DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO"

Transcrição

1 IESP INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO PROFESSOR: ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA João Pessoa/PB

2 SUMÁRIO RESUMÈ...03 PLANO DE CURSO...06 CAPÍTULO 01. TEORIA GERAL DO DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO...09 CAPÍTULO 02. TRATADOS INTERNACIONAIS...22 CAPÍTULO 03. BLOCOS ECONÔMICOS INTERNACIONAIS E MERCOSUL...34 CAPÍTULO 04.OFF-SHORE E PARAÍSOS FISCAIS

3 RESUMÈ 1. DADOS PESSOAIS Roberto Moreira de Almeida Av. Getúlio Vargas, 277, Centro, João Pessoa/PB. Skype: r.m.a FORMAÇÃO ACADÊMICA Pós-graduação a) Especialista em Direito Constitucional Comparado: Universidade Lusíada do Porto Portugal; b) Mestre em Ciências Jurídicas; c) Especialista em Direito Constitucional; d) Curso da Escola Superior da Magistratura ESMARN. Graduação a) Direito UFRN 1994; b) Engenharia Civil UFRN 1990; c) Licenciatura em Ciências UECE ATIVIDADE PRINCIPAL Membro do Ministério Público Federal: a) Procurador da República; b) Conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado da Paraíba. 4. APROVAÇÃO EM EXAMES E CONCURSOS NA ÁREA JURÍDICA Advocacia Exame da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional RN 1º lugar; Ministério Público a) Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Ceará 3º lugar; b) Procurador da República do Ministério Público Federal 2º lugar no Estado do Ceará e 12º no Brasil; 3

4 Magistratura a) Juiz Substituto do Estado do Ceará 3ª média global Outros a) Procurador do Município de Macaíba/RN 2º lugar; b) Assistente Jurídico da UFRN 2º lugar; c) Professor de Direito Comercial da UFRN 2º lugar; d) Professor de Prática Forense da UFRN 3º lugar; e) Concurso de monografias da Justiça Federal do RN 1º lugar. 5) LIVROS E ARTIGOS PUBLICADOS 5.1. LIVROS a) Lei Antitruste: 10 anos de combate ao abuso do poder econômico. Belo Horizonte: Del Rey, 2005 (em co-autoria); b) Ação Civil Pública 20 anos da Lei n /85. Belo Horizonte: Del Rey, 2006 (em co-autoria); c) 25 anos da Política Nacional do Meio Ambiente. Belo Horizonte: Del Rey (no prelo em co-autoria); d) 20 anos da Lei n /86, Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional. Belo Horizonte: Del Rey (no prelo em co-autoria); 5.2. ARTIGOS a) A Constituição de 1988 e a intervenção estatal no domínio econômico. Brasília: Revista de Informação Legislativa do Senado Federal, ano 34, n. 135, julho/setembro de 1997; b) A CPI do Judiciário. Publicada no site O Neófito (www. neofito.com.br) em 11/04/2000; c) Sesmarias e Terras Devolutas. Brasília: Revista de Informação Legislativa do Senado Federal, ano 40, n. 158, abril/junho de 2003; d) Noções Introdutórias à Hermenêutica Jurídica. João Pessoa: Revista do Ministério Público do Trabalho na Paraíba, n. 01, junho de

5 PLANO DE CURSO 1. DISCIPLINA:. Direito Internacional Tributário. 2. PROFESSOR: Roberto Moreira de Almeida. 3. CARGA HORÁRIA: 30 (trinta) horas/aula. 4. OBJETIVO GERAL: Proporcionar os conhecimentos básicos de Direito Internacional Tributário aos profissionais, estudantes e demais operadores do direito do IESP. 5. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1) Levar ao aluno o conhecimento da matéria constante do conteúdo programático; 2) Possibilitar a elaboração de conceitos fundamentais de Direito Internacional Tributário e sua aplicação prática; 3) Capacitar o discente a interpretar as normas de Direito Internacional Tributário e aplicá-las na solução de problemas teórico-práticos. 6. EMENTA Direito Internacional Tributário - Vigência e validade da lei tributária. Tratados internacionais. Blocos econômicos internacionais. Mercosul. Paraísos fiscais. Off- Shore. 7. ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM a) Aulas expositivas; b) Exercícios de verificação de aprendizagem; c) Realização de seminários. 8. RECURSOS a) Quadro negro; b) Uso de retroprojetor. 9. BIBLIOGRAFIA GERAL DE DIREITO TRIBUTÁRIO ALMEIDA, Joaquim Canuto Mendes de. Procedimento fiscal de autolançamento e sua homologação. Revista de Direito Público. São Paulo: RT, 1968; ALVIM, Eduardo Arruda. Ações de natureza tributária: considerações acerca das tutelas de urgência, do processo cautelar e de execução. Curitiba: Juruá, 2002; ALVIM, Eduardo Arruda. Mandado de Segurança em Direito tributário, São Paulo: RT, 1997; 5

6 ALVIM, Teresa Arruda; MARINS, James e ALVIM, Eduardo. Processo Tributário. São Paulo: RT, 1994; AMARO, Luciano. Direito tributário brasileiro. São Paulo: Saraiva, 1997; ARMELIN, Donaldo. Ação declaratória de imunidade tributária. Revista de Processo 26/21; ATALIBA, Geraldo. Sistema tributário constitucional brasileiro. São Paulo: RT, 1980; BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1977; BONILHA, Paulo Celso B. Da prova no processo administrativo tributário. São Paulo: Dialética, 1997; BOTTALLO, Eduardo D. Procedimento administrativo tributário. São Paulo: RT, 1977; BORGES, José Souto Maior. Obrigação tributária: uma introdução metodológica. São Paulo: Saraiva, 1984; CABRAL, Antônio da Silva. Processo administrativo fiscal. São Paulo: RT, 1993; CAIS, Cleide Previtalli. O Processo Tributário. São Paulo: RT, 1993; CAMPOS, Ronaldo Cunha. Ação de Execução Fiscal. Rio de Janeiro: AIDE, 1995; CARRAZA, Roque Antônio. Curso de direito constitucional tributário. São Paulo: RT, 1995; CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, 1999; CASSONE,Vittorio et CASSONE, Maria Eugenia Teixeira. Processo tributário: teoria e prática. São Paulo: Atlas, COELHO, Sacha Calmon Navarro. Teoria geral do tributo e da exoneração tributária. São Paulo: RT, 1992; DENARI, Zelmo. Curso de Direito Tributário. Rio de Janeiro: Forense, 1993; FANUCCHI, Fábio. A decadência e a prescrição no direito triutário. São Paulo: Resenha Tributária, 1992; 6

7 JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. Manual de Direito Financeiro e Tributário. São Paulo: Saraiva, 1994; MACHADO, Hugo de Brito. Curso de direito tributário. São Paulo: Malheiros, 2003; MARINS, James. Direito processual tributário brasileiro (administrativo e judicial). São Paulo: Dialética, 2005; NOGUEIRA, Ruy Barbosa. Curso de direito tributário. São Paulo: Saraiva, 1994; TORRES, Ricardo Lobo. Curso de direito financeiro e tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 1993; 10. BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA DE DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO BELMONT, C. & L. European Tax Law: a guide to Community, EFTA and member state legislation. London: Financial Times, 1989; BERLIN, Dominique. Droit fiscal comunautaire. Paris: Economica, 1991; BÜHLER, Ottmar. Princípios de derecho internacional tributário. Madrid: Edic. Der. Fin., 1968; CARTOU, Louis. Droit fiscal international et européen. Paris: Dalloz, 1986; CASELLA, Paulo Borba. Direito Internacional Tributário Brasileiro. São Paulo: LTr, 1995; DORNELLES, Francisco Neves. A dupla tributação internacional da renda. Rio de Janeiro: FGV, 1979; GARELLI, Alessandro. Il diritto tributario internazionale. Torino: Roux Frassati, 1899; KNECHTLE, Arnold. Basics problems in international fiscal law. London: Kluwer, 1979; MICHAUD, Patrick. Fiscalité internationale: prevention controle et repression de l évasion fiscale. Paris: Technique et Documentation Lavoisier, 1982, v. I; MIRAULO, Anna. Doppia imposizione internazionale. Milano: Giuffrè, 1990; 7

8 NOGUEIRA, Ruy Barbosa; NOGUEIRA, Paulo Roberto Cabral. Direito tributário aplicado e comparado. Rio de Janeiro:Forense, 1977, 2 vol; PLAGNET, Bernard. Droit fiscal international. Paris: LITEC, 1986; SPITZ, B. International tax planning. Londres: Butterworths, 1982; TORRES, Heleno. Pluritributação internacional sobre renda das empresas. São Paulo: RT, UDINA, Manlio. Il diritto internazionale tributario. Padova: CEDAM, 1949; XAVIER, Alberto. Direito tributário internacional do Brasil: tributação das operações internacionais. Rio de Janeiro: Forense, 1994; XAVIER, Alberto. Direito tributário internacional. Coimbra: Almedina,

9 IESP ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO DISCIPLINA:DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO PROFESSOR: ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA CAPÍTULO 01. TEORIA GERAL DO DIREITO TRIBUTÁRIO INTERNO E INTERNACIONAL 1.0. ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO 1.1. NOÇÕES BREVES Sinteticamente, o Estado, para o desempenho de suas funções, precisa da obtenção de recursos (receita pública), do emprego de tais recursos (despesa pública) e da conservação e da administração do patrimônio público (gestão pública). A atividade financeira do Estado, destarte, pode ser conceituada como o conjunto de ações estatais visando obter receitas para cobrir as despesas decorrentes do atendimento das necessidades públicas ENTRADAS OU INGRESSOS PÚBLICOS CONCEITO Denomina-se ingresso público o conjunto de recursos financeiros auferidos pelo Estado para o atendimento de suas necessidades CLASSIFICAÇÕES QUANTO À REGULARIDADE I. RECEITAS EXTRAORDINÁRIAS Aquelas receitas obtidas pelo Estado em caráter extraordinário e excepcional. Exemplos: a) empréstimo compulsório para atender despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública, guerra externa ou sua iminência (art. 148, II, CF); b) impostos extraordinários quando da decretação de guerra externa ou sua iminência (art. 154, II, CF), etc. II. RECEITAS ORDINÁRIAS 1 Ricardo Lobo Torres, Curso de direito financeiro e tributário, p. 3. 9

10 Consistem nas receitas estatais obtidas regular e permanentemente. Exemplos: a) imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza (IR); b) taxa de coleta de resíduos sólidos; c) contribuições sociais etc QUANTO À ORIGEM I. RECEITAS ORIGINÁRIAS Receitas originárias são os ingressos obtidos em razão da exploração da atividade econômica pelo Estado. Esta resulta da exploração do patrimônio mobiliário, imobiliário e das receitas patrimoniais e industriais estatais. A característica fundamental da receita originária é a ausência de coercitividade estatal na sua obtenção, pois o Estado atua sob regime de direito privado. São exemplos: a) alienação de bens públicos dominicais; b) as rendas do patrimônio imobiliário (foros, laudêmios e taxas de ocupação dos terrenos de marinha); c) as receitas industriais, comerciais e pela prestação de serviços (preço público ou tarifa), d) empréstimos ao tesouro, e) doações etc. II. RECEITAS DERIVADAS Receitas derivadas são os ingressos obtidos, em razão do poder de autoridade estatal (jus imperii), a incidir sobre as relações econômicas desempenhadas pelos particulares ou sobre seus bens e rendas. Têm por característica principal a compulsoriedade. São exemplos: a) as multas e penalidades pecuniárias aplicadas pelo Estado; b) as reparações de guerra; c) os tributos, etc. 2. DIREITO TRIBUTÁRIO 2.1. CONCEITO Direito tributário é a disciplina da relação entre o fisco e contribuinte, resultante da imposição, arrecadação e fiscalização dos impostos, taxas e contribuições. 2 Direito tributário é o direito que disciplina o processo de retirada compulsória, pelo Estado, da parcela de riquezas de seus súditos, mediante a observância dos princípios reveladores do Estado de Direito. 3 2 Ruy Barbosa Nogueira, Curso de direito tributário, p Kiyoshi Harada, Direito financeiro e tributário, p

11 Direito Tributário, para nós, é o ramo do direito público constituído por normas e princípios disciplinadores das relações entre o fisco e o contribuinte no que concerne à instituição, fiscalização, imposição e arrecadação de tributos AUTONOMIA É cediço que o direito é uno e indivisível. Daí não comportar divisão e não se poder falar em autonomia absoluta de qualquer ramo do direito, seja o Direito Penal, Constitucional, Processual ou mesmo Tributário. No entanto, para fins didáticos, pode-se asseverar, sem máculas de dúvidas, que o Direito Tributário é um ramo autônomo em relação às demais disciplinas da dogmática jurídica, porque tem normas, princípios, institutos e objeto próprios TAXONOMIA O Direito Tributário é um dos ramos do Direito Público, porque o titular do direito regulado é o Estado (fisco), as normas são de conteúdo cogente e o interesse protegido é o da coletividade FONTES CONCEITO Fonte, no sentido comum do termo, significa o lugar onde brota a água do seio da Terra, mas no âmbito jurídico corresponde ao local de onde promana ou provém a norma jurídica CLASSIFICAÇÃO As fontes jurídicas são classificadas em fontes materiais e fontes formais FONTES MATERIAIS OU REAIS Fontes materiais ou reais são os fatos sobre os quais incide a tributação. De fato, determinados acontecimentos, denominados fontes materiais do Direito Tributário, tais como a obtenção de renda, a aquisição de patrimônio, a importação e a exportação de produtos, a transmissão da propriedade, dentre outros, são eleitos pela norma jurídica para produzirem efeitos na seara tributária FONTES FORMAIS Fontes formais são o conjunto de normas jurídicas tributárias. Podem também ser entendidas como legislação tributária, que, segundo o art. 96 do CTN, compreende as leis, os tratados e as convenções internacionais, os decretos e as normas complementares que versem, no todo ou em parte, sobre tributos e relações jurídicas a eles pertinentes. 4 Hugo de Brito Machado, Curso de direito tributário, p

12 Classificam-se as fontes formais em primárias e secundárias: I. FONTES FORMAIS PRIMÁRIAS Integram-nas, além da própria Constituição Federal, os atos normativos constitucionais e os inseridos no art. 59 da Lei Maior, quais sejam: Emendas à Constituição; Leis complementares; Leis ordinárias; Leis delegadas; Medidas provisórias; Decretos legislativos; Resoluções. Ao lado desses diplomas legais, incluem-se os tratados, as convenções internacionais, além dos decretos e regulamentos. a) Constituição Federal e emenda à Constituição A Constituição Federal de 1988, assim como as emendas constitucionais promulgadas e incorporadas ao seu texto, está em posição de supremacia no ordenamento jurídico-tributário, pois ocupa o ápice da pirâmide normativa. Ela não pode ser contrariada ou violada por nenhuma outra norma jurídica. Em matéria tributária, dentre outras coisas, a Constituição Federal se encarregou da(s): Outorga da competência tributária entre os diversos entes federativos (União, Estados-membros, Distrito Federal e Municípios); Limitação do exercício do poder estatal de tributar, ao estabelecer os princípios limitadores (legalidade, vedação do confisco, anterioridade tributária, etc); Diversas espécies tributárias (imposto, taxa, contribuição de melhoria, empréstimo compulsório e contribuições especiais); A repartição das receitas tributárias entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios, etc. Saliente-se que as Constituições Estaduais e as leis orgânicas dos municípios são diplomas legais aptos a disciplinar as matérias tributárias no âmbito dos Estados, Distrito Federal e Municípios, desde que guardem compatibilidade com a Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de b) Leis complementares As leis complementares não são hierarquicamente superiores às leis ordinárias. 12

13 São adotadas apenas nas hipóteses expressamente elencadas no texto constitucional. para: Servem as leis complementares, em matéria tributária, dentre outros assuntos, Dispor sobre conflitos de competência entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; Regular as limitações constitucionais ao poder de tributar; Estabelecer normas gerais tais como a definição de tributos e suas espécies; obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários; e adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas; Instituir, pela União, empréstimos compulsórios e outros impostos, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprio dos tributos já discriminados no texto constitucional (impostos residuais); Criar o imposto sobre grandes fortunas, etc. O atual Código Tributário Nacional (CTN), embora na época de sua elaboração tenha sido editado como lei ordinária (Lei n , de 25 de outubro de 1966), foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988 como lei complementar. c) leis ordinárias É sabido que a Constituição Federal não cria tributos, mas estabelece a competência impositiva. Via de regra, fica a cargo da lei ordinária, de cada entidade tributante (União, Estados, Distrito Federal ou municípios), a instituição de tributo. Ademais, nos termos do art. 97 do CTN, somente a lei pode estabelecer: A instituição de tributos ou sua extinção; A majoração de tributos ou sua redução, ressalvados a possibilidade de a União alterar as alíquotas dos impostos de importação, exportação, produtos industrializados e sobre operações financeiras, através de decreto; passivo; A definição do fato gerador da obrigação tributária e do seu sujeito 13

14 A fixação da alíquota do tributo e da sua base de cálculo, ressalvada a possibilidade de a União alterar as alíquotas do II, IE, IPI e IOF; A cominação de penalidades para as ações ou omissões contrárias a seus dispositivos, ou para outras infrações nela definidas; As hipóteses de exclusão, suspensão e extinção de créditos tributários, ou de dispensa ou redução de penalidades. Excepcionalmente, contudo, a Constituição Federal pode exigir a instituição de tributo por lei complementar. Exemplos: a) imposto sobre grandes fortunas (art. 153, VII), b) impostos residuais da União (art. 154, I); c) empréstimo compulsório (art. 148); d) contribuições sociais (art. 195, 4º), etc. d) leis delegadas As leis delegadas ocupam a mesma posição hierárquica das leis ordinárias e destas pouco diferem. São editadas pelo Presidente da República, que deverá solicitar ao Congresso Nacional delegação para elaborá-la, nos termos do art. 68 da Constituição Federal. Determinadas matérias5, no entanto, não são passíveis de delegação, tais como: a) matéria reservada à lei complementar; b) organização do Poder Judiciário e do Ministério Público, a carreira e a garantia de seus membros; c) nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais; d) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamentos. Observe-se que as leis delegadas poderão ser utilizadas em todas as matérias tributárias reservadas à lei ordinária. e) medidas provisórias As medidas provisórias não são leis, mas atos normativos com força de lei, editados em caso de relevância e urgência pelo presidente da República. As MP perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas em lei pelo Congresso Nacional. Elas vigorarão por sessenta dias podendo ser reeditadas uma única vez por igual período. Na seara tributária, era bastante discutida a possibilidade ou não da utilização das MP para instituição de tributos. A discussão perdeu a razão de ser quando do advento da Emenda Constitucional n. 32/2001, que não deixou dúvidas acerca da possibilidade do seu uso. A propósito, veja a nova redação dada ao 2º do art. 62, in verbis: 5 Conf. 1 o do art. 68 da CF/88. 14

15 Medida provisória que implique instituição ou majoração de impostos, exceto os previstos nos arts. 153, I, II, IV, V e 154, II, só produzirá efeitos no exercício financeiro seguinte se houver sido convertido em lei até o último dia daquele em que foi editada. Ficou pacificada, portanto, a possibilidade do uso das medidas provisórias em matéria tributária, desde que respeitado o princípio constitucional da anterioridade, ressalvados os casos dos impostos de importação, exportação, produtos industrializados, operações financeiras e extraordinário de guerra. f) decretos legislativos São os decretos legislativos atos normativos de igual hierarquia de lei ordinária, mas destinados a tratar de assuntos privativos do Congresso Nacional. Portanto, não precisam de passar por sanção ou veto do Presidente da República. O parlamento pode se utilizar dos decretos legislativos para: Sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitam do poder regulamentar ou dos limites da delegação legislativa; tributária, etc. Aprovar tratados e convenções internacionais, inclusive em matéria g) resolução As resoluções são atos normativos de competência exclusiva do Congresso Nacional, assim como de cada uma de suas casas legislativas. Podem ser utilizadas para: Fixar as alíquotas de ICMS nas operações e prestações interestaduais e de exportação (inc. IV, 2 º, art. 155, CF), bem como, facultativamente, a fixação de alíquotas mínimas e máximas nas operações internas (inc. V, 2 º, art. 155, CF) (Resoluções do Senado Federal); Delimitação da alíquota máxima do imposto sobre transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou direitos (art.155, 1 º, IV, CF); Suspender a vigência de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal; Autorizar que o Presidente da República elabore leis delegadas, inclusive em matéria tributária. h) Tratados e Convenções Internacionais 15

16 As relações internacionais entre os povos são pactuadas mediante tratados e convenções internacionais. No caso da República Federativa do Brasil, os tratados e convenções internacionais são firmados pelo Presidente da República, como Chefe de Estado, e, após aprovação pelo Congresso Nacional, através de Decreto Legislativo, passam a fazer parte do direito público interno. São aceitas como normas infraconstitucionais. do CTN: Acerca dos tratados e convenções internacionais, assim se posicionou o art. 98 Os tratados e as convenções internacionais revogam ou modificam a legislação tributária interna, e serão observados pelo que lhes sobrevenha. Existem, na atualidade, diversos tratados internacionais pelos quais o Brasil é signatário. Há muitos acordos pactuados com conteúdo tributário. São exemplos: Tratado para evitar dupla tributação do imposto sobre a renda: Brasil X Alemanha (Decreto Legislativo n. 92/75); O GATT (General Agreement on Tariffs and Trade); Uruguai. O MERCOSUL, tratado celebrado entre Brasil, Argentina, Paraguai e i) Os decretos e regulamentos Na realidade, os decretos e regulamentos não deveriam ser inseridos como fontes formais principais ou primárias do Direito Tributário, porque são normas emanadas do Poder Executivo e servem para disciplinar a aplicação da lei acerca de determinado tema tributário, não podendo restringir, exceder ou contrariar o que diz a lei tributária, sob pena de invalidade de seu conteúdo inovador. Nesse diapasão, assim reza o art. 99 do CTN: Art. 99. O conteúdo e o alcance dos decretos restringem-se aos da lei em função das quais sejam expedidos, determinados com observância das regras de interpretação estabelecidas nesta Lei. Os decretos administrativos são da competência exclusiva do chefe do Poder Executivo (Presidente da República, Governador de Estado ou do Distrito Federal e Prefeito). Eles servem, no campo tributário, a aprovar o regulamento, que segue em texto anexo. São exemplos de regulamentos em matéria tributária: a) RIR Regulamento do Imposto de Renda; b) RIPI Regulamento do Imposto sobre Produtos Industrializados; c) RICMS Regulamento do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e sobre Serviços, etc. II. FONTES FORMAIS SECUNDÁRIAS 16

17 As fontes formais secundárias tributárias são normas de menor importância. Elas têm por função, via de regra, orientar as relações entre fisco e contribuinte, sem, no entanto, inovar ou impor regras novas. As normas secundárias devem guardar consonância com as fontes principais, sob pena ilegais. Nacional: Sobre as fontes formais secundárias, dispõe o art. 100 do Código Tributário Art São normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos: i) os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas; ii) as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa; iii) as práticas reiteradamente observadas pelas autoridades administrativas; iv) os convênios que entre si celebram a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. Parágrafo único. A observância das normas referidas neste artigo exclui a imposição de penalidades, a cobrança de juros de mora e a atualização do valor monetário da base de cálculo do tributo. Vejamo-los: a) Atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas São atos normativos oriundos da autoridade administrativa fazendária com o intuito de orientar contribuintes e agentes fazendários a aplicar a lei corretamente e detalhar procedimentos. Podemos elencar como exemplos de tais atos: a) as instruções normativas; b) as portarias; c) as circulares; d) os avisos; e) as ordens de serviço etc. Esses atos normativos emanados da autoridade administrativa, salvo disposição em contrário, entram em vigor na data de sua publicação.6 b) As decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa Determinadas decisões emanadas dos órgãos judicantes administrativotributários passam a servir como norma a disciplinar e beneficiar não apenas o contribuinte que tomou parte no processo administrativo como a todos os demais que se encontrarem em situação idêntica. A análise acerca do processo administrativo fiscal será feita no momento oportuno. Apenas para ilustrar o caso concreto, lembre-se que o fisco possui órgãos administrativos de primeira e segunda instâncias destinados a apreciar os recursos e impugnações propostas pelos contribuintes. Nesses casos, quando a decisão é favorável ao contribuinte, desde que a lei atribua eficácia normativa, a decisão administrativa funcionará como precedente para os demais contribuintes. 6 Art. 103, inc. I, CTN. 17

18 As decisões de caráter normativo oriundas da jurisdição administrativa vigorarão 30 (trinta) dias após a data da publicação7. c) As práticas reiteradas das autoridades administrativas Correspondem aos usos e costumes tributários. São de pouca ou quase nenhuma valia em razão da existência do princípio da legalidade. d) os convênios que entre si celebram a União, Estados, Distrito Federal e Municípios Tem sido praxe a celebração de convênios entre os Estados, a União e os Municípios em matéria tributária, na maioria das vezes com o intuito de facilitar a fiscalização e a arrecadação dos tributos. Como exemplos: a) a Lei n /95, que altera a legislação do IR das pessoas físicas e autoriza a União a celebrar convênio com os demais entes federativos objetivando instituir cadastro único de contribuintes, substituindo aos cadastros federal, estadual e municipal; b) os convênios celebrados entre Estados limítrofes para a fiscalização e arrecadação do ICMS, etc. 3. DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO 3.1. DISTINÇÃO ENTRE DIREITO TRIBUTÁRIO INTERNACIONAL E DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO I) DIREITO TRIBUTÁRIO INTERNACIONAL O Direito Tributário Internacional compreende a totalidade das prescrições jurídicas que se referem à tributação relativa a fatos que se verificam superando os confins nacionais (...). Fatos estes, fiscalmente relevantes, que implicam relações com âmbitos territoriais ou com ordenamentos jurídicos de mais de um Estado e para os quais se ponha como credor tributário mais de um Estado. 8 Normas impositivas há, no ordenamento tributário, cujas hipóteses de incidência são predispostas para incidirem sobre fatos que apresentam elementos de estraneidade, porque compostas com a combinação de regras de qualificação e de localização quem têm a função de definir certas conexões com o próprio ordenamento interno. A locução elementos de estraneidade, algo rebuscada, pretende significar, por exemplo, a produção extraterritorial de rendas e capital, porque a ultraterritorialidade é em geral característica das normas que possuem descritos, nas respectivas hipóteses, fatos dotados desses elementos; normas que circunscrevem o Direito Tributário Internacional no seu campo próprio. Essas normas são normas internas, porque (a) originárias de fontes de produção internas e (b) submissas a critérios de validação constitucionalmente instituídos. 9 7 Art. 103, inc. II, CTN. 8 Klaus Vogel. Il diritto tributario internazionale. In: AMATUCCI, Andrea. Tratado di diritto tributario, Padova: CEDAM, 1994, p. 691/ José Souto Maior Borges. Prefácio. In. Heleno Torres, Pluritributação internacional sobre as rendas das empresas, pp. 11/12. 18

19 O Direito Tributário Internacional é o ramo do direito público interno constituído por normas e princípios tributários a ser aplicados a rendas e capitais no âmbito internacional. II) DIREITO INTERNACIONAL TRIBUTÁRIO No ordenamento internacional existe um grupo de normas, contidas nos tratados e convenções sobre a renda e o capital, concernentes ao exercício das atividades dos Estados em matéria tributária no âmbito dos ordenamentos internos. Tais normas, enquanto internacionais, dizem respeito às relações entre os Estados e fazem surgir, nas suas relações recíprocas, situações jurídicas de Direito Internacional, relativas ao exercício das respectivas atividades tributárias. 10 As normas de Direito Internacional Tributário, que são normas exclusivas de Direito Internacional, dirigidas a regular a atuação em matéria tributária dos vários Estados, na comunidade internacional. Direito Internacional Tributário é expressão que conota e denota a fonte de produção normativa e critério específico de validade externos ao sistema jurídico interno, precisamente porque são distintas das normas constitucionalmente instituídas pelo Estado e apenas legitimadas pelo Direito Internacional. Não por outro motivo, o Direito Internacional Tributário é havido como o direito dos tratados internacionais em matéria tributária (Garbarino). Tratados, convenções e demais atos internacionais são, portanto, expressivos desse campo de produção normativa 11. O Direito Internacional Tributário é o ramo do direito público que se ocupa das normas e princípios atinentes aos tratados e convenções internacionais em matéria tributária PRINCÍPIOS A doutrina tem elencado basicamente dois princípios como disciplinadores das relações tributárias internacionais: a territorialidade e a universalidade. I) PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE (SOURCE INCOME TAXATION) O princípio da territorialidade, conexão territorial ou source income taxation está calcado na base territorial sobre a qual o Estado exerce a sua soberania. Território é entendido como o espaço físico sobre o qual o sujeito exercita seus direitos e deveres jurídicos. É nele em que o Estado exerce a jurisdição tributária. Entende-se por território brasileiro: a) a área territorial delimitada pelas fronteiras; b) o mar territorial limitado a doze milhas náuticas; 10 Heleno Torres, Pluritributação internacional sobre as rendas das empresas, p José Souto Maior Borges. Prefácio. In. Heleno Torres, Pluritributação internacional sobre as rendas das empresas, p

20 c) o espaço aéreo e o subsolo em extensão de altura e profundidade até onde seja possível o exercício soberano das funções estatais, inclusive a tributária. O princípio da territorialidade recomenda a aplicação da norma tributária apenas às situações jurídicas produzidas por nacionais ou estrangeiros dentro do espaço físico no qual o Estado exerce a soberania. II) PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE (WORLD-WIDE INCOME TAXATION) O princípio da universalidade, pessoalidade, renda mundial ou da world-wide income taxation está baseado na aplicação de normas tributárias internas aos nacionais (pessoas físicas ou jurídicas) que produzem renda não apenas no interior do país, mas também no exterior. Em outras palavras, a renda há de ser taxada em qualquer lugar em que for produzida. Esse sistema visa evitar injustiça na taxação dos contribuintes que produzem rendimentos no interior do país (domicilliary income) para aqueles que geram rendimentos também fora do território pátrio (foreing income). Heleno Torres 12 fixa, em resumo, cinco motivos para a adoção do princípio da universalidade: a) O aumento da receita fiscal para financiamento das atividades estatais; b) Aplicação da isonomia, consistente em tributar igualmente os contribuintes que produzem rendas apenas no território estatal (domicilliary income) com aqueles que produzem também no exterior (foreing income); c) A crescente movimentação de capitais no âmbito internacional; d) A efetividade dos princípios da capacidade contributiva e da progressividade dos impostos que incidem sobre as categorias redituais; e) A preocupação com os problemas de elisão e evasão fiscal oferecidos por paraísos fiscais. 12 Ob. Cit., pp. 73/74. 20

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Reconhecer as diversas espécies de tributos cobrados pela União, pelos Estados e pelos Municípios;

Reconhecer as diversas espécies de tributos cobrados pela União, pelos Estados e pelos Municípios; 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-45 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTARIO II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Impostos.

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

Direito Processual Tributário

Direito Processual Tributário Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Processual Tributário Carga Horária: 36 h/a 1- Ementa Direito

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II 9º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Garantias e Privilégios do Crédito Tributário. Administração Tributária. Ilícitos e sanções tributários. Processo administrativo-fiscal

Leia mais

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12

SUMÁRIO. I. Sistema tributário nacional. 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 SUMÁRIO I. Sistema tributário nacional 1. Introdução ao estudo do direito tributário atual - p. 12 2. Linguagem, direito tributário e ciência do direito tributário - p. 17 3. Noções acerca do sistema tributário

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s).

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s). Programa de DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO I 8º Período: 4h/s Aula : Teórica EMENTA Noções preliminares de Ciência das Finanças, Direito Financeiro e Direito Tributário. Receita Pública. Despesa Pública.

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 1.3.1 CARACTERÍSTICAS DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...25 1.3.1.1 INDELEGABILIDADE...25 1.3.1.2

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 8º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Cássio Furlan cassiofurlan@yahoo.com.br Período/ Fase: 7ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre DISCIPLINA: Direito Tributário I CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR133 1. EMENTA: Direito tributário. O tributo. Teoria da norma tributária. Espécies tributárias.

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO 1 I - O DIREITO TRIBUTÁRIO E O DIREITO FINANCEIRO 1- A atividade financeira do Estado 2- O Direito Financeiro e o Direito Tributário 3- A autonomia do Direito

Leia mais

Direito Tributário Exercícios Aula 2

Direito Tributário Exercícios Aula 2 Direito Tributário Exercícios Aula 2 Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com (PGE.RN.2001.FCC.47) São causas extintivas do crédito tributário, segundo o Código Tributário Nacional: a) o pagamento,

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015

PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO- CURSO SEMESTRAL - 2015 Disciplina DIREITO TRIBUTÁRIO II Curso Graduação Período 7º Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

Primeiras Linhas de Direito Tributário

Primeiras Linhas de Direito Tributário Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Professor da Universidade Católica de Brasília (UCB) Coordenador da Especialização a distância em Direito do Estado da UCB Membro do Conselho Consultivo da Associação

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Cássio Furlan cassiofurlan@yahoo.com.br Período/ Fase: 6ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo Gestão Tributária 03.09.2015 André Antunes Soares de Camargo Meus Deus... http://www.impostometro.com.br/ Como está a tributação no Brasil? http://www.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/brazil/ http://ibpt.com.br/home/publicacao.list.php?publicacaotipo_id=2

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -569 Pré-requisito: ------ Período Letivo:

Leia mais

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009 01. Analise os itens a seguir: I - Imposto direto é aquele em que a pessoa que praticou o fato tipificado na lei suporta o respectivo ônus fiscal e imposto indireto é aquele em que o ônus financeiro do

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 11 CAPÍTULO I DIREITO TRIBUTÁRIO, TRIBUTO E SUAS ESPÉCIES... 13 1. Breve introdução ao Direito Tributário...13 2. Tributo...14 3. Espécies

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 Disciplina: Direito Tributário Departamento: Direito do Estado Docente Responsável: Oswaldo Luiz Soares Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo: Anual 5º ano

Leia mais

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü

www.direitofacil.com f ÅâÄtwÉ W Üx àé gü uâàöü É @ `öüv t cxä áátü TRIBUTÁRIO 02 QUESTÕES DE CONCURSO 01 - (TTN/97 ESAF) O Distrito Federal pode instituir a) impostos, taxas e empréstimos compulsórios b) imposto sobre serviços de qualquer natureza; taxas, em razão do

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA Delegado Federal Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.01.2010 Aula n.º 08 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1 Lançamento por homologação 2. Jurisprudência

Leia mais

PLANEJAMENTO E ROTINAS TRIBUTÁRIAS PROF. EDSON PEREIRA DOS REIS FONTES DE PESQUISA: Bibliografias apresentadas ao final do resumo.

PLANEJAMENTO E ROTINAS TRIBUTÁRIAS PROF. EDSON PEREIRA DOS REIS FONTES DE PESQUISA: Bibliografias apresentadas ao final do resumo. PLANEJAMENTO E ROTINAS TRIBUTÁRIAS PROF. EDSON PEREIRA DOS REIS FONTES DE PESQUISA: Bibliografias apresentadas ao final do resumo. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL O Sistema Tributário Nacional é um conjunto

Leia mais

Sumário. I - O tráfego internacional de telecomunicações; II Da União Internacional das Telecomunicações UIT;

Sumário. I - O tráfego internacional de telecomunicações; II Da União Internacional das Telecomunicações UIT; A tributação das telecomunicações: A alteração do Tratado de Melbourne e suas implicações na tributação internacional de Telecom Incidência de IRRF e CideRoyalties nas operações de interconexão Sumário

Leia mais

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa

LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa LEGISLAÇÃO COOPERATIVISTA E TRIBUTÁRIA Curso: Administração em Agronegócios 4º. Período Carga Horária 36 h Créditos: 02 Faculdade Uniessa Direito Tributário: desenvolvimento nacional Objetivo CF art. 3º

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: DIREITO TRIBUTÁRIO Código: CTB-262 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: DIREITO TRIBUTÁRIO Código: CTB-262 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM DIREITO TRIBUTÁRIO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM DIREITO TRIBUTÁRIO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM DIREITO TRIBUTÁRIO Coordenação Acadêmica: Escola de Direito da FGV DIREITO RIO Programa de MBA em Direito Tributário Escola de Direito FGV DIREITO

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

3 aulas - Aula expositiva

3 aulas - Aula expositiva Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/01 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 8º EN UNIDADE

Leia mais

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR)

3. (OAB/CESPE 2007.3.PR) 1. (OAB/CESPE 2007.3) Entre as seguinte vedações, não tem exceção expressa no texto constitucional A a instituição de tributo sem lei que o estabeleça. B a majoração de tributo sem lei que o estabeleça.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.310, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados

Leia mais

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Olá amigos concurseiros, Hoje eu venho falar um pouco sobre a prova de direito tributário do concurso do ICMS/PE que será elaborada pela banca FCC.

Leia mais

Plano de Ensino. Curso: Disciplina: Turma: Turno / Campus: Professor: Direito Direito Processual Tributário - TVI UN Noturno Jose Hable.

Plano de Ensino. Curso: Disciplina: Turma: Turno / Campus: Professor: Direito Direito Processual Tributário - TVI UN Noturno Jose Hable. Curso: Disciplina: Turma: Turno / Campus: Professor: Direito Direito Processual Tributário - TVI UN Noturno Jose Hable Ementa Conceito de processo e procedimento; processo administrativo tributário e processo

Leia mais

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO Renato Braz Mehanna Khamis Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professor do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO Fls 109 CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM. Sr(a). Dr(a). Juiz(a) da(o) 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 30 de junho de 2015. Regina Cely Martins Correia Fonseca

Leia mais

Capacitação Livre em Direito Tributário

Capacitação Livre em Direito Tributário Capacitação Livre em Direito Tributário Rede LFG - Comércio S.E SERVICOS EDUCACIONAIS LTDA - ME CNPJ: 10.220.574/0001-29 Rua dos Algibebes, 26 COMÉRCIO, CEP: 40015-060/SALVADOR - BA Contato: Lauana Fontenele

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19 Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Capítulo I IMPOSTO... 25 1. Imposto... 27 1.1. Sínteses das

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA 685,

MEDIDA PROVISÓRIA 685, MEDIDA PROVISÓRIA 685, de 21 de julho de 2015 Alice Grecchi 10 de Setembro de 2015 Institui o Programa de Redução de Litígios Tributários - PRORELIT, cria a obrigação de informar à administração tributária

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009.

LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009. LIVRO ÚNICO DO REGULAMENTO DO IMPOSTO ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO 26.278 DE 17 DE JULHO DE 2009. ÍNDICE SISTEMÁTICO DO REGULAMENTO DO ICMS DECRETO Nº 21.400, DE 10/12/2002 - QUE APROVOU O NOVO REGULAMENTO

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18

Sumário. Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 Parte I - CAP 01 - Tributo Conceitos e Espécies Parte I - CAP 02 - Competência Tributária 2.1 Repartição das receitas tributárias 18 2.2 Exercício da competência tributária 20 Parte I - CAP 03 - Princípios

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais