VIEIRA, O IMPÉRIO E A ARTE: EMBLEMÁTICA E ORNAMENTAÇAO BARROCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIEIRA, O IMPÉRIO E A ARTE: EMBLEMÁTICA E ORNAMENTAÇAO BARROCA"

Transcrição

1 VIEIRA, O IMPÉRIO E A ARTE: EMBLEMÁTICA E ORNAMENTAÇAO BARROCA Jaelson Bitran Trindade MIN, Sao Paulo. Brasil No usamos el rosario en el cinturón, sino siempre pendiendo del cuello, para que los salvajes paganos reconozcan que somos cristianos y humildes esclavos de Nuestra Digna Señora. Todos los indios, los hombres como las mujeres, los grandes y los pequeños, llevan el rosario en el cuello del mismo modo, en señal de que no son paganos, sino cristianos. (Padre Antonio Sepp S. J., Relación de viaje a las misiones jesuíticas, Nuremberg, 1696). Um símbolo cujo significado anda esquecido há mais de dois séculos marcou, nas formas ideológicas e artísticas do Barroco, o difícil, conturbado e doloroso processo de constituição do mundo novo que, via monarquias absolutas, engendrou a passagem para os Estados nacionais hegemônicos modernos: naquele tempo as vias de uma monarquia universal ou de Estados nacionais autônomos encontravam-se plenamente abertas, expressando as contradições e as transformações em curso. Trata-se, aqui, da águia de duas cabeças, a águia bicéfala, que simbolizava a unidade dos poderes espirituais e temporais. O símbolo da águia bicéfala que aparece como um motivo realçado nos objetos artísticos, na ornamentação arquitetônica e nas artes decorativas do tempo barroco, um pouco por toda a parte do mundo católico mais fortemente romanizado durante a segunda metade do século XVII e as duas primeiras décadas do XVIII (c ), não é o símbolo dinástico do Sacro Império Romano Germânico e dos Habsburgos e nem o da Ordem de Santo Agostinho, pois está desacompanhado dos elementos heráldicos e insígnias que compõem as suas respectivas armas coexiste com eles e se diferencia. É uma reapropriação desse símbolo. Neste projeto de investigação constata-se que pela primeira vez, no Ocidente cristão, o antigo símbolo da águia bicéfala, ao destacar-se dos seus limites institucionais consagr ados se universaliza lavrado em pedra, madeira, metais, couro; fios de seda, ouro, prata, lã e algodão; pintado em azulejo, louça e tecido e estampado em papel. Além disso, no púlpito das igrejas, nos textos doutrinários, fala-se das idéias que ele contém. Os resultados da pesquisa até o momento permitem já esboçar uma geografia da águia bicéfala - a ser ampliada. O que já foi localizado está espalhado pelos quatro cantos do mundo, desde a América portuguesa e hispânica - Brasil de Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Bahia, Minas Gerais, S. Paulo e Rio Grande do Sul; México, Colômbia, Equador, Venezuela, Peru, Bolívia, Argentina, Paraguai, passando pela África (Ilha de Moçambique) e Ásia (os panos do Guzarate, da China, etc.) e, no mundo europeu, especialmente no 242

2 espaço que correspondia às monarquias portuguesa e espanhola e aos Estados italianos e domínios do Papa. (Fig. 1) É no interior de toda a trama cultural e política da 2ª metade do século XVII europeu que as numerosas peças portadoras daquele motivo ganham sentido. A época é uma só e todos essas peças fazem parte de um jogo, de uma parada, tanto faz que um retábulo numa aldeia jesuítica de Missão no Sudeste do Brasil (Embu, São Paulo) ou uma custódia de uma igreja em Navarra (Santa María de Valtierra). Há, ainda, toda uma produção pictórica e escultórica de caráter mariano associada ao emblema da águia bicéfala: a Mãe Santíssima, como se verá, é a águia de duas cabeças; a Virgem é o humano tornado divino, tanto quanto deu carne à divindade. Figura 1: Púlpito da igreja de N. Sra. do Terço (c. 1713), em Barcélos, Portugal A historiografia e o emblema Dentre as muitas obras portadoras desse símbolo que já identifiquei, a maioria delas datadas dos anos de 1680 em diante, algumas têm sido mostradas em publicações diversas nos últimos 60 anos e a indicação corrente nos textos é de que se trata da águia dos Habsburgos, a águia dos Áustrias ou dos Felipes. É assim que o têm classificado os historiadores da arte hispânica e hispanoamericana e portuguesa (do continente e antigo ultramar). E quando se verifica que ele aparece acompanhado de um coração trespassado por uma seta, em templos da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, não resta senão indicá-lo como emblema da sobredita Ordem (mesmo assim, muitas vezes, também nesse 243

3 caso é qualificado como Águia dos Áustrias ). 1 No mais, quando não foi possível enquadrá-lo num ou outro sentido, a tendência foi acreditar que estava sendo usado como simples motivo decorativo, que tinha se popularizado e sido esvaziado dos seus significados. O fato é que a associação desse motivo, do ponto de vista formal, com a águia dos Áustrias, quando os membros dessa família ainda eram grandes cabeças coroadas embora apenas os Áustrias alemães estivessem de posse do emblema, como Imperadores do Sacro Império Romano - gerou uma explicação mecânica do fato e, ao mesmo tempo eximiu o fenômeno de maiores atenções e análises. Nessas ocasiões, visto isoladamente, os historiadores não se perguntaram sequer como era possível um símbolo dinástico (Habsburgos) em frontais de altares, em custódias, em púlpitos, em retábulos, em oratórios de mesas, em cabeceiras de camas e em vários outros objetos, e nem levaram em conta o fato de que, do puro ponto de vista cronológico, desde a segunda metade do século XVI (1555), a águia bicéfala não mais poderia constar entre os símbolos da monarquia espanhola, no continente ou em seus domínios americanos, o mesmo ocorrendo em relação a Portugal e seus domínios quando da União das Coroas ( ), ou seja, desde quando a monarquia espanhola e o Sacro Império se desvincularam, os Áustrias espanhóis não puderam mais usar a insígnia habsburguiana da águia bicéfala, concernente só ao Império. É o caso, por exemplo, das ocorrências brasileiras remanescentes, que chamaram desde há muito a atenção de alguns estudiosos exatamente pela sua raridade, neste país: Lúcio Costa, o norte-americano Robert Smith e o francês Germain Bazin, que realizaram nas décadas de 1940 e 1950 as grandes sínteses da arte luso-brasileira. Costa e Smith não hesitaram em afirmar prontamente que as águias bicéfalas encontradas eram a águia dos Felipes e a historiografia subsequente não fez mais do que repetir essa idéia ou ainda, ao depararem (Lúcio Costa) com uma peça cuja datação é documentadamente de fins do século XVII, lançarem a idéia de que o emblema teria sido empregado como simples motivo ornamental, 2 outra linha de explicação que também tem sido aceita sem discussão. Foi Bazin que nos deu a conhecer, até recentemente, o maior número de informações sobre a ocorrência desse motivo na arte luso-brasileira. Na sua obra Architecture Religieuse Baroque au Brèsil, de 1957 (Paris, Plon), ao apreciar os altares colaterais da igreja jesuítica de N. Sra. do Rosário de Embu-Mirim e o púlpito da capela rural de Sto. Antônio de Lisboa, em São Roque, obras localizadas nas proximidades da capital do Estado de São Paulo, lembrou eventos similares no Nordeste do Brasil e em Portugal. Bazin, prudentemente, não lança tudo aos Filipes, aos Habsburgos. Verifica que não é possível recuar a data dos 2 altares colaterais do Embu para trás dos primeiros anos do século XVIII, quanto mais para antes de 1640, fim do Brasil Filipino, razão pela qual vê ali apenas um tema heráldico usado como adorno ou símbolo e pergunta: Não é o emblema da Ordem Agostiniana? Numa linha especulativa, ele identifica o caso da igreja jesuítica 1 Na Segunda metade do século XVII, o Colégio da Graça em Coimbra, Portugal, dessa ordem religiosa, ostenta na fachada um robusto emblema formado pela águia bicéfala coroada tendo ao centro o coração trespassado; pousa a garra esquerda no sol e a direita na lua. 2 COSTA, Lúcio. A arquitetura dos Jesuítas no Brasil (1941). In Arquitetura Religiosa. S. Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN (Textos Escolhidos da Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 6), 1978, p

4 com o já conhecido, com a soberba águia bicéfala que sela a fachada e o arcocruzeiro de São João Novo do Porto, que sabe ser dos Padres Eremitas Descalços de Santo Agostinho. Concluindo que a insígnia da igreja portuense é uma alusão a Sto. Agostinho, é tão-somente a insígnia da águia de Hipona, volta a explicar nessa linha a colocação da águia bicéfala em púlpitos, como o de uma capela privada paulista e o da igreja da Misericórdia de Olinda, Pernambuco, como alusão a Sto. Agostinho, devendo significar o vôo da eloquência. Nos demais casos brasileiros que identificou e que não se enquadram na explicação acima, Bazin acreditou que representassem um uso da figura como tema decorativo ; assim lhe parece a águia dupla que existiu na antiga fachada daquela mesma igreja de Olinda, outra numa fonte da sacristia da Sta. Maria dos Anjos, em Penedo, Alagoas e a que rematava um altar de uma capela de engenho de açúcar, em João Pessoa, Paraíba, cercando um sol com as palavras Ave Maria, já desaparecida na época das suas pesquisas. 3 Sem dúvida há ligações que o historiador francês não vislumbrou - entre a essas outras águias e a águia da Ordem dos agostinianos, com Santo Agostinho, a Águia de Hipona, a eloquência máxima da palavra da fé cristã, teórico dos dois poderes o divino e o temporal e da realização da Cidade de Deus na terra, até porque os emblemas da águia bicéfala com as insígnias da Ordem que passam a figurar com destaque em muitas de suas igrejas são da mesma época: a igreja de São João Novo, no Porto, só foi concluída depois de Robert Smith, atuante entre fins de da década de 1940 e início da de 1960, autor do primeiro estudo de conjunto sobre a talha barroca em Portugal, ficou ora na explicação filipina, ora na decorativa, mesmo diante de uma obra que certamente conheceu - como o esplêndido púlpito joanino (início do século XVIII) com a águia bicéfala entalhada na face fronteira, da igreja de Nossa Senhora do Terço de Barcelos, no Minho português. No últimos 50 anos o tema não foi objeto de mais nenhuma consideração - e de nenhum estudo - no campo da historiografia, seja artística, cultural ou política. É caso isolado e atual um artigo da historiadora da arte Maria del Carmen Heredia, publicado em 1996 no Archivo Español de Arte. 4 Trata-se de um esforço de interpretação de várias custódias espanholas que trazem a águia bicéfala coroada colocada, no geral, como um grande nó do hastil que sustenta a luneta de vidro, lavradas entre o último terço do século XVII e apr oximadamente o ano de 1715, além da conhecida custódia de Popayán (Colômbia), cuja data apurada é o ano de Interessante é a associação que a autora estabelece entre essas águias e um escrito jesuíticos de , onde vem estampada uma alegoria em defesa da fé católica no mundo, a devoção ao Santíssimo como capaz de dar poder ao soberano espanhol para vencer seus inimigos, mas a meu ver não se trata de 3 BAZIN, Germain, Architecture Religieuse Baroque au Brèsil,. Paris: Plon, vol. II, 1957 pg HEREDIA MORENO, Maria del Carmen, Origen y difusion del águila bicéfala en la platería religiosa española y hispanoamericana, Archivo Español de Arte, CSIC, Insituto «Diego Velázquez», nº 224, Madrid, 1996, pp Idem, p O livro citado é de autoria do padre jesuíta Francisco Aguado, com o título Sumo Sacramento de la Fé, que insiste, na dedicatória, na exaltação do Santíssimo Sacramento, único aliado capaz de vencer aos inimigos de Espanha nestes momento difíceis e a cujo fervor devia o monarca seu poder (Madri, 1640). 245

5 uma alusão ao escudo de Carlos V como se afirma no artigo (pois trata-se do escudo do reino de Espanha contendo ainda as armas de Portugal). Talvez aponte para uma transferência virtual da sede do Sacro Império de Viena para Madri, e então as armas espanholas serem futuramente as armas imperiais ou cesaréias. Afinal, as pretensões a monarca universal a imensos domínios não seria coisa descartada para os Áustrias espanhóis. Nessa alegoria, as armas reais são envolvidas pela águia bicéfala que sustenta o mundo onde reina o Santíssimo Sacramento, ou a Fé de Cristo (uma custódia). De qualquer modo, a associação entre a estampa de 1640 e as custódias não pode ser direta, linear: numa peça litúrgica fundamental como a custódia, a águia bicéfala não pode estar ali a lembrar que os Áustrias defendem o dogma. Figura 2: Estampa que celebra a tomada de Buda pelo exército imperial, em 1686 A Virgem do Rosário toma a forma da águia bicéfala As obras: o Evangelho e a Salvação Mas, se essa águia das custódias - ou mesmo a da alegoria de não é a águia dos Habsburgos, então o que é que ela representa? Há, em época próxima à do livro do jesuíta Francisco Aguado e na Espanha, uma pintura inovadora na composição de autoria de Herrera o Moço, com o título de Triunfo da Eucaristia (1656), que associa a Virgem com o Sumo Sacramento do catolicismo - pertencente à Irmandade do Sacrário da Catedral de Sevilha. E por outro lado, a coroa de raios (sol) que envolve o disco ou luneta nas custódias barrocas apresentam as 15 estrelas nas pontas dos raios que representam os 15 mistérios da fé cristã: o Rosário. Os mistérios do Rosário representam o próprio dogma da Igreja ao associarem dois momentos digamos 246

6 espirituais a Encarnação e a Ressurreição mediados por um carnal, a Paixão (Sangue de Cristo, Remissão). O dogma da Igreja, portanto, se assenta numa representação dual, de complementaridade entre o Cristo e a Virgem mediados pelo Espírito Santo A carnalidade do Cristo, condição da salvação universal, está associada á Virgem, tanto quanto nela a alta espiritualidade que a condição humana pode alcançar se liga a Deus ambos subiram de corpo e alma aos céus, conforme a doutrina. Ele, o Redentor, ela a Redentora o Filho e a Mãe, Rei e Rainha. Duas cabeças cabeças, duas coroas. O Império aqui, não é o dos homens, mas o da Igreja: a águia bicéfala das custódias, portanto, não significa uma alusão à dinastia (Habsburgos) que defende o dogma da religião: a águia de duas cabeças coroadas é o próprio dogma da Igreja é a Virgem com o seu filho, a Virgem Mãe de Deus. Nas concepções do tempo, Maria Santíssima é a Mansão do Senhor, o 1º Sacrário, Novo Tabernáculo, a Arca da Aliança. A ela devem os homens a luz da graça divina, a proteção. A comunhão humano-divino representada na Virgem e no Cristo, se repete pela via sacramental, a do ato da Eucaristia, o Sumo Sacramento. 6 Religião salvífica, o Catolicismo, os seus Mistérios são os da Redenção do Homem. No último terço do século XV, diante duma medievalidade em crise, conturbada, a Igreja Romana encontrou, na devoção ao Rosário, uma forma de congregar cristãos de qualquer cor, condição e estado, junto a ela, e de ser glorificada em seu poder os Dominicanos, defensores, juizes da fé, foram os seus propagadores. O Rosário, a Virgem Mãe estende o seu benefício a tudo e a todos, vence o Mal no mundo: essa é a idéia. A arte dos anos finais do Quatrocentos em diante já expressa essa noção: o poder da Igreja está na Virgem, que é identificada como a própria Igreja. Ao iniciar o século XVI há um revigoramento da tríade Igreja/Romanidade/Império, com Maximiliano de Habsburgo ( ), avô e antecessor de Carlos V, na condição de Imperador do Sacro Império e Rei dos Romanos: a encomenda imperial feita a Albrecht Dürer, em 1506, expressa a idéia de união entre o Papa e o Imperador, submissos á Virgem, que representa a Igreja Universal; essa pintura, intitulada A Festa do Rosário mostra bem as expectativas políticas um projeto político - do mundo germânico e do papado, de aumentar a ascendência sobre a Europa, como superação do poder crescente do reino de França: o Sacerdócio e o Império, na pessoas do Papa Júlio II e do Imperador ajoelhados aos pés da Virgem, sendo ungidos com a coroa de rosas, o Papa, pelo Menino Jesus e, o Imperador, pela própria Virgem. A Virgem do Rosário teve a sua devoção associada às vitórias contra o Mal, à defesa das forças armadas dos Estados da cristandade católica contra aqueles considerados hereges e infiéis à sua doutrina. Sobretudo no que se refere aos muçulmanos tremularam contra eles as bandeiras da Senhora do Rosário - combater os Infiéis com a força armada era incumbência e direito do Império e dos aliados do Papa. A grande unanimidade entre os cristãos, na Idade Média foi considerar sempre o mundo muçulmano, relativamente próximo, como sua antítese total. Os muçulmanos eram propriamente o Anti- Cristo, epíteto que teve enorme sucesso na Cristandade Medieval (para os inimigos era um eficaz instrumento publicitário) e adentrou pelos séculos XV e 6 DIAS, Frei Nicolau. Livro do Rosário de Nossa Senhora. Lisboa: Biblioteca Nacional (fac-sim. Ed. 1573), 1982; VIEIRA, Padre Antônio Vieira. Defesa perante o Tribunal do Santo Ofício. Salvador (Brasil): Progresso, t. II,

7 XVI. 7 A Cristandade - era senso comum - deveria se estender por todo o mundo, incluindo as imensas terras do Islão. Trata-se de um antagonismo fundamental que, por outro lado sempre representou um antagonismo baseado no domínio de rotas comerciais, territórios e riquezas a serem exploradas e povos a submeter. Um estudo clássico como o de Jacques Heers sobre Gênova (que juntamente com Veneza alcançou proeminência comercial) no século XV, o Mediterrâneo e o capital comercial dá uma boa idéia a esse respeito. 8 Portanto, o inimigo global que pode invadir e/ou perturbar o avanço da máquina do mundo ocidental cristão em sua expansão, em seu enriquecimento, sua supremacia, teve um rosto: o Islão. Essa associação de idéias - a Virgem significando a Igreja Universal, à qual todos devem se submeter - já está presente na tela que pintou Tiziano em 1528 para a igreja franciscana de Santa Maria dei Frari, em Veneza. Em 1571, a grande batalha naval de Lepanto (Grécia) em que a armada cristã vence a turca, isso é atribuído à aparição e proteção da Senhora do Rosário aos fiéis. Outros Estados do catolicismo romano reivindicam sua presença na afirmação do seu território em épocas remotas: a Virgem está presente na tela A batalha de Jerez, uma cena histórica do século XIII pintada por Zurbarán em 1638, como também na Conquista de Lisboa aos mouros, episódio datado do século XII (1147), obra executada pelo pintor português José de Avelar Rebelo, entre 1647/50. Temos que esperar a conjuntura do último terço do Seiscentos europeu para que a Virgem, a Senhora do Rosário e da Vitória, representando a junção do céu e da terra, apareça simbolizada na águia bicéfala, ou seja, trazendo para si um símbolo que a política te mporal, através do Sacro-Império Romano, vinha retendo em suas armas há séculos. Em 1689, a decoração em gesso do camarim-retábulo do Santuário de N. Sra. da Vitória em Málaga, rememora também uma batalha, a da conquista dessa cidade aos árabes em 1487 pelos Reis Católicos e entre os símbolos em relevo associados à Virgem Maria, sobressai o da águia bicéfala coroada com a coroa aberta, a da Rainha do Céu. É uma afirmação do reino, onde governa a Casa dos Áustrias, que na Espanha está fenecendo, mas é sobretudo um reconhecimento que é a Virgem, a Igreja que deve ser afirmada e defendida. O mesmo símbolo está presente no belo frontal (fins do séc. XVII/inícios do XVIII) bordado do altar da capela de N. Sra. da Vitória, no Luso, Distrito de Coimbra, em Portugal. Há duas obras, contemporâneas à de Málaga, que indicam a novidade dessa águia referida como a Senhora do Rosário. Confrontando com os cristãos no domínio territorial e no giro dos negócios no Mediterrâneo, o contínuo avanço do império otomano chega a Viena, sede do Sacro Império Romano. A ameaça sobre a Itália, sobre o Papado, caso o Imperador Leopoldo I seja derrotado conclama todos os monarcas a formarem uma Liga Sagrada para levar o Turco, o Islão à derrota e cada vez mais para longe. O patrocínio da Cristandade é evocado, o que significa lutar pela Igreja, lutar pela Fé católica, e em nome da Mãe dos Homens, acreditando que ela os protege e os levará à vitória contra os infiéis. Se a Senhora do Rosário foi a grande vencedora na célebre batalha de Lepanto contra o mesmo Turco, um século antes, acreditam os católicos e apostólicos romanos que ela novamente não 7 LE GOFF, Jacques. La civilisation de l Occident Médiéval. Paris: Flammarion, 1982 (Arthaud, 1964), p HEERS, Jacques. Gênes au Xve. Siécle: civilisation méditerranéenne, grand capitalisme, et capitalisme populaire. Paris: Flammarion,

8 lhes faltará. Não por outro motivo essa Senhora é também a Protetora do Reino da Hungria que, se não desaparecera de todo teria sido graças a ela. Pequenos folhetos, os denominados relatos de acontecimentos, circulavam por toda a parte, em várias línguas, trazendo notícias das guerras nas fronteiras orientais da Cristandade, parecendo que ali se decidia a sua sorte. Se o cerco de Viena de 1683 assustara toda a gente, a vitória e expulsão dos otomanos pelo Imperador alemão despertara sonhos cruzadísticos e a fé dos cristãos. 9 Dois desses folhetos, de caráter filo-jesuíticos, trazem à tona o emblema da águia bicéfala recriado. Ambos são editados em Madri no ano de O primeiro deles é dedicado ao santo jesuíta S. Francisco Xavier, chamado de Apóstolo do Oriente. O relato de sucessos das armas Cesareas desde el Año de 1683 hasta todo el de 86, sobre o Turco, editado em Madri no ano de 1687, 10 traz no seu frontispício uma dedicatória a São Francisco Xavier, espanhol de Navarra, dando a ele o papel de protetor das hostes cristãs e especialmente das Austríacas, sob o comando do Imperador Catolicíssimo César. O outro folheto, editado pelo mesmo livreiro, descreve os lugares que ainda estavam de posse do Turco na Hungria e na Eslavônia e, na dedicatória, se socorre na Virgem e não apenas na intermediação do santo jesuíta, a Virgem que estaria premiando os exércitos imperiais, a Liga Sagrada contra o Turco. Aqui, a revelação: essa que antes em vários tempos deu muitas Palmas aos Exércitos Cristãos é também a águia misteriosa do Apocalipse e também do Império Cristão! 11 Em 1686, a Hungria, tida por filha dileta da Virgem do Rosário, tem a sua capital reconquistada. Buda, estava nas mãos dos otomanos desde Em 1685 a grande conquista fora a retomada da fortificação de Neuheufel, considerada a Chave da Cristandade. Há orações em todas as igrejas da cristandade. Viena, sede do império da águia, é considerado pelos porta-vozes do Sacro Império a nova Roma. (Fig. 2) E então, na massa de pequenas estampas populares, avulsas, representando prodígios, batalhas e santos, que circulavam pela Europa da época, é possível deparar com uma imagem ainda fazendo publicidade da facção germânica (e papal) imperial que propaga a toda a gente o sucesso de Buda. É pequena, tem 10,5 x 6,5 cm. e não traz assinatura. A batalha a cidade sitiada ao fundo e as tropas cristãs avançando sobre ela se passa na 9 Auf, auf ihr, Christen! De pé, de pé, cristãos! É ainda a voz de Abraão a Santa Clara, que soa a voz de reunir, observa Victor Tapié, em relação ao cerco de Viena, no capítulo em que estuda o barroco imperial -TAPIÉ, Victor. Barroco e Classicismo II. Lisboa: Presença/Martins Fontes, 1974, p Descripcion de las plazas de ambas Vngrias, y la Croacia, conqvuistadas por las armas Cesareas desde el Año de Hasta todo el de 86. Al primer Apostol del Japon [...]. Al protector de las hvestes christianas, y especialmente de las Austriacas [...]su Devoto, y Paysano, Sebastian de Armendariz. Sebastian de Armendariz, Librero de Camara de su Magestad, y Curial de Roma. 11 Descripcion de las plazas qve possee el tvrco, assi en la Vngria, como en la Esclavonia, en el principio deste año de A la Emperatriz del Orbe todo y Reyna especial de Vngria. A la protectora del Christianismo copntra los otomanos, y señaladamente inclinada à los Austriacos [...].descarga el golpe sobre el barbaro orgullo, Maria Santissima en su Concepcion, remunerando la devocion Austriaca com victorias. Sebastian de Armendariz, su humilde Siervo, ofrece, y consagr.a este corto trabajo. É interessante notar que esse livreiro propagandista do Império de Cristo, num país com a Espanha onde Carlos II era um Habsburgo que não deixaria herdeiros, se nota uma tendência para os Áustrias alemães, quando proclama a Virgem como protetora do Cristianismo contra os otomanos, e sensivelmente inclinada aos Austríacos. 249

9 zona inferior da estampa. Em 1º plano, à direita, sobre uma elevação do terreno, estão o Papa Inocêncio XI e o Imperador Leopoldo, ajoelhados, no solo estão depositadas a coroa imperial e a cruz papal, em sinal de humildade e reverência o papa conserva a tiara pontifical. No alto, no centro da estampa, sobre tudo e todos, envolta em glória, uma águia bicéfala pousada nos cornos da lua e sobre ela o anagrama AM (Ave Maria) da Virgem Maria. Uma das cabeças se volta para o céu e a outra, para a terra, para os homens. O momento de disseminação do símbolo foi concomitante ao reforço da devoção na Rainha dos Homens, um momento de glorificação da fé católica: a Igreja Triunfante, Roma Triunfante. A devoção ao Rosário aparece em nítido crescendo desde a década de 1670, em Portugal, com a fatura de novos retábulos à Virgem, avançando até os primeiros anos do Setecentos. Não só retábulos, mas ciclos pictóricos envolvendo retábulos, alusivos à Senhora; em Portugal sobressaem as telas executadas por Bento Coelho da Silveira e Antônio de Oliveira Bernardes. E haveria como dissociar desse crescendo os 15 medalhões com os Mistérios do Rosário, que pintou Valdés Leal na igreja de Santo André de Sevillha, na década de 1660? Na retabulística são exemplos portugueses os altares executados nas igrejas de Santa Maria e do Sagrado Coração de Jesus, de Beja 12 e na matriz de Borba, todas no Alentejo; tal como esta última igreja são já do Dezoito os da igreja de S. Francisco, no Porto e o da matriz de Caminha, no Minho. 13 Na Estremadura portuguesa, os dois altares de talha (estilo nacional tardio), do Convento das Bernardas em Almoster, Santarém, têm no remate águias bicéfalas, como me informa Vítor Serrão. Particular atenção merece a representação da Árvore de Jessé ou Linhagem da Virgem do Rosário, que é o assunto de muitos dos altares acima citados. Seu interesse iconográfico e catequético já foi objeto de um pequeno estudo do historiador português da arte Flávio Gonçalves, na qual a genealogia do Cristo transforma-se na genealogia da Virgem. A Árvore de Jessé também aparece bordada em colcha indo-portuguesa do século XVII. 14 As colchas indo-portuguesas - raiz das famosas colchas de Castelo Branco, em Portugal - podem ser vistas em diversos museus europeus. Em Portugal, há exemplares em Lisboa (Museu Nacional de Arte Antiga), Coimbra (Machado de Castro), Porto (Guerra Junqueiro), entre outros, além de coleções particulares ou ainda nas igrejas, como o godrim (do Guzarate), pertencente à Santa Casa da Misericórdia de Setúbal. Há exemplares em Florença, no Museu Bargello, no Victoria and Albert Museum, em Londres e no Museu Nacional de Artes decorativas de Madri. 15 Os frontais de altares de tecido, bordados, também levavam a mensagem da águia. Já foi citado o frontal do altar de N. Sra. da Vitória, no Luso, Distrito de Coimbra e existe outro que pertenceu ao 12 No Museu paroquial bejense há 5 águias bicéfalas esculpidas e douradas (c. de 46,0 X 37,0 cm), com argola de suspensão na parte traseira, que trazem no peito a cruz de Santiago, oriundas do mosteiro local da Conceição. As ordens militares, como a de Santiago, tiveram enorme importância na defesa das praças cristãs conquistadas aos mouros. O último painel da série que compõe o célebre Retábulo da Vida e da Ordem de Santiago, de meados do XVI (c. de), hoje no Museus das janelas Verdes, em Lisboa, mostra o Mestre da Ordem invocando a Virgem (que aparece com o Menino) em Tentúdia, no enfrentamento com os mouros 13 GONÇALVES, Flávio. A Árvore de Jessé na Arte Portuguesa. Separata da Revista da Faculdade de Letras, Porto, Universidade Portucalensis, II Série, Vol. III, 1986 (pp ), p GONÇALVES, Flávio, op. cit., p DIAS, Pedro. História da Arte Portuguesa no Mundo ( ) O Espaço do Índico. Lisboa: Círculo de Leitores, 1998, p

10 Noviciado da Cotovia de Lisboa, dos jesuítas. 16 Por vezes, o bordado é transposto para arte da azulejaria, como se vê na capela de N. Sra. do Amparo, em Albergaria-a-Velha, Coimbra, Portugal, datada do século XVII. 17 No Museu Diocesano de Vich (Barcelona, Espanha), está um frontal contemporâneo aos anteriores, um esplêndido trabalho de arte em couro repuxado onde a figura de San Felio mártir, pintada a óleo, é ladeada por duas grandes águias bicéfalas coroadas. 18 Figura 3: Púlpito da capela de Santo Antônio de Lisboa (1686). S. Roque, S. Paulo. Brasil A representação de duas águias e um coração entre elas, sob uma coroa ou, ainda de dois corações sob uma coroa ladeados por duas águias, são representações da mesma família. Essas, podem ser vistas em colchas, por exemplo, ou decorando uma de salva de prata, como se pode ver na coleção do Museu das Janelas Verdes, em Lisboa. A águia bicéfala aparece também dando forma a um relicário de ouro do século XVII das monjas agostinianas do Convento da Encarnación, em Sevilha, ou ao desaparecido sacrários madeira da igreja paroquial de Valtajeros, em Soria, também na Espanha. (Fig. 3) Também encontramos a águia bicéfala na decoração de mobiliário pertencente a prelados e outros dignatários do clero, regular e secular - encostos de cadeiras e bancos decorados pela águia, cabeceira de leitos, contadores, cofres, tapetes - ou em peças do culto, como credências e cadeiras. E em lavatórios de sacristia, como o da igreja franciscana de Sta. Maria dos Anjos, em Penedo, Alagoas, Brasil, encimado por uma águia bicéfala; o 16 Museu de Ciência da Universidade de Lisboa. 17 Traz no centro um rótulo com a Virgem e o Menino, envolvido em rica decoração à maneira dos bordados indianos, com hastes florais e pavões, motivos também associados tradicionalmente à Virgem. 18 SUBIAS GALTER, Juan. El Arte Popular en España. Barcelona: Seix Barral, 1948, p

11 mesmo programa iconográfico comparece em outro, datado de 1694, originário das Missões dos Sete Povos da Companhia de Jesus, no extremo sul do Brasil (Museu das Missões, S. Miguel, RS). 19 Surpreendentemente, a permanência desse significado permanece num magnífico lavabo de sacristia entalhado em pedra sabão originário de Minas Gerais, 20 Brasil, cujas torneiras saem dos bicos de uma vigorosa águia bicéfala, datado da segunda metade do séc. XVIII. Nas Minas Gerais do Ouro, no Brasil, território de conquista mais recente cujas instituições começam a se consolidar a partir de c. de 1720, surgem manifestações tardias, como é caso do altar-mor da igreja matriz de N. Sra. da Conceição de Sabará, onde no arremate há uma águia normal em cada canto; no espaldar de couro de uma cadeira que pertenceu ao Senado da Câmara, uma águia bicéfala e, uma surpresa, numa lâmpada de prata do Santíssimo Sacramento (acendem para anunciar a presença do Cristo) que está no Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, as duas hastes para as correntes têm a forma de cabeças de águia. Na arquitetura, o motivo em análise pode ser encontrada, por exemplo, arrematando portadas externas ou internas (Capela do Hospital de Sta. Cruz, Sta. Cruz de Flores, México), em fachadas de igrejas em que há ornamentação datada da segunda metade do XVII, em especial na América hispânica, seja em igrejas da Companhia de Jesus ou não, porque os padres dominicanos, difusores iniciais (séc. XIII) da devoção do Rosário da Virgem, mercedários, agostinianos e mesmo franciscanos, cujas igrejas exaltam a mediação da intitulada Rainha dos Anjos, indicam e reforçam a defesa da Igreja Católica lançando mão também dessa simbologia. No México, por exemplo, vê-se uma grande águia bicéfala em relevo, encimando a porta sul da igreja do convento das Mônicas de Santo Agostinho, em Jalisco; a edícula acrescentada no século XVII ao portal norte da igreja de San Bernardino, dos franciscanos, em Xochimilco (Distrito Federal), também exibe uma águia bicéfala no seu coroamento; 21 e, entre os dominicanos, são notáveis as duas águias bicéfalas em relevo na fachada da igreja de San Domingos em San Cristóbal de Las Casas, Chiapas. 22 A águia bicéfala também decora a face dianteira de púlpitos. Há um desses ostentando o símbolo na igreja de San Domenico (1688), em Ceglia Messapica, Lecce, Itália: 23 O belo púlpito da igreja da Senhora do Terço (novamente aqui a referência ao Rosário), em Barcelos, Portugal e o da igreja 19 A esse respeito são ainda reveladoras as pias de água benta de cariz popular, feitas de cerâmica policromada, uma de Manises e outra de Teruel, pertencentes ao Museu Sorolla, de Madri: a primeira delas apresenta, em relevo, um ostensório, com os 15 raios com estrelas (os 15 mistérios) nas pontas ao redor do disco, ladeado, nos cantos por São João e a Virgem Maria e, a segunda, tem como decoração a própria Virgem do Rosário, conforme se vê em SUBIAS GALTER, Juan, op. cit., pp. 326 e 591. A adoção de seu significado pelos fiéis pode ser visto no fontanário da Casa da Torre, solar da primeira metade do séc. XVIII situado em S. João de Ver, Distrito de Aveiro, Portugal, encimado por uma águia bicéfala e as duas bicas com o formato de águia. 20 Tem sido atribuído a Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho). Pertence a coleção particular localizada na capital do Estado de S. Paulo, cf. está registrado no catálogo da exposição O universo mágico do Barroco, FIESP, São Paulo, 1998, p WEISMANN, Elizabeth Wilder. Mexico in scukpture, USA: Harvard University Press, 1950, pp. 43, 116, 22 A Ordem de S. Domingos, é a Ordem dos Pregadores, prega a defesa da Igreja contra a heresia e proclama a fidelidade e devoção ao Pontífice e à Igreja de Cristo. 23 A águia entalhada ou esculpida em caixas de púlpitos tem sua razão de ser; a águia bicéfala nesse local está deliberadamente associada à palavra da fé, à idéia de Verdade da Fé, verdade do Evangelho. 252

12 de N. Sra. da Misericórdia, em Olinda, Pernambuco (Brasil), ambos da segunda década do Setecentos, são outros dois exemplos. O Rosário é a voz do Evangelho, dizia o célebre orador Padre Antônio Vieira, no Sermão do Rosário (1656), publicado em 1686 em Lisboa. Nas igrejas paroquiais o altar da Sra. do Rosário geralmente ocupava uma posição colateral em relação ao arco triunfal, precisamente o lado do Evangelho, fazendo par com o da Epístola, dedicado ao Cristo Crucificado e a S. Miguel e Almas, situação claramente salvífica. Figura 4: Altares colaterais da igreja de N. Sra. do Rosario ( ). Antiga missao jesuítica de Embu, S. Paulo (Brasil). Na capela de Santo Antônio de Lisboa, junto à casa-grande de uma fazenda seiscentista (S. Roque, São Paulo, Brasil), uma estilizada águia bicéfala entalhada na face do singelo púlpito, conta a história das muitas prédicas pela salvação das almas na fé de Cristo que ali realizaram os missionários jesuítas durante as visitas para a doutrinação das centenas de servos indígenas, continuamente aprisionadas nos sertões e trazidas para o trabalho nas lavouras dos colonos. A capela foi benta em Não há que estranhar esse fato, como temos visto, e essa capela traz à lembrança um singelo oratório de um sítio rural equatoriano, que nos mostra José Gabriel Navarro no seu livro Artes Plásticas Equatorianas (México, 1945): a dupla porta divide ao meio a águia bicéfala, ao cimo e, em cada uma das folhas da porta um vaso de flores (fons vitae) trazendo no arremate um sol; o da esquerda com o nome de Jesus e o da direita com o nome de Maria. 24 (Fig. 4) Ainda na região próxima à capital do Estado de S. Paulo (Brasil), não muito longe do sítio rural onde fica aquela capela de Santo Antônio, coisa de 20 kms., encontra-se a igreja e residência dos jesuítas da antiga missão cristã de N. Sra. do Rosário de Embu-Mirim criada em 1623, onde os índios outrora 24 NAVARRO, José Gabriel. Artes Plásticas Equatorianas. México: Fondo de Cultura Económica, 1945, lám

13 ali aldeados seguiam um programa de culto e de trabalho estritamente interno, não prestando serviço aos colonos. Evidentemente, os colonos que moravam mais próximo das terras dos jesuítas podiam ir lá assistir às cerimônias do culto e as celebrações, como as da Paixão, entre outras. A igreja foi reformada por volta de 1690 e a residência nova foi concluída por volta de Dedicada a N. Sra. do Rosário os dois altares colaterais em estilo nacional português característico das décadas de 1680/90 exibem no tímpano formado pelas arquivoltas uma águia bicéfala coroada a coroa da Virgem, por suposto. (Fig. 4) A associação entre a Virgem e a águia aparece também, com clareza, na tela representando a Virgem e o Menino emoldurados por uma vigorosa talha revestida de ouro em forma de águia bicéfala, na Catedral de Zamora, Espanha. (Fig. 5) Figura 5: Virgen con el Niño. Museo Catedralicio de Zamora Vieira e o Império A associação da Virgem com a Igreja, evidentemente, não era novidade. A novidade foi, retomando-se Santo Agostinho, a desossificação do emblema que estava relacionado à política temporal e revitalizá-lo; subtraí-lo das armas do Sacro Império, sediado em Viena e colocá-lo como paradigma da Cristandade toda, da Igreja Universal, em apoio a um programa de união da Cristandade em torno de um Papa e de um rei temporal (imperador), para resolver os conflitos entre os Estados cristãos e os impedimentos que causava o imenso Império Otomano e os Bérberes - o mundo muçulmano que fronteava 254

14 com a Europa católica desde a Polônia até a zona de Gibraltar a que a fé católica se universalizasse, se estendesse ao mundo todo, dominasse o mundo todo. Há, portanto, uma idéia, um projeto por detrás dessa águia e que se dissemina com força: o pensamento diretor é a tese milenarista do célebre padre jesuíta Antônio Vieira ( ), que circulou em sermões, cartas e textos políticos, teve vários nomes e foi concentrado em dois textos, a Clavis Prophetarum (Chave dos Profetas), que em Português ele chama de Quinto Império ou Império Consumado de Cristo, não publicado em vida de forma acabada, limada, tal como a História do Futuro, publicada apenas em 1718 (Lisboa). E a novidade, é a correlação que estabelece entre o futuro político da Cristandade e uma necessária consumação terrena do reino de Cristo e da Virgem, por vias de um rei e de um papa ambos puros, a partir de uma fundamentação, como ele mesmo diz, histórica, geográfica e teológica: 25 o domínio universal de Cristo deverá ser também temporal. 26 As idéias contidas na águia bicéfala da Igreja são simétricas ao pensamento que construiu o grande edifício político-teológico ao qual Vieira dedicou os 50 anos finais da sua longa vida que é a fundação de um V Império ou o Império Consumado de Cristo na Terra, um império pontifical gerido por dois Vice-Cristos um papa e um imperador que desdobram na terra o reinado de Cristo e da Virgem no Céu, um império que irá substituir o Sacro Império existente, parcial na condução da sua política (jogando entre França e Ingl aterra). O projeto imperial pontifical, de comunhão dos homens, submissão aos valores cristãos, redução dos inimigos da fé, como via de crescimento e equilíbrio do Ocidente cristão, é, essencialmente de cariz jesuíta. A Companhia era a grande evangelizadora dos tempos modernos, pregando, em militância exacerbada, o triunfo da Igreja, nas ruas e praças, nos templos, através do culto e da palavra no púlpito, da catequese em massa e da educação secundária; trabalhava junto ao povo e aos governantes. É dentre os seus membros mais envolvidos nesses trabalhos, que emerge o padre Vieira, alternando entre o imenso esforço de conversão dos povos nativos da América e o trabalho político nas Cortes européias. Vieira olha para Cristandade do seu tempo e a vê dividida em tantos corpos e cabeças políticas quantos são os Reis soberanos que as governam; e dos estragos que entre eles faz a discórdia. Com isso, quem acaba sofrendo perturbações é, diz ele, a universal Igreja. O eixo do seu programa políticoteológico é eucarístico. Felicidade, justiça são alcançadas com a paz e a concórdia entre soberanos e entre os homens: essa é a diretriz da Igreja (e da Companhia). Como se pode ler nas suas cartas e textos políticos, Portugal, dentre os reinos cristãos era o que estava mais envolvido em infinitos e maciços trabalhos de conversão, especialmente nas Conquistas do Brasil. Sendo um reino tão pequeno - quatro palmos de terra que Deus nos concedeu na 25 VIEIRA, Padre Antônio. Defesa perante o Tribunal do Santo Ofício. Salvador (Brasil): Progresso, t. II, pp Ao Cristo, diz, foi prometido pelo Pai, a salvação de toda a humanidade pela conversão e quanto à Virgem, diz que desde o princípio do Mundo foi prometido que ela quebraria a cabeça á serpente : a heresia, a infidelidade, o mal, que Vieira localiza no Império Otomano, como única força organizada com imenso poder sobre imensas regiões e populações. 26 VIEIRA, Padre Antônio. Defesa..., p

15 Europa, no dizer de Vieira- 27 não oferecia risco às potências que o Imperador Universal tivesse ali assento, quanto mais que os soberanos portugueses estavam ligados familiarmente a todos os grandes monarcas. Além disso, segundo a tradição, o reino de Portugal teria sido escolhido pelo próprio Cristo, já no ato de fundação (1147), para ser seu futuro Império. Vieira cria, portanto, uma opção para os ajustes entre Estados em conflito de interesses e outra, para a expansão e enriquecimento deles: a conquista partilhada do imenso território dos muçulmanos. 28 A adesão dos demais soberanos a um Imperador português e ao Papa unido a este, seria uma escolha deles. O projeto milenarista do Padre Vieira (e também a demais literatura profética portuguesa de fins do Seiscentos), não deve ser menosprezado, tanto quanto não deve ser neglicenciada a literatura profético-messiânica espanhola e francesa (paralela à diplomacia dessas nações), que elabora, no século XVII, o pensamento do Imperium em nome de seus Estados, sempre substituindo Viena pelas suas capitais: são, todos esses, respostas absolutistas 29. Seus textos medraram em terreno fértil, por considerar as questões candentes do tempo, políticas e religiosas em especial. A propagação de suas idéias, por meio oral e plástico, teve um instrumento eficaz na formidável máquina internacional representada pela Companhia de Jesus. Seus textos alcançaram afeiçoados e até um relativo sucesso na Itália e na Espanha dos anos de 1660, além de Portugal. Na década anterior ele já os submetia a teólogos e doutos da Companhia ou não. Se houve afrontamentos públicos a ele, pela suas idéias, em Portugal (Évora, 1675 e Universidade de Coimbra, 1682, onde queimaram uma imagem sua), no México era admirado tanto por oponentes, como Soror Juana de La Cruz, como por prosélitos como os que, na Universidade, estamparam em livro a sua imagem e lhe dedicaram umas conclusões de toda a teologia. 30 Fez parte da estratégia de Vieira incrementar, através da Companhia, a devoção ao Rosário, a instrução dos mistérios da fé não sem reclamações dos dominicanos, seus pr imeiros e tradicionais propagadores. Vieira institui no Maranhão, como provincial da ordem, a reza do Terço do Rosário a coros, todas as tardes, como se praticava na S. Domingos de Lisboa e outras igrejas da Corte. Isso acontecia também em Roma, na casa professa dos jesuítas. 31 No Maranhão, a prática se estendeu inclusive ao âmbito doméstico. No púlpito, ele instituiu a pregação de um exemplo do Rosário aos sábados a cada meia hora. 32 Tornou prática corrente as rezas a bordo dos navios portugueses: em viagem de Lisboa ao Brasil (1653), fez a tripulação e passageiros da caravela rezarem o terço do Rosário todos os dias enquanto durasse a travessia. 33 Os 27 VIEIRA, Padre Antônio. Cartas. Rio de Janeiro: Jackson (sel. de Novais Teixeira), 1949, p Meta de interesse mais direto para alguns Estados e para outros não, caso da França, sem que se esqueça o crescente e promissor comércio atlântico que superara o do Mediterrâneo. 29 APOSTOLIDÈS, O rei-máquina: espetáculo e política no tempo de Luís XIV, Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília, DF: Edunb, 1993 (Paris, 1981), pp (capítulo "A Mitistória"). 30 VIEIRA, Padre Antônio. Cartas..., p Vieira se defende por estimular devoções com canto público dizendo que também em Roma se faz semelhantes devoções [...] nas sextas-feiras e nos sábados na casa professa dos jesuítas com grande aprovação e sucesso entre os fiéis 32 VIEIRA, Padre Antônio. Cartas. Rio de Janeiro: Jackson (sel. de Novais Teixeira), 1949, p Idem, p. 92. Nos domingos e dias santos seriam em voz alta e coros. 256

16 seus sermões do Rosário, pregados no Maranhão, Brasil, datam dessa época (1654); tiveram divulgação à época, mas a edição supervisionada por Vieira só ocorreu em Lisboa no ano de 1686 (a 2ª parte foi editada em 1688). Essa foi a época e a epopéia do Padre Vieira. Época em que eclodiu um barroco triunfante e imperial, adentrando tardiamente no século XVIII, através da Europa central. Em Portugal, os ecos das profecias do V Império também chegaram até às três primeiras décadas do Setecentos. De resto, a conjuntura do novo século apontava para o fenecimento dessa idéia imperial, impregnada de elementos teológicos: a paz de Utrecht (1713) e a aliança franco-anglo-espanhola (1717), a renúncia de Filipe V de Espanha a aspirante da coroa de França (1720), a ascensão da Prússia, são balizas seguras disso. O século XVII fora o de renascimento radical católico, onde a Companhia de Jesus trabalhara arduamente ad maiorem Dei gloriam. Bernini, nas artes, foi o porta-voz desse renascimento, de tal modo a sua arte está ligada à história da evolução religiosa que abala a Europa dessa época. 34 Conforme Haskell, é tamanha a emoção que esse artista coloca na obra da Sant Andrea (Roma, 1658), dos jesuítas, a cujos ideais era afeiçoado, que pulveriza as barreiras arquitetônicas tradicionais para fundir o Céu e a Terra numa única unidade. 35 Bibliografía ANGOULVENT, Anne-Laure. O Barroco. Lisboa: Europa-América, APOSTOLIDÈS, O rei-máquina: espetáculo e política no tempo de Luís XIV, Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília, DF: Edunb, 1993 (Paris, 1981). BAZIN, Germain, Architecture Religieuse Baroque au Brèsil,. Paris: Plon, vol. II, COSTA, Lúcio. A arquitetura dos Jesuítas no Brasil (1941). In Arquitetura Religiosa. S. Paulo: FAUUSP e MEC-IPHAN (Textos Escolhidos da Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 6), Descripcion de las plazas de ambas Vngrias, y la Croacia, conqvuistadas por las armas Cesareas desde el Año de Hasta todo el de 86. Al primer Apostol del Japon [...]. Al protector de las hvestes christianas, y especialmente de las Austriacas [...]su Devoto, y Paysano, Sebastian de Armendariz. Sebastian de Armendariz, Librero de Camara de su Magestad, y Curial de Roma. Descripcion de las plazas qve possee el tvrco, assi en la Vngria, como en la Esclavonia, en el principio deste año de A la Emperatriz del Orbe todo y Reyna especial de Vngria. A la protectora del Christianismo copntra los otomanos, y señaladamente inclinada à los Austriacos [...].descarga el golpe sobre el barbaro orgullo, Maria Santissima en su Concepcion, remunerando la devocion Austriaca com victorias. Sebastian de Armendariz, su humilde Siervo, ofrece, y consagr.a este corto trabajo. DIAS, Frei Nicolau. Livro do Rosário de Nossa Senhora. Lisboa: Biblioteca Nacional (fac-sím. ed. de 1573), ANGOULVENT, Anne-Laure. O Barroco. Lisboa: Europa-América, 1996, p KASKELL, Francis. Mecenas e Pintores: Arte e Sociedade na Itália Barroca. São Paulo: Edusp, 1997, p

17 DIAS, Pedro. História da Arte Portuguesa no Mundo ( ) O Espaço do Índico. Lisboa: Círculo de Leitores, GONÇALVES, Flávio. A Árvore de Jessé na Arte Portuguesa. Separata da Revista da Faculdade de Letras, Porto, Universidade Portucalensis, II Série, Vol. III, 1986, pp HEERS, Jacques. Gênes au Xve. Siécle: civilisation méditerranéenne, grand capitalisme, et capitalisme populaire. Paris: Flammarion, HEREDIA MORENO, Maria del Carmen, Origen y difusion del águila bicéfala en la platería religiosa española y hispanoamericana, Archivo Español de Arte, CSIC, Instituto «Diego Velázquez», nº 224, Madrid, 1996, pp HASKELL, Francis. Mecenas e Pintores: Arte e Sociedade na Itália Barroca. São Paulo: Edusp, LE GOFF, Jacques. La civilisation de l Occident Médiéval. Paris: Flammarion, 1982 (Arthaud, 1964). NAVARRO, José Gabriel. Artes Plásticas Equatorianas. México: Fondo de Cultura Económica, SUBIAS GALTER, Juan. El Arte Popular en España. Barcelona: Seix Barral, TAPIÉ, Victor. Barroco e Classicismo II. Lisboa: Presença/Martins Fontes, VIEIRA, Padre Antônio Vieira. Defesa perante o Tribunal do Santo Ofício. Salvador (Brasil): Progresso, t. II, VIEIRA, Padre Antônio. Cartas. Rio de Janeiro: Jackson (sel. de Novais Teixeira), WEISMANN, Elizabeth Wilder. Mexico in scukpture, USA: Harvard 258

Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina

Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina Jesuítas : Arte e Ciência: o legado da Companhia de Jesus na América Latina Simpósio Nacional : Bicentenário da Restauração da Companhia de Jesus (1814-2014) Parte II Prof. Dr. Percival Tirapeli Instituto

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Alencar Arnaut de Toledo, Cézar

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Oratórios Mineiros D. José I: O tema cristológico nos objetos de devoção familiar produzidos entre o fim do século XVIII e início do XIX

Oratórios Mineiros D. José I: O tema cristológico nos objetos de devoção familiar produzidos entre o fim do século XVIII e início do XIX Oratórios Mineiros D. José I: O tema cristológico nos objetos de devoção familiar produzidos entre o fim do século XVIII e início do XIX Maria Alice Honório Sanna Castello Branco Mestranda Universidade

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40.

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Como no dia de ontem, o grupo reuniu-se às 19h30 para iniciar a tarefa de

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

Arte e Arquitetura Sacra

Arte e Arquitetura Sacra Arte e Arquitetura Sacra A história da Festa do Divino, considerada uma das festas de caráter popular mais antigas do Brasil, tem a sua origem nas festas religiosas da Europa, mais especificamente na tradição

Leia mais

A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL

A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL A AZULEJARIA BARROCA NOS CONVENTOS DA ORDEM DO CARMO E DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS EM PORTUGAL Suzana Andreia do Carmo Carrusca Tese apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Doutor

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS

ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS ÍNDICE P3 > MAPA P4 > IGREJA DE S. PEDRO P5 > IGREJA DE SÃO FRANCISCO P6 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO E SANTOS PASSOS P7 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DA OLIVEIRA P8 > IGREJA DE NOSSA SENHORA DO

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza aaa Barroco Origem em Roma no final do século XVI; Disseminado por toda a Europa e, através dos colonizadores espanhóis e portugueses, pelas Américas; Pouco influente nos países protestantes. Suas características

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

A Tradição Islâmica I Século XVI

A Tradição Islâmica I Século XVI A Tradição Islâmica I Século XVI As primeiras utilizações conhecidas do azulejo em Portugal, como revestimento monumental das paredes, foram realizadas com azulejos hispanomouriscos, importados de Sevilha

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões 23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões jesuíticas. Nos mostram fotografias de igrejas destruídas, em

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora BELO HORIZONTE, 21 DE MAIO DE 2010 Nº 002 Prezados Salesianos, demais grupos da Família Salesiana e Leigos, No dia 24 de maio, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de toda a

Leia mais

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização OBJETIVOS DA AULA Oferecer aos estudantes a construção de um conhecimento consistente e crítico sobre Evangelização,

Leia mais

EMBU-MIRIM: ARTE NA ALDEIA

EMBU-MIRIM: ARTE NA ALDEIA EMBU-MIRIM: ARTE NA ALDEIA Jaelson Bitran Trindade jbt9sr@terra.com.br Não são numerosos os edifícios remanescentes dos numerosos estabelecimentos formados pelos jesuítas no Brasil (1549-1759) aldeamentos,

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

Sumário Rosário de Nossa Senhora

Sumário Rosário de Nossa Senhora Sumário PRECES DIÁRIAS DO CRISTÃO... 13 1. Sinal da Cruz... 13 2. Pai-Nosso... 14 3. Ave-Maria... 15 4. Glória ao Pai... 16 5. Creio... 16 6. Invocação ao Espírito Santo... 17 7. Bênção contra a Tristeza...

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Escola Secundária da Ramada

Escola Secundária da Ramada Escola Secundária da Ramada Nome: Margarida Isabel dos Santos Fonseca Turma: 11ºI Número: 7 Disciplina: História da Cultura e das Artes Professora: Maria do Céu Pascoal Data: 09 de Junho de 2006 1/11 Introdução

Leia mais

ARTE BARROCA. História

ARTE BARROCA. História História 01 : contexto 01 : MIGUEL ÂNGELO : David 02 : BERNINI : David : Surge em Itália : Difunde-se por quase toda a Europa : Implantada noutros continentes por europeus : Séc XVII XVIII : Século XVIII

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Imaculada Conceição. Imaculada Conceição. I. Dados da fé. Dois Pensamentos

Imaculada Conceição. Imaculada Conceição. I. Dados da fé. Dois Pensamentos I. Dados da fé 1. Magistério BeatoPioIX Pontificado mais longo depois des.pedro 31anos 16/06/1846-07/02/1878 Imaculada Conceição Bula Ineffabilis Deus (1854), declarou infalível a doutrina da Imaculada

Leia mais

Explicação da Missa MISSA

Explicação da Missa MISSA Explicação da Missa Reunidos todos os catequizandos na Igreja, num primeiro momento mostram-se os objetos da missa, ensinam-se os gestos e explicam-se os ritos. Em seguida celebra-se a missa sem interrupção.

Leia mais

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto Rita de Sá Freire Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto No dia 4 de agosto, a Igreja comemora São João Maria Vianney, Padroeiro dos Padres. Gostaria de prestar

Leia mais

Arquitectura românica francesa Conques Igreja de S te. Foy (séc. XI) Vista do exterior

Arquitectura românica francesa Conques Igreja de S te. Foy (séc. XI) Vista do exterior Arquitectura românica francesa Conques Igreja de S te. Foy (séc. XI) Vista do exterior Arquitectura românica francesa Conques Igreja de S te. Foy (séc. XI) Vista do exterior Arquitectura românica francesa

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o 3 - Eucaristia O que é a Eucaristia? É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao seu regresso, confiando

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis Outras Editoras Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis As 3 Vias e as Três Conversões O grande teólogo dominicano, falecido em 1964, nos expõe as diversas fases da vida

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

RENASCIMENTO ITALIANO

RENASCIMENTO ITALIANO ARTES / 2º ANO PROF.MÍLTON COELHO RENASCIMENTO ITALIANO Contexto histórico O termo significa reviver os ideais greco-romanos; na verdade o Renascimento foi mais amplo, pois aumentou a herança recebida

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa

SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa DIA - 2 de Agosto SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa ORAÇÃO DA COLETA (SANTA MISSA) Pai santo, Senhor do Céu e da Terra, que ao Vosso humilde servo Pedro Fabro Vos revelastes

Leia mais

A missão no contexto asiático

A missão no contexto asiático A missão no contexto asiático Pe. Joachim Andrade SVD Introdução O continente asiático é tão grande e tão diverso é muito difícil dar uma visão clara e contextual da missão dentro de poucos minutos. Além

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

PORTUGAL. 1º. DIA -Lisboa. 2º. Dia - Sintra, Cascais e Estoril

PORTUGAL. 1º. DIA -Lisboa. 2º. Dia - Sintra, Cascais e Estoril PORTUGAL 1º. DIA -Lisboa Saída do Hotel para visita da cidade de Lisboa. Visitaremos o centro da cidade como Praça do Rossio, Avenida da Liberdade, Praça do Marquês de Pombal, Parque Eduardo VII. Colina

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII.

Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII. Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII. Dr. Arq. Gunter Weimer Orientador Arq. Luisa Durán Rocca UFRGS- Propur, Porto Alegre Brasil l.duran@terra.com.br Este trabalho estuda a configuração

Leia mais

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico Dr. Luciano Migliaccio* FAU / USP Doutoranda Eliana Ambrosio** UNICAMP Esta apresentação é parte de uma pesquisa

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Rosarium Virginis Mariae

Rosarium Virginis Mariae EDITORA AVE-MARIA Introdução O Rosário da Virgem Maria, que ao sopro do Espírito Santo de Deus se foi formando gradualmente no segundo milênio, é oração amada por numerosos santos e estimulada pelo magistério.

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL PRÓLOGO I. A Vida do homem conhecer e amar a Deus II. Transmitir a fé a catequese III. Finalidade e destinatários deste

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais