Norma Técnica SABESP NTS 068

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma Técnica SABESP NTS 068"

Transcrição

1 Norma Técnica SABESP NTS 068 Medidor de vazão ultrassônico tipo CLAMP-ON Especificação São Paulo Revisão 02 - Agosto / 2012

2 NTS 068 : 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO GENERALIDADES Abreviaturas Denominações Sistema de unidades REQUISITOS GERAIS Condições do ambiente Documentos CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Configuração do equipamento Condições de processo Dispositivo primário de medição (medidor) Dispositivo secundário de medição (conversor) Características elétricas Proteção contra surtos de tensão CONTROLE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR ENSAIOS, INSPEÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE Ensaios de recebimento Calibração FERRAMENTAS ESPECIAIS TRANSPORTE OPERAÇÃO E ACEITAÇÃO PRAZO DE ENTREGA GARANTIA INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 6 ANEXO A - Folha de dados a ser preenchida pelo requisitante da Sabesp... 8 ANEXO B - Folha de dados a ser preenchida pelo proponente /08/2012

3 Norma Técnica SABESP NTS 068 : 2012 Revisão2 Medidor de vazão ultrassônico tipo CLAMP-ON 1 OBJETIVO A presente Norma tem por objetivo descrever as características técnicas e demais condições necessárias para fornecimento de medidor de vazão ultrassônico tipo clampon para utilização em água bruta, água tratada e efluentes. 2 GENERALIDADES O equipamento deve ser como especificado aqui, sendo que todas as discrepâncias entre as especificações contidas nesta norma e o padrão do Proponente, devem ser claramente listadas na proposta, estando sua aceitação sujeita à análise da Sabesp. A adequada seleção de materiais para o equipamento é de exclusiva responsabilidade da Contratada. Quando for indicado um material para determinado componente, este deve ser entendido como preferencial e de padrão de qualidade mínimo aceitável para Sabesp. É obrigatório à Contratada indicar materiais equivalentes ou superiores aos listados. 2.1 Abreviaturas ABNT AISI INMETRO IP ISO NBR NTS RS Sabesp SI - Associação Brasileira de Normas Técnicas - American Iron and Steel Institute - Instituto Nacional de Metrologia - International Protection (índice proteção interna de cabos/equipamentos) - International Organization for Standardization - Norma Técnica Brasileira - Norma Técnica Sabesp - Recommended Standart (padrão recomendado de comunicação serial) - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sistema Internacional de Unidades. 2.2 Denominações Nesta norma os termos a seguir terão os seguintes significados: Sabesp: requisitante, comprador ou contratante; Proponente: empresa que apresenta proposta para o fornecimento dos equipamentos ou serviços; Contratada: empresa a quem é confiado o fornecimento dos equipamentos ou serviços; Fornecedor: empresa que fornece de matéria-prima, peças, equipamentos ou serviços à contratada; Fabricante: empresa que fornece matéria-prima, peças ou equipamentos a serem fornecidos, por ela ou por terceiros, à contratada; Inspetor: pessoa ou organização contratada pela Sabesp para inspeção de provas, testes e ensaios das peças e dos equipamentos a serem fornecidos; Clamp-on : sensor sem contato com o fluido, conectado externamente à tubulação por abraçadeira; Norma Técnica Sabesp: documento técnico oficial da Sabesp que define, padroniza e divulga, procedimentos, especificações, métodos de ensaio e características para produtos e serviços de aplicação corporativa, dentro do campo da engenharia. 20/08/2012 1

4 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP 2.3 Sistema de unidades Todas as unidades de medida adotadas devem, obrigatoriamente, constar do Sistema Internacional de Unidades ( SI ) ou serem abrangidas pelo decreto-lei n.º de 22 de Fevereiro de 1968 e n.º de 12 de Setembro de REQUISITOS GERAIS 3.1 Condições do ambiente a) Temperatura: máxima de 50ºC; mínima de -10ºC. b) Umidade relativa do ar: Acima de 95 % para o dispositivo primário de medição (medidor); Até 80 % para o dispositivo secundário de medição (conversor). c) Possibilidade de exposição a ambiente contendo gases corrosivos (ver item A2 anexo A). 3.2 Documentos Devem ser encaminhados à Sabesp os seguintes documentos finais: a) Manual de instruções, operação e manutenção em 2 vias, preferencialmente em Português, sendo aceitável também Espanhol ou Inglês; b) Certificados de calibração dos instrumentos utilizados nos ensaios do medidor em 2 vias; c) Certificado de calibração do medidor. 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 4.1 Configuração do equipamento Medidor ultrassônico de vazão composto de um par de sensores como dispositivo primário de medição e um dispositivo secundário de medição (conversor). O fornecimento deve ser completo, incluindo todos os acessórios, ferramentas especiais. 4.2 Condições de processo a) Temperatura ambiente: -10ºC a +50ºC; b) Temperatura do processo: verificar Anexo A item A 5; c) Outras condições conforme definido no Anexo A, itens A2 e A Dispositivo primário de medição (medidor) Descrição básica Um par de sensores ou mais, encapsulados por material isolante, que transmitem e recebem os sinais sob o comando do dispositivo secundário de medição (conversor) Corpo do sensor a) Material: plástico, resina, ou outro material que permita utilização do equipamento em linhas de aço inox, aço-carbono, ferro fundido, plástico (PVC), concreto e cerâmica. b) Temperatura: conforme o especificado no Anexo A item A 4. c) Montagem: 2 20/08/2012

5 Norma Técnica SABESP NTS 068: 2012 Revisão 2 - Externa à tubulação clamp-on, com todos os acessórios para a fixação do sensor à tubulação. - Os acessórios mecânicos para a fixação dos sensores à tubulação devem estar inclusos no fornecimento do equipamento e devem atender as faixas de diâmetro externo de 100 mm a 2500 mm. - A pasta condutiva também deve fazer parte do fornecimento, sendo em quantidade suficiente para 100 aplicações no mínimo. - Um medidor de espessura para as tubulações deve ser fornecido com o medidor, caso este não possua um embutido. d) Dimensões físicas: o sensor deve ter uma dimensão física que permita a sua instalação em tubulações com diâmetro externo na faixa de 100 mm à 2500 mm, exceto se especificado de forma diferente no item A 7 do anexo A. e) Espessura da parede do tubo: o medidor deve garantir funcionalidade nas condições de exatidão dentro das especificações da Contratada, quando a espessura da parede da tubulação for menor ou igual a 50 mm. Importante: O comprimento desejável dos cabos de conexão dos sensores é de 25m. Valores menores, de acordo com as limitações da Contratada. 4.4 Dispositivo secundário de medição (conversor) Generalidades O conversor deve ser microprocessado e programável no local, para as funções de vazão, totalização, alarmes e sinais de saída Requisitos básicos do conversor: a) Deve possuir um totalizador de vazão com integração digital em unidades do SI, com no mínimo seis dígitos; b) Deve possuir display frontal alfanumérico. c) A parametrização do conversor deve ser realizada através de teclado alfanumérico localizado na parte frontal do mesmo, ou através de programador de mão, utilizandose da comunicação remota Funções que devem ser obrigatoriamente incorporadas ao conversor: a) Deve possuir senha de segurança para que a programação do medidor seja feita apenas por pessoas autorizadas; b) Deve possuir menu de auto-diagnóstico de falhas, além de um contato de saída que permita identificar a ocorrência de um problema interno (sinal para alarme); c) Deve possibilitar indicação de vazões no sentido direto e reverso; d) Deve possuir indicação de vazão instantânea em unidades do S.I. (m³, litro) / (hora, minuto, segundo); e) Condições de zero e "span" não interativos. f) Protocolo de comunicação (ver anexo A) Características metrológicas a) Rangeabilidade: no mínimo 30:1; b) Exatidão: o medidor deve ser selecionado de modo a garantir uma exatidão de leitura melhor ou igual a ±2% para medição de água e ±5% para medição de efluentes; c) Repetitividade: deve ser melhor ou igual ±0,5% da vazão. 20/08/2012 3

6 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP 4.5 Características elétricas Sinais de saída a) Deve possuir um sinal de saída de 4 20mA, corrente contínua proporcional à vazão; b) Deve possuir um sinal de saída de pulso com variação de frequência proporcional à vazão; c) Deve possuir comunicação remota via RS 232C ou RS 485; d) Deve possuir saída para alarme de vazão alta e baixa (configurável) Característica de alimentação a) O conversor deve operar em 24 Vcc, com tolerância máxima de ±20%, sendo este o padrão Sabesp, exceções ver anexo A, item A4; b) O sistema de falta de energia quando solicitado, deve atender ao especificado no item A 4.2 do Anexo A e que atenda às seguintes características: - mantenha o conjunto (dispositivo primário + dispositivo secundário de medição) operando por no mínimo 8 horas de falta ininterrupta de energia elétrica. - a tensão de alimentação do sistema de falta de energia deve ser 110 ou 220 Vca, conforme especificado no item A 4.2 do anexo A. - o sistema de falta de energia deve ter uma tensão de saída que atenda a tensão de entrada do dispositivo secundário de medição, conforme especificado no item A 4.2 do Anexo A. c) A tensão de saída do sistema de falta de energia deve ter uma tolerância máxima de ± 20%. Obs. 1: A utilização do sistema de falta de energia pode ser desconsiderada somente quando a Sabesp optar pelo não fornecimento, de acordo com a planilha de compra e anexo A. Obs. 2: É importante salientar que os itens A 4.1 e A 4.2 do Anexo A são complementares e devem ser observados atentamente. 4.6 Proteção contra surtos de tensão Para que a integridade do sistema de medição de vazão seja garantida é recomendável o emprego de protetores dedicados contra surtos de tensão para as interligações do medidor, envolvendo alimentações e sinais. O Proponente deve considerar em sua proposta os protetores adequados ao seu equipamento, considerando características da instalação. Deve tomar como referência o Manual Orientador SPDA: 2011 Proteção contra descargas atmosféricas Proteção contra surtos, documento disponível no Portal Corporativo da Sabesp, na página da Superintendência de Desenvolvimento Operacional; Engenharia de Operação; Automação; Padrões de Automação. 5 CONTROLE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR 5.1 Na fase de apresentação da proposta técnica, os licitantes devem apresentar um dossiê com a descrição de seu controle de qualidade. 5.2 O dossiê deve descrever procedimentos que garantam a aplicação de técnicas adequadas na construção de equipamentos e que assegurem que o produto esteja de acordo com as condições estabelecidas nesta norma. 5.3 A Proponente deve mencionar o controle de qualidade no recebimento de serviços e materiais dos seus fornecedores. Deve ainda informar como são tratadas as discrepâncias. 4 20/08/2012

7 Norma Técnica SABESP NTS 068: 2012 Revisão No ato de entrega do medidor, a contratada deve apresentar um "Data Book" contendo toda documentação relativa ao equipamento fornecido e demais documentos integrantes desse fornecimento (por exemplo: folha de dados, relatório de ensaios, certificado de ensaio de materiais, desenhos certificados, etc.), conforme estabelecido no pedido de compra. 6 ENSAIOS, INSPEÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE 6.1 Ensaios de recebimento Os ensaios de recebimento devem ser feitos para assegurar ao usuário a aquisição de um produto dentro das características funcionais e que possa atender aos requisitos de uso ao qual ele se destina Os ensaios funcionais devem ser realizados nas dependências da Sabesp, em local onde possa ser comprovada a condição de funcionamento do equipamento A realização dos ensaios deve ser feita na fase de entrega dos medidores à Sabesp e a sua aceitação, para efeito de faturamento, está sujeita aos testes de verificação funcional, descritos nesse subitem Caso o medidor não atenda aos requisitos dos testes de verificação funcional, a Contratada deve fazer a substituição do equipamento por outro que atenda as condições, sem ônus à Sabesp Na impossibilidade de realização dos testes nas dependências da Sabesp ou caso os resultados não tenham contemplado as condições mínimas de funcionamento do equipamento, a Contratada ou a Sabesp podem requerer a realização dos testes em laboratório onde os equipamentos de calibração sejam verificados metrologicamente com padrões rastreados por laboratórios credenciados pelo INMETRO, ou por laboratório referencial de vazão acreditado internacionalmente Os testes de verificação funcional compreendem a verificação de: a) Aspectos visuais do equipamento; b) Aspecto funcional elétrico; c) Aspecto funcional elétrico e metrológico (vazão, totalização) O teste metrológico, quando realizado pela Sabesp, deve ser feito utilizando-se um medidor ou padrão referencial calibrado e rastreado por laboratório referencial de vazão acreditado internacionalmente ou pelo INMETRO. - Deve-se então realizar um teste comparativo deste medidor rastreado com o medidor adquirido. - Os dados dos dois medidores devem ser armazenados em Data Logger para posterior análise estatística. - O intervalo de tempo de coleta dos dados é de 5 segundos, exceto se especificado diferente. - Os pontos de vazão a serem checados (quando possível) são 0%,10%, 25%, 50%, 75% e 100% da faixa de trabalho da bancada de teste. - A quantidade mínima de dados para análise são 30 valores por ponto. Para estas condições de testes, a incerteza não deve ser superior a 8% do valor da vazão para medidores tipo Tempo de Trânsito e 10% do valor da vazão para medidores tipo Doppler. Obs. 1: A bancada de teste deve permitir a condição de operação do medidor Doppler ou de Tempo de Trânsito e a Contratada ou fabricante deve concordar com o processo e acompanhar a realização dos testes, para que não haja dúvidas quanto aos resultados finais obtidos. Se alguma dúvida for levantada quanto às 20/08/2012 5

8 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP condições da bancada, a Contratada deve proceder conforme descrito no 5º parágrafo, do item 6.1 desta norma e custear os testes. Obs. 2: Quando os testes forem realizados por um órgão reconhecido internacionalmente ou delegado pelo INMETRO, seguir a metodologia específica do referido órgão. 6.2 Calibração a) Cada medidor fornecido para a Sabesp deve vir acompanhado do seu certificado de calibração. b) O acessório utilizado para as medições da espessura da tubulação também deve vir acompanhado do seu certificado de calibração. c) A calibração deve ser realizada em bancadas de calibração, verificadas metrologicamente com padrões rastreados por laboratório credenciado pelo INMETRO, ou por laboratório referencial de vazão acreditado internacionalmente. 7 FERRAMENTAS ESPECIAIS Caso os medidores necessitem de ferramentas especiais para montagem, manuseio ou manutenção, estas devem fazer parte do fornecimento. 8 TRANSPORTE Os medidores devem ser transportados pela Contratada e entregues no(s) endereço(s) definido(s) pela Sabesp. O seguro do transporte é de responsabilidade da Contratada. 9 OPERAÇÃO E ACEITAÇÃO 9.1 A aceitação final do equipamento está condicionada à perfeita operação do mesmo e livre de problemas operacionais de desempenho. 9.2 A Contratada deve corrigir de imediato todas as falhas constatadas durante a operação do equipamento, e sem qualquer ônus adicional à Sabesp. 10 PRAZOS DE ENTREGA Deve ser mencionado na proposta o prazo de entrega (em dias), preferencialmente atendendo cronograma definido pela Sabesp. 11 GARANTIA A Contratada deve garantir os equipamentos assim como qualquer dos seus componentes, pelo prazo de 12 meses a partir da data de entrada em operação, ou 18 meses a partir da data de entrega, prevalecendo o prazo que expirar primeiro. 12 INFORMAÇÕES TÉCNICAS 12.1 A proposta deve conter uma descrição técnica do fornecimento, suficientemente completa e detalhada de modo a propiciar o seu amplo conhecimento para a seleção de alternativas e confronto ou complementação ao conteúdo desta norma técnica. 6 20/08/2012

9 Norma Técnica SABESP NTS 068: 2012 Revisão Detalhes em desacordo com o especificado, em conseqüência de técnicas próprias de fabricação do Proponente, devem ser relacionados e descritos, e sua aceitação fica sujeita à análise da Sabesp A proposta entregue à Sabesp para o processo licitatório deve conter: a) Catálogo e publicações técnico-comerciais dos equipamentos; b) Desenho esquemático de instalação e curvas de desempenho dos medidores; c) Cronograma de fabricação, indicando todas as fases do fornecimento; d) Documentos solicitados no item 5 desta norma; e) Documentos relativos ao laboratório de vazão, abrangendo os certificados de calibração de todos os instrumentos que fazem parte direta ou indiretamente do processo de calibração dos medidores a serem adquiridos, tais como: tanques, medidores Master se forem utilizados, tubos e instrumentação auxiliar; f) Folha de dados (Anexo B) preenchida pela Proponente; g) Descrição técnica dos equipamentos e de seus detalhes construtivos, e confronto da proposta às exigências desta Norma, ao menos ressaltando os itens em desacordo e declarando os demais em total conformidade a elas; h) Outros documentos e informações, a critério do Proponente, que proporcionem um melhor conhecimento dos equipamentos propostos. 20/08/2012 7

10 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP ANEXO A - Folha de dados a ser preenchida pelo requisitante da Sabesp Folha de dados do requisitante Deve ser preenchida pelo requisitante da Sabesp e entregue junto com pedido de compra. A1 Tipo: Tempo de Trânsito (água tratada, água bruta) Doppler (efluente) Tecnologia que permita a medição de água tratada e efluente simultaneamente A2 Atmosfera corrosiva? ( sim / não); Quais gases? (listar): A3 Materiais possíveis do conduto de medição para a aplicação requerida: a) Condição Geral: Aço inoxidável Ferro fundido Aço-carbono Plástico (PVC) b) Condição específica (depende do fabricante, pois existem medidores que não conseguem medir em tubos com estes materiais, portanto, assinale apenas se for realmente de seu interesse.): cerâmica. concreto. outros informar : A4 Alimentação do dispositivo secundário de vazão (conversor): A 4.1 a) C.A. 110 Vca/60 Hz 220 Vca/60 Hz b) C.A. c) C.C. 24 Vcc 110 Vca/60 Hz com No Break e baterias ( Obs.1 e 2 ) 220 Vca/60 Hz com No Break e baterias ( Obs.1 e 2 ) d) C.C. 24 Vcc com Carregador comutador e baterias (Obs. 3) Obs. 1: O fornecimento do No Break não será necessário, apenas se o equipamento já possuir um No Break interno com autonomia mínima de 8h, mesmo que a SABESP tenha optado pelo seu fornecimento. Obs 2: O No Break deve ter saída senoidal. Obs 3: O fornecimento do Carregador comutador e baterias não será necessário, apenas se o equipamento já possuir um Carregador comutador e baterias. 8 20/08/2012

11 Norma Técnica SABESP NTS 068: 2012 Revisão 2 A.4.2 Tensão de alimentação do Sistema de falta de energia (apenas se houver opção pelo mesmo): a) C.A. 110 Vca/60Hz (entrada) e 24 Vcc (saída) (carregador comutador). b) C.A. 220 Vca/60Hz (entrada) e 24 Vcc (saída) (carregador comutador). c) C.A. 220 Vca/60Hz (entrada) e 110 Vca/60Hz (saída) ( No Break ). d) C.A. 220 Vca/60Hz (entrada) e 220 Vca/60Hz (saída) ( No Break ). Obs. 4: Se a opção recair sobre os item A3.2 c ou d, a escolha da alimentação do conversor (item A3.1) deve ser o subitem b. O No Break deve ter saída senoidal. Obs. 5: Os itens A 3.1 b) e d) e o item A3.2 não têm efeito apenas se o medidor possuir No Break ou carregador comutador interno com autonomia mínima de 8h00 com a carga. A5 Temperatura máxima da tubulação do processo: 0 à 80 C maior que 80 C especificar: C A6 Acessórios: a) Medidor de espessura de tubulação exceto se já for parte integrante do medidor de vazão ultrassônico. b) Data Logger com Software para aquisição e tratamento dos dados de vazão, exceto se já for parte integrante do medidor de vazão. c) Comunicação remota via interface RS 232 ou RS 485. A7 Diâmetros de tubos onde se pretende utilizar o medidor (ver item d) desta Norma: a) Mínimo diâmetro a ser medido: (mm) b) Máximo diâmetro a ser medido: (mm) c) Minha aplicação está dentro da faixa contida no item 5.3.2, d) desta Norma. A8 Proteção contra surtos de tensão: a) - alimentação do conversor. b) - sinal de saída ( 4 20 ma )/ saída de frequência. c) - nenhuma proteção. A9 Protocolo de comunicação: Modbus Hart Nenhum Nota: 20/08/2012 9

12 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP ANEXO B - Folha de dados a ser preenchida pelo proponente Folha de dados da Proponente Deve ser preenchida pela Proponente, obrigatoriamente, e entregue junto com os documentos do processo licitatório, conforme item 12 dessa norma. B1 Nome do Proponente: B2 Nome do Fabricante: B3 Nosso medidor é do tipo: a) Tempo de trânsito (água tratada, água bruta) b) Doppler (efluente) c) Tecnologia que permite a medição de água tratada e efluente simultaneamente B4 Atende Atmosfera corrosiva e os gases listados? ( sim / não) B5 Assinalar em que tipo de conduto é possível fazer a medição com o equipamento e colocar ao lado a espessura máxima em que ele mantenha as características operacionais especificadas pelo fabricante. Informar a espessura em mm Aço inoxidável: mm Aço-carbono: mm Ferro fundido: mm Plástico (PVC): mm Concreto: mm Cerâmica: mm outros informar : :- mm B6 Tensão de alimentação do Conversor: Vca: V Vcc: V B7 Consumo do conjunto Conversor + Sensor: VA B8Tensão de alimentação do Sistema de falta de energia : a) No Break com saída senoidal Sim - Tensão de entrada: Vca - Tensão de saída: Vca Não b) Carregador comutador Sim - Tensão de entrada: Vca - Tensão de saída: Vcc Não c) potência: VA. d) autonomia em carga: horas. B9 Proteção contra surtos de tensão: - na alimentação do conversor : Sim - Não /08/2012

13 Norma Técnica SABESP NTS 068: 2012 Revisão 2 - no sinal de saída ( 4 20 ma ) : Sim - Não. B10 A temperatura máxima da tubulação do processo que o nosso equipamento pode operar é: a) 0 à 80 C b) é mais ampla que esta; indicar a faixa: C à C c) é inferior a esta; indicar a faixa: C à C B11 Acessórios: a) Medidor de espessura: É parte integrante do equipamento. Não é parte integrante do equipamento e é fornecido no pacote, sendo que o mesmo se adapta perfeitamente ao nosso instrumento. Não é parte integrante do equipamento e não é fornecido no pacote. b) Data Logger com Software para aquisição e tratamento dos dados de vazão. É parte integrante do equipamento. Não é parte integrante do equipamento e é fornecido no pacote, sendo que o mesmo é perfeitamente compatível com o nosso instrumento. Não é parte integrante do equipamento e não é fornecido no pacote. c) Comunicação Remota via interface RS 232 ou RS 485: É parte integrante do equipamento. Não é parte integrante do equipamento e é fornecido no pacote, sendo que a mesma é perfeitamente compatível com o nosso instrumento. Não é parte integrante do equipamento e não é fornecido no pacote. d) A interface serial fornecida é: RS 232 RS 485 B.12 Protocolo de comunicação: Modbus Hart Nenhum NOTA: 20/08/

14 NTS 068: 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP Medidor de vazão ultrassônico tipo CLAMP-ON Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Diretoria Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Superintendência de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - TX Departamento de Normalização e Acervo Técnico - TXA Rua Costa Carvalho, CEP São Paulo - SP - Brasil e -mail : - Palavras Chave: medidor de vazão; ultrassônico; água; esgoto páginas Considerações finais: 1) Esta norma técnica, como qualquer outra, é um documento dinâmico, podendo ser alterada ou ampliada sempre que for necessário. Sugestões e comentários devem ser enviados a TXA Departamento de Acervo e Normalização Técnica 2) Tomaram parte na elaboração desta revisão DIRETORIA UNIDADE NOME M MAGG Adauto Luiz de S. Silva M MAGO Emerson I Yoshida M MAGO Rildo T Inaoka M MPOM Jorge Luis de Campos Bueno R ROP Carlos Alberto Ikeda Ribeiro T TOE Alexandre Magno Parente da Rocha T TXA Marco Aurélio Lima Barbosa 20/08/2012

Norma Técnica SABESP NTS 067

Norma Técnica SABESP NTS 067 NTS 067 Medidor de vazão eletromagnético para uso em efluentes Especificação São Paulo Revisão 1 - Agosto / 2001 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...1 3 GENERALIDADES...1 3.1 Abreviaturas...1

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16.

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SISTEMA ININTERRUPTO DE ENERGIA - NO-BREAK, PARA A SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO NORTE, PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 260, de 14

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário - Fornecedor Versão 1.2 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Fornecedor Versão 1.2 3 de agosto de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento de Tecnologia

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp CV - 43516/14 1 sabesp PLANILHA DE ORÇAMENTO Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...:

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

LANÇAMENTO CCK MAIS COMPACTOS;

LANÇAMENTO CCK MAIS COMPACTOS; LANÇAMENTO CCK Em substituição ao CCK 6700, CCK 6700GW, CCK 6800U e CCK 7160, a CCK AUTOMAÇÃO está lançando o CCK 6700E com as mais novas tendências do mercado: MAIS COMPACTOS; MULTIFUNCIONAL Em um único

Leia mais

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014.

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 18/04/13 ELABORAÇÃO: Andre VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA.

RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA. RESPOSTA A PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 009/2015 PREGÃO ELETRÔNICO N 003/2015 OBJETO: LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTO MÉDICO EMPRESA SOLICITANTE: EQUIPAMED EQUIPAMENTOS MÉDICOS

Leia mais

Modelo GC 2109 T. Família GC 2009 Microcontrolado Indicador Digital de Temperatura 1/8 DIN - 98 x 50mm

Modelo GC 2109 T. Família GC 2009 Microcontrolado Indicador Digital de Temperatura 1/8 DIN - 98 x 50mm Modelo T Família GC 2009 Microcontrolado 1/8 DIN - 98 x 50mm Os Indicadores Digitais de Temperatura da Família GC 2009 são instrumentos precisos e compactos, baseados na moderna tecnologia dos microcontroladores,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

A. LUMINÁRIAS LED UTILIZADAS NA PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

A. LUMINÁRIAS LED UTILIZADAS NA PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Metodologia para Credenciamento e Apuração de Conteúdo Local de Luminárias LED no Credenciamento de Fabricantes Informatizado CFI do BNDES para apoio financeiro a PPP de Iluminação Pública de São Paulo

Leia mais

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto.

Este produto está garantido contra defeito de fabricação por um período de 18 (dezoito) meses, a contar da data da nota fiscal de saída do produto. Parabéns por ter adquirido um dos produtos da Fertron, uma empresa que tem orgulho de ser brasileira, atendendo clientes em todo o território nacional e também em diversos países. Nossa meta é oferecer

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP

Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP Informações Gerais A linha de nobreaks TOP-DSP é um avançado Sistema Ininterrupto de Potência (UPS) do tipo on-line de dupla conversão (de acordo com a NBR 15014:2003),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Manual de Instruções. Posicionador e Incrementador Modelo PIS-01/72. Cód.: Frontal. Conexões Elétricas. Introdução

Manual de Instruções. Posicionador e Incrementador Modelo PIS-01/72. Cód.: Frontal. Conexões Elétricas. Introdução Introdução Características Técnicas O posicionador e incrementador Samrello é um equipamento utilizado para o comando de posicionamento dos eixos em máquinas e processos, em diversas áreas e aplicações.

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

MEDIÇÃO DE FATURAMENTO PARA CONSUMIDORES LIVRES (SMF)

MEDIÇÃO DE FATURAMENTO PARA CONSUMIDORES LIVRES (SMF) COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MEDIÇÃO DE FATURAMENTO PARA CONSUMIDORES LIVRES (SMF) JUNHO/2016 ÍNDICE 1 MEDIÇÃO DE FATURAMENTO PARA CONSUMIDOR LIVRE 1 1.1 Introdução

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações:

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6. PERGUNTA 1: Os itens 15 e 16 do termo de referência, referentes aos treinamentos, trazem as seguintes determinações: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 6 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016)

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) 1) O que é o SIMP? O SIMP Sistema de Informações de Movimentação de Produtos é o sistema institucional da

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

Primeira Bateria de Perguntas e Respostas (em razão do grande número de questionamentos, as respostas serão publicadas em duas Baterias)

Primeira Bateria de Perguntas e Respostas (em razão do grande número de questionamentos, as respostas serão publicadas em duas Baterias) Primeira Bateria de Perguntas e Respostas (em razão do grande número de questionamentos, as respostas serão publicadas em duas Baterias) Versão em português Pergunta 1: Tendo em vista as informações do

Leia mais

Transmissor de Pressão Submersível 2.75

Transmissor de Pressão Submersível 2.75 Folha de Dados Transmissor de Pressão Submersível 2.75 Geral Os transmissores de pressão da MJK foram desenvolvidos para medição de nível pela imersão do transmissor de pressão em tanques abertos, poços

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764. Manual do Usuário

Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764. Manual do Usuário Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764 Manual do Usuário A GPTRONICS está capacitada a fabricar produtos de excelente qualidade e oferecer todo o suporte técnico necessário, tendo como objetivo

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA )

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) MANUAL DE OPERAÇÃO PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) VERSÃO 4.04 RELÉ DE PROTEÇÃO TÉRMICA ( ANSI 23/26/49 ) CONTROLE

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO

PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 REGULAMENTO PROGRAMA DE ESTÁGIO CEMIG 2015 1- Introdução Regulamento O Programa de Estágio Cemig 2015 é uma iniciativa da Empresa e tem como objetivo preparar estudantes

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

Segue abaixo respostas aos questionamentos sobre o Pregão Eletrônico n 78/2014-SRP

Segue abaixo respostas aos questionamentos sobre o Pregão Eletrônico n 78/2014-SRP Prezada Pregoeira, PODER JUDICIÁRIO Segue abaixo respostas aos questionamentos sobre o Pregão Eletrônico n 78/2014-SRP 1. Item 8.7 do Termo de Referencia: 8.7 O monitoramento remoto de alarme deverá ser

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 184

Norma Técnica SABESP NTS 184 Norma Técnica SABESP NTS 184 Aços inoxidáveis austeníticos Critérios para escolha, recebimento e manutenção quanto a sua resistência à corrosão Especificação São Paulo Outubro - 2002 NTS 184 : 2002 Norma

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 1- Conceitos básicos 2-Portarias ANP & INMETRO 3- Desenvolvimento da tecnologia 4-Características comparativas

Leia mais

Registro de Preços IPLANRIO

Registro de Preços IPLANRIO À IPLANRIO Orientador Nº 354/2012 Equipamentos de contingência elétrica (UPS NOBREAK) e estabilizadores centrais para os órgãos da PCRJ Registro de Preços IPLANRIO Empresa Municipal de Informática IPLANRIO

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I MANUAL DO USUÁRIO Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152 Índice Capítulo Página Introdução 3 Termo de Garantia 3 Características Técnicas 4 Esquemas de Ligação 6 Saída Analógica

Leia mais

Medidores de energia e multimedidores digitais

Medidores de energia e multimedidores digitais Medidores de energia e multimedidores digitais Medição de Energia Elétrica Eficiência Energética Rateio de Energia Elétrica, Água e Gás Medição Horosazonal (Ponta e Fora de Ponta) Sistemas de Comunicação

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0289, de 10 de dezembro de 2013. Considerando o constante do Processo Inmetro nº 52600.032321/2013, resolve:

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0289, de 10 de dezembro de 2013. Considerando o constante do Processo Inmetro nº 52600.032321/2013, resolve: Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - Inmetro Portaria Inmetro/Dimel n.º 0289, de 10 de dezembro

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44 Versão: 1.xx / Rev. 03 ÍNDICE Item Página 1. Introdução... 02 2. Características... 02 3.

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

No-Break Monofásico Powerware 5125

No-Break Monofásico Powerware 5125 UNINTERRUPTABLE POWER SYSTEMS NoBreak Monofásico Powerware 5125 Dados Principais do Produto Características Sistema ABM Plus (Gerenciamento Avançado de Baterias), que dobra a vida útil das baterias Saída

Leia mais

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

TERMÔMETRO DIGITAL Digital Thermometer Termómetro Digital MT-401A

TERMÔMETRO DIGITAL Digital Thermometer Termómetro Digital MT-401A TERMÔMETRO DIGITAL Digital Thermometer Termómetro Digital MT-401A *Imagem meramente ilustrativa. Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE LOTE (SISTEMA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE LOTE (SISTEMA INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 06/03/2014 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA SÓCIO-GERENTE 2 / 12 1. OBJETIVO Este

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO ] CONVERSOR DE SINAL PARA CÉLULA DE CARGA (Versão 1.2 Out./10) 1 INDÍCE PÁG. 1 Garantia 3 2 Introdução 3 3 Instalação 3 4 Dados Técnicos 4 5 Alimentação Elétrica 4 6 Disposição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Campus São Francisco do Sul Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Campus São Francisco do Sul Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Pregão Eletrônico 152290.72015.14635.4450.711092844.972 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Campus São Francisco do Sul Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br Ao Senhor Nélson José Hübner Moreira Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica São Paulo, 7 de outubro de 2011 Carta Coex 219/2011 C/C: Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: General Electric Energy do Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar

Leia mais

Edital PPG-FÍSICA/UFPR nº 1/2016. Seleção de Candidatos ao Mestrado e ao Doutorado para o 1º Semestre de 2016

Edital PPG-FÍSICA/UFPR nº 1/2016. Seleção de Candidatos ao Mestrado e ao Doutorado para o 1º Semestre de 2016 Edital PPG-FÍSICA/UFPR nº 1/2016 Seleção de Candidatos ao Mestrado e ao Doutorado para o 1º Semestre de 2016 O Programa de Pós-graduação em Física da Universidade Federal do Paraná, em conformidade com

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44 Versão 0.xx / Rev. 03 Índice Ítem Página 1. Introdução... 02 2. Características...

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 440 5 de maio de 2015 Página 2 de 17 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 4. Definições / Siglas... 6 5. Cumprimento normativo...

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

Certificado de Qualidade do Etanol

Certificado de Qualidade do Etanol Manual do Usuário Qualidade Combustível INTRODUÇÃO. A proposta deste documento é orientar e esclarecer os agentes da cadeia Combustível na emissão do Certificado da Qualidade e no envio mensal de dados

Leia mais

SMR - Sistema de Medição Remota

SMR - Sistema de Medição Remota Data da 1 / 12 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI S 6. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 7. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS HIDROMÊTROS 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO Esse roteiro foi elaborado com base no disposto na Resolução CONAMA 316/2002 e na Norma Técnica CETESB E15.011. Apresentar estudo de análise de alternativas

Leia mais

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA

MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MISTURADOR E DIRECIONADOR DE ÁGUA MANUAL DE INSTRUÇÕES (UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO) MODELO: AMX-102 UT-1 PARABÉNS!!!! VOCÊ ACABOU DE ADQUIRIR UMA DAS MELHORES VÁLVULAS MISTURADORA E DIRECIONADORA DE ÁGUA.

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

CEMIG. Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital. 22.000-ER/SE-83 a DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES NÚMERO/REVISÃO

CEMIG. Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital. 22.000-ER/SE-83 a DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES NÚMERO/REVISÃO Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital c b a TES(53450-3) RMC(42208-9) 11/01/01 GEDOC Rev. Feito Visto Aprov. Data DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES FEITO VISTO APROV. TES (53450-3)

Leia mais

SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS

SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS SISTEMA CADASTRO INTEGRADO MANUAL DO USUÁRIO DAS ENTIDADES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, PREFEITURA E CORPO DE BOMBEIROS Abril / 2008 1 INDICE Objetivo do Sistema de Registro de Contribuinte na Junta Comercial...3

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 100 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 60 kva 75 e 100 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas 1ª Compilaça o de perguntas e respostas a du vidas referentes ao EDITAL 003/2015 CAPTAÇA O DE PROJETO DE P&D PARA O DESENVOLVIMENTO DE INOVAÇA O TECNOLO GICA A SER PROPOSTA PELA ELETRONORTE EM COOPERAÇA

Leia mais