ANAIS V FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS V FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2006 2007"

Transcrição

1 62 ISSN ANAIS V FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, FERNANDO DE SZYSZLO: O POETA DA FORMA HABITADA A vertente andina do pensamento surrealista latino americano José Carlos Cifuentes Resumo: Este artigo é uma contribuição ao estudo da vertente andina da arte latinoamericana, através da obra e do pensamento do pintor peruano Fernando de Szyszlo, pensamento que reflete a mestiçagem entre o surrealismo e a cultura andina précolombiana. Também é discutida a interpretação do escritor Mario Vargas Llosa sobre a obra deste artista. Palavras chave: Arte latino americana; Pensamento surrealista; Cultura pré colombiana. PANORAMA HISTÓRICO CULTURAL Fernando de Szyszlo Valdelomar é um dos grandes pintores latinoamericanos e, com certeza, o maior dentre os peruanos, da segunda metade do século XX. Szyszlo nasceu em Lima em 1925 de pai polonês e mãe peruana, sendo a sua mãe irmã do célebre escritor peruano, e também desenhista, Abraham Valdelomar ( ). Estas notas pretendem esboçar o itinerário e a relevância da obra de Szyszlo no panorama da arte e da cultura latino americanas, enfatizando os aspectos que a distinguem na que denominamos vertente andina, vertente que, como veremos, passa por Nova Iorque, México e Peru. Szyszlo iniciou se nas artes visuais em 1943 quando, abandonando o curso de arquitetura que tinha iniciado, inscreveu se na Academia de Artes do pintor e vitralista austríaco Adolfo Winternitz ( ). Winternitz, um quadrado perfeito Professor no Departamento de Matemática e no Programa de Pós graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná.

2 63 como o é Szyszlo neste ano de 2006, nasceu em Viena e radicou no Peru desde 1939 até a sua morte. No ano da sua chegada, fundou a Academia de Artes sob os auspícios da PUC de Lima. De Winternitz, Szyszlo, num trecho de seu livro intitulado Miradas Furtivas, ressalta o labor pedagógico de seu mestre, no qual são inseparáveis sua própria obra da obra realizada através dos outros, com uma vontade de trabalho coletivo. 1 Além disso, numa entrevista concedida a Ana Maria Escallón, em Bogotá em 1991, manifesta que o bom era a oficina de pintura, porque o professor Adolfo Winternitz era uma pessoa sensível. Ele acreditava que a pintura não era um ensino técnico senão uma educação espiritual, uma conduta. 2 Nessa época, os chamados indigenistas dominavam o cenário da pintura no país, liderados por José Sabogal, Diretor da Escola Nacional de Belas Artes do Peru, de 1932 a Só alguns poucos artistas resistiam a essa tendência, dentre eles Ricardo Grau, que tinha sido discípulo de André Lhote em Paris e havia voltado da Europa em 1937, trazendo uma bagagem de idéias e técnicas sobre pintura na melhor tradição do que hoje se conhece como a Escola de Paris, e Sérvulo Gutiérrez, que voltara a Lima em 1945, depois de ter trabalhado com Pettoruti em Buenos Aires. Segundo Szyszlo, o indigenismo de Sabogal e outros, identificava a pintura peruana com os temas peruanos. Achava se que para fazer pintura peruana havia que se pintar temas peruanos, rostos indígenas, paisagens andinas, quando se pode fazer um sem o outro. Porém, para ele, o indigenismo teve um lado importantíssimo: reconhecer o outro Peru, o Peru dos Andes. O indigenismo era também defendido, por meio da literatura e da crítica, por José Carlos Mariátegui, teórico do marxismo. Mariátegui criou a revista Amauta, de corte marxista, na qual defende e estimula um indigenismo socialista. Antes dele, Valdelomar criou Colónida, revista literária mensal (aparecida em 1916 em só quatro números), nome que significava a ambição da descoberta de uma nova literatura. Mariátegui qualifica a revista, que era aberta para a literatura francesa, como um processo pré modernista, ou adotando as palavras de Juan Ramón Jiménez, um movimento de entusiasmo para a liberdade e a beleza. Esse ímpeto de liberdade e beleza prenunciava o espírito do surrealismo que permeará posteriormente a literatura e a arte latino americanas. 1 SZYSZLO, Fernando de. Miradas Furtivas. México: Fondo de Cultura Económica, p SZYSZLO, Op. cit., p. 270.

3 64 O início do surrealismo na Europa situa se entre 1922 e Em julho de 1925, Mariátegui assinalava a existência do surrealismo na revista Variedades. Para ele, o movimento surrealista não era apenas um movimento literário ou artístico, senão um complexo fenômeno espiritual. Na poesia e na literatura peruanas, destacavam se, na década de 1930, César Moro e Emilio Adolfo Westphalen de tendências surrealistas. César Moro, retornou a Lima, de Paris, em 1933 e constituiu se num divulgador do surrealismo. Pintor, nascido em Lima em 1903, pode ser considerado, assim como André Breton em Paris, cabeça do núcleo surrealista de Lima. Organizou em 1935 a primeira exposição surrealista internacional da América Latina, em Lima, com obras dele próprio e de outros artistas. O catálogo incluiu também poemas de Paul Éluard, Moro e Westphalen, dentre outros. A dupla Moro Westphalen publicou em Lima, em dezembro de 1939, o único número de El Uso de la Palabra, revista de poesia e crítica de caráter surrealista. Em 1949, Szyszlo viajou a Paris e conheceu Octávio Paz, que lhe apresentou vários dos integrantes do grupo surrealista dessa cidade. Conheceu, também, Roberto Matta, Rufino Tamayo, Wifredo Lam e outros latino americanos como Marta Traba, colaboradora, nesse então, de Octávio Paz. Como veremos, o pensamento surrealista ajudaria Szyszlo a encontrar o seu caminho na arte latino americana. Voltou a Lima em O latino americanismo de Szyszlo, foi originado na sua relação com Octávio Paz em Paris. Ele, fazendo suas as palavras de Paz, escreve: minha aprendizagem foi também uma desaprendizagem [...] dei me conta de que a modernidade não é a novidade e que, para ser realmente moderno, tinha que retornar ao começo do começo. 3 E ainda, É nas nossas profundezas onde nos tornamos contemporâneos. 4 Em outro texto, manifesta: o pintor mexicano Rufino Tamayo junto a Roberto Matta, do Chile, e a Wifredo Lam, de Cuba, tem produzido não somente obras mestras na sua qualidade individual, senão que tem nos mostrado o caminho e a maneira de encarar o fato de sermos latino americanos. 5 Szyszlo realizou a sua primeira exposição em Lima em 1947, no Instituto Cultural Peruano Norteamericano. Essa primeira exposição, como ele mesmo 3 SZYSZLO, Op. cit., p Fernando de Szyszlo: El Homicidio de un Sueño. Entrevista a Gonzalo Márquez Cristo e Amparo Osório. Agulha, Revista de Cultura, n. 42, dez BALBI, Mariela. Szyszlo: Travesia. Lima: Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas, p. 70.

4 65 afirma, mostrava uma obra com certa influência cubista porém moderna porque não tinha nada a ver com a natureza. 6 Noutra oportunidade ele diz: nesse então, eu me sentia um cubista muito próximo dele [Pettoruti]. Muitos dos quadros que fiz nessa época eram pettorutistas. Depois, em 1948, numa revista mexicana El Hijo Pródigo, encontrei Rufino Tamayo. Aí descobri outras coisas e me dei conta da importância da arte pré colombiana. 7 No ano de 1948, antes de viajar [a Paris], fazia a experiência de integrar arte pré colombiana, os tecidos de Chancay, com a minha pintura. Em Paris vivi o deslumbramento por uma nova pintura, aprendi a falar na nova linguagem da nova pintura abstrata que havia lá, isso que chamam de abstração lírica, o contrário da geométrica, aonde tinha ido a abstração em geral. [...] Até que fui a Washington no ano de 1958, realmente não concretizei o pré colombiano. 8 Dentre o grande número de exposições que Szyszlo realizou ao longo dos anos, cabe destacar: a primeira exposição realizada nos Estados Unidos, a convite de José Gómez Sicre, na Sala da União Panamericana em 1953; a primeira exposição realizada na Colômbia, no Museu de Arte Moderna de Bogotá, a convite de Marta Traba em 1964; a exposição no MAM de São Paulo e participação na IV Bienal em 1957, recebendo Menção Honrosa; a participação, como membro de uma delegação do Peru, na VI Bienal de São Paulo em 1961; e a Sala Especial na XIII Bienal de São Paulo em A participação de uma delegação do Peru na VI Bienal de São Paulo, deve ser considerada um intento de mudar a imagem do país no exterior como um país costumbrista e indigenista, e mostrar o seu modernismo emergente. Nas palavras de Juan Manuel Ugarte Eléspuru, o comissário da delegação e, nesse momento, Diretor da Escola Nacional de Belas Artes do Peru: O que se conhece da pintura peruana, no exterior, é uma imagem pitoresca e costumbrista de cunho folclórico e narrativo. Esta foi a posição das gerações de pintores peruanos até o ano de A partir dessa época, produziu se no Peru um movimento renovador que pretende expressar sua vontade de ser, por meio de manifestações essenciais das quais se 6 Revista Metrópoli, Lima, dez SZYSZLO, Op. cit., p BALBI, Op. cit., p. 58.

5 66 exclui o aparente costumbrismo para, em troca, buscar a voz íntima de nossa consciência nacional, expressando nos com termos e vocabulário de uma linguagem plástica que, por ser universal, encerra o profundamente humano e genérico, expresso nos sinais e formas de nossa circunstância particular de homens deste tempo, deste continente e desta localidade geográfica. 9 Szyszlo, além de pintor, também é escultor e gravador. Para ele, na gravura o que importa é o contraste entre luz e sombra, não a cor, tendo, inclusive na pintura, preferência pelos pintores do contraste, da penumbra, acima dos da cor. Para ele, na pintura moderna, todo o cubismo com Picasso e Braque privilegia o contraste de luz e sombra, enquanto que no expressionismo há uma preferência pela cor. Na pintura norte americana, em De Kooning e em Rothko parte se do contraste entre luz e sombra, enquanto que Motherwell parte do contraste da cor 10. SZYSZLO E O PENSAMENTO SURREALISTA Deixemos, primeiro, falar o próprio Szyszlo: nunca fui um pintor surrealista, porém, o pensamento surrealista ajudou me de forma definitiva a vislumbrar meu próprio caminho e ainda em Lima, anos antes de vir a Paris no final da década dos quarenta, o pensamento surrealista era a explicação que eu sentia mais próxima da minha maneira de ver a arte. 11 David Sylvester, no Catálogo da exposição Dada and Surrealism Reviewed, afirma que: o Dada e o Surrealismo não foram movimentos artísticos; não foram sequer movimentos literários com discípulos. São religiões com uma visão do mundo, um código de conduta, um ódio pelo materialismo, um ideal do homem do futuro. 12 O pensamento surrealista em Szyszlo é produto do seu convívio, ainda em Lima, com a cultura política e literária dos anos quarenta. Ele não concluiu o curso 9 UGARTE ELESPURU, Manuel. Apresentação. In: O Peru na VI Bienal de São Paulo. Lima: Escola de Belas Artes do Peru, Fernando de Szyszlo: Um Mundo de Luz e Sombra. Entrevista no El Dominical, semanário do jornal El Comêrcio, Lima, 24 ago SZYSZLO, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p. 40.

6 67 de artes da PUC, porém, participou de vários movimentos com outros artistas e escritores. Ele próprio participou com artigos na revista Las Moradas editada por Westphalen (apenas saíram oito números de 1947 a 1949), revista que tinha predileção pelo surrealismo. Uma das únicas vezes que Szyszlo fala de arquitetura no seu livro, além da fundação, em 1947, da Agrupação Espaço, grupo de arquitetos e outros artistas que visam introduzir a arquitetura moderna no Peru e sua integração com outras artes visuais, é para contar da morte do arquiteto e escultor Frederick Kiesler, autor de Casa sem fim, a quem qualifica de arquiteto surrealista. 13 A ele talvez deve se sua concepção de formas habitáveis, que mencionaremos várias vezes neste texto, e que é fundamental na compreensão de sua arte: A exposição no Museu Guggenheim [... Kiesler] a chamou de escultura ambiental (Environmental sculpture) e sem dúvida o era, pois não se encontrava o espectador confrontado com uma forma no espaço, senão que, ao igual que em sua arquitetura, intentava e conseguia que a gente se sentisse não olhando uma obra desde o exterior senão habitando a. 14 Seria impossível explicar a evolução da obra de Kiesler se não se tem em conta seu antigo interesse e associação com o movimento surrealista, pois [...] como escultor, trabalha por alcançar formas significativas e substituir a submissão à realidade pela criação de uma realidade superior, como queriam os surrealistas. 15 Uma das características marcantes da personalidade de Szyszlo é apontada por Élida Román, argentina mas radicada no Peru, uma de suas maiores críticas: Existe na obra deste artista uma constante irrebatível: sua vocação pelo sagrado e misterioso, seu adentrar se na impossibilidade de um conhecimento que lhe dê respostas, sua ambição por superar essa temporalidade inexorável que leva a um nada do qual não se pode fugir. Agnóstico declarado, às vezes. Pode se crer que habita nele a nostalgia por uma fé sequer perdida, nunca encontrada SZYSZLO, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p ROMÁN, Élida. Fernando de Szyszlo: Literatura e Imagem. In: La Casa de Cartón, n. 8, 1996, p. 36, 38.

7 68 A sua própria definição de pintura expressa esse sentimento: creio que [a pintura] é o encontro visível do sagrado com a matéria. 17 No pensamento surrealista, diz Szyszlo, há uma realidade outra, a realidade acima da realidade. É um mundo que alguma vez Breton descreveu como o sagrado laico, o sagrado que não tem religião. Manifesta se na arte, no amor. É um pensamento muito afim a mim. 18 O surrealismo é para Szyszlo, pelo menos no início de sua carreira, um fundamento, uma visão de mundo, mas não constitui a linguagem de sua pintura. O surrealismo é uma metalinguagem. O abstracionismo que progressivamente o vai ganhando para si, quiçá pelo impulso surgido do forte interesse pelo surrealismo e sua proposta como alternativa humana. 19 Szyszlo revela que os pintores que o influenciaram plasticamente em Paris foram Klee e Miró e, do ponto de vista técnico, os venezianos. Miró [influenciou me] por esse mundo primitivo, um pouco vinculado aos tecidos Chancay que tanto me interessavam, e Klee também, ele era um admirador da arte peruana précolombiana. 20 O SURREALISMO E O ESPÍRITO PRÉ COLOMBIANO Apesar do dito na seção anterior, que Szyszlo não é um pintor surrealista, há um certo surrealismo interior à obra de Szyszlo que devemos esclarecer, um surrealismo que incorpora o vocabulário de abstração lírica que manifesta com antecedência. Esse surrealismo só é possível com a junção do pré colombiano nas suas obras. Um hálito de sombra e vento é sugerido por pinceladas fortes e rudes. Aparecem já as formas que dificultam essa categorização rotunda de abstração, se é que tal termo é válido quando aceitamos que o imaginário também é real. 21 Daniel Lefort, no seu artigo Surrealismo no Peru 22 afirma: não se pode, porém, ignorar que é à própria natureza do país e à sua herança pré colombiana 17 Fernando de Szyszlo: El Homicidio, Op. cit. 18 BALBI, Op. cit., p BALBI, Op. cit., p.? 20 BALBI, Op. cit., p. 65. Ver obras p ROMÁN, Op. cit., p LEFORT, Daniel. Surrealismo no Peru. In: R. PONGE (Org.). Surrealismo e Novo Mundo Porto Alegre: Ed. UFRGS, p. 261.

8 69 que se deve a significação particular do surrealismo no Peru. E acrescenta: é a unidade desse mundo desaparecido [o pré colombiano], mas ainda localizável, que faz das paisagens do Peru um lugar surrealista por excelência. 23 César Moro já reconhecia isso na sua poesia. O pré colombiano surge de uma interioridade que permeia a cultura do povo do Peru. Só quem tem a vivência dessa alma cultural pode traduzir isso na arte. Talvez Szyszlo o manifeste nas seguintes palavras: não há diferença alguma entre a pintura abstrata e a figurativa, o que tratam de comunicar é o mesmo, isto é, transmitir do nosso inconsciente coisas que são profundas e que por isso são válidas para outros. 24 Aí expressa que há de se fazer sangue as raízes culturais. A famosa frase Eu sou eu e as minhas circunstâncias, de Ortega y Gasset, Szyszlo sempre a repete, e é quiçá uma explicação do fato de ele ter ciência da importância de um pintor não se afastar de seu lugar de origem. 25 Há um ponto de confluência entre o surrealismo e a própria cultura andina, no poema quéchua anônimo do século XVII Elegia a la muerte del Inca Atahualpa, traduzido por José Maria Arguedas e que motivou uma série de Szyszlo: Que arcoíris é esse negro arco íris que hoje se põe em pé. 26 Também é recorrente na obra de Szyszlo o Sol Negro, expressão de um surrealismo máximo tanto na pintura quanto na escultura. 27 O sol é também um símbolo incaico. Com certeza, Szyszlo toma de Breton a preferência pelo negro quando Breton diz: Osíris é um deus negro, o negro intimamente ligado à escuridão, onde acontece o amor. 28 O quadro com o que eu sonho é um quadro misterioso. Então, o mistério você o associa com a escuridão porque dá pé a imaginar coisas que não estão definidas e que, no entanto, falam. 29 Segundo Daniel Lefort, Em 1952, André Breton repreendia a crítica por não ter sabido apontar a correia de transmissão entre simbolismo e surrealismo. 30 Szyszlo talvez representa essa passagem do simbolismo ao surrealismo como sugeria André Breton. Ele usa símbolos, sombras, para sugerir fragmentos de figuras. 23 LEFORT, Op. cit., p Revista Metrópoli, Lima, dez Fernando de Szyszlo: Um Mundo..., Op. cit. 26 Ver obra Arco Íris Negro em: BALBI, Op. cit., p Ver obra Sol Negro em: BALBI, Op. cit., p. 6 e SZYSZLO, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p. 36.

9 70 Para Szyszlo, a arte primitiva é uma forma habitada [...] essa forma habitada é fundamental. Não é gratuita, tem um conteúdo, ela significa, não simboliza senão que ela mesma é um significado. 31 O próprio Szyszlo faz uma defesa do surrealismo na América Latina nos seguintes termos: É inegável que o pensamento surrealista fez uma contribuição capital à maneira grave como alguns temos olhado a arte no transcurso deste século. Foram sem dúvida nenhuma os surrealistas que defenderam a poesia contra todas as tendências pseudo científicas que pretenderam ignorá la e foram eles finalmente os que retomaram a mais antiga ambição da poesia grega que era ser a memória imortal. A criação artística era para os antigos gregos a droga mágica, o pharmakon contra a morte, contra o esquecimento. [...] Acredito que essa maneira de olhar a arte encontrou e encontra um terreno fértil na América Latina. Nestas regiões, onde os demônios alados da arte de Paracas, as máscaras de pedra verde astecas, as pirâmides maias vermelhas dos últimos sacrifícios passando pelos poemas de César Moro, de Octávio Paz, de Enrique Molina e de Emílio Westphalen, sem esquecer nem César Vallejo nem Pablo Neruda, até chegar às imagens agressivas de Rufino Tamayo, ceremoniais em Wifredo Lam ou metafísicas em Roberto Matta. Acredito que quando se faça um reconto desapaixonado da arte surrealista e sua irradiação e influência, comprovar se á até que ponto foi importante a contribuição dos artistas de América Latina. 32 Sua preferência pela poesia, associada à arte, é evidente. Citando Benjamin Péret diz: o homem das idades antigas não sabe pensar senão no modo poético. 33 E continua: é na pintura que a poesia parece ter descoberto seu campo de influência mais vasto ( a poesia é o único que me produz inveja 34 ). 30 LEFORT, Op. cit., p BALBI, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p Fernando de Szyszlo: El Homicidio, Op. cit.

10 71 A VERTENTE ANDINA DA ARTE LATINO AMERICANA Sobre a vertente andina da arte latino americana, Szyszlo manifesta o seguinte: 35 Para o artista latino americano, a noção de que nestas regiões, antes da chegada da cultura ocidental, produzíamos sem esforço mais ainda, sem intenção de fazê lo uma arte autônoma, válida, fruto de uma visão própria do cosmos, visão não contaminada pelo pensamento e a filosofia que veio da Europa, é uma noção perturbadora. [...] Especialmente se o artista vem da parte andina de América Latina, onde a presença das culturas pré colombianas deixa se sentir de uma maneira inegável na sua formação espiritual. [...] Nos anos vinte do nosso século, e a raiz do desenvolvimento da pintura muralista mexicana, em todo o continente se produz um despertar do interesse dos artistas pela sua própria circunstância histórica, política e social, por suas tradições e em definitiva pela sua identidade. [...] Durante umas décadas, as artes de América Latina estiveram divididas entre duas posições, entre dois pólos de atração que estavam representados pela pintura mexicana de um lado e a pintura do Rio de La Plata que compreende a produção do que se fazia em Buenos Aires e o que vinha de Montevidéu. E acrescenta: 36 Creio que as duas grandes vertentes da arte latino americana são, por um lado, os países da costa do Pacífico, percorridos pelos Andes, desde Chile até México, que tiveram cultura précolombiana. E, por outro lado, estão os países do lado do Atlântico, sem passado pré colombiano e que têm se desenvolvido unicamente a partir da arte ocidental. [...] Os dois pólos da arte latino americana dos anos 30 eram Buenos Aires e México. Em México havia uma afirmação do próprio e um desprezo, uma negação, do que vinha de fora. Argentina era todo o contrário, queriam ser ocidentais cento por cento. [...] Houve, também, os que pensávamos que a arte ocidental, muito bem, porém com raízes próprias, mostrando as circunstâncias das que nasce. Nisso é muito importante a obra de Tamayo e Lam. 35 BALBI, Op. cit., p BALBI, Op. cit., p

11 72 Finalizaremos esta seção salientando que já o nosso artista propõe reparar na pintura dita colonial como um antecedente desse espírito sincrético que caracteriza a arte latino americano do século XX. É muito importante a denominada pintura cusquenha pois apesar de ser colonial é sincrética, incorpora a nossa tradição. Nisso torna se autônoma. Referindo se à pintura colonial, Szyszlo diz: os peruanos [durante a Colônia], ainda sob o domínio espanhol, ainda obrigados a copiar quadros europeus, fizeram uma pintura própria. No entanto, com a República a pintura torna se colonial. [...] Quando você vê um quadro da escola cusquenha você se apercebe de que a tradição que temos é tão tremenda que levantar nos até alcançar esses níveis vai ser duro. E ao mesmo tempo, essa tradição nos esmaga [...] ela te diz: você tem de fazer uma coisa tão formosa e autônoma como essa. 37 Para Szyszlo, a arte latino americana, não somente na pintura senão também na arquitetura, nasce no período chamado de colonial, mas esse adjetivo colonial é só aplicável aos aspectos políticos do período e não aos artísticos, onde há uma fusão entre o trazido da Europa e o propriamente autóctone: a realidade é que a pintura que se produz na Colônia, especialmente no Cuzco, é uma pintura em que se o tema, a composição e as técnicas tinham sido importados, o artista nativo deixa nesses quadros uma marca tão profunda que os transforma em obras de arte originais; nelas percebe se uma diferente noção do espaço, mais próxima da arte précolombiana pela maneira tão radical em que o autor evita a sugestão da terceira dimensão e organiza o quadro numa forma mais próxima da tapeçaria pré colombiana do que do óleo renascentista do qual supostamente provinha. 38 O estudo da influência do surrealismo na vertente andina da arte latinoamericana ainda está para ser feito. Frederico Morais manifesta essa preocupação no seguinte trecho: contudo, ainda não se estudou mais profundamente a influência que exerceram na escola novaiorquina a pintura de Wifredo Lam e Matta, fruto de uma operação triangular: América Latina Europa Estados Unidos. A eclosão da 37 BALBI, Op. cit., p SZYSZLO, Op. cit., p

12 73 segunda guerra mundial, na Europa, provocou a dispersão do grupo surrealista. 39 O próprio Szyszlo é uma fonte nesse estudo, pois ele viveu os momentos chaves nessa trajetória. Por exemplo, ele conta: Jackson Pollock era aluno de Siqueiros quando este dava aulas em Nova York. Lhe ensinou a Pollock a usar o duco e a salpicar. O primeiro que borrifa um quadro, como o faz Pollock, é Siqueiros. Todos os grandes da pintura norte americana, De Kooning, Rothko, Gorki, quando começam são admiradores de Matta. A presença do grupo surrealista e de Matta em Nova York é definitiva para a revelação que tiveram estes pintores e, no entanto, eles têm mais reconhecimento que Matta ou Lam. Também há uma presença importante da pintura de Torres García na obra de Gottlieb, por exemplo. 40 MARIO VARGAS LLOSA E A POÉTICA DE SZYSZLO Um dos grandes teóricos do trabalho artístico de Szyszlo, e grande amigo dele, é o escritor peruano Mario Vargas Llosa, ele próprio um fenômeno da literatura latino americana. Vargas Llosa não é apenas um crítico de sua obra, ele é um teorizador do espírito latino americano encarnado na obra de Szyszlo. Para ele, a América Latina é uma multidão de tradições, mentalidades e linguagens: o précolombiano, o europeu, o africano. Segundo Vargas Llosa, o indigenismo, por exemplo, constitui uma mutilação desse caráter mestiço da cultura latino americana, pois exclui a tradição européia. Para Vargas Llosa, Szyszlo encarna a identidade latino americana, pois funde o ancestral com o contemporâneo, mestiçagem que caracteriza o latino americano. Frederico Morais aponta também essa característica da arte latino americana: os autores [da História da Arte] se esquecem de analisar a continuidade e os desdobramentos desses movimentos [de vanguarda] e sua revitalização em outros países. Esses desdobramentos resultam freqüentemente em produtos híbridos. [...] Na verdade, tudo na América Latina tende à hibridização e à mestiçagem cultural MORAIS, Frederico. Reescrevendo a História da Arte Latino americana. In: Catálogo da I Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Porto Alegre: Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, BALBI, Op. cit., p MORAIS, Op. cit.

13 74 Um de seus escritos mais reveladores nessa direção é o texto elaborado para o catálogo Szyszlo da coleção Pintores Peruanos do Banco Popular do Peru (Lima, 1979). Nele, afirma que um dos aspectos mais celebrados da arte de Szyszlo é que alia o antigo e o moderno, ter tendido uma ponte entre a abstração européia e o artesanato pré hispânico, vestígios da qual podem se rastrear, como uma reminiscência ou uma nostalgia nas suas telas. 42 Vejamos outras afirmações contidas nesse texto. A abstração pura não existe. Geométrica ou lírica, no ânimo do expectador se produz sempre alguma forma de associação entre essas linhas glaciais ou essas manchas tumultuosas, entre essa aritmética de pontos ou essa acrobacia de luzes, e algum elemento da realidade concreta. [...] Porém, no caso de Szyszlo, diferentemente do que acontece com outros pintores não figurativos, esta operação de aproximação entre o quadro e a realidade concreta não se produz tanto pela predisposição fatídica do expectador, que não pode fazer outra coisa, para tomar posse emocional do quadro, que ligá lo de algum modo à sua experiência de vida e que procede então a realizar esta operação com total liberdade, [...] senão, pelo contrário, por uma discreta, embora firme exigência do próprio quadro, o que tem raízes objetivamente imersas na realidade exterior, embora [...] só as manifeste como sugestão ou indício. 43 É uma concepção de arte abstrata com alicerces na experiência humana. Vargas Llosa praticamente afirma que a geometria, na obra de Szyszlo, torna se geografia. E ele continua propondo uma teoria da arte de Szyszlo quando afirma, esgrimindo suas qualidades de análise de escritor: poderia se fazer um estudo muito instrutivo sobre essas alusões deliberadas, inconscientes, casuais à realidade figurativa na arte de Szyszlo, porque nesta maneira curiosa de insinuar sem afirmar, de propor sem impor (maneiras elegantes de se expressar) reside o mistério que envolve a sua pintura. 44 No seguinte trecho, Vargas Llosa formula uma outra das características fundamentais da obra de Szyszlo, característica que explica não apenas alguma obra em particular senão o percurso todo do artista, onde, por exemplo, são 42 VARGAS LLOSA, Mario. Szyszlo. Catálogo da Coleção Pintores Peruanos. Lima: Banco Popular del Peru, Catálogo Szyszlo, p VARGAS LLOSA, Op. cit., p VARGAS LLOSA, Op. cit., p. 17.

14 75 importantes as suas grandes séries de quadros que evocam autores como Rimbaud, Breton, Vallejo e Arguedas: Szyszlo pertence a essa minoria de criadores modernos que mantêm viva a tradição dos pintores humanistas, para quem pintar é expressão de uma sensibilidade e de uma inteligência que se nutrem de todas as fontes da cultura, desde a filosofia até a ciência, que aspiram por isso mesmo a projetar sua obra para outras esferas do fazer humano, e que se tem negado sempre a considerar a arte como uma especialidade. 45 REFERÊNCIAS BALBI, Mariela. Szyszlo: Travesia. Lima: Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas, Fernando de Szyszlo: Um Mundo de Luz e Sombra. Entrevista no El Dominical, semanário do jornal El Comêrcio, Lima, 24 ago Fernando de Szyszlo: El Homicidio de un Sueño. Entrevista a Gonzalo Márquez Cristo e Amparo Osório. Agulha, Revista de Cultura, n. 42, dez LEFORT, Daniel. Surrealismo no Peru. In: Surrealismo e Novo Mundo (R. Ponge, Org.). Porto Alegre: Ed. UFRGS, MORAIS, Frederico. Reescrevendo a História da Arte Latino americana. In: Catálogo da I Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Porto Alegre: Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, Revista Metrópoli, Lima, dez ROMÁN, Élida. Fernando de Szyszlo: Literatura e Imagem. In: La Casa de Cartón, n. 8, 1996, p. 36, 38. UGARTE ELESPURU, Manuel. Apresentação. In: O Peru na VI Bienal de São Paulo. Lima: Escola de Belas Artes do Peru, VARGAS LLOSA, Mario. Szyszlo. Catálogo da Coleção Pintores Peruanos. Lima: Banco Popular del Peru, SZYSZLO, Fernando de. Miradas Furtivas. México: Fondo de Cultura Económica, VARGAS LLOSA, Op. cit., p. 22.

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

Quem Foi Pablo Picasso?

Quem Foi Pablo Picasso? FICHA Nº3 Pablo PICASSO Quem Foi Pablo Picasso? Você está para conhecer como surgiram os desenhos, pinturas e esculturas de Picasso. Quem foi esse homem? Picasso era um homem baixinho, gordo e muito inteligente.

Leia mais

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira Profa. Ms. Eliene Silva Disponível em: http://www.mauc.ufc.br/expo/1967/index1.htm http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9205/antoniobandeira Biografia

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: A e B ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO RELAÇÃO DOCONTEÚDO

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e distorcida. Para os membros da sociedade africana, eram objetos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 44 Discurso no jantar oferecido ao

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

Daniel Senise Fernando Cocchiarale

Daniel Senise Fernando Cocchiarale Texto publicado no catálogo da exposição do artista na XX Bienal de São Paulo, em 1989 Fundada na necessidade essencial de marcar sua diferença em relação à representação naturalista, elaborada pelo Renascimento,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professora: Yáskara Beiler Dalla Rosa Disciplina: Artes Série: 2ª Tema da aula: Surrealismo Objetivo da aula: Conhecer alguns dos principais artistas do Surrealismo.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Vanguardas. Prof. Adriano Portela

Vanguardas. Prof. Adriano Portela Vanguardas Prof. Adriano Portela O que significa Vanguarda? Do francês avant-garde Termo militar que designa aquele que, durante uma campanha, vai à frente da unidade. No campo das artes e ideias, aqueles

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

ISBN 978-1-78042-575-7. Todos os direitos de adaptação e de reprodução reservados para todos os países.

ISBN 978-1-78042-575-7. Todos os direitos de adaptação e de reprodução reservados para todos os países. MONDRIAN Confidential Concepts, Worldwide, USA Sirrocco London (edição portuguesa) Mondrian Estate / Artists Rights Society, New York, USA / Beeldrecht, Amsterdam ISBN 978-1-78042-575-7 Todos os direitos

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Teresa Mateiro Universidade do Estado de Santa Catarina Silvia Málbran Universidad de La Plata Edith Cisneros-Cohernour Universidad

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar Acho que criatividade não é uma qualidade exclusiva dos artistas. Viver é um exercício de criatividade. Por Marialba

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

Empreendedorismo e Tradição

Empreendedorismo e Tradição Plano de Promoção de Empreendedorismo nas Escolas do Baixo Alentejo Empreendedorismo e Tradição Proposta de Projeto Agrupamento de Escolas de Cuba OBJETIVOS Desenvolver ações que contribuam para preparar

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

"A mim interessa tanto denunciar quanto propor mudanças e soluções"

A mim interessa tanto denunciar quanto propor mudanças e soluções 6ª VENTOSUL Veículo: Artesian Seção: ***** Coluna: ***** Jornalista: ***** Data: 21 de setembro de 2011 Cm/col: 75,5 Link: http://www.artisannews.com/a_b/ "A mim interessa tanto denunciar quanto propor

Leia mais

universidade estadual de campinas

universidade estadual de campinas UNICAMP universidade estadual de campinas GALERIA DE ARTE» UNICAMP GALERIA DE ARTE < UNICAMP ODILLA MESTRINER AQUARELAS E DESENHOS SETEMBRO/85 APRESENTAÇÃO A primeira característica impressionante na personalidade

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Principais características:

Principais características: Cubismo Definição Movimento artístico cuja origem remonta à Paris e a 1907, ano do célebre quadro de Pablo Picasso, Les Demoiselles d'avignon. Considerado um divisor de águas na história da arte ocidental,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

O que é o Surrealismo?

O que é o Surrealismo? Contexto histórico Contexto histórico Num ambiente totalmente fragilizado, aparece o Surrealismo. Desestabilizador e desestruturador de toda a idéia de cultura existente até então, propõe a junção de imagens

Leia mais

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento por Marcela Ribeiro¹ A frase-clichê A arte é pensar por imagens, negada pelo russo Vitor Chklovski em sua Arte como procedimento e enraizada

Leia mais

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil Português 3º ano Wilton Vanguardas na Europa e no Brasil Roberson de Oliveira 1 Vanguardas na Europa e no Brasil No dia 20 de dezembro de 1917, o jornal O Estado de S. Paulo publicou o artigo Paranoia

Leia mais

MISSIONÁRIOS DO COTIDIANO

MISSIONÁRIOS DO COTIDIANO A ARTE E A BÍBLIA Francis A. Schaeffer Resumo: Neste livro encontramos uma ode à arte e à importância que esta precisa ter para o cristão, expressa no seu lugar reconhecido na Bíblia. Trata se de uma singela,

Leia mais

Viaje pelo sonho. PARQUE DOS POETAS 2ª Fase B SUPLEMENTO. Parte integrante do nº219 do Boletim Municipal Oeiras Atual Janeiro.Fevereiro.

Viaje pelo sonho. PARQUE DOS POETAS 2ª Fase B SUPLEMENTO. Parte integrante do nº219 do Boletim Municipal Oeiras Atual Janeiro.Fevereiro. Viaje pelo sonho. SUPLEMENTO PARQUE DOS POETAS 2ª Fase B Parte integrante do nº219 do Boletim Municipal Oeiras Atual Janeiro.Fevereiro.Março 13 PARQUE DOS POETAS O Parque dos Poetas fez-se e faz-se porque

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde O Expressionismo de Die Brücke não se restringiu à pintura e à gravura, tendo tido expressão, igualmente na literatura, na música e arquitectura.

Leia mais

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a)

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) 5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) Roteiro Semanal de Atividades de Casa (06 a 10 de Maio 013) Desafio! 1) Agora, temos um desafio com formas geométricas. Observe. ) Complete a sequência seguindo

Leia mais

Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho

Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho Carlos Alberto Barbosa Susana Balbo esteve em São Paulo para conduzir a degustação do lançamento no Brasil da linha de vinhos Zohar Na quinta-feira,

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CURSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PESQUISA NO ENSINO MÉDIO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA FAUSTINO, Aline de Lima¹ UEPB. NASCIMENTO, Nilton Ronni Cândido do² UEPB. SILVEIRA, Alessandro Frederico da³ UEPB. Resumo

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS CONTEXTO HISTÓRICO As vanguardas européias foram manifestações artístico-literárias surgidas na Europa,

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE. Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ. Aluno(a): Turma:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE. Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ. Aluno(a): Turma: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO PROFESSORA ARILENE RODRIGUES ZICHTL ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ Aluno(a): Turma: Caro aluno, Visando aumentar seu conhecimento e em

Leia mais

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti FUTURISMO O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, pelo poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 A Semana de Arte Moderna de 1922 foi um momento de ruptura que dividiu a arte brasileira entre academicismo e modernismo. Não foi, porém, uma unanimidade nacional e gerou

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Observe as tabelas e responda à questão. CARVÃO ano Grã-Bretanha alemanha estados unidos 1871 117 29 42 1880 147 47 65 1890

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

Vanguardas Históricas I

Vanguardas Históricas I Vanguardas Históricas I As transformações do início do século XX e as vanguardas históricas Os avanços da ciência realizados a partir do século XIX mudaram a percepção da realidade e conduziram, no campo

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL.

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. INSTRUÇÕES Para a realização destas provas, você recebeu este Caderno de Questões e duas Folhas de Respostas. NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. 1. Caderno de Questões Verifique

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais