NORMA. CONTROLE DE ACESSO DE PEDESTRES Código Data 1ª Revisão Nº Última Revisão Data Última Revisão Página

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA. CONTROLE DE ACESSO DE PEDESTRES Código Data 1ª Revisão Nº Última Revisão Data Última Revisão Página"

Transcrição

1 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 1 de Objetivo Definir normas específicas para o controle de acesso de pedestres, visando a implantação da Política de Segurança Comunitária da Universidade Católica do Salvador. 2. Áreas ou Processos de Aplicação Esta norma aplica-se ao todas os locais da UCSal Universidade Católica do Salvador. 3. Termos e Definições BO Boletim de Ocorrências CEDOC Centro de Documentação ECOA Centro de Ecologia e Conservação Animal NAC Núcleo de Atendimento à Comunidade NAD Núcleo de Atendimento ao Discente NPJ Núcleo de Prática Jurídica NS Núcleo de Segurança PAB Posto Avançado Bancário PREAM Programa de Educação Ambiental PS Prestador de Serviço PSC Política de Segurança Comunitária SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SGC Secretaria Geral de Cursos (NAD / NAC Núcleo de Assistência às Coordenações) UCSal Universidade Católica do Salvador UNAFISIO Unidade de Assistência em Fisioterapia

2 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 2 de 16 Membros da comunidade acadêmica São membros da comunidade interna, de acordo com a PSC: os alunos, professores e empregados no exercício de suas atividades na UCSal. Membros da comunidade externa - São membros da comunidade externa, os visitantes, prestadores de serviços autorizados e os usuários de serviços disponibilizados pela UCSal nas suas instalações. 4 Dispositivos da norma 4.1 Dos locais designados para o acesso de pedestres Os locais e horários designados para acesso de pedestres nas unidades da UCSal são os seguintes: Unidade Federação Lapa Pituaçu Palma Tipo de pedestre Aluno Professor Empregado Prestador de Serviços Visitantes Aluno Professor Empregado Prestador de Serviços Visitantes Aluno Professor Empregado Prestador de Serviços Visitantes Aluno Professor Empregado Prestador de Serviços Visitantes Local de Acesso Permitido Portão E1 Entrada Única Portão 2 Horário de Acesso Permitido Seg. a Sex. 6h30min às 22h Sáb. 6h30min às 17h. Seg. a Sex. 6h30min às 22h Sáb. 6h30min às 13h. Seg. a Sex. 6h30min às 22h Sáb. 6h30min às 17h. Recepção Seg. a Sex. 8h às 12h e das 13h às 17h. Parágrafo único o acesso fora dos horários aqui estabelecidos, somente será possível mediante autorização do Governo da UCSal, desde que seja requerido à Administração Geral da universidade através de comunicação formal, com antecedência mínima de 2 (dois)dias úteis, e que a atividade desenvolvida guarde correlação com as finalidades a que se propõe a Universidade.

3 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 3 de Da forma de controle de acesso adotada Serão adotadas as formas de controle de acesso de pedestres listadas a seguir para cada unidade: I. Unidades controladas por catracas eletrônicas Federação, Lapa, Pituaçu, II. Unidade com Controle de Acesso Manual Palma III. Unidades controladas por câmeras e sensores de presença Instituto de Música, Campo Grande, Centro Gerencial (Unidades Desativadas) IV. Unidade com Controle de Acesso à Cargo do Locatário Garibaldi 4.3 Do uso de cartões magnéticos nas catracas eletrônicas O uso de cartões magnéticos é aplicável a alunos, professores, empregados, PS, visitantes, e demais pedestres que tenham acesso as unidades com catraca eletrônica Dos tipos de Cartão Magnético I. Cartão ALUNO II. Cartão PROFESSOR III. Cartão EMPREGADO IV. Cartão VISITANTE V. Cartão EXTENSÃO E CONVÊNIOS VI. Cartão BIBLIOTECA VII. Cartão PRESTADORA DE SERVIÇOS Do cartão magnético de alunos O acesso de alunos se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo ALUNO de acordo com o modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos Para alunos de primeira matrícula, o acesso se dará por meio de cartão magnético com a nomenclatura VISITANTE, entregue pela SGC no ato da matrícula e com prazo de validade de 05 (cinco) dias úteis, contados a partir do primeiro dia de aula O aluno utilizará este cartão VISITANTE até o recebimento do cartão definitivo que terá nomenclatura ALUNO.

4 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 4 de A confecção dos cartões magnético ALUNO ficará sob responsabilidade da SGC em todos os campi, sendo que o prazo de 05 (cinco) dias úteis para entrega iniciará a partir do início das aulas Após os 05(cinco) dias úteis o cartão para aluno de nomenclatura VISITANTE será automaticamente bloqueado. Caso o cartão definitivo ainda não esteja pronto, o aluno deverá solicitar junto à SGC a prorrogação do seu período de acesso Caso o aluno não consiga acesso com o cartão VISITANTE será necessária a apresentação por parte do aluno do comprovante de matrícula e documento com foto ao Núcleo de Segurança para regularização Para os alunos veteranos, os cartões magnéticos de acesso permanecerão os mesmos, não haverá substituição semestralmente Depois de decorrido o prazo de 05(cinco) dias, o cartão magnético tipo ALUNO, em sua versão definitiva será entregue na SGC. No ato da entrega do cartão definitivo de ALUNO, o cartão de VISITANTE provisório deverá ser devolvido Em caso de perda, roubo ou extravio ou danos, do cartão de VISITANTE ou do cartão definitivo ALUNO, o mesmo deverá comunicar imediatamente ao Núcleo de Segurança, que realizará o bloqueio do cartão, efetuará o registro em livro de ocorrências e emitirá o BO em duas vias. O aluno deverá dirigir-se à SGC, de posse de sua via do BO para solicitar a segunda via do cartão de ALUNO O aluno efetuará o pagamento da segunda via expedida de acordo as normas internas de pagamento. O valor constará na Tabela de Serviços Administrativos e Financeiros disponível no site da instituição O aluno receberá um cartão de acesso tipo VISITANTE com o prazo de 5(cinco) dias úteis, que coincide com prazo de recebimento da 2ª via do seu cartão tipo ALUNO. Ao recebimento do seu novo cartão, o cartão VISITANTE deverá ser devolvido A entrega do novo cartão será na SGC Independente se a perda do cartão magnético deu-se dentro ou fora das dependências da UCSal, o procedimento será o mesmo O aluno assinará um Termo de Responsabilidade no ato do recebimento do cartão (na matrícula, na entrega de cartões novos ou na segunda via) Em caso de esquecimento do cartão por parte do aluno o mesmo deverá identificar-se no Núcleo de Segurança e receber um cartão de VISITANTE para acesso no referido dia.

5 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 5 de O Núcleo de Segurança acompanhará os casos reincidentes de esquecimento do cartão e estará notificando a SGC para as devidas providências Em caso do aluno não estar de posse do seu cartão magnético de acesso e de nenhum documento válido, o Núcleo de Segurança para liberar o acesso ao campus, deverá efetuar o registro no livro de ocorrências e identificar o aluno no sistema informatizado da universidade, por meio de fornecimento de nome completo ou número de matrícula do aluno Do cartão magnético de empregados O acesso de empregados se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo EMPREGADO de acordo com o modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos Durante o processo da contratação do empregado será entregue pelo Núcleo de Recursos Humanos um cartão magnético do tipo EMPREGADO, que terá validade enquanto durar o seu vínculo funcional com a instituição O cartão magnético dos empregados deve ser mantido em local visível, uma vez que tem as funções adicionais de identificação funcional e cartão para registro de frequência Em caso de perda, roubo ou extravio ou danos, do cartão, o empregado deverá comunicar imediatamente ao Núcleo de Segurança, que realizará o bloqueio do cartão, efetuará o registro em livro de ocorrências e emitirá o BO em duas vias. O empregado deverá dirigir-se ao RH, de posse de sua via do BO para solicitar a segunda via do cartão de EMPREGADO O custo da segunda via solicitada será descontado no contracheque do empregado conforme observado no Anexo 03 - Fluxograma de Cartão de Acesso de Empregados. O valor constará na Tabela de Serviços Administrativos e Financeiros disponível no site da instituição O empregado receberá um cartão de acesso tipo VISITANTE com o prazo de 05 (cinco) dias úteis, que coincide com prazo de recebimento da 2ª via do seu cartão tipo EMPREGADO. Ao recebimento do seu novo cartão, o cartão VISITANTE deverá ser devolvido Independente se a perda do cartão magnético deu-se dentro ou fora das dependências da UCSal, o procedimento será o mesmo A entrega da 2ªvia será no RH.

6 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 6 de O empregado assinará um Termo de Responsabilidade no ato do recebimento do cartão (na admissão, na entrega de cartões novos ou na segunda via) Em caso de esquecimento do cartão por parte do empregado o mesmo deverá identificar-se no Núcleo de Segurança e receber um cartão de VISITANTE para acesso no referido dia O Núcleo de Segurança acompanhará os casos reincidentes de esquecimento do cartão e estará notificando o RH para as devidas providências Em caso do empregado não estar de posse do seu cartão magnético de acesso e de nenhum documento válido, o Núcleo de Segurança para liberar o acesso ao campus, por intermédio exclusivo do seu supervisor, deverá efetuar o registro no livro de ocorrências e o contato para liberação com chefia direta do empregado ou do setor de destino Do cartão magnético de professores O acesso de professores se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo PROFESSOR, de acordo com o modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos Para os professores celetistas, durante o processo da contratação será entregue pelo Núcleo de Recursos Humanos um cartão magnético do tipo PROFESSOR, que terá validade enquanto durar o seu vínculo funcional com a instituição O cartão magnético do professor celetista deve ser mantido em local visível, uma vez que terá as funções adicionais de identificação funcional Em caso de perda, roubo, extravio ou danos, do cartão, o professor deverá comunicar imediatamente ao Núcleo de Segurança, que realizará o bloqueio do cartão, efetuará o registro em livro de ocorrências e emitirá o BO em duas vias. O professor deverá dirigir-se ao NAD, de posse de sua via do BO para solicitar a segunda via do cartão de PROFESSOR O custo da segunda via solicitada será descontado em seu contracheque, conforme observado no Anexo 02 - Fluxograma de Cartão de Acesso de Professor. O valor constará na Tabela de Serviços Administrativos e Financeiros disponível no site da instituição O professor receberá um cartão de acesso tipo VISITANTE com o prazo de 5 dias úteis, que coincide com prazo de recebimento da 2ª via do seu cartão tipo

7 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 7 de 16 PROFESSOR. Ao recebimento do seu novo cartão, o cartão VISITANTE deverá ser devolvido Independente se a perda do cartão magnético deu-se dentro ou fora das dependências da UCSal, o procedimento será o mesmo A entrega da 2ªvia será no NAD O professor assinará um Termo de Responsabilidade no ato do recebimento do cartão (na admissão, na entrega de cartões novos ou segunda via) Em caso de esquecimento do cartão por parte do professor o mesmo deverá identificar-se no Núcleo de Segurança e receber um cartão de VISITANTE para acesso no referido dia O Núcleo de Segurança acompanhará os casos reincidentes de esquecimento do cartão e informará à coordenação do curso Os cartões magnéticos de professores enquanto estiverem vinculados à Universidade, mesmo que sem remuneração, permanecerão válidos Em caso do professor não estar de posse do seu cartão magnético de acesso e de nenhum documento válido, o Núcleo de Segurança para liberar o acesso ao campus, deverá efetuar o registro no livro de ocorrências e o contato para liberação junto à Coordenação do Curso ou ao NAC Núcleo de Assistência às Coordenações Professores substitutos, convidados, de pós-graduação e de cursos de curta duração, entrarão com o cartão do tipo VISITANTE, conforme descrito no item deste documento Do cartão magnético de visitante O acesso de visitantes se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo VISITANTE, conforme modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos O cartão de visitante tem como finalidade principal controlar o acesso de pedestres que tem vínculo temporário com a UCSal Dos tipos de visitantes São considerados visitantes para efeito de emissão de cartão do tipo VISITANTE: I. Alunos não matriculados; II. Ex-Alunos;

8 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 8 de 16 III. Alunos dos cursos de extensão de curta duração (até 3 meses); IV. Professores substitutos, convidados, de pós-graduação, de cursos de extensão de curta duração (até 3 meses); V. Fornecedores; VI. Prestadores de Serviço Eventual (Ex.: manutenção, instalações, etc); VII. Outros transeuntes com finalidade de uso dos serviços e atividades oferecidos ou permitidos pela UCSal, não previstos em outras situações Das informações necessárias para cadastro e emissão de cartões de visitantes O cartão magnético de visitante será entregue pelo Núcleo de Segurança, mediante o registro dos seguintes dados: I. Nome completo conforme verificação em documentação com foto válida em todo território nacional; II. RG/CPF conforme verificação em documentação válida em todo território nacional; III. Tipo de visitante; IV. Finalidade da visita; V. Data e hora do acesso Dos professores equiparados a visitantes São professores equiparados a visitantes no que tange ao controle de acesso os professores substitutos, convidados, de pós-graduação e de cursos de Extensão de curta duração (até 3 meses). E por isso esses professores seguirão as seguintes normas: I. Para os professores substitutos e professores convidados, será entregue o cartão magnético tipo VISITANTE, no ato de sua apresentação ao Núcleo de Segurança com a sua devida identificação. II. O acesso para professores dos cursos de extensão com curta duração e de pós -graduação, se dará mediante comunicação prévia das respectivas Coordenações ao Núcleo de Segurança. Será entregue o cartão magnético tipo VISITANTE, no ato de sua apresentação ao Núcleo de Segurança com a sua devida identificação Do cartão magnético do tipo Extensão e Convênios

9 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 9 de O acesso de pedestres com destino às atividades de Extensão e Convênios se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo Extensão e Convênios, conforme modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos O cartão de Extensão e Convênios tem como finalidade principal controlar o acesso de pedestres que usufruirão das atividades oferecidas pelas unidades de Extensão e Convênios Dos tipos de atividades de Extensão e Convênios São considerados pedestres para emissão do cartão magnético de Extensão e Convênios: I. Pacientes e acompanhantes com destino à UNAFISIO; II. Escritório Modelo de Advocacia; III. Juizados (inclusive os servidores); IV. ECOA; V. SEBRAE; VI. SENAI; VII. PREAM; VIII. PAB; IX. NPJ Das informações necessárias para cadastro e emissão de cartões de Extensão e Convênios O cartão magnético de Extensão e Convênios será entregue pelo Núcleo de Segurança, mediante o registro dos seguintes dados: I. Nome completo conforme verificação em documentação com foto válida em todo território nacional; II. RG/CPF conforme verificação em documentação válida em todo território nacional; III. Tipo de visitante; IV. Finalidade da visita; V. Data e hora do acesso Os prepostos que trabalham nas unidades conveniadas terão acesso com cartão do tipo VISITANTE com prazo determinado, renovado semestralmente, mediante seu cadastro realizado junto à Administração Geral da universidade.

10 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 10 de Do Cartão magnético de Biblioteca O acesso de pedestres de Biblioteca se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo BIBLIOTECA, conforme modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos O cartão de Biblioteca tem como finalidade principal controlar o acesso de pedestres da comunidade externa que farão uso das dependências de biblioteca Das informações necessárias para cadastro e emissão de cartões de Biblioteca O cartão magnético do tipo BIBLIOTECA será entregue pelo Núcleo de Segurança, mediante o registro dos seguintes dados: I. Nome completo conforme verificação em documentação com foto válida em todo território nacional; II. RG/CPF conforme verificação em documentação válida em todo território nacional; III. Tipo de visitante; IV. Finalidade da visita; V. Data e hora do acesso Do Cartão magnético de Prestador de Serviço O acesso de Prestadores de Serviço se dará através da catraca eletrônica, mediante a utilização de cartão magnético do tipo PRESTADORA DE SERVIÇOS, conforme modelo apresentado no Anexo 09 Modelos de Cartões Magnéticos O cartão do tipo Prestadora de Serviços tem como finalidade principal controlar o acesso de pedestres que tem relação contratual com a UCSal, com validade de acordo com a vigência do respectivo contrato Em caso de perda, roubo, extravio ou danos do cartão, o prestador deverá comunicar imediatamente ao Núcleo de Segurança, que realizará o bloqueio do cartão, efetuará o registro em livro de ocorrências e emitirá o BO em duas vias O custo da segunda via solicitada será pago pelo prestador, conforme observado no Anexo 04 - Fluxograma de Cartão de Acesso de Prestadoras de Serviço. O valor constará na Tabela de Serviços Administrativos e Financeiros disponível no site da instituição Até o recebimento da 2ª via do seu cartão tipo PRESTADORA DE SERVIÇOS, o prestador terá acesso como visitante.

11 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 11 de Independente se a perda do cartão magnético deu-se dentro ou fora das dependências da UCSal, o procedimento será o mesmo Ao final da prestação do serviço o cartão deverá ser devolvido à Administração Geral da Universidade. 4.4 Catracas Livres Das unidades sujeitas à operação catraca livre As catracas estarão funcionando sem restrições de acesso às dependências da Universidade, nos campi de Federação, Lapa ou Pituaçu Das situações em que serão permitidas a operação catraca livre É permitida a operação catraca livre nas seguintes situações: I. Eventos previamente autorizados pelo Governo da UCSal, relacionados à locação ou cessão do espaço pela Universidade, tais como: concursos, vigílias, seminários e eleições; II. Em casos de mau funcionamento das catracas que inviabilize a operacionalização das rotinas diárias; III. Em caso de falta de energia. 4.5 Unidade com Controle de Acesso Manual A unidade de Palma realizará controle de acesso manual na recepção. O empregado da unidade, responsável pela recepção de visitantes, deverá lançar em sistema os seguintes dados do visitante, fornecedor ou prestador eventual: I. Nome completo conforme verificação em documentação com foto válida em todo território nacional; II. RG/CPF conforme verificação em documentação válida em todo território nacional; III. Tipo de visitante; IV. Finalidade/Setor da visita; V. Data e hora do acesso Para os empregados, visitantes / prestadores de serviço ou professores não haverá a necessidade deste controle manual.

12 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 12 de Unidades controladas por câmeras e sensores de presença Instituto de Música, Campo Grande, Centro Gerencial (Unidades Desativadas) As unidades de Instituto de Música, Campo Grande, Centro Gerencial estão desativadas para uso de público externo, desta forma, o acesso a essas unidades ocorre apenas para manutenções periódicas com prévia autorização da Administração Geral da universidade. 4.7 Dos requisitos para acesso de pedestres Requisitos gerais São requisitos gerais para a liberação de acesso aos pedestres: I. Utilização do acesso designado especificamente para pedestres; II. Utilização de trajes adequados III. Ter por finalidade de acesso o uso dos serviços para a comunidade interna e externa de que dispõe a PSC, exercendo, portanto atividades em consonância com as atividades desenvolvidas pela UCSal; IV. Portar seu cartão magnético ou apresentar documentação de identificação pessoal válida em todo território nacional com foto; V. Autorização por escrito expedida pelo Governo da UCSal, nos casos aplicáveis (Acesso depois do horário de expediente, entrada e saída de material, fornecedores mediante conferência de Nota Fiscal e encaminhamento ao setor responsável, eventos internos e externos) Dos requisitos específicos para acesso fora dos horários regulares de funcionamento Para liberação de acesso fora dos horários regulares de funcionamento deve ser exigida a autorização por escrito expedida pelo Governo da UCSal. Esta autorização será deixada no Núcleo de Segurança para consulta no momento da chegada e apresentação do transeunte Dos requisitos específicos para entrada de cães-guia Os cães-guia terão acesso permitido, quando atendidos os seguintes critérios, conforme legislação específica:

13 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 13 de 16 I. Estar equipado com coleira, guia e arreio com alça; II. O dono portar carteira de identificação; III. O cão portar em seu pescoço a plaqueta de identificação Dos requisitos específicos para entrada de autoridades públicas O acesso de autoridades públicas deverá ser sempre permitido quando estes se encontrarem em missão oficial, acatando sua carteira de identificação profissional e o documento de identificação da missão da qual estão encarregados. As exceções à esta regra são: I. Os policiais militares fardados não necessitam de identificação adicional obrigatória; II. Autoridades públicas de Estado poderão ser apresentados pelos oficiais de ordem que os acompanham; III. Oficiais de justiça não tem obrigatoriedade de dar informações sobre destino e destinatário da sua missão; IV. Qualquer oficial que declare estar em segredo de justiça deve ser liberado sem nenhum registro de informação além de sua carteira profissional Dos requisitos específicos para entrada de membros da imprensa O acesso será mediante consulta prévia ao setor de Comunicação Social e o acesso dar-se-á com cartão magnético VISITANTE, seguindo todos os procedimentos cabíveis para este tipo de cartão Dos requisitos específicos para entrada de crianças As crianças só poderão ter acesso às dependências da UCSal quando acompanhadas de seus responsáveis e desde que não tenham como destino pretendido as seguintes áreas: I. Laboratórios; II. CEDOC; III. Depósitos de qualquer natureza; IV. Canteiros de Obras; V. Área técnicas de: Geradores, Reservatórios de Água, Exaustores, Ar- Condicionados, Sub-estações de energia, Vestiários.

14 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 14 de Dos motivos de vedação de acesso Vedações de animais É vedado o acesso de animais às dependências da UCSal, exceto os cães-guia e aqueles mantidos e/ou utilizados nos laboratórios para fins de atividade didáticas Vedações de acesso de pedestres Serão vedados os acessos de pedestres: I. Pelos portões de acessos de veículos; II. Em trajes inadequados; III. Portando armas de fogo ou brancas, exceto nas seguintes situações: - Armas Brancas: Jardineiro ou Prestador de Serviço de Jardinagem (Harmonia ou Sub-contratação) - Armas de Fogo: Policiais (Civis, Militares, Federais, Rodoviários Federais), Juizes, Promotores, Seguranças de Carro-forte, Vigilantes do Banco. IV. Acompanhados de animais; V. Com finalidade de comercialização de qualquer tipo de produto ou serviço não autorizado pelo Governo da UCSal; VI. Quando forem ex-membros da comunidade acadêmica desligados da Instituição de forma litigiosa; VII. Com finalidade de atividades publicitárias não permitidas pela UCSal. (Exemplos: Políticas, Eventos festivos que não tenham interesse cultural ou acadêmico, concorrentes, etc.) 5.Documentos de Referência PSC Política de Segurança Comunitária Lei de 1983 Lei do Vigilante Estatuto da Universidade Católica do Salvador Resolução Banco Central de 1994 Ato UCSal nº 0361 de 2008 Portaria da DPF nº 3258, de 2013 Segurança Orgânica 6.Anexos Anexo 01 Fluxograma Cartão de Acesso de Alunos

15 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 15 de 16 Anexo 02 Fluxograma Cartão de Acesso de Professor Anexo 03 Fluxograma Cartão de Acesso de Empregados Anexo 04- Fluxograma Cartão de Acesso de Prestadoras de Serviços Anexo 05 - Fluxograma Acesso de Prepostos de Unidades Conveniadas Anexo 06 - Fluxograma Controle de Acesso Manual Campus da Palma Anexo 07 - Fluxograma Autorização de Acesso fora do Horário Estabelecido Anexo 08 - Fluxograma Acesso de Pedestres na Recepção/Portaria Anexo 09 Modelos de cartões magnéticos

16 NOR.GERAD /07// /07//2015 Página 16 de Vigência Esta norma entrará em vigor a partir da data da sua publicação, prevalecendo sobre dispositivos anteriores que tratem sobre a sua matéria.

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições, PORTARIA/PRESI N. 650-174 DE 05.04.2005 Dispõe sobre o Serviço de Controle de Acesso SCA no Tribunal. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO, no uso de suas atribuições, CONSIDERANDO

Leia mais

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada).

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa

Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa Estabelece normas e procedimentos para o controle do acesso de pessoas e de veículos às instalações do IFPB Campus João

Leia mais

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda.

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Portaria Conjunta CGA/CPM - 1, de 27-11-2012 Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Os Coordenadores da Coordenadoria Geral de Administração

Leia mais

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). RESOLUÇÃO Nº 001/2012 DA DIREÇÃO GERAL Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). O Diretor Geral, no uso de suas atribuições, resolve disciplinar as normas

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 4 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca das Faculdades MAGSUL, objetivando sempre o aperfeiçoamento

Leia mais

NORMA E PROCEDIMENTO

NORMA E PROCEDIMENTO Página 1/ 7 1. FINALIDADE Estabelecer e disciplinar os procedimentos de utilização do crachá nas dependências do Centro de Pesquisa René Rachou - CPqRR. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores, pesquisadores,

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010.

INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO Nº 15, DE 17 DE AGOSTO DE 2010. A PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE, no uso das atribuições que

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 45/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 PROCESSO Nº 23199.000547/2012-82

RESOLUÇÃO Nº 45/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 PROCESSO Nº 23199.000547/2012-82 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 45/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o regulamento das bibliotecas dos câmpus

Leia mais

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este documento tem por finalidade formalizar e instituir as normas de utilização da biblioteca, no que tange aos produtos e serviços oferecidos pela

Leia mais

REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS

REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS Este regulamento visa estabelecer padrões e normas para o funcionamento das Bibliotecas das Unidades de Ensino mantidas pela PITÁGORAS, objetivando sempre o aperfeiçoamento dos

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA - UNILUS Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento do Sistema de Bibliotecas do Centro Universitário Lusíada

Leia mais

Manual de uso e Regras da Biblioteca

Manual de uso e Regras da Biblioteca Manual de uso e Regras da Biblioteca A Biblioteca é parte integrante do processo educativo da ETEC Dr. Emílio Hernandes Aguilar, de forma a alcançar o desenvolvimento das competências de informação, ensino,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço nº 7 em 7/7/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre o controle de acesso, a utilização de crachá e a proteção das dependências internas no âmbito

Leia mais

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa.

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CECÍLIA MEIRELES FACULDADE METROPOLITANA Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca Cecília Meireles da Faculdade Metropolitana,

Leia mais

PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA N.º 989, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema de Controle de Acesso às instalações da Procuradoria da República no Estado de São Paulo e dá outras providências. A PROCURADORA-CHEFE

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL DA NATUREZA Art. 1º - A Biblioteca do Colégio Catarinense, apresentando características inovadoras, alicerçada no conhecimento e na qualidade na prestação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF. RESOLUÇÃO CONSUN 8/2015 ALTERA O REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN, no uso das atribuições que lhe confere o art. 14,

Leia mais

TÍTULO I DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA

TÍTULO I DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA S u m á r i o DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA... 2 DO FUNCIONAMENTO... 3 DO USUÁRIO... 3 DAS INSCRIÇÕES... 4 DA CONSULTA... 4 DO EMPRÉSTIMO, RESERVA E DEVOLUÇÃO... 5 DAS SANÇÕES... 6 DO EXTRAVIO E DANOS...

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DAMA E FACULDADE DAMA Regulamento Biblioteca DAMA

ESCOLA TÉCNICA DAMA E FACULDADE DAMA Regulamento Biblioteca DAMA ESCOLA TÉCNICA DAMA E FACULDADE DAMA Regulamento Biblioteca DAMA 1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca DAMA é um órgão suplementar da Escola Técnica DAMA e Faculdade DAMA, com regulamento próprio, conforme

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referente ao funcionamento da Biblioteca da Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, objetivando

Leia mais

Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim

Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim Normas de Utilização e de Funcionamento da Biblioteca Campus Cachoeiro de Itapemirim Título I Disposições Gerais Art. 1º - As normas tem por finalidade regular o funcionamento e a utilização da Biblioteca

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS 1. OBJETIVO As presentes NORMAS DE ATENDIMENTO regulam os procedimentos para utilização do espaço físico e acervo das Bibliotecas da Estácio. 2. DEFINIÇÕES Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas utilizado

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional...

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional... SUMÁRIO 1. Registro Profissional... 2 2. Isenção de Anuidade... 3 3. Transferência de Regional... 4 4. Cancelamento de Registro (Pessoa Física)... 5 5. Reativação de Registro Profissional... 6 6. Parcelamento

Leia mais

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Institui e regulamenta o Programa de Serviço Voluntário no âmbito do Ministério Público do Estado do Piauí. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO 2015 REGIMENTO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO Título I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS

REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS REGULAMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA GETÚLIO VARGAS A Presidente da Academia de Educação Montenegro, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, tendo em vista o Regimento Interno das Faculdades

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 29/06/2011 Nova redação para o Cap. I, art.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 29/06/2011 - Nova redação para o Cap. I,

Leia mais

ETEC DE MAUÁ. 1º- A Biblioteca Central é diretamente subordinada ao Centro de Gestão Documental CGD;

ETEC DE MAUÁ. 1º- A Biblioteca Central é diretamente subordinada ao Centro de Gestão Documental CGD; REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL E DAS BIBLIOTECAS DAS ESCOLAS TÉCNICAS ESTADUAIS - ETECS E DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA - FATECS DO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO DE ACERVOS E SERVIÇOS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPA

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO DE ACERVOS E SERVIÇOS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPA , GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIBLIOTECA CENTRAL REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO DE ACERVOS E SERVIÇOS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPA Documento Elaborado pelo Corpo Técnico de

Leia mais

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares Regulamento Capítulo I Disposições preliminares Art. 1º. Este regulamento disciplina o funcionamento da Biblioteca Dr. Ranulpho Prata da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB).

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 29/06/2011 - Nova redação para o Cap. I,

Leia mais

REGULAMENTO. BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO

REGULAMENTO. BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO 1 REGULAMENTO BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO DA FINALIDADE ARTIGO 1º - A biblioteca Dr. Élcio Costa Couto da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco FASF, mantida pelas Obras Sociais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 16/2011

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 16/2011 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 16/2011 CONTROLE DE ACESSO AO EDIFÍCIO MÁRIO COVAS Macro Processo: Processo: Subprocesso Origem: Suporte Administrativo Segurança Física Unidade de Administração Nº Revisão/Data:

Leia mais

JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A:

JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A: DECRETO Nº. 245/2014 DATA: 24 de novembro de 2014 SÚMULA: Disciplina a utilização das linhas telefônicas móveis, os chamados Celulares Corporativos, e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACIT

FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACIT FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACIT TÍTULO I DAS FINALIDADES Art.1º. O presente documento tem por finalidade estabelecer normas e rotinas para o funcionamento

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD Nº

Leia mais

A qualquer usuário é permitido o acesso à Biblioteca de Saúde Pública, bem como a consulta aos seus acervos, nos dias e horários de funcionamento.

A qualquer usuário é permitido o acesso à Biblioteca de Saúde Pública, bem como a consulta aos seus acervos, nos dias e horários de funcionamento. A BIBLIOTECA DE SAÚDE PÚBLICA A Biblioteca de Saúde Pública, que integra a Rede de Bibliotecas da Fiocruz, foi criada em 1954 e tem como missão contribuir para o desenvolvimento da Saúde Pública através

Leia mais

Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS

Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS Regulamento da Biblioteca da Escola Superior da Magistratura da AJURIS Preâmbulo Ficam sujeitos a este regulamento, sem prejuízo de outras normas vigentes, todos os usuários da Biblioteca da Escola Superior

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014.

RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO GP N. 23 DE 14 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Desembargador Marcílio Medeiros. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando o exposto

Leia mais

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal.

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal. Código: MAP-ASMIL-002 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência do TJAC 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DA BIBLIOTECA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR VALADARES

Leia mais

EDITAL nº 05/2014 de 02/10/2014

EDITAL nº 05/2014 de 02/10/2014 EDITAL nº 05/2014 de 02/10/2014 O DIRETOR DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL CEL. FERNANDO FEBELIANO DA COSTA, município de Piracicaba, torna pública a abertura do Processo Seletivo para Especialização Profissional

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS KROTON EDUCACIONAL SA

REGULAMENTO INTERNO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS KROTON EDUCACIONAL SA REGULAMENTO INTERNO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS KROTON EDUCACIONAL SA CONTROLE DE REVISÕES* Editadoem: Revisado em: Revisado por: Históricoda revisão: 04/07/2014 - - Primeira versão corporativa. * As atualizações

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO Rio de Janeiro, em 07 de julho de 2014 Saúde do Trabalhador e Ecologia H uman a CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EDITA L PARA S E L EÇÃ O D E T U TOR E S A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP),

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE BÍBLICA DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS FABAD PINDAMONHANGABA, SP, 2012 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A BIBLIOTECA Função: Atender à comunidade acadêmica em suas necessidades bibliográficas

Leia mais

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca.

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo Regulamento da Biblioteca Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. Usuários da Biblioteca Alunos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. Regulamenta a utilização, manutenção e controle do Sistema de Telefonia fixa e móvel, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

Secretaria de Gestão de Pessoas

Secretaria de Gestão de Pessoas PORTARIA Nº 125, DE8DEAGOSTODE 2013 Revoga a Instrução Normativa nº 03/2008. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE : Diretor-Geral. Art.1º Fica revogada

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015.

Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO Ato nº 99/GP/TRT 19ª, de 16 de junho de 2015. Institui o porte de arma de fogo para uso dos Agentes de Segurança Judiciária

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) CAPÍTULO I DO OBJETO, ENGENHARIA E FINALIDADE Art. 1º. O presente regulamento tem como objeto o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 01/2014 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD/DIRPS

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca Liliana Gonzaga Rede Gonzaga de Ensino Superior

Regulamento Interno da Biblioteca Liliana Gonzaga Rede Gonzaga de Ensino Superior Capítulo 1 - INTRODUÇÃO Art. 1. Este regulamento visa definir normas para a prestação de serviços da Biblioteca e a utilização dos serviços oferecidos pela Biblioteca Liliana Gonzaga e Faculdade REGES

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento estabelece normas de uso e funcionamento da biblioteca do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 2013 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 2013 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 23 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO O Reitor da Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, no uso das suas atribuições

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI HOMOLOGA A PORTARIA Nº 35/13 QUE APROVOU AD REFERENDUM O REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE. O Conselho

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA SOCIAL BOLSA UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº 003/2015

PROCESSO SELETIVO DE INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA SOCIAL BOLSA UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº 003/2015 O Município de Itapemirim, Estado do Espírito Santo, por intermédio da Comissão Executiva instituída pela Portaria nº 008, de 27 de janeiro de 2015. TORNA PÚBLICO que realizará Processo Seletivo de Inscrição

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO E NORMAS

BIBLIOTECA REGULAMENTO E NORMAS BIBLIOTECA REGULAMENTO E NORMAS Taquaritinga - SP Conteúdo I n s t i t u t o T a q u a r i t i n g u e n s e d e E n s i n o S u p e r i o r TÍTULO I... 1 DO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA... 1 CAPÍTULO I...

Leia mais

Edital n.º 04/2008. Seleção para Ingresso ao Curso Técnico em Gestão Hoteleira Município de Rio Quente

Edital n.º 04/2008. Seleção para Ingresso ao Curso Técnico em Gestão Hoteleira Município de Rio Quente Edital n.º 04/2008 Seleção para Ingresso ao Curso Técnico em Gestão Hoteleira Município de Rio Quente A Secretaria de Estado da Educação SEE, por meio do Centro de Educação Profissional Sebastião de Siqueira

Leia mais

Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 -

Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 - Processo Seletivo para os Cursos de Educação Profissional Técnica de Ensino Médio - Edital 001/2016 - A Diretoria da PRACATUM Escola de Música e Tecnologias, no uso de suas atribuições e demais disposições

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa PORTARIA Nº 108-JF/RN, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. O DIRETOR DO FORO DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO: a) o aumento do número do acervo da biblioteca

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS I. Da Finalidade Art. 1º. O Sistema de Bibliotecas da Universidade São Judas Tadeu, constituídas atualmente por duas Unidades de Bibliotecas,

Leia mais

BIBLIOTECA JOÃO LÁZARO FERREIRA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO

BIBLIOTECA JOÃO LÁZARO FERREIRA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO BIBLIOTECA JOÃO LÁZARO FERREIRA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO 1. DA BIBLIOTECA Art. 1º. A Biblioteca João Lázaro Ferreira da Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás tem por finalidade reunir,

Leia mais

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade:

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade: NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA NELSON RODRIGUES, DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Capítulo 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Estas normas regulamentam o funcionamento dos laboratórios do Departamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952) PORTARIA N o 036-DMB, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Aprova as normas que regulam o comércio de armas e munições.

Leia mais

FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA EDITAL Nº 01/2016, de 15 de janeiro de 2016.

FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA EDITAL Nº 01/2016, de 15 de janeiro de 2016. FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA EDITAL Nº 01/2016, de 15 de janeiro de 2016. NORMAS DO PROCESSO SELETIVO AGENDADO PARA INGRESSO NA FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA EM 2016. A Direção da Faculdade Cesumar de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD.

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. DECRETO Nº 7.084, DE 27 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os programas de material didático e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido RESOLUÇÃO Nº. 012/2012. Homologa a Instrução Normativa do Sistema de Controle de Patrimônio - SCP Nº 01/2012 VERSÃO 01/2012, que dispõe sobre os procedimentos de controle patrimonial de bens móveis do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA Gabinete do Secretário

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA Gabinete do Secretário EDITAL CONCURSO: PRÊMIO SÃO PAULO DE LITERATURA 2016 O Secretário da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, torna público que, por um período de 45 (quarenta e cinco) dias, compreendido e entre 29 de março de

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO E CONSULTA DO ACERVO BIBLIOTECA DA FANORPI. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO E CONSULTA DO ACERVO BIBLIOTECA DA FANORPI. Capítulo I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO EMPRÉSTIMO E CONSULTA DO ACERVO BIBLIOTECA DA FANORPI Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º- A Biblioteca, presta seus serviços à comunidade acadêmica da FANORPI e região, com a intenção

Leia mais

PORTARIA Nº. 234, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº. 234, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 234, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015. O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS IBATIBA, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO, nomeado pela Portaria nº.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCRITORA MAGNÓLIA ROSA

FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCRITORA MAGNÓLIA ROSA FACULDADE FRUTAL FAF REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCRITORA MAGNÓLIA ROSA Frutal/MG 2014 1 UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDENTE: José Fernando Pinto da Costa VICE-

Leia mais

Capítulo 1 Dos termos

Capítulo 1 Dos termos Resolução n 03 do Conselho de Ensino Superior O Conselho de Ensino Superior da Faculdade Três de Maio SETREM reformula o Regulamento da Biblioteca José de Alencar e dá outras providências. Capítulo 1 Dos

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SEGUNDO SEMESTRE DE 2015 Nº 02 - VAGAS REMANESCENTES

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SEGUNDO SEMESTRE DE 2015 Nº 02 - VAGAS REMANESCENTES 1 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SEGUNDO SEMESTRE DE 2015 Nº 02 - VAGAS REMANESCENTES A Comissão Permanente de Seleção da Católica do Tocantins COSEF torna público para conhecimento, aos interessados, as

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC Secretaria de Estado da Educação - SEDUC PORTARIA SEDUC Nº 195/2016 Estabelece normas e procedimentos para o processo de matrícula na Rede Estadual de Ensino / SEE para o ano letivo de 2016, e dá outras

Leia mais

CONTRATO PARA A EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DO PRODUTOR CNA CARD

CONTRATO PARA A EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DO PRODUTOR CNA CARD Página 1 de 7 CONTRATO PARA A EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DO PRODUTOR CNA CARD NORMAS E CONDIÇÕES VIGENTES A PARTIR DE 06/03/2013. Por meio deste instrumento, de um lado a CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO IBMEC

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO IBMEC REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO IBMEC 1. Do objetivo a) Este Regulamento estabelece as normas de funcionamento e dos serviços prestados pelas Bibliotecas do Ibmec. b) As normas prescritas neste documento

Leia mais

Instituto de Engenharias e Desenvolvimento Sustentável Quadro 1 - Quadro de especificação das vagas

Instituto de Engenharias e Desenvolvimento Sustentável Quadro 1 - Quadro de especificação das vagas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) EDITAL Nº 004/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO EFETIVO DE VAGAS DA CARREIRA

Leia mais

FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA - EDITAL Nº 02/2016, de 29 de janeiro de 2016.

FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA - EDITAL Nº 02/2016, de 29 de janeiro de 2016. FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA - EDITAL Nº 02/2016, de 29 de janeiro de 2016. NORMAS DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA FACULDADE CESUMAR DE CURITIBA EM 2016. A Faculdade Cesumar de Curitiba torna públicas

Leia mais

POSTO DE ATENDIMENTO DE ARAXÁ (Biblioteca Setorial de Araxá BSA) REGULAMENTO DE USO E EMPRÉSTIMO

POSTO DE ATENDIMENTO DE ARAXÁ (Biblioteca Setorial de Araxá BSA) REGULAMENTO DE USO E EMPRÉSTIMO POSTO DE ATENDIMENTO DE ARAXÁ (Biblioteca Setorial de Araxá BSA) REGULAMENTO DE USO E EMPRÉSTIMO Estas normas disciplinam o uso do Posto de Atendimento de Araxá (Biblioteca Setorial de Araxá - BSA), bem

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira Revisão: 001 Página 1 de 11 Dispõe sobre: diretrizes, responsabilidades e procedimentos para registro, encaminhamento, devolução e formas de desfazimento de objetos perdidos e/ou achados em área da Universidade

Leia mais