Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis"

Transcrição

1 Unidade Curricular Laboratório de Redes III Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Funcionalidades de Switches Gerenciáveis Objetivo: Analisar as funcionalidades avançadas de switches gerenciáveis. Ferramentas: Vmware Player, Windows XP, Windows 7, CentOS, FreeRadius, Switches Cisco, Linksys e 3Com. Introdução: Neste roteiro de laboratório, serão analisadas funcionalidades de switches gerenciáveis tais como espelhamento de portas, link aggregation (etherchannel) e autenticação com IEEE 802.1x e serviço de RADIUS (Remote Authentication Dial In User Service). O protocolo RAIDUS tem a função de prover Autenticação, Autorização e Contabilização por meio de mensagens de rede. Em conjunto com o padrão IEEE 802.1x, disponível em equipamentos da camada 2 (Enlace de Dados), torna possível autenticar os usuários da rede. O link aggregation possibilita o aumento no desempenho de cascateamento entre switches. No espelhamento de portas (mirroring) o administrador da rede pode monitorar o tráfego de várias portas do switch de forma centralizada. Tarefas: 1) Na VM do CentOS, disponível em realizar as seguintes tarefas: 1. Instalar o servidor do protocolo RADIUS, Freeradius. 1. Freeradius Utilizar o comando yum install freeradius 1. Copiar os arquivos exemplos de configuração, disponíveis em para o diretório /etc/raddb. Deverão ser adaptados os arquivos clients.conf e users Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

2 para o seu contexto. 2. Utilizar o comando chmod -R a+x /etc/raddb/certs/ para acertar as permissões do diretório de certificados 3. Deixar como dono o usuário root e o grupo radiusd os arquivos clients.conf, eap.conf, radiusd.conf e users 2. Utilizar o comando de depuração radiusd -X para verificar os logs do serviço. 3. Ativar o serviço na inicialização do sistema. 2. Adicionar os usuários no arquivo users, no início do arquivo, conforme o exemplo: zacarias User-Password == senac Usar o cliente Ntradping, disponível em para testar o servidor FreeRadius. 4. Utilizar a ferramenta Wireshark para analisar as trocas de mensagens do protocolo RADIUS. 2) Ativar a configuração o protocolo IEEE 802.1x nas portas 1, 2 e 3 dos switches Cisco, Linksys e 3Com. 1. Montar o cenário de acordo com a figura 1. Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

3 Figura 1. Cenário de testes para autenticação com RADIUS e IEEE 802.1X. 2. O procedimento para ativação da autenticação por RADIUS em switches Cisco está no anexo Testar o acesso com autenticação nas portas configuradas. 3. Realizar e documentar a configuração de autenticação para os switches 3Com e Linksys. 1. Testar o acesso com autenticação nas portas configuradas. 3) Aplicar a funcionalidade de link aggregation (Etherchannel) entres switches Cisco e switches de outros fabricantes (3Com e Linksys). 1. Montar o cenário sem Etherchannel, conforme a figura Realizar testes de vazão com a ferramenta Jperf. Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

4 Figura 2. Cenário sem uso de Etherchannel. 3. Configurar o link aggregation nos switches 3Com, Linksys e Cisco, de acordo com o cenário da figura Realizar testes de vazão com a ferramenta Jperf. Figura 3. Cenário com uso de Etherchannel. 5. Preencher a tabela 1 com os valores encontrados em cada cenário. Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

5 Tabela 1. Resultados dos testes de vazão com e sem Etherchannel Cenário Sem Etherchannel Com Etherchannel Resultado (Mbit/s no Jperf do Servidor) 6. Aumentar o número de hosts e portas agregadas e realizar novos testes. 4) Ativar o espelhamento de portas em switches Cisco, 3Com e Linksys. 1. Montar o cenário de acordo com a figura 3. Figura 3. Cenário para testes com espelhamento de portas. 2. Executar ferramentas de análise de tráfego de rede nas porta espelho e analisar o tráfego gerado. 5) Analisar o funcionamento do protocolo STP (Spanning-Tree Protocol) no Cisco Packet Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

6 Tracer e em switches reais. 1. Ler o material Implementando o protocolo Spanning-Tree, disponível em 2. Copiar o arquivo do Cisco Packet Tracer, disponível em e ilustrado na figura Colocar em modo de simulação e observar as trocas de mensagens do protocolo STP. 1. Observar quais portas ficaram ativas inicialmente. 2. Realizar um ping constante do PC0 para o PC1. 1. Observar o caminho dos quadros. 3. Remover o cabo do link redundante que estiver ativo e observar o comportante do ping. 4. Desabilitar o protocolo STP nos switches Switch0 e Switch3 e observar o comportamento do ping. 1. Para desabilitar o protocolo STP usar o comando no spanning-tree vlan 1 no modo de configuração do switch. 1. Observar o comportamento do ping neste cenário sem STP. Obs.: configurar o filtro para da simulação para os protocolos ICMP e STP. 5. Montar o mesmo cenário utilizando switches reais. 1. Utilizar switches de fabricantes diversos. Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

7 Figura 4. Cenário de testes para o STP. Referências: Material no servidor Mussum Cisco IOS LAN Switching Command Reference - disponível em ODOM, W. CCNA ICND2 Guia Oficial de Certificação do Exame. 2ª ed. Alta Books, IEEE 802.1X: Practical Port Control for Switches, disponível em Configure Cisco (802.1X) dot1x port Based Authentication for Wired LAN Network, Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

8 disponível em Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

9 Anexo IEEE 802.1X 1. Configurar o apontamento para o servidor RADIUS. No exemplo, o IP do servidor RADIUS é e a senha de acesso do cliente é senac2010 #conf t (config)#aaa new-model (config)#radius-server host (config)#radius-server key senac Ativar a configuração do RADIUS (config)#aaa authentication dot1x default group radius 3. Definir as portas que o acesso deverá ser autenticado. No exemplo, configura a porta f0/1 para ser autenticada pelo RADIUS. #conf t (config)#interface fastethernet 0/1 (config-if)#dot1x port-control auto Etherchannel (link aggregation) 1. Agrupar as portas g1/1 e g1/2 no grupo de número 5. conf t interface range gigabitethernet1/1-2 switchport mode access channel-group 5 mode desirable Espelhamento de portas (mirroring) 1. Ativar o espelhamento das portas f0/1 a f0/8 para a porta g0/1. switch>enable switch#configure terminal Enter configuration commands, one per line. End with CNTL/Z. Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

10 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/1 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/2 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/3 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/4 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/5 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/6 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/7 switch(config)#monitor session 1 source interface fastethernet 0/8 switch(config)#monitor session 1 destination interface gigabitethernet 0/1 Rua Gonçalves Chaves, 602 A Centro. CEP Pelotas/RS Brasil. Fone (053)

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. PROFESSORA: Marissol Martins

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. PROFESSORA: Marissol Martins FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROFESSORA: Marissol Martins AUTENTICAÇÃO DE MAQUINAS USANDO SERVIDOR FREERADIUS ALEXANDRE WILLIE EDER VERISSIMO HANANNY GIANINNY Goiânia GO Dezembro/2014

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Servidor Radius

Projeto de Redes de Computadores. Servidor Radius Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Projeto de Redes de Computadores Servidor Radius Alunos: Fabio Henrique, Juliano Pirozzelli, Murillo Victor, Raul Rastelo Goiânia, Dezembro de 2014 Radius Remote Authentication

Leia mais

Radius Autenticando sua equipe nos equipamentos de maneira simples, segura e barata. MUM Brasil Novembro de 2012 Lacier Dias

Radius Autenticando sua equipe nos equipamentos de maneira simples, segura e barata. MUM Brasil Novembro de 2012 Lacier Dias Radius Autenticando sua equipe nos equipamentos de maneira simples, segura e barata. MUM Brasil Novembro de 2012 Lacier Dias Natal, November 26-27, 2012 Nome: Lacier Dias Introdução Formado em Segurança

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes.

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Nome do Aluno: Anderson Rauber da Silva Daniel Devegili Descrição da Contribuição: Anderson Rauber da Silva: Introdução

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de IER 8 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os switches e respectivos protocolos. Com este intuito são apresentadas

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de RCO2 10 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores

Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores Projeto Integrador Projeto de Redes de Computadores IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO 802.1x UTILIZANDO SERVIDOR DE AUTENTICAÇÃO FREERADIUS Aluno: Diego Miranda Figueira Jose Rodrigues de Oliveira Neto Romário

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch LAB-VLANs 1 VLANs and IP networks Manuel P. Ricardo João Neves Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto LAB-VLANs 2 1. Computadores ligados ao Switch Bancada x, computador y Computadores gnuxy

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 3 - Redes WiFi e RADIUS

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 3 - Redes WiFi e RADIUS Trabalho Nº 3 - Redes WiFi e RADIUS 1. Introdução A instalação de redes WiFi em ambiente institucional deve obedecer a padrões de segurança elevados, nomeadamente na forma como são trocadas e obtidas as

Leia mais

Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda

Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda Unidade Curricular Redes I Prof. Eduardo Maroñas Monks Roteiro de Laboratório Ethernet/Auto-negociação/Largura de Banda Objetivos: Analisar o mecanismo de auto-negociação de conexão Ethernet. Analisar

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS. Data 11/06/2010, Revisão 1.0 1. Introdução 2. Instalação do tacplus 2.1. Instalação do tacplus 2.1.1. Atualizar

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

Implementação do Protocolo 802.1x. Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira. Thyago Ferreira Almeida

Implementação do Protocolo 802.1x. Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira. Thyago Ferreira Almeida Implementação do Protocolo 802.1x Utilizando Servidor de Autenticação FreeRadius. Discentes: Luiz Guilherme Ferreira Thyago Ferreira Almeida Vilmar de Sousa Junior Projeto de Redes de Computadores Professor

Leia mais

FreeBSD Soluções Corporativas II (464)

FreeBSD Soluções Corporativas II (464) FreeBSD Soluções ( 464 ) Corporativas II FreeBSD Soluções Corporativas II (464) Slede 2 de 27 Apresentação do Curso O curso aborda diversos conceitos do sistema FreeBSD ligados a administração e segurança

Leia mais

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes Praça Tiradentes, 416 - Centro - CEP 37576-000 Telefone: (35) 3464-1200 Redes de Computadores - 4º Período Projeto

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Gonçalves, Adriel {adriel@digitel.com.br} - Porto Alegre, RS Brazil. Guia de Configuração TACACS+ no NR2G-3200.

Gonçalves, Adriel {adriel@digitel.com.br} - Porto Alegre, RS Brazil. Guia de Configuração TACACS+ no NR2G-3200. ! " # "$$% % % Folha de Rosto... 01 Índice... 02 I. Introdução... 03 II. O que é TACACS+... 03 III. Topologia... 03 IV. Configuração do Servidor... 04 01. Adicionando Grupo... 04 02. Adicionando Usuário...

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho 1 LANs, VLANs e redes IP (2º trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela Laboratório I 321 bancada de trabalho 2 Bancada de trabalho (lab I 321) equipamento 3 Existem

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores

Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores AYLSON SANTOS EDFRANCIS MARQUES HEVERTHON LUIZ THIAGO SHITINOE AYLSON SANTOS EDFRANCIS

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

Uma Ferramenta Essencial! Prof. Fred Sauer, D.Sc. fsauer@gmail.com

Uma Ferramenta Essencial! Prof. Fred Sauer, D.Sc. fsauer@gmail.com Uma Ferramenta Essencial! Prof. Fred Sauer, D.Sc. fsauer@gmail.com Quem é WireShark? Packet sniffer/protocol analyzer Ferramenta de Rede de código aberto Evolução do Ethereal Instalação Instalação no

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1)

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1) Handson Cisco IOS VPN (Guião CE1) Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição CE1 Serial 0/0/0 191.18.24.2 255.255.255.252 Ligação Service Provider FastEthernet 0/0 192.168.1.1

Leia mais

As 3 partes deste trabalho assentam na configuração que se segue. 192.168.0.50. wlan0=192.168.0.x4

As 3 partes deste trabalho assentam na configuração que se segue. 192.168.0.50. wlan0=192.168.0.x4 Trabalho 3: Segurança em redes Wi-Fi 1 Objectivos Compreender os principais mecanismos de segurança disponíveis para as redes Wi-Fi, bem como as suas principais vulnerabilidades. 2 Configuração da rede

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1

Packet Tracer - Configurando ACLs Estendidas - Cenário 1 Topologia Tabela de Endereçamento R1 Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão G0/0 172.22.34.65 255.255.255.224 N/A G0/1 172.22.34.97 255.255.255.240 N/A G0/2 172.22.34.1 255.255.255.192

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Certifique-se de que você possui todas as informações necessárias e equipamento em mãos antes de iniciar a instalação.

Certifique-se de que você possui todas as informações necessárias e equipamento em mãos antes de iniciar a instalação. Este produto pode ser configurado utilizando qualquer navegador web atual, como por ex. Internet Explorer 6 ou Netscape Navigator 7 ou superior. DSL-2730B Roteador ADSL Wireless Antes de começar Certifique-se

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

L.F.I Tecnologia e Inovação. Projeto de Redes de Computadores

L.F.I Tecnologia e Inovação. Projeto de Redes de Computadores L.F.I Tecnologia e Inovação Projeto de Redes de Computadores 1 Histórico de alterações do documento Versão Alteração efetuada Responsável Data 1.0 Versão inicial Fabiano Dias 25/05/15 1.1 Atualização nos

Leia mais

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia da Informação e Administração de Sistemas de

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação Prática 06/10/2010. Figura 1. Switch 2950.

1ª Ficha de Avaliação Prática 06/10/2010. Figura 1. Switch 2950. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LERCM) 1ª Ficha de Avaliação Prática 06/10/2010 1

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

25/03/2009 ERADMANAGER. Manual do Administrador Versão 2.1

25/03/2009 ERADMANAGER. Manual do Administrador Versão 2.1 25/03/2009 ERADMANAGER Manual do Administrador Versão 2.1 INDICE eradmanager Configuração Básica...3 Login Inicial...3 Ecrã Inicial...3 Gestão Básica...4 Utilizadores...4 Alteração da palavra-chave do

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

CONFIGURANDO O SERVIÇO DE VPN NO WINDOWS SERVER 2008 R2

CONFIGURANDO O SERVIÇO DE VPN NO WINDOWS SERVER 2008 R2 CONFIGURANDO O SERVIÇO DE VPN NO WINDOWS SERVER 2008 R2 1. Antes de começar A tabela a seguir lista as informações que você precisa saber antes de configurar um servidor VPN de acesso remoto. Antes de

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga RIP O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ETEC ALBERT EINSTEIN REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS (PRÁTICA) Prof. Wilson Carvalho de Araújo Curso Técnico de Eletrônica 2 Apresentação Esta apostila nasceu do agrupamento dos exercícios praticados em

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

VLAN (Virtual Local Area Network)

VLAN (Virtual Local Area Network) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/6 VLAN (Virtual Local Area Network) É um grupo de dispositivos de rede no mesmo domínio de broadcast Segmenta de uma forma lógica em contraste com a segmentação

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Aula Prática 10 - Configuração Básica de Rede Wi-Fi

Aula Prática 10 - Configuração Básica de Rede Wi-Fi Aula Prática 10 - Configuração Básica de Rede Wi-Fi Equipamento: O equipamento utilizado nesta demonstração é um roteador wireless D-Link modelo DI-524, apresentado na figura abaixo. A porta LAN desse

Leia mais

Cisco Networking Academy

Cisco Networking Academy Cisco Networking Academy Ânderson P. R. Rodrigues anderson.rodrigues@sc.senai.br Presentation_ID 1 Onde o CCNA se encaixa ao Mercado Subtitle: Size 24, Left Aligned Estudos globais indicam uma demanda

Leia mais

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice

WiNGS Wireless Gateway WiNGS Telecom. Manual. Índice Wireless Network Global Solutions WiNGS Wireless Gateway Manual Índice Pagina Características Técnicas 3 Descrição do Aparelho 4 Quick Start 5 Utilizando a interface de administração WEB 7 Login 7 Usuários

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Vlan

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Vlan PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Vlan Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] Slide: nº PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Exercício 01 Você é proprietário de uma empresa que administra

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay Laboratório de RCO2 12 o experimento Objetivo: Introdução Configurar uma rede Frame Relay A tecnologia WAN Frame Relay é uma rede de transporte implantada como infraestrutura em operadoras de serviço (por

Leia mais

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay. Data 29/10/2009 Parecer Introdução Desenvolvimento Funcionamento do DHCP Funcionamento

Leia mais

Exemplo de configuração do Catalyst Switched Port Analyzer (PERÍODO) Índice

Exemplo de configuração do Catalyst Switched Port Analyzer (PERÍODO) Índice Exemplo de configuração do Catalyst Switched Port Analyzer (PERÍODO) Índice Introdução Pré-requisitos Catalyst Switches que Suportam SPAN, RSPAN e ERSPAN Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações

Leia mais

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57 Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio Objetivos Descrever como funciona o controle de acesso baseado em filtros de endereços; Definir o que é criptografia e qual a sua importância;

Leia mais

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server)

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Topologia DFL-210 Porta 1 com Vlan Default. Todas as portas estão c/ o VID da Vlan Default Tagged (Port Trunk) DGS-3024 Porta 2 à 8, correspondem

Leia mais

Manual de Instalação Atendimento 3.4

Manual de Instalação Atendimento 3.4 Manual de Instalação Atendimento 3.4 1 ÍNDICE 1 - Instalação do Atendimento... 3 1.1 - Iniciando Instalação do Atendimento... 3 1.2 - Preparando-se para Instalação... 3 1.2 - Bem Vindo à Instalação do

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Cisco Packet Tracer 5.3

Cisco Packet Tracer 5.3 Cisco Packet Tracer 5.3 www.rsobr.weebly.com O PT 5.3 (Packet Tracer) permite criar ambientes de redes LANs e WANs e além disso simular também, permitindo realizar diversas situações como por exemplo:

Leia mais

Laboratório de 802.1X. Prof. Alessandro Coneglian Bianchini Alessanc@gmail.com

Laboratório de 802.1X. Prof. Alessandro Coneglian Bianchini Alessanc@gmail.com Laboratório de 802.1X Prof. Alessandro Coneglian Bianchini Alessanc@gmail.com 2 Índice 1. Topologia...3 2. Autenticação PEAP-MS-CHAP v2...4 2.1. Servidor DC1...4 2.1.1. Instalação e configuração básica...4

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples

Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Laboratório 11.2.3b Listas de acesso estendidas para DMZ simples Objetivo Situação Neste laboratório, será explorado o uso de listas de acesso estendidas para criação de uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Objetivos: Ativar e gerenciar o serviço de roteamento; Ativar e gerenciar serviços de terminal remoto; Redirecionar diretórios através

Leia mais