XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil"

Transcrição

1 Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C SG EA PALAVRAS-CHAVE Redes Ethernet, IEC-61850, IEC-62439, RSTP, MRP, Redundância, Topologia Anel, Automação de Energia RESUMO Soluções de automação de energia de sistemas industriais demandam requerimentos específicos para garantir a funcionalidade esperada do sistema elétrico. Logo, quando o número de hosts dentro de uma LAN (Local Area network) aumenta, algumas considerações sobre as características da rede ethernet devem ser levadas em consideração. O estudo desenvolvido neste artigo aborda principalmente grandes redes ethernet aplicadas em sistemas industriais, nas quais o número de s (Inteligent Electronic Devices) pode superar em alguns casos a marca de 500 unidades. Leva-se em consideração somente a utilização de redes empregadas no barramento Station Bus do sistema. Este documento apresenta alguns pré-requisitos para a rede LAN do sistema, considerando itens como tempo de reconfiguração após falhas, isolamento de propagação de defeitos na rede ethernet, filtros de telegramas GOOSE (Generic Oriented Object Substation Event), acesso restrito a hosts, banda disponível entre outros. Alguns protocolos que garantem alta disponibilidade de redes ethernet serão apresentados e em seguida, uma proposta de topologia em anel da rede ethernet é sugerida utilizando switches industriais e os protocolos MRP (Media Redundancy Protocol) e RSTP (Rapid Spanning Tree Protocol) combinados em uma mesma LAN. O uso de Vlans (Virtual LANs) será abordado para garantir o controle de fluxo de telegramas multicast GOOSE e para definir regras de acesso entre clientes e servidores INTRODUÇÃO Quando se trata de um sistema elétrico industrial, tempos de transferência de telegramas GOOSE e de recomposição de redes no segmento Station Bus são críticos, principalmente quando funcionalidades como as indicadas abaixo são aplicadas utilizando conceitos da norma IEC-61850: - Transferência temporária de alimentação - Envio de sinais de TRIP - Troca dinâmica de ajustes de proteção - Seletividade lógica A norma IEC aborda a resiliência das redes em caso de falhas no capítulo 1, item 5.1.1: Plants rely on the correct function of the automation system. Plants tolerate a degradation of the automation system for only a short time, called the grace time. The network recovery time should be shorter than the grace time since the application typically needs to perform additional tasks (related to protocol and data handling, waiting for the next scheduled communication cycle etc.) before the plant is back to the fully operational state. No entanto, outros quesitos operacionais devem ser considerados na definição das características da rede LAN de uma planta que opera utilizando funcionalidades previstas na norma IEC Por exemplo, tempos de reconfiguração de rede aceitáveis, tempo de transferência de telegramas GOOSE e a gestão da banda de rede para garantir que o sistema opere com um desempenho adequado. Página 1 de 7

2 Para satisfazer estas necessidades, pode-se optar por uma série de protocolos de redundância de redes que garantem alta disponibilidade do sistema. Estes apresentam características e performances diferenciadas, como ilustrado no capítulo 1 da norma IEC-62439, item FIGURA 1 Exemplos de protocolos de redundância segundo IEC Como estes protocolos apresentam características particulares de desempenho e tipo de topologia de rede, é necessário um estudo detalhado para identificar o que melhor satisfaz as necessidades do sistema elétrico que será supervisionado. Nos próximos capítulos, esse estudo será desenvolvido apresentando as características da rede LAN desejada e quais protocolos de rede satisfazem os pré-requisitos definidos CARACTERÍSTICAS DESEJADAS PARA REDE LAN DE GRANDES SISTEMAS ELÉTRICOS É possível evoluir a colocação da norma IEC-62439, capítulo 1, item 5.1.1, adicionando alguns prérequisitos visando não somente o tempo de recuperação da rede ethernet, mas também as necessidades operacionais do sistema comunicando em um barramento Station Bus : a. À prova de falha simples: a LAN do sistema digital deve ser capaz de se recuperar automaticamente de uma falha simples (rompimento de fibra óptica, falha de algum switch de comunicação, etc) b. Tempo de reconfiguração após faltas: a topologia em anel deve se reconfigurar automaticamente dentro de um tempo que respeite as necessidades do sistema elétrico. Características das proteções e o uso de telegramas GOOSE devem sem estudados na definição dos intervalos máximos aceitáveis para o sistema; c. Isolamento de falhas na LAN: no caso de alguma falha na rede ethernet, como as indicadas no item a., o defeito e os telegramas de reconfiguração de topologias, como BPDUs (Bridge management Protocol Data Unit) do protocolo RSTP, devem permanecer em sua região e não podem se propagar para outras áreas do sistema digital; d. Isolamento de telegramas GOOSE: garantir que telegramas multicast destinados ao uso local fiquem restritos dentro de uma região LAN (por exemplo, telegramas com informação de intertravamentos); Página 2 de 7

3 e. Propagação de telegramas GOOSE: garantir que telegramas multicast destinados ao uso global dentro do sistema se propaguem às regiões LAN de interesse (por exemplo, informações de partida de 50BF, sinais de seletividade lógica, etc); f. Isolamento de telegramas Broadcast: com a aplicação de VLANs ou outro artifício, isolar os telegramas broadcast em uma região da LAN; g. Acesso a hosts dentro da LAN: alguns elementos dentro da rede ethernet devem ser capazes de acessar qualquer host dentro da LAN, mesmo que este esteja em outra região do sistema digital (por exemplo, micros de engenharia e clientes IEC61850); h. Banda de comunicação: switches de comunicação devem garantir banda suficiente para assegurar o envio de telegramas client-server e multicast dentro dos tempos esperados pelo sistema elétrico PROTOCOLOS DE REDUNDÂNCIA DE REDES Nem todas as opções indicadas na FIGURA 1 atendem os pré-requisitos mencionados neste documento. Como a edição 1 da norma IEC não especifica soluções de rede ethernet para sistemas de automação de energia, apenas alguns protocolos estão implementados pelos principais fabricantes de s hoje no mercado. Os protocolos com melhor desempenho, garantindo 0 s de reconfiguração após defeitos, ainda estão em desenvolvimento nos s disponíveis. Apesar de serem sugeridos na edição 2 do capítulo 8 da norma IEC-61850, atualmente existem restrições quanto à quantidade de s nos anéis e na rede ethernet. Veja exemplo do HSR e PRP disponíveis nos relés Siprotec 4 da Siemens: FIGURA 2 Características protocolos de redundância nos relés Siprotec 4 - Siemens Outra opção é o RSTP, um dos mais utilizados nas soluções de automação de energia, com mais de dispositivos da Siemens integrados e operacionais no momento. No entanto, é um protocolo que exige uma topologia adequada para que opere de maneira determinística. Normalmente, em topologias do tipo mesh, o tempo de reconfiguração de rede pode chegar à casa de segundos em algumas situações de falha. Assim, em sistemas com vários s e muitas conexões entre switches, somente o uso do RSTP não garante uma rede ethernet que atenda as necessidades do sistema elétrico PROPOSTA DE TOPOLOGIA ANEL COMBINANDO MRP E RSTP Considerando os pré-requisitos abordados neste documento e as opções de protocolos de redundância de rede mencionados na norma IEC-62439, suas características e desempenho em diversos cenários, faz-se uma proposta de topologia mesclando os protocolos RSTP e MRP utilizando switches de comunicação industriais: a. A rede apresenta um anel principal conectando todas as subestações e regiões do sistema elétrico. Em cada região e/ou subestação, outros anéis ethernet estão presentes conectando os relés de proteção à rede ethernet; b. O protocolo MRP assegura o funcionamento do anel principal. Nos subanéis, o RSTP garante a ausência de loops na rede LAN local. Esta combinação de dois protocolos de gerenciamento de anéis Ethernet (MRP e RSTP) cria divisões lógicas evitando interferências entre switches Roots RSTP das demais ilhas; Página 3 de 7

4 c. Cada região e/ou subestação apresenta um número de VLAN, de forma a evitar propagações indesejadas de telegramas broadcast / multicast; d. A classe de IP de todos os equipamentos é a mesma em todas as subestações e regiões, para evitar o uso de roteadores na rede ethernet. Com isso, assegura-se menores latências na transferência de telegramas multicast e client-server. Centro de Operações Vlan 5 IHM 1 IHM 2 Eng. Station Região 3 RSTP / VLAN 4 RTU Local HMI RTU 1 RTU 2 Switch 1 Switch 2 Região 1 RSTP / VLAN 2 MRP VLAN 1 Região 2 RSTP / VLAN 3 RTU Local HMI RTU Local HMI FIGURA 3 Topologia de rede anel utilizando MRP e RSTP Benefícios da Topologia anel utilizando MRP e RSTP A utilização combinada dos protocolos MRP e RSTP garante: a. Sistema completamente imune à falha simples por ilha, devido à utilização de rede em anel em cada Subestação; b. Tempos de reconfiguração após faltas reduzidos, se comparado com uma solução utilizando somente o protocolo RSTP. Quando ocorre uma falta no anel principal, o MRP assegura uma recomposição de no máximo 200 ms. Já para faltas dentro das ilhas, vale a estrutura do RSTP que garante um tempo de reconfiguração de aproximadamente 5 ms por host. Neste caso, cabe um estudo sobre a quantidade de s por ilha de maneira a manter tempos de reconfiguração compatíveis com a necessidade das aplicações do sistema elétrico; c. Isolamento de falhas na LAN das ilhas, pois os switches aplicados impedem que telegramas BPDUs do RSTP trafeguem entre diferentes regiões VLAN através do anel principal. Dessa maneira, cria-se uma imunidade de falhas entre diferentes subestações do sistema; Página 4 de 7

5 d. Banda de comunicação adequada, já que o anel principal comunica em 1 Gbit/s. Assim, asseguram-se tempos de transferência de telegramas compatíveis com os mencionados no capítulo 5, edição 1, da norma IEC Utilização de Virtual LAN Em redes com grande quantidade de hosts, telegramas multicast e broadcast podem reduzir significativamente a banda de comunicação disponível. É imprescindível um estudo prévio para isolar telegramas indesejados em partes específicas da LAN. Pode-se atingir esta funcionalidade através do uso VLANs. Ainda, permite-se que determinadas estações não acessem alguns hosts na rede, característica desejada do ponto de vista de segurança da operação. Os switches aplicados apresentam uma tabela de Ingress e Egress para cada Vlan configurada na planta. Esta funcionalidade permite que se configure facilmente o acesso de um Client IEC a todos os hosts da rede LAN. Também, impede que estações terceiras tenham acesso direto aos s. Considerando aplicações GOOSE IEC-61850, pode-se facilmente rotear estes telegramas Multicast entre diversas ilhas para garantir funcionalidades como seletividade lógica e intertravamentos. Basta configurar a VLAN de publicação do GOOSE no para que o telegrama seja direcionado entre as diversas Vlans existentes TESTES FUNCIONAIS Para verificar se os requerimentos definidos são satisfeitos com a proposta de topologia de rede apresentada neste documento, alguns testes funcionais e de desempenho foram realizados. A topologia a seguir foi montada em laboratório: Relay Relay * RSTP VLAN 6 * Switch Switch *Test Computer * MRP VLAN 1 Switch RSTP VLAN 5 Switch Relay Goose 1 Vlan ID 5 Dest: Relay 2 Goose 2 Vlan ID 6 Dest: Relay 3 Relay Relay Figura 4 Topologia combinando MRP e RSTP para validação das funcionalidades Página 5 de 7

6 As seguintes funcionalidades foram consideradas no roteiro de testes: a. Acesso a qualquer host na LAN a partir do Computador de Teste, usando diferentes VLANs em cada região da rede ethernet. O Computador de Teste pode ser conectado a qualquer switch cuja porta esteja marcada com o símbolo * ; b. Envio de um telegrama GOOSE do Relé 1 para o Relé 3, passando através de diferentes VLANs; c. Envio um telegrama GOOSE do Relé 1 para o Relé 2, bloqueando sua transmissão para outras regiões da rede ethernet; d. Verificação do isolamento de falhas entre diferentes ilhas; e. Compatibilidade do MRP com o RSTP no anel principal. Todos os testes foram executados com sucesso. Observou-se também que os tempos de reconfiguração após falha estavam dentro do previsto pelo definido nas normas do RSTP e MRP. Ou seja, para a rede com poucos s, na casa de milesegundos. A junção dos protocolos em uma mesma LAN não alterou a performance da reconfiguração se comparado com uma solução utilizando estes protocolos isoladamente CONCLUSÃO A topologia da rede ethernet em anel proposta com switches industriais atendeu todos os requerimentos apresentados neste documento. O isolamento lógico das regiões RSTP foi satisfeito construindo-se um anel principal controlado pelo protocolo MRP no barramento Station Bus do sistema. Os resultados dos testes em laboratório foram satisfatórios e mostraram os benefícios de se criar ilhas RSTP com uma quantidade menor de s. O desempenho do MRP varia de acordo com a quantidade de switches de comunicação no anel principal, mas apresenta reconfiguração máxima de 200ms para 50 equipamentos. A transferência de telegramas GOOSE entre diferentes regiões de VLAN foi realizada com as tabelas de parametrização do switch industrial utilizado. Os tempos de transferência de pacotes ethernet ficaram dentro do esperado para um switch de comunicação layer 2. Esse mecanismo de configuração também se mostrou eficiente para bloquear o acesso de máquinas terceiras aos s. A solução proposta se mostra eficaz para cenários nos quais os protocolos HSR e PRP não podem ser aplicados devido a restrições técnicas como quantidade de s e/ou disponibilidade de hardwares compatíveis com estas tecnologias. O desempenho da rede também é melhor quando comparado com soluções que utilizam somente o protocolo RSTP no barramento Station Bus REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) IEC-61850: Communication networks and systems in substations, todos os capítulos da edição 1 (2) IEC-61850: Communication networks and systems in substations, capítulos 7.1, 7.2, 7.3, 7.4 e 8.1 da edição 2 (3) IEC Industrial communication networks High availability automation networks, capítulos 1, 2 e 3 da edição 1 (4) Hubert Kirmann, Standard Redundancy Methods for Highly Available Automation Networks, rationales behind the upcoming IEC standard, 2006 EFTA, ABB (5) Siemens - Network Redundancy in Substation Automation - Dual Link / RSTP / PRP / HSR Siemens AG 2012 Página 6 de 7

7 Página 7 de 7

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE Paulo Sergio

Leia mais

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias Alexandre Fernandes Onça Siemens Vinicius

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais.

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. O uso de switches ethernet é cada vez maior em redes industriais, não resta dúvida, e essa utilização não é de agora.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Cosme dos Santos Paulo Antunes Wagner Seizo Hokama Siemens Siemens CPFL Brasil Brasil Brasil

Cosme dos Santos Paulo Antunes Wagner Seizo Hokama Siemens Siemens CPFL Brasil Brasil Brasil XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR Utilização dos Protocolos de Redundância HSR e PRP em Redes com Requisitos de Alta Disponibilidade Cosme dos Santos

Leia mais

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD 1 XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD Juliana Adabo Atizani Siemens LTDA. Brasil Paulo Roberto Antunes de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques 30-05-2016

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques 30-05-2016 Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Trabalho de Redes de Computadores

Trabalho de Redes de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO UFC VIRTUAL PROJETO JOVEM DIGITAL KP NOME: Trabalho de Redes de Computadores Questão 1: Assinale V para verdadeiro e F para falso. Os itens que estiverem falsos

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO MEIOS DE COMUNICAÇÃO No caso de armazenamento de dados, o termo meio significa o meio de armazenamento usado. No contexto atual, meio significa aos fios, cabos e outros recursos para transferência de dados.

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Nome: Guilherme M. Ramires Analista de Sistemas Pós-Graduado em Tecnologia e Gerenciamento de Redes de Computadores CEO

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Marcelo Fernandes Systems Engineer Dezembro, 2013 Introdução Link Aggregation (LA): Combinação de múltiplos enlaces físicos funcionando como um único enlace

Leia mais

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior.

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior. Introdução ao TCP/IP(TCP (Transmission Control Protocol) e IP(InternetProtocol) ) Objetivo Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos os computadores

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850.

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. Roberval Bulgarelli Eduardo César Senger Francisco Antônio Reis Filho Petrobras /

Leia mais

Definição de Rede. BASED Network. Modelo WEB-BASED. Podemos definir rede quando dois ou mais computadores partilham informação entre si.

Definição de Rede. BASED Network. Modelo WEB-BASED. Podemos definir rede quando dois ou mais computadores partilham informação entre si. Definição de Rede Podemos definir rede quando dois ou mais computadores partilham informação entre si. Uma rede pode estar fisicamente colocada numa sala e resumir-se se somente a dois PC s, ou espalhada

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Sobre LAG na terminologia ethernet: Agregação de enlace (link aggregation), balanceamento de carga (load balancing), ligação de enlace (link bonding)

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Foundation Fieldbus HSE

Foundation Fieldbus HSE Foundation Fieldbus HSE Diego Silva Eduardo Coelho Plínio Altoé Professor Luiz Affonso Introdução HSE: High Speed Ethernet Conjunto de especificações criado pela Fieldbus Foundation Especificações Foundation

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Cleiber Marques da Silva PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Texto sobre a tecnologia de Redes ópticas passivas (PON) apresenta conceitos básicos, características e modelos existentes CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Actividade 3: Configuração de VLANs

Actividade 3: Configuração de VLANs Actividade 3: Configuração de VLANs Gestão de Sistemas e Redes 1. Introdução As VLANs operam no nível 2 e permitem segmentar as redes locais em múltiplos domínios de difusão. Isto pode ser feito de forma

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Application Notes: VLAN-Translate & QinQ. Utilização e exemplos de aplicação

Application Notes: VLAN-Translate & QinQ. Utilização e exemplos de aplicação Application Notes: VLAN-Translate & QinQ Utilização e exemplos de aplicação Application Notes: VLAN-Translate & QinQ Utilização e exemplos de aplicação. Data 17/06/2010, Revisão 1.2 Parecer Introdução

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Diretrizes para Ensaios de Interoperabilidade e Testes Funcionais em Relés Multifuncionais Baseados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP

PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP Sequencia lógica resumida: cliente investiga a rede 1- o servidor se oferece 2- cliente requisita 3- servidor fornece Resumo: 1- Todo trafego da rede é gerenciado pelo

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota

Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Suporte de NAT para conjuntos múltiplos utilizando mapas de rota Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Abordagem de lista de acesso Método de

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais