Instrutora: Claudia Hazan Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos"

Transcrição

1 ,PSODQWDomRGHXP 3URFHVVR GH *HVWmR GH 5HTXLVLWRV VHJXLQGRR R &00, 0, Instrutora: Claudia Hazan Agenda Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos Visão Geral da Gestão de Requisitos Medições para Gestão de Requisitos Introdução ao Modelo CMMI Melhores Práticas para Gestão de Requisitos 2-1

2 Motivações para ER A indústria de software continua lidando com projetos mal sucedidos. O CHAOS Report de 2003 apresentou as seguintes estatísticas: 34% dos projetos são bem sucedidos; 15% dos projetos foram cancelados; 43% é o erro médio em relação ao orçamento do projeto daqueles que foram completados; 52% das características (requisitos não funcionais) e funcionalidades são entregues no produto. Problemas Os principais problemas que afetam os projetos de software não são tecnológicos. A principal preocupação da indústria referese à previsibilidade de prazo e de custo dos projetos. A causa destes raiz dos problemas está associada a Requisitos. Funcionalidades, Atributos da Qualidade Prazo Custo 2-2

3 Motivações para ER Dificuldades : Previsibilidade de Prazo Previsibilidade de Custo Requisitos ER e a Indústria Os dois principais fatores que contribuem para falhas de projetos de desenvolvimento de software em atender seus orçamentos e cronograma são problemas de requisitos. 1. Especificação de requisitos inadequada (4.5) 2. Mudanças em requisitos (4.3) SEI National Software Capacity Study,

4 Mitos & Paradigmas - ER FORMALIZAÇÃO Antes do Processo de Gestão de Requisitos : Quem definiu isso? Vou tentar me lembrar... Depois do Processo de Gestão de Requisitos : Quem definiu isso? Foi a área de negócio X no dia 10 de Janeiro, segundo consta aqui nesta ata... Mitos & Paradigmas - ER GERENCIAMENTO Antes: Como pode o usuário estar bravo com a mudança de prazo se estamos fazendo tudo o que ele quer? Depois: Informe ao usuário que os novos requisitos acarretarão um desvio de 20 % no prazo e 5% no custo. 2-4

5 Motivações para ER mais números a 85% dos erros encontrados em sistemas de software podem ser rastreados para problemas de requisitos. (Barry Boehm, 1981) 70 % dos problemas de sistemas são de especificações, pois apenas 60 % das informações formais e informais estão documentadas. (Quality Assurance Institute) O custo relativo de corrigir problemas detectados após a fase de testes é de 50 a 100 vezes maior que o custo de correção de problemas detectados na fase de especificação de requisitos. (Shemer, 1987) Para Refletir... MUDANÇAS Será que precisamos mudar a maneira de desenvolver soluções de software e de relacionamento com nossos clientes? 2-5

6 Processo de Requisitos Requisitos Engenharia de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Definem o que é solicitado ao sistema fazer e com quais limitações ele é requisitado a operar. Propõe métodos, técnicas e ferramentas que auxiliam o processo de descoberta, documentação e gestão dos requisitos que o software deve atender. Gerenciar as mudanças que ocorrem nos requisitos já acordados; Gerenciar relacionamentos entre os requisitos; Gerenciar as dependências entre os documentos de requisitos e outros documentos produzidos durante o processo de engenharia de software; Processo de Requisitos Condição ou capacitação que deve ser contemplada pelo software, necessitada pelo usuário para resolver um problema ou alcançar um objetivo O conjunto de todos os requisitos formam a base para o posterior desenvolvimento do sistema [IEEE] 2-6

7 Processo de Requisitos Tipos de Requisitos Documento de Requisitos Requisitos Funcionais Requisitos Não-Funcionais Descreve os serviços providos. Define limitações no sistema e no processo de desenvolvimento Processo de Requisitos Requisitos Funcionais Os requisitos funcionais são a descrição das diversas operações que clientes e usuários querem, ou precisam, que sejam realizadas pelo sistema. Exemplos: - o software deve possibilitar o cálculo dos gastos diários, semanais, mensais e anuais com pessoal; - o software deve emitir relatórios de compras a cada quinze dias; - os usuários devem poder obter o número de aprovações, reprovações e trancamentos em todas as disciplinas por um determinado período de tempo; 2-7

8 Processo de Requisitos Requisitos Não Funcionais Os Requisitos Não Funcionais (RNFs) são restrições ou atributos de qualidade de um software ou de um processo de desenvolvimento de software. É necessário que estes requisitos sejam considerados na fase inicial do processo de desenvolvimento de software. Exemplos: - a base de dados deve ser protegida, para acesso, apenas, de usuários autorizados; - o tempo de resposta não deve ultrapassar 30 segundos; - o software deve ser operacionalizado no sistema Linux; Requisitos Não Funcionais 2-8

9 Processo de Requisitos Requisitos não Funcionais - São críticos para o sucesso de sistemas de software; diretamente relacionados com a satisfação dos usuários. O sistema executa todas as funcionalidades desejadas, mas é muito difícil de usar e demora muito para executar operações simples! Processo de Requisitos Tipos de Requisitos Não Funcionais Acurácia Precisão Confiabilidade Desempenho Rentabilidade Manutenibilidade Disponibilidade Recuperabilidade Segurança Inversos Não Técnicos Restrições de Projeto e Implementação Requisitos Gerenciais Usabilidade Critérios de Aceite 2-9

10 Processo de Requisitos Definições para Engenharia de Requisitos Definição Genérica: O processo de Engenharia de Requisitos é um conjunto estruturado de atividades o qual são seguidas para derivar, validar e manter um documento de requisitos de um sistema. Estabelecer o que o cliente requer de um sistema de software. Definição da IEEE: Processo de aquisição, refinamento e verificação das necessidades do cliente, com o objetivo de obter uma especificação correta e completa dos requisitos. Processo de Requisitos O primeiro passo antes de se fazer qualquer coisa na vida é saber e compreender o que deve ser feito, sendo que este passo é chamado de Engenharia de Requisitos. O produto obtido deste processo denomina-se requisitos. A ER que constitui de uma seqüência de descobertas e refinamentos e documentação de requisitos é essencial para o sucesso do projeto de software. A Engenharia de Requisitos organiza a base para a construção do software. 2-10

11 Processo de Requisitos O objetivo principal é desenvolver produtos de qualidade que satisfaçam às reais necessidades dos clientes dentro do prazo e do orçamento. Para refletir As conseqüências da falta de um processo de requisitos efetivo têm sido a produção de documentos de requisitos que não refletem as necessidades reais dos clientes. Os requisitos constituem a base para o desenvolvimento do projeto de software. Então, requisitos de má qualidade geram produtos de software com qualidade inadequada. A análise final da qualidade de um software é determinada pelo atendimento aos requisitos dos stakeholders. O documento de requisitos de software constitui a base para as estimativas de tamanho, esforço, cronograma, e custo. Assim, quando as estimativas de tamanho, prazo e custo são geradas a partir de requisitos incompletos, omissos ou inconsistentes, estas não possuirão acurácia adequada. 2-11

12 Processo de Requisitos Elicitação Modelagem Análise G e r ê n c i a Validação Verificação Processo de Requisitos Elicitação de Requisitos Elicitação de requisitos é o processo responsável por descobrir informações, compreender os fatos descobertos e adquirir conhecimentos. Elicitação de requisitos refere-se ao processo de extração de informação sobre a funcionalidade requisitada e outras propriedades do sistema de diversas fontes, incluindo usuários potenciais. 2-12

13 Processo de Requisitos Problemas na Elicitação de Requisitos Conhecimento parcial ou incorreto do domínio da aplicação. Diferentes pontos de vista dos usuários Requisitos oscilantes (variam com o tempo devido a alterações internas ou externas a empresa) e conflitantes (possuem inconsistências) Falhas na comunicação e na coordenação de atividades. Falta de documentação formal (memória e anotações feitas em rascunho) Pressões de tempo Culturas distintas dificultam a comunicação (diferenças culturais Engenheiros de Software e usuários) Processo de Requisitos FAZ FAZ COLETA DE FATOS USA USA USA FAZ IDENTIFIC. DE FONTES DE INFO. PESSOAL DEPENDE DE COMUNICAÇÃO MÉTODOS FERRAMENTAS PONTOS DE VISTA Notas de Aula, Julio Leite (PUC-Rio) 2-13

14 Processo de Requisitos Modelagem de Requisitos A modelagem consiste da representação e da organização do conhecimento adquirido durante a fase de elicitação de requisitos. Os modelos utilizados para representação devem ter uma semântica bem definida. Os modelos de requisitos facilitam a comunicação entre os desenvolvedores do projeto de software. Processo de Requisitos Exemplos de Modelos de Requisitos Diagramas de Fluxo de Dados 2-14

15 Processo de Requisitos Exemplos de Modelos de Requisitos Casos de Uso Abrir Conta Cliente Depositar Fundos Retirar Fundos Fechar Conta Processo de Requisitos Técnicas para Elicitação de Requisitos Cenários restrição restrição exceção restrição CONTEXTO 1 CENÁRIO 1 1 EPISÓDIO 1 (0,1) 1 tem expresso através N 1 1 tem 1 engatilha N RECURSO N tem envolve satisfaz 1 OBJETIVO ATOR N 2-15

16 Processo de Requisitos FAZ FAZ ORGANIZAÇÃO USA USA USA FAZ ARMAZENAMENTO PESSOAL DEPENDE DE REPRESENTAÇÃO MÉTODOS FERRAMENTAS PONTOS DE VISTA Notas de Aula, Julio Leite (PUC-Rio) Processo de Requisitos Análise de Requisitos Antes de efetuar a análise precisa-se identificar as partes do modelo. Essa identificação relaciona-se tanto com a modelagem (armazenamento, organização) como com a elicitação (identificação das fontes de informação). As principais atividades da análise são: Verificação Validação 2-16

17 Processo de Requisitos Verificação & Validação (V&V) Verificação Nós estamos construindo certo o produto? (em relação a artefatos) Validação Nós estamos construindo o produto certo? (em relação a intenção) ENTRE MODELOS ENTRE O UdI E UM MODELO Processo de Requisitos FAZ FAZ IDENTIFICAÇÃO DE PARTES USA USA USA FAZ VALIDAÇÃO PESSOAL DEPENDE DE VERIFICAÇÃO MÉTODOS FERRAMENTAS PONTOS DE VISTA Notas de Aula, Julio Leite (PUC-Rio) 2-17

18 Processo de Requisitos Gerência de Requisitos Mudanças nos requisitos ocorrem durante todo o tempo; Mesmo durante a elicitação, modelagem e/ou análise, eles podem estar mudando; As mudanças nos requisitos são inevitáveis, e não significa que o processo de engenharia de requisitos adotado tenha sido falho; Processo de Requisitos Gerência de Requisitos Mudanças resultam de uma combinação de fatores, tais como: Inconsistências, conflitos e falhas nos requisitos; Evolução do conhecimento do usuário sobre o sistema em desenvolvimento; Problemas de custos, cronogramas ou técnicos; Mudanças na prioridade do cliente; Mudanças ambientais (ex :legislação); Mudanças organizacionais. 2-18

19 Processo de Requisitos Gerência de Requisitos Elicitação Modelagem Análise G e r ê n c i a A Gerência de Requisitos é um processo que se desenvolve em paralelo à Elicitação, Modelagem e Análise de Requisitos. Validação Verificação Visão Geral da Gestão de Requisitos Os requisitos tendem a ser extremamente voláteis. Muitas vezes o usuário não tem uma idéia muito clara do que quer do início do projeto. Esta é uma das principais razões pelas quais o produto final demora muito para ficar pronto, além de quase sempre não atender o usuário. Novos requisitos surgem e há alterações nos requisitos em todos os estágios do processo de desenvolvimento, causando problemas para os desenvolvedores. Por isso, os requisitos devem ser documentados e controlados. 2-19

20 Visão Geral da Gestão de Requisitos Objetivos da Gestão de Requisitos As principais preocupações da gestão de requisitos são as seguintes: * Gerenciar mudanças nos requisitos acordados; * Gerenciar os relacionamentos entre os requisitos; * Gerenciar as dependências entre o documento de requisitos e outros documentos produzidos ao longo do processo. Visão Geral da Gestão de Requisitos A Gestão de Requisitos trata dois aspectos importantes: Estabilidade Rastreabilidade 2-20

21 Visão Geral da Gestão de Requisitos Estabilidade de Requisitos A indústria tem mostrado que a instabilidade dos requisitos contribui fortemente para o risco de Pressão Excessiva do Cronograma e não aceitação do produto final. Mudanças em requisitos ocorrem enquanto os requisitos estão sendo elicitados, analisados e após o sistema ter entrado em produção. Visão Geral da Gestão de Requisitos Fator de mudança Descrição Erros em requisitos, Conforme os requisitos são analisados e implementados, erros e conflitos e inconsistências surgem e devem ser corrigidas. inconsistências Evolução do Conforme os requisitos são desenvolvidos, clientes e usuários conhecimento do cliente finais desenvolvem uma melhor compreensão do que desejam. Problemas podem ser encontrados na implementação dos Problemas técnicos, de requisitos. Pode ser muito caro ou tomar muito tempo custo ou cronograma implementar certos requisitos. Mudanças nas prioridades do cliente Mudanças de ambiente Mudanças organizacionais Estabilidade de Requisitos As prioridades do cliente podem mudar durante o desenvolvimento do sistema como resultado de mudanças no ambiente de negócios. O ambiente no qual o sistema será instalado pode mudar de tal forma que os requisitos tenham que mudar para manter compatibilidade. A Organização que pretende usar o sistema pode mudar sua estrutura e processos, resultando em novos requisitos de sistema. 2-21

22 Visão Geral da Gestão de Requisitos Estabilidade de Requisitos Embora a mudança seja inevitável, é usual o caso em que alguns requisitos são mais estáveis que outros. Requisitos estáveis são concebidos com a essência de um sistema e domínio da aplicação, e mudam mais lentamente que requisitos voláteis. Os requisitos voláteis são específicos para a instanciação de um sistema em um ambiente particular e para um cliente particular. Visão Geral da Gestão de Requisitos Estabilidade de Requisitos É uma boa prática de gerenciamento de requisitos tentar antecipar mudanças de requisitos, o que envolve classificar os requisitos para identificar os mais voláteis e predizer possíveis mudanças. Isto fornece informação aos desenvolvedores do sistema e pode ajudá-los a projetar o sistema de tal forma que os requisitos sejam implementados com (relativa) independência de componentes, para tentar minimizar a influência destas mudanças no restante do sistema. 2-22

23 Visão Geral da Gestão de Requisitos Rastreabilidade de Requisitos Um requisito é rastreável se for possível identificar quem solicitou o requisito, porque o requisito existe, quais os requisitos relacionados e como os requisitos se relacionam a outras informações como design, implementações e documentos do usuário. O Rastreamento de Requisitos é um fator importante para prover com integridade uma documentação completa dos requisitos, assim como ajudar no processo de gestão de mudanças nesses requisitos. Visão Geral da Gestão de Requisitos Rastreabilidade de Requisitos Existem dois tipos de rastreamento de requisitos: Pré-rastreamento está relacionado a alguns aspectos da vida do requisito antes da sua inclusão na especificação dos requisitos. Pós-rastreamento está relacionado a alguns aspectos da vida do requisito após a sua inclusão na especificação dos requisitos. 2-23

24 Visão Geral da Gestão de Requisitos Rastreabilidade de Requisitos Pré Rastreabilidadade - ER Pós Rastreabilidadade - ER Especificação de Requisitos (S0) (S1) (Sn) Visão Geral da Gestão de Requisitos Rastreabilidade de Requisitos O processo de desenvolvimento deve produzir requisitos rastreáveis, isto é capazes de serem rastreados para a sua origem. Assim, a rastreabilidade de requisitos pode ser vista como a habilidade de acompanhar e descrever a vida de um requisito, em ambas as direções; prérastreabilidade documenta a movimentação e o contexto a partir do qual emergem os requisitos (origem dos requisitos); pós-rastreabilidade está relacionada ao refinamento, desdobramento e uso do requisito, vinculando os requisitos ao design do sistema e a sua implementação. 2-24

25 Visão Geral da Gestão de Requisitos Matriz de Rastreabilidade Visão Geral da Gestão de Requisitos Rastreabilidade e Relacionamento 2-25

26 Visão Geral da Gestão de Requisitos Tabela de Relacionamento/Rastreabilidade Depende de R1 R2 R3 R4 R5 R6 R1 X X R2 X X R3 X X R4 X R5 X R6 Onde: Linha: é dependente de Coluna: depende de Visão Geral da Gestão de Requisitos Lista de Relacionamento/Rastreabilidade R1 R2 R3 R4 R5 Requisito R3, R4 R5, R6 R4, R5 R2 R6 Depende de Vantagem: é mais compacta que a tabela Desvantagem: necessidade de duas listas lista depende de e lista é dependente de 2-26

27 Visão Geral da Gestão de Requisitos Ferramentas As ferramentas de gestão de requisitos podem fornecer facilidades como: Um sistema de banco de dados para armazenamento de requisitos ; Análise de documento e facilidades de geração para ajudar a construir um banco de dados de requisitos e auxiliar na criação dos documentos de requisitos ; Facilidades de gerenciamento de mudanças que ajudam a garantir que as mudanças foram avaliadas e tratadas corretamente; Facilidades de rastreabilidade que auxiliam os engenheiros de requisitos a encontrar dependências entre requisitos Visão Geral da Gestão de Requisitos Política de Rastreabilidade de Requisitos A política de rastreabilidade, dentre outras informações deve incluir: A informação de rastreabilidade que será mantida; As técnicas e ferramentas, como as matrizes de rastreabilidade, que serão utilizadas para manter a rastreabilidade; Uma descrição dos pontos em que a informação de rastreabilidade deverá ser coletada durante a execução dos processos de engenharia de requisitos e desenvolvimento de sistemas. Os papéis das pessoas responsáveis pela manutenção da informação de rastreabilidade também devem ser definidos; O processo usado para garantir que a informação de rastreabilidade seja atualizada depois que a alteração for realizada. 2-27

28 Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos O gerenciamento de alterações envolve métodos, procedimentos e padrões que são usados para gerenciar as alterações dos requisitos do sistema. Este gerenciamento garante que sejam coletadas todas as informações relacionadas aos envolvidos na alteração, além de ser realizada, para cada alteração proposta, uma avaliação de custos e benefícios. Esta avaliação é denominada de Análise de Impacto da Mudança. Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos A Organização deve definir uma política de gestão de requisitos, considerando, dentre outros, os seguintes aspectos sobre o gerenciamento das alterações: O processo de solicitação de alteração e a informação requerida para processar cada solicitação de alteração; O processo usado para analisar o impacto e custos da alteração e informações de rastreabilidade associadas; O grupo da organização que considera formalmente as solicitações de alteração. A ferramenta de suporte (caso exista) para o controle do processo de alterações. 2-28

29 Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos O processo de gerenciamento de alterações de requisitos consiste em um conjunto de atividades para documentação, relato, análise, avaliação de custo e implementação das alterações no conjunto de requisitos do sistema. Problema Identificado Análise do problema e Especificação da alteração( 1 ) Análise e Avaliação de custo da solução ( 2 ) Implementação da alteração ( 3 ) Requisitos Revisados Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos Análise e Avaliação do Custo da Solução 2-29

30 Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos Análise e Avaliação da Alteração A solicitação de alteração pode ser rejeitada: Se a solicitação de alteração for inválida: isto normalmente ocorre quando o cliente tem uma interpretação incorreta sobre alguns dos requisitos e propõe uma alteração que não é necessária; Se a solicitação de alteração tem como conseqüência alterações que sejam inaceitáveis pelos stakeholders. Se o custo de implementação da alteração for muito alto ou demorar muito. Visão Geral da Gestão de Requisitos Gerenciamento de Alterações de Requisitos Uma parte crítica do gerenciamento de alterações é a avaliação do impacto da mudança no resto do sistema. Se a mudança é proposta enquanto os requisitos estão sendo desenvolvidos, deve ser identificado como a alteração afeta outros requisitos. Se a alteração é proposta enquanto o sistema está em implementação, o impacto de alteração envolve verificar como a alteração afeta os requisitos, o design e implementação. Se a alteração é proposta depois que o sistema foi colocado em operação, deve haver também uma verificação adicional a fim de identificar como todos os stakeholders podem ser afetados pela alteração. 2-30

31 Visão Geral da Gestão de Requisitos - Exercício 1 Descreva como as medições de requisitos podem auxiliar no planejamento e acompanhamento de projetos de software. Por que as medições de requisitos podem ajudar na justificativa de desvio de cronograma gerados por mudanças de requisitos? Medições para Gestão de Requisitos Definição de Indicadores São formas de representação quantificáveis de características de produtos e processos utilizados para acompanhar e melhorar os resultados ao longo do tempo 2-31

32 Medições para Gestão de Requisitos Indicadores de Estabilidade Requisitos estáveis e sem ambigüidade constituem a base para construção do software Medições para Gestão de Requisitos GOAL: Controlar as Mudanças nos Requisitos QUESTIONS Qual % de novos requisitos no período? Qual o % de requisitos alterados no período? Qual o % de requisitos excluídos no período? METRICS nº de requisitos novos/nº requisitos alocados requisitos novos (PFs)/ requisitos alocados (PFs) nº de requisitos alterados/nº requisitos alocados requisitos alterados (PF)/ requisitos alocados(pf) nº de requisitos excluídos/nº requisitos alocados requisitos excluídos (PF)/requisitos alocados(pf) 2-32

33 Medições para Gestão de Requisitos Indicador de Mudanças de Requisitos Afere o grau de mudanças para a baseline de requisitos Fornece o impacto da mudança no tamanho da baseline sob o ponto de vista funcional Utiliza a métrica de Pontos de Função para normalização IMR = (RA + RI + RE)/RB Medições para Gestão de Requisitos 2-33

34 Medições para Gestão de Requisitos Indicadores de Rastreabilidade Espaço do Problema Rastreabilidade Necessidades Propriedades RFs & RNFs Documento de Requisitos de Software Problema Espaço da Solução Produto a ser construído Procedimentos de Teste Design Documentos do usuário Medições para Gestão de Requisitos GOAL: Controlar a aderência dos artefatos com os requisitos deles nos vários níveis de especificação do produto QUESTIONS Qual % de requisitos rastreáveis até sua origem? Qual o percentual de requisitos rastreáveis para o próximo nível? Qual o impacto operacional dos req. modificados? METRICS nº de requisitos rastreáveis para a origem nº requisitos rastreáveis para a sua origem / nº total de requisitos alocados nº de requisitos rastreáveis para a próxima atividade nº requisitos rastreáveis a próxima atividade / nº total de requisitos alocados nº de requisitos impactados/ nº requisitos alocados requisitos impactados (PF)/ requisitos alocados(pf) 2-34

35 Medições para Gestão de Requisitos Indicador de Requisitos Rastreáveis Fornece um indicativo dos requisitos rastreáveis contidos na baseline de requisitos de software Mede o % de requisitos que podem ser rastreados entre dois níveis adjacentes de especificação Fonte de Dados: Matriz de Rastreabilidade IRR = RR/RA Medições para Gestão de Requisitos Matriz de Rastreabilidade 2-35

36 Medições para Gestão de Requisitos Introdução ao Modelo CMMI Modelo CMMI Nível de Maturidade 1 Inicial 2 Gerenciado 3 Definido Representação por estágios 4 Gerenciado Quantitativamente 5 Otimização 2-36

37 Introdução ao Modelo CMMI Áreas de Processo (PA) Gerência de Requisitos Planejamento do Projeto Monitoração e Controle do Projeto Gerência de Acordos com Fornecedores Medição e Análise Garantia da Qualidade do Processo e do Produto Gerência de Configuração Introdução ao Modelo CMMI Estrutura Níveis de Maturidade Área de Processo 1 Área de Processo 2 Área de Processo n Objetivos Específicos Objetivos Genéricos Características Comuns Compromisso para realizar Habilidade para executar Diretrizes para implementação Verificação da implementação Práticas Específicas Práticas Genéricas 2-37

38 A Gestão de Requisitos visa estabelecer um entendimento comum entre o cliente e o fornecedor quanto aos requisitos que serão atendidos no projeto de software. A Gestão de Requisitos é um processo para estabelecimento e manutenção de um acordo formal entre clientes/usuários e a equipe do projeto sobre os requisitos e suas mudanças ao longo do projeto. O Objetivo Comunidade de Clientes/Usuários Produto a ser construído Verificação /Validação de Requisitos Objetivo Substituto Requisitos 2-38

39 O propósito da Gestão de Requisitos é gerenciar os requisitos dos produtos do projeto e componentes do produto e identificar inconsistências entre os requisitos e o plano do projeto e artefatos. Acordo Comum: Os requisitos são revisados com os fornecedores de requisitos para resolver questões para evitar o não entendimento. Isto ocorre antes que os requisitos sejam incorporados ao plano do projeto. Rastreabilidade: Deve-se documentar as mudanças de requisitos e manter a rastreabilidade bidirecional entre requisitos - todos produtos e componente do produto requisitos. Objetivos Específicos - Specific Goals (SG) & Práticas Específicas Specific Practices (SP) SG 1 Gerenciar Requisitos SP 1.1 Obter um Entendimento dos Requisitos SP 1.2 Obter Comprometimento com Requisitos SP 1.3 Gerenciar Mudanças de Requisitos SP 1.4 Manter Rastreabilidade Bidirecional de Requisitos SP 1.5 Identificar Inconsistências entre Artefatos do Projeto e Requisitos 2-39

40 Objetivos Genéricos - Generic Goals (GG) & Práticas Genéricas Generic Practices (GP) GG 2 Institucionalizar o Processo Gerenciado GP 2.1 (CO 1) Estabelecer uma Política Organizacional GP 2.2 (AB1) Planejar o Processo GP 2.3 (AB2) Fornecer Recursos GP 2.4 (AB3) Associar Responsabilidades GP 2.5 (AB 4) Treinar Pessoas GP 2.6 (DI1) Gerenciar Configurações GP 2.7 (DI2) Identificar e Envolver Stakeholders GP 2.8 (DI3) Monitorar e Controlar o Processo GP 2.9 (VI1) Avaliar Objetivamente a Aderência GP 2.10 (VI2) Revisar Status com a Alta-Administração Objetivos Genéricos - Generic Goals (GG) & Práticas Genéricas Generic Practices (GP) GG 3 Institucionalizar o Processo Definido GP 3.1 Estabelecer um Processo Definido GP 3.2 Coletar Informação de Melhoria 2-40

41 SG 1 Gerenciar Requisitos Requisitos são gerenciados e inconsistências com planos de projeto e outros artefatos são identificadas. O projeto deve manter um conjunto de requisitos atual e aprovado, fazendo o seguinte: Gerenciando todas as mudanças de requisitos; Mantendo o relacionamento entre os requisitos, os planos de projetos e outros artefatos; Identificando inconsistências entre os requisitos, os planos de projetos e outros artefatos; Implementando ações corretivas. SP 1.1 Obter um entendimento dos Requisitos Desenvolver um entendimento do significado dos requisitos com os fornecedores de requisitos Note que é fundamental: - Estabelecer critérios para designar canais apropriados ou fontes oficiais dos quais são recebidos os requisitos. - Conduzir análise dos requisitos com o fornecedor de requisitos para garantir um entendimento compatível e compartilhado do significado dos requisitos. O resultado desta análise e diálogo é um conjunto de requisitos acordado. 2-41

42 SP 1.1 Obter um entendimento dos Requisitos Artefatos Típicos Lista de Critérios para identificar fornecedores de requisitos apropriados Critérios para avaliação e aceite de requisitos Resultados de análise utilizando os critérios Um conjunto de requisitos acordados SP 1.1 Obter um entendimento dos Requisitos Subpráticas Estabelecer critérios para identificar fornecedores de requisitos apropriados; Estabelecer critérios objetivos para o aceite de requisitos; A falta de um critério de aceite pode resultar em verificação inadequada, retrabalho custoso e/ou rejeição do cliente. Analisar os requisitos para garantir que estes satisfaçam os critérios estabelecidos; Buscar um entendimento dos requisitos com os fornecedores de requisitos e obter o compromisso dos participantes do projeto com os requisitos acordados. 2-42

43 SP 1.2 Obter Comprometimento com Requisitos Obter o comprometimento dos participantes do projeto com os requisitos acordados. Esta prática lida com acordo e compromissos entre aqueles que executam as atividades necessárias para implementar os requisitos. Os requisitos evoluem ao longo do projeto. Assim, deve-se garantir que as equipes do projeto se comprometam com os requisitos aprovados atuais e as mudanças resultantes nos planos de projeto, atividades e artefatos. SP 1.2 Obter Comprometimento com Requisitos Artefatos Típicos Avaliações de impacto de requisitos Comprometimento documentado com os requisitos e com as mudanças de requisitos 2-43

44 SP 1.2 Obter Comprometimento com Requisitos Subpráticas Avaliar o impacto dos requisitos nos compromissos existentes; Negociar e registrar os compromissos. As mudanças nos compromissos existentes devem ser negociadas pelos participantes do projeto antes que estes se comprometam com os requisitos ou mudanças de requisitos. SP 1.3 Gerenciar Mudanças de Requisitos Gerenciar as mudanças de requisitos, conforme estes evoluam no decorrer do projeto. É fundamental gerenciar mudanças de requisitos com eficiência e eficácia. Para uma análise de impacto das mudanças, é necessário que a fonte de cada requisito seja conhecida e a razão para cada mudança documentada. 2-44

45 SP 1.3 Gerenciar Mudanças de Requisitos Artefatos Típicos Status dos Requisitos Base de Dados de Requisitos (baselines) Base de Dados com Decisões de Requisitos SP 1.3 Gerenciar Mudanças de Requisitos Subpráticas Capturar todos os requisitos e mudanças de requisitos do projeto; Manter o histórico das mudanças de requisitos com a razão das mudanças. A manutenção do histórico das mudanças ajuda a acompanhar requisitos voláteis; Avaliar o impacto das mudanças de requisitos com a visão dos stakeholders relevantes; Tornar os dados dos requisitos e das mudanças disponíveis para o projeto. 2-45

46 SP 1.4 Manter Rastreabilidade Bidirecional de Requisitos Manter rastreabilidade bidirecional entre os requisitos e os planos de projeto e demais artefatos. O propósito é manter a rastreabilidade bidirecional de requisitos em cada nível de decomposição do produto. A rastreabilidade pode ser estabelecida da fonte dos requisitos para o nível mais baixo dos requisitos e do nível mais baixo dos requisitos para sua fonte. A rastreabilidade é necessária na condução da avaliação de impacto das mudanças de requisitos nos planos do projeto, atividades e demais artefatos. SP 1.4 Manter Rastreabilidade Bidirecional de Requisitos Artefatos Típicos Matriz de Rastreabilidade de Requisitos Sistema de Acompanhamento de Requisitos 2-46

47 SP 1.4 Manter Rastreabilidade Bidirecional de Requisitos Subpráticas Manter a rastreabilidade de requisitos para assegurar que a fonte dos requisitos (derivados) de mais baixo nível seja documentada; Manter a rastreabilidade de um requisito para seus requisitos derivados assim como para suas funções, objetos, pessoas, processos e artefatos alocados; Manter a rastreabilidade horizontal (relacionamento) de função para função e entre interfaces; Gerar a matriz de rastreabilidade de requisitos. SP 1.5 Identificar Inconsistências entre Artefatos do Projeto e Requisitos Identificar inconsistências entre os planos do projeto e demais artefatos e os requisitos. É necessário encontrar inconsistências entre os requisitos e os planos do projeto e demais artefatos e então, iniciar a implementação de ações corretivas para solucioná-las. 2-47

48 SP 1.5 Identificar Inconsistências entre Artefatos do Projeto e Requisitos Artefatos Típicos Documentações de inconsistências, incluindo fontes, condições e razões Ações Corretivas SP 1.5 Identificar Inconsistências entre Artefatos do Projeto e Requisitos Subpráticas Rever os planos, atividades e artefatos do projeto para assegurar a consistência com os requisitos e as mudanças realizadas neles; Identificar a fonte da inconsistência e a razão; Identificar mudanças que necessitam ser feitas nos planos e demais artefatos resultantes das mudanças na baseline de requisitos; Iniciar ações corretivas. 2-48

49 GG 2 Institucionalizar o Processo Gerenciado O processo é institucionalizado como um processo gerenciado. GP 2.1 COMPROMISSO 1 Estabelecer uma Política Organizacional Estabelecer e manter uma política organizacional para planejamento e execução do processo de gestão de requisitos. Esta política estabelece as expectativas organizacionais para gestão de requisitos e identificação das inconsistências entre os requisitos e os planos de projeto e demais artefatos. 2-49

50 GP 2.2 Habilidade 1 Planejar o Processo Estabelecer e manter um plano para execução do processo de gestão de requisitos. Tipicamente, este plano para a execução do processo de gestão de requisitos é uma parte do plano do projeto. GP 2.3 Habilidade 2 Fornecer Recursos Fornecer recursos adequados para execução do processo de gestão de requisitos, desenvolvendo os artefatos e fornecendo os serviços do processo. Exemplos de Recursos: - Ferramentas de acompanhamento de requisitos - Ferramentas de rastreabilidade de requisitos 2-50

51 GP 2.4 Habilidade 3 Associar Responsabilidades Associar responsabilidade e autoridade para execução do processo de gestão de requisitos, desenvolvimento dos artefatos e fornecimento dos serviços do processo. GP 2.5 Habilidade 4 Treinar Pessoas Treinar as pessoas para execução e suporte ao processo de gestão de requisitos conforme as necessidades. Exemplos de tópicos de treinamento: - Domínio da aplicação - Definição, análise, revisão e gestão de requisitos - Ferramentas de Gestão de Requisitos - Gerência de Configuração - Negociação e solução de conflitos 2-51

52 GP 2.6 Direcionamento para Implementação 1 Gerenciar Configurações Colocar sob níveis apropriados de Gerência de Configuração os artefatos do processo de gestão de requisitos designados. Exemplos de artefatos a serem colocados sob Gerência de Configuração: - Requisitos - Matriz de Rastreabilidade de Requisitos GP 2.7 Direcionamento para Implementação 2 Identificar e Envolver Stakeholders Relevantes Identificar e envolver os stakeholders relevantes do processo de gestão de requisitos conforme planejado. Selecionar stakeholders relevantes dos cliente, usuários finais, desenvolvedores, analistas de negócios, testadores, fornecedores, marketing, equipe de suporte e outros que podem ser impactados ou podem influenciar no produto ou no processo. 2-52

53 GP 2.8 Direcionamento para Implementação 3 Monitorar e Controlar o Processo Monitorar e Controlar o processo de gestão de requisitos, utilizando o plano de execução do processo e implementar as ações corretivas apropriadas, caso ocorram desvios entre o previsto e realizado. Exemplo de medição utilizada na monitoração : - Volatilidade de Requisitos (percentual requisitos modificados) GP 2.9 Verificação da Implementação 1 Avaliar Objetivamente a Aderência Avaliar objetivamente a aderência do processo de gestão de requisitos, utilizando a descrição do processo, padrões e procedimentos. Tratar as não conformidades encontradas. Exemplos de artefatos revisados: - Requisitos - Matriz de Rastreabilidade de Requisitos 2-53

54 GP 2.10 Verificação da Implementação 2 Revisar Status com a Alta-Administração Revisar as atividades, status e resultados do processo de gestão de requisitos com a altaadministração para resolver questões. Mudanças propostas em compromissos externos a organização são revisados com a alta-administração (Gerência Sênior) para garantir que os compromissos sejam realizados. GG 3 Institucionalizar o Processo Definido O processo é institucionalizado como um processo definido. 2-54

55 GP 3.1 Estabelecer um Processo Definido Estabelecer e manter a descrição de um processo de gestão de requisitos definido. GP 3.2 Coletar Informação de Melhoria Coletar dados dos artefatos, métricas, resultados de medições e informações de melhoria derivadas do planejamento e execução do processo de gestão de requisitos para suportar o uso futuro e melhoria do processo da organização e artefatos gerados pelo processo. 2-55

56 5 Elementos da Mudança Visão Habilidades Incentivos Recursos Plano de Ação Mudança Habilidades Incentivos Recursos Plano de Ação Confusão Visão Incentivos Recursos Plano de Ação Ansiedade Visão Habilidades Recursos Plano de Ação Mudança Gradual Visão Habilidades Incentivos Plano de Ação Frustração Visão Habilidades Incentivos Recursos Falsos Inícios Contato Claudia Hazan MSc. Qualidade de Software Certified Function Point Specialist (SUPSD/SDARJ) Tel: (21)

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Claudia Hazan, MSc.,CFPS claudinhah@yahoo.com Cenário Agenda Modelo CMM e CMMI Gerência de Requisitos Indicadores de Rastreabilidade Indicadores de

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Jaelson Castro 2013 1 Gerenciamento de requisitos Relaciona-se ao processo de gerenciar a mudança dos requisitos de um sistema As principais preocupações do gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Elicitação de requisitos e análise

Elicitação de requisitos e análise Elicitação de requisitos e análise Esta atividade divide-se em dois esforços maiores: Elicitação dos requisitos em si Técnicas de elicitação Análise do que foi elicitado Processo de análise 1 Que é um

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software

Engenharia de Requisitos de Software Engenharia de Requisitos de Software Marcelo Otone Aguiar, MSc, PMP PROJETOS 1 O que é Projeto Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. PMI

Leia mais

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004]

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004] Requisitos Objetivos ou restrições estabelecidas por clientes e usuários do sistema que definem as diversas propriedades do sistema Condição ou capacidade necessária que o software deve possuir para que

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software Módulo 1 SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br CONSTRUÇÃO Planejamento do Codificação Teste MANUTENÇÃO Modificação 2003 2 Planejamento do Gerenciamento CONSTRUÇÃO de Codificação

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Qualidade no levantamento de requisitos

Qualidade no levantamento de requisitos Qualidade no levantamento de Trecho do Pequeno Príncipe: Antoine Saint-Exupéry, 1996. E ele repetiu-me então, brandamente, como uma coisa muito séria: - Por favor... desenha-me um carneiro... Quando o

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software de Software Gerenciamento de de Software Dedica-se a assegurar que o nível requerido de qualidade seja atingido Em um produto de software Envolve a definição de padrões e procedimentos apropriados de qualidade

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 12

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 12 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 12 Agenda Miscelâneas (Parte 3): Gerenciamento dos Requisitos Mutáveis Rastreabilidade de Requisitos Processo de Gestão de Mudanças Requisitos Estáveis e

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

[Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Plano de Projeto

[Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Plano de Projeto [Inserir Logotipo do ] [Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Preparado por: [nome do GP] Gerente de Projeto E-mail: [xxxxxxxxxxx] Projeto Id: [inserir ID do projeto] Data Elaboração:[xxxxxxx] Informações

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc.

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc. Capítulo X Gerenciar Mudanças dos Requisitos., M. Sc. 2 1. Sobre a disciplina de gerência de requisitos. 2. Boas práticas em engenharia de software. 3. Introdução a gerência de requisitos. 4. Introdução

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10 Id Nome da tarefa Duração Início Término Predecessoras Qua, 01/Set Qui, 02/Set 18 0 6 12 18 0 6 12 1 Projeto de Implantacão da Governanca de TI com CobiT (Nível 3) 3 dias? Qua 01/09/10 Sex 03/09/10 2 PO

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição Gerenciamento de Projeto de Software Tópicos abordados Atividades de gerenciamento Planejamento do projeto Cronograma do projeto Gerenciamento de riscos Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 4 14 de Novembro de 2013 1 Gestão dos Prazos e Custos do Projeto - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Informações iniciais

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software.

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software. Engenharia de Software Aula 06 Tópicos da Aula Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 26 Março 2012 Funcionais e não funcionais De usuário e do Engenharia de Estudo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software

Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software Claudia Hazan, CFPS CENÁRIO MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Definição Desenvolvimento Manutenção GERÊNCIA DA MANUTENÇÃO Planejar

Leia mais

Introdução a Engenharia de Software

Introdução a Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Histórico 1968: Crise do Software Nasce a Engenharia de Software 1970s:

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 8 (Versão 2012-01) 01) Requisitos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando... 1. Qual o

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2.1 Capítulo 2 QUALIDADE DE SOFTWARE 1. INTRODUÇÃO Como foi mencionado no capítulo anterior, o papel da Engenharia de Software é, principalmente, fornecer métodos e ferramentas para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Capítulo 22 Gerência de Projetos. Aula 1

Capítulo 22 Gerência de Projetos. Aula 1 Capítulo 22 Gerência de Projetos Aula 1 1 Tópicos ² Gerência de Risco ² Gerenciando Pessoas ² Trabalho em Equipe 2 Gerência de Projetos em Software ² A gerência de projetos em softwares envolve atividades

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães 1 1 SWQuality Consultoria e Sistemas analiddy@swquality.com.br Resumo. Este trabalho visa

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase 122 ANEXO A Questionário de Avaliação Este anexo contém o Questionário utilizado para avaliar as características do mantenedor, o nível de experiência da equipe de manutenção e o nível de conhecimento

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI?

Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI? Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI? Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) Cenário Sintomas da Crise do Software As estimativas de prazo

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução aos Processos de Software: modelos e ciclo de vida de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02)

Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02) Engenharia de Software Aula 8 (Versão 2010-02) As melhores práticas de Engenharia de Software: Verificar Continuamente a Qualidade do Software Controlar Mudanças de Software Professor Gabriel Baptista

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento em BD. Projeto de Banco de Dados. Ciclo de Desenvolvimento em BD. Estratégia. Estratégia Objetivos principais (Cont.

Ciclo de Desenvolvimento em BD. Projeto de Banco de Dados. Ciclo de Desenvolvimento em BD. Estratégia. Estratégia Objetivos principais (Cont. Ciclo de Desenvolvimento em BD Fases de Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento em BD Fernando Fonseca Implantação 2 Ciclo de Desenvolvimento em BD Abordagem em cada fase Conceitos Sucesso do desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br BFPUG Brazilian Function Point Users Group Gerência da Melhoria de S oftware através de Indicadores da Qualidade e Produtividade BFPUG Brazilian Function Point Users Group Software Measurement & IT Project

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) SGAN Quadra 601 Modulo V Brasilia, DF, CEP: 70836-900 BRAZIL 1 Agenda Cenário:

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais