MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06085/2004/DF COGSE/SEAE/MF Em 12 de maio de Referência: Ofício nº 136/2003/SDE/GAB, de 17/01/2003 Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO n.º / Requerentes: EGB Participações Hospitalares Ltda e CIGNA Brasil Participações Ltda Operação: Aquisição da Cigna Saúde pela EGB Participações Hospitalares Ltda. Recomendação: Aprovação sem restrições Versão Pública Comentário: Ex.: Aquisição de... por... no setor de... O presente parecer técnico destina-se à instrução de processo constituído na forma da Lei n 8.884, de 11 de junho de 1994, em curso perante o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência SBDC. Não encerra, por isto, conteúdo decisório ou vinculante, mas apenas auxiliar ao julgamento, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE, dos atos e condutas de que trata a Lei. A divulgação de seu teor atende ao propósito de conferir publicidade aos conceitos e critérios observados em procedimentos da espécie pela Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE, em benefício da transparência e uniformidade de condutas. A Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça solicita à SEAE, nos termos do art. 54 da Lei n.º 8.884/94, parecer técnico referente ao ato de concentração entre as empresas EGB Participações Hospitalares Ltda e CIGNA Brasil Participações Ltda 1. Das Requerentes 1.1 EGB Participações Hospitalares LTDA A EGB Participações Hospitalares Ltda (doravante EGB) é uma sociedade brasileira, com sede em São Paulo. Atualmente, esta empresa encontra-se em fase pré-operacional, não oferecendo nenhum produto ou serviço. Não obstante, a EGB tem como objeto social a

2 prestação de serviços médico-hospitalares de qualquer natureza, categoria ou porte, em estabelecimentos de saúde ou correlatos. A EGB tem como quotistas os Srs. Edson de Godoy Bueno (99,98%) e Vitor de Moraes Guimarães (0,02%). 2. A EGB pertence ao grupo AMIL, de nacionalidade brasileira. As atividades deste grupo centram-se na cobertura e administração de custos de assistência médica, hospitalar e odontológica de seus associados, prestação de serviços de saúde, remoção de doentes, instalação de hospitais e de centros de diagnósticos médicos e exames em geral. A relação de todas as empresas direta ou indiretamente componentes do grupo, com atuação no Brasil, bem como a participação do grupo no capital social das empresas encontra-se no Quadro 1, abaixo. Quadro 1 Empresas componentes do grupo Amil, produto/serviço ofertado e participação do grupo no capital social Empresa com atuação no Brasil AMIL Assistência Médica Internacional Ltda DIX Assistência Médica Ltda ESHO Empresa de Serviços Hospitalares Ltda EGB Vision Empreendimentos e Participações Ltda Vip Bueno Empreendimentos e Participações Ltda Produto/Serviço ofertado pela empresa Planos de saúde na modalidade de pré-pagamento em território nacional Planos de saúde na modalidade de pré-pagamento no Rio de Janeiro Prestação de serviços médicohospitalares nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo Empreendimento e participação em atividades agropastoris, não desenvolvendo qualquer atividade atualmente. Empreendimento e participação em atividades agropastoris, não desenvolvendo qualquer atividade atualmente. Participação do grupo no capital social da empresa (direta ou indireta) 99,99% (direta via Edson 90,00% (direta via Edson 99,99% (indireta via AMIL LTDA) 99,90% (direta via Edson 99,99% (direta via Edson Aeromil Taxi Aéreo Ltda Serviço de resgate aéreo 99,99% (indireta via ESHO) Sociedade Agropecuária Imaculada da Conceição Ltda Atividades agropecuárias, em especial a bovinocultura e leite 99,99% (direta via Edson Amil Franchising Concessionária de Franquias Ltda Franquia da marca, know-how e produtos da marca AMIL no Brasil 98,00% (direta via Edson (continua) 2

3 Quadro 1 Empresas componentes do grupo Amil, produto/serviço ofertado e participação do grupo no capital social (continuação) Empresa com atuação no Brasil Supri-M Distribuidora de Equipamentos e Produtos Hospitalares Ltda Farmalife Ltda EGB Participações Hospitalares PROMAKET Propaganda e Marketing Ltda AMIL Participações Ltda AMIL Seguradora SA Prescript Investimentos e Participações Ltda AMIL Planos por Administração Ltda Hospital de Clínicas de Niterói Medise Medicina Diagnóstico e Serviços Ltda (Hopital Barra D Or) Laboratórios Médicos Dr. Sérgio Franco Ltda Fonte: requerentes Produto/Serviço ofertado pela empresa Distribuidora de medicamentos e materiais hospitalares e de escritório, atuando essencialmente para empresas do próprio grupo Venda de medicamentos e artigos de higiene e perfumaria em geral nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná Não desenvolve atividades atualmente Serviços de publicidade, promoção e divulgação princ ipalmente das empresas do Grupo AMIL Serviços médicoodontológicos, além de serviços auxiliares (consultoria e assessoria a hospitais e clínicas). A empresa não se encontra em operação. Atividades de seguro de vida e previdência, estando as vendas suspensas atualmente Intermediação de negócios em geral. Planos de saúde na modalidade de administração em território nacional Prestação de serviços hospitalares no município de Niterói-RJ Prestação de serviços hospitalares no município do Rio de Janeiro. Prestação de serviços laboratoriais no estado do Rio de Janeiro Participação do grupo no capital social da empresa (direta ou indireta) 99,99% (indireta via Vip 99,99% (indireta via Supri-M) 99,98% (direta via Edson 99,37% (indireta via AMIL Ltda) 99,82% (indireta via AMIL Ltda) 42,95% (indireta via AMIL Ltda) 99,99% (indireta via AMIL Ltda) 12% (indireta via AMIL Ltda) 99,99% (indir eta via ESHO) 10% (indireta via ESHO) 99,99% (direta via Edson 3

4 3. O faturamento do grupo AMIL no Brasil, em 2001, foi de R$ CONFIDENCIAL, segundo informado pelas requerentes 1. Já o faturamento das empresas do grupo atuantes diretamente na operação de planos de assistência à saúde e em serviços médicos hospitalares, no mesmo ano, foi de R$ CONFIDENCIAL. Deste total, cerca de CONFIDENCIAL corresponde à prestação de serviços médico-hospitalares e laboratoriais a terceiros não beneficiários dos planos de saúde da AMIL. Não houve faturamento no Mercosul ou no mundo, bem como não foram realizadas fusões, aquisições ou associações de empresas no país ou no mundo nos últimos três anos. 1.2 CIGNA Saúde Ltda 4. A Cigna Saúde Ltda, empresa objeto da operação em tela, é empresa brasileira, pertencente ao Grupo Cigna de nacionalidade norte-americana, cuja principal atividade é a operação de planos de assistência à saúde. A composição do capital social das empresas do grupo, direta ou indiretamente relacionadas à operação, está descrita a seguir. Cigna Brasil Participações Ltda Cigna Serviços Ltda 0,02% 0,01% 99,99% 0,01% Cigna Saúde Ltda (empresa objeto da operação) 99,98% 99,99% Ocima Serviços Ltda Ocima Ltda Figura 1 : Composição do capital social das empresas do Grupo Cigna envolvidas na operação 5. As empresas Ocima Serviços e Ocima Ltda não desenvolvem atividades operacionais. Já a Cigna Saúde atua como operadora de planos de assistência à saúde, através de redes credenciadas e de rede própria de atendimento médico-hospitalar. Esta empresa possui cerca de 18 unidades de atendimento para prestação de serviços médico- 4

5 hospitalares, que incluem o atendimento ambulatorial-hospitalar-obstétrico e odontológico, conforme previsto na Lei nº 9656/98, voltado sobretudo aos beneficiários de seus planos de assistência à saúde, quais sejam, Amico (individual e coletivo) e Cigna Health (coletivo). As unidades de atendimento são classificadas a seguir: 2 a) Hospitais e maternidadades, localizados em Vila Mariana (SP), Ribeirânia (SP) e Santo André, São Bernardo e São Caetano do Sul (SP); b) Laboratório (Foccus), localizado em Vila Mariana (SP), com 12 postos de coleta na Grande São Paulo, Suzano e Ribeirão Preto; c) Centros Médicos, localizados em São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo, Suzano e Ribeirão Preto. 6. O faturamento do Grupo Cigna, em 2001 foi de R$ CONFIDENCIAL, no Brasil. O Grupo não registrou faturamento no Mercosul ou no mundo no mesmo período, conforme informações prestadas pelas requerentes. Do mesmo modo, o Grupo não realizou fusões, aquisições ou associações de empresa no Brasil, Mercosul ou mundo nos últimos três anos. 2. Da Operação 7. Em 24 de dezembro de 2002, a Cigna Serviços Ltda e a Cigna Brasil Participações Ltda ( Quotistas Originais ), detentoras da totalidade do capital social da Cigna Saúde Ltda ( Sociedade ), firmaram com a EGB Participações Hospitalares Ltda ( Comprador ) Contrato de Compra e Venda de Quotas e Outras Avenças, pelo qual os Quotistas Originais se obrigam a transferir ao Comprador a totalidade da participação detida pelos mesmos no capital social da Sociedade, uma vez satisfeitas as condições suspensivas mencionadas na Cláusula 1.3 do Contrato. 8. A composição do capital social da Cigna Saúde Ltda, posteriormente à operação, será a seguinte: EGB Participações Hospitalares Ltda (99,99%) e Pessoa designada pela EGB Participações Hospitalares Ltda (0,01%). O total de quotas depende do aumento de capital previsto no Contrato, mas a proporção mantém-se em 99,99% e 0,01%. 9. A operação foi realizada apenas no Brasil, no valor de R$ 1,00 (dentre as condições suspensivas está a integralização total do Aporte dos Quotistas Originais, como aporte de capital para a Sociedade). A comunicação aos órgãos do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência deu-se em 16/01/ Informaram também as requerentes que até a data da operação os Balanços Patrimonais da empresas, relativos ao exercício 2002, não haviam sido concluídos. 2 Resposta ao Ofício nº06192/2003/cogse/seae/mf e ao Anexo 1 da Resolução 15/98 do CADE. 5

6 3. Mercado Relevante 3.1. Dimensão Produto 10. O Quadro 2, abaixo, apresenta os serviços/produtos ofertados pelas requerentes. Quadro 2 Produtos/serviços ofertados pelas requerentes no Brasil Produtos/Serviços Grupo Amil Grupo Cigna Operação de planos de assistência à saúde X X Serviços de resgate aéreo Medicamentos e artigos de higiene (via farmácias) Atividades agropecuárias (bovinocultura de leite) Serviços de publicidade Serviços médico-hospitalares (hospitais próprios) X X Serviços laboratoriais (laboratórios próprios) X X Seguro de vida e previdência Operação de planos odontológicos X X Fonte: requerentes (resposta o Anexo 1 da Resolução 15/98 do CADE e resposta ao ofício 06835/2003/COGSE/SEAE/MF). 10. Verifica-se, a partir do Quadro 2, que a sobreposição de atividades das requerentes ocorre na prestação dos seguintes serviços: a) planos de saúde; b) planos odontológicos; c) serviços médico-hospitalares (hospitais próprios); d) serviços laboratoriais (laboratórios próprios). 11. Quanto aos planos de saúde, estes enquadram-se no mercado de saúde suplementar, que foi regulamentado pela Lei nº 9.656/98. Após sua promulgação, essa Lei foi alterada por Medidas Provisórias, que vêm sendo reeditadas desde então, muitas vezes com modificações. Em janeiro de 2000, foi criada a Agência Nacional de Saúde Suplementar (Lei 9961), vinculada ao Ministério da Saúde e responsável pela regulação e fiscalização geral do setor. 12. A Lei 9656/98 dispõe em seu artigo 1º: Art. 1º: Submetem -se às disposições desta Lei as pessoas jurídicas de direito privado que operam planos de assistência à saúde, sem prejuízo do cumprimento da legislação específica que rege sua atividade, adotando-se, para fins de aplicação das normas aqui estabelecidas as seguintes definições: I Plano Privado de Assistência à Saúde: prestação continuada de serviços ou cobertura de custos assistenciais a preço pré ou pós estabelecido, por prazo indeterminado, com a X X X X X 6

7 finalidade de garantir, sem limite financeiro, a assistência à saúde, pela faculdade de acesso e atendimento por profissionais ou serviços de saúde, livremente escolhidos, integrantes ou não de rede credenciada, contratada ou referenciada, visando a assistência médica, hospitalar e odontológica, a ser paga integral ou parcialmente às expensas da operadora contratada, mediante reembolso ou pagamento direto ao prestador, por conta e ordem do consumidor; II Operadora de Plano de Assistência à Saúde: pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa ou entidade de autogestão, que opere produto, serviço ou contrato de que trata o inciso I deste artigo; III Carteira: o conjunto de contratos de cobertura de custos assistenciais ou de serviços de assistência à saúde em qualquer das modalidades de que tratam o inciso I e o parágrafo 1º deste artigo, com todos os direitos e obrigações nele contidos. (...). 13. O setor de saúde suplementar pode ser classificado em quatro segmentos 3 : a) medicina de grupo, que opera com os chamados convênios médico-hospitalares e no qual podem ser identificados três tipos, as operadoras sem rede própria, as operadoras com rede própria e as operadoras associadas a hospitais filantrópicos; b) cooperativas, que além dos serviços dos cooperados operam também os convênios médico-hospitalares, com rede própria crescente; c) autogestão, que é um sistema fechado, com público específico, vinculado a empresas públicas e privadas ou a sindicatos e associações e d) seguradoras, que operam produtos com todas as características de planos privados de assistência à saúde. As seguradoras, quando do início de suas operações, não administravam os planos propriamente ditos, fazendo apenas o reembolso. 14. Umas das diferenças básicas entre os chamados seguros saúde e as demais operadoras (medicina de grupo, cooperativas e autogestão) 4 é ser o seguro saúde uma operação essencialmente financeira de reembolso de despesas médico e/ou hospitalares, para segurados e seus dependentes, devidamente inscritos na apólice, de acordo com as características dos planos contratados. Entretanto, visando facilitar a utilização do seguro, algumas seguradoras colocam à disposição dos segurados uma rede referenciada composta de médicos, hospitais, clínicas, prontos socorros e laboratórios, que poderá ser utilizada pelo segurado, cujas contas serão pagas diretamente pela seguradora ao prestador referenciado, por conta e ordem do segurado, desde que haja previsão contratual. As demais operadoras, regra geral, envolvem-se diretamente na prestação se serviços médicos 3 Informações obtidas no site da ANS 4 Informação obtida em resposta aos Ofícios nº 2777/01 e 1059/02 COGSE/SEAE/MF 7

8 assistência à saúde (prevenção, operação de hospitais e clínicas, exames laboratoriais, etc.) e possuem hospitais e médicos próprios. 15. No que tange à cobertura de doenças e tratamentos, o artigo 10 da Lei nº 9.656/98 tornou obrigatório o oferecimento do Plano Referência de Assistênc ia à Saúde, como parâmetro mínimo a amparar os procedimentos e coberturas oferecidos pelas operadoras de planos privados de assistência à saúde e seguradoras especializadas em saúde. Tanto as operadoras quanto as seguradoras oferecem várias opções aos clientes em termos cobertura de doenças e tratamentos, características da cobertura hospitalar, tipo de acomodação em casos de internação e abrangência da rede referenciada, além de outros serviços extras como atendimento domiciliar. Os preços variam, portanto, de acordo com o tipo de plano escolhido pelo cliente. 16. Embora haja diferenças operacionais entre as seguradoras e as demais operadoras de planos de saúde, deve-se levar em conta que: a) o produto/serviço oferecido é o mesmo, ou seja, a assistência médica, hospitalar e odontológica; b) a diferença de preços não é significativa, dependendo do tipo de plano e cobertura escolhidos pelo consumidor; c) há empresas seguradoras que contam com rede credenciada, realizando o pagamento diretamente a esta rede, e há operadoras de planos de saúde que possibilitam a escolha, pelo beneficiário, de prestadores de sua preferência, realizando o reembolso, total ou parcial do montante pago pelo beneficiário (por exemplo, a Golden Cross). Portanto, pode-se considerar os seguros saúde e demais planos de assistência à saúde como substitutos, tanto sob a ótica da oferta como da demanda. 17. Ainda no mercado de planos/seguros de saúde, é importante salientar a diferença entre os planos individuais/familiares e os planos coletivos. Os planos individuais/familiares são aqueles contratados por pessoa física, financiados exclusivamente com recursos dos beneficiários. Nesta categoria enquadram-se também os planos contratados por autogestão não patrocinada. Já os planos coletivos são aqueles oferecidos por empresas a seus funcionários. A substituibilidade entre ambas as categorias é complexa. Sob a ótica da oferta, é comum às operadoras oferecerem os dois tipos de planos aos beneficiários; contudo, há diferença de preços e coberturas, sendo os planos individuais geralmente mais caros. Sob a ótica da demanda, há que se considerar que, em caso de um significativo e não transitório aumento de preços, o consumidor de um plano individual não pode passar a ter um plano coletivo quando assim o desejar. Isto posto, esta SEAE irá considerar a oferta de planos de assistência à saúde individuais/familiares e coletivos como mercados relevantes distintos. 8

9 16. No que tange aos planos odontológicos, estes visam o tratamento de doenças bucais, isto é, cáries e periodontopatias. Certamente, os planos odontológicos diferem dos planos e seguros de saúde, especialmente no que diz respeito a enfermidades cobertas. O Quadro 3, a seguir, apresenta as principais diferenças entre a odontologia e a medicina. Quadro 3 Principais diferenças entre a Odontologia e a Medicina Odontologia Medicina Nº de especialidades Nº de doenças Basicamente duas Diversas Nº de procedimentos realizáveis Baixo Alto Previsibilidade das doenças Alta Baixa Rastreabilidade dos procedimentos realizados Alta Baixa Previsibilidade quanto ao término do tratamento Alta Baixa Resposta à prevenção Alta Baixa Natureza da doença Crônica Crônica/aguda Ameaça à vida Rara Não rara Custo do diagnóstico Baixo Alto Complexidade do diagnóstico Baixa Alta Possibilidade de substituição do tratamento Fácil Complexa Elasticidade-preço da demanda Maior Menor Complexidade da estrutura de relacionamento Baixa Alta Fonte: Agência Nacional de Saúde Suplementar, em Regulação e Saúde Planos Odontológicos: uma abordagem econômica no contexto regulatório, p O mercado de planos odontológicos, à semelhança dos médico-hospitalares, são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, estão sujeitos às mesmas regras e apresentam a mesma classificação e segmentação (odontologia de grupo, cooperativa, autogestão, administradora). 5 Ademais, não há empecilhos para que uma operadora de planos de saúde oferte o produto odontológico. As operadoras de planos odontológicos também ofertam planos individuais e coletivos. No caso das odontologias de grupo, 95% dos planos ofertados são coletivos 6. Portanto, considerando que a mesma lógica econômica dos 5 A Resolução de Diretoria Colegiada RDC nº 39, de 30/10/2000, dispõe sobre a definição, segmentação e classificação das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. 6 Agência Nacional de Saúde Suplementar, em Regulação e Saúde Planos Odontológicos: uma abordagem econômica no contexto regulatório, p

10 planos médico-hospitalares se aplica aos planos odontológicos, considerar -se-á os planos individuais e coletivos como pertencentes a mercados distintos em sua dimensão produto. 18. Dada a distinção estabelecida neste parecer entre planos individuais e coletivos, faz - se importante apresentar quais destes produtos são oferecidos pelas requerentes para uma definição mais precisa de mercado relevante do produto. Para tanto, vide Quadro 4, abaixo. Quadro 4 Tipos de planos ofertados pelas requerentes Tipo de Plano Grupo Amil Grupo Cigna Plano médico-hospitalar individual X X Plano médico-hospitalar coletivo X X Plano odontológico individual X Plano odontológico coletivo X X Fonte: resposta ao Ofício nº 07509/2003 COGSE/SEAE/MF 19. Do exposto, são cinco os mercados relevantes considerados neste parecer, na dimensão produto: a) serviços médico-hospitalares (hospitais); b) serviços laboratoriais; c) planos médico-hospitalares individuais; d) planos médico-hospitalares coletivos; e) planos odontológicos coletivos Dimensão Geográfica Serviços médico-hospitalares (hospitais) e Serviços laboratoriais 20. No que concerne os hospitais, maternidades, centros clínicos e laboratórios que fazem parte do grupo econômico das requerentes, verifica-se que estes se situam em áreas geográficas distintas. Conforme apontado no item 1 deste parecer, o Grupo Amil tem seus hospitais (Barra D Or e Hospital de Clínicas de Niterói) e rede de laboratório (Laboratório Sérgio Franco) localizados no Rio de Janeiro. O Grupo Cigna, por sua vez, possui centros médicos, clínicas e laboratórios (Foccus) no estado de São Paulo. Conquanto os serviços oferecidos por tais instituições seja o mesmo, não é razoável supor que um indivíduo se desloque do Rio de Janeiro para São Paulo (ou vice-versa) para realizar uma consulta ou um exame de sangue; tal deslocamento apenas ocorreria se os citados hospitais e laboratórios oferecessem serviços bastante específicos, que não pudessem ser realizados em nível local, o que não se aplica ao caso em tela. Dessarte, os serviços médicohospitalares (hospitais próprios) e laboratoriais (laboratórios próprios) não serão definidos como mercados relevantes neste parecer. 10

11 Planos médico-hospitalares individuais, planos médico-hospitalares coletivos e planos odontológicos coletivos 21. A empresa Cigna possui uma linha de planos médico-hospitalares individuais (Amico), cuja cobertura abrange basicamente as regiões da Grande São Paulo e Grande Ribeirão Preto 7. Quanto ao Grupo Amil, a cobertura de seus planos individuais varia desde municípios ou estados específicos até todo o território nacional, dependendo do tipo de plano. 22. Quanto aos planos coletivos, a Cigna possui duas linhas, Amico e Cigna Health. O primeiro, tem com área de cobertura a região da Grande São Paulo e Grande Ribeirão Preto. O segundo, direcionado especificamente para beneficiários ocupantes de cargos de gerência e diretoria, é atendido pela rede Mediservice e abrange todo o território nacional. O Grupo Amil, por sua vez, possui planos coletivos que atendem municípios, estados e território nacional. 23. O Grupo Amil oferece planos odontológicos coletivos que atendem a todo território nacional. Já os planos odontológicos comercializados pelo Grupo Cigna têm como área de cobertura a Grande São Paulo. 24. Vale notar, contudo, que a área de cobertura dos planos não é suficiente para a definição de mercado geográfico, pois não necessariamente a empresa concorre, em termos de venda de planos de saúde e odontológico, naquelas regiões. Portanto, o critério aqui utilizado será a área na qual a operadora realiza seu esforço de vendas. O grupo Amil, por exemplo, embora ofereça cobertura em todo território nacional, concentra seus esforços de venda nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Ceará e Distrito Federal 8. O grupo Cigna, por sua vez, opera preponderantemente nos municípios de Suzano, Ribeirão Preto e na Grande São Paulo. A comercialização de planos da Cigna fora das regiões citadas apenas se dá em caráter excepcional, especificamente para atender beneficiários de filiais de pessoas jurídicas com sede no Estado de São Paulo 9. Destarte, o mercado geográfico considerado como relevante neste parecer será o Estado de São Paulo. 7 Conforme informado em resposta ao Ofício nº 06835/2003 COGSE/SEAE/MF 8 Conforme informado em resposta ao Ofício nº 06201/COGSE/SEAE/MF, de 06/02/ Conforme informado em resposta ao Ofício nº /COGSE/SEAE/MF, de 10/02/

12 4. Possibilidade de Exercício de Poder de Mercado 25. Inicialmente é importante salientar que as participações de mercado apresentadas a seguir estão superestimadas, pois nem todas as empresas concorrentes foram oficiadas por esta SEAE. No ano 2002, período considerado para análise do market share, havia cerca de 2400 operadoras atuantes em território nacional. Em 2003, havia cerca operadoras ativas, sendo com sede no Estado de São Paulo, conforme dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar. A população atendida por planos/seguros de saúde neste Estado, em 2003, seria de cerca de 17 milhões de pessoas, sendo o grau de cobertura de 43,5% (razão entre a quantidade de beneficiários e a população, multiplicada por 100) 10. Verifica-se que o mercado geográfico definido neste parecer, isto é, o Estado de São Paulo, é a unidade da federação com o maior número de operadoras e maior proporção de população atendida pela saúde suplementar Planos médico-hospitalares individuais 26. A Tabela 1, abaixo, apresenta a participação de mercados das principais empresas ofertantes de planos médico-hospitalares individuais, em Tabela 1 Participação de mercado dos planos de saúde individuais no Estado de São Paulo em 2002 Empresa Faturamento em 2002 (em R$) Participação de Mercado (%) Grupo Amil XX XX Grupo Cigna XX XX Interclínicas Planos de Saúde SA XX XX Medial Saúde XX XX Geap XX XX Intermédica 1 XX XX Sul América 2 XX XX Bradesco XX XX Marítima Saúde XX XX Golden Cross XX XX Total XX XX Fonte: Resposta aos Ofícios COGSE/SEAE/MF nº s 06201/04, 06227/04, 06230/04, 06232/04, 06233/04, 0634/04, 06409/04, 06402/04,06491/04 e 06492/04. 1 Fazem parte do Grupo Intermédica as empresas: Intermédica Sistema de Saúde S.A, Interodonto Sistema de Saúde Odontológica, Notre Dame Seguradora S.A e Norclínicas Sistema de Saúde S.A (essa última atuante no Nordeste). Até agosto de 2003 o Grupo contava também com a operadora Saúde Samho-Intermédica Sistema de Saúde Ltda, que foi incorporada pela Intermédia Sistema de Saúde S.A 2 A operadoras pertencentes ao grupo econômico Sul América são: Sul America Cia de Seguro Saúde, Sul América Saúde S.A, Sul América Serviços Médicos S.A; Sul América Seguro Saúde S.A, Brasil Saúde Cia de Seguros. O grupo realizou duas aquisições de carteira de clientes, autorizadas pela Agência Nacional de Saúde 10 Agência Nacional de Saúde Suplementar Dados do Setor disponível em 12

13 Suplementar, da SASSE Cia Nacional de Seguros Gerais (em 01/02/02)e HSBC Seguro Saúde S.A e HSBC Serviços de Saúde S/C (em set/2003). 27. Observa-se na Tabela 1 que, após a operação, a adquirente passará a ter uma participação de mercado de CONFIDENCIAL, superior ao percentual de 20% constante da Lei nº 8.884/94. Conforme já dito anteriormente, o número está superestimado. Ademais, a Unimed, importante operadora com forte atuação no Estado de São Paulo, não está presente na Tabela 1. É razoável supor que a operação não gera uma parcela de mercado suficientemente elevada para viabilizar o exercício unilateral de poder de mercado no segmento de planos individuais. Quanto à soma da participação das quatro maiores empresas (C4), o percentual é de CONFIDENCIAL. Todavia, esse percentual já era próximo a 75%, considerado por esta SEAE como conducente ao exercício coordenado de poder de mercado, antes da operação. Conclui-se pela inexistência de nexo causal entre a soma da participação de C4 e a operação em tela Planos médico-hospitalares coletivos 28. A Tabela 2, abaixo, apresenta a participação de mercados das principais empresas ofertantes de planos médico-hospitalares coletivos, em Tabela 2 Participação de mercado dos planos de saúde coletivos no Estado de São Paulo em 2002 Empresa Faturamento em 2002 (em R$) Participação de Mercado (%) Grupo Amil XX XX Grupo Cigna XX XX Interclínicas Planos de Saúde SA XX XX Medial Saúde XX XX Intermédica XX XX Sul América XX XX Bradesco XX XX Golden Cross XX XX Marítima Saúde XX XX Total XX XX Fonte: Resposta aos Ofícios COGSE/SEAE/MF nº s 06201/04, 06227/04, 06230/04, 06232/04, 06233/04, 0634/04, 06409/04, 06402/04, 06491/04 e 06492/04. 1 Conforme resposta ao Ofício nº 06235/04 COGSE/SEAE/MF, o valor do faturamento apresentado inclui os planos odontológicos. Verifica-se que o número dos usuários de tais planos é de aproximadamente 16%. O valor apresentado na Tabela 2 está, portanto, superestimado. 2 Conforme resposta ao Ofício nº 06491/04, o faturamento apresentado inclui planos odontológicos coletivos. 13

14 29. Depreende-se da Tabela 2 que a participação de mercado da adquirente após a operação é de CONFIDENCIAL, inferior ao parâmetro legal de 20% (Lei nº 8.884/94). Quanto à soma da participação de mercado das quatro maiores empresas (C4), observa-se ser o percentual de CONFIDENCIAL, superior a 75%. Contudo, não há nexo causal entre a operação em tela e a participação de C4, visto que o percentual manteve-se o mesmo após a operação. Destarte, não há que se falar em exercício unilateral ou coordenado de poder de mercado no segmento de planos médico-hospitalares coletivos Planos odontológicos coletivos 30. A Tabela 3, abaixo, apresenta a participação de mercados das principais empresas ofertantes de planos odontológicos coletivos, em Tabela 3 Participação de mercado dos planos odontológicos coletivos no Estado de São Paulo em 2002 Empresa Faturamento em 2002 (em R$) Participação de Mercado (%) Grupo Amil XX XX Grupo Cigna XX XX Interclínicas Planos de Saúde SA XX XX Medial Saúde XX XX Intermédica (Interodonto) XX XX Sul América XX XX Odontoprev 1 XX XX Dental Center XX XX Prevident XX XX Link Assit. Odontológica XX XX Oral Odonto XX XX Uniodonto do Brasil (cooperativa) XX XX Total XX XX Fonte: Resposta aos Ofícios COGSE/SEAE/MF de nºs /04, 06227/04, 06230/04, 06231/04, 06233/04, 06234/04, 06334/04, 06336/04, 06338/04, 06339/04, 06491/04 e 06492/04. 1 A empresa CLIDEC Clínica Dentária Especializada Cura D ARS Ltda pertence ao mesmo grupo econômico da Odontoprev S.A. Em 08/05/99, o grupo Odontoprev adquiriu a empresa Uniodonto, tendo seu processo de incorporação e transferência de produtos sido finalizado em dez/2001. Em maio de 2000, o grupo adquiriu a CLIDEC. 31. Verifica-se na Tabela 3 que a participação de mercado da adquirente, após a operação, é de CONFIDENCIAL, inferior ao parâmetro legal de 20% (Lei nº 8.884/94). Quanto à participação de mercado das quatro maiores empresas, o percentual é de CONFIDENCIAL, superior a 75%. Assim como nos casos anteriores, não há nexo causal entre a operação e a participação de C4, uma vez que antes da operação C4 era 95,05%. 14

15 Não há que se falar, portanto, em exercício unilateral ou coordenado de poder de mercado no segmento de planos odontológicos coletivos. 5. Recomendação 32. Diante do exposto e considerando que as empresas dos grupos Amil e Cigna não possuem uma participação de mercado suficientemente alta que favoreça o exercício unilateral ou coordenado de poder de mercado, conclui-se que a operação é passível de aprovação, sob o ponto de vista econômico. À apreciação superior. ANDREA PEREIRA MACERA Técnica/EPPGG MARCELO DE MATOS RAMOS Coordenador-Geral de Comércio e Serviços De acordo. MARCELO BARBOSA SAINTIVE Secretário de Acompanhamento Econômico, Substituto 15

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico..Referência: Ofício SDE/GAB nº 364, de 17 de janeiro de 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico..Referência: Ofício SDE/GAB nº 364, de 17 de janeiro de 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06058/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 2007.Referência: Ofício SDE/GAB nº 364, de 17 de janeiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06114/2004/DF COGSE/SEAE/MF 12 de julho de 2004 Referência: Ofício n.º 3991/2004/SDE/GAB, de 30 de junho de 2004. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06130/2004/DF COGSE/SEAE/MF 02 de agosto de 2004 Referência: Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO n.º 08012.005796/2004-00 Requerentes:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 128/2009/SDE/GAB, de 14 de janeiro de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 128/2009/SDE/GAB, de 14 de janeiro de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06030/2009/RJ COGCE/SEAE/MF 06 de fevereiro de 2009 Referência: Ofício nº 128/2009/SDE/GAB, de 14 de janeiro de 2009. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06123/2004/DF COGSE/SEAE/MF 20 de julho de 2004 Referência: Ofício nº 4133/2004/SDE/GAB Assunto: ATO DE CONCENTRA ÇÃO n.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Ref.: Ofício n.º 1464/SDE/GAB, de 10 de março de 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Ref.: Ofício n.º 1464/SDE/GAB, de 10 de março de 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06058/2004/DF COGSE/SEAE/MF 26 de março de 2004 Ref.: Ofício n.º 1464/SDE/GAB, de 10 de março de 2004. Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06038/2009/RJ COGCE/SEAE/MF 11 de fevereiro de 2009 Referência: Ofício nº 7430/2008/SDE/GAB de 11 de novembro de 2008. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06152/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 147/2009/SDE/GAB, de 15 de janeiro de 2009. Em 31 de março de 2009 Assunto:

Leia mais

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos Índice FenaSaúde na Redação Reajuste dos Planos de Saúde Apresentação 6 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 8 2. Como funcionam as regras de reajuste dos planos de saúde? 3. Quais as regras

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06263/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Referência: Ofício nº 2352/2006/SDE/GAB, de 22 de maio de 2006. Rio de janeiro, 04 de julho de 2006.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06386/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009. Em 10 de julho de 2009. Assunto: ATO

Leia mais

Audiência Pública na Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados

Audiência Pública na Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados Audiência Pública na Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados Leandro Fonseca da Silva Diretor-Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras Brasília, 21 de maio de 2013 Marco

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 4712/2006/SDE/GAB, de 25 de setembro de 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 4712/2006/SDE/GAB, de 25 de setembro de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06398/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 04 de outubro de 2006 Referência: Ofício nº 4712/2006/SDE/GAB, de 25 de setembro de 2006. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06090/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2007. Referência: Ofício nº 622/2007/SDE/GAB, de 31 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n.º 2991/2004/SDE/GAB, de 24 de maio de 2004

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n.º 2991/2004/SDE/GAB, de 24 de maio de 2004 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06100/2004/DF COGSE/SEAE/MF 03 de junho de 2004 Referência: Ofício n.º 2991/2004/SDE/GAB, de 24 de maio de 2004 Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06557/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 23 de setembro de 2008 Referência: Ofício n 5952/2008/SDE/GAB, de 05 de setembro

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06087/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 24 de fevereiro de 2006 Referência: Ofício nº 664/2006/SDE/GAB, de 14 de fevereiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06640/2004/RJ COCON/COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2004. Referência: Ofício n 7021/2004 /DPDE/GAB, de 30 de novembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE MERCADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE MERCADO Data de entrada: 29 de dezembro de 2004 Autos nº: 08012.011090/2004-79 Natureza: Nota Técnica em Ato de Concentração Econômica Requerentes: ITAUCARD FINANCEIRA S.A. ( ITAUCARD ) RIO ELBA EMPREENDIMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 3950/2005/SDE/GAB, de 23 de agosto de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 3950/2005/SDE/GAB, de 23 de agosto de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06373/2005/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 26 de setembro de 2005. Referência: Ofício nº 3950/2005/SDE/GAB, de 23 de agosto de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06524/2006/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 3972/2006/SDE/GAB, de 11 de agosto de 2006. Em 21 de dezembro de 2006. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06076/2004/DF COGSE/SEAE/MF 06 de maio de 2004 Referência: Ofício n.º 2237/2004/SDE/GAB, de 13 de abril de 2004. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 7036/2004 /2004/SDE/GAB, de 30 de novembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 7036/2004 /2004/SDE/GAB, de 30 de novembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06071/2005/RJ COPCO/COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 2005. Referência: Ofício n 7036/2004 /2004/SDE/GAB, de 30 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06346/2008/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06346/2008/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06346/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 05 de junho de 2008 Referência: Ofício n 3334/2008/SDE/GAB de 29 de maio de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 1490/2005/SDE/GAB, de 30 de março de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 1490/2005/SDE/GAB, de 30 de março de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06174/2005/RJ COCON/COGPI/SEAE/MF Referência: Ofício nº 1490/2005/SDE/GAB, de 30 de março de 2005. Rio de Janeiro, 20 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06164/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06164/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06164/2005/RJ COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 15 de abril de 2005 Referência: Ofício no. 1684/2005/SDE/GAB, de 06 de abril

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06363/2005/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 16 de setembro de 2005 Referência: Ofício n º 4354/2005 SDE/GAB, de 06 de setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2006 Referência: Ofício SDE/GAB nº 6112, de 26 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06068/2004/DF COGPA/SEAE/MF Em 22 de abril de 2004. Referência: Ofício nº 6276/2003/SDE/GAB, de 19 de novembro de 2003. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06281/2008/DF COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2008 Referência: Referência: Ofício nº 7316/2008/SDE/GAB,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06635/2004/RJ COPCO/COGPI/SEAE/MF Referência: Ofício n 5071/2004/SDE/GAB, de 19 de agosto de 2004. Em 20 de dezembro de 2004. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06131/2004/DF COGSE/SEAE/MF 02 de agosto de 2004 Referência: Ofício nº 4330/2004/SDE/GAB Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO n.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06031/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06031/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06031/2005/RJ COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 2005 Referência: Ofício nº 96/2005/SDE/GAB, de 10 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06169/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 05 de maio de 2006 Referência: Ofício n 1873/2006/SDE/GAB de 25 de abril de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB nº 183, de 17 de janeiro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB nº 183, de 17 de janeiro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06041/2005/RJ COCON/COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro,25 de janeiro de 2005 Referência: Ofício SDE/GAB nº 183, de 17 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06152/2004/DF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06152/2004/DF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06152/2004/DF COGSE/SEAE/MF 01 de setembro de 2004 Referência: Ofício nº 184/2004/CMLCE/CMLC/SCM/PR ANATEL, de 10 de fevereiro

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.008456/2004-22 Requerentes: Sony Corporation of América, Providence Equity Partners IV, L.P., TGP Partners

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06539/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício n 4223/2008/SDE/GAB, de 03 de julho de 2008. Rio de Janeiro, 11 de setembro de 2008.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06294/2008/RJ COGCE/SEAE/MF 21 de maio de 2008 Referência: Ofício n 2925/2008/SDE/GAB, de 14 de maio de 2008. Assunto: ATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 6078/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 6078/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06503/2005/RJ COGAM/SEAE/MF 29 de dezembro de 2005 Referência: Ofício nº 6078/2005/SDE/GAB, de 23 de dezembro de 2005. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 813/2006/SDE/GAB, de 21 de fevereiro de 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 813/2006/SDE/GAB, de 21 de fevereiro de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06102/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 10 de março de 2006 Referência: Ofício nº 813/2006/SDE/GAB, de 21 de fevereiro de 2006. Assunto:

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Março / 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06019/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06019/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06019/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2006 Referência: Ofício SDE/GAB nº 6149, de 28 de dezembro

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar. Sumário Executivo. Nesta edição: Planos médico-hospitalares Informações gerais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar. Sumário Executivo. Nesta edição: Planos médico-hospitalares Informações gerais Junho 201 Sumário Executivo Nesta edição: Número de beneficiários de planos médicohospitalares (Mar/1): 48.802.991; Taxa de crescimento do número de beneficiários de planos médicos no período de: Dez/12

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06143/2004/DF GERSI/COGES/GABIN/SEAE/MF 30 de agosto de 2004 Referência: Ofício n 4678/2004/SDE/GAB Assunto: ATO DE CONCENTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06013/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06013/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06013/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 09 de janeiro de 2006 Referência: Ofício n 6121/2005/SDE/GAB de 26 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB nº 2519, de 27 de abril de 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB nº 2519, de 27 de abril de 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06406/2004/RJ COREM/COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 03 de maio de 2004 Referência: Ofício SDE/GAB nº 2519, de 27 de abril

Leia mais

Lisa Gunn Coordenadora Executiva

Lisa Gunn Coordenadora Executiva Carta Coex 198/2011 São Paulo, 21 de setembro de 2011. À Agência Nacional de Saúde Suplementar Aos Senhores Dr. Mauricio Ceschin Diretor Presidente Dra. Stael Riani Ouvidora Assunto: CP45 Contribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2016

PROJETO DE LEI N.º, DE 2016 PROJETO DE LEI N.º, DE 2016 (Do Sr. Rubens Bueno) Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998 que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para estender a sua aplicação aos planos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06080/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 7893/2008/SDE/GAB, de 02 de dezembro de 2008. Em 20 de fevereiro de 2009. Assunto:

Leia mais

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.489.239 2.270.578 2.050.498 1.052.432 818.993 864.748 328.552 223.651 220.002 198.142

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.489.239 2.270.578 2.050.498 1.052.432 818.993 864.748 328.552 223.651 220.002 198.142 Rank Código ANS Nomes Beneficiários 1 326305 Amil 2.489.239 2 359017 Intermedica 2.270.578 3 302872 Amil (Medial) 2.050.498 4 306622 Amil (DixAmico) 1.052.432 5 403911 Golden Cross 818.993 6 368253 Hapvida

Leia mais

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1 fls. 372 SENTENÇA Processo Digital nº: 1005895-57.2016.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Comum - Planos de Saúde Requerente: Requerido: UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 8247/2008/SDE/GAB, de 22 de dezembro de 2008.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 8247/2008/SDE/GAB, de 22 de dezembro de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06006/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Em 16 de janeiro de 2009 Referência: Ofício n 8247/2008/SDE/GAB, de 22 de dezembro de 2008.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06151/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 08 de abril de 2005 Referência: Ofício nº 1483/2005/SDE/GAB, de 30 de março de 2005 Assunto:

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.464.419 2.295.978 2.020.883 992.586 867.392 831.535 325.275 242.433 219.843 197.706

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.464.419 2.295.978 2.020.883 992.586 867.392 831.535 325.275 242.433 219.843 197.706 Rank Código ANS Nomes Beneficiários 1 326305 Amil 2.464.419 2 359017 Intermedica 2.295.978 3 302872 Amil (Medial) 2.020.883 4 306622 Amil (DixAmico) 992.586 5 368253 Hapvida 867.392 6 403911 Golden Cross

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06113/2004/DF COGSE/SEAE/MF Referência: Ofício n.º 6308/2003/SDE/GAB, de 20 de novembro de 2003. Em 08 de julho de 2004. Assunto:

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA, CONSULTORIA E INTERMEDIAÇÃO Pelo presente instrumento, são partes, de um lado SUA LOCADORA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua, inscrita

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2016.

PROJETO DE LEI Nº, de 2016. PROJETO DE LEI Nº, de 2016. (do Srs. Marcelo Squassoni e Celso Russomanno) Altera a Lei n. 9.656, de 03 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. O Congresso

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06037/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 2007. Referência: Ofício nº 193/2006/SDE/GAB, de 11 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06212/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06212/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06212/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 05 de junho de 2006 Referência: Ofício n 2391/2006/SDE/GAB de 24 de maio de

Leia mais

Resposta Área Técnica: Sim. Desde que atendam aos pré-requisitos constantes no Edital.

Resposta Área Técnica: Sim. Desde que atendam aos pré-requisitos constantes no Edital. Advocacia-Geral da União Secretaria-Geral de Administração Superintendência de Administração no Distrito Federal Coordenação de Compras Licitações e Contratos Divisão de Compras e Licitações ESCLARECIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06335/2008/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06335/2008/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06335/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 02 de junho de 2008 Referência: Ofício n.º 3137/2008/SDE/GAB, de 21 maio de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06227/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 30 de maio de 2005 Referência: Ofício nº 2419/2005/SDE/GAB, de 23 de maio de 2005 Assunto: ATO

Leia mais

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 Respostas aos questionamentos da Unimed Seguros PERGUNTA 1: Podemos entender que poderão participar do processo de credenciamento todas as empresas interessadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06057/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 26 de janeiro de 2007. Referência: Ofício nº 288/20067/SDE/GAB, de 16 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06314/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 10 de agosto de 2006 Referência: Ofício n 2753/2006/SDE/GAB de 31 de julho de 2006. Assunto:

Leia mais

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06517/2006/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2006 Referência: Ofício nº 6232/2006/SDE/GAB, de 11 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06380/2008/RJ COGCE/SEAE/MF 24 de junho de 2008 Referência: Ofício n 3773/2008/SDE/GAB, 12 de junho de 2008. Assunto: ATO

Leia mais

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Primeiramente, ressaltamos a relevância do tema e reafirmamos nossa atuação com o intuito de regular o mercado de planos privados de assistência à saúde.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06343/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2006 Referência: Ofício nº 3971/2006/SDE/GAB, de 11 de agosto

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.186/0001-43 Mês de Referência: Novembro de 2015 CLASSIFICAÇÃO ANBIMA:

Leia mais

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC QUALIFICAÇÃO Nome: DO(A) CONTRATANTE: Filiação: / Data de nascimento: / / CPF: RG: Órgão emissor: Endereço: Nº Complemento: Bairro: CEP Cidade: UF:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06323/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício n 6344/2008/SDE/GAB, de 19 de setembro de 2008. Em 04 de junho de 2009. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 7518/2004/SDE/GAB de 27 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 7518/2004/SDE/GAB de 27 de dezembro de 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06016/2005/RJ COCON/COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 07 de janeiro de 2005 Referência: Ofício n 7518/2004/SDE/GAB de 27 de

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS E DE BENEFICIÁRIOS

INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS E DE BENEFICIÁRIOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS E DE BENEFICIÁRIOS Boletim da Saúde Suplementar ed. 11 Dezembro 2015 02 Boletim da Saúde Suplementar Indicadores Econômico-financeiros e de Beneficiários edição 11 Apresentação

Leia mais

Introdução Objetivo Geral

Introdução Objetivo Geral 1 Introdução Objetivo Geral Investigar o relacionamento entre operadoras de planos de saúde e as entidades/instituições privadas da Grande São Paulo, as quais o Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06058/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06058/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06058/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 01 de fevereiro de 2005 Referência: Ofício nº 257/2005/SDE/GAB de 20 de janeiro de 2005 Assunto:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

SAFRA PORTFOLIO DI - FUNDO DE APLICAÇÃO EM QUOTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO FINANCEIRO CNPJ Nº 00.832.124/0001-33

SAFRA PORTFOLIO DI - FUNDO DE APLICAÇÃO EM QUOTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO FINANCEIRO CNPJ Nº 00.832.124/0001-33 REGULAMENTO DO SAFRA PORTFOLIO DI - FUNDO DE APLICAÇÃO EM QUOTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO FINANCEIRO CNPJ Nº 00.832.124/0001-33 ADMINISTRADO PELO BANCO SAFRA S/A CNPJ Nº 58.160.789/0001-28 CAPÍTULO I

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06101/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 10 de março de 2006 Referência: Ofício nº 854/2006/SDE/GAB, de 23 de fevereiro de 2006. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06194/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 23 de maio de 2006 Referência: Ofício nº 2077/2006/SDE/GAB, de 8 de maio de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06383/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06383/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06383/2005/RJ COGAM/SEAE/MF 30 de setembro de 2005 Referência: Ofício nº 4634/2005/SDE/GAB de 21 de setembro de 2005. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06312/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06312/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06312/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 07 de agosto de 2006 Referência: Ofício n 3782/2006/SDE/GAB de 01 de agosto

Leia mais

CONCLUSÃO. Em 10 de junho de 2015, submeto estes autos à conclusão do Dr. GUSTAVO DALL'OLIO, MM. Juiz de Direito. Eu, (Mariana Gatti Pontes), subscr.

CONCLUSÃO. Em 10 de junho de 2015, submeto estes autos à conclusão do Dr. GUSTAVO DALL'OLIO, MM. Juiz de Direito. Eu, (Mariana Gatti Pontes), subscr. fls. 302 CONCLUSÃO Em 10 de junho de 2015, submeto estes autos à conclusão do Dr. GUSTAVO DALL'OLIO, MM. Juiz de Direito. Eu, (Mariana Gatti Pontes), subscr. SENTENÇA Processo nº: 1008716-34.2015.8.26.0564

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO 1 DAS PARTES

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO 1 DAS PARTES 1 DAS PARTES CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO FAPES ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS LTDA, nome fantasia PREVQUALI ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, sociedade brasileira limitada, administradora de benefícios, inscrita

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar o Rol de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06358/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Referência: Ofício n 2401/2006/SDE/GAB de 24 de maio de 2006. Em 13 de setembro de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO

ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO A comercialização dos produtos estabelecidos no inciso I do art. 1º da lei nº 9.656/98 deverá seguir os procedimentos definidos em Instrução Normativa específica, com as

Leia mais