Atravessando a Tempestade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atravessando a Tempestade"

Transcrição

1 América Latina Global Research Atravessando a Tempestade Ações da América Latina em 2012 Nosso cenário básico para 2012 é que o crescimento irá desacelerar, mas que as incertezas políticas no mundo significam que os riscos, tanto alta de como de baixa, são grandes. A equipe de estratégia do HSBC e os analistas da indústria desenvolveram quatro temas, os quais prevemos que irão motivar o desempenho relativo das aões. (1) resiliência dos lucros, (2) crescimento estrutural, (3) força do balanço e (4) anomalias de preços. Identificamos as empresas que estão em posição para se beneficiar, e também as que correm risco.

2 Idéias de ações para exemplificar os principais temas para 2012 Vencedores Setor Comentário Resiliência dos lucros AES Tietê Serviços Públicos (Brasil) Totalmente contratada até 2015, margens altas, dividend yield elevado Multiplan Shopping Centers (Brasil) Exposição diversificada ao varejo, cerca de 80% da receita provém de alugueis Crescimento estrutural Brasil Foods Alimentos & Bebidas (Brasil) Vant competitiva global em custos, aquisição de ativos de distrib e marcas em outros mercados emergentes. Cielo, Redecard Inst. Financeiras (Brasil) Mudanças seculares no comportamento do consumidor penetração de cartões e subst do pgto com papel pelo eletrônico. Odontoprev Saúde (Brasil) Acesso sem paralelos ao canal de distribuição para PMEs e pessoas físicas. Inovação de produtos e histórico comprovado de execução Força do balanço AmBev Alimentos & Bebidas (Brasil) Balanço muito forte, expectativa de aumento de 10% no EBITDA em Cielo Inst. Financeiras (Brasil) Sem alavancagem financeira, em um segmento extremamente lucrativo, com margens altas. Brasil Brokers Setor Imobiliário (Brasil) Caixa líq positivo no 2T11, poucas necessidades de capital para conduzir as op, modelo de neg escalonável. Brasil Foods Alimentos & Bebidas (Brasil) A caminho de se registrar caixa positivo em Odontoprev Saúde (Brasil) Forte crescimento não requer capital de giro. Anomalias de preços Itau Unibanco, Bradesco Inst. Financeiras (Brasil) Avaliações foram as mais afetadas durante a crise de Em termos do P/VP, os bancos não estão tão longe dos pisos de 2008/09. Copel Serviços Públicos (Brasil) Negociada abaixo do valor patrimonial e bem próxima a seu piso em cinco anos. Em risco Resiliência dos lucros Lojas Marisa, B2W, Magazine Luiza Varejo (Brasil) Se o consumo não tiver uma rápida recuperação no Brasil, as empresas de varejo (especialmente as mais expostas a produtos sensíveis ao crédito) podem ter que enfrentar um aumento nos estoques e revisar para baixo seus planos de crescimento. Crescimento estrutural Força do balanço Lupatech Serviços de petróleo (Brasil) Bastante alavancada e depende demais de um único comprador. JBS, Marfrig Alimentos & Bebidas (Brasil) Níveis relativamente altos de dívida em um setor com margens baixas e um grande componente cíclico. Gafisa Construtoras (Brasil) Alta alavancagem, passando por reestruturação de suas operações. Fonte: HSBC 2

3 Fat Tail nas duas extremidades da curva Os mercados de ações serão reféns de desdobramentos políticos em 2012 Provavelmente, os mercados irão oscilar entre esperança e desespero Identificamos quatro temas, os quais acreditamos que irão motivar o desempenho relativo das ações e selecionamos vencedores e perdedores Alexandre Gartner Juan Carlos Mateos, CFA Garry Evans A neblina macroeconômica é a mais densa que conseguimos recordar, com os mercados de ações reféns de decisões políticas. Neste relatório, incluímos um pequeno resumo de nossa perspectiva para a macroeconomia global (para uma versão completa, consultar Riding out the storm: Global Equities in 2012, de dezembro de 2011) e resumimos os quatro temas que acreditamos que irão ajudar os investidores a atravessar esse período de incerteza. Os temas são: resiliência dos lucros, crescimento estrutural, força do balanço e anomalias de preços. Economia A economia global ficará refém das medidas dos políticos, e enfrentará seus próprios ventos contrários trazidos pela redução na alavancagem. Os economistas do HSBC não preveem uma recessão em suas projeções atuais são de crescimento real de 1,8% no PIB nos EUA e de 0,6% na zona do euro mas há riscos de baixa se o caos político assustar os consumidores e os responsáveis pelo processo decisório das empresas, levando-os a adiar decisões de gastos. Os dados da economia americana começaram a superar as expectativas (indiscutivelmente baixas) desde o último verão (ver gráfico à direita). Uma ampla gama de indicadores desde o ISM do segmento de fabricação até as vendas do varejo mostrou recuperação recentemente. Mas o quanto isso pode durar? O que mais preocupa os investidores é que a recuperação no consumo vem de uma queda no índice de poupanças e, portanto, é provável que não seja sustentável. Enquanto isso, na zona do euro, o crescimento, mesmo nas principais economias, como Alemanha e França, começou a surpreender negativamente, depois de um momento forte e, na opinião de nossos economistas, as economias mais periféricas, como Itália e Espanha já estão em recessão. Ao mesmo tempo, há sinais de que o crescimento na China está também começando a desacelerar 3

4 um pouco. Nas últimas semanas, os números mensais de vendas de empresas como lojas de departamentos e fabricantes de veículos pioraram visivelmente. Surpresas econômicas positivas nos EUA, negativas na Euroipa HSBC surprise index Fonte: HSBC, Bloomberg Eurozone (Germany and France) A desaceleração do crescimento na China pode não ser desastrosa, porém, desde que seja acompanhada por uma redução na inflação (e, de fato, o CPI caiu para 5,5% A/A em outubro, abaixo do pico de 6,5% registrado em julho), pois isso significa que as autoridades podem começar a afrouxar a política ainda mais, após o corte de 50 pontos-base no índice obrigatório de reservas (required reserve ratio RRR, no original em inglês), no final de novembro. Política O problema é que, como observou o economista Paul Krugman, em um diagrama de Venn, a categoria de "Coisas que são consideradas politicamente viáveis" na Europa não se sobrepõe à de "Coisas que podem realmente funcionar". Ao final, acreditamos que a Alemanha terá que abrir mão de suas objeções ou estar preparada para deixar o projeto Euro. Porém, será necessário acontecer uma crise antes que ela ceda. Com Є1,2 trilhão de dívida do governo da zona do euro a serem refinanciados em 2012, mais aumentos nas taxas de juros do mercado para esses títulos podem facilmente desencadear essa crise. US Lucros Os analistas começaram a refletir as preocupações acerca do crescimento econômico global em suas projeções de lucros, mas questionamos se suas medidas foram suficientes. Índices de revisão nos lucros, MSCI GEM e DM EMW Fonte: HSBC, Thomson Reuters Datastream Dev W Certamente, o índice de revisões caiu bem abaixo de 50% nos últimos seis meses (ver gráfico acima) e chegou a mostrar sinais de recuperação em novembro. É verdade que, da mesma forma que aconteceu no início de 2009, quando o índice de revisões chega ao ponto mais baixo, isso frequentemente representa um indicador positivo importante para os mercados. Contudo, o que nos preocupa é que o grau de revisões para baixo não tenha tido magnitude suficiente e que os analistas ainda projetem um crescimento saudável para todas as regiões em Avaliações As avaliações nos mercados globais estão baratas pelos padrões históricos. Embora isso possa não ser de muita ajuda no curto prazo se o cenário mais desastroso se impuser, isso deve significar que, para investidores com olhos no longo prazo, as ações oferecem um retorno razoável, e, quase com certeza, retorno do caixa superior a zero. 4

5 Anteriormente, afirmamos que, em uma recessão, o preço/valor patrimonial é um indicador mais confiável. É importante observar que ainda não projetamos uma recessão, mas vale a pena verificar a mensagem transmitida por esse indicador (ver tabela abaixo). O Japão está próximo a um piso recorde de P/VP em 0,9x (com dados desde 1974), e a Europa, sem Reino Unido, está apenas 16% acima do piso registrado em março de % acima dele, excluindo instituições financeiras - embora ainda muito acima do nível que chegou em 1982, quando atingiu 0,74. Porém, o P/VP americano ainda está 28% acima do ponto em que estava em março de 2009 e os mercados emergentes estão 41% acima. Índice P/VP, índices MSCI P/VP Piso hoje 2008/09 Difer. Recorde de baixa Difer. Dados desde Japão 0,92 0,90-3% 0,90-3% Dez-74 Europa sem RU 1,28 1,07-16% 0,74-42% Dez-74 Europa 1,37 1,11-19% 0,77-44% Dez-74 MD 1,60 1,24-23% 1,01-37% Dez-74 EUA 2,03 1,46-28% 0,98-52% Dez-74 Ásia, sem Japão 1,58 1,12-29% 1,12-29% Nov-95 ME 1,58 0,93-41% 0,93-41% Set-95 Fonte: HSBC, Thomson Reuters Datastream Nesse ambiente, vemos uma contínua volatilidade nos mercados de ações, presos dentro de uma faixa de negociação. Provavelmente, eles terão queda a cada vez que os problemas de financiamento soberano na Europa ressurgirem, e sempre que acontecerem questionamentos sobre s sustentabilidade do crescimento econômico. Mas serão amortecidos por suas avaliações baixas e pelas esperanças de uma resposta política ao problema da dívida da zona do euro e de afrouxamento pelo banco central o Fed, pelo menos, indicou claramente que reabrirá o afrouxamento quantitativo se o crescimento desacelerar. Temas para as ações em Resiliência dos lucros Auto-ajuda e imunidade cíclica Com os resultados do 3T11 já divulgados e considerando a rápida aproximação de 2012, os analistas terão que analisar mais de perto suas estimativas para o próximo ano. Gostaríamos de investir nas empresas em que a probabilidade de rebaixamentos dos lucros pareça inferior. Diversos fatores podem ajudar que isso se concretize. O mais óbvio seria o de setores mais defensivos, como serviços públicos, nos quais os preços, demanda e custos são bastante estáveis e previsíveis. Contudo, existe também o potencial para "autoajuda" empresas que estão passando por processos de reestruturação e/ou têm escopo de credibilidade para reduzir custos. Isso ajudará a sustentar as margens, mesmo se a receita desacelerar. No Brasil, uma das principais ameaças para o crescimento dos lucros no curto prazo (próximos nove a 12 meses) é a exposição a produtos de consumo discricionários e itens de alto preço (que dependem da disponibilidade de crédito). Esses setores podem enfrentar uma onda de rebaixamentos dos lucros se o consumo não mostrar uma rápida recuperação ante a queda observada no 3T11. Não acreditamos que o consumo irá se recuperar rapidamente, considerando os orçamentos apertados das famílias e o aumento na alavancagem do consumidor (ver seção "Estratégia de Ações do Brasil" para mais detalhes). Teríamos cautela com empresas como Lojas Marisa, B2W e Magazine Luiza. Contudo, ações políticas têm grande importância. Medidas como as anunciadas em 1º de dezembro, que melhoram as condições de crédito e reduzem a carga tributária limitam o risco de baixa para essas empresas. 5

6 Destacamos no Brasil estas duas ações: AES Tietê, que está totalmente contratada até 2015 em termos de volumes e preços de vendas. A empresa também tem margens muito altas, o que ajuda a minimizar as pressões de custos. Multiplan, que tem uma base de receitas diversificada, com cerca de 80% provenientes da receita de aluguel de lojas (com reajuste anual pela inflação). 2. Crescimento estrutural Vencedores no longo prazo Empresas que possam apresentar crescimento durante períodos de turbulência receberão dos investidores um valor diferenciado, em nossa opinião. O crescimento potencial tem diversos drivers possíveis, alguns dos quais provavelmente serão mais atingíveis que outros em momentos de volatilidade. Gostamos das histórias de crescimento baseadas em mudanças nos fundamentos da estrutura da indústria, que criem vantagens competitivas para uma determinada empresa. Mudanças desse tipo devem abrir espaço para crescimento sobre a demanda existente, ajudando a proteger as empresas do enfraquecimentno do crescimento econômico. No lado oposto, teríamos as empresas que são excessivamente dependentes do crescimento do mercado para expandir suas operações. Assim, daríamos preferência a empresas que estão crescendo por meio de expansão geográfica às que estão aumentando a capacidade nos mesmos mercados. Outro ângulo importante de crescimento durante períodos turbulentos são as atividades de F&A. Empresas com balanços sólidos provavelmente encontrão alvos de aquisição considerados pechinchas ou terão a oportunidade de conseguir acordos com um alvo que seria improvável durante períodos de crescimento. No Brasil, destacamos os seguintes exemplos: A Brasil Foods provavelmente irá tirar proveito de seu balaço forte pós-fusão (esperamos que a empresa passe a posição de caixa líquida positiva em 2012) para adquirir marcas e ativos de distribuição em mercados emergentes, aumentando sua presença internacional. Cielo e Redecard, que irão se beneficiar das mudanças estruturais seculares no comportamento do consumidor, como o aumento na peneforça de cartões de crédito e a substituição do pagamento com papel pelo eletrônico. OdontoPrev, que tem uma oportunidade de crescimento de vários anos, motivada por seu acesso sem paralelos às PMEs e pessoas físicas por meio das agências do Bradesco e do Banco do Brasil. A inovação de produtos e a capacidade superior de execução devem ajudar a empresa a levar a cabo essa estratégia. 3. Força do balanço Empresas que se sustentam em suas próprias pernas A possibilidade de uma crise de crédito infelizmente é real em 2012, mais acentuada na Europa. Mas se isso acontecer, é provável que suas consequências sejam sentidas em outras regiões e a América Latina não estaria imune. Como referência, durante a crise de crédito em , existiram diversos canais de contágio para a América Latina, como o fechamento do mercado offshore de títulos corporativos e o desaparecimento das linhas de financiamento ao comércio exterior. As empresas que tiverem uma posição de caixa sólida e no rumo certo para cumprir confortavelmente as dívidas a vencer em 2012 tenderiam a enfrentar melhor a adversidade, se ela acontecer. No lado oposto, teríamos cuidado com 6

7 empresas com alta alavancagem e vencimentos de grandes dívidas nos próximos anos. No Brasil, destacamos os seguintes nomes: Ambev, com forte posição financeira e crescimento de 10% no EBITDA em Cielo, que não tem alavancagem financeira em um mercado resiliente, de margem alta. Brasil Brokers, com posição de caixa livre positiva, necessidades mínimas de caixa para conduzir suas operações e um modelo de negócios muito escalonável. cinco anos. Itaú e Bradesco são negociados a um P/VP próximo a 2,2x (o ponto mais baixo foi 1,6x). O Banco do Brasil vem perto desses dois, mas parece ligeiramente mais caro em termos históricos. A Copel é outra história que destacamos, pois está ainda negociada abaixo de seu valor patrimonial e relativamente mais próxima aos múltiplos mais baixos em cinco anos do que a maior parte das demais ações brasileiras. Brasil Brokers e OdontoPrev, mencionadas na seção de crescimento estrutural acima, também se encaixam no critério de balanço. Os riscos no Brasil se aplicariam a empresas que são bastante alavancadas, como Lupatech, JBS, Marfrig e Gafisa 4. Anomalias de preços Apostas em valor As avaliações caíram um pouco em O índice brasileiro teve queda de aproximadamente 28% até agora, ao passo que o mexicano caiu em torno de 17%. O Brasil parece relativamente mais barato que o México ao se comparar os países a seus respectivos níveis históricos. O Brasil é hoje negociado a um P/VP de 1,4x (ante 1,13x nos pisos de 2008), ao passo que o México está agora a um P/VP de 2,57x (ante 1,6x nos pisos de 2008). Isso coloca o Brasil a uma diferença de 19% para seu ponto mais baixo, em comparação a 9% na Europa sem Reino Unido e 17% na Europa. As ações podem continuar em preços baixos por um longo tempo, mas é importante analisar qualquer distorção relevante. No Brasil, os bancos são negociados a P/Ls e P/VPs relativamente baratos em comparação a seus níveis mais baixos registrados nos últimos 7

8 Estratégia de ações - América Latina Brasil e México ainda oferecem oportunidades de investimento, apesar do overhang de uma desaceleração econômica global e incertezas O Brasil está em melhor posição para uma recuperação. Estamos menos pessimistas a respeito de empresas ligadas ao consumo domésticos depois das últimas medidas políticas O México está em melhor posição caso a volatilidade global persista. Damos preferência a empresas orientadas ao mercado doméstico Alexandre Gartner Juan Carlos Mateos, CFA Ações da América Latina em 2012 O ano de 2011 tem sido desafiador para os mercados de ações da América Latina. O índice brasileiro registrou queda de aproximadamente 23% no acumulado do ano, enquanto o mexicano caiu cerca de 14%. Esse número compara-se a um S&P estável e quedas na faixa em torno dos 15% para a maioria dos mercados europeus. Apesar das muitas perguntas que ainda pairam sobre a perspectiva para 2012, vemos oportunidades nos maiores mercados de ações latinoamericanos. O Brasil parece estar em melhor posição para uma recuperação caso as perspectivas de crescimento global melhorem, em nossa opinião. Os principais drivers de uma recuperação seriam uma melhoria na Europa, resiliência na China e as medidas de estímulo adotadas pelo governo. O México está em melhor posição caso o cenário volátil persista, em nossa opinião, desde que a economia americana não vacile. Ações vencedoras Na seção "Fat Tail nas duas extremidades da curva" deste relatório, identificamos quatro temas globais que serão importantes para a escolha de ações em As vencedoras serão as empresas que têm algumas ou todas as seguintes características: resiliência dos lucros, potencial de crescimento estrutural, força do balanço e avaliações atrativas. Identificamos empresas brasileiras e mexicanas que esperamos que sejam beneficiadas por essas tendências em

9 O Brasil em resumo No Brasil, o consumidor recuou em 2011 e o ritmo de crescimento da economia diminuiu. A resposta política para dar sustentação aos gastos tem sido rápida. As medidas anunciadas aumentaram o risco de mantermos a classificação de underweight em setores motivados pelo consumo, e passamos a adotar uma postura um pouco mais positiva sobre as empresas expostas aos consumidores brasileiros. A expectativa do HSBC de um pouso suave na China é favorável para os exportadores de commodities, um setor que continuamos a favorecer (ver seção "Estratégia de ações Brasil" deste relatório). O México em resumo No México, o consumo doméstico permaneceu forte em 2011, e damos preferência a empresas orientadas ao mercado doméstico. Os fortes fundamentos do país devem propiciar resiliência econômica em meio à crise global. Em 2012, o HSBC espera que o PIB cresça 3,4% e o consumo 5,1% (ver seção "Estratégia de ações - México" deste relatório). Cenário de avaliação: Brasil x México Em condições voláteis de mercado, as avaliações tendem a ser um driver de mercado menos importante do que o fluxo de notícias no curto prazo. Porém, num horizonte mais distante, as avaliações desempenham efetivamente um papel relevante. A comparação dos preços atuais das ações com o ponto em que estavam depois da crise de 2008 pode oferecer uma percepção interessante a respeito de como as "más notícias" já foram precificadas no mercado, ao entrarmos em Nossa análise mostra que o México parece mais caro que o Brasil em relação às avaliações da crise de Porém, as estimativas de crescimento no México parecem mais realistas que as do Brasil, pois foram revisadas para baixo de forma mais acentuada nos últimos nove meses: -44% x -23%. Essas revisões parecem estar em linha com as projeções dos economistas do HSBC, de que os dois países crescerão menos em 2012 do que se esperava anteriormente. No caso do Brasil, revisamos recentemente nossa estimativa de crescimento do PIB em 2012, passando de 4% para 3,7%; para o México, nossa projeção atual é de 3,4%, contra 3,9% antes. Ao analisarmos o índice preço/valor patrimonial, o México está acima dos pisos de 2009, ao passo que o Brasil está em níveis muito mais próximos. Brasil próximo ao piso em termos do P/VP MSCI Brazil MSCI Mexico Jan-03 Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Fonte: Bloomberg, HSBC O Brasil é negociado a um P/VP de 1,4x, o que coloca o piso de 1,13x a apenas 19% abaixo dos níveis atuais. A título de comparação, esse é aproximadamente o mesmo nível observado em mercados desenvolvidos como um todo e a Europa. Por outro lado, o México está agora a um P/VP de 2,57x, em comparação a seu nível mais baixo, de 1,6x registrado em 2009 (uma diferença de 38%). É importante observar que, no caso do Brasil, houve recentemente uma migração da metodologia contábil BR GAAP para os padrões IFRS, o que, em alguns casos, teve impacto no valor patrimonial, dificultando as comparações. Se considerarmos o índice P/L de 12 meses à frente, o Brasil também parece relativamente mais 9

10 barato que o México, mas de forma alguma tão próximo aos pisos de 2008, como parece estar ao usarmos o P/VP. P/L de 12 meses à frente mostra México muito caro Crescimento do LPA: Mais ajustes feitos no Mexico que no Brasil MSCI Mexico MSCI Brazil 17 MSCI Brazil MSCI Mexico (10) 11 (20) 9 (30) Nov- 01 Nov- 02 Nov- 03 Nov- 04 Nov- 05 Nov- 06 Nov- 07 Nov- 08 Nov- 09 Nov- 10 Nov Jan-07 Jun-07 Dec-07 Jun-08 Dec-08 Jun-09 Dec-09 Jun-10 Dec-10 Jun-11 Fonte: Thomson Datastream, HSBC Fonte: Thomson Datastream, HSBC O truque para se analisar os índices de P/L à frente é reconhecer em que ponto os analistas estão em termos de suas expectativas de lucros. Desse ângulo, os analistas recentemente fizeram ajustes mais fortes em seus números para o México, possivelmente devido ao fato de a economia mexicana ser muito mais aberta que a brasileira e mais dependente dos EUA. No Brasil, os analistas têm relutado mais em revisar suas estimativas para baixo, uma atitude que acreditamos representar um risco de baixa relevante daqui para frente. Observamos que, desde abril de 2011, quase não houve mudança nas estimativas de lucros, o que é preocupante considerando a fraca temporada de divulgação de resultados do 2T11 e os números mornos do 3T11 que acabam de ser divulgados. Contudo, no Brasil, as estimativas para ações de commodities, que têm um grande peso no índice,m já são bastante conservadoras. Assim, o corte esperado nas estimativas de lucros de empresas orientadas ao mercado doméstico pode ter impacto limitado sobre as projeções de lucros do índice completo. 10

11 Estratégia de Ações - Brasil Esperamos um início lento em 2012, à medida que o consumidor da classe média emergente faça uma pausa; o crescimento deve acelerar no segundo semestre Damos preferência às empresas com resiliência nos lucros e potencial para cortes de custos e também a produtores de commodities O consumo das famílias pode ter um impulso de curto prazo causado pelas medidas do governo; uma recuperação sustentável depende da inflação e da alavancagem Alexandre Gartner* Francisco Machado* Crescimento global e gastos no mercado doméstico são chaves em 2012 Esperamos que 2012 seja um ano desafiador para o Brasil. O fraco cenário econômico global e a aversão ao risco por parte de investidores internacionais contribuíram para quedas nas ações brasileiras em Entretanto, têm surgido fatores domésticos com impacto sobre o mercado, principalmente o aumento na inflação e a queda no consumo das famílias. O governo brasileiro teve uma forte reação á possibilidade de o PIB de 2012 permanecer em torno de 3%, reduzindo as taxas de juros e anunciando medidas de afrouxamento no crédito e em impostos. Elas devem ajudar o consumo no curto prazo. Se isso será ou não sustentável depende do apetite dos bancos para aumentar as concessões de empréstimos, uma vez que os consumidores têm mostrado sinais de estarem mais alavancados do que há um ano, e a renda disponível foi corroída pela inflação. A alavancagem aumentou para 42,2% da renda familiar, ante 32,2% desde a crise de 2008 (ver abaixo). Os economistas do HSBC esperam uma recuperação no crescimento do PIB brfasileiro (para 3,7% em 2012 ante 3% em 2011), com um primeiro semestre fraco e aceleração no segundo. Esperamos que a aceleração do crescimento no segundo semestre seja motivada pelos cortes recentes na taxa de juros (esperamos que a taxa Selic atinja 9,0% em meados de 2012), a reversão das medidas macroprudenciais que restringiram o crédito e gastos adicionais do governo (principalmente em projetos de infraestrutura). 11

12 Setores cíclicos domésticos em destaque Para as empresas que operam em setores cíclicos domésticos consumo, varejo, construtoras, instituições financeiras, saúde e educação os primeiros meses do ano exigirão ajustes para um ambiente de crescimento inferior que começou a se mostrar no 3T11. Isso significa administrar níveis de estoques excessivos e, possivelmente, revisar para baixo os planos de crescimento, à medida que a geração de caixa esperada diminua, e que aumente o período de pagar os projetos de expansão. O governo deixou claro que usará todas as ferramentas políticas que tem para reverter a desaceleração no consumo iniciada nos últimos meses. Até agora, as medidas adotadas tiveram impacto apenas em uma pequena parcela dos setores relacionados ao consumidor (principalmente produtos da linha branca). Contudo, é provável que venham medidas mais abrangentes. Em consequência dessas medidas políticas agressivas, adotamos uma atitude mais positiva em relação a esses setores. Se as políticas do governo forem eficazes, eles podem ter uma forte recuperação. Resiliência dos lucros ainda é vital Nossas apostas preferidas continuam a ser empresas com forte resiliência nos lucros, alicerçadas por oportunidades claras de cortes de custos, bem como as que tenham uma franquia forte, sustentada por vantagens competitivas. Como mencionamos nas seções anteriores deste relatório, destacamos AES Tietê, Multiplan, Brasil Foods, OdontoPrev e Cielo. Valor em produtores de commodities Aparentemente, os produtores de commodities ficaram mais atrativos em comparação aos setores cíclicos domésticos nos últimos meses. Porém, as medidas agressivas de estímulo ao consumo adotadas pelo governo brasileiro muda um pouco essa perspectiva. Ainda favorecemos posições em commodities pois esperamos que elas sejam beneficiadas por uma melhor perspectiva para a China (a opinião do HSBC, destoante do consenso, é de um pouso suave na China; ver relatório de 1º de dezembro, China in 2012). Além disso, as expectativas de crescimento dos lucros para os produtores de commodities são baixas, e diversos investidores estão em posição de Underweight no setor, a nosso ver. Os produtores de commodities com foco em exportar para mercados emergentes devem tirar proveito de exposição a essa região e do Real mais fraco. A Brasil Foods e a Vale são bons exemplos de empresas beneficiadas por essas tendências. Recuperação de 2012 x 2009: Mais difícil desta vez O Banco Central do Brasil (BCB) vem adotando medidas para acelerar o crescimento, a saber, cortes nas taxas de juros e afronxamento das condições de crédito. Acreditamos, porém, que o impacto dessas medidas será mais limitado desta vez, em comparação à rápida reação da economia doméstica após a crise de Como pode ser visto na tabela abaixo, há menos espaço para manobra desta vez, e esperamos que uma nova rodada de estímulos traga resultados menos favoráveis. Com relação ao final de 2008, existe agora menos folga nos mercados de trabalho, a inflação está mais alta (especialmente excluindo alimentos), e os níveis de endividamento e ônus das famílias são maiores. A inflação ao consumidor (CPI), excluindo alimentos, era de 4,4% em setembro de 2009, em comparação ao último número divulgado, de 6,5%. Pode haver mais dificuldade para se conseguir ganhos salariais reais em 2012, considerando o que já foi obtido nos últimos anos. 12

13 Condições macroeconômicas piores no início, considerando o menor espaço para manobra Variáveis macroeconômicas Set/08 Últimos dados de 2011 Inflação (IPCA) 6,3 7,0 IPCA (excl. alimentos, %) 4,4 6,5 Desemprego 7,7 5,8 Endividamento (% da renda) 32,2 42,2 Ônus da dívida (% da renda) 18,3 22,2 Fonte: HSBC, IBGE, BCB Além disso, não está claro qual será o apetite dos bancos em um momento em que os consumidores estão apertando os cintos. Isto posto, como em 2009, os bancos estatais podem assumir a frente em acelerar o crédito. Consumidores da classe média, inflação e alavancagem Provavelmente, a maior surpresa para os investidores recentemente foi a súbita desaceleração no apetite do consumidor observada no 3T11. Mesmo com o governo adotando medidas agressivas de estímulo para contra-atacar essa desaceleração, é de vital importância entender, em primeiro lugar, porque os consumidores desaceleraram, para depois avaliar que tipo de recuperação podemos ter à frente. Atribuímos a desaceleração de 2011 ao fato de o aumento da inflação ter consumido os ganhos salariais reais e ao impacto da alavancagem adicional. mercado de trabalho; ver tabela abaixo). Em nossa opinião, esta combinação foi forte o suficiente para refrear o apetite do consumidor. Reajustes salariais: Perda de momento mesmo com mercados de trabalho em alta em aperto recorde Alavancagem do consumidor A alavancagem do consumidor aumentou desde que publicamos nosso relatório sobre o assunto. O gráfico abaixo mostra que a alavancagem aumentou para 42,2% da renda familiar, ante 32,2% desde a crise de 2008; assim, qualquer eventual desalavancagem já estará iniciando de um patamar superior. Isso significa que os bancos podem estar menos dispostos a conceder e os consumidores menos dispostos a assumir novos empréstimos. Observamos que a inadimplência continua em tendência de alta, e que a parcela de crédito em produtos de alto risco (cheque especial e cartões de crédito) aumentou. Entre julho e outubro de 2011, os saques a descoberto (cheque especial) cresceram 8,2% e os cartões de crédito 8,8%. Esse número se compara a um crescimento de 1,1% em todas as demais categorias de crédito a pessoas físicas combinadas S11 Acima do INPC (% do total) 77,9 74,8 86,7 84,4 Em linha com INPC (% do total) 10,8 17,0 9,6 8,8 Abaixo do INPC (% do total) 11,9 8,2 3,7 6,8 Ganhos salariais reais médios 0,8 0,7 1,6 1,4 Fonte: HSBC, IBGE, DIEESE Inflação e salários Quando a inflação estava em torno do centro da meta (4,5%), um ganho salarial real de 1% era relativamente grande. Mas, como a inflação acelerou para um número acima de 7%, como aconteceu em 2011, os ganhos da mesma magnitude foram rapidamente corridos pela inflação, reduzindo do poder de consumo. Somese a isso o fato de que os reajustes salariais de 2011 perderam o momento em comparação a 2010 (mesmo em condições mais aquecidas do 13

14 Familias brasileiras aumentaram a alavancagem Debt (% of income) Debt burden (% of income) -RHS jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 15 Fonte: HSBC, BCB Garantindo a segurança A política mudou e está agora novamente em ritmo de expansão. O arsenal que o governo tem à disposição é amplo e inclui cortes nos juros, redução nos compulsórios, reversão das políticas macroprudenciais, expansão do crédito por meio dos bancos estatais, expansão fiscal e gastos em infraestrutura pelas empresas estatais. Em nossa opinião, o governo usará uma combinação dessas medidas para tentar sustentar o crescimento do PIB acima de 4%. Com a volatilidade e os riscos globais em alta, acreditamos ser apropriada uma alocação cautelosa. As empresas com lucros resilientes e modelos de negócios sólidos continuarão a registrar bons resultados, mesmo sob condições difíceis. Estamos menos pessimitas do que antes sobre os setores cíclicos domésticos (orientados ao consumidor), considerando o poder de fogo do governo e a disposição para adotar medidas que impulsionem os gastos. Mantemos nossa opinião positiva sobre os produdores de commodities. 14

15 Economia - América Latina 15

16 Pegando um resfriado leve O crescimento na América Latina irá desacelerar em 2012, à medida que o resfriado global se espalhar A zona do Euro é um destino importante para as exportações da América do Sul e uma fonte de crédito; acreditamos que a exposição é administrável Há poder de fogo na política para amortecer os efeitos da desaceleração; o Brasil já cortou as taxas de juros e introduziu isenções fiscais André Loes Problemas globais são sentidos na América Latina A América Latina enfrentará um ano desafiador em 2012 O overhang da dívida tanto soberana como do cnsumidor - na Europa e nos EUA já afetou negativamente as perspectivas de crescimento nas economias desenvolvidas. O impacto desse resfriamento também já sendo sentido nos mercados emergentes, e os efeitos em cadeia da crise da dívida da zona do euro e a fraca recuperação nos EUA continuarão a ser um fator para as economias latinoamericanas em Projetamos um crescimento inferior em 2012 do que em 2011 para Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru. O Brasil é exceção, com expectativas de que o crescimento em 2012 atinja 3,7%, um nível acima dos 3% que projetamos para 2011 (ver tabela com "Principais projeções" a seguir nesta seção). Em todos os casos, o crescimento ainda deve ser positivo em A aceleração no crescimento do Brasil em 2012 reflete o fato de a taxa de crescimento econômico no país já ter desacelerado significativamente em 2011 (ao contrário de outros países da região), e os estrategistas políticos brasileiros já terrem reagido à desaceleração cortando taxas de juros e introduzindo descontos em impostos. As principais variáveis que determinarão a trajetória das economias latinoamericanas em 2012 serão: Abundância de munição política: Esperamos que os estrategistas políticos reajam a mais reduções no crescimento com a política monetária e fiscal. Exposição à zona do Euro: administrável até agora. Os bancos da zona do Euro são 16

17 importantes fontes de captação e a Europa é um destino importante para as exportações da América Latina. Preços de commodities e demanda da China: riscos chave. Abundância de munição política As economias desenvolvidas podem ter entrado em um período prolongado de baixo crescimento, um congelamento econômico que pode facilmente durar uma década. A América Latina deve conseguir minimizar os efeitos desse congelamento, e até mesmo os efeitos de um período mais prolongado de conforça econômica se os problemas da Europa se agravarem. Nossa expectativa provém do potencial para uma resposta política vigorosa à desaceleração econômica mais acentuada no Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru. A Argentina é a exceção, pois a flexibilidade política diminuiu durante A situação geral das finanças do governo nos seis países da América Latina cobertos neste relatório, apesar de ser pior que o período anterior a 2009, é boa o suficiente para permitir que a região tenha o poder de fogo necessário, caso a crise se agrave, em nossa opinião. Porém, a capacidade de reação política na região é mais significativa no nível monetário do que no fiscal. Embora as taxas de juros da política monetária sejam inferiores às de 2008, quando a região deu início a seu último ciclo de afrouxamento a inflação também caiu na maior parte da região. Brasil, Chile, Colômbia, México, e Peru adotam o regime de metas de inflação (a Argentina não faz isso). A maior parte deles atualmente tem a inflação em níveis próximos ou convergindo para o ponto médio da meta, e as projeções do HSBC para 2012 assumem a continuidade dessa tendência. O Peru é exceção, mas mesmo nesse caso, a tendência não é preocupante, pois é explicada pela inflação de alimentos, que não é a principal. O gráfico a seguir apresenta a diferença entre a inflação e o ponto médio das metas nacionais. Inflação parece administrável em relação às metas % Y-o-Y Jan-07 Apr-07 Jul-07 Fonte: BancosCentrais e HSBC. Oct-07 Jan-08 Apr-08 Jul-08 Oct-08 Jan-09 Apr-09 Jul-09 Oct-09 Jan-10 Apr-10 Jul-10 Oct-10 Jan-11 Brazil Chile Colombia Mex ico Peru O Brasil já começou a afrouxar a política monetária, e esperamos que o Chile e o Peru sigam o exemplo em Por outro lado, a Apr-11 Jul-11 Oct-11 Colômbia ainda enfrenta dificuldades para conter a forte demanda doméstica, e recentemente surpreendeu o mercado com uma alta de 25 pontos-base na taxa de juros da política monetária as projeções eram de um longo período de estabilidade da taxa. Esperamos que as autoridades monetárias mexicanas mantenham as taxas de juros como estão, uma vez que a economia tem se mostrado resiliente, e projetamos uma expansão em 2012 a um níuvel acima do crescimento do PIB. Por fim, mas não menos importante, as reservas internacionais estão em níveis robustos em toda a região. Em alguns países, as reservas até agora são superiores a seus níveis de setembro de 2008, quando ocorreu a crise financeira global. Esperamos que a maior parte dos bancos centrais da América Latina deixem as moedas flutuar no caso de uma aversão global ao risco mais pronunciada, mas também prevemos uma intervenção no caso de desvalorizações desordenadas, sem liquidez. Em nossa opinião, é 17

18 positivo ter altos níveis de reservas internacionais. Quando os mercados "encalharem", pode ocorrer algum excesso, aumentando os riscos de instabilidade financeira e levando a uma amplificação da conforça do crédito. A capacidade de intervir nos mercados de câmbio pode aliviar o potencial de uma desaceleração econômica além da intensidade explicada pelo choque externo inicial. Exposição à zona do Euro: fonte de linhas de crédito para a América Latina Os bancos europeus representam a fonte mais importante de linhas de crédito internacionais para a região. Exposição a bancos europeus é administrável 100.0% 80.0% 60.0% 40.0% 20.0% 0.0% ARG BRA CHI COL MEX PER Ex ternal funding from European banks/ex ports Ex ternal funding from European banks/reserv es Fonte: UNCTAD, BIS, bancos centrais e HSBC diferentes países da região, como percentual de exportações e reservas. Em 2008, a captação externa (da Europa e de outros lugares) dos países da região caiu entre 10% e 20%, do ponto mais alto ao mais baixo. Nos momentos em que a conforça das linhas é mais acentuada, a maior parte das que vencem não é renovada, implicando um aumento importante no cus$o de trade finance. Os partipantes do mercado sugerem que o custo das linhas já subiu pontos-base nos últimos dois meses. Algumas fontes alternativas de captação denominada em dólares podem ser adotadas, como a expansão da oferta de linhas de bancos de outras regiões, e também de bancos de desenvolvimento regionais. Porém, continua grande a possibilidade de que o custo de captação exterrna em dólares continua acima do normal nos próximos trimestres. Exposição à zona do Euro: exportações A Europa é um destino importante para as exportações da maior parte dos países da América Latina. A exceção é o México, que continua mais ligado aos EUA. A tabela abaixo mostra a evolução das exportações para a Europa, e a importância dos mercados europeus para os exportadores. O gráfico acima mostra o montante de captação externa proveniente de bancos europeus em Em 2009, as exportações da América Latina para a Europa caíram quase 19% em relação a Exportações da América Latina para a Europa (US$ milhões e % do total) 2005 % 2006 % 2007 % 2008 % 2009 % 2010 % Argentina % % % % % % Brasil % % % % % % Chile % % % % % % Colômbia % % % % % % México % % % % % % Panamá % % % % 94 10% 79 9% Peru % % % % % % Uruguai % % % % % % Venezuela % % % % % % Fonte: UNCTAD e HSBC 18

19 Foi uma queda mais acentuada que a registrada nas exportações totais, que caíram 13% no mesmo período. É razoável esperar que em um ano que declínio econômico global que tende a afetar negativamente os preços de commodities as exportações da região para a Europa possam ser mais prejudicadas que as feitas para outras regi~çoes, como aconteceu em Analisando 2012, o risco de uma desaceleração mais grave das exportações - consequentemente, uma redução nos preços de commodities - seria negativo para as economias abertas, pequenas e exportadoras desse tipo de produtos. Para países como Chile e Peru, esse segmento é particularmente importante. Riscos: preços de commodities e demanda da China Ao analisarmos nossas projeções para 2012, fica claro que as economias menores e mais direcionadas a commodities da região devem ser mais afetadas pela desaceleração global. O gráfico abaixo apresenta as projeções de crescimento do HSBC para 2011 e 2012 para os seis países cobertos neste relatório. O crescimento atinge mais os exportadores de commodities Fonte: HSBC Argentina Brazil Chile Colombia Mex ico Peru 2011 (LHS) 2012 (LHS) fall/increase (RHS) Esperamos que a Argentina sofra uma desaceleração acentuada. Isso reflete os ventos desfavoráveis trazidos pelo aumento nos fluxos de saída de capital, e também a estabilização do crescimento do Brasil em níveis inferiores à média dos últimos anos 23% do total das exportações da Argentina em 2010 foram para o Brasil. O grande desafio para a Argentina é como administrar a pressão cada vez maior da dolarização, encontrando o tempo certo para permitir uma desvalorização mais rápida. Será vital trabalhar o timing e a implementação dessa mudança. Os países andinos têm suas dinâmicas de crescimento mais correlacionadas aos mercados de commodities, especialmente o Chile e o Peru, que são mais abertos que a Colômbia - em 2010, as exportações mais importações como percentual do PIB nos três países atingiram 62,0%, 41,8% e 27,4%, respectivamente. Uma desaceleração global implica um crescimento mais modesto da produção de commodities e pode também se traduzir em queda nos preços. Quando isso acontece, também afeta a atividade econômica no setor de serviços, por meio do "efeito de riqueza" e confiança. Consequentemente, os riscos para nosso cenário no Chile e no Peru são de uma desaceleração mais significativa no crescimento do que projetamos atualmente, caso a atividade global seja mais afetada do que esperamos. Isso seria especialmente verdadeiro caso o crescimento na China fose substancialmente inferior à nossa projeção atual - esse país é o maior mercado para as exportações de cobre dos países andinos. Nesse caso, o afrouxamento da política também iria além do que projetamos atualmente, com mais cortes nas taxas de juros do Chile, e afrouxamento fiscal e monetário no Peru. O HSBC projeta um pouso suave na China e as autoridades começaram a afrouxar a política monetária, oferecendo mais suporte para a expectativa de que o crescimento atinja 8,6% em

20 A demanda doméstica na Colômbia continua forte, e ainda mostra um alto ritmo de crescimento do crédito doméstico. Essa economia também á mais fechada. Portanto, desde que os preços do petróleo não entrem em colapso, o país será menos afetado, a nosso ver, mesmo no caso de uma desaceleração mais relevante. Apesar de ser um exportador de commodities, o Brasil tem uma economia maior e fechada. Embora uma redução nos preços de commodities possa afetar o crescimento, isso seria mais diluído pela base diversificada de produção. Outro risco para o cenário do Brasil no caso de uma redução nos preços de commodities é de segunda grandeza. Para um país em que preocupações acerca da inflação residual ainda são relevantes, a desvalorização da moeda que se poderia esperar em um cenário de preços de commodities continuamente em baixa pode signiticar pressão adicional sobre os preços e alguns limites para a adoção de medidas de política monetária. Os riscos econômicos associados com as projeções para o México estão associados aos acontecimetnos nos EUA e na Europa. Entretanto, a economia mexicana vem mostrando resiliência à desaceleração nos EUA, e esperamos que isso continue. Esse fenômeno está relacionada a uma demanda doméstica mais resiliente, mas também à reconquista da competitividade dos exportadores mexicanos para os EUA sobre seus rivais chiness ns últimos dois anos - captada pela redução de diferença entre seus custos de mão de obra unitários em dólares - apresentada no gráfico abaixo. Isso tem tevado a um aumento da participação das exportações mexicanas no mercado americano. Custos unitários de mão de obra no México e na China 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, China (a) Mexico (b) (b)/(a) in % Fonte: Banco de Mexico No México, 2012 será um ano de eleição presidencial. Apesar de não esperarmos que as eleições sejam um driver importante para os mercados, a visibilidade na política é tipicamente limitada e vale a pena acompanhar de perto o assunto. Conclusão Nossa premissa é que o crescimento na América Latina continuará positivo em O Brasil já está adotando medidas para impulsionar o crescimento, destacando o potencial de munição política. Esperamos que os estrategistas políticos de toda a região reajam a mais reduções no crescimento com a política monetária e fiscal. Até agora, a exposição à zona do euro é administrável A zona do Euro é importante: tratase de um destino importante para as exportações e os bancos da região são uma grande fonte de captação. Nosso cenário básico assume, porém, que uma crise como a dissolução do euro será evitada. A América Latina depende de preços robustos de commodities e da demanda chinesa. Qualquer deterioração acentuada nesses dois fatores provavelmente resultaria em uma expectativas de crescimento inferior para a América Latina. 20

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global

Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Novembro/2014 Cenário para 2015 contempla ajustes na economia brasileira e global Temor de baixa inflação global nos parece exagerado, mas tende a manter liquidez global elevada até meados do próximo ano.

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Março de 2015

Carta Mensal Iporanga Março de 2015 O mês de Março foi marcado pela alta volatilidade em diferentes classes de ativos, grande parte desses movimentos é explicada pelos anúncios sobre a política monetária dos diversos bancos centrais, que

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

BBDTVM - Fundos de Investimentos

BBDTVM - Fundos de Investimentos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Fundos de Investimentos ECONOMIA INTERNACIONAL Atividade Global Contexto corrente não persistirá: Concomitante desaceleração EUA e China Índice de S urpresas Macroeconômicas

Leia mais

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Carta do Gestor Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Caros Investidores, Ao longo das últimas semanas, continuamos a observar a piora dos fundamentos da economia brasileira. Os problemas que surgem

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais