JOSÉ LEITE LOPES: idéias e paixões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ LEITE LOPES: idéias e paixões"

Transcrição

1 JOSÉ LEITE LOPES: idéias e paixões Organizado e editado por Francisco Caruso Em comemoração aos 80 anos de José Leite Lopes Baseado em uma série de entrevistas realizadas entre 27 de março e 10 de setembro de Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas - CBPF Rio de Janeiro 1999

2 Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Responsável: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia José Leite Lopes : idéias e paixões / organizado e editado por Francisco Caruso. Rio de Janeiro : Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF, xiii, 142 p. ; 15,5 21 cm. Em comemoração aos 80 anos de José Leite Lopes. Baseado em uma série de entrevistas realizadas entre 27 de março e 10 de setembro de ISBN Literatura Brasileira - ensaios. 2. Ciência. 3. Humanismo. I. Francisco Caruso. I. Título: Idéias e paixões. ii

3 iii

4 iv

5 PREFÁCIO LEITE LOPES: O RETRATO DE UM HOMEM FELIZ Flashes, fragmentos de memória, retratos, imagens arrancadas do tempo A fala de Leite Lopes reconstrói espaços e figuras, quase ao acaso, a partir de palavraschave, provocações sugeridas por Francisco Caruso: amor, academia, mulher, Richard Feynman, quark, partícula Z, Física, Einstein, política... Cruzam-se ruas de Recife, a Faculdade de Filosofia, Luiz Freire, Princeton, Estrasburgo, os corredores do CBPF, o laboratório de física de partículas de Estrasburgo, as noites de insônia dedicadas à pintura, a música em Nova York mas, acima de tudo, como um traço de união, um fio condutor desses quase-ensaios, a paixão pela Ciência e pela Vida e a integridade de um homem que não hesita em vergastar os poderosos em defesa da Cultura. O ensaio, como é sabido, é criação de Montaigne. Suas raízes, entretanto, remontam, como quase tudo, à Antigüidade Clássica: Cícero, sobre a amizade e a velhice; Sêneca e a providência, a ira, a felicidade, o ócio, a tranqüilidade da alma e a brevidade da vida, para não falar nos diálogos de Platão o Banquete (Symposium), por exemplo nos quais as intervenções dos participantes chegam a constituir verdadeiros ensaios autônomos. Entretanto, o que se nota, e a tradição confirma, é que, se esses textos abordam questões de profundo interesse humano, raramente tocam a Ciência: o ensaio não atrai cientistas. Há, é certo, quase exceções a confirmar a regra; no século XVIII, d Alembert e os v

6 enciclopedistas. Mais recentemente, Einstein nos legou, com generosidade, suas reflexões. Outra exceção notável é a obra de Ernesto Sábato, Nós e o Universo, uma coletânea de ensaios curtos organizados em forma de dicionário. Sábato tinha sido assistente de Mme. Curie, em Paris, antes de se decidir pela literatura e de estrear exatamente com esse livro extraordinário, premiado por um júri do qual Jorge Luiz Borges fazia parte. Notam-se, por outro lado, diferenças notáveis entre as obras de Sábato e de Leite. Em primeiro lugar, Sábato trabalha no silêncio do escritório: são textos literariamente elaborados, burilados, que não escondem o fato de que seu autor, naquele momento, se afastava da Ciência numa espécie de ajuste de contas e ingressava no mundo literário. Já o depoimento de Leite Lopes, gravado no calor do momento, constrói-se sob a inspiração do instante, sem apelo a nada fora da memória do autor. Além disso, é a voz de um homem que sempre pretendeu mergulhar cada vez mais e mais no mundo da Ciência. O caráter espontâneo e vivo do livro de Leite Lopes dá a esse texto um tom original e de notável interesse. É obra quase autobiográfica, tingida pela experiência do autor. Esses verbetes, em conjunto, articulam pontos e traços, compõem linhas e esboços que, pouco a pouco, iluminam a vida e nos revelam a face calorosa do professor Leite Lopes, o retrato de um homem feliz, tocado pela mesma felicidade que Vergilio vislumbrou em Lucrécio: felix qui potuit rerum cognoscere causas. Roberto Moreira Xavier de Araújo CBPF vi

7 APRESENTAÇÃO Crítico, perspicaz, irônico, inquieto, mas, sobretudo, apaixonado por tudo aquilo que faz e que o cerca, pela Ciência, pela Educação, pelas Artes, pelas mulheres, pela vida, enfim, José Leite Lopes é um dos maiores nomes da Ciência brasileira. Essa sua paixão transcende, na verdade, a Ciência e o leva a buscar interrelações com outras atividades da sociedade, contribuindo para que a Ciência se insira no contexto mais amplo da nossa Cultura. Desta forma, o cientista e o humanista se completam, e se fundem ainda com o artista Leite Lopes. Uma constante preocupação com o papel ético e social do cientista permeia também sua obra de forma muito marcante. Essa paixão, nutrida por um intelectual extremanente ativo, que teimou em dedicar toda uma vida à criação de um ambiente científico no Brasil, o faz ir além de seus poros e invadir o espaço dos outros. Este livro permitirá aos leitores invadirem o universo de suas lembranças, de suas idéias, de seus amores e vislumbrarem traços de um eterno apaixonado. A uma pessoa assim tão especial, é difícil dar um presente especial quando ela completa 80 anos. Foi exatamente pensando nessa dificuldade que me ocorreu propor a Leite Lopes que fosse ele a nos dar um presente na forma de um livro. Lembrei-me, então, que Ernesto Sábato nos havia presenteado com o belo livro Nós e o Universo, escrito em forma de verbetes, quando abandonou a Física. Assim, comecei a escolher um conjunto de palavras através do qual veríamos refletida uma espécie de imagem cubista do aniversariante. A escolha era, portanto, muito importante, pois deveria também refletir a multiplicidade de interesses de Leite Lopes, permitindo a cada leitor formar o perfil deste cientista ainda apaixonado vii

8 pela Física. Decidido isto, quantos verbetes escolher? 83 me pareceu ser a escolha natural: 80 para comemorar seus 80 anos e 3 adicionais como a metáfora dos três pontos das reticências a lhe desejar muitos e muitos anos de vida. Para minha alegria, Leite Lopes aceitou imediatamente o convite e, no dia 27 de março de 1998, demos início à gravação das entrevistas que se estenderam até o dia 10 de setembro, registradas em pouco menos de 7 fitas de áudio de 60 minutos cada. A transcrição ipsis litteris das entrevistas foi feita com a inestimável colaboração do aluno Bruno Maia. Este texto foi editado por mim e foi revisto e corrigido pelo Prof. Leite Lopes, que introduziu pouquíssima informação que não consta das fitas. No árduo trabalho de revisão, pude contar com o auxílio fundamental da Sra. Márcia de Oliveira Reis Brandão e do Prof. Roberto Moreira Xavier de Araújo. Aos três gostaria de externar minha sincera gratidão. Agradeço ainda ao Prof. Amós Troper, Diretor do CBPF, por seu decisivo apoio a esta publicação. Durante o longo período de gravação das entrevistas, mantive um convívio quase diário com Leite Lopes e o número de horas que conversamos superou em muito o número de horas gravadas. Nossas conversas eram sempre pela manhã, em sua sala no terceiro andar do CBPF, em meio a seus livros e seus quadros, e o ritmo de trabalho não foi sempre uniforme, devido a vários fatores, mas foi sempre muito prazeroso e, por várias vezes, seu lado humano falou mais alto e suas palavras afloraram carregadas de sentimento. Lembro-me, por exemplo, de vêlo emocionado quando pediu para ouvir o que havia dito sobre amor ; de sua indignação ao falar sobre a seca, poucos dias após termos visto na televisão uma reportagem A relação completa dos verbetes encontra-se ao final desta apresentação. viii

9 sobre a fome causada pela seca no Nordeste; de sua empolgação recitando Rilke em alemão e em português; de seus olhos divagarem quando falava de certas pessoas do passado e do carinho com que se referia a outras. Raríssimas vezes Leite pediu para falar sobre o tema proposto em um outro dia; na grande maioria das vezes, ele começava a falar imediatamente após eu lhe propor o tema e, em certas ocasiões, era difícil fazê-lo parar. Para o leitor que não conhece a obra do Prof. José Leite Lopes, ofereço, agora, um resumo de sua trajetória como homem e cientista. Nascido em 28 de outubro de 1918, na cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, José Leite Lopes concluiu seus estudos secundários no Colégio Marista, em sua cidade natal, em Bacharelou-se em Química Industrial na Escola de Engenharia de Pernambuco, em Influenciado por seu grande mestre Luiz Freire, deu início aos seus estudos de Física no Rio de Janeiro, para onde veio com uma bolsa de estudos das indústrias Carlos de Brito do Recife, por indicação do Professor Osvaldo Gonçalves de Lima. Em 1940, ingressou no Curso de Física da Faculdade Nacional de Filosofia, Rio de Janeiro, concluindo-o em Nesse mesmo ano trabalhou alguns meses, a convite do Professor Carlos Chagas, no Instituto de Biofísica, com uma bolsa Guilherme Guinle. Em 1943, com uma bolsa da Fundação Zerrener, trabalhou no Departamento de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, assistindo aos cursos de Gleb Wataghin e Mario Schenberg. Com uma bolsa do Governo dos Estados Unidos, dirigiu-se à Universidade de Princeton, onde trabalhou com J.M. Jauch e fez sua tese de doutorado (Ph.D.), sob a orientação de Wolfgang Pauli (Prêmio Nobel de Física), durante os anos de 1944 e Em outubro de 1945, aos 27 anos, foi ix

10 nomeado Professor de Física Teórica e Superior da Faculdade Nacional de Filosofia do Rio de Janeiro e tomou posse na cátedra em Em 1948, fez concurso para cátedra de Física Teórica e Física Superior da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e recebeu o grau de Doutor em Ciências pela mesma Universidade. Em janeiro de 1949, juntamente com Cesar Lattes, e com o apoio do Ministro João Alberto Lins de Barros, de Nelson Lins de Barros e de Henry British Lins de Barros, fundou o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Em 1949, ganhou uma bolsa da Fundação Guggenheim e a convite de Oppenheimer tornou-se membro do Instituto de Altos Estudos de Princeton. Entre 1955 e 1964, foi Diretor da Divisão de Ciências Físicas do Conselho Nacional de Pesquisas. Nos anos de 1956 e 1957, a convite de Richard Feynman, foi Pesquisador Visitante no California Institute of Technology. Ocupou vários cargos de chefia e de administração científica no CBPF, no CNPq e na Universidade do Brasil. Em 1960, organizou a 2 a. Escola Latino-Americana de Física no Rio de Janeiro e sugeriu ao Conselho Técnico- Científico do CBPF que propusesse ao Ministério das Relações Exteriores e à UNESCO a criação de um Centro Latino-Americano de Física. Entre 1962 e 1964, foi organizador e coordenador do Instituto de Física da nova Universidade de Brasília. Até 1964 foi membro do Conselho de Curadores do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) onde apresentou conferências sobre energia atômica. Nesse ano, aceitou convite para ser Professor Visitante da Faculdade de Ciências de Orsay, Universidade de Paris, onde permaneceu até março de Em 1969, foi aposentado compulsoriamente da Universidade Federal do Rio de Janeiro por decreto governamental baseado no AI 5; em conseqüência, aceitou convite da Universidade x

11 Carnegie-Mellon, Pittsburgh, para onde se transferiu como professor visitante, durante o ano acadêmico Foi ainda demitido do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas por portaria do Presidente desta Instituição. Entre 1970 e 1974, foi professor visitante da Universidade de Strasbourg I, Université Louis Pasteur e, no ano em que chegou, fundou, com Michel Paty e outros colegas, os seminários sobre os Fundamentos da Ciência, que, mais tarde, deram origem à revista Fundamenta Scientiae. Em 1974, foi nomeado, excepcionalmente, Professor Titular da Universidade Strasbourg I, pelo Presidente da República Francesa V. Giscard D Estaing. De 1975 a 1978 foi Vice- Diretor do Centro de Pesquisas Nucleares de Strasbourg (Centre de Recherche Nucléaires, CNRS) e Diretor de sua Divisão de Altas Energias. Voltou ao Brasil, em 1981, para o Centro que havia fundado, mas não em definitivo. Somente em 1986, após ser convidado pelo então Ministro da Ciência e Tecnologia, Renato Archer, para dirigir o CBPF, retornou de vez ao Brasil. José Leite Lopes tem uma vasta obra científica, com mais de 80 trabalhos publicados, dentre os quais destacamos seu importante artigo de 1958, na prestigiosa revista Nuclear Physics, no qual prediz a existência de bósons vetoriais neutros, juntamente com bósons carregados, como veículos da interação fraca, sugerindo a unificação das forças eletromagnéticas com as forças fracas e postulando a igualdade das constantes fundamentais das interações fraca e eletromagnética. A partir desta hipótese, Leite Lopes nos deu a primeira avaliação correta da massa dos bósons vetoriais. Além de suas atividades de pesquisa científica, Leite Lopes preocupou-se sempre com a Educação e com o papel social do cientista e da Universidade, como atestam suas publicações sobre estes temas. De fato, é autor de 21 xi

12 livros, dentre livros-textos e de reflexões sobre Ciência, e de mais de uma centena de artigos sobre educação e política científica. Como reconhecimento à sua vasta obra, recebeu o título de Professor Emérito do CBPF (1992), da Univ. Louis Pasteur, Strasbourg, França (1986) e da UFRJ (1984), de Doutor Honoris Causa da UERJ (1989) e da Universidade Federal de Pernambuco (1986). É membro de sete Sociedades Científicas no Brasil e no exterior, tendo recebido as seguintes condecorações: medalha da Universidade Louis Pasteur de Strasbourg (1986); medalha Carneiro Felipe da Comissão Nacional de Energia Nuclear (1988); Ordre des Palmes Académiques, do governo francês no grau de Officier (1989); Ordre National du Mérite, entregue pelo Presidente da República Francesa no grau de Officer (1989); Prêmio Nacional da Ciência Álvaro Alberto (1989) e Prêmio México de Ciência e Tecnologia do governo mexicano (1993). Esta apresentação resumida inevitavelmente fria e formal do curriculum vitae do Prof. José Leite Lopes é, sem dúvida, incompleta, principalmente porque não reflete o prazer de se conviver no dia-a-dia com Leite Lopes, de compartilhar de seu idealismo contagiante, de seu entusiamo que parece não ter fim. Concluindo, gostaria de agradecer ao Prof. Leite Lopes por ter aceito meu convite para preparar o livro que, em princípio, gostaria de lhe dar de presente no seu aniversário, como prova de minha admiração e amizade, mas que acabou se transformando, acredito, em um presente que Leite Lopes dá à comunidade científica e à sociedade culta de nosso país. Caro Leite, parabéns e muitos e muitos anos de vida! Francisco Caruso CBPF & UERJ xii

13 Lista dos Verbetes 1. ACADEMIA 2. AIDS 3. AMOR 4. ARISTÓTELES 5. ARTE 6. ATOMISMO 7. AUTORITARISMO 8. BACH 9. BELEZA 10. BRASIL 11. CAUSALIDADE 12. CBPF 13. CETICISMO 14. CHAGALL 15. CIÊNCIA 16. CNPq 17. DEUS 18. EDUCAÇÃO 19. EINSTEIN 20. ELÉTRON 21. ENERGIA 22. ESPAÇO 23. ESTRASBURGO 24. ÉTICA 25. FEYNMAN 26. FILOSOFIA 27. FÍSICA 28. FORÇA 29. GALILEU 30. GENÉTICA 31. GÊNIO 32. GEOMETRIA 33. GLOBALIZAÇÃO 34. HIROSHIMA 35. HISTÓRIA 36. HUMANISMO 37. INCERTEZA 38. INFINITO 39. INTOLERÂNCIA 40. INTUIÇÃO 41. IRREVERSIBILIDADE 42. JUVENTUDE 43. LIVRO 44. MASSA 45. MAXWELL 46. MESTRE 47. MISTÉRIO 48. MORTE 49. MULATA 50. MULHER 51. MÚSICA 52. NACIONALISMO 53. NEWTON 54. PAIXÃO 55. PARMÊNIDES 56. PAULI 57. PINTURA 58. PODER 59. POESIA 60. POLÍTICA 61. PORTINARI 62. PRAZER xiii

14 63. QUANTUM 64. QUARK 65. QUÍMICA 66. RECIFE 67. RELATIVIDADE 68. RELIGIÃO 69. RIO 70. SBPC 71. SECA 72. SOCIALISMO 73. TECNOLOGIA 74. TEMPO 75. UNIVERSIDADE 76. UNIVERSO 77. UTOPIA 78. VÁCUO 79. VARGAS 80. VIDA 81. VILLA-LOBOS 82. VINHO 83. Z xiv

15 ACADEMIA Pelo que aprendi, a Academia vem da época de Platão, dos filósofos gregos (ver FILOSOFIA). Dizia o meu Mestre Luiz Freire: gostaria de passear com Platão nos jardins de Academus. As primeiras Academias importantes foram as Accademie dei Lincei e del Nuovo Cimento, fundadas na Itália, por volta de Depois da condenação de Galileu pela Santa Inquisição, os membros dessas Academias ficaram com medo de se reunir, pois novas idéias poderiam ser interpretadas pela Igreja como heresias e levar à condenação quem falasse. Assim, as Academias ficaram meio paradas após a condenação de Galileu e a de Giordano Bruno, que morreu assado na fogueira. No ano de 1660 foi fundada, na Inglaterra, a Royal Society, por Charles II e, em 1666, a Académie des Sciences de Paris, pelo Rei Louis XIV e seu ministro Colbert. Essas Academias, nessa época, atendiam à necessidade que tinham os sábios de se reunir para trocar idéias, porque, até então, eram os mecenas, os homens ricos, os nobres e os reis que tinham orquestras de câmara em seus salões e apoiavam artistas e intelectuais, como, por exemplo, Leonardo da Vinci, que morreu nos braços de François I. A descoberta, nessa época, de fatos experimentais científicos trazia consigo a necessidade de discussão. Eu sei que na França vários cientistas se reuniam, nesta época, na casa de um deles, chamado M. Phévenot. Então, o que fez Colbert foi chamá-los todos. Como acontece até hoje, a Academia era financiada pelo Governo Francês. São governos sérios, não é? Não são governos, como o brasileiro (ver BRASIL), que desprezam a Academia, a pesquisa científica, a Universidade, mesmo quando o governo é constituído, supostamente, de

16 intelectuais, de ex-professores universitários (ver EDUCAÇÃO). Lá a coisa é diferente, é séria. Então a Royal Society e a Académie des Sciences são as duas academias mais importantes fundadas após a falência das academias italianas, que tinham medo da Santa Inquisição. Essas academias acompanharam o desenvolvimento da Ciência e da pesquisa científica no século XVII, na Europa Ocidental, principalmente na França, na Inglaterra e na Alemanha. Espanha e Portugal ficaram de fora, apesar das grandes realizações ligadas às descobertas de novas rotas de navegação. A Santa Inquisição, ou melhor a Igreja Católica, tomou o controle da Educação nestes dois países e eu me pergunto se, nessa época, foram criadas Academias de Ciências nestes países que descobriram e colonizaram a seguir terras que formam hoje a América Latina. No Brasil, a Academia de Ciências foi fundada com o nome de Sociedade Brasileira de Ciências, em 1916, e mudou seu nome para Academia Brasileira de Ciências em Juntava, nesta época, muita gente importante, como: Amoroso Costa, Arthur Moses, Álvaro Alberto, Álvaro Osório de Almeida, Miguel Osório de Almeida, Carlos Chagas e Oswaldo Cruz. Eram esses homens que faziam pesquisa científica enfrentando toda a dificuldade que a gente conhece. A pesquisa científica no Brasil começou no fim do século passado, com a fundação do Instituto Butantan e do Instituto Oswaldo Cruz para combater pragas e pestes. Oswaldo Cruz, por exemplo, teve a sabedoria de não só acabar com a febre amarela no Rio, mas de criar também um Instituto, uma verdadeira Escola de pesquisas científicas em Biologia e Medicina Experimental, que produziu gente de grande valor, inclusive homens como Carlos Chagas, descobridor da doença de Chagas, que 2

17 infesta a América Latina e toda a África. Chagas descobriu esta doença desde os micróbios até os agentes transmissores e realmente merecia ter ganhado o Prêmio Nobel, mas a Academia de Ciências de Estocolmo tem lá as suas razões para não dar o prêmio a países em desenvolvimento, eu não sei; mas, enfim, aí está a Academia. AIDS A AIDS, que os franceses chamam de SIDA, é uma doença moderna terrível. Parece que foi descoberta nos macacos na África e é sexualmente transmitida, o que é um desastre. Essa doença tira a alegria do pobre, pois a alegria do pobre é fazer amor, e você não pode mais sair por aí afora fazendo amor com quem você encontra. Se você não se proteger com um preservativo, que o brasileiro chama afetuosamente de camisinha, está arriscado a pegar a AIDS e isso dá lugar a uma morte terrível. O número de pessoas infectadas no mundo é grande e cresce, e ainda não se sabe como livrar a humanidade dessa doença miserável. Quem sabe se o vírus dessa doença não saiu de algum laboratório de pesquisa de guerra? AMOR Esse é um verbete muito importante na vida (ver VIDA) do homem, não é? O Amor é a fonte de inspiração das nossas vidas; sem o Amor a vida do homem seria uma vida no Inferno. A mulher é a coisa mais nobre, a melhor que o Criador fez na Terra se Ele fez coisa melhor ficou com ela, não é? (Ver MULHER). Então o Amor é o homem 3

18 com a mulher, a mulher com o homem; o Amor, sobretudo este. Há também o Amor pelas Artes e pela Ciência (ver CIÊNCIA). O Amor pela Ciência é muito importante, mas vem depois do Amor pela Mulher. Quando eu era jovem aprendi a namorar; no início eram os namoros à distância, o amor platônico. Primeiro houve uma moça que quando eu andava de bicicleta esta é a primeira vez que eu estou dizendo isto a via pelas grades da casa e uma vez ela me deu uma flor, uma rosa toda cheirosa. Mas depois este Amor acabou, porque ela me proibiu de ir ao cinema com os amigos e eu fui. Mas o meu grande amor teve início quando eu estava ainda terminando o curso secundário, em Eu notei, numa parada de bonde, uma bela menina do Colégio São José do Recife (ver RECIFE), acompanhada de uma senhora. Achei-a tão bonita que logo o meu coração acelerou e eu, felizmente, descobri que ela era aparentada de amigos meus. Eu ia então a casa destes amigos, ficava do lado de fora, e quando ela vinha visitá-los, acompanhada da tia, podíamos trocar aqueles olhares. Era um amor platônico e só mais tarde tive a coragem de como se dizia no Recife encostar ; quer dizer, chegar perto dela e falar... isto foi no dia 8 de dezembro de 1934, dia da festa da Nossa Senhora da Conceição. No Morro do Arraial de Bom Jesus, que ficava perto de nossas casas, havia uma igrejinha com a Nossa Senhora da Conceição e havia uma procissão neste dia. Ela acompanhou a procissão com a tia e eu então tomei coragem e encostei junto dela e fiquei andando com ela, conversando o quê não me lembro mais. A partir deste dia passei a ir à casa dela e ficava no portão com os meus amigos que eram aparentados dela, conversando todos com ela. Finalmente, depois eu pude subir com ela para o terraço, mas sempre com o chaperon, a pessoa que toma conta das meninas 4

19 para que não haja excessos, figura que não existe mais hoje. Então eu fiquei com ela e esse foi o meu grande amor. Ela esperou doze anos, de 34 a 46, para casar comigo. Em 34 terminei o colégio secundário, em 35 me preparei para a Escola de Engenharia, em 36 fiz o exame de vestibular para Química Industrial e em 39 ficamos noivos para que ela soubesse que eu ia ser fiel, pois havia ganhado uma bolsa para ir para o Rio de Janeiro (ver RIO). No Rio estudei na Faculdade Nacional de Filosofia e voltei uma vez ou duas para vê-la, de navio, mas nem sempre isto era possível. Fui para São Paulo e depois para Princeton, num avião de dois motores no tempo da guerra, em Ela foi com toda a minha família ao aeroporto e trocamos algumas palavras e dei-lhe uns beijos, coisa que há muito tempo não fazia. Chamei-a para Princeton, mas não havia dinheiro nem da parte dela nem da minha para nos casarmos; seria uma loucura, pois minha bolsa não daria para isto. Bom, voltei e casei-me em Foi meu grande Amor, acho que era a mulher mais bonita do mundo, mas só fiquei casado com ela 10 anos. Neste período levei-a a Princeton, para que ela conhecesse a cidade onde eu estudei e depois tivemos dois filhos. Em 1955, fomos a Genebra, com meu filho mais velho, à primeira Conferência para o Uso Pacífico da Energia Atômica, da qual fui secretário, e na volta ela começou a sentir-se mal, a emagrecer, a ter dores. Eu a levei a todos os médicos possíveis no Rio e finalmente ela morreu em fevereiro de 1956, de câncer no útero, o que só se descobriu quando ela teve metástase e amanheceu um dia paralisada do lado direito e foi uma tristeza, um drama para mim. Enfim, isso foi o amor grande, o amor trágico e ela me deixou só no mundo entregue às outras mulheres desde então o que faço é procurá-la nas mulheres que eu tenho 5

20 tido. No fundo é isto, sem que seja uma diminuição das outras, que são todas tão gostosas, tão amáveis, tão amorosas e sem elas eu não poderia viver. ARISTÓTELES Aristóteles foi um dos maiores filósofos da Grécia Antiga (ver FILOSOFIA). O grande Bertrand Russell, filósofo inglês, já disse no seu livro History of Western Philosophy que uma das coisas mais misteriosas na História (ver HISTÖRIA) foi o aparecimento destes filósofos na Grécia naquela época. E Aristóteles foi um deles. Ele veio depois de Tales, cujo mérito foi ter introduzido a noção de substância primordial para a matéria, e de Heráclito, que afirmava que as coisas se realizam pela síntese de contrários. Na Física contemporânea sabe-se que um fóton morre e cria-se um par elétron-pósitron e este par morre e nascem fótons, e isto é o Heráclito velho. Depois vieram Platão, que dizia que o que era verdadeiro era o mundo das idéias, e Aristóteles. Embora este não tenha dado nenhuma contribuição à Física Moderna, foi importante porque durante dois mil anos a sua Física e a sua Cosmogonia formaram o esquema válido para o Universo. Aristóteles descrevia as coisas como as pessoas vêem. Para ele todas as coisas em movimento acabariam parando e as coisas ocupariam um lugar dado no espaço (ver ESPAÇO). Não haveria o vácuo (ver VÁCUO) e era necessário que houvesse o ar para, de alguma maneira, manter o movimento dos corpos. O fogo sobe porque é mais leve, os corpos caem porque são mais pesados. Era uma física ingênua que deu origem à sua Cosmologia, na qual o Universo (ver UNIVERSO) seria limitado e a Terra seria o centro de todos os movimentos. Debaixo da Terra 6

21 haveria o inferno. A Lua, o Sol e os planetas conhecidos na época girariam todos em torno da Terra e, finalmente, haveria uma série de esferas concêntricas à Terra e a última delas seria a das estrelas fixas. Além desta esfera haveria Deus. O movimento abaixo da Lua seria explicado como você mostra um pedaço de carne a um cachorro e ele pula e pega esta carne aliás, como dizia Poincaré, ao fazer isto, o cachorro demonstra uma noção precisa de espaço. Só acima da Lua o movimento dos corpos celestes obedeceria a uma lei criada por um Deus. Essa coisa foi negada bem mais tarde por Galileu (ver GALILEU) que fez a primeira grande síntese da Física Moderna. Esse era o Mundo de Aristóteles, que foi ligado à concepção de Ptolomeu que comandou o pensamento por quase dois mil anos, e aí reside a autoridade de Aristóteles. Você vê, portanto, como as coisas evoluíam lentamente. Foi preciso depois a crítica da escola dos nominalistas, com de Benedetti, e culminou com a crítica de Galileu, que começou a dizer que se você quer estudar a Natureza deve ir a ela, fazer experiências e observações, e que descobriu a lei da queda dos corpos e disse que o espaço era aberto, infinito (ver INFINITO). Não podemos esquecer que Aristóteles deu contribuições à Lógica. A Filosofia de Aristóteles é, portanto, muito importante. Eu, quando estava em Estrasburgo (ver ESTRASBURGO), fui convidado para um Congresso que houve na UNESCO em homenagem a Aristóteles, que deu origem a uma publicação importante chamada Penser avec Aristote, organizada por Sinaceur, um filósofo marroquino. Nesta ocasião falei sobre os elementos fundamentais da imagem física do Mundo, lamentando que homens como Dirac e Feynman não tivessem sido convidados para apresentar o estado atual da nossa concepção física do Mundo à qual Aristóteles não 7

22 deu uma contribuição direta, mas ele pensou sobre o Universo, fez a sua Física e por isto teve também o seu lugar na História da Ciência, embora as suas idéias não tenham sido felizes e tenham sido rebatidas por Galileu. ARTE Arte para mim, para início de conversa, é o fato de que eu comecei a pintar em Antes disso, quando estive na Universidade de Princeton, como estudante de Wolfgang Pauli (ver PAULI), eu admirava a arquitetura gótica que Princeton havia imitado de Cambridge e de Oxford. Mas é uma cidadezinha que é uma beleza e a Universidade é uma coisa que deixou uma impressão profunda em mim. E lá, naturalmente, comprei muitos livros (ver LIVRO) sobre arte e sobre música (ver MÜSICA) e ia sempre a Nova Iorque ver cinema de arte e ensaio, como eles chamavam, e museus. O Metropolitan Museum, o Museu Guggenheim e o MOMA (Museu de Arte Moderna) e Galerias, como o Frick Collection etc. Em cada ocasião, além de admirar as obras eu comprava toneladas de cartões com reproduções das obras, que serviam para que eu olhasse, reproduzidos em escala pequena, os quadros dos grandes pintores. Depois obviamente eu voltei para o Brasil (ver BRASIL) e comecei a fazer fotografias das reproduções com filmes coloridos, que haviam sido inventados naquela época, em torno dos anos 40. Estas fotos impressionaram muito um amigo meu em Santa Tereza. Quando voltei de Princeton, em 1946, eu morava em uma pensão, chamada Pensão Internacional, em Santa Tereza, que eram as ruínas do Hotel Internacional, onde se havia hospedado a grande bailarina Isadora Duncan, pelo 8

23 que me disseram. Eu me casei em julho de 46 e voltei para o Rio (ver RIO), para um quarto de apartamento em Copacabana. Havia um matemático português, Antônio Aniceto Monteiro, que morava nesta pensão, que achou que eu deveria ir para lá e eu fui com a minha mulher. O lugar era muito aprazível; um lugar alto e fazia uma diferença de dois três graus com relação ao resto da cidade, o que era muito importante no verão. Lá habitava o famoso casal Arpád Szenes e Maria Helena Vieira da Silva. A Vieira da Silva tornou-se depois uma das maiores pintoras na França. Eles vieram para cá refugiados da guerra. Havia também o pintor Carlos Scliar, que acabava de regressar da Europa, onde tinha participado da guerra como integrante da Força Expedicionária Brasileira. Havia um crítico de Arte chamado Rubem Navarra, que depois foi para a França e parece que enlouqueceu e morreu prematuramente. Uma aluna de Arpád, uma americana, fez um retrato a óleo de minha mulher Carmita, que é uma beleza e até hoje está na casa de meu filho mais velho, José Sérgio. Havia também um casal amigo, Adolpho e Ana Soares, que eram ceramistas, e que nos visitavam muito na Pensão Internacional. Aliás, nos fins de semana, iam à pensão poetas e escritores como Manuel Bandeira, Murilo Mendes e sua mulher, Maria da Saudade Cortesão, a famosa Cecília Meirelles e seu esposo Heitor Grillo, o poeta Ascenso Ferreira (ver POESIA). Iam todos visitar Maria Helena e Arpád Szenes. Eu morava num quarto em cima do deles e descia para ouvir música de quarteto, as músicas de Debussy, de Bach (ver BACH) e era uma delícia! Influenciado por essas coisas todas, pelo convívio com esses pintores e artistas, fui me interessando, cada vez mais, pelas Artes. Foi então, em 1953, que meu amigo Adolfo Soares vendo minhas fotografias me disse que eu deveria pintar. 9

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o Átomo e Modelos Atômicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a idéia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP)

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Em uma fazenda no interior de São Paulo, 160 km a oeste da capital, um time de

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Frases Célebres de Albert Einstein

Frases Célebres de Albert Einstein Frases Célebres de Albert Einstein Convencido de que o ser humano é capaz de desenvolver seu intelecto tanto quanto deseja em certas ocasiões, julgava com as palavras criando frases de acordo com as circunstâncias.

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

Átomo e Modelos Atómicos

Átomo e Modelos Atómicos Átomo e Modelos Atómicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a ideia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Depoimentos de Intercambistas Brasileiros 2 Carolina Castro foi aos Estados Unidos em 2011 Programa Longa Duração O ano

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ Teoria Pura Tenho

Leia mais

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho *JACINTO GUERRA, de Brasília para o Portal de Aboim da Nóbrega Em 1967, quando o Dr.Laércio Rodrigues lançou seu livro História de Bom Despacho origens e formação,

Leia mais

PASTORAL DA EDUCAÇÃO - PINDAMONHANGABA ATIVIDADES MAIO/2014. O Tempo. A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

PASTORAL DA EDUCAÇÃO - PINDAMONHANGABA ATIVIDADES MAIO/2014. O Tempo. A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. O Tempo A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas! Quando se vê, já é sexta-feira! Quando se vê, já é natal... Quando se vê, já terminou o ano... Quando se

Leia mais

Linus Pauling e as Regras de Pauling

Linus Pauling e as Regras de Pauling Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Bhia Beatriz 1 2 Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Ilustração da Capa Nádia Krummenauer Artista Plástica Arte Final

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

Entrevista a Galileu Galilei

Entrevista a Galileu Galilei Escola Secundária Emidio Navarro 2009/2010 Disciplina: Físico-Quimica Entrevista a Galileu Galilei Trabalho realizado por: Cristiana Monteiro nº5 Francisco Pinto nº9 11ºCT2 Entrevista a Galileu Galilei

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38 1 Minha história Tomás de Aquino, filósofo do século XII, escreve: Dentro de cada alma há uma sede de felicidade e significado. Comecei a sentir essa sede quando adolescente. Eu queria ser feliz. Desejava

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Sumário. Prólogo, 7 Prefácio, 9. Epílogo, 115

Sumário. Prólogo, 7 Prefácio, 9. Epílogo, 115 Sumário Prólogo, 7 Prefácio, 9 1. O mundo, a vida e a dançaterapia, 11 2. Estímulos criativos, 21 3. Não venho ensinar, mas dar, 63 4. Biografia dançada, 81 5. Flexibilidade, 83 6. Testemunhos, 87 7. A

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ABRIL / MAIO / JUNHO

RELATÓRIO TÉCNICO ABRIL / MAIO / JUNHO RELATÓRIO TÉCNICO BANCO DO LIVRO SA - CURVELO / MG ABRIL / MAIO / JUNHO 2005 INTRODUÇÃO O Banco do Livro tem sua marca registrada pela dialogia. Nossos usuários gostam que seus nomes sejam lembrados nas

Leia mais

Entrevista: Sonia Rinaldi

Entrevista: Sonia Rinaldi 18 Entrevista: Sonia Rinaldi Os Novos Rumos da Transcomunicação Sonia Rinaldi mostra aqui os avanços das pesquisas científicas na área da transcomunicação instrumental (o contato com os espíritos através

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial 2ª GUERRA MUNDIAL Novos estudos feitos por um historiador norte americano, revelam que os Estados Unidos teriam cogitado que as forças militares brasileiras, então em combate na Italia, ocupassem a Austria

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana)

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana) Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV.

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV. 1. (Ufpr 2014) As teorias atômicas vêm se desenvolvendo ao longo da história. Até o início do século XIX, não se tinha um modelo claro da constituição da matéria. De lá até a atualidade, a ideia de como

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Um tango para sobreviver

Um tango para sobreviver Um tango para sobreviver Gina Freund Um tango para sobreviver em depoimento a Valéria Martins 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2013 Edição de texto Noga Sklar Editoração: KBR Capa KBR sobre arquivo Google

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.)

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Prof.: Manzi História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Teoria sobre os 4 elementos: Terra, Fogo, água e ar Aristóteles ( 350 a.c.) Quando a matéria recebe a forma ela se organiza nos quatro elementos

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente O sobrevivente Felipe Luis do Nascimento Rodrigues O sobrevivente São Paulo, 2011 Editor responsável Zeca Martins Projeto gráfico e diagramação Claudio Braghini Junior Controle editorial Manuela Oliveira

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 92 Solenidade de Assinatura do Protocolo

Leia mais

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro...

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro... Um grupo de alunos e uma professora que decidiram escrever um livro... Tudo começou com um garoto chamado Luan que, num belo dia, resolveu compartilhar sua história... Luan Cardoso era um menino de apenas

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

A Física na Idade Moderna

A Física na Idade Moderna A Física na Idade Moderna Mecânica Leonardo da Vinci a Isaac Newton Leonardo da Vinci Nascimento 25 de abril de 1452 Anchiano, Itália Falecimento 2 de maio de 1519 (67 anos) Amboise, França Nacionalidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 82 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA EDIÇÃO 173 R E V I S TA D O MAIO E JUNHO DE 2014 HISTORIADOR EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA CHARLES MILLER O PAULISTANO QUE TROUXE O FUTEBOL PARA O BRASIL SÃO LUIZ DO PARAITINGA 245 ANOS

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais