Abin e PF. Informática Complemento. Prof. Rafael Araujo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abin e PF. Informática Complemento. Prof. Rafael Araujo"

Transcrição

1 Criptografia Criptografia é a ciência e arte de escrever mensagens em forma cifrada ou em código. É parte de um campo de estudos que trata das comunicações secretas, usadas, dentre outras finalidades, para: autenticar a identidade de usuários; autenticar e proteger o sigilo de comunicações pessoais e de transações comerciais e bancárias; proteger a integridade de transferências eletrônicas de fundos. Uma mensagem codificada por um método de criptografia deve ser privada, ou seja, somente aquele que enviou e aquele que recebeu devem ter acesso ao conteúdo da mensagem. Além disso, uma mensagem deve poder ser assinada, ou seja, a pessoa que a recebeu deve poder verificar se o remetente é mesmo a pessoa que diz ser e ter a capacidade de identificar se uma mensagem pode ter sido modificada. Algoritmos Criptográficos Existem duas classes de algoritmos criptográficos: simétricos (ou de chave-secreta) e assimétricos (ou de chave-pública). Os algoritmos simétricos utilizam uma mesma chave tanto para cifrar como para decifrar, ou seja, a mesma chave utilizada para fechar o cadeado é utilizada para abrir o cadeado. Nos algoritmos assimétricos temos chaves distintas, uma para cifrar e outra para decifrar e, além disso, a chave de decifração não pode ser obtida a partir do conhecimento da chave de cifração apenas. Aqui, uma chave é utilizada para fechar e outra chave, diferente, mas relacionada à primeira, tem que ser utilizada para abrir. Por isso, nos algoritmos assimétricos, as chaves são sempre geradas aos pares: uma para cifrar e a sua correspondente para decifrar. Certificado Digital O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode estar armazenado em um computador ou em outra mídia, como um token ou smart card. Exemplos semelhantes a um certificado digital são o CNPJ, RG, CPF e carteira de habilitação de uma pessoa. Cada um deles contém um conjunto de informações que identificam a instituição ou pessoa e a autoridade (para estes exemplos, órgãos públicos) que garante sua validade. Os certificados digitais possuem uma forma de assinatura eletrônica da AC que o emitiu. Graças à sua idoneidade, a AC é normalmente reconhecida por todos como confiável, fazendo o papel de "Cartório Eletrônico". Estes certificados podem ser emitidos para diversos tipos de entidades, tais como: pessoa, computador, departamento de uma instituição, etc. Algumas das principais informações encontradas em um certificado digital são: 1. chave pública do usuário; 2. nome do usuário proprietário da chave; 3. nome da organização associada; 4. data de emissão do certificado; 5. período de validade da chave. Os princípios básicos de segurança da informações são: Confidencialidade ou Sigilo: garantia de que somente as pessoas ou organizações envolvidas na comunicação possam ler e utilizar as informações transmitidas de forma eletrônica pela rede. Integridade: garantia de que as informações trocadas nas transações eletrônicas não foram alteradas no caminho que percorreram. Autenticidade: garantia de identificação das pessoas ou organizações envolvidas na comunicação. Disponibilidade :é a garantia de que a informação estará disponível no momento desejado. Assinatura Digital: Permite aferir, com segurança, a origem e a integridade de um documento eletrônico. Não-repúdio: garantia de que o emissor de uma mensagem ou a pessoa que executou determinada transação de forma eletrônica não poderá, posteriormente negar sua autoria. Confiabilidade: é a garantia de que o sistema se comporta como esperado, em especial após atualizações ou correções de erro. Infra-estrutura de chave pública (PKI) O termo geralmente usado para descrever as leis, diretivas, padrões e softwares que regulam ou manipulam certificados e chaves públicas e particulares. Na prática, é um sistema de certificados digitais, autoridades de certificação e outras autoridades de registro que verificam e autenticam a validade de cada pessoa envolvida em uma transação eletrônica. No Brasil, foi instituída a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica. A ICP-Brasil, cuja organização foi definida em regulamento, é composta por uma autoridade gestora de políticas e pela cadeia de autoridades certificadoras composta pela Autoridade Certificadora Raiz - AC Raiz, pelas Autoridades Certificadoras - AC e pelas Autoridades de Registro AR. À AC Raiz, primeira autoridade da cadeia de certificação, executora das Políticas de Certificados e normas técnicas e operacionais aprovadas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, compete emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados das AC de nível imediatamente subseqüente ao seu, gerenciar a lista de certificados emitidos, revogados e vencidos, e executar atividades de fiscalização e auditoria das AC e das AR e dos prestadores de serviço habilitados na ICP, em conformidade com as diretrizes e normas técnicas estabelecidas pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil. A AC raiz tem um certificado auto-assinado. OBS: É vedado à AC Raiz emitir certificados para o usuário final. Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

2 Às AC, entidades credenciadas a emitir certificados digitais vinculando pares de chaves criptográficas ao respectivo titular, compete emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os certificados, bem como colocar à disposição dos usuários listas de certificados revogados e outras informações pertinentes e manter registro de suas operações. O par de chaves criptográficas será gerado sempre pelo próprio titular e sua chave privada de assinatura será de seu exclusivo controle, uso e conhecimento. Às AR, entidades operacionalmente vinculadas a determinada AC, compete identificar e cadastrar usuários na presença destes, encaminhar solicitações de certificados às AC e manter registros de suas operações. Assinatura digital A assinatura digital consiste na criação de um código, através da utilização de uma chave privada de quem assina, de modo que a pessoa ou entidade que receber uma mensagem contendo este código possa verificar se o remetente é mesmo quem diz ser e identificar qualquer mensagem que possa ter sido modificada. Função HASH ou Resumo de Mensagem: esta técnica permite que, ao ser aplicada à uma mensagem de qualquer tamanho, seja gerado um resumo criptografado de tamanho fixo e bastante pequeno, como por exemplo 128 bits. Este resumo também é conhecido como message digest. Algumas das propriedades desta função: * Não é possível fazer a operação reversa, ou seja, dado um resumo é impossível obter a mensagem original; * Duas mensagens diferentes, quaisquer que sejam, não podem produzir um mesmo resumo; deve ser fácil e rápido de ser aplicado. Entre os algoritmos típicos de hash, estão incluídos o MD2, MD4, MD5 e o SHA-1. O algoritmo de hash também é chamado de função de hash. Funcionamento Para ver como estas técnicas são utilizadas em conjunto, selecionamos dois exemplos bastante simples, os quais descrevemos a seguir: 1. Correio eletrônico seguro: Um usuário, Rafael, deseja enviar uma mensagem para Ana, de forma que ninguém mais tenha acesso a esta informação e que Ana tenha certeza de que esta mensagem foi realmente enviada por ele e também que não foi alterada durante a transmissão. Procedimentos feitos por Rafael: * aplica uma função hash à mensagem original obtendo um resumo; * criptografa o resumo com sua chave privada, gerando o que se costuma denominar como Assinatura Digital; * Pega a chave pública de Ana; * criptografa a mensagem original com a chave pública de Ana; * envia a mensagem criptografada e o resumo criptografado (assinatura) para Ana. Procedimentos feitos por Ana: * descriptografa a mensagem utilizando sua chave privada; * aplica à mensagem a mesma função hash utilizada por Rafael e obtém um resumo; * Pega a chave pública de Rafael; * descriptografa a assinatura feita por Rafael utilizando a chave pública do mesmo e obtendo assim o resumo da mensagem original; * compara os dois resumos obtidos, que devem ser iguais. Resultados Obtidos: Sigilo - Rafael tem certeza de que somente Ana terá acesso à mensagem, pois a mesma trafega criptografada e, como foi utilizada para isso a chave pública de Ana, somente ela, utilizando sua chave privada, poderá descriptografá-la; Autenticidade - Ana tem certeza de que foi Rafael quem realmente enviou a mensagem, pois consegue descriptografar a assinatura que acompanha a mesma com a chave pública de Rafael, o que implica dizer que ela foi criptografada com a chave privada dele, a qual somente Rafael deve ter acesso; Integridade - Ana tem a certeza de que a mensagem recebida não pode ter sido substituída por outra ou alterada, pois na comparação dos resumos feita por ela isto seria detectado. Malwares Malware é um termo geral normalmente aplicado ao nos referir-mos a qualquer software desenvolvido para causar danos em computadores, servidores ou redes de computador, e isso independentemente de o software ser um vírus, um spyware, etc. Portanto qualquer software, por exemplo, um trojan, ou mesmo um worm, são denominados de malware, o que informa que esses são software possuem códigos maliciosos. SPYWARE É o termo utilizado para se referir a uma grande categoria de software que tem o objetivo de monitorar atividades de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros. Seguem algumas funcionalidades implementadas em spywares, que podem ter relação com o uso legítimo ou malicioso: monitoramento de URLs acessadas enquanto o usuário navega na Internet; alteração da página inicial apresentada no browser do usuário; varredura dos arquivos armazenados no disco rígido do computador; monitoramento e captura de informações inseridas em outros programas, como IRC ou processadores de texto; instalação de outros programas spyware; monitoramento de teclas digitadas pelo usuário ou regiões da tela próximas ao clique do mouse captura de senhas bancárias e números de cartões de crédito; captura de outras senhas usadas em sites de comércio eletrônico. Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 2

3 Keylogger É um programa capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas pelo usuário no teclado de um computador. SCREENLOGGERS É um programa capaz de capturar e armazenar as telas acessadas pelo usuário no computador. Adware É um tipo de software especificamente projetado para apresentar propagandas, seja através de um browser, seja através de algum outro programa instalado em um computador. Cavalo de Tróia Cavalo de tróia (trojan horse) é um programa, normalmente recebido como um presente (por exemplo, cartão virtual, álbum de fotos, protetor de tela, jogo, etc), que além de executar funções para as quais foi aparentemente projetado, também executa outras funções normalmente maliciosas e sem o conhecimento do usuário. Algumas das funções maliciosas que podem ser executadas por um cavalo de tróia são: 6. instalação de keyloggers, 7. furto de senhas e outras informações sensíveis, como números de cartões de crédito; 8. inclusão de backdoors, para permitir que um atacante tenha total controle sobre o computador; Backdoor Porta dos fundos. É uma porta aberta no sistema, não documentada, que permite ao criador ter acesso a ele (legitimamente ou não). As backdoors podem ser criadas tanto pelo responsável, como um meio de acesso emergencial ao sistema, quanto por alguém interessado em invadi-lo, roubar informações etc. Neste último caso, o meio mais usado é convencer algum usuário do sistema a executar o programa que abrirá a backdoor, enviando-o via , uma comunicação do chefe, um jogo, etc. Ransonware Os Ransonwares são softwares maliciosos que, ao infectarem um computador, criptografam todo ou parte do conteúdo do disco rígido. Os responsáveis pelo software exigem da vítima, um pagamento pelo "resgate" dos dados. Ransonwares são ferramentas para crimes de extorsão e são extremamente ilegais. Vírus Vírus é um programa ou parte de um programa de computador, normalmente malicioso, que se propaga infectando, isto é, inserindo cópias de si mesmo e se tornando parte de outros programas e arquivos de um computador. O vírus depende da execução do programa ou arquivo hospedeiro para que possa se tornar ativo e dar continuidade ao processo de infecção. Worms Worm é um programa capaz de se propagar automaticamente através de redes, enviando cópias de si mesmo de computador para computador. Diferente do vírus, o worm não embute cópias de si mesmo em outros programas ou arquivos e não necessita ser explicitamente executado para se propagar. Sua propagacão se dá através da exploração de vulnerabilidades existentes ou falhas na configuração de softwares instalados em computadores. Rootkit Conjunto de programas que tem como finalidade esconder e assegurar a presença de um invasor em um computador comprometido. É importante ressaltar que o nome rootkit não indica que as ferramentas que o compõem são usadas para obter acesso privilegiado (root ou Administrator) em um computador, mas sim para manter o acesso privilegiado em um computador previamente comprometido. PORT SCAN Programa utilizado para vasculhar as portas abertas no Sistema. Tipos de Ataque Negação de Serviço (Denial of Service) Nos ataques de negação de serviço (DoS- Denial of Service) o objetivo é tirar do ar um servidor, bombardeando-o com tráfego inútil Os principais objetivos deste ataque são: - Gerar uma grande sobrecarga no processamento de dados de um computador, de modo que o usuário não consiga utilizá-lo; - Gerar um grande tráfego de dados para uma rede, ocupando toda a banda disponível, de modo que qualquer computador desta rede fique indisponível; - Tirar serviços importantes de um provedor do ar, impossibilitando o acesso dos usuários a suas caixas de correio no servidor de ou ao servidor Web. O que é DdoS? DDoS (Distributed Denial of Service) constitui um ataque de negação de serviço distribuído, ou seja, um conjunto de computadores é utilizado para tirar de operação um ou mais serviços ou computadores conectados à Internet. Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 3

4 Normalmente, estes ataques procuram ocupar toda a banda disponível para o acesso a um computador ou rede, causando grande lentidão ou até mesmo indisponibilizando qualquer comunicação com este computador ou rede. Em ataque do tipo DoS podem ser utilizadas técnicas como o PING DA MORTE, que consiste em enviar um comando com um pacote de dados maior que o permitido, isto causa o travamento ou a reinicialização de máquina atacada. Botnets É um grupo de computadores infectados com o software malicioso tipo de robô, os bots, que apresentam uma ameaça para a segurança do computador proprietário. Depois que o software robô for instalado com sucesso em um computador, este computador se torna um zumbi ou um zangão, incapaz de resistir aos comandos do robô comandante. Podem ser usados em atividades de negação de serviço, esquemas de fraude, envio de spam, etc. IP Spoofing Disfarce. É isto que este ataque faz. Muitas comunicações entre computadores na Internet se baseiam em "parceiros" confiáveis. Um computador X pode manter uma comunicação com um computador Y de forma que não seja necessária a constante verificação de autenticidade entre eles. O hacker, então, se disfarça, dizendo para o computador X que "ele" é o computador Y. Desta forma o computador X vai aceitar seus comandos tranqüilamente. Spam Termo usado para se referir aos s não solicitados, que geralmente são enviados para um grande número de pessoas. Spammer Pessoa que envia spam. Boato (Hoax) que possui conteúdo alarmante ou falso e que, geralmente, tem como remetente ou aponta como autora da mensagem alguma instituição, empresa importante ou órgão governamental. Através de uma leitura minuciosa deste tipo de , normalmente, é possível identificar em seu conteúdo mensagens absurdas e muitas vezes sem sentido. Golpes on-line Phishing Scam Em computação, phishing é uma forma de Engenharia Social, caracterizada por tentativas de adquirir informações sensíveis, tais como senhas e números de cartão de crédito, ao se fazer passar como uma pessoa confiável ou uma empresa enviando uma comunicação eletrônica oficial, como um correio ou uma mensagem instantânea. O termo Phishing surge cada vez mais das sofisticadas artimanhas para "pescar" (fish) as informações sensíveis dos usuários. Em Segurança da informação, chama-se Engenharia Social as práticas utilizadas para obter acesso à informações importantes ou sigilosas em organizações ou sistemas por meio da enganação ou exploração da confiança das pessoas. Para isso, o golpista pode se passar por outra pessoa, assumir outra personalidade, fingir que é um profissional de determinada área, etc. É uma forma de entrar em organizações que não necessita da força bruta ou de erros em máquinas. Explora as falhas de segurança das próprias pessoas que, quando não treinados para esses ataques, podem ser facilmente manipuladas. Servidor DNS Na Internet, é um computador dotado de um software que traduz os nomes dos sites (domínios), da linguagem humana para números (chamados de endereços IP, ou Internet Protocol), de forma que possam ser interpretados pelas outras máquinas da rede. DNS é a sigla em inglês de Domain Name System, e se refere ao sistema de atribuição de nomes de domínios e endereços eletrônicos em redes de computadores. O que é cache DNS? Cache é o nome geral dado a memória temporária de um programa ou máquina, que serve para armazenar informações já acessadas e diminuir o tempo de acesso na próxima vez que a informação for requisitada. No caso do cache DNS, trata-se da memória temporária de um servidor DNS, de modo que o endereço IP de um site anteriormente acessado fique guardado na máquina, facilitando os acessos futuros. Pharming né um golpe que consiste em alterar os registros de IP s baseados em um Servidor DNS para que apontem para um determinado IP que não é o real. n Essa técnica clássica é chamada de envenenamento de cache DNS (DNS cache poisoning, em inglês). Neste ataque, um servidor de nomes (servidor DNS) é comprometido, de tal forma que as requisições de acesso a um site feitas pelos usuários deste servidor sejam redirecionadas a outro endereço, sob controle dos atacantes. Esse ataque também pode ser feito remotamente ou por meio de programas maliciosos Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 4

5 como cavalos-de-tróia, a um arquivo presente nos computadores de usuários finais, chamado "hosts". Este arquivo, encontrado na maioria das versões do Windows e em outros sistemas operacionais, pode incluir uma lista de nomes de sites associados a determinados endereços eletrônicos, como num catálogo telefônico. Se estes endereços forem alterados, o computador do usuário poderá direcioná-lo a um falso site toda vez que o nome de um site legítimo presente na lista for digitado no navegador de Internet. FIREWALL Conceito de Firewall Um Firewall é um sistema de segurança via software ou hardware que trabalha protegendo uma rede interna de computadores do acesso de outras redes não confiáveis, fazendo o repasse de pacotes de acordo com normas e regras. O firewall pode ser uma estação de trabalho, um Roteador, um Mainframe ou uma combinação de tudo isso. O seu objetivo é determinar, através de regras pré-definidas, qual informação ou serviço pode ser acessado de fora para dentro e quem tem permissão de usar os recursos de dentro para fora. Uma rede pode ter mais de um Firewall, mas, normalmente, um Firewall é instalado no ponto de estrangulamento (ponto de encontro) da rede interna com a rede externa. DMZ É o termo consagrado no jargão técnico para designar a sub-rede, protegida por firewall, em que se encontram os servidores que têm de ser resguardados e, ao mesmo tempo, devem ser acessíveis via Internet, tais como servidores Web, de correio eletrônico, transmissão de arquivos, sincronização de hora, listas, de nomes e domínios etc. IDS Sistemas de detecção de intruso adicionam um novo nível de visibilidade ao analisar as características do tráfego da sua rede, identificando acessos não autorizados, atividades suspeitas e ataques de Hackers Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 5

6 QUESTÕES DE CONCURSOSCom relação à segurança da informação, julgue os próximos itens. 15- A autoridade de registro recebe as solicitações de certificados dos usuários e as envia à autoridade certificadora que os emite. 1- A criptografia pode prover confidencialidade, integridade, autenticidade e disponibilidade. 2- Uma aplicação típica da esteganografia é prover privacidade em VPN. 3- A criação de cópias de segurança é um procedimento básico para a continuidade do negócio e recuperação de desastres. 4- Cópias de segurança devem ser testadas periodicamente para verificar o estado do seu meio de suporte e devem ser guardadas em local distinto das instalações onde se encontram os dados nelas gravados. 5- Em um sistema de chave pública, a chave de codificação criptográfica pode ser publicada. É normalmente denominada chave pública. Essa publicação torna-se possível porque não se pode chegar às chaves privadas a partir de suas correspondentes chaves públicas. 6- Quando se envia um importante, pode-se utilizar o certificado digital para assinar "digitalmente" a mensagem, de modo a assegurar ao destinatário a origem do e que este não foi adulterado entre o envio e o recebimento. 7- A Irretratabilidade é a propriedade de evitar a negativa de autoria de transações por parte do usuário, garantindo ao destinatário o dado sobre a autoria da informação recebida. 8- Uma das finalidades da assinatura digital é evitar que alterações feitas em um documento passem sem ser percebidas. Nesse tipo de procedimento, o documento original não precisa estar criptografado. 9- A assinatura digital facilita a identificação de uma comunicação, pois baseia-se em criptografia simétrica de uma única chave Quando um usuário com assinatura digital envia para um destinatário, a mensagem será assinada por uma chave pública do destinatário, para garantir que seja aberta apenas pelo destinatário. 11- Uma desvantagem dos aplicativos da suíte BR Office, em relação aos da suíte Microsoft Office, é não possuir suporte a assinaturas digitais nem exibir certificados digitais criados para os usuários. 12- O destinatário de uma mensagem assinada utiliza a chave pública do remetente para garantir que essa mensagem tenha sido enviada pelo próprio remetente. 13- Os vírus de são anexados às mensagens enviadas e o firewall, ao determinar o conteúdo da mensagem, pode, portanto, proteger o computador contra esses tipos de vírus. 14- A autoridade certificadora raiz emite certificados para usuários de mais alto nível de sigilo em uma organização com uma chave de criptografia de 128 bits. 6 Atualizada 03/09/2010 A figura acima ilustra uma janela do Internet Explorer 7 (IE7) em execução em um computador PC, cujo sistema operacional é o Windows XP. Considerando essa janela, julgue os itens seguintes. 16- Confidencialidade, integridade e disponibilidade são características diretamente relacionadas à segurança da informação que podem ser ameaçadas por agentes maliciosos. Em particular, a perda de disponibilidade acontece quando determinada informação é exposta ao manuseio de pessoa não-autorizada, que, utilizando falha no equipamento causada por motivo interno ou externo, efetua alterações que não estão sob o controle do proprietário da informação. 17- Por meio do botão, é possível que um usuário obtenha a denominada certificação digital, que, em aplicações bancárias, como a ilustrada na janela do IE7, permite que seja definida uma chave pública que serve para validar uma assinatura realizada em documentos eletrônicos do usuário. 18- worms (ou vermes) são uma ameaça programada camuflada em programas, que são ativados sob determinada condição, executando Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores

7 funções que alteram o comportamento do software hospedeiro. 19- Um Spyware é um programa que recolhe informações sobre o usuário e sobre seus costumes na Internet e transmite estas informações a uma entidade externa na Internet sem o conhecimento ou consentimento do usuário. Diferem dos cavalos de Tróia por não terem como objetivo que o sistema do usuário seja dominado ou manipulado. Atualizada 03/09/2010 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 7

MALWARE. Spyware. Seguem algumas funcionalidades implementadas em spywares, que podem ter relação com o uso legítimo ou malicioso:

MALWARE. Spyware. Seguem algumas funcionalidades implementadas em spywares, que podem ter relação com o uso legítimo ou malicioso: MALWARE Spyware É o termo utilizado para se referir a uma grande categoria de software que tem o objetivo de monitorar atividades de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros. Seguem

Leia mais

BB Extensiva 05 06. Informática Criptográfica e Malwares. Prof. Rafael. Criptografia. Os princípios básicos de segurança da informações são:

BB Extensiva 05 06. Informática Criptográfica e Malwares. Prof. Rafael. Criptografia. Os princípios básicos de segurança da informações são: Criptografia Criptografia é a ciência e arte de escrever mensagens em forma cifrada ou em código. É parte de um campo de estudos que trata das comunicações secretas, usadas, dentre outras finalidades,

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos.

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos. INTRODUÇÃO Essa apostila foi idealizada como suporte as aulas de Informática Educativa do professor Haroldo do Carmo. O conteúdo tem como objetivo a inclusão digital as ferramentas de pesquisas on-line

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Segurança na Internet Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Segurança de Computadores Senhas Engenharia Social Vulnerabilidade Códigos Maliciosos Negação de Serviço 2 Segurança de Computadores

Leia mais

Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos

Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos Malwares Segurança da Informação. S.O.S. Concursos Prof: Tiago Furlan Lemos Malware O termo malware é proveniente do inglês malicious software; é um software destinado a se infiltrar em um sistema de computador

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO:

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: Exercícios de Segurança de Informação Ameaças lógicas Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: 1) Vírus de macro infectam arquivos criados por softwares que utilizam

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARTE 2 Segurança da Informação A segurança da informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido, sabotagens, paralisações, roubo de informações ou

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) André Gustavo Assessor Técnico de Informática MARÇO/2012 Sumário Contextualização Definições Princípios Básicos de Segurança da Informação Ameaças

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 Dispõe sobre o uso de Certificado Digital no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA DE ÁGUAS-ANA,

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

REDES. Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos.

REDES. Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos. REDES Consiste em dois ou mais computadores conectados entre si e compartilhando recursos. TIPOS TIPOS LAN MAN WAN FUNCIONAMENTO DE UMA REDE TIPOS Cliente/ Servidor Ponto a ponto INTERNET Conceito 1.

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos Segurança e Auditoria de Sistemas Conceitos básicos Conceitos básicos Propriedades e princípios de segurança; Ameaças; Vulnerabilidades; Ataques; Tipos de malware; Infraestrutura de segurança. Propriedades

Leia mais

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Esse material pode ser denominado Notas de Aulas. Ele não é autodidático, não o utilize como fonte única de consulta para estudos para préconcurso. Use-o

Leia mais

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura?

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura? Qual a importância da Segurança da Informação para nós? No nosso dia-a-dia todos nós estamos vulneráveis a novas ameaças. Em contrapartida, procuramos sempre usar alguns recursos para diminuir essa vulnerabilidade,

Leia mais

Malwares. Algumas das diversas formas como os códigos maliciosos podem infectar ou comprometer um computador são:

Malwares. Algumas das diversas formas como os códigos maliciosos podem infectar ou comprometer um computador são: Malwares Códigos Maliciosos - Malware Códigos maliciosos (malware) são programas especificamente desenvolvidos para executar ações danosas e atividades maliciosas em um computador. Algumas das diversas

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança Segurança deve considerar o ambiente externo do sistema, e proteger de: Acesso não autorizado Alteração ou

Leia mais

Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral. Prof. Paulo A. Neukamp

Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral. Prof. Paulo A. Neukamp Aula 03 Malware (Parte 01) Visão Geral Prof. Paulo A. Neukamp Mallware (Parte 01) Objetivo: Descrever de maneira introdutória o funcionamento de códigos maliciosos e os seus respectivos impactos. Agenda

Leia mais

APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO

APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO APOSTILA PROFESSOR BISPO INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO 8. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO função, garantindo a integridade do documento associado, mas não a sua confidencialidade. HASH: Verifica a integridade, pois

Leia mais

Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma

Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma Evitar cliques em emails desconhecidos; Evitar cliques em links desconhecidos; Manter um Firewall atualizado e ativado; Adquirir um Antivírus de uma loja específica Manter um Antivírus atualizado; Evitar

Leia mais

Segurança em computadores e em redes de computadores

Segurança em computadores e em redes de computadores Segurança em computadores e em redes de computadores Uma introdução IC.UNICAMP Matheus Mota matheus@lis.ic.unicamp.br @matheusmota Computador/rede segura Confiável Integro Disponível Não vulnerável 2 Porque

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Roubo de identidade Hackers e cibervandalismo Roubo de informações pessoais (número de identificação da Previdência Social, número da

Leia mais

Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235

Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235 Complemento - 1 Complemento de Informática - INSS - Cód.: 1235 Material desenvolvido com base no EDITAL Nº 1 INSS, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 - NOÇÕES DE INFORMÁTICA: 6 Noções básicas de segurança e proteção:

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet NIC BR Security Office nbso@nic.br Versão 2.0 11 de março de 2003 Resumo Esta parte da cartilha aborda questões relacionadas à fraudes

Leia mais

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware)

Parte VIII: Códigos Maliciosos (Malware) SEGURANÇA FRAUDE TECNOLOGIA SPAM INT MALWARE PREVENÇÃO VÍRUS BANDA LARGA TROJAN PRIVACIDADE PHISHING WIRELESS SPYWARE ANTIVÍRUS WORM BLUETOOTH SC CRIPTOGRAFIA BOT SENHA ATAQUE FIREWAL BACKDOOR COOKIES

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC- Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS- Departamento de Relacionamento com o

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC- Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS- Departamento de Relacionamento com o DERUS- Departamento de Relacionamento com o Usuário DERUS- Departamento de Relacionamento com o Usuário Sumário: Gerando um arquivo PDF 3 Como assinar digitalmente um documento PDF 17 O Assinador Livre

Leia mais

Programa que, além de incluir funcionalidades de worms, dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor, permitindo que seja controlado remotamente.

Programa que, além de incluir funcionalidades de worms, dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor, permitindo que seja controlado remotamente. TIPOS DE VÍRUS Principais Tipos de Códigos Maliciosos 1. Virus Programa que se propaga infectando, isto é, inserindo cópias de si mesmo e se tornando parte de outros programas e arquivos de um computador.

Leia mais

Instruções e Manual de Instalação Leitora + Cartão Inteligente. Certificado Digital Serasa

Instruções e Manual de Instalação Leitora + Cartão Inteligente. Certificado Digital Serasa Instruções e Manual de Instalação Leitora + Cartão Inteligente Certificado Digital Serasa O que é Certificado Digital? O Certificado Digital Serasa é um documento eletrônico que possibilita comprovar a

Leia mais

Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br

Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br Segurança da Internet no Brasil e Atuação do CERT.br Aritana Pinheiro Falconi falconi@cert.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e Coordenação

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante. ICMS PI/2014: Resolução da prova de Informática Prof. Gustavo Cavalcante

ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante. ICMS PI/2014: Resolução da prova de Informática Prof. Gustavo Cavalcante ICMS PI/2014 Resolução da Prova de Informática Professor Gustavo Cavalcante 1 de 12 Olá concurseiros, ICMS PI/2014: Resolução Hoje farei alguns comentários acerca da prova para a SEFAZ PI 2014. A prova

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA. CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br

Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA. CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br Proteção no Ciberespaço da Rede UFBA CPD - Divisão de Suporte Yuri Alexandro yuri.alexandro@ufba.br Agenda Segurança o que é? Informação o que é? E Segurança da Informação? Segurança da Informação na UFBA

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Professor Jeferson 1 Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados ou a um conjunto de informações, no sentido de preservar o valor que possuem para

Leia mais

Informática. Keylogger É um programa capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas pelo usuário no teclado de um computador.

Informática. Keylogger É um programa capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas pelo usuário no teclado de um computador. Malware Malware é um termo geral normalmente aplicado ao nos referir-mos a qualquer software desenvolvido para causar danos em computadores, servidores ou redes de computador, e isso independentemente

Leia mais

Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas

Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas Segurança na Informática Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2bmas Navegar é preciso... Segurança Digital Navegar é Preciso Tipos de Vírus Tipos de Vírus Cuidados na Internet

Leia mais

PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. CAPÍTULO I

PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. CAPÍTULO I PORTARIA TC Nº 382, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Disciplina a utilização dos certificados digitais no âmbito interno, pelos funcionários do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco TCE-PE e demais usuários

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Preparatório INSS. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 4. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 5. E. Errado QUESTÃO 6

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Preparatório INSS. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 4. C. Certo. E. Errado QUESTÃO 5. E. Errado QUESTÃO 6 Questões sobre Vírus e Anti-Vírus aula 20/04/16 gabarito: www.miqueiasfernandes.com.br identificar as falhas de segurança existentes nos sistemas operacionais para contaminar computadores de empresas e

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Revisando As transações eletrônicas demandam mecanismos de segurança que garantam: Autenticidade Confidencialidade Integridade

Leia mais

Prof. Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck

Prof. Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck Prof. Ricardo Beck www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 14 Como Funciona a Internet Basicamente cada computador conectado à Internet, acessando ou provendo

Leia mais

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul.

Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Assinatura Digital de Contratos de Câmbio Banrisul Utilização dos certificados digitais para a Assinatura de Contratos de Câmbio Banrisul. Manual Descritivo Índice 1. Introdução 1.1. Objetivo. 1.2. Escopo.

Leia mais

Material Complementar. 50 questões gabaritadas

Material Complementar. 50 questões gabaritadas Material Complementar 50 questões gabaritadas Considerando os conceitos de Internet, intranet e correio eletrônico, julgue os itens a seguir. 1. (Pol. Civil ES/2009) As redes wireless possuem a vantagem

Leia mais

Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação

Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação Auditoria e Segurança em Tecnologia da Informação @lucianodoll Conceitos de segurança Introdução Segurança Um computador é seguro se atende a 3 requisitos: Confidencialidade: a informação só está disponível

Leia mais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores. Pragas Virtuais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores. Pragas Virtuais Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores Pragas Virtuais 1 Pragas Virtuais São programas desenvolvidos com fins maliciosos. Pode-se encontrar algumas semelhanças de um vírus de computador com

Leia mais

Conceitos relativos à proteção e segurança

Conceitos relativos à proteção e segurança Conceitos de proteção e segurança 1 Conceitos relativos à proteção e segurança Códigos Maliciosos (Malware) Código malicioso ou Malware (Malicious Software) é um termo genérico que abrange todos os tipos

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS 1 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS MARQUES, A. M. 1 ; VIDOTTI, S. A. B. G. 1 A Rede Internet como a conhecemos hoje foi concebida inicialmente para fins militares e depois utilizada como

Leia mais

A segurança na utilização da Internet é um tema muito debatido nos dias atuais devido à grande quantidade de ladrões virtuais.

A segurança na utilização da Internet é um tema muito debatido nos dias atuais devido à grande quantidade de ladrões virtuais. A segurança na utilização da Internet é um tema muito debatido nos dias atuais devido à grande quantidade de ladrões virtuais. Sobre as práticas recomendadas para que a utilização da internet seja realizada

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Malware, scam e fraudes Italo Valcy Fraudes Fraudes na Internet Engenharia social Phishing / Scam Código malicioso Engenharia

Leia mais

Política de Segurança da. Autoridade Certificadora VALID SPB (PS AC VALID SPB)

Política de Segurança da. Autoridade Certificadora VALID SPB (PS AC VALID SPB) Política de Segurança da Autoridade Certificadora VALID SPB (PS AC VALID SPB) Versão 1.0 24 de agosto de 2012 Política de Segurança da AC VALID SPB V 1.0 1/30 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...5 2. OBJETIVOS...5

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Aguinaldo Fernandes Rosa

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Aguinaldo Fernandes Rosa SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DICAS Aguinaldo Fernandes Rosa Especialista em Segurança da Informação Segurança da Informação Um computador (ou sistema computacional) é dito seguro se este atende a três requisitos

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

AULA 00 Segurança da Informação

AULA 00 Segurança da Informação AULA 00 Segurança da Informação Sumário Página 1 - Apresentação 1 2 Segurança da Informação e seus princípios. 7 3 Vulnerabilidades 13 4 Malwares, Spywares e ataques 18 5 Ferramentas de detecção de pragas

Leia mais

Questões de Informática Banca CESPE - Ano: 2010 Caderno 2 Fontes: Provas da Banca CESPE

Questões de Informática Banca CESPE - Ano: 2010 Caderno 2 Fontes: Provas da Banca CESPE 1. ( ) Um computador pode ser protegido contra vírus por meio da instalação de software específicos como, por exemplo, Norton Anti-virus, McAfee Security Center e AVG, que identificam e eliminam os vírus.

Leia mais

Ameaças, riscos e vulnerabilidades. Prof. Anderson Maia. Objetivos. ameaças mais comuns na internet;

Ameaças, riscos e vulnerabilidades. Prof. Anderson Maia. Objetivos. ameaças mais comuns na internet; Ameaças, riscos e vulnerabilidades Prof. Anderson Maia Objetivos è compreender o funcionamento de algumas ameaças mais comuns na internet; è entender como tais ameaças podem ser exploradas por meio das

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 05 Ataques, Golpes e Malware Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Previous... 2 Golpes 3 Engenharia Social Manipulação psicológica de pessoas

Leia mais

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Prof. Renato M. renato5150@hotmail.com Aula 2 São pequenos programas feitos geralmente em linguagem de máquina, e que possuem a característica

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Segurança Física e Segurança Lógica Segurança

Leia mais

Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet

Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet Sistemas para Internet 06 Ataques na Internet Uma visão geral dos ataques listados na Cartilha de Segurança para Internet do CGI Comitê Gestor da Internet Componente Curricular: Bases da Internet Professor:

Leia mais

USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL

USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL USO DOS SERVIÇOS DE E-MAIL 1. OBJETIVO Estabelecer responsabilidades e requisitos básicos de uso dos serviços de Correio Eletrônico, no ambiente de Tecnologia da Informação da CREMER S/A. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Parte I: Conceitos de Segurança

Parte I: Conceitos de Segurança SEGURANÇA FRAUDE TECNOLOGIA SPAM INT MALWARE PREVENÇÃO VÍRUS BANDA LARGA TROJAN PRIVACIDADE PHISHING WIRELESS SPYWARE ANTIVÍRUS WORM BLUETOOTH SC CRIPTOGRAFIA BOT SENHA ATAQUE FIREWAL BACKDOOR COOKIES

Leia mais

INFORMÁTICA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

INFORMÁTICA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Tudo se baseia na confiança! O objetivo principal da Segurança da Informação é a confiança que o sistema vai inspirar nos seus usuários! Então se destaca a importância relacionada à CONFIABILIDADE dos

Leia mais

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br Segurança e Proteção da Informação Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br 1 Segurança da Informação A informação é importante para as organizações? Por que surgiu a necessidade de se utilizar

Leia mais

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP PS da AC Imprensa Oficial SP Versão 1.1-12 de Setembro de 2005 PS da AC Imprensa Oficial SP v1.1 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO... 4 2.OBJETIVOS...

Leia mais

SICAP - MÓDULO CARDUG. CAPÍTULO CARDUG Cadastro de Responsáveis das Unidades Gestoras

SICAP - MÓDULO CARDUG. CAPÍTULO CARDUG Cadastro de Responsáveis das Unidades Gestoras SICAP - MÓDULO CARDUG CAPÍTULO CARDUG Cadastro de Responsáveis das Unidades Gestoras Apresentação Caro Aluno, Confeccionamos este capítulo para servir de apoio a você, aos gestores e responsáveis das unidades

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Segurança na Internet Aula 4 Profa. Rosemary Melo Segurança na Internet A evolução da internet veio acompanhada de problemas de relacionados a segurança. Exemplo de alguns casos de falta

Leia mais

MALWARE`S. Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho

MALWARE`S. Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho MALWARE`S Disciplina : Informática ll - Válquer Coêlho MALWARE O termo software; é proveniente do inglês malicious É destinado a se infiltrar em um sistema de computador alheio de forma ilícita, com o

Leia mais

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões Oficial Escrevente 2013 Informática Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 CERTIFICADO DIGITAL CERTIFICADO DIGITAL Funciona como uma identidade virtual CERTIFICADO DIGITAL Permite

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR LUIZ DAVI DOS SANTOS SOUZA

PROJETO INTEGRADOR LUIZ DAVI DOS SANTOS SOUZA PROJETO INTEGRADOR LUIZ DAVI DOS SANTOS SOUZA Os serviços IP's citados abaixo são suscetíveis de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade de

Leia mais

Segurança em Redes.

Segurança em Redes. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Redes Agenda Riscos Cuidados gerais a serem tomados Configurando o acesso Internet da sua casa Configurando uma rede Wi-Fi doméstica Cuidados: ao se conectar

Leia mais

WWW.CPCCONCURSOS.COM.BR

WWW.CPCCONCURSOS.COM.BR AULÃO PRÉ-PROVA LÍNGUA PORTUGUESA - Prof. Alberto Menegotto 01 ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO - Prof.ª Martha Messerschmidt 06 INFORMÁTICA - Prof. Sandro Figueredo 09 RACIOCÍNIO LÓGICO - Prof.ª Daniela Arboite

Leia mais

Ameaças a computadores. Prof. César Couto

Ameaças a computadores. Prof. César Couto Ameaças a computadores Prof. César Couto Conceitos Malware: termo aplicado a qualquer software desenvolvido para causar danos em computadores. Estão nele incluídos vírus, vermes e cavalos de tróia. Vírus:

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Códigos Maliciosos.

Códigos Maliciosos. <Nome> <Instituição> <e-mail> Códigos Maliciosos Agenda Códigos maliciosos Tipos principais Cuidados a serem tomados Créditos Códigos maliciosos (1/3) Programas especificamente desenvolvidos para executar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

Mecanismos de Autenticação dos Emails

Mecanismos de Autenticação dos Emails Mecanismos de Autenticação dos Emails De uma forma generalizada, pode-se identificar os seguintes problemas relacionados com a autenticidade dos emails: Envio de mensagens não solicitadas (spam), que pode

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 6 Segurança na Camada de Aplicação Obtenção de Acesso não Autorizado via Malwares Vírus, Worms, Trojan e Spyware Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho

Prof. Demétrios Coutinho Prof. Demétrios Coutinho Hoje em dia a informação é o bem mais valioso de uma empresa/cliente. A segurança da informação é um conjunto de medidas que se constituem basicamente de controles e política de

Leia mais

O Firewall do Windows vem incorporado ao Windows e é ativado automaticamente.

O Firewall do Windows vem incorporado ao Windows e é ativado automaticamente. Noções básicas sobre segurança e computação segura Se você se conecta à Internet, permite que outras pessoas usem seu computador ou compartilha arquivos com outros, deve tomar algumas medidas para proteger

Leia mais

Vírus é um programa. Sendo que este programa de computadores é criado para prejudicar o equipamento ou sabotar os dados nele existente.

Vírus é um programa. Sendo que este programa de computadores é criado para prejudicar o equipamento ou sabotar os dados nele existente. Segurança da Informação Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Engenharia Social Chama-se Engenharia Social as práticas utilizadas para obter acesso a informações importantes ou sigilosas em organizações

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP. Conceitos e problemas envolvidos

CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP. Conceitos e problemas envolvidos CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP Conceitos e problemas envolvidos Agenda Histórico Conceitos Aplicações na USP Recomendações Assinatura e Certificação Digital Objetivo =>

Leia mais

Professor Rodrigo. 1. Considere a seguinte situação em uma planilha MS-Excel (2003):

Professor Rodrigo. 1. Considere a seguinte situação em uma planilha MS-Excel (2003): 1. Considere a seguinte situação em uma planilha MS-Excel (2003): Selecionar as células de B1 até B4 e depois arrastar essa seleção pela alça de preenchimento para a célula B5, fará com que o valor correspondente

Leia mais

ela local ou publica?

ela local ou publica? o Existe rede segura? o Você esta seguro ao acessar sua rede, seja ela local ou publica? o o o o Hacker (White Hat) Hacker (Gray Hat) Cracker (Black Hat) Lammer Fonte: http://br.zone-h.org/ o Coletar Informações

Leia mais

Disciplina: Administração de Redes de Computadores.

Disciplina: Administração de Redes de Computadores. Disciplina: Administração de Redes de Computadores. Abordagem: Segurança Prof. Leandro Meireles 2011.2 Sistema Seguro Confidencialidade Integridade Disponibilidade Porque se preocupar com a segurança?

Leia mais

Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta

Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta Em informática, um vírus de computador é um software malicioso que vem sendo desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta o sistema, faz cópias de si mesmo e tenta se espalhar

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos

Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos Ameaças Exploradores de uma vulnerabilidade para atacar ativos Demonstração de poder Motivos Busca por prestígio Motivações financeiras Motivações ideológicas Motivações comerciais Processo de Ataque Exploram

Leia mais

Definição. Certificado. Digital. 1 tido ou dado como certo. 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de

Definição. Certificado. Digital. 1 tido ou dado como certo. 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de Certificado Digital Definição Certificado 1 tido ou dado como certo 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de 3 documento no qual se atesta a existência de certo fato e dele se dá ciência - Autenticar;

Leia mais

Segurança da Informação. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Segurança da Informação. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Segurança da Informação Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Cenário Atual Era da Informação e da Globalização: Avanços da Tecnologia da Informação; Avanços

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Fraud Prevention for Endpoints. www.kaspersky.com

Fraud Prevention for Endpoints. www.kaspersky.com Fraud Prevention for Endpoints www.kaspersky.com 2 Fraud Prevention for Endpoints KASPERSKY FRAUD PREVENTION 1. Formas de atacar o Banco O principal motivo por trás do crime virtual é fazer dinheiro, e

Leia mais

Integração entre o PROSEG e o PSGIS Uma abordagem no. tratamento de incidentes de segurança da informação. Parte 2. Elaboradores:

Integração entre o PROSEG e o PSGIS Uma abordagem no. tratamento de incidentes de segurança da informação. Parte 2. Elaboradores: Integração entre o PROSEG e o PSGIS Uma abordagem no tratamento de incidentes de segurança da informação Parte 2 Elaboradores: - Cristiane Gomes e Thiago Moraes/SUPGS - João Emílio e Maria do Carmo/COGSI

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação : a) Conceito b) Equipamentos c) Aplicações Criptografia, Redes de Computadores e Internet Recordar: TI; Hardware; Software; Redes de computadores; Computadores e redes de computadores ligados (Internet).

Leia mais