Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções"

Transcrição

1 Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções Alexandre B. Gonçalves Instituto Superior Técnico, Univ. de Lisboa SIG Processam informação geográfica Possibilitam análise espacial: cruzam conjuntos de dados geográficos com base na localização Encontrar locais que verificam determinadas condições ou critérios Problemas com uma só solução Obter a área agrícola a menos de 1000 m das estradas nacionais no concelho de Alcoutim. Exemplo Alcoutim 3/26/2015 Instituto Superior Técnico 3/26/2015 Instituto Superior Técnico Investigação Operacional 5235 ha Ramo da Matemática Aplicada baseada nos trabalhos de matemáticos dos séculos XVII a XX (Newton, Leibnitz, Bernoulli, Lagrange, Fourier, Babbage, Monge, von Neumann, Kantorovich, Stigler,...) apoio à decisão (sobre recursos) modelos matemáticos formalização da teoria da decisão análise da estrutura de problemas métodos analíticos quantitativos simulação otimização matemática métodos econométricos... 3/26/2015 Instituto Superior Técnico 1

2 Ciência da localização (location science) Ramo da investigação operacional Weber (1909): onde localizar uma indústria tendo em conta custos de matéria prima, trabalho e transporte e economias de escala C.L. I.O. Matemática Aplicada Ciência da localização (location science) Lida com os problemas de localização Encontrar locais que melhor verificam determinadas condições ou critérios Subjacente: medida de qualidade das soluções deseja-se a melhor solução Problemas com várias (muitas) soluções Qual o melhor rearranjo do mapa judiciário português? Que rotas de recolha de lixo são as que mais poupam? Como distribuir torres de vigia de incêndios de modo a observar a maior área possível de floresta? Problema de localização Problemas de localização Onde? Espaço de localização Restrições O quê? Quanto? Porquê? Oferta Procura Função-objetivo Funções de parametrização Restrições Espaço de localização contínuo discreto Elementos de oferta número tipo capacidade custo geometria Elementos de procura distribuição nível de procura associação à oferta Funções de parametrização de interação de validação Função-objetivo objetivo restrições espaciais de validação de configuração de domínio Problemas de localização (PL) Ciência da localização (location science) Os PL interessantes apresentam em geral um número muito grande de soluções para analisar Para o problema de máxima cobertura (...) distribuir torres de vigia de incêndios de modo a observar a maior área possível de floresta com 50 locais candidatos e 5 torres há combinações 2

3 Ciência da localização (location science) Modelos matemáticos Técnicas de otimização Modelos: formulação de um problema (...) distribuir P torres de vigia de incêndios de modo a observar a maior área possível de floresta Representam formalmente o problema Permitem enquadrar o problema segundo as suas características Codificam e avaliam soluções Permitem determinar a(s) melhor(es) solução(ões) max suj.a torres cobertura ii Z jj X Z i i j h Z i X jj j i a ij P X j i I 01, j 01, i I J maximizar a cobertura local i só é coberto se houver alguma torre que o observe localizar P torres condições de integralidade das variáveis de decisão Modelos: enquadramento de problemas Muitos modelos: Cobertura de conjuntos Máxima cobertura Mediana Centragem... Não se localizam só pontos Localização de linhas Rotas, percursos, redes Rotas e percursos Caminho mais curto (LCP) Passagem por locais pré-determinados (encontrar a melhor ordem): Caixeiro-viajante (TSP) Rotas de veículos (VRP) Carteiro chinês (CPP) 3

4 Fonte:esri.com Fonte:web.mit.edu Localização de linhas - LCP Localização de linhas - LCP Localização de linhas - TSP Localização de linhas - VRP Passagem por locais pré-determinados (encontrar a melhor ordem): Caixeiro-viajante VRP Carteiro chinês 3/26/2015 Instituto Superior Técnico Fonte:esri.com Localização de linhas - CPP Localização de redes Ou equipamentos lineares 4

5 J.V.Sousa (IST) Localização de redes Ou equipamentos lineares Localização de áreas site search multi-site land-use allocation redistricting facility layout Site search Dada uma distribuição da aptidão e/ou custo, obter a melhor solução, que é parte do espaço máx. aptidão mín. custo critérios de forma Multi-site land-use allocation Classificar o espaço com base em condições de vizinhança, distância, fronteira, dimensão, ( ) aplicadas às classes Multi-site land-use allocation Classificar o espaço com base em condições de vizinhança, distância, fronteira, dimensão, ( ) aplicadas às classes Redistricting Redistribuição/reagrupamento de unidades territoriais 5

6 C. Gigante (IST) Facility layout Classificação do espaço em função de restrições de adjacência ou proximidade entre classes Resolução A escolha do método de resolução depende: Da estrutura ou tipo do problema Há problemas para os quais se conhecem algoritmos eficientes em termos de espaço de memória e tempo de execução Há outros para os quais não se conhecem Da dimensão do problema Número de elementos de oferta/procura no problema Da capacidade de transformar o problema em outro problema já conhecido Métodos de resolução Exatos Encontram o valor ótimo Heurísticos Não garantem a descoberta do ótimo Tiram partido da estrutura do problema Permitem determinar Meta-heurísticas são métodos a(s) melhor(es) heurísticos que podem lidar com Servem para problemas solução(ões) face aos qualquer problema de otimização tratáveis recursos disponíveis por não estarem dependentes de um problema específico. Análise de algoritmos Espaço Espaço de armazenamento, número de variáveis Tempo Número de operações necessárias A análise de um algoritmo visa determinar o tempo expectável para a sua execução e o espaço de armazenamento de variáveis necessário Recursos de cálculo O(1) Constante Ultrarrápido O(logn) Logarítmico Rápido O(n) Linear Moderado O(n logn) Sublinear Moderado O(n k ) Polinomial Lento O(k n ) Exponencial Intratável 1 0,0 1,0 1,0 2,0 25 3,1 5, ,3 X ,9 7, ,1 X ,3 8, ,8 X ,6 10, ,3 X10 30 Ordens de complexidade 6

7 Tempo de cálculo 1 milhão de operações por segundo Com recurso a supermáquinas n=10 n=20 n=40 O(n) 0,00001 s 0,00002 s 0,00004 s O(n 2 ) 0,0001 s 0,0004 s 0,0016 s O(n 3 ) 0,0001 s 0,008 s 0,0064 s O(2 n ) 0,0001 s 1,05 s 12,7 dias O(e n ) 0,022 s 8,08 minutos 74,6 séculos Complexidade complexidade veloc. atual 10x mais rápido 100x mais rápido 1000x + rápido O(n) N 1 10xN 1 100xN xN 1 O(n 2 ) N 2 3,16xN 2 10xN 2 31,6xN 2 O(n 3 ) N 3 2,15N 3 4,64xN 3 10xN 3 O(2 n ) N 4 N 4 +3,32 N 4 +6,64 N 4 +9,97 O(e n ) N 5 N 5 +2,3 N 5 +4,61 N 5 +6,91 quanto poderá crescer o input em função do aumento da velocidade de processamento, mantendo o tempo de execução Heurísticas Heurísticas INÍCIO INÍCIO Construtivas De simplificação De combinação De melhoramento Construtivas Determinar o candidato que cobre a maior quantidade de procura ainda não satisfeita Ativar equipamento nesse local e remover a procura coberta por este Selecionar aleatoriamente um equipamento ainda não escolhido Ativar equipamento nesse local e remover a procura coberta por este Não Já foram localizados P elementos, ou já toda a procura é satisfeita? Não Já foram localizados P elementos, ou já toda a procura é satisfeita? Sim Sim Sim FIM FIM Meta-heurísticas Codificam e exploram o espaço de soluções: Algoritmos genéticos Colónia de formigas Arrefecimento simulado... Algoritmos genéticos Fraser & Burnell (1970); Crosby (1973); Holland (1975) 7

8 Fonte:wikipedia.org Algoritmos genéticos Colónia de formigas Dorigo, 1992 Inspirada pelo comportamento das formigas e pelo rasto de feromonas: mais feromonas = melhor solução Arrefecimento simulado Kirkpatrick, Gelatt, Vecchi (1983); Černý (1985) Inspirada por processo metalúrgico Papel dos SIG Input e output Localização em espaços não homogéneos Parametrização: há muitas funções além da distância Heurísticas espaciais (redução de candidatos, produção de soluções: p.ex., localização de observadores) Análise de sensibilidade (relacionado com o MAUP) Exemplos de heurísticas espaciais Exemplos de heurísticas espaciais Localizar antenas no concelho de Sintra de modo a maximizar a população coberta Classificação morfológica (90 m) 4000 Pits 0,12% Channels 22,84% Passes 0,68% number of visible cells Pit Valley Pass Ridge Peak Planar Duas estratégias: reduzir candidatos / generalizar Ridges 26,76% Peaks 0,21% Planar 49,39% 8

9 150 m Exemplos de heurísticas espaciais Calcular o índice de visibilidade e escolher os melhores 5% Exemplos de heurísticas espaciais Generalização 90 m 300 m Conclusão É enorme a variedade de problemas de localização que se podem equacionar Há um conjunto de modelos e técnicas que se adaptam a estes problemas Os SIG permitem quantificar e qualificar relações espaciais que interessam em vários PL, bem como induzir várias heurísticas espaciais A investigação nesta área é um campo que ainda agora começou a ser explorado! DISSERTAÇÕES DE MESTRADO DIOGO M. MORGADO: Modelo de otimização para a gestão de resíduos hospitalares perigosos em Portugal com integração de SIG. Mestr. Engª e Gestão Industrial, IST (2015) FILIPE F. GOMES: Otimização de circuitos de inspeção aos pavimentos de uma rede rodoviária nacional. Mestr. Engª e Gestão Industrial, IST (2015) ISABEL BATISTA: Módulo para Resolução de Problemas de Localização de Pontos em Ambiente SIG, Mestr. Engª do Território, IST (2010) ALEXANDRE SANTOS: Definição do Traçado de Infra-estruturas Lineares Usando SIG: O Caso da Infra-estrutura Ferroviária de Alta Velocidade, Mestr. SIG, IST (2009) JOSÉ V. SOUSA: Localização por Site Search, Mestr. SIG, IST (2008) ARTIGOS AMORIM, A.; GONÇALVES, A.B.; NUNES, L.M.; SOUSA, A.J. (2012): Optimizing the location of weather monitoring stations using estimation uncertainty, International Journal of Climatology, V. 32, n.º 6, pp GONÇALVES, A.B. (2010): "An extension of GIS-based least-cost path modelling to the location of wide paths", International Journal of Geographical Information Science, V. 24, n.º7, pp BRAVO, J.M.; COLLISCHONN, W.; PILAR, J. V.; GONÇALVES, A. (2008): Avaliação do Desempenho de um Algoritmo Baseado no Comportamento de Formigas em Problemas de Caminho de Mínimo Custo em Ambientes Raster, Revista Brasileira de Cartografia, v. 60, pp LEITÃO, J.P.; MATOS, J.S.; GONÇALVES, A.; MATOS, J.L. (2005): "Contribution of Geographic Information Systems and Location Models to Planning of Wastewater Systems", Water Science and Technology, V. 52, nº 3, pp CONFERÊNCIAS RODRIGUES, M.S.; GOMES, M.C.; GONÇALVES, A.B.; SHRUBSALL, S. (2015): Hazardous materials transportation using bi-level linear programming: a case-study of liquid fuel distribution, International Conference on Operations Research and Enterprise Systems. AMORIM, A.; GONÇALVES, A.B.; NUNES, L.M.; SOUSA, A.J. (2011): Optimização da localização de estações meteorológicas. 15.º Congresso da Associação Portuguesa de Investigação Operacional (APDIO). SOUSA, J. ; GONÇALVES, A. (2009): Localização por Site Search, VI Conferência Nacional de Cartografia e Geodesia. Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções Alexandre B. Gonçalves Instituto Superior Técnico, Univ. de Lisboa 9

Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções

Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções Os Sistemas de Informação Geográfica e a Otimização Espacial no Apoio à Decisão: Problemas, Modelos e Soluções Alexandre B. Gonçalves Instituto Superior Técnico, Univ. de Lisboa SIG Processam informação

Leia mais

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG.

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. Carla Vaz Paulo 1 1. INTRODUÇÃO O rápido desenvolvimento urbano nas duas últimas décadas, desencadeou um elevado crescimento

Leia mais

Observatório da Qualidade do Ar do Município de Matosinhos

Observatório da Qualidade do Ar do Município de Matosinhos Observatório da Qualidade do Ar do Município de Matosinhos Resumo Não Técnico Matosinhos, 2013 Índice Enquadramento... 4 Matriz e Carta da Qualidade do Ar... 5 Nota Final... 8 2 Índice de Figuras Figura

Leia mais

Voluntariado Jovem Monitorização Ambiental Preservação da Natureza

Voluntariado Jovem Monitorização Ambiental Preservação da Natureza Voluntariado Jovem Monitorização Ambiental Preservação da Natureza Introdução O Natura Observa é um programa de voluntariado jovem na área do ambiente e da preservação da natureza, promovido pela Cascais

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos

Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Introdução aos Conceitos de Problemas de Transporte e Roteamento de Veículos Alexandre da Costa 1 1 Acadêmico do Curso de Matemática - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR Amílcar AMBRÓSIO (1) ;Ana AMBRÓSIO DE SOUSA (2) RESUMO A Câmara Municipal de Lisboa, na previsão

Leia mais

Programação não Linear Conteúdos da Seção Programação Não Linear Aplicações Solução Gráfica Resolução no Excel Controle de Eestoque Modelo do Lote

Programação não Linear Conteúdos da Seção Programação Não Linear Aplicações Solução Gráfica Resolução no Excel Controle de Eestoque Modelo do Lote Programação não Linear Conteúdos da Seção Programação Não Linear Aplicações Solução Gráfica Resolução no Ecel Controle de Eestoque Modelo do Lote Econômico Problemas de Localização Caso LCL Telecom S.A.

Leia mais

Modelação do relevo. Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Aula 9 Modelação do relevo. Criação de modelos do relevo

Modelação do relevo. Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Aula 9 Modelação do relevo. Criação de modelos do relevo Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Aula 9 Modelação do relevo Alexandre Gonçalves DECivil - IST alexandre.goncalves@tecnico.ulisboa.pt Modelação do relevo. Modelos Digitais do Terreno. Representação

Leia mais

Índice de Saúde Sustentável. Conferência TSF 8 de Março de 2016

Índice de Saúde Sustentável. Conferência TSF 8 de Março de 2016 Índice de Saúde Sustentável Conferência TSF 8 de Março de 2016 1 Índice 1. Enquadramento Projeto Saúde Sustentável - Passado, Presente e Futuro 2. Metodologia e Resultados do Estudo 2016 - Notas Metodológicas

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Curriculim vit vitæ (resumido)

Curriculim vit vitæ (resumido) Curriculim vit vitæ (resumido) Paulo Nuno Maia de Sousa Nossa nascido em 25 de Novembro de 1966, na freguesia de S. Julião, Figueira da Foz, residência: Figueira da Foz, Portugal paulonnossa@gmail.com

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Faculdades Integradas de Taquara

Curso de Engenharia de Produção. Faculdades Integradas de Taquara Curso de Engenharia de Produção Áreas de Atuação Sistema de Produção Engenheiros de Produção Empresa Gestão do Negócio Sistema Técnico Administradores Engenheiros Tradicionais Indústria, Comércio e Serviços

Leia mais

A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não

A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não 26 de novembro de 2012 Auditório do CIUL - Centro de Informação Urbana de Lisboa- Patrocínio Apoio Patrocinadores

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 4 Cartografia Digital x SIG Em aulas anteriores forma estabelecidos os conceitos de CD e SIG Qual o conceito de CD? Um conjunto

Leia mais

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas:

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas: ANEXO I NORMAS TÉCNICAS DOS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES (NTRU) 1. Disposições gerais As presentes normas técnicas dizem respeito ao projeto dos sistemas de deposição de resíduos

Leia mais

Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP

Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP Ana Paula S. Figueiredo LAC / INPE Universidade Federal de Itajubá anapaula@lac.inpe.br

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

III Congresso Internacional da Montanha. Desporto e Turismo Activo

III Congresso Internacional da Montanha. Desporto e Turismo Activo II Congresso Internacional da Montanha Desporto e Turismo Activo 23 a 25 de Novembro de 2007 Organização: Estoril Auditório do Centro Escolar - ESHTE www.cim-estoril.com Apresentação Na sequência das duas

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

Um novo modelo de formação para dirigentes da administração pública portuguesa

Um novo modelo de formação para dirigentes da administração pública portuguesa Um novo modelo de formação para dirigentes da administração pública portuguesa Luís Valadares Tavares Presidente do INA e Professor Catedrático do IST Os desafios da modernidade que se lançam sobre os

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

Programação Dinâmica

Programação Dinâmica fib(5) fib(4) fib(3) fib(3) fib(2) fib(2) fib(1) fib(2) fib(1) fib(1) fib(0) fib(1) fib(0) fib(1) fib(0) Uma metodologia de resolução de problemas Center for Research in Advanced Computing Systems (CRACS

Leia mais

XII Simposio Iberoamericano sobre planificación de sistemas de abastecimento de água

XII Simposio Iberoamericano sobre planificación de sistemas de abastecimento de água XII Simposio Iberoamericano sobre planificación de sistemas de abastecimento de água MODELO MATEMÁTICO PARA IDENTIFICAR LOCAIS DE ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Roberto Suse

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil 3 al 6 Noviembre Buenos Aires Argentina 2014 ATIVIDADES PLANEJADAS E EXECUTADAS PELO BRASIL 1.0

Leia mais

Dec. Regulamentar n.º 2-A/2005, de 24 de Março (versão actualizada) REGULAMENTA ACTIVIDADES NA VIA PÚBLICA[ Nº de artigos:13 ]

Dec. Regulamentar n.º 2-A/2005, de 24 de Março (versão actualizada) REGULAMENTA ACTIVIDADES NA VIA PÚBLICA[ Nº de artigos:13 ] Dec. Regulamentar n.º 2-A/2005, de 24 de Março (versão actualizada) REGULAMENTA ACTIVIDADES NA VIA PÚBLICA[ Nº de artigos:13 ] SUMÁRIO Regulamenta a utilização das vias públicas para a realização de actividades

Leia mais

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 1 - AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS 2 - PROCEDIMENTOS 3 - EQUIPAMENTO 4 - VANTAGENS 5 - VÍDEO Palestrantes: Eng. Joel

Leia mais

EXAME DE ADMISSÃO À CERTIFICAÇÃO CIA

EXAME DE ADMISSÃO À CERTIFICAÇÃO CIA Curso de Preparação para o EXAME DE ADMISSÃO À CERTIFICAÇÃO CIA Certified Internal Auditor pelo IIA Institute of Internal Auditors Pós-Laboral RAZÃO DE SER O IIA conta com 67 000 CIAs Certified Internal

Leia mais

Ricardo Bento Afonso Nº51571 Rubén Ruiz Holgado Nº64643

Ricardo Bento Afonso Nº51571 Rubén Ruiz Holgado Nº64643 Ricardo Bento Afonso Nº51571 Rubén Ruiz Holgado Nº64643 Programação não linear para que serve? A programação linear tem a função objectivo e os constrangimentos lineares. O que nem sempre acontece na realidade,

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

Roteiro da Exposição. selecionar recolher descrever estimar interpretar

Roteiro da Exposição. selecionar recolher descrever estimar interpretar Roteiro da Exposição selecionar recolher descrever estimar interpretar Conteúdos: Pedro Campos (INE e Universidade do Porto), Eugénia Graça Martins (Universidade de Lisboa), Emília Oliveira, (Escola Secundária

Leia mais

Investigação Operacional e Gestão de Projectos

Investigação Operacional e Gestão de Projectos Investigação Operacional e Gestão de Projectos Victor Lobo, Maria do Carmo Lucas, Miguel Loureiro Programa 0 Introdução 1 - Programação Linear. Método Simplex e variantes 2 Problemas de Transportes 3 Problemas

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração

A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração por José Pedro Pontes (Instituto Superior de Economia e Gestão/Universidade Técnica de Lisboa) 1 Conceitos e medidas da aglomeração "Economia

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

A SEGURANÇA DAS PONTES PARA OS TRANSPORTES ESPECIAIS

A SEGURANÇA DAS PONTES PARA OS TRANSPORTES ESPECIAIS TEMA 4 Inovação nos Materiais Estruturais e no Controlo da Segurança das Construções 333 A SEGURANÇA DAS PONTES PARA OS TRANSPORTES ESPECIAIS João R. CORREIA Assistente Estagiário IST Lisboa Fernando BRANCO

Leia mais

A segurança de informação é um tema cada vez mais atual nas organizações.

A segurança de informação é um tema cada vez mais atual nas organizações. Pós Graduação em Information Security Gestão - Pós-Graduações Com certificação Nível: Duração: 180h Sobre o curso A segurança de informação é um tema cada vez mais atual nas organizações. A competitividade

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Venus Express. 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus

Venus Express. 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus Venus Express 11 de Abril: Inserção em Órbita de Vénus 1 O Planeta Vénus Índice O Planeta Vénus...2 Venus Express...3 Dia 11 de Abril...4 Contactos...5 Mais informações...5 Planeta Vénus está coberto por

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA Uma iniciativa de: Índice Capítulo I Âmbito... 1 Artigo 1.º Objeto... 1 Artigo 2.º Definições... 1 Artigo 3º Apelos Freguesia 21... 1 Artigo 4.º Objetivos dos Apelos Freguesia

Leia mais

Pesquisas em Planejamento de Transportes

Pesquisas em Planejamento de Transportes Pesquisas em Planejamento de Transportes Msc. Eng. Rita C. Zignani GEMOB - Gerência de Mobilidade Urbana Estrutura da apresentação Introdução sobre Planejamento de Transportes 1. Modelo Quatro Etapas 1.1

Leia mais

CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo

CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo NORMAS DE FUNCIONAMENTO Capítulo I Objetivos e Estrutura Interna Artigo 1º. (Natureza) CORUCHE EMPREENDE - Núcleo de Inovação e Empreendedorismo

Leia mais

FLORESTA SEGURA SINTRA,

FLORESTA SEGURA SINTRA, P R O G R A M A P I L O T O FLORESTA SEGURA SINTRA, 26.06.2013 1 Sessão Boas vindas; Descrição geral do projeto; Apresentação de resultados; Apresentação de propostas de melhorias; Próximos passos. 2 3

Leia mais

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ 43 PESQUISA OPERACIONAL. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ PESQUISA OPERACIONAL Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo Apresentação da disciplina. Formulação em programação matemática (PM). Introdução

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

1 25,144 4042182887 Marcos Martins Pereira 07/09/1975 365. 2 23,505 3870146400 Isabel Maria Gomes Correia 02/12/1979 365

1 25,144 4042182887 Marcos Martins Pereira 07/09/1975 365. 2 23,505 3870146400 Isabel Maria Gomes Correia 02/12/1979 365 Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Samora Correia, Benavente Nº Escola : 170331 Data final da candidatura : 2015-05-14 Nº Horário : 37 Grupo de Recrutamento: 510 - Física e Química Nº Horas: 21

Leia mais

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente"

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente" Coruche, 31 Maio 2014 Financiamento: FCT Instituições envolvidas:

Leia mais

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Luís Arroja M. Lopes, S.Rafael, L. Tarelho, A. Dias, C. Silveira, A.I. Miranda. 29 Maio Portalegre A UA e a BIOENERGIA A atual política climática/energética

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO BÁSICO 1º BIMESTRE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 40 horas Fundamentos da Engenharia e Suas Grandes Áreas; Inovação e Desenvolvimento de Produto; O Modo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

6. BD Geográfico (BDG)

6. BD Geográfico (BDG) Sumário 1. Introdução a plicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

KF2.4 MANUAL DE UTILIZADOR

KF2.4 MANUAL DE UTILIZADOR MANUAL DE UTILIZADOR Conteúdo Marcas comerciais IKIMOBILE é uma marca registada da Univercosmos, Lda., uma empresa do Grupo FF, com uma participação na Technology Solutions IT INT. Android e Google Search

Leia mais

Com 6 mil vagas abertas, Microsoft quer importar profissionais para os EUA

Com 6 mil vagas abertas, Microsoft quer importar profissionais para os EUA Com 6 mil vagas abertas, Microsoft quer importar profissionais para os EUA Depois de ter demitido 5 mil funcionários durante a crise financeira em 2009, a Microsoft volta agora a contratar e anuncia que

Leia mais

ROTA DAS ECO-ESCOLAS. por uma mobilidade mais sustentável

ROTA DAS ECO-ESCOLAS. por uma mobilidade mais sustentável ROTA DAS ECO-ESCOLAS por uma mobilidade mais sustentável A iniciativa "Rota das Eco-Escolas", coordenada pela ABAE Programa Eco-Escolas, integra-se no tema do ano 2013/14 - MOBILIDADE SUSTENTÁVEL - visa

Leia mais

Sumário - Introdução

Sumário - Introdução Introdução - O planeamento económico é um tipo de política estrutural Segundo Amaral é uma forma intervencionista de realizar política económica estrutural e baseia-se na preparação e execução de planos,

Leia mais

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Boletim Lisboa Urbanismo - Ano 1999 Boletim nº 3 Fernando Domingues* Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos A acção e, cumulativamente, a falta de acção do Homem tem conduzido e agravado

Leia mais

Enquadramento Normativo Diagnóstico da situação

Enquadramento Normativo Diagnóstico da situação da situação Enquadramento Normativo da situação 1 - Conceitos Gerais 2 - Enquadramento Normativo 3 - da Situação 4 - Conclusões Conceitos Gerais Sistema Informativo É o conjunto de sinais verticais susceptíveis

Leia mais

Algoritmo MiniMax. Minimax

Algoritmo MiniMax. Minimax Algoritmo MiniMax Luís Carlos Calado 050509043 João Carlos Sousa 050509027 José Carlos Campos 060509007 Rodolfo Sousa Silva 050509069 1 Minimax Minimax (ou minmax) é um método usado na Teoria da Decisão,

Leia mais

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG Por muito tempo, estudou-se o mundo usando modelos como mapas e globos. Aproximadamente nos últimos trinta anos, tornou-se possível colocar estes modelos dentro de computadores

Leia mais

SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL DO PÓLO UNIVERSITÁRIO DO SUL FLUMINENSE

SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL DO PÓLO UNIVERSITÁRIO DO SUL FLUMINENSE SEMINÁRIO DO GRUPO DE PESQUISA MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL DO PÓLO UNIVERSITÁRIO DO SUL FLUMINENSE Um problema de um milhão de dólares Luiz Leduíno de Salles Neto 25/07/2006 Grupo consultivo de

Leia mais

SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO

SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO CONCEITO Sistema de informação Sistema, tanto manual como automático, composto por pessoas,

Leia mais

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS

CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS DEFINIÇÃO Define-se como rotunda um espaço de circulação rodoviária, com forma geralmente circular, de encontro de várias vias de tráfego onde o trânsito se processa em sentido giratório,

Leia mais

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA Esta tecnologia torna possível o rastreamento de veículos como, autos, motos, caminhões, tratores, pick ups, embarcações, conforme a área de cobertura, que ao ser acionado

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

MBA PPPs e Concessões Programa do Curso

MBA PPPs e Concessões Programa do Curso MBA PPPs e Concessões Programa do Curso (Versão preliminar - para consulta pública) MÓDULO BÁSICO (108 horas) O objetivo do Módulo Básico é criar uma base de conhecimento comum para todos os participantes

Leia mais

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Leonardo de Carvalho Valentim da Silva Bolsista de Programa de Capacitação Interna, Geógrafo, M.Sc. Zuleica Carmen Castilhos Orientadora,

Leia mais

ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) MERCADOS Mercados Monetários

ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) MERCADOS Mercados Monetários ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) Temas MERCADOS Mercados Monetários Anexo II Anexo IV Requisitos do Plano de Ação O Plano de Ação compreende um conjunto de requisitos gerais e específicos

Leia mais

CIRCULAR N.º 6/2013, DE 3 DE OUTUBRO QUESTIONÁRIO SOBRE A GESTÃO DA CONTINUIDADE DE NEGÓCIO NO SETOR SEGURADOR E DOS FUNDOS DE PENSÕES

CIRCULAR N.º 6/2013, DE 3 DE OUTUBRO QUESTIONÁRIO SOBRE A GESTÃO DA CONTINUIDADE DE NEGÓCIO NO SETOR SEGURADOR E DOS FUNDOS DE PENSÕES CIRCULAR N.º 6/2013, DE 3 DE OUTUBRO QUESTIONÁRIO SOBRE A GESTÃO DA CONTINUIDADE DE NEGÓCIO NO SETOR SEGURADOR E DOS FUNDOS DE PENSÕES A gestão da continuidade de negócio constitui um importante fator

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PORTA DO MEZIO ARCOS DE VALDEVEZ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Olá, sou o Lobito, a mascote da Porta do Mezio. Vem comigo descobrir as atividades que podes fazer na Porta do Mezio! 2013/2014 Localizado

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS)

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) RELATÓRIO PRELIMINAR PARA INFORMAR SOBRE O INTERESSE CIENTÍFICO, PATRIMONIAL, PEDAGÓGICO E CULTURAL DA JAZIDA Vanda Faria dos Santos Lisboa Novembro

Leia mais

Cursos Vocacionais Projeto técnico-pedagógico Técnico de Som e Imagem

Cursos Vocacionais Projeto técnico-pedagógico Técnico de Som e Imagem Cursos Vocacionais Projeto técnico-pedagógico Técnico de Som e Imagem Penafiel, maio de 2014 Índice Enquadramento geral do projeto... 2 Áreas vocacionais... 3 Matriz curricular... 4 Recursos humanos...

Leia mais

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa

Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Diagnóstico e Metodologia para o estudo dos efeitos das partículas finas na cidade de Lisboa Equipa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova

Leia mais

Seminário sobre Recursos Hídricos e Agricultura. 2 de outubro de 2013

Seminário sobre Recursos Hídricos e Agricultura. 2 de outubro de 2013 Seminário sobre Recursos Hídricos e Agricultura 2 de outubro de 2013 Modelagem e simulação hidrológica em bacias hidrográficas aplicações e Prof. Samuel Beskow Recursos hídricos e agricultura 3 Cenário

Leia mais

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG Data: 23 JUN 09 Homologo: O Presidente Assunto: Sistema de Gestão de Operações Simbologia Planeamento/Execução: E-F-I-J-L-M-N Referência: Substitui a : Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND-

Leia mais

ESPACIAIS APLICADAS INFRA ESTRUTURAS DE DADOS IDE IF V ENCONTRO NACIONAL I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS. Paulo Carvalho Universidade de Coimbra

ESPACIAIS APLICADAS INFRA ESTRUTURAS DE DADOS IDE IF V ENCONTRO NACIONAL I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS. Paulo Carvalho Universidade de Coimbra Paulo Carvalho Universidade de Coimbra INFRA ESTRUTURAS DE DADOS ESPACIAIS APLICADAS À GESTÃO DE INCÊNDIOS DE FLORESTAIS Informação Geográfica e a gestão dos Riscos Incêndios Florestais: Planos de Defesa

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO NORTE 2007-2013 Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Domínios: Valorização e qualificação ambiental Gestão activa da Rede Natura e da

Leia mais

Definição - Plano de Emergência

Definição - Plano de Emergência 1 Definição - Plano de Emergência É um conjunto de procedimentos que visa minimizar as consequências de um evento indesejado. 2 1 O que temos no Brasil -Leis Federais Decreto nº 2.648, de 1º de julho de

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos IT 508 - Cartografia Temática Representação cartográfica: Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos Profa.. Juliana Moulin Segundo os métodos padronizados, conforme o uso das variáveis

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT MODELAGEM

Leia mais

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Luís Inácio Equipa PEBC e ECO.AP do MS PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Instituto de Informática - UFRGS XVII Seminário de Computação (SEMINCO) 04/11/2008 Roteiro Introdução O Simulador ITSUMO Simulação de Caso Real:

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO SOBREIRO, 290, LOJA AC-56 Localidade SENHORA DA HORA Freguesia SÃO MAMEDE DE INFESTA E SENHORA DA HORA Concelho MATOSINHOS GPS 41.191499, -8.652745

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Balanço das actividades do Ano Internacional dos Solos 2015

Balanço das actividades do Ano Internacional dos Solos 2015 Balanço das actividades do Ano Internacional dos Solos 2015 Alexandre, C., Gonçalves, C., Monteiro, F., Ribeiro, H. & Ramos, T. Direcção da Sociedade Portuguesa da Ciência do Solo (SPCS) (email: cal@uevora.pt)

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais