C.N.P.J/MF nº /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C.N.P.J/MF nº 04.212.158/0001-86"

Transcrição

1 SIDERÚRGICA IBÉRICA SIDERÚRGICA IBÉRICA S/A. C.N.P.J/MF nº /

2 Vista aérea de uma das fazendas da Siderúrgica Ibérica Plano de Recuperação Judicial consoante a LEI nº /2005 em atendimento ao seu artigo 53, para apresentação nos autos do Processo nº: em trâmite na 2ª Vara Cível da Comarca de Marabá/PA elaborado por Erimar Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda.

3 SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais Histórico e Apresentação da Empresa ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MISSÃO VISÃO VALORES INFORMAÇÕES SOBRE A ESTRUTURA RELEVÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA E AMBIENTAL PRODUTOS COMERCIALIZADOS/VANTAGENS COMPETITIVAS Organização do Plano de Recuperação MOTIVOS PARA O PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL QUADRO DE CREDORES PLANO DE REESTRUTURAÇÃO OPERACIONAL ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA ÁREA FINANCEIRA ÁREA OPERACIONAL CENÁRIO ECONÔMICO E MERCADOLÓGICO MERCADO SETORIAL PREMISSAS, DESEMPENHO RETROATIVO E PROJEÇÕES Premissas Desempenho Retroativo e Projeções PERSPECTIVAS ECONÔMICAS BRASIL Etapa Quantitativa ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Dados Análise PROJEÇÕES DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PROJEÇÃO DAS RECEITAS/RETOMADA Premissas de receita Premissas de retomada Projeção de receita Análise PROJEÇÃO DE RESULTADOS Premissas Projeção Análise Reclassificação dos créditos Propostas de Pagamento aos Credores da Recuperação FORMA DE CÁLCULO DO PAGAMENTO DESTINADO AOS CREDORES PROPOSTA DE PAGAMENTO AOS CREDORES TRABALHISTAS PROPOSTA DE PAGAMENTO AOS CREDORES COM GARANTIA REAL CORREÇÃO MONETÁRIA PROPOSTA DE PAGAMENTO AOS CREDORES FINAME ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA PROPOSTA DE PAGAMENTO AOS CREDORES DE ACC ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA PROPOSTA DE PAGAMENTO AOS DEMAIS CREDORES QUIROGRAFÁRIOS ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA Pagamento acelerado Garantias Periodicidade de pagamento Venda de ativo Baixa dos Protestos Análise de Viabilidade da Proposta de Pagamento Considerações Finais Nota de Esclarecimento Conclusão Laudo de Avaliação de Bens e Ativos Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA

4 1. Considerações Iniciais Este documento foi elaborado com o propósito de abranger e estabelecer os principais termos do Plano de Recuperação Judicial, proposto sob a égide da Lei de Recuperação Judicial, Extrajudicial e Falência do Empresário e da Sociedade Empresária (Lei nº , de 09 de Fevereiro de Lei de Recuperação de Empresas ), da empresa SIDERÚRGICA IBÉRICA S/A em Recuperação Judicial. A empresa possui administração central exercida por seus diretores conforme seu estatuto social, tem sede na Rodovia 150 Km 422, Distrito Industrial, Marabá/PA, requereu em 07 de Janeiro de 2010 o benefício legal da Recuperação Judicial, com fulcro nos artigos 47 e seguintes da Lei /05, tendo seu processo sido distribuído na 2ª Vara Cível da Comarca de Marabá/PA sob nº na mesma data, e cujo deferimento do processamento da recuperação judicial ocorreu em 09 de abril de 2010 pela Exma. Sra. Dra. Juíza de Direito Cláudia Regina Moreira Favacho Moura, com disponibilização de tal decisão no Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal de Justiça do Estado do Pará em 12 de abril de Para a elaboração do Plano de Recuperação, objeto deste documento, foi contratada a empresa ERIMAR Administração e Consultoria de Empresas S/S Ltda., localizada na Rua Vergueiro, conj CEP São Paulo - SP. O plano ora apresentado propõe condições especiais e de prazo para pagamento das obrigações vencidas e demonstra a viabilidade econômicofinanceira da empresa, bem como a compatibilidade entre a proposta de pagamento aos Credores e a geração dos recursos financeiros no prazo proposto, consoante com os artigos 50, 53 e 54 da Lei /2005. Plano de Recuperação Judicial VIDRES DO BRASIL 4

5 2. Histórico e Apresentação da Empresa A SIDERÚRGICA IBÉRICA foi fundada no ano 2.000, iniciando suas atividades com um alto forno. É uma sociedade empresária por ações, cujo objeto social principal compreende a industrialização e o comércio de ferro-gusa e de produtos de siderurgia e metalurgia em geral, no mercado interno e externo, o desenvolvimento de atividades florestais vinculadas às atividades previstas no item acima, incluindo produção e venda de mudas e madeira, a realização de análises de laboratório de produtos de siderurgia e metalurgia. A SIDERÚRGICA IBÉRICA é uma empresa de vanguarda entre as produtoras independentes de ferro-gusa no Brasil, devido a seu perfil pioneiro. Prova deste pioneirismo foi o início de um projeto de sustentabilidade em matéria-prima energética no ano de Em 2.004, a empresa construiu seu segundo alto forno e uma planta de sínter, que utiliza os resíduos gerados no processo produtivo e finos ofertados pelo mercado, aumentando sua capacidade produtiva e verticalizando parte de sua produção, visto que a produção própria de sínter barateia o processo produtivo dos fornos. Desde sua fundação, todos os fornos da SIDERÚRGICA IBÉRICA operam com carvão vegetal adquirido de fornecedores legalmente constituídos e devidamente licenciados pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará e demais estados de onde se originam esse insumo. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 5

6 Desde o começo das atividades e principalmente após o início de seu projeto de sustentabilidade, a diretriz seguida pela SIDERÚRGICA IBÉRICA sempre foi investir na melhoria de processos de produção, como a injeção direta de finos nos fornos e capacidade da planta de sinterização, contribuindo com o maior aproveitamento das matérias-primas, subprodutos e resíduos gerados no processo ou finos ofertados no mercado. Todos esses fatores demonstram a clara determinação da SIDERÚRGICA IBÉRICA em buscar processos ambientalmente corretos, socialmente justos e economicamente viáveis. No ano de 2.005, a SIDERÚRGICA IBÉRICA iniciou a produção com seu terceiro forno, tornando-se uma das maiores siderúrgicas do Distrito Industrial de Marabá. Desde 2.007, a SIDERÚRGICA IBÉRICA vem investindo pesadamente na aquisição de tecnologia avançada na produção de carvão, cujo montante até a presente data alcança mais de R$ 50 milhões, incluindo a aquisição de lenha de empresa com a maior área certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council) ou Conselho de Manejo Florestal no Brasil, organização não governamental que atua de forma independente e sem fins lucrativos, criada no final da década de 1.980, por iniciativa de algumas instituições e por pressão da sociedade europeia, que estava preocupada com o avanço da destruição das florestas tropicais pelo mundo. No segundo semestre de 2.008, ocorreu a crise financeira mundial, com sua origem nos Estados Unidos, maior mercado consumidor das siderúrgicas do Norte do Brasil. Assim como todas as empresas de seu segmento, a SIDERÚRGICA IBÉRICA sofreu uma grande queda em sua demanda. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 6

7 Após as entregas das mercadorias, os contratos não foram renovados, deixando a empresa em um estado muito delicado. Em abril de 2009, 9 das 11 siderúrgicas do estado do Pará estavam paralisadas, dentre elas, a SIDERÚRGICA IBÉRICA. Diante deste cenário, visando reverter sua situação de crise e renegociar toda a dívida gerada pós-crise, a SIDERÚRGICA IBÉRICA traçou um plano de retomada de suas operações. Para tanto, era necessário que os principais credores (bancos) aceitassem a proposta de pagamento da dívida gerada durante o período de crise. Após longo período de negociação com os bancos, a empresa estava prestes a firmar um acordo com previsão de novos empréstimos, a retomada das atividades e o pagamento parcelado da dívida. Porém, um novo fato surgiu e mudou completamente o cenário em que a empresa e seus credores estavam inseridos: um pedido de falência da SIDERÚRGICA IBÉRICA por parte de um de seus credores acabou com as chances do acordo ser firmado. A empresa necessitava defender-se do pedido de falência, além de mudar o perfil de sua dívida; para tanto, a única solução encontrada foi o pedido de Recuperação Judicial, realizado em 07 de janeiro de Agora, em Recuperação Judicial, a SIDERÚRGICA IBÉRICA apresenta neste documento a viabilidade econômico-financeira de seu planejamento para a retomada de suas operações e o pagamento da dívida com os seus credores, garantindo dessa forma a reabertura dos postos de trabalho extintos em função de sua paralisação e a continuidade de suas atividades, movimentando a economia e trazendo divisas para o Brasil, tendo em vista seu perfil exportador. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 7

8 Apesar de todo o exposto, a SIDERÚRGICA IBÉRICA acredita ser transitória sua atual situação e tem a certeza que esse estado de gravidade é passageiro, visto já terem sido tomadas medidas administrativas e operacionais necessárias para equilibrar sua receita, como ajustes para diminuição de custos e despesas de forma compatível com a retomada de suas atividades. Dentre as medidas para melhoria da margem operacional, destacam-se a reorganização do seu quadro funcional e cortes de despesas nas áreas operacional e administrativa. A retomada de suas atividades depende também de uma reorganização financeira que possibilite alongar o perfil de seu endividamento a um custo financeiro compatível com sua geração de caixa. A partir da retomada de suas atividades, a SIDERÚRGICA IBÉRICA dará início ao corte de suas próprias reservas de eucalipto, viabilizando a operação de seus fornos a partir de carvão vegetal extraído dessas florestas, garantindo, assim, a preservação da biomassa nativa e a auto-sustentabilidade na produção (em escala e em baixos custos) do carvão vegetal para a fabricação do ferro-gusa. Atualmente, a empresa possui capacidade produtiva de toneladas/ano de ferro-gusa, além de toneladas/ano de sínter feed. Vale ressaltar que a SIDERÚRGICA IBÉRICA é pioneira em processos completos através de tecnologia DPC, servindo de modelo dentre as empresas nacionais. O resultado desse investimento pioneiro é o maior aproveitamento do material lenhoso através do incremento de produtividade, redução significativa da emissão de gases para o meio ambiente e a eliminação completa da insalubridade para os trabalhadores. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 8

9 2.1 Estrutura Organizacional Missão Produzir e entregar ferro-gusa com qualidade, respeito ao meio ambiente e rentabilidade, mantendo uma equipe de trabalho motivada e harmônica Visão Seremos os primeiros exportadores de ferro-gusa com auto-sustentabilidade legal e garantida, assim como utilização de tecnologias limpas no processo produtivo Valores Valorização ao ser humano, Honestidade, harmonia, comprometimento, cautela, respeito ao meio ambiente e responsabilidade social Informações Sobre a Estrutura A SIDERÚRGICA IBÉRICA tem sua sede localizada na Rodovia PA 150, KM 422, Distrito Industrial, Marabá/PA. Possui também uma filial localizada na capital do mesmo estado. A empresa é detentora de grande estrutura voltada à produção de ferro-gusa. Visando a verticalização e auto-sustentabilidade a empresa possui: Viveiro de produção de mudas com produção de mais de 5 milhões de mudas/ano; Programa de melhoramento genético, que garante madeira de alta densidade, resistência a doenças, alta capacidade de rebrota e alta capacidade de enraizamento; Fazendas de eucalipto com mais de hectares plantados, além de reservas legais de mata nativa; Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 9

10 Fornos DPC para produção de carvão; Capacidade produtiva de toneladas/ano de sínter feed (matériaprima do ferro-gusa, feita de minério de ferro) Para a produção de ferro-gusa a empresa conta com três altos fornos, que lhe garantem capacidade produtiva de toneladas de ferro-gusa/ano. Suas fazendas estão espalhadas pelos estados do Pará e Tocantins. Toda a logística para escoamento da produção é feita através de malha ferroviária, sendo enviada ao exterior através de containers em navios. Abaixo, imagens de pequena parte da estrutura da empresa: Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 10

11 Trabalhadores em um dos viveiros de mudas Plantio de eucalipto Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 11

12 Viveiro de mudas Vista aérea de uma das áreas plantadas Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 12

13 Imagem aérea de uma das fazendas Imagem aérea de uma das reservas legais Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 13

14 2.1.5 Relevância Sócio-Econômica e Ambiental A SIDERÚRGICA IBÉRICA está instalada no estado do Pará, na cidade de Marabá, que tem pouco mais de 200 mil habitantes. Marabá e toda a região giram em torno da siderurgia. Se a situação de abafamento dos fornos produtores de ferro-gusa perdurar, toda a cadeia produtiva e a movimentação da economia local será prejudicada. A Região Norte brasileira é pouco desenvolvida se comparada com as demais. Detentora da floresta amazônica, historicamente a Região Norte é marcada pela derrubada ilegal da madeira, subempregos e falta de infra-estrutura. Nos últimos anos, os olhos se voltaram para essa região, sua grande importância para o Brasil foi reconhecida e esta situação começou a mudar. A construção da Rodovia Transamazônica, a Zona Franca de Manaus e o Distrito Industrial de Marabá são exemplos claros de que o devido valor enfim está começando a ser dado à Região. Hoje a mentalidade das empresas é diferente, a palavra do momento é sustentabilidade, e esse é o objetivo das siderúrgicas produtoras de ferro-gusa, em especial a SIDERÚRGICA IBÉRICA. A empresa investiu pesado para ser auto-sustentável em carvão. Adquiriu fazendas para o plantio de eucalipto e segue todas as exigências do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais) inclusive as que tangem a reservas de mata nativa. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 14

15 Seus fornos para produção de carvão utilizam tecnologia DPC que, dentre diversas vantagens produtivas e econômicas, possui duas características de suma importância para a SIDERÚRGICA IBÉRICA, para o meio-ambiente e para os trabalhadores: Não há emissão de gases nocivos para a atmosfera; Trabalho seguro e salubre durante a produção do carvão. Todo esse investimento busca processos ambientalmente corretos, socialmente justos e economicamente viáveis. As Siderúrgicas proporcionam a muitos trabalhadores o primeiro acesso à carteira de trabalho assinada, gozando de todos os benefícios previstos na CLT. Empresas como a SIDERÚRGICA IBÉRICA, além de proporcionar benefícios diretos à população local, trazem também benefícios indiretos. Exemplos de benefícios indiretos são a infra-estrutura gerada na região para comportar o nível de atividade e a ajuda em cessar a derrubada ilegal da mata. Grandes empresas como a SIDERÚRGICA IBÉRICA não compram madeira sem procedência, muito menos carvão produzido em condições inadequadas aos trabalhadores. A exigência de procedência legal dos insumos, incluindo tanto o aspecto ambiental quanto as condições de trabalho, é pré-requisito na escolha de qualquer fornecedor. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 15

16 A exploração desenfreada e catastrófica do meio-ambiente tende a acabar com a profissionalização do uso da floresta e seus produtos, trazendo benefício às empresas e principalmente à população e ao meio ambiente, garantindo o uso de energia limpa e renovável, provando que o uso consciente e sustentável dos recursos naturais trará à toda a região inúmeros benefícios, atraindo inclusive o turismo verde. A SIDERÚRGICA IBÉRICA já chegou a empregar mais de 500 trabalhadores. Hoje, emprega cerca de 10% desse número. Sem dúvida, a continuidade da SIDERÚRGICA IBÉRICA, embasada em todas as ações citadas acima, trará apenas benefícios a todos que a rodeiam, principalmente à comunidade em que está instalada, garantindo desenvolvimento econômico e ambiental com responsabilidade. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 16

17 2.1.6 Produtos Comercializados/Vantagens competitivas A SIDERÚRGICA IBÉRICA atua na produção e comercialização de ferro-gusa. O ferro-gusa é o produto imediato da redução do minério de ferro pelo coque ou carvão vegetal e calcário em um alto forno. A SIDERÚRGICA IBÉRICA sempre utilizou carvão vegetal em sua produção. O Brasil se destaca como o maior produtor mundial de ferro-gusa a partir de carvão vegetal. Minas Gerais é o estado com maior número de produtores, seguido pelo estado do Pará, onde está inserido o Distrito Industrial de Marabá, no qual a SIDERÚRGICA IBÉRICA figura como uma das maiores empresas. Os principais consumidores de ferro-gusa são as grandes produtoras de aço, em destaque a Norte Americana NUCOR Corporation. A SIDERÚRGICA IBÉRICA possui relação privilegiada com este que é o maior consumidor de ferro-gusa no mundo, tendo em vista ser integrante da VPS, canal comercial que agrupa as siderúrgicas produtoras de ferro-gusa brasileiras mais comprometidas com investimentos ambientais. Além deste grande cliente, a SIDERÚRGICA IBÉRICA é a única siderúrgica nacional que exporta para a Europa, graças ao seu contrato firmado com a Funsider S.A, acionária espanhola que atua como forte canal de distribuição europeu, focando suas vendas na Europa em produtos adquiridos da SIDERÚRGICA IBÉRICA. A primeira imagem abaixo demonstra o processo produtivo de ferro-gusa, quando sai do forno em estado líquido e cai no cadinho, sendo esfriado e transformado em lingotes para a venda, conforme imagem 2. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 17

18 Processo produtivo Produto final (imagem 2) Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 18

19 3. Organização do Plano de Recuperação 3.1 Motivos Para o Pedido de Recuperação Judicial Assim como todas as empresas localizadas na região Norte do País, a SIDERÚRGICA IBÉRICA vendia sua produção de ferro-gusa para o exterior suportada em contratos, na maioria das vezes, firmados com até seis meses de antecedência da data do embarque. Com o crescimento da demanda, o preço do ferro-gusa atingiu cerca de US$ 900,00 a tonelada em meados de 2.008, mas a SIDERÚRGICA IBÉRICA não usufruiu totalmente desse aquecimento, visto que ainda estava atendendo a contratos fechados anteriormente, e com outra realidade de preços. Com a eclosão da crise mundial no segundo semestre de 2008, que se traduziu verdadeiramente em uma crise de demanda, atingindo severamente o seu maior mercado comprador (Estados Unidos da América), o preço da tonelada do ferrogusa despencou rapidamente, enquanto que seus principais insumos, carvão vegetal e minério de ferro, continuaram com seus preços elevados, com pequenas variações ao longo deste ano, ora para cima ora para baixo. O valor da tonelada do ferro-gusa caiu para US$ 280,00 em janeiro de 2.009, acirrando ainda mais a gravidade econômica do setor siderúrgico, com especial destaque às empresas localizadas no Norte do País, que dependem fundamentalmente do apetite do mercado externo para escoar a sua produção, visto que inexiste indústria siderúrgica local que lhes assegure alguma demanda. Em março de 2.009, após reduzir progressivamente sua produção, a empresa foi obrigada a abafar o último dos três fornos em funcionamento e paralisar a fábrica. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 19

20 Por força dos contratos cancelados e das reduções forçadas de preço, a SIDERÚRGICA IBÉRICA teve um grande prejuízo em Diante do cenário de crise, além da falta de demanda, a SIDERÚRGICA IBÉRICA também sofreu com a alta dos juros cobrados pelos bancos para financiar a produção e os investimentos da companhia e com a escassez de linhas de crédito que até então eram abundantes. Além disto, houve grande perda com operações de derivativos realizadas pela SIDERÚRGICA IBÉRICA com o objetivo de gerir os seus riscos de câmbio por conta da alta volatilidade do dólar. O prejuízo causado por essas transações no ano de foi de mais de R$ 26 milhões. Além de todos estes problemas, a SIDERÚRGICA IBÉRICA enfrentava há alguns anos uma política fortemente hostil e arrecadadora deflagrada pelo IBAMA, que resultou na imposição de várias multas à companhia. Essa postura do órgão ambiental federal acabou por criar inúmeras barreiras para que a SIDERÚRGICA IBÉRICA pudesse captar recursos mais baratos e de longo prazo junto a bancos oficiais (como o Banco da Amazônia S.A e Banco do Brasil S.A, para citar alguns exemplos), que viabilizariam seus negócios sem comprometer diretamente o seu caixa e as atividades operacionais da empresa, contrapondo-se assim aos recursos fornecidos por bancos privados fortemente concentrados no curto prazo e mais caros no período de crise. Todos esses fatores, em conjunto com os altos investimentos, necessários ao negócio, feitos nos anos anteriores para a obtenção de auto-sustentabilidade em matriz energética, contribuíram para que a SIDERÚRGICA IBÉRICA atingisse a situação crítica em que atualmente se encontra. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 20

21 Durante o ano de a empresa iniciou uma negociação com seus principais credores, visando à retomada do nível normal de suas atividades e o pagamento da dívida gerada durante seu revés. Mas o pedido de falência por parte de um dos credores fez com que a empresa necessitasse tomar uma atitude rapidamente. No intuito de viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos seus credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica, não restou alternativa se não o pedido do benefício legal da Recuperação Judicial. Em 07 de janeiro de a SIDERÚRGICA IBÉRICA entrou com o pedido de Recuperação Judicial, em uma atitude que demonstrou responsabilidade e a proteção dos múltiplos interesses envolvidos que dependem principalmente da manutenção da empresa em funcionamento. Afinal, o valor da empresa em funcionamento é maior do que o que seria obtido caso fosse decidido liquidá-la. Da mesma forma, sua continuidade é fator imperativo para o pagamento do passivo constituído, melhor atendendo aos múltiplos interesses envolvidos. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 21

22 3.2 Quadro de Credores COMPOSIÇÃO POR TIPO DE CREDOR CREDORES TRABALHISTAS CREDORES COM GARANTIA REAL CREDORES QUIROGRAFÁRIOS TOTAL DO QUADRO DE CREDORES Valores em Reais (R$) Credores Trabalhistas 0,22% Credores Com Garantia Real 1,01% Credores Quirografários 98,77% GRÁFICO DE REPRESENTATIVIDADE DOS CREDORES PERANTE O TOTAL DO PASSIVO Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 22

23 3.3 Plano de Reestruturação Operacional Após o pedido de recuperação judicial, a SIDERÚRGICA IBÉRICA, através de sua Diretoria, desenvolveu um plano de reestruturação financeiro-operacional visando à lucratividade necessária para permitir a liquidação de seus débitos e a manutenção de sua viabilidade no médio e longo prazo, o que depende não só da solução da atual situação de endividamento, mas também, e fundamentalmente, da melhoria de sua capacidade de geração de caixa. As medidas identificadas no Plano de Reestruturação Financeiro-Operacional estão incorporadas a um planejamento para o período de 12 anos e estão fundamentadas nas seguintes decisões estratégicas, parte já colocada em prática e parte a ser implementada após sua retomada: Área Comercial Novas parcerias estratégicas, visando a não dependência do consumo dos Estados Unidos, utilizando mais efetivamente o grande trunfo de ser a única siderúrgica nacional a possuir canal que possibilita exportação para a Europa, desenvolvendo tecnologia para que seus produtos sejam competitivos, em termos de custos, se comparado aos principais concorrentes instalados neste continente (Ucrânia e Rússia); Garantir políticas comerciais que minimizem efeitos da oscilação do mercado no processo de recuperação da empresa; Garantir a manutenção das parcerias estratégicas, visando diminuir ao máximo o impacto da paralisação da fábrica, retomando sua posição de destaque. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 23

24 3.3.2 Área Administrativa Programa de redução do quadro funcional e de gasto com pessoal e horas extras e redução de despesas fixas, evitando gastos desnecessários, desperdícios e ações sem planejamento; Fortalecimento organizacional e da responsabilidade estratégica de tomada de decisão para alcançar metas e assegurar a aderência das ações aos planos; Formar as novas diretrizes de administração e dar suporte à área comercial através de uma análise SWOT (Strenghts - forças, Weaknesses - fraquezas, Opportunities - oportunidades e Threats - ameaças); Área Financeira Busca de novas linhas de créditos menos onerosas e mais adequadas; Renegociação de tarifas bancárias; Maior profissionalização da gestão financeira; Equilíbrio entre fonte, aplicação e mercado; Renegociação do passivo não sujeito aos efeitos da Recuperação Judicial de forma a equacionar a entrada de receitas; Implantação de relatórios gerenciais para análise de resultados econômicos e financeiros; Fornecer base sustentável a todas as decisões estratégicas. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 24

25 3.3.4 Área Operacional Plano de redução dos custos fixos para melhoria da margem operacional, bem como redução de custos, mediante análise de processos, para melhoria da margem de contribuição; Início do corte das reservas de eucalipto para a produção própria de lenha; Continuidade no plantio de novas áreas de eucalipto, visando, em médio prazo, tornar-se auto-suficiente na produção de lenha, garantindo a verticalização da produção, trabalho em grande escala com maior rentabilidade. 3.4 Cenário Econômico e Mercadológico Mercado Setorial Premissas, Desempenho Retroativo e Projeções Premissas O mercado nacional produtor de ferro-gusa está dividido hoje da seguinte forma: Estado Qtde de usinas Qtde de altos fornos Sistema Norte PA MA 7 19 Total Sistema Norte Sistema Sul MG ES + MT 8 14 Total Sistema Sul Total Geral Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 25

26 O Sistema Norte foca suas vendas em exportação, pela sua posição geográfica e facilidade de transporte da produção até os portos, utilizando principalmente a malha ferroviária. O Sistema Sul é o que abastece as indústrias nacionais, embora também exporte parte de sua produção. A grande maioria dos altos fornos produtores de ferro-gusa utiliza como matriz energética o carvão vegetal, carvão este que deve ter sua procedência garantida para que não haja em seu processo trabalho infantil e/ou escravo, derrubada ilegal de madeira etc. As grandes companhias, visando melhorar os resultados e não correr riscos com carvão de origem ilegal verticaliza suas operações, fabricando o próprio carvão e garantindo um consumo consciente e sustentável da madeira. Esse é o grande mote do mercado de ferro-gusa: garantir rentabilidade, aliando a produção industrial à extração de madeira e desenvolvimento sustentável Desempenho Retroativo e Projeções As siderúrgicas brasileiras localizadas no estado do Pará vêm sofrendo muito desde a eclosão da crise financeira mundial em setembro de De Janeiro a Setembro de 2.008, a média mensal de exportação das siderúrgicas guseiras do Pará foi de 150 mil toneladas. A partir de outubro, a produção foi caindo mês a mês; em outubro, foram exportadas 103 mil toneladas; em novembro, esse número caiu para 62 mil toneladas e, no último mês daquele ano, foram exportadas apenas 37 mil toneladas. O ano de começou com as indústrias em estado calamitoso; os setores dependentes das exportações, como a indústria de transformação mineral, são os Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 26

27 mais atingidos pelas crises mundiais. Em janeiro de 2.009, as empresas agregadas ao Sindicato das Indústrias de Ferro-Gusa do Estado do Pará (SINDIFERPA) já haviam demitido mais de três mil trabalhadores e reduziram de forma brutal a quantidade de contratos realizados, com a queda nas vendas de 150 mil toneladas/mês - média registrada antes da crise - para pouco mais de 19 mil toneladas em janeiro. Das Onze empresas ligadas ao Sindicato, em janeiro de 2.009, seis estavam de portas fechadas e fornos abafados, uma na cidade de Barcarena e cinco na cidade de Marabá, onde se concentra o maior número de siderúrgicas de ferro-gusa do estado do Pará. A crise gerou uma queda muito grande no consumo e, conforme foram findando os contratos em execução, os mesmos não foram renovados pelos importadores. No mês de abril de 2.009, a situação das siderúrgicas guseiras já era muito mais crítica. Das onze siderúrgicas instaladas no estado do Pará, somente duas continuavam em atividade. O preço para venda da tonelada de ferro-gusa, que havia chegado a 900 dólares em meados de 2.008, chegou a 300 dólares no início de 2.009; prejudicando ainda mais as siderúrgicas, que já conviviam com o grande problema da falta de demanda. O ano de seguiu sem muitas variações positivas, o mercado foi retomando aos poucos a demanda, mas o preço não teve alta considerável. Em março de o preço de venda do ferro-gusa estava em torno de 330 dólares. Em suma, o mercado de ferro-gusa nacional, principalmente as empresas localizadas no estado do Pará, voltadas à exportação, foi arrasado pela crise financeira mundial. Plano de Recuperação Judicial SIDERÚRGICA IBÉRICA 27

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial.

Em junho de 2012, foi apresentado o plano de recuperação judicial. REFRIGERAÇÃO CAPITAL LTDA. EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROCESSO Nº 001/1.12.0063163-4 CNJ: 0080710-28.2012.8.21.0001 VARA DE DIREITO EMPRESARIAL, RECUPERAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Anúncio de Reestruturação Financeira

Anúncio de Reestruturação Financeira Anúncio de Reestruturação Financeira 1 Considerações Futuras Algumas informações sobre o Plano de Reestruturação Financeira da Companhia apresentam nossas expectativas sobre o resultado que poderemos obter

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA 1ª Vara da Fazenda Pública de Falências e Concordatas Autos nº. 001-054/2008 Nos termos da lei nº. 11.101, de 09

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA

FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA FRIGORÍFICO TAMOYO LTDA Laudo Econômico Financeiro Parecer Técnico Plano de Recuperação Judicial Lei nº: 11.101/05 Poços de Caldas, 30 de Setembro de 2011 RUA REGENTE FEIJÓ Nº: 712 / 9º ANDAR / CONJ. 94

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral

Análise de Viabilidade Econômica e Financeira. Da Sociedade Subsidiária Integral Análise de Viabilidade Econômica e Financeira Da Sociedade Subsidiária Integral 1) Da Operação O objeto da Subsidiária Integral será a exploração das atividades de tinturaria e ramagem, mediante prestação

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 31 de Março de 2011 1 Opinião

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480)

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480) ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA (Instrução CVM nº 480) Em linhas gerais, o patrimônio da Companhia é composto por dezesseis embarcações

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

Alternativas para a reestruturação financeira com apoio de fornecedores e investidores - uma visão abrangente para a cadeia produtiva sucroenergética

Alternativas para a reestruturação financeira com apoio de fornecedores e investidores - uma visão abrangente para a cadeia produtiva sucroenergética Alternativas para a reestruturação financeira com apoio de fornecedores e investidores - uma visão abrangente para a cadeia produtiva sucroenergética POR: ANTÓNIO AIRES - 14/08/2014 SITUAÇÃO ATUAL Valor

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Desafios da nova lei

Desafios da nova lei artigoquestãojurídica Desafios da nova lei de falências brasileira Recuperação Judicial 400 350 300 250 200 250 150 100 Sem. 05 Sem. 06 Sem. 06 Sem. 07 Sem. 07 Sem. 08 Sem. 08 Pedidos Concedidas Aprovadas

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquota - MP nº 675/2015 Receitas financeiras - Alíquota zero de PIS/ COFINS para as variações monetárias e hedge - Alteração

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais