Timothy Lenoir realizou seus estudos sobre o Palácio de Cristal, em Londres e Donna Haraway sobre o Museu Americano de História Natural.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Timothy Lenoir realizou seus estudos sobre o Palácio de Cristal, em Londres e Donna Haraway sobre o Museu Americano de História Natural."

Transcrição

1 TEMPLOS DA VERDADEIRA ARTE, ESPAÇOS INTERATIVOS OU LOCAIS DE PROPAGANDA? Um estudo sobre o Museu de Arte do Rio Grande do Sul. BEN, Clarice Pinto ULBRA eixo: Educação e Arte / n.16 Este artigo trata de uma pesquisa desenvolvida durante o curso de Mestrado em Educação da Universidade Luterana do Brasil, entre agosto de 2004 e setembro de 2006, focalizada no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), que é aqui examinado como um espaço pedagógico, mas que atua para além das suas propostas categorizadas como educativas. Utiliza-se, neste estudo, o conceito de pedagogia cultural a partir de autores como Shirley Steinberg (2004) e Henry Giroux (apud Silva, 1999). Steinberg indica que a pedagogia cultural está presente em diversas áreas sociais e não apenas na escola. Para esta autora (2004, p.14), áreas pedagógicas são lugares, onde o poder é organizado e difundido, incluindo bibliotecas, TVs, cinemas. O museu de arte assume também dimensões pedagógicas e culturais na medida em que é um lugar onde o poder organiza-se, difunde-se e produz identidades, bem como legitima e produz conhecimentos sobre arte. Em seus estudos sobre museus de História Natural, Timothy Lenoir (1997) e Donna Haraway (apud Wortmann & Veiga-Neto, 2001) investigaram como, nos museus, se configuraram historicamente visões da natureza, do homem e da vida 1. Baseada em alguns destes estudos, indico, que, em um museu de arte, se produzem modos de ver e de categorizar a arte, bem como de disciplinar os corpos, pois, muitas vezes, os objetos não podem ser tocados e há poucos museus de arte que propõem algum tipo de interação. O MARGS, assim como outros, instituiu e legitimou visões de arte em âmbito regional, contribuindo para que artistas e obras se tornassem autênticos e reconhecidos. São inúmeras as representações associadas aos museus nos tempos, as quais, neste trabalho, indicam-se três: o museu como templo, espaço interativo e local de propaganda. O museu, entretanto, nem sempre esteve relacionado aos mesmos significados que o configuram nos dias de hoje. Cabe destacar, que busquei, neste estudo, elucidar e relacionar as questões pertinentes aos museus no presente com outros 1 Timothy Lenoir realizou seus estudos sobre o Palácio de Cristal, em Londres e Donna Haraway sobre o Museu Americano de História Natural.

2 2 significados que lhes foram atribuídos desde sua origem na Grécia Antiga, onde o termo mouseion, ou Casa das Musas, foi usado pela primeira vez, passando pelo Colecionismo e pela institucionalização dos museus no século XIX, onde passou a atuar em uma dimensão mais educativa. Desde o século XVIII e XIX, começam a surgir os museus públicos e, com eles, a necessidade de se educar o maior número de pessoas possível. Benett (apud Rose 2001), inspirado na obra Vigiar e punir: o nascimento das prisões de Foucault, ressalta que os museus modernos e as prisões surgiram, de maneira geral, na mesma época e ambos tinham uma função disciplinar. Para Benett (apud Rose 2001, p. 74), ainda, tanto as galerias como os museus (...) eram defendidos como antídotos à embriaguez dos homens da classe trabalhadora, como alternativa ao descontentamento e inquietação da classe trabalhadora, e como meio de civilizar a moral e os costumes. Procurei também, durante este estudo, indicar as mudanças de perfil sofridas pelos museus ao longo do tempo, passando de guardiões dos tesouros (século XVIII) a espaços de entretenimento 2 (século XX). Assim como os espaços midiáticos se utilizam da cultura high-tech, dotada de tecnologia avançada, para atrair melhor o público, também os museus se modernizaram nesse sentido, como através das imagens que disponibilizam em seus sites e das exposições que envolvem alta tecnologia, buscando, como aqueles espaços, atrair e seduzir o público em busca de entretenimento. Atualmente, é possível acessar qualquer museu do mundo pela internet, bem como as exposições, obras do acervo, artigos, produtos, etc. A própria mídia proporciona ao público, seja no âmbito profissional, escolar ou domiciliar, fazer releituras de obras de arte no computador, como forma de aprendizagem, divertimento e interação. Outra forma de entretenimento que os grandes museus, principalmente, hoje abarcam é a mega-exposição ou mostra de grande porte. Régis Michel (Martins & Longman, 2006), conservador-chefe de Artes Gráficas do Museu do Louvre em Paris, discute esta questão comparando estes museus a máquinas de marketing. Dedico-me a investigar, neste trabalho, como os museus hoje têm se configurado como espaços globais, acompanhando uma tendência à internacionalização das mostras, embora se verifique também a existência de particularidades locais, mas em menor escala. 2 O Museu Transnacional Guggenheim de Nova Iorque é considerado um museu-mundo, assemelhandose aos supermercados, onde no seu interior a cultura é espetacularizada, assim como o faz a mídia.

3 3 Abordando a questão da globalização, Néstor Canclini (1995), indica que nos anos 1980, deu-se a redução do papel da valorização das culturas nacionais, processando-se a abertura da economia de cada país aos mercados globais e aos processos de integração regional. Ainda segundo este autor, isso se deu nos estilos de arte, na publicidade, na moda, nas linhas editoriais que passaram a se estabelecer a partir das redes globalizadas de produtividade e circulação de bens simbólicos 3. Segundo Canclini (1995, p.111), até meados do século XX, os museus nacionais destacavam aspectos das identidades nacionais e, a partir de 1950, este cenário se transformou, dando maior ênfase às culturas-mundo que passaram a ser exibidas como espetáculos multimídia. Algumas transformações foram observadas no MARGS, principalmente a partir de 1998, em relação não apenas às tendências mundiais já citadas, mas também às propostas de cada gestão associadas às políticas locais. Procurei mostrar, neste estudo 4, como se processam ações pedagógicas em um museu, no sentido de exercer uma pedagogia cultural. Para Foucault (apud Rose, 2001) as instituições funcionam através de seu aparato e de suas tecnologias. Hall (apud Rose, 2001, p.70) define o aparato institucional como um conjunto de formas de poder/saber que constituem as instituições: arquitetura, regulações, tratados científicos, declarações filosóficas, a Moral, o Direito, etc., e o discurso articulado através de todos estes. Examinei a instituição museu de arte e os discursos que nele são postos em circulação e produzidos em seus aparatos e tecnologias. Dentre os aparatos do museu que analiso, estão a arquitetura do prédio onde o MARGS está instalado e as ferramentas deste aparato, como fotos, CD-ROM e catálogos. Detive-me, também, no exame da forma como os espaços de exposição estão distribuídos neste museu. Haraway (apud Rose, 2001, p.78) se refere as tecnologias institucionais como técnicas práticas usadas para a articulação de determinadas formas de poder/saber: as técnicas de efetivação de sentidos. Cabe salientar que constatei grande presença do elemento arquitetônico nos materiais examinados no MARGS, como catálogos, CD-ROM, fotos de divulgação e 3 Acrescentaria, também, que os museus se inseriram no processo de globalização, embora estudos ainda não mencionem a participação dos museus brasileiros. 4 Examino, neste estudo, aspectos e práticas processadas no MARGS, valendo-me principalmente de considerações que Gillian Rose (2001) propõe acerca do modo de proceder a análises discursivas. O estudo de Rose (2001), focalizado nas galerias de arte e nos museus e os seus modos de ver, me permitiu lidar com o aparato institucional do museu e as tecnologias que nele atuam, bem como as práticas que se processam na relação entre poder e saber, no campo da arte.

4 4 outras publicações. A arquitetura do prédio do MARGS destaca-se como principal elemento de chamamento para conhecer e visitar o museu. Ressalto, ainda, que o prédio do MARGS, embora não tenha sido construído para abrigar um museu, assemelha-se a outros prédios de museus famosos pela suntuosidade de sua aparência. 0 prédio do MARGS utiliza elementos da arquitetura clássica, como portas e colunas, e nos remete aos templos gregos, evocando a origem dos museus na Grécia. Indico a associação do museu com uma espécie de santuário ou um templo, marcando o museu como um lugar para guardar tesouros e conectar-se ao sagrado. Sendo assim, um dos sentidos que poderiam ser atribuídos a este prédio incidiriam na construção de representações de poder, de autoridade e da verdadeira arte. Indiquei, também, neste estudo, a forma como os espaços de exposição do museu está distribuída, estabelecendo algumas hierarquias e graus de importância e visibilidade a determinadas expressões e formas artísticas. A grande pinacoteca, por exemplo, abriga não somente exposições de maior porte, como também aquelas que se pretende destacar mais, sendo considerada pelo museu como o espaço mais nobre. O Café do MARGS, situado dentro do museu, não possui a mesma legitimidade que as salas de exposições propriamente ditas, embora, também, se realizem aí mostras de arte. Examino as tecnologias de exposição como tecnologias institucionais do museu, evidenciando o modo como os objetos e imagens são exibidos no museu, os nomes atribuídos às salas e as classificações procedidas para destacar aspectos pertinentes aos objetos artísticos. Ao examinar algumas destas tecnologias de exposição no MARGS, verifiquei que o visitante é concebido como um olho. Em uma exposição do MARGS que analisei, destaco a neutralidade das paredes brancas, que segundo Rose (2001, p.82), citando Brian O Doherty, funciona como um espaço elástico: (...) a minimalidade do espaço branco da galeria novamente produz a ilustração como algo a ser contemplado separado de quaisquer outras distrações; e novamente produz o visitante para tais galerias como simplesmente um olho libertado pelas considerações outras que a aparência. A comercialização de produtos, como canecas, livros e brinquedos na loja, a reprodução de logotipos nas louças do café e a denominação de artistas nos pratos do restaurante, principalmente nos museus maiores, também foram analisadas como artefatos que permitem articular as questões de consumo e a eternização de exposições temporárias. O museu assemelha-se, nesta perspectiva, ao museu-mercado.

5 5 No início das investigações que realizei no Núcleo de Documentação e Pesquisa (NDP) do MARGS, em fevereiro de 2006, levantei indicativos que pudessem relacionar o MARGS a aspectos regionais, devido a observação sobre a predominância de artistas gaúchos no acervo, nas atividades e eventos deste museu. Embora não tivesse a intenção de fixar uma identidade para este museu, pretendia estabelecer, como ponto de partida, alguns pressupostos que apontavam na direção de uma possível regionalidade deste museu. Elaborei um quadro de atividades a partir de documentos do NDP do MARGS, contendo informações retiradas de boletins de atividades, jornais e catálogos. Durante a investigação, procurei estabelecer relações entre as mudanças que percebi terem ocorrido nas atividades do MARGS e o contexto mais global com eventos locais. Tendo como proposta indicar mudanças ocorridas no museu ao longo dos últimos quinze anos, analisei atividades documentadas pelos profissionais do museu, bem como falas expostas em entrevistas. Uma das mudanças que indico é que, até 1995, era dada uma ênfase maior às propostas de exposições e atividades relativas a artistas do Rio Grande do Sul e, a partir da reinauguração do museu em 1998, após a sua principal reforma ocorrida no ano de 1997, passaram a prevalecer propostas voltadas a temas bem mais globais. Apresento a tabela organizada a partir do estudo que realizei no MARGS, em 2006: TABELA 1. Atividades do MARGS ANO ACERVO ARTE ARTE ARTE MEGA TOTAL GAÚCHA BRASILEIRA INTERNACIONAL EXPOSIÇÕES * I Bienal do II Bienal do Missões 40 Florença Biblioteca Nacional Brasil Anos Petit Palais IV Bienal do 28

6 Tapeçaria do Petit Palais V Bienal do TOTAL * No ano de 1997, o MARGS esteve fechado para reforma, tendo sido reaberto apenas durante a I Bienal do Mercosul. A análise deste quadro e dos aspectos levantados pelo texto foi amplamente discutida em meu trabalho de dissertação, no capítulo Analisando o MARGS. Pretendi, portanto, neste texto, fazer algumas considerações gerais sobre este estudo analisado a partir do campo dos Estudos Culturais, mostrando configurações e significados sobre arte que são produzidos no museu. Indiquei algumas relações de poder-saber dentro da instituição museu de arte, das quais participam o poder público, os artistas, os técnicos, os críticos de arte, os visitantes e, recentemente, fundações culturais de identidades variadas. Referências bibliográficas CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores y Ciudadanos: Conflictos multiculturales de la globalización. México: Editorial Grijalbo, LENOIR, Thimoty. A Ciência produzindo a Natureza: o museu de História Naturalizada. Episteme Revista do Grupo Interdisciplinar em Filosofia e História das Ciências, Porto Alegre, v.2, n.4, p.55-72, MARTINS, Luiz Renato & LONGMAN, Gabriela. Museus são máquinas de marketing. Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, E1, 01 de junho de ROSE, Gillian. Visual methodologies: An introduction to the interpretation of visual materials. London: Sage, SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, STEINBERG, Shirley & KINCHELOE, Joe L. (Org.). Cultura Infantil: A construção corporativa da infância. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, WORTMANN, Maria Lúcia Castagna & VEIGA-NETO, Alfredo José da. Estudos culturais da ciência & educação. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2001

O MUSEU DE ARTE COMO PEDAGOGIA CULTURAL

O MUSEU DE ARTE COMO PEDAGOGIA CULTURAL Resumo O MUSEU DE ARTE COMO PEDAGOGIA CULTURAL Clarice Pinto Ben - ULBRA Esse trabalho compõe parte da dissertação de Mestrado apresentada e defendida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade

Leia mais

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO?

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O que torna as exposições diferentes entre si? O que torna as exposições diferentes entre si? Local da exposição? Num parque Sob céu aberto... Num Museu... No corredor de um Shopping...

Leia mais

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Ana Grazielle de Sá ALMEIDA 2 André da Rocha PINA 3 Diego Felipe Cezar ESTEVES 4 Rodrigo Barreto BEZERRA

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO TEMPLOS DA VERDADEIRA ARTE, ESPAÇOS INTERATIVOS, LOCAIS DE PROPAGANDA:

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

EDUCAÇÃO E SAÚDE VISUAL RESUMO

EDUCAÇÃO E SAÚDE VISUAL RESUMO EDUCAÇÃO E SAÚDE VISUAL Miriam Freiberger Souza Trabalho ligado ao projeto de dissertação: As Campanhas oficiais e a propaganda Promovendo (e definindo) a saúde visual/ocular no Brasil, sob a orientação

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Desenho Industrial. Centro de Artes

Universidade Federal do Espírito Santo. Desenho Industrial. Centro de Artes Universidade Federal do Espírito Santo Desenho Industrial Centro de Artes Desenho Industrial técnico e criativo que utiliza imagens e textos para comunicar mensagens, ideias e conceitos. Batizado e amadurecido

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O NDP Núcleo de Documentação e Pesquisa é um setor institucional e permanente da Fundação Bienal

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA Soraia Cristina Cardoso Lelis soraia@aromata.com.br Escola de Educação Básica da UFU Relato de Experiência Palavras-chave: Patrimônio Histórico, Artes

Leia mais

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO Conceitos O Que define uma exposição? O processo de comunicação por meio da disposição de objetos num espaço. Comunicação

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Anos 90 década da informatização Início dos 90: Computadores, mais acessíveis e portáteis, invadem os locais de trabalho. Informatização dos arquivos dos

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015

OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 OFICINA DO ATELIÊ À FOTOGRAFIA INTERFOTO 2015 AGOSTO 2015 1 APRESENTAÇÃO O Museu da Energia de Itu, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, integra a Rede Museu da Energia composta por mais dois núcleos

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória 2011 Michel de Vilhena Ferreira Pedagogo (DFCS/UEPA). Psicólogo (IFCH/UFPA). Professor colaborador

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica Estimulando crianças a práticas preventivas da dengue: o desenho de animação como recurso para mobilização Mariana de Queiroz Bertelli, Héliton da Silva Barros, Felipe Kolb Bernardes, Virgínia Torres Schall

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 Considerando que José Christiano de Freitas Henrique Júnior foi um açoriano, nascido e criado nos Açores,

Leia mais

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor 5 a e 8 a SÉRIES 12. JORNAL DE ONTEM A vida no Egito e México antigos Áreas: H, LP, G, PC SOFTWARES NECESSÁRIOS: ENCICLOPÉDIA MICROSOFT ENCARTA 2000 MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT EXCEL 2000 MICROSOFT PUBLISHER

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 1 Fevereiro de 2008 1 BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo Projeto do Livro Conteúdo Introdução Conceito Art Déco no Rio de Janeiro Cidade Maravilhosa, Urbanismo e humanidade Divulgar a arquitetura Art Déco no Rio de Janeiro Público alvo Análise de Competidores

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte 1 CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte Este texto refere-se às reflexões iniciais sobre a temática de pesquisa no Doutorado do Programa

Leia mais

MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS

MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS Irmo Wagner Luís Henrique Sommer RESUMO: O presente trabalho nasceu a partir de estudos voltados à educação no campo dos Estudos Culturais, buscando identificar as pedagogias

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO ESTADUAL DE ECONOMIA CRIATIVA OBEC/RJ

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO ESTADUAL DE ECONOMIA CRIATIVA OBEC/RJ UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO ESTADUAL DE ECONOMIA CRIATIVA OBEC/RJ PROCESSO PARA SELEÇÃO DE DISCENTES DE GRADUAÇÃO PARA PARTICIPAREM DE PROJETOS DO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 34033408 ARTE BRASILEIRA II CRÉDITOS ETAPA 3 Período CH ANO 2009

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO, ÁREA: TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA,

Leia mais

TEMA: CIDADE E CULTURA

TEMA: CIDADE E CULTURA TEMA: CIDADE E CULTURA Na sociedade contemporânea, as tecnologias de comunicação e informação têm papel fundamental no processo de criação, apropriação e disseminação das produções culturais, ao mesmo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira.

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Um grande sucesso editorial, ela vai agora para a segunda edição (com lançamento em

Leia mais

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte

Leia mais

Introducción a Museos y Arquitectura

Introducción a Museos y Arquitectura Versión digital en : http://www.uam.es/mikel.asensio Introducción a Museos y Arquitectura Paulo Roberto Sabino Universidade Federal de Minas Gerais Editor invitado del Volumen 8 O tema da arquitetura de

Leia mais

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO Gisele Ruiz Silva Prefeitura Municipal do Rio Grande gisaruizsilva@gmail.com Camila da Silva magalhães camilapedag@gmailcom Discussões sobre

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Washington Anibal CORREA 2 Egberto Gomes FRANCO 3 Daniel Ladeira de ARAÚJO 4 Miguel VALIONE JUNIOR 5 Faculdade do Povo,

Leia mais

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX).

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Maria Teresa Santos Cunha / PPGE/Mestrado/UDESC/SC Comunicação

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RETROFIT DO EDIFÍCIO SUL AMÉRICA Autor(es): Fernando Pinheiro Monte Filho e Alessandra Nascimento de Lima O retrofit do edifício Galeria Sul América encontra-se em uma sequência temporal de modificação

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO 1 ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO MAIARA DE SOUZA (UEPB) maiara.m.souza@gmail.com SENYRA MARTINS CAVALCANTI (ORIENTADORA, UEPB) senyra@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO O Projeto de Extensão O cinema

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio)

1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) 1. Gestão de Pessoas I e II (Administração Integrada ao Ensino Médio) Administração Administração (EII) Administração - Habilitação em Administração de Empresas Administração - Habilitação em Administração

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A REVISTA VEJA E A CONSTRUÇÃO DE SUJEITOS SAUDÁVEIS

A REVISTA VEJA E A CONSTRUÇÃO DE SUJEITOS SAUDÁVEIS A REVISTA VEJA E A CONSTRUÇÃO DE SUJEITOS SAUDÁVEIS Lucimar Alberti - UFRGS Introdução Durante o século XX, mais precisamente após a Segunda Guerra Mundial, começaram a surgir diversas críticas ao mundo

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

EDITAL 008/2014 GALERIA DE ARTES ANTÔNIO SIBASOLLY

EDITAL 008/2014 GALERIA DE ARTES ANTÔNIO SIBASOLLY EDITAL 008/2014 GALERIA DE ARTES ANTÔNIO SIBASOLLY 1-OBJETIVOS 1.1 Estabelecer-se como espaço para divulgação e incentivo a produção das artes visuais. 1.2 Estabelecer-se como espaço para o incentivo do

Leia mais

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA SERVIÇOS DE MESA E FAQUEIRO UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA HÁ UM BANCO QUE AJUDA A DAR CERTEZAS AO FUTURO. A CAIXA, COM CERTEZA. VISTA ALEGRE Acrescente uma nova dimensão de elegância e prestígio

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ Área Temática: Cultura Coordenadora da Ação de Extensão: Yara Aparecida Garcia Tavares Autores:

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

<5DB1=5>D? 9>D5B49C39@<9>1B941455 =E? 5>C9>?6E>41=5>D1< 45>?F51>?C

<5DB1=5>D? 9>D5B49C39@<9>1B941455 =E<D93E<DEB1<9C=?>? 5>C9>?6E>41=5>D1< 45>?F51>?C D? 9>D5B49C39@1B941455 =E?6E>41=5>D1< 45>?F51>?C =QbYQC \fyq3y^dbq=qbdy^c D? 9>D5B49C39@1B941455 =E?6E>41=5>D1< 45>?F51>?C Dados Internacionais

Leia mais

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq Este trabalho é parte da minha tese de doutorado que

Leia mais