Política de Segregação*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Segregação*"

Transcrição

1 Boletim: 10 Política de Segregação* Entrada em vigor: 20 de junho de 2013 Versão: 8 Autor: Departamento Jurídico e Compliance I. Fitch Group, Inc. ( Fitch ) através de suas subsidiárias Fitch Ratings, Inc. ( Fitch Ratings"), Fitch Solutions, Inc. e Fitch Learning, Inc. fornece serviços de atribuição de rating e negócios e serviços de consultoria para o mercado global. As atividades de negócios e consultoria da Fitch Learning Inc. complementam os serviços de atribuição de rating e de análise de risco de crédito da Fitch Ratings e permitem que a agência de rating e suas afiliadas e subsidiárias que não fazem este tipo de avaliação forneçam serviços aprimorados para o mercado. No entanto, a Fitch reconhece que manter a integridade do processo de rating, assegurando a objetividade e a confidencialidade e o uso adequado das informações dos clientes, é de extrema importância. II. Como resultado, a Fitch, em conjunto com a (i) Fitch Ratings e suas afiliadas e subsidiárias (coletivamente, "Ratings") e (ii) as subsidiárias da Fitch que não atribuem rating (coletivamente, "Afiliadas que não atribuem ratings" ou "NRA"), incluindo a Fitch Learning, Inc. e qualquer divisão, escritório ou filial de Ratings, que estejam comprometidos com uma "atividade subsidiária", de acordo com a definição no Boletim 30 da Fitch Ratings: Declaração sobre a Definição de Atividade Subsidiária ( Definition of Ancillary Business ) implementa as seguintes políticas e procedimentos para reduzir a probabilidade de (x) que algum negócio de consultoria, aconselhamento ou atividade subsidiária irá influenciar as atividades de atribuição de ratings por Ratings, (y) em conformidade com o parágrafo D abaixo, que a equipe de NRA terá acesso às informações confidenciais retidas por Ratings, ou (z) em conformidade com o parágrafo D abaixo, que as informações confidenciais referentes a clientes de NRA sejam acessadas pela equipe de Ratings responsável pelas decisões de atribuição de rating. A. Nenhum analista de Ratings deverá divulgar as informações referentes a um emissor a qualquer funcionário de uma NRA, salvo se estiverem relacionadas ao compartilhamento de informações para o desenvolvimento de pesquisa ou produto, conforme definido abaixo; B. Os funcionários de uma NRA não devem divulgar qualquer informação aos analistas de Rating sobre a natureza do relacionamento comercial da NRA, inclusive sobre honorários e valores pagos à NRA; C. A equipe da NRA não deve participar de um comitê de rating ou fornecer informações para os relatórios de Rating sobre os negócios ou perspectivas de negócios dos clientes de NRA; (*) Este documento é uma tradução do texto em inglês, fornecida apenas com o propósito informativo. Embora tenham sido envidados esforços adequados na preparação desta tradução, a Fitch não assume qualquer responsabilidade por eventuais erros, ambiguidades ou omissões que apareçam na tradução e/ou quaisquer outros danos (sejam diretos, indiretos, casuais, consequentes ou punitivos) que possam surgir em conexão com esta tradução. Em caso de qualquer discrepância entre a tradução e o texto original em inglês, que este documento pretende refletir, o texto do documento original em inglês deverá prevalecer.

2 D. Nenhum analista de Rating deverá ser também funcionário da NRA; E. Os funcionários da NRA não devem solicitar qualquer informação confidencial referente a um cliente a analistas de Rating; F. Analistas de Rating não devem recomendar a compra de produtos ou serviços de qualquer NRA. Nenhum funcionário da Fitch, seja empregado de uma NRA ou de Ratings, deverá (i) sugerir ou deixar subentendido que a compra de qualquer produto ou serviço de qualquer NRA terá efeito favorável sobre uma atribuição de rating ou (ii) sugerir ou deixar subentendido que a compra de qualquer produto ou serviço de qualquer NRA, ao contrário da compra de um produto ou serviço de qualquer concorrente da NRA, terá efeito favorável sobre uma atribuição de rating. Os analistas de Rating devem encaminhar as dúvidas sobre produtos e serviços de uma NRA a uma pessoa apropriada da NRA; G. Os funcionários da NRA não devem recomendar aos seus respectivos clientes a compra de serviços de Rating como parte de seu relacionamento com cada cliente. Os funcionários da NRA devem encaminhar as dúvidas sobre os serviços de Rating a uma pessoa apropriada de Rating; e H. Qualquer suspeita de vazamento de informações ou de vazamento real de informações de Rating para qualquer NRA ou de qualquer NRA para Ratings deve ser relatada imediatamente ao diretor de Compliance da Fitch Ratings. ou a pessoa por este designada. III. IV. Para mitigar ainda mais o fluxo inapropriado de informações entre Ratings e NRA, os funcionários das respectivas empresas devem, na medida do possível, estar fisicamente separados. Além disso, na medida do possível, as informações e os dados de Ratings e NRA devem estar localizados em servidores separados. Em total acordo com as políticas e os procedimentos gerais da Fitch, os funcionários de Rating e NRA devem retirar documentos confidenciais de locais visíveis em seus respectivos escritórios. NRAs e Ratings podem trabalhar em conjunto em projetos de pesquisa e/ou desenvolvimento de produtos, desde que a pesquisa (i) não seja específica para uma empresa em particular e (ii) não forneça a um analista de Rating informações referentes a um cliente específico da NRA. Ratings e qualquer NRA têm a liberdade de compartilhar dados agregados e de fornecer produtos e serviços entre si, que sejam compatíveis com a forma com a qual produtos e serviços são fornecidos a terceiros. Quando Ratings e alguma NRA trabalham em conjunto em projetos de pesquisa ou desenvolvimento de produtos, essas atividades devem ser relatadas ao Grupo de Compliance, que deve manter um registro de tais atividades. Os participantes de Rating e de NRAs devem fornecer ao Grupo de Compliance: 1) Finalidade da colaboração; 2) Data de início da colaboração; 3) Data final da colaboração; e 4) Nomes das pessoas envolvidas na colaboração, incluindo a subsidiária da Fitch que empregou o funcionário, nome do gerente da pessoa envolvida, o local de atuação daquele funcionário, a atividade do funcionário na colaboração do projeto e o período de participação do funcionário na colaboração, caso seja diferente das datas de início ou de término da colaboração. Em conformidade com esta política, Ratings e NRAs podem também patrocinar eventos e conferências em conjunto e seus respectivos funcionários podem aparecer em painéis e seminários juntos. Além disso, as funções administrativas, incluindo jurídica, contábil, tecnologia, comunicações corporativas e recursos humanos podem ser compartilhados por Ratings e NRAs. Por fim, os departamentos de marketing das respectivas empresas podem cooperar na venda

3 e distribuição de seus produtos. V. Sem prejuízo do disposto na Cláusula VII abaixo, nenhuma empresa de Ratings pode atribuir uma classificação a uma entidade que direta ou indiretamente (i) controle a empresa de Rating, (ii) possua participação acionária de 10% ou mais em tal agência de Rating ou (iii) detenha direitos de voto de 10% ou mais em tal companhia de Rating VI. Os acionistas da Fitch são a Fimalac S.A., uma sociedade anônima francesa, e a Hearst Corporation ( Hearst ), cada uma com 50% de participação na Fitch. A. Nenhum membro da diretoria, diretor ou funcionário da Fimalac S.A. possui autorização para participar de assuntos de ratings em Ratings ou de um comitê de atribuição de rating. No entanto, se a pessoa for um diretor independente da Fitch Ratings ou da Fitch Ratings Ltd. ( FRL ), além das atividades gerais como membro da diretoria, deverá também monitorar (i) o desenvolvimento de políticas e metodologias de ratings; (ii) a eficácia das políticas e dos procedimentos da empresa em questão para identificar e eliminar ou gerenciar e divulgar conflitos de interesse; (iii) a eficácia do sistema de controle de qualidade interno da empresa em questão, como sistema que se aplica às atividades de atribuição de rating; e (iv) os processos de compliance e governança da empresa em questão. Para evitar dúvidas, se algum membro da diretoria, diretor ou funcionário da Fimalac S.A. (denominada Pessoa Ligada à Fimalac ) também for membro da diretoria, diretor ou funcionário de uma Entidade Classificada 1, os analistas de Rating podem conduzir as reuniões de revisão com a Pessoa Ligada à Fimalac, na sua qualidade como membro da diretoria, diretor ou funcionário da Entidade Classificada, compatível com as práticas-padrão de Ratings. Nesses casos, a divulgação do fato de que é uma Pessoa Ligada à Fimalac deve ser feita: i) em caso de atribuição de ratings públicos, em comunicados públicos sobre ratings e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações sobre o rating ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, em carta de atribuição de ratings e documentos com alterações subsequentes ou afirmações de ratings. B. Sempre que (i) a Fimalac S.A. detiver participação societária acima de 5% em uma Entidade Classificada, ou tiver um assento no conselho de administração da Entidade Classificada; (ii) Marc Ladreit de Lacharrière ( MLL ), acionista controlador da Fimalac S.A., possuir uma participação acima de 5% ou for membro da diretoria de uma Entidade Classificada; ou (iii) uma Entidade Classificada possuir uma participação societária acima de 5% na Fimalac S.A., a divulgação desse fato deve ser feita: i) em caso de atribuição de ratings públicos, em comunicados públicos sobre ratings e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações sobre o rating ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, em carta de atribuição do rating e documentação de quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating. C. Nenhum membro da diretoria, diretor ou funcionário da Hearst possui autorização para participar de assuntos de rating em Ratings ou de participar de um comitê de rating. Para 1 Entidade Classificada significa o emissor, o fiador ou o fornecedor de suporte de crédito (carta de crédito de bancos, seguradoras de títulos, etc.) com relação a quaisquer títulos e valores mobiliários. Além disso, significa o patrocinador, o cedente ou o cedente/servicer, o originador ou o estuturador de um título em uma transação de finanças estruturadas; e o consultor financeiro de um título de uma transação de finanças públicas americana, que é classificada ou que está em vias de ser classificada pela Fitch. Também inclui todas as empresas que são afiliadas de quaisquer dessas partes. Por exemplo, Citigroup, Inc. é uma entidade classificada em conexão com o Citibank Credit Card Master Trust I.

4 evitar dúvidas, se algum membro da diretoria, diretor ou funcionário da Hearst (denominada Pessoa Ligada à Hearst ) também for membro da diretoria, diretor ou funcionário de uma Entidade Classificada, os analistas de Ratings podem conduzir as reuniões de revisão com a Pessoa Ligada à Hearst na sua qualidade de membro da diretoria, diretor ou funcionário da Entidade Classificada, compatível com as práticaspadrão de Ratings. Nesses casos, a divulgação do fato de que é uma Pessoa Ligada à Hearst deve ser feita: i) em caso de atribuição de ratings públicos, em comunicados públicos sobre o rating e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, em carta de atribuição do rating e documentação de quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating. D. Sempre que (i) a Hearst possuir uma participação societária acima de 5% em uma Entidade Classificada ou tiver um assento no conselho de administração ou (ii) uma Entidade Classificada possuir uma participação societária acima de 5% na Hearst, a divulgação desse fato deve ser realizada: i) em caso de atribuição de ratings públicos, comunicados públicos sobre ratings e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, carta de atribuição do rating e documentação de quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating. E Se qualquer uma delas, MLL, Fimalac, S.A. ou Hearst (i) detiver participação acionária em uma entidade igual a 10% ou mais dessa entidade, ou de uma parte relacionada ou qualquer outra participação nessa entidade 2 ; ou (ii) for membro do conselho de administração ou do conselho de supervisão dessa entidade (ou caso a Fimalac, S.A. ou a Hearst tenham um assento no conselho), então Ratings não iniciará o rating daquela entidade. Se qualquer uma delas, MLL, Fimalac, S.A. ou Hearst (i) adquirir participação acionária em uma Entidade Classificada igual a 10% ou mais dessa Entidade Classificada, de uma parte relacionada, ou qualquer outra participação nessa Entidade Classificada, ou (ii) tornar-se membro do conselho de administração ou do conselho de supervisão dessa Entidade Classificada (ou caso a Fimalac, S.A. ou a Hearst tenham assento no conselho), a Fitch deverá, então (i) divulgar imediatamente em que o(s) rating(s) atual(is) e a(s) perspectiva(s) do(s) rating(s) da Entidade Classificada poderão ser potencialmente afetados pela aquisição ou pela nova participação e (ii) avaliar se há fundamentos para revisar ou retirar o(s) rating(s) atual(is) e perspectiva(s) do(s) rating(s) da Entidade Classificada. VII. Em alguns casos, terceiros podem ter ações em uma empresa de Rating devido a restrições em relação à propriedade estrangeira e a participações históricas. A. Nenhum acionista, que não seja a empresa de Rating em questão, deverá participar das operações diárias de atribuição de rating ou revisões de rating realizadas pela subsidiária ou pela afiliada. B. Nos casos em que uma empresa de Ratings mantenha ratings para um de seus acionistas, esse fato deverá ser divulgado: i) em caso de atribuição de ratings públicos, em comunicados públicos sobre os ratings e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações sobre os ratings ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, em carta de atribuição de rating e documentação de quaisquer alterações subsequentes ou afirmações 2 A participação acionária exclui participações em investimentos coletivos diversificados e fundos geridos que não colocam o titular do patrimônio em uma posição de exercer influência significativa sobre as atividades de negócio da entidade..

5 de rating. VIII. Em um número limitado de casos, diretores de uma empresa de Rating, incluindo diretores independentes da Fitch Ratings ou de FRL, podem atuar como diretores na administração de uma Entidade Classificada. A. Nesses casos, o(a) diretor(a) de Ratings não tem autorização para participar de qualquer assunto de rating, incluindo, entre outros, a participação em comitês de rating relacionados à Entidade Classificada na qual atua como diretor. A Fitch deve garantir que nenhuma informação confidencial sobre esta Entidade Classificada, ou informação que poderia ser de interesse da Entidade Classificada, seja compartilhada com este(a) diretor(a). B. A divulgação da natureza desta afiliação deverá ser realizada: i) em caso de atribuição de ratings públicos, em comunicados públicos sobre os ratings e quaisquer alterações subsequentes ou afirmações sobre os ratings ou ii) em caso de atribuição de ratings privados, em carta de atribuição do rating e documentação de quaisquer alterações subsequentes ou afirmações do rating 3. IX. A Fitch poderá realizar investimentos minoritários em empresas que fornecem serviços para Entidades Avaliadas. Em todos esses casos, tais empresas devem ser consideradas como NRA para os efeitos desta política. 3 Onde tais diretores são funcionários da Fitch, ou,de outra forma, atuam como diretores-executivos ou não executivos da Fitch Ratings ou FRL.

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

Política. Boletim 24* Versão: 12. Aplicação da. provedor de. final de qualquer. Trust I. trabalhar em: Para Trabalha. preparação desta.

Política. Boletim 24* Versão: 12. Aplicação da. provedor de. final de qualquer. Trust I. trabalhar em: Para Trabalha. preparação desta. Boletim 24* Política Para Revisão do Trabalho a Que Deixa a Fitch Para Trabalha ar em Uma Entidade Classificada Entradaa em Vigor: 31 de dezembro de 2013 Versão: 12 Autor: Política de Crédito e Gestão

Leia mais

Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento

Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento Boletim n o 4* Política de Gestão de Negócios e de Relacionamento Entrada em Vigor: 15 de junho de 2015 Versão: 13 Autor: Grupo de Gestão de Negócios e de Relacionamento (BRM) I. INTRODUÇÃO A. Princípios

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Exercício 2015 Versão: 6.0 Data: 28/03/2016 Formulário de Referência 2016 Índice Formulário de Referência... 3 1. Identificação das Pessoas Responsáveis pelo Conteúdo do Formulário...

Leia mais

Política Global de Confidencialidade

Política Global de Confidencialidade Boletim: 41 Política Global de Confidencialidade Data de Entrada em Vigor: 28 de Julho de 2015 Versão: 2 Autor: Departamento Jurídico Fitch Ratings, Inc. Boletim 41 Versão 2 28 de Julho de 2015 1 Índice

Leia mais

Polít ica Global de Negociação de Títulos e Valores Mobiliários e Conflitos de Interesses

Polít ica Global de Negociação de Títulos e Valores Mobiliários e Conflitos de Interesses Sumário Executivo 1 Objetivo: Público alvo: Propósito: Estabelecer obrigações de informação para identificação de potenciais conflitos de interesse. Todos os funcionários da Fitch Ratings. Prevenir conflitos

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva

Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva 13 Fev 2015 17h00 Fitch Ratings - Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2015: A Fitch Ratings afirmou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

que faz a Reclamação.

que faz a Reclamação. Boletim 25* Procedimentos Para Administração de Reclamações Entradaa em Vigor: 1º de agostoo de 2014 Versão: 7 Autor: Políticas de Crédito I. Introdução Este Boletim descreve o processo de abordagem e

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com Data de Publicação: 14 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings da Cemig elevados para 'BB+' na escala global e para 'braa+' na Escala Nacional Brasil por perfil de risco de negócios mais forte;

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 15 de agosto de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA POLÍTICA SOBRE COMUNICAÇÃO CUIDADOSA Esta política se destina a ajudar empregados e outras pessoas que agem em nome da Magna, incluindo dirigentes,

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI), o Instituto Ethos e as

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política de Negociação de Valores Mobiliários de Negociação de Valores Mobiliários Versão 1.0 Data de criação 01/08/2012 Data de modificação Não Aplicável Tipo de documento Índice 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 4 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Política de Conflitos de Interesses

Política de Conflitos de Interesses Política de Conflitos de Interesses Índice Índice 2 Política de Conflitos de Interesses 3 1. Introdução... 3 2. A nossa política de conflitos de interesses... 3 3. Conflitos de interesses estudos de investimento...

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA E ESCOPO... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS GERAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. EXERCÍCIO

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Companhia Pernambucana de Saneamento - Compesa Data

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado)

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado) POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA VIX LOGÍSTICA S.A. 1. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 1.1. O objetivo da presente Política de Negociação é esclarecer as regras que deverão ser observadas pelos

Leia mais

Finanças Estruturadas

Finanças Estruturadas z Finanças Estruturadas ABS / Brasil Séries 2011-10 e 2011-11 Relatório de Rating Preliminar Conteúdo Sumário da Transação 1 Fundamentos do Rating 1 Sensibilidade do Rating 2 Análise de Dados 2 Transação

Leia mais

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012 Tabelas de Sistema do Observação Antes de usar estas informações e o produto por elas suportado, leia as informações

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Aprovada pelo Conselho de Administração em 03 de maio de 2012 1. INTRODUÇÃO Esta Política de Negociação estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa)

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Data de Publicação: 25 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Analista principal:

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102 1.0 Finalidade 1.1 A CommScope, Inc. e suas empresas afiliadas ( CommScope ) podem, a qualquer tempo, contratar consultores, agentes de vendas, conselheiros e outros representantes e, frequentemente, estabelecer

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional Crédito, Mercado e em: 30/12/2015 Política de Gerenciamento de Risco de Processos Página 2 de 9 SUMÁRIO 1- Definição... 3 2- Projeções de Perdas... 4 3- Classificação e Mitigação do Risco... 5 4- Estrutura...

Leia mais

Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos

Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos HSBC Corretora Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos "Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998 pertencem ao HSBC Bank Brasil S.A - Banco Múltiplo.

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 18 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

Ética & Princípios de Conduta Empresarial

Ética & Princípios de Conduta Empresarial Nossa Cadeia de Fornecedores Ética & Princípios de Conduta Empresarial ao exercer atividades de negócios com a CH2M HILL Outubro 2011 Princípios baseados no livro The Little Yellow Book, escrito em 1978

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 CÓDIGO DE ÉTICA Escopo Este Código de Ética ( Código ) reúne as principais normas de conduta que devem

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (aprovada na RCA de 12.08.2009 e alterada nas RCA s de 14.06.2010, 04.11.2011 e 22.04.2014)

Leia mais

Finanças Estruturadas

Finanças Estruturadas z Finanças Estruturadas ABS / Brasil Séries 2012-19 e 2012-20 Relatório de Rating Preliminar Conteúdo Estrutura de Capital 1 Resumo da Transação 1 Fundamentos do Rating 1 Sensibilidade do Rating 2 Análise

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Política Global Anticorrupção

Política Global Anticorrupção POLÍTICA A Política Global Anticorrupção da Savis (a Política ) obriga a Savis Tecnologia e Sistemas S.A. e suas subsidiárias e afiliadas (coletivamente, Savis ou a Empresa ), em todas as operações ao

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES TERMOS E CONDIÇÕES A prestação de serviços de Promoção de Negócios Customizada submete-se às disposições da Proposta e a estes Termos e Condições, os quais estabelecem juntos, para todos os fins legais,

Leia mais

Norma para emissão de relatórios de análise de valores mobiliários sell side

Norma para emissão de relatórios de análise de valores mobiliários sell side O conteúdo deste documento é propriedade da BROOKFIELD BRASIL ASSET MANAGEMENT INVESTIEMENTOS LTDA.. Não pode ser reproduzido, armazenado ou transmitido, em qualquer formato ou por quaisquer meios, sejam

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 1 de 9 UL NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 2 de 9 ÍNDICE 1.0 OBJETIVO... 4 2.0 ESCOPO... 4 3.0 DEFINIÇÕES... 4 4.0 PRÁTICAS DE CONTRATAÇÃO... 5 4.1 TRABALHO FORÇADO... 5 4.2 TRABALHO

Leia mais

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO I. Declaração da Diretriz. É a diretriz da Global Crossing Limited ( Global Crossing ou a Empresa ) conduzir todos os seus negócios de uma maneira honesta e ética. Ao fazer

Leia mais

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas 1. Aplicação 1 - As instituições financeiras, as demais

Leia mais

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade Auditoria Ambiental e de Regularidade Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores - INTOSAI Grupo de Trabalho sobre Auditoria Ambiental - WGEA ECONTEXTO Este artigo é um resumo do

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Código de Conduta de Negócios & Ética Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Mensagem do Presidente & CEO A integridade pessoal, os valores compartilhados e a conduta ética dos negócios por todos os funcionários

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Ratings - Rio de Janeiro, xx de outubro de 2015: A Fitch Ratings publicou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo A-(bra) (A menos(bra))

Leia mais

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK Este Adendo de Treinamento de Cloud Services da Oracle (o "adendo") é firmado entre você e a entidade da Oracle com

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

Política de Gestão de Risco Financeiro

Política de Gestão de Risco Financeiro Política de Gestão de Risco Financeiro Índice Introdução... 2 Objetivos... 2 Atribuições... 3 Descrição dos riscos financeiros... 4 Exposição às flutuações das taxas de juros... 4 Exposição às variações

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA...

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... 4 4. RELACIONAMENTO E ENGAJAMENTO COM PARTES INTERESSADAS... 4 5.

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

Política de Retirada de Classificação de Risco de Crédito ( Rating )

Política de Retirada de Classificação de Risco de Crédito ( Rating ) Política de Retirada de Classificação de Risco de Crédito ( Rating ) POLÍTICA I. O que é uma Classificação de Risco Retirada? Emitida pelo: Departamento de Compliance da MIS Aplicável a: Todos os Funcionários

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. Do objeto 1.1. Contratação de 01 (uma) empresa especializada em avaliação econômica para realizar a avaliação econômica do valor da marca BRB. 2. Objetivo 2.1. A presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Código de Conduta da DuPont. Garantindo um futuro sustentável

Código de Conduta da DuPont. Garantindo um futuro sustentável Código de Conduta da DuPont Garantindo um futuro sustentável Nossos valores corporativos em ação Janeiro 2011 Mensagem do CEO Aos colegas da DuPont: Ao longo dos séculos, os funcionários da DuPont utilizam

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS ATENÇÃO: Ao selecionar a opção Eu aceito os termos de licença e uso do BomBirô

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSI/PR 01 15/FEV/13 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência. Capítulo II Definições

Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência. Capítulo II Definições Bradespar S.A. e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Bradespar S.A. Capítulo I Abrangência Art. 1 o ) As Políticas de Divulgação de Ato ou Fato Relevante e de Negociação de Valores Mobiliários

Leia mais

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros Todas as atividades de negócios na Bristol-Myers Squibb (BMS) estruturam-se sobre a base do nosso compromisso com a integridade e o cumprimento de todas as leis, regulamentações, diretrizes e códigos de

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta os critérios e procedimentos gerais a serem observados para a realização das avaliações de desempenho individual e institucional e o pagamento da

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13. Segunda Conferência das Partes da ARC

Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13. Segunda Conferência das Partes da ARC Regras de procedimento para a implementação e cumprimento do Plano de Contingência ARC/COP2/D010.2211_13 Segunda Conferência das Partes da ARC Quénia 26-28 de Novembro de 2013 Antecedentes O Acordo de

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Data de Publicação: 2 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Analista principal: Marcus Fernandes, São Paulo, 55

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792 Análise da Resolução CMN 4.275 que altera a Resolução CMN 3.792 Novembro de 2013 1. Introdução O presente documento tem a proposta de apresentar um breve resumo das principais alterações decorrentes da

Leia mais