A cidade corpopoética. Paul Ardenne [Professor de história da arte da Universidade de Amiens, França; crítico e curador de arte contemporânea]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A cidade corpopoética. Paul Ardenne [Professor de história da arte da Universidade de Amiens, França; crítico e curador de arte contemporânea]"

Transcrição

1 A cidade corpopoética Paul Ardenne [Professor de história da arte da Universidade de Amiens, França; crítico e curador de arte contemporânea]

2 Em janeiro passado, em cerca de sessenta cidades do mundo, aconteceu simultaneamente a operação No pants subway ride, lançada em Nova Iorque onze anos atrás. Gente de todas as idades, cores e religiões descem nos subterrâneos do metrô vestindo apenas a roupa de baixo. Não para se exibir durante alguns minutos e voltar para casa. Não. Fazem ali os gestos corriqueiros do seu dia a dia no metrô, um dia a dia regido pela necessidade, material, psicológica, com um detalhe: executam-nos vestindo apenas a roupa de baixo, seja simplesmente para ir de uma estação para outra e pegar uma conexão, seja para esperar numa plataforma ou ainda ler o jornal ou viajar até o seu destino. Ressensibilizar o urbano Esse tipo de operação vem se multiplicando, ao longo dos últimos 30 anos, a ponto de se banalizar. Dessa forma, foram instituídos, em vários lugares, um Dia dos Vizinhos, que geralmente termina com um jantar comunitário no play do prédio; um Dia da Cor, que consiste em se vestir com peças de uma única cor, uma forma de colorir o espaço urbano; um Dia da Fantasia, quando é de bom tom sair de casa vestido de Batman, Princesa Starla ou Mickey. Tais fórmulas de o dia de alguma coisa, às vezes, se perenizam, vão se consolidando através da repetição sistemática do evento, resultando na especialização de determinados lugares, em função das especificidades do evento. Da mesma forma que se vai ao Hyde Park Corner, em Londres, para falar livremente, vai-se à avenida Guinza, em Tóquio, fantasiado, em determinados momentos da semana, por se tratar de um epicentro de renome mundial do cosplay. Ou ainda, as pessoas se reúnem a cada noite de sexta-feira, na Bastilha, em Paris, montadas nos seus rollers, antes de sair, às centenas, para dar a volta pela capital francesa, durante horas. 129

3 SOBRE DESEJOS E CIDADES Essa carga de eventos fora do padrão, somada aos eventos normais dos quais a cidade é o palco corriqueiro, é um sinal: a cidade convencional, aquela que vivenciamos no dia a dia, não é suficientemente sensível, nem sensitiva ou pródiga em sensorialidades, não apenas fortes, como também de acordo com as nossas expectativas por manifestações mais próximas do nosso desejo, completamente personalizadas até manifestações urbanas que sejam nossas manifestações, relacionadas com a nossa própria expressão e não mais apenas com a convenção. A recente expansão, impulsionada pelas redes sociais (MSN, Facebook, Twitter, LinkedIn ), dos flash mobs, flash streets e outros aperitivos mais improvisados do que combinados previamente é a confirmação dessa demanda personalizada, idiossincrática, de manifestações em que se pode esperar encarnar um desejo, transformá-lo em realidade passando do imaginário ou da fantasia para a sua concretização fatual: algumas pessoas decidem dançar salsa na saída do metrô, tomar um porre sobre uma ou outra ponte ou, ainda, brincar de homem de gelo na estação de Grand Central, em Nova Iorque, durante alguns minutos. TAZ Esse fenômeno, objeto de vários estudos sociológicos, foi identificado nos anos 80, 90. É frequentemente chamado com o cômodo nome de TAZ ou temporary autonomy zone [zona de autonomia temporária]: o termo se deve a Hakim Bay, guru nova-iorquino do anarquismo poético, e ele foi inspirado, entre outros, pela cultura dos travellers (viajantes) que acompanha o movimento techno desde os anos 1990, levando milhares de jovens a correr as estradas do mundo inteiro buscando a paz, no meio do nada, por um determinado tempo, sem qualquer tipo de controle da polícia ou administrativo, para dançar, brilhar e viver na plenitude libertária. 130

4 A cidade corpopoética O advento recente e intensificado das TAZ, esses espaços- -tempos de autonomia temporária, nos informa sobre dois dados em crescimento e que serão os eixos vertebrais desta palestra sobre a cidade como vetor de desejos: de um lado, uma poderosa reivindicação individualista; do outro e consequentemente, uma vontade pessoal sempre maior de criar sua própria cidade sensível ou, na sua falta, de aproveitar a cidade ou de nela mergulhar de modo a multiplicar as sensações. Qualificarei essa atitude com um neologismo, corpopoética, por esse motivo: na cidade, pretendemos muito menos suportar o meio, o ambiente, do que criá-lo (poiésis, a criação, em grego). Aspiramos àquele estatuto de ator que autoriza o nosso corpo a ser autenticamente dinâmico, a se engajar em um movimento que não seja o movimento rotineiro, obrigatório, dirigido, desabusado e padrão, mas sim um movimento voluntarioso, um movimento que é eu mesmo me movimentando na medida de mim mesmo, da minha vontade, do meu prazer e, para parafrasear Nietzsche, da minha vontade de prazer. A cidade é, por conta da sua agitação, um território intenso, pródigo em muitas sensações. Pode se tornar ainda mais território de intensidade, desde que se resolva viver nele de maneira corpopoética, com o objetivo de enraizar uma relação com o ambiente que não seja passiva ou de espectador, mas ativa, criativa, com a ambição de gerar representações excitantes de nós ou dos outros. Nessa perspectiva, a grande indagação formula-se assim: como abordar a cidade para dela fazer um teatro de encarnação sensível, um palco onde seríamos instrumentalizados o mínimo possível, um palco para a existência que vale a pena, palco aonde o corpo, nada menos, vem representar a realização do desejo? Corpopoetizar a cidade A cidade corpopoética, portanto. Entender: a única que seja minha, meu próprio bem, capaz de possibilitar que aquela rua, aquela fachada 131

5 SOBRE DESEJOS E CIDADES que vejo brilhar ali, sob o sol, que esse batalhão de automóveis subindo o bulevar, acolá, sejam meus. Abro em mim um teatro, escreveu o pensador francês Georges Bataille, à guisa de incipit à caótica obra- -prima que é A suma ateológica, um monstro literário e filosófico, publicado nos anos O que Bataille quis dizer? Apenas que não há corpo possível sem representação. E que somos, definitivamente, seres de representação. Vamos admitir que o instinto exista. Fora os atos instintivos, regrados pela preocupação com a preservação da espécie, todo o restante do que fazemos é representação, até mesmo o mais banal dos nossos gestos: este é uma figuração de nós mesmos no mundo. Basta olhar para nós mesmos para que se torne um sinal construído, uma performance estética. Impossível escapar disso. Mas, primeiro, a corpopoética, em poucas palavras. Corpopoética : esse neologismo une dois termos, corpo e poética. A corpopoética tem a seguinte vocação: pensar a ação conjunta desses dois comportamentos invariantes da vida humana, de um lado, a representação obstinada, pelo homem, do próprio corpo ou do corpo de outrem; do outro lado, a atribuição de um significado superior a esse ato de representação do corpo bem como à figura a ele vinculada. A corpopoética trata do corpo humano visto como realidade (o corpo em si), figura (o corpo e a sua imagem), como elaboração (o corpo em si e em imagem como representação encarnada e vivenciada). No caso, o termo poética o substantivo deve mesmo ser entendido pelo seu significado original, helênico, de criação, como explicitamos acima. Se o corpo existe, existe por ser permanentemente formulado, criado e recriado, ao ritmo dos gestos, dos atos, pensamentos e representações que qualificam qualquer forma de vida não vegetativa. Se vivemos dentro e por nossos corpos, isso não é jamais sem nos vermos, sem convocar uma imagem corpórea, uma figu ra ção, para fins táticos: porque não podemos nos abstrair dessa representação, porque não existiríamos se não fôssemos, de concreto, imagens 132

