Documento, 19. Laerte Francisco Filippsen¹ Tiago Pellini². IAPAR, Londrina-PR. 2 Engenheiro Agrônomo, MSc, pesquisador da Área de Socioeconomia,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento, 19. Laerte Francisco Filippsen¹ Tiago Pellini². IAPAR, Londrina-PR. 2 Engenheiro Agrônomo, MSc, pesquisador da Área de Socioeconomia,"

Transcrição

1

2 Documento, 19 Laerte Francisco Filippsen¹ Tiago Pellini² 1 Médico Veterinário, Doutor, pesquisador da Área de Sanidade Animal, IAPAR, Londrina-PR. 2 Engenheiro Agrônomo, MSc, pesquisador da Área de Socioeconomia, IAPAR, Londrina-PR.

3 INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ VINCULADO À SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO Rodovia Celso Garcia Cid, km Fone: (043) Fax: (043) Cx. Postal LONDRINA-PARANÁ-BRASIL DIRETORIA EXECUTIVA Diretor-Presidente: Florindo Dalberto PRODUÇÃO Coordenação Gráfica: Gentaro Lauro Fukahori Arte-final: Sílvio Cézar Boralli Capa: Tadeu Kiyoshi Sakiyama Impresso na Área de Reproduções Gráficas Tiragem: 1200 exemplares Todos os direitos reservados ao Instituto Agronômico do Paraná. É permitida a reprodução parcial, desde que citada a fonte. É proibida a reprodução total desta obra. F483 Filippsen Laerte Francisco Cadeia produtiva do leite - prospecção de demandas tecnológicas do agronegócio paranaense / por Laerte F. Filippsen e Tiago Pellini. Londrina : IAPAR, p. ilust. (IAPAR. Documento, 19) 1. Leite-Aspectos sócio-econômicos. 2. Cadeias produtivas. I. Pellini, Tiago, colab. II. Instituto Agronômico do Paraná, Londrina, PR. Ml. Título. IV. Série. CDD AGRIS E

4 SUMÁRIO Pàg. INTRODUÇÃO 6 METODOLOGIA 10 FLUXOGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO PARANÁ 11 CARACTERIZAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO PARANÁ 14 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E ESTRUTURA FUNDIÁRIA DA PRODUÇÃO DE LEITE 14 CUSTO DE PRODUÇÃO E EVOLUÇÃO DO PREÇO DO LEITE E DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA ATIVIDADE LEITEIRA 20 CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE NO PARANÁ 20 EVOLUÇÃO DO PREÇO DO LEITE E DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA ATIVIDADE LEITEIRA 22 CARACTERIZAÇÃO DO SETOR AGROINDUSTRIAL DO LEITE NO PARANÁ 24 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E PRODUÇÃO DAS AGROINDÚSTRIAS 24 COMENTÁRIOS GERAIS SOBRE O AMBIENTE CONCORRENCIAL DO SETOR LEITEIRO 32 CUSTOS INDUSTRIAIS DE PRODUÇÃO DE LÁCTEOS NO PARANÁ 34 REGIME TRIBUTÁRIO VIA ICMS (IMPOSTO SQBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS) DISPENSADO AO LEITE E DERIVADOS NO PARANÁ 42 DISTRIBUIÇÃO DAS MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO PARANÁ 43 PONTOS CRÍTICOS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 45 CENÁRIO TENDENCIAL 47 CENÁRIO NORMATIVO 48 DEMANDAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE. 49 CONCLUSÕES. 51 BIBLIOGRAFIA 52 ANEXO 1 54 ANEXO 2 56

5 APRESENTAÇÃO As mudanças que estão ocorrendo nos setores econômico e tecnológico impõem crescente complexidade ao processo de planejamento das organizações - públicas e privadas - que atuam nas cadeias produtivas do agronegócio. Por essa razão, o Paraná, através da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, empreendeu o Estudo das Cadeias Produtivas do Agronegócio do Paraná, iniciado em 1995, sob coordenação do Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR. O Projeto abrangeu o estudo das Cadeias Produtivas dos principais produtos agropecuários do Paraná, entre os quais a de leite, com o objetivo principal de gerar uma base de informações para referenciar as políticas públicas e o planejamento das organizações públicas e privadas que atuam no agronegócio paranaense, entre elas as do Sistema de Agricultura. O estabelecimento de estratégias para atender aos interesses dos consumidores requer dos agentes, além de eficiência e qualidade, uma boa coordenação do sistema como um todo, tendo em vista que muitos aspectos da competitividade do leite são definidos "fora da porteira". O estudo do leite, procurou levantar os pontos críticos, atuais e potenciais, que impedem o atingimento desses objetivos. Também identificou oportunidades e nichos de mercado para os produtos lácteos. O estudo foi realizado por técnicos de várias disciplinas e instituições públicas e privadas do Estado do Paraná, utilizando-se de metodologia e estratégia específicas. Em especial participaram os técnicos da Secretaria de Estado e do Abastecimento - SEAB e da Empresa Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER-PR e pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR. O estudo enfatizou mais os aspectos relacionados aos sistemas de produção agropecuários. Ao estudar a cadeia produtiva do leite, foram identificadas demandas de três níveis: a) demandas de caráter tecnológico, cuja solução já foi desenvolvida em algum centro de pesquisa, mas que ainda não chegou ao usuário; b) demandas de caráter tecnológico, cuja solução ainda não foi desenvolvida pela pesquisa e c) demandas de caráter não tecnológico (leis, normas, tributos, crédito, infraestrutura, etc). O texto apresenta um conjunto de ações articuladas, que foram identificadas junto de grande parte dos atores consultados. Embora o setor de leite apresente, historicamente, um nível de organização dos atores acima daqueles verificados em outros produtos, as inovações tecnológicas e as mudanças recentes de mercado evidenciam a necessidade de se construir uma instância de coordenação dos interesses da cadeia no Paraná. Aspecto para o qual este estudo oferece uma contribuição significativa, em complemento a outros trabalhos já efetuados. ADELAR ANTÔNIO MOTTER Coordenador do Projeto Estudo de Cadeias Produtivas do Agronegócio do Paraná 5

6 INTRODUÇÃO A produção mundial de leite, em 1993, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), foi de 423,2 milhões de toneladas. No mesmo ano, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Brasil era o sétimo maior produtor mundial e maior produtor de leite na América Latina. Entretanto, a produtividade média brasileira correspondia a apenas um terço da produtividade média mundial, respectivamente, 784 litros/vaca/ano e litros/vaca/ano (SEAB/DERAL, 1993). O Estado do Paraná participou, em 1992, com aproximadamente 8% do total da produção brasileira de leite, sendo o quarto 3 maior produtor do País, antecedido por Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul (gráfico 1). A produtividade da bovinocultura de leite paranaense, em torno de litros/vaca/ano, embora superior à produtividade média nacional, também pode ser considerada baixa em relação aos padrões mundiais. 3 O expressivo crescimento da produção de leite em Goiás alterou esta posição nos últimos anos. Segundo o Anuário MILKBIZZ (1997), em 1995/96, Goiás participou com 11% da produção nacional, aproximando-se muito do segundo maior produtor, São Paulo. 6

7 Nas pequenas propriedades rurais a atividade leiteira desempenha um importante papel econômico, possibilitando a utilização de mão-de-obra familiar excedente e a entrada mensal de receita. Permite, ainda, que o produtor rural tenha uma reserva de valor de elevada liquidez (rebanho). Essas características amenizam as dificuldades financeiras de pequenos produtores ou, até mesmo, viabilizam a sua permanência no meio rural. Além disso, a produção de leite contribui na melhoria das condições de vida da própria família servindo como fonte alimentar. O leite e seus derivados também participam com uma fração substancial do faturamento do sistema cooperativista. No Paraná, a participação das cooperativas na produção comercializada de leite cresceu de 49% em 1980 para 70 % em 1991 (OCEPAR, 1992). Os produtores, salvo em algumas bacias leiteiras bastante diferenciadas (como nas regiões coloniais holandesa e alemã no Centro-Sul do Paraná), não são especializados. Segundo KREUZ (1988), a exploração leiteira tem, em grande parte dos estabelecimentos, um caráter secundário ou complementar dentro da propriedade, com baixa produtividade. Tal condição, associada a linhas de transporte extensas, implica em um alto custo unitário do leite produzido. Os custos de recolhimento do leite da propriedade até a plataforma industrial também são elevados, devido à produção espacialmente dispersa e com pequeno volume por unidade de exploração, onerando produtores - que pagam pelo frete - e agroindústrias, que precisam investir em infra-estrutura, como postos de resfriamento, para garantir o fornecimento e a qualidade do produto. A importância da produção de leite pode ser expressa pelo peso relativo do produto no valor da produção agropecuária do Paraná. Segundo o IAPAR/ASE, com base em dados do IBGE e SEAB/DERAL, em 1992, a produção de leite participou com 6,92% do VBP (Valor Bruto da Produção) agropecuária, em 1993 com 12,54% e em 1994 com 7,26% (exceto o valor da produção de lã, mel, casulos de seda e ovos). Em valores monetários, tal participação significou, respectivamente, R$ ,00; R$ ,00 e R$ ,00 (segundo IAPAR/ASE, em reais de 1995, utilizando índice IGP-DI sobre os valores nominais). 7

8 Quanto ao emprego gerado, pode-se fazer uma aproximação. Em 1993 foram ordenhadas, segundo a Pesquisa Pecuária Municipal do IBGE, vacas. Pela determinação de uso de mão-de-obra na atividade leiteira feita no Sistema de Acompanhamento de Custos de Produção de Leite no Paraná (EMATER, 1996), descrito no anexo 1, um equivalente-homem maneja um rebanho de 20 vacas em lactação em sistemas de exploração com baixa e média tecnologia, e de 25 em sistemas mais tecnificados. Pela estratificação realizada no referido trabalho, 95% dos produtores pertenciam aos sistemas 1 e 2 (baixa especialização na atividade leiteira). Portanto, considerando que cada equivalente-homem cuida de 20 animais e que o período médio de lactação é de 280 dias, estimar-se-ia em o número de equivalentes-homem ocupados na atividade leiteira no Paraná. Quanto ao perfil do trabalhador na atividade, pode-se destacar os seguintes aspectos: 1) nas pequenas explorações, a atividade utiliza a mão-de-obra familiar, em geral não remunerada, tendo papel secundário ou complementar na renda da propriedade; 2) nas explorações mais especializadas e de maior escala, a mão-de-obra é contratada, e recebe um salário médio superior ao dos trabalhadores de outras atividades agropecuárias, sendo crescente a prática do empregado ter uma participação na produção (estímulo à produtividade); 3) a utilização da mão-de-obra na atividade leiteira é relativamente mais estável dentro do ano quando comparada às atividades agrícolas e mesmo em relação a outras criações. Segundo relação de estabelecimentos obtida junto à Federação das Indústrias do Estado do Paraná - FIEP, em agosto de 1997, havia 198 empresas com atividade no setor lácteo, empregando trabalhadores. Destas empresas, 9 apresentavam mais de 100 empregados. As empresas com menos de 100 funcionários empregavam em média 13 pessoas. Segundo NAJBERG & VIEIRA (1996), a Indústria de Laticínios é um dos maiores geradores de emprego, na qual cada emprego direto criado determina 34 empregos indiretos. A tabela 1 mostra o destino da produção de leite no Paraná. Observa-se que a comercialização com outros países é irrelevante frente a produção total. No entanto, não houve disponibilidade de informações dos fluxos interestaduais de leite e lácteos, os quais acredita-se serem importantes. 8

9 Na tabela 2 é apresentado o consumo aparente de leite per capita anual no Estado do Paraná. Embora superior à média brasileira, este consumo ainda está abaixo dos 216 litros recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em resumo, a produção de leite no Paraná é social e economicamente importante. Como é típico dos setores que envolvem atividades primárias, convivem, na cadeia do leite, segmentos tradicionais e modernos. Alguns sistemas de produção são, de forma intensa, influenciados pelos fatores naturais e as tecnologias capazes de alterar esta condição exigem grandes mudanças na base produtiva; O projeto de prospecção das demandas tecnológicas da cadeia produtiva do leite no Paraná tem por objetivos: a) complementar a 9

10 identificação dos problemas relacionados com a atividade leiteira paranaense, subsidiando os diversos segmentos envolvidos na referida cadeia produtiva quanto a tomada de decisões; b) avaliar a cadeia produtiva sob os aspectos da sua eficiência, sustentabilidade, qualidade e eqüidade; c) construir os possíveis cenários futuros para a cadeia da atividade leiteira paranaense; d) identificar as principais demandas para o setor. METODOLOGIA O presente estudo fez parte do projeto "Estudo de Cadeias Produtivas para Prospecção de Demandas Tecnológicas do Agronegócio Paranaense", tendo como base metodológica o manual "Prospecção de Demandas Tecnológicas" (EMBRAPA, 1995). O trabalho enfatiza a caracterização dos sistemas de produção de leite e agroindústrias que atuam na produção de lácteos no Paraná. A localização espacial da produção de leite no Paraná e do rebanho leiteiro disponível (número de vacas ordenhadas) foi descrita, segundo as microrregiões homogêneas (MRHs), com base nos dados da Pesquisa Pecuária Municipal (IBGE, 1993). A produtividade média anual por vaca ordenhada, dada pela razão entre a produção total de leite e o número de vacas ordenhadas, foi tomada como indicador de especialização ou não das MRHs na atividade leiteira. Para a caracterização dos produtores de leite e determinação de tendências na atividade são analisadas, segundo os estratos de área total, com base nos dados dos Censos Agropecuários de 1970, 1980 e 1985, as seguintes variáveis: ocorrência da atividade, produção total, produção comercializada e produtividade por vaca ordenhada. Para análise dos custos dos sistemas de produção de leite adotou-se a planilha estadual (EMATER, 1996). As tendências recentes dos preços dos principais insumos utilizados para produção do leite in natura foram obtidos de PELLINI (1995), assim como as margens de comercialização de produtos lácteos selecionados. Os custos industriais dos principais derivados do leite foram levantados pela Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (OCEPAR) a partir de informações das agroindústrias cooperativas. 10

11 Os dados de custo industrial de lácteos foram obtidos através da OCEPAR, em consulta a seus associados, tendo alcançado grande representatividade em relação ao leite comercializado sob inspeção (cerca de 45% do volume estadual). O levantamento compreendeu o período de agosto a outubro de A identificação dos pontos críticos e as tendências para a atividade leiteira paranaense, apresentadas neste trabalho, foram obtidas, principalmente, a partir de informações secundárias, tais como os planos de ação dos Núcleos Regionais da SEAB de As demandas observadas foram classificadas em demandas tecnológicas e não tecnológicas, segundo critérios propostos pelo SEP - Sistema EMBRAPA de Planejamento (GOEDERT et al., 1994). As demandas tecnológicas podem ser do tipo 1 e 2; a demanda tecnológica tipo 1 (D1) é aquela cuja solução já se encontra disponível nas instituições de pesquisa, exigindo atividades complementares de. adaptação, desenvolvimento e extensão, enquanto a demanda tecnológica tipo 2 (D2), cuja solução não se encontra disponível, exige atividades de geração propriamente dita. As demandas não tecnológicas, ou de tipo 3 (D3), são aquelas cuja solução é dificultada por problemas de conjuntura e/ou estrutura do setor produtivo (preços defasados, deficiências na infra-estrutura, políticas públicas etc). As características do estudo, a utilização de dados secundários (quantitativos e qualitativos) e a constituição interinstitucional da equipe, para caracterizar e descrever o fluxo da cadeia produtiva do leite no Paraná, determinaram a formatação final do presente trabalho. FLUXOGRAMA DA CADEIA PRPDUTIVA DO LEITE NO PARANÁ Uma representação dos principais fluxos de bens e serviços da cadeia produtiva do leite entre os agentes diretamente envolvidos (segmentos da cadeia), bem como o ambiente institucional e organizacional, é apresentada na figura 1. As relações entre os segmentos Sistemas de Produção e Agroindústrias são pormenorizadas na figura 2, expressando ligações predominantes dos produtores especializados com cooperativas, grandes laticínios ou miniusinas, e dos produtores não-especializados na venda direta, pequenos laticínios e cooperativas. 11

12 12

13 13

14 CARACTERIZAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO PARANÁ DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E ESTRUTURA FUNDIÁRIA DA PRODUÇÃO DE LEITE A produção de leite, o número de vacas ordenhadas e a produtividade por vaca ordenhada das 40 microrregiões homogêneas do Paraná, em 1993, são apresentadas na tabela 3. 14

15 Destacavam-se na atividade leiteira as MRHs de Toledo, Francisco Beltrão, Pato Branco e Cascavel (localizadas no Oeste do Estado), Ponta Grossa (Centro-Sul), e Paranavaí, Umuarama, Astorga e Ivaiporã (Norte do Estado), participando juntas com aproximadamente 59% do volume estadual e 54% do total de vacas ordenhadas. As mais altas produtividades foram verificadas em MRHs do Centro-Sul e Sudoeste do Paraná, ou seja, nas microrregiões homogêneas de Ponta Grossa, Jaguariaíva e Pato Branco. A tabela 4 apresenta os principais municípios produtores de leite in natura no Paraná, em 1993, com destaque para o município de Castro. 15

16 A produção paranaense ocorre, predominantemente, nas pequenas propriedades: em 1985, 55% do leite produzido no Paraná teve origem em estabelecimentos com menos de 50 hectares; se considerados os menores de 200 hectares tal valor subia a 84% (IBGE, 1985). Entretanto, os estabelecimentos pertencentes aos estratos de área de 20 a menos de 50 hectares têm a maior participação na produção de leite, com aproximadamente um quarto (25%) do volume total (tabela 5). Em volume comercializado (venda de leite), no entanto, são aqueles com área de 100 a menos de 500 hectares que respondem pela maior parcela. Embora exista um grande número de produtores de leite a maioria não está integrada a uma cadeia (produtores não-comerciais), como observado pela diferença entre os números de informantes da atividade leite e informantes de venda de leite. Apesar da atividade leiteira destes produtores não ter relevância econômica sob a óptica da cadeia, apresenta uma importância sob o aspecto social e de qualidade de vida da família. Por outro lado, são produtores que têm potencialidade de integrar-se ao mercado, se estimulados, com pouco investimento. 16

17 17

18 A concentração dos produtores de leite em unidades com menos de 50 hectares decorre não da preferência pela atividade leiteira nas pequenas unidades, mas da concentrada estrutura fundiária (KONZEN, 1993). O autor calculou coeficientes de concentração 4 para mensurar a importância da atividade nos estratos de área, que são reportados na tabela 6. Quando o coeficiente é maior do que a unidade indica que há concentração na atividade. Os coeficientes de concentração para estabelecimentos menores do que 10 hectares são menores do que a unidade e os de menor freqüência na atividade leiteira, mostrando que a atividade leiteira não é preferencialmente praticada por estabelecimentos muito pequenos (KONZEN, 1993). Os estabelecimentos de área de 50 a menos de 500 hectares (estratos de 50 a menos de 100 e de 100 a menos de 500 ha) são os que possuem coeficientes de concentração mais altos. KONZEN (1993) refere-se ao fato de menos da metade dos estabelecimentos que se dedicavam à produção de leite (42%, 18

19 conforme a tabela 5) venderem o produto, o que indica o caráter secundário da atividade leiteira na maioria dos estabelecimentos. O autor infere então que tais produtores não adotam técnicas que implicam em custos monetários, mantendo a exploração leiteira com baixa produtividade e pequena escala. Essas condições determinariam que os custos diretos imputados ao produto fossem pequenos, mantendo os produtores na atividade. Conforme a tabela 7, pode-se constatar ainda que a proporção de estabelecimentos que comercializam leite e a escala dos mesmos aumentam com o tamanho dos estabelecimentos. Ou seja, nos estratos de maior área também é maior a proporção de estabelecimentos que vendem leite, bem como o volume de produção por estabelecimento. A participação do volume comercializado de leite no volume total produzido, segundo os Censos Agropecuários, passou de pouco mais da metade da produção (52%) em 1975, para 62% em Entretanto, esta modificação no destino da produção de leite em direção ao mercado foi ainda mais expressiva no qüinqüênio seguinte, 19

20 alcançando mais de três quartos (77%) da produção total em 1985 (IBGE, 1975; IBGE, 1980; IBGE, 1985). A tendência de aumento da participação do leite comercializado no volume total produzido está relacionada, pelos dados apresentados anteriormente, ao aumento na escala das explorações leiteiras. Como a produção total de leite aumentou, infere-se que a maior participação da fração comercializada refletiu num incremento do volume de leite disponível às indústrias e, portanto, de produtos lácteos aos consumidores. CUSTO DE PRODUÇÃO E EVOLUÇÃO DO PREÇO DO LEITE E DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA ATIVIDADE LEITEIRA CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE NO PARANÁ Os custos de produção de leite no Paraná, com base em EMATER (1996), são apresentados na tabela 8. A descrição dos sistemas de produção consta no anexo 1. Observa-se que os sistemas mais intensivos e de maior escala apresentam os menores custos totais de produção. Comparando-se estes custos com o preço médio recebido pelos produtores (R$ 0,23 por litro) verifica-se que apenas o sistema de produção altamente tecnificado (vacas em confinamento) apresenta custo total de produção inferior ao preço médio recebido. Os demais sistemas apresentam margens líquidas negativas. Deve ser ressaltado que existem substanciais diferenças regionais de preço do leite no Paraná, variando de R$ 0,14 a R$ 0,30 por litro no período de 1995 a Considerando apenas os custos variáveis, os quatro sistemas apresentaram margens brutas positivas, apresentando aumento significativo quando deduzidas deste custo as receitas com a venda de animais. O menor custo total unitário de produção dos sistemas mais tecnificados é explicado pela redução do custo fixo unitário do leite. 20

21 21

22 EVOLUÇÃO DO PREÇO DO LEITE E DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA ATIVIDADE LEITEIRA As taxas geométricas mensais de crescimento dos preços reais do leite e dos insumos no Paraná 5 de 1987 a 1992 são apresentadas na tabela 9. Os preços pagos pelos agricultores no Paraná pelos insumos relacionados à atividade leiteira tiveram uma tendência geral de queda no período, pois predominaram taxas geométricas de crescimento negativas. Somente os itens relacionados à sanidade {medicamentos, vacinas e carrapaticida), trator e semente de milho tiveram taxas geométricas de crescimento positivas (ou seja, seus preços tenderam a subir). Os preços dos principais insumos, isto é, aqueles relacionados a itens de custo com elevada participação no custo total de produção do leite, tiveram tendência de queda. Neste contexto estão os itens de alimentação, mão-de-obra, pastagens e silagem (exceto semente de milho híbrido), transporte do produto, máquinas e equipamentos (exceto trator). Mais importante, por terem participação significativa no custo, total, conforme as planilhas estudadas, foram as reduções nos preços das sementes para pastagens (azevém, aveia e brachiária), adubos e corretivos, farelo de trigo, ração balanceada, sais minerais e transporte do produto. No entanto, o preço médio recebido pelos produtores por litro de leite também teve uma tendência de redução, expressa pela taxa geométrica de crescimento mensal de -0,8413, ou seja, apresentando maior queda no preço do que grande parte dos insumos. 5 Os preços médios mensais pagos e recebidos pelos produtores do Paraná, utilizados para cálculo dessas taxas, foram fornecidos pelo Departamento de Economia Rural da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (SEAB/DERAL), compreendendo o período de janeiro de 1987 a dezembro de 1992.

23

24 CARACTERIZAÇÃO DO SETOR AGROINDUSTRIAL DO LEITE NO PARANÁ DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E PRODUÇÃO DAS AGROINDÚSTRIAS A distribuição espacial das agroindústrias no Paraná em 1992 é apresentada na tabela 10. Dentre as 94 unidades industriais de lácteos no Estado 6, 68 encontravam-se na região Norte (anexo 2), com capacidade instalada de 2,4 milhões de litros de leite/dia; 13 estavam na região Sul, com capacidade de processamento de 1,1 milhão de litros de leite/dia e 13 estabelecimentos encontravam-se na região Oeste, tendo capacidade de 630 mil litros/dia (SEAB/DERAL, 1993). O setor agroindustrial paranaense de lácteos caracteriza-se: 1) pela predominância de indústrias de laticínios na região norte, 60% delas particulares e principais processadoras do leite em subprodutos 7 (71% dos laticínios); no entanto, são as usinas de beneficiamento das cooperativas, nesta região e no Estado, que recebem o maior volume de leite cru; 2) concentração de grandes plantas industriais de lácteos no Sul, pertencentes às cooperativas. 6 Estabelecimento com inspeção federal (SIF) ou estadual (SIP); 7 Segundo o SERPA/MA, as indústrias de laticínios são de duas categorias: usinas de beneficiamento, que processam simultaneamente o leite recebido em leite fluido para consumo (pasteurteado, esterilizado), e fábricas de laticínios, que transformam todo o leite em derivados. 24

25 25

26 Ainda observa-se, com base nas informações da tabela 10, que existe elevada capacidade ociosa das unidades industriais de leite paranaenses o ano todo, mas a mesma é mais pronunciada no período de entressafra (de abril a agosto). Tal ociosidade nas agroindústrias pode ser considerada aceitável, segundo SEAB/DERAL (1993), tendo em vista a sazonalidade da produção e a elevada perecibilidade do leite. A destinação agroindustrial do leite in natura no Estado do Paraná, no ano de 1992, é apresentada na tabela 11. Cerca de 60% do leite recebido pelas agroindústrias foi destinado à pasteurização para consumo na forma fluida, 10% para a produção de leite em pó, 20% para fabricação de queijo, 1,6% para manteiga e 8,4% para outros derivados. As agroindústrias cooperativas processam a maior parte (88%) do leite pasteurizado. Segundo SEAB/DERAL (1993), os queijos mais fabricados foram os tipos prato, mussarela e petit suisse, com mais de 80% do volume industrializado. O queijo tipo prato é o mais consumido, com cerca de 80% do mercado. A mesma fonte considerava ainda que os queijos coloniais ou caseiros detinham uma participação de 15% do mercado estadual. A tabela 12 apresenta o recebimento de leite in natura e a comercialização de produtos lácteos pelas agroindústrias cooperativas paranaenses. A participação das cooperativas no recebimento do leite comercializado sob inspeção foi, no período de l990 a 1994, de aproximadamente dois terços do total. A maior parte do leite recebido por estas agroindústrias cooperativas foi destinado para a produção de leite pasteurizado (tipos B e C) e de queijos, sendo observado expressivo crescimento na fabricação do leite UHT (longa vida). 26

27 27

28 As tabelas 13 a 15 apresentam os fluxos externos de comercialização dos lácteos no Paraná. Como não há informação sobre os fluxos interestaduais de leite e produtos derivados, o Paraná aparece como um importador líquido de lácteos, segundo os dados da tabela 13. No entanto, se computados os volumes enviados para outras Unidades da Federação, especialmente São Paulo, supõe-se que as exportações superariam as importações. A tabela 14 apresenta as exportações paranaenses de produtos lácteos. O principal lácteo exportado para outros países, no período de 1992 a 1996, foi o doce de leite. Na tabela 15 observa-se a predominância do produto soro de leite nas importações paranaenses. 28

29 29

30 30

31 31

32 COMENTÁRIOS GERAIS SOBRE O AMBIENTE CONCORRENCIAL DO SETOR LEITEIRO A agroindústria leiteira no Brasil vem passando por uma rápida reestruturação, com concentração econômica (CIESU, 1994). Um exemplo é a entrada, pela primeira vez, de uma empresa multinacional no mercado de leite fluido, através da tecnologia do longa vida (UHT), modificando as regras de convivência entre as grandes empresas. Houve ainda um crescimento extraordinário do volume diário produzido de leite longa vida, que passou de uma média e 250 mil litros em 1992 para mais de 1,5 milhão de litros em 1993, com expectativa de chegar a 2,5 milhões de litros de leite longa vida em A competição das empresas laticinistas se dá sobretudo nos nichos de mercado relativos a produtos de alto valor agregado; no entanto, é perceptível uma mudança no comportamento das empresas, que promovem a competição no mercado de leite pasteurizado, anteriormente bastante regionalizado, com a entrada de leite longa vida. Segundo a Associação Brasileira de Produtores de Leite Longa Vida (PRODUÇÃO, 1996), a participação do longa vida no mercado de leite fluido passou de 25% em 1995 para 38% em 1996, com a expectativa de aumentar para 48% em Além da competição das grandes empresas entre si, o intenso aumento do número de miniusinas (que pasteurizam pequenos volumes de leite), no início da década de 90, também indica mudanças no lado da oferta de leite. As miniusinas são instaladas por um produtor ou associações de produtores, que procuram, através da venda do produto diretamente ao varejo ou ao consumidor, obter as margens de comercialização dos agentes tradicionais. A operação dessas pequenas unidades processadoras passou a ser possível com a alteração das normas higiênico-sanitárias. A Lei Federal nº 7889/89, de 23 de novembro de 1989 transferiu aos estados e municípios a inspeção e fiscalização sanitária e industrial de produtos de origem animal 8. A proposta de venda direta do leite tem como pressuposto, além das expectativas dos produtores aumentarem sua apropriação sobre o preço final do leite, segundo GORENSTEIN (1992), a não dependência em relação aos laticínios. 8 Sendo de jurisdição municipal quando o comércio se realiza no âmbito do próprio município ou 32 jurisdição estadual se for comércio entre municípios do Estado.

33 Mas o autor ressalta que, para a viabilização das miniusinas, requerse equipamentos de pasteurização para processar pequenos volumes de produção que satisfaçam as exigências sanitárias e de economicidade e, também, a implantação ou melhoria do serviço de inspeção local e regional. Com esta alteração institucional, á escala deixou de ser uma restrição aos iniciantes na agroindustrialização do leite. No caso do Paraná foi estruturado, pela Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (SEAB), um serviço estadual de inspeção de produtos vegetais e animais em 1991, o Serviço de Inspeção do Paraná (SIP). Em aproximadamente três anos de atuação (até agosto de 1994), o SIP registrou a instalação de 33 pequenos e médios estabelecimentos (miniusinas) que pasteurizam leite (CONTRA, 1994). Segundo a visão das cooperativas de leite e grandes empresas de laticínios, esses pequenos empreendimentos não seriam motivo de preocupação quanto à disputa do mercado, por não se caracterizarem efetivamente como concorrentes. No entanto, concordam que haverá uma evasão de fornecedores com o aumento das miniusinas. Para as cooperativas, esses estabelecimentos podem trazer vantagens ao produtor de leite apenas em termos de preços, mas não oferecem os benefícios do cooperativismo; e, ainda, tal empreendimento só é viável enquanto opera com capacidade limitada, pois à medida que começa a crescer passa a enfrentar as mesmas dificuldades com as quais se defrontam os grandes laticínios. A preocupação das cooperativas de leite com o mercado, aliás, tem resultado em ações para melhorar a eficiência do sistema. Apesar de ocorrer a integração de cooperativas leiteiras em centrais ainda na década de 70, não se efetivou uma prática integrada de trabalho entre as mesmas. Recentemente, cooperativas de leite do Norte do Paraná iniciaram a integração da etapa de comercialização dos seus produtos, visando reduzir os custos operacionais internos de cada empresa; segundo as análises técnicas precedentes, a comercialização conjunta reduziria em torno de 20% os referidos custos. A primeira fase deverá ser a integração na distribuição do leite. Posteriormente, passaria a ocorrer a reorganização do processamento, determinando a especialização das empresas na fabricação de um número restrito de produtos (COMERCIALIZAÇÃO, 1994). 33

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ESTRUTURA DE CUSTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NA REGIÃO SUL DO BRASIL¹

ESTRUTURA DE CUSTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NA REGIÃO SUL DO BRASIL¹ ESTRUTURA DE CUSTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NA REGIÃO SUL DO BRASIL¹ Tiago Pellini 2 Valter José Stülp³ RESUMO: As variações regionais observadas nos preços dos lácteos não são determinadas apenas

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país.

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país. A PRODUÇÃO DE LEITE COMO ALTERNATIVA PARA MELHORAR A RENDA DE PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: CONSIDERAÇÕES SOBRE A REALIDADE OBSERVADA NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL-PR COLAVITE, Mariana, USF/Pró-DEPPEC,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO BRASIL 1 Sebastião Teixeira Gomes Este artigo tem como objetivo analisar alguns aspectos da cadeia produtiva do leite no Brasil, com ênfase no

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Introdução Sebastião Teixeira Gomes 1 Este trabalho descreve alguns indicadores da realidade e projeta tendências da produção de leite no Brasil.

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 1 Introdução Sebastião Teixeira Gomes 2 De todas as cadeias produtivas do setor agropecuário, a que mais se transformou, nos últimos anos,

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Cultura - Análise da Conjuntura Agropecuária. Ano 2012/13 LEITE. Leite no Brasil

Cultura - Análise da Conjuntura Agropecuária. Ano 2012/13 LEITE. Leite no Brasil Cultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Ano 2012/13 LEITE Leite no Brasil O Brasil vem apresentando aumento gradativo na produção leiteira, desde 2008, quando bateu o recorde na exportação de produtos

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Renata Milani 1 Rosani Marisa Spanevello 2 Adriano Lago 3 Antonio Marcos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006

COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 COMPORTAMENTO DA PRODUÇÃO DE LEITE E EXPORTAÇÃO DE LÁCTEOS DO PARANÁ ENTRE 1996 E 2006 Área: Ciências Econômicas Alessandra Bragantine Tessaro Pesquisadora Sênior do Curso de Economia da UNIOESTE, Rua

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1 ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ Bartmeyer, T.N. 1 RESUMO O consumo da carne de cordeiro no Brasil está em expansão e hoje há uma demanda deste produto em restaurantes,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DOS PRODUTORES DE LEITE DA AGRICULTURA FAMILIAR E ANÁLISE DA INFORMALIDADE NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO Clauber ROSANOVA (1); Danilo de CASTRO RIBEIRO (2). (1) IFTO Campus Palmas,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS EJE- EXTENSIÓN, DOCENCIA E INVESTIGACIÓN PICOLI, Tony 1 ; ZANI, João Luíz 2 ; MARQUES, Lúcia Treptow 3 ; SCHUCH, Luís Filipe

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

Estudo do Custo de Produção do Leite na Província de Santa Fé (Argentina) e no Estado do Paraná (Brasil)*

Estudo do Custo de Produção do Leite na Província de Santa Fé (Argentina) e no Estado do Paraná (Brasil)* Estudo do Custo de Produção do Leite na Província de Santa Fé (Argentina) e no Estado do Paraná (Brasil)* Elza Hofer ** Pery Francisco Assis Shikida *** RESUMO O objetivo deste trabalho consiste no estudo

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados análise, a seguir, tem como objetivo apresentar a organização, o A perfil e o dimensionamento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, no Brasil, enfocando os principais

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

A Pecuária Leiteira em Goiás nos últimos anos

A Pecuária Leiteira em Goiás nos últimos anos Antonio Marcos de Queiroz 1 A Pecuária Leiteira em Goiás nos últimos anos Edson Roberto Vieira 2 Flavia Rezende Campos 3 Adriana Mendonça Rodrigues 4 Resumo: A pesquisa tem por objetivo demonstrar os principais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP Paola Mariano Profª Esp. Sílvia Panetta Nascimento FATEC Itapetininga SP Resumo: A cadeia produtiva do leite é uma

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

Produção de Leite na Agricultura Familiar

Produção de Leite na Agricultura Familiar Produção de Leite na Agricultura Familiar Rosangela Zoccal 1 Antônio Domingues de Souza 2 Aloisio Teixeira Gomes 1 José Luiz Bellini Leite 1 RESUMO Nesse estudo, foi analisada a situação dos produtores

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015 Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Florianópolis SC Junho - 2015 Fonte: SEAB/DERAL. Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB O Departamento de Economia Rural está localizado na

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O IAPAR e outras instituições de pesquisa dispõem de resultados experimentais, mostrando como aumentar a lotação das pastagens.

APRESENTAÇÃO. O IAPAR e outras instituições de pesquisa dispõem de resultados experimentais, mostrando como aumentar a lotação das pastagens. APRESENTAÇÃO Este útil e objetivo trabalho é um alerta aos pecuaristas da Região Noroeste do Paraná, no sentido de tornar mais produtivas suas propriedades. É a região pecuária mais importante do Paraná,

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO E EXTENSÃO RURAL AGRAER ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL LEITE

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO E EXTENSÃO RURAL AGRAER ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL LEITE GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO E EXTENSÃO RURAL AGRAER ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL LEITE MICRORREGIÃO DE GLÓRIA DE DOURADOS - MS (PRIMEIRA VERSÃO) Glória de

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1

CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1 CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 I. INTRODUÇÃO A análise da cadeia produtiva do leite será desenvolvida em quatro módulos: 1) Causas e efeitos das transformações recentes da cadeia

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Valores em US$FOB/litro (leite UHT) e US$FOB/kg (leite em pó) LEITE UHT INTEGRAL LEITE UHT DESNATADO

Valores em US$FOB/litro (leite UHT) e US$FOB/kg (leite em pó) LEITE UHT INTEGRAL LEITE UHT DESNATADO CIRCULAR Nº 17/99. A SECRETÁRIA DE COMÉRCIO EXTERIOR, DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, nos termos do Acordo sobre a Implementação do Artigo VI do Acordo Geral sobre Tarifas

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

agropecuário e a regularização fundiária no âmbito do Estado de Rondônia, assim faz-se necessário criar

agropecuário e a regularização fundiária no âmbito do Estado de Rondônia, assim faz-se necessário criar GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA MENSAGEM N 214,DE25 DE NOVEMBRO DE 2009. EXCELENTÍSSIMOS SENHORES MEMBROS DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA: Tenho a honra de submeter à elevada apreciação e deliberação

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar ISSN 1516-41XX Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar 32 Introdução Economistas rurais, administradores e zootecnistas elaboram diversas planilhas de custo de produção

Leia mais