Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais"

Transcrição

1 Segurança na Internet Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1

2 Agenda Segurança de Computadores Senhas Engenharia Social Vulnerabilidade Códigos Maliciosos Negação de Serviço 2

3 Segurança de Computadores 3

4 Segurança de Computadores Um computador é dito seguro se este atende a três requisitos básicos relacionados aos recursos que o compõe em: confidencialidade, integridade e disponibilidade. A confidencialidade diz que a informação está disponível para aqueles devidamente autorizados; A integridade diz que a informação não é destruída ou corrompida e o sistema tem um desempenho correto; A disponibilidade diz que os serviços/recursos do sistema estão disponíveis sempre que forem necessários. 4

5 Segurança de Computadores Exemplos de violação dos requisitos de segurança: Confidencialidade: : Alguém tem acesso não autorizado ao computador e lê a declaração do imposto de renda de outra pessoa; Integridade: : Alguém tem acesso não autorizado ao computador e altera a declaração do imposto de renda antes de ser enviada para a receita; Disponibilidade: : O provedor sofre uma sobrecarga de solicitação de dados ou um ataque de negação de serviço e impede o envio da declaração do imposto de renda à receita federal; 5

6 Por que devo me preocupar com a segurança de meu computador? 6

7 Por que devo me preocupar com a segurança de meu computador? Computadores domésticos são utilizados para realizar inúmeras tarefas, tais como: transações financeiras, sejam elas bancárias ou mesmo compra de produtos e serviços; comunicação, por exemplo, através de s; armazenamento de dados, sejam eles pessoais ou comerciais, etc. Neste sentido, certas precauções devem ser tomadas para que situações indesejadas não ocorram. Vejamos algumas destas situações... 7

8 Por que devo me preocupar com a segurança de meu computador? Senhas e números de cartões de crédito roubados; Conta de acesso a internet usada por terceiros sem autorização; Dados pessoais ou comerciais, alterados, destruídos ou visualizados por terceiros; Computador para de funcionar devido a comprometimento em arquivos de sistemas que tenham sido corrompidos ou apagados. 8

9 9 Senhas

10 Senhas Uma senha (password( password) ) na Internet, ou em qualquer sistema computacional, serve para autenticar o usuário,, ou seja, é utilizada no processo de verificação da identidade do usuário, assegurando que este é realmente quem diz ser. Se uma outra pessoa tem acesso a uma senha que não é dela, esta poderá utilizá-la para realizar operações indevidas, tais como: Ler e enviar s; Obter informações armazenadas no computador; Esconder sua real identidade e desferir ataques contra terceiros a partir do computador sequestrado. 10

11 O que não se deve utilizar na elaboração de uma senha? Nomes, sobrenomes, números de documentos, placas de carros, números de telefones e datas deverão estar fora de sua lista de senhas.. Esses dados podem ser facilmente obtidos e uma pessoa mal intencionada, possivelmente, utilizaria este tipo de informação para tentar se autenticar como você. Existem várias regras de criação de senhas, sendo que uma regra muito importante e jamais utilizar palavras que façam parte de dicionários.. Existem softwares que tentam descobrir senhas combinando e testando palavras em diversos idiomas. 11

12 Como elaborar uma boa senha? Uma boa senha deve ter pelo menos oito caracteres (letras, números e símbolos), deve ser simples de digitar e, o mais importante, deve ser fácil de lembrar. Normalmente os sistemas diferenciam letras maiúsculas das minúsculas (case( sensitive), o que já ajuda na composição da senha. Por exemplo, paralelepipedo e paralelepipedo são senhas diferentes. Entretanto, são senhas fáceis de descobrir utilizando softwares para quebra de senhas, pois não possuem números e símbolos, além de conter muitas repetições de letras. 12

13 Como elaborar uma boa senha? Quanto mais bagunçada for a senha melhor, pois mais difícil será descobrí-la. Assim, tente misturar letras maiúsculas, minúsculas, números e sinais de pontuação. Uma regra realmente prática e que gera boas senhas difíceis de serem descobertas e utilizar uma frase qualquer e pegar a primeira, segunda ou a última letra de cada palavra. Vale ressaltar que se você tiver dificuldades para memorizar uma senha forte, é preferível anotá-la e guardá-la em local seguro, do que optar pelo uso de senhas fracas. 13

14 Quantas senhas diferentes devo usar? A quantidade de senhas diferentes a ser utilizadas deverá ser proporcional a quantidade de locais distintos em que seja necessária a utilização de senhas; Como forma de ressaltar a importância dessas senhas distintas faça as seguintes perguntas a si mesmo: Quais as consequências se alguém descobrisse uma senha? Quais as consequências se alguém descobrisse uma senha, sendo que senhas diferentes são utilizadas? O impacto seria o mesmo? 14

15 Mudança de senhas As senhas devem ser alteradas com frequência não devendo permanecer a mesmo por períodos superiores a dois ou três meses; As trocas regulares são fundamentais para manter a confidencialidade das senhas. Isto deve-se ao fato de existirem programas que são desenvolvidos para descobrir senhas e estes podem ficar meses ou anos tentando encontrar a senha (isto irá depender da complexidade da senha utilizada). 15

16 Cuidados para proteger as senhas De nada adianta elaborar uma senha ótima, seguindo as recomendações já apresentadas se os devidos cuidados com relação a proteção da senha não forem tomados; Existem diversas formas de se conseguir capturar uma senha, a saber: Observar o processo de digitação da senha; Utilizar um método de persuasão para tentar convencê-lo a entregar sua senha; Captura de senha enquanto ela trafega pela rede; 16

17 17 Engenharia Social

18 Engenharia Social O termo é utilizado para descrever um método de ataque, onde alguém faz uso da persuasão, muitas vezes abusando da ingenuidade ou confiança do usuário, para obter informações que podem ser utilizadas para ter acesso não autorizado a computadores ou informações. A engenharia social também pode recolher informações nos lugares menos prováveis, como é o caso do lixo de uma determinada empresa. Neste caso, informações em documentos podem ser capturadas e utilizadas para convencer funcionários da empresa sobre alguma informação que se deseje obter. 18

19 Engenharia Social Exemplos Exemplo 1: Você recebe uma mensagem , onde o remetente é o gerente ou alguém em nome do departamento de suporte do seu banco. Na mensagem ele diz que o serviço de Internet Banking está apresentando algum problema e que tal problema pode ser corrigido se você executar o aplicativo que está anexado a mensagem. A execução deste aplicativo apresenta uma tela análoga àquela que você utiliza para ter acesso a conta bancária, aguardando que você digite sua senha. Na verdade, este aplicativo está preparado para furtar sua senha de acesso a conta bancária e enviá-la para o atacante. 19

20 Engenharia Social Exemplos Exemplo 2: Você recebe uma mensagem de , dizendo que seu computador está infectado por um vírus. A mensagem sugere que você instale uma ferramenta disponível em um site da Internet, para eliminar o vírus de seu computador. A real função desta ferramenta não é eliminar um vírus, mas sim permitir que alguém tenha acesso ao seu computador e a todos os dados nele armazenados. 20

21 Engenharia Social Exemplos Exemplo 3: Algum desconhecido liga para a sua casa e diz ser do suporte técnico do seu provedor. Nesta ligação ele diz que sua conexão com a Internet está apresentando algum problema e, então, pede sua senha para corrigí-lo. Caso você entregue sua senha, este suposto técnico poderá realizar uma infinidade de atividades maliciosas, utilizando a sua conta de acesso a Internet e, portanto, relacionando tais atividades ao seu nome. 21

22 Engenharia Social Estes casos mostram ataques típicos de engenharia social, pois os discursos apresentados nos exemplos procuram induzir o usuário a realizar alguma tarefa e o sucesso do ataque depende única e exclusivamente da decisão do usuário em fornecer informações sensíveis ou executar programas. 22

23 Vulnerabilidade Vulnerabilidade é definida como uma falha no projeto, implementação ou configuração de um software ou sistema operacional que, quando explorada por um atacante, resulta na violação da segurança de um computador. Existem casos onde um software ou sistema operacional instalado em um computador pode conter uma vulnerabilidade que permite sua exploração remota, ou seja, através da rede. Portanto, um atacante conectado a Internet, ao explorar tal vulnerabilidade, pode obter acesso não autorizado ao computador vulnerável. 23

24 Códigos Maliciosos 24

25 Códigos Maliciosos (Malware) Código malicioso ou Malware (Malicious Software) ) é um termo genérico que abrange todos os tipos de programa especificamente desenvolvidos para executar ações maliciosas em um computador. Na literatura de segurança o termo malware também e conhecido por software malicioso. Exemplos: vírus; worms e bots; backdoors; cavalos de tróia; keyloggers e outros programas spyware; rootkits. 25

26 Vírus O Vírus é um programa ou parte de um programa de computador,, normalmente malicioso, que se propaga infectando criando cópias de si mesmo e se tornando parte de outros programas e/ou arquivos de um computador. A atuação do vírus depende da execução do programa ou arquivo hospedeiro para que este possa se tornar ativo e dar continuidade ao processo de infecção. 26

27 Como o computador é infectado por um vírus? A infecção depende necessariamente da execução do vírus. Isto pode acontecer... Abrindo arquivos anexados aos s; Abrindo arquivos do Word, Excel, etc; Abrindo arquivos armazenados em outros computadores por meio de compartilhamento; Instalando programas de procedência duvidosa ou desconhecida; Conectar alguma mídia removível infectada. 27

28 borne virus Um vírus propagado por normalmente é recebido como um arquivo anexado a uma mensagem de correio eletrônico; O conteúdo dessa mensagem tenta induzir o usuário a clicar sobre o arquivo anexado, fazendo com que o vírus seja executado. 28

29 Vírus de Macro Uma Macro é um pequeno programa desenvolvido para ser executado em um editor de texto ou planilha eletrônica; Um Vírus de Macro está associado a este trecho de código e sempre que o arquivo é lido a Macro entra em execução e contaminação acontece. 29

