ANÁLISE DO CICLO DE MELHORIA NA ROTINA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: ESTUDO EM UMA INDÚSTRIA CIRÚRGICO- FARMACÊUTICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO CICLO DE MELHORIA NA ROTINA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: ESTUDO EM UMA INDÚSTRIA CIRÚRGICO- FARMACÊUTICA."

Transcrição

1 ANÁLISE DO CICLO DE MELHORIA NA ROTINA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: ESTUDO EM UMA INDÚSTRIA CIRÚRGICO- FARMACÊUTICA. Frederico Bazarello Coelho (LATEC / UFF) Osvaldo Luis Goncalves Quelhas (LATEC / UFF) O presente artigo apresenta um diagnóstico e proposta de diretrizes para a gestão do PCP com foco em manufatura em uma empresa cirúrgico-farmacêutica. Para tanto, foi utilizado um estudo de caso por meio de pesquisa descritiva, revisão da lliteratura e pesquisa de campo. No decorrer do trabalho, métricas foram selecionadas e monitoradas para acompanhamento das ações de melhorias. As conclusões obtidas indicam a necessidade de aprimorar o fluxo de comunicação interno na empresa para aplicar as diretrizes e apresentam os benefícios do uso de indicadores adequados no processo de PCP para o monitoramento da rotina do mesmo. Palavras-chaves: PCP, melhoria contínua, diretrizes

2 1. Introdução No contexto atual, o sistema de Planejamento e Controle da Produção (PCP) está sendo convidado a contribuir com a empresa, frente às novas reivindicações internas e externas, a fim de prover rápidas respostas ao mercado, melhorar o controle dos recursos e desempenhar um bom resultado na entrega de produtos. No entanto, para atender tais necessidades, é necessário entender como e quais fatores afetam o desempenho dos sistemas de PCP e em quê a sua gestão precisa melhorar. Neste sentido, aspectos quantitativos, tanto administrativos quanto comportamentais do PCP, deverão ser discutidos, tendo em mente as necessidades de curto, médio e longo prazo. Neste trabalho, serão analisadas as práticas de planejamento da produção e estoques em uma empresa. Com o foco nas tarefas do PCP e ciente dos impactos desta área nos resultados globais, decidiu-se trabalhar com a indústria cirúrgico-farmacêutica, em virtude das seguintes características: a) representam um setor industrial importante; b) constituem-se, em sua maioria, de sistema de produção intermitente para estoque (MTS - "make to stock"), com uma complexa rede de aquisição; c) em geral, são empresas com capacidade de investimentos em sistemas mais sofisticados de planejamento da produção e estoques. Espera-se, com esta pesquisa, contribuir para a melhor compreensão das dificuldades e limitações associadas à rotina do planejamento e controle da produção e apresentar diretrizes para implementar melhorias em gestão do PCP e estoques na indústria deste setor. 2. Referencial teórico Fernandes e Santoro (2005) avaliaram o grau de prioridade e o foco do planejamento e controle da produção, utilizando modelos e estudos de casos. Dentre outras conclusões, o estudo indicou que houve, de uma maneira geral, um crescimento do grau de prioridade estratégica do PCP nas empresas nos últimos anos. No mesmo sentido, os indicadores de desempenho estão mudando para aprimorar a gestão das empresas: mensurar o desempenho de todos os negócios, atualmente, tornou-se uma ferramenta estratégica. As empresas deixaram de entender os indicadores somente como uma forma de controle, eles estão sendo utilizados para orientá-las rumo a excelência em seus processos. Sendo assim, as empresas devem contar com um sistema de indicadores de desempenho que permita a verificação do efetivo sucesso de sua gestão estratégica (LOTA; MARINS, 2003). Para o sistema de Planejamento e Controle da Produção (PCP) contribuir com os níveis elevados de desempenho logísticos, os conceitos e suas aplicações devem estar adaptados especificamente à gestão da produção (WIENDAHL; VON CIEMINSKI; WIENDAHL, 2005). Contudo, uma importante distinção é que o sistema de PCP tem a responsabilidade de fornecer as informações para que o nível gerencial tome as decisões efetivas; isto significa que o sistema de PCP não toma decisões e, tampouco, gerencia operações, mas sim, os gerentes, que devem desempenhar essas atividades (VOLLMANN et al., 2006). Para atender aos seus objetivos e funções, o PCP está alicerçado em diversas informações vindas de diversas áreas da empresa (TUBINO, 2007). O PCP necessita de uma estrutura de lista e desenhos técnicos, originada da Engenharia de Produto. Necessita da Engenharia de Processo, dos tempos-padrão constituídos em roteiros de fabricação, como também do número de tripulação e máquinas para determinar a capacidade de uma estação de trabalho. Na interface com a equipe de Marketing, buscam-se as previsões estabelecidas no horizonte 2

3 de planejamento e confrontam com análises estatísticas para estabelecer uma previsão de demanda mais acurada possível. No financeiro, a viabilidade financeira do volume programado, o grau de desvio deste versus o orçamento e estudos de incremento/redução de capacidade. A área de Compras fornece os pedidos e o resultado das negociações da lista de necessidade de materiais. Logística realiza a entrada e saída de materiais, conforme fluxo programado. A área de Recursos Humanos fornece o calendário fabril, em acordo com os empregados e sindicatos, para determinar os dias de produção no ano, bem como treinamentos em geral. O PCP também busca o feedback da área fabril, exercendo seu controle operacional. Reconhecendo-se a contribuição do PCP para as tomadas de decisões relativas à estratégia e à competitividade e constatando-se a necessidade de utilização de indicadores, para monitorar e controlar processos, o problema da pesquisa restringe-se em como melhorar o desempenho de PCP, estruturando-o em um sistema de gestão eficaz. Consequentemente espera-se a melhoria do nível de atendimento do PCP de forma que atenda às necessidades da empresa frente ao mercado local e global. Torna-se necessário equacionar esta questão à medida que o contexto mercadológico exige do PCP adequações frente à mudança contínua no ambiente competitivo. Portanto, é formulada a seguinte questão de pesquisa: Como diagnosticar e propor diretrizes visando melhoria na gestão do planejamento e controle da produção? 3. Método da Pesquisa O desenvolvimento neste trabalho constitui de pesquisa descritiva, que tem como objeto de estudo a gestão do PCP em uma indústria cirúrgico-farmacêutica no Brasil. Inicia-se com um diagnóstico sobre os modelos de planejamento da produção e estoques utilizados na indústria. O passo seguinte consiste na coleta de dados, realizada a partir de pesquisa de campo, com o intuito desenvolver uma análise documental para acompanhamento dos resultados. Neste desenvolvimento serão aplicadas e registradas as diretrizes que interferiram no processo de PCP e assim, encontrar respostas à questão central da pesquisa. Cogitou-se, inicialmente, que o trabalho fosse feito em diversas empresas por questionários, o que permitisse acessar um conjunto maior de empresas. Por outro lado, a análise longitudinal das ações no tempo realizadas em um único ambiente com a presença do pesquisador na empresa propicia uma melhor compreensão da realidade do objeto entrevistado. De outra maneira corre-se o risco de um retorno baixo em quantidade e qualidade utilizando, por exemplo, questionários ou entrevistas a distancia. Por estas razões, optou-se pela vivencia em campo com os responsáveis diretos pelo planejamento da produção em uma das maiores empresas do setor cirúrgico-farmacêutico. Como premissa, entende-se que a empresa pesquisada doravante XX busca aumentar sua eficiência operacional e que a racionalização dos processos de planejamento da produção e estoques é parte fundamental neste processo. Além disso, em virtude dos grandes investimentos realizados em tecnologia de informação, constata-se que a empresa investiu em aquisição de softwares com modelos de apoio à decisão, melhorando a base de coleta de dados em planejamento da produção. 4. Pesquisa de Campo 4.1 Diagnóstico da estrutura de PCP A indústria XX produz uma série de dispositivos semiacabados que abastece as demais 3

4 Variedade XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO plantas do Brasil e Mundo partindo de oito fábricas com instalações e processos diferentes no mesmo site e independentes entre si. As tarefas do PCP estavam divididas entre três analistas sendo cada um responsável por um grupo de fábricas. O estagiário ficava na incumbência de apoiar o analista que estava com as fábricas mais complexas. No decorrer deste trabalho será apresentado o detalhe de cada instalação. Considerando a relevância do PCP para prioridades estratégicas e sua importância na eficiência das operações de produção torna-se necessário encontrar um método que avalie o nível de aderência do sistema de PCP com a sua respectiva operação produtiva. Portanto, foi realizado um diagnóstico baseado em dois conceitos: a) Tipos de processos em operações; b) Nível de complexidade dos Processos relativos a volume, variedade e controle. Com relação aos tipos de processos em operações, constatou-se que a área de concentração da empresa XX possuía, por predominância, processos em Bateladas (produção) e Lotes (embalagens). A Figura 1 retrata a posição do processo de produção da empresa estudada; na mesma figura, entende-se por dificuldade o tempo gasto, por unidade produzida, na análise para realizar o planejamento da produção. Alto Baixo Alta Projeto Volume Alto Jobbing Lotes ou bateladas Massas Baixa Contínuo Dificuldade em Planejar Baixo Figura 1 - Tipos de Processos em Operações e a Área de Concentração da Empresa XX Fonte: Criada pelo autor, baseado em Slack; Chambers; Johnston. (2002) A próxima etapa do diagnóstico foi aprofundar nas questões: Como classificar a complexidade do processo visando à melhor adequação do sistema de Planejamento e Controle? E, qual o nível de Volume, de Variedade e o nível de Controle determinante na adequação do sistema de Planejamento e Controle? Considerando a empresa XX constituída de várias fábricas em um único complexo fabril, foi feita a classificação de suas características para cada unidade fabril. Foram utilizadas, como subsídio teórico, a análise do tipo de produção (volume e variedade) e a complexidade, a partir da forma da estrutura do produto (SLACK, CHAMBERS, JOHNSTON; 2002). F1 Fábrica 1: possui a estrutura de produção em forma de V. Trata-se de uma fábrica que possui um fluxo em massas com volume é médio a alto e variedade média. Sua estrutura de 4

5 lista técnica e seu roteiro de fabricação são simples. F2 Fábrica 2: possui a estrutura de produção em forma de T. Sua característica volume de produção é menor que a F1 e a variedade é um pouco maior. Suas estruturas, bem como seus roteiros, são um pouco mais complexos que a primeira. F3 Fabrica 3: possui a estrutura de produção em forma de X. É a fábrica com o projeto mais novo da empresa XX. Por esse motivo, essa fábrica já nasceu com uma estrutura e roteiros simplificados. Possui uma alta capacidade de volume de produção com uma variedade de produtos baixa. F4 Fábrica 4: com a estrutura de produção em forma de A, é uma fábrica com operações manuais, portanto apresenta um processo instável. Possui estruturas e roteiros complexos e seu volume é baixo e sua variedade não é muito alta. F5 Fábrica 5: possui a estrutura de produção em forma de A. É uma fábrica automatizada com estruturas complexas e roteiros de complexidade mediana. Seu volume de produção é relativamente alto e sua variedade baixa. F6 Fabrica 6: possui a estrutura de produção em forma de T. É uma linha de alta absorção nos custos. Possui volumes altos com variedade baixa. Possui também roteiros e estruturas complexos. F7 Fábrica 7: possui a estrutura de produção em forma de A. É uma linha manual com grande valor agregado e é uma fábrica com roteiros e estruturas complexos, com o volume baixo e variedade relativamente baixa. F8 Fábrica 8: possui a estrutura de produção em forma de A. Por se tratar somente de embalagens de produtos, possui um roteiro simples, mas sua estrutura é complexa. Seu volume é baixo e sua variedade é alta. As oito fábricas explanadas podem ser enquadradas nas regiões pontilhadas das Figuras 2 e 3: Estruturas complexas. F8 F5 F6 F4 F7 MRP PERT /MRP Estruturas simples F3 F1 F2 Roteiros simples Roteiros complexos Figura 2 - A Questão da Complexidade para Adequação do Sistema de Planejamento e Controle. Fonte: Adaptada de Voss; Harrinson (apud SLACK, CHAMBERS, JONSTON, 2002) 5

6 Nível de controle XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Alto F8 MRP F5 +MRP F6 F3 F7 Baixo Técnicas baseadas em atividades, como o PERT (b) Baixo Alta F4 F2 Volume Variedade F1 Governado pela tecnologia integrada (a) Alto Baixa Figura 3 - Análise da Questão do Volume, Variedade e o Nível de Controle para Adequação do Sistema de Planejamento e Controle Fonte: Adaptada de Slack; Chambers; Johnston (2002) O diagnóstico demonstrou que a empresa estudada possuía um tipo de processo predominantemente realizado por lotes ou bateladas, estruturas de materiais complexas e roteiros de fabricação variados. Existiam poucos produtos novos sendo introduzidos e, quando isto ocorria, possuíam similaridades com produtos já fabricados. A variabilidade dos lead times era habitual, para materiais importados, que representavam 80% do valor do estoque de matéria-prima da empresa, e constantes para nacionais. Por se tratar de uma empresa do setor farmacêutico, exigia-se um alto nível de controle do processo de manufatura, o que refletia a mesma exigência no sistema de PCP. Todas as fábricas utilizavam a programação para frente. No mesmo envolto, foram percebidos uma relativa centralização às tomadas de decisões e um relativo favorecimento à melhoria contínua com um sistema pouco simples. variedade dos produtos complexidade dos roteiros novos produtos introduzidos (baixa) (baixa) (similares) MRP II/OPT MRP II/OPT OPT MRP II/OPT OPT (alta) (alta) (diferentes) complexidade das estruturas (baixa) /OPT MRP II/OPT MRP II (alta) variabilidade dos lead times (baixa) MRP II OPT (alta) nível de controle centralização às tomadas de decisões favorecimento de melhoria contínua simplicidade do sistema (baixo) (baixa) (baixo) (baixa) MRP II OPT MRP II/OPT MRP II OPT MRP II MRP II MRP II/OPT (alto) (alta) (alto) (alta) 6

7 Figura 4 - Análise e Escolha do Sistema de Administração para Empresa XX Fonte: Corrêa e Gianesi (2007) Com as evidências obtidas no diagnóstico da estrutura do PCP, concluiu-se que o sistema de PCP, que melhor convinha para a realidade da empresa XX, era o MRPII, confirmando que a ferramenta utilizada no momento do estudo estava adequada. O próximo passo seria confrontar este resultado com o contato e experiência que cada funcionário da área de PCP possuía com os conceitos de MRPII e outros conceitos relacionados ao sistema de PCP. A matriz denominada lista de versatilidade (Figura 5) constatou um nível de 43% de versatilidade (258 pontos). Analista 1 Analista 2 Analista 3 Estágiário Supervisor PCP Conhecimento processo produção Conhecimento processo suprimentos Conhecimento gerenciamento pedidos Conhecimento métodos estatísticos Conhecimento dos conceitos de MRP Conhecimento em Pesquisa Operacional Conhecimento em programação produção Conhecimento sequenciamento Experiência em MRP Experiência em Pesquisa Operacional Experiência programação da produção Experiencia em sequenciamento interpretação dos indicadores PCP SAP - Módulo PP Estatística Excell Avançado Six Sigma Lean Manufacturing SOX Criação de Ordens trasferencia Preparar Carga mista Análise de Catálogos - Desova Análise de Inventário Procedimentação LENGENDA Sem Treinamento 1 Treinando 2 Treinado 3 Apto a treinar 4 Lista de Vesatilidade Figura 5 - Lista de Versatilidade Fonte: Dados da pesquisa 4.2 Proposta de diretrizes para a gestão do PCP Inicialmente procurou-se definir o processo (início, o término e as principais etapas) de planejamento e controle da produção da empresa XX. Em seguida, iniciou-se o contato com o nível gerencial da empresa por meio de entrevista com 100% dos gerentes de manufatura e 7

8 apoio. Um breve questionário (anexo A) foi utilizado como roteiro das entrevistas que duraram em média uma hora. Uma análise qualitativa dos resultados das entrevistas encontrase traduzida em nove pontos de atenção: Constante falta de matéria-prima Erros na análise de recursos para planejar Alta variação na demanda prevista Falta de previsibilidade da manufatura Ordens liberadas com atraso Análises, quando solicitadas à área eram pobres Urgência na mudança da lista de materiais Falta de espaço no almoxarifado O horizonte fixo de planejamento não era respeitado A partir do levantamento inicial dos pontos de atenção, utilizando a própria voz do cliente interno capturado em entrevistas, foi realizado um levantamento dos Impactos Críticos (IC) e o desdobramento em suas respectivas Variáveis Potenciais (VP). Neste ponto o time de projeto utilizou-se a ferramenta brainstorm reunindo representantes de compras, manufatura, qualidade e planejamento que indicaram as possíveis causas (VP) para cada efeito (IC) percebido pelo entrevistado. Para o item Constante falta de matérias-primas obteve-se o IC Falta de fornecimento de Produtos acabados para o cliente externo e foram identificados como VPs: falha no planejamento da produção; falha no recebimento do material; falha na liberação do material pelo CQRM (Controle de Qualidade no Recebimento de Materiais); diferença de inventário e atraso de pedidos dos fornecedores. Para o item Erros na análise de recursos obteve-se o IC: Plano de produção não viável para fábrica e identificou-se como VP a falta de treinamento dos analistas de PCP. Para o item Alta variação na demanda prevista obtiveram-se como ICs Atraso dos pedidos de clientes, excesso de materiais armazenados e foram identificados desconhecimento de mercado; a falta de estratégia mercadológica e o erro na comunicação entre Força de vendas e PCP como VPs. Para o item Falta de previsibilidade obtiveram-se como IC Parada de máquinas, baixo desempenho operacional e foram identificadas como VP: variações constantes no plano de produção. Para o item Ordens liberadas com atraso obtiveram-se como IC: Paradas de máquinas, baixo desempenho operacional e foi identificado como VP: analistas de PCP sem conhecimento do fluxo de produção. Para o item Análises, quando solicitadas à área de PCP eram pobres obteve-se como IC Erro na tomada de decisões e foram identificadas como VPs: falta de cronograma das atividades do PCP e falta de treinamento dos analistas do PCP. Para o item Urgência nas mudanças das listas de materiais obtiveram-se como ICs Falta de matéria-prima e ruptura na fábrica e foram identificados como VPs: falha no planejamento da produção; falha no recebimento do material; falha na liberação do material pelo CQRM; diferença de inventário e atraso de pedidos dos fornecedores. Para o item Falta de espaço no almoxarifado obteve-se o IC Materiais em Excesso e Obsoleto e foram identificados como VP: falta de controle físico dos materiais; falta de previsão de recebimento de materiais; variação no consumo x padrão; materiais estocados 8

9 sem ordenação e variações no plano de produção. Por fim, para o item O horizonte fixo de planejamento não era respeitado obteve-se o IC Falta de fornecimento de produtos acabados para o cliente externo e foram identificadas todas as variáveis potenciais (VPs) descritas nos itens anteriores. As relações estabelecidas entre a Voz do Cliente, Impactos Críticos e Variáveis Potenciais permitiram a elaboração de métricas para acompanhamento e proposição das diretrizes de melhoria na gestão do PCP. A relação de métricas foi validada em nível de aderência, viabilidade de extração e freqüência de monitoramento (Quadro 1). VP (variáveis potenciais) Métrica (nome) O que mede Frequencia falha no planejamento Matriz de versatilidade falha no recebimento falha na liberação CQRM diferença de inventário atraso de pedidos de fornecedores falta de treinamento analistas de PCP desconhecimento do mercado falta de estratégia mercadológica erro na comunicação entre a Força de Vendas e PCP Materiais Críticos Materiais Críticos Bloqueados por diferença de inventário Cumprimento dos Fornecedores conhecimento dos procedimentos críticos para o PCP por analista materiais comprados que sofreram risco de falta ou falta para produção materiais comprados que sofreram risco de falta ou falta para produção valor em reais dos materiais bloqueados por diferença de inventário cumprimento do prazo de entregas de materiasprimas Matriz de Treinamento cursos críticos para o PCP por analista bimestral Variação da demanda Variação da demanda Mix e Volume variação na demanda dois meses após seu fornecimento para um determinado período variação na demanda dois meses após seu fornecimento para um determinado período variação de Mix e Volume de produção a partir do consenso realizado em reunião de SNP variações constantes no plano de produção variação limite tolerância nas ordens produção ordens de produção com volume maior/menor que o planejado em ordem analistas PCP sem conhecimento do fluxo de produção falta de cronograma de atividades do PCP falta de controle físico dos materiais sem previsão de recebimento de materiais variação no consumo x padrão materiais estocados sem ordenação Matriz de versatilidade Lista de tarefas Giro de inventário Materiais Críticos Bloqueados por diferença de inventário Giro de inventário conhecimento dos procedimentos críticos para o PCP por analista acompanhamento das atividades diárias para Supervisão e cada Analista consumo acumulado annual / valor do estoque médio do mesmo período materiais comprados que sofreram risco de falta ou falta para produção valor em reais dos materiais bloqueados por diferença de inventário consumo acumulado annual / valor do estoque médio do mesmo período diária /anual Quadro 1 - Métricas identificadas para mensurar a evolução das diretrizes Fonte: Dados da pesquisa No intuito de viabilizar o desenvolvimento das diretrizes e o progresso do trabalho, as métricas identificadas no quadro 1 foram classificadas em grau de prioridade e impacto nos processos operacionais e financeiros, sendo o último analisado em conjunto com a equipe financeira da empresa. Como métricas prioritárias foram classificadas: variação no limite de tolerância das ordens de produção, análise dos materiais em risco de falta e cumprimento do prazo de entrega dos fornecedores, pois, entende-se que o desempenho adequado destas métricas estabiliza o processo de produção eliminando as questões urgentes que atrapalham a 9

10 rotina da empresa XX. As métricas giro de inventário e mix & volume de produção foram classificadas importantes por serem consideradas como métricas de resultado de processo, portanto, já seriam alavancadas pelas melhorias das prioritárias. As demais métricas foram avaliadas como desejáveis, ou seja, por motivos de dificuldade de extração, acompanhamento e grau de importância e impacto operacional e financeiro perante as demais métricas, deveriam ser analisadas em momento posterior ou ser revisitada somente caso ocorra alguma dificuldade na análise ou interpretação das métricas prioritárias. 4.3 Acompanhamento das diretrizes propostas para a gestão do PCP No decorrer de outubro de 2009 a setembro de 2010 o indicador variação no limite de tolerância das ordens de produção foi monitorado. No mês de fevereiro de 2010 iniciou-se a execução de um controle mais rigoroso nas fábricas. A partir do conceito da teoria das restrições (GOLDRATT, 1986), foi identificada a restrição de capacidade na produção e diariamente, a saída deste recurso era observado e analisado se o que estava sendo produzido era, de fato, o que estava planejado. O planejamento era realizado visando melhorar o desempenho do recurso com restrição de capacidade. As divergências no plano eram avisadas ao gerente da área enfatizando o risco ora de afetar o cliente final, ora de gerar inventários de produtos em excesso. Com o aumento do controle o indicador total de variação encerrou setembro 2010 com 23% das ordens não cumpridas, na quantidade planejada. 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Variação 47% 44% 64% 33% 53% 32% 35% 29% 31% 27% 29% 23% Figura 6 - Variação no Limite de Tolerância das Ordens de Produção Fonte: Dados da pesquisa O indicador cumprimento dos fornecimentos de matérias-primas foi trabalhado nos meses de janeiro a setembro de 2010 onde estabeleceu uma rotina de acompanhamento de cada etapa do processo de compras. As informações foram consolidadas em planilha eletrônica com acesso a todos os envolvidos no processo de suprimentos, anteriormente o contato com o fornecedor era feito somente no momento da colocação do pedido e no faturamento. A métrica Materiais Críticos foi criada para relacionar matérias primas que estiveram na iminência ou falta na unidade. Cada causa de problema que afetava o suprimento de matériasprimas foi identificada e decisões eram tomadas à medida que era apresentada a evolução do indicador para a liderança da empresa. Para a causa, Pedido de Compra em Atraso, a ação foi contratar um empregado alocado na área de suprimentos, para realizar o acompanhamento dos 10

11 pedidos de compras. A área de CQRM (Controle de Qualidade do Recebimento de Materiais) da estava sofrendo alterações no quadro funcional e nos procedimentos da área. Para contornar a situação, foi realizado um trabalho entre o PCP e CQRM, no sentido de apresentar, dentro dos atrasos de liberação, uma sequência de prioridades. Este trabalho era realizado, semanalmente, por meio da atualização de uma planilha compartilhada entre as duas áreas. A causa Manufatura representava quebra, parada e consequentemente reprogramações nas linhas de produção, utilizando materiais que não estavam planejados consumir naquele momento representando risco de falta de matéria-prima. A este indicador, o PCP informava os riscos que as manobras contingenciais na manufatura traziam para a empresa e, quando possível, acelerava o recebimento dos materiais reprogramado juntamente com compras. A causa Qualidade representava todo recebimento de matéria-prima não conforme nos quesitos especificação técnica, laudo, certificado, validade e afins. O PCP promoveu um trabalho de controle de qualidade no recebimento de materiais para acompanhar, juntamente com o fornecedor que apresentava recorrência, enviando um relatório de não conformidade e solicitando a este um plano de ação que era revisado, periodicamente, até a sua conclusão. Apesar da equipe de projetos ter investigado outras ações de melhorias para a métrica Materiais Críticos, estas causas foram consideradas as mais representativas. A figura 9 mostra a redução dos materiais em risco na empresa Abr Mai Jun Jul Ago Set Out 4 Figura 7 - Evolução dos Casos de Risco de Falta de Materiais Fonte: Dados da pesquisa 5. Conclusões e sugestões de novas pesquisas A presente pesquisa propôs uma análise da gestão do PCP em uma empresa da indústria farmacêutica visando diagnosticar o estado inicial e propor, a partir daí, diretrizes para melhoria da rotina de planejamento. Constatou-se que a empresa investigada possuía aderência com a estrutura do PCP concernente ao processo produtivo, mas os conceitos básicos de planejamento e controle eram omitidos na rotina da empresa XX. Por exemplo, não existiam análises da demanda versus estoques e monitoramento da produção versus planejado. A solução apresentada provocou uma integração entre as áreas da empresa facilitando a implementação das diretrizes encontradas no decorrer do item 4.3 deste artigo. É recomendável aplicar as diretrizes nos processos de PCP e monitorar os indicadores identificados avaliando a eficácia à medida que as melhorias forem implementadas. Deve-se ampliar o diagnóstico em um número maior de empresas no setor farmacêutico a fim 11

12 de comparar a gestão destas organizações ou fazer os ajustes necessários à proposta de diretrizes aplicada na melhoria do PCP da empresa XX. É possível também expandir a pesquisa para outros tipos de setores da economia à luz do modelo proposto bem como ampliar o campo da pesquisa entre empresas de setores distintos, a fim de fazer um comparativo entre elas. No mesmo sentido, é importante também pesquisar empresas fora do Brasil, a fim de avaliar se as atividades das etapas da metodologia mudam em função da cultura em outros países. Referências CAMPOS, V. F. Gerenciamento pelas Diretrizes. 3.ed. Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial, CORRÊA, H.L. & CORRÊA, C.A. Administração de Produção e Operações: manufatura e serviços. 2.ed. São Paulo: Atlas, & CAON, M. Gestão de Serviços. São Paulo: Atlas, & GIANESI, I.G.N. Just in Time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, ; GIANESI, I.G.N. & CAON, M. Planejamento, Programação e Controle da Produção. São Paulo: Atlas, FERNANDES, F.C.Faria & SANTORO, M.C. Avaliação do grau de prioridade e do foco do Planejamento e Controle da Produção (PCP): modelos e estudos de casos. Gest. Prod., vol.12, no.1, p.25-38, Jan./Apr GOLDRATT, E.M. & COX, J.F. A Meta: Editora do IMAN, São Paulo, LOTA, V.R.D. & MARINS, F.A.Silva. Determinação de indicadores de desempenho da Logística e do PCP. ENEGEP, Ouro Preto, MESQUITA, M.A. & SANTORO, M.C. Análise de modelos e práticas de planejamento e controle da produção na indústria farmacêutica. Prod. vol.14, no.1, p.64-77, SLACK, N. & Lewis, M. Operations Strategy. Londres: Pitman, SLACK, N.; CHAMBERS, S. & JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, TUBINO, D.F. Planejamento e controle da produção: teoria e prática. São Paulo: Atlas, VOLLMANN, T.E. et al. Sistemas de Planejamento e Controle da Produção para o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 5ª edição, Porto Alegre: Bookman, WIENDAHL, H; VON, C. & WIENDAHL. Stumbling blocks of PPC: Towards the holistic configuration of PPC systems. Production Planning & Control, London, Vol. 16, No. 7, , October 2005,. ANEXO Anexo I Entrevistas com clientes internos, foco no nível gerencial 1) Quais são as principais responsabilidades da área de PCP na empresa XX? 23,53 % - Fornecer um planejamento realizável; 11,77 % - Eliminar a falta de matéria-prima para produção; 27,20 % - Reunir informações de diversas áreas para apresentar possíveis cenários para tomada de decisão; 37,50 % - Fornecer previsibilidade para a empresa. 12

13 2) Como você avalia o desempenho atual da área de PCP? 0,77 % - Excelente 15,95 % - Bom; 48,93 % - Ruim; 34,35 % - Péssimo. 3) Quais os pontos fortes do PCP analisados nas partes que seguem? 0 % - Previsão de demanda; 2,10 % - Planejamento da produção; 0 % - Programação da produção; 76,71 % - Programação de estoques; 21,19 % - Nenhum. 4) Quais os pontos fracos do PCP analisados nas partes que seguem? 76,33 % - Previsão de demanda; 9,16 % - Planejamento da produção; 9,16 % - Programação da produção; 5,35 % - Programação de estoques. 5) Quais os problemas que você poderia citar para justificar a sua escolha na questão 4? Constante falta de matérias-primas; erros na análise de recursos disponíveis; alta variação na demanda prevista; falta de previsibilidade; ordens liberadas com atraso; análises pobres de PCP; diversas urgências e mudanças de ultima hora; falta de espaço no almoxarifado; horizonte de planejamento é desrespeitado. 6) Enfim, em uma escala de 0 (zero) a 10 (Dez), qual a nota você daria para a área de PCP, hoje? Média 4. 13

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Outubro de 2012 1 Conteúdo Bunge Diagnóstico de Gestão da Cadeia de Valor Evolução do planejamento tático e operacional Resultados do projeto

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Planejamento e Organização da Produção

Planejamento e Organização da Produção Planejamento e Organização da Produção Prof. Fernando Deschamps fernando.deschamps@ufpr.br Bibliografia recomendada TUBINO, D.F. Planejamento e controle da produção: teoria e prática. 2 ed. Atlas, 2009.

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Experiência: Implantação da Política de Materiais

Experiência: Implantação da Política de Materiais Experiência: Implantação da Política de Materiais Nome da Instituição: Grupo Hospitalar Conceição Nome do Responsável: Delson Luiz Martini Cargo : Diretor Administrativo e Financeiro GHC Endereço: Rua

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados.

Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados. Medidas de Desempenho: Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados. Medidas de Desempenho: A mensuração

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI Estudo de Caso da Mirante Informática Ltda Sumário 1. A Mirante & O Programa de Qualidade CMMI-N2 3. Medição e Análise da Estratégia Organizacional

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Artigo 09 Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos, Uso

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais