Perguntas & Respostas RCCTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas & Respostas RCCTE"

Transcrição

1 sobre a no âmbito do RCCTE Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios Decreto-Lei n.º 80/2006, de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.0 Fevereiro de 2010 O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre a Certificação Energética de Edifícios Existentes com base no Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios, conforme Despacho n.º 11020/2009. Para além de um resumo ou transcrição dos aspectos previstos legalmente, a informação aqui apresentada visa esclarecer sobre a forma como a legislação está a ser implementada na prática, estando, por isso, sujeita a eventuais alterações em função da experiência adquirida e das necessárias adaptações do sistema. Pretende-se com os conteúdos deste documento uniformizar critérios de aplicação das metodologias em vigor, de forma a garantir a reprodutibilidade do trabalho da responsabilidade do Perito Qualificado. Este documento não dispensa a consulta do Despacho n.º 11020/2009 publicado em Diário da República, 2.ª série N.º de Abril de Este documento deverá ser interpretado em conjunto com as Perguntas & Respostas sobre o RCCTE (referente a edifícios novos).

2 Índice Abreviaturas... 2 A - Âmbito de aplicação... 3 B - Levantamento Dimensional... 8 C - Perdas de calor por condução através da envolvente D - Identificação e caracterização de soluções construtivas E - Ventilação F - Ganhos solares através dos vãos envidraçados G - Classe de inércia térmica H - Sistemas de colectores solares e energias renováveis I - Sistemas de climatização e preparação de AQS J - Medidas de melhoria K - Regras práticas Versão Fevereiro de

3 Abreviaturas AQS Águas Quentes Sanitárias; CE Certificado de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior; FA Fracção Autónoma; DCR Declaração de Conformidade Regulamentar; Esolar Contribuição de sistemas solares de preparação de AQS; ITE Informação Técnica de Edifícios; LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil; NT-SCE-01 Nota Técnica que define o Método de Cálculo Simplificado para Certificação Energética de Edifícios Existentes, publicada no Despacho n.º 11020/2009 de 30 de Abril; PQ Perito Qualificado no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios; RCCTE - Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios; RSECE Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização de Edifícios; SCE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios; Nic - Necessidades nominais anuais de energia útil para aquecimento; Nvc - Necessidades nominais anuais de energia útil para arrefecimento; Nac - Necessidades nominais anuais de energia para produção de águas quentes sanitárias; Ntc Necessidades globais de energia primária. Versão Fevereiro de

4 A - Âmbito de aplicação A1. No âmbito do SCE, qual deve ser a abordagem e a metodologia de cálculo a aplicar na obtenção do CE de um edifício existente? A abordagem a ter num processo de certificação energética de uma FA ou edifício existente passa por identificar inicialmente em que âmbito de aplicação este se enquadra: do RCCTE ou do RSECE. Quando se encontra no domínio de aplicação do RCCTE, poderá considerar-se o Despacho n.º 11020/2009, de 30 de Abril, que define o Método de Cálculo Simplificado para, formalizando assim a NT- SCE-01. Esta metodologia permite uma análise expedita das fracções ou edifícios para as quais não exista informação disponível que permita a aplicação integral do cálculo regulamentar daquele regulamento. A opção por recorrer às regras de simplificação previstas na metodologia definida na NT-SCE-01, não inviabiliza a caracterização detalhada de alguns dos parâmetros de acordo com o RCCTE, ou seja, o PQ poderá utilizar apenas as regras de simplificação que considere estritamente necessárias. A2. Qual a definição de edifício existente para efeitos de aplicação do SCE? Um edifício existente, para efeitos de aplicação do SCE, é um edifício cujo pedido de licenciamento ou autorização de edificação foi apresentado à entidade competente antes da entrada em vigor do SCE (Portaria 461/2007 de 5 de Junho): 1 de Julho de para o caso dos novos edifícios destinados à habitação com área útil superior a m2 e dos edifícios de serviços, novos ou que sejam objecto de grandes obras de remodelação, cuja área útil seja superior aos limites mínimos estabelecidos nos n.os 1 ou 2 do Art.º 27º do RSECE, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 79/2006, de 4 de Abril, de m2 ou de 500 m2, consoante a respectiva tipologia; 1 de Julho de 2008 para todos os edifícios novos, independentemente da sua área ou fim. A aplicação do SCE aos edifícios existentes passou a ser obrigatória a partir de 1 de Janeiro de 2009, aquando da celebração de contratos de venda e de locação, incluindo o arrendamento, e tornou mandatária a apresentação por parte do proprietário ao potencial comprador, locatário ou arrendatário do certificado emitido no âmbito do SCE. Englobam-se ainda a partir desta data os edifícios de serviços existentes, sujeitos periodicamente a auditorias, conforme especificado no RSECE. Exemplo 1: O processo de licenciamento de uma moradia unifamiliar isolada deu entrada na Câmara Municipal em 30 de Junho de Em 5 de Janeiro de 2009 foram apresentados os projectos das diferentes especialidades, tendo o processo sido aprovado, e emitido o respectivo Alvará de Construção em 19 de Março de A obra foi concluída no final do mês de Outubro de 2009, tendo sido efectuado em 2 de Novembro de 2009 o pedido da Licença de Utilização. Uma vez que o processo de licenciamento deu entrada antes da entrada em vigor do SCE (1 de Julho de 2008 para este caso em concreto), este edifício poderá ser considerado como um edifício existente no âmbito do SCE. Desta forma, o Projecto das Características de Comportamento Térmico, apesar de ter sido submetido a aprovação em 5 de Janeiro de 2009, poderá ter dado entrada para licenciamento sem que houvesse lugar à Versão Fevereiro de

5 emissão de uma DCR. Isto, obviamente, não significa que o projecto está dispensado do cumprimento do RCCTE, pois este regulamento técnico entrou em vigor 90 dias após a sua publicação (4 de Abril de 2006). Da mesma forma, no final da obra, para efeito de levantamento da Licença de Utilização, não terá de ser apresentado o CE. Em suma, todos os processos para os quais não foram emitidas DCR, não necessitarão de emissão de CE para obtenção da Licença de Utilização. Sendo um edifício existente (), a aplicação do SCE só é obrigatória aquando da celebração de contrato de venda e de locação, incluindo o arrendamento. Deste modo, enquanto a moradia em causa não for transaccionada ou arrendada não será obrigatória a emissão de um CE. Exemplo 2: O processo de licenciamento de um edifício multifamiliar, com uma área inferior a m 2, deu entrada na Câmara Municipal em 2 de Julho de Em 5 de Janeiro de 2009 foram apresentados os projectos das diferentes especialidades, tendo o processo sido aprovado, e emitido o respectivo Alvará de Construção em 19 de Março de A obra foi concluída no final do mês de Outubro de 2009, tendo sido efectuado em 2 de Novembro de 2009 o pedido da Licença de Utilização. Uma vez que o processo de licenciamento deu entrada depois da entrada em vigor do SCE (1 de Julho de 2008 para este caso em concreto), este edifício não poderá ser considerado um edifício existente no âmbito do SCE. Desta forma, o projecto de Comportamento Térmico, submetido a aprovação em 5 de Janeiro de 2009, exige a emissão da respectiva DCR. Da mesma forma, no final da obra, para efeito de levantamento da Licença de Utilização, será obrigatória a apresentação do CE. Este confirmará o que foi declarado na fase de projecto, ou introduzirá as correcções necessárias em função do efectivamente executado em obra, desde que o edifício continue a cumprir todos os requisitos do RCCTE. Neste caso a determinação do valor do Ntc que irá definir a respectiva classe energética terá de ser efectuada de acordo com o RCCTE, não sendo aplicáveis as regras de simplificação estabelecidas na NT- SCE-01. A3. Quais os tipos de edifícios existentes que estão no âmbito da aplicação do RCCTE e respectivos modelos de certificado? A metodologia estabelecida no RCCTE ou, por opção do respectivo PQ e nos casos em que seja aplicável, as simplificações estabelecidas na NT-SCE-01, são aplicáveis às seguintes categorias de edifício ou FA (Art.º 2.º do Despacho n.º 10250/2008, de 27 de Março): Habitação sem climatização (HsC), correspondente a edifícios de habitação ou fracções de edifícios de habitação que não disponham de sistema de climatização ou cujo sistema de climatização tenha uma potência térmica, correspondente à maior das potências de aquecimento ou arrefecimento ambiente, igual ou inferior a 25 kw (CE tipo A); Habitação com climatização (HcC), correspondente a edifícios de habitação ou fracções de edifícios de habitação que disponham de sistema de climatização cuja potência térmica, correspondente à maior das potências de aquecimento ou arrefecimento ambiente, seja superior a 25 kw (CE tipo C); Pequenos serviços sem climatização (PeSsC), correspondente a edifícios de serviços ou fracções de edifícios destinadas a serviços, com área útil menor ou igual a m2 Versão Fevereiro de

6 (ou 500 m2 no caso de centros comerciais, hipermercados e piscinas aquecidas cobertas) e que não disponham de sistema de climatização ou cujo sistema de climatização tenha uma potência térmica, correspondente à maior das potências de aquecimento ou arrefecimento ambiente, igual ou inferior a 25 kw (CE tipo A); De acordo com o ponto 3 do Art. 3.º do Despacho n.º 10250/2008, de 27 de Março, para o caso de edifícios existentes ou FA de edifícios existentes no âmbito do SCE, aos quais seja aplicável a metodologia estabelecida no RCCTE, podem ser objecto de emissão de CE do Tipo A ou C. A4. Caso se constate no acto da visita obrigatório em contexto da certificação de edifícios existentes, que a fracção não possui uma barreira física contínua a separar espaços que originalmente não pertenciam à área útil de pavimento, tais como sótão ou varanda fechada (passando a ser uma extensão de outro compartimento), deveremos considerar esses espaços úteis e assim considerá-los para efeito de cálculo da classe energética? De acordo com o ponto 3 da NT-SCE-01, os PQ devem recorrer sempre à melhor informação ao seu dispor, ou seja, aquela que melhor reflicta a realidade construída. Deste modo a certificação energética deverá ser aplicada à realidade efectivamente edificada e verificada no local durante a visita, e não ao que estava definido em projecto. Neste caso em concreto isto corresponde a considerar, para efeito de aplicação da metodologia preconizada no RCCTE ou, por opção do respectivo PQ e nos casos em que seja aplicável, as simplificações estabelecidas na NT-SCE-01, o sótão e a varanda fechada como área útil. Assim, a envolvente da fracção passa obrigatoriamente a integrar a barreira que separa estes espaços do exterior. A5. Verifica-se, ao consultar a Caderneta Predial Urbana, que uma fracção é de tipologia T3. Se durante a visita técnica se constatar que existem mais do que três divisões susceptíveis de serem utilizadas como quartos (escritório, uma segunda sala, ), qual a tipologia a considerar para efeitos de cálculo? A tipologia da FA em análise, a considerar para efeitos de cálculo do Nac e Na, deverá corresponder à que se verificar à data da visita. Todos os espaços passíveis de serem ocupados como quarto deverão ser contabilizados para determinação da tipologia, incluindo, por exemplo, escritórios ou segundas salas, desde que a área seja superior a 9 m 2. A6. Caso se verifique que a fracção a certificar corresponde na realidade à junção entre duas fracções (por exemplo a união entre dois apartamentos) quantos certificados devemos emitir e qual a metodologia de cálculo a aplicar? No caso da fracção a certificar englobar mais do que uma FA, tendo por esse motivo deixado de existir uma barreira contínua entre elas, pode o PQ, após ter dado conhecimento à ADENE da situação, emitir um só certificado, colocando no campo dos pressupostos e observações no final do CE, a indicação que se trata de uma fracção composta por dois apartamentos e indicando os seus artigos matriciais respectivamente. A metodologia de cálculo a aplicar continuará a ser a estabelecida no RCCTE ou, por opção do respectivo PQ e nos casos em que seja aplicável, as simplificações estabelecidas na NT-SCE- 01, considerando o conjunto das duas fracções como uma fracção única. Versão Fevereiro de

7 Caso o proprietário verifique que existam constrangimentos por parte das autoridades (por exemplo: notário no acto da escritura) ao facto de ser emitido apenas um certificado, pode o PQ emitir dois documentos diferentes (um para cada artigo) com o mesmo conteúdo, desde que descreva a situação e razões para emissão de dois ou mais certificados nos respectivos campos de pressupostos e observações. Nesta e noutras situações verificadas pelo PQ em que não exista coerência da sua análise com base na situação real e os elementos que constam no registo da Conservatória de Registo Predial, na caderneta predial ou em outros documentos necessários à transacção, deve o PQ fazer aviso formal da situação ao proprietário previamente à emissão do certificado. A7. Pretendemos certificar um edifício destinado a habitação unifamiliar. No entanto, na visita ao local verificou-se a utilização de parte da fracção para fins de serviços (cabeleireiro, clube de vídeo, mercearia, ) quantos certificados devemos emitir e qual a metodologia de cálculo a aplicar? Segundo o que está previsto no ponto 3 da NT-SCE-01,os PQ devem recorrer sempre à melhor informação ao seu dispor reflectindo a realidade construída. Deste modo, e uma vez que estamos na presença de dois espaços com utilização distinta, deveremos proceder à análise de cada um dos espaços de forma isolada e emitir dois CE. Deveremos determinar o valor do Ntc que irá definir a respectiva classificação energética para a parte da fracção que está a ser utilizada para fins de serviços (partindo do pressuposto que se trata de um PESsC) e emitir um CE referente a uma fracção de serviços. De igual modo, deveremos determinar o valor do Ntc que irá definir a respectiva classificação energética para a parte da fracção destinada a habitação unifamiliar e emitir um CE referente a uma fracção residencial. Em qualquer dos casos a metodologia a adoptar será a definida na NT-SCE-01. Nesta e noutras situações verificadas pelo PQ em que não exista coerência da sua análise com base na situação real e os elementos que constam no registo da Conservatória de Registo Predial, na caderneta predial ou em outros documentos necessários à transacção, deve o PQ fazer aviso formal da situação ao proprietário previamente à emissão do certificado. Tais situações deverão também ser explicitadas no campo de pressupostos e observações dos certificados emitidos. A8. Constata-se que a fracção a certificar é do tipo residencial e tem um sistema de climatização com uma potência instalada superior a 25 kw. Neste contexto, a certificação energética deverá ser efectuada aplicando exclusivamente a metodologia definida na NT-SCE-01, ou deverá proceder-se à certificação energética de acordo com a metodologia estabelecida no RSECE? Que valência(s) pode ter o PQ que emite o respectivo certificado? De acordo com o ponto 4 do Art.º 2.º do Despacho n.º 10250/2008, de 27 de Março, o CE a emitir no caso de edifícios residenciais existentes, por terem um sistema de climatização com uma potência térmica superior a 25 kw, será do tipo C. Quem pode emitir esses certificados são os peritos qualificados na valência RSECE - Energia ou peritos qualificados em RCCTE. No ponto 3 do Art.º 3.º do Despacho 10250/2008, de 27 de Março, é indicado que para edifícios existentes ou fracções de edifícios existentes no âmbito do SCE que sejam objecto de emissão de um CE do Tipo C, a metodologia a aplicar é a estabelecida no RCCTE ou, por opção do Versão Fevereiro de

8 respectivo PQ e nos casos em que seja aplicável, as simplificações estabelecidas na NT-SCE- 01. Desta forma, neste caso em concreto, tratando-se de um edifício residencial existente, apesar de ter um sistema de climatização com uma potência térmica superior a 25 kw, continuam a ser aplicáveis as regras estabelecidas na NT-SCE-01, não sendo necessário a aplicação do RSECE, com eventuais excepções à exigência de inspecção a equipamentos. A9. Verifica-se, ao consultar a Caderneta Predial Urbana, que a fracção se destina, por exemplo, a habitação. Se durante a visita técnica se constatar que a fracção se encontra a ser utilizada para outro fim (por exemplo, como escritório), qual o tipo de utilização a considerar para efeitos de aplicação da NT-SCE-01 e emissão de CE? O Perito Qualificado deve, por princípio, emitir um certificado que reflicta a realidade da utilização do imóvel. A coerência dessa utilização com os documentos de registo do imóvel é da responsabilidade do proprietário. Neste caso, e uma vez que a fracção, apesar de definida como residencial está a ser utilizada como escritório, o tipo de certificado a emitir será o referente a uma fracção de serviços do tipo A, caso o sistema de climatização tenha uma potência térmica inferior ou igual a 25 kw. Se o PQ constatar que o sistema de climatização instalado tem uma potência superior a 25 kw, tratando-se de uma fracção de serviços, deixará de poder aplicar a metodologia estabelecida no RCCTE e terá de passar a aplicar a metodologia prevista no RSECE, sendo o modelo de CE a adoptar o do Tipo B e terá de ser emitido por um perito RSECE-Energia. Nesta e noutras situações verificadas pelo PQ em que não exista coerência da sua análise com base na situação real e os elementos que constam nos registos ou outros documentos necessários à transacção formais (como é este caso da caderneta predial), deve o PQ fazer aviso formal da situação ao proprietário previamente à emissão do certificado. Tais situações deverão também ser explicitadas no campo de pressupostos e observações dos certificados emitidos. Recomenda-se que só após demonstração formal pelo proprietário do entendimento deste aspecto, deve o PQ proceder ao registo (pagamento da taxa) do certificado. A10. Caso numa determinada fracção ou edifício se verifique o enquadramento legal necessário à emissão de um CE classe G, sem realização de qualquer cálculo de desempenho energético, de que forma é que se deverá preencher o respectivo formulário que origina o CE? Para emissão de um CE para uma fracção ou edifício considerado como ruína ou devoluto, o PQ deverá no Passo 0, relativo à selecção do tipo de documento a emitir e registar, seleccionar a opção Ruína/Devoluto. De seguida, deverá preencher os campos que constam nos Passos 1, 2 e 3, relativos à identificação da fracção autónoma ou edifício, identificação do proprietário/promotor e caracterização da fracção autónoma ou edifício, respectivamente. Após o preenchimento destes campos, o documento estará concluído para posterior registo no SCE. Para o correcto enquadramento de uma fracção ou imóvel no conceito de ruína ou devoluto, deverá o PQ atentar ao disposto nas questões A15 e A16, das Perguntas e Respostas do SCE. Versão Fevereiro de

9 B - Levantamento Dimensional B1. Como deverá ser evidenciado pelo PQ o levantamento dimensional de uma fracção autónoma? O levantamento dimensional deve corresponder à realidade construída no momento da visita pelo PQ. Deve ser evidenciado por elementos desenhados com indicação clara da escala ou dimensões e com marcação das envolventes. Caso o PQ possua elementos de projecto devidamente actualizados (e validados no local), que traduzam com rigor as áreas dos diferentes elementos construtivos (vãos envidraçados e elementos opacos), não é necessária a apresentação de outro levantamento dimensional acessório, para além das marcações das envolventes. Caso o PQ tenha de realizar a medição das dimensões no local, deve apresentar um levantamento que traduza as áreas e dimensões dos diferentes elementos construtivos e que permita fácil interpretação. Os elementos desenhados poderão ser efectuados em programa de desenho específico (preferível) ou através de um esboço com qualidade mínima adequada para uma posterior verificação e interpretação em contexto de fiscalização. Deve o PQ ter particular atenção com a escala em que o desenho é efectuado. Nesse desenho ou esboço devem ser assinalados os diferentes tipos de envolvente, com as cores habitualmente utilizadas para esse efeito. Envolvente exterior Envolvente interior com requisitos de exterior Envolvente interior com requisitos de interior Envolvente sem requisitos Em planta identificar pavimento (com a respectiva cor) Em planta identificar cobertura (com a respectiva cor) Nota: Embora esta caracterização ocorra no âmbito de edifícios existentes, o recurso ao termo requisitos deverá ter um enquadramento igual ao descrito no Decreto-Lei 80/2006. Em qualquer caso deve resultar pelo menos os seguintes elementos: Uma planta que permita aferir a área de pavimento, bem como os desenvolvimentos lineares da envolvente opaca e indicação de ENU s quando aplicáveis; A identificação de todos os vãos envidraçados, devidamente documentados através de fotografia tirada pelo interior, O registo fotográfico de todos os compartimentos, evidenciando as suas principais características e dimensões, incluindo o pé-direito nos que são distintos; O registo fotográfico de todos os sistemas de climatização e AQS, incluindo as respectivas chapas de identificação e acessórios característicos. Versão Fevereiro de

10 B2. No caso de não dispor de nenhum elemento que sirva de referência ao pédireito, como posso evidenciar a dimensão do mesmo em situação posterior de fiscalização e no caso de não ser possível a visita ao local? Uma vez que não existe nenhum elemento que evidencie esta dimensão, poderá recorrer a uma fotografia com sobreposição de fita métrica ou de um testemunho que possibilite a extrapolação visual para a dimensão total de pé-direito, conforme ilustrado nas figuras seguintes. É aceitável o recurso a qualquer outra forma de evidência inequívoca para demonstrar estas dimensões. Este tipo de procedimento poderá ser adoptado para evidenciar as dimensões de outros elementos construtivos conforme ilustrado nas figuras seguintes. Versão Fevereiro de

11 B3. Como podem ser evidenciadas as orientações das fachadas? A orientação das fachadas poderá ser evidenciada com recurso a um qualquer software disponível na internet, como por exemplo, Google Earth, Sapo Mapas, etc. Na planta extraída deve ser identificada a fracção autónoma em análise e deve estar bem patenteada a orientação Norte. De notar que a utilização de imagens obtidas através da internet conforme acima indicado, não é aceitável para efeitos de evidência de visita ao local ou para constar no CE. B4. Em que circunstâncias é que se pode dispensar a aplicação da redução de 10% na determinação da área útil de pavimento, prevista na NT-SCE-01? De acordo com o ponto 3 da NT-SCE-01, os PQ devem recorrer sempre à melhor informação ao seu dispor, ou seja, aquela que melhor reflicta a realidade construída. Caso a opção do PQ seja a de efectuar a medição das áreas interiores úteis, compartimento a compartimento e de acordo com as regras estabelecidas no RCCTE, não terá de aplicar a redução de 10% prevista na NT-SCE-01 à área calculada. A redução de 10% prevista na NT-SCE-01, na determinação da área útil de pavimento, tem por objectivo permitir uma medição global do edifício existente ou FA, pelo interior das paredes da envolvente, sem necessidade de compartimentar essa medição. Desta forma, ao aplicar esta redução estaremos a descontar as áreas de contacto das paredes divisórias com o pavimento. Exemplo 1: Efectuando as medições de forma global, como se ilustra a figura, terá de ser aplicada a redução de 10% (A p = somatório das áreas x 0.9). A p = [11.40 x x ( )] x 0.9 = m 2 Versão Fevereiro de

12 Exemplo 2: Efectuando as medições divisão a divisão, não será necessário aplicar a redução de 10%. A p = 5.05 x x x ( ) x x x x x ( ) x x ( ) x 4.01 = m 2 Versão Fevereiro de

13 Exemplo 3: Efectuando as medições ao longo do perímetro, terá de ser aplicada de qualquer forma a redução de 10%. Por essa razão recomenda-se que ao fazer o cálculo se adicionem as espessuras das paredes divisórias intersectadas, de forma a obter um valor mais próximo do real. A p = [( ) x ( ) + ( ) x 5.50)] x 0.9 = m 2 Note-se que, neste cálculo, foi ainda desprezada a existência da reentrância devida à caixa de elevador por esta apresentar uma profundidade inferior a 1m. B5. Ao efectuar o levantamento dos vãos envidraçados é necessário separar as partes fixas das partes de correr e/ou giratórias, ou pode fazer-se a análise para cada vão na sua globalidade? O tipo de abertura (fixa, giratória ou de correr) de um vão envidraçado composto por um determinado tipo de caixilharia, de vidro e de dispositivo de protecção solar pode, em alguns casos, influenciar o valor do coeficiente de transmissão térmica a considerar no cálculo. Assim, com base no ITE50, em vãos envidraçados com caixilharia de madeira, com caixilharia metálica com corte térmico ou com caixilharia de plástico, os valores dos coeficientes de transmissão térmica não variam consoante o tipo de janela, logo poderemos analisar cada vão como um todo, independentemente das partes que o constituem. No caso dos vãos envidraçados com caixilharia metálica sem corte térmico, o coeficiente de transmissão térmica varia consoante o tipo de abertura. Por isso deverá analisar-se cada uma das partes constituintes do vão de forma isolada (por exemplo, separar a área de vão fixa da área de vão com abertura). Caso o vão em análise tenha soluções distintas (por exemplo em termos de tipo de vidro e/ou dispositivos de protecção solar), terá de se fazer a separação no número de partes distintas que constituem o vão. Versão Fevereiro de

14 Exemplo: Considerando que se trata de um vão envidraçado com caixilharia metálica sem corte térmico, com vidro duplo incolor e uma persiana de cor clara pelo exterior, deve ser feita a separação entre a parte fixa (à esquerda) e a parte giratória (à direita), às quais correspondem os coeficientes de transmissão térmica de 2.8 W/(m2.ºC) e 3.0 W/(m2.ºC), respectivamente (valores retirados do ITE50). Se estivéssemos perante uma situação de caixilharia metálica com corte térmico, com vidro duplo incolor, poderíamos tratar o vão envidraçado como um todo e teríamos, considerando uma persiana de cor clara pelo exterior, o coeficiente de transmissão térmica de 2.7 W/(m2.ºC) (valor retirado do ITE50). Versão Fevereiro de

15 C - Perdas de calor por condução através da envolvente C1. Caso não consigamos calcular com rigor o Ai e Au, existe uma forma expedita de determinar o coeficiente de redução de perdas dos espaços não úteis ( ) sem recorrer à simplificação prevista na NT- SCE-01? Efectivamente em muitos dos casos correntes, e tendo em conta que os intervalos definidos no RCCTE para os valores da relação Ai/Au são de 0 a 1, de 1 a 10 e maior que 10, o cálculo dessa relação não precisa de ser exaustivo, desde que expeditamente se identifique em que intervalo se insere, em contexto de fiscalização o perito qualificado deve evidenciar este aspecto. Sempre que o PQ consiga identificar de forma clara os tipos de espaços não úteis em contacto com o edifício ou FA que estiver a certificar, deverá investir algum do seu tempo na análise dos mesmos, conseguindo desta forma, aplicar os valores dos coeficientes de redução de perdas estabelecidos no RCCTE, em vez do valor previsto por defeito na NT-SCE-01, de 0.75, para todos os espaços não úteis (o qual é, em parte dos casos, conservador). Note-se que este valor por defeito, ao ser superior a 0.7, implica a contabilização de perdas térmicas lineares em toda a envolvente vertical interior (paredes de separação com espaços não úteis com superior a 0.7). Exemplo 1: Se estivermos a analisar uma FA inserida num edifício com três andares de habitação, que contacta com uma caixa de elevador que em cada piso contacta em três faces com FA residenciais vizinhas e a outra com a caixa de escadas (o valor de Ai será correspondente a três faces x três pisos). Já o Au dependerá apenas do contacto da caixa de elevador com o exterior ao nível da cobertura. Ora, mesmo que consideremos que a caixa de elevador se eleva um piso acima da cobertura, o valor de Ai (três pisos x três faces) será sempre superior ao valor de Au (um piso x quatro faces + a cobertura da caixa de elevador), logo a relação Ai/Au será superior a 1, por isso, considerando a situação mais desfavorável, que corresponde ao intervalo de 1 a 10, poderemos considerar para efeito de cálculo, e assemelhando a caixa de elevador a uma circulação comum, sem abertura permanente para o exterior, = 0.3. A alternativa proposta na NT-SCE-01 aponta para um = Exemplo 2: Se estivermos a analisar uma FA inserida no piso intermédio de um edifício com três andares destinados a habitação, com desenvolvimentos semelhantes, que contacta com uma circulação horizontal comum que por sua vez contacta em três faces com FA residenciais vizinhas e numa das faces com a caixa de escadas, sendo separada desta última por uma barreira física contínua. Tratando-se de um piso intermédio, e sendo os pisos semelhante, o valor de Au será igual a 0. Assim, por muito reduzido que seja o Ai, a relação Ai/Au será, o que significa que, caso se trate de uma circulação comum, sem aberturas permanentes para o exterior, o a considerar para efeito de cálculo, previsto no RCCTE, é 0. A alternativa proposta na NT-SCE-01 aponta para um = Versão Fevereiro de

16 Exemplo 3: Consideremos agora que estamos a analisar uma FA que contacta com uma varanda que foi transformada em marquise. O Ai corresponde apenas à parede de separação entre o espaço útil e a marquise, enquanto que o Au corresponde às restantes cinco faces (todas elas em contacto com o exterior). Neste caso a relação Ai/Au será claramente inferior a 1. Assim sendo, de acordo com a Tabela IV.1 do RCCTE, o valor a considerar para o coeficiente de redução de perdas desta marquise é de 0.8. A alternativa proposta na NT-SCE-01 aponta para um = Exemplo 4: Admita agora que uma FA tem em simultâneo as três situações anteriores. Aplicando a abordagem descrita anteriormente, sem recurso a cálculo exaustivo, verificou-se que os coeficientes de redução de perdas previstos no RCCTE seriam de = 0.3 para a caixa de elevador, = 0 para a circulação horizontal comum e = 0.8 para a marquise. A alternativa proposta na NT-SCE-01 seria considerar = 0.75 em simultâneo para os três espaços o que obrigaria ainda à quantificação de pontes térmicas lineares associadas às ligações com paredes em contacto com esses espaços. C2. De que forma é que deverão ser contabilizadas as pontes térmicas lineares para paredes de separação com espaços não úteis com >0.7? De acordo com o definido no RCCTE, não se contabilizam pontes térmicas lineares em paredes que separam um espaço útil de um espaço não útil adjacente desde que 0.7. Assim, sempre que se aplicar a regra de simplificação relativa ao coeficiente de redução de perdas (Quadro II do Anexo II da NT-SCE-01) e considerar que todos os espaços não aquecidos têm =0.75 será necessário quantificar as pontes térmicas lineares que envolvam as paredes da envolvente interior. A quantificação da perda linear dessas pontes deverá ser feita de acordo com a metodologia definida no RCCTE ou, se necessário, aplicando a regra de simplificação relativa às pontes térmicas lineares (Quadro III do Anexo II da NT-SCE-01) que consiste na determinação do desenvolvimento linear da ligação das paredes em contacto com os espaços não aquecidos com lajes de pavimento e cobertura e consideração de um ψ=0.75. Nos casos em que o PQ determine o coeficiente de redução de perdas dos espaços não aquecidos, nas situações em que >0.7 as pontes térmicas lineares terão de ser contabilizadas conforme descrito no parágrafo anterior. C3. Em que situações poderei assumir que um pavimento térreo não está em contacto com o solo? Como em todos os outros elementos da sua análise, o PQ deve munir-se de evidências documentais suficientes para que este aspecto seja verificável posteriormente em contexto de fiscalização. Neste caso, poderá, por exemplo, recorrer a elementos de projecto que demonstrem a existência de espaços úteis ou não úteis sob a fracção ou a fotografias que evidenciem esta mesma situação. Versão Fevereiro de

17 Caso o PQ não consiga reunir evidências de que não existem espaços sob a fracção que impeçam o contacto do pavimento desta com o solo, deverá considerar para efeito de cálculo que o pavimento está em contacto com o solo. Elemento de Projecto que evidência a existência de uma caixa de ar entre a laje térrea e o solo Fotografias que evidenciam a existência de uma caixa-de-ar entre a laje térrea e o solo Versão Fevereiro de

18 D - Identificação e caracterização de soluções construtivas D1. Como se deve proceder à caracterização das soluções construtivas opacas que constituem a envolvente da fracção ou edifício? Na definição de valores dos coeficientes de transmissão térmica superficial (U) dos elementos da envolvente da FA a certificar, os PQ deverão agir de acordo com a seguinte ordem: Recorrer à informação que melhor reflicta a realidade construída, nomeadamente peças escritas e desenhadas do projecto e fichas técnicas. No caso especifico da ficha técnica da habitação a mesma, deve estar devidamente assinada pelo Director de Obra e Dono-de-Obra. Assim, a caracterização (através de cálculo ou consulta de tabelas) poderá ser efectuada com base na informação que consta nesses elementos ou poderão até ser considerados, caso existam, os coeficientes patentes nesses documentos, desde que estes sejam coerentes com a realidade construída e verificada no local; Suportar-se em evidências recolhidas durante a visita ao local (como por exemplo, fotografias e medições que revelem a composição das soluções construtivas e que poderão ser utilizadas na respectiva caracterização térmica) e efectuar o cálculo do coeficiente de transmissão térmica. De notar que não se prevê o recurso a ensaios destrutivos para determinação ou confirmação da composição das soluções construtivas; À falta de outra informação, recorrer às publicações ITE 50 (Coeficientes de Transmissão Térmica de Elementos da Envolvente de Edifícios) ou ITE 54 (Coeficientes de Transmissão Térmica de Elementos Opacos da Envolvente dos Edifícios - Soluções Construtivas de Edifícios Antigos e Soluções Construtivas das Regiões Autónomas), do LNEC, devendo-se, para esse efeito, identificar os parâmetros necessários à consulta das respectivas tabelas; Em última instância, poderão os PQ recorrer à tabela dos valores por defeito publicadas no Anexo II do ITE 54. O PQ poderá recorrer a métodos de medição in-situ de determinação da resistência térmica. Para este efeito, poderá ser utilizado o método do fluxímetro descrito na norma ISO Esta norma recomenda a utilização da técnica de termografia para identificar as localizações mais apropriadas para aplicar o equipamento de medição - fluxímetro de calor (HFM). O uso da termografia é considerado útil enquanto método qualitativo de examinação das envolventes dos edifícios, prevendo-se a sua aplicação em concordância com a norma de ISO Esta norma estabelece como campo de aplicação da termografia a possibilidade de identificar as possíveis heterogeneidades térmicas da envolvente e revela que a técnica não será a mais adequada à determinação do nível de isolamento das soluções construtivas. Relativamente ao método definido na norma ISO 9869, está previsto que a duração mínima de teste seja de 3 dias, e que pode prolongar-se por mais do que 7 dias. D2. Em que situações é que posso afirmar que se encontra garantida a ausência de pontes térmicas planas na envolvente? A garantia de ausência de pontes térmicas planas na envolvente da FA/edifício confirma-se se as soluções construtivas que compõem os diferentes elementos da envolvente (paredes, pavimentos, coberturas) não possuem (grandes) variações de resistência térmica. A técnica Versão Fevereiro de

19 de detecção de heterogeneidades térmicas na envolvente de edifícios descrita na norma ISO 6781, a termografia, poderá ser explorada para evidenciar a existência/inexistência de irregularidades térmicas na envolvente e que constituam zonas de ponte térmica plana. Na imagem seguinte ilustra-se uma situação em que se recorreu à técnica de termografia para averiguar a ausência de pontes térmicas planas (neste caso é claramente identificável as zonas de ponte térmica plana). A ausência de pontes térmicas planas pode ser assegurada em situações de isolamento térmico contínuo pelo exterior (ETICS), paredes exteriores em alvenaria de pedra, etc.. D3. Estou a efectuar uma certificação de um edifício de habitação existente e não possuo qualquer informação sobre as envolventes opacas. Como devo evidenciar a espessura das paredes? A espessura das paredes com requisitos, podem ser evidenciadas na vistoria ao local e essa evidência deve ser documentada para constar do processo de certificação elaborado e mantido pelo PQ. Tal evidência pode ser feita, por exemplo, com recurso a fotografia com sobreposição de fita métrica, conforme ilustrado na figura seguinte. Versão Fevereiro de

20 D4. E no caso dos vãos envidraçados, como posso determinar a espessura dos mesmos? Para efeitos de aferição de espessuras de vidros, o PQ deverá recorrer à informação que melhor reflicta a realidade construída, nomeadamente peças escritas e desenhadas do projecto e fichas técnicas. Adicionalmente, poderá o PQ recorrer a compassos de medição ou a uma régua que permite determinar, por reflexão no próprio vidro, a espessura do mesmo (de acordo com o ilustrado abaixo). Caso o vidro seja duplo, deverão ser efectuadas as medições pelo interior e pelo exterior (sempre que possível). Também para a solução de vidro duplo, a espessura da caixa-de-ar poderá ser obtida após a medição da espessura total do vidro com o recurso a instrumentos adequados para o efeito, tal como o que se ilustra de seguida. A diferença entre a espessura total do envidraçado e as espessuras dos vidros interior e exterior, corresponderá à espessura da caixa-de-ar. D5. Na caracterização de uma solução de envolvente opaca, se me for dito por parte do proprietário ou construtor, que a parede exterior dispõe de isolamento térmico com determinada espessura, como devo considerar esta situação no cálculo de U da solução? Para efeitos de cálculo de U da presente solução, caso sejam fornecidos elementos comprovativos da constituição da solução, como seja a ficha técnica da habitação devidamente Versão Fevereiro de

21 autenticada pelo promotor imobiliário e técnico responsável de obra, ou fornecidos desenhos de pormenor da solução construtiva devidamente autenticados pela entidade licenciadora, poderá ser considerado no cálculo de U a existência de isolamento na solução construtiva, desde que estes sejam coerentes com a realidade construída e verificada no local; No caso de não existirem evidências que permitam comprovar a existência de isolamento, o mesmo não poderá ser considerado no cálculo de U da solução. Versão Fevereiro de

22 E - Ventilação E1. Que regras/critérios devo aplicar para definir se o edifício se encontra no interior de uma zona urbana, periferia da mesma ou zona rural ou zona muito exposta? Quando estamos a efectuar o cálculo das perdas térmicas associadas à renovação de ar é necessário avaliar o nível de rugosidade da zona em que insere o edifício. Este parâmetro, no RCCTE, combinado com a altura do ponto médio da fachada relativamente ao solo, e da localização do edifício (Zona A ou B), possibilita a determinação da classe de exposição ao vento. Na realidade, o nível de rugosidade morfológica do terreno, por si só, já é caracterizadora da exposição do edifício ou fracção do edifício ao vento. De facto ao considerar o edifício situado no interior de uma zona urbana (Rugosidade I) estáse a assumir que existem diversos obstáculos em volta do edifício em análise que reduzem de forma significativa a sua exposição ao vento. Ao considerar o edifício situado na periferia de uma zona urbana ou numa zona rural (Rugosidade II) está-se a assumir que os obstáculos existentes que possam atenuar a exposição ao vento são mais reduzidos que na situação anterior. Quando se considera o edifício situado em zonas muito expostas (sem obstáculos que atenuem o vento) (Rugosidade III), está-se a assumir que praticamente não existem obstáculos nas mediações do edifício ou fracção do edifício em análise e que por esse motivo ele está bastante exposto à acção do vento. Ou seja, a análise a efectuar para determinação da rugosidade deverá ter em conta esta maior ou menor densidade de obstáculos nas mediações do edifício ou FA em análise e não, de forma directa, a localização no interior ou periferia de uma zona urbana, numa zona rural, ou numa zona muito exposta. Exemplo 1: Se estivermos a analisar uma FA inserida num edifício localizado na periferia de uma zona urbana, num local com uma grande densidade de construção, deveremos considerar, para efeito de cálculo das perdas por ventilação, que o edifício se encontra numa zona com grande densidade de obstáculos que atenuam o vento, ou seja, Rugosidade I (correspondente a edifício no interior de uma zona urbana). Exemplo 2: Se o edifício em análise estiver no limite de uma zona urbana (no último alinhamento de edifícios de uma determinada zona) em que se encontra exposto em apenas um dos lados poderá considerar-se Rugosidade II. Versão Fevereiro de

23 E2. Ao efectuar o cálculo das perdas associadas à renovação de ar, depois de confirmar a existência de ventilação mecânica, é necessário verificar/contabilizar a contribuição das infiltrações (parcela V x V )? Se o PQ tiver acesso a toda a informação necessária à aplicação da metodologia de cálculo preconizada no RCCTE, nomeadamente caudais extraído e insuflado, deverá efectuar a análise prevista neste regulamento, verificar a necessidade de contabilização da parcela relativa às infiltrações V x V e efectuar o cálculo respectivo. Caso o PQ tenha de utilizar, à falta de informação mais detalhada, a regra de simplificação estabelecida na NT-SCE-01, que prevê a contabilização de um caudal de 100m 3 /h por cada ventilador, não terá de efectuar o cálculo da parcela relativa às infiltrações. De notar que o valor de Rph utilizado para efeito de cálculo não poderá ser inferior a 0,6 h -1, respeitando assim a taxa de referência prevista no RCCTE. Exemplo 1: O PQ verifica, na visita à FA a certificar, a existência de ventilação mecânica, certificando-se que os ventiladores se encontram em bom estado de conservação e em funcionamento contínuo. O volume interior útil da FA é de 250m 3. O PQ obtém, por parte do proprietário, o projecto de instalação do sistema de ventilação com a descrição das respectivas características. Para efeitos de cálculo, o PQ deve proceder tal como descrito na metodologia de cálculo definida pelo RCCTE, verificando a necessidade de contabilizar infiltrações e efectuando o cálculo das mesmas. Exemplo 2: O PQ verifica, na visita à FA a certificar, a existência de ventiladores de extracção em duas das três instalações sanitárias existentes, certificando-se que os ventiladores se encontram em bom estado de conservação e em funcionamento contínuo. O volume interior útil da FA é de 250 m 3. O PQ não obtém, por parte do proprietário, qualquer projecto de instalação do respectivo sistema, nem fichas técnicas dos equipamentos. Neste caso poderá o PQ aplicar a regra de simplificação proposta pelo Anexo IV. Assim: Rph Caudal Volume FA ,8h 250 Neste caso já não terá de fazer qualquer verificação relativamente à existência ou não de infiltrações. NOTA: Se o volume interior útil da FA em causa fosse de 350 m3, então o valor de Rph obtido seria 0,57, pelo que de acordo com o RCCTE o valor a aplicar no cálculo seria o de 0,6 h E3. Caso exista um sistema de ventilação comum cuja alimentação seja feita pelo quadro de serviços comuns, como considerar no cálculo o valor da potência dos ventiladores? Neste caso, o PQ deve proceder à semelhança das situações em que os ventiladores são alimentados a partir do quadro eléctrico da fracção. Versão Fevereiro de

24 F - Ganhos solares através dos vãos envidraçados F1. Caso verifique durante uma visita a uma fracção residencial que um determinado vão envidraçado não possui qualquer dispositivo de protecção solar / oclusão nocturna, o que devo considerar para efeito de cálculo: a cortina interior muito transparente prevista no RCCTE ou a situação real observada? Em fracções residenciais, de acordo com o RCCTE, no cálculo do factor solar de um vão envidraçado equipado com um vidro incolor corrente, a utilizar no cálculo do Nic, deve-se considerar sempre, pelo menos, a existência de cortinas interiores muito transparentes de cor clara. Justifica-se este procedimento com o facto de ser muito provável que exista e permaneça fechado, durante a estação de aquecimento, este dispositivo de protecção solar. Quando durante a visita a uma FA residencial não se verificar a existência de qualquer dispositivo deverá encarar-se o estudo de forma equivalente à prevista no regulamento, isto é, deve ser considerado um factor solar de 0,70 para um vidro simples incolor ou de 0.63 para um vidro duplo incolor. Caso o vidro instalado tenha características especiais (reflectante ou colorido na massa), e o factor solar seja inferior a 0,70 (vidro simples) ou 0,63 (vidro duplo), a protecção solar garantida pelo vidro, por si só, é superior à de um vidro incolor com cortina interior muito transparente de cor clara. Assim, poderá ser utilizado o factor solar do vidro especial sem qualquer protecção. F2. Durante a visita a uma fracção a certificar encontrou-se a situação exemplificada nas fotografias seguintes. Como deveremos considerar este tipo de elementos? Como dispositivo de protecção solar ou como elemento de sombreamento? E como se quantifica a sua contribuição? O grau de obstrução provocado por elementos deste tipo, devido às suas dimensões, assemelhar-se-á ao provocado por elementos de sombreamento de dimensão considerável, pois cada elemento conduz a um ângulo de sombreamento claramente superior a 45º, relativamente à porção do envidraçado que sombreia. Desta forma, se se aplicar a metodologia simplificada, nesta situação, em envidraçados não orientados a Norte, poder-se-á considerar a simplificação prevista para o cálculo do produto Fs.Fg.Fw para condições de sombreamento do tipo Fortemente sombreado indicada no Anexo V da NT-SCE-01. Versão Fevereiro de

25 F3. Os dispositivos do tipo quebra-sol (brise soleil), do qual se apresenta um exemplo na figura abaixo, devem ser contabilizados como dispositivo de protecção solar ou como elemento de sombreamento. E como se quantifica a sua contribuição? O dispositivo ilustrado, não se enquadra na definição de dispositivo de protecção solar previsto no RCCTE, na medida em que não é móvel. Na realidade o comportamento de um vão envidraçado com um dispositivo de protecção solar fixo pode-se assemelhar a vãos envidraçados cujos dispositivos de protecção estão 100% activos (Quadro V.4 do Anexo V do RCCTE). Neste caso, admitindo que não existe qualquer outro dispositivo, o factor solar do envidraçado deverá tomar o mesmo valor quer na estação de aquecimento quer na estação de arrefecimento pois, como a protecção se encontra fixa, irá estar permanentemente fechada durante a estação de aquecimento. Então: g Inverno =g Verão =g 100% F4. Como é que posso verificar se uma caixilharia existente numa fracção ou edifício a certificar possui corte térmico? O corte térmico da caixilharia metálica consiste na separação entre a parte exterior e a parte interior do caixilho através da colocação de elementos com condutibilidade térmica baixa, usualmente em poliamida, de forma a minimizar a transmissão térmica global da caixilharia. Versão Fevereiro de

26 Elemento de corte térmico em poliamida Na prática, durante a visita a uma FA, a identificação visual dos elementos de corte térmico em poliamida (normalmente de cor negra) pode ser feita, com maior facilidade nos envidraçados do tipo giratório, sendo possível também nos envidraçados de correr. Em caixilharia fixa esta identificação só é possível desmontando a caixilharia, implicando ainda a remoção do vidro. Em caso de dúvida deve considerar-se a caixilharia desprovida de corte térmico. Exemplo 1: Na figura encontra-se uma representação de um vão giratório onde se pode observar facilmente os elementos em poliamida. Mesmo depois do vão instalado estes elementos conseguem-se observar em 1, 2 e 3. Versão Fevereiro de

27 Exemplo 2: Na figura seguinte encontra-se uma representação de um vão de correr onde se podem observar os elementos em poliamida. Se o caixilho já se encontrar instalado, apenas se consegue identificar estes elementos em 1. Em 2 existe uma calha, também em poliamida, que é colocada para fazer o remate em todo o contorno do aro fixo e que não permite observar o elemento de corte térmico em poliamida. Antes de ser colocado em obra, poderíamos também observar a poliamida em 3. F5. Nas situações em que existe caixilharia dupla como é que deverão ser calculados o coeficiente de transmissão térmica e os factores solares a utilizar na estação de aquecimento e arrefecimento? O coeficiente de transmissão térmica de uma janela dupla, a utilizar na determinação das perdas de calor, deve ser o médio dia-noite, U wdn, para o sector residencial quando existem dispositivos de protecção solar. Este deve ser a média entre os coeficientes de transmissão térmica do vão sem dispositivos de protecção solar / oclusão nocturna, U w, e com o dispositivos de protecção solar / oclusão nocturna existente na caixa-de-ar fechado, U ws. De acordo com a norma ISO , o cálculo destes coeficientes pode ser feito de acordo com as seguintes expressões: 1 U w = 1 Uenv R si + R s R se + 1 _i U env _e 1 U ws = 1 UW + R Versão Fevereiro de

28 Em que: U w - Coeficiente de transmissão térmica da janela dupla sem dispositivo de protecção solar / oclusão nocturna na caixa-de-ar; U env _i - Coeficiente de transmissão térmica do vão envidraçado interior; R si - Resistência térmica superficial interior; R s - Resistência térmica da caixa-de-ar; R se - Resistência térmica superficial exterior; U env _e - Coeficiente de transmissão térmica do vão envidraçado exterior; U ws - Coeficiente de transmissão térmica da janela dupla com dispositivo de protecção/ oclusão nocturna na caixa-de-ar; R - Resistência térmica adicional devida ao dispositivo de protecção solar/ oclusão nocturna, presente na caixa-de-ar. Tipo de protecção solar/ oclusão nocturna R [(m 2.ºC)/W] Persiana de réguas metálicas 0.12 Persiana de réguas em madeira ou plástico sem enchimento de espuma Persiana de réguas de plástico preenchida com espuma Portadas de madeira opacas 0.22 Nota: R pretende contabilizar dois factores: a resistência térmica da camada de ar que se forma, entre o dispositivo de protecção solar / oclusão nocturna e a janela quando este é activado e a alteração de resistência térmica do envidraçado interior devida à existência por si só do dispositivo de protecção solar / oclusão nocturna. Neste quadro apresentam-se os valores de resistência térmica adicional, incluídos na norma ISO , para algumas tipologias de dispositivos de protecção solar/ oclusão nocturna. O coeficiente de transmissão térmica médio dia-noite de um vão envidraçado (Uwdn) corresponde à média dos coeficientes de transmissão térmica de um vão envidraçado com a protecção aberta (posição típica durante o dia) e fechada (posição típica durante a noite), o cálculo deste parâmetro deve ser realizado considerando para cada umas das posições indicadas, um período de 12h. Exemplo (determinação de Uwdn): Considere-se uma caixilharia dupla, com uma janela interior constituída por um vão envidraçado composto por caixilharia metálica sem corte térmico, com um sistema de abertura de correr e vidro simples. A janela exterior é constituída por um vão envidraçado composto por caixilharia de PVC e vidro duplo com uma espessura de lâmina de ar de 16mm. Entre as duas caixilharias acima indicadas encontra-se um sistema de protecção solar/oclusão nocturna composto por uma persiana de réguas plásticas sem enchimento de espuma. Versão Fevereiro de

29 O espaço de caixa-de-ar existente entre as duas caixilharias é de 15cm. U env _i = 6,5 W/(m 2. ) (ITE50 Anexo III - Quadro III.2) U env _e = 2,7 W/(m 2. ) (ITE50 Anexo III - Quadro III.3) 1 U w = 1 6,5 0,13 + 0,18 0, = 1,88 W/(m 2. ) 2,7 R = 0,16 (m 2. )/W (retirado do quadro anterior) U ws = 1 1 1,88 + 0,16 = 1,40 W/(m2. ) U wdn = U w + U ws 2 = 1, 64 W/(m 2. ) Relativamente à determinação dos factores solares do vão envidraçado duplo, esta deverá ser feita considerando que a janela exterior se comporta como uma protecção exterior adicional relativamente ao conjunto janela interior + dispositivo de protecção. Exemplo (determinação de factores solares): Considere-se que temos uma caixilharia dupla, em que janela interior está equipada com vidro simples incolor, a exterior com vidro duplo incolor e em que existe uma persiana de réguas plásticas de cor clara entre as janelas (caixa-de-ar). Para a janela interior tem-se: g vidro=0,85; ginverno=0,70; g 100%=0,07 (obtido directamente do quadro V.4 do RCCTE, considerando a persiana uma protecção exterior), e o vidro exterior irá conferir um factor solar adicional de 0,75 (g vidro). Assim, para o conjunto formado pelas duas janelas calcula-se: g vidro = 0,85 x 0,75 = 0,64; g inverno = 0,70 x 0,75 = 0,53; g 100% = 0,07 x 0,75 = 0,05. F6. Como se devem avaliar os factores de sombreamento dos vãos envidraçados? Quando o PQ não possua informação que lhe permita aplicar o método detalhado conforme previsto no RCCTE, pode aplicar as simplificações previstas no Despacho nº 11020/2009, que prevê apenas 3 graus de sombreamento: sem sombreamento, sombreamento normal/standard, fortemente sombreado, sendo a diferença entre os últimos dois a existência de um obstáculo que provoque um ângulo de sombreamento maior que 45º. Para efectuar esta análise, o PQ pode recorrer a método expeditos, tais como: Versão Fevereiro de

30 Tratamento informático Tirando fotografias que incluam o obstáculo, o vão envidraçado e um testemunho (conforme já referido para o levantamento dimensional), que permita ao importar para uma ferramenta de desenho avaliar com algum rigor o ângulo de sombreamento; Transparência Desenhar numa transparência, vários ângulos, à semelhança do que acontece num esquadro técnico, de forma a sobrepor a referida transparência sobre o obstáculo, a uma certa distância. Com alguma experiência o PQ intuitivamente já consegue reconhecer o ângulo de sombreamento de um determinado vão envidraçado. No entanto, devido à necessidade de recolher evidências, recomenda-se qualquer um dos métodos acima descritos, acompanhado do respectivo levantamento dimensional. F7. No âmbito de uma certificação, foi identificada a existência de um envidraçado preenchendo a totalidade do vão (sem caixilho). Como deve o PQ proceder na determinação do Uwdn e da fracção envdraçada Fg? Para a determinação do coeficiente de transmissão térmica, pode recorrer à publicação ITE 50 (Coeficientes de Transmissão Térmica de Elementos da Envolvente de Edifícios), nomeadamente no que respeita à utilização da condutibilidade térmica do material em causa (usualmente vidro). No que respeita à determinação da fracção envidraçada e atendendo a que no caso mencionado, não existe qualquer caixilho, o valor a utilizar para este parâmetro deve ser de 1. Versão Fevereiro de

31 G - Classe de inércia térmica G1. O que é que deve ser considerado como revestimento de piso flutuante? Como se pode fazer uma verificação expedita no local para detectar a sua presença? De que forma poderá afectar a inércia térmica da fracção/edifício em análise? Um revestimento de piso flutuante consiste num revestimento separado da estrutura do pavimento através de uma camada resiliente em geral contínua (na maioria dos casos com espessura superior a 2mm). A aplicação desta camada tem benefícios ao nível do comportamento acústico por permitir o aumento de isolamento aos sons de condução por percussão. No entanto, em função da sua condutibilidade térmica e respectiva espessura, poderá afectar os valores de inércia térmica. A título de exemplo apresentam-se alguns materiais que habitualmente compõem a camada resiliente: Aglomerado de cortiça natural Espuma de polietileno Granulado de Borracha Granulado de Borracha com cortiça Tecido de vidro com betuminoso e acabamento em tecido de polipropileno Quando temos soalho ou revestimento de piso flutuante, este tipo de solução identifica-se caso se verifique um ruído aéreo oco ( ruído de tambor ) quando se sujeita o revestimento de piso ao impacto, por exemplo, de um objecto sólido denso. No caso de revestimentos compostos por madeira ou mosaico cerâmico aplicado/colado directamente sobre a laje ou sobre uma lajeta flutuante, não se obtém esse tipo de som oco. A determinação da classe de inércia térmica Interior, de acordo com o Anexo VII do RCCTE, depende da massa superficial útil (Msi) dos elementos que envolvem a FA e das características do revestimento desses elementos (resistência térmica). A resistência térmica do revestimento influencia a capacidade de armazenamento e restituição de calor dos elementos, ou seja, influencia a inércia térmica. Somando à resistência térmica da camada resiliente a do revestimento superficial deverá avaliar-se se o total excede o valor de 0.14 m2.ºc/w. Se se ultrapassar esse valor, deverá aplicar-se o factor de correcção (r) estabelecido no Anexo VII do RCCTE. Caso a opção do PQ seja recorrer à metodologia definida na nota técnica NT-SCE01 para determinação da classe de inércia térmica, a existência de um pavimento flutuante poderá ser condição única para que não se possa admitir que a fracção/edifício possui inércia térmica forte, embora se possa considerar a ressalva exposta na questão seguinte. Versão Fevereiro de

32 G2. No caso de uma FA que, de acordo com a metodologia preconizada no Anexo VI da NT-SCE-01, verifique todos os requisitos para que tenha inércia térmica forte, exceptuando apenas uma pequena área de tecto com tecto falso ou uma pequena área de pavimento com revestimento em soalho flutuante, que tipo de inércia térmica se deve considerar? De acordo com o Anexo VI da NT-SCE-01, só poderá ser considerada a inércia forte se forem verificadas cumulativamente, na generalidade do edifício ou FA que se esteja a analisar, todas as condições descritas para o efeito. Caso existam pequenas áreas da FA que não verifiquem qualquer uma das condições estabelecidas, e seja entendimento do PQ que poderá estar na presença de uma FA com inércia térmica forte, deverá recorrer à metodologia de cálculo preconizada no RCCTE para confirmar esse facto. Caso contrário terá de considerar para efeito de cálculo Inércia Média. Exemplo 1: O PQ está a certificar uma FA com uma área útil de 100m 2, em que se verificam todas as condições descritas no Anexo VI da NT-SCE-01 para que a inércia térmica possa ser considerada forte, com excepção dos halls, com uma pequena área com tecto falso. Neste caso, uma vez que existe uma área de halls, os quais fazem parte integrante da área útil da fracção em análise, que não cumpre uma das condições estabelecidas na NT-SCE-01 para que possa ser considerada Inércia Térmica Forte, o PQ deverá considerar para efeito de cálculo Inércia Térmica Média. Caso o PQ considere, uma vez que a área em incumprimento representa apenas uma pequena parte da área útil de pavimento, que poderá estar na presença de uma FA com inércia térmica forte, deverá recorrer à metodologia de cálculo preconizada no RCCTE para determinar a classe de inércia térmica. Versão Fevereiro de

33 H - Sistemas de colectores solares e energias renováveis H1. Estou a efectuar a certificação energética de uma moradia unifamiliar existente cujo painel solar térmico certificado foi instalado em 2 de Julho de 2009, por um técnico acreditado pela DGEG e com um contrato de manutenção válido por 1 ano, renovável anualmente. Como devo considerar a contribuição do valor de Esolar? De acordo com o ponto 18 do Despacho 11020/2008, uma vez que o colector solar térmico foi instalado após a entrada em vigor do RCCTE, para que seja considerado o valor de Esolar, deve cumprir cumulativamente com as condições enunciadas no ponto 4 do Anexo VI do RCCTE. Neste caso, não é cumprida a garantia de manutenção do sistema em funcionamento eficiente por um por um período mínimo de 6 anos, como tal não deve ser contabilizado o valor de Esolar. Caso o sistema solar tivesse sido instalado antes da entrada em vigor do RCCTE e uma vez que possui um contrato de manutenção válido (mesmo que não tendo a validade de 6 anos), então a sua contribuição poderia ser considerada. Uma vez que o colector é certificado, então essa contribuição tem necessariamente de ser calculada usando o software SolTerm versão 5.0 ou superior. H2. Caso esteja na presença de um painel solar térmico não certificado que foi instalado antes de 3 de Julho de 2006 (data de entrada em vigor do RCCTE), qual a regra expedita para verificar se o factor de redução de ganhos devido ao sombreamento é inferior a 1, ou seja, para verificar se a parcela do E solar ref vai ser afectada devido ao sombreamento? Se o ângulo de sombreamento provocado por eventuais obstruções do horizonte for claramente inferior a 30º, então o factor de sombreamento será igual a 1, independentemente das bandas de azimute em que ocorram as obstruções. Note-se que, caso o painel fosse certificado, o Esolar deveria ser calculado com recurso ao software SolTerm versão 5.0 ou superior e, consequentemente, o sombreamento definido de acordo com a metodologia prevista nesse software. Exemplo: < 30º Versão Fevereiro de

34 H3. Se a moradia a certificar possuir unidades de microprodução de energia eléctrica instaladas, que utilizem fontes de energia renováveis, de que forma se pode contabilizar a sua contribuição no cálculo regulamentar? Posso contabilizar nesse cálculo a parcela vendida à rede? A contribuição de outros sistemas que utilizem energias renováveis para além do solar térmico poderá ser utilizada no cálculo do N ac, devendo respeitar o preconizado no RCCTE. Se nesse cálculo, o valor de E ren for superior à parcela Q a /, em que Q a representa energia útil despendida com sistemas convencionais de preparação de AQS e a a eficiência de conversão desses sistemas de preparação de AQS, a parte excedente de energia (E ren_exc ) poderá ser utilizada no cálculo do N tc, devendo ficar associada às parcelas relativas às necessidade de aquecimento e de arrefecimento. No caso de sistemas fotovoltaicos recomenda-se que o cálculo do E ren seja efectuado com recurso ao Solterm. Deste modo, para efeitos de cálculo do N tc, deverá proceder-se de acordo com o indicado abaixo: 1) Calcular o Nac, considerando uma parcela de E ren até a um valor máximo de Q a / a ; 2) Calcular o Ntc, efectuando uma repartição da parcela excedente do Eren (E ren_exc ) nas parcelas correspondentes às necessidades de aquecimento e arrefecimento, de acordo com a seguinte expressão, tendo-se o cuidado de que o resultado de cada uma das parcelas não pode tomar valores negativos: Nic Ntc = 0,1. Nic Nic + Nvc. E ren _exc Ap Nvc / i. Fpui + 0,1. Nvc Nic + Nvc. E ren _exc Ap / v. Fpuv + Nac. Fpua É de notar que se o sistema de microprodução de energia eléctrica foi instalado no âmbito do programa de incentivo Renováveis na hora, a parcela de energia captada passível de ser vendida poderá ser considerada para efeitos do cálculo do N ac e N tc. Versão Fevereiro de

35 I - Sistemas de climatização e preparação de AQS I1. Tendo em conta que os sistemas de climatização só devem ser considerados caso não possuam uma natureza provisória, que rendimentos se devem considerar no cálculo do N tc caso se verifique a inexistência de sistemas ou que os mesmos tenham um carácter provisório (como por exemplo os aparelhos de ar condicionado ou os aquecedores a gás portáteis)? Quando os sistemas de climatização, identificados durante a visita à FA/edifício, possuem uma natureza provisória/móvel, deverá encarar-se o estudo de forma equivalente àquela em não existem equipamentos, ou seja, para efeitos de cálculo deverão ser considerados os sistemas por defeito. Deste modo, as eficiências a considerar deverão ser as indicadas no RCCTE, e cujos valores constam também na primeira coluna do Quadro XII do Anexo VIII da NT-SCE-01. Note-se que, nestes casos, os valores de eficiência não terão de ser alterados em função da idade do edifício. I2. Qual o procedimento recomendado no caso da FA ou edifício a certificar apresentar dois ou mais sistemas de climatização em que é possível identificar os compartimentos servidos por cada um deles? No caso da FA ser servida por mais do que um sistema de climatização, o PQ deverá tentar identificar as áreas servidas por cada um dos sistemas e dividir de forma ponderada, no cálculo do N tc, as respectivas necessidades nominais de climatização, pelos diversos sistemas instalados. Versão Fevereiro de

36 Considerando por exemplo que temos dois sistemas distintos para aquecimento e apenas um para arrefecimento, a fórmula de cálculo do N tc passará a ter a seguinte configuração: N tc = 0.1 N ic A 1 A N ic A 2 p A p F η pui 1 + F i1 η pui N vc i2 η v F puv + N ac F pua Onde: A 1 área que se encontra servida pelo sistema de climatização 1; A 2 área que se encontra servida pelo sistema de climatização 2; A p área útil de pavimento (Ap = A 1 + A 2 ); i1 eficiência nominal do sistema de climatização 1; i2 eficiência nominal do sistema de climatização 2; F pui1 factor de conversão entre energia útil e energia primária do sistema de climatização 1; F pui2 factor de conversão entre energia útil e energia primária do sistema de climatização 2. No caso da FA a certificar possuir dois, ou mais, sistemas de climatização a servir toda a fracção em simultâneo, o PQ deverá assumir que o proprietário irá optar pelo sistema que conduz a uma melhor desempenho energético (em termos de Ntc), pelo que deverá ser esse o sistema a considerar para efeitos de cálculo. Exemplo 1: O PQ está a certificar uma FA com uma área útil de 100m 2, em que todas as divisões dispõem de um sistema de aquecimento central com recurso a radiadores apoiados por uma caldeira mural, à excepção da sala, com uma área de 30 m 2, que possui um sistema de climatização do tipo bomba de calor. Neste caso, o que o PQ deverá considerar é que, durante a estação de aquecimento, 70% da fracção é servida por um sistema baseado em radiadores apoiados por cadeira e que 30% é servida pelo sistema do tipo bomba de calor, ou seja: N tc = 0.1 N ic N ic η i1 η i N vc η v F puv + N ac F pua Exemplo 2: O PQ está a certificar uma FA com uma área útil de 100 m 2, em que todas as divisões dispõem em simultâneo de aquecimento central com recurso a radiadores apoiados por uma caldeira mural ( = 0,87) e bombas de calor ( = 4.00). No cálculo do Ntc para a respectiva fracção, deverá optar-se pelo sistema que origine a melhor classe energética. Essa avaliação poderá ser efectuada da seguinte forma: Caldeira mural F pui η i1 = 0,086 0,87 = 0,0989 Versão Fevereiro de

37 Bomba de calor F pui η i2 = 0,29 4 = 0,0725 Uma vez que quanto menor for esta relação melhor desempenho energético terá o sistema, deverá considerar-se para efeito de cálculo a bomba de calor, ou seja, N tc = 0,1 N ic 4 0,29 + 0,1 N vc η v F puv + N ac F pua I3. Qual o procedimento recomendado caso a fracção disponha apenas de, por exemplo, um sistema do tipo bomba de calor a servir a sala, não possuindo nenhum outro sistema de climatização na restante fracção? No caso de apenas parte da fracção autónoma ser servida por um sistema de climatização, o PQ deverá tentar identificar a área servida por esse sistema e, no cálculo do N tc, fazer uma ponderação de áreas com vista à atribuição da percentagem das necessidades nominais de energia útil adstritas a este sistema, sendo a restante parcela servida pelo sistema por defeito aplicável, de acordo com o RCCTE. O PQ nunca poderá deixar de considerar o sistema por defeito para fazer face à parcela das necessidades de climatização que não são satisfeitas pelo sistema efectivamente instalado. No caso da presença de um sistema de climatização durante a estação de aquecimento que sirva apenas parte da fracção, a fórmula de cálculo do Ntc passa a ter a seguinte configuração: N tc = 0,1 N ic A 1 A p η i F pui + N ic A 2 A p 0,29 + 0,1 N vc 1 η v F puv + N ac F pua Onde: A 1 área que se encontra servida pelo sistema de climatização 1; A 2 área que não se encontra servida por nenhum sistema de climatização; A p área útil de pavimento (Ap = A1 + A2); i1 eficiência nominal do sistema de climatização 1; F pui1 factor de conversão entre energia útil e energia primária do sistema de climatização 1. I4. Estou a efectuar a Certificação Energética de uma fracção de serviços, sem sistemas de climatização instalados, em que não existe rede de distribuição de águas quentes sanitárias. Que valores devo considerar para Na e Nac no cálculo do desempenho energético? Para este caso deverá considerar nulo o valor de Na e Nac. Versão Fevereiro de

38 I5. E no caso de uma fracção de habitação que não disponha de rede (interna) de distribuição de águas quentes sanitárias, que valores devo considerar para Na e Nac no cálculo do desempenho energético? Para fracções de habitação, deve considerar-se por defeito, no cálculo de Na e Nac, a eficiência de um termoacumulador eléctrico com 50mm de isolamento térmico, em coerência com o preconizado no RCCTE. I6. Fui efectuar uma visita técnica a uma fracção residencial em que se encontram instalados sistemas de climatização e de AQS. Como devo proceder para avaliar a eficiência dos equipamentos? Em que circunstâncias poderei recorrer aos valores por defeito previstos no RCCTE e na NT-SCE-01? Os equipamentos de climatização e AQS possuem normalmente uma chapa identificativa do modelo instalado, sendo geralmente possível obter a potência e a eficiência, mediante consulta do fabricante do aparelho. Poderão também ser utilizadas outras fontes credíveis como o site da Eurovent, em ou No caso de sistemas de climatização, como o caso de ar condicionado (bombas de calor) é a unidade exterior que fornece os dados necessários para efectuar a análise de acordo com o RCCTE (inclusive para verificar se não é ultrapassado o limite dos 25kW de potencia térmica de climatização instalada). No caso de excepcionalmente não ser possível identificar a unidade exterior, poderá em alternativa, o PQ recorrer à identificação das unidades interiores e com base nessa informação procurar qual a referência da unidade exterior, admitindo que será possível validar que essa referência é única. No caso de sistemas de AQS, como é o caso de esquentadores ou caldeiras, a chapa identificativa encontra-se habitualmente no interior da capa protectora do aparelho, sendo visível mediante observação pela parte inferior do equipamento. Versão Fevereiro de

39 Esquentador Chapa identificativa Indicação do local onde, correntemente se encontra a chapa identificativa Um dos pontos complementares na identificação da eficiência de um equipamento de AQS é a existência ou não de isolamento na tubagem. Caso seja possível avaliar a existência deste isolamento, a mesma deve ser comprovada através de fotografias, como ilustrado na imagem seguinte. Versão Fevereiro de

40 Caso não seja possível evidenciar a existência de isolamento na tubagem, a eficiência a considerar no cálculo deve ser agravada em 0,10, conforme indicado no D.L. 80/2006. Por exemplo, considerando o esquentador indicado nas fotografias, de acordo com os dados do fabricante obtemos tem uma eficiência a 30% da carga nominal de 75%. Se considerarmos que a rede de distribuição de AQS não possui isolamento, obtemos uma eficiência de 0,65. Caso não seja possível obter a chapa identificativa do aparelho, ou obter outra fonte de informação como por exemplo catálogos técnicos, mas é conhecida a marca do mesmo, deverá o PQ tentar contactar o fabricante do equipamento, no sentido de obter os parâmetros necessários à determinação da eficiência. Se após, estes procedimentos, que devem estar devidamente evidenciados, continuar a existir ausência de informação, então o PQ poderá utilizar as eficiências dos equipamentos de climatização e AQS previstas no Anexo VIII do Despacho nº 11020/2009. Nesta situação e concretamente nos casos de sistemas de preparação de AQS, os valores na tabela do Despacho já consideram que a tubagem não está isolada. Se o PQ fizer evidência de que a referida tubagem está isolada (de acordo com o definido para o efeito no RCCTE), este valor poderá ser acrescido de 0,10. I7. No caso de uma fracção existente sem instalação de qualquer sistema de preparação de AQS, mas em que existe rede de abastecimento de gás, que sistema de apoio se deve considerar no cálculo? Conforme previsto no nº 3 do Anexo VI do RCCTE, Caso não esteja definido, em Projecto, o sistema de produção de AQS, considera-se que a fracção autónoma vai dispor de um termoacumulador eléctrico com 5 cm de isolamento térmico ( =0,90) em edifícios sem alimentação de gás ou um esquentador a gás natural ou GPL ( =0,50), quando estiver previsto o respectivo abastecimento, pelo que neste caso deverá ser considerada a existência de um esquentador com =0,50. Versão Fevereiro de

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.2 Novembro 2008 O presente documento

Leia mais

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE 1. O BALANÇO ENERGÉTICO NOS EDIFÍCIOS (1,0 H.) 1.1. Condução através da envolvente; 1.2. Renovação de ar; 1.3. Ganhos Internos;

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE. Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR

RELATÓRIO SÍNTESE. Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR RELATÓRIO SÍNTESE Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR realizada no âmbito do Sistema de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios(SCE),

Leia mais

Certificação energética dos edifícios existentes

Certificação energética dos edifícios existentes Certificação energética dos edifícios existentes Metodologias simplificadas, vantagens, dificuldades e inconvenientes Helder Gonçalves e Laura Aelenei 8ª Jornadas de Climatização Lisboa, 15 de Outubro

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Válido até 08/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Freguesia TRAVASSÔ E ÓIS DA RIBEIRA Concelho AGUEDA GPS 40.592482, -8.504090 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

NOTA TÉCNICA NT-SCE-01. Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE

NOTA TÉCNICA NT-SCE-01. Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE De acordo com o previsto no despacho n.º 10250/2008 de 8 de Abril, publicado pelo Presidente da Agência para

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Sistema de Certificação Energética e de QAI

Sistema de Certificação Energética e de QAI Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Outubro 2007 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da

Leia mais

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Seminário sobre Paredes de Alvenaria, P.B. Lourenço et al. (eds.), 2007 87 IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Vasco Peixoto de FREITAS Professor Catedrático Faculdade

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 6 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude de 22 m. Todos os vãos envidraçados serão constituídos por:

Leia mais

Sessão Esclarecimentos

Sessão Esclarecimentos Sessão Esclarecimentos Nova regulamentação do Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (Decreto-Lei nº 118/2013) Francisco Passos Direção Auditoria Edifícios ADENE Caldas da Rainha, 29

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 Perguntas e Respostas Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 v0 0 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?...

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 05/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA JOSÉ GUSTAVO PIMENTA, LOJA N.º 15, RC NORTE Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.576546, -8.447543 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar Cumprir Quioto é um desafio a ganhar 90 Emissões de GEE e compromissos 2008-2012 em Portugal Emissões de GEE (Mt de CO 2) 75 60 45 30 15 +27% 0 1990 1995 2000 2005 2010 2015 Emissão de GEE Meta Quioto

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição)

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) MÓDULO RCCTE OBJECTIVOS Formação de peritos qualificados no âmbito da Certificação Energética de Edifícios no que respeita à aplicação do novo Regulamento das Características

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios SCE Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior DL 78/2006 Sistema Nacional de Certificação

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS Vasco Peixoto de Freitas LFC Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas OASRN_2008-1

Leia mais

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Sistema de Certificação Energética Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Actualização 2013 O Decreto Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto tem como objectivo assegurar e promover a melhoria do desempenho

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda DATA

Leia mais

Relatório de Auditoria Energética

Relatório de Auditoria Energética Relatório de Auditoria Energética Relatório de Certificação Energética Local: 0 Today() www.classe-energetica.com Índice 1. Objectivos da Certificação Energética 2. escrição do Imóvel 3. Resultados da

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR / FRACÇÃO AUTÓNOMA DE EDIF. MULTIFAMILIAR Morada / Situação: Localidade Freguesia

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre o sistema de certificação energética e da qualidade do ar interior nos edifícios estabelecido pelo D.L. 78/2006

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE)

Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Liborio ADENE Organização: Prima F5 e este botão para Introduzir o nome da Direcção/Departamento no rodapé da apresentação Consumo de energia

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO Take a week to change tomorrow A Certificação Energética e o Sector da Construção SUMÁRIO 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética 2. As Novas Exigências Regulamentares 3. As Principais mudanças

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Orientações para a Tipologia de Intervenção Melhoria da Eficiência Energética em Habitações de Famílias de Baixos Rendimentos no âmbito de Intervenções

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Válido até 11/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Freguesia CARCAVELOS E PAREDE Concelho CASCAIS GPS 38.688617, -9.434011 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios Porto, 21 de Março 2012 Ventilação e QAI em edifícios ÍNDICE SCE O certificado Método de cálculo Edifícios de habitação Edifícios de serviços Evolução do Sistema de Certificação Energética em Portugal

Leia mais

ESTUDO SOBRE O CÁLCULO DO COEFICIENTE TAU SEGUNDO A TABELA IV.1 DO RCCTE E A NORMA EN ISO 13789

ESTUDO SOBRE O CÁLCULO DO COEFICIENTE TAU SEGUNDO A TABELA IV.1 DO RCCTE E A NORMA EN ISO 13789 ESTUDO SOBRE O CÁLCULO DO COEFICIENTE TAU SEGUNDO A TABELA IV.1 DO RCCTE E A NORMA EN ISO 13789 Ricardo Figueira 1, André Ferreira 2, Paula Assis 3 (1) Engenheiro Técnico Civil, ricardo.figueira@topinformatica.pt,

Leia mais

A Nova Regulamentação

A Nova Regulamentação A Nova Regulamentação Edifícios de Habitação UEE - Unidade de Eficiência Energética Susana Camelo 1 Evolução Legislação Nacional < 1990: Inexistência de requisitos térmicos na habitação 1990: RCCTE - Regulamento

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii

estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii 39_ 43 projeto térmico estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii Albano Neves e Sousa Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil Arquitetura e Georrecursos

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE54401115 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: PEQUENO EDIFÍCIO DE SERVIÇOS SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Travessa

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 1840 Diário da República, 1.ª série N.º 50 12 de março de 2014 Artigo 33.º Contribuição das empresas de seguros 1 A adesão ao mecanismo de compensação de sinistralidade é efetuada para a totalidade dos

Leia mais

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios Sheraton Lisboa Hotel & Spa, na sala White Plains Lisboa, 25 de Outubro de 2011 ADENE Agência para a Energia Rui

Leia mais

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade Certificação energética da minha habitação Descrição da minha habitação de Sonho 1 Introduça o Simulação da certificação energética da casa Situação Atual classe

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fundo de Eficiência Energética AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Edifício Eficiente 2015 AVISO 10 - Edifício Eficiente 2015 FEE - Fundo de Eficiência Energética 19-02-2015

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE

MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE MANUAL DO UTILIZADOR FOLHA DE CÁLCULO DO RCCTE 1 Capítulo I Manual do Utilizador. O RCCTE_UFP é uma folha de cálculo do Microsoft Office Excel que engloba macros. Como tal, para que se possa usufruir do

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA Válido até 10/12/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA Freguesia CHARNECA DE CAPARICA E SOBREDA Concelho ALMADA GPS 38.571492, -9.180781 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO Documentos a entregar (consultar instruções em anexo) Para licenciamento e comunicação prévia: 1. Requerimento 2. Cópia do documento

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 2.0 Maio de 2011 O presente documento

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Reabilitação Urbana Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Alteração ao Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de Candidaturas em regime de Overbooking 2014 - EP IV (Overbooking) - Reabilitação

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação Domicílio/Sede

Leia mais

Ref: CLME 2011_1806A

Ref: CLME 2011_1806A Ref: CLME 2011_1806A CONDICIONANTES E MEDIDAS DE MELHORIA NA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS TRADICIONAIS DE HABITAÇÃO LOCALIZADOS EM CENTROS HISTÓRICOS DA BEIRA INTERIOR PORTUGAL Cecília C.R. Martins*

Leia mais

Portarias do novo Regulamento do Sistema de Certificação Energética (SCE) 03-12-13

Portarias do novo Regulamento do Sistema de Certificação Energética (SCE) 03-12-13 Portarias do novo Regulamento do Sistema de Certificação Energética (SCE) 03-12-13 Foram publicadas em Diário da República, no dia 29 de novembro, duas portarias relativas ao decreto-lei nº 118/2013 que

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

Energias renováveis. Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D. Edifício Inovisa II

Energias renováveis. Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D. Edifício Inovisa II Energias renováveis Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D Edifício Inovisa II I Ciclo de Conferências do Centenário da AEISA GreenISA 11 ISA, Lisboa, 25 Março 2011 Mapa da apresentação

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Valores por defeito para aplicação do previsto no Despacho n.º 15793-E/2013 relativo às regras de simplificação a utilizar

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação Manual de Certificação PARTE I Certificado de Aptidão Profissional Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I CERTIFICAÇÃO

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direcção Regional da Energia NOTA TÉCNICA 1 NT 01 - SCE-RAA/SRAM-DRE

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direcção Regional da Energia NOTA TÉCNICA 1 NT 01 - SCE-RAA/SRAM-DRE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR Direcção Regional da Energia NOTA TÉCNICA 1 NT 01 - SCE-RAA/SRAM-DRE Método de Cálculo Simplificado para a Certificação Energética de

Leia mais

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln)

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) Valores acima do limite - 53 db(a) Valor regulamentar 0-5 db(a) 5-10 db(a) > 10 db(a) Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) DESENHO N.º 04 DATA Maio 2010 Lden db(a)

Leia mais

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas O Perito Qualificado deve confirmar se há: Quaisquer actividades a desenvolverem no interior do edifício que sejam

Leia mais