Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS Atividade Externa Atividade Europa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599. Atividade Externa Atividade Europa 1.201 879 769"

Transcrição

1

2 Destaques > Volume de negócios atingiu 2,4 mil milhões, dos quais 45% na região de África > EBITDA aumentou 13% para 409 milhões, traduzindo-se numa margem de 17,3% > Resultado líquido de 51 milhões em linha com 2013 > Carteira de encomendas atingiu 4,4 mil milhões, dos quais 45% e 32% na América Latina e em África, respetivamente > Dívida líquida de milhões correspondendo a um rácio dívida líquida/ebitda de 2,8x > Admissão à cotação da subsidiária Mota-Engil Africa em Novembro de 2014 Vendas e prestação de serviços Grupo EBITDA Grupo Milhões de euros Milhões de euros Atividade Externa Atividade Europa milhares euros 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS (auditado) (auditado) (não auditado) (não auditado) Vendas e Prestações de Serviços ,4% (11,1%) Europa ,2% ,9% África ,2% (26,9%) América Latina ,1% ,2% Outros & Intragrupo ( ) (32.463) (86.966) EBITDA ,3% 12,8% ,7% ,6% (1,1%) ,9% EBIT ,5% 12,3% ,5% ,4% 16,7% ,2% Resultados financeiros ( ) (5,5%) (23,5%) ( ) (4,6%) (46.393) (8,0%) (63,0%) (28.468) (4,4%) Ganhos/perdas em empresas associadas (18.693) (0,8%) - (1.451) (0,1%) (7.184) (1,2%) - (210) (0,0%) Resultados antes de impostos ,2% (9,2%) ,8% ,1% (36,5%) ,8% Resultado líquido consolidado ,5% (6,1%) ,8% ,8% (47,9%) ,0% Atribuível: a interesses que não controlam ,4% (14,3%) ,6% ,6% 35,4% ,1% ao Grupo ,1% 0,1% ,2% 807 0,1% (93,6%) ,9% EBITDA = Resultado operacional + amortizações + provisões e perdas de imparidade; Endividamento líquido = Endividamento caixa e seus equivalentes. 2

3 Índice Destaques 2 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração 4 Mensagem do Presidente da Comissão Executiva 6 Relatório de Gestão Consolidado 9 Enquadramento macroeconómico 10 Análise da performance económico-financeira 14 Análise por áreas de negócio 20 Mota-Engil na bolsa 34 Gestão de Risco 36 Gestão do capital humano do Grupo 44 Atividade desenvolvida pelos membros não-executivos do Conselho de Administração 45 Proposta de aplicação de resultados 45 Perspetivas para Factos relevantes após o termo do exercício 47 Nota final 48 Informação Financeira Consolidada 51 Demonstrações Consolidadas dos Resultados 53 Demonstrações Consolidadas dos Resultados e do Outro Rendimento Integral 54 Demonstrações da Posição Financeira Consolidada 55 Demonstrações das Alterações no Capital Próprio 56 Demonstrações dos Fluxos de Caixa Consolidados 58 Notas às Demonstrações Financeiras Consolidadas 59 Apêndice A 154 Relatório sobre as Práticas de Governo Societário 165 Anexos 221 Declaração nos termos do artigo 245.º do CVM 221 Artigo 324º do CSC 224 Artigo 447.º do CSC 224 Artigo 448.º do CSC 225 Decreto-Lei n.º 411/ Artigo 66.º nº 5 alínea g) do CSC 225 Participações Qualificadas 227 Declaração sobre políticas de remuneração aplicáveis aos dirigentes 228 Relatórios de Fiscalização 241 Certificação Legal das Contas 242 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 244 Relatório de Auditoria 246 3

4 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração Exmos. Senhores, Procedemos hoje à aprovação pelos Senhores Acionistas das contas do exercício de 2014 que, apesar da crise de preços das commodities, têm de ser consideradas como boas já que tivemos crescimento, mantivemos os níveis de rentabilidade e conseguimos salvaguardar a nossa carteira de encomendas em níveis aceitáveis. A crise portuguesa provocada pela derrocada do Grupo BES, fez-nos perder os timings de colocação em bolsa da Mota- Engil África em Junho de Posteriormente, a crise dos preços das commodities, não permitiu ainda o reforço do free-float. Esperávamos uma empresa cotada numa bolsa europeia, mas com um free-float significativo, o que até agora não foi possível. Temos neste aspeto de estar atentos às soluções que o mercado venha a oferecer, porquanto a situação atual não é possível manter-se. Como disse anteriormente, os níveis de resultados que obtivemos e que considero muito aceitáveis, são fruto: a) De uma estratégia de diversificação regional e de atividades, que tem sido paulatinamente implantada. b) A nossa resiliência no mercado Africano, onde a nossa tradição de muitas dezenas de anos e a elevada performance técnica que demonstrámos recentemente, nos permite hoje atuar ao nível de grandes projetos, sem perder a característica de atender às necessidades nacionais em cada país onde atuamos (obras de menor dimensão). c) A expansão da nossa atividade na América Latina, um mercado que confirmou o elevado potencial que prevíamos, como é o caso do México. d) A capacidade para melhorar a atividade em Portugal e na Polónia, aguardando uma potencial retoma futura. Mas muito mais do que tudo isto, porque somos um Grupo coeso, com estratégias bem definidas, com capacidade de adaptação às vicissitudes momentâneas e que não hesita em tomar as medidas que julga necessárias. É essa UNIÃO de um GRUPO, que faz da Mota-Engil uma empresa forte, mas com respeito pelos seus acionistas, quer sejam parceiros locais, quer sejam acionistas de empresas cotadas em bolsa. Não hesitaremos nunca na defesa desses princípios de união e de respeito pelos que acreditam em nós. 4

5 Não posso terminar sem referir a importância de termos sido ganhadores da privatização da EGF e esperamos sinceramente que o processo seja concluído rapidamente. Agradeço à administração executiva e aos colaboradores, o excelente trabalho desenvolvido. Agradeço também aos nossos clientes e fornecedores, às entidades financeiras e a todos os acionistas, o apoio que sempre sentimos. Estamos em 3 Continentes, em 21 Países, somos colaboradores, mas somos só 1, o GRUPO MOTA-ENGIL. António Mota Presidente do Conselho de Administração 5

6 Mensagem do Presidente da Comissão Executiva Exmos. Senhores Acionistas, No final de mais um exercício económico, e no cumprimento das obrigações legais e estatutárias, venho ao vosso contacto para, através do presente Relatório, apresentar os Resultados Consolidados Anuais de Num exercício de reflexão e balanço, classifico 2014 como um ano marcante pela concretização de um conjunto de objetivos de dimensão estratégica, operacional e financeira com significativa relevância para o presente e futuro do Grupo. Alicerçados nos valores fundacionais de quase 70 anos de história, mas conscientes das exigências que os tempos actuais nos colocam pela crescente dimensão e dispersão da organização multinacional que hoje somos, o ano de 2014 fica marcado pelo aprofundamento do Modelo de Governance, matéria em que reforçámos os níveis de autonomia operacional das regiões e consequentemente os seus níveis de responsabilidade. Implementámos igualmente um reforço significativo das políticas corporativas para assegurar transversalmente uma maior uniformidade de atuação e os mesmos standards de qualidade operacional e de reporte aos órgãos de gestão. Foi igualmente um ano que fica marcado pelo reforço de um portfolio já extenso mas a que acrescentámos em 2014 a conclusão das seções 3 e 5 do Corredor de Nacala, a maior obra ferroviária em África nos últimos 50 anos, cumprida com um nível de qualidade e segurança reconhecido com uma das melhores classificações a nível mundial, assim como o Porto de Paita e o contrato de Las Bambas no Peru, a obra em Portugal na região do Alqueva, entre outras obras muito relevantes. Concluímos assim em 2014 o maior contrato até hoje realizado pela Mota-Engil, reforçando o reconhecimento e a posição ímpar que temos no continente africano, sendo hoje líder na região da SADC e em alguns mercados em que marcamos presença. Conscientes desta evolução, concretizámos em devido tempo a cotação da Mota-Engil Africa na bolsa de Amesterdão, processo que permitiu cumprir com a estratégia proposta e aprovada por unanimidade pelos Senhores Acionistas, e que permitirá, estamos certos, que a Mota-Engil África inicie um novo ciclo da sua história. O cumprimento do objetivo de cotar a Mota-Engil Africa na Bolsa de Amesterdão, que recordo, é a segunda praça financeira europeia e quinta maior do mundo, foi exigente para toda a estrutura, mas representou mais um marco para uma empresa que se tem afirmado de forma crescente no continente africano. No entanto, o projeto de cotação da Mota-Engil Africa não retirou o foco do que são as metas operacionais da empresa e do cumprimento dos compromissos estabelecidos em cada um dos clientes para quem trabalhamos nos 21 países em que marcamos presença. 6

7 A comprovar o superior desempenho operacional do Grupo, destaco em seguida indicadores que fizeram de 2014 o melhor ano de sempre em termos operacionais: Crescimento de 2,4% no Volume de Negócios para milhões de euros; EBITDA de 409 milhões, um crescimento de 13% face a 2013; Resultado Líquido atribuível ao Grupo de 50,6 milhões de euros; Carteira a um nível inédito de milhões de euros. O conjunto destes indicadores permite-nos fazer um balanço positivo, olhando para o futuro com uma ainda maior confiança. Confiança nas nossas capacidades, e que o ano de 2014 permitiu reforçar, e no potencial que o Grupo continua a evidenciar na sua capacidade transformacional de saber antecipar cenários e adaptar a sua estratégia em função das diferentes dinâmicas de desenvolvimento nas regiões prioritárias em que atuamos. Só desta forma, e apesar do difícil cenário que continuamos a verificar no contexto europeu, foi possível crescer em 2014 em todas as regiões, contribuindo assim para uma afirmação crescente de um grupo multinacional e com um nível de atividade cada vez mais equilibrado em cada região. Com um crescimento como o que alcançámos em 2014, estamos a capacitar o Grupo de um maior nível de competências técnicas e de capacidade de execução em cada região, merecendo a América Latina uma referência especial pelo desenvolvimento exponencial que temos conseguido atingir. Temos assim sabido construir operações de maior dimensão e mais rentáveis em cada região, tornando o Grupo com uma maior capacidade de resposta e com uma estratégia de gestão de risco mais consistente. Para a concretização destes objetivos, merecem uma especial referência os nossos parceiros, fornecedores, clientes, e o sistema financeiro que através da sua confiança, têm apoiado o crescimento da nossa atividade. A todos, uma palavra de profundo agradecimento. Por último, gostaria de deixar uma mensagem de reconhecimento ao empenho coletivo de todos que hoje fazem parte da Mota-Engil, e que contribuíram, com o seu talento e de forma decisiva para o Resultado apresentado, e para fazer da empresa uma organização empresarial cada vez mais coesa, geradora de oportunidades, empreendedora, solidária e promotora do desenvolvimento económico e social dos países em que se insere. Gonçalo Moura Martins Presidente da Comissão Executiva 7

8 8

9 9

10 1. Enquadramento macroeconómico O ano de 2014 foi caraterizado por um crescimento da economia mundial de 3,3%, impulsionado não só pelos países emergentes, cujas economias apresentaram um crescimento de 4,4%, mas também pelos países de economias avançadas, cujo crescimento acelerou em 2014 face a 2013, atingindo os 1,8%. Já para 2015 estima-se, por um lado, uma aceleração da atividade dos países avançados com um crescimento estimado em 2,4%, e, por outro lado, uma ligeira desaceleração dos países emergentes, onde se estima que o crescimento da economia abrande para 4,3%. Na China o crescimento da economia em 2014 situou-se nos 7,4%, o que representa um ligeiro abrandamento face aos 7,8% de 2013, mas, ainda assim, atingiu um nível que permitiu amainar os receios de um maior abrandamento daquele país, o que poderia conduzir a um impacto de contágio às restantes economias, tanto ao nível do investimento como das exportações. Para 2015, é estimado que prossiga o abrandamento do crescimento da economia chinesa mas, ainda assim, estimado em 6,8%. A economia dos Estados Unidos da América (EUA) apresentou um crescimento de 2,4% em 2014, prosseguindo a recuperação já evidenciada em 2013, beneficiando de uma política monetária expansionista e de estímulo de liquidez por parte da Reserva Federal Americana com impactos positivos no investimento, no consumo interno e na taxa de desemprego. É expectável que a tendência se acentue em 2015, quando é esperada uma expansão da economia em 3,6%. Já a economia do Japão continuou débil e desacelerou em 2014 com um crescimento de 0,1%, tendo mesmo entrado em recessão técnica no final do ano, na sequência da implementação do aumento dos impostos sobre o consumo. Estima-se que em 2015, beneficiando das políticas monetárias do Banco Central do Japão, a economia japonesa apresente um crescimento acima do registado em 2014, ainda que moderado, de 0,6%. Na Zona Euro, as economias saíram da recessão em 2014, a qual persistia desde 2012, com um crescimento de 0,8%, sendo de destacar pela positiva o comportamento das economias da Alemanha e de Espanha, que expandiram 1,5%, e 1,4%, respetivamente. Já a França e Portugal apresentaram um crescimento mais tímido de 0,4% e 1,0%, respetivamente. O crescimento ainda frágil continua a refletir a recente crise económico-financeira, bem como as elevadas taxas de endividamento e de desemprego, que ainda permanecem em alguns países e que limita o investimento e condiciona a evolução da procura interna. Ainda assim, a recuperação teve o contributo positivo das ações do Banco Central Europeu (BCE), que atuou no sentido de estimular a economia através de uma política de taxas diretoras a níveis mínimos e de compra de ativos financeiros. A recuperação iniciada em 2014 deverá acentuar a tendência positiva, sendo estimado um crescimento na Zona Euro de 1,2%. Em 2014, também Portugal saiu do contexto recessivo que caraterizava a sua economia desde 2011, com um crescimento estimado em 1,0%. Ainda assim, a atividade continuou a ser afetada pela implementação de medidas de austeridade no contexto do processo de consolidação orçamental, pelo alto endividamento público e privado e respetivo resgaste financeiro do país. O regresso ao crescimento, ainda que moderado, foi acompanhado em 2014 por uma descida de 3,4 pontos percentuais das yields das obrigações a dez anos da República Portuguesa e resultou da recuperação, nomeadamente da procura interna e das exportações. A par da tendência esperada para a Zona Euro, espera-se que em Portugal, em 2015, se acentue a tendência de recuperação, com um crescimento estimado em 1,5%. Na Polónia assistiu-se a uma aceleração do crescimento da economia em 2014, sendo estimada uma expansão da atividade em 3,2%, o dobro da registada em 2013, na sequência do aumento do investimento e do aumento da procura interna, aliados a uma política monetária expansionista por parte do Banco Central Polaco. Para 2015 o crescimento da economia polaca está estimado em 3,3%. 10

11 O crescimento da economia na região da África Subsariana foi de 4,8% em 2014, com o crescimento em Angola, Moçambique, Malawi e Angola estimados em 7,5%, 5,7% e 3,9%, respetivamente. O crescimento naquela região foi suportado por procura interna, exportações de commodities, nomeadamente petróleo e metais industriais, produção agrícola e investimento em projetos de infraestruturas. De salientar que, em 2014, alguns países, como a Guiné e a Libéria, foram negativamente afetados pelo surto de ébola que alarmou a região. Em 2015 o crescimento da região da África Subsariana deverá acelerar ligeiramente para 4,9%, podendo ainda assim ser negativamente influenciado pelas economias exportadoras de algumas commodities nomeadamente de petróleo, cujo preço tem apresentado uma tendência negativa, que se acentuou desde o início do quarto trimestre de 2014 e pela desaceleração do crescimento da economia chinesa. Na região da América Latina e do Caribe, o crescimento da economia em 2014 foi de 1,2%, negativamente afetado pela desaceleração do crescimento no Brasil, bem como por menores exportações e menor procura interna em alguns países. É de destacar o abrandamento do crescimento da economia no Peru para 3,6%, na sequência do menor investimento, não obstante a política de redução de taxas de juro que caraterizou o país. Em 2015, espera-se uma recuperação económica, estimando-se um crescimento de 5,1%, na sequência do retomar e aumento de produção de metais industriais, bem como dos efeitos da política monetária expansionista. No México a política monetária em 2014 também foi no sentido da diminuição de taxas de juro de modo a mitigar o efeito da menor procura externa e do abrandamento da atividade de construção que caraterizou a primeira metade do ano. Ainda assim, o crescimento da economia mexicana conseguiu acelerar para 2,1% em Em 2015, espera-se uma aceleração do crescimento para 3,2%, refletindo os efeitos das reformas estruturais do país, nomeadamente no setor da construção. Já no Brasil, em 2014 a política de aumento de taxas de juro para controlar as pressões inflacionistas contribuiu para um abrandamento do investimento e do consumo, tendo mesmo a economia entrado em recessão técnica no primeiro e segundo trimestres de 2014 depois de ter crescido 2,5% em Assim, o crescimento da economia brasileira foi de 0,1%, estimando-se em 2015 uma recuperação modesta, com um crescimento de 0,3%. Na Colômbia o crescimento da economia de 4,8% em 2014 foi impulsionado pelo investimento nos setores de construção e infraestruturas, que se estima que continue em 2015, quando é esperado um crescimento da economia de 4,5%. É de salientar que a segunda metade de 2014 foi caraterizada pela descida de preço de algumas commodities, sendo de destacar o petróleo, cujo preço desceu 50% para 55,8 dólares americanos por barril, na sequência do excesso de oferta e de capacidade instalada, tendo essa tendência continuado já no início de Em termos cambiais destaca-se a valorização do dólar, principalmente face ao euro, refletindo a divergência de crescimento das economias de cada uma das regiões e também a expetativa da política de atuação futura dos bancos centrais de cada região. Assim, em 2014 o dólar valorizou-se 14% face ao euro, com a taxa de câmbio USD/EUR nos 0,83 no final de Enquadramento setorial Europa De acordo com os dados da Euroconstruct, após sete anos em queda, o setor de construção na Europa apresentou uma recuperação de 1,0% em 2014, no seguimento principalmente de uma expansão da atividade dos países do Leste da Europa, onde o setor apresentou um crescimento de 4,8%, muito devido à contribuição dos fundos estruturais provenientes da União Europeia e principalmente investidos na construção de infraestruturas. É também de destacar o crescimento robusto verificado em alguns países do Norte da Europa, como o Reino Unido. O ano de 2015 será 11

12 caraterizado por uma aceleração da atividade do setor, com um crescimento estimado em 2,1% e fomentado nomeadamente pela Polónia e pela Irlanda. É, no entanto, de salientar que a recuperação continuará a ser afetada pelo endividamento e fragilidade das contas públicas, pela restrição de acesso a crédito e por taxas de desemprego altas que ainda caraterizam alguns países europeus. De facto, o setor da construção na Europa foi afetado significativamente pela crise económica e financeira, o que conduziu a políticas adicionais para fomentar o crescimento das economias. Neste contexto, destaca-se o Fundo Europeu promovido pela União Europeia que conduzirá a um investimento estimado de 240 mil milhões em projetos estratégicos, nomeadamente nas áreas de infraestrutura de energia, transportes e telecomunicações, durante três anos a ter início em meados de O montante recentemente anunciado acresce aos 450 mil milhões de fundos estruturais já disponíveis pela União Europeia para o período entre 2014 e Em Portugal o setor da construção e obras públicas continuou em queda. Embora em menor escala do que em anos anteriores, assistiu-se a uma contração de 5,0% em 2014, esperando-se que o ciclo recessivo seja interrompido em 2015, quando é estimada uma recuperação de 2,0%. Destaque-se que foi anunciado pelo Governo Português um programa para o desenvolvimento de infraestruturas, nomeadamente rodoviárias, ferroviárias e marítimo-portuárias, no montante de cerca de 5 mil milhões, o qual poderá dinamizar o setor durante os próximos anos. Na Polónia, após dois anos de retração, a atividade no setor da construção recuperou em 2014 com um crescimento estimado em 3,3%, beneficiado pela construção de edifícios e por investimento em infraestruturas. Para 2015 as perspetivas continuam positivas, esperando-se a continuação da recuperação iniciada em 2013 com um crescimento estimado de 6,8% e fomentado nomeadamente pelos fundos estruturais europeus no montante de 83 mil milhões para o período entre 2014 e 2020, dos quais 24 mil milhões a serem investidos em projetos de infraestruturas. África O setor de construção na África Subsariana continua a ser fomentado por projetos de infraestruturas que permitam fazer face ao aumento da população e do respetivo poder de compra, ao nível de urbanização e ao dinamismo de relações comerciais, e que conduzam ao crescimento e diversificação das respetivas economias. É de destacar a necessidade premente de investimento em infraestruturas ferroviárias e rodoviárias, sendo que estas últimas são responsáveis pela maioria do transporte de mercadorias e passageiros em África 80% e 90%, respetivamente, sendo que naquela região apenas cerca de 25% da rede rodoviária é alcatroada. Com o intuito de fazer face à necessidade de infraestruturas foi criado o Programa de Desenvolvimento da Infraestrutura de África (PIDA), o qual prevê um investimento de 68 mil milhões de dólares em projetos específicos, nomeadamente nos setores de energia e transporte, até 2020, bem como 360 mil milhões de dólares no desenvolvimento de infraestruturas entre 2010 e É de salientar a evolução do financiamento destes projetos, nomeadamente no que respeita à contribuição positiva da existência de novas fontes de financiamento ao setor público, como sejam empréstimos por parte de instituições multilaterais e a emissão de empréstimos obrigacionistas. América Latina O crescimento do setor de construção no Peru continuou a abrandar em 2014, face ao pico registado no ano de 2012 quando o crescimento atingiu os 15,1%. Assim, o crescimento estimado para 2014 é de 8,1%, sendo estimado um crescimento de 7,1% em 2015, positivamente influenciado pelo investimento em projetos de infraestrutura. É de destacar que o país prevê um investimento de cerca de 20 mil milhões de dólares em projetos rodoviários e ferroviários entre 2012 e No México, após uma contração de 4,5% em 2013, na sequência de adiamento de investimentos por parte do Governo, é expectável que, em 2014, o setor de construção entre numa fase de crescimento, o qual é estimado em 3,0%. Já para 2015, o investimento no setor está estimado em 4,1%, suportado pelo Plano de Infraestrutura Nacional, que prevê 12

13 investimentos num montante acima de 600 mil milhões de dólares, entre 2014 e 2018, contemplando mais de 700 projetos. Na Colômbia, o investimento em construção em 2014 é estimado em 15,0%, esperando-se que esta tendência prossiga em 2015 com um crescimento do setor estimado em 9,6%, na sequência dos projetos de infraestrutura de transportes, nomeadamente rodoviários. É de destacar que o país tem um plano de investimento em infraestruturas, Quarta Geração (4 G), no montante de 26 mil milhões de dólares que se destina a projetos de infraestruturas rodoviárias, ferroviárias e marítimo-portuárias. Destaque-se a importância do estádio de desenvolvimento das parcerias público privadas (PPP) no país no desenvolvimento daqueles projetos. Em 2014, o setor da construção no Brasil foi caraterizado por uma contração estimada em 3,0%, devido, nomeadamente, ao abrandamento da construção residencial e ao efeito do evento Mundial de Futebol. É de destacar o efeito negativo no setor dos custos elevados e das condições de crédito mais restritivas. Já para 2015, espera-se um crescimento acima de 2,5%, com o setor a beneficiar do programa de concessões, nomeadamente daquelas que foram atribuídas nos anos de 2013 e 2014 e que começarão a ser construídas em

14 2. Análise da performance económico-financeira Vendas e Prestação de Serviços Grupo Europa E&C 18% Vendas e Prestação de Serviços 2014 por Regiões Europa A&S 14% Milhões de euros América Latina 23% África 45% No ano de 2014 as vendas e prestação de serviços registaram um aumento de 2,4% face ao ano de 2013, tendo atingido milhões. Este aumento deveu-se essencialmente à aceleração das atividades nas regiões de África e da América Latina. De facto, em 2014 as vendas e prestação de serviços aumentaram em África 5,2% para milhões e na América Latina 26,1% para 537 milhões, enquanto na Europa aumentaram apenas 2,2% para 931 milhões. Vendas e prestação de serviços mercado interno Vendas e prestação de serviços mercado externo ,800 1,800 1,500 1,500 1,200 1,200 Milhões de euros Milhões de Euros De destacar que as regiões de África e da América Latina contribuíram para 68% do total das vendas e prestação de serviços em 2014, acima dos 62% registados em 2013, uma tendência em linha com a estratégia delineada pelo Grupo no sentido da diversificação e do balanceamento geográficos da atividade, tendo também em consideração o objetivo de alocação de capital a mercados com oportunidades de crescimento com maior potencial de criação de valor. Assim, em 2014 o volume da atividade externa, ou seja, fora de Portugal, foi de milhões, representando um peso de 74,8% do total das vendas e prestação de serviços, face a 73,5% em

15 EBITDA Grupo EBITDA 2014 por Regiões Europa - A&S 14% Milhões de euros Europa - E&C 10% América Latina 9% África 67% Em 2014 o EBITDA registou um aumento de 12,8% face ao ano de 2013 para 409 milhões, na sequência do melhor desempenho de todas as regiões, tendo a região de África sido a maior contribuidora para aquele indicador com 67% do total. A margem EBITDA em 2014 foi de 17,3%, face a 15,7% em 2013, positivamente influenciada pela melhor performance operacional de todas as regiões. Na Europa, o EBITDA aumentou 13,2% para 97 milhões, tendo a margem EBITDA atingindo 10,4%, acima da margem de 9,4% registada no ano de 2013, na sequência da melhor performance do negócio de Engenharia e Construção (E&C). Em África, o EBITDA aumentou 12,5% de 244 milhões em 2013 para 275 milhões em 2014, tendo a margem EBITDA aumentado ligeiramente de 24,2% para 25,9% entre os períodos. Na América Latina o EBITDA aumentou 2,9% para 37 milhões em Já a margem EBITDA diminuiu de 8,3% em 2013 para 6,8% em 2014, devido a um efeito não recorrente. O EBIT em 2014 foi de 273 milhões, dos quais 64,6% na região de África, apresentando um crescimento de 12,3% face a 2013 devido ao melhor desempenho das regiões da Europa e da América Latina. De destacar que o EBIT foi negativamente afetado por um aumento nas amortizações e depreciações em 27 milhões, devido essencialmente à região de África no seguimento da amortização de ativos relacionados com o projeto do Corredor de Nacala no Malawi. Ainda assim, a margem EBIT do Grupo registou uma subida para 11,5% em 2014 face a 10,5% em

16 Investimento 2014 Evolução Investimento América Latina 25% Europa- E&C 6% Europa - A&S 10% África 59% Milhões de euros Europa - E&C Europa - A&S África e América Latina Em 2014 o investimento foi de 220 milhões, um aumento de 54 milhões face a 2013, na sequência da intensificação da atividade nas regiões de África e da América Latina, as quais contribuíram com 82,9% do investimento total no período. Pela sua natureza, salienta-se que o investimento de expansão representou 51,4% do total, tendo sido maioritariamente alocado a projetos nas mesmas duas regiões. Já o investimento de manutenção atingiu 107 milhões, dos quais 66,1% em África e relativos principalmente à reposição de equipamento devido ao contexto de intensa atividade na região. O investimento na Europa foi de 34 milhões, dos quais 13 milhões alocados ao negócio de E&C e concentrados em atividades de manutenção. A região de África foi responsável por 59% do investimento total, ou seja, 128 milhões, e maioritariamente orientados para Angola, Malawi e Zâmbia. De destacar que 55,4% do investimento em África foi relativo a operações de manutenção, na sequência da intensa atividade que tem caraterizado aquela região e que obrigou à substituição de equipamentos, nomeadamente em Angola e no Malawi. O investimento alocado às atividades de expansão em África atingiu os 57 milhões e foi destinado principalmente às operações em Angola, Malawi e Zâmbia. Já na América Latina o investimento foi de 55 milhões, um aumento de 35 milhões face ao ano de 2013, tendo 82,9% do total sido alocado a atividades de expansão, na sequência da aceleração e intensidade da atividade naquela região. Milhões de euros 1,200 1, Evolução Dívida Líquida Total 1T 2T 3T 4T Milhões de euros Evolução Maturidade Dívida Líquida Total % % % % % % a 1 ano a 2 anos entre 3 e 5 anos Dez-13 Dez % 10 2% a mais de 5 anos Maturidade a 1 ano inclui dedução da rubrica Caixa e seus equivalentes Não corrente e Caixa e seus equivalentes Corrente 16

17 A dívida líquida a 31 de dezembro de 2014 era de milhões, mais 187 milhões do que no período homólogo de A dívida líquida incluindo leasing e factoring era de milhões, dos quais 173 milhões correspondentes a leasing. De facto, apesar da melhor performance operacional, a dívida líquida em 2014 foi negativamente influenciada, essencialmente pelo investimento em fundo de maneio e em ativo fixo. De destacar que o investimento em fundo de maneio no segundo trimestre do ano foi influenciado por um efeito extraordinário relativo à atividade de E&C na Europa e no segundo e terceiro trimestres do ano pelo início de vários projetos, nomeadamente na Polónia, Moçambique e México. Já no quarto trimestre do ano, e não obstante o início de vários projetos neste período, nomeadamente no México, Brasil, Angola e Polónia, assistiu-se a um desinvestimento em fundo de maneio no montante de 157 milhões, fruto da sazonalidade que carateriza o setor e de uma eficiente gestão dos principais saldos, que contribuiu para a redução da dívida líquida em 88 milhões face a setembro de De destacar que, do total da dívida líquida, 341 milhões não estão alocados à atividade operacional do Grupo, ou seja, são relativos a investimentos realizados em empresas que consolidaram pelo método de equivalência patrimonial (que, como tal, não contribuem para o EBITDA) e a ativos não estratégicos. A dívida bruta no final de dezembro de 2014 era de milhões, estando 81% contratada a taxa variável. O custo médio da dívida baixou de 6,6% a 31 de dezembro de 2013 para 6,2% no final de 2014 mas, ainda assim, influenciada pela dívida contratada fora da Europa, nomeadamente em África e na América Latina. Salienta-se que a estratégia financeira do Grupo tem como objetivo alinhar a alocação da dívida às três regiões de acordo com as respetivas necessidades, permitindo assim uma cobertura natural em termos de moeda funcional e de geração de cash-flow. Ainda assim, a 31 de dezembro de 2014, 74,5% do total da dívida bruta estava denominada em euros. Evolução Dívida Líquida Total / EBITDA 2011 Evolução Dívida Líquida Total / EBITDA 5, ,0 4,0 4,0 3,0 3,0 2,0 1T 2T 3T 4T 2,0 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 jun-14 set-14 dez-14 A 31 de dezembro de 2014 a vida média da dívida era de 2,6 anos, acima dos 2,3 anos no mesmo período de 2013, refletindo a estratégia financeira do Grupo no sentido do aumento da maturidade média da dívida, de modo a alinhá-la melhor com a geração de cash-flow. Assim, do total da dívida líquida, 86% tinha maturidade a mais de um ano. De facto, durante o ano de 2014 foi dada continuidade a esta estratégia, nomeadamente através de emissões obrigacionistas e de papel comercial, com impacte também no custo da dívida, destacando-se uma emissão obrigacionista no montante de 110 milhões com prazo a cinco anos, a qual foi colocada junto de investidores internacionais. É intenção do Grupo 17

18 continuar em 2015 a estender a maturidade da dívida, beneficiando também do contexto das baixas taxas de juro que caraterizam a Europa com potencial impacto positivo no re-pricing de dívida e no custo de novas emissões. O rácio dívida líquida/ebitda no final de dezembro de 2014 era de 2,8x, ligeiramente superior a 2,7x em No final de dezembro de 2014, o Grupo tinha linhas de crédito contratadas e disponíveis de 357 milhões conduzindo a um montante de liquidez efetiva total de 636 milhões. Resultado Financeiro Grupo Resultado Líquido Grupo ,7 50,6 50,5 Milhões de euros de euros Milhões Os resultados financeiros em 2014 foram negativos em 131 milhões, o que representou um agravamento de 25 milhões face ao ano de 2013, essencialmente na sequência de mais-valias realizadas em 2013, relativamente à venda de participações financeiras, e do efeito de alteração do método de contabilização de diferenças cambiais (anteriormente registadas na sua totalidade em resultados financeiros e agora segregadas entre resultados financeiros e resultados operacionais). De salientar que, não obstante o aumento da dívida entre períodos, os juros suportados aumentaram apenas 3 milhões, na sequência da diminuição da taxa de juro média da dívida em Composição Resultado Líquido 2014 Grupo 270 Composição Resultado Líquido 2013 Grupo financeiros financeiros Milhões de euros EBIT MEP IRC IM RL Milhões de euros EBIT MEP IRC IM RL A contribuição das empresas associadas e conjuntamente controladas foi negativa em 19 milhões, na sequência da contribuição negativa de 42 milhões relativos à participação do Grupo no Grupo Martifer, fruto maioritariamente de write downs de ativos. Já a Ascendi contribuiu com 19 milhões para os resultados do Grupo, um valor semelhante ao verificado em 2013, uma vez que o impacte dos novos pressupostos resultantes da renegociação de algumas concessões em Portugal contabilizado no ano foi compensado pela melhoria da performance das restantes concessionárias. 18

19 A taxa efetiva de imposto, excluindo ganhos de empresas associadas, foi de 28% em 2014 face a 34% em O resultado líquido atribuível ao Grupo em 2014 manteve-se estável face ao ano de 2013 em 50,6 milhões Evolução da Carteira de Encomendas Carteira de Encomendas 31 dezembro América Latina 45% Europa E&C 17% Europa A&S 6% Milhões de euros África 32% A carteira de encomendas a 31 de dezembro de 2014 era de milhões, o que corresponde a um rácio carteira de encomendas/vendas e prestação de serviços de 1,9 anos, e com África e a América Latina a contribuíram para 77,2% do montante total. De salientar que o aumento de 543 milhões na carteira de encomendas deveu-se sobretudo à evolução positiva na América Latina de 641 milhões, onde o México e o Brasil contribuíram para 85,1% da carteira total desta região. Já em África, a carteira de encomendas foi de milhões, com um perfil diversificado englobando projetos em países como Angola, Moçambique, Malawi, Zimbabwe e Zâmbia. Na Europa, a carteira de encomendas aumentou 100 milhões face a 2013, atingindo milhões, dos quais 73,7% no negócio de E&C, na sequência principalmente da retoma da atividade no mercado polaco. O negócio de A&S (Ambiente & Serviços) contribuiu com 264 milhões para a carteira de encomendas, sendo de destacar que este montante não inclui as receitas previsíveis decorrentes dos contratos da exploração de terminais portuários. Convém também salientar que o Grupo apenas contabiliza na carteira de encomendas projetos cujo contrato esteja assinado e o respetivo financiamento esteja concluído e garantido. 19

20 3. Análise por áreas de negócio Europa Vendas e Prestação de Serviços EBITDA E&C A&S E&C A&S Milhões de euros Milhões de euros A região da Europa inclui os segmentos de E&C e de A&S que o Grupo tem em Portugal e na Europa Central, ou que são geridos pela estrutura de gestão desta região. No negócio de A&S são desenvolvidas atividades nos setores da Logística, dos Resíduos, da Água (contabilizada pelo método de equivalência patrimonial) e de Energia & Manutenção (E&M). As vendas e prestação de serviços registaram uma subida de 2,2% para 931 milhões, que inclui também um comportamento idêntico no segmento de E&C com uma subida de 1,8% para 599 milhões. Já o segmento de A&S apresentou um crescimento de 2,9% para 338 milhões, dos quais 61,4% correspondentes ao negócio de Logística, que registou um crescimento de 3,6% para 207 milhões. O negócio de Resíduos manteve-se relativamente estável face a 2013, apresentando um volume de negócios de 82 milhões. Já o negócio de E&M apresentou um crescimento de 19,8% para 48 milhões. Vendas e Prestação de Serviços EBITDA Milhões de euros E&C A&S Resí duos A&S Logística A&S Energia & Man. Milhões de euros 10 0 E&C A&S Resí duos A&S Logística A&S Energia & Man. O EBITDA na Europa subiu 13,2% face ao ano de 2013 para 97 milhões, devido ao melhor desempenho do segmento de E&C, o qual apresentou um EBITDA de 38 milhões. A margem EBITDA na Europa foi de 10,4% em 2014, acima de 9,4% 20

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599. Atividade Externa Atividade Europa 1.201 879 769

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599. Atividade Externa Atividade Europa 1.201 879 769 Destaques > Volume de negócios atingiu 2,4 mil milhões, dos quais 45% na região de África > EBITDA aumentou 13% para 409 milhões, traduzindo-se numa margem de 17,3% > Resultado líquido de 51 milhões em

Leia mais

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599 1.201 879 769. Atividade Externa Atividade Europa

Destaques 2014 % VPS 2013 % VPS 4T14 % VPS 4T13 % VPS 1.043 1.435 1.599 1.201 879 769. Atividade Externa Atividade Europa 17 abril 215 Destaques > Volume de negócios atingiu 2,4 mil milhões, dos quais 45% na região de África > EBITDA aumentou 13% para 49 milhões, traduzindo-se numa margem de 17% > Resultado líquido de 51

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR G1 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 Destaques > Volume de negócios cresce cerca de 4%, ultrapassando 1.012 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo representa aproximadamente 60%

Leia mais

Relatório & Contas. Consolidadas 2013. Mota-Engil. Um Mundo de Inspiração

Relatório & Contas. Consolidadas 2013. Mota-Engil. Um Mundo de Inspiração Relatório & Contas Consolidadas 2013 Mota-Engil. Um Mundo de Inspiração Designação comercial: Mota-Engil, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Escritórios Porto Rua do Rego Lameiro, n.º 38 4300-454 Porto Tel.:

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO Destaques > Resultado líquido do Grupo cresce 22% para 40,7 milhões de euros > Volume de negócios cresce cerca de 7,1% (*), ultrapassando 2.243 milhões de euros > Atividade

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 Sociedade Aberta Número único de Pessoa Colectiva e Cons. Reg.

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Portugal Ventures, Caixa Capital e Mota-Engil Industria e Inovação celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR Destaques > Resultado líquido do Grupo cresce 50% para 37,9 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo já ultrapassa os 72% do total > África e América

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 COMUNICADO Ílhavo, 30 de Agosto de 2013 RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Destaques»» As vendas da VAA no primeiro semestre de 2013 atingiram 24,7 M ;»» O mercado nacional apresentou um crescimento

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 23 ABRIL 2012 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 Este documento foi preparado pela Grupo Soares da Costa, SGPS, SA (Soares da Costa), unicamente

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2010

ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2010 CENÁRIO ITAUTEC S.A. - GRUPO ITAUTEC RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE MARÇO DE 2010 A atividade econômica brasileira apresentou sinais de expansão no primeiro trimestre de 2010, com crescimento da atividade

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais