ESTUDO DE VIABILIDADE DE UMA PEQUENTA CENTRAL TÉRMICA A CARVÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE VIABILIDADE DE UMA PEQUENTA CENTRAL TÉRMICA A CARVÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 ESTUDO DE VIABILIDADE DE UMA PEQUENTA CENTRAL TÉRMICA A CARVÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

2 Equipe de Trabalho Rui Dick 1, Ricardo B. Orling 2, Luiz A. L. Miraflores 2, José C. G. Silva 2, Bayard Schreiner 3, Cláudio M. Muller 3, Jorge D. Gavronski 3, Nilo A. Rigotti 3, Rui G. Osório 3, Leandro D. Zen 4, Paulo J. Gallas 4 & Rodnei Pacheco 4. 1 Secretaria de Infraestrutura do Estado do Rio Grande do Sul SEINFRA 2 Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE-GT 3 Companhia Riograndense de Mineração CRM 4 Fundação de Ciência e Tecnologia CIENTEC

3 Investimento no Setor Elétrico Introdução O cenário atual do setor energético do Brasil, em especial o da energia elétrica, é o de busca contínua por alternativas de geração de energia, de forma a sustentar o crescimento econômico do país. Crescimento Econômico do País Este trabalho tem por objetivo apresentar o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica EVTE, para a implantação de uma Pequena Central Termoelétrica PCT - a carvão mineral, de 20,0 MW, em função da disponibilidade de fornecimento da mina escolhida, junto ao empreendimento, localizada no município de Minas do Leão/RS.

4 Características da Jazida A jazida escolhida é a da Unidade Mineradora Leão, Mina São Vicente Norte, onde atualmente a CRM já vem extraindo carvão, com produção mensal de 20 mil toneladas de carvão ROM run of mine. A área da Mina São Vicente Norte, com 132 hectares, foi concedida à CRM pelo DNPM em 1963.

5 O Carvão A partir de 3 amostras de carvões, fornecidas pela CRM, a CIENTEC efetuou uma série de análises químicas e, posteriormente, uma série de testes experimentais em um combustor piloto, visando encontrar a composição blending mais adequada ao uso na PCT. Carbono Hidrogênio Nitrogênio Enxofre Oxigênio Cinzas Umidade Higroscópica PCS PCI 39,25% 3,04% 0,69% 1,45% 5,64% 49,93% 3, Foi selecionada a seguinte composição padrão: Camada S1-15%, Camada S2/1-51%, Camada I2/I3-34%. O preço de R$ 60,00/t para comercialização do carvão com a PCT foi estabelecido com base na estrutura de custos operacionais da CRM (OPEX). Na composição desse valor foram agregados os custos de transporte, de britagem e de manutenção das condições operacionais da mina em operação.

6 Descrição da Tecnologia A opção proposta da tecnologia de combustão de carvão foi a do processo em leito fluidizado borbulhante, por tratar-se de uma tecnologia conhecida pela CIENTEC e que, a partir de testes em planta piloto, demonstrou-se adequada para a combustão de carvão não beneficiado ROM, tendo como objetivo a utilização de um combustível de baixo custo. O carvão é mantido em suspensão borbulhante por uma corrente de ar, com velocidade convenientemente controlada, fazendo com que a superfície de contato ar/combustível seja a maior possível, garantindo uma eficiência de combustão da ordem de 99%, similar aos processos de queima de fluidos (gases ou líquidos) e de carvão pulverizado.

7 Benefícios do Leito Fluidizado Borbulhante Possibilita a utilização de carvões com altos teores de cinzas tal como são os carvões gaúchos; Facilidade de promover-se o processo de dessulfuração durante a combustão com a adição de calcário juntamente com o carvão (dessulfuração interna) dando flexibilidade para poder operar com carvões com elevados teores de enxofre; A característica de constituir-se de um processo multicombustível permite que sejam utilizados combustíveis misturados (blendas), combustão mista ou co-firing, permitindo a utilização de resíduos de biomassas ou outros, concomitantemente ao carvão; Baixa influência da umidade do carvão no processo de combustão devido à inércia térmica do leito;

8 Benefícios do Leito Fluidizado Borbulhante A preparação do carvão é mais simples e menos dispendiosa quando comparado com os custos de preparação de carvão para a combustão pulverizada (utiliza-se granulometria do carvão entre 3 e 6mm, ao contrário do pulverizado, da ordem de 0,2mm); A maior estabilidade de queima, em função da grande inércia térmica do leito, faz com que não seja necessária uma chama de sustentação e, também, não sofre problemas de deslocamento de chama; A partida térmica do processo pode ser efetuada com queimadores ecológicos que utilizem biodiesel; Por tratar-se de combustão efetuada em baixa temperatura ( C), as cinzas serão bem menos cristalinas, praticamente amorfas, produzindo um produto com características reativas desejáveis para aplicação como matéria prima em materiais de construção;

9 Seleção da Potência e Pressão do Ciclo Foram efetuados uma série de cálculos preliminares e um levantamento de custos para uma unidade de 10 MW de potência. Estes resultados permitiram um melhor entendimento da estrutura de custos, esclarecendo a participação de cada elemento na composição do preço do MW. Um dos elementos que nos fez pensar em uma unidade maior (20 MW) foi a mão de obra, que praticamente se manteria inalterada, permitindo a redução no custo da energia gerada. Além disto, nesta faixa de potência observa-se, também, um pequeno ganho de rendimento com o aumento da escala. Outro item que afeta o custo de geração e mereceu atenção neste trabalho, diz respeito ao rendimento do Ciclo Ranquine. É sabido que este aumenta com o crescimento da pressão de trabalho (custo de implantação também cresce). Alternativa Consumo Específico Eficiência (Capacidade/ pressão) (t carvão/mwe prduzido) 10MWe, 42 kgf/cm 2 21% 1,28 10MWe, 65 kgf/cm 2 23% 1,17 20MWe, 42 kgf/cm 2 22% 1,22 20MWe, 65 kgf/cm 2 25% 1,07

10 Fluxograma do Processo Ar Torre de Resfriamento Condensador

11 Controle de Emissões A escolha de um sistema de redução dos gases sulfurosos esteve baseada, principalmente, no atendimento à legislação ambiental, onde o limite da concentração de SO2 no gás tem sido licenciado para o valor de 400 mg/nm³, a 8% de O2. Tecnologias Sistema Úmido Sistema Semi Seco Investimento Inicial Total p/ planta custo anual Dessulfurização com Calcário é geração de gesso c/ produto final MR$ e filtro de mangas para cinzas Reator Semi seco CaO+ Filtro de Mangas MR$ Sistema Seco Bicarbonato de Sódio Reator seco + Filtro de Mangas MR$ R$ R$ R$

12 Resíduos Basicamente, os resíduos serão as cinzas provenientes da combustão e o gesso proveniente do processo de dessulfuração a úmido proposto. Se as cinzas fossem utilizadas para a produção de tijolos maciços comuns, seriam produzidos aproximadamente milheiros de tijolos que comercializados a um valor de R$300/milheiro, seria obtido um faturamento anual extra de R$13,5 milhões. Deste valor deve ser subtraído o custo adicional de cal para a confecção dos tijolos, no montante aproximado de R$3 milhões, produzindo um resultado positivo de R$10,5 milhões. Outro subproduto do processo é a geração de gesso, que poderia ser comercializado para empresas que produzem placas de gesso acartonado para divisórias internas. Serão geradas 700 toneladas por ano. (As possíveis receitas advindas da comercialização dos resíduos não foram contempladas no fluxo de caixa)

13 Conexão da PCT A conexão da PCT Minas do Leão ao sistema elétrico deverá ser realizada na rede de distribuição da concessionária local (CEEE Distribuição), tendo em vista a proximidade do local do projeto, e o nível de tensão da rede disponível. De acordo com a legislação atual, definida nos Procedimentos de Distribuição da ANEEL PRODIST, e em resoluções normativas, o acessante é o responsável por efetuar estudos, projetos e implantação das instalações de sua responsabilidade, necessárias à conexão.

14 Conexão da PCT Para a Pequena Central Termoelétrica de Minas do Leão, com a perspectiva de uma potência instalada de 20 MW, é definida, preliminarmente, uma alternativa de interligação através do agente concessionário CEEE Distribuição. Conexão na futura Subestação Minas do Leão/Butiá, barramento de 69 kv Custo estimado: Implantação da LT 69 kv, aproximadamente 13 km - R$ ,00; Implantação de módulo de LT 69 kv no barramento da nova subestação - R$ ,00; Total de R$ ,00, de responsabilidade do acessante. Obs1.: Essa alternativa poderá ser viável com a execução do recondutoramento de 30 km da linha 69 kv Charqueadas 2 Areal e da implantação da nova subestação Minas do Leão/Butiá. Obs2.: Não estão contabilizados os custos da subestação particular para conexão na referida alternativa.

15 Comercialização da Energia da PCT ACR Ambiente de Contratação Regulado Participação em Leilões de Energia do Governo, onde o empreendimento deve ser vencedor. Obtenção de CCEAR ( PPA ), necessário para a obtenção da garantia para o financiamento do empreendimento. Estes contratos de compra de energia têm prazos compatíveis à amortização completa do investimento. Outra possibilidade para a comercialização da energia da PCT no ACR é a participação em uma chamada pública, promovida pela distribuidora da área em que o empreendimento estiver instalado, na forma de Geração Distribuída. ACL Ambiente de Contratação Livre O ACL é o mercado por conta e risco, onde o empreendedor precisa prospectar o mercado em busca de clientes livres/autoprodutores. Fornecimento da energia deve acontecer a valores inferiores aos praticados pela concessionária pela qual ele é atendido. Depende do mercado. Representa aproximadamente 25% da carga do país.

16 Base das Estimativas de Investimentos (CAPEX) e de Custos Operacionais (OPEX) Todas as estimativas de investimentos (CAPEX) e de custos operacionais (OPEX) foram baseadas em cotações obtidas junto a fornecedores e às bases de dados das empresas participantes deste convênio, e são apresentadas em reais (R$), tendo como data base o mês de Fevereiro de A paridade cambial adotada foi de R$ 1,972/US$. Foi considerada uma verba de contingenciamento de 5%. Os valores de custos operacionais estão baseados em cálculos de técnicos especialistas da CIENTEC, CEEE-GT e CRM. O preço do combustível carvão mineral foi estabelecido pela CRM para o CE 3200 originário da Mina do Leão.

17 Avaliação Econômico-Financeira Foram adotadas algumas premissas básicas: Ao longo da vida útil do projeto, o reajuste de preços dos insumos, principalmente do combustível carvão, será correspondente ao reajuste do preço da energia vendida; Considerada, de forma simplificada, depreciação de 100% do CAPEX a uma taxa constante ao longo de 20 anos; Foram escolhidos, por critério dos autores, valores de TIR de 4,00% a.a. a 12,00% a.a. como intervalo para cálculo do preço simulado da energia de cada alternativa de PCT adotada; Foram consideradas como descontos da Receita Bruta as seguintes incidências: PIS 1,65% COFINS 5,00% (7,65% s/receita Bruta deduções) TFSEE* 0,50% Total - 7,15% *TFSEE - Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia Elétrica (ANNEL) Os parâmetros de mercado e operacionais considerados estão apresentados na tabela a seguir, correspondentes a cada uma das alternativas de PCT estudadas.

18 Parâmetros de Mercado e Operacionais USINAS PCT 10/43 PCT 10/65 PCT 20/43 PCT 20/65 MERCADO Potência Instalada Potência comercializada (MW) Disponibilidade Programada (h/ano) Prazo Contratual (anos) Fator de Utilização 0,93 0,93 0,93 0,93 Energia Comercializada OPERACIONAIS Pressão de Geração de Vapor (kgf/cm 2 ) 43,0 65,0 43,0 65,0 Carvão de Aimentação da Usina CE CE CE CE Custo CE (R$/t) 60,00 60,00 60,00 60,00 Consumo Específico (t/mwh) 1,13 0,97 1,13 0,97 Consumo Anual CE (t) Custo de Combustível (R$/ano)

19 Preço de Energia e Taxa Interna de Retorno (TIR) Desejada para o Projeto A Tabela Resumo, a seguir, demonstra o resultado das simulações de fluxo de caixa realizadas para cada uma das alternativas de PCT consideradas, variando a TIR do projeto no intervalo de 4,00% a 12,00% ao ano e determinando o preço de comercialização do MWh, necessário para compatibilizar com estas taxas. Uma análise da mesma permite identificar a vantagem, sob o ponto de vista econômico-financeiro, da alternativa de PCT com potência de geração de 20MW e pressão de vapor de 65Kgf/cm² (PCT 20MW-65 Kgf/cm²). Embora esta alternativa tenha um valor de CAPEX maior, isto é facilmente compensado pela sua maior eficiência térmica refletida no menor consumo específico de carvão e, por consequência, em um menor OPEX ao longo de 20 anos.

20 Resumo das Alternativas de PCT Simuladas CAPEX Inicial (R$) OPEX Anual (R$) Preço (R$/MWh) PCT 10 MW PCT 20 MW Pressão Caldeira 43 kgf/cm 2 65 kgf/cm 2 43 kgf/cm 2 65 kgf/cm 2 Usina (Turn Key) Dessulfurizarão e Inst. Acessórias Infraestrutura Elétrica Total CAPEX Contingências (5,0%) Total CAPEX c/ Contingências M.O Operação Manutenção Terceirizada Combustível (CE 3.200) Calcário Depreciação e Amortização Outros + PDEE Total OPEX TIR = 4,00% 221,60 213,00 177,40 167,70 TIR = 5,00% 235,70 227,40 186,90 177,50 TIR = 6,00% 250,40 242,40 197,00 187,80 TIR = 7,00% 265,70 258,20 207,50 198,60 TIR = 8,00% 281,80 274,60 218,50 209,90 TIR = 9,00% 298,50 291,80 229,90 221,60 TIR = 10,00% 315,80 309,59 241,80 233,70 TIR = 11,00% 333,80 327,80 254,10 246,30 TIR = 12,00% 352,30 346,80 266,70 259,30

21 Análise de Sensibilidade Foi efetuada uma análise de sensibilidade com base no modelo de avaliação adotado com as projeções de DRE e Fluxo de Caixa para uma PCT 20MW 65Kgf/cm². Foi avaliada a sensibilidade do VPL (Valor Presente Líquido) às variações de CAPEX, OPEX e preço da energia a ser comercializada, considerando uma taxa de desconto de 5,00% a.a. A Figura abaixo demostra esta sensibilidade.

22 TIR para a Sociedade de Propósitos Específicos SPE Foi simulado o efeito da alavancagem financeira propiciada pela tomada de um financiamento na rentabilidade do empreendimento. Tomando como exemplo a linha de financiamento existente no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES para geração térmica a carvão mineral, que possui taxas, limites de financiamento e prazos penalizados em relação às demais alternativas de geração de energia elétrica, ainda assim permite que a TIR média do intervalo de simulação de 8,00% a.a. passe para 11,94% a.a.. Portanto uma melhora de quase 50% na rentabilidade do empreendimento. A avaliação econômico-financeira mostra que o preço de energia possível de ser praticado para um empreendimento de geração térmica baseado em uma PCT de 20 MW e 65Kgf/cm² seria competitivo no cenário atual e futuro do mercado de energia elétrica nacional.

23 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Principais atrativos imanentes ao projeto de uma PCT de 20 MW, a leito fluidizado borbulhante, a ser implantada na Região do Baixo Jacuí, alimentada com carvão mineral a ser provido pela Companhia Riograndense de Mineração (CRM): Geração de energia elétrica: o projeto estará contribuindo para com o esforço que deverá ocorrer no país, em termos de um aumento da base térmica de geração de energia elétrica; Leito fluidizado borbulhante: é tecnologia de queima mais eficiente, garantia de um maior rendimento térmico e de um melhor controle das emissões, tudo isto também contribuindo para a consecução de uma licença ambiental; Carvão mineral jacente em subsolo gaúcho: desatrelado do caráter da sazonalidade, este bem mineral que normalmente apresenta preços muito estáveis, deve ser utilizado para gerar riqueza (empregos, renda, tributos, etc.) em toda a cadeia produtiva, com expressivos efeitos multiplicadores nas sociedades em que os projetos estarão inseridos.

24 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A constituição de uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) deve ser considerada para fins de implantação do projeto. A SPE pode ser conceituada como uma estrutura de negócios que reúne interesse e recursos (financeiros, tecnológicos e industriais, entre outros) de duas ou mais pessoas jurídicas para a consecução de empreendimento de objeto específico e determinado, mediante a constituição de uma nova sociedade com personalidade jurídica distinta da de seus integrantes. O capital social da SPE pode ser integralizado pelos sócios com dinheiro, bens móveis e imóveis e, ainda, com direitos, desde que a estes possam ser atribuído valor econômico e, uma vez integralizado o capital, as contribuições dos sócios passam a compor o patrimônio da SPE tornando-se legítimos proprietários. Financiar por hipótese 50 % do CAPEX orçado, para a finalidade de alavancar o empreendimento, pode ter papel importante para a viabilidade econômico-financeira do projeto.

25 Muito obrigado! Ricardo Barreira Orling (51)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 COMBUSTÃO MULTICOMBUSTÍVEL EM LEITO FLUIDIZADO PARA APLICAÇÃO EM PCTS L.D. Zen*, M.J. Soaresº, G. F. Gomesºº *CIENTEC,

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93 !" ##" $#%#" &&&#" "' (" &&" ')&#" (*+"((,"(-. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93!" Centro Nacional de Referência em Biomassa (CENBIO) Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) Universidade de

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Resumo Cenário Atual FAE Potencial Benefícios Desafios Conclusões Quadro Resumo - FAE Capacidade

Leia mais

Financiamento de projetos de

Financiamento de projetos de IIIª Conferência da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Financiamento de projetos de infraestrutura: project finance Rio de Janeiro Novembro de 2010 Julião

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Tito Livio M. Cardoso tito.livio@decisoescertas.com.br www.decisoescertas.com.br

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS LMOP Treinamento de Operação de Aterros Ribeirao Preto, 17 de Setembro de 2010 Custos de Projeto que podem se beneficiar

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

A geração eólio-elétrica no mundo

A geração eólio-elétrica no mundo José Cleber Teixeira FIPEN 2010 Fórum Industrial de Produtividade e Negócios 28 / outubro / 2010 1 A geração eólio-elétrica no mundo Em termos mundiais, a exploração da energia eólica para geração de eletricidade

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 24 de Agosto 2013

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

Racional da modelagem considera 5 dimensões

Racional da modelagem considera 5 dimensões Tutorial Simulador Fonte: Instituto Ethos; SITAWI Finanças do Bem Racional da modelagem considera 5 dimensões ANÁLISE DE MERCADO MODELO OPERACIONAL MODELAGEM FINANCEIRA MODELO DE CONTRATAÇÃO TECNOLOGIAS

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Comissão de Minas e Energia (CME) Brasília (DF) 09/09/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa 2010 Disclaimer Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

www.cientec.rs.gov.br Sistema integrado de produção de energia, obtenção de créditos de carbono e produção de materiais para construção civil utilizando-se o processo de co-combustão de biomassas e carvão

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA DE COMBUSTÃO EM LEITO FLUIDIZADO DE CARVÃO MINERAL RESIDUAL PROVENIENTE DE LAVADORES DE CARVÃO TIPO JIGUE

VIABILIDADE TÉCNICA DE COMBUSTÃO EM LEITO FLUIDIZADO DE CARVÃO MINERAL RESIDUAL PROVENIENTE DE LAVADORES DE CARVÃO TIPO JIGUE VIABILIDADE TÉCNICA DE COMBUSTÃO EM LEITO FLUIDIZADO DE CARVÃO MINERAL RESIDUAL PROVENIENTE DE LAVADORES DE CARVÃO TIPO JIGUE Leandro Dalla Zen Cientec/Unisinos, Rua Washington Luiz 675, Porto Alegre,RS

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE)

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE) GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE) Sergio Guerreiro Ribeiro WTERT - Brasil 1. INTRODUÇÃO Enquanto uma atividade não for rentável terá grande dificuldade

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS

Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Energias Renováveis Palestrante: Lucas Redecker Secretário de Minas e Energia do RS Dia: 15 desetembro/2015 Local: Auditório Central do Colégio Teutônia Horário: 19h30min Configuração dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Informe sobre as PCH s

Informe sobre as PCH s Informe sobre as PCH s 1. Introdução O presente trabalho atende às determinações da Portaria/BRDE nº 12.100, que designou um grupo de trabalho para apresentar relatório sobre estudo setorial na área de

Leia mais

Auditoria Interna. no processo SPE

Auditoria Interna. no processo SPE no processo SPE 11.08.2015 Objetivo da no processo SPE O Trabalho da tem o objetivo de agregar valor aos negócios da Companhia, buscando fortalecer os seus controles e suas atividades. Devido a importância

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 Ac. Luís Carlos Lazzari luislazzari@yahoo.com.br Departamento de Engenharia e

Leia mais

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual.

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. O processo de ciclo orgânico de Rankine (OCR) é similar ao ciclo básico de Rankine mas em vez de água utiliza um azeite orgânico em uma caldera de baixa

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais