MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de exercícios 1 (2012/2013)"

Transcrição

1 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática MATEMÁTICA I ECONOMIA (5598) Ficha de eercícios (0/03). Determine o conjunto dos pontos interiores, eteriores e fronteiros dos seguintes conjuntos: (a) A = R : } (b) B = R : ( ) 0} (c) C = R : 3 > 5}. Indique o derivado e a aderência dos conjuntos seguintes. Indique os que são abertos ou fechados. (a) A = R : 3 > } (b) B = R : 6 < } (c) C = R : + < } (d) D = R : 3 +5 < 3} 3. Considere o conjunto A = [, 5[ ]5, 6[ 7}. Determine os conjuntos de pontos interiores e fronteiros a A, bem como o seu fecho e derivado. 4. Considere o conjunto A = R : 0 < 4 } 5 }. Determine o seu interior, fronteira, fecho e derivado. Indique, justificando, se o conjuntoaéaberto, fechado e itado. 5. Considere o conjunto A = 0, } [,4]\3}. Determine o seu interior, fronteira, fecho e 000 derivado. Indique, justificando, se o conjuntoaéaberto, fechado e compacto. 6. Determine emrointerior, a aderência, o derivado e o conjunto dos pontos isolados dos seguintes conjuntos: (a) A = [0,] ],3] 6,0} (f) F = R : (b) B = R : +3 > } + < 9} (g) G = ( R\],+ [ ) Q (c) C = R : 0 < 3 5} (h) H = N : 3 < 6} 0} (d) D = R : 3 > } (e) E = R : } (i) I = R : } + 0 \ } (j) J = Q : < } R\Q : 0} } (k) K = R : = +( ) n + ( )n n,n N } ] n 4 (l) L = n + : n N 3, 3 [ } n+ : n N. n Quais dos conjuntos são abertos? E fechados? Justifique.

2 } Considere o conjuntoa =]0,]. Determine o seu interior, fronteira, fecho e derivado. 99 Indique, justificando, se o conjuntoaéaberto, fechado e compacto. 8. Esboce os gráficos das seguintes funções: (a) f() = (b) f() = + (c) f() = +4 (d) f() = (e) f() = 3 9. Considere a seguinte f.r.v.r.: (f) f() = ln (g) f() = + (h) f() = log f() = (i) f() = sen (j) f() = log(+3) + se < se. (k) f() = tg π (l) f() = 5cos (m) f() = e (n) f() = cos Esboce o gráfico das seguintes funções: (a) f() (b) f( ) (c) f(+) (d) f() (e) f() (f) f()+ (g) f() 0. Resolva o eercício anterior considerando as funções f() = em R, bem como g() = definida em ]0,+ [.. Seja f() = ++3. Desenhe os gráficos das funções abaio indicadas: (a) f() (b) f( ) (c) f( ) (d) f(). Considere as f.r.v.r. definidas por: a() =, f() =, g() =, h() = 3, i() = +4 (a) Esboce o gráfico de cada uma das funções. (b) Determine os valores reais detais que: (i) f() = 0 (ii) f() < (iii) f() > (iv) f() = g() (v) h() < 0 (vi) i() > 0 (vii) i() < 0 (viii) g() 3 3. Esboce o gráfico da função f, definida porf() = e.

3 4. Considere as funções: f: R R, f() = +; g: R R, g() = + ; e h: R R, h() = + Determine: (a) f g( ) (b) g f() (c) (f g h)() (d) (f h)() (e) (h f)() (f) (h f g)() (g) h (0) (h) h (3) (i) (h(3)) 5. Determine as epressões que definem as inversas das seguintes funções e indique os respectivos domínios: (a) f() = 5 + (b) f() = 3 + (c) 3 6. Determine, se eistirem, as inversas das funções seguintes: (a) f() = 3+, se 0 (b) f() =, se > 0 7. Caracterize a função inversa de cada uma das seguintes funções: ( (a) r() = + (b) l() = ln (c) p() = ) (d) t() = Considere a função f() = e +3 (a) Determine o domínio e o contradomínio def. (b) Defina a função inversa def. 9. Considere as funções reais de variável real definidas por f() = +3 e g() = +log 3 (+). (a) Calcule o domínio e o contradomínio de cada uma das funções. (b) Determine, se eistirem os zeros das funções. (c) Caracterize f eg. 0. Seja f a função real de variável real definida porf() = log (9 ). (a) Determine o domínio e o contradomínio def. (b) Justifique que a função não admite inversa.. Suponha que é representante de uma empresa que se dedica a fazer jogos para computador. O seu salário é de000 euros, fios, por mês, acrescido de50 euros por cada jogo vendido. (a) Escreva uma relação que lhe permita saber o salário que receberá num certo mês. Indique a variável independente e a variável dependente, eplicando os seus significados no conteto desta situação.

4 (b) Considere a f.r.v.r. definida pela relação da alínea anterior. Como se designa esta função? Qual a sua representação gráfica?. As funções N (t) = (.03) t, N (t) = 3 (0.9) t, N 3 (t) = 4 (.8) t e N 4 (t) = 9 (0.38) t descrevem a evolução do capital (em milhões de e ) de quatro fundos de investimento ao longo do tempo (em meses), a partir de um certo instante inicialt = 0. (a) Qual dos fundos de investimento tem mais capital no instante inicial? (b) Qual dos fundos tem a maior taa de crescimento relativo? (c) Alguns dos fundos não são rentáveis. Concorda com esta afirmação? (d) Caso eista, determine o instante no qual os fundos cuja evolução é descrita pelas funções N en têm o mesmo valor. (e) Esboce os gráficos den, N, N 3 e N Determine o domínio de definição das seguintes f.r.v.r. e represente-o na recta real: (a) y = ( + (d) y = ln(3 ) (h) y = ln 5 ) + (e) y = ln( 3+) (b) y = e + 3 (c) y = sen (f) y = ln( +e ) (g) y = 3 (i) y = e Determine o domínio das seguintes funções: (a) f() = + 3 (b) f() = e ( ) 5 (c) f() = ln (d) f() = ln( ) + + (e) f() = ln( ln( 5+6)) (f) f() = cos (g) f() = sen (h) f() = ln( ) ( ) + (i) f() = 3+ln ( ) e + (j) f() = ln e (k) f() = e e e 5. Determine, caso eistam, os zeros das funções reais de variável real definidas por: ( ) (a) g() = 3 (c) t() = ln + (b) h() = e + e (d) f() = Considere o conjunto C = R : } > 0. Defina C sob a forma de um intervalo de números reais. 7. Seja f: R + R definida porf() = 7+log 3 (7 3 ). Mostre quef() = 90+log 3. 3

5 8. Determine, caso eistam, os seguintes ites: 3+ (a) + (b) 0 (c) + sen (d) 0 sen (e) a 5 (f) 7 (g) 7 (h) +, paraa = ;0; ;+ 7 (i) 0 tg sen ( e +5 ) + (j) h 0 (t+h) t h (k) (l) ( + ) + (ln(+) ln) + (m) 0 sen( ) sen (n) + (3 3 +) (o) 0 e 3 5 ln(+) (p) 0 3 ( + (q) + +4 ) (r) 0 ln(5+ ) ln(5) 9. Determine, caso eistam, os ites: (a) 0 (b) 4 + sen (c) 0 sen (d) ( ) e e (e) 0 e 3 (f) 0 sen() (g) (h) (i) ln + ln( ) 0 + ( + ) 30. Calcule os seguintes ites: (a) (b) (c) (d) ( ) ( ) (e) ( a)( b) + [ ( (f) e / )] + (g) (h) (i) (j) (k) [ ln ( )] + ( ) ln( +) [ ( )] + (+)ln ln(+3) ln [ ( )] sen

6 3. Calcule os seguintes ites laterais: (a) (c) 0 + (b) (d) 0 ( + ) 3 ( ) 3 (e) (f) arctg 3. Calcule os ites laterais das seguintes funções no ponto 0 indicado. O que pode concluir sobre a eistência de 0 f()? (a) f() =, se ( ), se >, 0 = (b) f() =, se, se >, 0 = 3 a, se 0 (c) f() =, 0 = 0 a +, se > 0 8, se < 5 (d) f() = ( ), se 5, 0 = 5 (e) f() = etg e tg +, 0 = π (f) f() = / sen, 0 = Estude quanto à continuidade as seguintes funções: (a) f() = e + (b) f() = 4 (c) f() = ln sen + (d) f() =, se 0, se = 0 (e) f() = sen, se 0 0, se = 0 (f) f() = (g) g() = e (h) h() = +, 0, = 0 ln(+), > (i) i() =, (+)e (j) f() = (+), se < ln(+3), se arcsen, se 0 + (k) f() = e + +, se < 0 e (l) f() =, se = +ln(e ), se cotg, se > Determine, se possível, a constantek que torna as seguintes funções contínuas. e e e, se (a) f() = (b) f() = sen(3), se [ π, π ]\0} 6 6 k, se = k, se = 0

7 3 3 (c) f() = +k, se 0 /3, se = Estude a continuidade da função f : f() = 36. Considere a função f definida por: (a) Calcule f(). + f() = (d) f() = ] π, π [ R, definida por:, se = 0 tg(), se 0. sen() 3 4 se > 3 se = k 4 se <, k R. ( )sen, se k, se = (b) Determinek de modo que eista f(). Para este valor dek, f é continua em =? 37. Considere a função real de variável real definida por: (a) Estude a continuidade def. sen se 0 f() = se = 0. (b) f é contínua à esquerda de = 0? E à direita de = 0? Justifique. 38. Considere as funções f eg definidas por: (a) Estude a continuidade def. f() = ln 3 (b) Calcule 0 f(). (c) Indique o domínio da função f g. e g() =. 39. Calcule, sempre que possível, as derivadas das seguintes funções nos pontos indicados, utilizando a definição. (a) f() = +9, = 4 (b) f() =, = (c) f() = e +5, = (d) f() = 3, = 3 (e) f() = ln, = a D f (f) f() = + 4, = a D f (g) f() = 3 +, 0 e, = 0., < 0 sen, [0, π (h) f() = ) ], ] π,π], = π. ( π

8 40. Determine a derivada de cada uma das seguintes funções: (a) f() = (+3) 5 (b) f() = (c) f() = sen 4 (5) cos 4 (5) (d) f() = tg(3 ) (e) f() = e sen+e (f) f() = arcsen(ln) (g) f() = sen sen (h) f() = 3 arccos (i) f() = log 5 (arctan) 4. Determine a derivada de cada uma das seguintes funções: (a) a() = /3 (b) b() = (c) c() = e cos(7) (d) d() = ln( +5) (e) e() = e ln (f) f() = e ln(5 9) (g) g() = sen( ) (h) h() = (i) i() = (j) j() = 4 +4 (k) k() = 3 (l) l() = e 4. As funções f eg são diferenciáveis e f é invertível, verificando as condições: f() = 3, g() = 5, f () =, f ( 5) = 3, g () =, g (3) = 5. Determine os valores de : (a) (f +g) () (b) (4f) () (c) ( f g ) () (d) (f.f) () (e) (g f) () (f) (f g) () (g) (f ) (3) (h) ( f ) (). 43. Sejaf a função definida porf() = arcsen(+). Determine(f ()) dos seguintes modos: (a) calcule a função inversa e de seguida a respectiva derivada; (b) directamente. 44. Considere as seguintes funções reais de variável real:, 4 f() = 3, g() =, h() = +, +, < 4 4 i() = e se, j() = 4+ se >. (a) Esboce o gráfico de cada uma das funções. (b) Calcule: (i) f () (ii) g (4) (iii) h (3) (iv) i (0) (v) j (0) (c) Estude a continuidade e diferenciabilidade de cada uma das funções. (d) Estude as funções f ehquanto à monotonia e à eistência de etremos.

9 45. Estude a diferenciabilidade das seguintes funções: (a) f() = (b) f() = (c) f() = 3 (d) f() = (e) f() = e (f) f() =, 0, > 0 ( )ln( ), > (g) f() = +,, (h) f() = sen, 0 0, = 0 arcsen +, 0 (i) f() = e /(+), < 0 e, = 46. Determine a recta tangente ao gráfico da funçãof() = sen ( ), no ponto de intersecção do gráfico da função com o eio das abcissas. 47. Determine as rectas tangente e normal ao gráfico da função f() =, no ponto de abcissa Sejam g,h : R R as funções dadas por: e a+b, < g() = +ln, eh() = +e /( ), 0, = (a) Determineaebde modo queg seja diferenciável no ponto =. (b) Prove quehécontínua em = mas não é diferenciável nesse ponto. 49. Usando o teorema da derivada da função composta, calcule (ln(ln)). 50. Utilize a regra de Cauchy para levantar as indeterminações dos seguintes ites: ( sen4 (a) 0 (e) 0 sen ) (i) ( 3 ) e sen e cos (j) (b) π 4 sen cos (f) + (e +) 0 + ( ln(sen) (c) (g) (tg) cos (k) 0 + ln(tg ) π + (d) ) (e (h) + (e ) (l) tg ( π ) ) +

10 5. Calcule os seguintes ites recorrendo à regra de Cauchy: a b (a), a,b > 0 0 ( ) (b) (c) 0 + e ( cos (d) + ( ) (e) e 0 (f) 0 + ) 3+ (g) (h) (i) + e + ()(+)/ (j) 0 (cos) cotg (k) (l) 0 +(sen)tg + (e +) / (m) (tg) cos π 5. Onde se encontra o erro na seguinte utilização da regra de Cauchy? = = 6 = Determine os etremos da funções seguintes nos conjunto indicados: (a) f() = +4, em ],4[ (b) f() = +4 em [,4] (c) f() = e +4 em ],[ (d) f() = e +4 em [,] 54. Uma droga é injectada na corrente sanguínea e a sua concentração apóstminutos é dada por C(t) = k a b (e bt e at ) para constantes positivasa,b, com a < b, ek. (a) Em que instante ocorre a concentração máima? (b) O que se pode dizer sobre a concentração após um longo período de tempo? 55. Considere a função g: R R definida por e, 0 g() = +, > 0. (a) Mostre queg é contínua para = 0. (b) Prove queg é diferenciável para = 0. (c) Determine o declive da recta tangente ao gráfico deg no ponto de abcissa = 0. (d) Calcule g(). (e) Estude a concavidade do gráfico deg e indique, caso eistam, os pontos de infleão. 56. Considere a função g: R R, definida por +e, g() =, =.

11 (a) Mostre queg é contínua à esquerda de =, mas não é aí contínua. (b) Calcule g(). (c) Determine uma equação da recta tangente ao gráfico deg no ponto(0, e ). 57. Considere a f.r.v.r. definida porf() = +3e +3. (a) Calculef ( 3). (b) Escreva uma equação da recta tangente ao gráfico def cujo declive é3e. (c) Resolva, em R, a inequaçãof ()+f () > f(). 58. Estude o sentido da concavidade do gráfico e a eistência de pontos de infleão das f.r.v.r. seguintes: (a) f() = 3 6 (b) g() = ln (c) h() = e 59. Considere a seguinte função real de variável real: f() = 5 se < 0 ln(+e 5 ) se 0. (a) Determine o declive da recta tangente ao gráfico def no ponto de abcissa = ; (b) Estude a continuidade def no seu domínio; (c) Estude a diferenciabilidade def no seu domínio. 60. Considere a função real de variável real f() = 3 4. (a) Indique o domínio def; (b) Determine os etremos def. 6. Considere a seguinte f.r.v.r., ondek R: +3k se < 0 f() = e + se 0. (a) Determine o valor dek de modo quef seja contínua em = 0; (b) Estude a diferenciabilidade def no seu domínio; (c) Determine a equação da recta tangente ao gráfico def em = 4; (d) Determine os etremos da função g definida porg() = f(), Seja f : R R dada por (a) Mostre quef é contínua emr. f() = e /, 0 0, = 0 (b) Indique o domínio de diferenciabilidade def e calcule a sua derivada.

12 ( )e 63. Seja f : R R a função definida porf() =, 0 +arctan, < 0. (a) Estude a continuidade def. (b) Calcule f() e f(). + (c) Estudef quanto à diferenciabilidade e determine a sua função derivada. (d) Determine os intervalos de monotonia e os etremos locais (se eistirem) def. (e) Prove que o gráfico def não tem pontos de infleão. (f) Calcule + (f())/ 64. Seja f : [,+ [ R a função definida porf() = arcsen,, ( )ln( ), >. (a) Estude a continuidade def para =. (b) Estudef quanto à diferenciabilidade e determine a sua função derivada. (c) Mostre quef tem um etremo em = +/e. Classifique-o e calcule-o. (d) Determine, caso eistam, os pontos de infleão def. 65. Seja f :]0,+ [ R a função definida porf() = ln. (a) Estude a continuidade e a diferenciabilidade def. (b) Determine os etremos e os intervalos de monotonia def. (c) Calcule 0 +f() e f() Considere a função f : R R definida por ln(+), se 0 f() = cos, se < 0 (a) Estude a diferenciabilidade def. (b) Calculef () usando a definição. (c) Caracterize a função inversa def, para 0. (d) Sem usar o resultado da alínea anterior, determine(f ) (). 67. Considere a função f : [,] R definida por f() = 3. Determine os etremos de f 3 em [,]. 68. Considere as funções f eg definidas por: f() = ln( 5) e g() = sen e. (a) Calcule 5 +f(). (b) Esboce o gráfico de f().

13 (c) Caracterize a função f indicando o seu domínio, contradomínio e epressão analítica. (d) Sem utilizar o resultado da alínea anterior, determine(f ) (). (e) Estude a monotonia e determine os etremos da função f() 5. (f) Determine o domínio da função g f. 69. Considere a função f : R R definida por e 3, se 3 f() = 8, se > 3 (a) Estude a continuidade def (b) Estude a diferenciabilidade def. 70. Considere as funções f eg definidas por: f() = ln(+3) g() = sen(5) h() = 5 g() (a) Sem usar a regra de Cauchy, calcule 0 f(). (b) Esboce o gráfico deg( ). (c) Caracterize a função h indicando o seu domínio, contradomínio e epressão analítica. (d) Sem utilizar o resultado da alínea anterior, determine(h ) ( 4). (e) Estude a monotonia e determine os etremos da função i() = f() Considere a função f : R R definida por, se f() = +e 0, se = Mostre quef é contínua em = mas não é diferenciável em =. 7. O valor de revenda de uma peça de equipamento industrial comporta-se de acordo com a seguinte função: v(t) = 50000e 0,06t (em euros), denotandotonúmero de anos desde a compra original. (a) Qual o valor original da peça de equipamento? (b) Qual o valor esperado de revenda após cinco anos? (c) Quanto tempo demora para o valor de revenda chegar a5% do valor original?

14 73. Foi feito um estudo sobre a opinião formada acerca de determinada empresa. A função que traduz esses resultados é dada por (a) Esboce o gráfico da função O. O(p) = p, sendop > medido em meses. log 0 p (b) Indique a altura em que a opinião acerca da empresa foi mais desfavorável. 74. Uma agência de publicidade considera que se uma empresa gasta milhões de u.m. em publicidade na T.V., o lucro total pode ser estimado pela função P () = 50 e 0,5, em milhões de u.m. (a) Quanto deve ser gasto em publicidade para maimizar o lucro? (b) Qual o lucro máimo?

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

Análise Matemática I - 2013/14 LEI. 1. Para as funções que se seguem, indique o domínio e o contradomínio: 4 x 2;

Análise Matemática I - 2013/14 LEI. 1. Para as funções que se seguem, indique o domínio e o contradomínio: 4 x 2; Análise Matemática I - 03/4 Definição. Seja f uma função real de variável real. Define-se por domínio de f, comummente denotado por D f, o conjunto de todos os pontos onde f está definida, e por contradomínio

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Complementos de Cálculo Diferencial

Complementos de Cálculo Diferencial MTDI I - 7/8 - Comlementos de Cálculo Diferencial 34 Comlementos de Cálculo Diferencial A noção de derivada foi introduzida no ensino secundário. Neste caítulo retende-se relembrar algumas de nições e

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce a região R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto (A), fechado (F), limitado (L), compacto (K), ou conexo (C). (a) R = (x; y) 2 R

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

Exercícios para as aulas PL

Exercícios para as aulas PL Eercícios para as aulas PL Generalidades sobre funções reais de variável real. FichaPL0. Considere os seguintes gráficos de funções reais de variável real: A y B y 5 4 4 3 3-3 - - 3-3 4 5 - C D y y 4 3

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real Análise Matemática - 009/010 - Generalidades sobre unções reais de variável real.1-deinição e Propriedades De..1 Sejam A e B conjuntos, e uma correspondência de A para B, isto é um processo de associar

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Exercícios para as aulas TP

Exercícios para as aulas TP Generalidades sobre funções reais de variável real. FichaTP0. Considere os gráficos correspondentes a duas funções reais de variável real: y y 5-0 4-5 4 3-3 - - 0 3 4 - Indique para cada uma delas: (a)

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX) Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 1º ano Cálculo Diferencial II - Eercícios saídos em Eames (séc XX) 1. Seja f a função real de variável real tal que f()= - /. Quanto ao limite

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

1 Definição de Derivada

1 Definição de Derivada Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014 Lista 5 Derivada 1 Definição de Derivada Eercício 1. O que é f (a)? Eplique com suas palavras o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais e Cursos Tecnológicos PROVA 435/9 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2005 1.ª FASE

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

Matemática Exercícios

Matemática Exercícios 03/0 DIFERENCIAÇÃO EM R Matemática Eercícios A. Regras de Derivação Calcular a derivada de f( considerando que toma unicamente os valores para os quais a fórmula que define f( tem significado:. f ( 3 5

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

Planificação 2015/2016

Planificação 2015/2016 Planificação 2015/2016 ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA A 11º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO II 1-Resolução de Problemas Envolvendo

Leia mais

Teorema da Mudança de Coordenadas

Teorema da Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Coordenadas 1 Mudança de Coordenadas Definição 1 eja n um aberto. Diz-se que uma

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein)

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein) Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância da Malagueira Teste de Avaliação Matemática 9ºB Nome: Nº: Data: 4 3 11 Classificação: A prof: O Enc. Educação: Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais

Leia mais

2ª fase. 19 de Julho de 2010

2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) ª fase 19 de Julho de 010 Grupo I 1. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é 1, existem tantas bolas

Leia mais

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein)

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein) Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância da Malagueira Teste de Avaliação Matemática 9ºB Nome: Nº: Data: 4 3 11 Classificação: A prof: O Enc. Educação: Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade Eercícios de eames e testes intermédios 1. Para um certo número real k, é contínua em R a função f definida por 2 + e +k se 0 f() = 2 + ln( + 1)

Leia mais

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus Investigação e Modelação na aula de Matemática Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00 Eduardo Cunha www.educunha.net Escola Secundária de Barcelos 2000/2001 Módulo 2: Estudo de Funções - calculadora gráfica.

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Universidade Federal do ABC Prova 1 de FUV (2017.1) Versão 1 A-Diurno

Universidade Federal do ABC Prova 1 de FUV (2017.1) Versão 1 A-Diurno Prova 1 de FUV (20171 Versão 1 A-Diurno Justifique suas afirmações Respostas sem justificativa não serão consideradas Escreva seu nome em todas as folhas A prova pode ser escrita pelo lápis, mas respostas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA PARA OS CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA DE MATEMÁTICA PARA OS CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE MATEMÁTICA PARA OS CANDIDATOS MAIORES DE ANOS Duração: 60 minutos Nome: 1ª Parte Para cada uma das seguintes questões de escolha múltipla, seleccione a resposta correcta com um círculo de entre

Leia mais

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Função Exponencial, Inversa e Logarítmica Bruno Conde Passos Engenharia Civil Rodrigo Vanderlei - Engenharia Civil Função Exponencial Dúvida: Como

Leia mais

A) 45 B) 22,5 C) 43 D) 21, A soma das áreas dos 20 primeiros trapézios é igual a: [A] 260 [B] 130 [C] 70 [D] 450

A) 45 B) 22,5 C) 43 D) 21, A soma das áreas dos 20 primeiros trapézios é igual a: [A] 260 [B] 130 [C] 70 [D] 450 6. Observe a sequência de trapézios rectângulos construídos como é sugerido na figura. Seja (a n ) a sucessão das áreas dos trapézios, em que o trapézio de ordem tem dois vértices nos pontos (, 0) e (,

Leia mais

Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014. Lista 2 Funçoes

Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 2014. Lista 2 Funçoes Departamento de Computação é Matemática Cálculo I USP- FFCLRP Prof. Rafael A. Rosales 5 de março de 204 Lista 2 Funçoes Salvo seja indicado o contrário, todas as funções nesta lista de eercícios estão

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Complementos de Análise Matemática

Complementos de Análise Matemática Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Ficha prática n o 1 - Cálculo Diferencial em IR n 1. Para cada um dos seguintes subconjuntos de IR, IR 2 e IR 3, determine

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Exercícios de exames e testes intermédios 1. Em C, conjunto dos números complexos, considere z = + i19 cis θ Determine os valores de θ pertencentes

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Eercícios de 006 . Considere

Leia mais

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado. Teste Intermédio de Matemática B 2010 Teste Intermédio Matemática B Duração do Teste: 90 minutos 13.04.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

ic Mestrado Integrado em Bioengenharia

ic Mestrado Integrado em Bioengenharia ic Mestrado Integrado em Bioengenharia MATEMÁTICA I 01-11- 1º Teste de Avaliação Álgebra Linear e Geometria Analítica Justifique convenientemente todos os cálculos que efetuar. O teste tem a duração de

Leia mais

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 1 1 FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 11 Funções trigonométricas inversas 111 As funções arco-seno e arco-cosseno Como as funções seno e cosseno não são injectivas em IR, só poderemos definir as suas funções

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função Polinomial

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função Polinomial Resolução das atividades complementares Matemática M Função Polinomial p. 6 (UFRJ) Uma operadora de celular oferece dois planos no sistema pós-pago. No plano A, paga-se uma assinatura de R$, e cada minuto

Leia mais

A otimização é o processo de

A otimização é o processo de A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um problema. Eiste um conjunto particular de problemas nos quais é decisivo a aplicação de um procedimento de otimização.

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é:

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é: Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 4 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO 6 Na figura, temos os gráficos das funções f e g,

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011

Exercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes 2011 Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I, Amélia Bastos, António Bravo, Paulo Lopes Introdução Neste teto apresentam-se os enunciados de conjuntos de eercícios para as aulas de problemas do curso

Leia mais

Lista 8. Bases Matemáticas. Funções Quadráticas, Exponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas. Funções Quadráticas

Lista 8. Bases Matemáticas. Funções Quadráticas, Exponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas. Funções Quadráticas Lista 8 Bases Matemáticas Funções Quadráticas, Eponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas Funções Quadráticas Esboce o gráfico das seguintes funções, indicando em quais intervalos as funções são crescentes

Leia mais

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e Matemática II 05/6 Curso: Gestão Departamento de Matemática ESTG-IPBragança Ficha Prática : Revisões: Funções, Derivadas. Primitivas -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Teorema da Mudança de Variáveis

Teorema da Mudança de Variáveis Instituto Superior écnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Variáveis 1 Mudança de Variáveis Definição 1 Seja R n um aberto. Di-se que uma

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual do 12º Ano Matemática A Ano letivo 2015 /2016 1º Período 2º Período 3º Período Nº DE BLOCOS PREVISTOS 39 32 24 Apresentação 0,5 1º Período 2º Período

Leia mais

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b)

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b) Reformulação Pré-Vestibular matemática Cad. 1 Mega OP 1 OP MA.01 1.. 3. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) a 3 + 3a b + 3ab + b 3 a 3 b 3 3a b + 3ab 3ab (a + b) Reformulação

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS 6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS Quando uma função f (z) não é diferenciável num complexo z 0 ; diremos que z 0 é uma singularidade de f (z) ; z 0 dir-se-á uma singularidade isolada de f (z) se, contudo, f

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos. PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 92/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

Geometria Analítica Plana.

Geometria Analítica Plana. Geometria Analítica Plana. Resumo teórico e eercícios. 3º Colegial / Curso Etensivo. Autor - Lucas Octavio de Souza (Jeca) Estudo de Geometria Analítica Plana. Considerações gerais. Este estudo de Geometria

Leia mais

Estrutura de Repetição Simples

Estrutura de Repetição Simples Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios Básicos sobre Laço Estrutura de Repetição Simples Eercício 01 Escreva um programa que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. A seguir,

Leia mais

Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções

Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções MÁXIMOS E MÍNIMOS LOCAIS: Seja f uma f. r. v. r. definida num intervalo e D f. 1) f tem um mínimo local f ( ), em, se e só se f ( ) f ( ) para qualquer

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

Continuidade de uma função

Continuidade de uma função Continuidade de uma função Consideremos f : D f uma função real de variável real (f.r.v.r.) e a um ponto de acumulação de D f que pertence a D f. Diz-se que a função f é contínua em a se lim f x f a. x

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

Lista 8. Bases Matemáticas. Funções Quadráticas, Exponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas

Lista 8. Bases Matemáticas. Funções Quadráticas, Exponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas Lista 8 Bases Matemáticas Funções Quadráticas, Eponenciais, Logarítmicas e Trigonométricas Funções Quadráticas Esboceográficodas seguintes funções, indicando em quais intervalos as funções são crescentes

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 13 13 de junho de 2011. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 13 13 de junho de 2011. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 13 13 de junho de 2011 Aula 13 Pré-Cálculo 1 Função poligonal Definição Dizemos quem uma função

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1)

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1) Unidade de Ensino de Matemática Aplicada e Análise Numérica Departamento de Matemática/Instituto Superior Técnico Matemática Computacional (Mestrado em Engenharia Física Tecnológica) 2014/2015 Trabalho

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS PROVA 1 MATEMÁTICA 2. 1 Sendo este o gráfico de f(x),

QUESTÕES OBJETIVAS PROVA 1 MATEMÁTICA 2. 1 Sendo este o gráfico de f(x), QUESTÕES OBJETIVAS Sendo este o gráfico de f(), Multiplicando os números 4 567 896 095 46 765 44 769 (de algarismos) e 568 97 0 875 45 666 875 (de algarismos) obtemos um produto cuja quantidade de algarismos

Leia mais

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Teórico-Práticas Mestrado em BBC, 2008/2009 1 Capítulo 1 Nos exercícios 1) e 2) suponha que o crescimento é exponencial. 1. Entre 1700 e 1800 a população humana

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Nestas condições, determine a) as coordenadas dos vértices B, C, D, E e F e a área do hexágono ABCDEF. b) o valor do cosseno do ângulo AÔB.

Nestas condições, determine a) as coordenadas dos vértices B, C, D, E e F e a área do hexágono ABCDEF. b) o valor do cosseno do ângulo AÔB. MATEMÁTICA 0 A figura representa, em um sistema ortogonal de coordenadas, duas retas, r e s, simétricas em relação ao eixo Oy, uma circunferência com centro na origem do sistema, e os pontos A = (1, ),

Leia mais

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é 1. (Espce- 01) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P() do º grau no intervalo 0,5. O número de raízes reais da equação a) 0 b) 1 c) d) e) P 1 0 no intervalo 0,5 é. (Ufrn 01) Considere,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

MATEMÁTICA. y Q. (a,b)

MATEMÁTICA. y Q. (a,b) MATEMÁTICA 1. Sejam (a, b), com a e b positivos, as coordenadas de um ponto no plano cartesiano, e r a reta com inclinação m

Leia mais

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica

Função Exponencial, Inversa e Logarítmica CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.2 Função Exponencial, Inversa e Logarítmica Bárbara Simionatto Engenharia Civil Jaime Vinícius - Engenharia de Produção Função Exponencial Dúvida:

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

DERIVADA. A Reta Tangente

DERIVADA. A Reta Tangente DERIVADA A Reta Tangente Seja f uma função definida numa vizinança de a. Para definir a reta tangente de uma curva = f() num ponto P(a, f(a)), consideramos um ponto vizino Q(,), em que a e traçamos a S,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 635/11 Págs. Duração da prova: 150

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Exercícios de Cálculo I - CM041

Exercícios de Cálculo I - CM041 Eercícios de Cálculo I - CM4 Prof. José Carlos Corrêa Eidam DMAT/UFPR Disponível no sítio people.ufpr.br/ eidam/inde.htm o. semestre de Parte Limites de funções. Calcule os seguintes limites, caso eistam:

Leia mais

Apostila de Cálculo I

Apostila de Cálculo I Limites Diz-se que uma variável tende a um número real a se a dierença em módulo de -a tende a zero. ( a ). Escreve-se: a ( tende a a). Eemplo : Se, N,,,4,... quando N aumenta, diminui, tendendo a zero.

Leia mais

11. Problemas de Otimização

11. Problemas de Otimização 11. Problemas de Otimização Nesta seção veremos vários eemplos de problemas cujas soluções eigem a determinação de valores máimos e/ou mínimos absolutos das funções que os representam. São chamados de

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Resolução do Eame / Testes de Recuperação I.. (, val.)determine os ites das seguintes sucessões convergentes (i) u n n + n n e n + n, (ii) v n n + π n Resolução: i) A sucessão

Leia mais

4 Cálculo Diferencial

4 Cálculo Diferencial 4 Cálculo Diferencial 1. (Eercício IV.1 de [1]) Calcule as derivadas das funções: a) tg, b) +cos 1 sen, c) e arctg, d) e log2, e) sen cos tg, f) 2 (1 + log ), g) cos(arcsen ) h) (log ), i) sen 2. 2. Derive:

Leia mais