Análise Comparativa de Processos de Melhoria Contínua

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Comparativa de Processos de Melhoria Contínua"

Transcrição

1 Análise Comparativa de Processos de Melhoria Contínua Guilherme de Almeida CONSULGES FORMAÇÃO, S A; Resumo A excelência empresarial é conseguida pelas práticas que se desenvolvem em três áreas criticas: gestão estratégica, desenvolvimento de produtos e melhoria contínua. Esta última só pode ser considerada como melhoria contínua se provocar impacto no desempenho global do sistema. O impacto de uma melhoria numa organização / empresa deve satisfazer três condições simultâneas: perspectiva sistémica, processo de melhoria contínua e ferramentas analíticas de apoio. O processo de melhoria contínua e as ferramentas analíticas de apoio desenvolveram-se no pós-guerra com o Sistema de Produção Toyota. No fim do século passado, com a Teoria dos Constrangimentos, Pensamento Lean e Seis Sigma, a divulgação e aplicação destes processos e ferramentas passaram a ser cada vez mais intensas. Aos decisores apresenta-se, por vezes, alguma dificuldade em identificar qual o processo e ferramentas que melhor se adaptam para se atingir o objetivo do sistema. Assim, iremos analisar cada um dos processsos de melhoria continua Seis Sigma, Gestão Lean e Teoria dos Constrangimentos identificando as suas características (para uma adequada seleção do processo) e as ferramentas mais eficazes para o sistema que se pretende melhorar. A análise focará os conceitos, os efeitos, as semelhanças e as diferenças para os três processsos, através dos seguintes pontos: a teoria de sustentação das práticas preconizadas, os principios base orientadores da aplicação de cada teoria, a meta que cada uma das teorias se propõe atingir, os pressupostos que condicionam a aplicação de cada teoria, o efeito primário da aplicação da teoria, os efeitos secundários que a aplicação da teoria gera e a identificação dos pontos fracos de cada uma das teorias. O objetivo da análise das três teorias é o de permitir identificar a que melhor se adapta ao objetivo, cultura e recursos do sistema em que se pretende implementar uma prática de melhoria continua para se obter um nível de excelência. Palavras-Chave: melhoria contínua; seis sigma; lean; teoria dos constrangimentos. CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 1

2 1 Introdução A procura da excelência foi uma atitude constante do homem nas suas mais diversas atividades, desde as discussões dos filósofos gregos que pensaram no ideal da excelência ou areté, até aos nossos dias na grande maioria das organizações. Excelência é a característica que distingue alguma coisa pela sua superioridade em relação aos semelhantes e enquadrada no contexto em que se insere. Na atividade económica, cada vez mais, o fazer bem à primeira é uma adequada tradução do conceito de excelência. Nas últimas décadas, ocorreram duas alterações na relação oferta / procura no mercado, que implicaram a necessidade de uma mudança na gestão dos sistemas produtivos: a primeira foi um excesso de oferta relativamente à procura e a segunda alteração, mais recente, e consequência da primeira, foi a substituição progressiva da produção em massa pela produção em lotes. Decorrente destas duas alterações, surgiu a necessidade de as empresas encontrarem novas formas de gestão e procurarem novas estratégias que as conduzissem a um reconhecimento de excelência. As táticas utilizadas, de suporte à estratégia da procura da excelência, foram a melhoria contínua ou a inovação, verificando-se, em determinados contextos e atividades, a aplicação das duas de forma articulada. 1.1 Melhoria Contínua vs. Inovação O conceito de melhoria contínua é considerado, há muito, como uma das formas mais eficazes de melhorar o desempenho e a qualidade nas organizações, pelo que será provavelmente a melhor tática para se atingir a excelência num período de recessão económica como aquele em que, atualmente, a maioria das economias ocidentais estão mergulhadas. Nas empresas com uma baixa exploração dos seus recursos, as ações de melhoria contínua adequam-se particularmente bem pois, regra geral, são mais fáceis de implementar e necessitam de menores recursos financeiros e humanos do que o processo de inovação. A tabela abaixo coloca em evidência a relação entre os dois processos. Principio Tabela 1 Melhoria Contínua vs. Inovação Melhoria Contínua Bom conhecimento do trabalho, mas possibilidade de melhorar a baixo custo. Inovação A melhoria passa pela utilização das técnicas mais recentes. Hábitos Mudança reduzida feita em etapas curtas. Grandes modificações. Operadores Fiabilidade Participam nas alterações. Semelhante ou melhor. Investimento Baixo. Elevado. São confrontados com factos consumados. Aprendizagem e avarias mais frequentes. Manutenção Semelhantes ou mais reduzida. Desconhecida, muitas vezes elevada. Amortização Amortizado ou valor reduzido. Elevada. Eficiência Pequenas melhorias a curto prazo. Grandes melhorias a longo prazo. CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 2

3 A inovação avança através de grandes passos e provoca grandes saltos tecnológicos. Numa empresa onde a cultura de melhoria contínua não exista, a inovação pode conduzir a alterações (melhoria), mas corre-se o risco de esta não ser sustentada e como tal a excelência não ser atingida. 1.2 Melhoria Contínua vs. Ciclo PDCA A implementação de um processo de melhoria contínua, para ser eficaz, precisa do envolvimento, do conhecimento e da participação de todos os intervenientes, devendo os problemas ser expostos e analisados de forma sistemática e aos vários níveis, o que implica uma mudança de atitude face aos problemas, ou seja uma nova cultura nas organizações. O conceito de método de melhorias, atualmente conhecido pela sigla PDCA (Plan, Do, Check and Action), foi desenvolvido na década de trinta, pelo estatístico americano Walter Shewart, como sendo um ciclo de controlo estatístico do processo, que pode ser repetido continuamente sobre qualquer processo ou problema. Este método foi amplamente utilizado e divulgado por Edward Deming, que o aplicou nos conceitos de qualidade em trabalhos realizados no Japão e que desenvolveu o chamado Shewart PDCA Cycle. A utilização destes princípios, nas mais diversas organizações, mostrou que se trata de uma poderosa ferramenta na gestão do dia-a-dia, permitindo a introdução de uma nova forma de abordagem dos problemas que surgem no quotidiano, implementando-se e consolidando-se na empresa a cultura da busca da excelência. Na tabela a seguir mostram-se as etapas a percorrer e os objetivos de cada uma delas. Tabela 2 O Ciclo PDCA PDCA Etapa Objetivo P Identificação do Problema Observação Análise Plano de ação Definir claramente o problema e reconhecer a sua importância. Investigar as caraterísticas específicas do problema com uma visão ampla e sob vários pontos de vista. Descobrir a causa fundamental. Conceber um plano para bloquear a causa raiz D Execução Bloquear a causa raiz. C Verificação Verificar se o bloqueio foi efetivo. A Padronização Conclusão Prevenir contra o reaparecimento do problema. Reiniciar todo o ciclo de solução de problemas futuros. A metodologia de Shewart vai permitir, após identificado o problema (transparência), observá-lo, analisá-lo e definir um plano de ação. A execução desse plano terá como CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 3

4 objetivo principal bloquear as causas que estão na raiz do problema, verificando posteriormente, se o bloqueio foi efetivo. Encontrada a solução, há que prevenir o reaparecimento do problema, padronizando os procedimentos e as instruções, não deixando de repensar se a solução encontrada não poderá ser melhorada. Uma adequada exploração destes princípios metodológicos, por parte das organizações, requer a utilização de ferramentas utilizadas pelas teorias que preconizam a obtenção da excelência dos sistemas através da melhoria continua. Neste documento vamos abordar três dessas teorias (The Theory of Constrains, Six Sigma e Lean Management), provavelmente as mais divulgadas no mundo empresarial ocidental, comparando o seu suporte teórico, as linhas de orientação, a focalização da ação, os efeitos primários e secundários e os seus pontos críticos. As teorias apresentadas partem da premissa de que as alterações a introduzir são feitas com os recursos disponíveis, sem necessidade de novos equipamentos ou modificações muito dispendiosas, o que facilita a sua implementação em momentos de recessão. 2 Teoria dos Constrangimentos A Teoria dos Constrangimentos é divulgada junto da comunidade empresarial de forma pouco ortodoxa em 1984 através dum romance The Goal do físico Eliyahu Goldratt, apesar de a gestão dos gargalos já ter sido teorizada pelo alemão Wolfgang Mewes, na década de 70 do século passado. A teoria apresentada por Goldratt centra-se num processo de melhoria, aplicado a um sistema com operações interdependentes nas quais ocorre uma flutuação estatística. A ideia base da Teoria dos Constrangimentos é a de que qualquer sistema tem um constrangimento ou um conjunto de pequenos constrangimentos, os quais limitam o desempenho ou a capacidade de todo o sistema. Se fizermos a analogia com o resultado de uma ação sobre uma corrente com diversos elos (operações interdependentes) e as sucessivas tensões a que a corrente pode ficar submetida (flutuações estatísticas) tal que, para uma dada tensão (procura), a corrente rompe pelo elo mais fraco (capacidade de produção), ficando desta forma identificado o ponto de constrangimento (gargalo) da cadeia de operações interdependentes. A identificação do ponto de constrangimento passa a ser a operação que condiciona toda e qualquer tomada de decisão, pois ele é o verdadeiro condicionador da atividade do sistema. A metodologia proposta (ciclo de melhoria) por Goldratt, na identificação dos gargalos, desenvolve-se através de cinco etapas: 1. Identificação do Constrangimento operação com uma capacidade de oferta inferior à procura, a qual se pode manifestar através de um acumular de produtos em espera para serem transformados nesta operação. 2. Exploração do Constrangimento a operação gargalo identificada começa a receber um conjunto de intervenções de modo a que a sua exploração possa ser maximizada. CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 4

5 3. Subordinação ao Constrangimento todas as restantes operações interdependentes da cadeia ficam subordinadas à capacidade de produção do gargalo, mesmo que exista perda de produtividade em algumas das restantes operações. Esta subordinação ocorre, regra geral, nas operações a montante do gargalo. 4. Aumento da Capacidade do Constrangimento se a procura não estiver ainda satisfeita pela capacidade da cadeia, então, é necessário introduzir novas alterações de melhoria, que podem envolver alteração de procedimentos e/ou upgrades do equipamento, de modo a que o gargalo seja eliminado. 5. Repetição da Sequência Após a eliminação de um constrangimento, um outro será identificado no sistema, ao qual será aplicado o ciclo de melhoria, repetindo nele as quatro etapas anteriores. Esta metodologia de melhoria contínua, que funciona como um ciclo, é bastante eficaz na redução do inventário, do tempo total de produção (lead time) e da dimensão dos lotes. Por outro lado, como um dos requisitos é que a operação gargalo não deve transformar nem produzir produtos não conformes, consegue-se, também, uma melhoria da variabilidade e das características qualitativas, apesar de a qualidade não ser a prioridade desta teoria. As equipas envolvidas nestes procedimentos de melhoria contínua geralmente são pequenas, pelo que a metodologia pode ser rapidamente implementada. A recolha de sugestões de todos intervenientes no processo não é fundamental para a obtenção de bons resultados. Assim, uma estrutura organizacional hierárquica e centralizada adapta-se bem a este ciclo de melhoria. A Teoria dos Constrangimentos sustenta-se em pressupostos, cujos principais são: 1. Aumento da velocidade do fluxo e volume de produção. 2. O sistema de produção desenvolve-se, maioritariamente, por encomenda. 3. Os produtos são realizados por um processo estabilizado. Uma possível crítica a esta teoria é a de se sustentar num único procedimento para toda a organização, partindo do princípio que a otimização de cada constrangimento conduz a uma melhoria de todo o sistema. 3 Seis Sigma O processo de melhoria continua através da teoria seis sigma, desenvolvido pela equipa de Mikel Harry na Motorolla (1987), está sustentado nos princípios enunciados em 1809 pelo matemático alemão Carl Gauss publicados em Theoria Motus Corporum Arithmeticae. Nesse livro, Gauss apresentou o conceito de curva de sino, uma forma que pode sempre representar a variação do que ocorre num processo controlado. A equipa de Mikel Harry, apoiada num conjunto de técnicas e ferramentas estatísticas, analisavam as variáveis relevantes de um produto e introduziam as ações corretivas que garantissem a produção de bens e serviços com uma quantidade de não conforme que não ultrapassassem as 3,4 unidades por milhão fabricado (seis desvios padrão). CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 5

6 O desenvolvimento posterior desta teoria realizado pela Motorola University e a sua divulgação empreendida pela General Electric (GE), através do seu antigo CEO Jack Welch, consolidou o conceito como uma metodologia de melhoria contínua centrada na redução da variabilidade do valor das variáveis e/ou dos atributos de um produto ou processo controlado estatisticamente. A monitorização estatística da flutuação de um processo, permite determinar as características expectáveis dos produtos transformados. A melhoria é conseguida pela redução da variabilidade dos múltiplos elementos envolvidos no problema em análise. Tal como na Teoria dos Constrangimentos, também o método de melhoria continua seis sigma é desenvolvido em cinco etapas, normalmente conhecidas pelo acrónimo DMAIC (Define - Measure - Analyse Improve - Control): 1. Definir definido o processo a monitorizar, identificam-se os seus clientes, bem como as características chave que ele considera importantes, verificando-se em seguida como é que garantem a conformidade. 2. Medir medir as características chave definidas no problema em análise e processá-las. 3. Analisar - analisar como variam as características que o processo fornece, identificando as causas que provocam as variações encontradas. 4. Melhorar procurar e implementar soluções para os problemas encontrados na análise. Neste ponto é feita uma avaliação dos impactos das alterações propostas. 5. Controlar as ações de melhoria implementadas são monitorizadas para garantir que o novo processo é sustentável prevenindo a ocorrência de novos problemas. O ciclo de melhoria assim definido, permite reduzir a variabilidade das características consideradas importantes pelo cliente (efeito principal) e, como tal, melhorar a qualidade do processo (efeito secundário) e consequentemente aumentar o valor acrescentado para o cliente. São igualmente são reduzidas as possibilidades de ocorrerem possíveis erros de operação. A análise do processo pode identificar constrangimentos que reduzam a velocidade do fluxo de materiais e serviços, a qual pode ser melhorada conseguindo-se, dessa forma, uma maior rapidez de resposta aos clientes, bem como um menor inventário, com um consequente fluxo financeiro mais rápido. Os pressupostos que sustentam a teoria seis sigma podem ser enunciados da seguinte maneira: As características de um processo podem ser traduzidas, adequadamente, por números. Quanto mais se conhecerem e analisarem esses números mais habilitada a organização fica para avaliar, em diferentes perspetivas, o processo e introduzir melhorias. A redução da variabilidade de cada operação do processo leva a que o sistema, como um todo, melhore o seu desempenho. Num sistema produtivo a melhoria de cada um dos processos individuais poderá não garantir o menor custo do produto, pelo que a avaliação dos custos das ações de melhoria deve ser realizada e confrontada com os proveitos resultantes. CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 6

7 4 Gestão LEAN A publicação do livro The Machine That Changed the World, (Rawson Associates, MacMilan, 1990) de James Womack et al., introduziu o termo lean manufacturing, justificando-o porque a metodologia aí explicitada permitia transformar produtos com menos matéria-prima, menos investimento, menos inventário, menos espaço e menos pessoas, isto é, mais magro (more lean). Contudo, o livro não é mais do que consequência dos estudos realizados sobre o Sistema de Produção Toyota (TPS) cujo grande impulsionador foi Taiichi Ohno após a II Guerra Mundial. A gestão lean centra-se na eliminação dos desperdícios existentes num sistema, definindo-se como desperdício o consumo de qualquer recurso que não gera valor para o cliente. Comparar o tempo de processamento necessário para o fabrico de um produto e compará-lo com o tempo total que foi consumido para o transformar no sistema, é uma forma adequada de medir o quanto um sistema é lean. Como nas duas teorias de melhoria continua, atrás referidas, também a gestão lean se desenvolve em cinco etapas. 1. Valor - Identificar as características do produto ou serviço que criam valor tanto para o cliente externo, como para o interno. O valor é medido pelas especificações contidas no produto ou serviço que o cliente necessita, ao preço e no momento solicitado. 2. Cadeia de Valor Identificar as operações e a sua sequência na obtenção do produto ou serviço. Dessas operações, reconhece-se um conjunto delas que são identificadas como não criadoras de valor. Destas, umas são imediatamente eliminadas, pois o sistema pode continuar a operar sem elas, outras, porque essenciais ao sistema, vão ser modificadas para que se possam reduzir. 3. Fluxo Tornar o fluxo de produção rápido, isto é, os produtos ou serviços deslocam-se ao longo do sistema sem paragens, nas quantidades e no momento necessário. A existência de filas de espera, o processamento por lotes e o transporte entre as operações são as maiores fontes de fluxo lento, provocando custos e tempos de produção elevados. 4. Puxar Eliminados os desperdícios e o controlado fluxo, o sistema deve começar a operar de acordo com as solicitações do cliente em termos de qualidade, quantidade e tempo. O cliente é quem puxa pelo produto ou serviço, dentro do sistema. 5. Perfeição A eliminação de operações que não acrescentam valor é um processo contínuo até atingir a perfeição do sistema. Eliminar os desperdícios passa a ser parte integrante da cultura da empresa. A gestão lean centra a sua ação principal na eliminação dos desperdícios e na melhoria do fluxo de produção. Contudo, a qualidade do produto também é garantida, porque qualquer não conformidade é mais rapidamente detetada (pois os produtos em vias de fabrico são em menor quantidade), bem como, a redução da variabilidade das características, como consequência da simplificação dos processos. A metodologia seguida na gestão lean assume pressupostos que a sustentam e que passamos a enunciar: CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 7

8 O fluxo passa a ser facilmente gerido visualmente. O desperdício é o principal limitador do lucro. A implementação rápida de uma grande quantidade de pequenas melhorias pode tornar o sistema mais eficiente do que um estudo analítico sobre ele. Os efeitos de interdependência das ações do sistema, geradores de constrangimentos, podem ser superados através da melhoria contínua da cadeia de valor. A gestão lean compromete todos os agentes que compõem o sistema, obrigando a que todos se envolvam e passem a ter uma visão diferente das suas atividades, isto é, a mudança dos hábitos de operação de cada um, e da organização em geral, é a condição base para que um sistema possa ser gerido lean. 5 Conclusões. A vida da empresa desenvolve-se através de três atividades críticas: gestão estratégica, desenvolvimento de produtos e melhoria contínua. A empresa tem de possuir um produto que tem procura, uma boa liderança, uma boa capacidade de resolução de problemas e uma disponibilidade para a mudança (Lonnie Wilson, 2010); caso contrário, a introdução de qualquer das metodologias de melhoria contínua pode conduzir ao caos. A disponibilidade para a mudança é tão importante como qualquer das outras três condições referidas, mas traz dificuldades acrescidas com a introdução de uma nova teoria de gestão no sistema e com a utilização das ferramentas subordinadas, o que implica uma mudança de hábitos dos recursos humanos, uma alteração de direitos adquiridos e uma necessidade de disponibilidade para aceitar novos paradigmas. As três metodologias apresentadas permitem, por via da melhoria continua, atingir a excelência. Contudo, selecionar a que deve ser utilizada em cada empresa é tarefa da equipa de gestão, a qual deverá considerar vários fatores na sua tomada de decisão. A definição da estratégia vai condicionar o desenvolvimento de produtos e o processo de melhoria contínua. Se considerarmos que a estratégia, numa primeira abordagem, pode ser avaliada através das expectativas do cliente segundo três vetores, a saber, qualidade, custo e serviço, poderemos então relacionar as metodologias de melhoria continua com o vetor predominante da estratégia escolhida. O vetor qualidade, como base da estratégia, significa a disponibilidade de produtos com uma baixa variabilidade de cada uma das características solicitadas pelo cliente. A metodologia seis sigma assenta a sua filosofia na redução da variabilidade garantindo uniformidade no processo, os não conforme passam a ser medidos com um digito mas substituindo a escala, passa-se da % (percentagem) para ppm (partes por milhão). A introdução de melhoria de forma isolada, não considerando as ações interdependentes, pode ser um inconveniente em alguns casos. Uma estratégia focalizada na redução de custos significa a eliminação dos desperdícios do sistema, a qual pode ser sustentada pelo pensamento lean. As ações são, sobretudo, dirigidas para o fluxo, obtendo-se, como primeira CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 8

9 consequência, a redução do lead time (o que se traduz numa mais rápida resposta à procura), bem como, um retorno mais rápido do investimento, conseguindo-se ainda a redução do inventário e um melhor controlo dos produtos não conforme. Nesta teoria a utilização de sistemas de análise e de procedimentos estatísticos não é valorizada. Se a principal característica do mercado em que a empresa atua valoriza o serviço, em particular o cumprimento de prazos de entrega, a teoria dos constrangimentos pode ser a resposta mais adequada na obtenção de resultados rápidos. A gestão dos constrangimentos permite uma melhor exploração da linha de produção, sendo a sequência de produtos mais fácil de controlar. A redução de não conforme, de inventário e um controlo do sistema através de três fatores (receita, inventário e custos de exploração) são algumas das vantagens que esta teoria introduz nas organizações, para além de não necessitar de um envolvimento tão grande dos recursos humanos como as outras duas teorias de melhoria contínua. O não envolvimento de todos os recursos humanos (como no lean) e a não valorização de sistemas de análise de dados (como no seis sigma) pode ser um ponto fraco da teoria dos constrangimentos. Na figura abaixo mostra-se como é possível relacionar a estratégia do sistema com cada uma das três teorias de melhoria contínua apresentadas. Figura 1 Os Vetores Estratégicos do Sistema A estratégia predominante, bem como a cultura atual da organização, condicionam a rapidez na obtenção dos resultados da implementação de uma metodologia de melhoria contínua. Assim, podemos selecionar a metodologia de melhoria continua que tiver maior recetividade na organização e a que mais rapidamente, após o início da sua aplicação, começa a apresentar resultados. CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 9

10 1. Se o sistema tem uma boa capacidade de análise dos dados recolhidos no processo; se a utilização de gráficos reflete adequadamente o processo; se o controlo do intervalo das características dos produtos procurados pelos clientes é muito estreito, então, atingir a excelência, através da melhoria contínua, pode ter início através da aplicação do seis sigma. Exemplo: Redução da variabilidade e aumento do valor médio do grau de branco numa unidade de enobrecimento têxtil. 2. Se no sistema a gestão visual é um fator determinante e se a racionalização dos recursos se afigura como imperativo na redução dos custos para que a competitividade seja conseguida, então, conseguir a excelência, através da melhoria contínua, pode ter início com a aplicação da teoria lean. Exemplo: Redução do lead time e da produção em curso numa unidade industrial de produção de calçado. 3. Se o sistema possui uma cultura de baixa participação dos recursos humanos e se a competitividade é comprometida por um serviço pouco eficaz, em particular, no que diz respeito ao não cumprimento dos prazos de entrega, então, a teoria dos constrangimentos pode ser um bom início do caminho a percorrer na procura da excelência através da melhoria contínua. Exemplo: Aumento da capacidade produtiva da linha de fabrico de facas numa unidade de produção de cutelarias de mesa. Referências Drew J., McCallum B., Roggenhofer S. (2008). Objectif Lean Réussir l entreprise au plus juste: enjeux techniques et culturels, 8ª edição, Éditions d Organisation, Paris. Goldratt E. M., Cox J., (1984). The Goal: A Process of Ongoing Improvement, North River Press, New York. Nave, Dave (2002). How To Compare Six Sigma, Lean and the Theory of Constrains, Revista Quality Progress, Março 2002, pp Ono, Taiichi (1988). Toyota Production System Beyond Large-Scale Production, Productivity Press, Portland, OR Pyzdek, Thomas (2003). The Six Sigma Handbook, The McGraw-Hill Companies, New York. Suzaki, Kiyoshi (2010). Gestão de Operações Lean Metodologias Kaizen para a Melhoria Contínua, LeanOp Press, Aveiro. Wilson, Lonnie (2010). How To Implement Lean Manufacturing, The McGraw-Hill Companies, New York. Womack J. P., Jones D. T., Roos D. (2007).The Machine That Changed the World: The Story of Lean Production, Free Press, New York CONSULGÉS FORMAÇÃO S. A. MARÇO 2012 Página 10

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos Viviane Salyna Estrutura da Apresentação Muitas abordagem de processos geram: Processos devem gerar resultados

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F.

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F. QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) 1 07/06/2010 Amparo Marcos A. F. Borges Engenheiro, Mestre e Doutor UNICAMP Jogos

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma Copyright Alberto W. Ramos 1 Breve Histórico do 6 Sigma Criado pela Motorola na década de 80; Adotado mundialmente por diversas empresas: Allied Signal, General Electric, Polaroid, Asea Brown Boveri, Kodak,

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal)

Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Lean management nelle aziende sanitarie Lean Healthcare no Serviço de Urgência Geral Centro Hospitalar Cova da Beira (Portugal) Bruno Vaz Silva Anabela Almeida Miguel Castelo Branco Page 1 INTRODUÇÃO Objectivo

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 A GESTÃO DO NEGÓCIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA E A BUSCA PELA EXCELÊNCIA OPERACIONAL 1 ALBERTO PEZEIRO SÓCIO - DIRETOR pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026

Leia mais

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.6 6 Sigma 4.6 6 Sigma O início dos estudos a respeito de 6-Sigma remontam a 1979 por ação de um dos diretores da Motorola naquele momento, Art Sundy. Tudo começa quando ele se dá conta da quantidade

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics

PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics PDCA e Lean Manufacturing: Estudo de Caso de Aplicação de Processos de Qualidade na Gráfica Alfa PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics Jefferson Mariano

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

Otimização de. Processos I

Otimização de. Processos I Seis Sigma Otimização de Gestão de Negócios Processos I Alberto Pezeiro Sócio Diretor Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br (11) 8110-0026 www.setadg.com.br 1 Introdução Otimização de A

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Métricas do Seis Sigma

Métricas do Seis Sigma Métricas do Seis Sigma Por Cristina Werkema A redução da variabilidade de produtos e processos e a eliminação dos defeitos ou erros resultantes dessa variabilidade merece grande ênfase no Seis Sigma. O

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Simulação e Lean Manufacturing

Simulação e Lean Manufacturing Capítulo 2 Simulação e Lean Manufacturing Neste capítulo é feita uma breve introdução a dois temas centrais neste trabalho: simulação e Lean Manufacturing, ou simplesmente Lean. Sobre o primeiro destes

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22 Nesta edição Siqueira Campos valida Escala de Alienação Parental Novo cliente: Castrolanda Gráficos e análise de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

Administração e Finanças para Engenharia

Administração e Finanças para Engenharia Administração e Finanças para Engenharia CICLO PDCA Grupo: Rodrigo Filho, Suhaila Azanki, Tulio Marques, Thays Ferreira e Vinicius Soares. Ciclo PDCA Moen e Norman, autores da área da Qualidade, relatam

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO.

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. Ten Mat Jaime Coelho Ten AdMil António Martins Ten AdMil Edgar Fontes Ten AdMil Fernando Cardoso

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Especial - Lean Seis Sigma Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Os líderes da implantação Lean Seis Sigma devem expandir suas ideias e adotar novas abordagens

Leia mais

A Evolução do Seis Sigma

A Evolução do Seis Sigma A Evolução do Seis Sigma Cristina Werkema Breve histórico e bases do Seis Sigma O Seis Sigma é uma estratégia gerencial disciplinada e altamente quantitativa, que tem como objetivo aumentar drasticamente

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso

Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso Marco Antonio dos Reis (ABB Ltda) marco.reis@br.abb.com Resumo Este trabalho apresenta uma aplicação prática da teoria das restrições no setor industrial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation Exame simulado EXIN Lean IT Foundation Edição julho 2015 Copyright 2015 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied or stored in a data processing system

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Retorno sobre o investimento de iniciativas de Melhoria Contínua como o Lean Six Sigma Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br

Leia mais

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma?

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma? O que é Sigma? Sigma é uma letra grega (s) usada na Estatística para representar o desvio-padrão de uma distribuição. Em Estatística, letras gregas são usadas para representar parâmetros, e seus valores

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN

CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN ISSN 1984-9354 CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN HELOIZA PIASSA BENETTI (UTFPR) Ildeivan da Silva Junior (UTFPR) Eduardo Bellei (UTFPR) Resumo Nesta pesquisa,

Leia mais

UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA

UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA Diego Augusto de Jesus Pacheco (UNISINOS) engdie@gmail.com Jose Antonio Valle Antunes Junior (UNISINOS)

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Lean Six Sigma Uma visão da integração

Lean Six Sigma Uma visão da integração Lean Six Sigma Uma visão da integração Dr. Marcos A. F. Borges marcosborges@ft.unicamp.br Marcos A. F. Borges Engenheiro, Mestre e Doutor UNICAMP Jogos para formação de profissionais em conceitos Lean

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

MODELOS DE EXCELÊNCIA. Trabalho realizado por: Ana Duarte, nº n 3419 Cristina Pinto, nº n 3518

MODELOS DE EXCELÊNCIA. Trabalho realizado por: Ana Duarte, nº n 3419 Cristina Pinto, nº n 3518 MODELOS DE EXCELÊNCIA Trabalho realizado por: Ana Duarte, nº n 3419 Cristina Pinto, nº n 3518 Ana Luísa Lopes, nº3598n OBJECTIVOS Referir a importância de um sistema de gestão da qualidade; Definir as

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC Aula 18 Introdução 2 As técnicas e ferramentas utilizadas no Seis Sigma permitem: Entender o problema; estudar suas causas; analisar

Leia mais

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke Seis Sigma Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke O Poka-Yoke é uma importante ferramenta na etapa Control do método DMAIC do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema O Poka-Yoke termo japonês que significa

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO DA QUALIDADE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO GUIMARÃES 2015 Dissertação de Mestrado em Engenharia e Gestão

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

"Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas

Seis Sigma no gerenciamento dos processos e negócios das empresas "Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas Introdução: Como resultado do trabalho pioneiro na Motorola - reforçado pelo esforço de empresas do porte da ABB, Alied Signal, General

Leia mais

Lean IT Juliano Daniel Marcelino ( juliano@jmarcelino.com.br ) Orientador: Mehran Misaghi, Dr. ( mehran@sociesc.org.br )

Lean IT Juliano Daniel Marcelino ( juliano@jmarcelino.com.br ) Orientador: Mehran Misaghi, Dr. ( mehran@sociesc.org.br ) Lean IT Juliano Daniel Marcelino ( juliano@jmarcelino.com.br ) Orientador: Mehran Misaghi, Dr. ( mehran@sociesc.org.br ) Agenda Conceitos básicos Necessidade de usar Lean IT Ambiente Benefícios para melhoria

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira Transformação de Processos Palestrante: Monica Moreira Sobre a Instrutora Monica Rodrigues Moreira MsC, MBA, CBPP, ITIL, Cobit Pesquisadora Universidade Federal Fluminense Curriculo linkedin www.linkedin.com/in/monicarodriguesmoreira

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Cid Fontana Lopez Diretor de Desenvolvimento de Fornecedores da Robert Bosch - América Latina As empresas que se propõe a trazer os

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

A importância dos fatores críticos de sucesso em programas Seis Sigma. The importance of critical-to-success factors in Six Sigma programs.

A importância dos fatores críticos de sucesso em programas Seis Sigma. The importance of critical-to-success factors in Six Sigma programs. A importância dos fatores críticos de sucesso em programas Seis Sigma. Paulo Eduardo Nunes de Sousa Ricardo Câmara Massari Reis Jaqueline Nery Martins

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Wagner André dos Santos Conceição (UEM) wasconceicao@bol.com.br Paulo Roberto Paraíso (UEM) paulo@deq.uem.br Mônica Ronobo Coutinho (UNICENTRO)

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES

A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES A PERFEIÇÃO ESTÁ NOS DETALHES A MÁQUINA DE CORTE VECTOR É O PARADIGMA DA EXCELÊNCIA OPERACIONAL. USUFRUINDO DE 30 ANOS DE EXPERIÊNCIA E INOVAÇÃO CONTÍNUA NO CORTE AUTOMÁTICO, A LECTRA MANTÉM-SE NA LIDERANÇA,

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

17th International Congress of Mechanical Engineering

17th International Congress of Mechanical Engineering 17th International Congress of Mechanical Engineering Artigo Apresentado: PRODUCTIVITY: A CASE STUDY PRODUCTION MANAGEMENT SYSTEM IMPLEMENT IN A BRAZILIAN INDUSTRY AUTOR PRINCIPAL: Ricardo Borgatti Neto

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Mudanças das organizações e os SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n A mudança nos sistemas de informação das organizações é, ou deve ser, considerada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS Karine Borges de Oliveira (UNISAL/LO) karineborges.eng@gmail.com Eduardo Ferro dos Santos (USP/EEL)

Leia mais

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com. Envolvendo a área Operacional da Companhia Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br Escolha Adequada da Estratégia de Melhoria de Processos

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais