Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:"

Transcrição

1 FALÊNCIA (LEI /05) Visão panorâmica do processo falimentar O processo de falência tem 3 fases: 1. Fase pré falencial Vai da petição inicial até a sentença, já que até antes da sentença ainda não haverá falência, e sim mera expectativa da falência. Em termos práticos é possível algumas medidas cautelares. 2. Fase Falencial Vai da sentença de falência até a sentença de encerramento da falência. É a única fase que já existe falência. Só se fala em falência depois da sentença. O processo da falência caracteriza-se basicamente com uma sindicância comercial (apura-se os bens, dívidas), uma liquidação (venda dos bens e pagamentos dos credores) e uma sindicância penal (só a partir da sentença de falência que é possível investigar crimes falimentares por via de inquérito policial e não processo de falência). 3. Pós Falencial Vai do trânsito em julgado da sentença de falência até a sentença que extingue as obrigações. Nesta fase não há falência, há 2 institutos: Extinção das Obrigações e a Reabilitação Penal do Falido. Natureza do Processo de Falência Falência é um processo de execução coletiva, também chamado de concurso de credores. Fundamento da Falência Princípio da igualdade dos credores. Paga-se proporcionalmente todos os credores da mesma categoria. Se a ação pudesse ser movida de forma individual poder-se-ia privilegiar determinado credor. 1

2 Sob o prisma do direito material, falência é o conjunto de normas especiais que afasta as normas gerais. Ex.: Contra falido a partir da sentença não corre prescrição, juros, dívidas que vencem antecipadamente (decretou-se a falência vence-se todas as dívidas, até as futuras). Sob o prisma econômico, falência é o saneamento da atividade econômica empresarial, o falido não pode mais exercer a atividade empresarial. Podemos dizer que a falência traz malefícios como desemprego, diminui a arrecadação dos tributos, por isso é uma medida excepcional. A lei prevê o instituto de recuperação de empresas (antigamente chamado de concordata), cuja função é evitar as falências desnecessárias. Pressupostos da Falência São 3: 1. Devedor Empresário ou Sociedade Empresária 2. Insolvência Jurídica ou Presumida 3. Sentença de Falência Valdemar Ferreira inclui um 4 requisito, Pluralidade de Credores, já que provado que só haveria 1 credor não haveria necessidade para falência. Já Rubens Requião pensa de forma diversa, admitindo falência com apenas 1 credor (majoritária), sob o fundamento de que a função da falência seria também permitir a investigação de crimes e propositura de ações revocatórias (aquela que se destina a revogar os negócios feitos pelo falido). 1. Devedor Empresário ou Sociedade Empresária O empresário ou sociedade sem registro, bem como os proibidos de exercer atividade empresarial, mas que exercem irregularmente, também podem falir, portanto, sociedade empresarial irregular pode falir, inclusive os impedidos (juiz, promotor) podem falir. 2

3 Se o empresário individual morreu, até 1 ano após a sua morte, o espólio pode falir. Sociedade extinta até 2 anos da extinção pode falir, salvo S/A (após extinção e liquidação não pode mais falir). Não podem falir as sociedades simples não empresária, intelectual, científica. (ex.: médico, músico, artista). Também não podem falir as cooperativas, sociedade cujas atividades é rural não empresarial. Sociedade registrada no registro de pessoas jurídicas como sociedade simples, mas que também exerce paralelamente uma atividade empresarial (objeto misto). Se a atividade empresarial for ponderável, razoável, pode falir (Rubens Requião, majoritária). Alguns autores exigem que a atividade empresarial precise ser preponderante. Sociedades empresárias que nunca podem falir Sociedade de Economia Mista e Empresa Pública (art. 2 da lei de falência). Nestes casos o ente político (U., E., DF., MUN.) respondem subsidiariamente. Alguns autores sustentam que poderia ser requerida a insolvência civil trazida pelo CPC. Também nunca podem falir as Câmaras de Compensação e Liquidação Financeira (art. 193 da lei de falência). Formas de Execução Coletiva Execução coletiva é quando se permite todos os credores se habilitarem. Duas são as formas de execução coletiva: a) Falência; A falência só se aceita contra empresário ou sociedade empresária. A falência pode ser evitada pela recuperação judicial/extrajudicial, que é instituto exclusivo para os empresário/sociedades empresárias. Se o valor arrecadado na falência não for suficiente para pagar todos os credores, mas suficiente para pagar mais de 50% dos credores quirografários, todas as obrigações do falido são extintas. Assim pagou-se 100% dos credores preferenciais e mais de 50% dos 3

4 quirografários, e o dinheiro acabou, todas as obrigações são extintas. Se o falido ganhar na mega sena no dia seguinte não precisa pagar mais ninguém. b) Insolvência Civil Só se permite contra devedor não empresário (PF ou PJ), ou seja, qualquer pessoa que esteja devendo corre este risco. O não empresário pode evitar a sua insolvência com a chamada concordata branquinha, que é o acordo entre o devedor e todos os credores para aumentar o prazo de pagamento ou reduzir o valor da dívida (art. 783 do CPC). Na insolvência civil só se extingue se pagar 100% dos credores, mas as obrigações prescrevem em 5 anos a contar da sentença de insolvência. Sociedades empresárias parcialmente excluídas da Falência Entidades Abertas da Previdência Complementar; Planos de Saúde e Seguradoras. Antes de requerer falência é preciso que haja um processo administrativo de liquidação/intervenção extrajudicial, requerida pela ANS - Agência Nacional de Saúde (quando for plano de saúde) ou perla SUSEP - Superintendência de Seguros Privados (quando for seguradora). No procedimento administrativo de liquidação/intervenção extrajudicial se foram pagos mais de 50% dos credores quirografários, ninguém pode requerer a falência. Se esse percentual não foi pago, a falência pode ser requerida exclusivamente pelo liquidante nomeado pelo ANS ou SUSEP. As entidades abertas da previdência são aquelas em que qualquer pessoa pode se filiar. As entidades fechadas da previdência são aquelas que só certas categorias podem se filiar (CAASP só advogados podem se filiar), elas nunca podem falir. Instituições Financeiras; Consórcios e Leasing de bens duráveis (consórcio e leasing de carro) também são sociedades 4

5 empresárias parcialmente excluídas da falência já que dependem de um processo extrajudicial prévio pelo Banco Central, mas se o Banco Central já instaurou o processo de intervenção, a falência só pode ser requerida pelo interventor ou liquidante (se o processo já estiver na fase de liquidação), mediante autorização do Banco Central, os credores perdem a legitimidade para requerer a falência. 2. Insolvência Jurídica ou Presumida Insolvência econômica é o fato do patrimônio passivo ser maior que o ativo. A insolvência coletiva depende dessa insolvência econômica. Para se decretar a insolvência de um não empresário precisa-se estar com saldo devedor maior que os créditos. O insolvente econômico se está em dia com suas obrigações não pode falir. Já na falência pode-se decretar ainda que seja solvente economicamente (ativo maior que passivo). Ex.: sujeito endinheirado, Eike Batista pode falir. Para fins de falência não se exige falência econômica, e sim insolvência jurídica, que ocorrerá em 3 hipóteses (art. 94 da lei de falência): I Impontualidade injustificada; II Execução Individual frustrada; III Atos de falência. Presentes apenas 1 dessas hipóteses poderá falir ainda que seja solvente economicamente. Ausentes tais hipóteses, não poderá falir, ainda que seja insolvente economicamente. Impontualidade Injustificada Requisitos: a) Não pagamento de dívida superior a 40 salários mínimos. Abaixo desse valor o credor deverá mover a execução individual; b) Dívida documentada em título executivo judicial ou extrajudicial (líquida, certa e exigível); 5

6 c) Protesto do título no Tabelionato de Notas, ainda que o título seja uma sentença é preciso protestar no tabelionato para requerer falência; O protesto só é necessário para requerer a falência com base na impontualidade, para requerê-la com base na execução frustrada ou em atos de falência não é preciso protesto. Não pontualidade, se não pagou em razão de prescrição, nulidade, compensação, falsidade, etc., ou por algum outro motivo justo, não se decreta falência. Se o valor do crédito é inferior a 40 salários mínimos, o credor pode requerer a falência em litisconsórcio com outros credores ou sozinho, mas juntando os títulos executivos protestados de outros credores. A lei permite, portanto, a soma dos créditos para atingir o percentual de mais de 40 salários mínimos. Credor cujo crédito não venceu pode requerer a falência juntando os créditos de outro credor, de mais de 40 salários mínimos. II Execução Individual frustrada É o fato de na execução individual o devedor incidir na tríplice omissão (não paga, não deposita, nem nomeia bens a penhora) inércia total. Neste caso, o exequente tem duas opções: Prosseguir com a execução individual ou requerer a falência, qualquer que seja o valor da dívida. O requerimento da falência não é nos autos do processo de falência, é através de petição inicial, na vara de falência, sendo necessário juntar com a inicial a certidão do escrivão mencionando a tríplice omissão. O juízo falimentar só aceita petição inicial se o credor requereu a extinção da execução individual, pois ele não poderia mover as duas ações juntas, pois geraria algo similar à litispendência. Fabio Ulhôa Coelho diz que para requerer a falência basta o credor suspender a execução individual, não é preciso requerer a extinção. 6

7 III Atos de falência Atos de falência são comportamentos que sinalizam uma dificuldade econômica. O rol é taxativo, quando a falência pode ser requerida qualquer que seja o valor do crédito. Esses atos que ensejaram a decretação de falência são: 1. Liquidação precipitada dos bens necessários para a exploração da atividade. É a venda repentina dos bens, loja começa a vender tudo da empresa para pagar dívida, são atos que indicam a falência. 2. Meios ruidosos ou fraudulentos para pagar credores. Ex.: Fez empréstimos com bancos com juros abusivos. 3. Negócios simulados para prejudicar credores 4. Transferência do negócio empresarial sem autorização de todos os credores, quando for ou se tornar insolvente com essa venda. Se for solvente pode transferir o estabelecimento sem autorização dos credores. 5. Transferência simulada do estabelecimento empresarial. É a passar o negócio para um laranja, testa de ferro. 6. Outorga de garantia real (penhor, hipoteca, anticrese) após a dívida há um credor quirografário, isto é, que não tinha uma dívida, caso seja insolvente. Se é insolvente, mas a garantia real é concebida ao credor no ato do nascimento do crédito, não é ato de falência. Se o crédito nasceu quirografário, mas depois é dado uma garantia real, se o devedor é insolvente será ato de falência. 7. Abandono do Estabelecimento empresarial sem deixar representante em condições de efetuar pagamentos. 8. Não cumprir as obrigações constantes no plano de recuperação judicial que ele obteve. 7

8 Competência para a Ação de Falência A ação de falência sempre será movida na Justiça Estadual, em vara cível, salvo se houver na respectiva justiça a vara de massa falida (vara de falências). Em São Paulo há 3 varas especializadas. O foro é a comarca do principal estabelecimento, que é o que tem o maior volume financeiro de negócios, logo pode ser uma filial, não é necessariamente a matriz. A competência não é na sede social ou administrativo ou no estabelecimento fisicamente maior. Juízo Unitário O juízo falimentar é unitário, isto é, todos os pedidos de falência devem tramitar na mesma vara. A prevenção é verificado pelo primeiro processo de falência ou pelo primeiro pedido de recuperação judicial. Se o devedor entra com recuperação extrajudicial na 1ª vara. Se um dos credores requerer a falência, ela não tramitará necessariamente nessa 1ª vara, pois a recuperação extrajudicial é de jurisdição voluntária e não previne a competência. Preferência na Tramitação Os processos de falência terão preferencia em relação aos outros processos, por força dos princípios da economia processual e celeridade (art. 85, 1, lei de falência). Juízo Universal e Indivisível Todas as ações movidas contra a massa falida devem ser ajuizadas no juízo falimentar. Aliás, não se pode mover ações patrimoniais contra o falido, e sim contra a massa. As ações movidas antes da falência contra o devedor são atraídas (vis atrativa) pelo juízo falimentar, e no polo passivo ele é substituído pela massa falida, representada pelo administrador judicial, sob pena de nulidade do processo. 8

9 Exceções ao Juízo Universal São as ações que tramitam fora do juízo falimentar. - As ações movidas antes da falência em que se requer quantia ilíquida, todavia, após apurar o valor, o credor para receber tem que se habilitar no processo falimentar. - Ação trabalhistas, serão movidas na Justiça do Trabalho, mas após o transito em julgado, onde será apurado o valor, deverá habilitar na falência para receber. - Execução Fiscal é a movida pela Fazenda Pública, o pagamento é feita pela própria execução fiscal, a Fazenda Pública para receber não precisa se habilitar no processo de falência. A Fazenda Pública requererá a penhora no rosto dos autos. O juiz da execução comunica o juiz da falência. 9

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

6.3 Competência específica à falência, 64 7 Remuneração, 74

6.3 Competência específica à falência, 64 7 Remuneração, 74 Nota do autor, xxi 1 INSOLVÊNCIA, 1 1 O risco de empreender, 1 2 Obrigação e solução, 3 3 Princípio geral da solvabilidade jurídica, 4 4 Execução coletiva, 7 5 Histórico, 8 2 INSOLVÊNCIA EMPRESÁRIA, 13

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas Falência e Recuperação de Empresas 1. Considere as afirmativas a respeito das manifestações processuais nos processos de falência e de recuperação judicial de empresas, nos termos da Lei 11.101/05: I.

Leia mais

Prefácio... xxi Introdução... 1

Prefácio... xxi Introdução... 1 SUMÁRIO Prefácio... xxi Introdução... 1 CAPÍTULO I BREVE HISTÓRICO... 5 1. O comércio e o direito comercial... 5 2. A falência... 9 3. A evolução do direito falimentar... 11 4. O direito falimentar no

Leia mais

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA I FALÊNCIA (Lei 11.101/05) 1) Legitimidade Passiva (Art. 1º e 2º

Leia mais

- Três são os pressupostos para que se instaure a falência:

- Três são os pressupostos para que se instaure a falência: FALÊNCIA - XV I - Introdução: - Constitui o patrimônio do devedor a garantia dos credores, e, em assim sendo, não cumprindo o devedor com as suas obrigações, poderá o credor promover perante o Poder Judiciário

Leia mais

Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária

Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária Palestrantes: José Augusto S. Figueira Miguel Manente março de 2016 Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade

Leia mais

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas.

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas. Francisco Marcelo Avelino Junior, Msc. Presidente APCEC 2010-20122012 (85) 96.145600 Contexto atual Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência

Leia mais

Falência, Recuperação Judicial e Extrajudicial

Falência, Recuperação Judicial e Extrajudicial Falência, Recuperação Judicial e Extrajudicial Prof. Márcio Guimarães INSOLVÊNCIA Insolvência Civil (arggo 748 a 786- A do CPC) Desproporção negagva patrimonial Insolvência Empresarial Impontualidade Atos

Leia mais

10 ANOS DA LEI DE RECUPERAÇÃO E FALÊNCIA

10 ANOS DA LEI DE RECUPERAÇÃO E FALÊNCIA 10 ANOS DA LEI DE RECUPERAÇÃO E FALÊNCIA LEI 11.101/2005 FALÊNCIA António Manuel França Aires Agosto 2015 FALÊNCIA -RECORTE Convolação da Recuperação em Falência Venda de ativos Extensão dos efeitos a

Leia mais

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11. Roteiro simplificado da Falência... 13

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11. Roteiro simplificado da Falência... 13 Lei de Falência e Recuperação de Empresas Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 11 Roteiro simplificado da Falência... 13 Roteiro simplificado da Recuperação Judicial... 15 Resumo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

RESUMO DIREITO FALIMENTAR 9ª ETAPA - UNAERP

RESUMO DIREITO FALIMENTAR 9ª ETAPA - UNAERP RESUMO DIREITO FALIMENTAR 9ª ETAPA - UNAERP 1. Falência A Falência e a Recuperação Judicial e Extrajudicial encontram-se regulamentados pela Lei 11.101/2005. O patrimônio do devedor é a garantia dos credores,

Leia mais

Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial. Prof. Murillo Sapia Gutier

Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial. Prof. Murillo Sapia Gutier Execução por Quantia Certa fundada em Título Extrajudicial Prof. Murillo Sapia Gutier Da Penhora e do Depósito Art. 659. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento: (a) do

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - BH SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - BH SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - BH SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Introduzir o estudo sobre a Recuperação Judicial, Extrajudicial e a falência

Leia mais

DIREITO FALIMENTAR. Conceito de falência. Direito Falimentar - Prof. Armindo AULA 1 1. Falência (do latim fallere e do grego sphallein ):

DIREITO FALIMENTAR. Conceito de falência. Direito Falimentar - Prof. Armindo AULA 1 1. Falência (do latim fallere e do grego sphallein ): DIREITO FALIMENTAR ARMINDO DE CASTRO JÚNIOR E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Facebook: Armindo Castro Celular: (82) 9143-7312 Conceito de falência Falência (do latim fallere

Leia mais

Utilizava-se como sinônimo de falência a expressão quebra, haja vista que, a banca dos devedores era quebrada pelos credores.

Utilizava-se como sinônimo de falência a expressão quebra, haja vista que, a banca dos devedores era quebrada pelos credores. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 33 NOVA LEI DE FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS FALÊNCIA: Evolução do Instituto - a palavra "falência" vem do latim: fallere

Leia mais

Ementário do curso de

Ementário do curso de Introdução ao Estudo de I Fase: I Carga Horária: 60 h/a Créditos: 04 A sociedade. e ordem jurídica. Conceito de justiça. e moral. Fontes do. Positivo. objetivo e subjetivo. Público e Privado. Capacidade

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Recuperação de Empresas

Caderno Eletrônico de Exercícios Recuperação de Empresas 1) Das empresas abaixo relacionadas, em quais não se aplicam as novas leis de Falências? a) Empresa pública, sociedade de economia mista e instituições financeiras públicas ou privadas; b) Sociedade de

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

A LEI DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS: PANORAMA GERAL E ASPECTOS PRÁTICOS GUILIANO COLOMBO

A LEI DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS: PANORAMA GERAL E ASPECTOS PRÁTICOS GUILIANO COLOMBO A LEI DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS: PANORAMA GERAL E ASPECTOS PRÁTICOS GUILIANO COLOMBO NOVO SISTEMA FALIMENTAR BRASILEIRO OBJETIVOS: LEI nº 11.101, de 9.2.2005: evitar a liquidação de empresas

Leia mais

DIREITO COMERCIAL FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL

DIREITO COMERCIAL FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DIREITO COMERCIAL FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL 1. Falência...1 1.1 Pressupostos para a falência...1 1.1.1 Ser empresário devedor...1 1.1.2 Estar em insolvência jurídica...2 1.1.3 Sentença

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Corregedoria Geral da Justiça

Corregedoria Geral da Justiça ,,* Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página 1 de 7 r Corregedoria Geral da Justiça Provimento CG. N 33/97 Regulamenta a informatização dos Ofícios de Justiça que passam a utilizar o Sistema de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO CURSO DIREITO DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL IV PROFESSOR Ms. TATYANE KAREN DA SILVA

Leia mais

Fornecer ao estudante uma visão global do processo de execução, no Brasil, especialmente da execução para a cobrança de crédito.

Fornecer ao estudante uma visão global do processo de execução, no Brasil, especialmente da execução para a cobrança de crédito. 1 de 7 06/02/2015 15:58 Detalhes da Disciplina Código JUR3313 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Carga Horária 60 Créditos 4 Ementa Objetivos Gerais Teoria Geral da Execução. Execução de Títulos

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - EXERCÍCIOS ICMS/DF AULA 3 ANTÔNIO NÓBREGA E RICARDO GOMES

DIREITO EMPRESARIAL - EXERCÍCIOS ICMS/DF AULA 3 ANTÔNIO NÓBREGA E RICARDO GOMES Prezados Alunos! Chegamos ao nosso 3º Encontro (3ª Aula)! Apenas nos encontramos na Aula 0, não foi? Nas Aulas 1 e 2 tiveram a tutoria e o ensino do grande e competente amigo Antônio Nóbrega! Por ora,

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

FALÊNCIA E RECUPERAÇÕES

FALÊNCIA E RECUPERAÇÕES 1 DIREITO EMPRESARIAL Marco Antônio Marcondes Pereira Bibliografia Ricardo Negrão (volume sobre falência, bem completo) Rubens Requião Manoel Justino (comentários à Lei de Falência) tem comentário e ementas

Leia mais

Analista Judiciário TRT/RS

Analista Judiciário TRT/RS 8. EXECUÇÃO A execução é fase diferenciada do processo, visando o cumprimento da sentença ou do acordo firmado entre as partes. Regra geral, é deflagrada de ofício pelo juiz (embora possa ser deflagrada

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO Introduçao A unidade II aborda: falência; recuperação judicial e extrajudicial; intervenção e liquidação de instituições financeiras. Introduçao ART.

Leia mais

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte.

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte. SÚMULAS Súmula: 5 A simples interpretação de clausula contratual não enseja recurso especial. Súmula: 8 Aplica-se a correção monetária aos créditos habilitados em concordata preventiva, salvo durante o

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

Recuperação Extrajudicial de Empresas em Crise Financeira. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial de Empresas em Crise Financeira. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda de Empresas em Crise Financeira Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de 2005 Companhias em Crise Principais Causas: Desvalorização do Real; Problemas setoriais; Concentração de vencimentos; Alavancagem excessiva;

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

OAB. 2 a FASE PRÁTICA CIVIL E EMPRESARIAL. Wander Garcia. 3 a Edição 2012. Wander Garcia, Robinson Barreirinhas e Henrique Subi

OAB. 2 a FASE PRÁTICA CIVIL E EMPRESARIAL. Wander Garcia. 3 a Edição 2012. Wander Garcia, Robinson Barreirinhas e Henrique Subi na Wander Garcia Coordenador da coleção Como Passar OAB 3 a Edição 2012 2 a FASE PRÁTICA CIVIL E EMPRESARIAL Wander Garcia, Robinson Barreirinhas e Henrique Subi SUMÁRIO ORIENTAÇÕES AO EXAMINANDO...15

Leia mais

Apontamentos históricos: lex papilia, alta idade média, Código Napoleônico etc., etc. Código Comercial de 1850 quebra (=bancarrota, falência)

Apontamentos históricos: lex papilia, alta idade média, Código Napoleônico etc., etc. Código Comercial de 1850 quebra (=bancarrota, falência) DIREITO EMPRESARIAL IV Prof. Marcelo A. Féres feresmarcelo@hotmail.com fernanda.versiani@gmail.com (estagiária de docência) 3 provas 1ª discursiva, 2ª provavelmente discursiva e 3ª fechada 2ª chamada =

Leia mais

ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO

ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO A acionista controlador 151 ALIENAÇÃO ANTECIPADA de bens - de guarda dispendiosa 51 - semoventes 50 - sujeitos à depreciação econômica 49 ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA penhorabilidade

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Processo falimentar: Fases do processo de falência. Administração

Leia mais

CURSO ON-LINE DIREITO COMERCIAL RECEITA FEDERAL PROFESSOR: YURI MACHADO

CURSO ON-LINE DIREITO COMERCIAL RECEITA FEDERAL PROFESSOR: YURI MACHADO Olá amigos! Chegamos à quarta aula do nosso curso de direito comercial para a Receita Federal. Seguindo o esquema até aqui adotado, nesta aula trataremos dos temas incluídos no item 6: Recuperação judicial

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Empresarial III

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Processo falimentar: Fases do processo de falência. Administração

Leia mais

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial. A prova foi bem elaborada e não ofereceu maiores dificuldades.

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial. A prova foi bem elaborada e não ofereceu maiores dificuldades. OAB XIV EXAME PROVA BRANCA Comentário às questões de Direito Empresarial A prova foi bem elaborada e não ofereceu maiores dificuldades. QUESTÃO 48 Paulo, casado no regime de comunhão parcial com Jacobina,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

CAPÍTULO II DA INTERVENÇÃO E SEU PROCESSO

CAPÍTULO II DA INTERVENÇÃO E SEU PROCESSO LEI Nº 6.024, DE 13 DE MARÇO DE 1974 (ver informações anexadas ao texto desta lei) Dispõe sobre a intervenção e a liquidação extrajudicial de instituições financeiras e dá outras providências O Presidente

Leia mais

LEI Nº 6.024, DE 13 DE MARÇO DE 1974 Dispõe sobre a intervenção e a liquidação extrajudicial de instituições financeiras, e dá outras providências.

LEI Nº 6.024, DE 13 DE MARÇO DE 1974 Dispõe sobre a intervenção e a liquidação extrajudicial de instituições financeiras, e dá outras providências. LEI Nº 6.024, DE 13 DE MARÇO DE 1974 Dispõe sobre a intervenção e a liquidação extrajudicial de instituições financeiras, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

EXECUÇÃO CONCURSAL - Falência e recuperação judicial e extrajudicial -

EXECUÇÃO CONCURSAL - Falência e recuperação judicial e extrajudicial - EXECUÇÃO CONCURSAL - Falência e recuperação judicial e extrajudicial - feresmarcelo@hotmail.com 06/08/2010 BIBLIOGRAFIA Lista pedir! AVALIAÇÕES Prova 1 17/09, 30pts Prof. Marcelo Féres 1. INTRODUÇÃO: APONTAMENTOS

Leia mais

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E FALÊNCIA PRAZOS NA LEI Nº 11.101/2005 OBJETO ARTIGO PRAZO

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E FALÊNCIA PRAZOS NA LEI Nº 11.101/2005 OBJETO ARTIGO PRAZO RECUPERAÇÃO JUDICIAL E FALÊNCIA PRAZOS NA LEI Nº 11.101/2005 OBJETO ARTIGO PRAZO Alienação antecipada de bens perecíveis: manifestação do comitê e do falido. 113 48:00hs Apresentação de documento compromisso

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Acrescenta o inciso I ao 1º do artigo 4º da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 Para conceituarmos restrição judicial, há de se definir restrição, que é limitação imposta ao

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM. Peça Treino 8

NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM. Peça Treino 8 Peça Treino 8 Refrigeração Nacional, empresa de pequeno porte, contrata os serviços de um advogado em virtude de uma reclamação trabalhista movida pelo exempregado Sérgio Feres, ajuizada em 12.04.2013

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 303, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Sem eficácia Texto para impressão Dispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria

Leia mais

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires A Recuperação de Empresas e a Falência no Brasil Mirella da Costa Andreola Diretora

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA

DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Da nova lei sobre recuperação judicial e falência. 2.1. Da referida

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Supervisão: Habermann Editora Capa: Kaloã Tuckmantel Habermann Diagramação: Habermann Editora Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Soluções Práticas do Dia a Dia do Advogado - Doutrina, Legislação,

Leia mais

Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1

Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1 Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1 16 MEDIDAS DE URGÊNCIA - ANTECIPAÇÃO DE TUTELA E AÇÃO CAUTELAR, 5 16.1 Medidas de urgência - considerações gerais, 6 16.2 Diferenças ontológicas entre

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS.

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. Cláusula 1ª - A Proposta de Adesão é o instrumento pelo qual o proponente, doravante denominado

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Espera-se que o(a) examinando(a) elabore ação revocatória, com fulcro no art. 130 e ss. da Lei n. o 11.101/2005: São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores,

Leia mais

DA RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

DA RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL DA RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL Renato Schenkel da Cruz SUMÁRIO: Introdução. Definição e Modalidades. Da Recuperação Meramente Homologatória. Da Recuperação Impositiva. Do Pedido; Da Legitimidade Ativa. Dos

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal PAF

Processo Administrativo Fiscal PAF Processo Administrativo Fiscal PAF Ivan Luís Bertevello www.macedosoaresebertevello.adv.br OBJETIVO O Processo Administrativo Fiscal (PAF) objetiva solucionar os conflitos surgidos entre os contribuintes

Leia mais

1. CABIMENTO DAS PEÇAS.

1. CABIMENTO DAS PEÇAS. 1. CABIMENTO DAS PEÇAS. Após o Nascimento do Tributo, mas antes do lançamento: Ação Declaratória de Inexistência da relação jurídica tributária; Mandado de Segurança Preventivo. Após a notificação do contribuinte

Leia mais

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA -

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 09 Professor: Rafael da Motta Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA

Leia mais

Alimentos e a incidência da multa

Alimentos e a incidência da multa Alimentos e a incidência da multa Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Foi recebido com grande resistência, e até com certa desconfiança, o fim do

Leia mais

Comissão de Conciliação Prévia (art. 625-A, e seguintes, CLT)

Comissão de Conciliação Prévia (art. 625-A, e seguintes, CLT) Aula 2: Direito Processual do Trabalho Comissão de Conciliação Prévia; Procedimentos, atos, termo e prazo processual. Trâmite processual até conciliação Maria Inês Gerardo Comissão de Conciliação Prévia

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NURER - NÚCLEO DE REPERCUSSÃO GERAL E RECURSOS REPETITIVOS - RESOLUÇÃO Nº 021/2012/TP

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NURER - NÚCLEO DE REPERCUSSÃO GERAL E RECURSOS REPETITIVOS - RESOLUÇÃO Nº 021/2012/TP RESP 1046768 RESP 1003530 RESP 1062648 Capitalização mensal de juros em ação revisional de contrato bancário. Possibilidade ou não de capitalização de juros mensais em contratos bancários, especialmente

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Execução Características ( ação ) Títulos executivos judiciais (fase) e extrajudiciais Art. 876, CLT Cumprimento da decisão:

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre a homologação da eleição de membros para os cargos de Administração previstos no estatuto social dos Resseguradores Locais, e dá outras providências.

Leia mais

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA 1 INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA Capítulo I Disposições gerais Art 1 o. Cabimento da

Leia mais

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O novo Código de Processo Civil revela-se positivo para atuação dos Oficiais de Justiça, pelo menos essa foi a perspectiva desde a criação do projeto.

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

ANOTAÇÃO DE AULA. E ainda, o administrador terá preferência nos honorários (crédito extraconcursal).

ANOTAÇÃO DE AULA. E ainda, o administrador terá preferência nos honorários (crédito extraconcursal). MATERIAL DE APOIO Disciplina: Direito Empresarial Professor: Elisabete Vido Aula: 17 e 18 Data: 06/10/2015 ANOTAÇÃO DE AULA SUMÁRIO 7. Falência (continuação) 7.4 Órgãos 7.5 Credores 7.6 Procedimento da

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DO INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL A lei 11.441/2007 alterou os dispositivos do CPC, possibilitando a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

Anexo Tabela única de classes da 2ª Região

Anexo Tabela única de classes da 2ª Região CLASSE 01000 AÇÕES ORDINÁRIAS Anexo Tabela única de classes da 2ª Região CORRESPONDÊNCIA NA TABELA ÚNICA DE CLASSES DO DA 01001 ORDINÁRIA / TRIBUTÁRIA 29 AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM 07 ORDINÁRIO)

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS 1. ATIVIDADES AVULSAS OU EXTRAJUDICIAIS 1.1 Consulta R$ 200,00 Consulta em condições excepcionais R$ 500,00 1.2 Hora intelectual R$ 500,00 1.3 Acompanhamento ou exame de documentos em órgão público R$

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Enunciado Pedro Régis, Bernardino Batista, José de Moura e Caldas Brandão são os únicos sócios da sociedade Laticínios Zabelê Ltda. EPP. O primeiro sócio é titular

Leia mais

Área Falência e Recuperação Judicial/Extrajudicial

Área Falência e Recuperação Judicial/Extrajudicial Área Falência e Recuperação Judicial/Extrajudicial ÁREA FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO JUDICIAL/EXTRAJUDICIAL Descrição da Descrição (apenas Ação Civil Pública 65 e Alienação Judicial de Bens 52 Alienação Judicial

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Fernando e Lara se conheceram em 31/12/2011 e, em 02/05/2014, celebraram seu casamento civil pelo regime de comunhão parcial de bens. Em 09/07/2014, Ronaldo e Luciano

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi DIREITO CIVIL NOVAÇÃO Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi Através do conteúdo que se segue, tento fazer um breve, porém proveitoso apanhado sobre a novação, principalmente no tocante à forma como o assunto

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais