SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO"

Transcrição

1 SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE CP 47, CEP Buru SP E-mils: Abstrct In the context of ctul deregultion in energy systems, mrket simultion is n importnt tool which provides the gents with the bility to estblish strtegic behvior in the mrket nd to evlute the behvior of other gents This work proposes multi-gents system to simulte the energy mrkets using gme theory Due to extended content, the work is described s two pper series In the first one (Silv e Nepomuceno, (007)), the mrket simultion model is described One of the centrl fetures of the model is its bility to represent the trnsmission system This feture provided the mens to evlute some mrket power situtions generted due to congestion in the trnsmission system In this work, the proposed model is evluted through cse studies involving only the Pool mrket The results obtined llow the identifiction of mrket power in the systems studied, nd show tht the trnsmission system representtion is crucil if one is interested in clculting ccurte spot prices in the Pool mrket This result is importnt since the methodology ctully used to clculte the spot prices in Brzil do not tke into ccount the trnsmission system representtion The results obtined lso ressure tht the Pool mrket structure using the spot price chrging scheme is n efficient mechnism to promote investments in the power grid Keywords Energy Mrket Simultion, Gme Theory, Intelligent Agents, Genertion Disptch Resumo No contexto tul de desregulmentção do setor elétrico simulção de mercdos é importnte pr que os gentes envolvidos possm estbelecer seu comportmento estrtégico pernte o mercdo e vlir o comportmento dos demis gentes Este trblho utiliz Teori de Jogos e um Sistem Multigentes pr simulção de mercdos de energi Em função do conteúdo extenso, o trblho é descrito em dois rtigos No primeiro (Silv e Nepomuceno, 007), o modelo de simulção de mercdo utilizdo é descrito Um ds crcterístics importntes do modelo é possibilidde de representção do sistem de trnsmissão, o que propiciou nálise de situções de poder de mercdo gerd por congestionmentos Neste trblho o modelo é vlido em estudos de csos envolvendo o mercdo Pool Os resultdos obtidos permitem identificr situções potenciis de poder de mercdo e mostrm o grnde impcto que o sistem de trnsmissão tem sobre o mercdo Pool remunerdo o preço spot Estes resultdos são importntes, já que o modelo que clcul o preço spot no Brsil tulmente não lev em considerção o sistem de trnsmissão Os resultdos confirmm que estrutur de mercdo Pool com remunerção o preço spot é um mecnismo eficiente pr fomentr investimentos n produção Plvrs-chve Simulção de Mercdos de Energi, Teori de Jogos, Agentes Inteligentes, Despcho de Gerção Introdução O setor elétrico de diversos píses, entre os quis se inclui o Brsil, tem pssdo por diverss trnsformções, cujo objetivo principl é incentivr competição nos processos de gerção e comercilizção de energi (Ferreir, 00) No modelo tul é possível comercilizr energi em dois mercdos, bsicmente: Pool e Bilterl No mercdo bilterl, os contrtos são estbelecidos entre comprdor/produtor independentemente do operdor do sistem O Pool estbelece leilões de energi em que os gentes dão lnces de compr/vend e podem ou não obter sucesso, em sus negocições, dependendo dos lnces ofertdos Nesse mbiente de informções incomplets os gentes de mercdo necessitm de tod jud computcionl possível em seu processo de tomd de decisão (Krishn; Rmesh, 998), o que torn fundmentl o desenvolvimento de modelos e ferrments que possm uxiliá-los no levntmento de estrtégis de ção A simulção d estrutur competitiv entre os gentes de mercdos tem sido mplmente pesquisd utilizndo Teori de Jogos Um levntmento dos principis trblhos envolvendo ess linh de pesquis é destcdo em Silv e Nepomuceno (007) Por outro ldo, plicções d Tecnologi de Agentes Inteligentes no mercdo de energi ind são rrs A utilizção de Sistems Multigentes limit-se, bsicmente, os trblhos de Krishn e Rmesh (998) e de Ferreir (00) Este trblho tem como objetivo básico investigr os Sistems Multigentes, lidos à Teori dos Jogos, n busc do comportmento estrtégico que permit s empress do setor elétrico, reguldo por regrs de mercdo, mximizr seus lucros Neste trblho, diferentemente d miori ds bordgens nteriores, lev-se em considerção representção do sistem de trnsmissão, o que tornou possível detectr situções típics de poder mercdo Devido o volume de informções envolvids, o trblho é descrito em dois rtigos No primeiro, Silv e Nepomuceno (007), o modelo de simulção de mercdo multigentes é descrito, dndo ênfse no modelo de despcho dotdo em que s crcterístics relcionds o sistem de trnsmissão são representds em detlhe Neste trblho o modelo dotdo é explordo em estudos de csos envolvendo sis-

2 tems teste, escolhidos de modo que crcterístics específics de poder de mercdo pudessem ser estudds de form simples O trblho está orgnizdo conforme se segue Um descrição sucint do modelo multigentes presentdo em Silv e Nepomuceno (007) é relizd n Seção N Seção são presentdos os estudos de cso envolvendo simulções com o modelo dotdo As conclusões geris são fornecids n Seção 4 O Sistem Multigentes Utilizdo O Sistem multigentes utilizdo é composto bsicmente pelo Agente Operdor do Sistem (AOS), que simul o comportmento do operdor independente do sistem (OIS) e o Agente Gerdor (), que model o comportmento dos gerdores A dinâmic do comportmento estrtégico de cd gente consider existênci de um mercdo de energi com s seguintes crcterístics: Os s são independentes e concorrênci entre eles é considerd perfeit (são desprezdos crtéis e conluios) Os s submetem lnces o AOS; cd lnce é composto pelo preço d unidde gerd e o respectivo limite de gerção; O AOS reliz um despcho centrlizdo utilizndo o modelo de despcho descrito em Silv e Nepomuceno (007) O despcho define o montnte de energi que deve ser gerdo por cd gerdor do sistem Cd present o comportmento estrtégico bsedo n seguinte seqüênci de ções: ) Obtenção do conjunto de estrtégis; ) Modelgem dos concorrentes; ) Determinção d melhor estrtégi; 4) Aplicção d melhor estrtégi; 5) Análise dos resultdos O modelo utilizdo consider que cd relizrá um processmento independente e prlelo, composto pels etps cim Cd etp é mtemticmente descrit em Silv e Nepomuceno (007), sendo tmbém descrit de form simplificd seguir Obtenção do Conjunto de Estrtégis Nest etp cd submete o AOS dois lnces, contendo o preço por unidde gerd ( π e π, onde π < π ) e s potêncis ofertds, Pg e Pg O conjunto de estrtégis S é obtido pelo produto crtesino entre s tripls T = ( L, M, H) e T = ( L, M, H), onde M, L, H e M, L, H são vlores de custos mrginis típicos em determindos pontos d curv de custo de gerção, conforme descrito em Silv e Nepomuceno (007) Modelgem dos Concorrentes Pr determinr su melhor estrtégi cd cri um conjunto de n gentes virtuis (AV) que simulrão os comportmentos dos concorrentes A cd AV é tribuíd um curv de custo e um probbilidde, representndo fidelidde com que est curv represent o seu concorrente Determinção d Melhor Estrtégi Cd simul jogos estrtégicos nãocoopertivos com os seus AVs Pr cd jogo o gente deverá nlisr tods s possíveis jogds de seus concorrentes Os jogos são sintetizdos por mtrizes de pyoff, conforme descrito em Silv e Nepomuceno (007) Pr cd célul d mtriz de pyoff é relizdo um despcho de mínimo custo, levndo-se em considerção os lnces de cd gente O lucro l k obtido pelo no jogo k é clculdo e tribuído o vlor d célul O resultdo de um jogo é obtido usndo-se o critério Mximin, e represent o lucro esperdo pr o A idéi gerl do critério é clculr o máximo vlor ssocido o menor lucro de cd decisão tomd pelo O resultdo do jogo tmbém fornece um vetor de distribuição de probbiliddes k ω ssocido à decisão de cd jogo k Após todos os jogos terem sidos simuldos e sus mtrizes de pyoff clculds, obtém-se o resultdo gerl de todos eles, formdo pelo lucro esperdo L de e pelo vetor de distribuição de probbilidde de tods s estrtégics possíveis pr Anlisndo-se o vetor, pode-se escolher melhor estrtégi pr Por exemplo, cso = [ ], então, se lnçr no mercdo os pres S, e S,, ele terá 48% de chnces de obter o lucro esperdo L Se lnçr o pr S,5, terá somente em 4% 4 Aplicção d Melhor Estrtégi Após nlisr seus vetores, os s determinm sus melhores estrtégis de ção e procedem os lnces submetidos o AOS que relizrá o despcho de mínimo custo considerndo-se demnd e os lnces envidos por todos os s do mbiente 5 Análise dos Resultdos Após relizção do despcho, o AOS envi cd um dos s o vlor d remunerção por eles obtid Os s, então, clculm o lucro obtido Cso esse lucro estiver bixo do vlor esperdo, o deverá melhorr su estrtégi de ção, repetindo s

3 etps de 5 (descrits n Seção ) com novs estimtivs pr s curvs de custo do AVs Estudos de Cso Os estudos de cso e, descritos seguir são relizdos utilizndo o sistem teste, composto por brrs, gerdores e um circuito que deve tender um demnd de 00MW, mostrdo n Figur 5 Esse sistem teste simples foi escolhido, pois fcilit visulizção de lgums crcterístics importntes de mercdo (00 MW) crg (00 MW) Figur 5 Sistem teste utilizdo nos estudos de cso Primeiro Estudo de Cso Neste estudo, vlim-se os lucros que cd gente gerdor obteri em um mercdo de energi de livre concorrênci, n usênci de limites físicos pr o sistem de trnsmissão O resultdo é comprdo com situção que ocorreri em um mercdo verticlizdo, onde o OIS possui o conhecimento exto ds curvs de custo de cd gente gerdor As informções utilizds pr os gentes gerdores estão mostrds ns tbels bixo: AV AV AV AV Tbel Bse de conhecimento do Curv de custo Máxim Probbilidde 0,005 g + 0,00g 00-0,004 g 5,00 + g ,006 g 5,00 + g Tbel Bse de conhecimento do Curv de custo Máxim Probbilidde 0,005 g + 0,00g 00-0,00 g 5,00 + g ,008 g 5,00 (00 MW) + g crg (00 MW) A Tbel mostr os resultdos obtidos pós o despcho relizdo pelo OIS pr o cso do mercdo verticlizdo Como er de se esperr, vende tod su produção (pois possui estrutur de custo menor) enqunto não é despchdo A Tbel 4 mostr os vetores de distribuição de probbilidde ds estrtégics de e pr e, bem como os lucros esperdos pr mbos no mercdo spot A Tbel 5 mostr o despcho finl clculdo pelo Pool Tbel Despcho do OIS pr Mercdo Verticlizdo (Preço Spot = $,00/MWh) Gerção Custo Receit Tbel 4 Simulções do Mercdo Spot Comportmento Estrtégico Lnces (945; 00) e (05; 00) 0 (945; 00) e (5; 00) 0 (945; 00) e (65; 00), (05; 00) e (05; 00) 0 (05; 00) e (5; 00) 0 (05; 00) e (65; 00), (55; 00) e (05; 00) 0 (55; 00) e (5; 00) 0 (55; 00) e (65; 00), (845; 00) e (95; 00) 5,56 (845; 00) e (5; 00) 5,56 (845; 00) e (65; 00) 5,56 (05; 00) e (95; 00),89 (05; 00) e (5; 00),89 (05; 00) e (65; 00),89 (55; 00) e (95; 00),89 (55; 00) e (5; 00),89 (55; 00) e (65; 00),89 Esperdo 0,00 D Tbel 4 not-se que tmbém n metodologi propost o vende tod su produção e o não é despchdo Estes resultdos estão coerentes pois indic que, independentemente d estrtégi dotd, o tem sempre o lucro esperdo L = 0 ; ou sej, não seri despchdo Qunto, seu vetor de probbiliddes indic que s estrtégis S, S 6 e S 9 possuem mesm probbilidde (,%) de produzir o lucro esperdo L = $0 / h Sendo ssim, o gerdor opt pel estrtégi com os miores preços, ou sej, S 9, cujos preços são $,55/MWh e $,65/MWh, o que produziu o lucro rel de $00/h Comprndo-se s Tbels e 5, not-se que o lucro do é mior no mercdo Pool (spot) do que em um mercdo verticlizdo Isto ocorre porque no mercdo verticlizdo o OIS conhece os custos reis de produção de cd e os despch de modo minimizr o custo globl do sistem Já em um mercdo de livre comércio, o OIS, não conhecendo 0

4 os custos reis de produção dos s, minimiz os custos com bse ns informções fornecids por cd Se um deles inform um preço de energi muito lto, tentndo obter lucro excessivo, corre o risco de não ser despchdo Nesse cso, tnto no mercdo verticlizdo qunto no mercdo spot, poderi umentr o custo de su energi (té que seu custo mrginl se equiprsse o custo do ) que, mesmo ssim, venderi tod su produção Prte d demnd do sistem somente começri ser suprid pelo prtir do momento em que seu custo de produção fosse igul ou superior o custo mrginl de Tbel 5 Despcho do Mercdo Spot (Preço Spot = $,65/MWh) Gerção Custo Receit Segundo Estudo de Cso Neste segundo cso, introduziu-se no sistem do estudo nterior um limite máximo potênci pr o circuito de trnsmissão de 50MW, e repetirm-se s vlições Portnto, s bses de conhecimento dos s são s mesms do primeiro estudo de cso A Tbel 6 mostr o despcho relizdo pelo OIS pr o cso do mercdo verticlizdo Devido o limite de trnsmissão de 50MW, vende somente prte de su cpcidde de gerção e tmbém Repr-se que, devido o problem de congestionmento d trnsmissão, o preço spot subiu considervelmente em relção o cso nterior Tbel 6 Despcho do OIS pr Mercdo Verticlizdo (preço spot = $0,50/MWh) Gerção Custo Receit 50 6, ,5 50 0,5 05,5 A Tbel 7 mostr os vetores de distribuição de probbilidde ds estrtégics de e, bem como os lucros esperdos pr mbos no mercdo spot Como pode ser observdo d Tbel 8, tmbém nesse mercdo é despchdo e vende somente prte de su cpcidde de produção A distribuição indic que devido o limite n linh de trnsmissão, tods s estrtégis possíveis de serem dotds por têm mesm probbilidde de produzir o lucro esperdo L = $07,/ h A distribuição indic que melhor estrtégi do seri S 9, produzindo um lucro esperdo L = $5/ h O fto de probbilidde de S 9 ser 00% explic-se porque, gor, devido o limite do sistem de trnsmissão, o OIS é obrigdo comprr energi de que, então, pr mximizr os seus lucros, lnç no mercdo su estrtégi de mior preço Assim, em função do congestionmento n trnsmissão, este gente pss ter poder de mercdo Tbel 7 Simulções do Mercdo Spot Comportmento Estrtégico Lnces (945; 00) e (05; 00), (945; 00) e (5; 00), (945; 00) e (65; 00), (05; 00) e (05; 00), (05; 00) e (5; 00), (05; 00) e (65; 00), (55; 00) e (05; 00), (55; 00) e (5; 00), (55; 00) e (65; 00), (845; 00) e (95; 00) 0 (845; 00) e (5; 00) 0 (845; 00) e (65; 00) 0 (05; 00) e (95; 00) 0 (05; 00) e (5; 00) 0 (05; 00) e (65; 00) 0 (55; 00) e (95; 00) 0 (55; 00) e (5; 00) 0 (55; 00) e (65; 00) 00 Esperdo 07, 5 Tbel 8 Despcho do Mercdo Spot (Preço Spot = $,55/MWh) Gerção Custo Receit , ,5 7,5 5 Not-se, entretnto, que embor tenh poder de mercdo, foi o mior beneficido, com um lucro de $770/h contr $0/h do Cso Ocorre que no Pool todos os gerdores são remunerdos o mesmo preço spot Então, devido o fto de ter elevdo o preço d energi, mbos se beneficim Assim, um produção que, no mercdo verticlizdo, custri o OIS (e, portnto, os consumidores finis), $400/h pssou custr $400/h em função ds limitções no sistem de trnsmissão Esse cenário é um indictivo de que miores investimento deverim ser feitos n expnsão/melhori do sistem de trnsmissão Comprndo s Tbels 7 e 8, verific-se que o lucro esperdo pelo foi extmente igul o lucro relizdo Já pr o, o lucro relizdo cbou ficndo cim do que er esperdo por ele Isso é um forte indictivo de que os gentes virtuis

5 utilizdos pr clculr o lucro esperdo (bse de conhecimento deste gente) não form bem estimdos pelo Estudos de pesquis futuros são necessários no sentido de identificr melhores estrtégis de representção dos gentes virtuis No Pool, um modo de umentr o seu lucro e colborr pr reduzir o preço spot seri investir n redução de seus custos de produção pr gnhr mercdo, reduzindo prticipção de No cso seguir, supõe-se que o fez investimentos pr reduzir seus custos, igulndo-os os custos do Os resultdos são mostrdos ns Tbels 9 e 0 Neste cso, demnd totl se divide igulmente entre os dois gerdores e o preço spot é considervelmente reduzido pr $,55/MWh, o que é muito benéfico pr o consumidor O lucro de se reduziu $05/h e o lucro de cbou tmbém reduzindo Apesr de ter reduzido seus custos, cbou tendo um lucro menor Isso conteceu em função d limitção d trnsmissão Com um trnsmissão bem dimensiond, esper-se que redução de custos de produção de um gente produz um umento em seu despcho e em seus lucros relizdos Tbel 9 Simulções do Mercdo Spot Comportmento Estrtégico Lnces % (945; 00) e (05; 00), (945; 00) e (5; 00), (945; 00) e (65; 00), (05; 00) e (05; 00), (05; 00) e (5; 00), (05; 00) e (65; 00), (55; 00) e (05; 00), (55; 00) e (5; 00), (55; 00) e (65; 00), (945; 00) e (05; 00) 5,56 (945; 00) e (5; 00) 5,56 (945; 00) e (65; 00) 5,56 (05; 00) e (05; 00) 5,56 (05; 00) e (5; 00) 5,56 (05; 00) e (65; 00) 5,56 (55; 00) e (05; 00) 5,56 (55; 00) e (5; 00) 5,56 (55; 00) e (65; 00) 55,56 Esperdo 07 9,75 Tbel 0 Despcho do Mercdo Spot (Preço Spot = $,55/MWh) Gerção Custo Receit Terceiro Estudo de Cso Neste estudo utiliz-se o sistem-teste de 0 brrs do IEEE (IEEE, 006), com gerdores limentndo um demnd totl de 8,4 MW Os limites de trnsmissão form liberdos A bse de conhecimento dos s é mostrd ns tbels 5 Tbel Bse de conhecimento do Curv de custo Máxim Probbilidde 0,00 g +,000g 00 - AV AV AV AV 0,00 g 5,500 + g ,00 g,500 + g ,05 g 4,800 + g ,00 g,000 + g 50 0 Tbel 4 Bse de conhecimento do Curv de custo Máxim Probbilidde 0,00 g + 4,000g 50 - AV AV AV AV 0,00 g,500 + g ,040 g,000 + g ,00 g 4,500 + g ,05 g,000 + g 50 0 Tbel 5 Bse de conhecimento do Curv de custo Máxim Probbilidde 0,00 g +,000g 40 - AV AV AV AV 0,00 g 4,000 + g ,00 g,500 + g ,00 g 4,000 + g ,00 g,000 + g 50 0 A Tbel 6 mostr os resultdos obtidos pós o despcho relizdo pelo OIS pr o cso do mercdo verticlizdo Tbel 6 Despcho do OIS pr Mercdo Verticlizdo (Preço Spot = $4,88/MWh) Gerção Custo Receit,8,66 5,0 9,54 0,65 979,96 077,0 97,7,8,66 5,0 9,54 O despcho obtido pr o Pool é fornecido n Tbel 7 A Tbel 8 mostr os vetores de distribuição de probbilidde ds estrtégics de cd, bem como seus lucros esperdos Not-se que os lucros reis de e form cim dos vlores esperdos, o que indic que s estrtégis utilizds

6 por eles form dequds No entnto, o mesmo não ocorreu com Tbel 7 Despcho do Mercdo Spot (Preço spot = $5,5/MW Gerção Custo Receit ,00,50 87,50,40,67 75,5 4,68 Tbel 8 Simulção do Mercdo Spot Comportmento Estrtégico Lnces (5,40; 00) e (0,80 00) 0 (5,40; 00) e (,00 00) 0 (5,40; 00) e (,0 00) 0 (6,00; 00) e (0,80 00) 6,67 6,00; 00) e (,00 00) 6,67 (6,00; 00) e (,0 00) 6,67 (6,60; 00) e (0,80 00) 6,67 6,60; 00) e (,00 00) 6,67 (6,60; 00) e (,0 00) 6,67 (,8; 5) e (4,8 5) 0 (,8; 5) e (4,75 5) 0 (,8; 5) e (5, 5), (4,5; 5) e (4,8 5) 0 (4,5; 5) e (4,75 5) 0 (4,5; 5) e (5, 5), (4,68; 5) e (4,8 5) 0 (4,68; 5) e (4,75 5) 0 (4,68; 5) e (5, 5), (4,7; 75) e (8,78 75),00 (4,7; 75) e (9,75 75),00 (4,7; 75) e (0,7 75),00 (5,5; 75) e (8,78 75) 7, (5,5; 75) e (9,75 75) 7, (5,5; 75) e (0,7 75) 7, (5,78; 75) e (8,78 75) 4,00 (5,78; 75) e (9,75 75) 4,00 (5,78; 75) e (0,7 75) 4,00 Esperdo 6,56 7,96 0,6 No cso seguir, decidiu investir em seu processo produtivo e conseguiu reduzir seus custos de gerção pr curv 0,00 g +,000g A Tbel 9 mostr o despcho relizdo pelo OIS pr o Pool Repr-se que contribuiu pr reduzir ligeirmente o preço spot pr $5,/MWh Tbel 9 Despcho do Mercdo Spot (Preço Spot = $5,/MWh) Gerção Custo Receit ,5,5 89,4 800,87 958,7 57, Além disso, o, que não conseguiu ser despcho no cso nterior, conseguiu tomr dos outros gentes um mercdo de 00 MW Assim, minimizndo seus custos de produção, o conseguiu umentr seu mercdo, e obter lucros muito miores Isso é extmente o que se esper que conteç em um economi de mercdo em que não hj nenhum tipo de poder de mercdo Ness economi idel, os gentes são encorjdos reduzir seus custos pr gnhr mercdo e ess concorrênci deve gerr preços mis bixos pr o consumidor finl A Tbel 0 mostr os vetores de distribuição de probbilidde ds estrtégics de cd, bem como seus lucros esperdos Not-se que e mntiverm estrtégi do cso nterior, já que não possuem informções tulizds sobre os investimentos feitos por Assim, s expecttivs de e são s mesms do cso nterior Reprse que esss expecttivs não se concretizm, pois e são surpreendidos pelo despcho relizdo (Tbel 9), em que sus gerções são rzovelmente reduzids A prtir desse resultdo, eles podem inferir que deve ter hvido diminuição nos custos de Assim, ns próxims simulções, e devem tulizr su representção do pr se dequr est nov situção Tbel 0 Simulção do Mercdo Spot Comportmento Estrtégico Lnces (6; 00) e (54; 00) 7,00 (6; 00) e (6; 00) 7,00 (6; 00) e (66; 00) 4,67 (4; 00) e (54; 00) 7,00 (4; 00) e (6; 00) 7,00 (4; 00) e (66; 00) 4,67 (44; 00) e (54; 00),00 (44; 00) e (6; 00),67 (44; 00) e (66; 00) 8,67 (,8; 5) e (4,8 5) 0 (,8; 5) e (4,75 5) 0 (,8; 5) e (5, 5), (4,5; 5) e (4,8 5) 0 (4,5; 5) e (4,75 5) 0 (4,5; 5) e (5, 5), (4,68; 5) e (4,8 5) 0 (4,68; 5) e (4,75 5) 0 (4,68; 5) e (5, 5), (4,7; 75) e (8,78 75),00 (4,7; 75) e (9,75 75),00 (4,7; 75) e (0,7 75),00 (5,5; 75) e (8,78 75) 7, (5,5; 75) e (9,75 75) 7, (5,5; 75) e (0,7 75) 7, (5,78; 75) e (8,78 75) 4,00 (5,78; 75) e (9,75 75) 4,00 (5,78; 75) e (0,7 75) 4,00 Esperdo 7,8 7,96 0,6

7 6 Conclusão Este trblho utiliz um sistem multigentes pr simulção de mercdos de energi N primeir prte do trblho (Silv e Nepomuceno, 007) o modelo utilizdo é descrito mtemticmente; Neste trblho são descritos estudos de cso envolvendo o modelo Os resultdos dos estudos mostrm que em um mercdo Pool remunerdo o preço spot, n presenç de limites de fluxo no sistem de trnsmissão, um produtor de energi pode umentr seus lucros, mesmo que, devido à topologi do sistem, outro produtor detenh o poder de mercdo No entnto, esse umento se drá à cust de um energi mis cr pr o consumidor Por outro ldo, um gente gerdor poderá umentr o seu lucro, e colborr pr reduzir o preço spot do mercdo, se investir n qulidde de su produção, reduzindo custos de gerção, pr gnhr mercdo, e reduzindo prticipção dos demis gerdores no tendimento d demnd totl A melhor estrtégi pr todos os gerdores seri ter custos de produção idênticos Assim, busc pel melhori de um produtor forçri os demis compnhá-lo nos investimentos, pr não perderem mercdo Os resultdos obtidos destcm o grnde impcto que o sistem de trnsmissão sobre o mercdo Pool remunerdo o preço spot É conveniente lembrr que o modelo brsileiro não lev em considerção os congestionmentos de trnsmissão pr o cálculo de seu preço spot Verificou-se ind que, de fto, estrutur de mercdo Pool com remunerção o preço spot é um bom mecnismo pr fomentr investimentos n melhori d qulidde d produção n presenç de sistems de trnsmissão reis, isto é, sujeitos limitções de potênci máxim trnsferid Um trblho futuro importnte consiste no estudo de metodologis pr vlirem-se s curvs de custo de produção dos concorrentes e tribuição de su probbilidde de ocorrênci Krishn, V; Rmesh, V C (998) Intelligent Agents for Negotitions in Mrket Gmes IEEE Trnsctions on Power Systems, v, n, pp 0-, Aug 988 Silv, P S; Nepomuceno (007) Simulção de Mercdos de Energi Utilizndo Teori de Jogos e Agentes Inteligentes - Descrição do Modelo, SBAI Agrdecimentos Este trblho contou com poio d Fundção de Ampro à Pesquis do Estdo de São Pulo - FAPESP Referêncis Bibliográfics Ferreir, W D (00) Modelo Multigentes pr Determinção do Comportmento Estrtégico em Mercdos de Energi Dissertção de Mestrdo Escol de Engenhri Elétric Universidde Federl de Goiás, setembro, 00 IEEE (006) Power Systems Test Cse Archive Disponível em < Acessdo em mrço de 006

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES DESCRIÇÃO DO MODELO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES DESCRIÇÃO DO MODELO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES DESCRIÇÃO DO MODELO SILVA, P. S., NEPOMUCENO, L. Lortório de Estudos Eonômios em Sistems de Potêni - LEESP UNESP / FE

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Desinflação Ótima na Presença de Inércia Inflacionária, Formação de Hábito e Fricções Monetárias

Desinflação Ótima na Presença de Inércia Inflacionária, Formação de Hábito e Fricções Monetárias Desinflção Ótim n Presenç de Inérci Inflcionári, Formção de Hábito e Fricções Monetáris Mrco A. F. H. Cvlcnti Conteúdo: Plvrs-chve: 1. Introdução;. O Modelo; 3. Desinflção sob Regrs Arbitráris de Polític

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos)

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos) UFU Universidde Federl de Uberlândi Fculdde de Computção Apostil de Lógic Proposicionl (Fundmentos Básicos) Prof. Luiz Gustvo Almeid Mrtins UFU - Fculdde de Computção Lógic Proposicionl Fundmentos Básicos

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões.

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2012 2,934 milhões de clientes tendidos 2.012 MW de cpcidde instld de gerção 24.923 GWh de energi distribuíd R$ 6,3 bilhões de receit opercionl líquid* * Não consider Receit de

Leia mais

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO

TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO 1291 TRANSPLANTE DE FÍGADO NO PROGRAMA DE TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO NO ESTADO DE SERGIPE EM 2008. ANÁLISE DE DADOS CLÍNICOS E CUSTO Liver trnsplnttion in the out of home tretment progrm in the stte

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 O VERMELHO E O NEGRO: RAÇA E GÊNERO NA UNIVERSIDADE BRASILEIRA UMA ANÁLISE DA SELETIVIDADE DAS CARREIRAS A PARTIR DOS CENSOS DEMOGRÁFICOS DE 1960 A 2000 Kizô Iwkmi Beltrão

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA A MATEMÁTICA E OS CIRCUITOS ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA: um bordgem nlític, prático-experimentl

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC 1 Acionmentos Eletrônicos de Motores Aul 3 - Controle de Velocidde Motor CC Prof. Márcio Kimpr Prof. João Onofre. P. Pinto Universidde Federl de Mto Grosso do Sul/FAENG BATLAB Cmpo Grnde MS Prof. Mrcio

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidde Federl do io Grnde do Sul Escol de Engenhri de Porto Alegre Deprtmento de Engenhri Elétric ANÁLSE DE CCUTOS - ENG04031 Aul 1 - Lineridde, Superposição e elções /A Sumário Dics úteis; Leis e

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV dministrção Fse 9/junho/005 MTMÁTI 0. ntônio investiu qunti recebid de hernç em três plicções distints: do totl recebido em um fundo de rend fi; 40% do vlor herddo em um

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais