Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo"

Transcrição

1 textos de José Manuel Russo Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo

2 A ESCOLA DE CHICAGO Chicago Na sequência do forte desenvolvimento industrial e do incêndio que assolou uma boa parte da cidade, Chicago tornar-se-ia, com a reconstrução da cidade, pioneira da arquitectura moderna. Algumas datas da Arquitectura em Chicago: 1864 Utilização do Elevador eléctrico; 1871 Incêndio de Chicago (8 a 10 de Outubro); 1874 Construção em ferro à prova de fogo; Montauk Block (Burnham e Root), 10 pisos, 2 elevadores, e paredes de suporte; 1884 Home Insurance Building (W. Le Baron Jenney), 10 andares, estrutura de ferro reforçada a alvenaria; Studebaker Building (Solon Spencer Beman), 10 andares, com janelas de Chicago ; Rookery Building (Burnham e Root), 11 andares, ferro e alvenaria; 1886 Remodelação do Studebaker Building como Beaux-Arts Building, o vão central com vidraça fixa e os laterais com pequenas janelas amovíveis em suspensão dupla; 1888 Surge o termo aranha-céus dado pelos jornalistas (edifícios de 10 a 20 andares); Masonic Temple (Burnham e Root), 22 andares (91m); 1893 Exposição Universal de Chicago, arquitectura num revivalismo renascentista; 1909 Plano de Chicago desenvolvido por Burnham com princípios na economia e classicismo. Chicago, 1929 Burnham e Root Montauk Block Burnham Railway Exchange Building, Adler e Sullivan Chicago Stock Exchange Trading Room, 1894 Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 2

3 A ESCOLA DE CHICAGO Louis Sullivan (Boston, 1856 Chicago, 1924) Estudou no Instituto de Tecnologia de Massachusetts e na École des Beaux-Arts de Paris. Trabalhou com W. Le Baron Jenney em 1873, com Furness e Hewitt e, a partir de 1866, com Dankmar Adler. Em 1895 inicia a actividade sozinho. A sua oposição à arquitectura tradicional, torna-o a figura mais importante da denominada Escola de Chicago e mestre de uma geração que a revolucionará. Como princípios da sua arquitectura pode-se referir os aspectos: A Fachada reflecte a estrutura do edifício; Estrutura em aço permite espaços amplos e leves; Janela de Chicago ocupando todo o vão (de alto a baixo) permite maior iluminação interior; A decoração limita-se aos elementos estruturais; Colunas no topo e na base do edifício: base distinta, fuste liso e capitel elaborado; Economia, concebendo os motivos decorativos em gesso, tela impressa e pintura; A Forma segue a Função. Estes princípios são visíveis, obviamente, na sua obra: Auditorium Building Chicago ( ) edifício com 3 arcos de volta inteira que dominam a entrada do hotel, o proscenium do auditório é uma solução original de planeamento e decoração; Wainwright Building ( ), St.Louis, e Garantee Building ( ), Buffalo, reflectem o ritmo e a proporção da estrutura (em aço) e maturidade de estilo. Os elementos decorativos reforçam os elementos estruturais; Auditorium Building Chicago Wainwright Building Garantee Building Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 3

4 A ESCOLA DE CHICAGO Bayard Building ( ), N.York, e Gage Building ( ), Chicago, são projectos de fachada com proporção e detalhe nas cornijas e elementos verticais; Carson, Pirie & Scott Store (1899), Chicago, as amplas janelas marcam o ritmo da fachada com uma esquina arredondada. A decoração limita-se à base e ao topo do edifício. Carson, Pirie & Scott Store Gage Building Sullivan desenvolveu ainda pequenas obras que, no entanto, revelam maturidade criativa: Wainwright Tomb (1892), St.Louis; Transportation Building (1893), Chicago; National Farmers Bank ( ),Owatonna; People s Savings and Loan Association Bank ( ), Sidney - Ohio. Wainright Tomb National Farmers Bank Sullivan escreveu ainda duas obras Kindergarten Chats (1901) e The Autobiography of na Idea ( ) onde explicita os seus pensamentos do conhecimento e do devir na evolução da arquitectura contemporânea. Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 4

5 ORGANICISMO Frank Lloyd Wright (Richland, 1867 Taliesin West, 1959) Frequentou a Universidade de Wisconsin em Madison. Trabalhou com Joseph Silsbee em 1887 e com Adler e Sullivan no ano seguinte. Em 1893 foi despedido por Sullivan, vindo a montar casa/estúdio em Oak Park até Em 1911 mudou-se para Spring Green e em 1925 para Scottsdale, onde passou o resto da sua vida. A sua longa carreira permitiu-lhe criar uma obra ímpar que o coloca entre um dos mais importantes arquitectos do séc. XX. A sua obra, pode dizer-se, é marcada por quatro influências: Infância na quinta do avô em Spring Green; Blocos do Froebel Kindergarten; Leitura das obras de Ruskin e Viollet-le-Duc; Trabalho com Sullivan. Como princípios da sua arquitectura podem-se referir os aspectos: Estrutura espacial num todo Orgânico uma arquitectura mais humana, em que o homem é o seu centro; Espaços comuns em planta aberta e flexível (formas em X, L, T); Utilização de materiais tradicionais e locais como a madeira, o tijolo ou o vitral com motivos geométricos aliados aos novos materiais como o betão de cor natural; Horizontalidade, com telhados pouco inclinados e grandes beirais; Jogo de volumes com desnivelamentos; Integração do edifício na natureza; Ornamentação limitada ao essencial. F.L.Wright House, Oak Park Os primeiros projectos são casas unifamiliares as Casas da Pradaria: Casa/Estúdio (1889/98), Oak Park com formas geométricas simples e materiais naturais é já um exemplo de maturidade; em 98 foi acrescentado em um piso e com um estúdio octogonal; Winslow House (1893), Highland Park primeira encomenda como independente; Winslow House Hickox House (1900), Kankakee casa com influência Tudor, é construída em madeira e estuque, com lareira ao centro, os espaços comuns fluem num conjunto; Willitts House (1902), Highland Park é a primeira Casa da Pradaria de planta cruciforme; Heurtley House (1902), Oak Park de planta quadrada, é construída em tijolo romano; Hickox House Dana House (1902), Springfield de planta cruciforme, possui uma sala de estar de 2 pisos e 4 lareiras; a ornamentação de vitrais, esculturas e mobiliário (desenhado pelo próprio FLW) é excepcional; D.D.Martin House (1904), Buffalo de planta cruciforme, é construída em tijolo romano e madeira de carvalho; Willits House Heurtley House Dana House Martin House Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 5

6 ORGANICISMO Glasner House (1905), Glencoe com espaços octogonais (biblioteca e sala de costura) ligados à sala de estar e ao quarto; Coonley House (1907), Riverside de planta com zonas definidas, a fachada é de madeira com um friso texturado; todo o interior foi desenhado por FLW; Isobel Roberts House (1908), River Forest de planta cruciforme, construída em madeira e estuque, foi remodelada em 55 com tijolo, telhado de cobre e mogno Glasner House filipino no interior; Thomas Gale House (1909), Oak Park com largas consolas, é considerada a progenitora de Falling Water ; Robie House (1909), Chicago talvez a principal obra deste perído de Wright, é uma construção de pedra, com uma lareira ao centro, balcões e terraços ao longo de toda a fachada; também o mobiliário foi por si desenhado. Coonley House Roberts House T. Gale House Robie House Neste primeiro período há que referir duas importantes obras como: Larkin Office Building (1903), Buffalo estrutura de 5 pisos em tijolo, o átrio central eleva-se por toda a altura, rodeado de varandas, o que permite uma iluminação natural; foram utilizados vitrais, ar condicionado e peças de metal; Unity Church (1906), Oak Park obra de baixo custo ($35,000), foi construído em dois blocos de betão poroso unidos por uma passagem; as suas formas geométricas, a ornamentação e o mobiliário formam um conjunto uniforme. Larkin Office Building (planta) Unity Temple Unity Temple (planta) Larkin Office Building Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 6

7 ORGANICISMO Os 10 anos que se seguem não são de grande produção, compreendendo uma fase em que esteve no Japão, onde realizou alguns projectos: Midway Gardens (1913), Chicago monumento público de betão e tijolo, envolve um quarteirão, cria um espaço de síntese das artes (arquitectura, paisagem, escultura, pintura, música e dança); Imperial Hotel ( ), Tóquio com fundações flutuantes e aço reforçado é à prova de terramotos; a utilização de pedra vulcânica (Oya) permite complexas Midway Gardens esculturas exteriores; Barnsdall House (1917), Los Angeles com paredes em módulos de argila com mansarda, num motivo Maya; Millard House (1923), Pasadena conhecida como La Miniatura, é construída numa nova técnica de blocos texturados em parede dupla, ligados por peças de aço. FLW referiu-se a este projecto como estilo Usonian ; Imperial Hotel Taliesin III (1925), Spring Green habitação de FLW sempre em constante remodelação, utilizando calcário, madeira e estuque, exemplifica a noção de casa como refúgio; os espaços interiores e o mobiliário expressam o ideal de F.L.Wright. Barnsdall House Millard House Taliesin III Considerado, por muitos, um arquitecto já pouco inovador, Wright retoma a sua veia criativa: Kaufmann House, Falling Water (1936), Pennsylvania numa estrutura de linhas horizontais, eleva-se sobre uma cascata, numa integração plena com a natureza. No interior é visível a rocha sobre a qual foi construída - viver com a cascata e não olhar apenas para ela; Falling Water Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 7

8 ORGANICISMO S.C.Johnson & Son Building ( ), Racine de formas arredondadas, com longas aberturas preenchidas de pirex translúcido, que permite uma iluminação difusa, as estruturas são em forma de cogumelo o que, na época, causou alguns receios sobre a sua resistência. O mobiliário foi também desenhado por FLW; S.C.Johnson & Son Building Talesin West (1938), Scottsville construído com a finalidade de servir como atelier de aprendizes de arquitectura, a sua estrutura de madeira é uma extensão da floresta envolvente. A iluminação faz-se por janelas superiores de forma difusa; Taliesin West Jacobs House II (1944), Middleton denominada de hemiciclo solar, os dois pisos desta Usonian House encaixam-se num monte que a protege dos frios invernais; Guggenheim Museum (1956/93), New York obra derradeira de FLW, que não a veria terminada, parte uma antiga ideia para o projecto de uma garagem em espiral (não construída), permitindo uma exposição contínua, possível com a longa galeria ao longo da sua fachada. Rejeitada na época por críticos, sendo apelidada de máquina de lavar roupa em plena Nova Iorque, e por artistas que consideram as suas superfícis redondas inadequadas à exposição dos trabalhos, é hoje uma obra de referência na arquitectura mundial. Jacobs House II Solomon Guggenheim Museum De entre os seus escritos, conta-se com An Autobiography (1932/43), An Organic Architecture (1939), Genius and the Mobocracy (1949) e Natural House (1954). Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 8

9 ESTILO INTERNACIONAL Le Corbusier (La Chaux-de-Fonds, 1887 Saint Martin, 1965) Charles-Edouard Jeanneret, seu verdadeiro nome, nasceu na Suíça onde estudou com Charles L Eplattenier. Em Paris, onde se radicaria em 1917, trabalhou com Peret e ficou fascinado pelas proporções da catedral de Nôtre-Dame. Durante uma viagem, contactou com Peter Behrens e Walter Gropius, na Alemanha, e estudou o Parténon na Grécia, onde, uma vez mais, ficou fascinado pela Secção d Ouro, considerando-o a obra mais pura que o homem alguma vez construiu. Em 1928 ganha o prémio de design da Liga das Nações. Em 1929 forma a UAM (Union des Artistes Modernes) e em 1933 organiza o CIAM (Congrès Internacional des Architectes Modernes) onde se expõem as teorias da cidade moderna industrializada. As profundas transformações que a sociedade da época vinha a assistir são fundamentais na génese do espírito criador de Le Corbusier: Utilização do betão armado (Perret); A Cidade Industrial (Tony Garnier); A cidade das Máquinas e do Automóvel (Futurismo); Os problemas sociais da Habitação; A sobriedade estética (Adolf Loos); O Racionalismo clássico e a Secção d Ouro. Como princípios da sua arquitectura podem-se referir os aspectos: Submissão da arquitectura aos traçados geométricos; Volumes simples e geométricos, numa proporção racional, baseada no Modulor; Construção em série, como resposta às carências habitacionais; A casa sobre pilotis, para libertar a superfície, necessária aos espaços de lazer; A planta livre; Janelas contínuas, ao longo de toda a fachada; Coberturas em terraço com jardins, o telhado deixou de ter a função de protecção do edifício; A convivência da casa com o automóvel grandes vias de acesso rápido que envolvem os espaços urbanizados e pequenas vias vias que as ligam às habitações. Os seus primeiros projectos são executados na sua terra natal: Villa Fallet (1907), La Chaux-de-Fonds primeiro projecto de Corbusier, ao estilo das casas tradicionais suiças, à qual se seguem a Villa Stotzer e Villa Jaquemet (1908); Villa Jeanneret (1912), La Chaux-de-Fonds ou La Maison Blanche, foi a primeira obra (para os seus pais) como independente, numa ruptura com a arte tradicional. Villa Fallet Villa Jeanneret (La Maison Blanche) Villa Stotzer Radicado em Paris (1917), adopta então o nome Le Corbusier (oriundo do nome do seu avô Lecorbesier), inicia a transformação radical da arquitectura: Villa Citrohan (1920/22) estudos para uma casa com pilares (pilotis) de sustentação do primeiro piso, cobertura em terraço e fachadas rasgadas por amplas janelas; Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 9

10 ESTILO INTERNACIONAL Edifícios-Villa (1922) estudos para a resolução dos problemas habitacionais, com a concentração de grandes blocos como se tratasse da sobreposição de diversas villas, com capacidade para 600 mil habitantes; Maison La Roche-Jeanneret (1923), Paris primeira utilização de pilotis para elevar uma parte da casa, permitindo um jardim contínuo no nível térreo, e de um terraço-jardim. Dada a orientação a norte, a iluminação é assegurada por janelas ao longo da fachada. Em 1925 desenvolve e põe em prática as suas ideias urbanísticas no plano de Fruges (Bordeaux), no Pavilhão L Esprit Nouveau (Exposição Internacional de Paris) e no Plano Voisin (Paris) onde as vias são classificadas segundo o tráfego, os edifícios são interligados entre si por espaços verdes e vias pedonais e os amplos terraços servem de suporte ao transporte aéreo. Villa Stein (1926), Vaucresson com os pilotis recuados em relação à fachada, as janelas ocupam toda a sua largura num ritmo 2:1:2:1; Villa Savoye (1929), Poissy sintetisa todos os seus pontos de vista: pilotis, terraço-jerdim, planta livre, janelas em faixa e fachada livre. Maison La Roche/Jeanneret Villa Savoye Inspirado na harmona da Arte Clássica e a Secção d Ouro, Le Corbusier inventa um sistema universal de dimensões e proporções Le Modulor ( ) com o objectivo de por fim ao caos criado pela era da máquina. O Modulor (Module d Or) parte da proporção de ouro clássica (1:1,6) e a série de Fibonacci (sequência em que cada número é a soma dos dois precedentes). A partir das três medidas antropométrica, 113, 43 e 70, obtêm-se outras medidas: 113=70+43 (quadrado) 183= (altura do homem tipo) 226= (homem com o braço erguido). Villa Stein Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 10

11 ESTILO INTERNACIONAL Unité d Habitation (1946/52), Marseille bloco de apartamentos para 1600 pessoas, tem uma estrutura rectilínia em betão armado na qual encaixam unidades pré-fabricadas. Assente em pilares faz parte do projecto Ville Radieuse. Neste projecto põe em prática a escala de proporções do Modulor; Nôtre-Dame-du-Haut ( ), Ronchamp capela de uma nave com duas entradas laterais e três capelas sob torres. As paredes de alvenaria bruta, pintada de branco, suportam uma cobertura de betão. A iluminação faz-se por pequenas aberturas preenchidas de vitrais Unité d Habitation Nôtre-Dame-du-Haut Os últimos anos da sua carreira são, em grande parte, dedicados ao projecto (1950/68) da cidade de Chandigarh, na Índia, que seria a capital do país recém-independente. Corbusier planeou a cidade como um organismo vivo: o capitólio a norte representa a cabeça, o centro o coração, os espaços os pulmões, a rede viária o sistema circulatório, a área industrial as vísceras, e a zona cultural e educactional o intelecto: Centre Ville (1950/68) Le Palais de la Justice ( ) concebido como um enorme guarda-chuva, protegendo o público das chuvas; Le Sécretariat ( ) semelhante ao edifício de Marselha, a estrutura de betão caracteriza-se pelo sistema de palas para protecção do sol; Le Parlement ( ) com um gigantesco pórtico encimado por uma pala curva de betão. Na cobertura elevam-se três elementos simbólicos com destaque para a boca de refrigeração hiperbólica; Escola de Arquitectura (1965/68) último projecto de Le Corbusier. Plano de Chandigarh Centre Ville, Chandigarh Na obra escrita de Le Corbusier inclui-se Vers une Architecture (1923), La Ville Radieuse (1935), Le Modulor (1948). Le Parlement, Chandigarh Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 11

12 ESTILO INTERNACIONAL Ludwig Mies van der Rohe (Aachen, 1886 Chicago, 1969) Sem uma formação tradicional como arquitecto, iniciou-se como designer de ornamentação de estuque e em estruturas de madeira. Em 1907 dedica-se à arquitectura e junta-se a Peter Behrens, de quem aquire uma boa formação. Em 1914 inicia actividade sozinho, em Berlim e adere ao Deutscher Werkbund. Em Dessau é nomeado director da Bauhaus (1930), que encerra em 1933 e o leva a imigrar para os E.U. em 1937, onde foi director do Instituto de Tecnologia de Illinois. Em 1958 demite-se do cargo e, de novo passa a trabalhar independentemente. Como principais elementos que influenciaram o seu percurso referem-se: Formação com o pai no ofício da pedra; Peter Behrens, com quem trabalhou três anos; Berlage, pela utilização do tijolo; Doesburg, pelo seu formalismo e uso de formas puras; A evolução tecnológica, aceite sem reservas. Como princípios da sua arquitectura podem-se referir os aspectos: Preferência pelas estruturas de aço; Simplificação/purismo da forma, submetida a traçados geométricos; A planta livre; Janelas contínuas, ao longo de toda a fachada; Coberturas em terraço. Após alguns projectos que denotam sobretudo a influência de Behrens, Mies van der Rohe inicia um percurso autónomo de criação: Weissenhofsiedlung (1927), Stuttgart projecto de um bloco de apartamentos (integrado num quarteirão com intervenção de conhecidos arquitectos) cuja estrutura de aço permite uma liberdade de divisão do espaço interior; Pavilhão Germânico ( ), Barcelona sua planta rectangular organiza-se num espaço flutuante pela quase ausência de esquinas e as duplas portas de vidro rotativas. Weissenhofsiedlung As cadeiras Barcelona são projectadas por Mies; Villa Tugendhat (1929), Brno num único compartimento, a divisão do espaço faz-se por painéis segmentados. A parede interior é de onix e as exteriores de vidro. Continua aqui o desenho de mobiliário com estrutura tubular cromada, como as cadeiras Brno e Tugenhat; Cadeira Brno, 1930 Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 12

13 ESTILO INTERNACIONAL Em 1937, devido a circunstâncias políticas o regime nazi tinha fechado a Bauhaus Mies van der Rohe emigra para os Estados Unidos da América, onde produz o resto da sua obra: Illinois Institute of Technology ( ) desde logo contractado como professor, Mies elabora o plano de campo e os projectos para diversos pavilhões da Universidade como o Alumni Hall (1945) ou o Crown Hall ( ); Farnsworth House ( ), Fox River a estrutura de aço suporta três placas (terraço, chão e telhado) acima do solo, com paredes exteriores de vidro; Alumni Hall Crown Hall Farnsworth House Lake Shore Drive Apartments (1957), Chicago constituído por blocos verticais de ângulos rectos, as vigas de aço em forma de I são visíveis exteriormente. Mies pretendeu obter uma sobriedade clássica, como no templo de Paestum; Lake Shore Drive Apartments Seagram Building ( ), New York a austeridade clássica atinge o auge neste edifício, onde a verticalidade é acentuada pelas janelas de vidros bronze e a praça frontal. Mies reduziu ao apenas essencial Menos é Mais como afirmava; Neue National Gallerie ( ), Berlin único edifício de relevo projectado para o estrangeiro, já como cidadão americano. A linguagem de simplicidade, sobriedade e tecnologia são aqui visíveis. Neue National Gallerie Seagram Building Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 13

14 CRÍTICA AO FUNCIONALISMO Modernismo Entende-se como Modernismo as correntes artísticas do final do séc. XIX e princípios do séc. XX. São características do Modernismo: Referência aos modelos clássicos; Interligação das Artes Arquitectura, Escultura, Pintura e Design; Funcionalismo decorativo; Criação de estilos nacionais ou internacionais. Dispensador Coca-Cola (Loewy) Styling e Streamlining Nos anos 30 surgem as primeiras ideias anti-funcionalistas, que condenam a simplificação proposta pelo funcionalismo, e numa resposta à crise económica verificada nos EUA em O Styling tem como características: O Redesign, numa preocupação pelo aumento da produção na sua vertente económica; Tornar o objecto o mais agradável possível, libertando-o da defeituosidade supérflua ; Projectar as formas exteriores O feio não se vende (R. Loewy). O Streamlining baseia-se nos princípios do Styling, acrescido de uma estética aerodinâmica que confere ao objecto a ideia de dinamismo e modernismo. O Styling e o Streamlining têm como seus principais representantes: Raymond Loewy, Norman Bel Geddes, Henry Dreyfuss, Harley T. Earl. Afia-Lápis, 1933 (Loewy) Locomotiva, 1938 (Dreyfuss) Funcionalismo Nos anos 50 o Funcionalismo critica o styling e o streamlining, propondo o regresso da redução ao essencial de cada objecto. Foram fundamentais para o renascimento do Funcionalismo: Empresas em apoio do espírito industrial e funcional, como a Olivetti ou a Braun; Exposições e Concursos promotores da exploração de novos materiais (madeira contraplacada, plásticos, fibra de vidro, pvc), como o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque ou o Council of Industrial Design (1944) em Inglaterra; Escola de Ulm (1951) na Alemanha que apela a um design racionalista, herdeira dos princípios da Bauhaus e da Teoria da Gestalt; Domus (revista fundada em 1928) e as Trienais de Milão e os prémio Compasso d Oro (1954) em Itália, impulsionadora do design industrial e do bom gosto. O Funcionalismo tem como seus principais representantes: Itália Marcello Nizolli, Corradino d Ascanio; EUA Charles Eames; Finlândia Eero Saarinen; Alemanha Dieter Rams. Lettera 32, 1950 (Nizolli) Cadeira, 1956 (Eames) Transistor, 1956 (Rams) Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 14

15 CRÍTICA AO FUNCIONALISMO Anti-Design A par do funcionalismo, os anos 50 e seguintes assistem a autores e grupos que defendem um Design mais livre e orgânico, frequentemente associado às correntes artísticas de Henry Moore, Jean Arp, Alexander Calder ou da Pop Art. Carlo Mollino, Arne Jacobsen, Gaetano Pesce ou Piero Gatti são exemplos desta atitude. Kitsch Termo surgido em 1870, em Munique, o Kitsch é a negação do autêntico (Abraham Moles) e o anti-design por excelência. Embora explorado consciente e assumidamente pela Pop Art e pelo Pós-Modernismo, o Kitsch é caracterizado por: Excesso e exagero; Imitação de formas, materiais e função; Desfuncionalização; Ostentação. Nos anos 80, o Gruppo Memphis adopta uma atitude kitsch com os seus objectos carregados de emoções e divertidos, como se observa nas criações de Ettore Sottsass e Alessandro Mendini. Pós-Modernismo Nos anos 70, numa atitude classicista e simbolista, surge o Pós- Modernismo que se impôs não só no Design como na Arquitectura. O Pós-Modernismo caracteriza-se por: Simbolismo e Metáfora; Cor; Elementos clássicos colunas, frontões, frisos, etc.; Variedade e diversidade de formas; Menos é aborrecido (R. Venturi). O Pós-Modernismo tem como seus principais representantes: Itália Aldo Rossi, Mário Botta; EUA Michael Graves, Robert Venturi; França Philippe Starck; Portugal Tomás Taveira. Cadeira Ovo, 1958 (Jacobsen) Misteriosa, 1992 (Sottsass) Cadeira Proust, 1978 (Mendini) Moinho de Pimenta (Graves) Il Faro, 1995 (Rossi) Cadeira Sílvia, 1990 (Taveira) Juicy Salif, 1990 (Starck) Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 15

16 PERGUNTAS DE EXAME Menos é mais. Esta máxima, adoptado do séc. XX pelo modernismo, está também directamente relacionada com a teoria funcionalista de criação de objectos. Num breve comentário, justifique esta relação. 2. Leia a seguinte afirmação: «A forma segue a função.» J. B. Lamark Esta foi uma máxima adoptada por um movimento da arquitectura e do design no século xx. ldentifique-o Procura tornar um edifício tão orgânico e sereno quanto o teria sido a natureza no seu lugar, se para tal tivesse tido oportunidade. Gillo Dorfles, A Arquitectura Modema Este texto refere um dos objectivos do organicismo, corrente da arquitectura no séc. XX. Diga quais os fundamentos deste movimento e aponte o seu arquitecto mais representativo. 2. Os criadores funcionalistas desenvolveram um estilo por reacção ao decorativismo excessivo, dando origem a uma teoria que se materializou em muitas das formas dominantes das artes e do design do séc. XX. Indique as principais características da teoria funcionalista no design. 3. Nenhuma forma deriva completamente da sua função. T. W. Adorno, cit. In Gui Bonsiepe, Teoria e Prática do Design Industrial a) Comente esta frase, contrapondo-a à teoria funcionalista de criação de objectos A casa para Herbert Jacobs, concebida a partir de um esquema, de planta circular, a que Frank Lloyd Wright chamou «Hemiciclo Solar», é um dos melhores exemplos da arquitectura organicista. a) Caracterize o movimento organicista. Figura 1 - Frank Lloyd Wright, Interior da casa para Herbert Jacobs, Middleton, Wisconsin, uma das características peculiares da obra wrightiana é a de uma funcionalidade tão ampla que inclui precisamente a componente psicológica.» Renato de Fusca, A Ideia de Arquitectura Comente a afirmação, tendo em conta as características da arquitectura organicista de Frank Lloyd Wright. 2. Menos é mais e Menos é enfadonho são máximas do funcionalismo e do pós-modernismo, respectivamente. Contraponha-as, atendendo aos objectivos de cada um destes movimentos. 3. «... o quociente de funcionalidade - ou seja, de adequação da forma do objecto aos requisitos da respectiva função -, que durante algum tempo foi proclamado como o requisito fundamental, ou talvez o único válido, já hoje se não considera suficiente.» A. Carmo Reis, Manual de História da Arte do 12º ano, Porto Editora Comente esta afirmação, tendo em conta as várias posturas antifuncionalistas surgidas ao longo do século XX. Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 16

17 PERGUNTAS DE EXAME 4. «A função simbólica é deliberadamente esquecida e, como quer Le Corbusier, em seu lugar vai valorizar-se quase em exclusivo a função prática e dentro desta, ainda mais limitadamente, a função mecânica.» Pedro Vieira de Almeida, Catálogo da Exposição Viena de Lima Explicite os aspectos caracterizadores da teoria funcionalista. Figura 2 - Ettore Sottass, Móvel Casabianca, Há autores que defendem que: «(...) ultrapassámos há bastante tempo a fase de um certo design puritano em que eram determinantes as exigências funcionais e a austeridade das formas visíveis. [... ] Ocorre agora, neste fim de século, a eclosão de um eclectismo onde há lugar para toda a espécie de provocações.» Comente o texto tendo em conta o objecto da imagem, símbolo do Movimento Pós-Moderno Figura 3 - Marianne Brandt, Tinteiro, 1930/ Identifique a corrente do design em que este objecto se integra Justifique a resposta anterior. 2. Anos depois de ter lançado a duplicadora da figura 4, a empresa Gestetner encarregou Raymond Loewy do seu redesign exterior, atitude emblemática de actuação do styling Justifique o aparecimento do styling nos anos 30 do século XX Estabeleça a diferença entre a atitude do styling e a atitude funcionalista. Figura 4- Duplicadora Gestetner, 1920 Figura 5 - Raymond Loewy, duplicadora Gestetner, Identifique a corrente arquitectónica em que se integra esta obra de Frank Lloyd Wright Justifique a resposta dada à questão anterior. Figura 6 - Frank Lloyd Wright, pormenor da Casa da Cascata, Gaetano Pesce concebeu esta cadeira para ser produzida numa edição limitada de nove exemplares, alterando, apenas, o material plástico utilizado em cada um deles. A cadeira representada na figura é a n.º Justifique a integração deste objecto no movimento pós-moderno Indique outro «movimento» em Design que apresente aspectos não funcionalistas. Figura 7 - Gaetano Pesce, cadeira Pratt, 1983 Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 17

18 PERGUNTAS DE EXAME 5. «(...) sistema de construção em que o emprego de um material segue sempre de perto as necessidades económicas e técnicas (... ).» Gillo Dorfles, A Arquitectura Moderna 5.1 Identifique o movimento arquitectónico do século XX de que faz parte o sistema de construção referido no texto e explicite os seus princípios básicos. 5.2 Caracterize o Movimento Pós-Moderno, com base no seu posicionamento antifuncionalista. 5.3 Refira quatro características relevantes da arquitectura organicista de Frank Lloyd Wright Durante as crises económicas, o Funcionalismo tende a impor-se, enquanto em tempos de prosperidade económica floresce o Anti-Racionalismo [... ]. Charlotte e Peter Fiell, Design do Século XX (adaptado) Explique as variações que se observam na atitude projectual do design, consoante o contexto económico. Figura 8 - Clipe, design anónimo Figura 9 - Marcello Morandini, cafeteira 2. Distinga os objectos das figuras 8 e 9, quanto à importância relativa das funções prática e estética. 3. «A simplicidade, temo-ia no fim, não no princípio.» C. F. A. Voysey, citado em Design de Terence Conran Relacione esta afirmação com os fundamentos teóricos do Racionalismo/Funcionalismo, tendo em conta as características do objecto representado na figura 8. Figura 10 - Sixton Sason, Saab 92, 1947 Figura 11 - Raymond Loewy, afia-lápis, Durante cerca de 30 anos e principalmente a partir dos anos 20, o aerodinamismo generalizou-se a uma vasta gama de produtos de consumo, dando maior destaque à sua configuração exterior do que ao seu desempenho e tornando-se a estética, por excelência, do styling. Refira duas causas que justifiquem a generalização das formas aerodinâmicas do styling, para além do sector dos transportes, relacionando-a com o gosto do público. 5. «Não há curva mais bela que a do aumento de vendas.» Raymond Loewy, citado em Design de Terence Conran Relacione esta afirmação com os objectivos económicos do styling. 6. Nern historicista nem modernista, Wright era, acima de tudo, um humanista.» Charlotte & Peter Fiell, citado em Design do Século XX Comente esta apreciação, tendo em conta as características da obra arquitectónica de Frank Lloyd Wright. 7. Refira quatro implicações do Funcionalismo no projecto de design. Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 18

19 PERGUNTAS DE EXAME Indique duas razões pelas quais o automóvel da figura 12 foi sujeito a um redisign. 2. O designer Dieter Rams propõe dez princípios fundamentais para o enquadramento do design. Um deles é o seguinte: Bom design é o menos design possível. Explicite este princípio. 3. Indique dois movimentos anti-funcionalistas do design do séc. XX. Figura 12 - Alec Issigonis, Austin Mini, 1958 Figura 13 - Marcel Breuer, Cadeira Wassily modelo n.º B3, A cadeira da figura 13 integra-se na corrente funcionalista. Justifique esta afirmação. 5. A cadeira da figura 14 integra-se na corrente pósmodernista. Justifique esta afirmação. Figura 14 - Alessandro Mendini, Cadeira Wassily redesenhada para Studio Alchimia, Compare estes dois objectos de escrita (fig. 15), através da indicação de quatro diferenças significativas entre eles. 7. Nos anos 20 e 30 do século XX, iniciou-se o Movimento Moderno na Arquitectura e no Design, estruturado em duas tendências - o Funcionalismo e o Organicismo. Enuncie quatro características relevantes: 1.1. do Funcionalismo no design do Organicismo na arquitectura. Figura 15 - Caneta Montblanc (c. 1908) e esferográfica Bic (1958) Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 19

20 PERGUNTAS DE EXAME 2002 (cont.) 8. Para a criação do cadeirão Proust (escritor de finais do século XIX e início do século XX), o designer partiu do modelo de uma cadeira daquela época, que pintou à mão, tomando por inspiração o impressionismo. Justifique a integração do objecto da figura 16 no Movimento Pós-Moderno. Figura 16 - Alessandro Mendini, Cadeirão Proust, A arquitectura de Frank Lloyd Wright exprime uma relação de harmonia com o envolvimento imediato. Refira dois aspectos da arquitectura de Frank Lloyd Wright através dos quais ela consegue essa harmonia. 10. Há, na história do design, objectos inovadores, projectos que condensam em si mesmos e que ilustram, com clareza exemplar, as rupturas de uma época. Gert Selle, 1990 Evidencie duas correntes do design que representem uma ruptura com a época anterior. 11. a) Identifique o movimento de design a que pertence o objecto representado na figura 17. b) Justifique a sua resposta. Figura 17 - Marcel Breuer, Cadeira de braços, 1928 Teoria do Design Funcionalismo e Crítica ao Funcionalismo 20

O MODERNISMO - ARQUITECTURA

O MODERNISMO - ARQUITECTURA O MODERNISMO - ARQUITECTURA ARTE VS TÉCNICA TRADIÇÃO VS MODERNIDADE ACADEMISMO VS FUNCIONALISMO FORMA VS FUNÇÃO BELO VS ÚTIL PAPEL DO ARQUITECTO NA SOCIEDADE O MODERNISMO - ARQUITECTURA ESCOLAS DE BELAS-ARTES

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa.

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. Casa Tugendhat Casa Tugendhat A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. O ARQUITECTO Ludwing Mies Van der Rohe nasceu

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO

Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO Pedro Filipe Quaresma A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção do 11ª Mestrado em Construção

Leia mais

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP ABSTRACT A construção pré-fabricada trata-se da utilização de elementos já produzidos antes do processo construtivo

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA A HISTÓRIA DA ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA FAZ PARTE DA PRÓPRIA HISTÓRIA DA ARQUITETURA EGITO ANTIGO 2780 A.C A 2280 A.C. O GRANDE TEMPLO DE AMMON,

Leia mais

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães C2faup Construção em Light Steel Frame Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães Introdução Neste trabalho pretendemos estudar o sistema construtivo de estrutura em aço leve, ou Light Steel Frame.

Leia mais

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi

2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi 30 2.2 FRANK LLOYD WRIGHT: ORIGENS DO DESIGN NA HOTELARIA? No ano de 1915, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright foi convidado para projetar o Hotel Imperial em Tóquio, no Japão. A obra deveria

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS Condomínio privado com entrada controlada e jardim interior, através do qual se acede aos átrios dos apartamentos Estrutura em betão armado, anti-sísmica,

Leia mais

Maria Rita Pais Ramos Abreu de Almeida

Maria Rita Pais Ramos Abreu de Almeida Março 2003 SERIGRAFIA EM BETÃO Maria Rita Pais Ramos Abreu de Almeida EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto Salvo, Oeiras Tel.. +351 214 229 970 apoio@construlink.com

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA:

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: PROPOSTA DE UM NOVO MÉTODO DE CONCEPÇÃO E DIMENSIONAMENTO Milene Silva de Jesus Palhinha Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Instituto

Leia mais

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras.

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras. A arte nasceu na Pré-História, quando o Homem primitivo decidiu fazer uns desenhos com sangue de animais, nas cavernas onde vivia, sendo denominada por Arte Rupestre. Por fim, chegamos á arte da actualidade,

Leia mais

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau

Ensino em Dessau. Walter Gropius, Bauhaus de Dessau 1. Preliminar 2. Instrução em artesanato e Instrução em problemas da Forma 3. Instrução em arquitetura 4. Pesquisa individual no departamento de pesquisa da Bauhuas Ensino em Weimar Ensino em Dessau Maior

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Vítor Oliveira 3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Aulas de Morfologia Urbana Agentes e processos de transformação 1. Agentes responsáveis pela transformação urbana 2. Processos de transformação urbana

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Rua dos Coutinhos, Nº2 a 6 Freguesia- Sé Nova Concelho- Distrito- 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação Função Actual Habitação

Leia mais

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹ Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. 1 Trabalho da linha de pesquisa: Design e Gestão do Produto, História, Estética e

Leia mais

Apresenta-se a seguir fotografias atuais do campus da Universidade de Virginia.

Apresenta-se a seguir fotografias atuais do campus da Universidade de Virginia. RIBEIRO, André 101 2.4 IMAGENS ATUAIS DO CAMPUS Apresenta-se a seguir fotografias atuais do campus da Universidade de Virginia. Fig.: 118 Fotografia de satélite do campus atual Fonte: Tele atlas Google

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Largo da Sé velha, nº4 a 8 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação. Função

Leia mais

Antonio Jose C Carvalho

Antonio Jose C Carvalho Experiência Profissional - colaborador Atelier du Prado (França). Colaborador estagiário i www.atelierduprado.com d Claudio Vilarinho arquitectos e designers (Portugal). Colaborador www.claudiovilarinho.com

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 724/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura A arquitectura neoclássica De acordo com os ideais iluministas, os arquitectos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho,

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Escola Secundária de D. Luísa de Gusmão Trabalho elaborado por: -Andreia Domingos nº 4 -Cátia Santos nº 7 10ºB 1 O que é o Número de Ouro...pág 3, 4 e

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES MUSEU DE ARTE CONTEMPORÃ NEA DE SERRALVES www.serralves.pt 1 MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES APRESENTAÇÃO O Museu tem como objectivos essenciais a constituição de uma colecção representativa da

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO Antonio Castelnou CASTELNOU Introdução No decorrer da história, nem todos os espaços arquitetônicos mereceram a atenção dos estudiosos, mas apenas aqueles que possuíam algum valor

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Aula 1: Aula 01 Bibliografia Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Estruturas de aço, concreto e madeira : atendimento da expectativa dimensional Rebello, Yopanan Conrado

Leia mais

Conceitos em Arquitetura. Antonio Castelnou

Conceitos em Arquitetura. Antonio Castelnou CASTELNOU Conceitos em Arquitetura Antonio Castelnou Introdução Cimitero di San Cataldo (1970/71, Modena Itália) Aldo Rossi (1931-97) Ao mesmo tempo ciência e arte, a ARQUITETURA fundamenta-se tanto nas

Leia mais

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar Prestígio numa localização privilegiada T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar T1 exclusivo no último andar, com 100 m 2 de área privativa, excelente exposição solar e uma vista deslumbrante

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------------------------- GOVERNA DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DE TURISMO DA CIDADE. As 10 Maravilhas da Cidade de Maputo

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------------------------- GOVERNA DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DE TURISMO DA CIDADE. As 10 Maravilhas da Cidade de Maputo REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------------------------- GOVERNA DA CIDADE DE MAPUTO DIRECÇÃO DE TURISMO DA CIDADE As 10 Maravilhas da Cidade de Maputo Igreja de Santo António da Polana A Igreja de Santo António

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

Situação existente CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CASA - MUSEU DA FREIRA DO ARCANO PROJECTO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA

Situação existente CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CASA - MUSEU DA FREIRA DO ARCANO PROJECTO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA Situação existente A cidade da Ribeira Grande, cabeça de um concelho que este ano celebra o meiomilénio de existência, é das mais notáveis construções urbanas açóricas, e constitui uma das mais originais

Leia mais

Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Teatro Municipal do Rio de Janeiro c a p a Teatro Municipal do Rio de Janeiro Por Tatiana Teles Sob a merecida luz dos refletores O TEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO É UMA construção característica da arquitetura acadêmica francesa da

Leia mais

G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO

G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO O ALUMÍNIO - História 1808 - Humphry Davy estabeleceu a existência do metal e atribui-lhe o nome alumina 1825 - Hans Christian Oersted consegui

Leia mais

THE SAVANNAHS. Contrato-Promessa Anexo II Especificações + Planta da Fracção

THE SAVANNAHS. Contrato-Promessa Anexo II Especificações + Planta da Fracção (LOTES 7 e 9) 1 ESTRUTURA 1.1 A estrutura é constituída por pilares e vigas de betão armado assentes em fundações do mesmo material. 1.2 A lage do rés-do-chão é é constituída por uma placa prefabricada

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

O melhor perfil para azulejo ao seu alcance

O melhor perfil para azulejo ao seu alcance 05 PERFIS PARA AZULEJO O melhor perfil para azulejo ao seu alcance VANTAGENS Utilização de matéria-prima rigorosamente virgem. Baixo teor de carga, modificador de impacto e estabilizantes de elevada qualidade

Leia mais

Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing. Escola Superior de Design. Licenciatura em Design. História da Arte e da Técnica CASA DA CASCATA

Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing. Escola Superior de Design. Licenciatura em Design. História da Arte e da Técnica CASA DA CASCATA Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica CASA DA CASCATA FRANK LLOYD WRIGHT Discente: Sandra Rosa - 20100288 Ano: 1º

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

A Vila. Na vila de Barrancos

A Vila. Na vila de Barrancos Locais a visitar A Vila Na vila de Barrancos podem ainda encontrar-se belos exemplares do típico casario alentejano, de arquitectura popular: casas caiadas de branco, de piso térreo, construídas em taipa,

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Edificio Bloom Space for Business Localização Este edifício situa-se na Rua de Campolide em Lisboa. Com sua localização privilegiada sobre o Parque do Monsanto, coração verde

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/00, de 6 de Março Prova Escrita de História da Cultura e das Artes.º/.º Anos de Escolaridade Prova 7/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO

A CRISE DO MOVIMENTO MODERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Curso: Arquitetura e Urbanismo HISTÓRIA DA ARQUITETURA E DO URBANISMO III Prof. a Raquel Portes A CRISE

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt Catálogo de Produtos 12.2009 CERÂMICA TORREENSE DE MIGUEL PEREIRA SUCRS., LDA Rua da Fábrica nº 1 2565-601 Outeiro da Cabeça Torres Vedras - Portugal Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

DESENHO DA FACHADA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA

DESENHO DA FACHADA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA 01 ARQUITECTOS E OBRA Palavras chave: Herzog & de Meuron; alçado; desenho; materiais;texturas;composição ''Supomos que

Leia mais

ELEGANTE w w w. w b. e b s e s s a s l a e l i e t i e t o e f o fi f c fi e c s e. s c. o c m

ELEGANTE w w w. w b. e b s e s s a s l a e l i e t i e t o e f o fi f c fi e c s e. s c. o c m THE PERFECT FIT ELEGANTE O ambiente de trabalho e a envolvente dos espaços de escritórios são cada vez mais um factor crucial de satisfação que condiciona a motivação, produtividade e o sucesso das empresas.

Leia mais

HISTÓRIA das ARTES VISUAIS

HISTÓRIA das ARTES VISUAIS A um 1º período, de reconstrução e reparação (com construções de pedra de pequenas dimensões ligadas por muita argamassa e cobertura em madeira e telha), surge um 2º período de Maturidade com novas propostas:

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 724/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

M O D E R N I S M O ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO II

M O D E R N I S M O ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO II M O D E R N I S M O ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO II PROBLEMAS SOCIAIS Revolução industrial UTOPISTAS SOCIAIS do Séc. XIX formas alternativas de fixação Pré-urbanismo GÉNESE DO URBANISMO MODERNO (CORRENTE

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

História da Habitação e Mobiliário. Antonio Castelnou AULA 12

História da Habitação e Mobiliário. Antonio Castelnou AULA 12 História da Habitação e Mobiliário Antonio Castelnou AULA 12 CASTELNOU Assinado de forma digital por CASTELNOU DN: cn=castelnou, c=

Leia mais

FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora

FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora combinação de diferentes materiais. As peças FGV procuram

Leia mais

Apresentação pública do projecto do Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. URI:http://hdl.handle.net/10316.

Apresentação pública do projecto do Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. URI:http://hdl.handle.net/10316. Apresentação pública do projecto do Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra Autor(es): Publicado por: URL persistente: Távora, Fernando CEDOUA URI:http://hdl.handle.net/10316.2/6161

Leia mais

ETFE. soluções em arquitectura transparente

ETFE. soluções em arquitectura transparente ETFE soluções em arquitectura transparente Construção com películas de ETFE Aplicações monocamada É utilizada uma camada única, normalmente com uma geometria de curvatura dupla. As aplicações monocamada

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa Museu Miguel Torga 2. LOCALIZAÇÃO Praça Sá de Miranda. Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL A Câmara Municipal deliberou em

Leia mais

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011]

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011] Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação Planta de Emergência Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio [01 de Março de 2011] A Planta de Emergência Segundo a norma NP 4386 define a

Leia mais

Características técnicas:

Características técnicas: Características técnicas: 1-BASE: 1.1-Habitação/Varanda: A base da Habitação/Varanda será construída em Alvenaria conforme o projecto, com placa pré-esforçado, construída sobre muros de blocos assentes

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

CAMARGUE PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS APLICAÇÕES

CAMARGUE PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS APLICAÇÕES PÉRGOLA PARA TERRAÇOS COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E COM LATERAIS COSTUMIZÁVEIS. Proteção solar com sistema de drenagem incluído e invisível;. Proteção solar e ventilação com lâminas de alumínio orientáveis;.

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS PORTO, ABRIL 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS:

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

AUH 321 Contribuições para a análise da forma Da síntese das artes à arte ambiental. 2º semestre de 2015.

AUH 321 Contribuições para a análise da forma Da síntese das artes à arte ambiental. 2º semestre de 2015. FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA ARQUITETURA E ESTÉTICA DO PROJETO AUH 321 Contribuições para a análise da forma Da síntese das artes à arte

Leia mais

Internacional. Singular geometria

Internacional. Singular geometria Internacional Singular geometria Escultórica e geometricamente complexa, a Casa da Música, criação do arquiteto holandês Rem Koolhaas, torna-se o mais novo edifício-ícone de Portugal. Criticada por sua

Leia mais

ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring

ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring ARQUITETURA A PARTIR DOS ANOS DE 1950 AULA 04 - ARQUITETURA BRITÂNICA DO PÓS GUERRA new brutalism e urban structuring ARQUITETURA BRITÂNICA ARQUITETURA DESENVOLVIMENTO DO BRUTALISMO URBANISMO REVISÃO E

Leia mais

T4 Duplex Jardins do Palacete

T4 Duplex Jardins do Palacete T4 Duplex Jardins do Palacete Boavista/ Porto Nª/Refª 3818 Índice 1 Localização 3 2 Informação Geral 5 3 Disponibilidades 8 4 Acabamentos 10 5 Plantas 13 Implantação 14 T4 Duplex 15 6 Contactos 17 T4 Duplex

Leia mais

A REVISÃO FORMAL NOS ESTADOS UNIDOS

A REVISÃO FORMAL NOS ESTADOS UNIDOS A REVISÃO FORMAL NOS ESTADOS UNIDOS A arquitetura estadunidense já tem importância entre o final do século XIX e meados do século XX, mas é a partir de 1945 que a importância do país se transforma em liderança

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS

UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA apresentada ao Departamento de Arquitectura

Leia mais

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM

BAIRRO DA PALMEIRA. Dossier de imprensa 2.ª FASE DA REABILITAÇÃO. Continuar a investir nas pessoas IHM INVESTIMENTOS HABITACIONAIS DA MADEIRA, EPERAM Dossier de imprensa CARACTERIZAÇÃO O Bairro da Palmeira, construído no início da década de 80 para resolver situações de gravíssima carência habitacional de famílias do centro de Câmara de Lobos, sobretudo

Leia mais

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado UNIVERSIDADE DO ALGARVE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 4 Demolições de Edifícios Técnicas de Demolições Construções Antigas Construções com Estrutura de Betão Armado 1 Construções

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

046-050_Aadunkel 08/06/17 10:36 Page 46 TRAÇOS 46 47

046-050_Aadunkel 08/06/17 10:36 Page 46 TRAÇOS 46 47 TRAÇOS 46 47 SUÍÇA BASILEIA Uma vista sobre o parque texto Sandra Marques Gomes fotografia Stefano Graziani Uma luz abundante inunda os 19 apartamentos gizados por Thomas Frick e Ariel Arthur Dunkel na

Leia mais

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva 17 de Outubro Sábado 10h30 - Estação de S. Bento (1896-1916), por Nuno Tasso de Sousa - Teatro Nacional S. João

Leia mais

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados.

ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. ARTE PRÉ-COLOMBIANA: nas artes, a arquitetura e a escultura foram dominantes. A pintura e o desenho foram relativamente apagados. Três principais civilizações: Maias; Astecas; Incas. Civilização Maia:

Leia mais

Realizações singulares

Realizações singulares Realizações singulares Ref.: 001 Fundação Pedro Barrié de la Maza. Vigo Ref.: 002 Colégio de Arquitectos Técnicos. Madrid Ref.: 003 Centro Comercial A Laxe. Vigo Ref.: 004 Gadis. Corunha Ref.: 005 Sede

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis. A casa # 8 1 A casa # 8 1 Marta Peixoto 2 1 Este trabalho se insere em uma pesquisa desenvolvida aqui no UniRitter - junto com o professor da FAU Sergio Moacir Marques - intitulada Domesticidade, tecido e o gosto neoplástico:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

Soluções DataCenter Servidores

Soluções DataCenter Servidores Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

PÉRGOLA CAMARGUE VIVA MAIS OS ESPAÇOS AO AR LIVRE UMA DIVISÃO EXTRA PERFEITA TODO ANO CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO

PÉRGOLA CAMARGUE VIVA MAIS OS ESPAÇOS AO AR LIVRE UMA DIVISÃO EXTRA PERFEITA TODO ANO CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO 9 PÉRGOLA CAMARGUE COBERTURA COM LÂMINAS ORIENTÁVEIS E PROTEÇÃO LATERAL UMA DIVISÃO EXTRA PERFEITA TODO ANO Os espaços ao ar livre têm ganho maior relevância no nosso estilo de vida. Os jardins e terraços

Leia mais