Composição de uma ferramenta elétrica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Composição de uma ferramenta elétrica"

Transcrição

1

2 ABC das Ferramentas (módulo II) Composição de uma ferramenta elétrica As ferramentas elétricas convencionais ou a bateria são compostas por 3 (três) partes básicas que são: 1. Estrutural Constituem a parte estrutural de uma ferramenta elétrica todas as peças que têm por finalidade receber, encaixar e acomodar os componentes das demais partes básicas (Elétrica e Mecânica) e os itens de segurança. 2. Elétrica Constituem a parte elétrica de uma ferramenta todas as peças que têm por finalidade receber, transportar e transferir a energia elétrica para os demais componentes da ferramenta. 3. Mecânica Constituem a parte mecânica de uma ferramenta elétrica todas as peças que têm finalidade, direta ou indiretamente, de transportar e transferir os movimentos gerados pelo motor aos acessórios acoplados à ferramenta, os quais executarão a tarefa final que a ferramenta se propõe a fazer. Em outras palavras, a parte mecânica é a parte intermediária entre a parte elétrica e os acessórios. É o elo entre a ação efetiva da parte elétrica e a ação efetiva dos acessórios sobre os materiais a serem trabalhados pela ferramenta.

3 Componentes da parte Estrutural 1.1 Carcaça de Motor São fabricadas pelo processo de injeção 1 em moldes precisamente construídos que garantem a exatidão das medidas externas e internas do projeto. O material usado na fabricação das carcaças é um polímero (plástico) chamado poliamida, reforçado com um percentual de fibra de vidro que garante maior resistência à peça evitando deformações. Por ser isolante, a poliamida também contribui na prevenção contra choques elétricos. As carcaças das ferramentas elétricas podem ser de dois tipos: Tipo Sandwich: Feitas em duas partes que se fecham após a montagem das peças. (ex.: a maioria das Furadeiras de 10 a 16mm). Tipo Bota ou Tubo: Peça única onde as peças são colocadas internamente. (ex.: Esmerilhadeiras Angulares de 2 mãos). 1.2 Carcaças de engrenagens: Em geral são fabricadas em alumínio pelo processo de injeção 2 e, posteriormente, usinadas Mancais Em geral são fabricados pelo processo de injeção e sua composição pode ser mista com poliamida e alumínio ou unicamente em alumínio. 1 Injeção: material injetado no interior de um molde sob alta pressão e temperatura. 2 Quando as Carcaças são fabricadas pelo processo de injeção, garante- se mecanicamente as medidas perfeitas para receber as engrenagens. 3 Usinagem: ação de máquina ou ferramenta sobre determinado material ou peça.

4 Componentes da parte Elétrica 2.1 Cabos e Condutores elétricos Fabricados com fios de cobre trançados e recobertos por uma camada de material isolante, estes cabos têm a função de levar a energia elétrica de uma determinada fonte para dentro da ferramenta ou de uma bateria. Os plugs são injetados aos cabos elétricos após a definição de seu comprimento. De acordo com as especificações e características de cada ferramenta (ex.: tensão, potência, normas, etc), as espessuras e diâmetros dos cabos e condutores variam para atender a estas características com a devida segurança elétrica. De acordo com as normas brasileiras, editadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), os plugs das ferramentas elétricas Bosch não necessitam do 3º pino para aterramento, pois elas são classificadas como de Dupla Isolação. 2.2 Escovas de Carvão, Porta escovas e Coletores Fabricadas pelo processo de sinterização 4 as Escovas de Carvão são responsáveis por transmitir a energia elétrica ao motor através do coletor e dos condutores. São utilizadas duas escovas por ferramenta. A matéria-prima utilizada na sua fabricação é o grafite (derivação do carbono), por ser um material de boa condutibilidade elétrica. As Escovas têm desgaste natural durante a utilização das ferramentas e por isso, não são incluídas em processos de garantia. Existem Escovas de Carvão denominadas auto-desligantes, ou seja, elas deixam de conduzir energia elétrica ao atingirem determinadas dimensões. Essa característica garante maior vida útil e durabilidade às ferramentas por não danificar o coletor/induzido. Como funcionam as Escovas de Carvão auto-desligantes? No interior de uma ou das duas Escovas de Carvão, existe um pino plástico pressionado por uma mola. Com o desgaste da Escova e esta atingindo uma determinada altura, o pino plástico pressionado pela mola é expelido do 4 Sinterização: prensagem de material em pó sob alta pressão.

5 seu interior, impedindo o contato elétrico da Escova com o Coletor. Assim é interrompido o fornecimento de energia ao Motor, indicando o momento de efetuar a troca das Escovas de Carvão. Porta Escovas São fabricadas de metal estampado e seu suporte de polímero pelo processo de injeção. Têm por finalidade acomodar as Escovas de Carvão, direcioná-las e mantê-las em contato com a superfície pista do Coletor. Coletores Para ferramentas elétricas, os Coletores são fabricados de cobre ou bronze (a pista de contato externa) e mica (a parte isolante interna). Têm a finalidade de transferir a energia elétrica ao Motor. Prensado na parte de trás do eixo do induzido, o Coletor é conectado a ele pelos mesmos fios de cobre do enrolamento. 2.3 Interruptores, Placas eletrônicas e Supressores de ruído Interruptores São fabricados pelo processo de injeção. O polímero e contatos metálicos são as matérias-primas básicas para sua fabricação. Os interruptores são responsáveis por liberar a corrente de energia elétrica que alimentará e acionará a ferramenta. Existem vários tipos de interruptores, com diferentes características técnicas e construtivas que atendem às diferentes demandas e exigências elétricas, de segurança e mercadológica de cada ferramenta.

6 Os interruptores mais conhecidos são: Liga / desliga São os mais simples dos interruptores com funções básicas de ligar e desligar a ferramenta. Com velocidade variável São aqueles que, conectados a uma placa eletrônica, podem variar a velocidade da ferramenta de acordo com a pressão dos dedos exercida a ele ou pela pré-seleção da velocidade. Tri control Usado nas esmerihadeiras de duas mãos (7 e 9 ), tem três funções: destravar, acionar e travar a ferramenta ligada em velocidade nominal. O fator segurança ao usuário é a característica principal deste interruptor, o qual evita acionamentos involuntários da ferramenta. Homem morto Utilizado nas esmerihadeiras de uma ou duas mãos (4½, 5, 7 e 9 ), somente tem as funções de ligar e desligar a ferramenta. Neste tipo de interruptor não existe a possibilidade de se travar a ferramenta ligada em velocidade nominal. Placas eletrônicas São placas fabricadas com celeron 5 e microprocessadores que têm a função de eletronicamente variar as velocidades das ferramentas. É integrada ao interruptor quando as ferramentas têm baixas potências (ex.: furadeiras) ou são separadas do interruptor para ferramentas de altas potências (ex.: politrizes angulares). Supressor de ruídos É um componente eletrônico conectado ao sistema de condução de energia elétrica da ferramenta que tem a função de filtrar as 5 Celeron: material resistente, à base de algodão, prensado ao calor.

7 frequências (ruídos) geradas, eliminando ao máximo a interferência destes ruídos em outros aparelhos eletrônicos. 2.4 Induzido e Estator Induzido (rotor) É fabricado pelo processo de montagem com diversos itens em sua composição como: eixo, pacote de lamelas de aço, fio de cobre, papel e resinas isolantes e coletor. Após a montagem destes itens, este conjunto é submetido ao processo de balanceamento e a testes de alta tensão para garantir seu perfeito funcionamento. O induzido ou rotor é a parte que gira no conjunto denominado motor. Estator Como o induzido, o estator também é fabricado pelo processo de montagem de itens como: pacote de lamelas de aço, fio de cobre e resina isolante. Por ser uma peça menos complexa e de função estática dentro da carcaça, o estator não é submetido ao processo de balanceamento na sua fase de fabricação. O estator é a parte estática (não tem movimento) do conjunto denominado motor. Motor É a denominação dada ao conjunto de induzido e estator. O induzido está posicionado e trabalha dentro do estator. A energia elétrica que vem de uma fonte externa é transferida para o circuito interno do motor atuando em suas fiações de cobre chamadas de enrolamentos. Gera-se assim um campo magnético entre o induzido e o estator, fazendo com que o induzido produza o movimento giratório e transfira este movimento para a parte mecânica da ferramenta.

8 Componente da parte Mecânica 3.1 Engrenagens e Pinhões As engrenagens e pinhões trabalham em contato direto entre si e podem ter formatos e quantidades variadas de dentes, dependendo da velocidade e torque (força de tração) que se espera no desenvolvimento de um projeto. As engrenagens e pinhões também podem ter diferentes tipos de dentes como retos ou helicoidais. Apesar dos dentes retos serem os mais comuns e de baixo custo de produção, os dentes helicoidais têm vantagens quando comparados aspectos como: maior vida útil, melhor distribuição de força e menor nível de ruído do conjunto. 3.2 Rolamentos e Buchas Rolamentos Também conhecidos como rolimãs (em referência a uma antiga marca de rolamentos utilizada nas rodas dos carros importados na década de 50) os rolamentos são fabricados em aço por processos de usinagem. Rolamentos são compostos de uma carcaça que internamente tem uma pista de rolagem, onde esferas ou cilindros (chamados agulhas) presos por gaiolas, giram livremente. Fechados por tampas laterais asseguram que as esferas e cilindros não se desloquem da pista de rolagem. Os rolamentos, além de terem a função de apoiar eixos, são responsáveis por diminuir ou minimizar o atrito entre duas peças, metálicas ou não. Esta diminuição de atrito tem como objetivo diminuir o desgaste prematuro das partes e, consequentemente, aumentar a vida útil de ambas. Buchas São peças de formato cilíndrico e com furo interno. A função principal de uma bucha é similar à dos rolamentos apoio mecânico a um eixo. Apesar de serem fabricadas com diversos tipos de materiais, de acordo com sua aplicação e exigência dos projetos, elas são confeccionadas com materiais

9 menos duros que os materiais dos eixos. É comum, porém errôneo e preconceituoso, que as buchas tenham um conceito negativo para os consumidores quando comparadas com os rolamentos. Isto se dá pelo fato de uma bucha ter maior atrito com a superfície dos eixos e, consequentemente, maior desgaste. É necessário saber que, em algumas aplicações e projetos, o uso de uma bucha é mais conveniente e vantajoso do que o uso de um rolamento. Hoje em dia já existem buchas fabricadas de materiais com auto lubrificação, diminuindo assim o atrito entre partes. 3.3 Eixo motriz ou eixo fuso Fabricados em aço e endurecidos por processo de tratamento térmico 6, os eixos motriz ou fuso têm a função de transmitir movimentos e velocidades para as peças que fixarão os acessórios acoplados à ferramenta. A eles são acoplados: os mandris, discos abrasivos e flanges, discos diamantados, lâminas de serras circulares, pinças, pratos e bases de lixas, soquetes, etc. 3.4 Mancais internos Fabricados em aço e endurecidos por processo de tratamento térmico, também podem ser definidos como suportes ou guias que apoiam os eixos. Os mancais internos têm a função de dar suporte, estabilidade e resistência à parte mecânica dentro das carcaças. Dependendo da solicitação de esforços do sistema mecânico, os mancais podem ser de deslizamento (com buchas) ou de rolagem (com rolamentos). A utilização de mancais garante que a parte mecânica esteja bem apoiada e não se movimente causando problemas para as demais partes do sistema. 6 Tratamento térmico: processo que modifica a estrutura dos materiais.

10 3.5 Parafusos, porcas e arruelas. Parafusos Geralmente fabricados em aço, os parafusos fazem parte das peças de fixação. Classificados por características como: tipo de aplicação, de rosca, formato de cabeça, tipo da fenda, entre outras, os parafusos são amplamente utilizados nas ferramentas elétricas. Porcas Assim como os parafusos, as porcas também compõem a lista de peças de fixação e são classificadas por tipo de aplicação, rosca, e formato (quadrada ou sextavada). Sempre são utilizadas em conjunto com os parafusos para dar resistência à fixação de duas ou mais peças. Arruelas Metálicas ou não, as arruelas se caracterizam pelo seu formato circular e furo central. Têm a função de dar melhor assentamento à cabeça do parafuso ou porca, não danificando a peça a ser fixada. É utilizada também para compensar folgas entre peças durante a montagem.

11 Itens de Segurança Todo o processo de desenvolvimento de ferramentas elétricas é pautado e baseado em normas internacionais de segurança, sejam elas elétricas, mecânicas ou operacionais. Em todas elas o ponto central é a prevenção e a segurança funcional e operacional das ferramentas contra qualquer tipo de acidente e/ou ocorrência que coloque em risco a saúde das pessoas que manuseiam os equipamentos. Neste sentido e, apesar de todas as ferramentas, sem exceção, estarem incluídas nestas considerações, alguns tipos de ferramentas elétricas necessitam de atenção e itens especiais para prevenir acidentes a seus operadores. Estamos falando dos itens ou acessórios de segurança. Os acessórios e itens de segurança são: 4.1 Capas de proteção Geralmente feitas de alumínio ou polímero por processos de injeção e usinagem ou de chapas metálicas por processo de estampagem, as capas de proteção, como sugere seu nome, têm o objetivo de proteger os usuários e operadores contra possíveis contatos involuntários das partes do corpo (pernas, braços, mãos e dedos) com os acessórios em movimentos. A proteção proposta para estes itens é também evitar que eventualidades como quebra de discos abrasivos, trancos da máquina por travamento no material, desprendimento de pastilhas de metal duro dos discos de serra, assim como outros, possam atingir e ferir o operador. IMPORTANTE: Por estes motivos, a utilização e as boas condições destes itens se fazem obrigatórias e necessárias durante todo o funcionamento e manuseio das ferramentas elétricas.

12 4.2 Empunhadeiras auxiliares Geralmente feitas de poliamida por processo de injeção, as empunhadeiras auxiliares são itens que têm por objetivo oferecer e possibilitar aos usuários e operadores maior firmeza, conforto, ergonomia e maior controle operacional da ferramenta elétrica durante o trabalho. Desta forma, oferecendo também maior segurança a eles. Apesar das empunhadeiras auxiliares mais conhecidas serem aquelas utilizadas nas esmerilhadeiras e lixadeiras angulares, outras ferramentas como furadeiras, marteletes, martelos rompedores e demolidores, serras circulares, lixaderias orbitais, tupias, entre outras, também têm as suas respectivas empunhadeiras auxiliares. Algumas empunhadeiras auxiliares têm adicionalmente o objetivo de reduzir as vibrações e os respectivos efeitos causados às mãos dos usuários e operadores, ex.: Vibration Control. Empunhadeira auxiliar p/ esmerilhadeiras Controle de vibração Vibration Control. 4.3 Placas base Geralmente feitas de chapas metálicas por processo de estampagem, as placas base são itens que têm por objetivo dar maior estabilidade aos produtos e possibilitar aos usuários e operadores maior controle operacional sobre as ferramentas durante o trabalho, assim proporcionando maior segurança a eles. As placas base são mais utilizadas em ferramentas de corte, onde os

13 usuários necessitam de maior controle da ferramenta, seja pela precisão requerida no trabalho ou pelo grau de periculosidade da ferramenta. Por exemplo: alta rotação, peso, exposição de acessórios pontiagudos, etc. Estes são os casos das Serras Circulares, Cortadoras de Metal, Serras Tico-Tico, Serras Mármores, Esmerilhadeiras p/ cortes de parede, etc. IMPORTANTE: A não utilização ou a retirada destes itens durante o trabalho expõe o usuário a grandes riscos. 4.4 EPIs Os Equipamentos de Proteção Individual, como diz o nome, são equipamentos de uso individual também destinados aos usuários e operadores das ferramentas elétricas. Têm por objetivo protegê-los contra quaisquer eventualidades que possam pôr em risco a sua saúde durante o tempo em que o trabalho será executado. Existem EPIs para cada tipo de situação, trabalho, ambiente e respectivos riscos oferecidos a cada um dos sentidos e partes do corpo humano: visão, audição, olfato, tato, cabeça, pés, pernas, braços, mãos, etc. IMPORTANTE: É imprescindível a utilização de EPIs em todos os trabalhos com ferramentas elétricas. Mesmo assim toda atenção é pouca.

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO

MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MANUAL DE INSTRUÇÃO MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO MODELO: SS-26-1W - 1 - MÁQUINA PARA COSTURAR BOCA DE SACO Leia atentamente as instruções antes de iniciar o uso: a) Verificar se a voltagem está correta

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Adaptação de Servo-motores Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES

APRESENTAÇÃO RELAÇÃO DE COMPONENTES Manual de Instalação Linha Máximo Fotos ilustrativas. Ventiladores de Teto Nesta marca você pode confiar APRESENTAÇÃO Os ventiladores de teto da LINHA MÁXIMO são desenvolvidos para oferecer ao usuário

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

1. A Função da Vela de Ignição

1. A Função da Vela de Ignição 1. A Função da Vela de Ignição A função da vela de ignição é conduzir a alta voltagem elétrica para o interior da câmara de combustão, convertendo-a em faísca para inflamar a mistura ar/combustível. Apesar

Leia mais

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos:

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: 1 Instruções de Operação Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: Antes de começar a trabalhar, leia o manual de instruções da máquina. Trabalhe

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Introdução Definição Classificação Características Aplicação Representação Definição São elementos que ligam peças permitindo que essas se movimentem sem sofrerem alterações.

Leia mais

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300

CORTADOR DE FRIOS C-300. Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 CORTADOR DE FRIOS C-300 Manual do Usuário Instruções de uso, manutenção e limpeza do equipamento. www.elgin.com.br Suporte 0800 77 00 300 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 Descrição Geral... 2 Principais Características...

Leia mais

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA *Imagens meramente ilustrativas CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Modelo V8 Chave de impacto

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

Calandra de 4 Rolos modelo VRM

Calandra de 4 Rolos modelo VRM Calandra de 4 Rolos modelo VRM Sumário Construção de Máquinas é nossa Profissão com Criatividade e Paixão. Nós da HAEUSLER 3 Calandra de 4 Rolos 4 Particularidades da Calandra de 4 Rolos HAEUSLER Modelo

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Corte Circular de Tecido 950C

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Corte Circular de Tecido 950C Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Corte Circular de Tecido 950C 104A 104B Singer é uma marca registrada da The Singer Company Limited ou suas afiliadas. 2009 Copyright The Singer Company

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

Introdução: Tabela: Medidas de segurança

Introdução: Tabela: Medidas de segurança Introdução: As Biseladoras Internas Merax podem ser utilizadas para biselar e /ou facear paredes de tubos de diâmetro interno de 16 mm à 610 mm em diferentes espessuras (conforme tabela abaixo). Tabela:

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DADOS DO PREGÃO NÚMERO DO PREGÃO: 20/2014 NÚMERO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS: 20/2014 ÓRGÃO GESTOR: HOSPITAL GERAL DO RIO DE JANEIRO UASG: 160323 CONTATO NO ÓRGÃO PARA ADESÃO:

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem

Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600. Manual de Montagem Máquina de Costura Industrial Reta ZJ-9600 Manual de Montagem ÍNDICE . Instalação do Reservatório de Óleo Primeiramente fixe as duas borrachas diretamente na mesa usando os pregos, conforme a figura. Em

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Anéis Coletores para Alta Voltagem tipo MS

Anéis Coletores para Alta Voltagem tipo MS Anéis Coletores para Alta Voltagem tipo MS Tipo MS 3, MS6 e MS10 Anéis coletores para alta voltagem - 3 fases neltro TIPO MS 3 - Para voltagem de 3 KV ± 10- corrente max. 400 A TIPO MS 6 - Para voltagem

Leia mais

Identificação de Partes

Identificação de Partes Intificação Partes Part List-349-I Motor Vertical Indução 1. Superior 2. Porca e Arruela do Eixo do Motor 3. Inferior 4. da Tampa Superior 5. Defletor Óleo 6. Tampa Superior 7. Rolamento Contato Angular

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção

Manual de instalação, operação e manutenção Manual de instalação, operação e manutenção para a válvula esférica assentada em metal RSVP aprimorada da MOGAS Como INSTALAR A VÁLVULA CORRETAMENTE ALÍVIO DE TENSÃO DAS SOLDAS CONFORME ASME B31.1 FAÇA

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças

Manual de Instruções e Lista de Peças Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Costura Reta Eletrônica Direct Drive de Alta Velocidade 9K 0 / 0F 30 / 30F Singer é uma marca registrada da The Singer Company Limited ou suas afiliadas

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Catálogo Airnet. www.airnet-system.com. rápido simples confiável

Catálogo Airnet. www.airnet-system.com. rápido simples confiável Catálogo Airnet www.airnet-system.com rápido simples confiável ÍNDICE Informação geral...1-2 Tubagem...3 Tubos...3 Conexões... 4- Ligação reta...4 Curva...4 T...5 Válvulas...6 Baixada...7 Conexões de transição...8

Leia mais

ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO

ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO ATUADORES PARA CADA AMBIENTE A ACTREG,SA fabrica uma ampla gama de atuadores pneumáticos oferecendo um desempenho seguro nas principais aplicações da válvula.

Leia mais

KNIPEX NOVIDADES 2015

KNIPEX NOVIDADES 2015 KNIPEX NOVIDADES 2015 2 KNIPEX Pinça para sifões e conectores Para sifões, tubos de plástico e conectores até Ø 80 mm Ajuste de precisão para adaptar-se de forma ideal aos mais variados diâmetros Robusta,

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Conectores Elétricos Rotativos

Conectores Elétricos Rotativos Conectores Elétricos Rotativos Serior aos coletores escovas convencionais Blindado com rolamentos de esferas Maior confiabilidade, livre de manutenção Livre de ruídos elétricos Resistência de condução

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Parafusos Parafuso de cabeça sextavada: Em desenho técnico, esse parafuso é representado da seguinte forma Parafusos Aplicação Esse

Leia mais

Manual Técnico e Certificado de Garantia

Manual Técnico e Certificado de Garantia Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Nauta é pré-montado. Siga todas

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE ARTICULÁVEL DE PAREDE PARA PLASMA OU LCD MEDIUM 3A MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Fixação na parede - Para Tv s e monitores Plasma ou LCD com padrão VESA 75x75, 100x100, 200x100 ou 200x200

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES INICIAIS Antes de iniciar a instalação do Poolmax é necessário adicionar sal à água. Para isso é necessário saber qual o volume de água da piscina, para adicionar a quantidade

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO:

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO: SISTEMA MECÂNICO DE ALÍVIO SISTEMA HIDRÁULICO DE ALÍVIO 1. DESCRIÇÃO: Os britadores de cone Piacentini, são equipamentos robustos que proporcionam alta produtividade, baixo custo operacional e longa vida

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1

SOLUÇÔES INTEGRAIS 1 SOLUÇÔES INTEGRAIS 111 Sistema estrutural de alumínio Perfis e acessórios Série MICRO Tipo... Liga... Estado... Tolerâncias dimensionais... Terminação... Sistema modular de perfis de alumínio e seus acessórios

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

Manual de Instalação do Encoder

Manual de Instalação do Encoder Status do Documento: Código de Referência do LS-CS-M-028 Documento Versão: 1 Liberado em: 16-03-2010 Histórico de Revisão do Documento Data Versão Resumo da Alteração 16-03-2010 1 Manual Novo Informação

Leia mais

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180 USIFER A Solução em Moagem Indústria Metalúrgica Ltda. Rua Vêneto, n 969 Bairro Nova Vicenza CEP 95180-000 Farroupilha RS Fones: (54) 3222 5194 Vendas (54) 3261 7356 Fábrica e-mail: usifermoinhos@usifermoinhos.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS SISTEMA DE ARQUIVO DESLIZANTE ORGÃO GERENCIADOR: Código UASG: 393003 Pregão Eletrônico SRP n 511/14 Vigência: 26/11/2014 a 25/11/2015 Sr. Luciano Sacramento Fone: (61) 3315-4241/4601

Leia mais

Bicicleta Diadora Racer 20C Manual do Usuário

Bicicleta Diadora Racer 20C Manual do Usuário Bicicleta Diadora Racer 20C Manual do Usuário 1 Informações de segurança Leia as instruções antes de usar! 1. Monte este aparelho de modo apropriado usando partes/peças originais de acordo com as instruções

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. MODELO PANDA 2015 Novo coletor compactador modelo PANDA 2015, com capacidade para 15m³ ou 19m³ de lixo compactado.

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 7h às 20h. Sábado, das 07h às 13h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 7h às 20h. Sábado, das 07h às 13h. 1 ANO DE GARANTIA Manual de Instruções P-17 SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 7h às 20h. Sábado, das 07h às 13h. M.K. Eletrodomésticos Mondial

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TN3 B/45 +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções TN3 B/45 +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS. Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br

AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS. Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Graduação em Engenharia Elétrica AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br

Leia mais

Manual de Instruções. Bicicleta Profissional - 359-359E - 360

Manual de Instruções. Bicicleta Profissional - 359-359E - 360 Manual de Instruções Bicicleta Profissional - 359-359E - 360 PREZADO CLIENTE Parabéns pela escolha! Você acaba de adquirir um equipamento EMBREEX, produzido dentro do mais rigoroso padrão de qualidade!

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF

RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF 02-01 1 - Enchedor De Bobina Enchedor de bobina e o tensor estão ilustrados na figura a baixo 2 - Especificações Aplicação Velocidade Máxima de Costura Comprimento Máximo

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL Eletroímã VERSÃO DO MANUAL 1.4 de 19/02/2013 3045 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 2.1. FECHBEM SUPER FS 150 e FS 200... 3 2.2. AUTOMAG F300 E F600... 4 3. Especificações Técnicas...

Leia mais

Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril

Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril Esta apostila foi especialmente elaborada pelo Professor Luís Francisco Casteletti. VERSÃO 2005 1 SUMÁRIO Introdução 03 Acidentes e doenças do trabalho

Leia mais