30 Cavalo de Tróia Trojan Horse É um programa, normalmente recebido como um presente (por exemplo, cartão virtual, álbum de fotos, protetor de tela, jogo, etc), que além de executar funções para as quais foi aparentemente projetado, também executa funções maliciosas; Por definição, o cavalo de tróia distingue-se de um vírus ou de um worm por não infectar outros arquivos, nem propagar cópias de si mesmo automaticamente; Normalmente um cavalo de tróia consiste em um único arquivo que necessita ser explicitamente executado. 30

31 Cavalo de Tróia Trojan Horse Ações de um trojan: Instalação de keyloggers ou screenloggers; Furto de senhas, números de cartões de crédito, etc.; Inclusão de backdoors; Alteração ou destruição de arquivos. 31

32 Cavalo de Tróia Trojan Horse Adware (Advertising software) ) é um tipo de software especificamente projetado para apresentar propagandas,, seja através de um browser,, seja através de algum outro programa instalado em um computador; Spyware,, por sua vez, e o termo utilizado para se referir a uma grande categoria de software que tem o objetivo de monitorar atividades de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros; Ambos podem ser utilizados de forma legítima, mas, na maioria das vezes, são utilizados de forma dissimulada, não autorizada e maliciosa. 32

33 Backdoors Um Backdoor,, como próprio nome sugere, é uma forma de entrada que um atacante utiliza para retornar a um computador infectado sem que o usuário tome conhecimento; Pode ser inserido por meio de um Cavalo de Tróia ou por um invasor; Um software para acesso remoto mal configurado também pode acarretar em um Backdoor; 33

34 Worm Se propagar automaticamente através de redes; Não embute cópias de si mesmo em outros programas ou arquivos; Não necessita ser explicitamente executado para se propagar; Propagação: Vulnerabilidades e falhas na configura- ção de software; Consequências: Destruição de arquivos; Consumo de recursos (processador e disco rígido); Degradação da rede. 34

35 Bot e Botnet O bot é um programa que tem características similares à do worm,, porém um bot é capaz de ser controlado remotamente por um invasor; Uma botnet é uma rede computadores que está infectada por um bot; Uma botnet pode ser utilizada para deflagrar um ataque em massa (DoS); Disseminação de spam; 35

36 Rootkit O Rootkit é um programa que faz uso de uma série de programas que tempo por objetivo agir dentro do computador de forma oculta, camuflada; Os anti-vírus tem dificuldades para identificar e encontrar um rootkit,, pois o mesmo esconde a sua existência e o anti-vírus não consegue encontrá-lo e eliminá-lo. 36

37 37 Negação de Serviço (Denial of Service - DoS)

38 Negação de Serviço Nos ataques de negação de serviço o atacante utiliza um computador para tirar de operação um serviço ou computador conectado a Internet. Exemplos deste tipo de ataque são: Gerar uma grande sobrecarga no processamento de dados de um computador, de modo que o usuário não consiga utilizá-lo; Gerar um grande tráfego de dados para uma rede, ocupando toda a banda disponível, de modo que qualquer computador desta rede fique indisponível; Tirar serviços importantes de um provedor do ar, impossibilitando o acesso dos usuários a suas caixas de correio no servidor de ou ao servidor Web. 38

39 Ataque DoS e Invasão Se um computador sofre um ataque DoS, significa que ele foi invadido? Não. O objetivo de tais ataques e indisponibilizar o uso de um ou mais computadores, e não invadí-los. Um exemplo deste tipo de ataque ocorreu no início de 2000, onde computadores de várias partes do mundo foram utilizados para indisponibilizar o acesso aos sites de algumas empresas de comércio eletrônico. Estas empresas não tiveram seus computadores comprometidos, mas sim ficaram impossibilitadas de vender seus produtos durante um longo período. 39

40 40 Dúvidas???

MALWARE. Spyware. Seguem algumas funcionalidades implementadas em spywares, que podem ter relação com o uso legítimo ou malicioso:

MALWARE. Spyware. Seguem algumas funcionalidades implementadas em spywares, que podem ter relação com o uso legítimo ou malicioso: MALWARE Spyware É o termo utilizado para se referir a uma grande categoria de software que tem o objetivo de monitorar atividades de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros. Seguem

Leia mais

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos.

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos. INTRODUÇÃO Essa apostila foi idealizada como suporte as aulas de Informática Educativa do professor Haroldo do Carmo. O conteúdo tem como objetivo a inclusão digital as ferramentas de pesquisas on-line

Leia mais

Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral. Prof. Paulo A. Neukamp

Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral. Prof. Paulo A. Neukamp Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral Prof. Paulo A. Neukamp Mallware (Parte 01) Objetivo: Descrever de maneira introdutória o funcionamento de códigos maliciosos e os seus respectivos impactos. Agenda

Leia mais

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware)

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware) SEGURANÇA FRAUDE TECNOLOGIA SPAM INT MALWARE PREVENÇÃO VÍRUS BANDA LARGA TROJAN PRIVACIDADE PHISHING WIRELESS SPYWARE ANTIVÍRUS WORM BLUETOOTH SC CRIPTOGRAFIA BOT SENHA ATAQUE FIREWAL BACKDOOR COOKIES

Leia mais

Malwares. Algumas das diversas formas como os códigos maliciosos podem infectar ou comprometer um computador são:

Malwares. Algumas das diversas formas como os códigos maliciosos podem infectar ou comprometer um computador são: Malwares Códigos Maliciosos - Malware Códigos maliciosos (malware) são programas especificamente desenvolvidos para executar ações danosas e atividades maliciosas em um computador. Algumas das diversas

Leia mais

Segurança em computadores e em redes de computadores

Segurança em computadores e em redes de computadores Segurança em computadores e em redes de computadores Uma introdução IC.UNICAMP Matheus Mota matheus@lis.ic.unicamp.br @matheusmota Computador/rede segura Confiável Integro Disponível Não vulnerável 2 Porque

Leia mais

Programa que, além de incluir funcionalidades de worms, dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor, permitindo que seja controlado remotamente.

Programa que, além de incluir funcionalidades de worms, dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor, permitindo que seja controlado remotamente. TIPOS DE VÍRUS Principais Tipos de Códigos Maliciosos 1. Virus Programa que se propaga infectando, isto é, inserindo cópias de si mesmo e se tornando parte de outros programas e arquivos de um computador.

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Aguinaldo Fernandes Rosa

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Aguinaldo Fernandes Rosa SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DICAS Aguinaldo Fernandes Rosa Especialista em Segurança da Informação Segurança da Informação Um computador (ou sistema computacional) é dito seguro se este atende a três requisitos

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos Segurança e Auditoria de Sistemas Conceitos básicos Conceitos básicos Propriedades e princípios de segurança; Ameaças; Vulnerabilidades; Ataques; Tipos de malware; Infraestrutura de segurança. Propriedades

Leia mais

Segurança de Computadores LUBRITEC. Ver. 4.0 Data Out/2010 Vigência: Out/2011. Prezado colaborador,

Segurança de Computadores LUBRITEC. Ver. 4.0 Data Out/2010 Vigência: Out/2011. Prezado colaborador, LUBRITEC Ver. 4.0 Data Out/2010 Vigência: Out/2011 1 Prezado colaborador, O nosso dia na empresa, começa quando ligamos o computador. Logo acessamos a rede interna; recebemos, respondemos e enviamos novos

Leia mais

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura?

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura? Qual a importância da Segurança da Informação para nós? No nosso dia-a-dia todos nós estamos vulneráveis a novas ameaças. Em contrapartida, procuramos sempre usar alguns recursos para diminuir essa vulnerabilidade,

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet Parte I: Conceitos de Segurança

Cartilha de Segurança para Internet Parte I: Conceitos de Segurança Cartilha de Segurança para Internet Parte I: Conceitos de Segurança NIC BR Security Office nbso@nic.br Versão 2.0 11 de março de 2003 Resumo Esta parte da Cartilha apresenta conceitos de segurança de computadores,

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

Códigos Maliciosos.

Códigos Maliciosos. <Nome> <Instituição> <e-mail> Códigos Maliciosos Agenda Códigos maliciosos Tipos principais Cuidados a serem tomados Créditos Códigos maliciosos (1/3) Programas especificamente desenvolvidos para executar

Leia mais

Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos

Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos Malware O termo malware é proveniente do inglês malicious software; é um software destinado a se infiltrar em um sistema de computador

Leia mais

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO:

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: Exercícios de Segurança de Informação Ameaças lógicas Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: 1) Vírus de macro infectam arquivos criados por softwares que utilizam

Leia mais

Abin e PF. Informática Complemento. Prof. Rafael Araujo

Abin e PF. Informática Complemento. Prof. Rafael Araujo Criptografia Criptografia é a ciência e arte de escrever mensagens em forma cifrada ou em código. É parte de um campo de estudos que trata das comunicações secretas, usadas, dentre outras finalidades,

Leia mais

Parte I: Conceitos de Segurança

Parte I: Conceitos de Segurança SEGURANÇA FRAUDE TECNOLOGIA SPAM INT MALWARE PREVENÇÃO VÍRUS BANDA LARGA TROJAN PRIVACIDADE PHISHING WIRELESS SPYWARE ANTIVÍRUS WORM BLUETOOTH SC CRIPTOGRAFIA BOT SENHA ATAQUE FIREWAL BACKDOOR COOKIES

Leia mais

Códigos Maliciosos. Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

Códigos Maliciosos. Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Códigos Maliciosos Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Agenda Códigos maliciosos Tipos principais Cuidados a serem tomados Créditos Códigos maliciosos (1/3) Programas especificamente

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Códigos maliciosos são usados como intermediários e possibilitam a prática de golpes, a realização de ataques e o envio de spam Códigos maliciosos, também conhecidos como pragas

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Segurança na Rede, Uso do E-mail e Spam

TIC Domicílios 2007 Segurança na Rede, Uso do E-mail e Spam TIC Domicílios 2007 Segurança na Rede, Uso do E-mail e Spam DESTAQUES 2007 Os módulos sobre Segurança na Rede, Uso do E-mail e Spam da TIC Domicílios 2007 apontaram que: Cerca de 29% dos usuários de internet

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2 Segurança da Informação A segurança da informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido, sabotagens, paralisações, roubo de informações ou

Leia mais

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware)

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware) SEGURANÇA FRAUDE TECNOLOGIA SPAM INT MALWARE PREVENÇÃO VÍRUS BANDA LARGA TROJAN PRIVACIDADE PHISHING WIRELESS SPYWARE ANTIVÍRUS WORM BLUETOOTH SC CRIPTOGRAFIA BOT SENHA ATAQUE FIREWAL BACKDOOR COOKIES

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) André Gustavo Assessor Técnico de Informática MARÇO/2012 Sumário Contextualização Definições Princípios Básicos de Segurança da Informação Ameaças

Leia mais

Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação

Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação @lucianodoll Conceitos de segurança Introdução Segurança Um computador é seguro se atende a 3 requisitos: Confidencialidade: a informação só está disponível

Leia mais

Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas

Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas Segurança na Informática Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas Navegar é preciso... Segurança Digital Navegar é Preciso Tipos de Vírus Tipos de Vírus Cuidados na Internet

Leia mais

Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma

Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma loja específica Manter um Antivírus atualizado; Evitar

Leia mais

APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO

APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO 8. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO função, garantindo a integridade do documento associado, mas não a sua confidencialidade. HASH: Verifica a integridade, pois

Leia mais

Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br

Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br Aritana Pinheiro Falconi falconi@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação

Leia mais

Disciplina: Administração de Redes de Computadores.

Disciplina: Administração de Redes de Computadores. Disciplina: Administração de Redes de Computadores. Abordagem: Segurança Prof. Leandro Meireles 2011.2 Sistema Seguro Confidencialidade Integridade Disponibilidade Porque se preocupar com a segurança?

Leia mais

Segurança da Informação. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Segurança da Informação. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Segurança da Informação Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Cenário Atual Era da Informação e da Globalização: Avanços da Tecnologia da Informação; Avanços

Leia mais

Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta

Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta o sistema, faz cópias de si mesmo e tenta se espalhar

Leia mais

Vírus Spywares e Malwares

Vírus Spywares e Malwares APOSTILA Vírus Spywares e Malwares Apostila Desenvolvida por André José Contel Trechos da Cartilha de Segurança para Internet http://cartilha.cert.br/ STI - UNESP - Campus de Araçatuba 1 - Conceitos 1.1

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 6 Segurança na Camada de Aplicação Obtenção de Acesso não Autorizado via Malwares Vírus, Worms, Trojan e Spyware Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br

Leia mais

INE 5223 Informática para Secretariado

INE 5223 Informática para Secretariado 4. AMBIENTE INTERNET UFSC Prof.: Achilles Colombo Prudêncio 4. Ambiente Internet UFSC 4.2. Utilização de Recursos da Internet O uso dos recursos da Internet vem sendo comentado sempre, em todos os tópicos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Preparatório INSS. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 4. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 5. E. Errado QUESTÃO 6

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Preparatório INSS. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 4. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 5. E. Errado QUESTÃO 6 Questões sobre Vírus e Anti-Vírus aula 20/04/16 gabarito: www.miqueiasfernandes.com.br identificar as falhas de segurança existentes nos sistemas operacionais para contaminar computadores de empresas e

Leia mais

Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos

Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos Ameaças Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos Demonstração de poder Motivos Busca por prestígio Motivações financeiras Motivações ideológicas Motivações comerciais Processo de Ataque Exploram

Leia mais

REDES. Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos.

REDES. Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos. REDES Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos. TIPOS TIPOS LAN MAN WAN FUNCIONAMENTO DE UMA REDE TIPOS Cliente/ Servidor Ponto a ponto INTERNET Conceito 1.

Leia mais

Evolução dos Problemas de Segurança e Formas de Proteção

Evolução dos Problemas de Segurança e Formas de Proteção Evolução dos Problemas de Segurança e Formas de Proteção Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto.br Nic.br http://www.nic.br/ Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no

Leia mais

Ameaças a computadores. Prof. César Couto

Ameaças a computadores. Prof. César Couto Ameaças a computadores Prof. César Couto Conceitos Malware: termo aplicado a qualquer software desenvolvido para causar danos em computadores. Estão nele incluídos vírus, vermes e cavalos de tróia. Vírus:

Leia mais

Cartilha de Segurança da Informação Boas práticas para usuários

Cartilha de Segurança da Informação Boas práticas para usuários Cartilha de Segurança da Informação Boas práticas para usuários Tribunal Regional do Trabalho 13 a Região Núcleo de Tecnologia e Suporte Técnico NTST suporte@trt13.gov.br Versão 1.0 Autor: Rodrigo Mafra

Leia mais

Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA. CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br

Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA. CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br Agenda Segurança o que é? Informação o que é? E Segurança da Informação? Segurança da Informação na UFBA

Leia mais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores. Pragas Virtuais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores. Pragas Virtuais Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores Pragas Virtuais 1 Pragas Virtuais São programas desenvolvidos com fins maliciosos. Pode-se encontrar algumas semelhanças de um vírus de computador com

Leia mais

Verificação em duas etapas.

Verificação em duas etapas. <Nome> <Instituição> <e-mail> Verificação em duas etapas Agenda Senhas Verificação em duas etapas Principais tipos e cuidados a serem tomados Outros cuidados Créditos Senhas (1/4) Servem para autenticar

Leia mais

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras?

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? Conscientização sobre a Segurança da Informação Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? PROFISSIONAIS DE O que é Segurança da Informação? A Segurança da Informação está relacionada

Leia mais

Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel

Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel Tipos de pragas virtuais 1 Vírus A mais simples e conhecida das ameaças. Esse programa malicioso pode ligar-se

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet NIC BR Security Office nbso@nic.br Versão 2.0 11 de março de 2003 Resumo Esta parte da cartilha aborda questões relacionadas à fraudes

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Previous... 2 Golpes 3 Engenharia Social Manipulação psicológica de pessoas

Leia mais

USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL

USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL 1. OBJETIVO Estabelecer responsabilidades e requisitos básicos de uso dos serviços de Correio Eletrônico, no ambiente de Tecnologia da Informação da CREMER S/A. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Noções de Segurança na Internet. Seminário de Tecnologia da Informação Codevasf

Noções de Segurança na Internet. Seminário de Tecnologia da Informação Codevasf Noções de Segurança na Internet Conceitos de Segurança Precauções que devemos tomar contra riscos, perigos ou perdas; É um mal a evitar; Conjunto de convenções sociais, denominadas medidas de segurança.

Leia mais

Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235

Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235 Complemento - 1 Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235 Material desenvolvido com base no EDITAL Nº 1 INSS, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 - NOÇÕES DE INFORMÁTICA: 6 Noções básicas de segurança e proteção:

Leia mais

Segurança em Redes.

Segurança em Redes. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Redes Agenda Riscos Cuidados gerais a serem tomados Configurando o acesso Internet da sua casa Configurando uma rede Wi-Fi doméstica Cuidados: ao se conectar

Leia mais

Vírus é um programa. Sendo que este programa de computadores é criado para prejudicar o equipamento ou sabotar os dados nele existente.

Vírus é um programa. Sendo que este programa de computadores é criado para prejudicar o equipamento ou sabotar os dados nele existente. Segurança da Informação Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Engenharia Social Chama-se Engenharia Social as práticas utilizadas para obter acesso a informações importantes ou sigilosas em organizações

Leia mais

Aula Segurança. André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br. Política de Segurança da Informação - POSIC

Aula Segurança. André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br. Política de Segurança da Informação - POSIC Aula Segurança André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br Política de Segurança da Informação - POSIC http://www.nti.ufrpe.br/content/pol%c3%adtica-de-seguran%c3%a7a-da-informa%c3%a7%c3%a3o-e-comunica%c3%a7%c3%b5es-posic

Leia mais

Análise de Artefatos Maliciosos

Análise de Artefatos Maliciosos 12 Dario S. F. Filho 12 Luiz Otávio Duarte 1 Marcelo Carvalho Sachetin 1 Antonio Montes 1 1 CenPRA - Centro de Pesquisas Renato Archer DSSI - Divisão de Segurança de Sistemas de Informação 2 Unicamp -

Leia mais

MALWARE`S. Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho

MALWARE`S. Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho MALWARE`S Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho MALWARE O termo software; é proveniente do inglês malicious É destinado a se infiltrar em um sistema de computador alheio de forma ilícita, com o

Leia mais

Spywares, Worms, Bots e Boas Práticas de Segurança

Spywares, Worms, Bots e Boas Práticas de Segurança Spywares, Worms, Bots e Boas Práticas de Segurança Miriam von Zuben miriam@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasill Núcleo de Informação e Coordenação do

Leia mais

Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos

Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos Miriam von Zuben miriam@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br

Leia mais

Introdução a Gestão de Segurança da Informação. Professor Joerllys Sérgio

Introdução a Gestão de Segurança da Informação. Professor Joerllys Sérgio Introdução a Gestão de Segurança da Informação Professor Joerllys Sérgio A informação e sua importância para o negócio Os aspectos da geração de conhecimento a partir da informação são de especial interesse

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Ameaças 2 1 AMEAÇAS 3 Atacantes (Hackers) O hacker norueguês que ficou famoso por criar programas que quebram as proteções contra cópias de DVDs aparentemente atacou de

Leia mais

Aula 05. André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br. Política de Segurança da Informação - POSIC

Aula 05. André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br. Política de Segurança da Informação - POSIC Aula 05 André Aziz e Francielle Santos DEINFO UFRPE {andreaziz, francielle}@deinfo.ufrpe.br Política de Segurança da Informação - POSIC http://www.nti.ufrpe.br/content/pol%c3%adtica-de-seguran%c3%a7a-da-informa%c3%a7%c3%a3o-e-comunica%c3%a7%c3%b5es-posic

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO Bruno Santos RODRIGUES 1 Mário Augusto Andreta CARVALHO 2 RESUMO: A Segurança da Informação refere-se à proteção requerida para proteger as informações de

Leia mais

Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Objetivos Entender a necessidade de segurança da informação no contexto atual de redes de computadores;

Leia mais

Índice. 1. Conceitos de Segurança. 2. Navegando na Internet com Segurança. 3. Utilização do e-mail e programas de mensagem instantânea com segurança

Índice. 1. Conceitos de Segurança. 2. Navegando na Internet com Segurança. 3. Utilização do e-mail e programas de mensagem instantânea com segurança Índice 1. Conceitos de Segurança 1.1. O que é Segurança da Informação? 1.2. Cuidado com os vírus de computador 1.3. Dicas para manter o computador seguro 2. Navegando na Internet com Segurança 2.1. Fique

Leia mais

Índice. Ameaças à Segurança da Informação. Introdução. Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa. E-Mail. Como Identificar um Phishing Scan

Índice. Ameaças à Segurança da Informação. Introdução. Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa. E-Mail. Como Identificar um Phishing Scan www.bradesco.com.br Índice Versão 01-2007 Introdução 2 Ameaças à Segurança da Informação 12 Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa 3 E-Mail 14 Procuradores e Níveis de Acesso 6 Como Identificar

Leia mais

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Preservação da: confidencialidade: Garantia de que o acesso à informação seja obtido somente por pessoas autorizadas. integridade: Salvaguarda da exatidão

Leia mais

Conceitos relativos à proteção e segurança

Conceitos relativos à proteção e segurança Conceitos de proteção e segurança 1 Conceitos relativos à proteção e segurança Códigos Maliciosos (Malware) Código malicioso ou Malware (Malicious Software) é um termo genérico que abrange todos os tipos

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho

Prof. Demétrios Coutinho Prof. Demétrios Coutinho Hoje em dia a informação é o bem mais valioso de uma empresa/cliente. A segurança da informação é um conjunto de medidas que se constituem basicamente de controles e política de

Leia mais

INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET

INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET INTERNET => CONJUNTO DE REDES LIGANDO COMPUTADORES MUNDO A FORA. INTRANET => REDE

Leia mais

Cartilha de Segurança da Informação

Cartilha de Segurança da Informação Cartilha de Segurança da Informação Acesse e conheça: Cartilha de Segurança Índice: da Informação 1. Conceitos de Segurança 1.1. O que é Segurança da Informação? 1.2. Cuidado com os vírus de computador

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet Checklist

Cartilha de Segurança para Internet Checklist Cartilha de Segurança para Internet Checklist NIC BR Security Office nbso@nic.br Versão 2.0 11 de março de 2003 Este checklist resume as principais recomendações contidas no documento intitulado Cartilha

Leia mais

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br Segurança e Proteção da Informação Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br 1 Segurança da Informação A informação é importante para as organizações? Por que surgiu a necessidade de se utilizar

Leia mais

ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante. ICMS PI/2014: Resolução da prova de Informática Prof. Gustavo Cavalcante

ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante. ICMS PI/2014: Resolução da prova de Informática Prof. Gustavo Cavalcante ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante 1 de 12 Olá concurseiros, ICMS PI/2014: Resolução Hoje farei alguns comentários acerca da prova para a SEFAZ PI 2014. A prova

Leia mais

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Prof. Renato M. renato5150@hotmail.com Aula 2 São pequenos programas feitos geralmente em linguagem de máquina, e que possuem a característica

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 3 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 3 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 3 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais aspectos de segurança tanto no lado cliente quanto no servidor. Compreender as implicações de segurança individual

Leia mais

Segurança a da Informação Aula 03. Aula 03

Segurança a da Informação Aula 03. Aula 03 Segurança a da Informação 26/9/2004 Prof. Rossoni, Farias 1 Riscos envolvendo informações: O maior risco é crer que não há riscos Caruso & Steffen Os riscos agravaram-se após: a centralização da informação

Leia mais

Cartilha de. Segurança. da Informação. CARTILHA de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Cartilha de. Segurança. da Informação. CARTILHA de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Cartilha de Segurança da Informação SEGURANÇA CARTILHA de DA INFORMAÇÃO CARTILHA de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Julho de 2012 ÍNDICE Segurança da Informação 1. Conceitos de Segurança: 1.1. O que é Segurança

Leia mais

Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos

Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos Spywares, Worms, Bots, Zumbis e outros bichos Miriam von Zuben miriam@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet

Cartilha de Segurança para Internet Comitê Gestor da Internet no Brasil Cartilha de Segurança para Internet Versão 3.1 2006 Cartilha de Segurança para Internet Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil

Leia mais

Comitê Gestor da Internet no Brasil. Cartilha de Segurança para Internet

Comitê Gestor da Internet no Brasil. Cartilha de Segurança para Internet Comitê Gestor da Internet no Brasil Cartilha de Segurança para Internet Versão 3.1 2006 Cartilha de Segurança para Internet Versão 3.1 2006 Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança

Leia mais

Polícia Federal. 4 Segurança da Informação

Polícia Federal. 4 Segurança da Informação 4 Segurança da Informação Um computador (ou sistema computacional) é dito seguro se este atende a três requisitos básicos relacionados aos recursos que o compõem: confidencialidade, integridade e disponibilidade.

Leia mais

4 Segurança da Informação

4 Segurança da Informação 4 Segurança da Informação Um computador (ou sistema computacional) é dito seguro se este atende a três requisitos básicos relacionados aos recursos que o compõem: confidencialidade, integridade e disponibilidade.

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Política de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Segurança da Informação Prof. Dinailton Junho 2015 Goiânia

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação : a) Conceito b) Equipamentos c) Aplicações Criptografia, Redes de Computadores e Internet Recordar: TI; Hardware; Software; Redes de computadores; Computadores e redes de computadores ligados (Internet).

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Dicas de Segurança no uso de Computadores Desktops

Dicas de Segurança no uso de Computadores Desktops Universidade Federal de Goiás Dicas de Segurança no uso de Computadores Desktops Jánison Calixto CERCOMP UFG Cronograma Introdução Conceitos Senhas Leitores de E-Mail Navegadores Anti-Vírus Firewall Backup

Leia mais

PROFESSOR: Flávio Antônio Benardo E-mail: flavioufrpe@yahoo.com.br Vírus de computador

PROFESSOR: Flávio Antônio Benardo E-mail: flavioufrpe@yahoo.com.br Vírus de computador ESCOLA TÉCNICA DE PALMARES PROFESSOR: Flávio Antônio Benardo E-mail: flavioufrpe@yahoo.com.br Vírus de computador DEFINIÇÃO É um pequeno programa que se autocópia e/ou faz alterações em outros arquivos

Leia mais

Segurança em Computadores. GTI SEDU atendimento@sedu.es.gov.br

Segurança em Computadores. GTI SEDU atendimento@sedu.es.gov.br Segurança em Computadores GTI SEDU atendimento@sedu.es.gov.br Agenda Computadores Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Computadores (1/4) Computador pessoal grande quantidade de dados armazenados

Leia mais

i TIC 7/8 Segurança no computador Informação 7 Unidade 1 Utilização do computador em segurança

i TIC 7/8 Segurança no computador Informação 7 Unidade 1 Utilização do computador em segurança i TIC 7/8 Informação 7 Segurança no computador Unidade 1 Utilização do computador em segurança Malware Software Malicioso Malware: todos os programas maliciosos instalados num computador de forma ilícita

Leia mais

Proteção de dados e informação que possuem valor para uma pessoa ou empresa

Proteção de dados e informação que possuem valor para uma pessoa ou empresa Professor Gedalias Valentim Informática para Banca IADES Segurança da Informação Segurança da Informação Proteção de dados e informação que possuem valor para uma pessoa ou empresa 1 Segurança da Informação

Leia mais

Combater e prevenir vírus em seu computador

Combater e prevenir vírus em seu computador Combater e prevenir vírus em seu computador Definição de vírus, worms, hoaxes, Tróias e vulnerabilidades de segurança Instruções para remover e evitar vírus Vulnerabilidades do sistema e ameaças de segurança

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Atenção especial na proteção dos ativos de informação seus e da sua empresa. Autor: André Luis Regazzini, CSO, CISA, CISM, CGEIT Sócio IPLC 1 Segurança da Informação é: O que é

Leia mais

Informática em Teoria e Exercícios p/ FUNAI- Foco: ESAF e Similares Turma: 04 Aula 00 Aula Demonstrativa - Prof a.

Informática em Teoria e Exercícios p/ FUNAI- Foco: ESAF e Similares Turma: 04 Aula 00 Aula Demonstrativa - Prof a. Aula 00 Informática p/ FUNAI Aula Demonstrativa Segurança da Informação (Parte I) Professora: Patrícia Lima Quintão www.pontodosconcursos.com.br Prof a. Patrícia Lima Quintão 1 Aula 00 Aula Demonstrativa

Leia mais

GUIA DE TRANQÜILIDADE

GUIA DE TRANQÜILIDADE GUIA DE TRANQÜILIDADE NA INTERNET versão reduzida Você pode navegar com segurança pela Internet. Basta tomar alguns cuidados. Aqui você vai encontrar um resumo com dicas práticas sobre como acessar a Internet

Leia mais

Segurança na Informática

Segurança na Informática Navegar é preciso... Segurança na Informática Segurança Digital Navegar é Preciso Tipos de Vírus Tipos de Vírus Cuidados na Internet Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas

Leia mais