APLICAÇÃO DO VINHOTO EM PROCESSOS DE FERTIRRIGAÇÃO DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UMA DESCRIÇÃO DE USO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DO VINHOTO EM PROCESSOS DE FERTIRRIGAÇÃO DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UMA DESCRIÇÃO DE USO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APLICAÇÃO DO VINHOTO EM PROCESSOS DE FERTIRRIGAÇÃO DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UMA DESCRIÇÃO DE USO Acadêmica: Ana Clara de Barros Correia Kyotoku Professor Orientador: Hamilcar José Almeida Filgueira JOÃO PESSOA - PB 16 DE DEZEMBRO DE 2011

2 ANA CLARA DE BARROS CORREIA KYOTOKU APLICAÇÃO DO VINHOTO EM PROCESSOS DE FERTIRRIGAÇÃO DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UMA DESCRIÇÃO DE USO Monografia apresentada à Universidade Federal da Paraíba como requisito parcial à obtenção do título de bacharel em Engenharia Civil. Professor Orientador: Hamilcar José Almeida Filgueira JOÃO PESSOA - PB 16 DE DEZEMBRO DE 2011

3 FOLHA DE APROVAÇÃO ANA CLARA DE BARROS CORREIA KYOTOKU APLICAÇÃO DO VINHOTO EM PROCESSOS DE FERTIRRIGAÇÃO DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UMA DESCRIÇÃO DE USO Trabalho de Conclusão de Curso em 16/12/2011 perante a seguinte Comissão Julgadora Professor Hamilcar José Almeida Filgueira Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do CT/UFPB Professora Carmem Lúcia Moreira Gadelha Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do CT/UFPB Professor Clóvis Dias Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do CT/UFPB Professor Leonardo Vieira Soares Coordenador do Curso de Graduação em Engenharia Civil

4 RESUMO O Brasil possui 8% da água doce presente no mundo e por ter essa posição privilegiada, não dá o devido cuidado ao seu uso e preservação, sendo necessário que sejam tomadas providências para utilizar de maneira racional os recursos hídricos do país. Irrigação é a aplicação artificial de água no solo, complementando a chuva, para garantir a produtividade, a sobrevivência e a boa qualidade da plantação. Quando acrescida de fertilizantes, para enriquecer o solo, é denominada de fertirrigação. O aumento do plantio da cana-de-açúcar para produção de etanol e açúcar gera uma preocupação na sociedade, devido aos impactos ambientais causados pelos seus resíduos, principalmente o vinhoto, por possuir alto poder poluente. O vinhoto pode ser usado como fertilizante orgânico na produção de cana-deaçúcar, possuindo alto teor de matéria orgânica, potássio e água, nutrientes importantes para a cana-de-açúcar. Entretanto, deve-se verificar a dosagem ótima a ser utilizada, caso contrário, pode haver diminuição da qualidade da matéria-prima para a indústria. Além disso, é importante estudar os impactos gerados pela fertirrigação do vinhoto, pois há riscos de afetar os mananciais de superfície, o solo e as águas dos lençóis freáticos. A partir de 1967, são criadas leis sobre a disposição de resíduos, mas apenas em 2006, no estado de São Paulo, que é feita uma norma com o intuito de estabelecer os critérios e procedimentos para o armazenamento, transporte e aplicação do vinhoto. Palavras chave: cana-de-açúcar, fertirrigação, vinhoto.

5 ABSTRACT Brazil has 8% of fresh water present in the world and for this privileged position, does not give due care in its use and preservation, being necessary to take measures to rationally use water resources of the country. Irrigation is the artificial application of water in the soil, adding water to ensure productivity, survival and quality of crops. When added fertilizer to enrich the soil, is called fertigation. The increase in the planting of sugar cane for ethanol production and sugar creates a concern in society because of the environmental impacts caused by its waste, especially the vinasse, because it has high-polluting power. The stillage can be used as organic fertilizer in the production of cane sugar, is high in organic matter, water and potassium, important nutrients for cane sugar. However, is necessary check the optimum dose to be used, otherwise there may be decline in the quality of the raw material for industry. Moreover, it is important to study the impacts of vinasse by fertigation, because there are risks to affect surface water sources, soil and water and groundwater. Since 1967, laws are created on the waste disposal, but only in 2006, the state of São Paulo created a more specific law, in which is made a standard in order to establish criteria and procedures for storage, transport and application of vinasse. Key words: cane sugar, fertigation, vinasse.

6 Sumário 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Importância da água Agricultura irrigada Cana-de-açúcar Histórico Produção Vinhoto Fertirrigação Fertirrigação com vinhoto Impacto da fertirrigação com vinhoto no solo Impacto da fertirrigação com vinhoto na água Impacto da fertirrigação nas águas superficiais Impacto da fertirrigação nas águas subterrâneas Legislação ambiental CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 32

7 1. INTRODUÇÃO A aplicação de fertilizantes juntamente com a água de irrigação é denominada fertirrigação. Seu objetivo é melhorar a produtividade e o crescimento da cultura em questão, ao trazer quantidades de água e nutrientes próximas aos valores considerados ótimos para o cultivo (ANDRIOLO et al, 1997, apud FERNANDES et al, 2002). Além disso, a fertirrigação proporciona ao produtor economia na aquisição de fertilizantes. A cana-de-açúcar é uma cultura ligada ao crescimento econômico do Brasil, possuindo monopólio na sua produção desde o descobrimento do Brasil até o século 17, perdendo a liderança para outros países até o ano de 1980, quando reassume o ranking. Atualmente, a cana-de-açúcar ocupa mais de oito milhões de hectares, aproximadamente 2,5% de toda a terra cultivável do Brasil. É esperado, ainda, que a produção de cana-de-açúcar dobre de volume na próxima década. Vinhoto é um resíduo da destilação do álcool, o qual tem sido utilizado em muitos lugares como fertilizante no cultivo de cana-de-açúcar. Quando aplicado corretamente, o vinhoto proporciona benefícios biológicos, físicos e químicos ao solo, aumentando a produtividade e desenvolvimento da cultura, através do aumento de fertilidade, de porosidade e de retenção de água (GLÓRIA; ORLANDO FILHO, 1983, apud MEDINA et al, 2002). Porém, quando utilizado em dosagens além da ótima, pode haver diminuição da qualidade da matéria-prima para a indústria (PAULINO et al, 2002), além de possível poluição do lençol freático e até salinização do solo (LYRA et al, 2003). Para cada litro de álcool produzido, são gerados de 10 a 15 litros de vinhoto, o qual tem alta demanda bioquímica de oxigênio (DBO), consumindo cerca de a miligramas para cada litro de vinhoto (SILVA; SILVA, 1986; FREIRE; CORTEZ, 2000, apud PAULINO et al, 2002). Por possuir um alto poder poluidor, o estudo do seu descarte é de grande importância para o meio-ambiente, em que os elementos possivelmente mais afetados são os mananciais de superfície, o solo e as águas dos lençóis freáticos (CORAZZA, 2006) Com o intuito de diminuir o seu impacto, foram criadas leis e normas no Brasil sobre os resíduos das destilarias e das usinas de cana-de-açúcar. 6

8 O objetivo deste trabalho é apresentar uma descrição do desenvolvimento e da produção da cana-de-açúcar, as vantagens, desvantagens e a importância do reuso do vinhoto na fertirrigação da cana-de-açúcar. 7

9 2. METODOLOGIA Para a realização desse trabalho, foram desenvolvidas cinco fases distintas: escolha do tema; compilação de material; elaboração do plano de trabalho; análise e interpretação da obra; e redação. A escolha do tema foi feito a partir da preferência por um problema que mereça ser investigado cientificamente e da existência de obras pertinentes ao assunto em número suficiente para o estudo global. O passo seguinte foi a delimitação da do trabalho, para que não tornasse a pesquisa e a discussão do tema inviáveis. A pesquisa bibliográfica compreende toda a obra tornada pública em relação ao tema de estudo, podendo ser publicações avulsas, boletins, livros, jornais, revistas, artigos, monografias, teses, dissertações, etc.; até meios de comunicação oral e visual. A sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo o que foi escrito, dito ou filmado sobre o tema escolhido (MARCONI; LAKATOS, 2010). A compilação é a reunião de todo esse material. Na elaboração do plano de trabalho é determinada a estrutura do trabalho científico: introdução, desenvolvimento e conclusão. Nessa fase, é feita uma divisão dos tópicos de maneira que estejam logicamente correlacionados, pois as partes devem estar "sistematicamente vinculadas entre si e ordenadas em função da unidade de conjunto" (SALVADOR, 1980:62, apud MARCONI; LAKATOS, 2010). A análise e a interpretação são compostas pela crítica do material bibliográfico, pela decomposição dos elementos essenciais para a pesquisa e a pela interpretação do material, exigindo a comprovação ou refutação das hipóteses. Nessa fase é verificada a veracidade dos textos e interpretado o seu conteúdo. De acordo com Asti Vera (1944, apud MARCONI; LAKATOS, 2010), "compreender um texto equivale a haver entendido o que o autor quis dizer, os problemas que postulou e as soluções que propôs para os mesmos". A redação do trabalho foi feita com o objetivo de mostrar o assunto escolhido em profundidade e também por diversos ângulos e aspectos. A pesquisa bibliográfica permite citar as principais conclusões de outros autores, aumentando a contribuição da pesquisa realizada, demonstrando contradições ou reafirmando resultados. 8

10 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1. Importância da água A água é fundamental para a existência da vida na Terra. Ela permite a manutenção de temperaturas amenas e variações não muito acentuadas do clima. É responsável pela formação da maior parte das rochas sedimentares e é componente necessário para a existência de todos os seres vivos. Há no mundo cerca 1,4 bilhão de quilômetros cúbicos de água, cobrindo três quartos da superfície terrestre. Desse total, 2,53% (BRANCO, 2003) são de água doce, distribuídos em calotas polares, geleiras, solo, subsolo, lagos, pântanos e rios. O Brasil possui 8% (BRANCO, 2003) dessa água doce e por ter essa posição privilegiada, não dá o devido cuidado ao seu uso e preservação. Assim, é necessário que sejam tomadas providências para utilizar de maneira racional os recursos hídricos do país. Analisando a disponibilidade x demanda de água, vê-se que na maior parte do Brasil não existe déficit de recursos hídricos. Porém, ocorre falta de água em anos mais secos, tanto para agricultura como para o abastecimento humano. Isso acontece devido à falta de regularização e de programas preventivos para redução dos impactos das secas ocasionais. Grande parte do setor agrícola tem preferência por assumir riscos de falta de água, que ocorre em alguns anos, ao invés de investir em irrigação, fazendo com que seja utilizada água além da necessária para o crescimento das plantações. Devido à grande demanda de água na agricultura, o reuso também pode ser uma alternativa adequada, além de um projeto de irrigação bem feito. A água de qualidade superior seria reservada para o abastecimento humano. 9

11 3.2. Agricultura irrigada Irrigação é a aplicação artificial de água no solo, complementando a precipitação natural de chuva, para garantir a produtividade, a sobrevivência e a boa qualidade da plantação. Quando acrescida de fertilizantes, para enriquecer o solo, é denominada de fertirrigação. O aumento da eficiência do processo de irrigação se mostra importante devido à demanda de água exigida na agricultura, correspondendo a quase metade da água consumida no Brasil (CARDOSO et al, 1998, apud PAZ; TEODORO; MENDONÇA, 2000). Está previsto ainda um incremento maior da produção agrícola nos países da América do Sul, África e Austrália, causado pela elevação da intensidade do uso do solo nesses continentes (PAZ; TEODORO; MENDONÇA, 2000). Essa expansão da agricultura irrigada ocasiona um maior consumo de água, por ser a maneira mais eficiente do aumento da produção alimentícia. Por essa razão, existe a necessidade de estudos sobre melhorias dos sistemas de irrigação e de métodos para aumentar a produtividade das plantações. Essas melhorias da irrigação permitem conservar, economizar e racionalizar o uso da água por meio da reciclagem e do reaproveitamento de águas de qualidade inferior. O alto consumo de água na irrigação e as limitações da disponibilidade de recursos hídricos é uma questão ambiental alarmante. Pesquisas realizadas sobre projetos de irrigação mostram que mais da metade da água destinada para agricultura é perdida antes de alcançar a zona radicular dos cultivos. Além disso, deve-se considerar a ineficiência de alguns métodos e equipamentos e a má elaboração de projetos de sistemas de irrigação, utilizando água aquém ou além da quantidade ótima da cultura plantada (PAZ; TEODORO; MENDONÇA, 2000). Portanto, há a necessidade de um estudo e planejamento completo acerca da cultura a ser plantada, do solo, dos métodos de irrigação e dos equipamentos a serem utilizados. Existem, basicamente, quatro métodos de irrigação: superfície, aspersão, localizada e subirrigação. A explicação para essa variedade de sistemas de irrigação é a grande diversidade de solo, clima, cultura, disponibilidade de energia e de água e condições financeiras para investimento. 10

12 Na irrigação por superfície, a água chega por gravidade através da superfície do solo. Algumas vantagens desse método são: o uso de equipamentos simples; não sofre efeito do vento; não interfere nos tratos culturais; e permite a utilização de água com sólidos em suspensão. Contanto, existem limitações, tais como: dependência de condições topográficas; necessita sistematização do terreno; o dimensionamento do sistema envolve ensaios de campo; o manejo das irrigações é mais complexo; e precisa realizar, freqüentemente, avaliações de campo para assegurar bom desempenho. O método mais comum é a irrigação por sulcos. A irrigação por aspersão consiste no lançamento de jatos de água no ar, caindo sobre a cultura na forma de chuva. Alguns benefícios no método da aspersão são: adaptação fácil aos variados tipos de solo e topografia; pode ser totalmente automatizado; e as tubulações são removíveis, facilitando o tráfego de máquinas. Algumas das desvantagens são: investimento maior que o método por superfície; sofre influências climáticas, como o vento; e, quando utilizado com água salina, pode-se reduzir a vida útil dos equipamentos. Os sistemas de irrigação por aspersão mais usados são o de aspersão convencional (figura 1, autopropelido, pivô central e deslocamento linear. Figura 1. Irrigação por aspersão convencional. Fonte: acervo pessoal. 11

13 Na irrigação localizada, a água é aplicada em apenas uma fração do sistema radicular das plantas, empregando emissores pontuais (gotejadores), lineares (tubos porosos) ou superficiais (microaspersores). É um método que pode ser totalmente automatizado, utilizando menos mão-de-obra para operação. Entretanto, possui um custo inicial relativamente alto; quanto menor for o espaçamento entre as linhas laterais, maior o investimento financeiro. Possui como vantagem a economia de água, devido à proporção de área molhada variar entre 20 a 80% da área total. É recomendado para culturas com necessidade de teor de umidade do solo alto, como é o caso do milho verde. Para o método de subirrigação, o lençol freático é mantido a uma profundidade em que seja capaz de permitir fluxo de água adequado à zona radicular da cultura. Normalmente, está associado a um sistema de drenagem subsuperficial. Havendo as condições topográficas necessárias, pois deve ser utilizado em áreas plana ou nivelada, esse seria o método de menor custo. A escolha do sistema de irrigação é feito através de análise da topografia, clima, solo, cultura a ser plantada, disponibilidade e qualidade de água, aspectos econômicos, sociais e ambientais, além das tradições e preferências dos irrigantes. Um sistema de irrigação escolhido adequadamente reduz os riscos do empreendimento, além de melhora da produtividade e da qualidade ambiental Cana-de-açúcar Histórico O primeiro ciclo econômico do Brasil foi o Ciclo da Cana-de-açúcar, iniciado em 1532, com mudas trazidas pelos portugueses, da ilha da Madeira, para três engenhos localizados onde são os atuais estados de São Paulo e Pernambuco. Já no fim do século 16, havia mais de 120 engenhos no litoral brasileiro, a maioria concentrada ao redor de Salvador e Olinda. O auge da economia da cana foi no século 17, em que um engenho de grande porte produzia em média 200 toneladas de açúcar por ano. O processamento do açúcar era feito em 12

14 três etapas: a moenda (trituração da cana); casa das caldeiras (para cozinhar o calo em tachos de cobre); e a casa de purgar (lugar em que o melado descansava em cones de barro até cristalizar). A produção foi feita assim até o início do século 19, até que em 1815, na Bahia, surge o primeiro engenho a vapor. O declínio das grandes usinas, a partir de meados do século 17, causado pela concorrência do açúcar nas ilhas caribenhas, fez com que terminasse o monopólio brasileiro na produção de açúcar. Já no século 19, todo o continente europeu é estimulado a produzir açúcar de beterraba. Assim, a participação do Brasil na produção mundial diminui. E dentro do país, as produções de café e de borracha assumem a liderança. O impulso principal para aumentar a produtividade veio na década de 1920, com a crise do café, fazendo com que as fazendas de café investissem em cana-de-açúcar. Já na década de 1950, São Paulo ultrapassa a produção do Nordeste, acabando com a hegemonia deste de quatro séculos; observe na figura 2 a atual distribuição de cana-de-açúcar, por região. Em virtude das guerras ocorridas na Europa e da perda de suas colônias, o continente europeu volta a comprar o açúcar brasileiro. Distribuição da produção de cana, por região (dados relativos à safra de 2008/2009) Norte 0% Sul 8% Nordeste 11% Centro-oeste 11% Sudeste 70% Figura 2. Distribuição da produção de cana-de-açúcar, por região. Fonte: Unica (dados de 2009). 13

15 Com a crise mundial do petróleo, nasce, em 1975, o Programa Nacional do Álcool (Proálcool), com o objetivo de criar uma alternativa para a gasolina. Com isso, a produção de cana-de-açúcar é triplicada no Brasil. Já em 1980, o país reassume a liderança do ranking mundial. A criação dos veículos Flex, ou seja, com motor capaz de operar com gasolina e/ou etanol, em 2003, fez com que o volume de cana processada aumentasse em 60% nos cinco anos seguintes. Atualmente, a cana-de-açúcar ocupa mais de oito milhões de hectares, aproximadamente 2,5% de toda a terra cultivável do Brasil (dados do Unica). É esperado, ainda, que a produção de cana-de-açúcar dobre de volume na próxima década. As regiões de cultivo são Sudeste, Centro-Oeste, Sul e Nordeste (conforme figura 3), com duas safras por ano. Portanto, durante todo o ano o Brasil produz açúcar e etanol para os mercados interno e externo. Figura 3. Mapa da produção do setor sucroenergético. Fonte: NIPE-Unicamp, IBGE e CTC. 14

16 Produção A cana-de-açúcar é uma cultura semi-perene, ou seja, não se enquadra nem como perene (em que o ciclo de vida dura décadas), nem como anual (cultura que precisa ser replantada todos os anos). Normalmente, são feitas cinco colheitas durante seis anos de vida. Ao fim de cada ciclo, novas mudas precisam ser plantadas. Na figura 4 é possível observar o ciclo da cana-de-açúcar com três cortes. A produção da cana-de-açúcar é iniciada ao escolher qual variedade será cultivada, dependendo do solo e do clima, com o objetivo de obter produtividade e resistência a pragas. As mudas desenvolvidas para o plantio, os chamados toletes ou pedaços de cana, são colocadas em sulcos na terra. Segue na figura 5 um esquema com as fases de crescimento da cana-de-açúcar. Figura 4. Ciclo de uma cultura de cana-de-açúcar com três cortes. Fonte: Rodrigues (1995). 15

17 Figura 5. Fases de crescimento do cultivo. Fonte: NETAFIM. A irrigação da cana-de-açúcar é feita normalmente pelo método de aspersão convencional, pivô central deslocado ou fixo, gotejamento e até sem irrigação. A escolha do método depende da disponibilidade financeira e hídrica, da espécie cultivada, do local de cultivo, do estádio de desenvolvimento da cultura, do tipo de solo e da época de plantio. O rendimento e a qualidade do açúcar e do álcool dependem do método de irrigação escolhido e da quantidade de água aplicada, combinados com a adubação, a variedade da cana, a idade do corte, o tipo de solo e clima. Em estudo realizado por Carretero (1992, apud NETO et al, 2006), obteve-se um aumento de 16% em relação a cana não irrigada, primeira soca, em Piracicaba SP, sob condições de irrigação por gotejamento. Neto et al (2006) analisaram a aplicação de diversas lâminas de irrigação e adubação na produção de cana-de-açúcar, além de aproveitamento de precipitação, em uma fazenda no município de Capim PB. Foi observado que o comprimento do colmo, diâmetro do colmo e o número de internódios do colmo respondem significativamente à irrigação. Os menores diâmetros de colmo foram encontrados nas parcelas sem irrigação. Isso influencia diretamente na produtividade de açúcar e etanol, pois é no colmo que fica armazenada a sacarose. 16

18 É importante ressaltar que, na Paraíba, a precipitação influencia muito na produtividade da cana-de-açúcar, pois o estado depende da chuva para obter uma boa produção. Numa usina localizada no município de Santa Rita, por exemplo, no ano de 2010 obteve uma produtividade de 54t.ha -1, com uma precipitação de 922,5mm no município em questão; e, no ano de 2011, estima-se uma produtividade de 63t.ha -1, justificada por ter sido um ano com maiores índices de pluviosidade. A colheita é feita de maneira mecanizada ou manual. Uma das diferenças entre elas está na necessidade que a colheita manual tem de queimar a palha para permitir o corte da cana. Depois, a palha é separada da cana, e deixada sob o solo, aumentando a quantidade de matéria orgânica e evitando a erosão. Já na usina, amostras de cana-de-açúcar são analisadas em laboratório para verificar o teor de sacarose e orientar a gestão e eficiência do processo industrial. Após a análise, o colmo é levado para a moagem, sob pressão de rolos ou por meio de difusores, tendo como resíduo o bagaço, o qual pode ser utilizado para gerar bioeletricidade. O caldo resultante é levado para a produção de açúcar e etanol. A torta de filtro, resíduo dessa etapa, é usada na lavoura como adubo orgânico. Na figura 6 é ilustrada com um fluxograma esquemático a produção da cana-de-açúcar PLANTIO DA CANA-DE- AÇÚCAR COLHEITA TRANSPORTE MOAGEM PRODUÇÃO DE AÇÚCAR PRODUÇÃO DE ETANOL Figura 6. Fluxograma esquemático da produção de cana-de-açúcar. O caldo mais rico em sacarose, da primeira e da segunda moagem, é levado para a produção de açúcar. Primeiro, é feito um tratamento químico para a purificação e depois, fazse evaporação e cozimento. A sacarose, já cristalizada, é levada para uma centrífuga, com o 17

19 objetivo de separar os cristais de açúcar do melaço, o qual pode ser fermentado para a produção de etanol. Já os cristais, são levados para a secadora, sendo peneirados e armazenados, para depois serem embalados e distribuídos. Para a produção do etanol (ver esquema na figura 7), primeiro purifica-se o caldo por vários processos de filtragem, formando o mosto. Depois, mistura-se com levedura para fermentar. O álcool do líquido resultante da fermentação é centrifugado, para separar o álcool da levedura. Após a separação de fases, coloca-se a fase líquida em colunas de destilação, para fazer o etanol hidratado, usado como combustível em carros com motores Flex. É necessária mais uma etapa, a de desidratação, para produção do etanol anidro, o qual é utilizado para misturar com a gasolina. Vinhoto, subproduto da produção de etanol, é um resíduo da destilação do álcool. Ele é utilizado como fertilizante na irrigação, sendo levado por sistemas de canais para vários locais do canavial. CALDO DE CANA + LEVEDURA FERMENTAÇÃO VINHO DE FERMENTAÇÃO CENTRIFUGAÇÃO FASE LÍQUIDA FASE SÓLIDA DESTILAÇÃO ÁLCOOL VINHOTO Figura 7. Fluxograma esquemático da produção de etanol. 18

20 3.4. Vinhoto Vinhoto, também conhecido como restilo ou vinhaça, é um resíduo da destilação do caldo de cana fermentado, rico em potássio, o qual tem sido utilizado em muitos lugares como fertilizante no cultivo de cana-de-açúcar. Pode ser utilizado também para a produção de biogás, para gerar energia elétrica. Para cada litro de álcool produzido, são gerados de 10 a 15 litros de vinhoto, o qual tem alta demanda bioquímica de oxigênio (DBO), consumindo cerca de a miligramas para cada litro de vinhoto (SILVA; FREIRE; CORTEZ apud PAULINO et al, 2002). Por possuir um alto poder poluidor, cerca de cem vezes maior que o do esgoto doméstico, o estudo do descarte do vinhoto é de grande importância para o meio-ambiente, pois é considerado nocivo à fauna, flora, microfauna e microflora das águas doces, e afugenta a fauna marinha que vem às costas brasileiras para procriar (FREIRE; CORTEZ, 2000). Devido a seus impactos ambientais, a produção do vinhoto sempre gerou preocupação nos órgãos ambientais, mesmo quando não era gerado no volume atual. Com o estímulo do governo para a produção de etanol, a partir da década de 1970, essa preocupação passou a ter uma maior dimensão. Hoje em dia, produz-se, anualmente, mais de 27 bilhões de litros de etanol hidratado e anidro, segundo dados da UNICA. Ou seja, são gerados, pelo menos, 270 bilhões de litros de vinhoto por ano. Ciente desses números, o estado de São Paulo, responsável pela produção de 60% do etanol brasileiro, criou, no ano de 2006, uma norma que regulamenta o armazenamento, o transporte e a aplicação do vinhoto. O vinhoto tem como constituinte principal a matéria orgânica, sob a forma de ácidos orgânicos, e por cátions de potássio, cálcio, magnésio e sódio, com desbalanceamento do potássio em relação aos demais elementos. Outro aspecto físico é o seu baixo ph e a elevada temperatura em que é gerado. No meio-ambiente, os elementos possivelmente mais afetados são os mananciais de superfície, o solo e as águas dos lençóis freáticos (CORAZZA, 2006). Até o fim da década de 1970, o vinhoto era despejado em mananciais de superfícies e em áreas de sacrifício, devastando a flora e a fauna aquática, além de emanar mau cheiro. A figura 8 mostra uma área de armazenamento do vinhoto para ser usado na fertirrigação. 19

21 Figura 8. Armazenamento de vinhoto. Fonte: acervo pessoal Fertirrigação A aplicação de fertilizantes pela água de irrigação é denominada fertirrigação. O principal objetivo desta é melhorar a produtividade e o crescimento da cultura em questão, ao trazer quantidades de água e nutrientes próximas aos valores considerados ótimos para o cultivo (ANDRIOLO et al, 1997, apud FERNANDES et al, 2002). Difere da aplicação de fertilizantes via solo, pois nesta os nutrientes sólidos são depositados próximo da plana, na superfície do solo e precisam esperar pela chuva ou irrigação para serem absorvidos para o solo. De um modo geral, as vantagens da fertirrigação são: quantidade e concentrações dos nutrientes podem ser adaptadas à necessidade da plana em função do seu estádio fenológico e das condições climáticas; economica de mão-de-obra; redução de atividades de pessoas ou máquinas na área de cultivo, evitando a compactação indesejável do solo. Porém, há desvantagens, tais quais: possibilidades de retorno do fluxo da solução à fonte de água, 20

22 possibilidade de entupimentos do sistema de fertirrigação; e possibilidade de contaminação das águas superficiais e subterrâneas (COELHO; SILVA; SOUZA, 2009). Outro benefício da fertirrigação está na eficiência do uso e economia de fertilizantes, porque a aplicação parcelada dos nutrientes aumenta a assimilação destes pelas plantas e diminui as perdas por lixiviação, proporcionando um melhor aproveitamento do fertilizante. Ou seja, uma resposta da cultura equivalente a uma menor quantidade de fertilizante aplicado, em comparação com outros métodos (TESTEZLAF). Existem diversos métodos de injeção de produtos químicos nos sistemas de irrigação, os quais podem ser classificados em quatro grupos: bombas centrífugas, bombas de deslocamento positivo, diferenção de pressão e métodos baseados no princípio de Venturi. Esses quatro grupos podem ainda ser subdivididos, de acordo com o princípio de funcionamento (TESTEZLAF). Com a bomba centrífuga, é feito um sistema de bombeamento da solução através da ação centrífuga ou pela ação de sustentação imposta pelas palhetas do rotor à solução que está em contato com elas. Para injetar os fertilizantes no sistema de irrigação, é necessário que a pressão produzida pela bomba seja maior que a pressão na linha principal de irrigação. Porém, a taxa de injeção da solução a partir da bomba depende da pressão na linha de irrigação. Logo, para um bom desempenho da fertirrigação, é necessária uma calibração adequada da bomba. As bombas de deslocamento positivo fazem com que o fluido bombeado adquira um movimento com a mesma velocidade, em módulo, direção e sentido que o órgão móvel que o impele. Promovendo, assim, a admissão e a expulsão de volume correspondente de fluido. As mais utilizadas para injeção de fertilizantes são as bombas recíprocas, que incluem pistão, diafragma e combinação pistão-diafragma. O método baseado no diferencial de pressão se baseia na adição de energia ao sistema e/ou aproveitamento da pressão negativa do corpo da bomba, no trecho de sucção do conjunto. O injetor tipo Venturi é uma peça especial acoplada à linha de irrigação, que consiste na mudança de seção da tubulação (de gradual convergente, para uma constrita constante, depois para uma gradual transição ampliadora e retornando ao diâmetro original da linha de irrigação). A queda de pressão no Venturi deve ser suficiente para criar uma pressão negativa em relação à pressão atmosférica, assim, a solução irá fluir para o injetor. 21

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Equipamentos e sistemas para fertirrigação

Equipamentos e sistemas para fertirrigação Equipamentos e sistemas para fertirrigação FERTIRRIGAÇÃO é a aplicação de fertilizantes através da água de irrigação (EMBRAPA UVA E VINHO) Não só adubos são aplicados por meio da água de irrigação pois

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

tecnologia Engenharia Agrícola y

tecnologia Engenharia Agrícola y tecnologia Engenharia Agrícola y Caetano Barreira / olhar imagem 64 z março DE 2015 A contribuição do campo Irrigação com água tratada de esgoto diminui a retirada dos mananciais e economiza fertilizantes

Leia mais

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça.

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Suelem Correia GARCIA¹; Rutiele Tamara Januário RODRIGUES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA². ¹Estudante de Engenharia de Produção

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 5 - MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 5.1 - SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO A irrigação por gotejamento compreende os sistemas de irrigação nos quais a água é aplicada

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar em São Paulo: uma reflexão a partir de dados do Protocolo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA NO SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO E CATAFORESE NO PROCESSO DE PINTURA AUTOMOTIVA

REÚSO DE ÁGUA NO SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO E CATAFORESE NO PROCESSO DE PINTURA AUTOMOTIVA REÚSO DE ÁGUA NO SISTEMA DE PRÉ-TRATAMENTO E CATAFORESE NO PROCESSO DE PINTURA AUTOMOTIVA Ricardo Lamounier, Marcelo Pereira, Fábio Belasco, Mariana Lanza, Edson Freitas e Cassimiro Marques CNH Industrial

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001%

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% ÁGUA Distribuição da água no planeta Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% Distribuição da água no mundo 70% agricultura 22% indústria

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE 531 Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE Valdiana Maria Gonçalves Araujo¹; Viviane Suzy de Oliveira Pereira²; Débora Caroline Ferreira

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO Suetônio Mota (1) Engenheiro Civil e Sanitarista. Doutor em Saúde Ambiental, pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Centro

Leia mais