6 A cidade corpopoética de nós mesmos ou de outrem. Desviemos do célebre, porém restritivo, Esse est percipi de Berkeley. Ser não é tanto ser percebido do que perceber-se através de si ou de outrem, quer esse si assuma uma figura realista ou imaginária, quer a sua percepção gere, em nós que as estamos percebendo, uma reação afetiva, fetichista, idealista, indicativa, iconoclasta, de rejeição ou indiferença. O corpo humano é, solidariamente, uma realidade biológica e a soma das suas representações, um conjunto formado pelas suas células e pelas figuras que ele dá de si mesmo e para si mesmo. Não há corpo carnal, material, que se possa imaginar e entender sem representação. Essa disposição necessária para a ação que é a representação não é de ordem meramente simbólica, no sentido em que a humanidade comunica pela linguagem, mas também através de sinais que formam uma linguagem. A representação de si, pelo ser humano, é uma exigência de ordem natural, está nos genes tanto quanto é produção de sinais: não podemos deixar de nos ver. As imagens, mentais como plásticas, que o ser humano forma dele próprio e dos seus semelhantes obedecem ao imperativo de se representar ou de representar um repertório de formas peculiares sob pena de não existir em conformidade com a natureza humana: enxergar-se é preciso. O cachorro, o gato, o hipopótamo, os paramécios não se desenham, não se retratam, não se representam. A diferença entre animalidade e humanidade, se ela existe, tem a ver com o uso das imagens. A percepção basta para o animal. Mas o ser humano percebe para representar. Toda a compreensão do mundo, por ele, se codifica num aparato de figuras meditadas cuja razão de aparecer reside no seu poder de reativação: a figura sempre é início de algo, uma incitação. Nesse teatro de jogos cruzados que dão ao olhar (sobre si, sobre outrem) uma relevância motora e dinâmica, portanto crucial, a corpopoética gera o equivalente a uma ontologia: qualifica o ser como ser, bem sabendo que é ser de representar o ser e de ser representado como tal. 133

7 SOBRE DESEJOS E CIDADES Contra o proibido Voltemos à cidade e ao que seria uma relação corpopoética com a mesma, isto é, uma relação na qual o nosso desejo, longe de ser proibido ou tolhido, seria, ao contrário, concretizado, satisfeito, sublimado? Como já dissemos acima depois de muitos outros, e lembro aqui os estudos de Georg Simmel desenvolvidos há um século, a cidade foi, por excelência, um espaço privilegiado de sensações. É inegável, nem que seja apenas em termos de espetáculo, de barulho ou de cheiro. Mas há um problema: a sensorialidade que a cidade exala e nos retorna com autoridade pode não agradar, e gerar desprazer, em vez de excitar o nosso prazer. Se tal for o caso, não desejamos mais a cidade, mas, pelo contrário, aspiramos a fugir dela, a nos ocultar dela, fazendo triunfar a prática chamada de escapismo, 1 de fuga sensível : esmeramo-nos para nos refugiarmos em casa, aspiramos ao sossego dos parques que nos cura do excesso de barulho urbano, pegamos o nosso carro e vamos para o interior onde, às vezes, podemos resolver morar definitivamente. Porque a cidade, nesse caso, não sacia mais os nossos desejos, mas os inibe. Desses desejos, ela veta a eclosão ou o livre desenvolvimento. Uma cidade, como se sabe, não é em nada um espaço de liberdade. É, em tudo, um espaço administrado, proprietarizado, parcialmente público, em que a maior parte dos elementos constitutivos é o bem de pessoas ou instituições que não são eu. O espaço público propriamente dito, via de regra, de público só tem o nome e, para o restante, se tornou uma ficção ou uma fantasia de cientista político. Tal praça é invadida pelos terraços dos bares, que a desfiguram. Faixas e placas de propaganda vêm corromper a minha visão do espaço urbano e perverter sua leitura ao sujeitá-lo ao império do comércio e do consumo. Tal proibição da circulação me impede de continuar o 1. Em inglês no texto. 134

8 A cidade corpopoética passeio como gostaria. O ordenamento municipal das ruas de pedestres aspira meus passos e me afasta, de fato, da tentação de ir para outra parte ver a realidade da cidade Com isso, para realizar o meu desejo, só restam duas soluções: seja me radicar numa cidade que me satisfaça no instante, mas que também vai se mostrar apta também a me satisfazer ao ritmo do devir de minha própria vida um desafio, no mínimo. Seja tomar ou levar as autoridades a tomarem decisões que vão no sentido do meu desejo, até pela violência se necessário. Há cinco anos os outdoors estão proibidos em São Paulo. Há quinze anos, o coletivo artístico Stalker organiza na cidade verdadeiras expedições, chamadas de franchissements (transposições), cuja prática consiste, na linha situacionista, em se deslocar a pé no território urbano, seguindo uma linha arbitrariamente traçada no mapa, avançando custe o que custar, nem que precise violar propriedades privadas. A atratividade urbana, um complexo Sem chegar àquela última extremidade, vamos assumir que possa existir, de maneira intrínseca, uma atratividade urbana e que esta, em si, possa se revelar de natureza a saciar nossos desejos de cidade : aqui, lindos parques para descansar, passear e levar o cachorrinho Bouli para brincar; lá, lindos shoppings para se perder nas lojas, na euforia das compras, essa nova religião da era pós-capi talista em que estamos vivendo e, ali ainda, esses lugares secretos, ocultos ao olhar de todos, onde podemos conspirar sem ser vigiados ou fazer amor. Coloquemos a pergunta sem rodeios, e vamos procu rar respondê-la também sem rodeios: quando é que uma cidade é realmente magnética? Sob que condições uma cidade atrai a nossa vontade de nela nos pousarmos, de passar um momento que presu mimos ser agradável e que venha saciar nossos desejos? Qualificar a atração urbana? Definir em que e por que uma cidade é atraente? Essas perguntas, nesse caso, obrigam a questionar 135

9 SOBRE DESEJOS E CIDADES o potencial de imantação da cidade, as suas estratégias de sedução. Lembremo-nos do título, compridíssimo, de uma fotomontagem do artista pop britânico David Hamilton, O que torna os nossos interiores tão intrigantes, tão simpáticos? E substituamos o universo interior e doméstico do qual fala Hamilton pela palavra cidades : O que torna as nossas cidades tão intrigantes, tão simpáticas? Nesse ponto, um lugar comum bem enraizado reza que a arquitetura desempenha o seu papel, isto é, quando tem qualidade e tem boa manutenção, seja ela patrimonial ou contemporânea: a bela arquitetura seria a própria garantia da influência urbana. Esse ponto de vista, embora amplamente acolhido, deve, no entanto, ser combatido. Pois é o inverso que prevalece a maior parte do tempo. La Havana, por exemplo, fascina: arquitetura de degradação. Tóquio também fascina: a arquitetura, no geral, é sem qualidade. Mas se for para Dubai, cidade limpinha, preenchida por imóveis tão novos quanto rutilantes, cidade programada para ser uma cidade de verdade com tudo o que é preciso para tanto, porém, hélas!, perfeitamente artificial, é exatamente o fenômeno inverso que ocorre: a cidade entedia. Que diagnóstico podemos fazer nesse particular? O que interessa, a maior parte do tempo, da cidade é o que é exter ( externo, mas também extremo, em latim), isto é, o que nela existe de fora do padrão, ao menos tanto quanto o que está integrado. Rua Sainte- -Catherine Ouest em Montreal: a própria banalidade, uma sequência de fachadas do século XIX, de tijolos e prédios modernistas ou neomodernistas, além de uma enfadonha atmosfera de compras. De repente irrompe nessa perspectiva banal, aberrante, um fragmento de terreno baldio, ao longo da calçada avenida. Por que esse vazio, e aqui, bem no meio de um lugar onde triunfa o cheio, onde o setor imobiliário, além de tudo, não deixaria por muito tempo o vazio urbano se desenvolver? A curiosidade é aguçada. 136

10 A cidade corpopoética Daí essa impressão: pode ser que gostemos, a maior parte do tempo, daquilo que atrapalha a representação homogênea da cidade. Que gostemos, contrariando as expectativas ou o projeto dos urbanistas, de tudo o que lembra algum heterogêneo: a lei do outro gene, o gene não urbano instilado no urbano o desgaste, a sujeira, a entropia, o espetacular, o dúbio, o nojento e o nauseante, o abandonado, até mesmo a obra em andamento. À pergunta: como tornar a cidade atraente? A resposta menos errada talvez seja a seguinte: é preciso, para tanto, enfatizar a parte do heterogêneo. Enfatizá-la se ela ainda não tiver, em vez de reproduzir o homogêneo globalizado, produzido pelo projeto modernista, que baniu das nossas cidades toda e qualquer excentricidade. Assim, vamos a Calcutá apenas para poder dizer, como Churchill: Calcutá? By Jove, é preciso ter ido lá uma vez e ter visto, para nunca mais voltar. Apenas para poder dizer, finalmente, aliviado, tampando o nariz: Estive lá, uma façanha, é forte, realmente horrível, sujo a um ponto... E isso, mesmo quando não veremos graça alguma em Cingapura, cidade impecável, onde, no centro, se pode dormir ou comer no chão, sem se sujar, mas onde fumar é proibido, onde o álcool é uma iguaria raríssima e onde os animais de estimação são convidados a ficar em casa. Uma cidade com a qual ninguém nunca sonhou. Cidade a-fantasística por excelência, a exemplo de Lausanne, Denver ou Vitré. Espetacularizações e sensações O que excita em Tóquio? A Electronic City e seus ares de lugar vitimado que canibaliza a propaganda, lugar submerso sob uma iluminação de ano novo, regrada pela propaganda e mais nada, o sinal da pior trivialidade mercantil, mas pouco importa. Como em Times Square, Nova Iorque. Os prédios? Não se veem mais, acabaram sumindo, debaixo da primeira e única camada visível da tela urbana, 137

11 SOBRE DESEJOS E CIDADES o estrato publicitário, parasitário como o diabo, e que se exibe por todos os cantos, consumido todo o espaço físico disponível. Power of the advertising o próprio avesso do homogêneo, aqui também. Por que vamos a Bamako? Porque lá, o próprio conceito de cidade é dissolvido, arruinado pela miséria, a superpopulação, a imperativa necessidade de conseguir moradia. Quando se fala em Bamako, a cidade verdadeira não existe mais apenas no casario, em estado de desestruturação geral, mas também à sua volta: cidade-sarjeta, cidade-cloaca, cidade-ruína. Isso tudo excita a cobiça das pessoas limpinhas que somos, nós, os ocidentais. Bamako, me suje, pedimos para essa cidade, como a amante implora ao amante: Me suje, me devaste! Ver esse lindíssimo, tão surpreendente quadro ao ar livre, que forma a sujeira que encobre a miserável fachada da estação de trens de Bamako: mais de um século de fuligem, uma negrura inimaginável, fascinante, que relega as telas negras de Ad Reinhardt ou de Pierre à categoria de pequenas escurezas pretensiosas. A gente pede mais. Na verdade, a principal oferta de homogeneidade urbana que, apesar de tudo, sabe agradar é o espetáculo. Isso explica porque todas as cidades querem o seu museu Guggenheim, no estilo de Gehry, como em Bilbao. Ou a mais alta torre residencial, como Dubai após Taipei, Taipei após Kuala Lumpur, Kuala Lumpur após Chicago e Chicago após Nova Iorque. Ou ainda, seu bairro da La Défense, a sua própria Manhattan, à imagem de Xangai-Pudong, no início deste início de século XXI, o La Défense elevado à potência dez: um bairro fascinante de se ver desde o Bund, desde os cais e do outro lado do rio, que corta a paisagem, com uma tórrida linha do horizonte; um bairro, ao contrário, insípido, quando visto de dentro, mas isso não tem mesmo qualquer importância. Pudong é feito, antes de tudo, para o espetáculo. Consequentemente, deve ser visto primeiro. E se torna irrelevante ele ser ocupado ou, mais ainda, vivenciado. 138

12 A cidade corpopoética A cidade atraente? Ousemos a seguinte proposição: para pensar (se não, é claro, para promover) a atratividade urbana, me lhor partir do contramodelo, o da cidade enfadonha. Muitas cidades moder nistas são enfadonhas: Brasília (o plano-piloto), as cidades reconstruídas (na Alemanha, por exemplo, Dortmund, Essen, Frankfurt até, embora cidade laboratório, da arquitetura neomodernista). Ora, quando uma cidade deixa de ser enfadonha? Quando arrebata a atenção ou a satura: as cidades museus, como Veneza, Paris, Rottenburgo am der Tauber, Pingyao, Carcassonna (a cidade-sinal). Quando autoriza a intriga: cidades italianas ramificadas onde vaguear, lilongs chineses onde perder-se (a cidade-aventura). Quando se pode seguir o rastro de fantasmas: em Paris, dormir no hotel onde Oscar Wilde deu o último suspiro, ou ainda fotografar o poste de luz onde presumivelmente Gérard de Nerval teria se enforcado; em Memphis Tennessee, errar em volta de Graceland, sua propriedade, para encontrar o espírito de Elvis Presley. Quando acanalha: cidade de México e a sua corrupção generalizada, La Havana e suas prostitutas de treze anos, Bangkok e seus locais de prazer (a cidade desviante, desobediente). Quando desanima: Beijing, definitivamente extensa demais; Tóquio, definitivamente incompreensível; Los Angeles, defi ni tivamente atomizada (a cidade-excesso); Romorantin ou Montluçon, definitivamente sem graça, tão desinteressantes que se pode pensar em explorações ou excursões em torno dos seguintes temas: Da insipidez urbana, ou ainda O qualquer urbano (veja a excursão a Romorantin, 139

13 SOBRE DESEJOS E CIDADES sobre esse tema ou quase isso, planejada pelos surrealistas, nos anos 1920) isso, neste último caso, sob a condição de que a sua existência não tenha sido pura e simplesmente esquecida (a cidade-nada). A cidade atraente, vamos defini-la, consequentemente, como aquele espaço polêmico cuja natureza excede a familiaridade, familiaridade esta, cedo ou tarde, enfadonha; como aquele espaço, para dizer de outro modo, que se constitui conforme um modelo resistente, que obstaculiza. Ou seja, a cidade não tolhida, a cidade indomada, que incomoda, desregrada, fora de gabarito, desesperadora até: o Cairo, impossível de se atravessar; Budapeste, nos tempos do comunismo, tornada irrespirável por conta da poluição dos automóveis; Praga antes da sua atual transformação em confeitaria austro-húngara, de um cinza desalentador, cidade dos sonhos para se dar um tiro na cabeça; Berlim Ocidental, ao longo do Muro, antes de 1989, e Berlim Oriental, na mesma época, cidade de concreto onde o capim crescia nas ruas, logo além da Alexanderplatz. O ponto de vista do grupo e do indivíduo Tornar concretamente as nossas cidades mais atraentes? Aqui, tudo depende de para quem se está falando e, sobretudo, para o prazer de quem do indivíduo ou do grupo? Considerando as aspirações ao prazer e ao desejo saciado do grupo, do coletivo, em um meio não conservador, vamos sustentar que se alcançará o objetivo, desenvolvendo inflexíveis políticas de decomposição urbana, constituindo em seu proveito uma barbárie própria no sentido etimológico de estrangeiro, nos Gregos, os bárbaros, isto é a produção de uma estranheza, de bizarrices, de absurdos. Os municípios em busca de atratividade, não resta dúvida, só teriam a ganhar ao acrescentar ao organograma da sua administração as BDU s Brigadas de Decomposição Urbana. Isso proposto, 140

14 A cidade corpopoética no entanto, colocando a seguinte pergunta, capaz de mergulhar Cândido em um abismo de perplexidade: a decomposição urbana, a barbárie, o heterogêneo que tanto nos excitam, por que sempre é melhor nos outros? E por que queremos que a nossa cidade, ao contrário, seja limpa, nem um pouco deses truturada e, sobretudo, sem estar entregue à desordem ou àquele caos que tanto nos eletriza nos outros e nos arrepia? Sim, pergunta Cândido, com toda a legitimidade, por que estamos dispostos a pagar a peso de ouro para nos exibir na faixa de Gaza, ou em Cité Soleil, a grande favela de Port-au- -Prince, no Haiti, só para ter o frisson do enfrentamento com a alteridade vivida como violência isso, quando mesmo nós, franceses e parisienses, por nada no mundo atravessaríamos a via expressa que circunda Paris para mergulhar nas periferias negras de Sarcelles ou no melting pot multiafricano de Bobigny e arredores? Mas se indagarmos agora qual é a melhor maneira de se promover o prazer urbano do indivíduo, já somos levados para um desafio bem diferente. Pressente-se: a cidade corpopoética de um não será necessariamente a cidade corpopoética de outro. Tal pessoa comum, por exemplo, vai desejar que a cidade esteja, o quanto antes, mergulhada numa angustiante escuridão, que te faz temer pela própria vida a todo o momento, muito excitante para os sentidos, enquanto outra pessoa comum, por sua vez, sonhará com rios de luz urbanos, com inundações de fótons, com queimaduras oculares causadas pelo excesso de iluminação, com o Strip de Las Vegas na cabeça. O desejo desse outro, ainda, será de ver surgir, na rua, uma palmeira transportada num carro, e o daquele outro será de surpreender dançarinos pulando de elástico, de cima das pontes. A relatividade, nesse caso, atinge necessariamente o seu auge. Porque cada um de nós tem a própria sensação da cidade, porque cada um de nós espera da cidade algo especial, muito provavelmente dissonante em relação à estética adquirida. 141

15 SOBRE DESEJOS E CIDADES A cidade corpopoética e o urbanismo Em matéria de concretização dos nossos desejos em termos de vida e espetáculos urbanos, a atitude corpopoética só pode ser proteiforme: cada um com a sua, em suma. Tal diagnóstico, por mais óbvio que seja, não deixa de ser problemático. Pois a cidade, uma vez encarada em termos de corpopoética, tem todas as chances de ser sempre imperfeita, inadequada para a configuração que cada um pode esperar pelo próprio prazer, tem todas as chances de se tornar um fracasso. A aspiração individual, no caso, se torna o pesadelo dos urbanistas. De fato, qualquer coisa que estes tentem, para projetar e realizar uma cidade capaz de saciar todos os desejos de urbanidade de seus moradores, sempre errará o alvo, sempre acertará ao lado do desejo pessoal. Será está uma notícia tão ruim assim? Não tenho certeza. Se tirarem a lição deste ensinamento, restará aos urbanistas apenas projetar minimamente as nossas cidades, atendo-se ao mínimo de obrigações: permitir-nos de morar, circular, cuidar da nossa saúde e educar-nos, trabalhar, consumir. O resto, de certo, não lhes diz respeito. O resto? O belo ordenamento, a teatralidade, o simbólico, dos quais cada um fará o que bem entender, na medida do seu imagi nário e em função da sua capacidade gestual a influenciar a cidade como ela é. A cidade corpopoética: o túmulo do urbanismo sofisticado, na perspectiva desse advento, uma urbanidade autenticamente democrática. 142

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Imagens Mentais Por Alexandre Afonso

Imagens Mentais Por Alexandre Afonso 2 Imagens Mentais Por Alexandre Afonso 1ª Edição, 08/04/2016 As novas edições serão sempre disponibilizadas no link: http://alexandreafonso.com.br/e book imagens mentais 2016 alexandreafonso.com.br. Todos

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

ADVOCACIA CRIATIVA. Hotel Laghetto Viverone Moinhos Porto Alegre, 06 de Novembro de 2015 Leonardo Barém Leite

ADVOCACIA CRIATIVA. Hotel Laghetto Viverone Moinhos Porto Alegre, 06 de Novembro de 2015 Leonardo Barém Leite X CONGREJUR (2015) ADVOCACIA CRIATIVA Hotel Laghetto Viverone Moinhos Porto Alegre, 06 de Novembro de 2015 Leonardo Barém Leite Advocacia criativa de uma forma geral e global... Como posso ajudar mais

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? FACULDADE: PÇL - NÚCLEO DE ARTE E TECNOLOGIA

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net Guia do Mochileiro O Guia do Mochileiro foi totalmente desenvolvido por mim. Os direitos autorais dele pertem exclusivamente ao LPTS, sendo proibida cópia parcial ou integral do texto e das fotos. Os Sims

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO A Sra Mary Kay já dizia: nada acontece enquanto você não vende alguma coisa. Se você está

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Triângulo Tático de. Resultados. Análise. Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas)

Triângulo Tático de. Resultados. Análise. Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas) Triângulo Tático de Resultados Análise Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas) Análise A Base de Tudo Análise Tráfego Motor Análise Conversão Combustível

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

A Internet Possibilita Que Todos Os Níveis De Empresas Possam Faturar Mais. Principalmente as Menores.

A Internet Possibilita Que Todos Os Níveis De Empresas Possam Faturar Mais. Principalmente as Menores. 1 A internet é um mundo de oportunidades de vendas. Porém, muitas empresas de pequeno e médio porte não se deram conta disso ainda. Eu vejo tantos empresários perderem essas oportunidades por apenas olhar

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

7 PASSOS PARA RESERVAR O HOTEL PERFEITO

7 PASSOS PARA RESERVAR O HOTEL PERFEITO Olá! Queremos deixar aqui o nosso MUITO OBRIGADO! Sim, porque se você está com este e-book em mãos é porque se cadastrou na nossa newsletter e para nós o seu interesse no nosso trabalho é a melhor motivação

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece.

Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece. Bem-vindo ao Horizontes, no plural, como tudo o que a sua vida merece. A EKO traz para Arujá um conceito inédito que une o conforto de uma casa às comodidades e à segurança de um apartamento, principalmente

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa 10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa Cães são uma fonte constante de amor e diversão, mas, além disso, nos ensinam algumas das maiores lições de nossas vidas Debbie Gisonni, do Cachorro:

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele.

Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele. Jesus subiu ao monte, e chamou para ele aqueles que ele quis. E vieram a ele. Então escolheu doze homens para estarem com ele e serem enviados para anunciar a mensagem da salvação Marcos 3:13-14. A expressão

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Empresário. Você curte moda? Gosta de cozinhar? Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço.

Empresário. Você curte moda? Gosta de cozinhar? Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço. Empresário Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço. Sophie Kinsella, Jornalista Econômica e autora Você curte moda? Gosta de cozinhar? Ou talvez apenas goste de animais?

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki

Dicas. para Sair. das Dívidas DEFINITIVAMENTE. Elton Parente. Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki 10 Dicas para Sair DEFINITIVAMENTE das Dívidas Com Estratégias de Kim e Robert Kyosaki Elton Parente Lições de Kim e Robert Kyosaki sobre Como Sair das Dívidas A seguir estão os 10 passos que Kim e Robert

Leia mais

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas.

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas. AULA 1-) SABER QUERER Olá, amigos! Meu nome é Kau Mascarenhas e sou um arquiteto de gente. Sim, tenho formação acadêmica em Arquitetura mas atualmente trabalho como consultor e conferencista em Desenvolvimento

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança.

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança. Inventário de Inteligências Múltiplas para Adultos por Thomas Armstrong Escreva 2 no quadro em destaque, se a afirmativa se aplica muito a você; 1, se se aplica mais ou menos a você; e, 0, se de modo nenhum

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

Como ganhar dinheiro online no Youtube: Um guia sem frescuras. Duas formas básicas de ganhar dinheiro com Youtube

Como ganhar dinheiro online no Youtube: Um guia sem frescuras. Duas formas básicas de ganhar dinheiro com Youtube Como ganhar dinheiro online no Youtube: Um guia sem frescuras Se você está procurando por maneiras de ganhar dinheiro online, o Youtube por ser uma verdadeira mina de ouro. Apesar de muitos acharem que

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

11 Resultados obtidos: discussões

11 Resultados obtidos: discussões 11 Resultados obtidos: discussões Através da tabulação dos dados, foi possível constatar que os participantes não prestaram atenção no banner, pelo fato de estarem navegando de acordo com um interesse

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web

SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web SEU SITE FUNCIONA? Teste rápido de Usabilidade e Comunicação Web Não é mais segredo para ninguém: ter um site de sua empresa na Web já se tornou obrigatório. Mas ter um site não basta. Este site deve agregar

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada. Olá pessoal! Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada. Fiquei muito feliz com o respaldo que essa questão teve. Virou até tópico do Fórum Concurseiros. http://www.forumconcurseiros.com/forum/showthread.php?t=274909

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

serendipity (serendipismo) que significa fazer, acidentalmente, descobertas felizes e inesperadas. É

serendipity (serendipismo) que significa fazer, acidentalmente, descobertas felizes e inesperadas. É Introdução Londres, com uma população de mais de 8 milhões de habitantes, é uma das maiores cidades da Europa. E como as grandes cidades com história milenar, embora tenha se desenvolvido muito no decorrer

Leia mais

[TUTORIAL] Como Fazer Remarketing no Facebook Como um Profissional

[TUTORIAL] Como Fazer Remarketing no Facebook Como um Profissional [TUTORIAL] Como Fazer Remarketing no Facebook Como um Profissional 2 de dezembro de 2015 Felipe Moreira Remarketing, Tutoriais 1 Comentário Não importa quão bem feito o seu site é, o fato é que mais de

Leia mais

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária A arte da apresentação oral de trabalhos científicos Como se comportar durante a apresentação de um pôster em um evento científico? Fobia Social ou Timidez??? (Medo excessivo contato ou exposição social)

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

Coisas de pais. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática. texto 1. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho.

Coisas de pais. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática. texto 1. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho. Você pode utilizar o verso de todas as folhas e a última página como rascunho. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática texto 1 Coisas de pais Eu estudava em um colégio bom, ele tinha uma ótima localização.

Leia mais

TRIBO? "O QUE UNE AS PESSOAS DE UMA TRIBO É O COMPROMISSO COMUM COM A ATIVIDADE QUE NASCERAM PARA FAZER."

TRIBO? O QUE UNE AS PESSOAS DE UMA TRIBO É O COMPROMISSO COMUM COM A ATIVIDADE QUE NASCERAM PARA FAZER. TRIBO? "O QUE UNE AS PESSOAS DE UMA TRIBO É O COMPROMISSO COMUM COM A ATIVIDADE QUE NASCERAM PARA FAZER." CONCEITO : No QUAL É A SUA TRIBO? podemos ser quem desejamos, praticar novos esportes e atividades

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais