Eficiência em dimensões reduzidas!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência em dimensões reduzidas!"

Transcrição

1 Caálogo Janeiro 200 para moores assíncronos Eficiência em dimensões reduzidas! Ninguém faz ano com a elericidade.

2 para moores assíncronos Sumário Apresenação Páginas 2 e Caracerísicas, aplicações especiais Páginas 4 a 6 Referências Páginas 7 e 8 Dimensões, monagem Páginas 9 e 0 Esquemas Página Conexões Página 2 Associações Página Funções Páginas 4 a 9

3 Apresenação BR Schneider Elecric

4 Apresenação (coninuação) Aplicações O é um inversor de freqüência para moores assíncronos rifásicos de gaiola, para poências compreendidas enre 0,8 kw e 2,2 kw. Três ipos de alimenação são disponíveis: b 00 V a 20 V monofásica b 200 V a 240 V monofásica b 200 V a 20 V rifásica O incorpora caracerísicas específicas aos mercados locais e possui funções que aendem às aplicações mais comuns, principalmene: b movimenação horizonal (pequenos ransporadores, ec), b venilação, bomba, conrole de acesso, poras auomáicas, b máquinas especiais (misuradores, máquinas de lavar, cenrífugas, ec). Funções As principais funções incorporadas no inversor são: b parida e regulação de velocidade b inversão do senido de roação b aceleração, desaceleração, parada b proeções do moor e do inversor b comando a 2 fios / a fios b 4 velocidades pré-selecionadas b memorização da configuração no inversor b injeção de correne conínua na parada b comuação de rampa b religameno auomáico com reomada de velocidade (parida com moor já em movimeno), b comandos locais: eclas RUN e STOP e poenciômero Diversas funções podem ser configuradas na mesma enrada lógica. Variações de consrução Os inversores são fornecidos com dissipador (iem ) para ambienes normais e invólucros venilados, ou sobre base (iem 2 ) para monagem na esruura da máquina, quando a massa desa esruura permiir a absorção do calor. Opções Os inversores comunicam, pono a pono, somene com as seguines ferramenas e sofwares: b Solução de diálogo avançado PowerSuie: v sofware PowerSuie para configuração do inversor (iem ), v ki PowerSuie para Pocke PC (iem 4 ), v conversor para conexão a um PC ou a um Pocke PC. As seguines opções podem ser uilizadas com o inversor : b módulo de frenagem conecado ao barrameno CC do inversor, b resisências de frenagem, para a dissipação da energia reenviada ao inversor quando o moor esiver operando como gerador, b filros de enrada CEM, aenuadores de radiofreqüências adicionais, b placas de monagem em perfil 5, b placa de adapação para subsiuição do inversor Alivar 08, b placa auxiliar para monagem CEM, aerrameno das blindagens dos cabos. Caracerísicas: páginas 4 a 6 Referências: páginas 7 e 8 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página Schneider Elecric

5 Caracerísicas Generalidades Conformidade às normas Os inversores foram desenvolvidos para aender aos níveis mais severos das normas nacionais e inernacionais e com as recomendações relaivas aos equipamenos eléricos de conrole indusrial (IEC, EN) e principalmene: EN 5078, imunidade CEM e CEM emissão conduzida e irradiada. Marcação e Imunidade CEM b IEC/EN nível b IEC/EN nível b IEC/EN nível 4 b IEC/EN nível (acesso à poência) b IEC/EN 6800-, ambienes e 2 CEM, emissão conduzida e irradiada pelos inversores: Cerificações do produo Grau de proeção IP 20 Suporabilidade às vibrações Inversor sem opção rilho 5 Segundo IEC/EN : -,5 mm pico de a Hz - gn de a 200 Hz b IEC/EN 6800-, ambienes: 2 (rede indusrial) e (rede pública) com disribuição resria b Com filro CEM adicional: EN 550, EN classe B, 2 a 6 khz Os inversores foram desenvolvidos para respeiar as direrizes européias de baixa ensão (7/2/CEE e 9/68CEE) e CEM (89/6/CEE). Por ese moivo, os inversores êm a sigla e da comunidade européia. UL, CSA, NOM 7 e C-TICK Suporabilidade aos choques 5 gn durane ms segundo IEC/EN Umidade relaiva 5 9% sem condensação nem goejameno, segundo IEC Temperaura ambiene Para esocagem C nas proximidades do produo Para funcionameno C , : removendo o fechameno de proeção na pare superior do inversor. Aé + 60, desclassificar a correne em 2,2% por C acima de 50 C Aliude máxima de uilização m 000 sem desclassificação (acima, desclassificar a correne em % a cada 00 m suplemenares) Posição de funcionameno Inclinação máxima permanene em relação à posição verical normal de monagem Caracerísicas de acionameno Gama de freqüência de saída Hz Freqüência de chaveameno khz 2 6 Gama de velocidade 20 Sobreconjugado ransiório 50% do conjugado nominal do moor Conjugado de frenagem - 20% do conjugado nominal do moor sem resisência de frenagem, sem carga e com a função adapação da rampa de desaceleração habiliada - 80% do conjugado nominal do moor com resisência de frenagem (como opcional), sem carga - Aé 50% do conjugado nominal do moor com resisência de frenagem (como opcional), com ala inércia Correne ransiória máxima 50% da correne nominal do inversor durane 60 segundos Relação ensão/freqüência Conrole veorial de fluxo sem realimenação com sinal de comando do moor ipo PWM () Pré-regulada em fábrica para a maioria das aplicações com conjugado consane. Ganhos da malha de freqüência Pré-regulados em fábrica a esabilidade e o ganho da malha de velocidade. Correção possível para máquinas com alo conjugado resisene ou inércia elevada, ou máquinas com ciclos rápidos. Compensação de escorregameno Pré-regulada em fábrica, segundo o calibre do inversor (regulagem possível) () Modulação por largura de pulsos Apresenação: páginas 2 e Referências: páginas 7 e 8 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página 4 Schneider Elecric

6 Caracerísicas (coninuação) Caracerísicas eléricas Alimenação Tensão V 200-5% a % monofásica para ATV puppm2a 200-5% a % rifásica para ATV puppma 00-5% a % monofásica para ATV puppfa Freqüência Hz 50 ± 5% ou 60 ± 5% Tensão de saída Capacidade máxima de conexão da alimenação, do moor e do módulo de frenagem Comprimeno máximo dos cabos do moor Isolação galvânica Fones inernas disponíveis Enrada analógica AI Enradas lógicas LI Saída DO Saída a relé (RA-RC) Icc A 000 (correne de curo-circuio presumida no pono de ligação) para alimenação monofásica 5000 (correne de curo-circuio presumida no pono de ligação) para alimenação rifásica Tensão rifásica máxima igual: - à ensão da rede de alimenação para ATV puppmpa - ao dobro da ensão da rede de alimenação para ATV puppfa Inversores ATV pu05ppa,,5 mm 2 (AWG 4) U09ppA, U8MpA Inversores ATV p 4 mm 2 (AWG 0) U8FA, U29ppA, U4ppA m - 50, cabo blindado - 00, cabo não blindado Isolação galvânica enre poência e conrole (enradas, saídas, fones) Proegidas conra curos-circuios e sobrecargas: - saída + 5 V (0/+ 5%) para o poenciômero de referência (2,2 a 0 kω), correne máxima 0 ma - saída + 5 V (± 5%) para as enradas de comando, correne máxima 00 ma enrada analógica configurável Tempo máx. de amosragem: 20 ms, resolução 0,4%, linearidade ± 5%: - ensão 0-5 V (somene alimenação inerna) ou 0-0 V, impedância 40 kω - correne 0-20 ma ou 4-20 ma (sem adição de uma resisência), impedância 250 Ω 4 enradas lógicas configuráveis, impedância 5 kω Alimenação + 5 V inerna ou 24 V exerna (mín. V, máx. 0 V). Regulagem com comando a 2 fios em modo ransição por razões de segurança das máquinas: - LI: senido avanço - LI2: senido reverso - LI/LI4: 4 velocidades pré-selecionadas - comandos locais A muliconfiguracão permie misurar diversas funções numa mesma enrada (exemplo: LI configurada no senido avanço e velocidade pré-selecionada 2, LI configurada no senido reverso e velocidade pré-selecionada ) Lógica posiiva Esado 0 se < 5 V, esado se > V Tempo máx. de amosragem: 20 ms Lógica negaiva Disponível para programação somene na gama Ásia Esado 0 se > V ou enrada lógica não cabeada, esado se < 5 V Tempo máx. de amosragem: 20 ms Regulagem de fábrica: - saída a coleor abero ipo PWM a 2 khz (). Para uilização com galvanômero eleromagnéico, - correne máxima 0 ma - impedância de saída kω, linearidade ± %, empo máx. de amosragem 20 ms. Configurável como saída lógica: - saída lógica a coleor abero, impedância de saída 00 Ω, 50 ma máx., - ensão inerna (ver fones inernas disponíveis acima) - ensão exerna 0 V máx: 50 ma saída lógica a relé proegida (conao abero em falha). Capacidade de comuação mínima: 0 ma para c 24 V. Capacidade de comuação máxima: b com carga resisiva (cos ϕ = e L/R = 0 ms): 5 A para a 250 V ou c 0 V b com carga induiva (cos ϕ = 0,4 e L/R = 7 ms): 2 A para a 250 V ou c 0 V Capacidade máxima de conexão das Enradas/Saídas,5 mm 2 (AWG 4) Rampas de aceleração e de desaceleração Forma das rampas: linear de 0, a 99,9 s. Adapação auomáica dos empos de rampa de desaceleração no caso de ulrapassagem das possibilidades de frenagem, eliminação possível desa adapação (uilização do módulo de frenagem). Frenagem na parada Por injeção de correne conínua: auomaicamene na parada quando a freqüência orna-se nula, durane um empo regulável de 0, a 0 s ou permanenemene, correne regulável de 0 a,2 In Principais proeções e seguranças do inversor b Proeção érmica conra aquecimenos excessivos b Proeção conra curos-circuios enre as fases de saída b Proeção conra sobrecorrenes enre fases de saída e erra, somene na energização b Seguranças de sobreensão e subensão da rede b Segurança de ausência de fase da rede, em rifásica. Proeção do moor Proeção érmica inegrada no inversor por cálculo permanene do l 2. Apagameno da memória érmica na desenergização. Resisência de isolação à erra MΩ > 500 (isolação galvânica) Resolução de freqüência Display: 0, Hz Enrada analógica: 0, Hz para 200 Hz máx. Consane de empo numa mudança de referência ms 5 () Modulação por largura de pulsos Apresenação: páginas 2 e Referências: páginas 7 e 8 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página Schneider Elecric 5

7 Caracerísicas, aplicações especiais Caracerísicas de conjugado (curvas ípicas) As curvas abaixo definem o conjugado permanene e o sobreconjugado ransiório disponíveis para moor auovenilado ou para moor moovenilado. A diferença reside unicamene na capacidade do moor de fornecer um conjugado permanene elevado abaixo da meade da velocidade nominal. C/Cn 2,7,5,25 0, ,5 0, N (Hz) Moor auovenilado: conjugado úil permanene 2 Moor moovenilado: conjugado úil permanene Sobreconjugado ransiório em regulagem de fábrica, moor aquecido. 4 Sobreconjugado ransiório em regulagens oimizadas, moor aquecido. Uilizações especiais Uilização com moor de poência diferene do calibre do inversor O inversor pode alimenar qualquer moor de poência inferior àquele para o qual foi previso. Para poências de moores levemene superiores ao calibre do inversor, assegurarse que a correne absorvida não ulrapasse a correne de saída permanene do inversor. Associação de moores em paralelo O calibre do inversor deve ser superior ou igual à soma das correnes dos moores a inerligar nese inversor. Nese caso, deve-se prever para cada moor uma proeção érmica exerna por sondas ou relé érmico. Se o número de moores em paralelo for superior ou igual a, é recomendada a insalação de uma induância rifásica enre o inversor e os moores. Noa: Para as referências das induâncias, consular nosso Deparameno Comercial. Apresenação: páginas 2 e Referências: páginas 7 e 8 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página 6 Schneider Elecric

8 Referências Inversores com dissipador (gama de freqüência de 0 a 200 Hz) Moor Rede Poência indicada na placa Correne de linha máx. () Correne de saída permanene (2) Correne. Poência ransiória dissipada máx. () com carga nominal Referência Peso kw HP A A A W kg Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz (4) 0,8 0,25 6,4 2, 4 ATV HU05FA 0,900 0,7 0,5 9 2,4,6 25 ATV HU09FA,000 ATV HU8M2A 0, ATV HU8FA,800 (5) Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz (4) 0,8 0,25,,4 2, 4 ATV HU05M2A 0,900 0,7 0,5 6 2,4,6 25 ATV HU09M2A, ,75 9, ATV HU8M2A,00,5 2 7, 7,5,2 78 ATV HU29M2A,800 (5) 2,2 24, ATV HU4M2A,800 (5) Tensão de alimenação rifásica: V 50/60 Hz 0,8 0,25,8,4 2,,5 ATV HU05MA 0,900 0,7 0,5,6 2,4,6 24 ATV HU09MA,000 ATV PU8M2A 0,75 6, ATV HU8MA, ,5 2 7,5,2 75 ATV HU29MA (5) 2,2 5, ATV HU4MA (5) Inversores sobre base (gama de freqüência de 0 a 200 Hz) Moor Rede Poência indicada na placa Correne de linha máx. () Correne de saída permanene (2) Correne. Poência ransiória dissipada máx. () com carga nominal Referência,800,800 Peso kw HP A A A W kg Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz (4) 0,7 0,5 9 2,4,6 25 ATV PU09FA 0,900 ATV HU4M2A Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz (4) 0,7 0,5 6 2,4,6 25 ATV PU09M2A 0,900 0,75 9, ATV PU8M2A 0, ATV HU4MA Tensão de alimenação rifásica: V 50/60 Hz 0,7 0,5,6 2,4,6 24 ATV PU09MA 0,900 0,75 6, ATV PU8MA 0,900 () O valor da correne de linha é dado para as condições de medição indicadas na abela abaixo. Calibre do inversor Icc presumida Tensão de linha ATV pufa ka 00 V ATV pum2a ka 200 V ATV puma 5 ka 200 V (2) O valor da correne é dado por uma freqüência de chaveameno de 4 khz. () Para 60 segundos. (4) Saída rifásica para o moor. Para o ATV puppfa, a ensão máxima de saída é igual ao dobro da ensão de alimenação. (5) Com venilador inegrado. Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página Schneider Elecric 7

9 Referências Opcionais e acessórios Descrição Para inversores Referência Peso kg Solução de diálogo avançado PowerSuie Todos os calibres Conversor, para conexão com PC ou Pocke PC, equipados com sofware PowerSuie Filros de enrada CEM adicionais Todos os calibres VW A0 0,070 ATV HU05FA ATV HU09FA ATV HU05M2A ATV HU09M2A ATV HU8M2A VW A40 0,650 ATV HU8FA ATV HU29M2A ATV HU4M2A VW A402 0,850 VW A5870p ATV HU05MA ATV HU09MA ATV HU8MA VW A40 0, Módulo de frenagem conecado ao barrameno CC ATV HU29MA ATV HU4MA VW A404 0,850 Todos os calibres VW A70 0,250 Resisências de frenagem Não proegidas (IP 00) ATV pu05ppp () ATV pu09ppp () ATV pu2ppp () ATV pu8ppp () ATV pu29ppp (2) VW A ,600 ATV pu4ppp (2) VW A ,600 Proegidas (IP 0) ATV pu05ppp () ATV pu09ppp () ATV pu2ppp () ATV pu8ppp () ATV pu29ppp (2) VW A5872 2,000 ATV pu4ppp (2) VW A587 2,000 VW A587p Placas para monagem em rilho 5 (largura 5 mm) ATV pu05ppp ATV pu09ppp ATV pu2ppp ATV pu8mpp VW A85 0,220 ATV HU8Fp ATV pu29ppp ATV pu4ppp VW A852 0,00 Placa de adapação para subsiuição do Alivar 08 Todos os calibres VW A8 0,220 Placa para monagem CEM Todos os calibres VW A8 0, Ki de venilação () ATV HU8Fp ATV HU8MpU ATV HU29ppp ATV HU4ppp VW A82 0,070 () Valor mínimo da resisência a associar: 75 ohms. (2) Valor mínimo da resisência a associar: 5 ohms. () Venilador de "baixo ruído". VW A852 Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Dimensões, monagem: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página 8 Schneider Elecric

10 = Dimensões ATV HU05ppA, ATV PUppppA c b 2x = H = = G = a ATV a b c G H Ø HU05ppA, ± ± 4 PUppppA ATV HU09ppA c b 2x = H = = G = a ATV a b c G H Ø HU09ppA ± ± 4 ATV HU8MpA ATV HU8FA, ATV HU29MpA, ATV HU4MpA c b 2x = H = = G = c b 4x = H = = G = a a ATV a b c G H Ø ATV a b c G H Ø HU8MpA ± ± 4 HU8FA, HU29MpA, HU4MpA ±0,5 ± 4 Filros de enrada CEM VW A40 a A404 Resisências de frenagem proegidas VW A5872 e A587 Resisências de frenagem não proegidas VW A58702 e A58704 (saída a 2 fios, comprimeno 0,5 m) b H 2 0 8, = 40 = 60 c = G = a Módulo de frenagem VW A70 (monagem em perfil AM-ED) VW a b c G H A A A A = = 85 = Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Referências: páginas 7 e 8 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página Schneider Elecric 9

11 Dimensões, monagem Placa de adapação ATV 08 VW A8 Placas para monagem em perfil 7 VW A85 e A ,6 4,6 2,9 77,5 Placa para monagem CEM VW A8 7,9 77,5 Ki de venilação VW A82 9,9 22,8 6 () (2) 59,9 5 67,6 () 2 parafusos fornecidos para fixação da placa. (2) 5 parafusos de Ø 4 mm para fixação dos grampos CEM. Precauções de monagem 2, 59 b Insalar o produo na posição verical a ± 0. b Eviar insalá-lo nas proximidades de elemenos geradores de calor. b Respeiar um espaço livre suficiene para garanir a circulação de ar necessário ao resfriameno, que é feia por convecção naural ou por venilação de baixo para cima. b Espaço livre na frene do produo: 0 mm mínimo. De -0 C a 40 C d 50 mm: sem precauções especiais. d = 0 (monados lado a lado): remover a ampa de proeção na pare superior do inversor. De 40 C a 50 C d 50 mm: remover a ampa de proeção na pare superior do inversor. De 50 C a 60 C d 50 mm: remover a ampa de proeção na pare superior do inversor, e desclassificar a correne nominal do inversor de 2,2% por C acima de 50 C. Recomendações para monagem na esruura de máquina (específicas dos inversores ATV PUppppA ) () (2) Os inversores ATV PpppppA podem ser monados sobre (ou denro) de uma esruura de máquina, de aço ou de alumínio, respeiando as seguines condições: b emperaura ambiene máxima: 40 C b monagem na posição verical a ± 0 b o inversor deve ser insalado no cenro do supore (esruura) com espessura mínima de 0 mm e com área de resfriameno quadrada (2) mínima de 0,2 m 2 para aço e 0,09 m 2 para alumínio, exposa ao ar livre. b superfície de apoio do inversor (mín.42 x 72) usinada na esruura, deve apresenar uma irregularidade máxima de 00 µm e uma rugosidade máxima de,2 µm. b desbasar levemene os furos rosqueados para eliminar as aresas. b uilizar graxa de conao érmico (ou equivalene) em oda a superfície de apoio do inversor. Esa uilização deve ser previamene verificada, quando as condições de operação forem próximas aos limies máximos (poência, ciclo e emperaura), pela supervisão do esado érmico do inversor. () 2 furos rosqueados Ø M4. (2) Superfície mínima usinada Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Referências: páginas 7 e 8 Esquemas, conexões: página e 2 Associações: página 0 Schneider Elecric

12 Esquemas Esquemas com conaor Alimenação rifásica ATV ppppma V 50/60 Hz Alimenação monofásica ATV ppppfa e ATV ppppm2a V 50/60 Hz e V 50/60 Hz Q (4) Q (4) KM KM () (2) () 2 4 () (2) () A L L2 L RA RC LI LI2 LI LI4 + 5 V DO A U V L W PA/+ PC/ + 5 V N/L2 AI 0 V U V RA RC W PA/+ LI PC/ + 5 V AI 0 V LI2 LI LI4 + 5 V DO U V M W A2 Resisência de frenagem + PA PB (5) Poenciômero de referência 0-20 ma ou 4-20 ma 0-0 V (alimenação exerna) U V M W A2 Resisência de frenagem + PA PB (5) Poenciômero de referência 0-20 ma ou 4-20 ma 0-0 V (alimenação exerna) Comando a 2 fios Comando a fios Enrada analógica em ensão Enrada analógica em correne 0 V exerna 0-20 ma ou 4-20 ma Bornes de conrole ATV + 5 V LI LIx + 5 V Bornes de conrole ATV LI LI2 LIx Bornes de conrole ATV AI 0 V Bornes de conrole ATV AI 0 V LI: Avanço LIx: Reverso LI: Parada LI2: Avanço LIx: Reverso Poenciômero de referência 2,2 a 0 kω Fone 0-20 ma ou 4-20 ma Para as associações dos componenes KM, Q, ec (ver a abela na página ). () Conao do relé de falha: para sinalizar a disância o esado do inversor. (2) +5 V inerna. No caso de uilização de uma fone exerna +24 V, ligar o 0 V dese ao borne 0 V, não uilizar o borne + 5 do inversor, e ligar o comum das enradas LI ao + 24 V da fone exerna. () Saída DO: saída analógica ou saída lógica configurável. Tensão inerna + 5 V ou exerna + 24 V. (4) Galvanômero ou relé de baixo nível. (5) Módulo de frenagem VW A70, no caso de uilização de uma resisência de frenagem VW A587pp. Noa: Equipar com aniparasias odos os circuios específicos próximos do inversor ou acoplados no mesmo circuio, ais como, relés, conaores, eleroválvulas, iluminação fluorescene, ec. Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Referências: páginas 7 e 8 Associações: página Funções: página 4 a 9 Schneider Elecric

13 Conexões Compaibilidade eleromagnéica Conexões que permiem o respeio às normas CEM Princípio b Os ponos de erra do inversor, do moor e das blindagens dos cabos devem esar num mesmo poencial, do pono de visa das alas freqüências. b Para os cabos do moor, se necessário do módulo e da resisência de frenagem, e os cabos de conrole e comando, devem ser uilizados cabos blindados com blindagens ligadas à massa em 60 nas duas exremidades. Esa blindagem pode ser realizada em pare do percurso por ubos ou canaleas meálicas sob a condição que não haja desconinuidade. b Separar o melhor possível o cabo de alimenação (rede) do cabo do moor. Desenho de insalação para ATV puppppa Placa de monagem VW A8 a ser monada no inversor. 2 Cabo de alimenação não blindado. 4 Cabo não blindado para a saída dos conaos do relé de falha. 5 Fixação e aerrameno das blindagens dos cabos 6 e 7, o mais pero possível do inversor: - desencapar as blindagens, - uilizar braçadeiras de dimensões apropriadas nas pares desencapadas das blindagens, para fixação na placa de monagem. - as blindagens devem ser suficienemene aperadas sobre a placa de monagem para assegurar a eficácia dos conaos, - ipos das braçadeiras: meálicas inoxidáveis. 6 Cabo blindado() para ligação ao moor. 7 cabo blindado () para ligação do conrole/comando. Para aplicações que necessiam de muio conduores, uilizar cabos de secção pequena (0,5 mm 2 ). 8 Cabo PE. () A blindagem dos cabos (6, 7 e 8) deve ser conecada ao erra nas duas exremidades. Esa blindagem não deve ser inerrompida e, em caso de borneiras inermediárias, esas deverão ser colocadas em caixas meálicas blindadas CEM Noa: No caso de uilização de um filro de enrada adicional, ese deverá ser monado na pare inferior do inversor, e direamene conecado à rede por cabo não blindado. A ligação no inversor será enão realizada pelo cabo de saída do filro. A ligação equipoencial AF (ala freqüência) dos aerramenos enre inversor, moor e blindagens dos cabos, não dispensa a ligação dos conduores de proeção PE (verde-amarelo) aos bornes previsos para ese fim, em cada um dos produos. Apresenação: páginas 2 e Caracerísicas: páginas 4 a 6 Referências: páginas 7 e 8 Associações: página Funções: página 4 a 9 2 Schneider Elecric

14 Associações Associações realizadas pelo usuário Função: assegurar a proeção das pessoas e dos equipamenos, quaisquer que sejam os níveis de sobrecorrene enconrados (sobrecarga ou curo-circuio). Poências normalizadas dos moores rifásicos 4 pólos 50/60 Hz Inversor de freqüência Referência Disjunor Telemecanique () Faixa de Correne regulagem de curocircuio máxima Icu Conaor Referência kw HP A ka M A Q KM Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz 0,8 0,25 ATV HU05FA GV2 pp > 00 LC D09 0,7 0,5 ATV pu09fa GV2 pp > 00 LC D2 0,75 ATV HU8FA GV2 pp LC D25 Tensão de alimenação monofásica: V 50/60 Hz 0,8 0,25 ATV HU05M2A GV2 pp08 2,5...4 > 00 LC D09 0,7 0,5 ATV pu09m2a GV2 pp > 00 LC D09 0,75 ATV pu8m2a GV2 pp > 00 LC D2,5 2 ATV HU29M2A GV2 pp LC D25 2,2 ATV HU4M2A GV2 pp LC D2 Tensão de alimenação rifásica: V 50/60 Hz 0,8 0,25 ATV HU05MA GV2 pp07,6...2,5 > 00 LC D09 0,7 0,5 ATV pu09ma GV2 pp08 2,5...4 > 00 LC D09 0,75 ATV pu8ma GV2 pp > 00 LC D09,5 2 ATV HU29MA GV2 pp > 00 LC D2 2,2 ATV HU4MA GV2 pp LC D25 () Subsiuir os ponos por ME para um comando por boões a impulsão ou por P para um comando por comuador. A coordenação ipo 2 é assegurada pela associação de um disjunor ipo GV2 e um evenual conaor ipo LC Dpp, com o inversor correspondene. Apresenação: páginas 2 e Referências: páginas 7 e 8 Dimensões: páginas 9 e 0 Esquemas, conexões: página e 2 Funções: página 4 a 9 Schneider Elecric

15 Funções Sumário das funções Faixa de velocidade de funcionameno página 5 Tempos das rampas de aceleração e de desaceleração página 5 Segunda rampa página 5 Adapação da rampa de desaceleração página 5 Velocidades pré-selecionadas página 6 Configuração da enrada analógica AI página 6 Saída lógica ou analógica DO página 6 Senido de roação avanço/reverso página 6 Comando a 2 fios página 7 Comando a fios página 7 Injeção de correne conínua auomáica página 7 Freqüência de chaveameno, redução de ruídos página 7 Relé de falha, desravameno página 7 Rearme após falha (rese) página 8 Religameno auomáico página 8 Religameno auomáico com reomada de velocidade página 8 Parada conrolada na fala de rede página 8 Proeção érmica do inversor página 8 Proeção érmica do moor página 8 Supervisão página 9 Funções incompaíveis página 9 Funções adicionais de comando página 9 Pré-regulagem de fábrica do inversor Para faciliar a colocação em operação do inversor, as funções são programadas para responder às aplicações mais comuns. Funções e enradas/saídas do inversor: b Comando a 2 fios em ransição v Enrada lógica LI : avanço v Enrada lógica LI2 : reverso b Velocidades pré-selecionadas: v Enrada lógica LI : velocidades pré-selecionadas v Enrada lógica LI4 : velocidades pré-selecionadas b Enrada analógica AI: referência de velocidade 0-5 V b Saída lógica/analógica DO: freqüência do moor (analógica) b Adapação da rampa de desaceleração b Injeção de correne conínua auomáica durane 0,5 s na parada. Funções do display e das eclas ESC ENT RUN STOP 6 7 A visualização é feia por códigos ou valores com regras de visualização aravés de dígios de 7 segmenos. 2 Teclas de deslocameno pelos menus ou de modificação dos valores. ESC : Tecla de saída dos menus (sem ação de validação). 4 ENT : Tecla de validação para enrar no menu ou confirmar o novo valor escolhido. 5 RUN : Comando local de parida do moor. 6 STOP : Comando local de parada do moor. 7 Poenciômero de referência de velocidade. 4 Schneider Elecric

16 Funções (coninuação) b Faixa de velocidade de funcionameno Permie a deerminação dos 2 limies de freqüência que definem a faixa de velocidade permiida pela máquina em condições reais de operação. f (Hz) HSP LSP : velocidade mínima, de 0 a HSP, pré-regulagem 0 HSP : velocidade máxima, de LSP a 200 Hz, pré-regulagem 50/60 Hz LSP 0 V 0 V 0 ma 4 ma Referência 5 V 0 V (alimenação exerna) 20 ma 20 ma b Tempos das rampas de aceleração e de desaceleração Permie a deerminação dos empos das rampas de aceleração e de desaceleração em função da aplicação e da dinâmica da máquina. f (Hz) f (Hz) 50/60 50/ Rampa de aceleração linear Regulagem de : 0, a 99,9 s, pré-regulagem s. Rampa de desaceleração linear Regulagem de 2: 0, a 99,9 s, pré-regulagem s. b Segunda rampa Permie a comuação de 2 empos de rampa em aceleração e em desaceleração, reguláveis separadamene. Validação: por enrada lógica a definir. Função indicada para máquinas com correção de velocidade rápida em regime esabelecido e os ornos de grande velocidade com limiação da aceleração e da desaceleração a parir de ceras velocidades. f(hz) HSP Acc 2 Dec 2 Aceleração (Acc ) e desaceleração (Dec ) : - regulagem 0, a 99,9 s - pré-regulagem s Acc Dec Aceleração 2 (Acc 2) e desaceleração 2 (Dec 2) : - regulagem 0, a 99,9 s - pré-regulagem 5 s Regulagem da segunda rampa com Pocke PC PowerSuie Avanço ou reversão 0 HSP: velocidade máxima LI4 0 Exemplo de comuação pela enrada lógica LI4 b Adapação da rampa de desaceleração Permie aumenar auomaicamene o empo da rampa de desaceleração, se a regulagem inicial for muio baixa considerando a inércia da carga. Esa função evia o ravameno evenual do inversor com a falha frenagem excessiva. A desabiliação desa função permie a uilização de um módulo e de uma resisência de frenagem adapados. Schneider Elecric 5

17 Funções (coninuação) b Velocidades pré-selecionadas Permie a comuação de referências de velocidades pré-reguladas. Escolha enre 2 ou 4 velocidades pré-selecionadas. Validação por ou 2 enradas lógicas. As velocidades pré-selecionadas são reguláveis em passos de 0, Hz de 0 Hz a 200 Hz. Elas são prioriárias sobre a referência dada pela enrada analógica ou pelo poenciômero do inversor. f (Hz) A velocidade obida com as enradas LIx e LIy no esado 0 é LSP ou referência de velocidade, segundo o nível da enrada analógica AI. LSP Pré-regulagem: Regulagem das velocidades pré-selecionadas com o sofware PowerSuie para PC LI 0 ª velocidade: LSP (velocidade mínima ou referência) 2ª velocidade: 0 Hz ª velocidade: 25 Hz LIx 0 4ª velocidade: 50 Hz LIy 0 Exemplo de funcionameno com 4 velocidades pré-selecionadas. b Configuração da enrada analógica AI Permie modificar as caracerísicas, em ensão ou em correne, da enrada analógica AI. Pré-regulagem: 0-5 V (somene alimenação inerna). Ouros valores possíveis por alimenações exernas: 0-0 V, 0-20 ma, 4-20 ma. Enrada analógica em ensão Enrada analógica em correne Uilização 0 V exerna Uilização 0-20 ma ou 4-20 ma Bornes de conrole Bornes de conrole AI 0 V AI 0 V Poenciômero de referência 2.2 a 0 kω Fone 0-20 ma ou 4-20 ma b Saída lógica ou analógica DO A saída DO é programada como saída lógica ou como saída analógica. Ela permie a sinalização a disância das seguines informações: v Nível de freqüência aingido (saída lógica) v Referência aingida (saída lógica) v Nível de correne aingido (saída lógica) v Correne do moor (saída analógica) v Freqüência do moor (saída analógica) Esquema com alimenação inerna Esquema com alimenação exerna Bornes de conrole DO + 5 V Bornes de conrole 0 V DO Z Z 0 V Alimenação + U Se a saída for lógica: Z é um relé ou uma enrada de nível baixo. Se a saída for analógica: Z pode ser, por exemplo, um galvanômero. Para um galvanômero de resisência R, a ensão máxima fornecida será: R( Ω) Ux R( Ω) + 000( Ω) b Senido de roação avanço/reverso Com comando a 2 fios, a parida no senido avanço somene pode ser configurada na enrada lógica LI. Com comando a fios, a parada somene pode ser configurada na enrada lógica LI, e a parida no senido avanço somene pode ser configurada na enrada lógica LI2. A parida no senido reverso pode ser anulada no caso de aplicação com somene um senido de roação do moor, não se configurando a enrada lógica no senido reverso. 6 Schneider Elecric

18 Funções (coninuação) b Comando a 2 fios Permie o comando do senido de roação por conao em posição manida. O senido de roação (avanço ou reverso) e a parada são comandados pela mesma enrada lógica. Validação por ou 2 enradas lógicas ( ou 2 senidos de roação). Função dedicada a odas as aplicações com ou 2 senidos de roação. modos de funcionameno são possíveis: v deecção do esado das enradas lógicas v deecção de uma mudança de esado das enradas lógicas v deecção do esado das enradas lógicas com senido avanço prioriário sobre o senido reverso. Bornes de conrole 5 V LI LIx LI: senido avanço LIx: senido reverso Esquema de fiação com comando a 2 fios Configurações das enradas lógicas com Pocke PC PowerSuie b Comando a fios Permie o comando do senido de roação e da parada por conaos (pulsados). O senido de roação (avanço ou reverso) e a parada são comandados por 2 enradas lógicas diferenes. Validação por 2 ou enradas lógicas ( ou 2 senidos de roação). Função dedicada a odas as aplicações com ou 2 senidos de roação. f (Hz) 0 Parada Avanço 0 0 Reverso 0 Exemplo de operação com comando a fios Bornes de conrole 5 V LI LI2 LIx LI: Parada LI2: Avanço LIx: Reverso Esquema de fiação com comando a fios b Injeção de correne conínua auomáica Permie a injeção de correne conínua na parada, regulável de 0 a,2 vezes o valor da correne nominal do inversor (pré-regulagem 0,7 In), desde que a parida não seja mais comandada e que a velocidade do moor seja zero, v durane um empo regulável de 0, a 0 s (pré-regulagem 0,5 s) ou v permanenemene. Pré-regulagem de fábrica: função aiva com injeção de correne conínua durane 0,5 s. Com comando a fios, a injeção de correne conínua somene será aiva se a enrada lógica LI esiver aiva (parada). Regulagem da função injeção de correne conínua com o sofware PowerSuie para PC b Freqüência de chaveameno, redução de ruídos O chaveameno em ala freqüência da ensão inermediária, em correne conínua, permie alimenar o moor com correne de baixa disorção harmônica. Há possibilidades de freqüência de chaveameno: v freqüência de chaveameno aleaória em orno de 2 ou 4 khz (eviando fenômenos de ressonância), v freqüência baixa fixa regulável de 2 ou 4 khz v freqüência ala fixa regulável de 8, 2 ou 6 khz Pré-regulagem de fábrica: freqüência baixa fixa de 4 khz. Função dedicada a odas as aplicações que necessiam de um baixo nível de ruído do moor. b Relé de falha, desravameno O relé de falha é alimenado quando o inversor for energizado e não esiver em falha. O relé abre-se no caso de falha ou de desenergização do inversor. Após uma falha, o desravameno do inversor efeua-se por uma das seguines ações: v desenergização aé a exinção da visualização, depois com a reenergização do inversor, v aivação da enrada lógica associada à função rearme após falha, se a função for validada, v validação da função religameno auomáico. Schneider Elecric 7

19 Funções (coninuação) b Rearme após falha Permie o apagameno da falha memorizada e o rearme do inversor, se a causa da falha desapareceu. O apagameno da falha é obido por uma ransição da enrada lógica LI configurada para esa função. Pré-regulagem de fábrica: função inaiva. As condições de parida após o rearme são aquelas de uma energização normal. Os seguines rearmes após falha são possíveis: sobrecarga érmica do inversor, sobrecarga érmica do moor, sobreensão da rede, sobreensão em desaceleração, sobrevelocidade, perda de fase da rede (), subensão da rede (2). b Religameno auomáico Permie o religameno auomáico após ravameno do inversor por falha, se esa desapareceu e se as ouras condições de funcionameno o permiirem. Ese religameno efeua-se por uma série de enaivas auomáicas separadas por empos de espera crescenes: s, 5 s, 0 s, depois minuo para os seguines. Se o inversor não religar ao fim de 6 minuos, ele se rava e o procedimeno é abandonado aé a desenergização e reenergização. Pré-regulagem de fábrica: função inaiva. O religameno é auorizado com as seguines falhas: sobrecarga érmica do inversor, sobrecarga érmica do moor, sobreensão da rede, sobreensão em desaceleração, perda de fase da rede (), subensão da rede (2). Se a função esiver configurada, o relé de falha do inversor permenece energizado. Esa função necessia que a referência de velocidade e o senido de roação sejam manidos, e somene é compaível com o comando a 2 fios em nível. Função dedicada às máquinas ou insalações com funcionameno conínuo ou sem supervisão e nas quais o religameno não apresena nenhum perigo, nem para as pessoas, nem para os equipamenos. b Religameno auomáico com reomada de velocidade (parida com moor já em movimeno) Permie o religameno do moor sem rancos após um dos seguines evenos: v fala de rede ou simples desenergização, v rearme após falha ou religameno auomáico v parada por inércia provocada por uma falha. Na reenergização, a velocidade efeiva do moor é procurada de maneira a seguir a rampa desa velocidade aé a referência. O empo de procura da velocidade pode aingir s, conforme a diferença inicial. Pré-regulagem de fábrica: função inaiva. Esa função necessia da aivação do comando a 2 fios e não é compaível com a função frenagem por injeção de correne conínua. Esa função é dedicada às máquinas para as quais a perda da velocidade do moor é pequena durane o empo de inerrupção da rede (máquinas com inércia elevada). Regulagem do comporameno por falha com Pocke PC PowerSuie b Parada conrolada na fala de rede Permie a deerminação de modos de parada do inversor na fala da rede. Escolha enre modos de parada: v parada por inércia: ravameno do inversor e parada do moor segundo a inércia e o conjugado resisene v parada normal: parada com empo da rampa de desaceleração válido (desaceleração ou 2). v parada rápida: o empo de parada depende da inércia e das possibilidades de frenagem do inversor. Pré-regulagem de fábrica: parada por inércia. f (Hz) Parada rápida 2 Parada normal com rampa de desaceleração Parada por inércia 2 b Proeção érmica do inversor Proeção direa por ermisor, inegrado no módulo de poência do inversor. Assegura a proeção dos componenes, mesmo em caso de má venilação ou emperaura ambiene excessiva. Na deecção da falha, ela provoca o ravameno do inversor. b Proeção érmica do moor A proeção érmica do moor é feia por cálculo permanene de seu aquecimeno eórico. O inversor rava-se por falha se ese aquecimeno ulrapassar 8% do aquecimeno nominal. Função dedicada a odas as aplicações com moor auovenilado ou moovenilado. Noa: O esado érmico do moor não é memorizado na desenergização do inversor. Regulagem da proeção érmica com o sofware PowerSuie para PC () A falha perda de fase da rede somene é acessível nos inversores com alimenação rifásica, se a supervisão de falha esiver habiliada (Pré-regulagem de fábrica: habiliada). (2) A nova parida do inversor é assegurada logo após o desaparecimeno da causa da falha de subensão, esando a função aiva ou não. 8 Schneider Elecric

20 Funções (coninuação) b Supervisão O display permie visualizar o esado do inversor ou, se desejado, um dos seguines valores: v referência de freqüência, v freqüência de saída aplicada ao moor, v correne do moor, v ensão da rede, v esado érmico do moor, v esado érmico do inversor. Funções incompaíveis A escolha da úlima função configurada é validada, qualquer que seja a configuração das funções aneriores. As funções aplicaivas podem ser configuradas numa mesma enrada lógica, nese caso, uma enrada lógica valida diversas funções (por exemplo: senido de roação e 2ª rampa). É necessário assegurar-se da compaibilidade das funções. b Senido de roação e comando a 2 fios: o senido avanço somene pode ser configurado em LI. b Senido de roação e comando a fios: o senido avanço somene pode ser configurado em LI2. b Religameno auomáico: requer a configuração do comando a 2 fios em nível. Uma mudança de configuração do ipo de comando invalida o religameno auomáico. b Religameno auomáico com reomada de velocidade: v requer a configuração de comando a 2 fios. Uma mudança de configuração do ipo de comando invalida o religameno auomáico com reomada de velocidade. v incompaível com a frenagem por injeção de correne conínua permanene na parada. A configuração desa função invalida o religameno auomáico com reomada de velocidade. Funções adicionais de comando b Comando local: O eclado dispõe de 2 eclas suplemenares (RUN e STOP) e de um poenciômero (referência de velocidade). v As eclas e o poenciômero são aivos se o comando local esiver habiliado. As enradas lógicas e analógicas são inaivas se o comando local esiver habiliado. Pré-regulagem de fábrica: função aiva. v Senido reverso: se o comando local esiver aivo, a função senido reverso não é visível. b Enradas lógicas: É possível escolher o nível aivo da enrada lógica. Lógica posiiva: as enradas serão aivas se o sinal for V. Lógica negaiva: as enradas serão aivas se o sinal for 5 V. Pré-regulagem de fábrica: lógica posiiva. Schneider Elecric 9

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle

uma marca Zelio Control Relés de medição e controle uma marca Sumário Guia de escolha Páginas e Caracerísicas gerais Páginas e 5 elés de conrole de Apresenação Páginas 6 a 8 redes rifásicas M Ti Caracerísicas Página 9 eferências Página 0 Dimensões, esquemas

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

SIMIREL Relés de supervisão 3UG

SIMIREL Relés de supervisão 3UG abela de escolha Aplicação Sisema rifásico Sisema rifásico fala de fase (com ou sem neuro) e assimeria enre fases inversão da seqüência de fases Conaos 1 comuador 2 comuadores 1 comuador ensões ensões

Leia mais

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110 Lisa de Parâmeros Edição 04/0 sinamics SINAMICS G110 SINAMICS G110 Documenação Guia de Iniciação O Guia de Iniciação é feio para proporcionar ao usuário rápido acesso a odas as informações básicas necessárias

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components 7./ RL & : Conrolador pneumáico de volume-caudal Usado em conjuno com um prao orifício ou com um sensor de pressão dinâmica e um acuador pneumáico de regiso para conrolo do volume de ar em sisemas de ar

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS 280 UIDDE DE ROMETO DE EFER UIDDE DE ROMETO TIPO E DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCP2 Diâmero do eixo 12-90... 286 1/2-3 1/2 polegada UIDDE DE ROMETO TIPO FGE DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCF2 UCF2

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Altivar 11. Inversores de freqüência para motores assíncronos. ATV 11ppppppA. Manual de operação

Altivar 11. Inversores de freqüência para motores assíncronos. ATV 11ppppppA. Manual de operação Altivar 11 Manual de operação Inversores de freqüência para motores assíncronos ATV 11ppppppA Sumário Referências dos inversores 2 As etapas da colocação em funcionamento 3 Dimensões 3 Condições de montagem

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 EFG 213-320 09.09 - Manual de uilização 51151934 03.13 P EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 Declaração de conformidade Jungheinrich AG,

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Altivar 61. Inversores de freqüência para motores assíncronos. Manual de instalação e de programação. uma marca

Altivar 61. Inversores de freqüência para motores assíncronos. Manual de instalação e de programação. uma marca . Altivar 61 Manual de instalação e de programação Inversores de freqüência para motores assíncronos uma marca Sumário Antes de começar 4 Estrutura dos documentos 5 Referências dos inversores 6 Dimensões

Leia mais

MODULAÇÃO. Modulação. AM Amplitude Modulation Modulação por amplitude 24/02/2015

MODULAÇÃO. Modulação. AM Amplitude Modulation Modulação por amplitude 24/02/2015 ODUAÇÃO... PW DIGITA odulação odulação éamodificaçãoinencional e conrolada de um sinal original oalmene conhecido por meio de um ouro sinal, que se deseja ransporar. Esa modificação permie o ranspore do

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Altivar 71 Inversores de freqüência para motores assíncronos

Altivar 71 Inversores de freqüência para motores assíncronos Manual de instalação e de programação Altivar 71 Inversores de freqüência para motores assíncronos A conservar para utilização futura uma marca Schneider Electric Sumário Antes de começar 4 Estrutura

Leia mais

EQUIVALENTES DINÂMICOS PARA ESTUDOS DE HARMÔNICOS USANDO ANÁLISE MODAL. Franklin Clement Véliz Sergio Luis Varricchio Sergio Gomes Jr.

EQUIVALENTES DINÂMICOS PARA ESTUDOS DE HARMÔNICOS USANDO ANÁLISE MODAL. Franklin Clement Véliz Sergio Luis Varricchio Sergio Gomes Jr. SP-2 X SEPOPE 2 a 25 de maio de 2006 a 2 s o 25 h 2006 X SIPÓSIO DE ESPECIAISTAS E PANEJAENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO EÉTRICA X SYPOSIU OF SPECIAISTS IN EECTRIC OPERATIONA AND EXPANSION PANNING FORIANÓPOIS

Leia mais

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3 Gama completa de versões Programação intuitiva Integra a mais completa biblioteca de funções pré-programadas Funções especiais disponíveis Versões expansíveis até 50 E/S, comunicação entre CLP s e intercâmbio

Leia mais

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia Elecrónica de nsrumenação edição de oência Jorge Guilherme 008 #0 oência em.. U ce., ce. Elecrónica de nsrumenação U. [] oência em.a. p( u(. i( [] oência insanânea Num circuio resisivo puro i( u( / u (

Leia mais

CNC 8055. Projetado para o usuário. Mais potente que nunca

CNC 8055. Projetado para o usuário. Mais potente que nunca CNC 8055 Projeado para o usuário. Mais poene que nunca CNC 8055 Projeado para o usuário. Mais poene que nunca A Fagor Auomaion esá há 30 anos fornecendo soluções para o mercado de Máquina Ferramena, ano

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO 7. ENTILADORES INTRODUÇÃO eniladores são máquinas de fluxo geradoras que ransmiem a energia mecânica recebida do eixo ara o fluido (gás). Seu funcionameno é similar às bombas, sendo a rincial diferença

Leia mais

Kcel Motores e Fios Ltda.

Kcel Motores e Fios Ltda. Í N D I C E 1. Fundamenos gerais... 5 1.1 Moores de correne conínua... 5 1.2 Moores de correne alernada... 5 Família de moores eléricos... 5 1.2.1 Moores de indução... 6 1.2.1.1 Moores de indução monofásicos...

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO Conceios, equipamenos e aplicações indusriais. OBJETIVOS. Denro das aplicações de poência da elericidade, a pare indusrial é sem dúvida

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT!

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT! EVD evoluion driver para válvula de expansão elerônica Manual de uso NO POWER & SINAL CABLES TOETHER READ CAREFULLY IN THE TEXT! Inegraed Conrol Soluions & Energy Savings ADVERTÊNCIAS TRATAMENTO A CAREL

Leia mais

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício TIRISTORES Chamamos de irisores a uma família de disposiivos semiconduores que possuem, basicamene, quaro camadas (PNPN) e que êm caracerísicas biesáveis de funcionameno, ou seja, permanecem indefinidamene

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais

Altivar 38 Telemecanique

Altivar 38 Telemecanique Manual de operação Altivar 38 Telemecanique Inversor de freqüência para motores assíncronos uma marca Schneider Electric Quando o inversor estiver energizado, os elementos de potência assim como certo

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Eduardo Marins Viana DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Condensadores e Bobinas

Condensadores e Bobinas ondensadores e Bobinas Arnaldo Baisa TE_4 Dielécrico é não conduor Placas ou armaduras conduoras ondensadores TE_4 R Área A Analogia Hidráulica V S + - Elecrão Elecrões que se repelem d Bomba Hidráulica

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Altivar 31. Inversores de freqüência para motores assíncronos. Manual de operação e programação. uma marca

Altivar 31. Inversores de freqüência para motores assíncronos. Manual de operação e programação. uma marca Altivar 31 Manual de operação e programação Inversores de freqüência para motores assíncronos uma marca Sumário Avisos 2 Colocação em operação - Recomendações preliminares 3 As etapas da colocação em funcionamento

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Dep. Ar Condicionado TERMOSTATO MECÂNICO, PARA AMBIENTE, 1 ESCALÃO SISTIMETRA CONTIMETRA FICHA TÉCNICA - MARÇO 2014 1/1 TA 31/I

Dep. Ar Condicionado TERMOSTATO MECÂNICO, PARA AMBIENTE, 1 ESCALÃO SISTIMETRA CONTIMETRA FICHA TÉCNICA - MARÇO 2014 1/1 TA 31/I ICHA ÉCNICA - MARÇO 2014 ERMOSAO MECÂNICO, PARA AMBIENE, 1 ESCALÃO CARACERÍSICAS ÉCNICAS PRINCIPAIS Gama de ajuste........ +7 a +30ºC Contacto eléctrico....... 1 contacto inversor Poder de corte.........

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Pastilhas de Diamante Compax* Para Usinagem de Materiais Não Ferrosos e Não Metálicos

Pastilhas de Diamante Compax* Para Usinagem de Materiais Não Ferrosos e Não Metálicos Pasihas de Diamane Compax* Para Usinagem de Maeriais Não Ferrosos e Não Meáicos Pasihas de Diamane Compax* para Ferramenas para Usinar Maeriais Não Ferrosos e Não Meáicos Diamond Innovaions, íder em maeriais

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

ACS 300. Manual do Usuário. Conversores de Freqüência para Controle de Velocidade de Motores de Gaiola de 0,55 a 11 kw

ACS 300. Manual do Usuário. Conversores de Freqüência para Controle de Velocidade de Motores de Gaiola de 0,55 a 11 kw ACS 300 Manual do Usuário Conversores de Freqüência para Controle de Velocidade de Motores de Gaiola de 0,55 a 11 kw Conversores de Freqüência ACS 300 para Controle de Velocidade de Motores de Gaiola

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Fibershield. Barreiras corta-fogo flexíveis. Fibershield-P Fibershield-E Fibershield-I Fibershield-H Fibershield-S Fibershield-F Fibershield-W

Fibershield. Barreiras corta-fogo flexíveis. Fibershield-P Fibershield-E Fibershield-I Fibershield-H Fibershield-S Fibershield-F Fibershield-W Fibersield Barreiras cora-fogo flexíveis Fibersield-P Fibersield-E Fibersield-I Fibersield-H Fibersield-S Fibersield-F Fibersield-W Conceios de proeção com barreiras cora-fogo auomáicas êxeis: 1. Para

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits Módulo 4 EA Termopar - 1 Bits 119 Cód. Doc.: 61-41.3 Revisão: L 1. Descrição do Produto O módulo 119 é integrante das séries 6, 1 e 2 de controladores programáveis. Destina-se a leitura de temperaturas

Leia mais

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060 Especificações Técnicas Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais A de Geradores de Funções/Arbitrários são capazes de gerar formas de onda senoidais, quadradas, triangulares, pulsadas e arbitrárias

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1 ETFSC UNED/SJ CURSO DE TELEFONIA DIGITAL CAPÍTULO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM. INTRODUÇÃO. Uma grande pare dos sinais de inormações que são processados em uma rede de elecomunicações são sinais

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

SC102. Sonómetro integrador tipo 2 com protocolos de medição. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Ruído gerado por veículos a motor

SC102. Sonómetro integrador tipo 2 com protocolos de medição. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Ruído gerado por veículos a motor Sonómetro integrador tipo 2 com protocolos de medição Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Ruído gerado por veículos a motor MEDIR O RUÍDO NUNCA FOI TÃO FÁCIL Níveis sonoros emitidos e produzidos

Leia mais

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 Márcio Poubel Lima *, Laercio Lucena Marins Jr *, Enio Anonio Vanni *, Márcio Dornellas Machado

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44 Versão: 1.xx / Rev. 03 ÍNDICE Item Página 1. Introdução... 02 2. Características... 02 3.

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Hand-held de temperatura Modelo CTH7000

Hand-held de temperatura Modelo CTH7000 Tecnologia de calibração Hand-held de temperatura Modelo CTH7000 Folha de dados WIKA CT 55.50 Aplicações Termômetro de precisão para medições de temperatura com alta exatidão em uma faixa de -200... +962

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais