterra Shirley Coutinho Vanderlei Salvador Bagnato /4495 Analisando até o momento, o uso das bases de dados Business Insights pelos NITs do país verifica-se um montante de U$ $ em trabalhos de inteligência de mercado. Mostrando assim a eficiência e a importância do uso e prática destas bases de dados para os processos de avaliação, prospecção tecnológica, negociação e comercialização de tecnologias. Por outro lado é necessário continuar consolidando essa cultura de estudo de mercado para acelerar o processo de TT a partir das ICTs brasileiras, bem como adensar o processo de inserção e influência desse processo nas pequenas e médias empresas em colaboração com os NITs locais e regionais de forma a dar um maior impacto nacional e internacional de nossas atividades de inovação. 28

29 5 - Internacionalização de parcerias e atividades de negociação e transferência de tecnologia da do FORTEC As atividades de internacionalização do FORTEC visam fundamentalmente a consolidação das parcerias já iniciadas desde sua criação em 2006, bem como a participação mais ativa do país na área de inovação no panorama internacional. Dessa forma o FORTEC continua mantendo suas interações com as congêneres internacionais, Association of University Technology Managers (AUTM - USA), Réseau Curei (França) e Praxis Único (Inglaterra). Temos participado ativamente nas reuniões internacionais, mantendo nossa presença institucional com as instituições citadas. O FORTEC começa a mostrar-se internacionalmente como uma instituição e um interlocutor natural para as questões de inovação. Mostra disto foi a participação ativa do FORTEC na 2 a Conferência de Inovação Brasil-EUA, (2nd USA-Brazil Summit) na Georgetown University, na cidade de Washington, nos dias 20 e 21 de setembro de Nesse evento o FORTEC apresentou pela primeira vez um conjunto de tecnologias oriundas das ICTs brasileiras em áreas estratégicas (fármacos, medicamentos, biotecnologia, engenharia, tecnologias verdes, tecnologias de energias alternativas e tecnologias de informação). Foi feita uma seleção de patentes depositadas através do Patent Cooperation Trade (PCT) ou patentes depositadas ou concedidas nos EUA, nas áreas acima. Nessa atividade o FORTEC foi o presidente da mesa redonda de Transferência nos EUA, no dia 20 de setembro de A Associação Americana de Gestores Universitários de Tecnologia (AUTM) é uma organização dedicada a promover a transferência de tecnologia entre as universidades e faculdades e empresas privadas e/ou do governo. A associação é constituída principalmente de profissionais de transferência de tecnologia que trabalham para as universidades. A organização está principalmente baseada nos EUA. A associação foi fundada em 1974 como a Companhia de Administradores de Patentes das Universidades. A primeira reunião, em 1974, teve 75 participantes. Hoje, a associação reivindica mais de membros no mundo inteiro. As universidades americanas em conjunto produzem cerca de patentes, dentro dos EUA, por ano. Essas patentes são licenciadas a empresas externas ou arranque de 29

30 empresas, a fim de que esses terceiros comercializem as invenções. Receitas de licenciamento recebidas por universidades norte-americanas em 2006 foram de US $ 1,25 bilhão 1. A título de contexto, no ano fiscal de 2007, os gastos com universidades americanas para a ciência financiada pelo governo federal e de engenharia foram de US $ 30,4 bilhões. As universidades relataram financiamento total para a ciência e engenharia de US $ 49,4 bilhões. Desse montante, US $ 2,7 bilhões, ou pouco mais de 5%, vieram de fontes da indústria 2. Nesse contexto, é de extrema importância o estreitamento das relações do FORTEC com instituições congêneres internacionais. Assim participamos pela primeira vez também em um painel internacional na busca de oportunidades de transferência de tecnologia, em lugares diferentes dos países desenvolvidos. Isto ocorreu na reunião da AUTM em Las Vegas, USA, 27 de Fevereiro a 2 de Março de A presente mesa redonda ocorreu na seção H2 - Technology Transfer Outside USA-Canada and Japan, no dia 02 de março às 15:30-17:00. Participamos como FORTEC no dia 28 de fevereiro, das 16-17:30 na sessão SIG 4, International Members. Foi uma oportunidade única porque 25% da AUTM são associados internacionais, entre eles estamos nós brasileiros. Foi possível também apresentarmos como FORTEC, para a AUTM e para o restante de parceiros internacionais, que ali estavam (China, Japão, Singapura, Canadá, França, Austrália, Colômbia, Indonésia entre outros). Foi colocada a oportunidade do FORTEC liderar a versão AUTM para America Latina, aos moldes da primeira versão AUTM para Ásia. A qual terá a primeira reunião da AUTM fora dos EUA a ser realizada na China em Maio p.f. Foi proposto ao FORTEC liderar também então o capitulo America Latina (Brasil, Chile, Argentina e Colômbia, inicialmente). Foi discutida essa possibilidade na V reunião do FORTEC em Salvador. Participamos em seguida da recepção internacional promovida pela OMPI, a qual permitiu o networking internacional. Foi designado para representar a AUTM na V reunião do FORTEC o Prof. David Gulley, 1 AUTM FY2006 U.S. Licensing Activity Survey 2 Ronda Britt, "Universities Report Continued Decline in Real Federal S&E R&D Funding in FY2007" 30

31 PhD, (AUTM - Vice President for Professional Development Assistant Vice Chancellor for Research, University of Illinois at Chicago). Ele é o responsável pela parceria Chile-AUTM. Um programa especial de treinamento do Governo Chileno com a AUTM. Ficamos de poder fazer uma primeira reunião de trabalho em Salvador, para verificarmos as possibilidades da versão America Latina da AUTM. Foi feito um convite para a Sra. Vicki Loise, Diretora Executiva da AUTM, para que participasse de nossa primeira reunião de preparação da VI Reunião do FORTEC em Belém do Pará. Ali foi discutida a possibilidade real de fazer uma reunião conjunta AUTM-FORTEC em abril de Infelizmente isto não foi possível, mas a AUTM decidiu que fará a reunião da AUTM para America Latina no Rio de Janeiro, entre a última semana de novembro e a primeira de dezembro de Várias reuniões têm sido feitas ao longo deste ano virtuais e uma presencial durante o evento da AUTM em Anaheim, Califórnia-USA. O FORTEC faz parte do Steering Committee e fizemos já uma proposta para a formação de comitês temáticos para a organização da reunião da AUTM no Rio de Janeiro na primeira semana de dezembro de A reunião terá os seguintes comitês temáticos: Políticas Públicas, Indústria, Finanças, Boas Práticas de PI e TT e Partnering (rodadas de negócios). Foi feita uma reunião entre o presidente do FORTEC Prof. Rubén Sinisterra e o Presidente da AUTM em Boston-USA no dia 4 de dezembro de 2011, com o intuito de fortalecimento da parceria FORTEC-AUTM. No final de maio e inicio de junho de 2011 o FORTEC foi chamado para participar de uma missão organizada pelo MIDIC através do Secretário de Inovação, Prof. Francelino Grando. A fim de conhecer os modelos de organização institucional e os processos de propriedade intelectual (PI) e Transferência de Tecnologia (TT) nos Institutos Fraunhofer da Alemanha. 31

32 Fizeram parte da missão os seguintes membros: 1. Francelino Grando Secretario de Inovação/MDIC 2. Adriano Duarte Filho Coordenador Geral de Tecnologias/MCT 3. Rubén Dario Sinisterra Millán Presidente do FORTEC/UFMG* 4. Elizabeth Ritter - PUC-RS 5. Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues Chaves UFAM 6. Roberto de Alencar Lotufo UNICAMP 7. Ricardo Pereira Agência de Inovação da UFRJ 8. Cristina Quintella UFBA 9. Luís Afonso Bermúdez - Diretor do CDT/UnB 10. Hernan Valenzuela - Suframa (Representante do Fraunhofer ENAS no Brasil) O Roteiro da visita foi o seguinte: 30 de maio, 10:00, Berlim. Host: Prof. Lang, Director IZM, o 30 de maio, tarde, Postdam, Host: Prof. Bier, Director IBMT, o 31 de maio, 10:00, Munique (ZV- Head Quarter). Host: Dr. Klingner (Head FhG o International Business Development), Dr. Bierdumpel (Head Multinational o Networking & Latin America, Australia). 30 de maio, tarde, Munique, Fraunhofer-Einrichtung für Modulare Festkörpe, 1 de junho, 10:00, Dresden (IWS). Host: Prof. Leson, Fraunhofer IWS Dresden, 01 a 04 junho, 10:00, Chemnitz (ENAS e IWU). Host: Prof. Thomas Gessner (President ZfM, Chemnitz University of Technology and Director Fraunhofer ENAS). 03 de junho, 10:00, Lab Tours Fraunhofer ENAS Chemnitz O modelo alemão dos institutos Fraunhofer, em nossa opinião, é um excelente modelo para ser estudado. Um dos aspectos que consideramos mais impactante é o tipo de financiamento que eles recebem: 30% advindo do Estado Alemão, 30% do financiamento via editais públicos internos e internacionais e 30% de interação com empresas. 32

33 Destaca-se a autonomia que os institutos têm para a tomada de decisões, o que confere uma grande possibilidade e dinâmica na interação também universidade-instituto. Outro aspecto relevante é a de possuir um professor catedrático na direção do instituto, o qual tem duplo compromisso empregatício numa universidade e no respectivo instituto. Maiores detalhes podem ser verificados nos materiais em anexo e nos próprios sites supracitados. Esse modelo poderia servir para inspiração e reflexão sobre o tipo de estrutura que o Sistema Brasileiro de Inovação precisa para dar o salto e promover o desenvolvimento adaptado às necessidades do Brasil. E por outro lado, respeitando a cultura, as capacidades e as especificidades do país. Durante as visitas levamos a proposta a todos os institutos de iniciarmos uma parceria, por exemplo, através do FORTEC, das ICT brasileiras e os institutos Fraunhofer. Citou-se a possibilidade de fazer uma análise detalhada de algumas patentes estratégicas que as ICTs tenham interesse de levar a protótipo em parceria com um Instituto Fraunhofer. Podendo depois buscar uma parceira industrial para transferência em colaboração. Essa é uma de muitas ideias que surgiram e eu particularmente propus essa. Vamos trabalhar um pouco mais nisto para ver se conseguimos fechar ao menos um caso de sucesso com alguma ICT brasileira e um instituto Fraunhofer. Estão abertas também as possibilidades de interação entre as ICTs brasileiras e os institutos Fraunhofer. O FORTEC participou na reunião da Bio 2011 na cidade de Chicago, dos dias 27 a 30 de junho de O Bio é uma dos maiores eventos na área de biotecnologia no mundo, tanto na área de negócios quanto para a transferência de tecnologia. O FORTEC participou em três atividades centrais na Bio 2011, a primeira numa seção específica montada para o Brasil - Bringing Innovation to Life through Partnerships with Academia, Industry & Government. Organizada em parceria com a empresa Exceed Americas, Anprotec e BrBiotec. Foram apresentados os dados do FORTEC e algumas tecnologias oriundas dos NITs brasileiros na área de fármacos, medicamentos e biotecnologia. Houve participação no Stand Brasileiro durante todo o evento. Finalmente o Presidente do FORTEC Prof. Rubén Dario Sinisterra, fez 37 reuniões de negócios com as tecnologias enviadas pelos NITs, atendendo a chamada pública feita para participar dos mesmos. Dessas negociações aproximadamente 33

34 sete tecnologias foram alvo de interesse para empresas na área de fármacos e biotecnologia multinacionais. Finalmente, o FORTEC participou nas atividades de negociação de tecnologia na área de fármacos no Biopartnering, versão , na cidade do Rio de Janeiro. O FORTEC foi representado pela Coordenadora da Regional Sudeste, Shirley Coutinho, PUC-RJ e o Vice- Presidente do FORTEC, Prof. Oswaldo Massambani, do Centro Paula Sousa, SP, respectivamente. 6 - Promoções de atividades de empreendedorismo no FORTEC Para o desenvolvimento da presente atividade foi necessário conseguir autorização do know-how desenvolvido e de propriedade da Agência USP de inovação. Foram feitas as respectivas negociações entre o FORTEC e a USP para usar todos os materiais usados na sua olimpíada. Assim será proposto em data próxima o desenvolvimento do projeto para 1a. Olimpíada FORTEC de Inovação, dispondo das seguintes fases: a) Fase 1: Olimpíada NIT de Inovação selecionando 3 dos melhores projetos da ideia ao produto em cada Instituição associada; b) Fase 2: Seleção dos 3 melhores projetos em cada uma das Regionais; c) Fase 3: Seleção dos 3 melhores projetos Nacionais 7 - Fortalecimento de ações com as associações congêneres como a Anprotec, Anpei e ABIPIT de forma a compartilhar as boas práticas da interação Universidade-Empresa e adensar o processo de transferência de tecnologia para o setor produtivo privado As atividades com as associações congêneres tem sido constante desde a criação do FORTEC, mas temos avançado bastante na consolidação dessas parcerias estratégicas. Essas atividades podem ser verificada pela presença e participação nos eventos da Anprotec, por 34

35 exemplo. Com a ANPEI, o FORTEC participa de dois de seus mais importantes Grupos de Discussão o de Interação Universidade-Empresa, o qual tem tido como tarefa principal a de construção do Manual de Boas Práticas da Interação Universidade-Empresa. O FORTEC participa ativamente no Grupo de Trabalho de Propriedade Intelectual. Temos participado de ações conjuntas junto ao INPI para o aprimoramento do processo de depósito e prossecução dos ativos intangíveis depositados junto ao INPI. Mais recentemente o FORTEC teve mobilização para o apoio e eleição de participação no Conselho Consultivo da ANPEI da candidata Profa. Elizabeth Ritter, PUC-RS, ex-presidente do FORTEC, ocupando essa posição representando a PUC-RS, mas com certeza é uma expressão do FORTEC no ANPEI. Finalmente, durante a VI Reunião do FORTEC em Belém do Pará será realizada um Workshop com apresentação de mais de 200 "Tecnologias Verdes" desenvolvidas nas Universidades Brasileiras, os Negócios em desenvolvimento nas Incubadoras vinculadas à ANPROTEC, ANPEI e ABPTI. A aliança de cooperação resultará no fortalecimento do ambiente de tecnologia e inovação e na apresentação oportunidades de investimentos para o desenvolvimento sustentável do país. Além disso, será lançado no evento o catálogo com mais de 200 "Tecnologias Verdes" produzido a partir das tecnologias das ICTs Brasileiras, Incubadoras vinculadas à ANPROTEC, empresas associadas à ANPEI e também da ABVCAP. O catálogo já está disponível no site do FORTEC para consulta. O FORTEC participou ativamente junto com a Secretária de Inovação do MCTI em 8 e 9/11/2010 no evento em Brasília, com o objetivo de levantar boas práticas de gestão da PI e da TT, bem como da institucionalização dos NITs no país. Foi solicitado aos NITs que identificassem as experiências que consideram como suas melhores práticas, entendidas como as ações bem sucedidas implantadas nas suas várias vertentes de atuação, levando em consideração as seguintes categorias: 35

36 1. Ferramentas de Gestão - Sistemas e metodologias para prospecção de demandas e de gerenciamento das políticas de apoio à inovação, incluindo a gestão dos ativos de propriedade intelectual no Brasil e no exterior; 2. Uso dos instrumentos e políticas públicas de incentivo à inovação Casos bem sucedidos na utilização da Lei do Bem, subvenção, chamadas públicas, Lei do MEC; 3. Transferência de Tecnologia Parcerias, licenciamentos, transferências de knowhow, serviços, incluindo a experiência na gestão de contratos, pertinência do uso de modelos previamente aprovados pela assessoria jurídica e as cláusulas consideradas mais importantes; 4. Estruturação do NIT - Mecanismos de institucionalização, formas de atuação, participação em redes, problemas e alternativas na alocação dos recursos humanos; 5. Práticas de divulgação de tecnologias Portfólios (catálogo de oferta ou innovation disclosure), workshops e feiras com a comunidade e empresas (do laboratório para o mercado); 6. Políticas internas - Políticas de Apoio à Inovação, através da cooperação entre Instituições Científicas e Tecnológicas e empresas; de Proteção da Propriedade intelectual, do envolvimento das diferentes áreas do conhecimento, da graduação e pós-graduação Com isso o FORTEC recebeu um total de 93 boas práticas distribuídas da seguinte maneira ( Gráfico 13): 32 Boas práticas da Região Nordeste 35 Boas práticas da Região Sudeste 18 Boas práticas da Região Sul 4 Boas práticas da Região Norte 4 Boas práticas da Região Centro-Oeste 36

37 Gráfico 13 - Boas práticas distribuídas por região do país, Reuniões do FORTEC com autoridades do Governo Federal e Instituições parceiras Reunião conjunta do Diretório Nacional ampliado do FORTEC com participação especial da ANPEI, ANPROTEC, USP, julho de 2010; Participação ativa do FORTEC junto A ABDI na organização da 2ª CONFERÊNCIA DE INOVAÇÃO BRASIL- EUA 2010 US-BRAZIL INNOVATION SUMMIT na Cidade de Washington em de setembro de 2010: foi feito o levantamento de patentes dos NIT s com no mínimo PCT ou com patentes depositadas ou concedidas nos USA em áreas de Biotecnologia, fármacos, energia, nanotecnologia, engenharia, materiais e meio ambiente; Participamos de reunião na sede do CGEE e convocada pelo MCT através do Prof. Ronaldo Mota SETEC, em Brasília, no dia 23/07; Inúmeras reuniões com o MCT e o CGEE preparatórias do primeiro Encontro de Núcleos de Inovação Tecnológica que aconteceu em Brasília, 8 e 9 de novembro de 2011; 37

38 Participação institucional do FORTEC na BioPartnering LATIN AMERICA (BPL) organizada pela Biominas em de setembro de O FORTEC foi representado pela coordenadora da Região Sudeste Shirley Coutinho; Participação do FORTEC no 2a Brasil-USA Conferência de Inovação, (2nd USA-Brazil Summit) na Georgetown University na cidade de Washington nos dias 20 e 21 de setembro de 2010; Gerou a co-incubação de empreendimentos americanos e brasileiros entre a PUC-RS e Arizona University; Participação ativa do FORTEC no Comitê de Propriedade Intelectual da ANPEI e acompanhamento na reunião promovida pela ANPEI com a presidência do INPI (Antônio Ávila), Rio de Janeiro Reunião de escolha das boas práticas dos NITs das ICT s no CGEE, Brasília, outubro de 2010: Onde foi recebido um total de 93 Boas Práticas distribuídas da seguinte maneira: 32 da Região Nordeste, 35 da Região Sudeste, 18 da Região Sul, 4 da Região Norte e 4 da Região Centro-Oeste; Participação e membro da comissão organizadora do Workshop Nacional dos Núcleos de Inovação Tecnológica, Brasília 8 e 9 de Novembro de 2010; Audiência da diretoria executiva do FORTEC (Rubén Dario Sinisterra (UFMG) Presidente, Oswaldo Massambani (Centro Paula Souza) Vice-Presidente e Francisca Dantas Lima (FUCAPI) Diretora Administrativa no MCT com o Ministro Sergio Rezende - 25 de Novembro de 2010 e entrega de manifesto ao Ministro e placa de agradecimento pelo apoio para a consolidação do FORTEC; Foram realizadas Visitas ao MDIC 09/12/2010; A visita a CAPES foi feita com o intuito de apresentar a proposta de Mestrado Professional em rede, liderado pelo FORTEC foi muito bem recebida pelo Coordenador de Projetos estratégicos da CAPES Dr. Luciano, 10/12/2010. A mesma 38

39 foi aprovada pelo Colegiado do Mestrado Professional em Inovação Bio-farmacêutica da UFMG; Iniciaremos o processo de credenciamento dos novos orientadores para o curso; Foi feita a visita ao Prof. Glaucius Oliva, na oportunidade Diretor de ações estratégicas do CNPq; Visita ao IEL (Instituto Euvaldo Lodi), no dia 10/12/2010, fomos recebidos pela Sra. Diana de Mello Jungmann, Gerente de Inovação e Coordenadora do Programa de Propriedade Intelectual e pelo Sr. Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente; Foi feita uma reunião entre o presidente do FORTEC Prof. Rubén Sinisterra e o Presidente da AUTM em Boston-USA no dia 4/12/2011; 22 de fevereiro/2011 Brasília participação do presidente do FORTEC em duas atividades importantes: representação formal do FORTEC na posse dos novos Diretores das Agências ligadas ao MDIC a ABDI e APEX; Reunião convocada pelo Prof. Ronaldo Mota, Secretária de Inovação do MCT, que contou com a presença da Profa. Ana Lúcia Torkomian e os Funcionários (Rubens e Eliana do MCT) cuja agenda teve dois pontos centrais: o primeiro foi à discussão dos termos e estratégia para o novo TR (Termo de Referência) que dará suporte para a nova chamada de edital para os NITs para este ano; Participamos como FORTEC no dia 28/02, das 16-17:30 na sessão SIG 4, International Members, foi uma oportunidade única porque 25% da AUTM são associados internacionais, entre eles estamos nós brasileiros. Foi uma oportunidade única para apresentarmos como FORTEC para a AUTM e para o restante de parceiros internacionais que ali estavam (China, Japão, Singapura, Canadá, França, Austrália, Colômbia, Indonésia entre outros). Foi colocada ali a oportunidade de o FORTEC liderar a versão AUTM para America latina, aos moldes da primeira versão AUTM para Ásia a qual terá a primeira reunião da AUTM fora dos USA a ser realizada na China em Maio p.f. 39

40 O FORTEC tem participado de diversas reuniões do Encontro de Assessorias Parlamentares de CT&I, uma dela ocorreu em 27 de outubro de 2011, Local: Edifício CECAT, Anexo à Sede da Empresa Brasileira de Pesquisa, Agropecuária Embrapa Brasília/DF, Horário: 09:00 às 12:30 h. Nessa oportunidade gostaríamos de agradecer a colaboração dos membros do NIT do CDT da UnB, no nome do Prof. Luis Afonso Bermudez e de seus colaboradores Elaine Queiroga e Adalberto Amorim Pinheiro, por participar ativamente representando o FORTEC nessa importante e estratégica tarefa de discussão das modificações do Arcabouço Legal da Inovação e o novo Código Nacional de CTI. 9 - Reuniões do Diretório Nacional do FORTEC 1. Agenda da 20ª Reunião do Diretório Nacional, Data: 12 e 13 de Julho de 2010, Local: Universidade de São Paulo Sala da Congregação do IAG Rua do Matão 1226 Prédio da Administração. A reunião foi transmitida on-line para nossos membros convidados através do USP IPTV. Início às 9:00h, Almoço às 12:30h 14:00h, Término das Reuniões às 18:00h; 2. 21ª Reunião da Coordenação Nacional em conjunto com as Regionais, Rio de Janeiro 03 de setembro de 2010, Local: Pontifícia Universidade Católica Unidade Centro - Av. Marechal Câmara º andar, Início às 14:00h e Término às 18:00h; 3. REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO DIRETÓRIO NACIONAL, Data: 08 de novembro de 2010, Local: Brasília DF; 4. Reunião extraordinária da Coordenação Nacional (em conjunto com as Coordenações Nacionais) 8 e 9 de Dezembro de 2010, Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Universidade de Brasília - CDT/UnB - Campus Universitário Darcy Ribeiro - Edifício CDT, Dia, 08/12/ hs as 12h30; 5. 22ª REUNIÃO DA COORDENAÇÃO NACIONAL (em conjunto com as Coordenações Regionais), Data: 08 de abril de 2011, Local: Belo Horizonte MG; 6. No dia 27 de abril de 2011, estiveram reunidos na cidade de Salvador - BA, no Salão Fernando Pessoa, do Hotel Pestana, gestores de inovação e transferência de tecnologia de universidades e instituições de pesquisa brasileiras, para a realização da 7ª Reunião Plenária do FORTEC. 40

41 7. 23ª REUNIÃO DA COORDENAÇÃO NACIONAL (em conjunto com as Coordenações Regionais), Data: 18 e 19 de agosto de 2011, Local: Belém do Pará, Museu Emilio Goeldi PA; 8. Reuniões virtuais usando o sistema Skype, dos membros do Diretório Nacional, 15/12/2011, 27/01/2012, 17/02/ Considerações Finais Foi evidente o empenho e dedicação dos Diretores com o apoio e ativa participação de todos os Coordenadores Regionais, no sentido de promover ações efetivas visando à: Consolidação da Institucionalização do FORTEC; Reivindicação da criação de carreiras próprias para gestores da Inovação para os NIT s; Continuidade do apoio e financiamento do setor público para manutenção e consolidação das atividades dos NIT s; Internacionalização das patentes e TT dos NIT s, através de políticas públicas, criando um banco nacional de patentes dos NIT s; Continuidade do processo de treinamento e qualificação permanente dos quadros dos NIT s; Incentivar o Processo de transferência de Tecnologia para o setor produtivo privado. Aprimoramento e harmonização do arcabouço legal da inovação. Criação da Associação FORTEC em Belo Horizonte, Departamento de Química Auditório I, Campus da UFMG, 14 de Outubro de 2011, 9h; Preparação e apoio à realização do VI FORTEC na cidade de Belém do Pará no período de 17 a 19 de Abril de

42 Atenciosamente, DIRETORIA EXECUTIVA do FORTEC Belém do Pará, 16 de Abril de

43 GESTÃO

44 Todas as atividades desenvolvidas na presente gestão do FORTEC foram pautadas pela transparência, uso da democracia e espirito coletivo para cumprir com os seguintes objetivos: 1. mapeamento geral dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs); 2. participação em reuniões de discussão sobre o PL 2177/11; 3. integração do FORTEC em uma esfera internacional de atuação; 4. contrato entre ANPROTEC e a EBN; 5. proposta RTPP pela AUTM; 6. participação e negociação do FORTEC com o B Bice Plus 7. nova versão do Catalogo Fortec de Tecnologias Assistivas com 114 tecnologias; 8. prestação de contas da Associação FORTEC; 9. outros; 10. representação do FORTEC na UIIN 11. representação do FORTEC no Fórum CTIE-Brasília 12. relatório final da Diretoria de Captação de Recursos e Marketing 13. representação do FORTEC na WIPO Green 14. relatório de Gestão do FORTEC Norte (em anexo). 44

45 1-Mapeamento geral dos NITs O mapeamento dos NIT s é de extrema importância estratégica, pois só a partir desse que se torna possível verificar qual região ou qual Estado merece uma maior atenção, principalmente no que se refere ao desenvolvimento das atividades de inovação e transferência de tecnologia. Assim também, para direcionar os treinamentos e a capacitação de recursos humanos específicos para cada região. Abaixo estão representados os NITs associados ao FORTEC por região e por tipo de Instituição. O mais expressivo crescimento de número de NITs associados ao FORTEC entre ocorreu na região Norte, com um crescimento percentual de 186%. Esse aumento expressivo é um reflexo das ações do FORTEC voltadas para a região. O segundo maior índice de crescimento de associados ocorreu na região centro-oeste (150%) seguido da região Nordeste (143%). A região sudeste juntamente com a região sul foram as que se demonstraram mais estáveis nestes último 5 anos, apresentando crescimentos de 125% e 114% respectivamente. Os dados podem ser verificados na Figura 1. Figura 1 - NITs associados ao FORTEC por região do país Na região Sul as Universidades particulares representam o maior índice (36%) de NITs membros do FORTEC, seguido pelas Universidades Estaduais (22%), Universidades Federais (16%), Institutos Federais (14%), Institutos de Pesquisa (12%) (Figura 2). 45

46 Figura 2 - NITs associados ao FORTEC na Região Sul divididos por tipo de Instituição Na Região Sudeste existe uma predominância de Institutos de Pesquisa (34%) seguidos das Universidades Federais (26%), igualdade entre e Institutos Federais (14%) e minoritariamente as Universidades Estaduais. (Figura 3) Figura 3- NITs associados ao FORTEC na Região Sudeste divididos por tipo de Instituição Na Região Centro-Oeste tem um predomínio das Universidades Federais (29%) na composição total dos associados, seguidos das Universidades Estaduais (24%), Institutos Federais (19%) e igualitariamete Universidades Particulares e Institutos de Pesquisa (14%). (Figura 4). 46

47 Figura 4 - NITs associados ao FORTEC na Região Centro-Oeste divididos por tipo de Instituição Na Região Nordeste as Universidades federais representam o maior índice (30%), seguido dos Institutos de Pesquisa(25%), Universidades Estaduais (23%), Institutos Federais (21%) e Univeridades Particulares (2%). (Figura 5). Figura 5 - NITs associados ao FORTEC na Região Nordeste divididos por tipo de Instituição 47

48 Na Região Norte existe um predomínio dos Institutos de Pesquisa (42%), seguido das Universidades Federais (31%), Institutos Federais(23%), Universidades Estaduais (4%) e nenhuma Universidades Particulares. (Figura 6). Figura 6 - NITs associados ao FORTEC na Região Norte divididos por tipo de Instituição 2 - participação em reuniões de discussão sobre o PL 2177/11 O FORTEC foi representado em inúmeras reuniões pelo professor Rubén Sinisterra, Prof. Oswaldo Massambani e Pelo Prof. Gesil Sampaio Amarante Segundo da UESC nas reuniões de discussão sobre o PL 2177/11 - Código Nacional de Ciência e Tecnologia que institui o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação na Câmara dos Deputados. O Professor Rubén foi a seis reuniões e o Gesil em outras cinco. O FORTEC e o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Câmara do Deputados; Comissão do Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação ; PL ; Brasília, 07 de Maio de 2013 Considerações gerais sobre o PL 2.177/ Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) Competências mínimas (Lei da Inovação): I. zelar pela manutenção da política institucional de estímulo à proteção das criações, licenciamento, inovação e outras formas de transferência de tecnologia; 48

49 II. avaliar e classificar os resultados decorrentes de atividades e projetos de pesquisa para o atendimento das disposições desta Lei; III. avaliar solicitação de inventor independente para adoção de invenção; IV. opinar pela conveniência e promover a proteção das criações desenvolvidas na instituição; V. opinar quanto à conveniência de divulgação das criações desenvolvidas na instituição, passíveis de proteção intelectual; VI. acompanhar o processamento dos pedidos e a manutenção dos títulos de propriedade intelectual da instituição. VII. Competências também verificadas no FORMICT (reflete ações esperadas dos NIT, embora não citadas na Lei de Inovação): VIII. Promover o empreendedorismo e a inovação no âmbito da ICT e de sua região de influência; IX. Organizar, acompanhar ou apoiar ações de promoção da inovação nas organizações e empresas da a região de influência da ICT, X. Promover e acompanhar o relacionamento Universidade-Empresa, em especial as atividades previstas nos Artigos 8º e 9º desta Lei (serviços e cooperação tecnológica). Obs: Estas ações já são encaradas como de competência do NIT em várias instituições, embora condições para exercê-las sejam precárias. Competências (constantes da Lei ou não) encerram o entendimento dos NIT como mecanismos de promoção do desenvolvimento baseado em conhecimento; Todas estas ações requerem: Infraestrutura Pessoal capacitado e estável Dotação orçamentária Mínima burocracia possível na relação com governo, empresas e terceiro setor. No PL2.177, substitutivo de julho de 2012, Art. 18: 1 : Competências iguais às da Lei de Inovação 2 : Serão assegurados aos NIT as condições mínimas de funcionamento, incluindo- se dotação orçamentária e quadro efetivo qualificado, necessárias ao cumprimento de suas funções, de forma a viabilizar o exercício das competências atribuídas no parágrafo anterior deste artigo. 49

50 3 : Ao gestor do NIT poderão ser delegadas competências para representar a ICT pública, no âmbito de sua política institucional. Problema: Não está claro quem, como e até quando será regulamentada a caracterização das condições mínimas de funcionamento, que variam pelo tipo e porte da instituição. Isso inclui criação de carreiras que não existem nos sistemas federal, estaduais e municipais (Analista e técnico em PI, por exemplo). Possível solução: inserir previsão de regulamentação em disposições transitórias, com prazo. Criação de Sistema Nacional de CT&I Essencial uniformizar a legislação do setor de CT&I nas esferas Federal, Estadual e Municipal. Lei de Inovação, principal marco do setor, existe há quase dez anos e ainda não é plenamente vigente/regulamentada em vários estados. Cooperação entre ICT (pesquisa científica) e cooperação Academia Indústria (P&D para inovação e TT) sofrem com diferenças no ambiente jurídico entre estados, municípios e união. Caracterização das instituições deve se dar prioritariamente pelo papel que exercem, não pela origem (Inclusão de instituições privadas sem fins lucrativos como ICT). Agilização da importação de equipamentos e Insumos Diversos prejuízos à pesquisa gerados pela burocracia aduaneira, mesmo com dispositivos legais já criados para facilitação. Ações incrementais podem ser tentadas, mas efeitos podem ser não-uniformes e instáveis. Dispositivos devem ser mantidos da forma como estão no PL 2.177/

51 Aquisição de bens e contratação de serviços para CT&I em ICT públicas Todos os elos dos sistemas de CT&I sofrem com a excessiva burocratização. Afetam a eficiência e eficácia, da pesquisa básica à relação U-E (incluindo funcionamento dos NIT). As ferramentas de controle do estado não podem ser responsáveis pelo mesmo desperdício e frustração do recurso material e do potencial humano que elas tem como missão evitar. Capítulo referente ao tema no PL2.177/2011 não representa avanço (substitutivo não alterou este capítulo). Seleção simplificada = licitação (pior: sem pregão eletrônico e sem modalidade técnica e preço). Resultado seria as ICT terem que trabalhar com dois sistemas igualmente burocratizados ( Seleção). Inclusão da seção de crimes e penas para punir especialmente quem falhar em seguir procedimentos que continuariam a inviabilizar a pesquisa e as ações pró-inovação nas ICT públicas não combina em nada com o espírito esperado desta Lei. Efeito: afastar e desestimular gestores e pesquisadores. Redação deve ser mais clara quanto a alguns objetivos para evitar interpretações dúbias. Ex: Classificação de recursos como investimento não necessariamente implicará na eliminação da observação de rubricas em remanejamentos, nos sistemas estaduais, exceto se assim estiver dito. Proposta realmente simplificadora deve aproveitar a experiência com mecanismos mais efetivos (mas de ação mais restrita) existentes no país (ex: Termos de Outorga), aliada à eliminação de amarras que privilegiam a contabilidade e burocracia por sobre os resultados (procedimentos atuais de remanejamentos e observação de rubricas e elementos de despesas), observando a prática internacional. Ao pesquisador deve ser dada a responsabilidade e a liberdade de gerir os projetos, observando fundamentalmente os objetivos propostos, com foco no resultado e no interesse público do avanço da capacitação do país. Ele deve poder utilizar-se dos mecanismos e estrutura funcional existentes na ICT ou contratadas para auxiliar na gestão (ex: fundações de apoio). 51

52 Deve haver segurança jurídica e agilidade para o trabalho de gestores, pesquisadores e empresas parceiras, que executarão os projetos. O julgamento posterior de suas ações deve ser feito seguindo o espírito da prática científica, calcada na análise por pares. Considerações Finais O PL necessita de várias melhorias, mas trata-se de oportunidade histórica de avanço, que não pode ser desperdiçada. Tempo é essencial. Estamos décadas atrasados. O FORTEC entende este Projeto de Lei e seus desdobramentos como essencial para a constituição de um ecossistema de pesquisa e inovação no país. 3 - prestação de contas da Associação FORTEC Figura 7: Porcentagem de adimplência para cada região: Norte 23%, Nordeste 19%, Centro-Oeste 29%, Sudeste 48%, Sul 52%. Embora a região Norte seja a que vem apresentando um maior crescimento percentual, com relação ao número de associados ao FORTEC, também é a região com o maior índice de inadimplência (Figura 7). Dados mais detalhados da prestação de contas se encontram em anexo. 52

53 4 - integração do FORTEC em uma esfera internacional de atuação Realizada reunião do Prof. Oswaldo Massambani - INOVA Paula Souza e Vice- Presidente do FORTEC com Cédric BISTER e representantes da WALLONIA e BRUSSELS visando o estabelecimento de MoU com a Rede LIEU e ADISIF da Valônia e Bruxelas. Tramites em andamento e agendada reunião a ser realizada durante a 8a. Reunião Anual do FORTEC. 5 - contrato entre ANPROTEC e a EBN Ações de estímulo à internacionalização de empresas usando os programas land2land (Anprotec) e Softlanding Club (EBN); Troca de experiências baseada em boas práticas de gestão de incubadoras; Realização de atividades de intercâmbio profissional e empresarial, além de missões técnicas; Parceria na realização de estudos e pesquisas sobre empreendedorismo e inovação Implementações de ações de cross-incubation Compartilhamento de espaços em eventos internacionais de interesse das duas entidades, entre outros. 6 - proposta RTPP pela AUTM Por mais uma vez o FORTEC foi representado pelo Presidente Prof. Rubén Sinisterra durante AUTM 2013 Essentials of Academic Technology Transfer Course. O FORTEC foi convidado a fazer parte da RTTP (Registered Technology Transfer Professional). Demonstrate your expertise in the academic technology transfer profession by becoming a Registered Technology Transfer Professional (RTTP). All AUTM professional development courses and designated educational offerings and meetings are eligible for continuing education (CE) credits, which support your registration application. For more information about the registration process and requirements, visit the Alliance of Technology Transfer Professionals Web site at 53

54 7 - Participação e negociação do FORTEC com o B BICE + B Bice + - o objetivo é mostrar uma proposta de cooperação/ intercâmbio entre Brasil e Europa eficiente para responder aos desafios e necessidades da inovação tanto no Brasil como nos países europeus. Abaixo segue a proposta de cooperação entre ENTENTE e B.BICE+: Inclusão de participantes brasileiros no projeto ENTENTE. Essa representação foi feita pelo Prof. Oswaldo Massambani e a Profa. Rozangela Pedrosa da UFSC. The ENTENTE Professional Exchange Programme provides the opportunity to professionals working in European academic TTOs to spend a few weeks in one of the hosting organizations engaged in knowledge transfer in health. The ENTENTE Professional Exchange Programme is designed to develop the experience and expertise of technology transfer professionals while building stronger professional networks and relationships amongst TTOs themselves and between TTOs and industry. Within the framework of the ENTENTE Professional Exchange Programme, European technology transfer officers have the opportunity to live a unique experience in renowned investment firms, venture capitalists and technology transfer offices across the world. Initially involving only MS and AC countries, ENTENTE has included in its 2 nd call (September 2013) institutions from Canada and USA. The inclusion of Brazilian participants (TTO and industry on one side (hosting organization), and transfer technology professionals (TTP) on the other side) in the ENTENTE Professional Exchange Programme will be negotiated between the ENTENTE and B.BICE+ project, with the involvement of the PO of the two projects. This activity represents a proposal of TTO exchange between EU and Brazil as foreseen in B.BICE+ project. Esse projeto propõe a seguinte agenda: B.BICE+ will ensure the selection of Brazilian hosting organization with a focus on health thematic which is core to the ENTENTE project and community. As well, the process put in place for the ENTENTE Professional Exchange Programme will be followed in the framework of this cooperation in order to keep the format to which the ENTENTE Community has been used to. The steps can be described as follow: 54

55 Activities Resp Date - Securing Hosting Organisations : Understand their needs toward the exchange Understand the field of expertise in which the exchange should take place Understand the benefits expected from the exchange -Launch of the call : disseminating on Hosting Organisations and requirement -Evaluation of candidates by the Selection Committee -Presentation of selected candidates to Hosting Organisation for final selection B.BICE+, with ENTENTE support ENTENTE ENTENTE (with B.BICE+ part) February March (end) April Notification to non-selected candidates and laureates ENTENTE (+ B.BICE+) May Support to the exchange Reporting evaluation for access to the grant ENTENTE +B.BICE+) ENTENTE +B.BICE+) June/October September/No vember (4ª. Edição). 8 - Nova versão do Catalogo Fortec de Tecnologias Assistivas com 114 tecnologias 55

56 9 - Outros. Foram feitas três reuniões com o Diretório Nacional, duas virtuais com os grupos de trabalho ( , ) e uma reunião presencial (26 e 27 de setembro de 2013) em Belo Horizonte. Representação do FORTEC por parte da Sr. M. Elizabeth Ritter do Santos nos seguintes: a. Conferência da RedOTRI 2012 Palestra: La Transferencia de Conocimiento en Una Economía Emergente: el Modelo de Brasil, Castellón de la Plana, Espanha, 21/06/2012; b. Workshop Biodiversidade, Inovação e Sustentabilidade Participação na Mesa Redonda: A Importância das Redes de Pesquisa e Inovação para o Avanço do Conhecimento, a Transferência de Tecnologia e a Inclusão Social, Museu Emilio Goeldi, Belém, Pará, 04/10/2013; c. International Conference on Innovation and Management ICIM PUC- SP, Palestra: Políticas e Práticas de Inovação no Brasil, São Paulo, 03/12/2013. d. Participação no dia 16 de abril na UNISC, em Santa Cruz do Sul, na mesa: Interação Universidade-Empresa-Governo 10- Representação do FORTEC por parte da Profa. Rozangela Curi Pedrosa em UIIN University Industry Innovation Network. 56

57 Informações sobre o UIIN: Texto extraído de: Established in 2012, the University Industry Innovation Network (UIIN) aims to contribute to the improvement of the relationships between university and industry. UIIN creates an environment for its members as well as other professionals to share and exchange knowledge and information in various areas of university-industry interaction. The activities of UIIN include: University-Industry Innovation Magazine UIIN Award University-Industry Interaction Conference University-Industry Analytics & Benchmarking Platform UIIN Digital Library UIIN Resources Platform (incl. events, calls, jobs) UIIN Blog With technology transfer, entrepreneurial university, IP, licensing and other professionals working at the intersection of science and business being the primary target group, UIIN does not only provide a virtual exchange platform (www.uiin.org) but also offers workshops, conferences and further events for more personal exchange and learning. 11- Representação do FORTEC por parte do Prof. Oswaldo Massambani no Fórum de CTIE em Brasília: Os NITs - instrumento de aproximação e cooperação entre a academia e a Empresa: Contornos Práticos, Realidade Operacional e Desafios Fórum das Assessorias Parlamentares de CTIE - CDT/UnB, 07 de Abril de 2014 INOVAÇÃO é a introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços. (Lei /2004) INOVAÇÕES devem, necessariamente, estar disponibilizadas para as Pessoas, no Mercado, aplicadas nas Organizações ou transferidas para a Sociedade. A INOVAÇÃO pode apresentar escala Local, Regional, Nacional ou Global. Os NITs no Mundo e no Brasil 57

58 Benchmarking 58

59 59

60 60

61 Exemplos de Atividades de colaboração internacional visando a gestão da inovação e transferência de tecnologia: Treinamento na Isis Innovation University of Oxford - Agência USP de Inovação em 2008 e INOVA Unicamp em 2009; UK Brazil Innovation Forum realizado pela Agência USP de Inovação em 2009; PILA Network - Rede de Propriedade Intelectual e Industrial na América Latina (Unicamp/2009); Seminário The how of innovation through low carbon examples na (Unicamp/2009); Projeto IP-Unilink - cofinanciado pelo Programa Erasmus Mundus; Projeto UNICAMP com Cambridge Enterprise. 61

62 62

63 12 - Relatório final da Diretoria de Captação de Recursos e Marketing, Profa. Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues Chaves da UFAM Mês/dia/ano Atividades Realizadas Resultados Ações e mobilizações em busca de obter apoio e/ou recursos para realização de atividades pelo FORTEC 21/maio/ /maio/2012 1) Contato com Gabriel Cabury do BID para agendar reunião para tratar sobre obtenção de recursos de cooperação técnica para o FORTEC; 2) Reunião com a Vanderléi Raffaeli no BID para obter as informações necessárias para construção da proposta de cooperação técnica. 1.1.Agendamento de reunião com a Vanderléi Raffaeli para tratar sobre a referida demanda Construir uma proposta do FORTEC para apresentar para financiamento. 2.1 Retomar a conversa com o Gabriel, na Argentina, para obter apoio para prosseguir com a apresentação de uma proposta 12/Junho/2012 3)Reunião com representante da Vice-presidência da NATURA para solicitar apoio para eventos e programa da capacitação do FORTEC A demanda foi aceita para ser apresentada em reunião com a direção da NATURA. 5/julho/ , 13 e 14 setembro/2012 4) Reunião com representantes da NATURA que informaram que aguardarão a apresentação da proposta. 5) Visita ao NIT/UFRR em Boa Vista Roraima A atividade foi realizada pela NATURA com êxito Realização de reunião com o Gelso, coordenador do NIT/UFRR para apoiar as ações preparatórias do Encontro Regional do FORTEC; 5.2. Acompanhamento do coordenador em reunião à direção do IEL para negociar concessão de recursos Realização de palestra aos gestores, alunos, técnicos e docentes da UFRR visando ampliar o apoio às ações do NIT e do FORTEC. 63

64 5.4. Realização de encontro com alunos, técnicos e docentes da UFRR juntamente com o coordenador do NIT/UFRR sobre PI e TT e a necessidade de criação de suporte institucional e fortalecimento do NIT Reunião com a Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação, juntamente com o Gelso, para discutir: a) apoio institucional e parceria entre o NIT/UFRR e a Pró-reitoria de Inovação Tecnológica da UFAM; b) ampliação do apoio para realização do Encontro Regional do FORTEC em Boa Vista. Desde Julho )Estudo e preparação da Campanha Nacional de Filiação do FORTEC Não foi ainda concluída Organização e/ou participações em reuniões, eventos acadêmicos científicos em diversos níveis (locais, regionais, nacionais e internacionais, com apoio do FORTEC ou para divulgar as ações do FORTEC: /07/2012 Organização do Seminário interno sobre Legislação de acesso ao Patrimônio Genético e conhecimentos Tradicionais Socialização do estado da arte nas instituições governamentais e não governamentais 24/09/2012 Coordenação do III Ciclo de Palestras sobre Experiências no Brasil e a Finlândia sobre Modelo de Universidades, Inovação e Desenvolvimento Regional com: Prof. Renato de Oliveira (UFRGS) e Tapio Varis (University of Tampere) Ampla participação de docentes, discentes técnicos administrativos, pesquisadores e convidados. 29 a 31 de agosto de 2012 Coordenação da 1ª Conferência de Informação sobre Inovação Tecnológica para o desenvolvimento Regional - CONFITEC Ministração da Conferência Magna com o tema O papel da Inovação e Tecnologia do Desenvolvimento Regional, como representante da UFAM/PROTEC/PCTIS e como Diretora do FORTEC Nacional. 64

65 31/08/2013 Organização da Mesa redonda na CONFITEC: com a participação das Sras. Maria do P. Socorro de Lima Verde Coelho e Sônia Tapajós Discussão sobre o tema: Patentes da UFAM e FUCAPI 08 e 09 de março de a 27/10/2012 Seminário Juta e Malva, o papel de socialização dos conhecimentos produzidos nas esferas do saber acadêmico, empresarial e tradicional Coordenação do Simpósio Regional de Inovação e Desenvolvimento Socioambiental, em Coari/AM Foram realizadas dez palestras, duas reuniões de negócios. Participação de docentes, discentes, técnicos administrativos, pesquisadores e convidados de instituições e empresas locais do município de Coari; 06/02/2013 Palestra sobre Indicadores de Sustentabilidade Aplicáveis a Gestão de Políticas Públicas para os Resíduos Sólidos Industriais: Uma contribuição com o foco no Pólo Industrial de Manaus: 11/01/2013 Seminário Interno: Minuta do Projeto de Lei do Patrimônio Genético e Conhecimentos Tradicionais 26/02/2013 Coordenação do I Fórum de Fortalecimento da Articulação Sociopolítica 26/02/2013 Seminário sobre BIOMIMÉTICA em teve a com a Palestra da Dra. Janine Benys, Biologa e Consultora em Inovação, que expôs "como consultar gênios da natureza para criar soluções sustentáveis". Participação de vários representantes das seguintes instituições: FUCAPI, SUFRAMA, CBA e Grupo Interação. Capacitação de técnicos e docentes da PROTEC/UFAM; Participação dos catadores, autoridades municipais, estaduais e federais e também com participação de docentes e discentes da UFAM PROTEC/GIA/Associação de Catadores. Parceria com a NINA Núcleo de Inovação da Natura Amazônia Participação de discentes, docentes e técnicos 28 e 29 de maio de 2013 Coordenação do Seminário Regional sobre Patrimônio Genético e Conhecimentos Tradicionais, em, no auditório do Centro de Apoio Multidisciplinar na UFAM com as seguintes palestrante a Sra. Rosa Miriam Para criar mecanismos de colaboração de conhecimentos e práticas entre as instituições presentes referentes à construção de políticas públicas, regulamentação jurídica, visando contribuir para melhor compreensão das regras de Acesso Legal ao Patrimônio Genético e 65

66 06 a 07/06/2013 Julho, agosto 2013 da Embrapa e Celeste Emerick da FioCruz Coordenação do VI Workshop do PCTIS na cidade de Parintins/AM com o tema: Estratégias de Desenvolvimento Regional para o Baixo Amazonas: Parcerias, Recursos e Ações. Ministração de oficina para elaboração de projetos de captação de recursos Coordenação de 03 Feiras de Oportunidades Conhecimento Tradicional Associado, contextualizado às realidades amazônicas. Ampla participação de instituições, empresas, ONGs e público em geral Encontro entre pesquisadores e empreendedores. 23/07/2013 Organização de discussão interna na UFAM para contribuições para o Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para a Região Amazônica 02 a 04/10/2013 Participação no VIII Simpósio Amazonense de Engenharia de Produção - VIII SAMEP 31/10/2013 Coordenação do Seminário sobre Economia Criativa pela Prof. Dra Shirley Virgínia Coutinho (PUC-RJ). Contribuições para o plano de C, T & I para a Região Amazônica, de acordo com as diretrizes orientadas pelo MCTI. Ministração de palestra sobre Inovação no Brasil na abertura do evento e realização de Oficina sobre as práticas de Inovação Exposição para comunidade acadêmica e demais interessados sobre as potencialidades da Economia Criativa. Lançamento do 1º. Observatório de Economia Criativa do Brasil o Observatório de economia Criativa do Amazonas Nov e 24 de abril 2014 Exposição de trabalhos na Feira Internacional da Amazônia FIAM Seminário Inovação e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia Brasileira realizado dentro da Feira Internacional da Amazônia FIAM/2013 Participação no V Fórum de Reitores da Região Norte do Brasil em Boa Vista - Roraima Montagem do stand no Espaço Inovação A Socorro Lima Verde Coelho participou como debatedora no Painel 1: Estratégia para Inovação - Necessidades do Mercado e futuras demandas, com João Junior representando o presidente do FORTEC; Ministração da Palestra sobre Pesquisa e Inovação Tecnológica 66

67 13 -Representação do FORTEC na WIPO Green Estas atividades foram desenvolvidas pelo Prof. Rubén Dario Sinisterra, Prof. Oswaldo Massambani e a Shirley Coutinho. As atividades constaram de reuniões virtuais e conferences-calls períodicas na qual foram a grande maioria atendidas pela Shirley como representante do Fortec nas mesmas. Foi feita uma reunião com a Sra. Konji Sebati, Diretora da área de Conhecimentos Tradicionais e Desafios Globais, da OMPI, no dia 22/10, às 10h, na sala de reuniões da Presidência do INPI para tratar da interação das instituições via Plataforma Wipo Green, bem como participação no lançamento da plataforma Wipo Green na Genebra na Suiça em setembro 25 de 2013 na qual o Presidente Prof. Rubén Dario Sinisterra participou representando o Fortec. A cópia da minuta do lançamento do conceito da WIPO Green é copiada abaixo na íntegra. WIPO GREEN Launch Concept Draft, September 25, 2013 This note provides an overview of our proposed event structure for the launch of WIPO GREEN on November 28, We propose having two back-to-back events on the day: A short launch meeting featuring one or two high profile speakers A longer symposium / panel event featuring more technical speakers from the WIPO GREEN Network addressing specific issues relating to the transfer of Environmentally Sustainable Technologies Together, these two events will allow us to raise the profile of WIPO GREEN at both the political and technical levels. They will take half a day in total. Both launch events will take place in Room A of WIPO HQ (seating approx. 350) and may be followed by a reception in the lobby of WIPO HQ where a number of booths from WIPO Green Partners and technology providers are made available. A press conference at the UN in Geneva has tentatively been booked, subject to sufficiently high level representations at the above two events. Meeting featuring high profile speaker Provisional title WIPO GREEN: Innovation, intellectual property and climate change This one hour first event will feature the DG WIPO and one or two external invitees of an equally high political standing and rank. The objective of this event will be to attract high level political attention to WIPO GREEN. 67

68 We will ask the invitee to focus his / her remarks on the broad context in which we position WIPO GREEN and allude to the role of projects such as WIPO GREEN in facilitating the transfer of green technologies, and its positive contribution to the international community s wider climate change mitigation and adaptation efforts. The invitee(s) will be introduced by DG WIPO. A range of high level guests will be invited to the launch, including Ambassadors, WIPO Member States, senior officials, members of the press and other players with an interest in climate change. Invitations will also go to WIPO mailing lists. Potential invitees could include: Achim Steiner, Executive Director, UNEP Takehiko Nakao, President, ADB Jian Lin, Executive Director, SS-Gate Kofi Annan, Kofi Annan Foundation Prof. Calestous Juma Paul Needham, CEO, Simpa Networks CEO of the Green Technology Company A pre-recorded video message by Ms. Christina Figueres, Executive Director of UNFCCC, is also envisaged during this segment. Panel/Roundtable discussion Provisional title Experiences from the WIPO GREEN Network This longer ( hour) event will take place directly after the launch by the high profile speaker, and will take a round table format. The objective of this second session is to communicate to possible users of WIPO GREEN the potential of the initiative. We propose to invite three to five individuals to give short remarks describing interesting technologies or needs and how their work will be facilitated by membership of the WIPO GREEN network, and discussing how a marketplace such as WIPO GREEN will help innovation and diffusion of green technology. If a deal has been concluded by the time of the launch, it can be featured during this session. 68

69 A apresentação do FORTEC na WIPO green intitulada: Collaboration Agreements of Green Technologies between FORTEC and WIPO green pode ser resumida no painel em anexo, a qual foi apresentado no lançamento da plataforma WIPO Green na Genebra Suiça: 14 - Relatório de Gestão do FORTEC Norte (em anexo). 69

70 Considerações finais Pode-se constatar pelo conjunto de atividades que muito avançamos, caminhamos juntos, consolidamos em coletivo não só o ambiente de inovação local, regional e nacional bem como institucionalização do Fortec como associação. Porém novos desafíos surgem em nosso caminhar para ver definitivamente o Brasil ocupando o lugar de destaque na nova economia do conhecimento e que os novos processos e produtos oriundos de nossas ICTs cheguem à sociedade e representem emprego, bem estar e renda para todos nós brasileiros. Em nosso entendimento, os principais desafíos no futuro destacamos: 1. Consolidação da cultura e prática da propriedade intelectual comercialização e transferência das ICTs brasileiras de forma profissional e comprometida com o desenvolvimento local, regional e nacional, de tal manera que o mesmo entre em nosso DNA de forma sustentada e permanente; 2. Evolução dos NITs brasileiros para Unidades Estratégicas de Negócios, com instrumentos e ferramentas profissionais, que permitam dialogar e fazer de forma mais dinâmica e autônoma os procesos de transferência de tecnologia para a sociedade brasileira e gerir a PI e a TT, bem como, a criação de Startups; 3. Continuar na luta pelo estabelecimento de uma carreira própria de gestores de inovação para os NITs brasileiros juntos aos diferentes órgãos federais, estaduais e municipais; 4. Lutar pela harmonização das estruturas dos NITs nas ICT brasileiras; 5. Continuar vigilante e pró-ativos para contribuir na melhora e modernização do arcabouço legal brasileiro e das políticas públicas para ciência, tecnologia e inovação; 6. Lutar pela harmonização dos marcos regulatórios institucionais para as políticas públicas de inovação; 7. Incentivar o número de registros de PI no INPI e PCT, bem como a criação de uma política de transferência de tecnología mais dinâmica gerando um maior número de spin offs (STARTUPS criadas a partir da conhecimento gerado na ICT), para assim adensar o Sistema de Inovação Brasileiro; 8. Continuar o proceso de engajamento de número de pesquisadores com competências técnicas, legais e comerciais para efetivamente participar de projetos colaborativos com empresas; 70

71 9. Continuar na harmonização dos mecanismos de institucionalização e valorização da atividade do pesquisador e inovadores pelas ICTs e pelos órgaos financiadores; 10. Continuar lutando pela continuidade de politica públicas que ajudem a aumentar o número de empresas culturalmente preparadas para a parceria com ICTs. 11. Promover a inclusão da totalidade dos NITs de ICT brasileiras como membros do Associação Fortec; 12. Ampliar o relacionamento com micro, média e grandes empresas nos seus entornos sócio-económicos e atraí-los para a promoçã da inovação; 13. Ampliar a vinculação de pessoas físicas e entidades privadas que trabalham com as atividade de PI e TT e inovação ao Fortec; 14. Ampliar os relacionamento e cooperações com os novos habitats de inovaçãoincubadoras, e aceleradoras de start-ups, centros de inovação e parques tecnológicos. Finalmente, gostariamos muito de agradecer a todos e todas, a cada um de Vocês pelo entusiasmo, colaboração em cada uma das atividades do Fortec, instituição chave e estratégica no ecosistema de inovação brasileiro. O nosso agradecimento especial aos membros das diretorias técnicas, do conselho fiscal, do diretorio nacional e a todos os coordenadores regionais, sub-coordenadores e suplentes. Agradecemos aos diretores de NITs que passaram, aos que foram e voltaram, aos que vieram e não voltaram, e aos que chegam hoje pela primeira vez buscando ajuda neste grande desafío unindo-se a este grande sonho. Saibam todos que, não estão sozinhos nessa empreitada e estamos seguros que podem contar com a inteligência espalhada em todas as regiões geográficas deste grande Brasil, para não reinventar a roda e crescer a partir do que foi construído coletivamente. Impossível deixar de agradecer aos colaboradores e executores das V, VI, VII e VIII Reuniões anuais do Fortec por toda a entrega e profissionalismo para chegar até aqui. Finalmente, agradecemos de forma especial aos Secretários Executivos do Fortec, que nunca mediram esforços de entrega e profissionalismo nas suas atividades encomendadas para engrandecer o Fortec: Pedro Pires Goulart Guimarães, Marcelo Gomes Speziali e Michael Hubner da UFMG e a Jeanne Schifini que atuou como secretária executiva no último ano. Finalmente quero agradecer ao meu caro Vice-Presidente do Fortec que mais do que Vice-Presidente foi sempre o Presidente do Fortec comigo, compartilhou todos os momentos 71

72 de logros profissionais, avanços e momentos de dificuldade. Meu caro Professor agradeço pelo seu alto espírito público, espírito coletivo, sua capacidade de trabalho e sobretudo sua serenidade, integridade, profissionalismo e humanismo nesta grande parceria. Muito obrigado por tudo! Trocaremos de posição neste momento com a consciência clara que o Fortec não começou com nossa chegada nem finaliza aqui, que andamos bastante, mas teremos que continuar consolidando, e sobretudo imprimir uma maior cinética para não perder todo esforço coletivo feito até o momento na consolidação do sistema nacional de inovação brasileiro. Contem conosco sempre. Um grande abraço a todos. Rubén Dario Sinisterra Aos dezoito dias de maio de

73 Anexos 73

74 Empresa: CNPJ: Per odo: FORUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVACAO E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA - FORTEC / /04/ /12/2013 Folha: 0001 BALANCETE C digo Descri ªo da conta Saldo Anterior DØbito CrØdito Saldo Atual ATIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONIVEL CAIXA CAIXA ,89D ,89D ,89D ,17D ,17D , , , , , , , , , , ,41D ,23D ,85D ,81D ,81D BANCOS CONTA MOVIMENTO BANCO DO BRASIL C/C ,72D 7.701,72D , , ,04D ,04D REALIZAVEL A CURTO PRAZO 2.078, ,91 523,38D ADIANTAMENTO A EMPREGADOS 654,24 130,86 523,38D ADIANTAMENTO DE FERIAS 654,24 130,86 523,38D ADIANTAMENTO A FORNECEDORES 1.424, ,05 PORT DISTRIBUIDORA DE INFORMATICA E PAPELARIA LTDA 1.424, , ATIVO NˆO CIRCULANTE IMOBILIZADO BENS MOVEIS MAQUINAS E EQUIPAMENTOS 1.424, , , ,05 11,87 11, ,18D 1.412,18D 1.424,05D 1.424,05D DEPRECIA AO ACUMULADA 11,87 11,87C DEPREC. MAQUINAS E EQUIPAMENTOS 11,87 11,87C PASSIVO ,72C , , ,98C PASSIVO CIRCULANTE , , ,26C OBRIGA OES TRABALHISTAS 9.824, , ,50C OBRIGA OES TRABALHISTAS 9.824, , ,50C SALARIOS E ORDENADOS A PAGAR 9.024, , ,50C 13o SALARIO OBRIGA OES SOCIAIS 3.890, ,61 994,76C ENCARGOS TRABALHISTAS 3.890, ,61 994,76C INSS A RECOLHER 3.123, ,77 863,93C FGTS A RECOLHER 767,01 897,84 130,83C PATRIMONIO LIQUIDO LUCROS/PREJUIZOS ACUMULADOS LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO EXERCICIO ANTERIOR ,72C ,72C ,72C ,72C ,72C ,72C ,72C ,72C CONTAS DE DESPESA 1.472,83D ,74 352, ,57D DESPESAS OPERACIONAIS 1.472,83D ,74 352, ,57D DESPESAS ADMINISTRATIVAS 1.327,53D , ,81D DESPESAS ADMINISTRATIVAS 1.327,53D , ,81D COMBUSTIVEIS E LUBRIFICANTES 1.142, ,34D CORREIO 252,85 252,85D DEPRECIA AO 11,87 11,87D DESPESAS COM ESTACIONAMENTO 413,00 413,00D DESPESAS C/ SERVI OS DE TERCEIROS-PF 7.283, ,89D DESPESAS C/ SERVI OS DE TERCEIROS-PJ 299,00D 299,00D DESPESA COM INFORMATICA 2.967, ,45D DESPESAS DIVERSAS 20 20D DESPESAS COM CARTORIO 1.416, ,94D HONORARIOS CONTABEIS 349,00D 3.847, ,42D LANCHES E REFEI OES 2.302, ,54D MATERIAL DE ESCRITORIO 620,05 620,05D PROPAGANDA E ANUNCIOS 75,00D 75,00D TELEFONE 162,91D 53,12 216,03D VIAGENS 411,12D , ,45D TRANSPORTE DE PESSOAL E TAXI 30,50D 2.886, ,31D RECEP OES, FESTAS, EVENTOS E SIMILARES 9.932, ,32D HONORARIOS ADVOCATICIOS 40 40D DESPESA C/HOSPEDAGEM , ,35D DESPESAS COM PESSOAL , ,91D DESPESAS COM PESSOAL , ,91D SALARIOS E ORDENADOS D ENCARGOS PREVIDENCIARIOS 2.996, ,84D DESPESAS COM FGTS 897,84 897,84D DESPESAS C/13 SALARIO 80 80D DESPESA COM FERIAS 142,23 142,23D DESPESAS TRIBUTARIAS 1.077,65 352,00 725,65D DESPESAS TRIBUTARIAS 1.077,65 352,00 725,65D DESPESA COM INSS 1.077,65 352,00 725,65D DESPESAS FINANCEIRAS 145,30D 641,90 787,20D DESPESAS FINANCEIRAS 145,30D 641,90 787,20D DESPESAS BANCARIAS 145,30D 641,90 787,20D RECEITAS RECEITAS OPERACIONAIS RECEITAS OPERACIONAIS RECEITA BRUTA DE VENDAS Sistema licenciado para REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP 9.00C 9.00C 9.00C 9.00C C C C C

75 Sistema licenciado para REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP Empresa: CNPJ: Per odo: FORUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVACAO E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA - FORTEC / /04/ /12/2013 Folha: 0002 BALANCETE C digo Descri ªo da conta Saldo Anterior DØbito CrØdito Saldo Atual RECEITA DE CONTRIBUICOES 9.00C C RESUMO DO BALANCETE ATIVO ,89D , , ,41D PASSIVO ,72C , , ,98C CONTAS DE DESPESA 1.472,83D ,74 352, ,57D RECEITAS 9.00C C CONTAS DEVEDORAS ,72D , , ,98D CONTAS CREDORAS ,72C , , ,98C RESULTADO DO MES , ,26C RESULTADO DO EXERC CIO 7.527,17C , ,43C RUBEN DARIO SINISTERRA MILLAN PRESIDENTE CPF: REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP Reg. no CRC - MG sob o No CPF:

76 Empresa: CNPJ: Per odo: FORUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVACAO E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA - FORTEC / /01/ /04/2014 Folha: 0001 BALANCETE C digo Descri ªo da conta Saldo Anterior DØbito CrØdito Saldo Atual ATIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONIVEL CAIXA CAIXA ,41D ,23D ,85D ,81D ,81D , , , , , , , , , , ,57D ,87D ,16D 4.540,34D 4.540,34D BANCOS CONTA MOVIMENTO BANCO DO BRASIL C/C ,04D ,04D , , , , ,92D 9.366,92D APLICA OES LIQUIDEZ IMEDIATA BANCO DO BRASIL CDB , , , , ,90D ,90D REALIZAVEL A CURTO PRAZO 523,38D 2.377, ,38 793,71D ADIANTAMENTO A EMPREGADOS 523,38D 2.076, ,38 492,45D ADIANTAMENTO DE SALARIOS 2.076, ,00 492,45D ADIANTAMENTO DE FERIAS 523,38D 523,38 IMPOSTOS A RECUPERAR 301,26 301,26D IR-FONTE A RECUPERAR 301,26 301,26D ATIVO NˆO CIRCULANTE IMOBILIZADO BENS MOVEIS MAQUINAS E EQUIPAMENTOS 1.412,18D 1.412,18D 1.424,05D 1.424,05D 47,48 47, ,70D 1.364,70D 1.424,05D 1.424,05D DEPRECIA AO ACUMULADA 11,87C 47,48 59,35C DEPREC. MAQUINAS E EQUIPAMENTOS 11,87C 47,48 59,35C PASSIVO ,41C , , ,28C PASSIVO CIRCULANTE 2.352,26C , , ,13C FORNECEDORES 6.777, ,50 FORNECEDORES 6.777, ,50 OMTECH TECNOLOGIA DA INFORMACAO LTDA ME PRINTER PARTS LTDA - ME 277,50 277,50 OBRIGA OES TRABALHISTAS 1.357,50C 7.899, ,55 53,33C OBRIGA OES TRABALHISTAS 1.357,50C 7.899, ,55 53,33C SALARIOS E ORDENADOS A PAGAR 1.357,50C 7.899, ,22 SINDICATOS,CONFEDERA OES E SIMILARES 53,33 53,33C OBRIGA OES SOCIAIS 994,76C 5.315, ,97 993,80C ENCARGOS TRABALHISTAS 994,76C 5.315, ,97 993,80C INSS A RECOLHER 863,93C 4.661, ,59 993,80C FGTS A RECOLHER 130,83C 654,21 523,38 OBRIGA OES TRIBUTARIAS 458,61 458,61 IMPOSTOS FEDERAIS 458,61 458,61 IRRF SOBRE SALARIOS 458,61 458, PATRIMONIO LIQUIDO LUCROS/PREJUIZOS ACUMULADOS LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO EXERCICIO ANTERIOR LUCRO DO EXERCICIO ,15C ,15C ,15C ,72C ,43C ,15C ,15C ,15C ,72C ,43C CONTAS DE DESPESA , ,37D DESPESAS OPERACIONAIS , ,37D DESPESAS ADMINISTRATIVAS , ,98D DESPESAS ADMINISTRATIVAS , ,98D CORREIO 142,75 142,75D DEPRECIA AO 47,48 47,48D DESPESAS COM ESTACIONAMENTO 4 4D DESPESAS C/ SERVI OS DE TERCEIROS-PF 916,10 916,10D DESPESAS C/ SERVI OS DE TERCEIROS-PJ , ,50D DESPESAS COM CARTORIO 2.425, ,16D HONORARIOS CONTABEIS 1.860, ,10D MATERIAL DE ESCRITORIO 75,60 75,60D VIAGENS , ,74D DESPESAS COM TREINAMENTOS E CURSOS 2.243, ,00D DESPESA C/HOSPEDAGEM , ,55D DESPESAS COM PESSOAL , ,91D DESPESAS COM PESSOAL , ,91D SALARIOS E ORDENADOS 5.973, ,33D ENCARGOS PREVIDENCIARIOS 3.393, ,31D DESPESAS COM FGTS 523,38 523,38D DESPESA COM FERIAS 568,89 568,89D DESPESAS TRIBUTARIAS 352,00 352,00D DESPESAS TRIBUTARIAS 352,00 352,00D DESPESA COM INSS 352,00 352,00D DESPESAS FINANCEIRAS 890,48 890,48D DESPESAS FINANCEIRAS 890,48 890,48D DESPESAS BANCARIAS 155,70 155,70D Sistema licenciado para REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP

77 Sistema licenciado para REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP Empresa: CNPJ: Per odo: FORUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVACAO E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA - FORTEC / /01/ /04/2014 Folha: 0002 BALANCETE C digo Descri ªo da conta Saldo Anterior DØbito CrØdito Saldo Atual JUROS E MULTAS DEDUTIVEIS 734,78 734,78D RECEITAS RECEITAS OPERACIONAIS RECEITAS OPERACIONAIS RECEITA BRUTA DE VENDAS RECEITA DE CONTRIBUICOES , , ,66C ,66C 24.00C 24.00C 24.00C RECEITAS FINANCEIRAS RECEITAS FINANCEIRAS APLICA OES FINANCEIRAS 1.822, , , ,66C 1.822,66C 1.822,66C RESUMO DO BALANCETE ATIVO ,41D , , ,57D PASSIVO ,41C , , ,28C CONTAS DE DESPESA , ,37D RECEITAS , ,66C CONTAS DEVEDORAS ,41D , , ,94D CONTAS CREDORAS ,41C , , ,94C RESULTADO DO MES , , ,71D RESULTADO DO EXERC CIO , , ,71D RUBEN DARIO SINISTERRA MILLAN PRESIDENTE CPF: REAL SISTEMA CONTABILIDADE LTDA - EPP Reg. no CRC - MG sob o No CPF:

78 RELATÓRIO DE GESTÃO FORTEC NORTE 2012~ de ABRIL 2014 Coordenação Nacional Rubén Dario Sinisterra (UFMG) Presidente Oswaldo Massambani (CENTRO PAULA SOUZA) Vice-Presidente Coordenação Regional Nordeste Rosangela Feranandes Bentes Coordenadora Regional Gelson Pedrosi Filho Vice-Coordenador Regional Marilene Almeida - Suplência Elaborado por: Rosângela Bentes Coordenadora Fortec Norte

79 FORTEC NORTE 2012~2014 INTRODUÇÃO No período de 18 a 20 de abril de 2012, ocorreu na cidade de Belém do Pará, no Hotel Hilton Belém, o VI Fórum de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia - FORTEC, com o tema: ECONOMIA VERDE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS. Nos preparativos para a realização do evento foi solicitado pelo Presidente Nacional do FORTEC o manifesto e composição das chapas das coordenações regionais, assim foi realizado e no evento durante a assembleia geral, confirmação da eleição da Chapa única da Presidência Nacional, bem como então as coordenações regionais para o biênio 2012~2014 do Fórum, no dia 20/04/14, sendo composta a chapa norte por: Rosangela Bentes Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA Coordenação Regional, Maria Cristina da Silva Pranchevicius Universidade Federal de Tocantins Vice- Coordenação e Solange Ugalde Agencia Inovação Universidade Estadual do Amazonas UEA (Suplência). A Coordenação do Forte-Norte passou por mudanças, em razão dos seus representantes não mais estarem na direção de seus NITs de suas respectivas ICTs, desse modo deixa a vice - coordenação Norte a Maria Cristina da Silva Pranchevicius Universidade Federal de Tocantins e Solange Ugalde Agencia Inovação Universidade Estadual do Amazonas UEA (Suplência). Com isso realizamos uma busca para a substituição com os associados do Fortec NORTE e foi aprovado o nome do senhor Gelso Pedrosi Universidade Federal de Roraima - UFRR, para Vice- coordenação, e Marilene Almeida Universidade Federal da Acre - UFAC como suplência, discutido e aprovado durante o Fortec Norte de 2013 na reunião dos gestores. Ficando então a reestruturação da chapa da seguinte foram: Rosângela Bentes INPA Coordenação regional Gelso Pedrosi UFRR - Vice- coordenação Marilene Almeida UFAC - suplência Durante os dois anos buscou-se atender as necessidades conforme com as ferramentas, recursos disponíveis e informações obtidas da presidência nacional, primando manter a representatividade e viabilizando as ações e anseios dos Núcleos de Inovação Tecnológica NITs, sobretudo os nascentes que necessitavam de apoio básicos, pontuais no que tange a inda a orientação para submissão de projetos para fomento na fundação de apoio local. Esta coordenação participou de eventos com recurso da própria instituição no país e no exterior na área de inovação e transferência de tecnologia e contribuiu para a disseminação da temática de Propriedade Intelectual e empreendedorismo de base tecnológica, disseminando e socializando a importância do Fortec e dos Arranjos Regionais do Ministério de Ciência, Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

80 FORTEC NORTE 2012~2014 Tecnologia e Inovação - MCTI em todos os eventos sempre participou e estimulou a afiliação de novos membros na região Norte e colaboração entre ICTs. È importante ressaltar que a representatividade dos NITs do NORTE no FORTEC, se deve, em grande parte, por meio do Arranjo NIT da Amazônia Ocidental AMOCI- INPA e o Oriental NAMOR MPEG, os quais possibilitaram a efetivação de diversas ações e participações nos eventos e reuniões, portanto são atividades articuladas desde a gestão anterior para fortalecer o NORTE. OBJETIVO Este Relatório de Gestão da Regional do FORTEC Norte do tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas na gestão ATIVIDADES REALIZADAS: PARTICIPAÇÕES EM REUNIÕES, ENCONTROS E EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS: No período de houve a realização e organização de eventos que teve participação de forma direta e indireta do FORTEC e parceiro da região para a discussão e capacitação sobre o tema na Região Norte. Apresentamos abacio as ações e realizações realizadas: IV ENCONTRO DO FÓRUM DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA REGIÃO NORTE IV FORTEC NORTE Realizado em Boa Vista RR, nos dias 9 e 10 de outubro de 2012, teve como temática Da Teoria à Prática: Transformando Conhecimento em Inovação, propiciando debate de questões sobre Ciência, Tecnologia e Inovação, com o objetivo de buscar uma aproximação e interação dos gestores dos Núcleos de Inovação Tecnológica NIT das Instituições de Ciência e Tecnologia ICT da Região Norte e facilitando a transferência de tecnologia e inovação da região. Banner do evento IV Fortec Norte 2012 Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

81 FORTEC NORTE 2012~2014 I WORKSHOP DE INOVAÇÃO 2012: A dinâmica da interação Academia Empresa teve como objetivo Promover o diálogo e a aproximação da comunidade científica com o setor empresarial, propiciando-lhes a troca de experiências em gestão da Inovação e o avanço nas questões relacionadas à propriedade intelectual e Inovação Tecnológica na Região Amazônica. Banner do evento Start Ip - Workshop regional de Propriedade Intelectual e Empreendedorismo para Sratups inovadoras e criativas - 12 e 13 de junho de 2013, teve como objetivo sensibilizar empresas de base tecnológica e/ou criativa para as questões fundamentais abordando assuntos de ESTRATÉGIAS DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL, DIREITO DO AUTOR E COPYRIGHT, INTELIGÊNCIA TECNOLÓGICA: O USO ESTRATÉGICO DE PATENTES NO FOMENTO DA INOVAÇÃO, PLATAFORMA DE OPEN INNOVATION COLABORAÇÃO PARA ALCANÇAR A INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO INOVADOR, BELEZA EXTERIOR: A ATRAÇÃO DO CONSUMIDOR PELO DESIGN, CRIANDO MARCAS: O PAPEL DAS MARCAS NAS ESTRATÉGIAS DE BRANGING e ATENDIMENTO TECNOLOGICO. Busca, Análise e Uso Estratégico de Patentes Com Foco no Setor Farmacêutico - 25 de Abril de 2013 (8:30-16:30). INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Auditório da Ciência - Promovido pela Axonal e pelo INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, com apoio do INCT-if, MSD e das diversas instituições e empresas abaixo listadas, teve como objetivo o compartilhamento de conhecimentos práticos sobre busca, análise e uso estratégico de patentes, com foco no Setor Farmacêutico. Além da revisão de fundamentos, o curso também discorrerá Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

82 FORTEC NORTE 2012~2014 detalhadamente sobre ferramentas, fontes de informações e táticas específicas para a esse setor. Seu conteúdo foi desenhado para profissionais que precisam decidir ou apoiar o processo de decisão, em projetos envolvendo tanto produtos genéricos como inovações incrementais, disruptivas ou de novas plataformas. Não será exigido conhecimento prévio. Feira Internacional da Amazônia - FIAM 2013 e V Fórum de Gestores de Inovação e transferência e Tecnologia FORTEC 2013 Região Norte a cada dois anos acontecem a Feira Internacional da Amazônia que foi realizada pela primeira vez em 2002, com a proposta de ser uma vitrine de promoção do modelo Zona Franca de Manaus, promovida pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), por meio da SUFRAMA. Nestes 11 anos de existência, a Feira cresceu em importância e se consolidou como o principal evento multissetorial da Região voltada à atração de investimentos para o Norte do País, fazendo inclusive parte do calendário brasileiro de exposições do Governo Federal. Nessa perspectiva foi dado o desafio à coordenação regional do FORTEC, Arranjo NIT AMOCI e consequentemente os parceiro na formatação e organização do seminário da FIAM 2013, Espaço Inovação e a inserção do V Fórum de Gestores de Inovação e transferência e Tecnologia FORTEC no âmbito da FIAM 2013 e na oportunidade foi estendido o convite ao arranjo NIT Ocidental Namor para fazer parte da iniciativa, visando o enfrentamento dos gargalos e desafios para a discussão do tema, por meio de seu encontro regional, aproximar os atores e buscar elos de integração que facilitem e aproxime as ICTs, entre si, com agencias de fomentos locais e com o mercado, viabilizando a inovação e transferência tecnológica na Região. Os encontros do FORTEC Norte percorre por todos os estados da região norte. Em 2009 o primeiro encontro aconteceu em Belém do Pará organizado pelo Museu Paraense Emilio Goeldi; em 2010 em Manaus, coordenado e organizando pelo INPA e com o apoio de parceiros locais, em 2011 em Tocantins por meio da Universidade Federal de Tocantins, em 2012 em Roraima/Boa Vista pela Universidade Federal de Roraima UFRR. Em 2013 Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

83 FORTEC NORTE 2012~2014 novamente em Manaus a fim de agregar esforços e otimizar os eventos dentro da FIAM Trabalhando em parceria e agregando valor ao evento. Nesse sentido, os eventos abordaram temas e ações articuladas na mesma direção de discussão que é negócios da Amazônia otimizando recursos e esforços para a realização do evento no período considerando o tamanho da FIAM e importância da feira para a Região Norte. Desse modo, durante a FIAM 2013, as seguinte ações foram realizadas face a coordenação regional do FORTEC Norte e Coordenação do Arranjo NIT AMOCI e NAMOR, como também a equipe de inovação da CETI/INPA: V FORTEC O Fórum visando o enfrentamento desses gargalos a partir da integração dos Gestores de C&T com o tema Inovação tecnológica e desenvolvimento da Amazônia. Espaço Inovação 2013 visou oferecer um ambiente de oportunidades de negócios, que acontecerá durante a FIAM 2013, com o objetivo de apresentar e oferecer aos visitantes, sobretudo aos investidores, empreendedores, em um só lugar, produtos e serviços desenvolvidos pelas Instituições Cientifica e Tecnológicas, dinamizado pelos Núcleos de Inovação Tecnológica e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica SEMINÁRIO: Inovação e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia Brasileira, que visou discutir ações de inovação e empreendedorismo, bem como ações futuras para o desenvolvimento regional. Em particular nesse evento oportunizou trazer palestrantes Nacionais e Internacionais, tais como: Itália e Portugal. Banner V FORTEC 2013 Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

84 PALESTRA MAGNA: FORTEC NORTE 2012~2014 Alessandro Giari Coordenador do Polo de Inovação em Novas Tecnologias de Informação e Comunicação NTICs e da Robótica em Toscana e é membro gestor do Polo para a Energia Renovável e para a Economia Energética. PAINEL 1: Estratégia para Inovação - Necessidades do Mercado e futuras demandas, com João Junior representado do presidente do FORTEC Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

85 FORTEC NORTE 2012~2014 Gestores de inovação com palestrantes do MCTI, Itália e Portugal PAINEL 2: A relação governo - academia - empresa, articulação e atuação dos arranjos institucionais de Inovação, experiência da Inovisa/Portugal Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

86 FORTEC NORTE 2012~2014 PAINEL 3: Transferência de Tecnologia em prol do desenvolvimento socioeconômico na Amazônia, experiência do Polo Tecnológico de Navacchio/Italia. FOTO: V FORTEC NORTE e FIAM 2013 Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

87 FORTEC NORTE 2012~2014 Abertura da FIAM 2013 Espaço Inovação FIAM 2013 Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

88 FORTEC NORTE 2012~2014 Espaço Inovação: empresa de Tefé e gestor do NITs do IDSM apresentando produtos para o superintendente da Suframa Espaço Inovação: stands das empresas incubadas nas ICTs Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

89 FORTEC NORTE 2012~2014 Coordenadores Arranjo AMOCI e NAMOR /MCTI Rodada de Negócios FIAM 2013 Empresa Incubada na ICT, participando de rodada de negócios com investidores internacional Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

90 FORTEC NORTE 2012~2014 REUNIÃO DOS GESTORES DE INOVAÇÃO V FORTEC NORTE 2013 Conforme a programação, ao final de cada encontro do FORTEC NORTE acontece a reunião dos gestores. A reunião de trabalho visou uma alinhamento de informações como também abordagem de alguns pontos positivos e negativos observados e ações de apoio a inovação, sobretudo recursos para articulação na região. Participaram da reunião, Gelso Pedrosi Filho NIT/UFRR, Josivaldo Modesto NITS/Instituto Mamirauá, Graça Ferraz Coordenadora REDE NAMOR/MPEG, Socorro Lima Verde Protec/UFAM, Marilene Almeida UFAC e Rosangela Bentes INPA/FORTEC Norte. Gestores de Inovação FORTEC NORTE Gestores de Inovação FORTEC NORTE Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

91 FORTEC NORTE 2012~2014 Palestra: Legislação de acesso ao Patrimônio Genético e conhecimentos Tradicionais: Socialização do estado da arte nas instituições governamentais e não governamentais O Seminário Interno ocorreu em 03/07/2012 e contou com a participação servidores da UFAM e convidados Palestra: Experiências no Brasil e na Finlândia sobre Modelo de Universidades, Inovação e Desenvolvimento Regional, O III Ciclo de Palestras ocorreu em 24/09/2012 e contou com a Participação de docentes, discentes técnicos administrativos, pesquisadores e convidados, em parceria com a Faculdade de Tecnologia. CONFITEC: 1ª Conferência de Informação sobre Inovação Tecnológica para o Desenvolvimento Regional realizada nos dias 29 a 31 de agosto de 2012, Profa. Mª do P. Socorro R. Chaves realizou a Conferência Magna com o tema O papel da Inovação e Tecnologia do Desenvolvimento Regional, como representante da UFAM/PROTEC/PCTIS e como Diretora do FORTEC Nacional. Mesa redonda A dinâmica da Ciência, Tecnologia e Inovação do estado : A Profª. Mª do P. Socorro R. Chaves participou da mesa redonda como representante da UFAM/PROTEC/PCTIS e como Diretora do FORTEC Nacional. Obtenção de uma melhor visão e compreensão quanto ao desenvolvimento regional, permitindo a integração da Amazônia no universo de oportunidades do saber e crescimento humano sustentável. Seminário Juta e Malva, focando o papel de socialização dos conhecimentos produzidos nas esferas do saber acadêmico, empresarial e tradicional. O evento ocorreu nos dia 08 e 09 de março de 2012 e contou com dez palestras, duas reuniões de negócios. SIMPÓSIO REGIONAL DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL: A equipe da PROTEC participou diretamente na organização do evento que teve como objetivo a saúde, educação e tecnologia- Workshop Coari, no período de 23 a 27/10/2012, Participação de docentes, discentes, técnicos administrativos, pesquisadores e convidados de instituições e empresas locais do município de Coari. Palestra: Indicadores de Sustentabilidade Aplicáveis a Gestão de Políticas Públicas para os Resíduos Sólidos Industriais: Uma contribuição com o foco no Pólo Industrial de Manaus: O Seminário Interno ocorreu em 06/02/2013 e contou com a participação de vários representantes das seguintes instituições: FUCAPI, SUFRAMA, CBA e Grupo Interação. Seminário Interno: Minuta do Projeto de Lei do Patrimônio Genético e Conhecimentos Tradicionais: Seminário realizado em 11/01/2013, visando à capacitação dos membros da PROTEC. Foi realizada somente a parte 1 do seminário, Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

92 FORTEC NORTE 2012~2014 faltando a continuação e conclusão. O evento teve como objetivo Criar no âmbito interno da PROTEC um ambiente de discussão que capacite os membros da equipe para o atendimento das demandas que chegam aos departamentos da PROTEC. I Fórum de Fortalecimento da Articulação Sociopolítica e da Parceria dos Catadores com a UFAM: O evento ocorreu no dia 26/02/2013 com ampla participação dos catadores, autoridades municipais, estaduais e federais e também com participação de docentes e discentes da UFAM PROTEC/GIA/Associação de Catadores. Teve como objetivo discutir as estratégias de ações/2013 para o fortalecimento e ampliação da parceria da UFAM com os catadores na implementação da coleta seletiva de resíduos sólidos. Nesse evento tivemos o patrocínio/apoio de: Natura, Café Manaus, Manaus refrigerante. Seminário sobre BIOMIMÉTICA: O evento ocorreu no dia 26/02/2013 com ampla participação dos catadores, autoridades municipais, estaduais e federais e também com participação de docentes e discentes da UFAM. Palestra expositiva com foco em "como consultar gênios da natureza para criar soluções sustentáveis". O evento foi realizado em conjunto com a Natura. A palestrante foi a Dra. em Biologia e Consultora em Inovação Janine Benys. Workshop de Preparação para a III Conferência Municipal de Meio Ambiente: O evento ocorreu no dia 23/04/2013 no Auditório do INPA teve como grandes responsáveis pelo evento o SEMMAS, INPA, UFAM e SDS. E teve como principal objetivo Preparar o público e os voluntários para participar da III CMMA I Simpósio Brasileiro de Ciências Fisiológicas: O evento ocorreu no período de 02 à 04/05/2013 no Setor Sul do Campus Universitário. E teve o apoio da PROTEC para a realização da mesma e teve como objetivo Oportunizar o diálogo entre a ciência, a tecnologia e a comunidade.] Seminário Regional sobre Patrimônio Genético e Conhecimentos Tradicionais: O evento ocorreu no período de 28 e 29 de maio de 2013, com ampla participação do corpo docente e discente da UFAM, além de outras instituições de C, T & I do Estado. Teve como objetivo criar mecanismos de colaboração de conhecimentos e práticas desenvolvidas pelas instituições presentes referentes à construção de políticas públicas, regulamentação jurídica, estratégias e marcos legais utilizados pelo governo brasileiro, visando contribuir para melhor compreensão das regras de Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado, contextualizado às realidades amazônicas. Seminário Regional Direito de Propriedade das Sociedades Tradicionais e Repartição de Benefícios: O evento ocorreu no período de 28 e 29 de maio de 2013, com ampla participação do corpo docente e discente da UFAM, além de outras instituições de C, T & I do Estado. O objetivo foi de analisar as diversas perspectivas e enfoques de proteção aos conhecimentos tradicionais, buscando a reflexão sobre os direitos culturais dos povos e as atuais discussões sobre patrimônio cultural, tivemos Veículo e motorista cedido pelo Tribunal de Justiça do Amazonas para o translado das Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

93 FORTEC NORTE 2012~2014 palestrantes. Tivemos 111 (cento e onze) participantes incluindo docentes e discentes. material. Teve como palestrante a Msc. Maria Celeste Emerick (FIOCRUZ-RJ). Conferência Livre de Meio Ambiente da UFAM: O evento ocorreu no dia 16/05/2013, com ampla participação acadêmica e da sociedade civil organizada, bem como, de instituições municipais, estaduais e federais e teve como objetivo promover a elaboração de propostas, discutindo os interesses relativos ao tem Resíduos Sólidos. A palestrante do evento foi a Profa. Dra. Tereza Cristina (UFAM), Coffebreak patrocinado pelas Profa. Karime Bentes e Tereza Cristina. Tivemos no evento 80 (oitenta) participante incluindo docentes e discentes. VI Workshop do PCTIS (Parintins): Estratégias de Desenvolvimento Regional para o Baixo Amazonas: Parcerias, Recursos e Ações. O evento ocorreu nos dias 06 a 07/06/2013. E teve como objetivo Promover a divulgação e acompanhamento das atividades executadas pelos projetos que fazem parte do PCTIS, a palestrante foi Maria Eliany Gomes (SUFRAMA), Semana de oficinas para elaboração de projetos de captação de recursos: O evento ocorreu no período de 03 a 05/06/2013 a semana acontece como atividade inicial do VI Workshop e visa capacitar o corpo docente, discente e de TAES do campi de Parintins para a elaboração de projetos que atendam as exigências das agências de fomento, a palestrante foi a Profa. Dra. Maria do P. Socorro R. Chaves. Encontro dos Coordenadores de Projetos BSocial: O evento ocorreu no periodo de 03 a 05/06/2013, o objetivo do encontro foi Articulação dos Projetos selecionados. Os palestrantes foram os coordenadores de Projetos Submetidos, a PROTEC deu o apoio na realização da mesma. Apoio ao XXXIV Encontro Nacional dos Estudantes de Letras ENEL: O evento ocorreu no periodo de 22 a 27/07/2013, e teve como objetivo Promover a discussão acerca da identidade do estudante de Letras e propor alternativas para evidenciar sua contribuição no cenário atual da educação brasileira. Contribuições da UFAM para o Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para a Região Amazônica: O evento ocorreu no dia 23/07/2013, e teve como objetivo produzir contribuições para o plano de C, T & I para a Região Amazônica, de acordo com as diretrizes orientadas pelo MCTI. A palestra foi administrada pelo Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho (UFAM). I Seminário de Gestão Acadêmica no Âmbito do Curso de Química Industrial Transparência na Coordenação de Química Industrial.: O evento foi efetuado pelo curso de química do ICET, e teve o apoio da PROTEC para a realização da mesma. VIII Simpósio Amazonense de Engenharia de Produção - VIII SAMEP: O evento foi realizado pelo curso de graduação de engenharia de produção da Faculdade de Tecnologia o mesmo ocorreu no período de 02 a 04/10/2013, e teve como objetivo Promover o desenvolvimento de estudos técnicos e científicos na Região Amazônica, contribuindo para a melhoria do ensino e pesquisa em Engenharia de Produção. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

94 FORTEC NORTE 2012~2014 Seminário sobre Economia Criativa: O evento ocorreu no dia 31/10/2013 Expor à comunidade acadêmica e demais interessados as potencialidades da Economia Criativa e demais aspectos, a palestrante foi a Prof. Dra Shirley Virgínia Coutinho (PUC-RJ). Tivemos 30 (trinta) Participantes no evento incluindo discentes, docentes e técnicos. Feira Internacional da Amazônia - FIAM: A feria foi realizada pela SUFRAMA, e teve participações de varias empresas e instituições inclusive a UFAM, a PROTEC foi uma das grandes responsáveis para a ornamentação e caracterização do stand da UFAM, tivemos inúmeras pessoas que visitaram a mesma, segue abaixo algumas imagens: VISITA TÉCNICA INTERNACIONAL A visita técnica e capacitação realizada em Portugal, ocorreu no período de 24 de junho a 20 de julho de 2013, nas seguintes Instituições: Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto UPTEC na cidade de Porto; na TecMinho na Universidade do Minho em Guimarães e na INOVISA do Instituto Superior de Agronomia ISA em Lisboa, A visita permitiu conhecer o sistema de inovação e empreendedorismo das referidas instituições, além de estabelecimento de uma rede de contatos e conhecer boas praticas em inovação com vista em dinamizar a Rede NIT da Amazônia Ocidental AMOCI parceria para os arranjos de NIT do MCTI e como coordenadora do FORTEC Norte foi apresentado organização e inciativas do Fórum e o status das regiões do brasil, e o movimento articulado em prol da promoção da inovação e empreendedorismo na região. INSTITUIÇÕES VISITADAS UPTEC O Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) é um espaço de valorização mútua de competências entre os meios universitário e empresarial. Com 4 pólos distintos Pólo Tecnológico, Pólo das Indústrias Criativas, Pólo de Biotecnologia e Pólo do Mar o UPTEC concentra um conjunto de startups e centros de inovação de empresas nacionais e internacionais em torno da Universidade do Porto, e por meio das Incubadoras os empreendedores encontram o apoio necessário para transformar ideias em empresas com potencial de rápido crescimento e no Centros de Inovação empresarial empresas já consolidada encontrarão o espaço e os mecanismos para sediar e operacionalizar os seus projetos e atividades, aproveitando as sinergias com os departamentos de I&D+i e institutos de interface da Universidade do Porto. ATIVIDADES REALIZADAS/PROGRAMAÇÃO: Dia 25/06 - Recepção PARQUE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO - oferece apoio, infraestruturas e equipamentos tecnológicos que potenciam o desenvolvimento e a aceleração de projetos de base tecnológica. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

95 FORTEC NORTE 2012~2014 FOTO: UPTEC foto 1- atual instalação desde sua criação foto 2 Novas Instalações - espaço para mais de 500 empresas PÓLO TECNOLÓGICO E PÓLO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS - é o espaço de atração e encontro entre pessoas que procuram experimentar, desenvolver e explorar a sua criatividade a nível empresarial. Procurando responder aos novos desafios da economia criativa, FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO As estruturas de I&D e Inovação são constituídas pelos Centros de Investigação e Desenvolvimento, Institutos de Interface e Centros de Competências que potenciam a criação de conhecimento e inovação na FEUP. Também favorável ao processo de inovação na FEUP é a sua localização no Campus da Asprela, onde se encontra instalado o Pólo Tecnológico do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC). Foto: Universidade de Engenharia U.PORTO / reunião com os coordenadores de inovação UPIN UNIVERSIDADE DO PORTO INOVAÇÃO é o gabinete de transferência de tecnologia da Universidade do Porto. Criada em 2004, a UPIN está sob a tutela do Pelouro para a I&D, Inovação e IRICUP, da Reitoria da Universidade do Porto. Com o objetivo de apoiar a cadeia de inovação da U.PORTO. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

96 FORTEC NORTE 2012~2014 IPATIMUP INSTITUTO DE PATOLOGIA E IMUNOLOGIA MOLECULAR DA UNIVERSIDADE DO PORTO - O Instituto foi criado em 1989 e integrava três unidades de investigação: A Unidade de Patologia da Faculdade de Medicina do Porto, a Unidade de Imunologia Molecular do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar e a Unidade Mark Athias do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil, de Lisboa. Após 1990 passa a integrar também o CIBO Centro de Investigação em Biopatologia e Oncologia. Trabalham nos laboratórios investigadores vinculados às Faculdades de Medicina, Ciências, Farmácia e ICBA. PÓLO AGRÁRIO DE VAIRÃO - o Centro foi inaugurado em Maio de 1994 e a Universidade instalou-se aqui em 1996, com as licenciaturas em Medicina Veterinária e Ciências Agrárias. Encontram-se também, desde Janeiro de 1997, os laboratórios do ICETA (Instituto de Ciências e Tecnologias Agrárias e Agro- Alimentares) da U.Porto e ocupa uma área bruta de m 2. É uma parceria da UP com a Direção Regional de Agricultura de Entre Douro e Minho. IBMC- INSTITUTO DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DA UNIVERSIDADE DO PORTO O IBMC foi concebido como uma instituição de pesquisa multidisciplinar em cinco grandes domínios. Estas incluem doenças genéticas, doenças infecciosas e imunologia, a neurociência, stress e biologia estrutural. Com mais de vinte e cinco grupos de pesquisa e mais de 200 estudantes de pós-graduação, promove o tipo de pesquisa básica, que muitas vezes encontra aplicações em biomédica e biotecnologia. Centros de Inovação Empresarial empresas nacionais e internacionais encontram espaço e mecanismos necessários para o desenvolvimento de novos produtos e serviços para serem lançados no mercado, aproveitando as sinergias que existem com os departamentos de I&D+i e Institutos de Interface da Universidade do Porto. No Centro de Inovação, e auto gerenciado possui monitoramento remoto de entrada e saída diária das empresas, não necessitando de recepção. Foto: Centro de Inovação U.Porto / UPTEC TECMINHO UNIVERSIDADE DO MINHO/ Guimarães/ PORTUGAL Dia 15 a 18/07 Tecminho - É uma associação de direito privado sem fins lucrativos, tendo tido como promotores a Universidade do Minho e a Associação dos Municípios do Vale do Ave (AMAVE). Enquanto interface da Universidade do Minho, a TecMinho tem como missão a valorização e a transferência de conhecimento para o tecido empresarial e demais atores económicos e sociais, contribuindo para a inovação, o empreendedorismo e o desenvolvimento das competências das organizações e das pessoas. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

97 FORTEC NORTE 2012~2014 Foto: Tecminho Universidade do Minho Guimarães / Portugal INOVISA do Instituto Superior de Agronomia A INOVISA tem por missão promover uma cultura de inovação e empreendedorismo nos setores em que atua, contribuindo para o desenvolvimento socioeconómico e transformação do tecido empresarial, através das seguintes atividades: Promover o empreendedorismo, a inovação empresarial e a incubação de empresas; Fomentar a modernização e diversificação do tecido empresarial focado nas áreas de atuação da INOVISA, particularmente na ligação ao Instituto Superior de Agronomia, contribuindo para o desenvolvimento e competitividade dos sectores agrícola, alimentar, florestal, biotecnológico e ambiental; Promover a transferência de conhecimento e tecnologia entre a Universidade e as empresas, contribuindo para a inovação e desenvolvimento do sector empresarial e para a difusão do conhecimento gerado no seio da Universidade A INOVISA coordena a REDE INOVAR- é uma rede de âmbito nacional que visa criar um ambiente estimulante de transferência de conhecimento e de tecnologia entre o meio académico e o meio empresarial nos sectores agrícola, florestal e agro-alimentar. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

98 FORTEC NORTE 2012~2014 Fotos: Inovisa/ISA Lisboa/Portugal NOVAS AFILIAÇÕES NO FORTEC: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Amazonas SENAI-AM Representante Diretor: Aldemurpe Oliveira de Barros Representante indicada: Lucia Helena de Araújo Jorge Faculdade Martha Falcão - Coordenadora do NITFMF- Jane Marcia Pinto Moura Mudança de representante institucional: foi orientado e enviado por essa coordenação regional os informes quanto a mudança do representante da Universidade Estadual do Amazonas: Representante: Waldeyde Oderilda Gualberto Magalhães ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DADOS DOS ASSOCIADOS NO FOTEC NORTE No ano de 2013 foi realizado por meio de contato telefônico e aos associados Norte no FORTEC. Ao mesmo tempo foi informado o procedimento para a substituição e atualização e do representante da respectiva instituição e foi enviado para o do FORTEC. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

99 FORTEC NORTE 2012~2014 Lista atualizada dos associados no Norte/ FORTEC 2013 CONSIDERAÇÕES FINAIS PERSPECTIVAIS E AGRADECIMENTOS As atividades realizadas foram sempre voltadas para a dinamização e visibilidade da inovação e empreendedorismo dentro do contexto da missão o FORTEC e do Arranjo NIT da Amazônia Ocidental AMOCI e Oriental NAMOR, oportunizando dentro dos recursos financeiros e humanos disponíveis, realizar as nossas ações de forma integrada e com parceria de fato. Esta coordenação buscou manter a representabilidade do Norte no Fortec, mais sabemos que sem recurso financeiro, profissionais capacitados, iniciativas de querer fazer e fazer não avançaremos. Criticas foram encontradas e percebidas, mais nenhuma atrelada a soluções efetivas de contribuição e mãos a obra para potencializar muito mais ações na Região, pois ainda temos muito o que fazer e articular em temo de cooperação e parceria propriamente dita e ações concretas para promover a inovação e torná-la tangível. Av. André Araújo, 2936 Petrópolis, CEP , CXP Fone (92) /3295/ Manaus-AM, Brasil

Núcleos de Inovação Tecnológica:

Núcleos de Inovação Tecnológica: Núcleos de Inovação Tecnológica: Promovendo a Gestão da Inovação nas Ins:tuições de Ciência e Tecnologia Prof. Rubén Dario Sinisterra e Prof. Oswaldo Massambani Presidente e Vice- Presidente do FORTEC

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil Rede Temática de Propriedade Intelectual, Cooperação,Negociação e Comercialização de Tecnologia X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Redes de Propriedade Intelectual no

Leia mais

Busca do equilíbrio ACADEMIA

Busca do equilíbrio ACADEMIA Busca do equilíbrio Conquistar sustentabilidade financeira e qualificar recursos humanos são alguns dos principais objetivos dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) no Brasil POR CAMILA AUGUSTO Ilustrações:

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia www.portalfortec.org

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia www.portalfortec.org Página 1 de 5 ATA DAS 3ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRETORIA 2014-2016 1ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIRETÓRIO 2014-2016 DATA: 2a feira, 11 de Agosto de 2014, 9h00min ás 11h00min LOCAL: via Skype DIRETORIA - Quorum:

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

Ciência, pesquisa e inovação tecnológica. Produtos acadêmicos, patentes e distribuição dos resultados

Ciência, pesquisa e inovação tecnológica. Produtos acadêmicos, patentes e distribuição dos resultados Ciência, pesquisa e inovação tecnológica. Produtos acadêmicos, patentes e distribuição dos resultados Roberto Lotufo Agência de Inovação Inova Unicamp VII Seminário Nacional do REUNI Brasília, 23 de julho

Leia mais

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal São Luis, 09 de julho de 2010 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Processo de aprendizagem contínuo

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Boletim FORTEC. Setembro de 2014 - No. 01/2014. Agenda do FORTEC. (www.portalfortec.org/eventos)

Boletim FORTEC. Setembro de 2014 - No. 01/2014. Agenda do FORTEC. (www.portalfortec.org/eventos) Pg 1 de 6 Boletim FORTEC Setembro de 2014 - No. 01/2014 Agenda do FORTEC (www.portalfortec.org/eventos) Curso / Evento Organização Local Local Período Andamento Reunião da Regional Nordeste do FORTEC (FORTEC-NE)

Leia mais

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Coordenador: Guilherme Ary Plonski Setembro 2014 1 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de trabalho visa à continuidade do apoio para

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC 10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC Data: 17 e 18 de setembro de 2013 Local: Parque Tecnológico da UFRJ

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO

Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO O Nordeste e as Redes de PI FORTEC NE Cristina M Quintella NIT/UFBA, Rede NIT-NE, Regional NE do FORTEC Fortaleza, 10 de abril de 2007 Brasil no Planeta [2005]

Leia mais

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil

Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Aspectos da Política de Ciência, Tecnologia e Inovação em Redes Elétricas Inteligentes no Brasil Dante Hollanda Tecnologista em Ciência e Tecnologia Curitiba, 08 de maio de 2014 1 Estrutura do MCTI 2 Secretaria

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia www.portalfortec.org

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia www.portalfortec.org Página 1 de 6 ATA DA 16ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRETORIA 2014-2016 9ª REUNIÃO ORDINÁRIA DE DIRETÓRIO 2014-2016 DATA: 2a feira, 29 de Junho de 2015, 10h00min [horário de Brasília] LOCAL: Av. Adhemar de Barros,

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

www.fortec-br.org Organizado por:

www.fortec-br.org Organizado por: Organizado por: Prof. Oswaldo Massambani - CEETEPS Prof. Ruben Dario Sinisterra Millán - UFMG Pedro Pires Guimarães - UFMG Profa. Alice Machado da Silva - UFBA Profa. Heloiza Helena Ribeiro Schor parceria:

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

Gestão da Transferência de Tecnologia e Inovação no Contexto da Cooperação Internacional: Desafios e Oportunidades

Gestão da Transferência de Tecnologia e Inovação no Contexto da Cooperação Internacional: Desafios e Oportunidades Gestão da Transferência de Tecnologia e Inovação no Contexto da Cooperação Internacional: Desafios e Oportunidades Tour do Brasil Parcerias e Oportunidades de Cooperação entre Brasil Europa em Saúde Fundação

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL Gestão de Projetos e as Boas Práticas: aplicadas à CIT contribuem em suas atividades e fortalecem a Política de Inovação do CEFET-MG

Leia mais

Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG

Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG Apresentação de Resultados dos Núcleos de Inovação Tecnológica dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSUDETEMG Diretoria Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia NITTEC IF

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

ATA DA REUNIÃO (PLENÁRIA)

ATA DA REUNIÃO (PLENÁRIA) ATA DA REUNIÃO (PLENÁRIA) PLENÁRIA DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL - RMPI ATA DA REUNIÃO Em 30 de novembro de 2007 às 14:00 horas, os membros da Rede Mineira de Propriedade Intelectual se reuniram

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

The basis of biosafety training in Brazil

The basis of biosafety training in Brazil Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia The basis of biosafety training in Brazil Edmundo C. Grisard, Ph.D. Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Seminário: Um decênio de história na gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. Manaus, 29 de Maio de 2012

Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. Manaus, 29 de Maio de 2012 Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento Manaus, 29 de Maio de 2012 Propriedade Intelectual= direito, outorgado pelo Estado por meio de leis específicas, por um prazo

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados

PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ. Consulta aos Potenciais Interessados PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ Consulta aos Potenciais Interessados Agenda Objetivos Linhas temáticas Etapas Consulta a parceiros e potenciais clientes

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP WORKSHOP Extensão Universitária, Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Regional AUIN, CONSTRUINDO AS BASES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNESP VANDERLAN DA S. BOLZANI Instituto de Química, Araraquara

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA. Manaus, julho/2012

ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA. Manaus, julho/2012 WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA Manaus, julho/2012 Tema: Ações Agropecuárias e Florestais do Modelo ZFM no contexto da Economia Verde e Sustentabilidade Palestrante: Paulo

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS Anexo I ao Acordo de Cooperação Técnica entre BNDES e FINEP ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE BNDES E FINEP - ANEXO I PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI Departamento Nacional do SENAI Rede SENAI Ferramentaria Luiz Eduardo Leão Inovação e Tendências Moldes ABM 0º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes São Paulo 09 de agosto de 202 Desafio

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS

IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS Palestras: 09/04/2014 - "Algumas considerações sobre ética na pesquisa", prof. Joaquim de Araujo Nóbrega

Leia mais

SEMINÁRIO: Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. MESA: Financiamento à Inovação

SEMINÁRIO: Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento. MESA: Financiamento à Inovação SEMINÁRIO: Propriedade Intelectual e Inovação: Proteção para a valorização do conhecimento MESA: Financiamento à Inovação Manaus - AM 29 de de maio de 2012 Contexto de Atuação da FAPEAM 2 Contexto de Atuação

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica

Núcleo de Inovação Tecnológica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Fepagro em Foco Estruturação de NITs Porto Alegre, 07 de novembro de 2012 Núcleo de Inovação Tecnológica É o orgão integrante da estrutura da ICT com a finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação)

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) Dante Martinelli Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo A Lei

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica UNICAMP Fórum de Inovação Natura Campus Inovação aberta Sonia Tuccori Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica agenda Natura história e estratégia de negócios Inovação em produtos e estratégia tecnológica

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Apresentação A OMPI O Brasil Formação de Gestores de Tecnologia e PI no Brasil parcerias

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais