Enfileiramento Digital

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enfileiramento Digital"

Transcrição

1 Painel: Inovação Tecnológica e Eficiência Energética São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gestão Inteligente de Eletricidade através de Enfileiramento Digital Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE Presidente do Fórum Latino Americano de Smart Grid

2 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Breve Apresentação - ECOEE Empresa de Tecnologia e Engenharia de Energia Escopos desenvolvidos sob medida, com foco em Gestão & Tecnologia Conhecemos as tecnologias inovadoras em profundidade e temos uma extensa e competente rede de relacionamento e cooperação mundial Trabalhamos com soluções realistas e implementáveis, com independência, neutralidade e inovação, e sempre em base econômica (custo / benefício) Acompanhamos nossos clientes em todas as etapas, até a implementação.

3 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Engenharia e Expertise Redes Inteligentes e Tecnologias envolvidas: Uso eficiente de energia - Gestão de Consumo, Demanda e Perdas Operações: Gestão de Ativos e Processos Operacionais Retaguarda, Confiabilidade e Qualidade de Energia Micro geração e renováveis Planos de Negócios, Auditoria, Diligência e Valoração Regulação de Energia Redes Subterrâneas

4 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 VI Fórum Latino Americano de Smart Grid 2013 Iniciativa Pioneira, desde Troca periódica e sistemática de informações foco em articulação e síntese. Colaboração com outras iniciativas similares ao redor do mundo. Veículo NEUTRO, INDEPENDENTE e INCLUSIVO, para mobilizar a mais ampla matriz possível de interessados. Não cobra taxas, reuniões auto patrocinadas, mantido pela Conferencia anual, que faz parte do roteiro mundial de avaliação de negócios sobre o tema. Sexta edição: 26 a 28 de Novembro de 2013 em São Paulo, Brasil.

5 Inovação Tecnológica e Eficiência Energética Prioridade mundial dos Governos Grande progresso tecnológico recente em todos os usos finais Equipamentos fazem as mesmas coisas usando menos energia (kw) Viabiliza produção local de eletricidade: equipamentos que produzem energia em pequena escala passam a melhor atenderem as necessidades de cada unidade consumidora Desafio: gerenciamento da demanda Simultaneidade de uso está aumentando no mundo Permite a redução dos investimentos requeridos Na pratica significa aumentar a capacidade das redes atuais Surge a oportunidade para os agregadores de demanda ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013

6 % Demanda Elétrica Gerenciamento e Agregação da Demanda Perfil da Demanda de Nova York em % da Demanda necessária menos de 30 dias/ano 365 dias (8,760 horas) Fontes: MIT Report The Future of the Electric Grid; Apresentação ecurv ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013

7 % Demanda Elétrica Gerenciamento e Agregação da Demanda Perfil da Demanda de Nova York em 1980 e % da Demanda necessária menos de 30 dias/ano 30% da Demanda necessária menos de 30 dias/ano 365 dias (8,760 horas) Fontes: MIT Report The Future of the Electric Grid; Apresentação ecurv ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013

8 % Demanda Elétrica ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gerenciamento e Agregação da Demanda Perfil da Demanda de Nova York em 1980 e % da Demanda necessária menos de 30 dias/ano 30% da Demanda necessária menos de 30 dias/ano Capacidade Ociosa Energia 365 dias (8,760 horas) Fontes: MIT Report The Future of the Electric Grid; Apresentação ecurv

9 % Demanda Elétrica ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gerenciamento e Agregação da Demanda Perfil da Demanda de Nova York em 1980 e % da Demanda necessária menos de 30 dias/ano 30% da Demanda necessária menos de 30 dias/ano Capacidade Ociosa Energia 365 dias (8,760 horas) Fontes: MIT Report The Future of the Electric Grid; Apresentação ecurv

10 DEMANDA (MW) ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 DEMANDA de Ponta Significa que usuários Pagam mais pela ELETRICIDADE 30,000 26,000 22,000 18,000 14,000 Preços de Energia durante estas Horas de Pico variam em até 10 vezes o preço fora de ponta 2010 ISO-NE Load 10,000 6, MA Load Fonte: ISO New England 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Porcentagem de Tempo de uso de capacidade

11 DEMANDA (Kw) ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 O ENCARGO DA DEMANDA Faz com que os consumidores comerciais e industriais Paguem mais do que necessitam pela ELETRICIDADE O QUE VOCÊ PAGA O encargo de Demanda para o mês inteiro é baseado no maior registro de 15 minutos de demanda O QUE VOCÊ USA Um mês de uso de eletricidade medido em incrementos de 15 minutos

12 DEMANDA (Kw) ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Por enfileirar digitalmente os equipamentos de refrigeração, o uso de energia pode ser movido desta pequena e muito custosa área sem impactar as operações, eliminando 40% dos custos de resfriamento O sistema patenteado de Enfileiramento Digital ecurv fornece controle sobre os encargos de demanda gerenciando a maneira pela qual a eletricidade é utilizada 200 Um mês de uso de eletricidade medido em incrementos de 15 minutos

13 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Demanda Típica Os equipamentos de ar condicionado ciclam randomicamente, em um programa que não considera o uso de eletricidade otimizado Enfileiramento Digital em ação Demanda Otimizada Os equipamentos são operados inteligentemente e enfileirados para mitigar as situações de demanda elevada sem degradação no serviço ou mudanças perceptíveis na sua operação HVAC compressor desligado está na fila e será ligado no tempo ótimo para manter a temperatura desejada e também o menor encargo de demanda HVAC compressor partindo o equipamento na fila recebeu autorização de acesso com base no numero ótimo de unidades funcionando simultaneamente. HVAC operando um numero ótimo de compressores é dinamicamente ajustado como necessário, minimizando os encargos de demanda HVAC parando o equipamento foi sinalizado para parar e será retornado à fila, de forma que outra unidade possa iniciar o funcionamento

14 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Operação ótima do equipamento, mudanças imperceptíveis de condição, demanda reduzida o Enfileiramento Digital permite impacto mensurável Demanda Medida (kw) Modulação por termostato Modulação Digital demonstrando redução de 40% no custo de refrigeração Corrente (Amps) e Temperatura (ºF) 8 horas, 1 minuto de resolução fonte: PG&E 15-minute test site interval data, and ecurv field measurements

15 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Uma Solução Escalável Unidades de ar condicionado Prédios Do enfileiramento de unidades para todo o portfolio de equipamentos - mesmo em locais diferentes o Serviço Elétrico Digital da ecurv proporciona uma solução inteligente de gerenciamento de energia elétrica que pode ser escalável às necessidades dos nossos clientes Portfolios de Propriedades

16 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 carregamento de veículos elétricos Refrigeração industrial ecurv proporciona inteligência acionável para desempenho aprimorado bombeamento de água, gás e óleo building management systems Refrigeração comercial FLUXOS DE INFORMAÇÂO Análise de ciclo de vida, medições contínuas, elaboração de relatórios em tempo real, e os registros permitem manutenção preventiva oportuna e melhoria do seu equipamento. otimização da operação de Geração renovável Transporte eletrificado de massa

17 sistema seguro da ecurv confiável para infra-estrutura crítica Equipamentos de missão crítica Firewall / Balanceador de carga Integração de aplicativos do Software de Enfileiramento Digital Servidores ecurv Dados em tempo real Instruções operacionais Armazenamento de dados em tempo real Fluxos de dados 1.Fluxos de dados seguros em tempo real dos equipamentos de missão crítica dos clientes, geridos por serviços SCADA 2.eCurv autentica fonte de dados via Registro de Carga, submete os dispositivos autenticados para o Enfileiramento Digital 3.As instruções operacionais são calculadas com base no tempo de utilização, condições heurísticas, demanda e perfil do cliente 4.As instruções operacionais são transmitidas para os equipamentos de missão crítica dos clientes Interface de Relatórios para usuários ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Registro de Cargas Arquivos Relatórios

18 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Outras soluções usam métodos diferentes para proporcionar economias A integração de software ecurv irá trabalhar com estes sistemas, se instalados e atenderem às nossas necessidades de segurança cibernética, aumentando o valor do seu investimento Peak Shaving Automação Predial Demand Response >$ III 11 0

19 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 O diferencial ecurv - Controle de Acesso à Eletricidade Patentes globais asseguradas sem refutação, em três meses Patente US 8,219,258 Sistema de enfileiramento de acesso a um sistema elétrico Resultados: Mudança imperceptível na qualidade do serviço Eletricidade suprida com menores custos Adicionalmente: Mais fácil integração de energias renováveis intermitentes Fundação para a digitalização da distribuição de energia elétrica

20 DEMANDA (Kw) ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 O Serviço Elétrico Digital de ecurv já está disponível para fornecer gestão inteligente de eletricidade, otimizando operações com menores encargos de demanda contratada mês a mês 20 Perfil Eletrico Típico Demanda de Pico faturada Perfil do Serviço Elétrico Digital simulação ecurv Economias de kw com ecurv { 5 fonte: PG&E 15-minute test site interval data over 22 months Menores custos com o Serviço Elétrico Digital 0

21 ECOEE e ecurv - Proprietário & Confidencial 14º. Encontro Internacional de Energia FIESP São Paulo, 6 de agosto de 2013 Conclusões Chegamos a uma encruzilhada com a tecnologia atual de eletricidade: as novas tecnologias de smart grid já estão disponíveis a preços acessíveis Na sociedade moderna, a tendência de aumento simultâneo da demanda é irreversível e o seu gerenciamento é o desafio fundamental para assegurar o suprimento a custos razoáveis e a integração de renováveis em pequena escala Tecnologias que permitem a verdadeira digitalização das redes já foram desenvolvidas e em breve gerenciarão o acesso dos equipamentos consumidores à rede elétrica Novas realidades, como a micro geração, os veículos elétricos e o armazenamento de energia acelerarão ainda mais esta mudança

22 Muito Obrigado Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Uso das Redes Inteligentes para viabilizar a Geração Distribuída Brasília, 14 de Setembro de 2011 Cyro Vicente Boccuzzi Presidente do Fórum Latino

Leia mais

SMART GRID E TENDÊNCIAS NAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS INTEGRADAS AO PLANEJAMENTO URBANO. Cyro Vicente Boccuzzi Daniel Bento Ricardo Gedra

SMART GRID E TENDÊNCIAS NAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS INTEGRADAS AO PLANEJAMENTO URBANO. Cyro Vicente Boccuzzi Daniel Bento Ricardo Gedra SMART GRID E TENDÊNCIAS NAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS INTEGRADAS AO PLANEJAMENTO URBANO Cyro Vicente Boccuzzi Daniel Bento Ricardo Gedra 1 Apresentação ECOEE Empresa de Engenharia e Consultoria

Leia mais

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X Ingersoll Rand Sistema de Automação Série- Economia de Energia Por Encomenda! Ingersoll Rand 20% a 60% da energia utilizada para operar os sistemas de ar comprimido são desperdiçados. Isso ocorre principalmente

Leia mais

Smart Grid Advantage

Smart Grid Advantage Smart Grid Advantage A evolução das Redes Inteligentes Ricardo Van Erven Gerente Geral América Latina GE Digital Energy Smart Grid Forum, SP 27 Novembro, 2013 Áreas urbanas de > 10 milhões 53% Áreas rurais

Leia mais

Soluções Energéticas

Soluções Energéticas Soluções Energéticas A EMPRESA DE ENERGIA QUE O BRASIL CONFIA Utilizar a energia de forma eficiente é um desafio mundial. E onde tem desafio, tem Petrobras, realizando grandes investimentos em tecnologia

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO LOCAL: UNIDADES UNINORTE MANAUS/AM 2013 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Os programas de Eficiência Energética PEE apoiados

Leia mais

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS por Heinz P. Bloch Para TECÉM - tecem.com.br 05/10/2013 Parcerias com um único fornecedor de selo mecânico nem sempre

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2015 Título do Projeto: Desenvolvimento de Cabeça de Série de Transformador com Medição Integrada

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2016 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CEMAR CONCLUÍDO 2015 Título do Projeto: Sistema

Leia mais

11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO

11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO 11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO 1. DO PRÊMIO Há mais de uma década o Prêmio MASTERINSTAL contribui para ampliar a visibilidade e o aperfeiçoamento da atividade empresarial dedicada à execução, manutenção

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR ÍNDICE 01. Sol 02. Energia Solar 03. Térmica 04. Como funciona? 05. Fotovoltaica 06. Como Funciona? 07. Por que investir em Energia

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl.

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl. Onde encontrar Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um

Leia mais

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O projeto BK Energia Itacoatiara contribui para a sustentabilidade

Leia mais

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO SEMINÁRIO ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO 5 de novembro de 2015 DISCURSO DE ABERTURA Prof. Vítor Santos Gostaria de começar por agradecer a presença de todos e o interesse por esta iniciativa da

Leia mais

Os objetivos descrevem o que se espera alcançar com o projeto; Devem estar alinhados com os objetivos do negócio; Deve seguir a regra SMART:

Os objetivos descrevem o que se espera alcançar com o projeto; Devem estar alinhados com os objetivos do negócio; Deve seguir a regra SMART: 1.1. Objetivos estabelecidos Este é um dos aspectos mais importantes, pois é a partir deles que detalharemos o planejamento do projeto para atingir os objetivos estabelecidos. Ele também é importante para

Leia mais

Gerenciando a memória

Gerenciando a memória Memória da impressora 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 64 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir menus no Menu Utilitários.

Leia mais

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro SMARTGRIDS LATIN AMERICA Santiago, Chile Novembro de 2008 Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro Arnoldo Magela Morais Superintendência de Engenharia da Distribuição CEMIG

Leia mais

Soluções de antena para o setor de energia

Soluções de antena para o setor de energia Soluções de antena para o setor de energia As soluções de antena da Laird ajudam você a superar os desafios da conectividade sem fio no setor energético. A Laird em seu setor A energia, setor essencial

Leia mais

Efeitos do Horário de Verão x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT)

Efeitos do Horário de Verão x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT) Efeitos do x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT) Ponto de Vista da Eficiência Energética 1 Fell, José Alexandre Eng.º de Marketing de Produto EPCOS do Brasil Ltda jose.fell@epcos.com GT de Capacitores

Leia mais

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações.

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações. kkk A EMPRESA A Ayusso Telecom - Consultoria em Telefonia Corporativa oferece ao mercado um avançado sistema voltado à Gestão contínua de telefonia fixa, móvel e dados. Com experiência a mais de 10 anos

Leia mais

Capítulo: Proteção às Informações

Capítulo: Proteção às Informações Visão Geral 2 a 1 / 5 1 Para o, Inc., denominada a Empresa, as informações representam um ativo crucial. A proteção e utilização adequadas de informações em nossa posse são fundamentais para que a empresa

Leia mais

Smart Grid pelo preço de AMI

Smart Grid pelo preço de AMI Smart Grid pelo preço de AMI John O Farrell Vice-Presidente Executivo, Desenvolvimento de Negócios Silver Spring Networks California, EUA jofarrell@silverspringnet.com 2008 Silver Spring Networks. All

Leia mais

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA Custo da energia elétrica no Brasil é um dos mais caros do mundo. Crescimento

Leia mais

RIELLO ELETTRONICA. Multi Guard

RIELLO ELETTRONICA. Multi Guard RIELLO ELETTRONICA Multi Guard REDES LOCAIS (LAN) ServIDORES DATA CENTERS DISPOSITIVOS DE TELECOMU- NICAÇÃO E-BUSINESS (Parque de Servidores, ISP/ ASP/POP) DISPOSITIVOS DE EMERGÊNCIA (Luzes/Alarmes) Multi

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Infoglobo reduz perfis de usuários em 80 por cento ao aperfeiçoar a gestão de identidades

Infoglobo reduz perfis de usuários em 80 por cento ao aperfeiçoar a gestão de identidades CUSTOMER SUCCESS STORY Infoglobo reduz perfis de usuários em 80 por cento ao aperfeiçoar a gestão de identidades PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Empresa: Infoglobo EMPRESA A Infoglobo publica um dos

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia Sites Corporativos São a vitrine da sua empresa. É a imagem do seu negócio para o mundo; Clientes e parceiros examinam

Leia mais

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento É hora de renovar O mercado de retrofit tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Novas regulamentações

Leia mais

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Windows Azure Soluções para clientes - Estudo de caso Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Visão geral País ou região: Índia Setor: Tecnologia da informação Perfil

Leia mais

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI)

Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo Núcleo detecnologia da Informação (NUTI) Coordenador: Paulo Celso Budri Freire Aprovada pelo Conselho do Departamento de Dermatologia da

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D.

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Sales Estiveram reunidos nas duas últimas semanas em Paris,

Leia mais

DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO

DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO A EMPRESA A PLANAVE é uma empresa de engenharia consultiva genuinamente brasileira com 46 anos de existência com sede no Rio de Janeiro. Possui as certificações ISO

Leia mais

Sistemas de Vácuo para Indústrias de Papel & Celulose

Sistemas de Vácuo para Indústrias de Papel & Celulose Sistemas de Vácuo para Indústrias de Papel & Celulose Atualizando e re-projetando instalações existentes Assim como a demanda do mercado e a economia se modificam, a Indústria de Papel & Celulose também.

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 13 OBJETIVOS OBJETIVOS COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE BAURU PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS BAURU 2014 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO A Faculdade

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial Point of View Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial C o n t e ú d o Sumário Executivo 4 Cenário Atual 5 Nosso entendimento 6 A Solução SAP 8 Benefícios para o negócio 16 Por

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

REDUZIR CORTAR! ELIMINAR

REDUZIR CORTAR! ELIMINAR REDUZIR CORTAR! ELIMINAR MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão QUAIS RESULTADOS

Leia mais

PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1

PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1 PAVIRO Sistema de chamada e evacuação por voz com qualidade de som profissional Flexibilidade desde o início PAVIRO 1 2 PAVIRO PAVIRO 3 Mantém as pessoas informadas, seguras e entretidas Com mais de 100

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Plano de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) Institui a Política Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Farmacêutico. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Política

Leia mais

Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014.

Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

GETINGE LD 46 turbo FAÇA MAIS COM MENOS

GETINGE LD 46 turbo FAÇA MAIS COM MENOS GETINGE LD 46 turbo FAÇA MAIS COM MENOS 2 Getinge LD46 Turbo Getinge LD46 Turbo 3 AJuDA VoCÊ A FAZEr MAIS CoM MENoS Diminuem os recursos, mas aumentam constantemente as exigências de eficiência para as

Leia mais

ACIC. Associação Comercial e Industrial de Cerejeiras ACIC A Casa do Empresário. Nossa Missão: Representar a Classe Empresarial, oferecendo Soluções

ACIC. Associação Comercial e Industrial de Cerejeiras ACIC A Casa do Empresário. Nossa Missão: Representar a Classe Empresarial, oferecendo Soluções Associação Comercial e Industrial de Cerejeiras ACIC A Casa do Empresário. Nossa Missão: Representar a Classe Empresarial, oferecendo Soluções Empresariais aos associados VISANDO defender seus interesses

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015. PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015. PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 2015 PROJETO: Instalação de Alarme Sonoro e Visual em Vaso de GLP CATEGORIA: Segurança AUTOR(ES): Comitê de Inovações da Fogás 1. Breve Histórico História A família

Leia mais

O Consumidor e o mercado da eletricidade do futuro. Vítor Santos Presidente do Conselho de Administração da ERSE

O Consumidor e o mercado da eletricidade do futuro. Vítor Santos Presidente do Conselho de Administração da ERSE O Consumidor e o mercado da eletricidade do futuro Vítor Santos Presidente do Conselho de Administração da ERSE O Futuro da Energia: Os consumidores e o mercado da eletricidade do futuro Vitor Santos Conferência

Leia mais

Backsite Serviços On-line

Backsite Serviços On-line Apresentação Quem Somos O Backsite Com mais de 15 anos de mercado, o Backsite Serviços On-line vem desenvolvendo soluções inteligentes que acompanham o avanço das tecnologias e do mundo. Com o passar do

Leia mais

Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia

Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia Seja Responsável Entendendo as Tarifas pelo Tempo de Uso de Energia O preço da sua energia Como ele é determinado: Atualmente, os consumidores de eletricidade de baixo volume (residenciais e de pequenas

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte I

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte I Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica Parte I Prof: Clodomiro Unsihuay-Vila Conceitos Fundamentais: Demanda

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Utilidades. Com. Garantia Resultados

Utilidades. Com. Garantia Resultados Operação E Manutenção Das Utilidades Com Garantia De Resultados Dalkia: Líder L Europeu de Serviços Energéticos 2 Os Acionistas N 1 no mundo em serviços ambientais energia água resíduos transporte 28,6

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado pela ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Contexto Legal Origem - Lei #

Leia mais

MLM. Proporcionando Soluções Sustentáveis. www.mlm.uk.com www.mlm.br.com

MLM. Proporcionando Soluções Sustentáveis. www.mlm.uk.com www.mlm.br.com MLM B r a s i l Proporcionando Soluções Sustentáveis www.mlm.uk.com Proporcionando Soluções Sustentáveis A necessidade de desenvolvimento sustentável é amplamente aceita e atualmente é considerada uma

Leia mais

laser cutting efficiency in BySprint Fiber

laser cutting efficiency in BySprint Fiber efficiency in laser cutting BySprint Fiber Equipamento rápido para corte a laser com laser de fibra de alta tecnologia para o processamento econômico de chapas finas 2 BySprint Fiber rápida, simples, lucrativa

Leia mais

Serviço para implementação de atualização de firmware HP

Serviço para implementação de atualização de firmware HP Dados técnicos Serviço para implementação de atualização de firmware HP Serviços HP Vantagens do serviço Fornece atualizações de firmware com o intuito de minimizar quaisquer interrupções ao seu ambiente

Leia mais

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016 A importância do armazenamento de energia fevereiro 2016 Fevereiro de 2016 1 A importância do armazenmento ÍNDICE Principais Constrangimentos Balanço Energético Áreas de Atuação Caracterização do Sistema

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

PDIRT-E 2014-2023 - comentários CIP (06-03-2014).pdf

PDIRT-E 2014-2023 - comentários CIP (06-03-2014).pdf Ana Oliveira De: CIP - Paulo Rosa [prosa@cip.org.pt] Enviado: quinta-feira, 6 de Março de 2014 19:26 Para: pdirt-e2013 Assunto: Comentários da CIP_PDIRT E Anexos: PDIRT-E 2014-2023 - comentários CIP (06-03-2014).pdf

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC 3º WORKSHOP NACIONAL DO PROMINP Promoção: Participação: Painel 4: Obtenção de conteúdo local na implantação de projetos de investimentos: Experiência Refino

Leia mais

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje Redes Inteligentes A Rede do Futuro Construída Hoje Grupo Efacec, Breve descrição Ao longo da sua história, a Efacec tem vindo a antecipar as mudanças num mundo extremamente competitivo, tornando-se numa

Leia mais

Em 2050 a população mundial provavelmente

Em 2050 a população mundial provavelmente Declaração mundial Armazenamento de Água para o Desenvolvimento Sustentável Em 2050 a população mundial provavelmente ultrapassará nove bilhões de habitantes O aumento da população mundial, tanto rural

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

Centro de Pesquisa da GE no Brasil

Centro de Pesquisa da GE no Brasil Centro de Pesquisa da GE no Brasil Industrial Internet Marcelo Blois Ribeiro, PhD Líder de Integração de Sistemas 09/05/2013 A GE é uma companhia de tecnologia, serviços e finanças, que busca solucionar

Leia mais

Proposta para Turbinas a Gás

Proposta para Turbinas a Gás GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta para Turbinas a Gás Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS Metodologia Visão do Setor Processo Poluentes Controles Proposta Escopo Limites

Leia mais

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas ÍNDICE REMISSIVO GRI GRI G434 Opção de acordo Essencial CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Indicador e Descrição Onde encontrar / Resposta ESTRATÉGIA E ANÁLISE G41 Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente PERFIL

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Misturadores Submersíveis modelo ABS XRW 400 e 650

Misturadores Submersíveis modelo ABS XRW 400 e 650 Misturadores Submersíveis modelo ABS XRW 400 e 650 Principais Aplicações O misturador submersível modelo ABS XRW é um equipamento compacto e versátil para uma ampla gama de aplicações, incluindo o uso

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

CÓDIGO DE FORNECEDORES DA GALDERMA

CÓDIGO DE FORNECEDORES DA GALDERMA CÓDIGO DE FORNECEDORES DA Código de fornecedores da Galderma Preâmbulo A Galderma tem como missão ser reconhecida como a empresa de inovação mais competente e bemsucedida, centrada exclusivamente em corresponder

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

Reeditando os conceitos

Reeditando os conceitos Reeditando os conceitos Como uma impressora de cartões pode ter um preço tão acessível? Ou ser tão inteligente? A nova impressora de cartões SP35 da Datacard está mudando todos os conceitos, abrindo um

Leia mais

Virtualização. Alunos: Danilo Abreu Rafael Homsi Ricardo Antonio

Virtualização. Alunos: Danilo Abreu Rafael Homsi Ricardo Antonio Virtualização Faculdade Anhanguera de Anápolis Ciência da Computação Seminários Avançados em Computação Alunos: Danilo Abreu Rafael Homsi Ricardo Antonio Sumário: Introdução Tipos de Virtualização Custo

Leia mais

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES A ENTERPRISE SOLAR Somos a empresa mais inovadora em soluções energéticas no Brasil. Temos o propósito de difundir a importância da principal fonte de energia do nosso planeta, que nos fornece, sob as

Leia mais

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA TUDO SOBRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É, COMO FUNCIONA, SISTEMA DE CRÉDITOS, RESPONSABILIDADE E DEVERES, INVESTIMENTO MÉDIO, MANUTENÇÃO E TEMPO DE RETORNO 1. INTRODUÇÃO Por Mário Camacho (Diretor

Leia mais

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ObjETIVOS A ThyssenKrupp Elevadores, em sintonia com as tendências mundiais em transporte vertical, está focada em sua responsabilidade socioambiental. Por isso, desenvolve produtos

Leia mais