EXPOSIÇÃO. Português. Monir Shahroudy Farmanfarmaian no seu estúdio a trabalhar em Heptagon Star, Teerão, 1975

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPOSIÇÃO. Português. Monir Shahroudy Farmanfarmaian no seu estúdio a trabalhar em Heptagon Star, Teerão, 1975"

Transcrição

1 Monir Shahroudy Farmanfarmaian no seu estúdio a trabalhar em Heptagon Star, Teerão, 1975 Fotografia: Cortesia da artista e The Third Line, Dubai Português EXPOSIÇÃO MONIR SHAHROUDY FARMANFARMAIAN POSSIBILIDADE INFINITA. OBRAS EM ESPELHO E DESENHOS OUT JAN 2015 INAUGURAÇÃO OFICIAL: 09 OUT 2014

2 Possibilidade infinita é a primeira exposição antológica num museu de desenhos e obras em espelho de Monir Shahroudy Farmanfarmaian. Nascida em 1924 em Qazvin, no Irão, a artista, conhecida simplesmente por Monir, reside e trabalha em Teerão, tendo vivido em Nova Iorque no pós- -guerra, entre 1945 e 1957, e, na sequência da Revolução Iraniana, entre 1979 e Embora a prática de Monir tenha abarcado também pintura figurativa, é a sua abordagem singular à abstração geométrica que há mais de 40 anos constitui o ponto fulcral da sua arte. Caracterizada por uma coerência e um arrojo assinaláveis, a sua criação artística combina conceitos objetivos de repetição e progressão com as tradições visuais, espaciais e simbólicas da arquitetura e da decoração islâmicas. As obras em exposição pertencem na sua maioria à coleção da artista, muitas sendo agora publicamente apresentadas pela primeira vez. A seleção incluiu relevos em espelho sobre gesso sobre madeira e uma série de obras geométricas em espelho de grandes dimensões que em 1977 integraram a exposição individual de Monir na Galerie Denise René de Paris e Nova Iorque. As obras deste primeiro período são apresentadas na primeira sala (1). Os relevos em espelho são notáveis pelo jogo de organização das superfícies em espelhos, pintura no verso de vidro, aço inoxidável e gesso segundo padrões estritamente geométricos, embora não unicamente de estilo islâmico. Nesta mesma sala são exibidas as chamadas bolas de espelho. Contemporâneas desses relevos, elas anunciam já a experimentação de Monir em torno das possibilidades de trabalhar espelhos em escultura. Um pequeno grupo de trabalhos que indiciam uma ambição mais monumental na obra de Monir inclui duas esculturas (uma das quais agora exposta) constituídas por peças de vidro verde quadradas, triangulares e hexagonais sobrepostas num arranjo vertical. Colocadas aproximadamente à altura do olhar num pedestal que reflete a luz, vistas de frente apresentam-se como um conjunto translúcido de geometrias justapostas cuja solidez é animada pelos contornos facetados que fazer variar a intensidade da luz que as atravessa. Vistas de perfil e em contraluz, assemelham-se a uma torre cintilante cujo pináculo central é verticalmente escorado à frente e atrás. Também nesta sala se expõe pela primeira vez uma seleção de composições abstratas sobre papel baseadas em princípios geométricos produzidas por Monir entre 1976 e Os desenhos proporcionam também uma perspetiva da criação artística de Monir nos primeiros anos do seu exílio nos Estados Unidos após a Revolução Islâmica iraniana de 1979, anos em que se viu privada do seu estúdio. Só depois de várias breves visitas ao Irão no final da década de 1990 e do seu regresso definitivo em 2004, aos 80 anos de idade, é que Monir conseguiu voltar a organizar o seu estúdio e recomeçar o seu trabalho com espelhos e estruturas geométricas. Na década que se seguiu, criaria um impressionante conjunto de esculturas (2) e desenhos (3), de formas e dimensões cada vez mais variadas, que, em termos gerais, pode ser dividido em relevos de natureza mais pictórica e relevos que encontram na geometria o seu princípio definidor. A segunda sala (2) desta exposição dá a ver alguns desses trabalhos mais recentes, reveladores do modo como os princípios compositivos dos anos 1970 foram transpostos para esculturas de maiores dimensões. Contam-se entre estes esculturas em espelho de maior volumetria baseadas no conceito das famílias geométricas produzidas na última década e as portas de vidro gravado que a artista concebeu para o seu apartamento em Nova Iorque nos anos 1980, instaladas no corredor da exposição (4). Umas e outras constituem eloquente testemunho da magnitude e da impressionante energia da visão artística de Monir.

3 Das exuberantes Muqarnas de Monir, baseadas no sistema repetitivo de nichos que marca a transição entre a cúpula e a sua base na arquitetura islâmica, é apresentado um exemplar num canto do teto desta sala. O círculo, tão presente na primeira sala e nos desenhos da primeira fase, parece materialmente ausente das ambiciosas famílias de Monir, peças de parede em espelhos progredindo num crescendo de complexidade do triângulo até ao decágono, e da sua mais recente escultura Square [Quadrado], Contudo, esta forma, que na tradição islâmica representa a leveza e o movimento da alma, está fortemente implícita no movimento de rotação a que todas as formas geométricas desta sala estão sujeitas. Poder- -se-ia evocar aqui a poesia de Rumi, poeta Sufi de renome mundial, quando afirma que a alma é o espelho do divino (ausente) ou a unidade do círculo que engloba a diversidade de todas as formas possíveis. Esta focalização histórica nas obras em espelho e nos desenhos de Monir sugere a avaliação do trabalho de alguns artistas ocidentais a partir dos anos 1960 num contexto transcultural. Monir refere como impulso inicial para as suas obras em espelho uma visita, na segunda metade da década de 1970, ao santuário de Shah Cheragh, em Shiraz, na companhia dos artistas americanos Robert Morris e Marcia Hafif, de visita a Teerão a caminho da Índia. Essa visita refletiu-se também na obra de Morris, como o atesta a sua subsequente produção de esculturas com espelhos. qual a geometria é a expressão do fluxo vital, contínuo e dinâmico que perpassa toda a existência. Ela une a dimensão mais íntima do ser humano com a mais ampla dimensão do espaço cosmológico e físico, dando estrutura às infinitas possibilidades da existências ou, por outras palavras, à liberdade. Disto é testemunho a predileção pelo hexágono revelada por Monir em determinado momento do seu percurso artístico: expressão na tradição sufi das seis direções especiais e das seis virtudes humanas, esta forma permitia- -lhe criar uma infinidade de outras formas. As portas de vidro gravado revelam, por seu turno, que na tradição islâmica a decoração, longe de um simples entretenimento engenhoso, é expressão deste omnipresente conhecimento, ativado não só num museu ou numa galeria de exposições mas também nos espaços do nosso quotidiano. Organizada pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves e comissariada por Suzanne Cotter, diretora do Museu, a exposição viajará para o Guggenheim Museum de Nova Iorque, onde estará patente entre 13 de março e 3 de junho de Coordenação: Isabel Braga Design da exposição: Ana Maio, AM PM Architects Design de comunicação: Assessoria de Comunicação da Fundação de Serralves Estagiária de curadoria: Sofia Romualdo Texto do roteiro baseado em excertos do ensaio de Suzanne Cotter no catálogo da exposição. A natureza espacial e o modo como as esculturas de Monir ativam o espaço físico em que são instaladas e o espaço percetivo e comportamental do espectador, em sintonia com a obra de Morris e a de outros minimalistas, nomeadamente Frank Stella e Sol LeWitt, tornam-na uma participante ativa de um diálogo global na arte contemporânea. O interesse de Monir pela geometria está, porém, firmemente ancorado na cultura islâmica, em particular no sufismo, para o

4 Piso 1

5 Biografia da artista Monir Shahroudy Farmanfarmaian nasceu em 1924 na antiga cidade persa de Qazvin, no Irão. A sua infância foi passada numa casa palaciana na qual convivia diariamente com vitrais, pinturas murais e relevos com motivos florais e animais produzidos numa época áurea da cultura e da produção pictórica na Pérsia, a dinastia Safávida ( ). Em Teerão, para onde a família se mudou em 1932, frequentou em 1944 a Faculdade de Belas-Artes. Pouco depois, com a intenção de continuar a estudar arte em Paris mas impedida pela Segunda Guerra Mundial, fixou-se em Nova Iorque, onde prosseguiu os seus estudos na Cornell University em Ithaca e posteriormente na Parsons School of Design ( ) e na Art Students League. O seu círculo nova-iorquino de amigos e conhecidos incluía os artistas Louise Nevelson, Willem de Kooning, Joan Mitchell, Milton Avery, Robert Rauschenberg e Andy Warhol, este último seu colega de trabalho nos armazéns Bonwit Teller (a filha de Monir, Nima, trabalhou mais tarde com Warhol na revista Interview e organizou a viagem deste a Teerão em 1976 com o objetivo de fotografar a Rainha Farah para uma das suas famosas séries de serigrafias sobre tela). Catálogo da Exposição Por ocasião da exposição será publicado um catálogo amplamente ilustrado, com edições em português e inglês. Editado por Suzanne Cotter, diretora do Museu e curadora da exposição, a publicação inclui ensaios da autoria de Cotter, Shiva Balaghi (historiadora da cultura e professora na Brown University, Providence, Rhode Island) e Media Farzin (historiadora e crítica de arte residente em Nova Iorque) que examinam a obra de Monir no contexto histórico, cultural e político do Irão dos anos 1970 e no contexto cultural e formal europeu e norte-americano. Uma extensa cronologia situa o percurso pessoal e artístico de Monir no âmbito mais vasto dos acontecimentos históricos, sociais e culturais do seu tempo. De volta ao Irão em 1957, Monir iniciou uma série de expedições pelo país, durante as quais encontrou e começou a colecionar exemplares de artesanato tradicional no âmbito da arquitetura decorativa, dos têxteis e do trabalho em metal. Numa dessas expedições visitou o Santuário Shah Cheragh, em Shiraz, com as suas magníficas cúpulas espelhadas. Foi esta visita que impulsionou o seu trabalho com espelhos. Neste período Monir montou o seu estúdio e começou a trabalhar com artesãos locais para criar relevos e esculturas. Em 1978, alguns meses antes da eclosão da Revolução Islâmica, viajou para Nova Iorque. Regressando a Teerão somente em 2004, Monir instalou o seu estúdio atual, empregando alguns dos artesãos com quem já trabalhara na década de 1970.

6 PROGRAMA DE ATIVIDADES RELACIONADAS COM A EXPOSIÇÃO DOCUMENTÁRIO E CONVERSA 10 OUT (Sex), 18h30 Bahman Kiarostami Monir, Línguas originais: inglês e farsi Legendas em português Produção apoiada pela Fundação de Serralves Museu de Arte Contemporânea, Porto, no âmbito do projeto Serralves: The Centre of an Exclusive Cultural Network Monir é um documentário de Bahman Kiarostami sobre a vida e obra de Monir Shahroudy Farmanfarmaian. Das suas pioneiras obras geométricas com espelhos dos anos 1970, cruzando antigas formas de decoração iraniana com as experiências artísticas de artistas americanos modernistas como Barnett Newman e Frank Stella, até às violentas mudanças políticas no seu país de origem em finais dos anos 1970, o seu segundo período em Nova Iorque e o seu renascimento artístico no regresso ao Irão em 2004, o filme cobre um percurso artístico de mais de meio século. A câmara encontra, de regresso a Teerão depois de 30 anos de exílio, uma das artistas mais inovadoras e influentes do Médio Oriente que, aos 90 anos de idade, se encontra no auge da sua carreira. A projeção de Monir será seguida de uma conversa com a artista, Suzanne Cotter, Hans Ulrich Obrist e Frank Stella. Bahman Kiarostami (n. 1978), documentarista, editor cinematográfico e diretor de fotografia, vive e trabalha em Teerão. O seu primeiro documentário, Morteza Momayez: Father of Iranian Contemporary Graphic Design, data de Questionando as formas de legitimação e atribuição de valor no contexto da arte, os seus documentários evidenciam também pormenores obscuros e habitualmente ignorados que definem a cultura visual do Irão pós-revolucionário. Hans Ulrich Obrist é codiretor da Serpentine Gallery, em Londres. Através das suas entrevistas, publicadas sob o nome Conversation Series, tem contribuído para a redescoberta de figuras essenciais para a arte do século XX. Nesta conversa com Monir, em diálogo com Suzanne Cotter (Diretora do Museu de Serralves) e Frank Stella (amigo, companheiro artístico e nome fundamental na história da arte do pós-guerra), Obrist explorará a coincidência na obra de Monir da sua pertença ao circuito artístico contemporâneo e o resgate de práticas artesanais das tradições arquitetónicas e decorativas islâmicas. VISITAS GUIADAS 11 OUT (Sáb), 15h00 Visita à exposição exclusiva para Amigos de Serralves por Liliana Coutinho (Coordenadora do Serviço Educativo do Museu) 17 OUT (Sex), 19h30 Encontro na exposição com o curador Paulo Pires do Vale 29 OUT (Qua), 18h30 Encontro na exposição com Kodwo Eshun, do Otolith Group 09 JAN (Sex), 18h30 Encontro na exposição com Cláudio Torres, Diretor do Museu Arqueológico de Mértola

7 VISITAS GUIADAS À EXPOSIÇÃO ORIENTADAS POR MONITORES DO SERVIÇO EDUCATIVO 19 OUT (Dom), 12h00 13h00 por Paulo Jesus 30 NOV (Dom), 12h00 13h00 por Sónia Borges 14 DEZ (Dom), 12h00 13h00 por Paulo Jesus 04 JAN (Dom), 12h00 13h00 por Sónia Borges CURSO 17, 18, 24, 25, 31 OUT e 01 NOV Sextas-feiras, 19h00 21h00 e sábados 10h30 13h00 ABRAÇAR A SUPERFÍCIE DA ÁGUA. O ESPELHO COMO SÍMBOLO, MOTIVO E MATÉRIA DA OBRA DE ARTE Sala Multiusos Organizado pelo professor universitário, curador e ensaísta Paulo Pires do Vale, este curso, que cruza os domínios da literatura, da filosofia, da psicanálise, do cinema e da arquitetura, propõe uma arqueologia da presença e função do espelho na arte antiga e moderna, para depois se centrar no potencial reflexivo de algumas obras contemporâneas da autoria de de artistas como Alberto Carneiro, Robert Morris, Juan Muñoz, Giuseppe Penone, Michelangelo Pistoletto, Ana Vieira e Francesca Woodman, entre outros. OFICINA 15 NOV (Sáb), 15h00 18h00 GEOMETRIAS SENSÍVEIS Sala Multiusos O que escondem um quadrado, um triângulo? As formas geométricas revelam significados místicos, na cultura de Monir Shahroudy Farmanfarmaian. A partir do universo da artista, vamos criar as nossas próprias esculturas geométricas, utilizando a dobragem e a colagem. CINEMA 08 e 09 JAN 2015, 21h30 PROJEÇÃO DE FILMES IRANIANOS SELE- CIONADOS POR BAHMAN KIAROSTAMI Auditório Rokhsareh Ghaemmaghami Cyanosis, 2007, Irão, 32 Kamran Heidari My Name is Negahdar Jamali and I Make Westerns, 2012 Irão, 65 Mitra Farahani Fifi Howls From Happiness (Fifi az Khoshhali Zooze Mikeshad), 2013 Irão, 96

8 Apoio institucional Projeto Serralves: The Center of an Exclusive Cultural Network cofinanciado por Mecenas Exclusivo do Museu Seguradora Oficial: Fidelidade Companhia de Seguros, S.A. Apoio: Sugestões & Opções Catering de Eventos Fundação de Serralves / Rua D. João de Castro, Porto / / / Informações: PARQUE Entrada pelo Largo D. João III (junto da Escola Francesa)

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Arquitetura sem fronteiras

Arquitetura sem fronteiras Arquitetura sem fronteiras No centro da cidade de Melbourne, na Austrália, agora mora uma casa inspirada na arte abstrata, no cinema e noutras coisas mais. A Prahran White House é uma celebração da cultura

Leia mais

Coleção de Serralves: Obras Recentes MACS Museu de Arte Contemporânea de Serralves: de 15/03 a 10/06/2013

Coleção de Serralves: Obras Recentes MACS Museu de Arte Contemporânea de Serralves: de 15/03 a 10/06/2013 FBAUP Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto Mestrado em Estudos Artísticos Estudos Museológicos e Curadorais Texto Crítico com o docente Hélder Gomes Por Ana Sousa 121247018 Junho de 2013 Coleção

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 www.museuberardo.pt/ferias 29 junho 3 julho 2 Verão modernista Pinturas cubistas, pinturas abstratas, pinturas surrealistas, pinturas expressionistas, pinturas

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 12 c a s e No lavabo, teto iluminado e parede de vidro que varia entre o transparente e o fosco. Sala de jantar iluminada por nicho de metal instalado ao longo da mesa. Four Seasons Penthouse Por Claudia

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA SERVIÇOS DE MESA E FAQUEIRO UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA HÁ UM BANCO QUE AJUDA A DAR CERTEZAS AO FUTURO. A CAIXA, COM CERTEZA. VISTA ALEGRE Acrescente uma nova dimensão de elegância e prestígio

Leia mais

MARCIA XAVIER QUERIDA

MARCIA XAVIER QUERIDA MARCIA XAVIER QUERIDA Abertura: 2 de agosto das 14 às 18 horas Período da exposição: de 5 a 23 de agosto de 2014 Local: Casa Triângulo Rua Pais de Araújo 77 [Itaim Bibi] 04531-090 São Paulo/SP Tel.: 55

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea.

visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea. visão O ICCo acredita na arte como elemento chave transformador da sociedade contemporânea. Pretende ser um elo de referência entre o artista, o público e importantes instituições nacionais e internacionais.

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Rogério Botelho Rio de Janeiro Firenze 2015

Rogério Botelho Rio de Janeiro Firenze 2015 Rogério Botelho Rio de Janeiro Firenze 2015 Nascido numa cidade pequena em uma das serras próximas ao Rio Paranaíba nas Minas Gerais. Nas proximidades de um de seus braços - o Quebranzol. Patrocínio foi

Leia mais

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES MUSEU DE ARTE CONTEMPORÃ NEA DE SERRALVES www.serralves.pt 1 MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE SERRALVES APRESENTAÇÃO O Museu tem como objectivos essenciais a constituição de uma colecção representativa da

Leia mais

o museu do cão! mundo

o museu do cão! mundo mundo 34 o museu do cão! Foof é o primeiro museu do mundo dedicado exclusivamente aos cães. Inaugurado recentemente, ele está situado ao sul da cidade de Mondragone, província de Caserta, a 188 Km de Roma,

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens 2 Transversalidade Design Linguagens Marcos Rizolli ARTISTAS-DESIGNERS DO SÉCULO XX: UM INVENTÁRIO SEMIÓTICO 2 RESUMO O presente estudo apresenta as relações semióticas entre Arte e Design, percebidas

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

FOTOGRAFIAS, VÍDEOS, PALESTRAS, FESTIVAL DE FILMES E MÚSICA CONTEMPORÂNEA IRANIANA.

FOTOGRAFIAS, VÍDEOS, PALESTRAS, FESTIVAL DE FILMES E MÚSICA CONTEMPORÂNEA IRANIANA. FOTOGRAFIAS, VÍDEOS, PALESTRAS, FESTIVAL DE FILMES E MÚSICA CONTEMPORÂNEA IRANIANA. Pulso Iraniano - Itinerância Belo Horizonte ProduçÃO Local (Belo Horizonte): A exposição Pulso Iraniano - Itinerância

Leia mais

Night Works, Fernando Calhau

Night Works, Fernando Calhau Night Works, Fernando Calhau Mafalda Brito Haverá sempre muitos outros níveis de leitura igualmente válidos, mesmo que irracionais. Não podemos querer perceber tudo, nem sequer percebermo nos a nós próprios

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela Mulher de chapéu, Matisse 1905, Óleo sobre tela O termo Fauvismo deriva de fauve (fera selvagem), exclamação feita pelo crítico de arte Louis Vauxcelles perante a exposição de pintura do Salão de Outono

Leia mais

DESIGN BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO: PROCESSOS E EXPERIMENTOS EM MODA

DESIGN BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO: PROCESSOS E EXPERIMENTOS EM MODA DESIGN BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO: PROCESSOS E EXPERIMENTOS EM MODA Brazilian contemporary design: process and experiments in fashion Moura, M., Dr, Universidade Estadual Paulista, monicamoura.design@gmail.com

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO

REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO 1. O Photo Museu do Vinho Bairrada, organizado pela Autarquia de Anadia/Museu do Vinho da Bairrada, apresenta-se sob a forma de concurso

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014

COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014 COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014 Fotografia de João Louro e María de Corral / João Miranda JOÃO LOURO REPRESENTARÁ PORTUGAL NA BIENAL DE VENEZA EM 2015 De acordo com a Direção-Geral das Artes, a participação

Leia mais

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras.

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras. A arte nasceu na Pré-História, quando o Homem primitivo decidiu fazer uns desenhos com sangue de animais, nas cavernas onde vivia, sendo denominada por Arte Rupestre. Por fim, chegamos á arte da actualidade,

Leia mais

MAM: sua história, seu patrimônio

MAM: sua história, seu patrimônio Elizabeth Catoia Varela Curadora da Pesquisa e Documentação MAM RJ Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ MAM: sua história, seu patrimônio Em abril de

Leia mais

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt

Catálogo. CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA Largo do Chiado, 8 / 1249-125 Lisboa T 213 237 335 / www.fidelidademundial.pt Projecto de Exposições (2006-2008) Miguel Wandschneider (Culturgest) Coordenação Miguel Wandschneider (Culturgest) Gabinete de Comunicação e Imagem (Fidelidade Mundial) Curador Ricardo Nicolau Coordenação

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio Foto Sérgio Israel Com a chegada da estação fria, vem também a oportunidade de tirar do armário os tapetes felpudos, as mantas de tricô e as almofadas de veludo. É o período do ano em que a casa se torna

Leia mais

Do Expressionismo Abstracto NY àpop Art

Do Expressionismo Abstracto NY àpop Art Do Expressionismo Abstracto NY àpop Art Expressionismo abstracto NY Informalismo europeu Grupo CoBrA Escultura Giacometti~Brancusi Nouveau Réalisme Pop Art Hiper Realismo Expressionismo abstracto nova-iorquino

Leia mais

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte REVISTALOUVRE MuseusdeArte MUSEU DO LOUVRE O"Castelo do Louvre" foi fundado pelo rei Filipe II em 1190, como uma fortaleza para defender Paris a oeste contra os ataques dos Vikings. No século XIV, o rei

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL

O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL O ESPAÇO DOMÉSTICO CONTEMPORÂNEO NO DESIGN DE INTERIORES: UMA RELAÇÃO FÍSICA, SOCIAL E SENSORIAL Eliana Maria Tancredi Zmyslowski Mestranda Universidade Anhembi Morumbi eliana.zmyslowski@globo.com Resumo

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.03.00.00-6 ARTES A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA CAROLINA CARMINI MARIANO LÚCIO - ORIENTANDA Curso de Arte: História, Crítica e Curadoria

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa T om i e O ht ak e Sem t í t ulo, 1992, s er ig r afi a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

MARIKO MORI ONENNESS

MARIKO MORI ONENNESS MARIKO MORI ONENNESS CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL BRASÍLIA 24 DE JANEIRO A 03 DE ABRIL Artista japonesa contemporânea de maior visibilidade no ocidente expõe pela primeira vez no Brasil *Exposição apresenta

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

Entre a Figuração e a Abstração MÓDULO 2

Entre a Figuração e a Abstração MÓDULO 2 Entre a Figuração e a Abstração MÓDULO 2 Entre a Figuração e a Abstração MÓDULO 2 Introdução A mostra A PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA¹ apresenta a trajetória das obras que compõem o acervo de arte do Museu de

Leia mais

RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo

RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo RESENHA DANTO, Arthur. Andy Warhol. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Editora Cosac Naify, 2012, 208 páginas. Juliana Araújo Para reconhecer a emblemática figura de Andy Warhol não é necessário deter

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014. Capítulo I. Introdução

PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014. Capítulo I. Introdução PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014 Capítulo I Introdução 1. O Plano de actividades que agora se apresenta insere-se na estratégia aprovada, no ano passado, pelo Conselho

Leia mais

Museu dançante. sumário. grande sala sala paulo figueiredo 01. 02 grande sala. 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08.

Museu dançante. sumário. grande sala sala paulo figueiredo 01. 02 grande sala. 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08. 02 grande sala grande sala sala paulo figueiredo 01 Museu dançante sumário 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08. 09. 10. 12. projeto parede Círios perfil contemporâneo Black bloc agenda

Leia mais

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a A arte da fotografia Ao longo do tempo, novas formas de arte foram surgindo. Os antigos não conheceram o cinema e a fotografia, por exemplo, que hoje são manifestações artísticas importantes. A proposta

Leia mais

Situação existente CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CASA - MUSEU DA FREIRA DO ARCANO PROJECTO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA

Situação existente CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CASA - MUSEU DA FREIRA DO ARCANO PROJECTO DE EXECUÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA Situação existente A cidade da Ribeira Grande, cabeça de um concelho que este ano celebra o meiomilénio de existência, é das mais notáveis construções urbanas açóricas, e constitui uma das mais originais

Leia mais

Bastidores de Moda em PARIS. www.ecolesuperieurerelooking.com.br

Bastidores de Moda em PARIS. www.ecolesuperieurerelooking.com.br Bastidores de Moda em PARIS www.ecolesuperieurerelooking.com.br A Ecole Supérieure de Relooking A Ecole Supérieure de Relooking está localizada em Paris, berço mundial das artes, da cultura, cidade que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar

ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar Maria Luiza Fatorelli (Malu Fatorelli) - UERJ RESUMO O artigo examina a questão da escala e da dimensão consideradas no âmbito de obras artísticas da autora. Escala

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ ESTRUTURA CURRICULAR DO 1º CICLO Bacharelado interdisciplinar em Artes e Design 3 anos Componentes curriculares

Leia mais

HELENA ALMEIDA A MINHA OBRA É O MEU CORPO, O MEU CORPO É A MINHA OBRA EXPOSIÇÃO. Português

HELENA ALMEIDA A MINHA OBRA É O MEU CORPO, O MEU CORPO É A MINHA OBRA EXPOSIÇÃO. Português Helena Almeida, Saída negra, 1995 (pormenor). 5 Fotografias p/b. Col. Norlinda e José Lima, em depósito no Núcleo de Arte da Oliva Creative Factory. Fotografia: Aníbal Lemos, cortesia Núcleo de Arte da

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

Gandhi chega a São Paulo. passado, e com o patrocínio e apoio da iniciativa privada será possível sua concretização.

Gandhi chega a São Paulo. passado, e com o patrocínio e apoio da iniciativa privada será possível sua concretização. 2004 22ª Semana Gandhi Gandhi chega a São Paulo Criou-se o Espaço Gandhi na Cidade de São Paulo para estimular e acolher atividades comprometidas com a cultura de paz e não-violência. Para cumprir tal

Leia mais

Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico

Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico Carla Costa Dias Museu D. João VI / EBA / UFRJ Introdução O Museu Dom João VI da Escola de Belas Artes/UFRJ tem sua história iniciada no século XIX.

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

09h00 Saída para o Parque Manuel Braga. 07:30 Receção e Atividades livres. 10h00 Viagem Funtastic

09h00 Saída para o Parque Manuel Braga. 07:30 Receção e Atividades livres. 10h00 Viagem Funtastic Dia 15 de Junho (2ª F) Dia 16 de Junho (3ª F) Dia 17 de Junho (4ªF) Dia 18 de Junho (5ª F) Dia 19 de Junho (6ª F) Tema: «A Cidade dos Encantos» «Pastéis de Santa Clara» 09:30 Visita ao Museu do Chiado

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

3.3 Guião de visita de estudo ao Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso

3.3 Guião de visita de estudo ao Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso 3.3 Guião de visita de estudo ao Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso 1 O museu Panorâmica do antigo convento dominicano de S. Gonçalo, em Amarante, onde se encontra instalado o Museu Municipal Amadeo

Leia mais

GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO

GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO 1653 GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO Maria Luiza Fatorelli. UERJ RESUMO: A comunicação examina aspectos do desenho no âmbito de obras artísticas da autora. São apresentadas quatro instalações que

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC A Coordenação Cultura do SESC-TO; através da Promotoria de Artes Plásticas, comunica aos interessados que estará recebendo de 20 de março a 20 de novembro

Leia mais

Louvre Paris, França

Louvre Paris, França Louvre Paris, França Pyramide du Louvre: trabalho original de I. M. Pei Musée du Louvre, Dist RMN/ Olivier Ouadah -O Louvre O Louvre, nas suas muitas e variadas formas, dominou a cidade de Paris desde

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora

FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora FGV é uma marca de mobiliário, com design de Filipe Ventura. Adotando os princípios processuais e técnicos da marcenaria, ergonomia e uma inovadora combinação de diferentes materiais. As peças FGV procuram

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: A e B ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO RELAÇÃO DOCONTEÚDO

Leia mais

MUSEU DE ARTE. de São Paulo "Assis Chateaubriand" o Museu sempre foi incentivador dos fatos ABRIL '73 FOTOGRAFIAS DE KOSSOY

MUSEU DE ARTE. de São Paulo Assis Chateaubriand o Museu sempre foi incentivador dos fatos ABRIL '73 FOTOGRAFIAS DE KOSSOY MUSEU DE ARTE de São Paulo "Assis Chateaubriand" ',' Avenida Paulista, 1578 - Tels: 287-2829 e 287-8481 ABRIL '73 As atividades culturais do Museu são realizadas em convênio com o Governo do Estado de

Leia mais

ARTE BARROCA. História

ARTE BARROCA. História História 01 : contexto 01 : MIGUEL ÂNGELO : David 02 : BERNINI : David : Surge em Itália : Difunde-se por quase toda a Europa : Implantada noutros continentes por europeus : Séc XVII XVIII : Século XVIII

Leia mais

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Técnicos Superiores de Conservação e Restauro: Isabel dos Santos Filipe Pereira (2013/2014)

Leia mais

Formação acadêmica Bacharelado em Arquitetura / Universidade Federal de Pernambuco 1981

Formação acadêmica Bacharelado em Arquitetura / Universidade Federal de Pernambuco 1981 Maria de Betânia Corrêa de Araújo Recife, Pernambuco 1957 Formação acadêmica Bacharelado em Arquitetura / Universidade Federal de Pernambuco 1981 Pós graduação de Economia da Cultura Universidade Federal

Leia mais

Internacional. Singular geometria

Internacional. Singular geometria Internacional Singular geometria Escultórica e geometricamente complexa, a Casa da Música, criação do arquiteto holandês Rem Koolhaas, torna-se o mais novo edifício-ícone de Portugal. Criticada por sua

Leia mais

COM CONTA, PESO E MEDIDA!

COM CONTA, PESO E MEDIDA! COM CONTA, PESO E MEDIDA! Poderemos nós medir uma obra de arte Terão as ideias e as sensações que ela nos provoca um peso certo O que teremos de utilizar para medir as obras muito pequeninas e as muito

Leia mais

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes REVISÃO PARA PROVA Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O SURREALISMO foi o movimento artístico moderno da representação do irracional

Leia mais

Interdisciplinar o design

Interdisciplinar o design Instalação sobre Jazz. Com o Presidente da República quando foi proclamado uma das Personalidades do Ano 2009/2010. Foto: site Presidência da República Lançamento da World Urban Campaign, no Rio de Janeiro.

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos VERÃO 2011 WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos Oficina de BD Neste workshop não se faz apenas banda desenhada: faz-se um fanzine de banda desenhada! Vamos criar uma história com base no teu imaginário

Leia mais

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável. b. Promover a contribuição das artes e humanidades,

Leia mais

À DESCOBERTA DAS RAÍZES DO JAPÃO

À DESCOBERTA DAS RAÍZES DO JAPÃO À DESCOBERTA DAS RAÍZES DO JAPÃO Neste curso em oito sessões, João Paulo Oliveira e Costa, professor catedrático e especialista em história do Japão, apresenta as grandes linhas e os momentos especiais

Leia mais

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa percursos percursos Ação educativa INSTITUTO TOMIE OHTAKE síntese dos projetos Projetos especiais ProGrAmAs PermANeNtes exposições Prêmios PArA jovens ArtistAs PuBlicAçÕes objetivo Ação educativa Aproximar

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

A Licensee of The Coca-Cola Company

A Licensee of The Coca-Cola Company A Licensee of The Coca-Cola Company Um século de publicidade de uma marca mítica Desde que começou a ser comercializada em 1886, a Coca-Cola foi pioneira em todos os aspectos relacionados com o marketing

Leia mais

República Islâmica do Irão. Irão: Cidades Imperiais na Rota da Seda (data sob consulta)

República Islâmica do Irão. Irão: Cidades Imperiais na Rota da Seda (data sob consulta) República Islâmica do Irão Irão: Cidades Imperiais na Rota da Seda (data sob consulta) O Irão é um país com uma longa e complexa história, que remonta a um passado longínquo, aos primórdios da história

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais