MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL"

Transcrição

1 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Ciências Físicas e Biológicas carga horária: 160 horas Proposta Filosófica da Disciplina O estudo das Ciências Naturais, a partir do conhecimento científico-tecnológico historicamente acumulado pela humanidade, busca a compreensão dos fenômenos naturais. Dentro dessa perspectiva, as Ciências Físicas e Biológicas devem fornecer condições para o aluno reconstruir a relação ser humano/natureza visando ao desenvolvimento de uma consciência individual, social e planetária, contribuindo para a formação de cidadãos capazes de julgar, tomar decisões fundamentadas e que estejam eticamente comprometidos com a construção de uma sociedade ambientalmente sustentável. EIXOS COGNITIVOS: I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica. II. Compreender fenômenos (CF): construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas. III. Enfrentar situações-problema (SP): selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema. IV. Construir argumentação (CA): relacionar informações, representadas em formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente. V. Elaborar propostas (EP): recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

2 Plano de Sequência Didática Enfoque pedagógico e metodológico CFB 7º ano/ef 1- Apresentação Caro Professor: O enfoque da disciplina de Ciências é desenvolver a alfabetização científico-tecnológica, partindo-se da realidade imediata do aluno, com suas vivências e percepções pessoais. Com base nos eixos cognitivos, parte-se do exercício do letramento até o desenvolvimento de temáticas mais abrangentes e suas interpretações, identificando e qualificando as muitas tecnologias hoje presentes no âmbito da indústria, da saúde e do meio ambiente. O desafio é envolver os discentes no processo de aprendizagem, buscando-se uma aprendizagem ativa. A partir da metodologia científica, os alunos devem construir modelos explicativos, linhas de argumentação e instrumentos de verificação de contradições; devem ter contato com situações que os desafiem, participando e questionando fatos, ideias e práticas, além do desenvolvimento da leitura e da escrita. No ensino por competências, o professor deve ser o articulador e o mediador da aprendizagem, visando instrumentalizar o discente no enfrentamento dos problemas do cotidiano. É fundamental, portanto, para que essa dinâmica se concretize, que o professor, durante a elaboração, execução e apresentação de seu plano de aula, privilegie as atividades práticas no contexto da educação científica, sinalizando a finalidade do seu trabalho a todos os envolvidos e com todas as etapas, para que não ocorra desvio do foco principal. As práticas pedagógicas e metodológicas devem se constituir de: caráter cognitivo: exploração de conhecimentos e conceitos prévios do aluno, os quais foram adquiridos e trabalhados sobre o assunto; caráter procedimental: demonstração da capacidade do aluno em manipular e/ou expressar o conhecimento adquirido. Momento de exercitar e/ou executar a resolução de situações-problema, jogos, experimentos, que poderão ser representados pelos alunos sob a forma de relatórios, tabelas, gráficos, imagens ou qualquer outro método de exposição dos resultados produzidos; caráter motivacional/atitudinal: inserção do discente na atividade prática, estabelecendo diálogo e envolvimento com os demais discentes e com o próprio professor. Para tanto, elencamos as metas de aprendizagens desejáveis na disciplina: - valorizar a leitura como fonte de fruição estética e de entretenimento; - interessar-se por ler ou por ouvir a leitura para compartilhar opiniões, idéias e preferências; - encontrar informações e selecioná-las, elaborando perguntas e hipóteses abordadas a partir do título, das imagens ou do corpo do texto, fazendo antecipações e inferências em relação ao conteúdo; - identificar palavras-chave que auxiliem na localização de informações relevantes, como identificação da ideia ou conceito fundamental de um texto ou de um parágrafo; - utilizar estratégias de escrita: planejar o texto, redigir rascunhos, revisar e cuidar da apresentação; - planejar e reescrita, considerando o texto original como base para a produção; - participar de situações de intercâmbio oral que requeiram: ouvir com atenção, intervir sem sair do assunto tratado, formular e responder perguntas, explicar e ouvir explicações, manifestar e acolher opiniões, adequar as colocações às intervenções precedentes; - diante de uma situação problema, deve saber explicar os caminhos percorridos, em linguagem que possa ser compreendida por todos; - desenvolver uma linha de pensamento que sustente uma argumentação, indo além da emissão de uma opinião; - considerar o que os colegas e os professores dizem; - escutar para entender e questionar as escolhas feitas, as ideias lançadas, para mudar de opinião. Sugerimos, ainda, como contribuições para a leitura e compreensão dos textos trabalhados, os seguintes procedimentos: - converse inicialmente com os discentes sobre o que eles já conhecem do tema; - proponha uma leitura global, para ajudar o discente a criar mapas interpretativos e uma visão geral das informações, facilitando a compreensão do texto; - solicite o grifo dos vocábulos e das expressões difíceis de compreender; - para ir além do ato de ler, os discentes devem compreender e interpretar o texto, no sentido de incorporar novos significados e expandi-los, visando à ampliação de suas bagagens culturais e conceituais e ao uso dos conhecimentos em outras situações; - forneça algumas questões para orientar os discentes sobre os conceitos existentes, a leitura e a interpretação de esquemas, infográficos e demais linguagens; - abra espaços para a exposição coletiva e o debate, para consolidar alguns conceitos e expor as dificuldades de ler textos extensos, com nomenclaturas e conceitos específicos.

3 Plano de Sequência Didática Enfoque pedagógico e metodológico CFB 7º ano/ef 2- Critérios para seleção de conteúdos os conteúdos devem favorecer a construção, pelos estudantes, de uma visão de mundo como um todo formado por elementos interrelacionados, entre os quais o ser humano, agente de transformação. Devem promover as relações entre fenômenos naturais e objetos da tecnologia, entre si e reciprocamente, possibilitando a percepção de um mundo em transformação e sua explicação científica permanentemente reelaborada; os conteúdos devem ser relevantes do ponto de vista social, cultural e científico, permitindo ao estudante compreender, em seu cotidiano, as relações entre o ser humano e a natureza mediadas pela tecnologia, superando interpretações ingênuas sobre a realidade à sua volta. Os temas transversais apontam conteúdos particularmente apropriados para isso; os conteúdos devem se constituir em fatos, conceitos, procedimentos, atitudes e valores a serem promovidos de forma compatível com as possibilidades e necessidades de aprendizagem do estudante, de maneira que ele possa operar com tais conteúdos e avançar efetivamente nos seus conhecimentos. Obs: Esses critérios, utilizados nas seleções dos conteúdos dos eixos temáticos, também serão úteis para o professor organizador de currículos e planos de ensino, ao decidir sobre que perspectivas, enfoques e assuntos trabalhar em sala de aula. 3 - Eixos Temáticos Os eixos temáticos representam uma organização articulada de conceitos procedimentos, atitudes e valores para cada um dos ciclos da escolaridade, compatível com os critérios de seleção acima apontados. Os eixos temáticos serão incorporados de modo a ampliar as possibilidades de realização dos Parâmetros Curriculares Nacionais de Ciências Naturais, como nosso currículo com o estabelecimento, na prática de sala de aula, de seqüências de conteúdos internas aos anos; o tratamento de conteúdos em situações locais e o estabelecimento das várias conexões: entre conteúdos dos eixos temáticos, entre esses e os temas transversais e entre todos eles e as demais áreas do ensino fundamental. Tais conteúdos podem ser organizados em temas e problemas para investigação, elaborados pelo professor no seu plano de ensino. Com isso, não se propõe forçar a integração aparente de conteúdos, mas trabalhar conhecimentos de várias naturezas que se manifestam inter-relacionados de forma real. 3.1 Sugestão de conteúdos centrais por eixos temáticos a) TERRA E UNIVERSO 1. observação direta, busca e organização de informações sobre a duração do dia em épocas do ano e sobre os horários de nascimento e ocaso do Sol, da Lua e das estrelas ao longo do tempo, reconhecendo a natureza cíclica eventos e associando-os a ciclos dos seres vivos e ao calendário; 2. busca e organização de informações sobre cometas, planetas e satélites do sistema Solar e outros corpos celestes para elaborar uma concepção de Universo; 3. caracterização da constituição da Terra e das condições existentes para a presença de vida; 4. valorização dos conhecimentos de povos antigos para explicar os fenômenos celestes. 5. interações com o solo, o clima, a disponibilidade de luz e de água e com as sociedades 6. investigação de explicações sobre a vida na Terra, sobre a formação dos fósseis e comparação entre espécies 7. extintas e atuais.

4 Plano de Sequência Didática Enfoque pedagógico e metodológico CFB 7º ano/ef b) VIDA E AMBIENTE 1. coleta, organização, interpretação e divulgação de informações sobre transformações nos ambientes provocadas pela ação 2. humana e medidas de proteção e recuperação, particularmente da região em que vivem e em outras regiões brasileiras, valorizando medidas de proteção ao meio ambiente; 3. investigação da diversidade dos seres vivos compreendendo cadeias alimentares e características adaptativas dos seres vivos, valorizando-os e respeitando-os; 4. comparação de ambientes em ecossistemas brasileiros quanto a vegetação e fauna, suas inter-relações e 5. interações com o solo, o clima, a disponibilidade de luz e de água e com as sociedades 6. investigação de explicações sobre a vida na Terra, sobre a formação dos fósseis e comparação entre espécies extintas e atuais. Subtemas relacionados 1. Diversidade de vida; 2. Diversidade de materiais; 3. Formação e manejo dos solos; 4. Decomposição de materiais; 5. Qualidade e tratamento da água; 6. Energia e Ambiente; 7. Evolução dos seres vivos. c) SER HUMANO E SAÚDE 1. distinção de alimentos que são fontes ricas de nutrientes plásticos, energéticos e reguladores, caracterizando o papel de cada grupo no organismo humano, avaliando sua própria dieta, reconhecendo as conseqüências de carências nutricionais e valorizando os direitos do consumidor; 2. compreensão de processos envolvidos na nutrição do organismo estabelecendo relações entre os fenômenos da digestão dos alimentos, a absorção de nutrientes e sua distribuição pela circulação sangüínea para todos os tecidos do organismo; 3. caracterização do ciclo menstrual e da ejaculação, associando-os à gravidez, estabelecendo relações entre o uso de preservativos, a contracepção e a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, valorizando o sexo seguro. Subtemas relacionados 1. A dinâmica do corpo; 2. Sexualidade; e 3. Interações do corpo com estímulos do ambiente. d) TECNOLOGIA E SOCIEDADE 1. investigação de tecnologias usuais e tradicionais de mesma finalidade, comparando-as quanto à qualidade das soluções obtidas e outras vantagens ou problemas ligados ao ambiente e ao conforto, valorizando os direitos do consumidor e a qualidade de vida; 2. comparação e classificação de equipamentos de uso cotidiano segundo sua finalidade, energias envolvidas e princípios de funcionamento, estabelecendo a seqüência de transformações de energia, valorizando o consumo criterioso 3. de energia, os direitos do consumidor e a qualidade de vida; 4. comparação e classificação de materiais segundo sua finalidade, a origem de sua matéria-prima e os processos de produção, investigando a seqüência de separação e preparação de misturas ou síntese de substâncias, na indústria ou artesanato de bem de consumo, valorizando o consumo criterioso de materiais; 5. investigação dos modos de conservação de alimentos :cozimento, adição de substâncias, refrigeração e desidratação. quanto ao modo de atuação específico, à importância social histórica e local, descrevendo processos industriais e artesanais para este fim.

5 Plano de Sequência Didática CFB 7º ano/ef Habilidades envolveu com o conhecimento da natureza e que a conhecimento, relaciona-se com outras atividades H03-valorizar o cuidado com o próprio corpo, com atenção para o desenvolvimento da sexualidade e para os hábitos de alimentação, de convívio e de lazer; relatos orais e outras formas de registros acerca do obtidas por meio de observação, experimentação, H07- elaborar perguntas e hipóteses, selecionando e organizando dados e idéias para resolver H08- caracterizar os movimentos visíveis de corpos celestes no horizonte e seu papel na orientação espaço-temporal hoje e no passado da humanidade; H09-caracterizar as condições e a diversidade de vida no planeta Terra em espaços, particularmente nos ecossistemas brasileiros; H10- interpretar situações de equilíbrio e desequilíbrio ambiental relacionando informações sobre a interferência do ser humano e a dinâmica das cadeias alimentares. Eixos Temáticos 1- Terra e Universo 2- Vida e Ambiente 3- Ser humano e saúde 4- Tecnologia e sociedade Competências para o EF compreender a natureza como um todo dinâmico e o ser humano, em sociedade, como agente de transformações do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos e outros componentes do ambiente; compreender a Ciência como um processo de produção de conhecimento e uma atividade humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política e cultural; C3 identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica, e compreender a tecnologia como meio para suprir necessidades humanas, sabendo elaborar juízo sobre riscos e benefícios das práticas científico-tecnológicas; C4 compreender a saúde pessoal, social e ambiental como bens individuais e coletivos que devem ser promovidos pela ação de agentes; formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais a partir de elementos das Ciências Naturais, colocando em prática conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidos no aprendizado escolar; C6 saber utilizar conceitos científicos básicos, associados a energia, matéria, transformação, espaço, tempo, sistema, equilíbrio e vida; saber combinar leituras, observações, experimentações e registros para coleta, comparação entre explicações, organização, comunicação e discussão de fatos e informações; valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação crítica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento.

6 Plano de Sequência Didática CFB 7º ano/ef Habilidades H11 identificar tecnologias que permitem as transformações de materiais e de energia necessárias a atividades humanas essenciais hoje e no passado H12 compreender a alimentação humana, a obtenção e a conservação dos alimentos, sua digestão no organismo e o papel dos nutrientes na sua constituição e saúde. H13 Descrever cadeia alimentar de determinado ambiente, a partir de informações previamente discutidas, identificando os seres vivos que são produtores, consumidores e decompositores e avaliar como se dá a intervenção do ser humano nesse ambiente, reconhecendo ou supondo as necessidades humanas que mobilizam as transformações e prevendo possíveis alterações. H14 Descrever os movimentos do Sol, da Lua e das estrelas em relação ao horizonte, localizando os pontos cardeais durante o dia e à noite, mediante expressão oral, produção de texto ou desenhos com legenda. H15 Caracterizar ecossistema relevante na região onde vive, descrevendo o clima, o solo, a disponibilidade de água e suas os seres vivos, identificados em hábitats e em níveis na cadeia alimentar. H16 Reconhecer fontes de energia utilizadas em máquinas e em outros equipamentos e as seqüências das transformações que tais aparelhos realizam, discutindo sua importância social e histórica. H17 Reconhecer transformações de matéria em processos de produção de alimentos artesanais ou industriais, ou outro processo que tenha investigado, identificando a preparação ou separação de misturas, descrevendo as atividades humanas envolvidas e avaliando vantagens ou problemas ligados ao ambiente e ao conforto. Eixos Temáticos 1- Terra e Universo 2- Vida e Ambiente 3- Ser humano e saúde 4- Tecnologia e sociedade Competências para o EF compreender a natureza como um todo dinâmico e o ser humano, em sociedade, como agente de transformações do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos e outros componentes do ambiente; compreender a Ciência como um processo de produção de conhecimento e uma atividade humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política e cultural; C3 identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica, e compreender a tecnologia como meio para suprir necessidades humanas, sabendo elaborar juízo sobre riscos e benefícios das práticas científico-tecnológicas; C4 compreender a saúde pessoal, social e ambiental como bens individuais e coletivos que devem ser promovidos pela ação de agentes; formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais a partir de elementos das Ciências Naturais, colocando em prática conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidos no aprendizado escolar; C6 saber utilizar conceitos científicos básicos, associados a energia, matéria, transformação, espaço, tempo, sistema, equilíbrio e vida; saber combinar leituras, observações, experimentações e registros para coleta, comparação entre explicações, organização, comunicação e discussão de fatos e informações; valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação crítica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento.

7 Plano de Sequência Didática CFB 7º ano/ef Habilidades H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. H19 Elaborar dieta balanceada para seu próprio consumo, descrevendo o aspecto cultural presente em sua alimentação, explicando a digestão dos alimentos e a nutrição do corpo. H20 Descrever as etapas do ciclo menstrual e o caminho dos espermatozóides na ejaculação para explicar a possibilidade de gravidez e a disseminação de Aids na ausência de preservativos. manutenção do equilíbrio interno, defesa, o ambiente, sexualidade, entre outros. produção de padrões, processos biológicos ou na Eixos Temáticos 1- Terra e Universo 2- Vida e Ambiente 3- Ser humano e saúde 4- Tecnologia e sociedade Competências para o EF compreender a natureza como um todo dinâmico e o ser humano, em sociedade, como agente de transformações do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos e outros componentes do ambiente; compreender a Ciência como um processo de produção de conhecimento e uma atividade humana, histórica, associada a aspectos de ordem social, econômica, política e cultural; C3 identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica, e compreender a tecnologia como meio para suprir necessidades humanas, sabendo elaborar juízo sobre riscos e benefícios das práticas científico-tecnológicas; C4 compreender a saúde pessoal, social e ambiental como bens individuais e coletivos que devem ser promovidos pela ação de agentes; formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais a partir de elementos das Ciências Naturais, colocando em prática conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidos no aprendizado escolar; C6 saber utilizar conceitos científicos básicos, associados a energia, matéria, transformação, espaço, tempo, sistema, equilíbrio e vida; saber combinar leituras, observações, experimentações e registros para coleta, comparação entre explicações, organização, comunicação e discussão de fatos e informações; valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação crítica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento.

8 Competência discursiva Competência disciplinar 1º bimestre Eixo temático: Vida e Ambiente Tema 1: Evolução dos Seres Vivos / Diversidade de vida Nas atividades de estudo desse tema, os estudantes devem ter oportunidades de, partindo da leitura de textos científicos, utilizar corretamente e compreender palavras e frases que descrevam os seres vivos como, por exemplo: célula, evolução, seleção, adaptação, origem, reino, espécie, profilaxia, doenças, classificação, variabilidade, diversidade, núcleo, vacina, soro, antibiótico, reprodução. Ampliar o conhecimento sobre a diversidade da vida nos ambientes naturais ou transformados pelo ser humano, oportunizando ao aluno a compreensão da dinâmica da natureza e de como a vida se processa em espaços e tempos. Origem da Vida e Evolução dos seres vivos conhecimento / 1. Origem e características gerais dos seres vivos 2. Evolução dos seres vivos. 3. Os processos evolutivos que proporcionaram a biodiversidade. H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. 08

9 Organização celular Classificação dos seres vivos conhecimento / 1. A célula como unidade dos seres vivos e os tipos celulares. 2. As funções da membrana, do citoplasma e do núcleo para a célula. 3. As partes do microscópio óptico e suas funções. 1. Conceito de espécie e a classificação dos seres vivos. 2. Sistemas de classificação. 1º bimestre (continuação) H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação

10 Vírus Reino Monera conhecimento / 1. Características dos vírus. 2. Principais viroses e profilaxia. 1. Características das bactérias e cianobactérias. 2. Principais bacterioses e profilaxia. 3. Ação dos antibióticos sobre as bactérias. 4. Relações 1º bimestre (continuação) H12 compreender a alimentação humana, a obtenção e a conservação dos alimentos, sua digestão no organismo e o papel dos nutrientes na sua constituição e saúde. H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C

11 Reino Protoctista Reino Fungi conhecimento/ 1. Características dos protistas (Protozoários, micro e macroalgas). 2. Principais protozooses e profilaxia. 3. Relações 1. Características dos fungos. 2. Doenças causadas por fungos. 3. Relações 1º bimestre (continuação) H12 compreender a alimentação humana, a obtenção e a conservação dos alimentos, sua digestão no organismo e o papel dos nutrientes na sua constituição e saúde. organização taxonômica dos seres vivos H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C

12 Tema 2: Diversidade de vida Competência discursiva Competência disciplinar 2º bimestre Eixo temático: Vida e Ambiente Nas atividades de estudo desse tema, os estudantes devem ter oportunidades de, partindo da leitura de textos científicos, utilizar corretamente e compreender palavras e frases que descrevam invertebrados como, por exemplo: vermes, esponja, medusa, anéis, simetria, ciclo, hospedeiro, parasita, vetor, profilaxia, transmissão, epidemia, endemia, metamorfose. Ampliar o conhecimento sobre a diversidade da vida nos ambientes naturais ou transformados pelo ser humano, oportunizando ao aluno a compreensão da dinâmica da natureza e de como a vida se processa em espaços e tempos. conhecimento / Poríferos e adaptações 2. Relações 02

13 Cnidários Platelmintos conhecimento / e adaptações 2. Relações dos platelmintos. 2. Importância médico sanitária dos platelmintos. 3. Relações 1º bimestre (continuação) Atividade Prática em Laboratório 02 (c/h mínima) 02 08

14 Nematódeos Anelídeos Moluscos conhecimento / dos nematódeos. 2. Importância médico sanitária dos nematódeos. 3. Relações e adaptações 2. Relações e adaptações Relações 1º bimestre (continuação) C

15 Artrópodes Equinodermos conhecimento / e adaptações 2. Relações 3. Participação dos insetos na transmissão de várias doenças. 4. Insetos sociais (abelhas, formigas e cupins). e adaptações Relações espécie humana 2º bimestre (continuação) H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C Atividade Prática em Laboratório 02 (c/h mínima)

16 Tema 3: Diversidade de vida Competência discursiva Competência disciplinar 3º bimestre Eixo temático: Vida e Ambiente Nas atividades de estudo desse tema, os estudantes devem ter oportunidades de, partindo da leitura de textos científicos, utilizar corretamente e compreender palavras e frases que descrevam os cordados como, por exemplo: vertebrados, coluna, esqueleto, 16vôo, dente, bico, ovo, placenta, glândula, peçonha, revestimento, apêndices, temperatura, adaptação, variabilidade, seleção, cavidades, trocas. Ampliar o conhecimento sobre a diversidade da vida nos ambientes naturais ou transformados pelo ser humano, oportunizando ao aluno a compreensão da dinâmica da natureza e de como a vida se processa em espaços e tempos. Cordados conhecimento / 1. Introdução aos cordados. H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C4 02

17 Peixes Anfíbios Répteis conhecimento/ 2. Caracterização e adaptações 3. Relações relações com espécie humana. e adaptações Relações espécie humana e adaptações 2. Relações relações com espécie humana. 3. Prevenção e primeiros socorros em caso de acidentes com ofídios. Plano de Sequência Didática Disciplina CFB 3º bimestre (continuação) H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C

18 Aves Mamíferos conhecimento / e adaptações 2. Relações e adaptações 2. Relações 3º bimestre (continuação) H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. C Atividade Prática em Laboratório 02 (c/h mínima)

19 Tema 4: Diversidade de vida Competência discursiva Competência disciplinar 4º bimestre Eixo temático: Vida e Ambiente Nas atividades de estudo desse tema, os estudantes devem ter oportunidades de, partindo da leitura de textos científicos, utilizar corretamente e compreender palavras e frases que descrevam as plantas como, por exemplo: ciclo, vasos, sementes, dispersão, seiva, transporte, órgãos, ovário, óvulo, fruto, adaptação, variabilidade, seleção, síntese, transpiração, absorção, orgânica, inorgânica, propagação. Ampliar o conhecimento sobre a diversidade da vida nos ambientes naturais ou transformados pelo ser humano, oportunizando ao aluno a compreensão da dinâmica da natureza e de como a vida se processa em espaços e tempos. Introdução ao estudo das plantas conhecimento / 1. Características gerais das plantas. 2. Relações evolutivas entre briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas. H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. 02

20 conhecimento / Briófitas Pteridófitas Gimnospermas e Angiospermas Organografia vegetal e adaptações 2. Relações ecológicas e importância econômica. dos órgãos vegetais. 2. Importância econômica. 3. Fatores biológicos e ambientais que influenciam a disseminação/distr ibuição das fanerógamas. 4º bimestre (continuação) manutenção do equilíbrio interno, defesa, o ambiente, sexualidade, entre outros. Atividade prática em laboratório H18 Participar de debates coletivos para a solução de problemas, colocando suas idéias por escrito ou oralmente e reconsiderando sua opinião em face de evidências obtidas por diversas fontes de informação. 04 (c/h mínima) 16

21 Plano de Sequência Didática Proposta para Avaliação das habilidades e competências CFB 7º ano/ef 1º bimestre OBJETO DO CONHECIMENTO / DESCRITORES Origem da Vida e Evolução dos seres vivos 1.Origem e características gerais dos seres vivos 2.Evolução dos seres vivos. 3.Os processos evolutivos que proporcionaram a biodiversidade. Organização celular 1.A célula como unidade dos seres vivos e os tipos celulares. 2.As funções da membrana, do citoplasma e do núcleo para a célula. 3.As partes do microscópio óptico e suas funções. Classificação dos seres vivos 1.Conceito de espécie e a classificação dos seres vivos. 2.Sistemas de classificação. Vírus 1.Características dos vírus. 2.Principais viroses e profilaxia. Reino Monera 1. Características das bactérias e cianobactérias. 2. Principais bacterioses e profilaxia. 3. Ação dos antibióticos sobre as bactérias. 4. Relações Reino Protoctista 1. Características dos protistas (Protozoários, micro e macroalgas). 2. Principais protozooses e profilaxia. 3. Relações Reino Fungi 1. Características dos fungos. 2. Doenças causadas por fungos. 3. Relações

22 2º bimestre OBJETO DO CONHECIMENTO / DESCRITORES Poríferos - Cnidários e adaptações 2. Relações Platelmintos - Nematódeos dos platelmintos. 2. Importância médico sanitária dos platelmintos. 3. Relações Anelídeos - Moluscos e adaptações 2. Relações Artrópodes e adaptações 2. Relações 3. Participação dos insetos na transmissão de várias doenças. 4. Insetos sociais (abelhas, formigas e cupins). Equinodermos e adaptações 2. Relações 3º bimestre OBJETO DO CONHECIMENTO / DESCRITORES Cordados Introdução Peixes Anfíbios Répteis Aves Mamíferos 1. Introdução aos cordados. 2. Caracterização e adaptações 3. Relações 4. Prevenção e primeiros socorros em caso de acidentes com ofídios. 4º bimestre OBJETO DO CONHECIMENTO / DESCRITORES Introdução ao estudo das plantas 1. Características gerais das plantas. 2. Relações evolutivas entre briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas. Briófitas Pteridófitas Gimnospermas Angiospermas e adaptações 2. Relações

23 3. Novidades evolutivas. Organografia Vegetal dos órgãos vegetais. 2. Importância econômica. 3. Fatores biológicos e ambientais que influenciam a disseminação/distribuição das fanerógamas.

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 2º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza, Matemática

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística

Leia mais

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) 1. Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Estudo do Universo Sistema Solar 2. Movimentos da Terra e da Lua Dia e noite Estações

Leia mais

Quadro de conteúdos CIÊNCIAS

Quadro de conteúdos CIÊNCIAS Quadro de conteúdos CIÊNCIAS 1 6 o ano UNIDADE CAPÍTULO CONTEÚDO 1 Ecologia: seres vivos e ambiente 2 Água: substância vital 3 O ar e a atmosfera 1 O mundo dos seres vivos 2 Os seres vivos e as suas interações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Ensino Médio EIXOS COGNITIVOS

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 6º ano / Ensino Fundamental

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 6º ano / Ensino Fundamental MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 6º ano / Ensino Fundamental Área: Códigos, linguagens

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

Programação anual de conteúdos

Programação anual de conteúdos Programação anual de conteúdos 6.ºa n o 1. De olho no Universo 2. Terra e Universo 3. Terra: lugar da vida 4. Relações ecológicas 5. Solo e vida Estrelas, constelações e galáxias História da Astronomia

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA Nome: Nº Série: 2ª Data: / 10 / 2015 Professores: Gisele / Marcelo / Thierry (valor: 1,0 ponto) 3º Bimestre A. Apresentação: Caro aluno, A estrutura da recuperação bimestral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE PLANEJAMENTO ANUAL / 2016 DISCIPLINA: Ciências PROFESSORA: Luciana Santos de Jesus Oliveira TURMA: 7º Anos CARGA HORÁRIA: 120h PLANEJAMENTO DO 1º AO 4º BIMESTRE / 2016

Leia mais

Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius

Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius Orientações Preliminares Professor Fábio Vinícius O ENEM O ENEM foi criado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), sob a supervisão do Ministério da Educação (MEC), em 1998,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0/2,0) 3º e 4º Bimestres A - Introdução Neste semestre, fizemos um estudo sobre os invertebrados e sua ampla

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Sumário. Vida e Ambiente. biodiversidade. das Células aos reinos de seres vivos. a adaptação dos seres vivos. 5. Adaptações aos fatores não vivos 32

Sumário. Vida e Ambiente. biodiversidade. das Células aos reinos de seres vivos. a adaptação dos seres vivos. 5. Adaptações aos fatores não vivos 32 Sumário Vida e Ambiente 1 biodiversidade 1. O que significa fazer uma classificação? 18 2. A variedade dos seres vivos 19 3. Classificando os seres vivos 19 Plantas e algas são autotróficos 19 Animais

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

2º ANO PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT BOL INTR / DEP, DE

2º ANO PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT BOL INTR / DEP, DE Fl-1 SISTEMA COLÉGIO MILITAR DO BRASIL COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA ENSINO MÉDIO ELABORADO EM 2007 BIOLOGIA 2º ANO CARGA HORÁRIA: 90 HORAS Nr SESSÕES: 120 HORAS-AULA PLANO DE DISCIPLINA (PLADIS) PELO ADT

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CIÊNCIAS Esta disciplina é importante

CIÊNCIAS Esta disciplina é importante CIÊNCIAS De acordo com a DCE, é fundamental considerar a evolução do pensamento do ser humano, pois é a partir dele que a historia da ciência se constrói. Sendo assim a que se levar em conta a medida que

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Alfabetização em foco: PROJETOS DIDÁTICOS E SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS EM DIÁLOGO COM OS DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES Ano 03 Unidade 06 Organização do

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR BIOLOGIA APRESENTAÇÃO

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR BIOLOGIA APRESENTAÇÃO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR BIOLOGIA APRESENTAÇÃO A Biologia tem como objeto de estudo o fenômeno Vida, contribuindo para formar sujeitos críticos e atuantes, por meios dos conteúdos que ampliem seu

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I Elementos básicos de formação e desenvolvimento dos seres vivos COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS Perceber e utilizar os

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 7º ANO PROFESSORA: LUCIANA PERES

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL. Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências 17A,17B, 17C, 17D e E.

ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL. Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências 17A,17B, 17C, 17D e E. ATIVIDADES DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO FINAL Professor (a): Aline Tonin Ano /Série: 7º ano Componente Curricular: Ciências Turma: 17A,17B, 17C, 17D e E. Lista dos conteúdos Características dos Seres Vivos

Leia mais

PLANO DE ENSINO (2013-2016)

PLANO DE ENSINO (2013-2016) PLANO DE ENSINO (2013-2016) ENSINO RELIGIOSO Ensino Fundamental Anos (Séries) Finais BLUMENAU 2013 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS... 6 3.1. OBJETIVO GERAL... 6 3.2. OBJETIVOS

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE

CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE CURRÍCULO COM ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 2015 II UNIDADE Paulo Henrique Saraiva Câmara Governador do Estado de Pernambuco Raul Henry Vice-Governador do Estado Frederico da Costa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE PLANO DE TRABALHO DOCENTE BIOLOGIA 1º SEMESTRE Estabelecimento: Colégio Estadual Cecília Meireles Ensino Médio e Normal Curso: Ensino Médio Professora: Maria Anita dos Santos Série: 1ª Turma: A Ano: 2011

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de CIÊNCIAS do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de CIÊNCIAS do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

Combate à dengue. 1. Justificativa. Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba

Combate à dengue. 1. Justificativa. Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba Combate à dengue Sandra Margarete de Oliveira Cajaíba O projeto Combate à dengue será desenvolvido no Colégio Municipal Centro Educacional de Tremedal (CET), localizado na cidade de Tremedal (BA), com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA PROVA FLORIPA CIÊNCIAS DA NATUREZA - 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA PROVA FLORIPA CIÊNCIAS DA NATUREZA - 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIAS DA NATUREZA - 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL D01 Interpretar situações de equilíbrio e desequilíbrio ambiental, provocadas pela ação humana. D02 Identificar o calor do sol como principal causa da

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PLANO DE CURSO/2015 PROFESSOR: LEONAM DISCIPLINA: BIOLOGIA SÉRIE: 1º ANO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

Leia mais

INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano LÍNGUA PORTUGUESA

INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano LÍNGUA PORTUGUESA INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano Com o objetivo de promover avanços no desenvolvimento dos educandos, tendo em vista a aquisição de novos conhecimentos, habilidades e a formação de atitudes e valores

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos:

Aula 4 Os animais. Os seres vivos são classificados nos Reinos: Aula 4 Os animais Os seres vivos apresentam uma diversidade muito grande; a cada ano, novas espécies vêm sendo descritas. Fica compreensível a necessidade de um sistema de classificação para a organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR

MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS CICLO DA ALFABETIZAÇÃO 1º 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃOBÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS 6 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Sistema Solar e exploração do Universo - Movimentos da - Terra e da Lua Reconhecer

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7 GRUPO 5.4 MÓDULO 7 Índice 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4 2.1. Estratégias de Leitura... 4 2 1. TIPOS DE ATIVIDADES Atividades de sondagem: estão relacionadas às atividades de

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Planejamento Anual - 2012 Prof. Helcio Denis - CREF 002163-G/SP - G/SP - CRP-124.184-LP 5ª série 6º ano do Ensino Fundamental II Educação

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PESQUISA COMO ESTRATÉGIA DIDÁTICA Caroline Vieira De Souza Costa Eixo 2 - Projetos e práticas

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Caros Pais e Guardiões: Seus filhos vêm para a escola trazendo com eles uma grande bagagem de conhecimento e uma carga de varias experiências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio - ETIM FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2012

Ensino Técnico Integrado ao Médio - ETIM FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico Integrado ao Médio - ETIM FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2012 ETEC Código: Município: Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional: Qualificação: C.H. Semanal: Professor:

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS PROVA - 3º BIMESTRE 2011 4º ANO Compreender o processo

Leia mais

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Práticas e Projetos do Ensino Fundamental Contribuindo para o desenvolvimento de cidadãos autônomos, participativos

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola.

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola. O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA ATRAVÉS DE PROJETOS: TRABALHANDO A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL Ivoneide Aires Alves do Rego Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN ivoneideaires@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino.

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino. AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DAS DISCIPLINAS TÓPICOS ESPECIAIS EM MATEMÁTICA DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO DO CURSO NORMAL SUPERIOR Maio de 2000 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DA EDUCAÇÃO Paulo Renato Souza SECRETÁRIO EXECUTIVO Luciano

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN

Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN Profa.ª Zenaide Campos Escola Municipal Prof. ª Noilde Pessoa Ramalho - Natal/RN Escolas Sustentáveis... Novas ações, novos hábitos, novas atitudes Escolas sustentáveis: aquelas que mantêm relação equilibrada

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: CIÊNCIAS - PROFESSORA: MARTA ROSELI WOLF MATOSO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR SIMPLIFICADA

MATRIZ CURRICULAR SIMPLIFICADA MATRIZ CURRICULAR SIMPLIFICADA MPEC 001- AVALIAÇÃO: PROCESSOS E CRITÉRIOS Ementa: Significado da avaliação. Modelos, critérios e tipos. O processo de ensino e aprendizagem e os valores qualitativos. Avaliação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca/SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA. META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos.

JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA. META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos. JOGOS E O ENSINO DE MATEMÁTICA Aula 5 META Apresentar como os jogos podem ser utilizados para abordar os conteúdos matemáticos. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar formas de como

Leia mais

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Ana Lúcia Teixeira de Araújo Durigan Nelcy Aparecida de Araújo Realização: Apresentação do

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr Design Pedagógico Módulo: O Modelo Atômico de Bohr 1. ESCOLHA DO TÓPICO 1.1. O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0) 3º Bimestre A - Introdução Neste bimestre começamos a estudar o reino animal com toda sua fantástica diversidade.

Leia mais

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL Resumo Regiane Laura Loureiro 1 - UFPR Verônica Branco 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita Meta Retomar alguns conceitos importantes relativos à alfabetização na educação. Infantil. Sugerir práticas que aproximem a criança do código

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais