ND Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ND-2.008 Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais"

Transcrição

1 ND Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica

2 ND Redes de Distribuição Subterrânea - 13,2 kv Loteamentos Residenciais Autores: Plácido Antonio Brunheroto Tsuyoshi Okihiro Francisco Lourenço da Silva Revisão: Tsuyoshi Okihiro Francisco Lourenço da Silva Antonio João Monteiro Reginaldo J.L. Oliveira SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO DIVISÃO DE ENGENHARIA DE REDES SUBTERRÂNEAS VERIFICADO APROVADO DATA JOÃO JOSÉ DOS S. OLIVEIRA ANDREY TETSUJI UMEJI VERIFICADO APROVADO DATA JOÃO JOSÉ DOS S. OLIVEIRA MARIANO MICHAEL BERGMAN 01/2000 Original Assinado Original Assinado

3 ND Página 1 Í N D I C E PÁG. 1. OBJETIVO CAMPO DE APLICAÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA CONTEÚDO E APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS Projetos Para Análise e Liberação Pela ELETROPAULO Documentação Final TENSÃO NOMINAL INSTALAÇÕES DOS CONSUMIDORES PREVISÃO DE CARGAS Generalidades Previsão de Demandas em Função das Cargas Instaladas Previsão de Cargas em Função dos Consumos Médios Estimados Por Residências PROJETO BÁSICO ELÉTRICO ALTERNATIVA 1: REDE PRIMÁRIA SUBTERRÂNEA Configuração Básica Queda de Tensão Poste de Transição Aéreo-Subterrâneo Cabo Primário Condutor de Proteção (Neutro) Acessório Desconectáveis Terminal Emenda Reta Fixa Indicador de Defeito TRANSFORMADOR Proteção Contra Sobre-Correntes Localização do Transformador em Pedestal... 20

4 ND Página ALTERNATIVA 2: REDE PRIMÁRIA NO POSTE DE TRANSIÇÃO INTERNO AO CONDIMÍNIO Configuração Básica REDE SECUNDÁRIA Concepção Básica Queda de Tensão Fórmulas Práticas de Cálculos de Quedas de Tensão, em Volts Parâmetros de Cálculos Cabos Secundários Interligação Transformador Q.D.P Circuitos Secundários Entradas de Serviço Características Básicas Quadro de Distribuição em Pedestal Q.D.P Emendas ALIMENTAÇÃO DE CONSUMIDORES EM MÉDIA TENSÃO PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES ATERRAMENTO PROJETO BÁSICO CIVIL Generalidades Circuitos Primários Circuitos Secundários Diretamente Enterrados Circuito Secundário em Duto Fita de Advertência Poços de Inspeção e Caixas de Passagens Base do Transformador em Pedestal Base do Quadro de Distribuição em Pedestal Q.D.P Projeto Civil Executivo ACOMPANHAMENTO DE EXECUÇÃO DE OBRAS ANEXO A: LEGENDA PARA PROJETOS DE REDES ELÉTRICAS... 38

5 ND Página 3 1. OBJETIVO Estabelecer critérios e métodos visando a elaboração de projetos para alimentação de novos loteamentos residenciais através das diversas alternativas apresentadas nesta Norma da Distribuição. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a novos loteamentos residenciais, com cargas não superiores a 4,5 MVA, situados em localidades com redes primárias em 13,2 kv. 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Para a utilização desta Norma é necessário consultar:! ND-2.014: Construção Civil para Instalação de Rede de Distribuição Subterrânea com Transformador em Pedestal;! E-B.21: Cabos de Potência Com Isolação Extrudada de Polietileno Reticulado (XLPE) ou de Borracha Etileno-Propileno (EPR) Para Tensões de 1 a 35 kv;! E-B.22: Cabos de Potência com Isolação Extrudada de Polietileno Reticulado (XLPE) Para Tensões de 0,6/1,0 kv, sem Cobertura;! E-C.09: Emendas Para Cabos de Potência com Isolação;! NBR-7310: Transporte, Armazenamento e Utilização de Bobinas de Condutores Elétricos em Madeira;! NTE-005: Transformador em Pedestal Especificação e Método de Ensaio;! NTE-030: Carretéis Para Fios e Cabos Elétricos;! NTE-036: Quadro de Distribuição em Pedestal;! NTE-044: Acessórios Isolados Desconectáveis Para Cabos de Potência Para Tensões de 15 kv a 35 kv;! NTE-049: Transformador Para Rede Aérea de Distribuição Especificação;! NTE-051: Terminais Para Cabos de Potência com Isolação Para Tensões de 1 a 35 kv - Especificação;! PD-4.001: Redes de Distribuição Aérea Urbana 15 kv;! PD-4.020: Rede de Distribuição Subterrânea em Baixa Tensão;! PD-4.021: Rede de Distribuição Subterrânea em Média Tensão;! PD-4.022: Construção Civil Rede Subterrânea;! PD-8.002: Materiais Padronizados Para Rede de Distribuição Subterrânea;! RT-004: Transformadores Conectados em Ramais Subterrâneos Derivados de Circuitos Aéreos.

6 ND Página 4 4. TERMINOLOGIA! Rede de distribuição subterrânea: rede elétrica constituída de cabos e acessórios isolados instalados sob a superfície do solo, diretamente enterrados ou em dutos.! Circuito primário subterrâneo: parte da rede subterrânea, constituído de cabos isolados, que alimentam os transformadores de distribuição da ELETROPAULO e/ou de consumidores.! Circuito secundário subterrâneo: parte da rede subterrânea, constituído de cabos isolados, que a partir dos transformadores de distribuição aéreo ou em pedestal conduz energia aos pontos de consumo.! Ramal de entrada primário: conjunto de condutores e seus acessórios compreendidos entre o ponto de derivação da rede primária aérea e um ou mais pontos de entrega. Para a alternativa onde é utilizado poste de transição instalado internamente à propriedade particular, o mesmo deverá ser instalado a uma distância mínima de 3 metros e não superior a 5 metros a partir do alinhamento da via pública.! Ramal de entrada secundário: conjunto de condutores e seus acessórios compreendidos entre o ponto de derivação da rede secundária e a entrada de serviço. Para a alternativa onde é utilizado poste de transição instalado internamente à propriedade particular, são os condutores, eletrodutos e acessórios compreendidos entre o ponto de entrega e o quadro de distribuição em pedestal Q.D.P., incluindo-se o transformador, estruturas e isoladores, poste e ferragens.! Entrada de serviço: é o ponto até o qual a ELETROPAULO se responsabiliza pelo fornecimento de energia elétrica e pela execução dos serviços de operação e manutenção. Este ponto de entrega corresponde a caixa de medição que deve ser localizada na propriedade do consumidor e estar situada, se possível, no limite com a via pública.! Transformador em pedestal: transformador selado, para utilização ao tempo, fixado sobre uma base de concreto, com compartimentos blindados para conexão de cabos de média tensão e de baixa tensão.! Quadro de distribuição pedestal (Q.D.P.): conjunto de dispositivos elétricos (chaves, barramentos, isoladores e outros), montados em caixa metálica ou fibra de vidro com poliuretano injetado, destinados a operação (manobra e proteção) de circuitos secundários (entradas de serviço).! Carga instalada: soma das potências nominais dos equipamentos de uma unidade de consumo que, após concluído os trabalhos de instalação, estão em condições de entrar em funcionamento.! Fator de coincidência ou simultaneidade: razão entre a demanda simultânea máxima de um conjunto de equipamentos ou instalações elétricas e a soma das demandas máximas individuais ocorridas no mesmo intervalo de tempo especificado.

7 ND Página 5! Loteamentos edificados: loteamentos com todos os serviços de infra-estrutura (água, energia elétrica, telefone, pavimentação e outros) e residências construídos. (Nota: os loteamentos edificados são colocados a venda para ocupações imediatas das residências).! Loteamentos não edificados: loteamentos somente com os serviços de infraestrutura (água, energia elétrica, telefone, pavimentação e outros) construídos. Nota: nos loteamentos não edificados são colocados a venda lotes, sendo de responsabilidade dos compradores as futuras construções das residências e as ligações dos serviços de infra-estrutura. 5. CONTEÚDO E APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 5.1. Projetos Para Análise e Liberação Pela ELETROPAULO O projeto correspondente à rede de distribuição subterrânea em loteamento residencial deverá conter: memorial descritivo (3 cópias) contendo informações referentes a: - área e localização do empreendimento; - descrição básica do empreendimento: área total, número de residências/ lotes, áreas das residências/lotes, lançamento de vendas e outros; - cronograma previsto para início das obras e para energização da rede; - características básicas das edificações; - características das obras a serem feitas nas áreas comuns (clubes, áreas de recreação, administração e outros); - outros serviços (água, esgoto, telefone e outros); - estimativa (previsão) de cargas; - cálculos elétricos: corrente elétrica nos cabos, demanda, carga dos transformadores, quedas de tensão e outras informações julgados necessários; - relação de materiais e equipamentos; - descrições básicas dos materiais e equipamentos (especificação de compra); - obras civis; - instalação da rede elétrica; - projeto básico da rede secundária; - projeto com detalhamento dos quadros gerais de entrada das casas e da administração; - desenho do transformador (contorno e dimensional); - desenhos das buchas primárias e secundárias (dimensionais e identificação do fornecedor); - desenho do comutador de tensão com a identificação do fornecedor; - placa de identificação do transformador; - relatórios de ensaios de tipo do transformador. Nota: deve constar do memorial descritivo as Anotações de Responsabilidade Técnica ART e cópias da Carteira de Registro do CREA dos profissionais técnicos responsáveis pelos projetos elétrico e civil. No caso de firma instaladora, também deve ser apresentada a Certidão de Registro naquele Conselho.

8 ND Página 6 projeto básico da rede secundária, incluindo o poste de transição quando secundário derivado de transformador aéreo (3 cópias) indicando em plantas (se aplicável): - entradas de serviço: quantidade e seção dos cabos; - circuitos secundários: quantidade e localização dos cabos e acessórios (derivações, emendas e outros); - quadros de distribuição em pedestal: modelos, quantidade e capacidade das chaves e dos fusíveis NH; - transformadores de distribuição: localização e potências nominais. projeto básico da rede primária (3 cópias) indicando em plantas: - transformadores de distribuição: localização e potências nominais; - circuitos e ramais de ligação primários: seção e localização dos cabos, identificação e localização dos acessórios (desconectáveis, emendas retas, terminais, indicadores de defeito, pára-raios, chaves fusíveis e outros), postes de transição e outros. projeto básico de obras civis (3 cópias) indicando e identificando, em plantas, postes de transição, canalização subterrânea, poços de inspeção, caixas de passagem, base(s) do(s) transformador(es) e do(s) quadro(s) de distribuição em pedestal(is) e outros julgados necessários. Na elaboração dos projetos básicos elétricos (rede primária e secundária) e civil deverão ser levados em consideração: plantas básicas na escala 1:500 contendo logradouros públicos (ruas, praças, calçadas, canteiros centrais, ilhas e outros); cada um dos projetos básicos (primário, secundário e civil) deve ser feito em planta exclusiva; os projetos básicos (primário, secundário e obras civis) devem ser desenvolvidos sobre uma mesma planta básica; simbologia para representação gráfica de acordo com o estabelecimento no Anexo A Documentação ao Final das Obras Após a conclusão da rede e anteriormente a energização da mesma, o empreendedor deverá apresentar 3 cópias das plantas revisadas (primário, secundário e obras civis), indicando a situação real ( as built ), e com indicações de outras obras de infra-estrutura (água, telefone, esgoto e outros) que possam interferir em eventuais futuras manutenções (linhas próximas, cruzamentos e outros). 6. TENSÃO NOMINAL A ELETROPAULO, para as redes abrangidas nesta Norma, considera admissíveis tensões de fornecimento no ponto entrega de energia na faixa de:! V (-7,5%) a V (+5%) na rede primária, tensão nominal de V;! 201/116V a 229/132V na rede secundária, tensão nominal de 220/127V.

9 ND Página 7 7. INSTALAÇÕES DOS CONSUMIDORES Os critérios para atendimento dos consumidores, assim como os requisitos técnicos correspondentes, estão definidos nas publicações Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição - Instruções Gerais e Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - Informações Gerais para cargas instaladas iguais ou inferiores a 75 kw e superiores a 75 kw, respectivamente. Nota: As publicações mencionadas podem ser adquiridas nas Agências da ELETROPAULO. 8. PREVISÃO DE CARGAS 8.1. Generalidades O empreendedor será o responsável pela previsão de cargas dos consumidores que será adotada no dimensionamento da rede de distribuição e influenciará diretamente em seu custo. Mudanças posteriores na rede, decorrentes de eventuais distorções de cargas, poderão ser feitas, mas os custos correspondentes são de responsabilidades dos empreendedores. Com o objetivo de auxiliar os projetistas, dois critérios para previsão de cargas dos consumidores estão apresentadas a seguir. O projetista deverá optar, obrigatoriamente por um, ou outro critério estabelecido nos itens 8.1 e 8.2. Sendo que a sua utilização não elimina a responsabilidade do projetista Previsão de Demandas em Função das Cargas Instaladas Baseando-se em plantas das edificações a serem construídas, ou nas características previstas das mesmas, poderão ser estimadas as cargas instaladas por consumidores. As demandas previstas poderão ser estimadas, a partir do método constante da publicação Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição - Instruções Gerais Previsão de Cargas em Função dos Consumos Médios Estimados por Residências Pelas características previstas para as residências do empreendimento e analogias com outros loteamentos similares, o projetista pode estimar o consumo de cada lote e calcular a demanda prevista através da fórmula: kva D = 0,022 kwh 0,84 (8.1) onde: - kva D - demanda prevista em kva; - kwh - consumo mensal estimado em kwh. A fórmula (8.1) pode ser utilizada também para previsão de carga nos diversos componentes da rede, considerando-se para tanto a soma dos consumos estimados dos lotes envolvidos. Deve ser notado que, para diversas residências de consumos idênticos, a fórmula (8.1) implica nos fatores de coincidências indicados na Tabela 8.1.

10 ND Página 8 Tabela 8.1. Fatores de Coincidência Para Edificações com Cargas Iguais N R F C N R F C N R F C N R F C N R F C , , , ,54 2 0, , , , ,54 3 0, , , , ,54 4 0, , , , ,53 5 0, , , , ,53 6 0, , , , ,53 7 0, , , , ,53 8 0, , , , ,53 9 0, , , , , , , , , ,52 N R : Número de residências - F C : Fator de coincidência Para auxiliar o projetista, apresenta-se, na Tabela 8.2, consumos médios por residências de alguns loteamentos, obtidos através de amostras de residências. Tabela 8.2. Informações Básicas de Alguns Loteamentos Residenciais de Alto Padrão Identificação do Cidade Consumo Médio Loteamento Mensal (kwh) (1) Alphaville 1 Barueri 1400 Tamboré Barueri 1800 Granja Viana Cotia 2300 Aldeia da Serra Santana do Parnaíba 1100 (1) Valor obtido através de amostragem 9. PROJETO BÁSICO ELÉTRICO A definição da rede de distribuição subterrânea é feita após a obtenção dos dados relativos às demandas dos lotes/edificações e envolve um grau de complexidade muito grande, pois são muitos os fatores que a influenciam, tais como:! as características físicas dos loteamentos (espaços disponíveis nas calçadas, espaços disponíveis para instalação dos transformadores e outros);! as características das cargas (demanda, modalidade de atendimento, localização). Os padrões e critérios de projetos da ELETROPAULO, abordados a seguir, procuram facilitar essa definição pelos projetistas. O tempo de atendimento médio, no caso de uma avaria ou emergência, numa instalação de cabos subterrâneos diretamente enterrados, será de 6 a 7 vezes o tempo para cabos instalados em dutos.

11 ND Página ALTERNATIVA 1: REDE PRIMÁRIA SUBTERRÂNEA Configuração Básica O circuito primário deverá ser trifásico radial com recurso, com a configuração básica definida em função das características do loteamento e do sistema existente em suas proximidades, para sua alimentação. Concepção básica ilustrativa está apresentada na Figura Sempre que for viável, é aconselhável considerar alimentação com duas entradas conectadas preferencialmente a circuitos diferentes. Esta definição é de responsabilidade da ELETROPAULO. Trecho de circuito primário subterrâneo radial sem recurso pode ser considerado quando alimenta uma única instalação (consumidor primário ou transformador em pedestal) e o comprimento não for superior a 150 metros. Figura Alimentação do Empreendimento Através de Uma Única Entrada

12 ND Página Queda de Tensão As redes primárias subterrâneas de loteamentos residenciais normalmente são curtas e não alimentam grandes cargas, consequentemente, as quedas de tensões nessas redes são, normalmente, pequenas. Se a tensão nesse circuito subterrâneo não estiver dentro dos limites da faixa admissível, as medidas necessárias para correção serão feitas a partir da rede primária aérea Poste de Transição Aéreo-Subterrâneo Na transição de circuito aéreo para subterrâneo deverá ser instalado: chaves fusíveis (uma por fase); pára-raios de óxidos metálicos sem centelhadores; terminais unipolares nas extremidades dos cabos isolados. As chaves fusíveis deverão operar, normalmente, fechadas em um poste de transição ( alimentação preferencial ) e, normalmente, abertas no outro ( alimentação reserva ). Falta de fase na alimentação de circuitos subterrâneos poderão implicar em ferroressonância, quando as cargas nos transformadores de 75 kva, 150 kva e 300 kva forem inferiores a: 750 W para comprimentos do circuito primário subterrâneo inferior a 300 metros; 1500 W para comprimentos do circuito primário subterrâneo entre 300 e 500 metros; 4500 W para comprimentos do circuito primário subterrâneo entre a 500 e 1000 metros; 5500 W para comprimentos do circuito primário subterrâneo entre 1000 e 4000 metros. Nota: Informações complementares referentes ao assunto podem ser verificadas na RT-004. Em loteamentos não edificados, as cargas podem não atingir os valores mencionados anteriormente. Nesses casos, deverá ser utilizado um religador automático trifásico, em substituição às chaves fusíveis, na transição correspondente a alimentação preferencial. O religador automático deverá ser ajustado para bloqueio após 1 operação para faltas ou ausência de tensão em uma ou duas fases. As estruturas padronizadas para transição de circuitos aéreos para subterrâneos estão mostradas nos desenhos padrão 4.2.3, , e do PD O poste de transição sempre será instalado pela ELETROPAULO. Se o empreendedor se responsabilizar pela implantação da rede subterrânea, a instalação dos terminais também será de sua responsabilidade. A ligação dos terminais à rede de alimentação será feita, posteriormente, pela ELETROPAULO. Os demais componentes das estruturas de transição serão instalados pela ELETROPAULO.

13 ND Página Cabo Primário Os cabos para os circuitos primários deverão ser triplexados, constituídos de condutor de cobre, isolação de EPR ou XLPE, cobertura de PVC e classe de isolação 8,7/15 kv. A seção padronizada é 35 mm 2 (C.M.: ). O cabo primário deve atender a E-B.21 e a sua característica está apresentada na Tabela O acondicionamento, transporte e armazenamento de bobinas de cabos, deve atender os requisitos especificados na E-B.17 e NBR-7310, respectivamente, para garantir a integridade dos cabos e a preservação dos carretéis de madeira. Os lances dos cabos podem ser dimensionados pelo projetista, em função dos projetos, ou seja, os lances podem ser adquiridos de acordo com os trechos de circuito previstos. Para possibilitar a instalação de desconectáveis, de acordo com os padrões da ELETROPAULO, é conveniente acrescentar 5 metros em cada poço de inspeção nos lances de cabos previstos. Tabela Características dos Cabos Primários Identificação Descrição - Código de material - Diâmetro do condutor (mm) - Diâmetro sobre a isolação (mm). mínimo. máximo - Seção equivalente da blindagem, por veia (mm 2 ) - Diâmetro externo do cabo singelo (mm) - Acondicionamento. carretel (E-B.17). lance (m) - Peso do cabo (kg / km) - Parâmetros elétricos (1). resistência de seq. Positiva (0hm/km). reatança de seq. Positiva (0hm/km). resistência de seq. Zero (0hm/km). reatança de seq. Zero (0hm/km). capacitância (µf/km) - Correntes admissíveis (A) (2). um circuito por banco de dutos. dois circuitos por banco de dutos 3 x 1 x 35 mm ,00 17,1 18,6 9,3 23,00 150/ ,6726 0,1793 1,6793 0,6332 0, (1) Valores calculados considerando 1 circuito por duto; (2) Valores calculados considerando: isolação - EPR, temperatura ambiente - 25 o C, temperatura de operação do condutor 90 o C, fator de carga 75%, banco de dutos 2x2, profundidade do banco de dutos: 800 mm.

14 ND Página Condutor de Proteção (Neutro) Em paralelo com os circuitos primários, em duto próprio, deverá ser instalado um condutor de proteção (neutro) constituído de um cabo de cobre coberto de seção 35 mm 2 (C.M.: ) ou isolado com PVC, 750 V (específico) Acessório Desconectável As derivações ou emendas retas com previsão para futura derivação, seccionamentos ( fins de circuitos ) e conexões de transformadores deverão ser feitas com acessórios desconectáveis da linha de 200 A, que devem atender a NTE-044. Os acessórios desconectáveis a serem utilizados em derivações e seccionamentos de circuitos deverão ser para operação sem carga. Os acessórios desconectáveis para operação sem carga devem ser de classe de isolação 15/25 kv, que são intercambiáveis com os equivalentes de 8,7/15 kv e apresentam custos praticamente iguais. Os acessórios desconectáveis padronizados pela ELETROPAULO estão apresentados na Tabela Tabela Acessórios Desconectáveis Identificação Oper. (1) Código de Material Utilização Terminal desconectável cotovelo TDC S/C x1x35 mm 2 Módulo isolante blindado MIB S/C Plugue de inserção simples PIS S/C Plugue de inserção dupla PID S/C Plugue isolante blindado PIB S/C Receptáculo isolante blindado RIB S/C Plugue T com 2 pinos (PT-2) S/C Plugue T com 3 pinos (PT-3) S/C (1) S/C: Operação sem carga As derivações dos ramais primários deverão ser feitas através de PT-3 s (ou PT-3 + PT-2), conforme desenho padrão MP do PD Os plugues de inserção duplo, conectados nas buchas de cavidade do transformador, possibilitarão derivações no próprio compartimento de média tensão. Nestes casos não serão necessários poços de inspeção, se for considerado uma base de transformador com uma caixa acoplada a mesma para puxamento dos cabos. Para o último transformador do ramal, pode ser considerada concepção básica semelhante mas com bucha de inserção simples. As conexões dos transformadores podem ser feitas conforme desenho padrão CP do PD

15 ND Página Terminal Nas extremidades dos cabos primários subterrâneos, onde os mesmos serão conectados à rede aérea, deverão ser instalados terminais unipolares para uso externo, classe de tensão 8,7/15 kv. Estes terminais poderão ser termocontráteis, contráteis a frio ou modulares e deverão atender a NTE-051. Os terminais padronizados pela ELETROPAULO estão apresentados na Tabela Nota: Para instalação dos terminais deverão ser considerados os conectores que deverão estar de acordo com o indicado na Tabela Emenda Reta Fixa Tabela Terminais Externos Cabo 3x1x35 mm 2 Discriminação Código de material Conector desenho MP Conector - C. M Em poços de inspeção, onde não haverá derivações ou previsões para futuras instalações das mesmas, poderá ser utilizada emenda reta simétrica, unipolar, enfaixada ou termocontrátil, de classe de tensão 8,7/15 kv que deve atender a E-C.09. A emenda reta padronizada pela ELETROPAULO está apresentada na Tabela As emendas retas fixas devem ser aterradas, juntamente com o neutro, em todos os poços de inspeção. Nota: Para instalação das emendas deverão ser considerados conectores que deverão estar de acordo com o indicado na Tabela Tabela Emendas 3x1x35 mm 2 Cabo Discriminação Código de material Conector desenho MP Conector - C. M. ----

16 ND Página Indicador de Defeito Indicadores de defeito deverão ser instalados em poços de inspeção, nos inícios de trechos de circuitos primários, considerando: o comprimento máximo de cabo entre dois indicadores de defeito deve ser 300 metros; que após cada derivação (transformador ou ramal), deverá ser instalado um indicador de defeito. No cabos primário de 35 mm 2 deverá ser utilizado indicador de corrente nominal de 100 A (material específico). 11. TRANSFORMADOR Nas redes subterrâneas de loteamentos residenciais deverão ser utilizados transformadores em pedestal trifásicos, 13800/13200/ /127 V de 75 kva, 150 kva ou 300 kva, que deverão ser construídos de acordo com a NTE-005. Os cabos secundários deverão ser conectados aos transformadores através de conectores de dois furos, de acordo com o desenho padrão MP para cabo de 120 mm² e desenho padrão MP para cabo de 240 mm² do PD O padrão de instalação de transformador em pedestal de 75kVA, 150 kva e 300 kva, deve ser realizado conforme o desenho padrão CP do PD Os conjuntos terminais do transformador e conectores deverão ser isolados com fitas de auto-fusão. No caso de rede subterrânea secundária, deverá ser utilizado transformador de distribuição trifásico de 150 kva ou 225 kva, 13,2 kv, que deverão ser construídos de acordo com a NTE-048. A carga máxima prevista para transformador em pedestal ou para transformador aéreo é a sua potência nominal. As características básicas dos transformadores em pedestal estão mostradas na Tabela 11.1, enquanto que o desenho padrão MP do PD apresenta as dimensões básicas dos mesmos.

17 ND Página 15 Tabela Transformador em Pedestal Descrição Potência Nominal (kva) Tensão (V). primária 13800/13200/ secundária 220/127 - Corrente de excitação (%) Perdas em vazio (W) Perdas totais (W) Impedância de curto-circuito a 75 o C (%) 3,5 3,5 5,0 - Tensão suportável nominal a freqüência industrial durante um minuto (kv eficaz). baixa tensão. média tensão - Tensão suportável nominal de impulso atmosférico (kvpico) média tensão Peso (kg) Circuito secundário cabo (ver item ) - fase. número de cabos (por fase). seção do cabo (mm 2 ) - neutro. número de cabo. seção do cabo (mm 2 ) - fusível de expulsão (1) - fusível limitador de corrente (1) C /2 240/ C C10 80 (1) Fusível sugerido pela RTE é apresentado como ilustração. Definição do mesmo deverá ser feita pela ELETROPAULO e poderá considerar alternativa (tipo, característica nominal) diferente da mencionada Proteção Contra Sobre-Correntes O esquema de proteção contra sobrecorrentes, considera, anteriormente ao enrolamento primário, a instalação de fusíveis de expulsão, internos à baionetas, e de fusíveis limitadores de corrente imersos em óleo, de tensão nominal 15,5 kv. Os fusíveis de expulsão deverão ser selecionados considerando: não operação para correntes transitórias (inrush) de 12 vezes a corrente nominal do transformador por 0,1 segundo, para temperatura ambiente de 35 o C; fusão em 300 segundos para corrente de 3 a 4 vezes a corrente nominal do transformador. As baionetas deverão ser para operação em carga, tensão nominal 15,5 kv e instaladas internamente aos tanques, mas com flanges fixadas no compartimento de

18 ND Página 16 média tensão. A substituição de fusíveis poderá ser feita através de janelas das baionetas situadas no compartimento de média tensão. Os fusíveis limitadores de corrente devem operar para defeitos internos ao transformador. Essa operação implica na substituição do transformador, para reparo nas oficinas da ELETROPAULO. As curvas de atuações dos fusíveis utilizados nos transformadores estão apresentadas nas Figuras 11.1, As definições das características nominais dos fusíveis dos transformadores dependerá de prévia aprovação da ELETROPAULO. A definição do tap de operação (na instalação) de transformadores em pedestal é feita em função das condições operativas da rede, que é de definição da ELETROPAULO. Nota: Os transformadores em pedestal saem da fabrica considerando a ligação no tap de V.

19 ND Página 17 Figura 11.1 (1/2): Curva de Atuação do Fusível de Expulsão Utilizado no Transformador em Pedestal ( Current Sensing ) A) Tempo Mínimo de Fusão

20 ND Página 18 Figura 11.1 (2/2): Curva de Atuação do Fusível de Expulsão Utilizado no Transformador em Pedestal ( Current Sensing ) B) Tempo Máximo de Interrupção

21 ND Página 19 Figura 11.2: Curva de Atuação do Fusível Limitador de Corrente Utilizado no Transformador em Pedestal Tempo Mínimo de Fusão e Tempo Máximo de Interrupção

22 ND Página Localização do Transformador em Pedestal Os transformadores em pedestal deverão ser localizados preferencialmente em locais isolados em relação a passagem de pedestres, onde deverá haver espaço para sua instalação, do sistema de aterramento e serviços de manutenção. A localização do transformador em pedestal deverá levar em consideração a possibilidade de instalação/retirada através de caminhão com guindaste. Ilustração com os espaços necessários é apresentada na Figura 11.3, que também considera a instalação de quadro de distribuição pedestal Q.D.P. O empreendedor poderá, opcionalmente, limitar o acesso de pessoal nas proximidades do transformador através de instalação de gradil metálico considerando distância mínima entre os mesmos de 700 mm, nas laterais e no fundo. Na frente do transformador, a uma distância mínima de 800 mm, o gradil deve ser constituído de portões, com aberturas para fora da área cercada. Em locais onde o fundo do transformador fica adjacente a muros, pode-se considerar distância mínima entre os mesmos (transformador/muro) de 400 mm. Todos os componentes do gradil devem ser aterrados. Opcionalmente, em vez de gradil, o empreendedor pode plantar uma cerca viva paralela as laterais e/ou fundo do transformador, considerando-se distância mínima entre as mesmas (transformador/cerca-viva) de 700 mm. Em eventuais manutenções, a cerca viva pode ser danificada, sendo que nestes casos a ELETROPAULO não se responsabiliza pelos danos. Figura 11.3: Espaços Necessários Para Instalação do Transformador em Pedestal

23 ND Página ALTERNATIVA 2: REDE PRIMÁRIA NO POSTE DE TRANSIÇÃO INTERNO AO CONDOMÍNIO Configuração Básica O poste de transição deve ser instalado no passeio, interno ao condomínio, a 0,2 metros da guia e a uma distância de 3 a 5 metros da divisa da via pública com a propriedade do condomínio, em rua com largura mínima de 4 metros, possibilitando a instalação ou retirada, do transformador com caminhão com guindaste, conforme mostrado na Figura Figura Instalação do Poste de Transição Interno ao Condomínio Circuito Primário Aéreo Existente Limite da via pública com o condomínio RL de 3 a 5m Poste de Transição RE até 3m PE Quadro de Distribuição em Pedestal Q.D.P. Secundário Subterrâneo ES Notas: 1) Quando a rede primária for da ELETROPAULO a configuração básica dos circuitos alimentadores a ser adotada está representada na figura acima; 2) Para os casos com entradas múltiplas deverá ser adotado preferencialmente o mesmo circuito primário; 3) RL= Ramal de Ligação; RE = Ramal de Entrada; ES = Entrada de Serviço. O transformador de distribuição trifásico, o poste de concreto, as chaves fusíveis, isoladores, cruzetas e ferragens, devem ser montados de acordo com o PD e a derivação secundária conforme desenho padrão CP do PD A carga máxima prevista para o transformador é a sua potência nominal.

24 ND Página 22 Devem ser utilizados poste circulares de concreto de 10,5, ou 12 metros de comprimento e 1.000daN de capacidade. O transformador de distribuição trifásico de 150 ou 225kVA, 13,2kV, deverá está conforme a NTE-048. Nota: Quando a demanda do condomínio não ultrapassar a 75kVA, poderá ser utilizado transformador de distribuição trifásico de 75kVA, 13,2kV, desde que o condomínio possua apenas uma entrada de energia. 13. REDE SECUNDÁRIA Concepção Básica Através de um ou mais circuitos (cabos), o transformador em pedestal deverá ser conectado ao quadro de distribuição em pedestal Q.D.P. A distância entre o transformador em pedestal e o quadro de distribuição em pedestal Q.D.P. não deverá ser superior a 3 metros. Esquema ilustrativo da rede secundária subterrânea para loteamentos residenciais está apresentado nas Figuras 13.1a e 13.1b. Figura 13.1a. Concepção Básica de Redes Secundárias

25 ND Página 23 Figura 13.1b. Secundário Alimentado Através de Transformador Aéreo no Poste de Transição Para a alternativa em que o circuito secundário do condomínio é derivado do poste de transição, o transformador deverá ser conectado a um único quadro de distribuição em pedestal Q.D.P. A distância entre o poste de transição e o quadro de distribuição em pedestal Q.D.P. não deverá ser superior a 3 metros Queda de Tensão A máxima queda de tensão admissível na rede secundária (circuito secundário + ramal de ligação) é de 3%. Abaixo, apresentamos a metodologia e parâmetros para utilização em cálculos de quedas de tensão de redes secundárias subterrâneas radiais Fórmulas Práticas de Cálculos de Quedas de Tensão, em Volts - transformador trifásico ( Υ ): - impedância do cabo: Z = R cos ϕ + X sen ϕ - queda de tensão, em volts:. carga trifásica: V (3F) = 3 * L * 10-3 * Z * I 3 = K 3I * L * I 3 K 3I = = 3 * Z * 10-3 S 3 V (3F) = L * Z * = K 3S * L * S 3 V L Z K 3S = V L

26 ND Página 24. carga bifásica (fase-fase) V (2F) = 2 * L * 10-3 * Z * I 2 = K 2I * L * I 2 K 2I = 2 * Z * 10-3 S 2 V (2F) = 2 * L * Z * = K 2S * L * I 2 V L 2 * Z K 2S = V L. carga monofásica (fase-neutro) V (1F) = 2 * L * 10-3 * Z * I 1 = K 1I * L * I 1 K 1I = 2 * Z * 10-3 S 1 V (2F) = 2 * L * Z * = K 1S * L * S 1 V F 2 * Z K 1S = V F onde: - R: resistência do cabo, em Ohm/km; - X: reatância do cabo, em Ohm/km; - cosϕ: fator de potência; - V (3F), V (2F) e V (1F): quedas de tensões nos trechos correspondentes a cargas trifásicas, bifásicas e monofásicas, respectivamente, concentradas nas extremidades dos mesmos, em volts; - L: comprimento do circuito (trecho), em m; - V L e V F : tensões entre fases e entre fase e terra, respectivamente, em volts; - I 3, I 2 e I 1 : correntes no circuito (trecho) correspondentes a cargas trifásicas, bifásicas e monofásicas, respectivamente, em amperes; - S 3, S 2, S 1 : potências no circuito (trecho) correspondentes a cargas trifásicas, bifásicas e mono-fásicas, respectivamente, em kva; - K 3I, K 2I e K 1I : parâmetros equivalentes para cálculos de quedas de tensões em funções de correntes (A) trifásicas, bifásicas e monofásicas, respectivamente, em V/A*m (ver tabela 1); - K 3S, K 2S e K 1S : parâmetros equivalente para cálculos de quedas de tensões em funções de potências (kva) trifásicas, bifásicas e monofásicas, respectivamente, em V/A*m (ver tabela 1).

27 ND Página 25 - queda de tensão, em porcentagem: V (3F). carga trifásica: V% (3F) = * 100 V L V (2F). carga bifásica: V% (2F) = * 100 V L V (1F). carga monofásica: V% (1F) = * 100 V F onde: V% (3F), V% (2F) e V% (1F) correspondem as quedas de tensões, em porcentagens, referentes a cargas trifásicas, bifásicas e monofásicas, respectivamente Parâmetros de Cálculos Os parâmetros para os cálculos de quedas de tensões, para os cabos padronizados de redes secundárias subterrâneas, estão mostrados na Tabela Estes valores foram calculados considerando as seguintes premissas: - cabos quadriplexados 0.6/1.0 kv; - condutores de cobre; - isolação de XLPE; - temperatura de operação do condutor: 90 o C; - fator de potência de 0,95; - tensão de linha: 220 V. PARÂMETROS Tabela 13.1: Parâmetros de Cabos CABOS 1x240 mm 2 1x120 mm 2 4x1x35 mm 2 1x10mm 2. resistência (Ohm/km) 0,0993 0,1966 0,6685 2,3335. reatância (Ohm/km) 0,0859 0,0909 0,1186 0,1394. K 3I * 10-3 (V/A*m) 0,2099 0,3727 1,1641 3,9151. K 2I * 10-3 (V/A*m) 0,2424 0,4304 1,3442 4,5208. K 1I * 10-3 (V/A*m) 0,2424 0,4304 1,3442 4,5208. K 3S * 10-3 (V/kVA*m) (2) 0,5509 0,9782 3, ,2745. K 2S * 10-3 (V/kVA*m) (2) 1,1018 1,9564 6, ,5491. K 1S * 10-3 (V/kVA*m) (3) 1,9087 3, , ,5921 (1) cosϕ = 0,95 V L = 220 V V F = 127 V; (2) V L = 220 V (fase-fase); (3) V F = 127 V (fase-terra).

28 ND Página Exemplo Prático # 120 mm 2, L = 50 m # 120 mm 2, L = 30 m # 120 mm 2, L = 40 m 98,8 kva 30,4 kva # 35 mm2 260 A 80 A 19 kva 68,4 kva # L = 10 m (50 A) 180 A - cargas trifásicas, cosϕ = 0,95; 5 11,4 kva (30 A) - queda de tensão - ponto 4 V (3F) = 0,3727 * 10-3 (50 * * * 50) = 6,49 V ou V (3F) = 0,9782 * 10-3 (50 * 98, * 30, * 19) = 6,47 V; - queda de tensão - ponto 3 V (3F) = 0,3727 * 10-3 (50 * * 80) + 1,1641 (10 * 30) = 6,08 V ou V (3F) = 0,9782 * 10-3 (50 * 98, * 30,4) + 3,0550 (10 * 11,4) = 6,07 V Cabos Secundários Os cabos a serem utilizados na rede secundária deverão ter classe de isolamento 0,6/1,0 kv e serem constituídos de condutores de cobre, isolação de XLPE, com ou sem cobertura de PVC. Os cabos unipolares deverão atender os requisitos estabelecidos na E.B.21 ou E.B.22. Os cabos secundários deverão ser instalados diretamente enterrados ou em dutos, exceto em travessias que deverão considerar apenas banco de dutos. Em loteamentos não edificados, caso o tipo de instalação seja diretamente enterrado, os cabos a serem utilizados deverão ser quadriplexados armados (4x120 mm 2 ) Interligação Transformador Q.D.P. A interligação do transformador ao Q.D.P. poderá ser feita com um ou mais circuitos constituídos de cabos sem armação, diretamente enterrados ou em dutos. Para tanto devem ser considerados: 6 cabos singelos (3F) de seção 240 mm² - 1x 240 mm² - C.M.: e 1x240 mm² (Neutro), para transformadores de 300 kva. 3 cabos singelos (3F) de seção 240 mm² - 1 x 240 mm² - C.M.: e 1x120 mm² (Neutro) (C.M.: ), ou 6 cabos singelos (2 cabos por fase) de seção 120 mm² - (C.M.: ) e 1x 120 mm² ( Neutro), para transformadores de 150 kva; 3 cabos singelos com condutores de seção 120 mm² - 1 x 120 mm² - C.M.: e 1x 120 mm² ( Neutro ), para transformadores de 75 kva.

29 ND Página Circuitos Secundários Os circuitos secundários subterrâneos de loteamentos residenciais deverão ser constituídos de cabos de seção 120 mm², instalados diretamente enterrados ou em dutos. Nos loteamentos edificados e com secundário subterrâneo derivando de rede aérea primária os cabos deverão ser unipolares sem armação 1 x 120 mm² - C.M.: Cabos quadripolares armados 4 x 120 mm² - C.M.: deverão ser utilizados nos loteamentos não edificados e devem estar de acordo com a E.B Entradas de Serviço As entradas de serviço das redes subterrâneas de loteamentos deverão ser constituídos de cabos sem armação, instalados em dutos e, para tanto, deverão ser considerados: cabos 4 x 1 x 35 mm² - quadriplexados C.M.: ligações de consumidores trifásicos (3 F + N); cabos 1 x 10 mm² - singelo C.M.: através de: - 4 cabos: ligação de consumidores trifásicos (3F + N); - 3 cabos: ligação de consumidores bifásicos (2F + N); - 2 cabos: ligação de consumidores monofásicos (F + N). Nos loteamentos não edificados os ramais de ligação serão instalados quando os consumidores solicitarem as ligações (início das obras), sendo que os custos correspondentes serão de responsabilidade dos mesmos. As entradas de serviço nos loteamentos não edificados poderão ser instalados na implantação dos loteamentos desde que: sejam implantadas caixas de entradas Nota: medidores e demais dispositivos, poderão ser solicitadas as ligações. instalados quando forem as extremidades dos cabos, internamente às caixas, sejam protegidas por capuzes de acordo com o mostrado no desenho padrão MP do PD-8.002; os ramais de ligação sejam instalados em dutos de diâmetro interno mínimo de 50 mm, cuja extremidade esteja a cerca de 20 cm do cabo do circuito secundário, conforme ilustrado na Figura Características Básicas As características básicas dos cabos utilizados nas redes secundárias estão apresentadas na Tabela As conexões dos ramais de ligação dos consumidores bifásicos (2F + N) e monofásicos (F + N) deverão ser feitas procurando minimizar o desequilibrio de carga nos circuitos secundários. Para tanto, os projetistas deverão indicar no projeto a(s) fase(s) (A, B, C) a ser(em) considerada(s) na alimentação de cada consumidor bifásico ou monofásico.

30 ND Página 28 Figura Ramais de Ligação em Dutos de PVC ou Polietileno Corrugado Detalhe da Caixa da Figura 13.2 VISTA EM PLANTA Entrada de serviço, 1 ou 2 consumidores em duto PEAD flexível 50mm Duto PEAD Desenho CP Secundário Tronco Caixa Desenho CP VISTA LATERAL Nível do passeio acabado Fita de Advertência desenho CP Condutores do Ramal de Serviço Emenda de Derivação Fita de Advertência desenho CP Condutores do Secundário Tronco

31 ND Página 29 Tabela Cabos Secundários - Informações Básicas (0,6/1,0 kv, Cobre, XLPE) Cabo 1 x 240 mm 2 1 x 120 mm 2 4x1x35 mm 2 1 x 10 mm 2 4 x 120 mm 2 Descrição Código de material Armação Não Não não não Sim Diâmetro do condutor (mm) 18,41 12,80 7,00 3,75 12,80 Diâmetro externo do cabo singelo - sem cobertura (mm) - com cobertura (mm) Acondicionamento - carretel - lance (m) Peso - sem cobertura (kg/km) - com cobertura (kg/km) Parâmetro de cabos elétrico (1) - resit. seq. positiva (Ohm/km) - reatância seq. positiva (Ohm/km) - resist. Seq. zero (Ohm/km) - reatância seq. zero (Ohm/km) Correntes admissíveis (A) (2) - um circuito por banco de dutos - diretamente enterrado 24,5 27,0 100 / ,6 18,5 80 / ,2 11,5 125 / ,4 8,2 Carretel ou Rolo (1) Informações considerando circuitos trifásicos a 4 fios (3 fases + neutro); Não 50,1 170 / ,1970 0,1255 1,0705 2,1248 (2) Valores calculados considerando: cabos com cobertura, temperatura de ambiente: 25 o C, temperatura de operação condutor: 90 o C, fator de carga: 75%, banco de dutos: 2 x 3, profundidade do banco de dutos: 800 mm Quadro de Distribuição em Pedestal Q.D.P. O quadro de distribuição em pedestal Q.D.P. deverá ter o dimensional conforme desenho padrão MP do PD e instalado sobre base de concreto, conforme desenho padrão CP do PD e deverá atender a norma NTE-036. Os quadros são para alimentação de circuitos secundários, com cabos de seção 120mm 2, 35mm² ou 10mm², permitem a instalação de dispositivos de proteção e seccionamento. Os Q.D.P s. deverão ser constituídos de:! barramento interno de 1600 A (para 2 ou 3 chaves seccionadoras de 400 A) ou 800 A (para uma chave seccionadora de 400 A ), com capacidade para suportar corrente de curto-circuito de 50 ka, durante 1 segundo; módulo de entrada para conexão dos cabos ou conexão rígida dos cabos ao barramento interno; chaves seccionadoras verticais tripolares, para operação em carga, de corrente nominal de 400 A; fusíveis tipo NH (instalados nas chaves seccionadoras ) de 315 A. Os Q.D.P s. deverão ser instalados próximos aos transformadores, com distâncias não superiores a 3 metros

32 ND Página 30 Na definição da localização dos Q.D.P s., deverá ser levado em consideração as seguintes premissas: devem ser instalados preferencialmente em praças, ilhas ou calçadas; facilidade de instalação/retirada; quando instalado em calçadas, a distância mínima do fundo do Q.D.P. a parede da edificação ou limite da divisa deve ser de 30 cm; espaço livre à frente, de calçada ou área que deve ser, no mínimo, de 1 metro, para possibilitar a manutenção e a operação adequada Emendas Nos circuitos secundários poderão ser instaladas emendas retas simétricas, enfaixadas, contráteis a frio ou termocontráteis, para cabos de seção transversal de 120 mm 2 com armação ou sem armação unipolar (desenhos padrão CP do PD e MP do PD-8.002). As conexões dos ramais de ligação nos circuitos secundários deverão ser feitas através de emendas de derivação, conforme descritos na Tabelas 13.2, 13.3 e Tabela Emendas Enfaixadas Para Cabos Unipolares sem Armação CABOS EMENDAS Tronco Derivação Desenho C. M. 4 x 1 x 35 mm 2 CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 120 mm 2 ) 4 (1 x 10 mm 2 ) + 4 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) + 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) + 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico

33 ND Página 31 Tabela Emendas Termocontráteis Para Cabos Quadripolares (Tronco) Armados e Derivação Unipolar sem Armação CABOS EMENDAS Tronco Derivação Desenho C. M. 4 x 1 x 35 mm 2 CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 x 120 mm 2 4 (1 x 10 mm 2 )+ 4 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 )+ 3 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 )+ 2 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 )+ 3 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 )+ 2 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 )+ 2 ( 1 x 10 mm 2 ) CP Específico Tabela Emendas Enfaixadas Para Cabos Quadripolares (Tronco) Armados e Derivação Unipolar sem Armação CABOS EMENDAS Tronco Derivação Desenho C. M. 4 (1 x 35 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 x 120 mm 2 4 (1 x 10 mm 2 ) + 4 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) + 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 4 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) + 3 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 3 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico 2 (1 x 10 mm 2 ) + 2 (1 x 10 mm 2 ) CP Específico

34 ND Página ALIMENTAÇÃO DE CONSUMIDORES EM MÉDIA TENSÃO Estudo envolvendo entrada individual de consumidor residencial com carga instalada superior a 75 kw, deverá ser encaminhado à ELETROPAULO, que analisará alternativas de atendimento. 15. PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES O esquema de proteção contra sobrecorrentes de redes de distribuição subterrânea, deverá considerar: a) religadores automáticos instalação: postes de transição; bobina série - corrente nominal (mínima): 50A nº de operações: 1 ( bloqueio do religamento ) curva: B bobina de terra - corrente nominal (mínima): 10A nº de operações: 1 ( bloqueio do religamento ) curva: 6 Nota: deverão ser instalados nos religadores automáticos dispositivos que impliquem na abertura dos religadores por falta de tensão em uma ou duas fases. b) fusíveis de expulsão nos postes de transição: tipo K (mínimo 20 K); c) fusíveis de expulsão em baionetas e limitadores de corrente imersos no óleo. fornecidos com o transformador em pedestal dimensionados de acordo com o especificado no item 11. d) fusíveis nos quadros de distribuição em pedestal tipo: NH corrente nominal (máxima): 315 A, para cabos secundários de seção 120 mm². Nota: a definição das características básicas dos dispositivos de proteção nos circuitos primários é feita pela ELETROPAULO. 16. ATERRAMENTO O aterramento dos acessórios nos poços de inspeção deverá ser feito considerando o desenho padrão CP do PD da ELETROPAULO. Para os transformadores em pedestal e Q.D.P s., os aterramentos deverão ser feitos considerando: condutor de aterramento: 120 mm 2, cobre, nú; haste: coperweld, 2,40 m x 1/2 (C.M.: ); conector "wrench-lok" (material específico), ou solda exotérmica; caixa de inspeção de acordo com o desenho número 77 da publicação "Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. Esquema correspondente ao aterramento de transformadores e Q.D.P s. pode ser observado no desenho padrão CP do PD No caso de utilização de rede subterrânea secundária derivando de transformador aéreo, o aterramento do Q.D.P. deverá ser feito no aterramento do poste de transição, conforme mostrado no desenho CP A resistência de aterramento admissível, tanto nos poços de inspeção como nas instalações dos transformadores, não deverá ser superior a 25 ohms.

35 ND Página PROJETO BÁSICO CIVIL Generalidades As características básicas das obras civis, que constam do projeto civil de uma rede de distribuição subterrânea de loteamento residencial, estão apresentadas na ND-2.014: Construção Civil Para Instalação de Rede de Distribuição Subterrânea com Transformador em Pedestal Circuitos Primários Os circuitos primários deverão ser, obrigatoriamente, instalados em dutos e, para tanto, devem ser considerados: dutos de polietileno corrugado flexível, diretamente enterrados ou envelopados com concreto, ou dutos de PVC envelopados com concreto; Nota: A utilização ou não de envelopamento de concreto dos dutos de polietileno corrugado flexível deverá ser definida pelo empreendedor. dutos de PVC conforme desenho padrão CP do PD-4.022; dutos espiralados corrugados flexíveis de polietileno de alta densidade PEAD, conforme desenho padrão CP do PD-4.022; profundidade mínima do banco de dutos, conforme desenho padrão CP do PD-4.022: instalação de fita de advertência, conforme desenho padrão CP do PD Nota: em banco com dutos envelopados será dispensada a utilização de fita de advertência. O banco de dutos padronizado pela ELETROPAULO estão apresentadas nos desenhos padrão CP e CP do PD-4.022, para dutos revestidos de concreto e diretamente enterrados, respectivamente. No projeto de bancos de dutos, também, deverá ser levada em consideração diversas premissas apresentadas a seguir: cada circuito primário instalado em um duto independente; condutor de proteção (neutro) do circuito primário instalado em duto independente; nas instalações de circuitos primário ou travessia de secundário, os bancos de dutos deverão ter, no mínimo, um duto vago (duto reserva); os banco de dutos primários deverão ser instalados nos leitos carroçáveis ou calçadas de vias públicas oficiais, que devem possibilitar a circulação de caminhões para instalação/substituição de materiais e equipamentos; os dutos primários deverão ter suas extremidades bloqueadas; trecho de banco de dutos com comprimentos máximo de 150 metros; inexistência de curvas nos trechos de bancos de dutos;

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Autores: Plácido Antonio Brunheroto

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NDU-018 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares

Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares Procedimentos para Incorporação de Rede Subterrânea Empreendimentos Particulares VICE- PRESIDÊNCIA TÉCNICA DIRETORIA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO AUTORES: Erminio César Belvedere, Charles Rodrigues.

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal Nº Data Revisões Visto. Vanderlei Robadey Página 1 de 14 Legenda 1 Compatimento de alta tensão; 2 Compatimento de baixa tensão; 3 Bucha de alta tensão tipo poço removível; 4 Bucha baixa tensão 1,3kV; 5

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Parque Marinha do Brasil. 2

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA BAIXA TENSÃO edição 2010 Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Fascículo de Medição Eletrônica Centralizada 2010 1º Edição v.01-31/03/2010

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06/11/2009 06/11/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-03/09/2012 21/09/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti DTES-BD / Marcelo Poltronieri DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT-39 REQUISITOS PARA O ATENDIMENTO E INCORPORAÇÃO DE REDES EM LOTEAMENTOS/EMPREENDIMENTOS PARTICULARES.

COMUNICADO TÉCNICO CT-39 REQUISITOS PARA O ATENDIMENTO E INCORPORAÇÃO DE REDES EM LOTEAMENTOS/EMPREENDIMENTOS PARTICULARES. Página 1 de 47 COMUNICADO TÉCNICO CT-39 REQUISITOS PARA O ATENDIMENTO E INCORPORAÇÃO DE REDES EM LOTEAMENTOS/EMPREENDIMENTOS PARTICULARES. Diretoria de Engenharia Diretoria Comercial Gerência de Serviços

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

Título do Documento: Entrada Consumidora de Baixa Tensão Tipo: FECO-D-04 Norma Técnica e Padronização

Título do Documento: Entrada Consumidora de Baixa Tensão Tipo: FECO-D-04 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização ENTRADA CONSUMIDORA DE BAIXA TENSÃO LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Esquema TN-S...55 Figura 2 - Esquema TN-C-S...55 Figura 3 - Esquema TN-C...55 Figura 4 - Esquema TT...55

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características)

Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Características) CATÁLOGO TÉCNICO TRANSFORMADORES A ÓLEO DE MÉDIA E ALTA TENSÃO Índice Transformador de Força Transformador Trifásico de Força Classe até 145kV CST (Estrutural) Transformador Trifásico de Força Classe até

Leia mais

Canoas, 20 de julho de 2010.

Canoas, 20 de julho de 2010. PROJETO DE SUBESTAÇÃO TRANSFORMADORA ABRIGADA DE 112,5 KVA COM RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO E MEDIÇÃO INDIRETA EM FORNECIMENTO DE TENSÃO PRIMÁRIA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA. LOTEAMENTO CAPRI RUA DR.

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

Diretoria de Distribuição e Comercialização

Diretoria de Distribuição e Comercialização Classificação: Público CEMIG Distribuição SÃ Diretoria de Distribuição e Comercialização Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇAO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão

Produtos. Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V. Fio e Cabo de Cobre Nu. 2 www.ipce.com.br. Fios e cabos para uso geral de baixa tensão Fio e Cabo de Cobre Nu Fio e Cabo Pauliplast BWF 750V Características dimensionais e resistência elétrica de fios e cabos de cobre nu, meio duro e duro Empregados em linhas aéreas para transmissão e distribuição

Leia mais

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS:

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Projeto nº. 59 / 2013 Nome: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

TREVO CARRION JUNIOR (VIADUTOS DO AEROPORTO) E ENTORNO REFORMULAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE IP I L U M I N A Ç Ã O P Ú B L I C A

TREVO CARRION JUNIOR (VIADUTOS DO AEROPORTO) E ENTORNO REFORMULAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE IP I L U M I N A Ç Ã O P Ú B L I C A ANEXO XIV - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Trevo Carrion Junior (Viadutos

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014 2 GENERALIDADES Versão 2014 Data: Março / 2014 2.1. Principais características... 2.3 2.1.1. Poder calorífico superior (PCS)... 2.3 2.1.2. Poder calorífico inferior (PCI)... 2.3 2.1.3. Densidade relativa...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-206/2007 R-02 CABO DE CONTROLE BLINDADO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-206/2007 R-02 CABO DE CONTROLE BLINDADO /007 R-0 DOCUMENTO NORMATIVO I JUN/007 APRESENTAÇÃO Este documento encerra requisitos, recomendações e diretrizes para nortear os interessados no fornecimento de Cabo de Controle Blindado, multipolar em

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS De acordo com o item 7 do RIC de BT Fecoergs deverá ser apresentado projeto a Creluz nas seguintes situações: a) unidade consumidora com carga instalada superior a 75 kw; b) prédio de múltiplas unidades

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE ENGENHARIA E NORMALIZAÇÃO NTD 6.05 FORNECIMENTO DE ENERGIA

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev.

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev. ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETR-ABEMI-ABCE ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA Rev. 0 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 2 PREMISSAS GERAIS 2 3 CÓDIGOS, NORMAS E MANUAIS APLICÁVEIS 3 4 REQUISITOS PARA ARQUITETURA,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT 1 Escopo Esta ITA Ampla, tem por objetivo estabelecer os procedimentos a serem adotados para aplicação de condutores de alumínio em substituição

Leia mais

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Pg 2/59 2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 2.1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 2.1.1 INSTALAÇÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBILCA DO ACESSO A CIDADE DE CAICÓ, PELA BR 427 E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1 1.1 ITEM DISCRIMINAÇÃO UNID QUANT P.UNIT.S/ BDI P.UNIT.C/ BDI ITEM S/ BDI ITEM C/BDI 1.1.1 Limpeza do terreno m2 24,99 1,84 2,37 45,98 59,23 1.1.2 Locação da obra m2 24,99 4,56 5,87 113,95 146,69 1.2

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais