A NATUREZA JURÍDICA E A CONSTITUCIONALIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NATUREZA JURÍDICA E A CONSTITUCIONALIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. 2"

Transcrição

1 2 A NATUREZA JURÍDICA E A CONSTITUCIONALIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. 2 Germana Assunção Trindade 3 RESUMO Este trabalho foi desenvolvido através de pesquisa exploratória e bibliográfica com a finalidade de se identificar a natureza jurídica da contribuição para custeio do serviço de iluminação pública - CIP, bem como se aferir se esta contribuição é inconstitucional. Após a análise das informações referentes às características da CIP e das peculiaridades das espécies de tributos existente, chegou-se a conclusão que a CIP é uma contribuição ímpar, posto que suas características não se enquadram totalmente em nenhuma das espécies de tributos existente, porém é a CIP totalmente constitucional, pois a emenda n 39, que a criou, não violou nenhuma das limitações impostas ao Poder Derivado. PALAVRAS-CHAVE: Contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública. CIP. Constitucionalidade. Natureza Jurídica. 1 INTRODUÇÃO Após reiteradas decisões do Supremo Tribunal Federal declarando a inconstitucionalidade da taxa de iluminação pública, instituída por diversos municípios, 2 Artigo Científico apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso, na especialização em Direito Público, do Centro de Ensino Unificado de Teresina-CEUT, que teve como orientador o Prof. MS. Giuliano Menezes Campos. 3 Advogada com atuação preponderante na área do direito empresarial, com pós-graduação em curso de preparação para a magistratura promovido pela Escola Superior de Magistratura do Estado do Piauí.

2 3 alterou-se a constituição federal com o intuito de contornar a decisão do Supremo e tornar possível a cobrança deste tributo pelos Municípios e Distrito Federal. Assim, nasceu através da emenda constitucional nº 39, que inseriu o artigo 149-A na Constituição, a contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública. Para melhor visualização transcreve-se o artigo constitucional citado: Art. 149-A. Os Municípios e Distrito Federal poderão instituir contribuição, na forma das respectivas leis, para o custeio do serviço de iluminação pública, observado o disposto no art. 150, I e III. Parágrafo único. É facultada a cobrança da contribuição a que se refere o caput, na fatura de consumo de energia elétrica. 4 (grifo nosso) Assim, se analisará a contribuição para custeio do serviço de iluminação pública buscando responder qual a natureza jurídica deste tributo, e se é esta contribuição constitucional ou não. Nesta busca, estudar-se-á as características da contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública - CIP, fazendo um comparativo entre estas e as peculiaridades das diversas espécies de tributos. Examinar-se-á as limitações impostas ao poder derivado, no intuito de se aferir a constitucionalidade ou não da contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública. Com esta finalidade, foi desenvolvida uma pesquisa bibliográfica, na qual se fez uma análise mais direta dos assuntos pesquisados. 4 BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

3 4 Chegou-se as informações referentes ao tema através da consulta de obras de caráter geral inquirida e pela explicação do problema a partir de informações teóricas publicadas. Colheu-se informações a cerca da contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública e de suas características, tendo a pesquisa bibliográfica propiciado o exame do tema, não com a profundidade desejada em virtude de escassez de obras que abordem o mesmo, mas levando a conclusões importantes. 2 CIP: IMPOSTO, TAXA, CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA, EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO OU CONTRIBUIÇÃO. Para a Constituição as espécies de tributo são: Imposto, Taxa, Contribuição de Melhoria, Empréstimo Compulsório e as Contribuições. Partindo desta afirmação tentar-se-á estabelecer a natureza jurídica da CIP. Segundo o artigo 4 do CTN: A natureza jurídica específica do tributo é determinada pelo fato gerador da respectiva obrigação, sendo irrelevantes para qualifica-la: I - a denominação e demais características formais adotadas pela lei; II - a destinação legal do produto de sua arrecadação. O CTN em seu art. 16 declara que imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. O imposto é um tributo não vinculado, enquanto que a CIP depende da prestação do serviço de iluminação pública, não podendo ser contribuinte as pessoas que moram em localidades em que não haja luz elétrica, ou melhor, iluminação pública. Ressalte-se, também que enquanto o produto arrecadado pela CIP tem destinação específica (o custeio do serviço de iluminação pública), o produto arrecadado por imposto não tem destinação específica, sendo esta uma diferença entre

4 5 contribuição e imposto. Sendo assim a CIP não tem natureza jurídica de imposto. Por fim o artigo 154, inciso I, da CF declara que a União poderá instituir novos impostos, mediante lei complementar, desde que não sejam cumulativos, e nem tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados na Carta Magna; e a CIP, no entanto, poderá ter a mesma base de cálculo de qualquer dos impostos municipais (quem determinará será a lei municipal reguladora desta contribuição). Para ser taxa a CIP teria ou que decorrer do poder de polícia, ou ser referente a um serviço público divisível e específico; e o serviço de iluminação pública é um serviço destinado à coletividade toda, prestado uti universi e não uti singuli. Também não poderá ter natureza de contribuição de melhoria, pois a mesma deve decorrer de obras públicas. Ao invés de instituir esta nova contribuição, o mais correto seria o Estado cobrar contribuição de melhoria sempre que implantasse o serviço de iluminação pública. Por certo não tem natureza de empréstimo compulsório, tendo em vista que o mesmo só poderá ser instituído para atender a despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública, de guerra ou sua iminência; ou no caso de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional. o que será analisado adiante. Deste modo resta somente a possibilidade de ser a CIP uma contribuição, 3 CIP, CONTRIBUIÇÃO OU NÃO? Como se sabe, a contribuição é um tributo vinculado à atuação do estado. Quer dizer, as contribuições são normativamente qualificadas como tributos cuja

5 6 validação constitucional está diretamente atrelada aos objetivos buscados por uma atuação estatal no âmbito social 5, como ensina Roberto Wagner Lima NOGUEIRA. Hugo de Brito MACHADO, em seu curso de direito tributário, ensina que "a identificação de quem seja sujeito passivo das contribuições sociais, como em princípio ocorre com qualquer tributo, depende do exame da hipótese de incidência de cada uma delas" 6, e NOGUEIRA (2003) citando Geraldo ATALIBA, complementando aquele professor, diz que os sujeitos passivos das contribuições são pessoas cuja situação jurídica tenha relação direta, ou indireta, com um despesa especial, a elas respeitantes, ou alguém que receba da ação estatal um reflexo que possa ser qualificado especial 7 (grifo nosso). Neste caso, os contribuintes da contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública é toda a população do município, pois tal serviço é destinado à coletividade em sua totalidade. Há quem defenda que as pessoas cegas não se beneficiariam diretamente deste serviço; porém a iluminação pública vai além da capacidade de clarear uma área, posto que serve, entre outras coisas, também para coibir a criminalidade. Neste sentido é o entendimento do STF, conforme Acórdãos transcritos abaixo: Ilegalidade da taxa, dado que o serviço de iluminação pública é um serviço destinado à coletividade toda, prestado uti universi e não uti singuli (AI Agr/RS, Acórdão da 2ª Turma do STF, votação unânime, com julgamento em 25/05/99)(grifo nosso). Tributo de exação inviável, posto ter por fato gerador serviço inespecífico, não mensurável, indivisível e insusceptível de ser referido a determinado contribuinte, a ser custeado por meio do 5 NOGUEIRA, Roberto Wagner Lima. Pensando a CIP Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública. Jus Navigandi, Teresina, a 7, n. 64, abr Disponível em: Acesso em: 17 mai MACHADO, Hugo de Brito: Curso de Direito Tributário,15ªed., Malheiros Editores, São Paulo, 1999, p ATALIBA, Gerald apud NOGUEIRA, op. cit., 2003.

6 7 produto da arrecadação dos impostos gerais. Recurso não conhecido, com declaração de inconstitucionalidade dos dispositivos sob epígrafe, que instituíram a taxa no município (RE /RJ, Acórdão do Tribnal Pleno do STF, votação unânime, com julgamento em 10/03/99)(grifo nosso). De acordo com Kiyoshi HARADA, por não ter beneficiário específico da atuação estatal, o tributo instituído, com nome de contribuição ou de taxa, só pode ser entendido como imposto Sendo assim, quanto aos beneficiários a CIP se assemelha aos impostos posto não ter beneficiários específicos. No tocante a base de cálculo de uma contribuição, o melhor seria que mensurasse a causa provocante da ação estatal por um grupo especial de sujeitos passivos; mas nada impede que uma contribuição tenha a mesma base de cálculo de um imposto, pois o que a constituição veda é a existência de dois impostos com a mesma base de cálculo ou fato gerador (bi-tributação). Neste ponto a CIP tem a característica de uma contribuição. Por outro lado, as contribuições são tributos caracterizados pelo destino de sua arrecadação. Corrobora com esta afirmação o professor Hiyoshi HARADA ao dizer que "como bem assinala jurisprudência da suprema Corte; a destinação legal do produto de sua arrecadação é apenas um dos traços marcantes da contribuição, que, repita-se, tem destinação intrínseca (pressupõe beneficiários específicos da atuação do Estado) em contraposição, a impostos, que tem destinação extrínseca" 9. Dessa forma a CIP enquadra-se como contribuição já que o produto final da contribuição instituída pelos Municípios e o Distrito Federal será remetido à iluminação pública. Assim resta evidente que a CIP não possui todos os elementos necessários para a configuração de uma contribuição, por não possuir beneficiário 8 HARADA, Kiyoshi. Contribuição para o custeio da iluminação pública. Jus Navigandi, Teresina, a. 7, n. 65, mai Disponível em: Acesso em: 17 mai Id., ibid., 2003.

7 8 específico; como também, por o custeio do serviço de iluminação pública não ser uma despesa especial provocada por um grupo específico de pessoas; e sim uma despesa provocada por toda a coletividade. Deste modo, a contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública será uma contribuição ímpar, pois não se enquadra em sua totalidade em nenhuma das espécies de tributo. 4 É A CIP UM TRIBUTO INCONSTITUCIONAL? A presença de características que tornam a CIP um tributo singular faz com que alguns doutrinadores aleguem ser a mesma inconstitucional, já que ela não se enquadra em nenhuma das espécies previstas pela Carta Magna. É cediço que a Constituição Federal de 1988 somente pode ser modificada pelo poder constituinte derivado reformador, que se manifesta através de emendas constitucionais (art. 59, I, e 60 da Cf/88) 10. Destarte ter a CIP características singulares, não se pode olvidar que a CIP foi criada por uma emenda constitucional, ou seja, pelo poder derivado reformador. Assim só poderia ser considerada inconstitucional se a emenda n. 39, que a instituiu, tivesse violado as limitações ao poder reformador; posto que ao contrário do poder constituinte originário que é ilimitado e incondicionado; o poder constituinte derivado, por decorrer de uma regra jurídica de autenticidade constitucional, conhece limitações constitucionais expressas e implícitas e é passível de controle de constitucionalidade, ou seja, o poder constituinte derivado é subordinado e condicionado. 10 LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 8ª ed. São Paulo: Editora Método, 2005.

8 9 Desta forma, toda Constituição encerra determinadas matérias implícita ou explicitamente dispostas em seu bojo que não podem ser modificadas pelo poder constituinte derivado reformador. em: expressas e implícitas. As limitações a que se sujeita o poder derivado podem ser classificadas As limitações expressas 11 se subdividem em: a)restrições materiais (cláusulas pétreas Cf/88, art. 60, 4 - que proíbem a deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: I- a forma federativa de Estado, II- o voto direto, secreto universal e periódico, III- a separação dos Poderes, e IV- os direitos e garantias individuais), b) restrições circunstanciais (Cf/88 em seu art. 60, 1, proíbe que seja a Constituição modificada na vigência de estado de sítio, defesa, ou intervenção federal) e restrições formais (referentes ao processo legislativo CF, art. 60, I, II e III, 2,3 e 5 ). Já as limitações implícitas referem-se a impossibilidade de supressão das limitações expressas e alteração do poder constituinte derivado reformador 12. Do acima exposto, percebe-se que a somente se poderia questionar a constitucionalidade da emenda n 39 com relação a cláusula pétrea referente aos direitos e garantias individuais. Ocorre que não há como se alegar que a emenda n 39 ao criar a CIP tributo tenha violado a cláusula pétrea referente aos direitos e garantias individuais, pois é cediço o fato de não ter o individuo direito a não criação de uma nova contribuição ou de uma nova espécie tributária, tendo em vista que somente é direito individual a restrição contida no inciso I, do art. 154, da CF, abaixo transcrito: MORAIS, Alexandre de. Direito Constitucional. 12ª ed. São Paulo: Atlas, MORAIS, Alexandre de. Direito Constitucional. 12ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

9 10 Art A União poderá instituir: I mediante lei complementar, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição. 13 (grifo nosso) Desta forma, resta claro não ter a emenda n. 39 infringido nenhuma das limitações expressas, nem tão pouco violou as limitações implícitas. 5 CONCLUSÃO Diante do acima exposto chega-se a conclusão que a contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública deve ser considerada uma contribuição ímpar, pois, como demonstrado, possui características singulares, exemplo disto é a falta de beneficiário específico. Deste modo, tem-se com a CIP uma nova espécie de contribuição, no entanto é a mesma totalmente constitucional, posto que a emenda n 39 não violou nenhuma das limitações impostas ao Poder Derivado. ABSTRACT Ahead of above displayed it is arrived conclusion that the contribution for the expenditure of the service of public illumination must be considered an uneven contribution, therefore, as demonstrated, it possess singular characteristics, example of that is the lack of specific beneficiary. In this way, a new species of contribution is had with the CIP, however it is same the total constitutional one, rank that emendation n 39 did not violate none of the limitations imposed to the Derived Power. 13 BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

10 11 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Código Tributário Nacional. Organizador Kiyoshi Harada; coordenadora Dulce Eugênia de Oliveira. 5ª ed. São Paulo: Rideel, BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, HARADA, Kiyoshi. Contribuição para o custeio da iluminação pública. Jus Navigandi, Teresina, a. 7, n. 65, mai Disponível em: Acesso em: 17 mai MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário.15ªed., São Paulo: Malheiros Editores, MAIA, T. Lisieux. Metodologia Básica. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, MORAIS, Alexandre de. Direito Constitucional. 12ª ed. São Paulo: Atlas, LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 8ª ed. São Paulo: Editora Método, NOGUEIRA, Roberto Wagner Lima. Pensando a CIP Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública. Jus Navigandi, Teresina, a 7, n. 64, abr Disponível em: Acesso em: 17 mai

11 12 SILVA, Réia Silvia Rios Magalhães, XIMENES, José Augusto Paz. A Monografia na prática do graduando: como elaborar um trabalho de conclusão de curso tcc, Teresina: CEUT, 2002.

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza pública. RESUMO: O presente artigo tem por finalidade abordar a temática constitucional que

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

PROCESSO - TC-888/2006 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTELO ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-888/2006 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTELO ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-888/2006 INTERESSADO - PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTELO ASSUNTO - CONSULTA CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA - CIP (ARTIGO 149-A DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL) - RECURSOS ARRECADADOS

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 Victor Leão Teles Cruvinel Ferreira¹ Patrícia Spagnolo Parise²

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )2( oãdróca atneme756754 RgA-IA Diário da Justiça de 07/12/2006 14/11/2006 PRIMEIRA TURMA AG.REG.NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 457.657-6 RIO DE JANEIRO RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Ordenamento Jurídico- Tributário 1.Constituição Federal, Título

Leia mais

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM OMAR AUGUSTO LEITE MELO Advogado, sócio do escritório Leite Melo & Camargo Sociedade de Advogados, sócio e editor da Tributo Municipal III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM O sistema tributário

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 04/08/2006 13/06/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. EROS GRAU AGRAVANTE(S) : MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE ADVOGADO(A/S) : DAYSE MARIA ANDRADE ALENCAR AGRAVADO(A/S) : INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - CIP

A CONTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - CIP A CONTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - CIP HUGO DE BRITO MACHADO Advogado, Professor Titular de Direito Tributário da Universidade Federal do Ceará e Desembargador Federal do Tribunal Regional Federal

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

CONTROVÉRSIAS SOBRE A NATUREZA JURÍDICA DAS CONTRIBUIÇÕES

CONTROVÉRSIAS SOBRE A NATUREZA JURÍDICA DAS CONTRIBUIÇÕES CONTROVÉRSIAS SOBRE A NATUREZA JURÍDICA DAS CONTRIBUIÇÕES Henrique Rocha Fraga * SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Finalidade do Estudo do Tema. 3 As contribuições no Sistema Constitucional Tributário. 4. Natureza

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

22 de julho de 2015, 8h01. Por Igor Mauler Santiago

22 de julho de 2015, 8h01. Por Igor Mauler Santiago CONSULTOR TRIBUTÁRIO Distribuidora de energia não pode ser obrigada a arrecadar a CIP de graça 22 de julho de 2015, 8h01 Por Igor Mauler Santiago O artigo 149-A da Constituição é lacônico. Autoriza os

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.12.048514-9/000 Númeração 0485149- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Dárcio Lopardi Mendes Des.(a) Dárcio Lopardi Mendes 24/07/2013 02/08/2013

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada*

Fato gerador do ISS. Kiyoshi Harada* Fato gerador do ISS Kiyoshi Harada* Este é um tema aparentemente pacífico, mas na prática vem causando muitas dúvidas. senão confusões. Façamos considerações pertinentes para melhor explicitar o aspecto

Leia mais

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver.

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver. Olá Concursandos! No artigo de hoje, vou tratar das taxas (taxas-serviço público, pois as taxaspoder de polícia vão ficar para outra oportunidade). É impressionante como esse ponto cai em concurso da ESAF!

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS (Revista do CIEE/Nacional Agosto/2014) Considerações Iniciais Em nosso ordenamento jurídico a competência tributária é definida pela Constituição. Os entes tributantes (União, Estados,

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A INCONSTITUCIONALIDADE MORAL DO ARTIGO 149-A DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

A INCONSTITUCIONALIDADE MORAL DO ARTIGO 149-A DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A INCONSTITUCIONALIDADE MORAL DO ARTIGO 149-A DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Paulo Antonio Rufino de Andrade Professor e Coordenador do Curso de Direito da Faculdade Bertioga. Bacharel em Direito pela Universidade

Leia mais

ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL. Irapuã Beltrão

ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL. Irapuã Beltrão ITR COMPETÊNCIA FEDERAL X CAPACIDADE MUNICIPAL Irapuã Beltrão As primeiras lições dos ramos de Direito Público, seja no Direito Constitucional como no Direito Administrativo e Tributário, encaminham o

Leia mais

A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS

A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS 1 A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS MARCELO RICARDO ESCOBAR Advogado em São Paulo, sócio do escritório Escobar Advogados Associados, foi Juiz do Tribunal

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Definição: aptidão para criar, in abstracto, tributos. (Roque Carrazza)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS 1 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS IRACI DE OLIVEIRA KISZKA 1 SANDRÉA ALVES ABBAS 2 RESUMO Este trabalho procura apontar algumas divergências doutrinárias sobre as contribuições sociais, em

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi 1 1. Introdução Princípio é a regra básica implícita ou explícita que, por sua grande generalidade, ocupa posição de destaque

Leia mais

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Kiyoshi Harada* Não há unanimidade na doutrina e na jurisprudência quanto ao fato gerador do IPI. Muitos doutrinadores sustentam que o produto industrializado

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO TRIBUTÁRIO I. Sistema Tributário Nacional e Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar... 02 II. Tributos... 04 III. O Estado e o Poder de Tributar. Competência Tributária... 08 IV. Fontes

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.559, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Institui a Taxa de Combate a Incêndios no município de Morrinhos e dá

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 2.725, DE 2011.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 2.725, DE 2011. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 2.725, DE 2011. Acrescenta dispositivo à Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal,

Leia mais

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros Da competência privativa da União para legislar sobre seguros A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento de sua atividade normativa. (HORTA,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE. Paulo Ayres Barreto

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE. Paulo Ayres Barreto CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE Paulo Ayres Barreto Contribuições e destino do produto arrecadado Crescente processo de desvinculação / desvio do produto

Leia mais

Da competência privativa da União

Da competência privativa da União Opinião 38 Da competência privativa da União Para legislar sobre seguros ALESSANDRA CARNEIRO A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS COSIP

A CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS COSIP A CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS COSIP Autor: Rodrigo Dantas Coêlho da Silva, advogado em Natal/RN e bacharelando em Ciências Econômicas pela UFRN. End.: Av. Romualdo

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

IUS RESUMOS. Impostos Municipais - IPTU. Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso

IUS RESUMOS. Impostos Municipais - IPTU. Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso Impostos Municipais - IPTU Organizado por: Elias Daniel Batista Cardoso SUMÁRIO I. IMPOSTOS MUNICIPAIS - IPTU... 3 1. Do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU.... 3 1.1 Características

Leia mais

O Novo Regulamento do IPI Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010 Frete na Base de Cálculo do IPI Inconstitucionalidade

O Novo Regulamento do IPI Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010 Frete na Base de Cálculo do IPI Inconstitucionalidade O Novo Regulamento do IPI Decreto nº 7.212, de 15 de junho de 2010 Frete na Base de Cálculo do IPI Inconstitucionalidade Rinaldo Maciel de Freitas 1 O Novo Regulamento do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. Conceito de Direito Tributário 1 É ramo do Direito Público, uma vez que presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica, prepondera o interesse da coletividade.

Leia mais

DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR

DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR Wellington Magalhães * 1. POSICIONAMENTO DO TEMA O tema pertinente à imunidade tributária se encontra posicionado e largamente estruturado na Constituição Federal. Na

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2015.0000531353 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2015.0000531353 ACÓRDÃO fls. 255 Registro: 2015.0000531353 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança Coletivo nº 2218723-64.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro CONSULTA A Consulente vem promovendo a operação de venda de lubrificantes (óleo protetivo derivado

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira O IPI é tributo de competência da União Federal, conforme se pode observar da análise

Leia mais

Competência Tributária.

Competência Tributária. Competência Tributária. PONTO 1 RESUMO FUNDAMENTAL 1. A competência tributária é o poder conferido à União, aos Estados-membros, ao Distrito Federal e aos Municípios de instituir tributos por meio do processo

Leia mais

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO Fls 109 CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM. Sr(a). Dr(a). Juiz(a) da(o) 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 30 de junho de 2015. Regina Cely Martins Correia Fonseca

Leia mais

Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM

Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM Taxas noções introdutórias Taxa espécie tributária Características:

Leia mais

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO.

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Centro Universitário de Brasília - UNICEUB VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Brasília 2009 1 VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 110 - Data 22 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI A imunidade religiosa

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul fundamento a necessidade de de tal medida, nos seguintes termos:

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul fundamento a necessidade de de tal medida, nos seguintes termos: Processo Gab n 067/2011 REQUERENTE: Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Mato Grosso do Sul OBJETO: Análise da constitucionalidade do Decreto n 13.162, de 27 de abril de 2011. VOTO. O Governo do

Leia mais