Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução"

Transcrição

1 Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas, a estabelecer relações entre a matemática e o significado das informações obtidas por intermédio dos meios de comunicação, a construir justificativas e a desenvolver o espírito de investigação. Hoje, existe uma demanda social que leva essa temática a se destacar como um conteúdo necessário, em função do seu uso no contexto social. É imprescindível saber interpretar, ou melhor, saber ler tais informações na forma de gráficos e tabelas, utilizando dados estatísticos e idéias de combinatória e probabilidade. De fato, os estudos relativos à Estatística nos permitem prever, estimar, explorar, quantificar, comparar,... uma infinidade de interações matemáticas e sociais, as quais precisamos conhecer para tomarmos decisões e para nos posicionarmos em relação à uma série de questões social, ambiental e de saúde pública. Ainda, com base nas competências e habilidades que devemos desenvolver com os alunos, ressaltamos a importância da argumentação através das hipóteses geradas nessas leituras. De acordo com os PCNs, A finalidade não é a de que os alunos aprendam apenas a ler e a interpretar representações gráficas, mas que tornem capazes de descrever e interpretar sua realidade, usando conhecimentos matemáticos (PCN, 1997, p. 69). Considerando que os gráficos e as tabelas são tipos de textos, eles podem ser contados como uma história, e a história tem uma função lúdica que desperta no aluno uma motivação para o aprendizado. Então, será mais uma forma de abordar a leitura e a escrita numa linguagem matemática de uma maneira contextualizada, numa perspectiva de análise crítica, optando por uma busca de conhecimento com vistas à formação de cidadãos. Vários autores consideram importante que esse conteúdo cumpra um papel interdisciplinar, didático-pedagógico, psicológico motivacional e políticocrítico. Por isso, no desenvolvimento dessa oficina estaremos preocupados com a participação ativa do aluno no processo ensino aprendizagem, mostrando uma proposta de trabalho reflexivo, propondo atividades de construção do conhecimento matemático, interdisciplinando com outros conteúdos, para a contextualização do problema e suas resoluções, partindo da idéia de que um problema pode ter várias respostas dependendo de cada ponto de vista. Além disso, deve-se permitir a elaboração dos instrumentos teóricos e das habilidades necessárias que conduzem de forma natural a uma fundamentação teórica.

2 Proposta do Programa: O núcleo da proposta é o desenvolvimento de capacidades necessárias não só a leitura e a escrita, mas à compreensão e produção de textos coerentes, orais e escritos, visando à argumentação segura em situação de uso social. O conteúdo, Tratamento da Informação, foi selecionado pela importância de seu caráter integrador, que possibilita a interdisciplinaridade, além de contextualizar a matemática com assuntos do cotidiano. Verificamos a falta do conhecimento de que se trata de um conteúdo, portanto, necessário ser trabalhado com um pouco mais de evidência, iniciando nos primeiros anos de escolaridade, dando prioridades às construções de tabelas e gráficos pictóricos e lúdicos, por serem mais atraentes aos olhos da criança, e a experimentos com material concreto. Conteúdos programáticos da oficina Leitura e interpretação de informações contidas em imagens.. Coleta de dados e criação de registros de informações: EstatÍstica, Probabilística e Combinatória.. Exploração da função do número como código na organização de informações. Atividades da oficina Exploração das imagens construídas e selecionadas através de jornais, revistas e outras fontes. Descrição e interpretação da coleta de dados feita no contexto proposto (cores, brincadeiras, textos). Registros livres, escritos e orais em tabelas e gráficos a partir das pesquisas e dos experimentos propostos. Identificação do uso dos números como leitura e informação (linhas de ônibus, telefones, placas de carro, documentos, roupas, calçados). Inúmeras questões podem ser abordadas com dados estatísticos em jornais, revistas, conteúdos de ciências ou geografia, contas de água e luz favorecendo a leitura e análise com compreensão, que o professor deve mediar para desenvolver o espírito crítico e argumentativo dos alunos. Além disso, é interessante que os alunos percebam, desde cedo, que existem resultados previsíveis, que revela uma matemática precisa, e resultados que não podem ser previstos com certeza, revelando soluções determinadas pelo acaso.

3 Objetivos: Coletar, organizar, comunicar e interpretar dados, utilizando diversos tipos de registro, tais como tabelas, gráficos pictóricos, de coluna e de setor. Perceber a existência de acontecimentos previsíveis ou aleatórios, prevendo resultados com base e dados estatísticos e probabilísticos. Argumentar com criticidade sua opinião na solução das atividades propostas. Atividade 1 : Quem encontra mais números nas fichas? O que eles representam? 1 Apresentação do problema Objetivos: Observar a infinidade de informações, no nosso cotidiano, que utilizam a matemática. Expor as experiências pessoais, obtidas durante a pesquisa no material oferecido. Materiais: Revistas e jornais para recortar vários tipos de informação (gráficos de vários tipos, tabelas, códigos). Tesouras Cola Papel cartão Pincel ou canetas hidrocor 2 Levantamento de hipóteses Interpretar e utilizar informações numéricas que aparecem expressas em vários meios de comunicação e no nosso dia a dia: esse é o nosso ponto de partida. Deixar que as crianças exponham suas idéias, opiniões. 3 Experimentação Distribuir fichas com recortes de jornais e revistas para os alunos descobrirem formas de informações numéricas como códigos, datas, apresentação de gráficos e tabelas. Pedir para agruparem os dados coletados que possuem formas semelhantes e propor que apresentem suas descobertas, utilizando cartazes. Deixá-los explicitar os critérios usados para fazer estes agrupamentos. 4- Discussão Coletiva

4 A partir das apresentações, questionar sobre a denominação usual das informações obtidas, pedindo para apresentar o que cada um nos informa, procurando enfatizar suas características, fonte, título, grandezas, legendas, etc. Os alunos devem ser incentivados a expor a experiência de descobrir as funções dos números encontrados no material disponível e na discussão, promovendo a socialização da experiência e a argumentação. 5 Registro Construir um quadro com os alunos onde eles farão o seguinte registro: Fonte Calendário Mapa Conta de Luz Informação Dia do aniversário, dia de ir ao médico... Quantidade de população, tamanho do estado... Dia de vencimento, quanto devo pagar, quanto gastou... Atividade 2 : Que refrigerante é mais gostoso? 1 - Apresentação do Problema Levar para a sala de aula, várias tampinhas de refrigerante (coca-cola, guaraná Antártica, guaraná Coroa, Fanta Uva, Fanta Laranja, Mate Couro, etc) e perguntar às crianças: Qual refrigerante é mais gostoso? Objetivos: Construir tabelas e gráficos com material concreto, utilizando tampinhas de garrafas pet, cartões coloridos, brinquedos e figuras ilustrativas, preocupando em dar um título, citar a fonte, a data, as grandezas, legendas, etc. Ler e interpretar as tabelas e os gráficos que foram elaborados, explorando o máximo as informações obtidas. Materiais: Tampinhas de garrafas PET Cartões coloridos Canetas hidrocor Fita adesiva Folhas de papel para construção dos gráficos Giz 2 Levantamento de hipóteses

5 Cada criança irá dizer qual o seu refrigerante preferido e porque acha este mais gostoso. 3 Experimentação Pedir que cada um escolha a tampinha do refrigerante preferido. Registrar no quadro os dados coletados na forma de uma tabela, que deve ter um título e outras características convenientes. Pedir para distribuir as tampinhas alinhadas, de acordo com a preferência, numa folha de papel ou no chão, orientando os alunos a relacionarem os dados de identificação necessários na construção de gráficos. - Interpretar a leitura daqueles dados. Elaborar questões para os alunos: Qual foi o refrigerante mais escolhido? E o menos escolhido? Quantas pessoas participaram da atividade? Quantas tampinhas têm ao todo? Quantas tampinhas têm a coluna ou linha menor? E a maior? Quantas tampinhas têm a coluna maior e a menor juntas? Tem coluna com a mesma quantidade? Vocês sabem o nome dessa construção? Para que serve esta construção? Variação da atividade: Utilizar cartões coloridos, brinquedos ou fichas da cor preferida, do esporte preferido, doce, fruta... Os procedimentos serão os mesmos da atividade com as tampinhas. 4 Discussão Coletiva: Propor a discussão do que foi feito, organizando uma seqüência da ordem que aconteceram as atividades. Questionar a relação entres as tabelas e os gráficos construídos. Se eles teriam uma outra forma de registrar esses dados? Se eles conhecem uma outra forma, ela seria mais fácil ou mais difícil do que essa? Se eles sabem como se chama esse gráfico? Quais são os elementos comuns entre eles? É necessário dar títulos e outras características? E com esse questionamento, o professor promove uma discussão com o objetivo de esclarecer a importância dessa forma de registrar dados, por ser mais simples a apresentação e a leitura das informações nele contidas. Nesse momento, o professor apresenta as nomenclaturas para formalizar os conceitos. 5 Registro: O registro final será um texto, relatando o que foi feito. Ou ainda, o desenho do gráfico no caderno ou na forma de cartazes.

6 Atividade 3: Quantas vogais tem no texto (música)? 1 Apresentação do problema O problema a resolver é descobrir qual a melhor forma de coletar, organizar e registrar o número de vogais que aparecem no texto. Objetivos: Coletar, organizar e produzir registro da freqüência das vogais a partir de um texto. Materiais: Xerox de um texto Xerox da tabela Folha de papel quadriculado ou milimetrado Canetas coloridas ou lápis de cor Réguas 2 Levantamento de hipóteses Deixar livre, o primeiro momento, para a elaboração de estratégias para resolver esta proposta. Estas estratégias devem ser registradas. Cada um deve de alguma forma dar sua opinião sobre as questões levantadas. 3 Experimentação Oferecer uma música para leitura, algum dos participantes deve perceber que se trata de uma música. Perguntar se sabem cantá-la e propor que cantem. A música é: Um, dois, feijão com arroz. Três, quatro, pé de pato. Cinco, seis, pulo uma vez. Sete, oito, como um biscoito. Nove, dez, olho meus pés. Enciclopédia O Mundo da Criança. Contos e Poesias.São Paulo. Enciclopédia Britânica do Brasil, n Desafiá-los a descobrir qual o número exato de cada vogal que apareceu no texto, propondo uma coleta direta de dados numéricos. Primeiro, deixar livre para formação de opiniões e elaboração de estratégias, mas devese registrar e comentar as estratégias feitas por eles. Depois, com as orientações dadas, eles passarão pelas etapas de trabalho usualmente desenvolvidas em Estatística, produzindo e organizando os dados numéricos

7 na forma de uma tabela, que será oferecida para cada um dos participantes. Por meio dessa coleta de dados na forma de tabela será proposta a construção do gráfico de barras ou de colunas, usando papel quadriculado e canetas coloridas. Na construção do gráfico é importante observar se o aluno registra o título, as grandezas e tudo que é necessário para a leitura desses dados com coerência. Vogais Registro de Freqüência Total A E I O U 4 Discussão Coletiva: Analisar a elaboração de estratégias que eles fizeram inicialmente, verificando se é possível registrar de forma mais objetiva a contagem, deixando cada um expor suas conclusões para o grupo. É importante incentivar a participação de todos. E a argumentação será uma forma de reelaborar conceitos definidos durante a resolução da proposta, sendo o professor mediador dessa construção de conhecimento. 5 Registro: O professor, junto com os alunos definirá o registro final. Poderá ser um relato na forma de texto, que aborde os conceitos de coletar, organizar e registrar dados numéricos.

8 Atividade 4: A sua altura é a maior ou a menor da sala? 1 Apresentação do problema O problema a resolver é o que seria estar na média. O que é média? Objetivos: Conceituar Média numa situação contextual de medidas de altura dos alunos da sala, coletando informação por meio das medidas dos alunos.. Materiais: Fita métrica. Trena. Giz. Fichas na forma de discos. Fitas de jornal de um metro de comprimento. Canetas coloridas ou lápis de cor. Réguas Barbante Papel craft. 2 Levantamento de hipóteses Qual é a medida de sua altura? O que você usaria para fazer esta medida? Qual a medida da altura de seus colegas? Quem é o mais alto? E o mais baixo? Como seria o registro dessas medidas? Qual o número de alunos que estão na média de altura da sala? E abaixo dela? E acima da média? Ao fazer estes questionamentos os alunos começarão a elaborar hipóteses e conceitos a partir do que eles já conhecem sobre o assunto, permitindo a conexão entre o que se sabe e o que tem que aprender. Esta relação é muito importante para motivar o aprendizado de conceitos novos e promove a integração entre os conteúdos. O professor deve ouvir com atenção cada possibilidade que os alunos colocarem, fazendo novos questionamentos. 3 Experimentação A partir das respostas dos alunos feitas no levantamento de hipóteses, o professor orientará a aula para que na prática sejam respondidas todas as questões. Inicialmente, propor que todos os alunos encostem-se à parede e o professor deverá marcar a altura de cada aluno usando uma ficha. Pedir para cada um dos alunos pegarem as fitas de jornal e medirem do chão a sua ficha, usando o raciocínio lógico na forma de obter a medida com a fita de jornal. Observando as medidas obtidas, comparando com a dos colegas e estabelecendo uma seqüência.

9 Orientar a redistribuição das fitas e fichas no papel craft para mostrar o número de alunos que estão na média, que estão abaixo e que estão a cima da média de altura da sala. Usando fita métrica ou trena, medir cada um dos participantes, anotando todas as medidas obtidas no quadro. Pedir para organizar as medidas obtidas na forma de uma tabela e de um gráfico, interpretando os registros. O professor utilizará esse registro para orientar a seqüência de sua aula. 4 Discussão Coletiva: Os alunos devem ser dispostos em grupos para responderem as questões iniciais, agora com base na prática que eles participaram. Depois, serão levadas as respostas para discussão entre os grupos. Durante a discussão deve-se esclarecer que esses dados não mostram a exatidão de resultados, mas o que é provável. É importante que os alunos percebam a necessidade de serem analíticos e o professor deve estimular o desenvolvimento das capacidades nos alunos de prever, de estimar, de explorar os dados criticamente, fazendo uso da argumentação na defesa do seu pensamento.os alunos discutem no interior do grupo e depois com a sala toda para explicar o que foi registrado. Deixar claro que hoje, usamos no mundo todo um sistema de informação que nos permite várias interpretações, estimativas, explorações operatórias, enfim, uma infinidade de interações físicas e sociais, que devem ser exploradas com leitura crítica, argumentação e com raciocínio lógico, prevendo que os resultados obtidos é uma probabilidade, não uma certeza. 5 Registro: Cada aluno deverá expor as relações feitas na construção dos gráficos e das tabelas, suas características (titulo, fonte, grandezas, intervalos) e informações obtidas fazendo a leitura e a interpretação dos dados obtidos, respondendo as questões levantadas hipoteticamente, e registrando o que se entende por média.

10 Atividade 5: Qual a cor é a mais escolhida na turma? 1 - Apresentação do Problema Levar para a sala de aula, lápis de cor e perguntar às crianças: Qual a cor que você escolhe? Objetivos: Construir tabela e gráfico de setor com material concreto, utilizando um disco de papel recortado em frações, preocupando em dar um título, citar a fonte, a data, as grandezas, legendas, etc. Ler e interpretar a tabela e o gráfico que foi elaborado, explorando o máximo as informações obtidas. Materiais: Canetas hidrocor Fita adesiva cola Folhas de papel para construção do gráfico Giz Disco de papel branco dividido em frações Lápis de cor ou giz de cera Tesoura Régua, transferidor e compasso. 2 Levantamento de hipóteses Cada criança irá dizer qual a cor ela escolheu. Como podemos representar essas predileções de forma evidente? Como mostrar a escolha de cores em um disco? Qual a cor mais escolhida? Qual a cor menos escolhida? 3 Experimentação Pedir que cada um escolha um lápis de cor com a cor que mais gosta de colorir. Registrar no quadro os dados coletados na forma de uma tabela, que deve ter um título e outras características convenientes (cor, número de alunos,...). Distribuir uma fração de um disco para cada aluno colorir com a cor escolhida. O disco será dividido de acordo com o número de alunos da sala, usando régua e transferidor, encontrar as medidas calculando a divisão de 360 pelo número de alunos da sala. O resultado será o ângulo de cada fração que o disco deverá ser dividido. Depois de colorir, cada aluno deverá procurar os colegas que escolheram a mesma cor e se agruparem para colar sua fração. De acordo com a cor escolhida, cada grupo colará suas frações construindo um gráfico de setor numa cartolina. A seguir, os alunos deverão elaborar um título para o

11 gráfico, dar a fonte de pesquisa e fazer uma legenda relacionando cor e número. O gráfico poderá ser explorado com questionamentos que favoreçam sua leitura e interpretação. 4 Discussão Coletiva: Propor a discussão do que foi feito, organizando uma seqüência da ordem que aconteceram as atividades. Questionando a relação entre a tabela e o gráfico construído. Se eles teriam uma outra forma de registrar esses dados? Se eles conhecem uma outra forma, ela seria mais fácil ou mais difícil do que essa? Se eles sabem como se chama esse gráfico? Quais são os elementos comuns entre eles? É necessário dar títulos e outras características? E com esse questionamento, o professor promove uma discussão com o objetivo de esclarecer a importância dessa forma de registrar dados, por ser mais simples a apresentação e a leitura das informações nele contidas. Nesse momento, o professor apresenta as nomenclaturas para formalizar os conceitos. 5 Registro: O registro final será um texto, relatando o que foi feito. Ou ainda, o desenho do gráfico no caderno ou na forma de cartazes. Referências Bibliográficas BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Guia curricular de matemática (ciclo básico de alfabetização, ensino fundamental). Programa Proqualidade. Belo Horizonte: MINAS GERAIS. Coleção Veredas: Formação Superior de Professores (Guia de Estudo). Módulos I, II e III. Belo Horizonte: 2003.

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 3 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL Renata Fonseca Bezerra¹, Eliete Alves de Sousa¹, Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Francisco Cleiton da Rocha²

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais

Lista de Material Escolar 2016. Educação Infantil - Maternal II

Lista de Material Escolar 2016. Educação Infantil - Maternal II Educação Infantil - Maternal II 02 cadernos grandes, capa dura, sem pauta. 01 estojo completo (lápis de escrever jumbo, borracha, cola, tesoura sem ponta, apontador para lápis jumbo). (colocar nome do

Leia mais

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula 450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula Caderno do professor Criado a partir da Cartilha Piano Brasil VII do maestro Ricardo Prado (gentilmente cedida por Cíntia Pereira-Delphos Produções www.delphosproducoes.com)

Leia mais

Escola Estadual Dr.Moreira Brandão

Escola Estadual Dr.Moreira Brandão Escola Estadual Dr.Moreira Brandão 32ª Superintendência Regional de Ensino de Pouso Alegre Cidade: Camanducaia Professora Responsável pela Elaboração do Projeto: Ângela Aparecida Carvalho. Ano: 4º ano

Leia mais

ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COOPESG ROBUSTA LISTA DE MATERIAIS 2013

ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COOPESG ROBUSTA LISTA DE MATERIAIS 2013 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL 02 cadernos (grande capa dura) 01 pasta com elástico 05 lápis 01 brinquedo educativo de acordo com a idade 02 borrachas 01 apontador 01 fita larga (adesiva) 03 folhas EVA lisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA Uma Sequência Didática De Medidas De Comprimento E Superfície No 5º Ano Do Ensino Fundamental:

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje.

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 1. TEMA: Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 2. SÉRIE: 1º Ciclo 2ª série. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS: História: História Local e do Cotidiano. Geografia: O lugar e a Paisagem 4. AUTOR / EMAIL Evelin

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

Que equipe da sala conseguirá percorrer os jogos em menor tempo?

Que equipe da sala conseguirá percorrer os jogos em menor tempo? Projeto mão na massa O professor deve ser capaz de observar, analisar, tirar proveito das experiências, organizar as ideias, debater, pesquisar e questionar-se.estas, se.estas, são competências que todo

Leia mais

ALICE NO JARDIM DAS DESCOBERTAS MATEMÁTICAS

ALICE NO JARDIM DAS DESCOBERTAS MATEMÁTICAS ALICE NO JARDIM DAS DESCOBERTAS MATEMÁTICAS Angela Cristina Hammann Scussel¹ (1)Professora efetiva da Rede Municipal de Educação de Rio do Sul, no Centro Educacional Daniel Maschio, Rua Angelo Cechet,

Leia mais

Alfabetização Estatística

Alfabetização Estatística Alfabetização Estatística Tomar Decisão: em situação inesperada Você está em um voo de aproximadamente 5 horas de duração. O voo sai do ponto de partida às 9 h. No meio do caminho o piloto desviou a rota

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP POLO CAMPO LIMPO 2 SEM. PEDAGOGIA E.A.D DIDÁTICA E PRÁTICA DO ENSINO M. AUSDY CASTRO

ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP POLO CAMPO LIMPO 2 SEM. PEDAGOGIA E.A.D DIDÁTICA E PRÁTICA DO ENSINO M. AUSDY CASTRO ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP POLO CAMPO LIMPO 2 SEM. PEDAGOGIA E.A.D DIDÁTICA E PRÁTICA DO ENSINO M. AUSDY CASTRO Cleudenilce Coelho de Sousa-RA7705688868 Elaine Cristina de Souza RA 8137743410 Flavia

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 PESQUISA E PRODUÇÃO DE MATERIAL DE APOIO REGIONAL AOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS Aldaiza Sudré Pereira Universidade Federal do Tocantins aldaizasudre@hotmail.com José Ricardo e Souza

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO

PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO PSICOMOTRICIDADE, JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MARILENE FERREIRA DE LIMA OLIVEIRA E.E DR. MORATO DE OLIVEIRA RESUMO Na vida de uma criança, para além do entretenimento, o jogo

Leia mais

DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ

DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ 1 DICAS PARA UM ESTUDO EFICAZ PRESSUPOSTOS DA TÉCNICA Muitos problemas de insucesso escolar devem-se ao facto de os alunos não saberem estudar de modo eficiente. Existem alguns aspetos que devem ser levados

Leia mais

Universidade Severino Sombra. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado Profissional em Educação Matemática RODRIGO RODRIGUES DIAS

Universidade Severino Sombra. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado Profissional em Educação Matemática RODRIGO RODRIGUES DIAS Universidade Severino Sombra Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação Matemática RODRIGO RODRIGUES DIAS CADERNO DE ATIVIDADES RELACIONADOS A CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO GEOMÉTRICO

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

5º Ano. 3º Ano Ensino Fundamental. Unidade Praia Grande

5º Ano. 3º Ano Ensino Fundamental. Unidade Praia Grande 5º Ano 3º Ano Ensino Fundamental Unidade Praia Grande Lista de material 5.º ano - 2015 (Unidade Praia Grande) I) Material fornecido pela escola: O Centro Educacional Objetivo fornece aos seus alunos material

Leia mais

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora A arca de Noé Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani Elaboração Anna Flora Brincadeira 1: Cada bicho com seu par Veja nos arquivos anexos e imprima a página que tem os nomes dos bichos da Arca

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores realização apoio Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase Prova Experimental para alunos de 1 o ano Experimento Vetores Leia atentamente as instruções abaixo antes de iniciar a prova 1 Esta prova destina-se

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo (igiongo@univates.br) Márcia Jussara Hepp Rehfeldt (mrefeldt@univates.br)

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

Dia das Crianças. 3º ano Fundamento I. Justificativa

Dia das Crianças. 3º ano Fundamento I. Justificativa Dia das Crianças 3º ano Fundamento I Justificativa O mês de outubro começa com uma expectativa entre as crianças: a comemoração do seu dia. A data não pode ser esquecida. Assim, sugerimos que a escola

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos - Professor

Plano de Trabalho com Projetos - Professor PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos - Professor 1. Identificação Escola Municipal de Ensino Fundamental Anna Töwe

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO

PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Março/2014 PLANO DE TRABALHO - 2º ANO CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Geometria: -

Leia mais

Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 14/06/2011

Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 14/06/2011 Explorando grandezas e medidas: Experiências práticas Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 14/06/2011 Conteúdos RCN Espaço e forma (Oficina de maquetes) Número e sistema de numeração:

Leia mais

LEONARDO DE ARAUJO CASANOVA

LEONARDO DE ARAUJO CASANOVA LEONARDO DE ARAUJO CASANOVA CARTILHA DE ATIVIDADES PARA PROFESSORES QUE TRABALHAM COM A EDUCAÇÂO DE JOVENS E ADULTOS. PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL. Orientadora: Profa. Dra. Estela

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL I E II

EDUCAÇÃO INFANTIL I E II EDUCAÇÃO INFANTIL I E II 1 Algodão 1 Apontador 6 Borracha 1 Brinquedo pedagógico (peça grande) 1 Caixa de cola colorida 2 Tinta pinta kara (rollon) 2 Caixa de giz de cera (grosso) 1 Caixa de massinha para

Leia mais

OFICINA. Jogos matemáticos - cores, notações numéricas e quantidades. Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 01/10/2011

OFICINA. Jogos matemáticos - cores, notações numéricas e quantidades. Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 01/10/2011 OFICINA Jogos matemáticos - cores, notações numéricas e quantidades Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 01/10/2011 Matemática Uma das finalidades de estudar matemática é aprender

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL I E II / 2016-01 apontador para lápis (Jumbo) com depósito - 03 lápis Jumbo triangular grafite - 01 estojo simples com zíper - 01 tesoura escolar de boa qualidade (sem

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE E RECICLAGEM. CENTRO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL CRESCER

PROJETO MEIO AMBIENTE E RECICLAGEM. CENTRO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL CRESCER PROJETO MEIO AMBIENTE E RECICLAGEM. CENTRO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL CRESCER PERIODO: JULHO E AGOSTO JUSTIFICATIVA: A educação Ambiental não deve ser tratada como algo distante do cotidiano dos alunos,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática

PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Abril/2015 1 CONTEÚDOS - Poliedros: prismas e pirâmides. - Corpos Redondos: cone, cilindro

Leia mais

Número Racional: conceito e representação AAA5. Atividades de Apoio à Aprendizagem. Sistema Nacional de Formação de Profissionais da Educação Básica

Número Racional: conceito e representação AAA5. Atividades de Apoio à Aprendizagem. Sistema Nacional de Formação de Profissionais da Educação Básica Número Racional: conceito e representação MATEMÁTICA MATEMÁTICA Número Racional: conceito e representação AAA5 Atividades de Apoio à Aprendizagem AAA5 GESTAR I Sistema Nacional de Formação de Profissionais

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL LISTA DE MATERIAL PARA 2016 1º ANO ENSINO FUNDAMENTAL O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines

Escola Básica Vasco da Gama de Sines FICHA INFORMATIVA: PERÍMETRO DE UM POLÍGONO TEMA: PERÍMETROS E ÁREAS O perímetro de uma figura plana fechada é o comprimento da linha que limita a figura. É o comprimento da linha que limita o polígono

Leia mais

Unidade Didática Movimento Física 9 ano

Unidade Didática Movimento Física 9 ano Unidade Didática Movimento Física 9 ano Duração: 3 aulas de 50 minutos. Objetivos: Após o término dessas aulas, os alunos devem ser capazes de: Ao final desta aula o aluno deve ser capaz de: Reconhecer

Leia mais

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que?

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que? 1 Tu e a publicidade Temas abordados A publicidade à nossa volta. Objectivos da aprendizagem Compreender as diferentes utilizações da publicidade, tais como vender, convencer ou expor um ponto de vista.

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS Rua Edmundo Borges de Araújo, 50 - Telefax: (0xx34) 3336-2700 Educação Infantil 3316-7092 CEP. 38020-600 Uberaba-MG

COLÉGIO NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS Rua Edmundo Borges de Araújo, 50 - Telefax: (0xx34) 3336-2700 Educação Infantil 3316-7092 CEP. 38020-600 Uberaba-MG Educação Infantil Maternal (3 anos) 01 papel crepom colorido 01 caixa de giz de cera ( gizão) 01 caderno brochurão capa dura sem pauta (96 folhas) 01 brilhocola ACRILEX (cores variadas) 01 brinquedo pedagógico

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 2 o ano Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco promover

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE ÓTICA GEOMÉTRICA NO ENSINO MÉDIO

ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE ÓTICA GEOMÉTRICA NO ENSINO MÉDIO ABORDAGEM PROBLEMATIZADORA: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE ÓTICA GEOMÉTRICA NO ENSINO MÉDIO Olímpia Vanessa Vicente da Costa, Bismarck de Araújo Freitas, Maria Angela Vasconcelos Lopes Gama, Alessandro

Leia mais

Apresentação do projeto:

Apresentação do projeto: Apresentação do projeto: Este projeto tem o intuito do conhecimento global do ser humano: conhecendo seu corpo, ampliando conceitos de higiene e saúde, descobrindo que o indivíduo está presente em todas

Leia mais

LISTA DE MATERIAL 1º Ano Ensino Fundamental 2015

LISTA DE MATERIAL 1º Ano Ensino Fundamental 2015 LISTA DE MATERIAL 1º Ano Ensino Fundamental 2015 02 lápis de escrever- não enviar lapiseiras, 02 borrachas 02 tubos de cola 01 estojo com divisórias 01 pote de tinta guache 250 ml (cor ) 20 folhas A3 01

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL: PROCEDIMENTOS PEDAGÓGICOS PARA ABORDAR O TEMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Angela Rodrigues Luiz 1 RESUMO De acordo com o modelo denominado Estratégia de Ensino, abordamos o tema Alimentação

Leia mais

PLANO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2015 EDUCAÇÃO INFANTIL - MATERNAL. Material Plano de Utilização Componente Curricular Trimestre Letivo

PLANO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2015 EDUCAÇÃO INFANTIL - MATERNAL. Material Plano de Utilização Componente Curricular Trimestre Letivo UNBEC UNIÃO NORTE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT Portaria de Recredenciamento nº 192, de 25/8/2014 SEEDF QSD Área Especial nº 1, Taguatinga DF Telefone: (61) 2191-1522 PLANO

Leia mais

Projeto - Profissões. Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos. Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia

Projeto - Profissões. Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos. Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia Projeto - Profissões Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia Duração: 5 semanas Justificativa: Este projeto visa apresentar às crianças

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A Matemática entra em Campo

A Matemática entra em Campo A Matemática entra em Campo José AyslanCarlos Monteiro (1) ; RoselaniMaas (2) ; Sandra Aparecida Silva (3) ;Margaret Aparecida Carvalho (4) (1) Professor orientador de Educação Física da EEB Dr. Hermann

Leia mais

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET ORGANIZAÇÃO: Antes de começar a trabalhar é necessário um mínimo de organização. Pode-se nomear uma comissão para coordenar os trabalhos, distribuir

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Matemática Período:

Leia mais

Tipo de Avaliação Data Valor Assunto Referência Especificações Funções e gráficos: Pontos e Coordenadas; Representação

Tipo de Avaliação Data Valor Assunto Referência Especificações Funções e gráficos: Pontos e Coordenadas; Representação Sistemática de Matemática Turma: 7º Ano Professora: Carla Conteúdo do bimestre: Funções e gráficos: Pontos e Coordenadas; Representação Cartesiana; Forma Algébrica das Funções; Grandezas e relações entre

Leia mais

UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO

UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO Este relato apresenta aspectos de uma proposta didática utilizando a modelagem

Leia mais

AS MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: PARTINDO DA OBSERVAÇÃO A CONCRETIZAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE.

AS MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: PARTINDO DA OBSERVAÇÃO A CONCRETIZAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE. AS MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: PARTINDO DA OBSERVAÇÃO A CONCRETIZAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE. Viviane de Almeida Silva (Graduanda em Pedagogia UEPB) Lilian de Araújo

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA RESUMO

JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA RESUMO Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 JOGOS E BRINCADEIRAS PARA APRENDER MATEMÁTICA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinéia C. B. Q. 2 FORGIARINI,

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Matemática Período:

Leia mais

ENSINANDO ÁREA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINANDO ÁREA NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINANDO ÁREA NO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Pavani LAMAS 1 Alexsandra Ribeiro CÁCERES 2 Fabiana Mara da COSTA 3 Inaiá Marina Constantino PEREIRA 4 Juliana MAURI 4 Resumo: No ensino fundamental

Leia mais

PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12)

PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12) PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12) PROFESSORA: Bianca de Souza 6ª SÉRIE - TURMAS: 61 e 62 ÁREA DE CONHECIMENTO: Geografia SEQUÊNCIA DIDÁTICA: O clima, o relevo, a hidrografia,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL II (4 ANOS)

EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL II (4 ANOS) EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL II (4 ANOS) LIVROS DIDÁTICOS Livro Interdisciplinar Material Rede RCE educação e valores (Volumes 1 e 2) 2 Volumes por ano e Agenda personalizada. Livro de Inglês Playtime A

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil

Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil Projeto Didático: Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil Ensino Fundamental: 1º ao 5º ano Disciplina: Geografia 1. Tema Os principais pontos históricos e turísticos de cada cidade do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

Oficina - Frações e Porcentagem

Oficina - Frações e Porcentagem Oficina - Frações e Porcentagem Esta oficina está dividida em 5 etapas. - A primeira etapa tem por objetivo chamar a atenção dos alunos para as inúmeras situações cotidianas em que fazemos uso da ideia

Leia mais

BERÇÁRIO I E II Unidade II

BERÇÁRIO I E II Unidade II BERÇÁRIO I E II 01 malinha com aproximadamente 4 trocas (incluindo 2 babadores) 01 sabonete 01 saboneteira 01 shampoo 01 condicionador 01 pomada contra assaduras 01 pote de lenços umedecidos 01 toalha

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

Aplicações da Matemática

Aplicações da Matemática Aplicações da Matemática DOCENTE: Prof. Doutor Ricardo Teixeira DISCENTES: Filipa Araújo Rui Ferreira Sónia Neto Dezembro de 2011 Introdução... 3 Actividades Jogo SUPERTMATIK Quiz Astronomia... 4 Como

Leia mais

O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA

O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA Maurício de Moraes Fontes Escola Técnica Estadual Magalhães Barata ETEMB-PA. mauriciofontes@gmail.com Dineusa Jesus

Leia mais

CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS. Reconhecer a figura de uma circunferência e seus elementos em diversos objetos de formato circular.

CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS. Reconhecer a figura de uma circunferência e seus elementos em diversos objetos de formato circular. CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS "Um homem pode imaginar coisas que são falsas, mas ele pode somente compreender coisas que são verdadeiras, pois se as coisas forem falsas, a noção delas não é compreensível."

Leia mais

PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12)

PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12) PLANEJAMENTO BIMESTRAL QUARTO BIMESTRE 2012 (01/10 a 20/12) PROFESSORA: Bianca de Souza 7ª SÉRIE - TURMAS: 71 e 72 ÁREA DE CONHECIMENTO: Geografia SEQUÊNCIA DIDÁTICA: Estudo do continente americano (América

Leia mais

Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos. Matemática. NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013 - 1 -

Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos. Matemática. NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013 - 1 - Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos Matemática NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013-1 - Introdução No estudo da história da Matemática, diz-se que ela surgiu como ajuda à vida, à

Leia mais

Lista de Materiais (básica) Educação Infantil Maternal. Ano Letivo 2016

Lista de Materiais (básica) Educação Infantil Maternal. Ano Letivo 2016 Educação Infantil Maternal do ano letivo: 1 pasta de plástico grande (tamanho A3) 1 caixa de giz de cera grande (12 cores) 1 pincel redondo nº 22. Sugestão: Tigre 1 tubo de cola. Sugestão: Tenaz 1 caixa

Leia mais

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO Luciana Araújo Montenegro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO OLIVEIRA, Khomar Tander s (Bolsista do PIBID) PAULINO, Jailson da Silva

Leia mais

LISTA DE MATERIAL 4º ANO ENSINO FUNDAMENTAL DE 09 ANOS - 2014

LISTA DE MATERIAL 4º ANO ENSINO FUNDAMENTAL DE 09 ANOS - 2014 LISTA DE MATERIAL 4º ANO ENSINO FUNDAMENTAL DE 09 ANOS - 2014 01 caderno universitário 96 folhas (uma matéria, sem imagens nas folhas - língua portuguesa) 01 caderno universitário 96 folhas (uma matéria,

Leia mais

Guia do Professor ÁBACO E MUDANÇA DE BASE. Introdução

Guia do Professor ÁBACO E MUDANÇA DE BASE. Introdução Guia do Professor ÁBACO E MUDANÇA DE BASE Introdução Tomando como base os Parâmetros Curriculares Nacionais, iniciamos este guia enfatizando a importância do ensino de Matemática no Ensino Fundamental,

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Projetos para a Sala de Aula

Projetos para a Sala de Aula Projetos para a Sala de Aula 5 a a 8 a SÉRIES 5. COMO COMO? Comparação entre sua dieta diária e a recomendação da USDA SOFTWARES NECESSÁRIOS: SOFTWARE OPCIONAL: MICROSOFT EXCEL 97 MICROSOFT WORD 97 MICROSOFT

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL Nome Completo Cargo/Função Turno 1º 2º Integral

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

A bola de futebol como um importante aliado na aquisição de novos conhecimentos

A bola de futebol como um importante aliado na aquisição de novos conhecimentos 11 A bola de futebol como um importante aliado na aquisição de novos conhecimentos Elda Vieira Tramm Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Brasil Centro de Formação de Professores da APM,

Leia mais