CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO: CIDE DOS COMBUSTÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO: CIDE DOS COMBUSTÍVEIS"

Transcrição

1 FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO: CIDE DOS COMBUSTÍVEIS MARCUS FRAGA RODRIGUES CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ 2005

2 MARCUS FRAGA RODRIGUES CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO: CIDE DOS COMBUSTÍVEIS Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação stricto sensu em curso de Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Campos, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Direito, sob a orientação do Prof.º Dr. Aurélio Pitanga Seixas Filho. CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ 2005

3 Rodrigues, Marcus Fraga. Contribuição de intervenção no domínio econômico: CIDE dos combustíveis./ Marcus Fraga Rodrigues f. Orientador: Aurélio Pitanga Seixas Filho. Dissertação (mestrado) Faculdade de Direito de Campos. 1. Contribuição de intervenção no domínio econômico. I. Título.

4 9 MARCUS FRAGA RODRIGUES CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO: CIDE DOS COMBUSTÍVEIS Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação stricto sensu em Direito da Faculdade de Direito de Campos, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Direito na área de concentração em Relações Privadas e Constituição. Campos dos Goytacazes - RJ, em 15 de fevereiro de COMISSÃO EXAMINADORA Prof.º Dr.º Aurélio Pitanga Seixas Filho Faculdade de Direito de Campos Orientador. (Presidente) Prof.º Dr.º Auner Pereira Carneiro Faculdade de Direito de Campos Prof.º Dr.º Adilson Rodrigues Pires

5 10 Dedico este trabalho ao meu grande mentor Dr. Aurélio Pitanga Seixas Filho, que com seu profundo conhecimento jurídico, me orientou nos momentos difíceis de dúvidas e angústias, e contribuiu fundamentalmente para o resultado alcançado.

6 11 Agradeço ao pai celeste pela vida e saúde concedida e à minha família, pela compreensão e apoio nos momentos de ausência. Agradeço especialmente, a todos os Professores do curso de Mestrado que com paciência nos conduziram ao aprimoramento intelectual jurídico.

7 12 RESUMO O tema Contribuições sempre foi assunto por demasiado controverso na doutrina e jurisprudência. Com a promulgação da Constituição de 1988, algumas cobranças feitas pelo Poder Público foram incorporadas ao ordenamento jurídico pelo princípio da recepção, e outras, criadas já sob o manto da outrora nova Carta Magna. O foco deste estudo está nas contribuições interventivas, que se busca analisar sucintamente em seu conjunto, dando relevo à Contribuição Interventiva sobre os Combustíveis. Assim, atenção especial está sendo devida à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre os Combustíveis e sua evolução normativa, inovações legislativas, intervenção específica, etc. Será abordada sua previsão constitucional e o advento posterior das Emendas Constitucionais n.s 33, 42 e 44, bem como, a Lei n /01 que criou o referido tributo, e as leis e medida provisória que lhe alteraram a redação. Em seguida, será examinado o tributo como ele se apresenta e interage dentro do sistema tributário constitucional, mormente com o texto do artigo 149 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e os princípios constitucionais tributários. Será estabelecida sua natureza jurídica, bem como, os critérios da regra-matriz de incidência instituídos pela Lei n , de Ao final, tecer-se-á uma análise conclusiva dos elementos aqui tratados, de forma a firmar a inconstitucionalidade do tributo em questão. Palavras-chave: Contribuições contribuição interventiva intervenção emenda constitucional inconstitucionalidade.

8 13 ABSTRACT The subject Contributions always was too much controversial subject for amongst the doctrine and jurisprudence. With the promulgation of the Constitution of 1988, some collections made for the Public Power had been incorporated the legal system for the princípio da recepção, and others, created already under the mantle of long ago the new Carta Magna. The focus of this study is in the interventivas contributions, which if search it in its set analyzes, giving relief to the Contribuição Interventiva on Fuels. Thus, special attention is being had to the CIDE of Fuels and its normative evolution, legislative innovations, specific intervention, etc. Its constitutional forecast will be boarded and the posterior advent of the Emendations Constitutional n.s 33, 42 and 44, as well as, Law n. 10,336/01 that it created cited the tribute, and the laws and provisional remedy that had modified it the writing. After that, it will be examined this tribute as it inside presents and interacts of the system constitutional tributary, mainly with the text of the article 149 of the CF88 and principles constitutional tributaries. Its legal nature will be established, as well as, the criteria of the incidence regramatriz instituted by Law n. 10,336, of To the end, a conclusive analysis of the elements treated here will be established of form to firm the unconstitutionality of the tribute in question. Keywords: Contributions contribuição interventiva - intervention - constitutional emendation - unconstitutionality.

9 14 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 1ª PARTE - Evolução normativa 1 Considerações gerais 16 2 Contribuições de intervenção no domínio econômico 23 3 Contribuição de intervenção no domínio econômico: CIDE dos combustíveis 32 2ª PARTE - Constituição e delineamento da CIDE dos Combustíveis 4 Classificação tributária 50 5 Natureza jurídica 64 6 Princípios constitucionais tributários Regra-matriz de incidência 76 3ª PARTE - Análise crítica da exação 8. Inovação impositiva no sistema tributário e competência residual Criação da CIDE dos combustíveis por lei ordinária Aplicação da receita da CIDE por ente político diverso Intervenção específica Repertório jurisprudencial 105 CONCLUSÃO 113 REFERÊNCIAS 117 ÍNDICE 123

10 15 INTRODUÇÃO O Governo tem majorado os tributos de forma a que cada vez mais a carga tributária se torne demasiadamente excessiva ao contribuinte. Historicamente, pela crescente necessidade financeira, não se pode identificar uma real diminuição da carga tributária, de forma que o Poder Público se compromete em suas políticas com os recursos disponíveis, sem que haja um planejamento de quais fontes deverão ser limitadas, temporárias, como é o caso das contribuições interventivas. As contribuições estão previstas em sua quase totalidade, no artigo 149 da CF88. Este artigo, como será observado, sofreu grandes alterações com as emendas constitucionais que trataram da matéria, criando, v.g. a contribuição de custeio da iluminação pública. Tais alterações serão brevemente analisadas, assim como, as leis que tratam da CIDE dos Combustíveis. Em voga nas discussões em todas esferas, no âmbito tributário, este tributo ganha especial destaque, fato este, aliado ao surgimento recente desta imposição tributária e, ainda sendo tratada de modo esparso nas obras existentes, tornou-se relevante e, particularmente interessante a abordagem do tema. Deste modo, sobre este novo tributo que recai sobre o setor de combustíveis, propriamente a importação e comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados e álcool combustível, é que se esteia este trabalho.

11 16 1ª PARTE EVOLUÇÃO NORMATIVA 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS Desde antes do advento da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, muito já se discutia acerca da criação, existência e autonomia da figura jurídica das Contribuições. Muitas destas discussões têm se mantido até os dias de hoje, época em que este instituto adquire notoriedade com o surgimento de novas cobranças por parte do Estado, sob o enquadramento do regime jurídico tributário, e que, a estrutura de criação destes novos tributos, entenda-se análise formal e material, na maioria das vezes não guarda harmonia com o sistema tributário vigente. Iremos observar que o Estado dentro de sua voraz diretriz arrecadadora, tendo identificado a dificuldade de criação de novos impostos e taxas, parte por instituir cobrança de valores do contribuinte sob as mais variadas formas, procurando disfarçar sua exigência, sob a nomenclatura de Contribuição, fato que se mostra desprovido de direito quando analisados seus aspectos e confrontados com a exação imposta, como v.g. contribuição de iluminação pública e a própria Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) dos Combustíveis. Fernando Maida 1 em interessante artigo sobre contribuição interventiva, argumenta que há uma crescente majoração tributária, acompanhada pela criação de novos tributos, em virtude do Estado estar em constante busca para ao menos amenizar o desequilíbrio em suas contas. Fato este, que se acentuou pelo interesse na construção e reforma das estradas, aliado ao fato do infeliz e crescente rombo nas contas da previdência. 1 MAIDA, Fernando. O caráter Fiscal e extrafiscal da CIDE sobre as atividades na indústria de petróleo. Teresina, Jus Navigandi, 2003, p. 2.

12 17 O desequilíbrio nas contas previdenciárias tem sido o principal fator de agravamento dos resultados fiscais do setor público. Vale a pena ressaltar que o desequilíbrio do sistema público de previdência é cerca de cinco vezes maior que o do INSS, que congrega os trabalhadores da iniciativa privada. O sistema público gasta cerca de R$40 bilhões por ano para pagar benefícios a cerca de 3 milhões de servidores inativos, enquanto o INSS despende cerca de R$50 bilhões no pagamento de benefícios a aproximadamente 18 milhões de trabalhadores. Mantidas as atuais tendências, os gastos com aposentadorias e pensões acabarão por inviabilizar as administrações públicas, pela compressão dos salários dos servidores da ativa e esgotamento da disponibilidade de recursos para execução das demais políticas públicas. [...] Como já observado, num contexto legal que impõe restrições a corte ainda mais acentuado de despesas, a magnitude do superávit primário necessário para desencadear movimento sustentado de estabilização da relação dívida/pib, com redução das taxas de juros e aceleração do crescimento, torna necessária a elevação tópica de receitas. E como pode ser materializada tal operação? Como seria feita esta elevação de receita? Ah, qualquer um saberia a resposta. É notório que seria por aumento de alíquotas dos tributos existentes ou então pela gênese de novos tributos. 2 O problema aqui citado não é novo, muito ao contrário, remonta à época do Império. Aurélio Pitanga Seixas Filho 3 em estudo sobre as Contribuições, traz a lume que: A ausência de recursos financeiros ordinários suficientes para cobrir as despesas necessárias para a implantação e manutenção de uma nação independente, 2 MAIDA, 2003, p SEIXAS FILHO, Aurélio Pitanga. Contribuições e vinculação de sua receita. Grandes Questões Atuais de Direito Tributário. v. 8. São Paulo: Dialética, 2004.

13 18 levaram a administração imperial a funcionar em permanente déficit orçamentário [...]. Desde então, o sistema tributário vem sofrendo distorções com a criação de cobranças pecuniárias sob variadas nomenclaturas, ora impostos, taxas ou contribuições e, com a promulgação da Constituição Federal de 1988 e posteriormente suas Emendas, muitas destas exações foram extintas pela sua não recepção, outras, até hoje, são alvo de críticas e debates jurídicos judiciais e extrajudiciais. Visto que esta análise mantém corte temporal na Constituição Federal de 1988, passaremos sinteticamente a relacionar as contribuições recepcionadas pela Carta Magna e as criadas a partir de sua promulgação. 1.1 ESPÉCIES DE CONSTRIBUIÇÕES GENÉRICAS Durante a vigência das Constituições anteriores à de 1988, foram criados tributos, cujo nomem iuris alguns doutrinadores divergem a seu respeito, entretanto, continuam presentes em nosso sistema tributário. Passemos deste modo a brevemente citá-las: I Contribuições de Interesse das Categorias Profissionais: destinam-se a manutenção de atividades de interesse do Estado, mas não são cobradas por este, mas sim por pessoas jurídicas de direito privado, v.g. órgãos de encaminhamento ao emprego SENAI, SESC e SESI, dos Conselhos das Classes profissionais OAB, CREA, CRC, CRM, etc.

14 19 Kiyoshi Harada sustenta a natureza tributária desta contribuição, fundamentando que, por não se tratar de contribuições voltadas à seguridade social, não se lhe aplica o disposto no artigo 195, 4º da Constituição Federal de Na verdade, não se trata de contribuições para a expansão da seguridade social a reclamar edição de lei complementar [...]. Também não é de se aplicar retroativamente o disposto no art. 146, III, a, da CF para definir previamente, em nível de lei complementar, a espécie tributária, o fato gerador, a base de cálculo e o contribuinte. Se elas foram criadas na vigência da Constituição de 1946 (as do SENAI e as do SESI foram criadas pelo Decreto-lei n.º 4.012/42) e na conformidade das normas constitucionais então vigentes, esse a atual Carta Política fez expressa referência a elas em seu art. 240 ressalvando-as do disposto no art. 195, parece claro que houve recepção da legislação anterior ao advento da nova ordem constitucional. Afinal, o Excelso Pretório Nacional de há muito assentou a tese de que as normas da legislação ordinária anterior só perdem eficácia se conflitantes com as normas da nova Constituição. 4 Compactuam com este posicionamento José Eduardo Soares de Melo 5 e Ricardo Lobo Torres, de modo que este último afirma que: As contribuições profissionais eram cobradas como ingressos parafiscais até a CF Com a Emenda Constitucional n. 1, de 1969, que as incluiu no art. 21, 2º, item I, ganharam estatura tributária, situação que permaneceu no texto atual. 6 E este último doutrinador complementa: Destinando-se à defesa dos direitos fundamentais, entre os quais se encontra o do livre exercício da profissão, e 4 HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. São Paulo: Atlas, 2003, p MELO, José Eduardo. Contribuições Sociais Lineamentos Jurídicos. In: SCHOUERI, Luiz Eduardo (coord.). Direito Tributário, vol. II. São Paulo: Quartier Latin, 2003, p TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, p. 412.

15 20 revertendo para os cofres das autarquias federais, a contribuição profissional, ao contrário da social e da econômica, tem natureza tipicamente tributária. 7 II Contribuição Sindical: São aqueles valores devidos pelos trabalhadores sindicalizados aos respectivos sindicatos. Hugo de Brito Machado sustenta a natureza não tributária desta cobrança, pelo fato de que a Constituição Federal (CF88) no art. 8º, IV, estabelece que sua cobrança seja determinada em Assembléia Geral, opinião que compactuamos. Há quem sustente que a contribuição referida no art. 8º, inciso IV, da CF é uma espécie de tributo, em relação à qual não se aplica o princípio da legalidade. Não nos parece que seja assim. Preferimos entender que se trata de contribuição de natureza não tributária, em tudo idêntica à contribuição cobrada por qualquer associação civil. 8 III Contribuições da Seguridade Social: São aquelas previstas no artigo 195 da CF88 que representam aquelas devidas pelos empregadores, empresa ou entidade equiparada (inciso I); COFINS (inciso I, alínea b); lucro (inciso I, alínea c); do trabalhador e demais segurados da previdência (inciso II); sobre o concurso de prognóstico (inciso III); e sobre atividades rurais e pesca artesanal (parágrafo 8º). Nestas ainda se inclui o PASEP, que criado pela LC n.º 8 de , com a CF88 adquiriu natureza jurídica tributária. Com o advento da CF/88 a contribuição passou a ter natureza jurídica tributária, tornando-se obrigatória (STF, ADIn 1.417, Pertence, j. em ), tendo sua destinação por objeto o 7 TORRES, 2004, p MACHADO. Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Malheiros, 2004, p. 402.

16 21 financiamento do seguro-desemprego e o abono devido aos empregados menos favorecidos (CF, art. 239, 3). 9 IV Contribuição Social: possuem maior abrangência que as contribuições destinadas à seguridade social, que não deixam de ser contribuições sociais. José Eduardo Soares de Melo as classifica como Contribuições Sociais Genéricas nas quais se incluem o PIS, o FGTS, o Salário-Educação. Incluímos, ainda, o seguro de acidentes de trabalho, a contribuição dos clubes de futebol profissional (Lei n.º 8212/91, art. 22, 6º a 11º, com redação dada pela Lei n.º 9.528/97, art. 1º), as contribuições ao SESI, SESC, SENAI, SENAC, entre outros. Contudo, tal fato não é bastante para que tais contribuições se misturem, como adverte Kiyoshi Harada: Cumpre assinalar preliminarmente que existem as contribuições sociais gerais que não se confundem com as contribuições para a seguridade social. São exemplos delas, a contribuição social do salário-educação, prevista no art. 212, 5º da CF e a contribuição ao FGTS a que se refere o art. 7º, III da CF. 10 Cabe ressaltar que alguns doutrinadores, como José Eduardo Soares de Melo 11, incluem a CPMF nesta categoria posto que se destina a investir no setor de saúde, nítido, pois, o caráter social. V Contribuição de Custeio da Iluminação Pública: Criada pela Emenda Constitucional (EC) n. 39/2002, que alterou o artigo 149 da CF88, tal cobrança objetiva que os consumidores de energia elétrica contribuam com certo valor para custear o serviço de iluminação em ruas e logradouros públicos. 9 SCHOUERI, vol. II, pág HARADA, 2003, p. 327.

17 22 Extremamente contestada e, de constitucionalidade muito duvidosa, esta nova cobrança tributária com fins meramente arrecadatórios (fiscais), encontra duras críticas na doutrina pátria. Em singular estudo sobre o assunto, o professor Aurélio Pitanga comenta: A iluminação pública não constitui uma prestação de serviço com caráter de especificidade, porque não pode ser ou estar conectada a um imóvel em particular, não sendo possível, assim, medir a quantidade de luz distribuída nos logradouros públicos que lhe pode ser diretamente afetada, nem sua utilidade pública pode ser destacada em uma unidade autônoma. A iluminação pública tem a função de clarear as ruas, avenidas, estradas e demais logradouros públicos, sendo, então, os beneficiários desse serviço publico aqueles que transitam livremente por essas vias abertas a toda e qualquer pessoa. Consequentemente, são as pessoas que passam por esses logradouros que poderiam custear essa despesa do município através de um sistema do tipo do pedágio. [...] Como visto, foge a qualquer lógica querer remunerar um serviço público genérico ou universal através de tributos, como a taxa e a contribuição, ou preço público ou tarifa, que somente se prestam a custear serviços públicos específicos ou singulares. 12 Inobstante, em que pesem os sólidos argumentos doutrinários neste sentido, sua existência e exigibilidade amparam-se no princípio da presunção de legalidade, 11 MELO, José Eduardo Soares de. Contribuições Sociais no Sistema Tributário. São Paulo: Malheiros, p SEIXAS FILHO, Aurélio Pitanga. Contribuição para Iluminação Pública EC Grandes Questões Atuais do Direito Tributário, São Paulo: Dialética, v. 7, 2003, pp

18 23 ficando sua inconstitucionalidade ao aguardo de propositura e julgamento de ADIn (Ação Direta de Inconstitucionalidade). VI Contribuição de Melhoria: Prevista no art. 145, inciso III, da Constituição Federal, este tributo é vinculado a uma obra pública que acarrete benefício econômico. O valor cobrado, por sua vez, não deve ultrapassar o custo total da obra, nem o acréscimo financeiro gerado ao imóvel particular. VII Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico: Objeto deste trabalho, as contribuições de intervenção no domínio econômico serão abordadas em separado, a seguir. 2 CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO Ao contrário do que muitos podem pensar, as contribuições de intervenção no domínio econômico (CIDE) não se restringem à CIDE dos Combustíveis, regulada pela Lei n.º /01. Da mesma forma, as contribuições interventivas também não são inovações da Carta Constitucional de Iremos mencionar, com a brevidade que nos for possível, as contribuições interventivas recepcionadas na CF88 e as criadas após sua promulgação. Muitos doutrinadores inserem as contribuições de intervenção no domínio econômico dentro da classificação das contribuições sociais, entre eles Hugo de Brito Machado 13, Kiyoshi Harada 14 e José Eduardo Soares de Melo MACHADO, 2004, p HARADA, 2003, p MELO. In: SCHOUERI, vol. II, 2003, p. 727; e Contribuições Sociais no Sistema Tributário, 2003, p. 7.

19 24 De outro lado, também renomados tributaristas as classificam de forma independente das Contribuições Sociais, entre eles Zelmo Denari 16, Marcelo Guerra Martins 17 e Ricardo Lobo Torres 18. Sem adentrarmos nesta discussão a qual se afasta do objeto deste exame, aderimos a esta segunda corrente doutrinária que, neste estudo, serão tratadas as Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico em capítulo próprio. Como o próprio texto constitucional traz no artigo 149, as CIDE`s deverão incidir somente sobre atividades as quais impera o domínio econômico, guardada estreita relação com os princípios que norteiam a atividade econômica, elencados no artigo 170 da CF88. O citado dispositivo explicita ainda que a atividade interventiva, deverá ser direcionada ao setor sobre o qual recaiu a tributação e, assim, o produto de sua arrecadação deverá ter destinação específica, qual seja, o mesmo setor. Dispõe o caput do art. 149 da CF88 que: Compete exclusivamente à União instituir contribuições [...] de intervenção no domínio econômico [...], como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas [...]. Verifica-se que a CIDE deverá realmente servir como um instrumento interventor, de modo a efetivamente ser aplicada e ter sua receita voltada à intervenção no determinado setor da economia. De plano observa-se que o objetivo precípuo da CIDE é a própria intervenção direta: função extrafiscal; ou indireta: função parafiscal e não o mero interesse arrecadador função fiscal o qual vem se utilizando o Estado. As CIDE`s estão intimamente ligadas à própria concepção de intervenção, de forma que esta, como bem ensina Ricardo Lobo, pode ser verificada sob um aspecto histórico, em que a própria figura do Estado no contexto econômico 16 DENARI, Zelmo. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Atlas, 2002, p MARTINS, Marcelo Guerra. Impostos e Contribuições Federais. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, p TORRES, 2004, pp. 410; 450.

20 25 mudou de papel, partindo do Welfare State ou simplesmente Estado do Bem-estar Social, para um Estado Democrático de Direito. O primeiro, fortemente interventor, buscava gerir e suprir todas as áreas: econômica, industrial, científica, etc., e o segundo, com característica descentralizadora cada vez mais acentuada. Na primeira fase, do intervencionismo paternalista, inúmeras foram as contribuições econômicas instituídas e que já começaram a desaparecer [...]. Na outra fase, do período da privatização e da desregulamentação, iniciado no Governo Collor e fortalecido no Governo Fernando Henrique, revogam-se diversas contribuições e criam-se outras, agora destinadas a controlar o abuso do poder econômico, zelar pela concorrência, estabilizar preços, transformar em consumidores as populações marginalizadas, promover o avanço tecnológico da economia [...]. 19 As contribuições interventivas, possuem natureza temporária, e com fundamento no artigo 149 da CF88, devem servir de instrumento à intervenção da União Federal nas áreas sobre as quais recaiu o encargo financeiro. Para que não nos afastemos de nosso objeto, que visa analisar a evolução das contribuições interventivas, especialmente, a CIDE dos Combustíveis, não será aqui examinada a intervenção em essência, nem a conceituação de ordem e domínio econômico do Estado por meio destas imposições tributárias, que por serem demasiadas amplas, merecem abordagem extensa, a qual aqui remetemos às obras de Ricardo Lobo 20 e Paulo Roberto Lyrio Pimenta TORRES. 2004, p passim. 20 Idem. Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico. Item PIMENTA, Paulo Roberto Lyrio. Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico. São Paulo: Dialética, 2002, p. 32, et. seq.

21 ESPÉCIES DE CONTRIBUIÇÕES INTERVENTIVAS Como já dito, as contribuições interventivas não se limitam àquela criada pela Lei n.º /01. Algumas contribuições desta natureza foram recepcionadas pela Carta Magna de 1988, e outras surgiram após sua promulgação. Quanto às primeiras, temos: I Contribuição ao Instituto do Açúcar e do Álcool: Criada pelos Decretos-lei n.ºs 308/67, 1.712/79 e 1.952/82, visava intervir no setor da economia canavieira, onde se produz o açúcar e o álcool. Pairando divergência jurisprudencial entre o TRF da 3ª Região 22 e o da 5ª Região 23 acerca de sua inconstitucionalidade, prevaleceu o entendimento deste último em que o STJ 24 reconheceu a constitucionalidade do tributo, por guardar sintonia com o sistema jurídico tributário vigente após II Adicional ao Frete de Renovação da Marinha Mercante (AFRMM): Instituído pelo Decreto-lei n.º de 7 de março de e alterado pelo Decreto-lei n.º de , e posteriormente pelas Leis n.º 7.742/89 e 8.032/90 e MP n.º 1.109, de , tem como função financiar a intervenção da União nas atividades de desenvolvimento da marinha mercante e da indústria de reparação e construção naval. 22 TRF 5ª Região, Ap. Cível SP, n.º , Rel. juíza Lúcia Figueiredo, DJU, , p TRF 5ª Região, Ap. Cível PE, n.º 8.078, Rel. juiz José Maria Lucena, JSTF e TRF-53/ STJ, RESP AL, n.º , Rel. Min. Demócrito Reinaldo, DJU, , p SEIXAS FILHO, 2004, p. 47.

22 27 Quanto ao questionamento sobre sua inconstitucionalidade, José Eduardo Soares de Melo comenta a decisão do STF no RESP n.º RS, cujo Relator foi o Min. Carlos Velloso: O STF dirimiu a controvérsia na forma seguinte: Constitucional. Tributário. Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante AFRMM: Contribuição Parafiscal ou Especial de Intervenção no Domínio Econômico, CF, art. 149, art. 155, 2º, IX.ADCT, art. 36. I O Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante AFRMM é uma contribuição parafiscal ou especial, contribuição de intervenção no domínio econômico, terceiro gênero tributário, distinta do imposto e da taxa (CF, art. 149). II O AFRMM não é incompatível com a norma do art. 155, 2º, IX da Constituição. Irrelevância, sob o aspecto tributário da alegação no sentido de que o Findo da Marinha Mercante teria sido extinto, na forma do disposto no art. 36, da ADCT. III RE não conhecido. 26 Quanto ao segundo caso, quais sejam, as contribuições interventivas criadas sob a égide da Constituição de 1988, temos: I Adicional de Tarifa Portuária (ATP): Tributo que se assemelha ao Adicional de Frete de Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), foi instituído pela Lei n.º 7.700, de SCHOUERI, vol. II, 2003, p. 724.

23 28 Destina-se à formação de recursos da Empresa de Portos do Brasil S.A. Portobras. Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal considerou-o constitucional classificando-o como contribuição de intervenção no domínio econômico (RE n.º /SP, Rel. Min. Carlos Velloso, DJ de , p. 873). 27 II Contribuição de financiamento do Programa de Estímulo à Integração Universidade-Empresa (CIDE-royalties): Esta contribuição interventiva recai sobre aquelas pessoas jurídicas detentoras de licença de uso ou que adquirem conhecimentos tecnológicos, por meio de contratos entre pessoas residentes ou domiciliadas fora do território nacional. Foi instituída pela Lei n.º /00 e alterada pela Lei n.º /01, e Decretos n.º 3.949/01 e 4.195/02. Seu fundamento constitucional está inserido no art. 218 da CF88, em que prevê como função do Estado o desenvolvimento tecnológico. Paulo Roberto Lyrio Pimenta, ao abordar a referida contribuição, sustenta a inconstitucionalidade desta CIDE: Ora, na hipótese sob exame os benefícios da contribuição serão auferidos por toda a sociedade, e não apenas pelos sujeitos passivos. O art. 1º da Lei /00 dispões expressamente que o Programa em pauta tem por objetivo estimular o desenvolvimento tecnológico brasileiro. As finalidades do Fundo as quais se destina o tributo, previstas no Decreto nº 4.195, que regulamenta a Lei /00, atingem vários grupos e setores econômicos. [...] Destarte, embora a intervenção em pauta encontre fundamentos constitucional no art. 218 da Carta Magna, sendo válida a norma interventiva, e inexista vício de inconstitucionalidade formal na Lei nº /2000, parece-nos que esse documento normativo é 27 HARADA, 2003, p. 323.

24 29 inconstitucional, por ofensa aos princípios da proporcionalidade e da finalidade. 28 III Contribuição ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST): Criada pela Lei n.º 9.998/00 e Decreto n.º 3.624/00, tem a finalidade garantir recursos para a universalização dos serviços de telecomunicações. Sobre a constitucionalidade deste tributo, José Eduardo Soares de Melo comenta que: considerando que à União compete explorar diretamente, ou mediante concessão, os referidos serviços (art. 21, XI e XII, a, CF), não caberia a intervenção nesta atividade econômica. 29 Em sentido diverso, Paulo Roberto Lyrio Pimenta fundamenta seu entendimento pela constitucionalidade desta CIDE: Indubitavelmente, essa exação tem natureza de contribuição de intervenção no domínio econômico. De fato, a hipótese é de existência de intervenção indireta, realizada por meio de uma agência reguladora (Anatel), utilizando a técnica do incentivo para implementar finalidades constitucionais, mormente o princípio prescrito pelo art. 170, VII, da Constituição. A CIDE criada destinase a um Fundo Público, cujos recursos se dirigem a obtenção de objetivos relacionados ao setor atingido com a intervenção. A exação servirá, portanto, como fonte de custeio das atividades a serem desenvolvidas para implementar as finalidades relacionadas à universalização. [...] Do exposto conclui-se pela constitucionalidade da CIDE prevista pela Lei n.º 9.998/ PIMENTA, 2002, pp SCHOUERI, vol. II, 2003, p. 726.

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN:

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 06 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: (Continuação de espécies tributárias).

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 1.103, DE 2007 Dispõe sobre a desvinculação nas faturas de energia elétrica, dos valores relativos ao consumo mensal de energia e à contribuição de iluminação

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Artigo 1 A Constituição Federal passa a vigorar com os seguintes artigos alterados ou acrescidos: Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: XVI estabelecer

Leia mais

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO

Processo nº 0068167-75.2015.4.02.5101 (2015.51.01.068167-0) DESPACHO/DECISÃO Fls 109 CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM. Sr(a). Dr(a). Juiz(a) da(o) 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 30 de junho de 2015. Regina Cely Martins Correia Fonseca

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta:

Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ENVIADA AO CONGRESSO EM FEVEREIRO DE 2008 (SE REFERE AOS TÓPICOS DE INTERESSE DOS MUNICÍPIOS) Artigos incluídos ou alterados pela Proposta: Adv.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

CONDECINE ASPECTOS GERAIS Eduardo Maneira 1 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO.

CONDECINE ASPECTOS GERAIS Eduardo Maneira 1 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO. CONDECINE ASPECTOS GERAIS Eduardo Maneira 1 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO. 1.1. Das Cide s como tributo vinculado. O Sistema Tributário Nacional contemplado

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

Consulta. Assunto: Lavanderia e tinturaria industrial e confecção de roupas por encomenda. Regime jurídico tributário

Consulta. Assunto: Lavanderia e tinturaria industrial e confecção de roupas por encomenda. Regime jurídico tributário 1 Consulta Assunto: Lavanderia e tinturaria industrial e confecção de roupas por encomenda. Regime jurídico tributário questão: O Consulente solicita o nosso entendimento acerca da seguinte A empresa do

Leia mais

Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos:

Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: 1. CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA a) Previsão: CF, art. 145, III, CTN arts. 81 e 82 e Decreto lei nº. 195/67. Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes

Leia mais

PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS

PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS * Leandro Pacheco Scherer Há muito se discute acerca do regime tributário a que está adstrita a Zona Franca de Manaus (ZFM), especialmente sobre o regime

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS 1 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: TRIBUTOS SUI GENERIS IRACI DE OLIVEIRA KISZKA 1 SANDRÉA ALVES ABBAS 2 RESUMO Este trabalho procura apontar algumas divergências doutrinárias sobre as contribuições sociais, em

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 Victor Leão Teles Cruvinel Ferreira¹ Patrícia Spagnolo Parise²

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

22 de julho de 2015, 8h01. Por Igor Mauler Santiago

22 de julho de 2015, 8h01. Por Igor Mauler Santiago CONSULTOR TRIBUTÁRIO Distribuidora de energia não pode ser obrigada a arrecadar a CIP de graça 22 de julho de 2015, 8h01 Por Igor Mauler Santiago O artigo 149-A da Constituição é lacônico. Autoriza os

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS: ITBI E ITCMD UM ESTUDO COMPARATIVO

IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS: ITBI E ITCMD UM ESTUDO COMPARATIVO Artigo apresentado no I ENCONTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS ENET promovido pelo Instituto de Direito Tributário de Londrina de 30/08 a 02/09/06 (Selecionado pela Comissão Organizadora). IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 110 - Data 22 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI A imunidade religiosa

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 132, de 2008 Complementar (Projeto de Lei Complementar nº 182, de 2004, na origem), do Deputado José Carlos Aleluia,

Leia mais

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro

Professor Kiyoshi Harada Advogado. Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro Assunto: Substituição tributária na operação interestadual e abertura de filial no Estado do Rio de Janeiro CONSULTA A Consulente vem promovendo a operação de venda de lubrificantes (óleo protetivo derivado

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SINPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. RELATÓRIO Trata-se de consulta feita

Leia mais

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013

PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL Registro nº. 6803/2013 PARECER/PGFN/CAT Nº 1851 /2013 Parecer público. Retenção de tributos federais sobre o montante a ser pago pelo fornecimento de energia elétrica.

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada*

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Em inúmeros textos escritos anteriormente deixamos bem claro que a progressividade fiscal nada tem a ver com a natureza real ou pessoal

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris)

Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris) MAGISTRATURA FEDERAL - 2014 Direito Tributário (aula 4) Material confeccionado pelo Prof. Mauro Luís Rocha Lopes (especial para os alunos do Master Juris) Jurisprudência recente PEDÁGIO PREÇO PÚBLICO O

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS Kiyoshi Harada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Requisitos para Concessão de Incentivos Tributários. 3 Diversas Modalidades de

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº DE 2012 Altera o 1º do art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para dar interpretação à DRU, excluindo de sua base de cálculo a transferência da

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado I. INTRODUÇÃO Frederico da Silveira Barbosa Advogado Como regra geral, os atributos específicos da pessoa jurídica tributada não são relevantes

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA.

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. PROFª UFPR NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PIS/PASEP E DA COFINS

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS (Revista do CIEE/Nacional Agosto/2014) Considerações Iniciais Em nosso ordenamento jurídico a competência tributária é definida pela Constituição. Os entes tributantes (União, Estados,

Leia mais

Em revisão 23/04/2014 PLENÁRIO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 595.838 SÃO PAULO VOTO

Em revisão 23/04/2014 PLENÁRIO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 595.838 SÃO PAULO VOTO 23/04/2014 PLENÁRIO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 595.838 SÃO PAULO VOTO O SENHOR MINISTRO DIAS TOFFOLI (RELATOR): O recurso preenche os requisitos gerais de admissibilidade, estando apto para o conhecimento.

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

marcelo ávila a d v o g a d o s

marcelo ávila a d v o g a d o s ABONO PERMANÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO 1 Ementa: Foi instituído pela Emenda Constitucional 41/2003, e corresponde ao valor da contribuição previdenciária mensal do servidor que o requerer, desde que tenha

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

PARECER Nº, DE 2007. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2007. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2007 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 520, de 2007, que institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente

Leia mais

TERMO DE CONCLUSÃO SENTENÇA

TERMO DE CONCLUSÃO SENTENÇA fls. 138 Aos 13 de fevereiro de 2015, eu, TERMO DE CONCLUSÃO MM. Juiza de Direito Dr. (a) Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi. SENTENÇA, escrevente técnico, faço estes autos conclusos a Processo Digital

Leia mais

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho

ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus. Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho ICMS: Guerra Fiscal e a Zona Franca de Manaus Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho Guerra Fiscal : Definição Práticas competitivas entre entes de uma mesma federação em busca de investimentos privados.

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes I Da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS Conforme prescrito nas Leis Complementares nº`s 07/70

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

Adequações do estatuto social.

Adequações do estatuto social. Adequações do estatuto social. Este trabalho objetiva orientar a adequação compulsória do estatuto social para postulação de incentivos fiscais ao esporte para formação de atletas olímpicos e paraolímpicos,

Leia mais

II SEMINÁRIO ZONA FRANCA DE MANAUS: Tributos e seus aspectos atuais 2013

II SEMINÁRIO ZONA FRANCA DE MANAUS: Tributos e seus aspectos atuais 2013 II SEMINÁRIO ZONA FRANCA DE MANAUS: Tributos e seus aspectos atuais 2013 A DESONERAÇÃO DO PIS E DA COFINS NAS RECEITAS DE VENDAS PARA E NA ZONA FRANCA DE MANAUS Omara Oliveira de Gusmão TESES DO SUJEITO

Leia mais

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese:

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese: PIS/PASEP na Despesa com Pessoal O objetivo das discussões deste subgrupo é a definição sobre as contribuições ao PIS/PASEP serem ou não computadas na apuração do montante da despesa com pessoal, para

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais