Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1"

Transcrição

1 Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1 Fredie Didier Jr. Professor-adjunto de Direito Processual Civil da Universidade Federal da Bahia. Mestre (UFBA) e Doutor (PUC/SP). Professor-coordenador da Faculdade Baiana de Direito. Membro dos Institutos Brasileiro e Ibero-americano de Direito Processual. Advogado e consultor jurídico. Importante alteração no regime da solidariedade ativa foi trazida pelo CC O art. 274 do CC-2002 estabelece a possibilidade de extensão ultra partes da coisa julgada em determinadas situações: O julgamento contrário a um dos credores solidários não atinge os demais; o julgamento favorável aproveita-lhes, a menos que se funde em exceção pessoal ao credor que o obteve. Traz redação semelhante à do art. 538, 2, do Código Civil português, que no particular é mais claro 2. Também serviu de inspiração o art. 531 do Código Civil português: O caso julgado entre um dos credores e o devedor não é oponível aos outros credores: mas pode ser oposto por estes ao devedor, sem prejuízo das excepções pessoais que o devedor tenha o direito de invocar em relação a cada um deles. Como se sabe, o devedor não pode opor a um dos credores solidários exceções pessoais oponíveis aos outros (art. 273 do CC-2002) 3, tampouco exceções pessoais pertencentes apenas a outro devedor (a exceção pode ser pessoal porque apenas um dos devedores a pode aduzir ou porque somente contra um dos credores ela pode ser aduzida, e pode ser comum quando puder ser aduzida por qualquer devedor ou contra qualquer credor). O texto legislativo do Código Civil é bastante truncado (parece uma mistura dos textos dos Códigos Civis português e italiano), e deve ser interpretado com muito bom-senso. O julgamento favorável ao credor não pode estar fundado em exceção pessoal, alegação da defesa que é; se assim fosse, a decisão seria desfavorável e, por força da primeira parte do art. 274, não estenderia seus 1 Em homenagem ao Prof. Paulo Lôbo, da Universidade Federal das Alagoas. 2 O caso julgado favorável a um dos credores aproveita aos outros, se o devedor não tiver, contra estes, meios especiais de defesa. 3 O Projeto de Lei n /2002 propõe outra redação ao art. 273, sem alterar em nada a sua substância: Art A um dos credores solidários não pode o devedor opor as defesas pessoais oponíveis aos outros.

2 efeitos aos demais credores. Em resumo: não há julgamento favorável fundado em exceção pessoal; quando se acolhe a defesa, julga-se desfavoravelmente o pedido 4. A parte final do art. 274, se interpretada literalmente, não faz sentido 5. Tendo sido alegada e repelida exceção pessoal contra o credor que promoveu a causa, e não tendo havido exceções comuns opostas (ou, se havia, também tenham sido elas repelidas), o julgamento foi favorável e deve produzir efeitos em relação aos demais credores, salvo se o devedor puder, em relação a estes, argüir exceção pessoal 6. A parte da coisa julgada que não se estende aos demais credores é apenas aquela que rejeitou a exceção pessoal, que, exatamente por isso, nada tem que ver com os outros. O que se afirma no Código Civil é que: a) se um dos credores vai a juízo e perde, qualquer que seja o motivo (acolhimento de exceção comum ou pessoal), essa decisão não tem eficácia em relação aos demais credores; b) se o credor vai a juízo e ganha, essa decisão beneficiará os demais credores, salvo se o(s) devedor(es) tiver(em) exceção pessoal que possa ser oposta a outro credor não participante do processo, pois, em relação àquele que promoveu a demanda, o(s) devedor(es) nada mais pode(m) opor (art. 474 do CPC) 7. Embora permita a co-legitimação ativa, o legislador instituiu o regime da extensão secundum eventum litis da coisa julgada que porventura surja de processo instaurado por um dos credores: os credores que não 4 Em sentido diverso, GAGLIANO e PAMPLONA FILHO, que adotam a interpretação literal do art. 274 do CC-2002 (Novo curso de direito civil obrigações. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 2, p. 81). 5 Também perceberam isso THEODORO Jr., Humberto. O novo Código Civil e as regras heterotópicas de natureza processual. Reflexos do Novo Código Civil no Direito Processual. Fredie Didier Jr. e Rodrigo Mazzei (coord.). Salvador: Edições Jus Podivm, 2006, p. 131; MOREIRA, José Carlos Barbosa. Solidariedade ativa: efeitos da sentença e coisa julgada na ação de cobrança proposta por um único credor. Revista Dialética de Direito Processual. São Paulo: Dialética, 2006, n. 35, p ; TUCCI, José Rogério Cruz e. Limites subjetivos da eficácia da sentença e da coisa julgada civil. São Paulo: RT, 2007, p Se, porém, o caso julgado é condenatório, já os outros credores o podem opor ao devedor, salvo de houver excepções pessoais em relação a eles, isto é, excepções que não poderiam ter sido invocadas pelo devedor contra o credor que o accionou. (LIMA, Pires de, VARELA, João de Matos Antunes. Código Civil anotado. 4ª ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1987, v. 1, p. 544.) 7 É a lição de ANTUNES VARELA, a partir do texto português que nos serviu de inspiração: Sendo o caso julgado favorável ao credor, já se compreende que ele aproveite aos restantes (salvo se o devedor tiver contra algum deles meios especiais de defesa: art. 538, 2), pois nem é razoável aceitar que o devedor não tenha feito valer as razões de que dispõe, nem há nesse caso conluios a recear (VARELA, João de Matos Antunes. Das obrigações em geral. 9. ed. Coimbra: Livr. Almedina, 1998, v. 1, p. 844). Também assim, o art do Código Civil italiano: A sentença proferida entre um credor e um devedor solidário, ou entre um devedor e um dos credores solidários, não produz efeito contra os outros devedores ou contra os outros credores. Os outros devedores podem opor a sentença ao credor, salvo se a decisão fundar-se em razões pessoais do co-devedor; os outros credores podem valer-se da decisão contra o devedor, salvo se este puder opor exceção pessoal a qualquer um daqueles credores.

3 participaram do processo apenas podem ser beneficiados com a coisa julgada, jamais prejudicados. É bom deixar ainda mais claro o que se afirmou: a coisa julgada é pro et contra (surge independentemente da decisão ter sido favorável ou desfavorável ao credor que propôs a demanda), mas a sua extensão aos demais credores é secundum eventum litis. A distinção, embora sutil, é importante, e foi feita com maestria por ANTONIO GIDI, quando examinou a regra do art. 103, III, do Código de Defesa do Consumidor, que cuida da coisa julgada nas ações envolvendo direitos individuais homogêneos: Rigorosamente, a coisa julgada nas ações coletivas do direito brasileiro não é secundum eventum litis. Seria assim, se ela se formasse nos casos de procedência do pedido, e não nos de improcedência. Mas não é exatamente isso o que acontece. A coisa julgada sempre se formará, independentemente de o resultado da demanda ser pela procedência ou pela improcedência. A coisa julgada nas ações coletivas se forma pro et contra. ; conclui: O que diferirá com o evento da lide não é a formação ou não da coisa julgada, mas o rol de pessoas por ela atingidas. Enfim, o que é secundum eventum 1itis não é a formação da coisa julgada, mas a sua extensão erga omnes ou ultra partes à esfera jurídica individual de terceiros prejudicados pela conduta considerada ilícita na ação coletiva 8. Parece, porém, que essa regra somente tem aplicação no caso de obrigações solidárias divisíveis. Se a obrigação é solidária e indivisível, a decisão judicial favorável ou desfavorável ao credor solidário autor se estende aos demais credores, em razão da indivisibilidade do objeto litigioso 9. É que não se pode falar em exceções pessoais se a obrigação é indivisível; nestes casos, toda exceção é comum 10. Neste sentido é o posicionamento de FLAVIA ZANGEROLAME: Se o julgamento desfavorável referir-se a causas que dizem respeito a todos, como nulidade contratual ou prescrição da dívida, o resultado atingirá 8 GIDI, Antonio, Coisa julgada e litispendência em ações coletivas. São Paulo: Saraiva, 1995, p Ao que parece é esse o entendimento de Barbosa Moreira (ver trecho que destacamos): Vejamos o que afirma BARBOSA MOREIRA: Se, ao contrário, a sentença de procedência houver repelido a argüição de prescrição com base na ocorrência de suspensão, de eficácia restrita ao credor demandante, por não ser indivisível a obrigação, o julgamento não aproveitará aos restantes credores, para os quais a ineficácia da suspensão significa que a prescrição se terá consumado. Aí, unicamente o credor vitorioso ficará habilitado a promover a execução. (MOREIRA, José Carlos Barbosa. Solidariedade ativa: efeitos da sentença e coisa julgada na ação de cobrança proposta por um único credor, cit., p. 58.) 10 No Direito Português, registre-se, há regra que impede a extensão da coisa julgada desfavorável aos demais credores, mesmo em se tratando de obrigação indivisível (art. 538, 2, já citado). Assim, por exemplo, VARELA, João de Matos Antunes Das obrigações em geral. 9. ed. Coimbra: Livr. Almedina, 1998, v. 1, p. 841.

4 os demais, pois não há como cindir uma decisão desta estirpe 11. A autora não distingue os casos de obrigação divisível ou indivisível. Como se pode perceber, adota-se, aqui, a concepção doutrinária que admite a possibilidade de eficácia ultra partes da coisa julgada, mesmo desfavorável, quando a demanda fora proposta por um co-legitimado de obrigação indivisível 12. Em sentido diverso, JOSÉ ROGÉRIO CRUZ E TUCCI: a) se apenas um dos credores aforar a demanda, julgado improcedente o pedido, a coisa julgada se restringe às partes. Os demais co-credores poderão propor subseqüentes demandas contra o devedor comum A obrigação indivisível com pluralidade de credores recebe o tratamento de obrigação solidária, mas nem toda obrigação solidária com pluralidade de credores é indivisível. Quando há pluralidade de credores de obrigação indivisível, poderá cada um destes exigir a dívida inteira (art. 260, primeira parte, do CC-2002). A pluralidade de credores de obrigação indivisível implica tratamento semelhante ao da solidariedade ativa (arts. 264/265 c/c art. 260, todos do CC-2002) 14. A própria classificação das obrigações em divisíveis e indivisíveis só tem utilidade quando se está diante de obrigação subjetivamente complexa (quando houver pluralidade subjetiva) 15. Vejamos um exemplo. Se a prescrição é interrompida em relação a um dos devedores de obrigação indivisível, essa interrupção atingirá os demais e beneficiará os outros credores, já que a dívida deverá ser integralmente solvida, e o 11 ZANGEROLAME, Flavia Maria. Obrigações divisíveis e indivisíveis e obrigações solidárias, cit., p A favor da extensão da coisa julgada ao co-legitimado, MOREIRA, José Carlos Barbosa. Coisa julgada: extensão subjetiva. Litispendência. Ação de nulidade de patente. In: Direito processual civil (ensaios e pareceres). Rio de Janeiro: Borsoi, 1971, p ; Litisconsórcio unitário. Rio de Janeiro: Forense, 1972, p Discordam deste posicionamento, por exemplo, TALAMINI, Eduardo. Partes, terceiros e coisa julgada (os limites subjetivos da coisa julgada). Aspectos polêmicos e atuais sobre os terceiros no processo civil e assuntos afins. Fredie Didier Jr. e Teresa Arruda Alvim Wambier (coord.). São Paulo: RT, 2004, p ; CARNEIRO, Athos Gusmão. Intervenção de terceiros. 13ª ed. São Paulo: Saraiva, 2001; SILVA, Ovídio Baptista da. Sentença e coisa julgada. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 96 e segs. 13 TUCCI, José Rogério Cruz e. Limites subjetivos da eficácia da sentença e da coisa julgada civil. São Paulo: RT, 2007, p Não há dificuldade em resolver as situações oriundas de obrigações com prestação indivisível, desde que se reconheça a necessidade de discipliná-las pelas normas relativas às obrigações solidárias. (GOMES, Orlando. Obrigações. 3 a ed. Rio de Janeiro: Forense, 1972, p. 91.) 15 NONATO, Orosimbo. Curso de obrigações: generalidades espécies. Rio de Janeiro: Forense, 1959, v. 2, p. 86; ZANGEROLAME, Flavia Maria. Obrigações divisíveis e indivisíveis e obrigações solidárias. Obrigações: estudos na perspectiva civil-constitucional. Gustavo Tepedino (coord.). Rio de Janeiro: Renovar, 2005, p. 182.

5 credor que faz a cobrança persegue o recebimento por inteiro 16. É essa a razão do 2º do art. 204 do Código Civil: A interrupção operada contra um dos herdeiros do devedor solidário não prejudica os outros herdeiros ou devedores, senão quando se trate de obrigações e direitos indivisíveis. Para evitar discussões futuras, deve o magistrado, diante de uma demanda proposta por um credor solidário (de obrigação divisível ou indivisível), intimar, mesmo ex officio, os demais credores, para que tenham ciência da propositura da demanda. Trata-se de espécie de intervenção iussu iudicis, que deve ser estimulada ZANGEROLAME, Flavia Maria. Obrigações divisíveis e indivisíveis e obrigações solidárias, cit., p Assim, também, NONATO, Orosimbo. Curso de obrigações: generalidades espécies, v. 2, cit., p Sobre a intervenção iussu iudicis como técnica para resolver o problema da extensão da coisa julgada ao co-legitimado que não participou do processo, ver DIDIER Jr., Fredie. Pressupostos processuais e condições da ação. São Paulo: Saraiva, 2005, p

6

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O IMPACTO NO CÓDIGO CIVIL: INVALIDAÇÃO DE PARTILHA E EXTENSÃO SUBJETIVA DA COISA JULGADA PARA CREDORES SOLIDÁRIOS

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O IMPACTO NO CÓDIGO CIVIL: INVALIDAÇÃO DE PARTILHA E EXTENSÃO SUBJETIVA DA COISA JULGADA PARA CREDORES SOLIDÁRIOS O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O IMPACTO NO CÓDIGO CIVIL: INVALIDAÇÃO DE PARTILHA E EXTENSÃO SUBJETIVA DA COISA JULGADA PARA CREDORES SOLIDÁRIOS Fredie Didier Junior SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Alteração

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR137 1. EMENTA: Aspectos gerais da execução. Liquidação de sentença. Execução de

Leia mais

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA 1) IDENTIFICAÇÃO Código DIR269 Nome DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Créditos 04 Carga horária total 68 horas/aula (17 aulas) Semestre letivo 1.º/2012 Professor

Leia mais

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies.

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 12 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Litisconsórcio (cont.) Litisconsortes

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Escola Paulista de Direito EPD Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito O NOVO CONCEIITO DE SENTENÇA Especialização: Direito Civil e Processual Civil Especializandos: Thiago Martinelli de Vergueiro

Leia mais

(querela nullitatis) Ação de nulidade da sentença. Capítulo X

(querela nullitatis) Ação de nulidade da sentença. Capítulo X Capítulo X Ação de nulidade da sentença (querela nullitatis) A decisão judicial existente pode ser impugnada, basicamente, por dois meios de impugnação: o recurso e a ação rescisória. Esses meios servem

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 4 2 2 Complementação Total Acumulado 08 26 42 60 76 80

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 4 2 2 Complementação Total Acumulado 08 26 42 60 76 80 Intificação Plano Ensino Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Ano/semestre: 2012-01 Carga horária: Total: 80H Semanal: 4H Professor: DANIEL BRIGE Período/turno 3º MAT (A e B) E NOT (A)

Leia mais

A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil. Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com

A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil. Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com Orientadora: Adriana Timóteo dos Santos Zagurski - Professora do departamento de direito

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Civil

Leia mais

PLANO DE CURSO 2010/2

PLANO DE CURSO 2010/2 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PROFESSOR: BRUNO ALBINO RAVARA TURMA: 2º ANO INTEGRAL PLANO DE CURSO

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 24 4º 04 Semanal Semestral 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 24 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D- 24 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Curso DIREITO D- 15 TEORIA GERAL DO PROCESSO(MATRIZ 2008/01) D- 17 TEORIA

Leia mais

TRT Comentário da Prova de Analista

TRT Comentário da Prova de Analista TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9a REGIÃO Direito Processual Civil Glauka Archangelo Pessoal. A prova de processo civil, não trouxe nenhuma surpresa, o edital foi respeitado e não há nenhuma questão passível

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO CURADOR ESPECIAL: INCAPAZ CONFLITO DE INTERESSES ISABEL SE OH (13/0050911) LUÍZA MALHEIRO (13/0032344)

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO CURADOR ESPECIAL: INCAPAZ CONFLITO DE INTERESSES ISABEL SE OH (13/0050911) LUÍZA MALHEIRO (13/0032344) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO CURADOR ESPECIAL: INCAPAZ CONFLITO DE INTERESSES ISABEL SE OH (13/0050911) LUÍZA MALHEIRO (13/0032344) BRASÍLIA, 19 DE OUTUBRO DE 2014. EMENTA Relativa ao

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

Eficácia do novo CPC antes do término do período de vacância da lei 1.

Eficácia do novo CPC antes do término do período de vacância da lei 1. Eficácia do novo CPC antes do término do período de vacância da lei 1. Fredie Didier Jr. Livre-docente (USP), Pós-doutorado (Universidade de Lisboa), Doutor (PUC/SP) e Mestre (UFBA). Professorassociado

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas nos arts 267 e 269 desta Lei.

Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas nos arts 267 e 269 desta Lei. SENTENÇA CÍVEL 1. CONCEITO. Art. 162 parágrafo 1º do CPC Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas nos arts 267 e 269 desta Lei. Redação anterior...é o ato pelo qual o juiz põe

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito das Obrigações

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Civil II SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre. CH total: 72h

DISCIPLINA: Direito Processual Civil II SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre. CH total: 72h DISCIPLINA: Direito Processual Civil II SEMESTRE DE ESTUDO: 6º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR130 1. EMENTA: Direito probatório. Audiência de instrução e julgamento. Antecipação

Leia mais

A nova intervenção de terceiro na ação de alimentos (art. 1.698 do CC-2002).

A nova intervenção de terceiro na ação de alimentos (art. 1.698 do CC-2002). 1 A nova intervenção de terceiro na ação de alimentos (art. 1.698 do CC-2002). Fredie Didier Jr. Mestre (UFBA) e Doutorando (PUC/SP) em Direito. Professor-Coordenador da Pós Graduação em Direito Processual

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito das Obrigações

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece ter-se posicionado

ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece ter-se posicionado A ARBITRAGEM NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (VERSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS DEP. PAULO TEIXEIRA) Fredie Didier Junior * ARBITRAGEM COMO ATIVIDADE JURISDICIONAL ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece

Leia mais

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO TURMA RECURSAL 1ª Relatoria

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO TURMA RECURSAL 1ª Relatoria PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO TURMA RECURSAL 1ª Relatoria PROCESSO N. : 0018616-34.2014.4.01.3600 RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS RECORRIDO

Leia mais

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA.

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. PALESTRA TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. Professor: Dr. Francisco Ferreira Jorge Neto Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Professor Universitário

Leia mais

A apreciação das provas no processo do trabalho

A apreciação das provas no processo do trabalho A apreciação das provas no processo do trabalho Ricardo Damião Areosa* I. Introdução Segundo Aroldo Plínio Gonçalves, processualista mineiro e juiz do trabalho, Nulidade é a conseqüência jurídica prevista

Leia mais

DISCIPLINA: Direito das Obrigações SEMESTRE DE ESTUDO: 4º Semestre

DISCIPLINA: Direito das Obrigações SEMESTRE DE ESTUDO: 4º Semestre DISCIPLINA: Direito das Obrigações SEMESTRE DE ESTUDO: 4º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR120 1. EMENTA: A relação jurídica-obrigacional. Distinção entre as categorias patrimoniais.

Leia mais

Aula 14 de Processo do Trabalho I Sentença. Verbo sentire: o juiz sente o fato e o direito e faz incidir o direito sobre o fato.

Aula 14 de Processo do Trabalho I Sentença. Verbo sentire: o juiz sente o fato e o direito e faz incidir o direito sobre o fato. Aula 14 de Processo do Trabalho I Sentença. Verbo sentire: o juiz sente o fato e o direito e faz incidir o direito sobre o fato. Sentença: momento mais importante do processo - o autor faz sua tese (na

Leia mais

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva

APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva APELAÇÃO SEM REVISÃO Nº 863.771-0/2 Mogi das Cruzes Apelante: Maurício Guina Pires Apelado: Arnaldo Rufino Lopes Parte: Wagner Alves da Silva EMBARGOS À EXECUÇÃO. AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Voto n 0 8.140. Visto, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO - 34ª CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO. Voto n 0 8.140. Visto, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO - 34ª CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N 0 826.031-0/6 São Paulo Apelantes: Ohanes Eivazian Ana Maria Batista Eivazian Apelados: Augusto Domingos Vieira Carvalhais Maria Lúcia Gonçalves Martins Maria Jacinta Vieira Gonçalves

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 883.859 - SC (2006/0195193-5) RECORRENTE : SUPERMERCADO GOMES LTDA - MASSA FALIDA REPR. POR : EDUARDO CÉSAR VIEIRA - SÍNDICO ADVOGADO : EDUARDO CESAR VIEIRA (EM CAUSA PRÓPRIA) RECORRIDO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005.

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005. Doutrina 1. Conceito de ação AÇÃO. CONDIÇÕES DA AÇÃO. PROCESSO. PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS 2. Teorias acerca da natureza jurídica da ação 2.1. Teoria civilista ou imanentista 2.2. Teoria da ação como direito

Leia mais

Parcelamento. Confissão irretratável do débito tributário e o princípio da legalidade tributária.

Parcelamento. Confissão irretratável do débito tributário e o princípio da legalidade tributária. Parcelamento. Confissão irretratável do débito tributário e o princípio da legalidade tributária. Kiyoshi Harada * Sumário: 1 Introdução. 2 A proibição de discutir dívida confessada. 3 A posição da doutrina

Leia mais

Da exceção: tipologia das defesas.

Da exceção: tipologia das defesas. 1 Da exceção: tipologia das defesas. Fredie Didier Jr. Mestre (UFBA) e Doutorando (PUC/SP) em Direito. Professor-Coordenador da Pós Graduação em Direito Processual Civil das Faculdades Jorge Amado/JusPodivm.

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Prática Jurídica I Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO EMENTA Petição inicial. Requisitos.

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Execuções para entrega de coisa, das obrigações de fazer e insolvência civil Sumário Execução para entrega de coisa, características, modalidades e fundamentação legal Execução para entrega de coisa certa:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

O Novo Processo Civil Brasileiro

O Novo Processo Civil Brasileiro FACULDADE 7 DE SETEMBRO CURSO DE DIREITO Grupo de Estudo e Pesquisa O Novo Processo Civil Brasileiro Professor Daniel Gomes de Miranda 20 de janeiro de 2014 SUMÁRIO TEMA... 3 JUSTIFICATIVA... 3 OBJETIVOS...

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUC CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. 3º. Semestre - 2013

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUC CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. 3º. Semestre - 2013 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUC CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL 3º. Semestre - 2013 Profª Márcia Conceição Alves Dinamarco P R O G R A M A 1. Cumulação e concorrência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROCESSO TRT/SP Nº 0001785-11.2011.5.02.0008 RECURSO ORDINÁRIO DA 8ª VT DE SÃO PAULO RECORRENTE : SINTHORESP SIND. EMPREG. HOT. APART. HOTÉIS RECORRIDO : PARKGRILL RESTAURANTE LTDA. - EPP Da r. sentença

Leia mais

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1. ÁREA 5 DIREITO PROCESSUAL CIVIL, I, II, III, IV, V e VI DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Sujeitos do processo. Litisconsórcio. Intervenção de terceiros. Petição inicial. Causa de pedir. Pedido. Citação. Atos

Leia mais

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO AULA 07.1 - INTRODUÇÃO TERMINOLOGIAS NO No processo do trabalho há um dialeto próprio, que define: -O AUTOR como sendo o RECLAMANTE; -O RÉU como sendo do RECLAMADO. 1 2 DO O direito

Leia mais

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição: é o poder de dizer o direito Ação: direto público subjetivo Processo: método de compor litígios Procedimento:

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE ALIMENTOS MOVIDA PELA GENITORA, IDOSA, CONTRA UM DOS FILHOS. OBRIGAÇÃO ALIMENTAR EXCEPCIONALMENTE SOLIDÁRIA, POR FORÇA DO ART. 12 DO ESTATUTO DO IDOSO (LEI 10.741/03). LITISCONSÓRCIO

Leia mais

Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral

Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral José Rogério Cruz e Tucci - Professor Titular da Faculdade de Direito da USP. Ex- Presidente da Comissão de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

Poderes do assistente simples no novo Código de Processo Civil: notas aos arts. 121 e 122 do projeto, na versão da Câmara dos Deputados 1.

Poderes do assistente simples no novo Código de Processo Civil: notas aos arts. 121 e 122 do projeto, na versão da Câmara dos Deputados 1. Poderes do assistente simples no novo Código de Processo Civil: notas aos arts. 121 e 122 do projeto, na versão da Câmara dos Deputados 1. Fredie Didier Jr. Livre-docente (USP), Pós-doutorado (Universidade

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho \,, *.. _ ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL n g- 001.2005.017735-9/001 Comarca de Campina Grande RELATOR : Des. Genésio

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070630010993/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RECORRIDA : MARIA APARECIDA FERNANDES DE OLIVEIRA V O T

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINA: NPJ I NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA I Jurisdição Civil Especial de 1ª Instância PERÍODO: SEMESTRE Noturno/Matutino DEPARTAMENTO:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINA: NPJ II NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA II FAMÍLIA - 1ª Instância (3 Créditos) (Grade 2008) PERÍODO: 6 SEMESTRE Noturno/Matutino

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL III 5º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Concepção histórica dos contratos: do início dos tempos até os dias atuais. Visão estrutural do contrato. Princípios fundamentais do

Leia mais

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Sumário I- Introdução II- III- Introdução Fundamentação da tese Conclusão Epaminondas

Leia mais

Ação Monitória. Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1

Ação Monitória. Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1 16 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 10 Curso: Processo Civil - Procedimentos Especiais Ação Monitória Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1 A ação monitória foi introduzida no CPC no final do título

Leia mais

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP

PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP. ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP PRECLUSÃO RECURSO ESPECIAL n. 1.320.969/SP ESTOPPEL SPECIAL APPEAL n. 1.320.969/SP * Marcel Brasil de Souza 1 Introdução No presente artigo, busca-se discutir o acórdão proferido pela Terceira Turma do

Leia mais

Julio Cesar Brandão. I - Introdução

Julio Cesar Brandão. I - Introdução DOAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A DOAÇÃO E AS CLÁUSULAS RESTRITIVAS DE INCOMUNICABILIDADE, INALIENABILIDADE E IMPENHORABILIDADE À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL Julio Cesar Brandão SUMÁRIO: I - Introdução.

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Anne Karoline ÁVILA 1 RESUMO: A autora visa no presente trabalho analisar o instituto da consignação em pagamento e sua eficácia. Desta

Leia mais

QUANTO AO SEU VÍNCULO

QUANTO AO SEU VÍNCULO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO GUSTAVO GUSMÃO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO 1. INTRODUÇÃO Dentre as diferentes modalidades das obrigações, encontramos as obrigações atinentes ao vínculo que liga seus

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016

Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 Insolvência e restruturação de empresas - Maria do Rosário Epifânio 2015/2016 I. Introdução 1. A crise da empresa 2. Mecanismos contratuais e legais 3. Recuperação extrajudicial, judicial e híbrida II.

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito.

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito. Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito. Nathália Pereira Menezes Rio de Janeiro 2014 NATHÁLIA PEREIRA

Leia mais

Mitigação da coisa julgada. no processo coletivo

Mitigação da coisa julgada. no processo coletivo Mitigação da coisa julgada no processo coletivo Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Membro aposentado do Ministério Público de São Paulo Como sabemos, a coisa julgada destina-se a garantir

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 699.549-0/0 SÃO PAULO Agravante: Sociedade de Cultura Franciscana Agravadas: CHR Construtora e Comercial Ltda. Portifólio Participações e Empreendimentos Ltda. Agropecuária Rio

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Arnaldo de A. Machado Júnior, advogado, especialista em direito processual civil pela

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 27-02-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Alice, domiciliada

Leia mais

AN 01 IT 013 PQ 03 Plano de Ensino Rev. 01. 27/07/2015 Página 1 de 5. Período 8º PERÍODO

AN 01 IT 013 PQ 03 Plano de Ensino Rev. 01. 27/07/2015 Página 1 de 5. Período 8º PERÍODO 27/07/2015 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL Disciplina PRÁTICA FORENSE CIVIL I Código 140 Curso Graduação Período 8º PERÍODO Turmas A, B e D Carga horária 77 horas-aula 64 horas-relógio

Leia mais

POSSIBILIDADE DO RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO PELO JUIZ NO PROCESSO CIVIL (ART. 219, 5º DO CPC)

POSSIBILIDADE DO RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO PELO JUIZ NO PROCESSO CIVIL (ART. 219, 5º DO CPC) POSSIBILIDADE DO RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO PELO JUIZ NO PROCESSO CIVIL (ART. 219, 5º DO CPC) Patrícia Cunha B. de Carvalho SUMÁRIO: 1. A prescrição no Código Civil. 2. O advento do art. 219,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Espera-se que o(a) examinando(a) elabore ação revocatória, com fulcro no art. 130 e ss. da Lei n. o 11.101/2005: São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores,

Leia mais

ACÓRDÃO. 3.ª Câmara Cível Apelação Cível n.º 17841/06 Relator: Des. LUIZ FERNANDO RIBEIRO DE CARVALHO

ACÓRDÃO. 3.ª Câmara Cível Apelação Cível n.º 17841/06 Relator: Des. LUIZ FERNANDO RIBEIRO DE CARVALHO ACÓRDÃO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. REQUERIMENTO DE CUMPRIMENTO DE TESTAMENTO PÚBLICO. EXISTÊNCIA DE POSTERIOR TESTAMENTO PARTICULAR. SENTENÇA DE EXTINÇÃO DO FEITO, SOB O FUNDAMENTO DE QUE O ATO DE ÚLTIMA

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-40 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-40 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-40 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60

Leia mais

TÍTULO: QUERELA NULLITATIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

TÍTULO: QUERELA NULLITATIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO TÍTULO: QUERELA NULLITATIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO AUTOR(ES): ANA CAROLINA GUINATO BENITES, PAULA SILVEIRA

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Código JUR 1020 Carga horária

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Competência em razão do objeto Competência territorial Competência de

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/02 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV EXECUÇÃO CIVIL PROFESSOR: LUIZ GUSTAVO TARDIN

Leia mais

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 78/2015 Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 13 de Janeiro de 2016 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou

Leia mais

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa Bacharelanda em Direito pela UEFS (Universidade Estadual

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 22290/2010 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL WANIA APARECIDA OLIVEIRA BRAGA - ME APELADO: BANCO ITAÚ S. A.

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 22290/2010 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL WANIA APARECIDA OLIVEIRA BRAGA - ME APELADO: BANCO ITAÚ S. A. APELANTE: WANIA APARECIDA OLIVEIRA BRAGA - ME APELADO: BANCO ITAÚ S. A. Número do Protocolo: 22290/2010 Data de Julgamento: 9-6-2010 EMENTA APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DECLARATÓRIA - CONSIGNAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 777.906 - BA (2005/0144695-7) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO JOSÉ DELGADO : ADALTRO FERRERA DE SOUZA : YOLANDA SANTOS DE SANTANA E OUTROS : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF :

Leia mais

COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA I INTRODUÇÃO.

COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA I INTRODUÇÃO. COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA Autor: Fowler R. P. Cunha I INTRODUÇÃO. Iremos discutir no presente estudo, da melhor forma possível, o que faz coisa e se há coisa julgada na Sentença transitada em Julgado

Leia mais

INTENSIVO REGULAR ROTATIVO Disciplina: Direito Processual Civil Aula 4 Professor: Fredie Didier Jr. Data: 20.08.2007 ÍNDICE

INTENSIVO REGULAR ROTATIVO Disciplina: Direito Processual Civil Aula 4 Professor: Fredie Didier Jr. Data: 20.08.2007 ÍNDICE ÍNDICE 1 Notas feitas pelo Professor: p.01 2 Julgados sobre Conexão e Competência: p.02 3 Indicação de leitura: p.05 1 - Notas feitas pelo Professor: Fonte: www.frediedidier.com.br Distinção entre a alegação

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELANTES J.B. D.S. e OUTRA APELADO J. F. A. S. RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER CÂMARA 4ª CÍVEL RELATÓRIO J. B. D. S. e sua esposa, qualificados

Leia mais

Dados básicos. Ementa: Íntegra

Dados básicos. Ementa: Íntegra Dados básicos Acórdão TJSP Fonte: 0008410-52.2009.8.26.0642 Julgamento: 26/07/2011 Aprovação: Não Disponível Publicação: 27/07/2011 Estado: São Paulo Cidade: Ubatuba Relator: Beretta da Silveira Legislação:

Leia mais

A criação de um novo Código de Processo Civil e a busca pela celeridade e efetividade na prestação da justiça

A criação de um novo Código de Processo Civil e a busca pela celeridade e efetividade na prestação da justiça A criação de um novo Código de Processo Civil e a busca pela celeridade e efetividade na prestação da justiça Thalisson de Albuquerque Campos* O Presidente do Senado Federal José Sarney instituiu, através

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC.

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 929977-6, DO FORO REGIONAL DE FAZENDA RIO GRANDE DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : ROBERTO GOMES DA SILVA AGRAVADO : BANCO SANTANDER

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com Derecho y Cambio Social AS CONDIÇÕES DA AÇÃO E A ANÁLISE DE MÉRITO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Gilberto Fachetti Silvestre 1 Guilherme Fernandes de Oliveira 2 Rafael Francisco Simões Cabral 3 Fecha de

Leia mais