IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DE TEMPLOS DE QUALQUER CULTO E RELIGIÕES BRASILEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DE TEMPLOS DE QUALQUER CULTO E RELIGIÕES BRASILEIRAS"

Transcrição

1 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DE TEMPLOS DE QUALQUER CULTO E RELIGIÕES BRASILEIRAS 1 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA 1. 1 O p ro ces so hi stórico Gabriel Nunes Pereira Graduando em Direito na UFGD O estudo d a t ri butação e d e s eus efeitos é t em a q u e vem m erecen do r el evad a import ân cia no m eio acadêmico. S obre i sso coment a Kiyoshi H arada: O e s t u d o h i s t ó r i c o n ã o d e i x a d ú v i d a d e q u e a t r i b u t a ç ã o f o i a c a u s a d i r e t a o u i n d i r e t a d e gr a n d e s r e v o l u ç õ e s o u g r a n d e s t r a n s f o r mações s o c i a i s, c o mo a Re vol u ç ã o F r a n c e s a, a In d e p e n d ê n c i a d a s Colônias A mericana s e, e n t r e n ó s, a In c o n f i d ê n c i a M i n e i r a [... ] 1. R el evant e, t am b ém é o es tudo dos cas os d e n ão tribut ação como é o caso das imunidades t ri but ári as. R egina Helen a Costa afirma que: N ã o o b s t a n t e s e r c o r r e t a a a s s e r t i va s e g u n d o a q u a l a i muni d a d e t r i b u t á r i a, c o mo a p r e s e n t a d a n o Direito P o s i t i v o P á t r i o, é i n s t i t u t o t i p i c a mente n a c i o n a l, o f a t o é q u e a s e x o n e r a ç õ e s, n o â mbito f i s c a l, p o s s u e m r a í z e s h i s t ó r i c a s n a c u l t u r a d e d i ve r s o s p o v o s [... ] 2. P ro v a disso é que ao estudar a etimologi a d o v o cáb ulo imuni d ad e s om os remetidos ao Im p ério R om an o: J á a o t e mpo d o Império R o mano h a vi a a i mmunitas v o c á b u l o q u e, e t i mol o gi c a me n t e, s i g n i f i c a n e ga ç ã o d e mú n u s o u e n c a r g o -, e x p e d i e n t e p e l o q u a l s e l i b e r a va m c e r t a s p e s s o a s e s i t u a ç õ e s d o p a ga ment o d o s t r i b u t o s e x i gi d o s n a s u s t e n t a ç ã o d o E s t a d o 3. N o E stad o absolutista o r ei era a r epresent ação d e todo p oder estatal, s en do que ele conced i a b en esses a al gum as cl asses em r az ão d e s eus int eres s es. A s sim era n a Fran ça, at é o s écul o X V III, o n d e s e t ri butav am ap enas o T erceiro E stado, i sto é, a burgues i a, o prol et ari ado e o s cam pones es enquant o a n obrez a e o cl ero, r epresent ant es do P ri meiro e S egundo E stad os r espectivament e, q u as e n ão eram

2 t ri butad os. Cont ex tualiz an do, é que neste p eríodo a i greja e o Estado estavam f o rt em en te l i gados, at r avés d a l ó gi ca d o E stado N aci onal A b sol ut ista. N esse tipo d e E stado a imuni d ad e signi fi cav a um autênt ico p r ivi l égi o dos n obres e d a Igreja f r ent e ao poder d o R ei 4. A l ut a pela m anut enção o u ex tinção d es ses p ri vilégi o s f oi um fator que contribui u, p ara a d eflagração d a R evolução Francesa 5. C om el a instal a -s e o E stado d e Di r ei to q u e t em como p ri ncipal caract erística a p r i m azia da l ei, q u e s erve com o instru m en t o de p ro t eção d o cidadão contra o p r ópri o Es t ad o. O s revoluci onári os f r anceses ab oliram r egal ias d o cl ero e d a n o brez a. Is s o n ão q u er diz er que t o dos o s h abi tan t es d a Fran ça p assaram a ter di r ei tos i guai s, j á q u e a R evolução acabou p o r p r ivi l egi ar o s seto r es m ai s ri cos d a b u r guesia. No ent anto, a partir d esse m om en to, o s d ireitos s ão m ais amplos, o E stad o s e t o rn a l ai co, i sto é, separa - se da i grej a. D i r eitos com p r eendi dos como o co ment ári o abaixo: [... ] p r i n c í p i o d e i g u a l d a d e d o E s t a d o d e l e ga l i d a d e n ã o p a s s a v a d e u m mero f o r malismo j u r í d i c o, q u e n ã o a l t e r a va e m n a d a a s i t u a ç ã o d o s d e s t i n a t á r i o s d a l e i. Ao c o n t r á r i o, a l e i p r o d u zi d a n e s s e q u a d r o p o l í t i c o c o l h i a e ma n t i n h a o s c i d a d ã o s n o e s t a d o e m q u e s e e n c o n t r a v a m. A ú n i c a g a r a n t i a p r o p o r c i o n a d a p o r e s s e t i p o d e d i r e i t o, c o mo s e s a b e, e r a d e u ma l i b e r d a d e n e ga t i v a, u ma a b s t e n ç ã o d o p o d e r p ú b l i c o 6. O d ecl íni o do absolut ismo e a ascensão d os l iberais d emonstraram q u e o poder apen as trocou d e m ãos, pois a m ai oria do p o vo continuou ex cluí d a, n ão consegui ndo u sufru ir d o s d ireitos p ositivad os na l egislação liberal. E sse Es tado mínimo tinha co mo p ri n cípio a l iberd ade f o rmal f u ndam ent ada n a lei, isto é, todos eram l ivres n ão s e co nsideran do as d i ferenças s ubjetivas como ex emplo vejam os a s eguint e s ituação, t odos p o deri am t er s aú d e d e q u al idad e o u ad q ui ri r t erras livrem ent e, o corre q u e soment e os q u e tinham condições fi n an cei r as o s teriam, essa 2

3 concep ção de Estad o d os liberai s n ão fo i cap az d e conter os r isco s s o ci ai s que se agravavam. E m r az ão d a Revol u ção In d us t ri al i ni ci ada no sécul o X V III o s éculo s eguinte t ev e grande ex pl o r ação do prol et ari ado e em r az ão d a m ecan iz ação d a i ndústri a, em s ubstituição progressiva d as manufat u r as, l evou ao d es em prego d e mui tos t r ab alhadores. D es s a ex p loração d o t r ab alhador p el o c apital, acen tuaram - s e o s confl itos en t re es s as d u as clas s es. V i vi a-se s obre a égi d e do liberalismo o nde as p art es poderi am estipul ar nos contratos, inclusive n o s t r abalhistas, o q u e bem q ui s essem. Na prática, d evi do à situação d e s ubord inação d os t r ab alhadores em r elação aos burgueses, es t es i mpunham o que lhes f o sse m ais i nt eressante. Buscan do f o rn ecer u m a i nt erp r et ação p ara es s a realidad e h istóri ca, K arl M arx d efendeu q u e sempre houve es s a s eparação n a h istóri a, e que p ara s e al cançar um a s o ci ed ade justa seria n eces s ário q u e o prol et ari ado chegasse ao poder. In i cial ment e i sso o correri a p elo q u e ele cham ou d e D i t ad ura d o P r ol et ari ado q u e s ervi ria d e t r ansição p ara d ep ois s e efetivarem as idéi as co muni stas, q u e eram o término da p r opri edad e privada, e o fim do p ró prio E stad o e r eceberiam confo r me s eus es fo r ços e suas necessidad es. O ideário m arx ista p ro spero u n a Un i ão Sovi ét i ca e com isso h o uve um a pol ariz ação co m o mundo capitalista. Os b u r gu eses t emiam o avanço d o comuni smo e com i sso fizeram d e tudo p ara q u e ele não s e espalhasse pel o mundo. A p rimei r a m et ade d o s écul o X X apres ent a um quadro d e agravament o do m undo l iberal: O mu n d o p ó s - I G u e r r a M u n d i a l i n gr e s s a v a n u ma f a s e d e r e c e s s ã o e c r i s e e c o n ô mica, a g r a v a d a p e l a q u e b r a d a e c o n o mia n o r t e -a mericana e m R e c r u d e s c e u n o mu n d o, p r i n c i p a l me n t e n o s mei o s a c a d ê micos, a n e c e s s i d a d e d e u ma forte interv e n ç ã o e s t a t a l. 7 C om a d errot a n a I G u erra M u ndi al a A l em anha f oi o brigada a assinar o T r at ado d e V ersalhes, q u e i mpôs v ári as limitações ao E stado 3

4 alem ão, que os al em ães consideraram h um ilhant es. A r econstrução d a A l em anha es tava sendo f inan ciada p ri n cipalmen t e p el o capital oriundo d os E stad os U nidos e ex perimen tou p o r um p erí odo um a m elhora n as condiçõ es eco nôm icas e soci ai s. A s ituação m udou com a crise d e , p oi s os investidores ameri can os co m a q u eb r a d a b olsa d e No v a Io r q u e n ão tiveram m ai s como investir, o que l ev ou a u m a grande cri se n os E stados U ni dos, n a A l em anha e n o resto do m undo capitalista. N o p aís germâni co o d esemprego aum entou imen s am en t e e a s co ndições s o ci ais d a p opul ação p ioraram muito. E sse cont ex t o f oi p erfeito p ara o n ascimento d a ideol o gi a n az ista, pois s e utilizando d e um a ideo logi a ul tranacional ista, p regavam q u e p ara a Al emanha v oltar a s er um a p ot en ci a m undi al, d everi a ter u m E stado cent r aliz ado, n as m ãos d e um govern o au toritário, que acabou s endo simboliz ad o pela fi gura do líder, Ad ol f Hi tler. O p artido n azista conseguiu n as u rn as a m aioria d as cadeiras do p arl ament o alemão e co locou H itler com o chan cel er e em s eguida assumiu o poder tot al de direção do país. O s n az istas cometeram m uitas atroci d ad es contra d ivers os grupos, s endo os m ais conhecidos o s judeu s. T udo i sso f oi f eito u tilizando-s e d a ciência co mo u m t odo e, d e f o rm a m ai s especí fi ca a ciência m édi ca e a j u rí di ca. E stas p u d eram r eves tir d e legalidade es s es atos. N a verdad e eles d estruí r am a d emocracia sob o mant o d a l egalidad e. A p ós a d erro t a do eix o, liderado p ela A l emanha, n a 2 ª G u erra M undi al, p ercebesse q u e a l ei s e n ão fo r l egítima, em b asada em valores m ai o r es, como a vida, a m o r al, os b ons costum es, p ode s er u s ad a com o m ei o de com et er b arbári es, com o as perpet r adas pel os nazistas. O r esultado d essa constat ação m ovimen tou s et o res d as s o ci ed ades o ci dent ai s em um a busca p o r u m E stado d e Di r eito C onstituci onal que coloco u p r incí pi os b asilares d a s o ciedade modern a n as co nstitui çõ es, p ara que o l egislador infraco nstitucional, ao el ab o r ar as l ei s, t en h a como rum o e com o l imitação os ditam es constituci onais. 4

5 O resultado dessas conquistas podem ser observadas na clássica análise de Thomas Marshall (1964) que demonstra que, os direitos foram obtidos através de um processo histórico, tendo início com os direitos civis no século XVIII. Estes direitos resultaram de uma luta de nobres e plebeus em uma sociedade estamental. O resultado foi a conquista de direitos à vida, à liberdade, à propriedade e à igualdade perante a lei. Os direitos políticos, ou seja, o direito de votar e ser votado foram sendo conquistados a partir do século XIX. É no transcorrer do século XX que um terceiro grupo de direitos, os sociais, vão sendo obtidos. Dentre as conquistas é possível citar o direito ao trabalho, ao salário justo, à saúde e à educação 8. E s co lhi dos esses di r ei tos q u e hoje co nsideram os f undam ent ai s, constatou-s e q u e a s imples p ositivação d el e s n ão b astava p ara efetivá - l os. O r es ultado dessa p ercep ção é a construção do Estado d e Di r eito S o ci al, onde o Estad o deve tomar medidas para a efet ivação dos di r ei tos t r azidos na C art a Magna. 1.2 Imunidade Tributária: de privilégio a direito subjetivo do contribuinte imune A q ui enco nt ramos a acepção m odern a d e i muni dade tribut ári a q u e é um di r eito s ubjetivo do co nt ri bui nt e imune d e n ão p agar t ribut os, p o dendo recorrer ao j udiciário co nt r a quem intent á -l o. A gora n ão mais um p ri vilégi o, como escl arece R i car d o Lo b o T o r r es ci tado por R egina H el ena Costa 9, m as sim um i nstituto que preex istindo ao poder t ri but ári o com o q u alidad e es s en cial d a p essoa h um ana e co r r es pondendo ao d ireito público subj et ivo que eri ge a p r et ensão à incol um idad e diant e da ordem t ri butár i a objetiva. q u e S obre o t ema G ustav o T eped ino citad o p o r Ricard o Silva 10 afirma [... ] a o c o n c e d e r u ma i muni d a d e, a Constituição n ã o e s t á c o n c e d e n d o u m b e n e f í c i o, mas t u t e l a n d o u m v a l o r j u r í d i c o t i d o c o mo f u n d a mental p a r a o E s t a d o. Daí p o r q u e a i n t e r p r e t a ç ã o d a s a l í n e a s d o a r t , V I, d a C o n s t i t u i ç ã o F e d e r a l d e d e v e s e r a mpla e t e l e o l ó gi c a, n u n c a r e s t r i t i v a e l i t e r a l. 1.2 Imunidades Tributárias nas Constituições Brasileiras 5

6 1.2.1.Constituição de 1824 A Constitui ção Im p eri al d e t em caract erís ticas do Es t ad o Li b eral e t raços ab solutistas, v ez que é cópia d a f rancesa d e Lu í s X V III adaptad a por Benjamin C onstant, r es erv ando, t anto l á q u ant o c á, p o der e a rb ítrio ao Im p erador 11, at r av és da i nt ro dução do Quart o P oder, conheci do por Moderador. Por o u tro lado: [... ] n ã o s e p o d e p e r d e r d e v i s t a, o u t r o s s i m, q u e s e n d o f r u t o d e u m p e r í o d o h i s t ó r i c o b a s t a n t e s i g n i f i c a t i v o p ó s r e v o l u ç õ e s l i b e r a i s a ma r c a d a l i mi t a ç ã o d o P o d e r E s t a t a l e m n o me d e g a r a n t i a s e d e t e r mina d o s d i r e i t o s d o c i d a d ã o é vi s í v e l 12. E ssa C arta M agna t r azia pouco d e m at éri a tribut ári a, m as já s e encontram as r aízes da s n oções d e capaci dade contri butiva e d e i munidade fi s cal 13. P a r a o n osso estudo o s artigos 1 78 e d aquela C arta M agna t êm r elevân ci a, p oi s o p rimei r o consagra p ro teç ão especi al as garantias constituci onai s 14 em s eu caput e o s egundo assegura que a l iberd ade, a seguran ça i ndividual e a propri edad e, di r ei tos fu ndam ent ais d e pri m ei r a geração, são garan tias i nvi ol áv eis 15. R egina H el ena C osta 16 afirm a en contrar a s ement e d as n o rmas i muniz ant es constitucionais no artigo 179, inciso X V I, pois o legislad or acaba com p ri vilégios, m as ent en d e que ex i stem privilégios essen ci ai s os quais não podem ser abolidos em raz ão principal m ent e de s u a utilidade pública Constituição de 1891 Durante a primeira República, ainda sob influência do liberalismo, é produzida a constituição de 1891, fruto desse contexto liberal. Sobre esse período, Porto chama a atenção para o fato de que a nota essencial que permeia o constitucionalismo brasileiro nas suas duas primeiras constituições é, sem dúvida alguma, a forte influência liberal 17. Se a Carta Imperial trouxe limitações à competência tributária, a Constituição de 1891 disciplinou de forma expressa as condições ao exercício da tributação 18. Como no artigo 9, 2 º, diz que é isenta de impostos, no Estado por onde se exportar, a produção de outros Estados. E ainda em seus artigos 10 e 11: 6

7 Art. 10. É proibido aos Estados tributar bens e rendas federais ou serviços a cargo da União, e reciprocamente. Art. 11. É vedado aos Estados, como à União: (1º) criar impostos de trânsito pelo território de um Estado, ou na passagem de um para outro, sobre produtos de outros Estados de República ou estrangeiros, e, bem assim, sobre os veículos de terra e água que os transportem; (2º) estabelecer, subvencionar ou embaraçar o exercício de cultos religiosos; 3º) prescrever leis retroativas Constituição de 1934 A Constituição de 1934 demonstra a existência de um novo contexto histórico no Brasil. Influenciada pela Constituição da República Alemã de Weimar, ela reflete o entendimento do grupo liderado por Vargas, de que o Estado precisa intervir, precisa ser positivo na busca dos direitos sociais e nela há nítido aumento das limitações impostas ao poder de tributar, conferindo maior status e importância ao Estado de Direito que a partir daquele momento ganhava o adjetivo de social 20. Comparativamente ao texto constitucional anterior no que tange as imunidades, Regina Helena Costa afirma: A Constituição de 1934, por sua vez, reitera a vedação ao embaraço aos cultos (art.17, II), outorgando a exoneração tributária aos combustíveis produzidos no país pra motores de explosão (art. 17, VIII). Abriga, outrossim, a proibição de cobrança, sob qualquer denominação, de tributos interestaduais, intermunicipais, de viação ou de transporte, ou quaisquer tributos que, no território nacional, gravem ou perturbem a livre circulação de bens ou pessoas e dos veículos que os transportem (art. 17, IX). Pela vez primeira o texto constitucional estampa a imunidade recíproca entre as pessoas políticas, incluídos Municípios (art. 17, X, e parágrafo único) Constituição de 1937 O contexto histórico dessa Carta Magna é declínio da democracia e surgimento de um Estado ditatorial, comandado por Getúlio Vargas, que buscou na Constituição Polonesa inspiração para essa norma constitucional. Sendo por isso apelidada por alguns de A Polaca. Em decorrência dessa aproximação do estado varguista com modelos fascistas, se constata que O convívio do Estado Totalitário da ditadura de Vargas com um sistema jurídico somente poderia ser conciliado como o Estado de Direito ao se fazer um resgate da concepção formalista-positivista que restringia o Estado de Direito apenas a um Estado de legalidade 22. 7

8 Segundo Costa (2006, p. 29) a Carta de 1937 foi a que menos se preocupou com o tema, prevendo, originariamente, apenas a vedação ao embaraço aos cultos (art. 32, b ), somente vindo a hospedar a imunidade recíproca com o advento da Emenda Constitucional 9, de 1945 (art. 32, c ). Em matéria tributária segundo Porto: Consiste em marca registrada do período autoritário a criação da chamada garantia fiscal do solve ET repete. Segundo Aliomar Baleeiro: provavelmente por imitação do Direito Fiscal italiano, que, àquele tempo, foi fonte de inspiração do novo Estado Autoritário : o contribuinte deverá pagar e depois acionar a União para anulação do débito e repetição do tributo indevidamente pago 23. O período ditatorial, além do solve et repete, usou e abusou das nefastas sanções políticas com o fim exclusivo de coagir o contribuinte a adimplir os tributos Constituição de 1946 Após a queda de Vargas, e o fim do período de exceção do Estado Novo, e sob influência do fim da Segunda Guerra Mundial, o espírito democrático influencia a Constituição de 1946, percebendo-se que ela tinha como grande compromisso restaurar conquistas das Constituições de 1891 e 1934, tolhidas com o regime ditatorial de Com esse espírito [...] em sua redação original, previa a isenção do imposto de consumo em relação aos artigos que a lei classificasse como o mínimo indispensável a habitação, vestuário, alimentação e tratamento médico das pessoas restritas de capacidade econômica (art. 15, 1º), a imunidade recíproca (art. 31, V, a ), a imunidade dos templos, partidos políticos, instituições educacionais e de assistência social (art. 31, V, b ) e do papel destinado exclusivamente à impressão de jornais, periódicos e livros (art. 31, V, c ) Constituição de 1967 Antes dessa Carta Magna, a Emenda Constitucional de 18 de 1965 institui pela primeira vez um capítulo que tratava somente do Sistema Tributário Nacional, sendo que na elaboração da Constituição de 1967 essa emenda serviu de base com algumas modificações. Aqui estamos em Estado Ditatorial, comandado pelos militares que através de um golpe no ano de 1964 assumiram o poder e como todo regime não democrático padece de legitimidade e não realiza a justiça. Sob essa questão Porto escreve que 8

9 Sob o ponto de vista da evolução das idéias sobre o Estado de Direito no Brasil, o período foi de retrocesso e atraso. Como referido em relação à Constituição de 1937, o regime ditatorial é um Estado de (não) Direito, somente podendo ser compatibilizado com uma visão estritamente legalista do conceito acerca do tema. Todavia, no campo tributário houve inegável consolidação de conceitos e institutos que vigoram até os dias atuais 26. Conforme Regina Helena Costa O Texto Fundamental de 1967 não trouxe modificações de relevância nesse âmbito, mantendo, basicamente, as mesmas imunidades da Constituição de 1946[...] Institui a imunidade do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural sobre pequenas glebas (art. 22, 1º), a imunidade do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis sobre direitos reais de garantia (art. 24, I) e a imunidade dos proprietários na transferência da propriedade desapropriada para fins de reforma agrária (art. 157, 6º) Constituição de 1988 A Constituição Cidadã, como é conhecida essa lei maior foi elaborada em um contexto de retorno a democracia onde segundo Porto: As experiências totalitárias vivenciadas tanto no exterior quanto no Brasil deixaram lições que jamais serão apagadas da história, assim como importaram em forte influência no aprimoramento da concepção de Estado de Direito. O Estado de Direito passa a exigir instituições legitimadas democraticamente, reconhecimento de pluralismo político e garantia de direitos políticos, bem como livre manifestação de orientação ideológica 28. O texto constitucional que agora vigora instituiu formalmente um Estado Democrático de Direito cuja implementação fática está condicionada, fundamentalmente, à busca de uma igualdade substancial, não meramente formal 29. Decorre daí que as ações devem ser positivas no sentido de amenizar as desigualdades sociais e econômicas do país. No sistema constitucional atual [...] os princípios constitucionais são, a um tempo, direito positivo e guias seguros das atividades interpretativa e judicial. Em outros termos, são fonte de direito (Esser) e idéias-base de normas jurídicas 30. Quanto à matéria tributária [...] Percebe-se que o texto vigente tornou-se ainda mais minudente, o que demonstra a preocupação cada vez maior com a precisa identificação das situações de intributabilidade contempladas na Constituição 31. Encontramos os casos de imunidade tributária principalmente nos artigos 150, 151 e 152 da Constituição Federal. Costa diz que [...] a Constituição de 1988, em seu art. 150, VI, 9

10 a a d, e 2º a 4º, apresenta novidades no que tange a inclusão de outros sujeitos imunes e de dispositivos que aperfeiçoam a compreensão do perfil dessas exonerações tributárias 32. Nesse sentido é importante a conclusão de Regina Helena Costa sobre a evolução das imunidades nas Constituições brasileiras: Desse breve retrospecto histórico podemos concluir que, ao lado do gradativo aperfeiçoamento da disciplina da organização política do Estado, caminhou-se também para uma valorização do instrumento de exoneração tributária por excelência a imunidade -, positivando-se, cada vez mais, a idéia segundo a qual determinadas pessoas, bens e situações dada a sua natureza jurídica, ou à vista de sua importância para a sociedade merecem tratamento diferenciado e, portanto, devem ser mantidos incólumes ao alcance da tributação. No Brasil tal tendência, como visto, se fez sentir a partir da democrática Constituição de 1946, texto na qual as imunidades tributárias ganharam destaque e perfil normativo semelhantes aos que ora ostentam Conceito de Imunidade Tributária A n tes d e ini ciarmos a co n ceituação d o i nstitut o, t eceremos alguns co m ent ári os sobre o t em a. O l egislador constituinte d e 1 988, i n fluenci ad o p el o cont ex to históri co d a ép oca, o r ecém r etorno à d emocraci a, el ab o ro u um a co nstituição democrática que [... ] c o n s a gr o u c o mo f u n d a ment o s d e s t e E s t a d o, q u e t e m o d i r e i t o c o mo n o r t e, a s o b e r a n i a, a c i d a d a n i a, a d i g n i d a d e d a p e s s o a h u ma n a, o s v a l o r e s s o c i a i s d o t r a b a l h o e d a l i vr e i n i c i a t i va, a s s i m c o mo o p l u r a l i s mo p o l í t i c o 34. C abe aqui um a p ergunt a: como efetivar esses p ri n cípios b asilares t r azidos p ela Constituição? P ara t al, d ev e o E s t ad o t er r ecurs os necessários p ara a consecução d e s eu s objetivos. Is s o s ó é p ossível at ravés da t ri but ação. E, de o ut ro l ado, com o p ro t eger o i ndiví duo dos ex cessos q u e o E stado p ossa com et er na b usca d es s es r ecurs os. A sol u ção en cont rada p el o l egi slador f oi constituci onaliz ar a m at éri a t ri butária, caract erí stica es sa singul ar d a n ossa l ei m ai o r em r elação a constituições d e outro s p aíses. A ssim, os di r ei tos t ri but ári os f o r am el ev ados a princípios co nstitucionai s. A s imunidades t ribut ári as surgem nesse mom ent o, v eri fi cando d i reitos que em r azão d e sua import ância n ecessitam d e m ai o r prot eção e até p at ro cí ni o para que realmen te s e ef et ivem. Ex em pl o é o artigo 10

11 1 5 0, i n ciso V I, alínea b d a cart a m agna q u e v edou a i nstituição d e i mpostos s obre t em pl os d e qual quer cul to patro ci n an do p ara que s e efetive o artigo 5º, inciso V I d a Constitui ção Fed eral d e 1 988, q u e p r ecei tua é i nviolável a liberd ade de consciênci a e d e crença, s endo assegurado o livre ex ercí ci o d os cultos r el i gi osos e garan tida, n a f orma d a l ei, a prot eção ao s locai s de cu lto e as suas l iturgi as. R efo r çan d o esse enten dimento o Supremo T ri bunal Federal, como assinal a Eduard o S abbag, det erminou que: [... ] a s i munidades e o s p r i n c í p i o s t r i b u t á r i o s s ã o l i mitações c o n s t i t u c i o n a i s a o p o d e r d e t r i b u t a r, g a n h a n d o a e s t a t u r a d e c l á u s u l a s p é t r e a s l i mites n ã o s u p r i mí v e i s p o r e menda c o n s t i t u c i o n a l, u ma v e z a s s e gur a d o r e s d e d i r e i t o s e g a r a n t i a s i n d i vi d u a i s ( a r t. 6 0, 4 º, IV, CF), a p t o s a o r e s gua r d o d e p r i n c í p i o s, i n t e r e s s e s e v a l o r e s t i d o s c o mo f u n d a mentai s p e l o E s t a d o 35. T endo em vi sta o ex posto aci m a i ni ci arem os a com preen s ão d o q u e s eria imunidad e t ri but ári a. V ej am os com o Pláci do e S ilvad efi ne i munidade: D o l a t i m i mmunitas ( i s e n ç ã o, d i s p e n s a ), e n t e n d e -se p r i v i l é g i o o u t o r ga d o a a l g u é m, p a r a q u e s e l i v r e o u s e i s e n t e d e c e r t a s i mposições l e ga i s, e m v i r t u d e d o q u e n ã o é o b r i g a d o a f a z e r o u a c u mprir c e r t o s e n c a r go s o u c e r t a o b r i ga ç ã o, d e t e r mina d a e m c a r á t e r g e r a l. E m p r i n c í p i o, é a t r i b u í d a a c e r t a s p e s s o a s, e m f a c e d e f u n ç õ e s p ú b l i c a s e x e r c i d a s ( p a r l a mentares, c o n g r e s s i s t a s, d i p l o mat a s ). E, p o r e l a, é a s s e g u r a d a à s me s mas u ma s o ma d e r e ga l i a s, e p r e r r o ga t i v a s e x c e p c i o n a i s e m r e l a ç ã o a s d e mais p e s s o a s. A i mu n i d a d e c o l o c a a s p e s s o a s, a q u e m s e a t r i b u e m s e mel h a n t e s p r e r r o g a t i v a s o u r e g a l i a s, s o b p r o t e ç ã o e s p e c i a l 36. T r az endo p ara nosso t em a, Plácido e Silva 37, diz q u e imuni dade t ri butária, designa as v edações ao p r incípi o j u rídico d a tribut aç ão o b ri gatóri a, o riundas d e ex p r essos e i n ex tensivos p r eceitos constitucionais (v er CF/88, arts. 150/152). Im p o r t ant e s al i ent ar que a dout ri n a n ão ch egou a u ma conceituação unân ime, consagrad a do instituto. Segundo Clélio Chi esa, o s dout ri n ad o res se di v i dem em t r ês pri n cipais corrent es, os que [... ] e n t e n d e m s e r a s i muni d a d e s c a s o s d e n ã o i n c i d ê n c i a c o n s t i t u c i o n a l me n t e q u a l i f i c a d a ; o u t r o s, a s e n t e n d e m c o mo e x c l u s ã o o u s u p r e s s ã o a o p o d e r d e t r i b u t a r ; h á, a i n d a, o s q u e d e f e n d e m s e r u ma l i mitação c o n s t i t u c i o n a l 11

12 à c o mpetência t r i b u t á r i a, d e n t r e o u t r a s p o s i ç õ e s d o u t r i n á r i a s 38. P ara o estudo de n osso objeto analisarem os, m esmo q u e s uperfi ci almen te, es s as t r ês posições ci tadas. P ara J osé S o uto Maior Borges e Am ilcar de A r aújo Falcão 39 i munidades s ão casos de n ão i n cidênci a co nstitucionalment e q u alificada, s e d efende a t es e de que a n ão incidência o corre por duas m anei r as ; a p rimeira é a n ão i n ci d ência p u ra e simples, um a v ez q ue n ão o correu o f at or gerador t ri but ário, a s egunda é a n ão i n cidênci a j u ridicament e qual ificada, ou imuni d ad e t r ibut ári a onde o corre a compet ênci a tributária d e impor o t r ibuto é ex cluída. Clélio Chi esa 40 critica es s a posição. Em primei r o lugar diz que n a s eara d a cart a m agna o co nstituinte t r at ou apen as d e d el imitar as compet ênci as dos e nt es p olítico s n ão t ratan do do f en ôm eno d a i n cidênci a. A v alia ainda que o t ermo n ão inci d ên ci a não s ej a co r r eto p ara o institut o, pois as normas imuniz ant es s ão d e i ncidên ci a, isto é, s e d eterminado f ato, p es soa p r eenchem o s r equi sitos co nstitucionai s, eles t erão o direito subj et ivo de não serem tribut ad os. J á Ru y Barbosa No gueira e Bernardo d e Ribei ro d e M o r aes 41 d efendem a imunidade co mo ex clusão o u supressão ao poder t ribut ári o t am b ém, s egundo C hi es a 42 s e equi vocam, pois ao admitirem essa conceituação, es t ariam supondo cronol o gia ent r e a d elimitação d e compet ênci as n a Constitui ção e imuni d ad es t ri but ári as, p o rq u e em um p r imei ro mom ent o o l egi slador at ri buiria com p et ên ci a a um ent e p ol ítico e em um s egundo a exclu i ri a o u suprimiri a. O l egi slad o r constitucio n al q u an d o at r ibuiu as co mpet ênci as e ap resentou q u ais s eri am as i munidad es, o f ez no m es mo m om en to, então s ão norm as cont em porâneas com m es m a efi cáci a e aplicabilidade. E f inalmen te H u go d e Brito M achad o, R ubens G om es d e S ousa e A liom ar Baleeiro 43 concei tu am a imunidad e t ri but ári a com o uma l imitação constituci onal à co mpet ência t ri but ári a. Clél io C hi es a afi rm a q u e essa t es e as 12

13 [... ] é b a s t a n t e c a t i v a n t e, e n t r e t a n t o p a d e c e d o mesmo e q u í v o c o d a q u e l a q u e a p r e s e n t a a i muni d a d e c o mo u ma e x c l u s ã o o u s u p r e s s ã o d o p o d e r t r i b u t á r i o, h a j a vi s t a q u e t a mbé m p r e s s u p õ e a e x i s t ê n c i a d e c r o n o l o gi a e n t r e a s n o r mas d e o u t o r g a d e c o mpetência e a s q u e c o n t e mplam h i p ó t e s e s d e i mu n i d a d e s 44. E mbasad o n as definiçõ es dout ri n árias d e Roque A n tonio C arraza, P au lo d e Barros d e C arv alho e J osé Sout o M aior Borges, C hi es a ( , p ) defi ne imunidades t ri butárias [... ] c o mo u m c o n j unt o d e n o r mas j u r í d i c a s c o n t e mplada s p e l a Co n s t i t u i ç ã o F e d e r a l q u e e s t a b e l e c e m a i n c o mpetência d a s p e s s o a s p o l í t i c a s d e d i r e i t o c o n s t i t u c i o n a l i n t e r n o p a r a i n s t i t u í r e m t r i b u t o s s o b r e c e r t a s s i t u a ç õ e s n e l a e s p e c i f i c a d a s. E d uardo S ab b ag 45 t ambém com pactua co m o en t en dimento d e q ue as imunidad es tributárias den ot am uma incompetênci a t ribut ári a. R egina Helen a Costa defi ne i munidade tribut ári a [... ] c o mo a e x o n e r a ç ã o, f i x a d a c o n s t i t u c i o n a l me n t e, t r a d u zi d a e m n o r ma e x p r e s s a i mpeditiv a d a a t r i b u i ç ã o d e c o mpetência t r i b u t á r i a o u e x t r a í ve l, n e c e s s a r i a mente, d e u m o u mais p r i n c í p i o s c o n s t i t u c i o n a i s, q u e c o n f e r e d i r e i t o p ú b l i c o s u b j et i v o a c e r t a s p e s s o a s, n o s t e r mo s p o r ela d e l i mitados, de n ã o s e s u j e i t a r e m a t r i b u t a ç ã o 46. P or fim, com o es clarece Aldemário Araújo C astro : [... ] o T e x t o M a i o r n ã o u t i l i za a p a l a v r a i mu n i d a d e, o u a e x p r e s s ã o i muni d a d e t r i b u t á r i a, p a r a i n s t i t u i r e x o n e r a ç õ e s n e s s e c a mp o. As f ó r mulas lingüísti c a s s ã o a s ma i s d i ve r s a s ( é v e d a d o... i n s t i t u i r i mpostos, n ã o i n c i d i r á, i n d e p e n d e n t e ment e d o p a g a mento, s ã o i s e n t a s, e n t r e o u t r a s ). As i mu n i d a d e s t r i b u t á r i a s e s t ã o c o n c e n t r a d a s n o a r t , i n c i s o V I, d a C o n s t i t u i ç ã o. O u t r a s e s t ã o d i s p e r s a s n o t e x t o d a Constituição ( a r t. 5 º, X X X IV ; a r t , p a r á gr a f o t e r c e i r o, a r t , I I; a r t , p a r á gr a f o s é t i mo, p o r e x e mplo) 47. E stando n a Constitui ção qual quer limitação n egativa de compet ênci a t ributária d os agentes políticos, n ão i mportan do o termo u tilizado se t r at a de imuni d ad e t ribut ária. C omo afi rm a Clél io Chies a: A s i muni d a d e s s ã o n o r mas j u r í d i c a s c o n t e mpladas n o t e x t o c o n s t i t u c i o n a l q u e e s t a b e l e c e m a i n c o mpetência dos e n t e s t r i b u t a n t e s p a r a a t i n g i r d e t e r minados f a t o s, b e n s, p e s s o a s o u s i t u a ç õ e s. Anteced e m o p r ó p r i o e x e r c í c i o d a s c o mpetências t r i b u t á r i a s, s ã o n o r mas d e e s t r u t u r a q u e a u x i l i a m n o d e l i n e a me n t o d o c a mpo i mp o s i t i vo

14 E com o j á f o ra d ito ant eriormen t e as imunidades são considerad as cl áusulas p étreas p elo Supremo Tribunal Federal n ão p o dendo ser s uprimidas, alterad as, ou modi fi cadas p el os ent es t ri butant es, sal vo se ho uver um a em enda à C o nstituição 49. P or t udo acima ex p osto chegam os a com p reensão d e q u e as i munidades t ri but árias s ão hoje f erram ent as p ara a garan tia d e di r ei tos f u ndam ent ai s e o q u e ab i ni tio era um p ri vilégio d e p oucos hoje d eve s er en tendido com o garant i a d e t odos. A ssim consideramos as i munidades com o parte d a competên cia em seu aspect o negativo. Notas 1 HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 2002, p COSTA, Regina Helena. Imunidades Tributárias: Teoria e Análise da Jurisprudência do STF. 2º ed. revista e atualizada. São Paulo: Editora Malheiros, 2006, p Ibidem. 4 Idem, p Idem p SILVA, Ricardo. A imunidade dos templos de qualquer culto. Monografia (Especialização em Direito Público). - Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira; Centro de Pesquisa, Pós-graduação e Extensão Ceppe. BDJur, Brasília, DF, 24 abr Disponível em: <http://bdjur.stj.gov.br/dspace/handle/2011/16922>. Acesso em: 03 abril 2010, s/p. 7 PORTO, Éderson Garin. Estado de Direito e direito tributário: norma limitadora ao poder de tributar. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009, p MARSHALL, Thomas Humphrey. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de. Janeiro: Zahar, COSTA, opus cit, p SILVA, Ricardo. Opus cit, p PORTO, opus cit, p Ibidem, p COSTA, opus cit. p PORTO, opus cit. p Ibidem. 16 COSTA, opus. Cit, p PORTO, opus. Cit, p Ibidem, p ARRUDA, Maristela Costa de. As imunidades tributárias e os impostos indiretos. Monografia. (Monografia apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de especialista em Direito Tributário.) Unisul. BDJur, Brasília, DF, 21 jul Disponível em: <http://bdjur.stj.gov.br/dspace/handle/2011/23059>. Acesso em: 15 abril 2010, p PORTO, opus cit. p COSTA, opus cit. p PORTO, opus cit. p Ibidem. 24 Ibidem, p COSTA, opus cit. p PORTO, opus cit. p COSTA, opus cit. p PORTO, opus cit. p

15 29 BUFFON, Marciano. Tributação e dignidade humana: entre direitos e deveres fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009, p CARRAZZA, Roque Antônio. Curso de Direito Constitucional Tributário. 25 ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2009, p COSTA, opus cit. p Ibidem, p Ibidem, p PORTO, opus cit. p SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico/ atualizadores: Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. Rio de Janeiro, 2007, p Ibidem, p CHIESA, Clélio. A competência Tritutária do Estado Brasileiro: desonerações nacionais e imunidades condicionadas. São Paulo: Editora Max Limonad, 2002, p Ibidem, CHIESA, opus cit, p Ibidem, p Ibidem, p Ibidem. 44 Ibidem. 45 SABBAG, opus cit. p COSTA, opus cit, p CASTRO, Aldemário Araújo de. Tendências Jurisprudenciais em torno das Imunidade Tributárias: Interpretação generosa e seus limites. Disponível em: <http://www.aldemario.adv.br/jimunidades.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2010, p. 12. SILVA, Ênio Morais da. O Estado Democrático de Direito. Disponível em: <ww2.senado.gov.br/bdsf/item/id/794>. Acesso em: 01 maio CHIESA, opus cit, Ibidem, p

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

IMUNIDADES A IMPOSTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. ART. 150, VI.

IMUNIDADES A IMPOSTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. ART. 150, VI. ALEXANDRE PANTOJA ADVOGADO www.alexandrepantoja.adv.br http://www.linkedin.com/pub/alexandre-pantoja/52/617/abb Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União,

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior.

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 12 Professor: Mauro Lopes Monitora: Carolina Meireles (continuação) 8) Princípio da vedação de isenção heterônoma Art. 151,

Leia mais

O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS

O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS O REGIME DE TRIBUTAÇÃO APLICÁVEL ÀS EMPRESAS GRÁFICAS 1. DO OBJETO DO ESTUDO Trata o presente artigo a respeito dos tributos aos quais as empresas gráficas encontram-se obrigadas a recolher, levando-se

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada*

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Em inúmeros textos escritos anteriormente deixamos bem claro que a progressividade fiscal nada tem a ver com a natureza real ou pessoal

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Premio. Destaque SIX

Premio. Destaque SIX São Mateus do Sul, 27 de outubro de 2008 Premio Destaque SIX 2008 A u tom at iz ação da Malha d e Controle 7-P CV-342 e Substituição da V á lvula de Contro le. R e ntab ilidad e e R es ultados. S e guran

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

DIRE ITO EM P RE S A RIA L

DIRE ITO EM P RE S A RIA L DIRE ITO EM P RE S A RIA L Um si n d i cato d e trab al h ad ores SI N F O, cu j a p recí p u a e ef eti va ati vi d ad e é a d e d ef en d er os d i rei tos l ab orai s d e seu s associ ad os resol veu

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA 1 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA Claudiney Anchieta de Carvalho 1 Me. Rafael Alem Mello Ferreira 2 RESUMO O presente trabalho busca analisar a imunidade

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. Conceito de Direito Tributário 1 É ramo do Direito Público, uma vez que presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica, prepondera o interesse da coletividade.

Leia mais

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as.

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. I I O F I C I N A PA R A I N ST R U M E N T A L I Z A Ç Ã O D O S M A T R I C I A D O A R E S E M SA Ú D E M E N T A L P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. M o rg an

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Tomáz de Aquino Resende Procurador de Justiça Coordenador do Centro de Apoio ao Terceiro Setor de Minas Gerais Primeiro, é necessário estabelecermos a diferença

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS (Revista do CIEE/Nacional Agosto/2014) Considerações Iniciais Em nosso ordenamento jurídico a competência tributária é definida pela Constituição. Os entes tributantes (União, Estados,

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi 1 1. Introdução Princípio é a regra básica implícita ou explícita que, por sua grande generalidade, ocupa posição de destaque

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

O papel da mãe no desenvolvimento da criança

O papel da mãe no desenvolvimento da criança O papel da mãe no desenvolvimento da criança O pa pel d a m ãe no desenv olvim ento de um a cr i a n ça é i m portante pois esta é quem lhe v ai d ar as d efesas que n e cessita, assim como, tem o dever

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo objetiva abordar as questões concernentes aos princípios constitucionais tributários, princípios estes previstos

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano L e i M u n i c i pa l n. º 2 1 0 7, d e 0 5 d e J u l h o d e 1 9 9 9. Dispõe s o b r e a d i v i s ã o d o ter r i t

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza pública. RESUMO: O presente artigo tem por finalidade abordar a temática constitucional que

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (ADI) Nº 4.376 PARECER FAVORÁVEL DA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA (PGR) INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS

Leia mais

Tributação Sobre Templos De Qualquer Culto Imunidades Conferidas Pela Constituição Federal De 1988

Tributação Sobre Templos De Qualquer Culto Imunidades Conferidas Pela Constituição Federal De 1988 BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tributação Sobre Templos De Qualquer Culto Imunidades Conferidas Pela Constituição Federal De 1988 Rafael Franceschini Leite advogado e especialista em Direito Tributário e Empresarial

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

A IMUNIDADE DAS IGREJAS REFERENTES AOS IMPOSTOS

A IMUNIDADE DAS IGREJAS REFERENTES AOS IMPOSTOS A IMUNIDADE DAS IGREJAS REFERENTES AOS IMPOSTOS José Carlos Maia Saliba II * Inicialmente, para evitar dúvidas entre os institutos da imunidade e da isenção, o primeiro é referendado em Sede Constitucional

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR

DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR DAS LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR Wellington Magalhães * 1. POSICIONAMENTO DO TEMA O tema pertinente à imunidade tributária se encontra posicionado e largamente estruturado na Constituição Federal. Na

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Seminário sobre Tributação Imobiliária Organização: Ministério das Cidades e Lincoln Institute Data: 6 e 7 de maio Local: Brasília

Seminário sobre Tributação Imobiliária Organização: Ministério das Cidades e Lincoln Institute Data: 6 e 7 de maio Local: Brasília Seminário sobre Tributação Imobiliária Organização: Ministério das Cidades e Lincoln Institute Data: 6 e 7 de maio Local: Brasília Expositor: CLEUCIO SANTOS NUNES TEMA: CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA: APLICABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO EDUCAÇÃO BÁSICA A educação básica, presumida no texto original da Constituição da República de 1988, tornou-se manifesta por meio da Emenda Constitucional n o 59/2009. O art. 208, incisos I e VII, ora

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Olá amigos concurseiros, Hoje eu venho falar um pouco sobre a prova de direito tributário do concurso do ICMS/PE que será elaborada pela banca FCC.

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF.

SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF. SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR AULA - PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE TRIBUTÁRIA PÓS-GRADUAÇÃO REDE LFG/ANHANGUERA PROF. EDUARDO SABBAG SET/2009 - IRRETROATIVIDADE E ANTERIORIDADE NO IR ANÁLISE DA SÚMULA

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PROF. DRA. VÂNIA HACK DE ALMEIDA

DIREITO CONSTITUCIONAL PROF. DRA. VÂNIA HACK DE ALMEIDA 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS PONTO 2: a) CLASSIFICAÇÃO DOS DIR. E GARANTIAS FUNDAMENTAIS. b) PRINCÍPIOS E REGRAS ART. 5º, 3º 1 - CF - Dir. Humanos. No caput do art.

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-J3ERAL FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA AGENCIA NACIÒNAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-J3ERAL FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA AGENCIA NACIÒNAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-J3ERAL FEDERAL PROCURADORIA GERAL DA AGENCIA NACIÒNAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL Em 26 de novembro de 2013. Parecer n 0580/2013/PGE-ANEEL/PGF/AGU Referência: \%Documento

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS Um dispositivo constitucional ainda violado

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS Um dispositivo constitucional ainda violado IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS Um dispositivo constitucional ainda violado Autora: Aline Laranjeira Mota Artigo Científico apresentado à Banca Examinadora como exigência parcial para obtenção do Título

Leia mais

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada*

Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Guerra fiscal continua na área do ICMS Kiyoshi Harada* Vários artigos sobre assunto já escrevemos. A única forma de acabar com as guerras fiscais deflagradas sob diferentes espécies incentivos fiscais

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira

A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira A INCONSTITUCIONALIDADE DA INCIDÊNCIA DO IPI NA IMPORTAÇÃO E NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS. Por Carolina Silveira O IPI é tributo de competência da União Federal, conforme se pode observar da análise

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS

PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS PIS E COFINS NAS VENDAS PARA ZONA FRANCA DE MANAUS * Leandro Pacheco Scherer Há muito se discute acerca do regime tributário a que está adstrita a Zona Franca de Manaus (ZFM), especialmente sobre o regime

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 132, de 2008 Complementar (Projeto de Lei Complementar nº 182, de 2004, na origem), do Deputado José Carlos Aleluia,

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 Victor Leão Teles Cruvinel Ferreira¹ Patrícia Spagnolo Parise²

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais