CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS CADASTRADOS EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS CADASTRADOS EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA"

Transcrição

1 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCVida DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA CURSO DE NUTRIÇÃO ÉRICA CARVALHO GINDRI CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS CADASTRADOS EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ijuí RS 2013

2 1 ÉRICA CARVALHO GINDRI CONSUMO ALIMENTAR DE IDOSOS CADASTRADOS EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Trabalho de Conclusão de Curso de Nutrição, do Departamento de Ciências da Vida DCVida, da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), para obtenção parcial do título de Nutricionista. Orientadora: Maristela Borin Busnello Ijuí RS 2013

3 2

4 3 RESUMO A nutrição tem um papel importante na modulação do processo de envelhecimento humano e o consumo alimentar está diretamente ligado à qualidade de vida. Nesta pesquisa foi analisado o consumo alimentar, as práticas alimentares e outras características de saúde, além de dados sociodemográficos de idosos cadastrados em uma Estratégia de Saúde da Família em um município da Região Noroeste do RS. Realizou-se um estudo transversal com coleta de dados primários, participaram do estudo 40 idosos de ambos os sexos. Para a análise do consumo alimentar desta população foi aplicado um questionário alimentar, proposto pelo Ministério da Saúde. Foram considerados como parâmetros de interpretação dos hábitos alimentares aqueles propostos no Guia Alimentar para a População Brasileira e os Dez passos da Alimentação Saudável para Idosos. Quanto ao consumo dos grupos alimentares, os idosos apresentaram baixa ingestão do consumo de frutas, verduras e legumes, leguminosas, leite e derivados e água, aumento no consumo de carboidratos e inadequação do consumo de alimentos ricos em açúcares, frituras, salgadinhos e embutidos. Os resultados aqui apresentados contribuem para criar estratégias de intervenção, auxiliando o nutricionista e a equipe de saúde na adoção de práticas alimentares saudáveis. Palavras-chave: Idoso, consumo alimentar, envelhecimento.

5 4 ABSTRACT Nutrition plays an important role in the modulation of human aging and food consumption process is directly linked to the quality of life. This research was analyzed dietary intake, eating habits and other health characteristics, and sociodemographic data of elderly enrolled in a Family Health Strategy in a city in the Northwest Region of RS. We conducted a cross-sectional study with primary data collection, participated in the study 40 subjects of both sexes. For the analysis of dietary intake of this population a food questionnaire proposed by the Ministry of Health were considered as parameters in the interpretation of dietary habits in those proposed Food Guide for the Brazilian Population and Ten Steps to Healthy Eating for Seniors was applied. Regarding the consumption of food groups, the elderly had low intakes of fruit, vegetables, legumes, dairy products and water, increased consumption of carbohydrates and inadequate consumption of foods high in sugars, fried foods, chips and sausages. The results presented here contribute to create intervention strategies, helping nutritionists and health professionals to adopt healthy eating habits. Keywords: Elderly, food consumption, aging.

6 5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 22

7 6 1 INTRODUÇÃO O envelhecimento humano é um processo progressivo inevitável e natural de todos os seres, com mudanças nas funções fisiológicas e declínio do ritmo biológico do organismo ao passar dos anos, sendo que o grau de comprometimento orgânico varia de acordo com o estilo de vida e os hábitos alimentares do indivíduo (FERREIRA et al., 2009; MACHADO, 2009). Na literatura há inúmeros conceitos sobre envelhecimento. De acordo com Sant anna, Camara e Braga (2003) o envelhecimento possui várias dimensões. Mesmo comumente relacionado com o tempo de vida do individuo, também abrange outros fatores, como: aspectos biológicos, psicológicos e sociais. Para Zimerman (apud SAMATO, 2007), o conceito de envelhecimento é semelhante ao de Sant anna, Camara e Braga (2003), porém acrescentam que as alterações do envelhecimento podem ou não acontecer mais cedo do que o esperado e são naturais e gradativas, avançam segundo a genética, bem como o modo de vida de cada um. No Brasil o idoso é considerado a pessoa que possui idade maior de 60 anos (BRASIL, 1994). Entretanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica os indivíduos como idosos com 65 anos ou mais, para os países centrais, e a partir dos 60 anos, para os países periféricos. A transição demográfica no Brasil é eminente com progressivo aumento da população idosa, cerca de 10% da população total encontra-se nesta faixa etária (MAFALDA, 2011). Projeções indicam que, em 2020, seremos o sexto país do mundo em número de idosos, com uma população superior a 30 milhões de pessoas. Essa situação de senescência do Brasil é decorrente de mudanças, que vem acontecendo de maneira acelerada nas três últimas décadas, decorrentes da redução da mortalidade infantil e do declínio acentuado da fecundidade (TANNURE et al., 2010). Araújo et al. (2011) apresentam que a população brasileira crescerá 3,22 vezes até o ano de 2025, a população acima de 65 anos aumentará 8,9 vezes e os acima de 80 anos, 15,6 vezes. Mantendo-se estes dados, provavelmente o Brasil terá uma das maiores populações de idosos do mundo. Neste cenário, o aumento da população idosa, as transformações sociais e econômicas, juntamente com a mudança dos hábitos alimentares, e fatores associados como o sedentarismo e estresse, contribuem para o aumento da

8 7 incidência de doenças crônicas como as cardiovasculares, câncer, diabetes e doenças respiratórias (VERAS, 2012), sendo estas principais causas de morte no mundo (DAHLGREN; WHITEHEAD, 1991 apud GEIB, 2012). Fica evidente a necessidade de cuidados especiais, na manutenção da saúde através da detecção precoce, adoção de hábitos alimentares saudáveis, prática da atividade física e o acesso ao tratamento adequado, garantindo assim a prevenção de doenças. Com base nos dados levantados da fonte de dados do Datasus, o RS apresenta uma população idosa de habitantes, equivalendo a 11,52% da população total. Em Ijuí observamos, em 2009, 14,22% de idosos. As taxas de mortalidade por doenças do aparelho circulatório são de 41,2% para Ijuí e para o RS 41%, respectivamente (BRASIL, 2009). Esses dados mostram a questão já descrita na literatura que mostra que as doenças crônicas não transmissíveis do aparelho circulatório são maiores nesta faixa etária de 60 anos ou mais. No que tange a área da nutrição as alterações no organismo do idoso proporcionam expressivas mudanças na ingestão, digestão, absorção, metabolização e das necessidades de nutrientes. Alguns fatores que ocasionam estas alterações, dentre eles menciona-se a perda de dentes e uso de próteses, uso de medicamentos, disponibilidade de alimentos, bem como aspectos culturais, religiosos, incapacidade física de desempenho de atividades, alteração do paladar dentre outros, comprometendo as condições de saúde do idoso, que evidenciem principalmente da má nutrição (DALLEPIANE, 2009; MACHADO, 2009). Wakimoto e Block (2001 apud PFRIMER; FERRIOLLI, 2008) acrescentam que os hábitos alimentares do idoso também são influenciados por questões de integração social, como solidão, isolamento social, acesso ao transporte e omissão de refeições. No que se trata dos hábitos alimentares do idoso, verifica-se um aumento do consumo de alimentos preparados, leite, cereais refinados, carnes e açúcar e uma diminuição do consumo de frutas, verduras, legumes, grãos inteiros e cereais (GEIB, 2012). Conforme Brasil (2006) para a População Brasileira o consumo de frutas, legumes e verduras auxiliam na prevenção e no controle das doenças crônicas nãotransmissíveis, principalmente quando associadas a obesidade. O estilo de vida e a dieta minimizam o risco de doenças e maximizam a possibilidade de um envelhecimento saudável (DREWNOWSKI; EVANS, 2001 apud PFRIMER; FERRIOLLI, 2008, p. 461).

9 8 Uma alimentação adequada está diretamente relacionada com um envelhecer saudável, proporcionando uma terceira idade mais ativa. A nutrição e a saúde estão intimamente ligadas, estas contribuem para o bem estar do indivíduo. A nutrição tem um papel importante na modulação do processo de envelhecimento humano e o consumo alimentar está diretamente ligado a qualidade de vida. Tendo em vista este panorama, o trabalho tem como objetivo avaliar o consumo alimentar de idosos cadastrados em uma Estratégia de Saúde da Família em um município da Região Noroeste do RS. 2 METODOLOGIA Trata-se de um estudo epidemiológico transversal com coleta de dados primários realizado em agosto de 2013, com idosos cadastrados em uma Estratégia de Saúde da Família de Ijuí, município do interior do Rio Grande do Sul. Na pesquisa foram entrevistados 40 idosos, o que representa aproximadamente 10% dos usuários nesta faixa de idade. A inclusão no estudo considerou os seguintes critérios: ser idoso (60 anos ou mais), residir na área de cobertura da ESF, apresentar condições de responder as questões durante a entrevista; como critérios de exclusão considerou: ter menos de 60 anos, apresentar limitações na capacidade funcional. A coleta de dados foi realizada no domicílio dos idosos pela pesquisadora. Os dados que foram coletados para a realização deste estudo foram características sociodemográficas (idade, sexo, escolaridade, renda mensal), características de saúde (prática de atividade física, patologia associadas, saúde bucal), conforme instrumento de pesquisa em anexo. Para a análise de o consumo alimentar desta população foi aplicado um questionário de frequência alimentar (BRASIL, 2006), abordando as seguintes questões sobre hábitos alimentares: frequência do consumo de porções de frutas e legumes, leguminosas, carboidratos, carnes ou ovos e leite e derivados, retirada ou não da gordura aparente da carne e/ou frango, frequência do consumo de doces, frituras e embutidos; tipo de gordura utilizada na cocção dos alimentos; adição de sal na comida; costume de trocar refeições principais (almoço ou jantar) por lanches; quantidade diária de ingestão de água e a frequência do consumo de bebidas alcoólicas.

10 9 Foram considerados como parâmetro de interpretação dos hábitos alimentares aqueles propostos por Brasil (2006 e 2007), considerando as recomendações de porções diárias de frutas e legumes, leguminosas, carboidratos, leguminosas, carnes ou ovos e leite e derivados. Após a aplicação dos questionários, os dados foram digitados em uma planilha do Excel, para serem analisados e, após, exportados para o software Epiinfo versão 3.3.2, 2005, para a realização da epidemiologia descritiva considerando a frequência. Este estudo foi encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa da UNIJUI, sendo aprovado com parecer consubstanciado número /2013, e foram adotados os procedimentos descritos na resolução do Conselho Nacional de Saúde 466/ RESULTADOS Foram entrevistados na pesquisa 40 idosos. Estes apresentaram idade média de 72,4 anos e 8,09 DP. A idade mínima foi 60 anos e a máxima 91 anos. Do total de idosos entrevistados 29 (72,5%) idosos eram do sexo feminino e 11 (27,5%) idosos eram do sexo masculino. A renda familiar predominante entre os idosos foi de um a dois salários mínimos. Com relação à escolaridade 17 (42,5%) idosos estudaram até o ensino fundamental completo. Em relação às características de saúde 15 (37,5%) dos idosos não praticavam atividade física conforme recomendado. A maioria relatou que a saúde bucal 29 (72,5%) estava boa ou ótima. Quando questionados sobre sua saúde 25 (62,5%) responderam que estava regular. Dos idosos 35 (87,5%) tomavam medicamento todos os dias. A maioria dos idosos relataram a presença de hipertensão, diabetes, hipercolesterolemia e cardiopatias, individualmente ou combinadas. Estas patologias de acordo com a literatura são mais frequentes na população idosa. Quanto ao numero de refeições diárias apenas 5 (12,5%) idosos relataram realizar 5 refeições ao dia e 24 (60%) idosos realizam 4 refeições ao dia. Foi questionado também o consumo de peixe. O consumo em duas ou mais vezes por semana, foi referido por apenas 2 (5%) dos idosos e 25 (62,5%) relataram consumir apenas algumas vezes no ano.

11 10 A Tabela 1 ilustra o consumo dos grupos alimentares e água, observando-se que de modo geral os idosos apresentaram baixa ingestão de alguns grupos de alimentos em relação ao proposto por Brasil (2007). Quanto ao consumo de frutas 9 (22,5%) idosos relataram consumir três ou mais frutas diariamente, já o consumo de uma porção foi citado por 14 (35%) idosos. Ao serem questionados sobre a quantidade ingerida de legumes e verduras, 6 (15%) idosos relataram consumir oito ou mais colheres de sopa. E, 11 (27,5%) idosos relataram consumir quatro a cinco colheres de sopa. Quanto ao consumo de carboidratos a maioria 17 (42,5%) idosos relataram consumir 5 porções/dia e 9 (22,5%) idosos relataram consumir 6 porções/dia. Sobre a quantidade de leguminosas ingerida diariamente, 16 (40%) idosos consomem duas ou mais colheres de sopa. Outros 17 (42,5%) idosos referem consumir leguminosas menos de cinco vezes na semana. Na questão referente ao consumo diário de carnes ou ovos, 27 (67,5%) idosos consomem um pedaço de carnes ou ovos, e 2 (5%) idosos relataram que não consomem nenhuma porção de carnes ou ovos. Referente ao consumo de leite e seus derivados apenas 1 (2,5%) idoso relatou consumir três ou mais copos de leite ou pedaços/fatias/porções de seus derivados, durante o dia. Já o consumo de um ou menos copos de leite ou pedaços/fatias/porções de seus derivados foi relatado por 22 (55%) idosos. Quanto ao consumo de água, 2 (5%) idosos referem beber seis a oito copos e 22 (55%) idosos relataram beber menos de quatro copos. Tabela 1 Consumo dos grupos de alimentos em idosos cadastrados no ESF, Ijuí RS, 2013 Grupos de alimentos Número (Nº) Percentual (%) Frutas (unidade/fatia/pedaço/copo de suco natural/dia) Não como 7 17,5 Três ou mais 9 22,5 Duas Uma Total Legumes/Verduras (colheres de sopa/dia) Não como 8 20 Três ou menos 8 20 Quatro a cinco 11 27,5 Seis a sete 7 17,5 Oito ou mais 6 15 Total Leguminosas/dia Não como 2 5

12 11 Grupos de alimentos Número (Nº) Percentual (%) Duas ou mais colheres de sopa Menos de cinco vezes na semana 17 42,5 Uma colher de sopa ou menos 5 12,5 Total Carboidratos (porções/dia) Três porções 1 2,5 Quatro porções 1 2,5 Cinco porções Seis porções 9 22,5 Sete porções ou mais 17 42,5 Total Carnes (pedaço/fatia/colher de sopa ou ovo/dia) Não como 2 5 Um 27 67,5 Dois 8 20 Mais de dois 3 7,5 Total Leite e derivados (copo/pedaço/fatia/porções/dia) Não como 4 10 Três ou mais 1 2,5 Dois 13 32,5 Um ou menos Total Água (copos/dia) Menos de quatro Oito ou mais 6 15 Quatro a cinco Seis a oito 2 5 Total Investigou-se o comportamento dos idosos referente às práticas alimentares (Tabela 2) e verificou-se adequação para a retirada da gordura aparente da carne ou frango (70%), tipo de gordura (óleo vegetal) para cozinhar os alimentos (67,5%), não costuma colocar mais sal na comida (92,5%) e ao consumo de bebidas alcoólicas (90%). Destaca-se inadequação no consumo de frituras, salgadinhos e embutidos (82,5%), no consumo de doces, bolos, biscoitos, refrigerantes e sucos industrializados (57,5%). Tabela 2 Práticas alimentares descritas pelos idosos cadastrados no ESF, Ijuí RS, 2013 Práticas alimentares Classificação Adequada Inadequada N % N % Retira a gordura aparente de carnes e/ou frango Costuma consumir frituras, salgadinhos e embutidos 7 17, ,5 Costuma consumir doces, bolos, biscoitos, refrigerantes e 17 42, ,5 sucos industrializados Tipo de gordura para cozinhar os alimentos 27 67, ,5 Costuma colocar mais sal na comida 37 92,5 3 7,5 Consumo de bebidas alcoólicas Total

13 12 4 DISCUSSÃO Os resultados observados no presente estudo apontam para aspectos relevantes ao sinalizar que os idosos apresentam inadequação, quanto aos hábitos alimentares saudáveis preconizados. O perfil socioeconômico e demográfico dos idosos estudados é semelhante ao encontrado no país, que é característico da população idosa brasileira (IBGE). Prevalece uma população feminina com poucos anos de estudo e de baixa renda. Entre as principais morbidades relatadas, notou-se que hipertensão arterial foi a enfermidade mais frequente, identificado também em estudo realizado por Malta, Papini e Corrente (2013), Orlando et al. ( ), Abreu et al. (2013). O uso de medicamentos por um período prolongado pode interferir na digestão, na absorção e no metabolismo de nutrientes, originando desnutrição e até anorexia (PFRIMER; FERRIOLLI apud VITOLO, 2008). As boas condições de saúde bucal contribuem para que as refeições não sejam restritas a alimentos difíceis de mastigar. Neste estudo menos da metade dos idosos entrevistados realizam atividade física regularmente, podendo estar relacionado com as limitações decorrentes da idade. A atividade física pode ser definida como qualquer movimento realizado pelo sistema esquelético com gasto de energia, o que requer um profissional capacitado e habilitado para esse fim (SILVA, 2012). A prática de atividade física aliada à alimentação saudável, melhora a qualidade e expectativa de vida, atuando na prevenção do desenvolvimento de doenças, além de melhorar o controle das comorbidades associadas (MACHADO, 2009). Barreto et al. (2005) acrescentam que o estilo de vida ativo diminui o risco de DCNT, da mortalidade geral e doenças cardiovasculares. Durante o dia é necessário que realize pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia, para que haja um fracionamento adequado aumentando a frequência e diminuído o volume da refeição. Neste estudo não ouve um fracionamento adequado da dieta, pois a maioria os idosos relataram consumir quatro refeições dia. Porém estudo realizado com idosas atendidas no Núcleo de Atenção ao Idoso da Universidade Federal do Recife, identificaram que 87,7% e 43,4% realizavam três refeições diárias e dois lanches, respectivamente (AMADO; ARRUDA; FERREIRA, 2007).

14 13 A distribuição adequada das refeições estimula o funcionamento do intestino e evita que se coma fora de hora, garantindo assim o fornecimento de nutrientes e energia, causando maior conforto e apetite para pessoa idosa. A avaliação dos hábitos alimentares realizada com o auxílio do questionário de frequência alimentar (QFA), identificou a inadequação no consumo do(s) grupo(s) alimentar(es), tais como: as frutas, legumes e verduras, carboidratos, leite e derivados, leguminosas e água, considerados como protetores a saúde. O consumo irregular de frutas, verduras e legumes teve uma elevada prevalência entre os idosos, semelhante ao encontrado em outros estudos (MALTA; PAPINI; CORRENTE, 2013; HEITOR; RODRIGUES; TAVARES, 2013). Por outro lado, estudo na cidade de Pelotas-RS encontrou um consumo adequado de frutas e hortaliças entre os idosos (VINHOLES; ASSUNÇÃO; NEUTZLING, 2009). Estudo realizado por Viebig et al. (2009) com idosos na cidade de São Paulo constatou que o consumo insuficiente de frutas e hortaliças está intensamente associado com a escolaridade e a baixa renda dos idosos, e que o consumo destas aumenta logo que melhora o nível de escolaridade e a renda dos indivíduos, esta associação condiz com o descrito pela pesquisa. Brasil (2007) recomenda uma ingestão de três ou mais porções de frutas, legumes e verduras diariamente. Considerando esta recomendação percebe-se o baixo consumo deste grupo de alimentos. Essa situação precisa ser observada com mais atenção, uma vez que evidências indicam que dietas ricas em frutas e hortaliças contribuem para a proteção à saúde e diminuição do risco de ocorrência de várias doenças. Brasil (2006) ressalta a importância de frutas, verduras e legumes, destacando aqueles fortemente coloridos, frescos, por serem fontes ricas de vitaminas, minerais e fibras, além de contribuírem com propriedades antioxidantes auxiliando na prevenção e no controle da obesidade, diabetes, doenças cardíacas e alguns tipos de câncer. Quanto ao consumo de leguminosas a maioria dos idosos relatou consumir menos de cinco vezes por semana. Estudo realizado no RS com idosos também observou consumo insuficiente deste grupo de alimentos (BOZ; SANTOS; MENDES, 2010). Segundo Brasil (2006) a queda do consumo deste grupo de alimentos tem sido atribuída à inclusão cada vez maior de alimentos industrializados e menos saudáveis, acrescenta ainda que as leguminosas são os vegetais mais ricos em

15 14 proteína, contêm fibras, vitaminas e minerais, além de ser importante fonte de energia para famílias de baixa renda, e que a preparação típica brasileira, feijão com arroz é considerada uma combinação saudável e nutritiva (BRASIL, 2006). Os carboidratos são a maior fonte de energia para o organismo. A maioria dos idosos nesta pesquisa relatou consumir mais que seis porções/dia. Diferente ao encontrado em estudo com idosos de município paulista quando consumo médio observado foi insuficiente para o grupo dos cereais, pães, raízes e tubérculos (MALTA; PAPINI; CORRENTE, 2013). Quando há um consumo de alimentos ricos em carboidratos maior que o recomendado, com pouca variedade nos tipos de alimentos consumidos, essa alimentação será concentrada em energia, característica que está associada ao excesso de peso e obesidade e a outras DCNT. A quantidade adequada de alimentos com carboidratos em sua forma integral, ou seja, que conservaram a fibra alimentar, ajuda a função intestinal, protegendo contra a constipação intestinal e possivelmente contra a doença diverticular e o câncer do cólon (BRASIL, 2006). Quanto ao grupo dos alimentos de origem animal Brasil (2007) recomenda o consumo de três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos diariamente, sendo indicado retirar a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação. A maioria dos idosos desta pesquisa relatou consumir uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos, de acordo com o recomendado. Todos estes alimentos são fontes de proteínas, vitaminas e minerais e fazem parte de uma alimentação nutritiva, contribuindo para a saúde do idoso. Lembrando que é necessário que o consumo destes alimentos esteja adequado, pois o colesterol está presente nos produtos de origem animal, e o consumo excessivo destes contribui para o aumento do colesterol sanguíneo, aumentando o risco de desenvolver problemas cardiovasculares (SILVA, 2012). O consumo irregular de peixes teve uma alta prevalência entre os idosos, como não foi avaliada a forma de preparo do consumo de peixe, limitou a classificação deste alimento como hábito alimentar saudável. A maioria dos idosos nesta pesquisa não atingiu o consumo adequado do grupo de leites e derivados. Apenas um dos participantes consumia estes alimentos de acordo com o recomendado. Estudo com idosos na zona rural do município de Uberaba-MG, que considerou os mesmos índices para alimentação saudável,

16 15 verificou resultados semelhantes a este estudo o consumo de três porções/dia de leites e derivados foi o menos referido (HEITOR; RODRIGUES; TAVARES, 2013). Estudo transversal, com trezentos idosos de ambos os sexos, no Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza, localizado na zona oeste do município de São Paulo verificou um consumo médio de uma porção deste grupo de alimentos, semelhante ao encontrado neste estudo (PASSANHA et al., 2011). Segundo IBGE (2011) idosos apresentam maior percentual de inadequação das vitaminas E, D e cálcio, tanto os homens quanto as mulheres nas áreas urbana e rural. Os resultados encontrados mostram-se preocupantes, pois os leites e derivados são considerados as principais fontes de cálcio, na alimentação, fundamentais para a saúde óssea do idoso, um dos fatores relacionados ao baixo consumo deste grupo de alimentos é a substituição do leite pelo consumo de refrigerantes (PEREIRA et al., 2009). É importante considerar que o consumo de alimentos de origem animal deve ser moderado, devido ao alto teor de gorduras saturadas, que aumentam o risco de desenvolvimento da obesidade, de doenças cardíacas e outras doenças, incluindo alguns tipos de câncer (BRASIL, 2006). Um total de 55% dos idosos relatou consumir menos de quatro copos de água diariamente, dado este semelhante ao estudo realizado em Erechim RS verificaram que 50% dos idosos consumiam água e os demais consumiam líquidos, estando incluídos neste, o consumo de refrigerantes e sucos industrializados (CARVALHO; ZANARDO, 2010). Outra pesquisa realizada o RS refere baixa ingestão do consumo de água por parte dos idosos (KÜMPEL et al., 2011). Segundo Waitzberg (2004) à medida que envelhecemos, há uma diminuição da proporção de água no organismo. Os idosos, além de possuírem menor quantidade de água, cerca de 40% a 50% do peso corpóreo, também são mais vulneráveis à perda de água do que os jovens. A desidratação é comum entre os idosos e está relacionada com muitas doenças degenerativas relacionadas à idade provocando delirium, problemas de deglutição e constipação intestinal (VITOLO, 2008). Dos idosos estudados 57,5% apresentaram inadequação do consumo de doces, bolos, biscoitos e outros alimentos ricos em açúcar. A POF, conduzida pelo IBGE entre os anos de para a população brasileira constatou que os idosos apresentaram menor consumo de açúcar total, sendo o consumo dos

17 16 adolescentes 30% mais elevado do que entre os idosos, e 15% a 18% maior entre os adultos. É importante considerar que o consumo elevado de alimentos com adição de açúcares pode substituir ou reduzir a ingestão de alimentos importantes para uma alimentação saudável (IBGE, 2011). No que se refere às frituras, salgadinhos e embutidos verificou-se inadequação do consumo em 82,5% dos idosos estudados. A literatura traz que gorduras, açúcares e sódio presente nos alimentos industrializados, quando frequentes e em grande quantidade aumenta o risco de doenças como obesidade, hipertensão arterial, diabetes e doenças do coração (BRASIL, 2006). A ingestão destes alimentos na população idosa deve ser reduzida, pois grande parte dos idosos deste estudo apresentam hipertensão e DM e ainda hábitos alimentares não saudáveis que poderão influenciar ao aparecimento ou agravamento destas comorbidades. Os hábitos e práticas alimentares observados entre os idosos trazem inquietação, pois para quase todos os resultados observou-se inadequação e esta situação podem trazer prejuízos à saúde do idoso, além de contribuir para o agravamento de doenças decorrentes da idade. Outro aspecto a destacar será a baixa renda referida pelos idosos o que pode prejudicar o acesso aos alimentos saudáveis como as frutas, verduras e legumes, que geralmente tem custo mais elevado. 5 CONCLUSÃO Os resultados encontrados no presente estudo aumentam o conhecimento sobre o consumo alimentar, as práticas alimentares e outras características de saúde dos idosos, contribuído para criar estratégias de intervenção, auxiliando o nutricionista e a equipe de saúde na adoção de práticas alimentares saudáveis. Neste estudo a maioria dos idosos apresentou baixo consumo de frutas, verduras e legumes, leguminosas, leite e derivados e água, aumento no consumo de carboidratos e inadequação do consumo de alimentos ricos em açúcares, frituras, salgadinhos e embutidos. Os hábitos alimentares não saudáveis apresentados pelos idosos, juntamente com as patologias apresentadas estão intimamente ligados ao comportamento e as escolhas alimentares realizadas ao longo da vida, lembrando que nunca é tarde para

18 17 iniciar hábitos alimentares saudáveis, mas, quanto mais cedo começar as mudanças no comportamento alimentar melhor será a prevenção, assim proporcionará um envelhecer saudável. Resultados expressivos em prol de longevidade com melhor qualidade de vida podem ser alcançados com o cuidado precoce com a saúde, pois diminui os riscos de adoecimento e, em caso de surgimento de intercorrências, o tratamento será mais eficaz e com menor invasão, consequentemente menos oneroso para o estado. A equipe de saúde na atenção básica pode no cuidado individual e ou no trabalho coletivo com a implantação e acompanhamento dos grupos de saúde desenvolver conhecimentos sobre o cuidado na alimentação favorecendo a melhora da qualidade de vida e trocas de saberes coletivo. 6 REFERÊNCIAS ABREU, I. C. M. E. et al. Baixa renda entre os idosos participantes da terceira idade está associada à qualidade da dieta. Alim. Nutr. = Braz. J. Food Nutr., Araraquara, v. 24, n. 3, p , jul./set Disponível em: <http://serv-bib.fcfar.unesp.br/ seer/index.php/alimentos/article/viewfile/2191/2191>. Acesso em: 12 nov AMADO, T. C. F.; ARRUDA, I. K. G.; FERREIRA, R. A. R. Aspectos alimentares, nutricionais e de saúde de idosas atendidas no Núcleo de Atenção ao Idoso NAI, Recife/2005. Arch. Latinoam. Nutr., v. 57, p , Disponível em: <http://www.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=es&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 12 nov ARAÚJO, L. G. B. et al. Perfil nutricional de adultos e idosos atendidos na rede municipal de saúde de Manaus e sua associação a doenças crônico-degenerativas. RBCEH, Passo Fundo, v. 8, n. 1, p , jan./abr Disponível em: <http://www.upf.br/seer/index.php/rbceh/article/view/928/pdf>. Acesso em: 06 jun BARRETO, S. M. et al. Análise da estratégia global para alimentação, atividade física e saúde da Organização Mundial da Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 14, n. 1, jan./mar Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/ arquivos/pdf/4artigo_analise_global.pdf>. Acesso em: 13 nov BOZ, C.; SANTOS, J. S.; MENDES, K. G. Descrição do índice de massa corporal e do padrão do consumo alimentar das integrantes de uma universidade da terceira idade no interior do Rio Grande do Sul. RBCEH, Passo Fundo, v. 7, n. 2, p , maio/ago Disponível em: <http://www.perguntaserespostas.com.br/seer/ index.php/rbceh/article/view/671/pdf>. Acesso em: 14 nov

19 18 BRASIL. DATASUS Departamento de Informática do SUS. Cadernos de informações de saúde RS Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/ tabdata/cadernos/rs.htm>. Acesso em: 13 jun BRASIL. Lei nº 8842, de 04 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm>. Acesso em: 04 jun BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Alimentação saudável para pessoas com mais de 60 anos: siga os dez passos. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em: <http:// /nutricao/docs/geral/10passosidosos.pdf>. Acesso em: 12 nov BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_1109_m.pdf>. Acesso em: 10 jun BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, p. (Série G. Estatística e Informação em Saúde). Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/ arquivos/pdf/2012/ago/22/vigitel_2011_final_0812.pdf>. Acesso em: 12 nov BRASIL. Resolução nº 196/96. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Disponível em: <http://conselho. saude.gov.br/web_comissoes/conep/aquivos/resolucoes/23_out_versao_final_196_e NCEP2012.pdf>. Acesso em: 02 jun CARVALHO, A. P. L.; ZANARDO, V. P. S. Consumo de água e outros líquidos em adultos e idosos residentes no município de Erechim Rio Grande do Sul. Perspectiva, Erechim, v. 34, n. 125, p , mar Disponível em: <http://www.uricer.edu.br/new/site/pdfs/perspectiva/125_79.pdf>. Acesso em: 13 nov DALLEPIANE, L. B. Envelhecimento humano: campos de saberes e práticas em saúde coletiva. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, FERREIRA, A. B. et al. Programa de atenção particularizada ao idoso em unidades básicas de saúde. Revista Saúde Soc., São Paulo, v. 18, n. 4, out./dez Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n4/20.pdf>. Acesso em: 06 jun GEIB, L. T. C. Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciência Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, jan Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 12 jun

20 19 HEITOR, S. F. D.; RODRIGUES, L. R.; TAVARES, D. M. S. Prevalência da adequação à alimentação saudável de idosos residentes em zona rural. Texto Contexto-Enferm., Florianópolis, v. 22, n. 1, jan./mar Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext &tlng=pt>. Acesso em: 12 nov IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de orçamentos familiares : análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, p. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/ pof/2008_2009_analise_consumo/pofanalise_2008_2009.pdf>. Acesso em: 12 nov IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, (Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, 27). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresmini mos/sinteseindicsociais2010/sis_2010.pdf>. Acesso em: 24 nov KÜMPEL, D. A. et al. Perfil alimentar de idosos frequentadores de um grupo de terceira idade. Revista Contexto & Saúde, Ijuí, v. 10, n. 20, p , jan./jun Disponível em: <https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/ article/view/1543/1300>. Acesso em: 08 nov MACHADO, L. L. Consumo alimentar de idosos do meio rural de Ijuí/RS Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Nutrição), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, MAFALDA, A. A realidade sobre a saúde do idoso no município de nova Ramada/RS e a construção de um modelo assistencial Trabalho de Conclusão (Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Fisioterapia em Geriatria), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, Disponível em: <http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/ /489/TCC%20P%C3%B3s%20FST%20em%20geriatria.pdf?sequence=1>. Acesso em: 05 jun MALTA, M. B.; PAPINI, S. J.; CORRENTE, E. C. Avaliação da alimentação de idosos de município paulista aplicação do índice de alimentação saudável. Ciência & Saúde Coletiva, 18(2): , Disponível em: <http://www.scielosp. org/pdf/csc/v18n2/09.pdf>. Acesso em: 12 nov ORLANDO, R. et al. Avaliação da alimentação e sua relação com as doenças crônicas não transmissíveis de um grupo de idosos de um município da região norte do Estado do RS. Revista de Enfermagem, Frederico Westphalen, v. 6-7, n. 6-7, p , Disponível em: <http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistade enfermagem/article/view/736/1312>. Acesso em: 13 nov

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezada Senhora: Estamos desenvolvendo uma pesquisa cujo título é ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE GRÁVIDAS QUE PARTICIPAM DO GRUPO DE GESTANTES

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 1 A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação (...) A verdade, em matéria de saúde, está na adaptação e no respeito à Natureza (...). Mokiti Okada Para uma alimentação saudável, podemos

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida

Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Alimentação Saudável nos Ciclos de Vida Silvia Saldiva Instituto de Saúde smsaldiva@isaude.sp.gov.br SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE Transição Nutricional A partir da década de 60, as

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA... 2 SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...14 FIQUE SABENDO...16 3 O QUE É A dislipidemia é o aumento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO Setor: N o. do quest QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO PARA TODAS AS PESSOAS COM 20 ANOS OU MAIS Data da entrevista / / Hora de início: Nome do entrevistador: Nº de identificação: Nome: Sexo

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA

E E R D A B DISEB SO O RA S FALOM VA VAMOS FALAR SOBRE OBESIDADE OBESIDADE A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal no organismo ou quando o peso do corpo ultrapassa em 20% o peso ideal. É atualmente

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e

Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e Análise dos resultados Os resultados apresentados contemplam o consumo de alimentos e grupos de alimentos, consumo de nutrientes e ainda algumas análises que combinam nutrientes e grupos de alimentos ou

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS... um guia para a escolha alimentar diária! 1-3 3-5 2-3 1,5-4,5 1-2 3-5 4-11 COMA BEM, VIVA MELHOR! O QUE É UMA PORÇÃO?* POR DIA quantas são necessárias? ** Cereais e derivados, tubérculos

Leia mais

1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e

1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e Dez Passos para uma Alimentação Saudável 1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições. Fazendo todas as refeições, você evita

Leia mais

Educação Nutricional para a Boa Alimentação e Controle do Peso Corporal

Educação Nutricional para a Boa Alimentação e Controle do Peso Corporal 8 Educação Nutricional para a Boa Alimentação e Controle do Peso Corporal Jaqueline Girnos Sonati Nutricionista e Especialista em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esportes e Lazer na UNICAMP

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

DICAS PARA PAIS E FILHOS

DICAS PARA PAIS E FILHOS DICAS PARA PAIS E FILHOS Orientações práticas para Crianças e Adolescentes com Sobrepeso ou Obesidade APRESENTAÇÃO Este trabalho foi desenvolvido pelas alunas Charlene Lopes, Elisangela de Paula Silva

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha:

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha: Café da manha: Dieta opção 1 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês sem miolo na chapa com 1 col. (sopa) rasa de margarina ou 1 fatia de queijo fresco ½ xíc. (chá) de cereal 1 xíc. (chá)

Leia mais

Dicas Para Emagrecer com Saúde

Dicas Para Emagrecer com Saúde 2011 www.blog.vivaplenamente.com Página 1 DIREITOS DE DISTRIBUIÇÃO Você pode distribuir este e-book livremente, assim como presenteá-lo a través do seu site ou blog aos seus visitantes e clientes. A única

Leia mais

SENAC PENHA. Curso Técnico em Nutrição e Dietética. Turma 13

SENAC PENHA. Curso Técnico em Nutrição e Dietética. Turma 13 SENAC PENHA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Turma 13 Elielma Mota Jhenipher Avelar Sandra silva Sirene ferreira Thalia Christina da Silva Orientação Vilani Figueiredo Dias Nutricionista Colaboração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL As prevalências de sobrepeso e obesidade cresceram de maneira importante nos últimos 30 anos. A importância que a obesidade vem assumindo no Brasil não pode ser ignorada

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições

Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições Sugestões de Lanches para intervalo entre as principais refeições Quando se está em processo de emagrecimento procurar evitar os seguintes produtos: doces, frituras, refrigerantes, sucos artificiais, biscoitos

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35 Manter a saúde, deixar a barriga sarada e aumentar a energia são benefícios que podem ser conquistados com a escolha correta dos alimentos. Alguns itens colaboram para ter ossos fortes, queimar gordura,

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi NUTRIÇÃO ESPORTIVA Nutr. Graziela Beduschi Graduação em Nutrição - UFPR MSC Nutrição - Wollongong University - AUS Sports Dietitian Course Australian Institute of Sports Passos para uma alimentação saudável

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS SUAS RESPOSTAS SÃO MUITO IMPORTANTES.

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS SUAS RESPOSTAS SÃO MUITO IMPORTANTES. Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Pré-Hipertensão PREVER 1 Número do Centro l l ID do Participante Data do Atendimento / / 201l l Iniciais do Participante l ARROLAMENTO AMOSTRAS BIOLÓGICAS

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? ROTULAGEM NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL

Leia mais

Se tornando Vegetariano de maneira Saudável 10 Dicas da Nutricionista

Se tornando Vegetariano de maneira Saudável 10 Dicas da Nutricionista Se tornando Vegetariano de maneira Saudável 10 Dicas da Nutricionista 1- Retire gradualmente a carne vermelha, porco e embutidos. No primeiro mês consuma carne vermelha, porco ou embutidos 1 vez na semana,

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alimentação saudável É saborosa, variada, colorida e com harmonia entre quantidades e qualidade! Sempre que possível faça as refeições junto à família,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS Sumário Introdução... 3 1 - A importância da Água... 4 2 - Organizando a sua alimentação diária... 6 3 A eliminação... 7 4 Sugestões de óleos... 8

Leia mais

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 3 - Setembro 2014 Comer bem para envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento

Leia mais

SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes.

SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes. SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes. Os smoothies ou shakes são uma maneira deliciosa, saudável e versátil para adicionar frutas e legumes em nossa alimentação diária.

Leia mais

Você sabe o que está comendo?

Você sabe o que está comendo? Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de orientação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física LAHOR CLÍNICA MÉDICA Tatiana Oliveira Nutricionista - CRN 7508 Rua Mário Amaral, 267 - Paraíso - SP Tel/Fax: (11) 3884-7127 Tel: (11) 3051-5554 Alimentação e Hidratação para a prática de Atividade Física

Leia mais

O ritmo acelerado de emagrecimento é observado até o terceiro mês, e a partir daí, passa a ser mais lento.

O ritmo acelerado de emagrecimento é observado até o terceiro mês, e a partir daí, passa a ser mais lento. Manual de Orientação Nutricional na Cirurgia Bariátrica- GCBV Elaborado por: Célia Ap Valbon Beleli Nutricionista CRN3.1501 Especialista em Obesidade e Emagrecimento Nutricionista do Grupo de Cirurgia

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES TERESINA-PI SETEMBRO/11 1 ORIENTADORAS: Adriana de Azevedo Paiva Nutricionista, Doutora em Saúde Pública, Profa. da Disciplina Dietoterapia I da Universidade Federal do Piauí

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES EM ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO 1

HÁBITOS ALIMENTARES EM ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO 1 1 HÁBITOS ALIMENTARES EM ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO 1 Food habits in nutrition academic course Kiara Martins da Silva 2 ; Maristela Borin Busnello 3 1 Estudo resultante do Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Nossa Linha de Produtos

Nossa Linha de Produtos Nossa Linha de Produtos PerSHAKE Chocolate e Baunilha Fonte de proteína de soja, vitaminas, minerais e fibras. 0% Gordura, 0% Açúcar e 0% Sódio. A alimentação equilibrada vai além do bom funcionamento

Leia mais

Perder peso Comendo. Pare de comer depressa

Perder peso Comendo. Pare de comer depressa Vou passar a você, algumas receitas que usei para poder emagrecer mais rápido e com saúde. Não direi apenas só sobre como preparar algumas receitas, mas também direi como perder peso sem sofrimento e de

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais