RESUMO. Contribuição da UE: EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de (JO L 386 de , p.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p."

Transcrição

1 RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental do orçamento geral da União Europeia 1. IDENTIFICAÇÃO Rubrica orçamental Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH) Custo total Contribuição da UE: EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de (JO L 386 de , p. 1) 2. CONTEXTO O Regulamento (CE) n. 1889/2006 institui um instrumento financeiro para a promoção da democracia e dos direitos humanos a nível mundial: o Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH). Com base neste regulamento, a Comissão adotou em abril de 2010, após o parecer favorável dos Estados-Membros e de uma análise jurídica favorável do Parlamento Europeu, o Documento de Estratégia ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH) [Decisão C(2010)2432 de 21 de abril de 2010]. O presente Programa de Ação Anual (PAA 2013) baseia-se neste Documento de Estratégia IEDDH. Em 12 de dezembro de 2011, a Comissão e a Alta Representante adotaram uma Comunicação conjunta sobre os direitos humanos e a democracia no centro da ação externa da UE Rumo a uma abordagem mais eficaz 1, a que se seguiram as conclusões do Conselho sobre os direitos humanos e a democracia em 25 de junho de 2012, juntamente com um quadro estratégico sobre os direitos humanos e a democracia e um plano de ação para pôr em prática o quadro. O presente PAA 2013 assenta nesta base. Consultaram-se organizações da sociedade civil sobre o presente PAA durante o fórum sobre o IEDDH, que se realizou em Bruxelas, em 7 e 8 de maio de O objetivo da consulta era trocar pontos de vista com a sociedade civil sobre as principais prioridades do PAA 2013 ao abrigo do IEDDH, com especial atenção para os convites à apresentação de propostas a financiar pela dotação orçamental de 2013 do IEDDH. 1 COM(2011) 886 final.

2 O PAA 2013 não inclui a parte do IEDDH correspondente à rubrica orçamental para a execução de missões de observação eleitoral da UE. Devido à sua especificidade, estas missões serão objeto de um PAA separado. 3. RESUMO DO PROGRAMA DE AÇÃO O PAA tem por objetivo prestar assistência, contribuindo para o desenvolvimento e a consolidação da democracia, o Estado de direito e o respeito dos direitos humanos e das liberdades fundamentais em todo o mundo. No Documento de Estratégia ao abrigo do IEDDH são identificados cinco objetivos distintos para o período : 1. Promover o respeito dos direitos humanos e das liberdades fundamentais nos países e regiões onde se encontram mais ameaçados (pontos e do Documento de Estratégia). 2. Reforçar a intervenção da sociedade civil na promoção dos direitos humanos e da reforma democrática, no apoio a uma conciliação pacífica dos interesses dos diversos grupos e na consolidação da participação e da representação políticas (pontos e do Documento de Estratégia). 3. Apoiar ações em matéria de direitos humanos e democracia nos domínios abrangidos pelas orientações da UE, incluindo no que diz respeito ao diálogo sobre os direitos humanos, defensores dos direitos humanos, pena de morte, tortura, crianças e conflitos armados, direitos da criança, violência contra as mulheres e raparigas e luta contra todas as formas de discriminação em relação a elas, Direito Internacional Humanitário e eventuais orientações futuras (pontos e do Documento de Estratégia). 4. Apoiar e reforçar os quadros internacionais e regionais para a proteção e a promoção dos direitos humanos, justiça e Estado de direito e para a promoção da democracia (pontos e do Documento de Estratégia). 5. Promover a confiança nos processos eleitorais democráticos e reforçar a fiabilidade e a transparência desses processos, nomeadamente através da observação eleitoral (pontos e do Documento de Estratégia). Valor acrescentado O presente PAA baseia-se no valor acrescentado do IEDDH, nomeadamente na sua independência de ação que permite intervir nas situações mais difíceis (em todo o mundo) sem autorização do governo do país de acolhimento, criando sinergias e complementaridade onde os instrumentos geográficos não podiam intervir. O presente PAA permite levar a cabo ações únicas, não abrangidas por outros instrumentos, nomeadamente no caso de violações graves dos direitos humanos ou para fazer face a necessidades de proteção urgentes, tomada de posição sobre determinadas questões, como a luta contra a tortura, a pena de morte ou a discriminação, envio de missões de observação eleitoral, apoio ao Tribunal Penal Internacional (TPI), etc.

3 Nesses contextos, o IEDDH centra-se na ajuda à sobrevivência da sociedade civil e dos meios de comunicação social enfraquecidos ou destruídos, abrindo assim o caminho ao diálogo e à mudança. Embora tenha um alcance financeiro limitado, os seus dispositivos flexíveis têm funcionado de forma muito satisfatória e são essenciais (por exemplo, apoio direto aos defensores dos direitos humanos, pequenas subvenções diretas, colaboração com parceiros informais, reafetação de subvenções). Uma combinação pragmática de projetos específicos e de convites à apresentação de propostas, uma gestão assegurada tanto pela sede como pelas delegações e a realização de ações a nível mundial, regional e local permitem assegurar uma implementação global e coerente que associe todos os intervenientes: a sociedade civil (objetivo principal) e as organizações internacionais e regionais. Especificidades do presente PAA Devem ser salientadas quatro especificidades. Em primeiro lugar, o presente PAA é o último ao abrigo do regulamento atualmente em vigor. Por conseguinte, o presente PAA tem em conta os resultados atingidos e as eventuais lacunas existentes no âmbito do atual instrumento, bem com as suas duas estratégias plurianuais ( e ). Em segundo lugar, o presente PAA continua a alargar o seu alcance para integrar as ações no terreno em matéria de democracia e direitos humanos. Enquanto as delegações estavam a aplicar 44 regimes de apoio a nível nacional (CBSS) em 2007, o PAA 2013 alarga o CBSS a 107 países, nomeadamente aos países ACP, para os quais o aumento é de 8 países com projetos em curso em 2007 para 47 atualmente. Um país deixou de fazer parte da lista, a Croácia, pois espera-se que adira à UE em Em terceiro lugar, o presente PAA continua a basear-se no valor acrescentado do IEDDH para obter resultados nos casos mais complicados, nas situações mais difíceis, quando existe a necessidade de proteção urgente e para reagir às crises, a partir da sede e no terreno. Em quarto lugar, o presente PAA propõe ações contra a discriminação, prevendo um apoio segundo quatro vertentes a atividades consagradas aos gays/lésbicas bissexuais/transexuais/intersexuais (LGBTI), à liberdade de religião e crença, aos povos indígenas e às crianças do sexo feminino. Por último, tal como no ano passado, um PAA separado abordará a observação eleitoral da UE. Por conseguinte, o presente PAA só incidirá nas restantes partes do objetivo n.º 5 que apoiam o quadro para a promoção de processos eleitorais democráticos. Repartição das ações do presente PAA O PAA organiza-se em torno de quatro eixos: Reforça a capacidade da UE para abordar as situações mais difíceis (objetivo n. 1), reagir rapidamente a situações de emergência em que estejam em causa os

4 direitos humanos e apoiar um mecanismo global de defesa dos direitos humanos (DDH) da UE; Apoia o desenvolvimento de organizações da sociedade civil dinâmicas no terreno, aumentando a sua capacidade de ação na sua busca e defesa da democracia e dos direitos humanos e no seu papel específico de protagonistas de uma mudança positiva; Apoia campanhas temáticas que combinam atividades de promoção e ações no terreno relativamente às grandes questões, abordam violações graves dos direitos, prestam um apoio de base aos principais intervenientes e facultam educação cívica nestas matérias; Reforça o programa para a promoção e o apoio à democracia e uma abordagem mais integrada dos ciclos democráticos; Estes eixos de trabalho são concretizados através das seguintes ações específicas, a financiar ao abrigo do presente PAA: Dois convites à apresentação de propostas globais geridos pela sede da Comissão Europeia, num montante indicativo de 35 milhões de EUR Fichas de ação 1 e 5; Apoio direto aos defensores dos direitos humanos, num montante indicativo de EUR Ficha de ação 1; 107 regimes de apoio a nível nacional convites à apresentação de propostas a nível local e medidas de apoio geridas pelas delegações da UE, num montante indicativo de 71,965 milhões de EUR Ficha de ação 2; Reforço de uma lista de reserva criada através dos convites à apresentação de propostas de 2012 sobre o tema da tortura, num montante indicativo de 3,75 milhões de EUR Ficha de ação 3; Uma ação relativa à aplicação das orientações da União Europeia ao diálogo sobre os direitos humanos, no montante de EUR Ficha de ação 4; Uma subvenção de funcionamento para apoiar o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos do Homem (ACDH), num montante indicativo de 4 milhões de EUR Ficha de ação 6; Um projeto para apoiar o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos do Homem (ACDH), secção dos Tratados em matéria de Direitos Humanos, num montante indicativo adicional de 1 milhão de EUR Ficha de ação 7; Um projeto para apoiar o Tribunal Penal Internacional (TPI), num montante indicativo de 1 milhão de EUR Ficha de ação 8; Um projeto para apoiar o Sistema Interamericano de Direitos Humanos, num montante indicativo de 1 milhão de EUR Ficha de ação 9; Um projeto para apoiar o Centro de Documentação, Pesquisa e Informação dos Povos Indígenas (DOCIP), num montante indicativo de EUR Ficha de ação 10;

5 Um projeto para apoiar os órgãos de controlo do Secretariado Internacional do Trabalho que supervisionam as convenções da OIT sobre os direitos dos povos indígenas e tribais, num montante indicativo de EUR Ficha de ação 11; Um projeto para apoiar a ONU Mulheres na abordagem de ações específicas relacionadas com a violência contra as mulheres, num montante indicativo de 1 milhão de EUR Ficha de ação 12; Uma subvenção de funcionamento para apoiar o Centro Interuniversitário Europeu para os Direitos Humanos e a Democratização (EIUC) 2 e financiamentos específicos para as suas redes de universidades, que ministram cursos de pós-graduação em matéria de democracia e de direitos humanos, num montante indicativo de 5,9 milhões de EUR Ficha de ação 13; Uma ação sobre medidas de apoio à aplicação do IEDDH (avaliações, auditorias, estudos, coordenação e reuniões de consulta com as organizações da sociedade civil, etc.), num montante indicativo de EUR Ficha de ação 14. Cada ação está classificada no âmbito de um objetivo específico do Documento de Estratégia, tal como indicado no quadro do ponto 5. Assistência anterior da UE e ensinamentos retirados A Comissão realizou várias avaliações que cobrem uma vasta série de projetos IEDDH. Estas avaliações permitiram medir melhor o seu impacto. A avaliação da estratégia da UE em matéria de direitos humanos no seu conjunto obrigou a uma análise aprofundada dos pontos fortes e fracos do quadro em que evolui o IEDDH. Todas as avaliações estão disponíveis no seguinte sítio Web: A avaliação de impacto do IEDDH realizada na perspetiva da sua revisão para o quadro financeiro plurianual confirmou, como já referido, os pontos fortes e o valor acrescentado deste instrumento. Permitiu igualmente chamar a atenção para vários domínios onde estão a ser desenvolvidos esforços e, em particular, para a necessidade de utilizar a flexibilidade existente e privilegiar as atividades com valor acrescentado. Das diversas avaliações efetuadas e das consultas realizadas até à data, e em especial das três avaliações de dezembro de 2011, respetivamente, sobre o apoio da UE aos direitos humanos e ao respeito das liberdades fundamentais (incluindo a solidariedade com as vítimas da repressão), os regimes de apoio a nível nacional do IEDDH (CBSS) e o objetivo n. 1 do IEDDH, ressaltam algumas questões e recomendações que são comuns: a importância do diálogo com os parceiros encarregados da execução e entre as delegações e a sede da União Europeia; uma supervisão mais atenta e sistemática, tanto interna como externa, dos projetos; uma maior e melhor utilização das abordagens do quadro lógico e da gestão do ciclo dos projetos; e um maior impacto temático através da combinação de diferentes estratégias e métodos de trabalho, por exemplo, nível local com mundial, campanhas de promoção e informação com ações de formação. 2 Em conformidade com o artigo 13.º, alínea e), do Regulamento (CE) n.º 1889/2006.

6 O presente PAA reflete estas recomendações de várias maneiras, nomeadamente: sistematização dos convites à apresentação de propostas lançados ao abrigo da IEDDH, agrupando os tópicos mais sensíveis e outras questões (um convite à apresentação de propostas aberto em permanência relativo aos países em que os direitos humanos e as liberdades fundamentais estão mais em risco e aos defensores dos direitos humanos e um convite à apresentação de propostas lançado a nível mundial uma vez por ano com novas prioridades por exemplo, a impunidade num dado ano, a luta contra a discriminação no ano seguinte); uma melhor utilização da abordagem do quadro lógico podem-se utilizar, no máximo, 10 % das dotações específicas para os países no apoio a medidas para promover as capacidades das organizações locais a nível da gestão do ciclo dos projetos e dos procedimentos internos; e reuniões estruturadas e periódicas com representantes das organizações da sociedade civil responsáveis pela execução a nível local, bem como com as diferentes plataformas de ONG representadas em Bruxelas de interesse para o IEDDH. As recomendações do relatório do Parlamento Europeu de 2011 sobre a democracia constituem parte integrante da aplicação de projetos neste domínio que requerem financiamento adicional (por exemplo, utilização da lista de reserva). As recomendações das avaliações e da avaliação de impacto foram debatidas com as partes interessadas da sociedade civil, a fim de integrar os resultados na programação e aplicação deste instrumento.

7 Complementaridade A UE desenvolveu uma vasta série de instrumentos em matéria de direitos humanos para a sua ação externa. Estes instrumentos incluem diretrizes, diligências e declarações relativas aos direitos humanos, decisões do Conselho, diálogo sobre os direitos humanos, inclusão das componentes «direitos humanos» e «questões de género» nas missões e ações da Política Comum de Segurança e Defesa. Estas ações são completadas por atividades financiadas ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), outros instrumentos financeiros de ação externa da UE e ainda a ação em instâncias multilaterais (ONU, OSCE e Conselho da Europa). O valor acrescentado do IEDDH reside, como já descrito, na sua complementaridade. Por conseguinte, é dada muita atenção à melhoria da conceção e impacto da assistência da CE, a fim de assegurar coerência e sinergia entre o IEDDH, os instrumentos geográficos e outros instrumentos temáticos, nomeadamente o Instrumento de Estabilidade (IE), e as rubricas «intervenientes não estatais» e «investir nas pessoas» do Instrumento de Cooperação para o Desenvolvimento (ICD). Os programas geográficos apoiam as autoridades dos países terceiros na realização de reformas estruturais, incluindo o desenvolvimento de políticas e estratégias, o desenvolvimento institucional e a revisão do quadro jurídico, de modo a que as instituições públicas operem numa base mais sólida, transparente e democrática. Embora o principal interlocutor para a conceção e a aplicação dos programas geográficos seja o governo do país beneficiário, as organizações da sociedade civil são geralmente consultadas para a elaboração de documentos de estratégia nacionais e podem ser os beneficiários do apoio, com o consentimento do governo. As organizações da sociedade civil podem dar um valioso apoio ao sistema de governo democrático através da promoção dos valores de cidadania, boa governação, direitos humanos, igualdade entre homens e mulheres e democracia participativa na sociedade, bem como da importância conferida a um sistema democrático, baseado na transparência, responsabilização, eficácia e capacidade de resposta. O IEDDH é um instrumento flexível que poderia intervir nas situações consideradas mais sensíveis em virtude do espaço limitado em que as organizações da sociedade civil operam. O IEDDH seria uma opção adequada a considerar, nomeadamente, nos seguintes casos específicos: 1) contextos políticos difíceis em que a colaboração da UE com o governo não é boa ou em que a cooperação tenha sido suspensa; 2) questões sensíveis; 3) quando os programas geográficos não envolvem suficientemente as organizações da sociedade civil e são necessárias intervenções complementares; 4) quando surge uma oportunidade e é necessária uma intervenção rápida mediante ações específicas a pequena escala; 5) apoio ao quadro internacional e regional para a proteção da justiça, como, por exemplo, ao TPI. Nestes casos, o IEDDH desempenha um papel instrumental ao permitir que as organizações da sociedade civil se tornem uma força sustentável ao serviço de uma mudança positiva e da reforma. Na medida do possível, a execução das ações ao abrigo do IEDDH terá plenamente em conta a análise estratégica pertinente e a fixação de prioridades temáticas previstas nas estratégias da UE sobre direitos humanos para os diferentes países.

8 4. COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE Continuarão a ser envidados esforços no que diz respeito às ações de comunicação e visibilidade, para apoiar e/ou complementar as atividades do IEDDH, bem com para divulgar o apoio da UE à democracia e aos direitos humanos e o impacto deste apoio. Estas ações assumem especial importância durante a fase de definição do futuro instrumento após 2013 e deverão respeitar sempre os requisitos de confidencialidade e segurança inerentes a certas ações ao abrigo do IEDDH. A documentação, as informações sobre os planos e atividades, os projetos, os resultados e as boas práticas relativos ao IEDDH podem ser consultados no seguinte sítio Web: 5. CUSTOS E FINANCIAMENTO O quadro seguinte apresenta uma panorâmica das dotações afetadas a cada ação em Referência da Ação Ficha 1 Ficha 2 Ficha 3 Ficha 4 Ficha 5 Ficha 6 Ficha 7 Ação proposta Apoio aos direitos humanos, aos defensores dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, nas situações mais urgentes e difíceis (Objetivos 1 e 3) Apoio a uma sociedade civil dinâmica no terreno através de regimes de apoio a nível nacional (CBSS) (Objetivo 2) Luta contra a impunidade aumento da dotação orçamental para o convite à apresentação de propostas relativo às diretrizes da UE no que respeita à tortura e a outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes (convite à apresentação de propostas global de 2012 ao abrigo do IEDDH ref ) (Objetivo 3) Apoio ao «diálogo sobre os direitos humanos» (Objetivo 3) Luta contra a discriminação dotações orçamentais para um único convite à apresentação de propostas a lançar em 2013 (Objetivo 2) Apoio aos principais intervenientes Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos do Homem Apoio aos principais intervenientes órgãos de controlo da aplicação dos Tratados em matéria de direitos humanos Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos do Homem difusão Web (webcasting) das sessões dos órgãos de controlo da aplicação dos Tratados em matéria de direitos humanos Montante (em euros)

9 Ficha 8 Ficha 9 Ficha 10 Ficha 11 Ficha 12 Ficha 13 Ficha 14 Reforço das competências jurídicas especializadas e promoção da cooperação Tribunal Penal Internacional Apoio aos principais intervenientes Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH) Desenvolvimento de redes indígenas e reforço das suas capacidades a nível internacional, regional, nacional e local. Apoio ao secretariado técnico dos representantes dos povos indígenas junto dos órgãos, organismos e sessões das Nações Unidas relativos aos direitos humanos Centro de Documentação, Pesquisa e Informação dos Povos Indígenas (DOCIP) Apoio aos principais intervenientes órgãos de controlo do Secretariado Internacional do Trabalho que supervisionam as convenções da OIT sobre os direitos dos povos indígenas e tribais Secretariado Internacional do Trabalho Apoio aos principais intervenientes Prevenir e combater a violência contra as mulheres em todo o mundo ONU Mulheres Apoio ao Centro Interuniversitário Europeu para os Direitos Humanos e a Democratização (EIUC) e à rede mundial dos direitos humanos e da educação para a democracia Medidas de apoio (Objetivo 2) Montante total do Programa de Ação Anual No âmbito do orçamento indicativo máximo para todas as ações específicas, não são consideradas substanciais as alterações cumulativas que não excedam 20 % da contribuição máxima da UE, desde que não afetem significativamente a natureza e os objetivos do Programa de Ação Anual.

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 24.4.2014 L 122/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 375/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de abril de 2014 que cria o Corpo Voluntário Europeu para a Ajuda Humanitária

Leia mais

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de junho de 2016 (OR. en) 10668/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações FSTR 36 FC 30 REGIO 43 SOC 435 AGRISTR 37 PECHE 244

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS CONTRATOS PÚBLICOS As entidades públicas celebram contratos para assegurar o fornecimento de obras e a prestação de serviços. Estes contratos, concluídos mediante remuneração com um ou mais operadores,

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 471 final 2004/0152 (COD) Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que cria o programa 'JUVENTUDE EM ACÇÃO' para o período

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana Parlamentarische Versammlung

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Guia Prático dos procedimentos aplicáveis aos Orçamentos-programa (abordagem projeto) Versão 4.0 Dezembro de 2012 ÍNDICE 1.

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR 1 ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as tipologias de apoios a atribuir pela Junta de

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO)

Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO) Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO) REF.: EASO/2016/CA/004 Publicação: Título da função:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.11.2010 COM(2010) 683 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO O voluntariado como expressão da solidariedade dos cidadãos da UE: primeiras

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PARECER JOIN(2012}39 a Proposta Conjunta de DECISÃO DO CONSELHO relativa às regras de execução pela União da Cláusula de solidariedade 1 ASSEMBLEIA

Leia mais

DIREITOS HUMANOS BASE JURÍDICA

DIREITOS HUMANOS BASE JURÍDICA DIREITOS HUMANOS Nas suas relações externas, a União Europeia está empenhada em defender uma política em prol da Democracia e dos Direitos Humanos assente nos seus princípios fundadores de liberdade, Democracia,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO

PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO 14.6.2006 C 139/1 I (Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO COMISSÃO ACORDO INTERINSTITUCIONAL Entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão, sobre a disciplina orçamental e a boa gestão financeira

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 26.1.2006 COM(2006)29 final 2006/0009(CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que estabelece um mecanismo comunitário no domínio da protecção civil (reformulada)

Leia mais

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de julho de 2013, na 1176.ª reunião dos Delegados dos Ministros)

Leia mais

10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C

10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 10128/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 9 de junho de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8770/16,

Leia mais

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG) Aviso para candidaturas a financiamento comunitário para prevenção e combate ao racismo, xenofobia, homofobia e outras formas de intolerância Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 19.05.2004 COM(2004)385 final 2004/0121(CNS). Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que concede uma garantia da Comunidade ao Banco Europeu de Investimento em caso

Leia mais

União Europeia. Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos (IEDDH) EM MOÇAMBIQUE. Slide 1

União Europeia. Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos (IEDDH) EM MOÇAMBIQUE. Slide 1 União Europeia Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos (IEDDH) EM MOÇAMBIQUE Slide 1 O IEDDH IEDDH tem por objectivo ajudar a sociedade civil a converter-se numa força efectiva de defesa

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 14.4.2015 2015/2006(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a promoção do empreendedorismo jovem através da educação e da formação (2015/2006(INI))

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/104 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1291/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de dezembro de 2013 que cria o Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

RECOMENDAÇÕES. (Texto relevante para efeitos do EEE) (2013/473/UE)

RECOMENDAÇÕES. (Texto relevante para efeitos do EEE) (2013/473/UE) 25.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 253/27 RECOMENDAÇÕES RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 24 de setembro de 2013 relativa às auditorias e avaliações realizadas por organismos notificados no domínio

Leia mais

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO CULTURA E EDUCAÇÃO QUALIDADE DOS CUIDADOS E DA EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ESTUDO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo

Leia mais

Comité Económico e Social Europeu PARECER

Comité Económico e Social Europeu PARECER Comité Económico e Social Europeu ECO/366 Desenvolvimento local de base comunitária Bruxelas, 11 de dezembro de 2014 PARECER do Comité Económico e Social Europeu sobre o Desenvolvimento local de base comunitária

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO ACP-EU JOINT PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEE PARLEMENTAIRE PARITAIRE ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos ACP-EU/101.753/B 19.03.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre diversidade cultural e direitos humanos

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE P7_TA(2013)0322 Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE Resolução do Parlamento Europeu, de 4 de julho de 2013,

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

Igualdade de remuneração entre homens e mulheres por trabalho igual ou de valor igual

Igualdade de remuneração entre homens e mulheres por trabalho igual ou de valor igual 13.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 264 E/75 Igualdade de remuneração entre homens e mulheres por trabalho igual ou de valor igual P7_TA(2012)0225 Resolução do Parlamento Europeu, de 24 de maio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 32/2015 de 22 de maio O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º, REGULAMENTO (CE) Nº 1083/2006 DO CONSELHO de 11 de Julho de 2006 que estabelece disposições gerais sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu e o Fundo de Coesão, e que revoga

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Entre: O MUNICÍPIO DA LOUSÃ, pessoa coletiva n.º 501121528, com sede na Vila da Lousã, neste

Leia mais

PRINCIPAIS RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES DO CAD EXAME PELOS PARES DA OCDE À COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PORTUGAL 2016

PRINCIPAIS RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES DO CAD EXAME PELOS PARES DA OCDE À COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PORTUGAL 2016 PRINCIPAIS RESULTADOS E RECOMENDAÇÕES DO CAD EXAME PELOS PARES DA OCDE À COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PORTUGAL 2016 Tradução parcial da publicação da OCDE originalmente editada em Inglês sob o título:

Leia mais

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 acompanhado das respostas da Empresa Comum 12, rue Alcide De Gasperi - L - 1615 Luxembourg T (+352) 4398 1 E eca-info@eca.europa.eu

Leia mais

Ministro da Ecologia, do Desenvolvimento Sustentável e da Energia da República Francesa. Ministro da Indústria, da Energia e do Turismo da Espanha

Ministro da Ecologia, do Desenvolvimento Sustentável e da Energia da República Francesa. Ministro da Indústria, da Energia e do Turismo da Espanha Memorando de Entendimento sobre a criação de um Grupo de Alto Nível em matéria de interconexões no Sudoeste da Europa Partes: Comissão Europeia Ministro da Ecologia, do Desenvolvimento Sustentável e da

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

JO/S S97 21/05/2016 173059-2016-PT. Programas de ajuda externa - Serviços - Anúncio de concurso - Concurso limitado 1 / 5

JO/S S97 21/05/2016 173059-2016-PT. Programas de ajuda externa - Serviços - Anúncio de concurso - Concurso limitado 1 / 5 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:173059-2016:text:pt:html Angola-Luanda: FED Prestação de serviços de assistência técnica para o estabelecimento do

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Controlo Orçamental 29.1.2015 2014/2111(DEC) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Ferroviária Europeia para o exercício de

Leia mais

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO P7_TA-PROV(2012)0346 Fundos de Capital de Risco Europeus ***I Alterações, aprovadas pelo Parlamento Europeu em 13 de setembro de 2012, a uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1303/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.3.2004 COM(2004) 154 final. COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Para uma cidadania efectiva: promover a cultura e a diversidade europeias através de programas no domínio

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO E MUNICÍPIO DO BARREIRO 1 Entre: O Município do Barreiro pessoa coletiva de direito público com o nº 506673626 com sede no

Leia mais

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo P7_TA-PROV(2012)0310 Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo Resolução do Parlamento Europeu, de 11 de setembro de 2012, sobre o reforço da solidariedade na União Europeia no domínio

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 26.3.2013 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à comunicação de ocorrências

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA Documento estratégico para apreciação e discussão pública Direção-Geral de Saúde, 6 de abril de 2016 1 Índice RESUMO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 5 1.

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: NORMAS EM MATÉRIA DE TRÁFEGO E SEGURANÇA A UE pretende realizar um espaço europeu da segurança rodoviária ao longo da década de 2010-2020. As competências nesta matéria são principalmente

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO E A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA Acordo de Cooperação Preâmbulo A Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) e o Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013

Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013 Progress em acção: O Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social 2007-2013 A presente publicação é apoiada pelo Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.8.2015 COM(2015) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projeto de Relatório Conjunto

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.1 Construção de projetos

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.1 Construção de projetos Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.1 Construção de projetos 2 Ficha 3.1 Construção de projetos Índice 1 Lógica de intervenção: uma abordagem centrada nos resultados...

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE APOIO A REFUGIADOS E REQUERENTES DE ASILO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE APOIO A REFUGIADOS E REQUERENTES DE ASILO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE APOIO A REFUGIADOS E REQUERENTES DE ASILO CONSIDERANDO: O Preâmbulo da Convenção de 1951 relativa ao estatuto dos refugiados, assinada e ratificada através do Decreto-Lei

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Desenvolvimento Regional PROVISÓRIO 2004/0000 23.8.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional destinado à Comissão das Petições

Leia mais

VISÃO 20/20 DECLARAÇÃO DE MISSÃO. Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã.

VISÃO 20/20 DECLARAÇÃO DE MISSÃO. Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã. EXTRAIR A VERDADE VISÃO 20/20 Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã. DECLARAÇÃO DE MISSÃO Publique O Que Paga (POQP) é uma rede global de organizações da

Leia mais

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de janeiro de 205 (OR. en) 5306/5 ADD FIN 28 PE-L 5 NOTA PONTO "I/A" de: para: Assunto: Comité Orçamental Comité de Representantes Permanentes/Conselho Quitação

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES

CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES CIMEIRA DE PARIS DE DEZEMBRO DE 1974: UM MARCO NA HISTÓRIA DAS COMUNIDADES Nº 43 Sétima cimeira da Comunidade desde o Tratado de Roma, a Cimeira de Paris produziu algumas das mais importantes decisões

Leia mais

1/7. Nota de Abertura. Actualidade Internacional. Actualidade Nacional. Recursos. Eventos. Ficha Técnica

1/7. Nota de Abertura. Actualidade Internacional. Actualidade Nacional. Recursos. Eventos. Ficha Técnica Nota de Abertura Actualidade Internacional Pequim +15 Questionário aos Governos Reforma Legislativa da UNICEF nos Direitos da Criança Conclusões do Concelho Europeu sobre a Erradicação da Violência contra

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

***I PROJETO DE RELATÓRIO

***I PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0387(COD) 1.6.2012 ***I PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão do Parlamento Europeu e do Conselho relativa

Leia mais

25.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 115/39

25.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 115/39 25.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 115/39 REGULAMENTO (UE) N. o 347/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de abril de 2013 relativo às orientações para as infraestruturas energéticas

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 24.11.2015 COM(2015) 578 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório anual de 2015 sobre as políticas da União Europeia em matéria de desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais