PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados"

Transcrição

1 FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC FSC-STD (Versão 2-1) 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados Charles de Gaulle Str Bonn, Alemanha Tel..: Fax:

2 PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC FSC-STD (Versão 2-1) Aprovado em 4 de outubro de 2006 Pela Diretoria do FSC Pequenas emendas aprovadas em abril de 2007 Pelo Diretor Executivo do FSC 2006 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho coberta pelos direitos autorais da organização responsável por sua publicação pode ser reproduzida ou copiada sob qualquer forma ou por quaisquer meios (gráfico, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópia, gravação áudio, ou serviços de recuperação de informação) sem permissão por escrito. O Forest Stewardship Council (Conselho Mundial de Manejo Florestal FSC) é uma organização não governamental independente e sem fins lucrativos com sede na cidade de Bonn, Alemanha. A missão do Forest Stewardship Council é apoiar o manejo economicamente viável, socialmente benéfico e ambientalmente adequado das florestas do planeta. O FSC desenvolve, apoia e promove padrões regionais, nacionais e internacionais no âmbito da sua missão; avalia, credencia e monitora os organismos certificadores que fiscalizam a aplicação dos padrões FSC; disponibiliza informações e oferece programas de treinamento, e promove o uso dos produtos que ostentam o logotipo FSC.

3 Prefácio Este padrão foi elaborado para permitir que as empresas possam evitar se envolver no comércio de madeira explorada ilegalmente, madeira cuja exploração implicou na violação de direitos civis e tradicionais, madeira obtida de florestas onde seu alto valor de conservação está ameaçado pelas atividades de manejo, madeira oriunda de florestas cujas terras estão sendo convertidas em plantações ou destinadas a outros usos que não o florestal, e madeira de florestas onde são plantadas árvores geneticamente modificadas. O cumprimento deste padrão permite às empresas fornecer Madeira Controlada FSC para companhias detentoras de cadeia de custódia certificadas segundo o esquema FSC para fins de incorporá-la a material certificado FSC. Permite que as empresas demonstrem que estão desenvolvendo seus melhores esforços para evitar se envolver no comércio de madeira ilegal, apoiando dessa forma o programa internacional de Comércio, Governança e Fiscalização das Leis Florestais. (FLEGT). Permite ainda às empresas iniciar a implementação de suas próprias políticas de compras responsáveis. O documento FSC-STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC se destina a apenas a permitir que os fabricantes possam evitar as categorias de madeira consideradas inaceitáveis para serem mescladas com madeira certificada FSC. Este padrão permite às empresas reduzir significativamente o risco delas se envolverem com o comércio de madeira oriunda de fontes inaceitáveis. As empresas de manejo florestal que desejarem fornecer Madeira Controlada FSC para empresas certificadas ou empresas em conformidade com este padrão deverão elas próprias cumprir com os requisitos do documento FSC-STD FSC Padrão para Madeira Controlada FSC para empresas de manejo florestal. Notas sobre esta versão Em setembro de 2004, a Diretoria do FSC avalizou um novo conjunto de padrões orientados a permitir que as empresas com certificação FSC pudessem comprar e fornecer, para fins de mesclar com produto certificado FSC, a madeira sem certificação FSC mas com origem controlada (FSC-STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC e FSC-STD FSC Padrão para Madeira Controlada FSC para empresas de manejo florestal). O termo madeira controlada foi criado pelo FSC em 2004 para definir estes critérios de que permitem diferenciá-la da madeira inaceitável. Durante o ano de 2005, o escritório central do FSC (FSC International Center) foi incumbido de monitorar a aplicação e revisar os novos padrões de Madeira Controlada FSC, levando em consideração a experiência na sua implementação prática e a solução de questões pendentes. A versão 2-0 do documento FSC-STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC foi desenvolvida após as considerar as contribuições colhidas nas consultas públicas realizadas em julho de 2005, abrilmaio de 2006, e agosto-setembro de 2006, e após a revisão pelo Grupo de Trabalho Técnico FSC em quatro reuniões realizadas em 2005 e Neste documento foram incluídas caixas de texto contendo explicações com o objetivo de facilitar sua interpretação e ajudar os usuários a entender o racional das várias exigências. 3/34

4 Esta versão 2-1 inclui emendas, aprovadas pelo Diretor Executivo em abril de 2007, para esclarecer algumas pequenas inconsistências da versão 2-0. Nota sobre o uso deste padrão Salvo onde informado diferentemente, todos os aspectos deste padrão são considerados como normativos, inclusive o escopo, a data efetiva do padrão, referências, termos e definições, tabelas e anexos. Favor enviar comentários ou sugestões sobre este padrão para: FSC International Center Policy and Standards Program Charles-de-Gaulle Str Bonn, Alemanha Tel.: +49 (228) Fax: +49 (228) /34

5 Sumário A B C D Escopo Data efetiva do padrão Referências Termos e definições Parte 1: Exigências do sistema de qualidade 1. Política da empresa 2. Procedimentos 3. Treinamento 4. Registros Parte 2: Exigências para o fornecimento de Madeira Controlada FSC 5. Identificação do fornecedor 6. Insumos certificados FSC oriundos de fornecedores certificados FSC 7. Insumos de Madeira Controlada FSC oriundos de fornecedores certificados FSC 8. Insumos de Madeira Controlada FSC oriundos de fornecedores sem certificação FSC 9. Insumos de madeira sem controle 10. Espécies listadas no CITES Parte 3: Avaliação de risco e programa de verificação 11. Avaliação de risco 12. Programa de verificação para fornecimentos de madeira identificados como oriundos de fontes de baixo risco 13. Programa de verificação para fornecimentos de madeira oriundos de fontes sem informação de risco 14. Mecanismo de reclamação Parte 4: Venda de Madeira Controlada FSC 15. Fornecimento de Madeira Controlada FSC Anexos Anexo 1 Anexo 2 Anexo 3 Anexo 4 Glossário Critérios para avaliação de risco Exigências para o programa de verificação da empresa Provisões quanto a declarações relativas à Madeira Controlada FSC 5/34

6 A Escopo Este padrão é para uso das empresas certificadas FSC que procuram evitar a compra de madeira explorada ilegalmente, madeira cuja exploração implicou na violação de direitos civis e tradicionais, madeira obtida de florestas cujo alto valor de conservação está ameaçado pelas atividades de manejo, madeira oriunda de florestas cujas terras estão sendo convertidas em plantações ou destinadas a outros usos que não o florestal, e madeira de florestas onde são plantadas árvores geneticamente modificadas. Este padrão deve ser aplicado à porção não certificada de um grupo de produtos (neste documento, denominada madeira) na fabricação, processamento, transformação e comercialização de produtos florestais que ostentam o selo FSC para produtos mistos. Também deverá ser aplicado às cadeias de custódia de comerciantes certificados que desejarem fornecer Madeira Controlada FSC para operações com cadeias de custódia certificadas FSC para fins de mesclá-la com materiais certificados FSC. Este padrão também pode ser aplicado a produtos florestais não madeireiros (neste documento, denominada madeira). Este padrão especifica exigências abrangentes para empresas que compram madeira de fornecedores sem certificação FSC por meio de um programa de verificação da própria empresa. NOTA: O cumprimento das exigências deste padrão é obrigatório para todas as operações que possuam cadeias de custódia com certificação FSC que desejam incorporar material sem certificação em produtos ou grupo de produtos certificados pelo FSC, independentemente dessas operações serem ou não certificadas de acordo com o padrão FSC-POL Política FSC para Declarações Baseadas em Porcentagens ou conforme o Padrão FSC-STD Padrão FSC para cadeia de custódia de empresas manufatureiras. B Data efetiva do padrão Esta versão 2-0 do documento FSC-STD foi aprovada pela Diretoria do FSC. Foi redigida segundo considerações apresentadas pelo Grupo de Trabalho Técnico FSC em quatro reuniões em e levando em conta os comentários das partes interessadas obtidos nas consultas públicas realizadas em julho de 2005, abril-maio de 2006 e agosto-setembro de A data efetiva do padrão é 1 o de janeiro de 2007 para empresas de processamento primário e 1o. de janeiro de 2008 para empresas de processamento secundário e também para pequenas empresas. Data efetiva A data efetiva de um documento normativo especifica a partir de que data a nova (versão) norma deverá ser usada pela organização certificadora para avaliação de seu cumprimento pelos usuários-alvo especificados no escopo do padrão. Isso significa que um processador primário, que atualmente tenha certificado de cadeia de custódia e que fabrica produtos mistos FSC, será avaliado de acordo com este padrão durante a auditoria anual de Processadores primários Para efeito desta norma, processadores primários são os que envolvem a transformação da madeira roliça em outros materiais que não madeira roliça. Essas empresas incluem as serrarias, as fábricas de celulose, os produtores de lâminas e outros. 6/34

7 Nota: Um pátio de toras que está fornecendo madeira roliça como produto de suas operações não é considerado um processador primário. C Referências FSC-STD Padrão FSC para cadeia de custódia de empresas manufatureiras. FSC-STD FSC Padrão para Madeira Controlada FSC para empresas de manejo florestal. FSC-STD Critérios de elegibilidade SLIMF. FSC-POL A Certificação FSC e as Convenções da OIT D Termos e Definições Termos e definições são objeto do documento FSC-STD FSC glossário de termos. Definições chave pertinentes a este padrão são apresentadas no Anexo 1. Parte 1: Exigências do sistema de qualidade 1. Política da empresa 1.1 A empresa deve ter um compromisso por escrito, avalizado pelo mais alto nível da administração e disponível ao público, descrevendo suas políticas no sentido de implementar seus melhores esforços para evitar a compra e/ou venda de madeira ou fibra de madeira (neste documento denominada madeira) das seguintes categorias: a) madeira oriunda de exploração ilegal; b) madeira cuja exploração implicou na violação de direitos civis e tradicionais; c) madeira obtida de florestas cujo alto valor de conservação está ameaçado pelas atividades de manejo; d) madeira oriunda de florestas cujas terras estão sendo convertidas em plantações ou destinadas a outros usos que não o florestal, e e) madeira de florestas onde são plantadas árvores geneticamente modificadas. 2. Procedimentos 2.1 A empresa deve dispor de procedimentos e/ou instruções de trabalho cobrindo todos os elementos aplicáveis especificados neste padrão. 2.2 A empresa deve identificar a pessoa (ou o cargo) responsável pela implementação de cada procedimento e/ou instrução de trabalho. 7/34

8 3. Treinamento 3.1 A empresa deve especificar as exigências de treinamento para todos os funcionários envolvidos na implementação deste padrão. 3.2 O treinamento deve ser oferecido na forma apropriada e especificada a todos os funcionários. 3.3 A empresa deve manter os registros dos treinamentos oferecidos aos funcionários relacionados com a implementação deste padrão. 4. Registros 4.1 A empresa deve manter registros que demonstrem o cumprimento das exigências aplicáveis deste padrão. Esses registros devem ser mantidos por um período de no mínimo cinco anos. Pare 2: Exigências para Madeira Controlada FSC 5. Identificação do fornecedor 5.1 A empresa deve classificar os seus fornecedores em: a) Madeira certificada FSC (veja Seção 6); b) Madeira Controlada FSC de empresas certificadas de acordo com o padrão FSC-STD ou FSC-STD (veja Seção 7); c) Madeira incluída no programa de verificação de Madeira Controlada FSC da própria empresa (veja seções 8 e 11 a 13); d) Madeira sem controle. 5.2 A empresa deve manter uma lista atualizada de todos os seus fornecedores de madeira ou de produtos florestais incluídos no programa de verificação de Madeira Controlada FSC da própria empresa. Para cada fornecedor a empresa deve anotar: a) o nome e o endereço do fornecedor; b) uma descrição da madeira fornecida; c) a espécie e o volume da madeira fornecida e a respectiva documentação de compra. 6. Insumos Certificados FSC provenientes de fornecedores certificados FSC 6.1 Para fornecimentos de material certificado FSC a empresa deve garantir que: a) toda madeira fornecida como certificada FSC (FSC puro, FSC misto, ou FSC-reciclado) por fornecedores certificados FSC é claramente identificável; 8/34

9 b) toda madeira fornecida como certificada FSC é acompanhada de documentação que inclui referência a cada lote de produção e/ou à respectiva documentação de transporte, de forma a permitir vincular os produtos fornecidos à respectiva fatura; c) a documentação de transporte e as faturas emitidas para o material fornecido devem conter o número do certificado FSC da empresa A empresa deve verificar que o fornecedor é detentor de um certificado FSC válido. 7. Insumos de Madeira Controlada FSC provenientes de fornecedores certificados para entregar Madeira Controlada FSC 7.1 Para fornecimentos de Madeira Controlada FSC a empresa deve garantir que: a) toda madeira fornecida como Madeira Controlada FSC por fornecedores certificados de Madeira Controlada FSC é claramente identificável como tal; b) toda madeira fornecida como Madeira Controlada FSC é acompanhada por documentação que claramente identifica o lote de cada produto e/ou a respectiva documentação de transporte é suficiente para estabelecer um vínculo entre a fatura e os produtos fornecidos; c) a documentação de transporte e as respectivas faturas relativas ao material fornecido devem trazer anotado o código de Madeira Controlada FSC da empresa fornecedora. 7.2 A empresa deve verificar que o fornecedor possui um certificado FSC de cadeia de custódia válido que inclui no seu escopo Madeira Controlada, ou um certificado de Madeira Controlada FSC válido. NOTA: O código de Madeira Controlada do fornecedor deve ser declarado nos documentos de compra de Madeira Controlada FSC. 8. Insumos de Madeira Controlada FSC proveniente de fornecedores sem certificação FSC 8.1 Para fornecimentos de madeira incluída no programa de verificação de Madeira Controlada FSC da própria empresa, a empresa deve: a) determinar e manter registros do país e distrito de origem da madeira fornecida; Distrito O conceito de distrito é central para este padrão (veja Anexo 1: Glossário). A empresa deve esclarecer qual a definição operacional de distrito escolhida, com base na interação da entidade oficial do FSC mais próxima (na ordem: Iniciativa Nacional, Escritório Regional FSC, Centro Internacional FSC) e/ou com em base técnica viável sobre a qual as categorias relevantes para a Madeira Controlada FSC possam ser monitoradas de forma consistente. Isso é necessário para garantir consistência entre as empresas que estão implementando os padrões FSC-STD-40-9/34

10 005 FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC em nível nacional ou regional, ou seja, num nível supranacional. b) garantir que a documentação exigida para demonstrar o distrito de origem da madeira fornecida seja mantida devidamente arquivada. Isso deveria incluir os documentos exigidos por lei para o transporte e para provar a compra da madeira da unidade de manejo florestal de origem; c) especificar e implementar um processo regular de auditoria para verificar a autenticidade da documentação especificada para confirmar o país e o distrito de origem da madeira. Como as condições irão variar entre regiões diferentes, países diferentes e mesmo dentro de um mesmo país, podendo ainda variar de acordo com o tamanho e número de fornecedores, não seria adequado que este padrão estabelecesse um período específico para se verificar a autenticidade dos documentos considerados no item 8.1 c). A empresa deve estabelecer esse período com base nas condições nela vigentes, mas terá que apresentar ao organismo certificador as razões que levou em conta para adotar um certo período. 9. Insumos de madeira não controlada 9.1 Para os fornecedores de madeira não controlada a empresa deve estabelecer um sistema que garanta que essa madeira não vai contaminar a madeira que é controlada de acordo com as exigências descritas neste padrão, ou madeira certificada segundo o esquema FSC. 10. Espécies incluídas no CITES 10.1 Independentemente de o fornecedor ser ou não certificado segundo o esquema FSC, todos os fornecimentos de madeira para exportação de qualquer espécie listada no Anexo 1, 2 ou 3 da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Flora e Fauna Silvestre (Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora - CITES) deve ser acompanhada das licenças ou permissões de exportação aplicáveis 1 Parte 3: Avaliação de risco e programa de verificação Esta parte do documento FSC-STD se aplica às empresas que compram madeira de fornecedores não certificados pelo FSC e que desejam desenvolver e implementar seu próprio programa de verificação de Madeira Controlada FSC 11. Avaliação de Risco 11.1 Para fornecedores incluídos no programa de verificação de Madeira Controlada FSC da própria empresa, a empresa deve determinar se o distrito de origem é de fato uma área de baixo risco para fontes inaceitáveis, conforme descrito na Seção 1.1, de acordo com a abordagem e os critérios especificados no Anexo 2 deste padrão. 1 Veja 10/34

11 NOTA: A avaliação de risco realizada pela empresa deve ser revisada por uma organização certificadora credenciada pelo FSC quanto à sua suficiência e/ou adequação técnica Os resultados da avaliação de risco realizada pela empresa devem se tornar disponíveis publicamente. NOTA: O FSC vai publicar no Registro de Riscos FSC todos os resultados das avaliações de risco das empresas certificadas de acordo com o padrão FSC-STD Quando houver dúvidas se um distrito é ou não de baixo risco, esse distrito deve ser classificado como sendo de risco desconhecido. 12. Programa de verificação para fornecimentos de madeira identificados como sendo de fontes de baixo risco 12.1 Madeira proveniente de fontes que tenham sido identificadas como de baixo risco para todas as categorias listadas na Seção 1.1 acima, e que tenha sido incluída no programa de verificação da empresa, pode ser tratada pela empresa como Madeira Controlada FSC Todos os outros tipos de madeira incluídos no programa de verificação da empresa, que não tenham sido identificados como provenientes de fontes de baixo risco, devem ser avaliados de acordo com as exigências especificadas na Seção 13 deste padrão. 13. Programa de verificação de fornecimentos de madeira de fontes de risco desconhecido 13.1 Para toda madeira proveniente de fontes cujo risco não pode ser confirmado como sendo baixo, a empresa deve incluir a unidade de manejo florestal de origem no seu programa de verificação e confirmar que essa fonte cumpre com as exigências especificadas no Anexo 3. NOTA: O programa de verificação da empresa deve ser auditado por uma organização certificadora credenciada pelo FSC pelo menos uma vez por ano Quando solicitados, os resultados das avaliações de campo do programa de verificação da empresa devem estar disponíveis aos organismos certificadores credenciados pelo FSC. Esses resultados devem incluir a descrição de quaisquer não-conformidades e/ou ações corretivas identificadas pelo programa de verificação da empresa Quando existir orientação e/ou interpretação por parte do FSC Internacional (FSC International Center), Escritórios Regionais do FSC, e/ou de Iniciativas Nacionais reconhecidas pelo FSC, esta orientação e/ou interpretação deve ser usada pela empresa nos casos de fornecimentos de madeira cujas fontes não podem ser confirmadas como sendo de baixo risco. 14. Mecanismo de reclamações 14.1 A empresa deve implementar um mecanismo para tratar as reclamações baseadas em evidências relacionadas aos fornecimentos de madeira controlada, independentemente da madeira ser proveniente de áreas 11/34

12 consideradas de baixo risco ou não. Este mecanismo deve incluir, no mínimo, os seguintes pontos: a) avaliação, dentro de duas semanas de seu recebimento, das evidenciais nas quais se baseia a reclamação; b) verificação de campo, dentro de dois meses do recebimento da reclamação, nos casos em que a evidência for considerada relevante; c) procedimentos para excluir fornecimentos e fornecedores da categoria de Madeira Controlada FSC da empresa, nos casos em que for encontrada qualquer não-conformidade com as exigências da Madeira Controlada FSC; d) procedimentos para garantir que o fornecedor somente estará apto a fornecer Madeira Controlada FSC após comprovar que cumpriu com as exigências da Madeira Controlada FSC; e) registros de todas as reclamações recebidas e as respectivas medidas tomadas para seu encaminhamento A empresa deve informar às instâncias competentes - Iniciativa Nacional reconhecida pelo FSC, o Escritório Regional FSC, ou o Organização certificadora credenciada pelo FSC sempre que houver uma nãoconformidade em relação às exigências da Madeira Controlada FSC em áreas consideradas como de baixo risco A empresa deverá rever sua avaliação de risco sempre que os casos de nãoconformidade em relação às exigências da Madeira Controlada FSC em áreas classificadas como de baixo risco se tornarem freqüentes. Parte 4: Venda de Madeira Controlada FSC 15. Fornecimento de Madeira Controlada FSC 15.1 Toda e qualquer empresa fornecedora de Madeira Controlada FSC deve possuir um certificado FSC de cadeia de custódia válido, devidamente emitido por um Organização certificadora credenciada pelo FSC A empresa deve incluir as seguintes informações em todas as faturas emitidas na venda de Produtos Florestais Controlados FSC: a) o nome e o endereço do comprador; b) a data de emissão da fatura; c) a descrição do produto; d) a quantidade de produtos vendidos; e) referência ao lote de produção e/ou relacionada com a documentação de transporte, que permita vincular a fatura aos produtos recebidos pelo cliente; f) o código de Madeira Controlada FSC emitido por um organização certificadora credenciada pelo FSC. 12/34

13 15.3 Todas as faturas e documentos de transporte emitidos para a venda de Madeira Controlada FSC devem incluir uma clara descrição de produto Madeira Controlada FSC para todos os produtos que se enquadrem nessa categoria. 13/34

14 Anexo 1: Glossário Área florestal de baixo risco. Áreas florestais classificadas como tendo um risco baixo de fornecer madeira das categorias listadas na Seção 1.1. do documento FSC- STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC. Áreas de alta biodiversidade sob ameaça (biodiversity hotspots). As 25 áreas definidas pela organização Conservation International como sendo os repositórios mais ricos e ameaçados da flora e fauna da Terra. Árvore geneticamente modificada (GM). OGM derivado de uma espécie arbórea 2 Comunicação empresa-empresa (1?). Uma declaração feita sobre um produto onde a informação dada sobre o produto é dirigida exclusivamente a outras empresas que têm interesse em usar o produto para comércio ou para subseqüente processamento. Comunicações empresa-empresa excluem declarações feitas ao consumidor final e o uso da marca registrada nos impressos e formulários com papel timbrado da empresa. Comunicação empresa-empresa (2?). Uma declaração feita sobre um produto apenas nos documentos de venda e de transporte, onde a informação dada sobre o produto se destina exclusivamente a outras empresas que têm interesse em usar o produto para comércio ou para subseqüente processamento. A comunicação empresa-empresa não inclui portais da Internet, folhetos de amostra, catálogos de cores (swatch books), volantes de propaganda, catálogos, cartazes, propagandas, folhas de especificações técnicas, listas de preço, material para promoção em feiras e mostras e outros para fins promocionais, declarações feitas aos consumidores finais e impressos com papel timbrado da empresa. Direitos civis. Direito ou direitos que são devidos à pessoa em razão de sua cidadania. Os direitos que toda e qualquer pessoa tem na sociedade, como por exemplo, o de ser tratada com igualdade, poder votar, trabalhar, etc. Direitos tradicionais. Direitos que resultam de uma longa serie de ações costumárias ou habituais, repetidas constantemente, e que, devido a essa repetição e aceitação ao longo do tempo, adquirem força de lei no âmbito de uma unidade sociológica ou geográfica. Também conhecidos como direitos costumários ou consuetudinários (Princípios e Critérios do FSC, fevereiro de 2000). Distrito. Definição geográfica genérica dentro de um país de uma área que tem características similares e risco similar para as categorias de madeira controlada e de onde a madeira é comprada. Pode ser um município, localidade ou bacia hidrográfica e, normalmente, é um subconjunto de uma ecoregião. Documentação de venda e transporte. Documentos usados nas transações comerciais entre vendedores e compradores onde estão incluídas as especificações e descrições dos produtos. A documentação de venda e transporte pode incluir a confirmação de pedidos, faturas, notas de entrega e romaneios. 2 Clones, híbridos formados por processos naturais, ou os produtos obtidos por melhoramento tradicional, seleção, enxertia, propagação vegetativa ou cultura de tecidos não são OGMs, a menos que produzidos por técnicas OGM (FSC POL ) 14/34

15 Ecoregião Global 200. Uma região identificada com base na riqueza de espécies, endemismo, elevada singularidade taxonômica, fenômenos evolucionários e ecológicos extraordinários e raridade global do principal tipo de habitat (WWF International, The Global 200 Ecoregions). Ecoregião. Uma grande área de terra ou de água que contêm um conjunto geograficamente distinto de comunidades naturais que: (a) compartilham a grande maioria das espécies e a dinâmica de sua ecologia; (b) apresentam condições ambientais semelhantes, e (c) as espécies interagem ecologicamente de várias formas que são críticas para a sua persistência em longo prazo. (WWF - Empresa. A entidade que cumpre com este padrão. Empresa fornecedora. Veja fornecedor. FAVC Florestas de Alto Valor de Conservação. Florestas de Alto Valor de Conservação são aquelas que têm um ou mais dos seguintes atributos: a) áreas florestais que, do ponto de vista global, regional ou nacional, contêm concentrações significativas de valores da biodiversidade (por exemplo, endemismo, espécies ameaçadas, refúgios de flora e fauna); e/ou florestas importantes do ponto de visa da paisagem, incorporando a unidade de manejo florestal ou situada dentro dela, onde as populações viáveis da maior parte - senão de todas as espécies que aí ocorrem naturalmente existem em abundância e em padrões naturais de distribuição;áreas florestais; b) que são ou contêm ecossistemas raros; ameaçados ou em perigo de extinção c) áreas florestais que fornecem serviços ambientais básicos em situações críticas (como por exemplo, proteção de mananciais, controle de erosão); d) áreas florestais fundamentais para atender as necessidades básicas de comunidades locais (como por exemplo, subsistência, saúde) e/ou que são críticas para a identidade cultural tradicional das comunidades locais (áreas de significância cultural, ecológica, econômica ou religiosa identificadas em cooperação com essas comunidades locais). Fonte. Veja Origem. Fornecedor. A empresa ou indivíduo que oferece um bem ou presta um serviço. Madeira Controlada FSC. Madeira que é identificada por uma empresa para diferenciá-la das categorias de madeira listadas na Seção 1.1. do documento FSC- STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada FSC. Madeira explorada ilegalmente. Madeira que foi explorada em violação às leis aplicáveis à exploração florestal da área ou jurisdição, inclusive a obtenção de direitos de exploração junto ao legítimo dono, os métodos de exploração empregados, e o pagamento de todas as taxas e direitos devidos. Marcas de identificação e separação. Marcas ou etiquetas usadas para a identificação de matérias-primas ou material semi-acabado durante o transporte e armazenamento antes de um novo processamento. Essas marcas não chegam até o ponto final de venda e não são usadas para caracterizar o produto no seu ponto de 15/34

16 venda (local físico onde o produto é oferecido para venda) ou para fins promocionais perante clientes e o público em geral. Material de ponto de venda. Material de promoção e propaganda exibido em lojas, vitrines, show rooms etc. nos locais específicos onde os produtos são oferecidos para venda aos consumidores finais No produto (on-product).termo aplicado a qualquer rótulo, embalagem ou marcação aplicada ao produto. Exemplos de rótulos ou marcações no produto (onproduct) Incluem etiquetas de produtos, marcação silk screen, marcação a fogo, embalagens de varejo para artigos miúdos (como por exemplo, lápis), embalagens de proteção e filmes plásticos. Organismo geneticamente modificado (OGM). Organismo biológico que foi levado por diferentes meios a sofrer alterações genéticas estruturais (Princípios e Critérios do FSC, Fev. de 2000). Origem. Área florestal onde as árvores para a produção de madeira ou fibra foram colhidas. Paisagem Florestal Intacta. A Uma paisagem florestal intacta é uma área dentro da zona florestal, de no mínimo 500 km 2 de superfície e com uma largura mínima de 10 km (diâmetro do círculo inscrito) que contem ecossistemas florestais e não florestais minimamente afetados por atividade antrópica. Pequenas empresas. Empresas que: i. têm até 15 empregados (computados funcionários tempo integral, tempo parcial e sazonais), ou ii. têm até 25 empregados e um faturamento anual inferior a US$1,000,000. Porção muito limitada. A área afetada não deve exceder a 0,5% da área da UMF (unidade de manejo florestal) quando considerado qualquer período de um ano, e nem afetar mais que 5% da área da UMF. Povos indígenas. "Os atuais descendentes dos povos que habitavam o território de um país, total ou parcialmente, quando pessoas de uma cultura ou origem étnica distinta lá chegaram vindas de outras partes do mundo, os suplantaram e, por conquistas, colonização ou outros meios, os reduziram a uma situação não dominante ou de subordinação colonial; que hoje vivem mais de acordo com suas tradições e costumes sociais, econômicos e culturais particulares do que conforme as instituições do país do qual fazem parte, permanecendo sob uma estrutura oficial que incorpora sobretudo as características nacionais, sociais e culturais de outros segmentos da população que são dominantes. (definição de trabalho adotada pelo Grupo de Trabalho sobre Povos Indígenas da ONU)(Princípios e Critérios do FSC, fevereiro de 2000). A Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) diz respeito aos povos Indígenas e Tribais e se aplica às definições e provisões deste padrão. Procedimento. Uma maneira especificada de se executar uma atividade ou processo. Os procedimentos podem ser documentados ou não. SLIMF (operação florestal de pequena escala ou de baixa intensidade de manejo). Uma unidade de manejo florestal que cumpre com os requisitos específicos do FSC relacionados com o tamanho e/ou intensidade da exploração florestal e que, portanto, pode ser avaliada pelos organismos certificadores por meio 16/34

17 de procedimentos mais expeditos. Os requisitos aplicáveis do FSC para esse tipo de operação estão definidos no documento FSC-STD Critérios de elegibilidade SLIMF. Uso promocional. Termo aplicado a todas as afirmações, declarações, marcas registradas e outras formas afins usadas para promover produtos, empresas ou organizações, envolvendo propaganda, publicidade, vendas ou atividades de relações públicas, mas excluindo os elementos englobados na categoria definida como no produto (on-product). Violação de direitos tradicionais. Desrespeito aos direitos costumários locais. Violação dos Direitos Civis. Desrespeito ao direito ou direitos que uma pessoa tem em razão da sua cidadania. 17/34

18 Anexo 2: Abordagem e critérios para avaliação de risco Para os fins a que se destina este deste padrão, a Avaliação de Risco exige que se adote uma abordagem cautelosa. Dessa forma, uma determinada área localizada em qualquer parte do mundo é considerada como sendo de alto risco, até que se possa provar, por meio de uma avaliação de risco adequada de acordo com as exigências da Seção 1.1 deste padrão, que essa área é de baixo risco. A Avaliação de Risco deve se iniciar na escala adequada de maior amplitude. Se as condições de uma determinada escala não forem suficientemente homogêneas para que se possa estabelecer, de acordo com todas as exigências da Seção 1.1, que o risco é baixo, deve-se passar para uma escala menor. A Avaliação de Risco deve prosseguir em escalas cada vez menores até que as condições sejam suficientemente homogêneas. Pode ser que, sob certas condições homogêneas, a designação de risco seja feita em nível nacional, enquanto que, sob condições mais heterogêneas, a designação do risco seja possível apenas em nível de distrito ou nível local e/ou em nível de subconjuntos de ecoregiões. Os seguintes critérios e indicadores devem ser usados pelas empresas para determinar se o distrito de origem pode ser considerado de baixo risco, de acordo com as exigências da Seção 1.1 deste padrão. Ao empregar os critérios aqui apresentados, as empresas devem também considerar as informações disponíveis no Registro de Riscos do FSC como orientação. As empresas podem também buscar ajuda das Iniciativas Nacionais credenciadas pelo FSC em seus respectivos países, ou dos Escritórios Regionais do FSC para determinar se um distrito de origem é de baixo risco. O Registro de Riscos do FSC vai se constituir num ponto central de informação para avaliação de risco para Madeira Controlada FSC. Vai contribuir para a transparência e credibilidade dos certificados de Madeira Controlada FSC, na medida em que esse Registro vai tornar público todos os resultados das avaliações de risco das empresas certificadas de acordo com o documento FSC-STD FSC Padrão para avaliação, pela empresa, de Madeira Controlada Forest Stewardship Council. Além disso, o Registro de Riscos do FSC será uma fonte de informações relevantes para a realização de avaliações de risco, inclusive ferramentas para implementá-las. A Requisitos gerais 1. Para cada categoria de Madeira Controlada FSC, conforme detalhado na Parte 1, Seção 1.1, deste padrão, uma avaliação de risco deveria se iniciar pela escala relevante mais ampla, que normalmente seria a escala nacional ou estadual. Se uma determinação de baixo risco confiável pode ser feita em nível nacional ou estadual, não há necessidade de se realizar outra avaliação num nível mais baixo (por exemplo, no nível de distrito). Uma avaliação de risco num nível mais baixo, como o de um distrito, somente é necessária quando não se pode obter uma avaliação confiável de baixo de risco numa escala maior (por exemplo, nacional ou estadual). 2. Sempre quando houver uma interpretação ou orientação referente ao Anexo 2 fornecida por uma Iniciativa Nacional credenciada pelo FSC, essa interpretação deve prevalecer. Para obter uma lista das Iniciativas Nacionais, por favor, acesse o site do FSC ( 3. Quando a empresa tem como justificar uma designação de baixo risco (não importa a escala, se em nível de distrito ou em nível nacional) não há 18/34

19 necessidade de se implementar os procedimentos descritos no Anexo 3 (em nível da UMF), a menos que haja evidências suficientes que uma fonte específica não atende as exigências de Madeira Controlada FSC, conforme detalhado na Parte 1, Seção 1.1, deste padrão. Os títulos (category headings) apresentados para cada uma das categorias de Madeira Controlada FSC não são normativos no âmbito deste padrão. Os critérios dentro de cada categoria é que são as declarações normativas que definem as exigências para Madeira Controlada FSC dentro dos limites dessas classes amplas de categorias (por exemplo, Madeira explorada em violação de direitos civis e tradicionais) é a classe de categoria, enquanto os critérios cobrem subconjuntos de tais direitos que são específicos da exploração florestal e dentro do escopo de influência de uma UMF, como direitos dos trabalhadores e direitos das populações indígenas. B. Exigências Específicas para cada categoria de Madeira Controlada FSC 1. Madeira Explorada Ilegalmente Exploração ilegal de madeira é um termo potencialmente abrangente que é difícil de ser definido. Para fins de se avaliar risco em um dado distrito, o termo necessita ser interpretado de tal forma que seja mensurável e que tenha um significado definido. Uma área deve ser considerada como de risco desconhecido quando a exploração ilegal se constitui numa ameaça à floresta, às pessoas e às comunidades. Pequenas infrações e algumas questões de pouca relevância, como por exemplo, pequenos desvios na localização geográfica da área a ser explorada, atraso na preparação da documentação, ou pequenas infrações relacionadas com transporte não deveriam caracterizar uma operação ou um distrito como sendo de risco desconhecido. É pouco provável que a exploração ilegal de madeira ocorra de forma sistemática em áreas onde exista boa governança no que diz respeito às questões relacionadas com a floresta. Por essa razão, alguns critérios relacionados com governança são usados para avaliar o risco de exploração ilegal de madeira para um determinado distrito. Inicialmente esses critérios irão incluir: - Nível percebido da corrupção relacionada com as atividades florestais; - Grau de transparência das informações que, se tornadas públicas, poderiam revelar ou reduzir a exploração ilegal de madeira; - Grau em que dados essenciais e documentos relevantes sobre exploração ilegal de madeira existem e são de qualidade satisfatória; - Relatórios independentes sobre exploração ilegal de madeira. Exigências relacionadas com madeira explorada ilegalmente 1. O distrito de origem pode ser considerado de baixo risco em relação à exploração ilegal quando todos os indicadores relativos à governança florestal listados abaixo estão presentes: Exemplos de fontes de informação Evidências de fiscalização no distrito do Iniciativas Nacionais FSC (contato com 3 As fontes de informação estão apresentadas apenas como exemplos. O conteúdo dessas fontes não foi avaliado pelo FSC e as empresas devem ser sentir à vontade para usar outras fontes de informação. 19/34

20 Exigências relacionadas com madeira explorada ilegalmente cumprimento das leis relacionadas à exploração florestal. 1.2 Existem evidências no distrito que demonstram a legalidade do corte das árvores e das compras de madeira que incluem sistemas robustos e eficazes de concessão de licenças e autorizações de corte. 1.3 Existe pouca ou nenhuma evidência ou relatos de exploração ilegal de madeira no distrito de origem. 1.4 Existe um baixo grau de percepção de corrupção relacionada com a emissão ou concessão de autorizações de corte e com outras áreas da fiscalização da exploração florestal e do comércio de madeira. Exemplos de fontes de informação 3 The Royal Institute of International Affairs ( Environmental Investigation Agency ( Global Witness: ( Telapak (for Indonesia - UK Government s Department for International Development (DFID) EU FLEGT process: y/theme/forest/initiative/index_en.htm Transparency international index ( Percepção de corrupção WWF ( Perfis regionais e de países da ELDIS ( NGOs e partes interessadas envolvidas 2. Madeira cuja exploração implicou na violação de direitos civis e tradicionais Direitos civis são os direitos que toda pessoa tem numa sociedade, como por exemplo, o de ser tratada com igualdade, poder votar e trabalhar. Esses direitos usualmente constam da constituição do país. Direitos tradicionais são direitos que resultam de uma longa serie de ações costumarias ou habituais, repetidas constantemente, e que, devido a essa repetição e aceitação ao longo do tempo, adquirem força de lei no âmbito de uma unidade sociológica ou geográfica. Um exemplo de direito tradicional relacionado com florestas é o acesso de comunidades locais a áreas florestais para visitar locais sagrados ou de ritos religiosos. Exigências relacionadas com madeira explorada em violação de direitos tradicionais ou direitos civis Exemplos of de fontes de informação 4 2. O distrito de origem pode ser considerado de baixo risco em relação à violação de direitos tradicionais, civis, ou coletivos quando todos os indicadores listados abaixo estão presentes: 2.1 Não existe nenhuma proibição do Por exemplo, isso foi aplicado à Libéria a 4 As fontes de informação estão apresentadas apenas como exemplos. O conteúdo dessas fontes não foi avaliado pelo FSC e as empresas devem ser sentir à vontade para usar outras fontes de informação. 20/34

21 Exigências relacionadas com madeira explorada em violação de direitos tradicionais ou direitos civis Exemplos of de fontes de informação 4 Conselho de Segurança da ONU quanto às exportações de madeira do país em questão; 2.2 O país ou distrito não foi designado como uma fonte de madeira de conflito (como por exemplo, a classificação USAID madeira de conflito tipo 1); 2.3 Não há evidência de ocorrências de trabalho infantil ou violação dos Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho da OIT nas áreas florestais do distrito em questão. 2.4 Existem processos 5 eqüitativos e reconhecidos para resolver conflitos de grande magnitude relativos aos direitos tradicionais, inclusive direitos de uso, interesses culturais ou de identidade cultural tradicional no distrito em questão 6 ; 2.5 Não há evidência de ocorrências de violação da Convenção 169 da OIT sobre Populações indígenas e Povos Tribais nas áreas florestais do distrito em questão partir de julho de 2003 ( er.htm) Global Witness Relatório final do painel de especialistas sobre a exploração ilegal de recursos naturais e outras formas de riqueza na República Democrática do Congo, 2002, Anexos I e III (S/2002/1146) other/n pdf Madeira de Conflito: Dimensões do Problema na Ásia e África. Volume I. Relatório Síntese. Junho de 2003, disponível no site: ynth.pdf Iniciativas Nacionais e Escritórios Regionais do FSC (contato com Escritórios da OIT nos países Iniciativas Nacionais e Escritórios Regionais do FSC (contato com Organizações de Populações Indígenas Associações de comunidades locais Registro de riscos Fontes Nacionais (por exemplo, registros de disputas de terras encerradas ou em andamento, resumo de decisões judiciais) Iniciativas Nacionais e Escritórios Regionais do FSC (contato com Escritórios da OIT nos países 3. Madeira obtida de floresta cujos altos valores de conservação são ameaçados pelas atividades de manejo 5 Um processo dotado de meios efetivos de recurso e/ou que não contenha injustiças inerentes ou que não apresente desequilíbrio estrutural intransponível. Exemplos desse tipo de processo incluem: negociações sobre disputa de terras, procedimentos judiciais e negociações de tratados. 6 Povos indígenas, trabalhadores, comunidades e governo dentro do distrito aceitam e endossam a estrutura para tratar e resolver essas questões; e as comunidades e/ou povos indígenas têm um poder reconhecido para remediar qualquer ameaça contra a exploração realizada de acordo com os sistemas legais ou com a agência governamental competente. 21/34

22 Para a avaliação de risco desta categoria, a empresa deve primeiramente avaliar se existem altos valores de conservação ameaçados em nível da ecoregião. Se existirem altos valores de conservação ameaçados em nível de ecoregião, a empresa deverá avaliar como as atividades de manejo florestal afetam esses AVCs em nível de distrito. NOTA: O termo ameaça no contexto deste padrão significa uma probabilidade incerta de sobrevivência continuada ou presença de Altos Valores de Conservação (AVCs) em nível de ecoregião. O risco das atividades de manejo florestal ameaçar os Altos Valores de Conservação (AVCs) numa floresta será maior se a) houver uma abundância de altos valores de conservação (tais como diversidade genética, diversidade de espécies, ausência de ação antrópica, endemismo, e diversidade de ecossistemas e habitats) na ecoregião, e/ou b) os Altos Valores de Conservação (AVCs) já estão sob ameaça na ecoregião. Várias organizações têm despendido esforços consideráveis na identificação dessas áreas do planeta (ecoregiões ou complexos de ecoregiões) que são uma prioridade para conservação devido à abundância dos Altos Valores de Conservação (AVCs) já mencionados e as ameaças a que estão sujeitos. Dois indicadores são apresentados nesta seção para se determinar o risco relacionado a Altos Valores de Conservação (AVCs). Para o primeiro, ecoregiões que estão ameaçadas podem ser identificadas por meio de informações já existentes que fazem referência, mas não se limitam a eles, aos trabalhos do WWF, Conservation International, IUCN, WRI e Greenpeace. O segundo indicador (a presença de um forte sistema de proteção) é incluído para identificar as áreas que podem ser consideradas de baixo risco devido a esquemas de proteção, como áreas protegidas, sistemas legais e fiscalização que garantem a presença continuada de Altos Valores de Conservação (AVCs) na ecoregião. Os Altos Valores de Conservação (AVCs) que proporcionam serviços ambientais básicos em situações críticas e aqueles que são fundamentais para atender as necessidades básicas de comunidades locais podem ser considerados de baixo risco, se os indicadores 3.1 e/ou 3.2 forem satisfeitos e se o indicador 2.4 deste anexo for também atendido. Em outras palavras, existem processos reconhecidos e eqüitativos para resolver conflitos de grande magnitude relativos aos direitos tradicionais, inclusive direitos de uso, interesses culturais ou de identidade cultural tradicional no distrito em questão 22/34

23 Exigências relacionadas com madeira proveniente de florestas nas quais os altos valores de conservação estão ameaçados pelas atividades de manejo florestal Exemplos of de fontes de informação 7 3. O distrito de origem pode ser considerado de baixo risco em relação à ameaça aos altos valores de conservação se: a) o indicador 3.1 é atendido; ou b) o indicador 3.2 elimina (ou remedia bastante) a ameaça que paira sobre o distrito de origem pelo não atendimento do indicador As atividades de manejo florestal no nível considerado (ecoregião, subecoregião, ou local) não ameaçam os altos valores de conservação significativos da ecoregião. Documentação do FSC sobre AVCs: Definição e informações sobre ecoregião: s.cfm As regiões identificadas pela Conservation International como Áreas de Alta Biodiversidade sob Ameaça (Biodiversity Hotspot) (ou) Os ecossistemas e comunidades que estão explicitamente identificados pela Conservation International como uma componente chave de uma Biodiversity Hotspot. As regiões de florestas, cerrados, ou mangues identificadas pelo WWF como uma das Global 200 Ecoregions e avaliadas como tendo um status, do ponto de vista de conservação, de ameaçadas ou críticas. Se a Ecoregião Global 200 compreender mais do que uma única região terrestre, uma ecoregião no âmbito da Ecoregião Global 200 pode ser considerada de baixo risco quando a subecoregião é avaliada como tendo um Status de Conservação diferente de ameaçada/crítica. As regiões identificadas pela IUCN como um Centro de Diversidade de Flora. As regiões identificadas pela Conservation International como uma Área Silvestre de Alta Biodiversidade que são florestas e contêm ecossistemas florestais contíguos com superfície superior a 500 km 2. As regiões identificadas pelo WRI como Floresta de Fronteira; Paisagens Florestais Intactas, como identificadas pelo Greenpeace ( 7 As fontes de informação estão apresentadas apenas como exemplos. O conteúdo dessas fontes não foi avaliado pelo FSC e as empresas devem ser sentir à vontade para usar outras fontes de informação. 23/34

24 Exigências relacionadas com madeira proveniente de florestas nas quais os altos valores de conservação estão ameaçados pelas atividades de manejo florestal Exemplos of de fontes de informação Existe um forte sistema de proteção (áreas protegidas efetivamente e legislação) que garante a sobrevivência dos AVCs na ecoregião. SXIniciativas Nacionais FSC Signatários da Convenção sobre Biodiversidade e progresso demonstrável no estabelecimento de uma rede de áreas protegidas, como uma análise global positiva no relatório temático mais recente do país sobre Ecossistemas Florestais. or 4. Madeira proveniente de áreas sendo convertidas de florestas, ou de outros ecossistemas com vegetação arbórea, em plantações ou usos não florestais. A intenção desta categoria é barrar a madeira oriunda de regiões onde existe ocorrência significativa de destruição de florestas naturais ou seminaturais. As Iniciativas Nacionais FSC e os Escritórios Regionais do FSC são estimulados a oferecer orientação adicional na interpretação da expressão taxa significativa de perda para florestas em seus respectivos países e regiões. Exigências relacionadas com madeira proveniente de áreas sendo convertidas de florestas, ou de outros ecossistemas com vegetação arbórea, em plantações ou usos não florestais Exemplos de fontes de informação 4. O distrito de origem pode ser considerado de baixo risco com relação à conversão de florestas em plantações ou em outros usos não florestais quando o seguinte indicador está presente: [NOTA: a mudança de plantações para outros usos não é considerada conversão]. 4.1 Não existem perda líquida E NEM taxa significativa de perda (>0,5% por ano) de florestas naturais ou de outros ecossistemas com vegetação arbórea, como cerrados, na ecoregião considerada. FAO GOFC-GOLD Global Observation of Forest and Land Cover Dynamics 8 FAO Global Forest Resources Assessment 9 Programa de Análise Regional da Conservation International Departamento de Geografia da U. de Maryland 8 Nota: As estatísticas e os dados da FAO sobre cobertura florestal podem não considerar a conversão de florestas em plantações como perda de cobertura florestal. Por essa razão, os dados de uma área com extensa conversão de florestas naturais em plantações podem não indicar uma taxa significativa de perda de floresta e, portanto, podem estar fora da realidade do contexto deste padrão. 24/34

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC 2011 Forest Stewardship Council A.C. Todos os direitos reservados Forest Stewardship Council NORMA FSC PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT Forest Stewardship Council POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL-20-005 V2-0 PT 2013 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC?

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? INTRODUÇÃO AO FSC O que é FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover o manejo responsável

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC Guia passo a passo Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC INTRODUÇÃO AO FSC O que é o FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover

Leia mais

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes Secretária executiva do FSC, ONG que gerencia a principal certificação de florestas, diz que o desafio agora é ampliar atuação na Mata Atlântica

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

NIMF Nº 1 PRINCÍPIOS FITOSSANITÁRIOS PARA A PROTEÇÃO DOS VEGETAIS E A APLICAÇÃO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL (2006)

NIMF Nº 1 PRINCÍPIOS FITOSSANITÁRIOS PARA A PROTEÇÃO DOS VEGETAIS E A APLICAÇÃO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL (2006) NIMF Nº 1 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº 1 PRINCÍPIOS FITOSSANITÁRIOS PARA A PROTEÇÃO DOS VEGETAIS E A APLICAÇÃO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL (2006)

Leia mais

PADRÃO INTERNACIONAL FSC

PADRÃO INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 1-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais Certificações Ambientais Introdução Cada vez mais, a sociedade exige que as empresas sejam ambientalmente responsáveis. A preocupação por uma correcta conservação do meio ambiente faz com que o mercado

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 2-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 2ª Edição - Maio 2015 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DO ESCOPO...

Leia mais

Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto

Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto A Certificação da CdR Sistema de Certificação Florestal Sustentável: Baseado no conceito de Sustentabilidade, em que um proprietário, um gestor

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

erythropappus) no Brasil (versão 1.0)

erythropappus) no Brasil (versão 1.0) Tipo de documento: Padrão RA Escopo: Brasil Situação do documento: Aprovado Data desta versão: 17 de setembro de 2012 Número da versão: 1.0 Período de consulta: Responsável pela aprovação: Pessoa de contato:

Leia mais

Política de Associação

Política de Associação Política de Associação Constam a seguir as orientações e os termos que definem a relação entre os associados e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 1. Informações Gerais A Rede Brasileira de

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM")

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (última revisão em 25 de agosto de 2014) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM") Acesso simples

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1 Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais Exemplo 1 Política de compra responsável produtos florestais Esta organização tem compromisso com a compra responsável de produtos florestais.

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores (Texto em conformidade com as deliberações da Assembléia Geral Extraordinária

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK Este Adendo de Treinamento de Cloud Services da Oracle (o "adendo") é firmado entre você e a entidade da Oracle com

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome).

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome). Declaração de Normas do Rotaract 1. O programa Rotaract foi desenvolvido e estabelecido pelo Rotary International. A autoridade pela elaboração e execução dos dispositivos estatutários, requisitos de organização,

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho

Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho Página 201 VIII/19. Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho A. Consideração das matérias surgidas da implementação do parágrafo 19 da decisão VI/22 A Conferência das Partes,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO Breve guia informativo UNIMADEIRAS 2 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL? 3 A Certificação da Gestão Florestal é a garantia que uma propriedade florestal

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR-40-005 POR. Forest Stewardship Council

DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR-40-005 POR. Forest Stewardship Council Forest Stewardship Council DIRETIVA DO FSC Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC Última atualização: 15 de Dezembro de 2014 CADEIA DE CUSTÓDIA CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de referência do

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL)

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Decreto Nº 7.159, de 29.05 - D.O.U. 27.04.2010 Comunicamos

Leia mais

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam:

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: 07 de julho de 2014 À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) REF: Acordo Regional sobre o Princípio 10 As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: Reconhecendo

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES

CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES Sede Social: 25 St. James s Street, Londres, SW1A 1HA Reino Unido CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES Visão Geral Nós, da CNH INDUSTRIAL NV e nossas subsidiárias ("CNH Industrial" ou a Companhia)

Leia mais

Produtos florestais certificados pela SCA

Produtos florestais certificados pela SCA Produtos florestais certificados pela SCA PE FC /05-33-132 Promoting Sustainable Forest Management www.pefc.org PORQUE QUE É QUE ME INTERESSA? A certificação florestal estabelece uma verdadeira ligação

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Açúcar de Cana de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 29.08.2011 Substitui a versão anterior de: 01.05.2011 Data esperada para a próxima revisão: 2012 Envie

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS CIRCULAR DE INFORMAÇÃO Assunto: CONTROLE DE FORNECEDOR PELO FABRICANTE AERONÁUTICO 1 - OBJETIVO Data:

Leia mais

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002)

NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) NIMF Nº 16 NORMAS INTERNACIONAIS PARA MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS NIMF Nº. 16 PRAGAS NÃO QUARENTENÁRIAS REGULAMENTADAS: CONCEITO E APLICAÇÃO (2002) Produzido pela Secretaria da Convenção Internacional para

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL

RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUR/GMC EXT./RES. Nº 37/06 RECONHECIMENTO DA EFICÁCIA JURÍDICA DO DOCUMENTO ELETRÔNICO, A ASSINATURA ELETRÔNICA E A ASSINATURA ELETRÔNICA AVANÇADA NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc introdução à certificação florestal fsc normas, governança oportunidades prevenção, resoluçãoede conflitos e engajamento no manejo florestal responsável fsc novos princípios e critérios, indicadores genéricos

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Última atualização em 16 de junho de 2016. Substitui a versão anterior na sua totalidade.

Última atualização em 16 de junho de 2016. Substitui a versão anterior na sua totalidade. Termos Adicionais de Uso do Document Cloud (incluindo Adobe Sign) Última atualização em 16 de junho de 2016. Substitui a versão anterior na sua totalidade. Os termos em letras maiúsculas usados nestes

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil Programa TSP Perguntas Frequentes 1. O que é o programa TSP? O programa TSP (do inglês Trademark Service Provider) foi criado no início de 2011 pelo FSC Internacional e diz respeito ao uso das marcas registradas

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

1.2 Glossário de termos Para os objetivos deste Código, os termos usados têm os seguintes significados:

1.2 Glossário de termos Para os objetivos deste Código, os termos usados têm os seguintes significados: CÓDIGO DE CONDUTA DIANTE DOS VENDEDORES DIRETOS E ENTRE EMPRESAS (Texto em conformidade com as deliberações da Assembléia Geral da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas - ABEVD realizada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

PADRÃO FSC. Avaliação Nacional de Risco Brasil DRAFT 0-0 PARA CONSULTA PÚBLICA. FSC-STD-BRA-xx-2013 D1-2 PT

PADRÃO FSC. Avaliação Nacional de Risco Brasil DRAFT 0-0 PARA CONSULTA PÚBLICA. FSC-STD-BRA-xx-2013 D1-2 PT PADRÃO FSC Avaliação Nacional de Risco Brasil FSC-STD-BRA-xx-2013 D1-2 PT DRAFT 0-0 PARA CONSULTA PÚBLICA i Título: Código de referência do documento: Escopo: Data da aprovação: Contato: E-mail para comentários:

Leia mais

Rainforest Alliance/SmartWood Directrizes Interinas para a Avaliação da Gestão Florestal em Portugal (Versão II - Fevereiro de 2006)

Rainforest Alliance/SmartWood Directrizes Interinas para a Avaliação da Gestão Florestal em Portugal (Versão II - Fevereiro de 2006) Rainforest Alliance/SmartWood Directrizes Interinas para a Avaliação da Gestão Florestal em Portugal (Versão II - Fevereiro de 2006) Objectivo O objectivo do Programa SmartWood da Rainforest Alliance é

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

Termos de Uso. 1. Escopo

Termos de Uso. 1. Escopo Termos de Uso 1. Escopo 1.1 A utilização da página de Internet disponibilizada pela Siemens Aktiengesellschaft e / ou suas subsidiárias ("Siemens"), " Web Site da Siemens ", está sujeita a estas Condições

Leia mais

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e DECRETO N o 3.607, DE 21 DE SETEMBRO DE 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Leia mais

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005)

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050 Dispõe sobre o Rerrefino de Óleo Lubrificante (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves.

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 286-B/2014, de 31 de dezembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes Assunto: Esta convenção estabelece medidas visando eliminar gradativamente

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS ATENÇÃO: Ao selecionar a opção Eu aceito os termos de licença e uso do BomBirô

Leia mais