V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba"

Transcrição

1 V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (UEMS) REITOR Fábio Edir dos Santos Costa VICE-REITORA Eleuza Ferreira Lima ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL André Giulliano Mazini PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO Jelly Makoto Nakagaki PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL Adriana Rochas de Carvalho Fruguli Moreira PRÓ-REITORA DE ENSINO Silvane Aparecida de Freitas PRÓ-REITOR DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Carla Villamaina Centeno PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS Edmilson de Souza DIAGRAMAÇÃO Júnior Tomaz de Souza Catalogação na fonte: Biblioteca da Unidade Universitária de Paranaíba - UEMS Ciclo de Debates em Ciências Sociais (5. : 2014: Paranaíba, MS) Programação Geral e Caderno de Resumos/ V Ciclo de Debates em Ciências Sociais e I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaiba; Coordenação de Carlos Eduardo França. - Paranaíba, MS: UEMS, p. Anual ISSN Tema: Ciências Sociais em perspectiva: debates sobre os movimentos sociais contemporâneos 1. Ciclo de Debates Ciências Sociais I. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. II. França, Carlos Eduardo. III. Título. CDD 300 Catalogação na Publicação: Bibliotecária: Susy dos Santos Pereira - CRB1ª/1783

3 O V Ciclo de debates em Ciências Sociais. I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba. intitulado Ciências Sociais em perspectiva: debates sobre os movimentos sociais contemporâneos tem como objetivo promover debates e reflexões sobre as perspectivas contemporâneas das Ciências Sociais, além de incentivar os discentes a apresentarem os resultados de suas pesquisas acadêmicas nos grupos de trabalho do evento. A semana contará com palestras de intelectuais de renomadas instituições de ensino superior, com minicurso, oficinas culturais de MC e DJ, e diversas atividades de encerramento na forma de SARAU. A proposta do evento é envolver tanto a comunidade acadêmica da UEMS, como a população local, na tentativa de promover debates e a divulgação das atividades do curso de Ciências Sociais junto aos estudantes do Ensino Médio das escolas de Paranaíba, dos movimentos sociais locais e grupos identitários de capoeira, hip hop, bem como pessoas situadas em territórios periféricos que não possuem conhecimento dos trabalhos realizados pelo curso e como ingressar na Universidade. Enfim, o evento permitirá a aproximação entre o curso de Ciências Sociais com a população local por meio de discussões sobre os movimentos sociais contemporâneos. Comissão Organizadora e Científica

4 COMISSÃO ORGANIZADORA Prof. Dr. Carlos Eduardo França (coordenador do evento) Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Me. Alexandre de Castro Prof. Me. Bruno de Oliveira Ribeiro Prof. Me. João Paulo Aprígio Moreira Prof. Dr. José Antônio de Souza Profa. Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Prof. Me. Sinomar Ferreira do Rio COMITÊ CIENTÍFICO Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Me. Alexandre de Castro Prof. Me. Bruno de Oliveira Ribeiro Prof. Dr. Carlos Eduardo França Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Prof. Me. João Paulo Aprígio Moreira Prof. Dr. José Antônio de Souza Profa. Dra. Lucélia Tavares Guimarães Prof. Me. Michael Daniel Bomm Profa. Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Prof. Me. Sinomar Ferreira do Rio

5 GT 01 A interface entre ciência e arte, ambiente e política Prof.ª Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Profa. Me. Maria Raquel da Cruz Duran GT 02 Questões raciais, classe e gênero Prof. Me. Alexandre de Castro GT 03 Ensino de Sociologia e experiências do PIBID Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Dr. Carlos Eduardo França Minicurso 01: MPB: música, resistência e memória Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Minicurso 02: Consciência negra para quem? Os desafios da luta antirracista na educação Prof.ª Me Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai)

6 10/11/2014 8h às 9h Local: Pátio da UEMS Credenciamento Grupos de trabalhos 9h às 11h Local: Sala 7 GT 01 A interface entre ciência e arte, ambiente e política Prof.ª Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga e Profa. Me. Maria Raquel da Cruz Duran 9h às 11h Local: Sala 8 GT 02 Questões raciais, classe e gênero Prof. Me. Alexandre de Castro. 13h às 17h Local: Sala 9 GT 03 Ensino de Sociologia e experiências do PIBID Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Dr. Carlos Eduardo França. 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: "Democracia e Conservadorismo" Prof. Dr. Claudio Reis (UFGD) 11/10/2014 8h às 12h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Minicurso 01: MPB: música, resistência e memória Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Minicurso 02: Consciência negra para quem? Os desafios da luta antirracista na educação Local: Sala 09 UEMS Prof.ª Me Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai) 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Movimento negro: da luta nas ruas à luta nas universidades - uma mesma alameda? Prof. Dr. Dagoberto José Fonseca (UNESP/Araraquara)

7 12/11/2014 8h às 11h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Oficina de DJcom a DJ Vivian Marques de São Paulo Capital 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Os atores intermediários na saúde: Refletindo sobre o papel das organizações sociais e sua relação com o Estado Prof. Dr. Julio Cesar Donadone (UFSCar) 13/11/2014 8h às 11h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Oficina de MCcom a DJ-MC Luana Hansen e o MC Hahsaan de São Paulo - Capital. 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Territorializacao do capital e as resistências no campo em Mato Grosso do Sul Prof. Dr. Sedeval Nardoque (UFMS/Três Lagoas) 22h Local: Espelho d água em frente à UEMS SARAU (apresentações culturais e culturais) com DJ Vivian Marques, DJ-MC Luana Hansen e o MC Hahsaan de São Paulo - Capital.

8 GT 01 TRABALHO ETNOGRÁFICO: UMA AVENIDA QUE REVELA O CENÁRIO POLITICO DE UMA SOCIEDADE BIBLIOGRAFIA SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO DO SUL: ESTUDO PRELIMINAR DE VIGOTSKI A RUBINSTEIN: UMA COMPREENSÃO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA A PARTIR DE PESQUISAS DOS PSICÓLOGOS SOVIÉTICOS CULTURA E GLOBALIZAÇÃO: AS COMPLEXIDADES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA PROPOSTAS DE INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA NA EDUCAÇÃO: AS CONTRIBUIÇÕES DOS SOVIÉTICOS FLORESTAN FERNANDES E O COMPROMISSO POLÍTICO DO SOCIÓLOGO INTERVENÇÕES COM UM TERCEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA BUSCANDO O ENTENDIMENTO DA POLÍTICA BRASILEIRA DIFERENTES TRIBOS URBANAS: UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA EM SALA DE AULA O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NACIONAL PARA DARCY RIBEIRO... 17

9 A FORMAÇÃO DO MERCADO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PARANAÍBA.. 18 A HERMENÊUTICA COMO LINGUAGEM COMUM DE NOSSO TEMPO ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS TEORICOS DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MEDIO EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O PROCESSO DE REGULARIZAÇÃO/DISCIPLINARIZAÇÃO COMO NORMALIZADOR DO ANORMAL REPRESENTAÇÃO POLÍTICA: UMA ANÁLISE NOS PROJETOS DE LEI NA CÂMARA MUNICIPAL DE PARANÍBA MS ( ) GT 02 DESGRAÇADO SEXO QUE NÃO SE PODE CONFIAR: A MISOGINIA MEDIEVAL NO LAI HOMEM-LOBO GÊNERO E DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR MOVIMENTOS SOCIAIS: UMA POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE DA MULHER NEGRA NO BRASIL? DA CONTRAVENÇÃO AO CRIME DE RACISMO: A EFICÁCIA DA IMPUNIDADE TEORIAS RACIAIS E O DISCURSO DE BRANQUEAMENTO EM REDES SOCIAIS: PÁGINA ORGULHO SER BRANCO... 23

10 DIREITOS HUMANOS NO COMBATE AO RACISMO: LEI 7.716/89, INCLUSÃO E O AMPARO AO NEGRO BRASILEIRO NA ATUALIDADE A TAL MINEIRA DEMOLIDORA DE MITOS: CLARA NUNES, MÚSICA POPULAR EA DESCOBERTA DA ÁFRICA NO BRASIL DOS ANOS RACISMO AMBIENTAL NA CIDADE DE PARANAÍBA: UM ESTUDO SOBRE A REPORTAGEM BAIRRO DE POBRE É ATERRADO COM LIXO A ATUAÇÃO DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS NA UNIVERSIDADE PARA ALÉM DE UMA FUNÇÃO OPERACIONAL: POSSIBILIDADES, DESAFIOS E LIMITES GT 03 INTERDISCIPLINARIDADE, INTERCULTURALIDADE E FORMAÇÃO DOCENTE IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL E A PERSPECTIVA DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DE PARANAÍBA/MS POLÍTICAS DE REDUÇÃO DE DANOS OU COMBATE ÀS DROGAS? COMO ANDA A DISCUSSÃO SOBRE A QUESTÃO DAS DROGAS NA ESCOLA, UMA PROBLEMATIZAÇÃO À LUZ DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID A COMPREENSSÃO DA IDEOLOGIA RELIGIOSA NO AMBIENTE ESCOLAR RELATOS DE EXPERIÊNCIA: APLICAÇÃO DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO... 29

11 PIBID E O ENSINO DE SOCIOLOGIA A PARTIR DA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DOS ALUNOS DO ENSINO MEDIO DE UMA ESCOLA DE PARANAÍBA/MS AS NOVAS TECNOLOGIAS E OS MOVIMENTOS SOCIAIS UMA ANÁLISE SOCIOLÓGICA DA LITERATURA NO LIVRO DIDÁTICO: ASPECTOS HISTÓRICO- SOCIAIS ABORDADOS NO PRÉ-MODERNISMO BRASILEIRO O RELATO DA VIVÊNCIA COMO BOLSISTA DO PIBID: O DESINTERESSE DO ALUNO NA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA OS IMPACTOS DA REORGANIZAÇÃO DO TRABALHO: RELATO DA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA EM UMA INDÚSTRIA DE CALÇADOS DA CIDADE DE PARANAÍBA/MS A EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA E O PIBID... 32

12 12 TRABALHO ETNOGRÁFICO: UMA AVENIDA QUE REVELA O CENÁRIO POLITICO DE UMA SOCIEDADE Marta Soares Ferreira O presente ensaio se dá a partir de uma atividade etnográfico de observação realizada in loco quando estava no horário de trabalho, durante duas noites de sábado, em um mesmo bar, noites de maior movimento, e também a partir de outras noites quando fiquei simplesmente a observar e ouvindo o que as pessoas falavam. Outros dados coletados em conversações com alguns amigos, que frequentam assiduamente o ambiente de diversão noturna. Neste trabalho é usado o método da obrado autor Roberto Cardoso de Oliveira (1996), um trabalho que exige o exercício do olhar, ouvir e escrever, este foi um trabalho de etnografia á disciplina de antropologia no primeiro ano do curso de ciências sociais. Trata-se de ressaltar as atividades noturnas que ocorrem na Avenida Pedro Manvailler, tendo como ênfase dois quarteirões que são os mais movimentados. Este ensaio teve como objetivo ressaltar como a juventude se relacionava e como se divertia de forma peculiar, em um espaço público, uma espécie de atividade determinante, a não ser as pessoas que chegam de outro lugar, as que estão entrando na juventude em um período tão contemporâneo, que por outro lado a mais de 15 anos não se inova o modo de diversão, não se aprecia outras atividades, como teatros, sarau cultural, espaços alternativos, o que parece uma problemática pela falta de opção de eventos culturais diferenciados, mas ainda que se tenha uma eventualidade em outro local, não atinge a maioria daqueles grupos que ali frequentam. Os questionamentos dos que chegam na cidade e perpassa por uma experiência de estranhamento com a aquele contexto, sugerem se isto não é influencia do contexto político da potencia do capital do latifúndio e do agronegócio. Pretende-se neste trabalho pensar em uma antropologia urbana, referindo se ao contexto social, de ostentação, que faz uma sociedade mesmo interiorana a ter experiência pessoal bem peculiar, escolhas de estilos de musicas reproduzidas pela mídia formando uma mentalidade excludente, sob uma perspectiva de uma sociedade que se submete a uma situação de controle, assolada pelo cenário político, individualista mesmo com um contexto histórico de diversidades, de grupos étnicos na cidade de Amambai. Portanto em somente dois quarteirões de uma única avenida da cidade, pode-se fazer um trabalho etnográfico que mostre as relações de poder mensurado em um contexto político. BIBLIOGRAFIA SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO DO SUL: ESTUDO PRELIMINAR Gislaine Pereira dos Santos (G-UEMS/Paranaíba) Estela Natalina Mantovani Bertoletti (UEMS/Paranaíba) Este trabalho compõe a bibliografia sobre alfabetização em Mato Grosso do Sul. Objetiva-se, neste estudo, contribuir para estudos e pesquisas sobre alfabetização a partir de dados sobre o estado. Nossos objetivos específicos são: realizar levantamento da bibliografia sobre alfabetização produzida em Mato Grosso do Sul; analisar a bibliografia sobre alfabetização produzida no estado e subsidiar pesquisas correlatas. A temática e o método vinculam-se a uma pesquisa bibliográfica e de levantamento documental, nos cursos de Mestrado e Doutorado de Programas de Pós-Graduação em Educação e Letras, partindo da hipótese de

13 13 que não há nenhuma pesquisa sobre alfabetização nesse sentido voltada para o Mato Grosso do Sul, questiona-se: qual a bibliografia sobre alfabetização produzida neste estado? Especificamente, realizamos o levantamento e analisamos da bibliografia sobre alfabetização produzida no Estado e subsidiar pesquisas correlatas. Neste levantamento, foram localizadas 23 publicações, sendo que o programa em Letras da UFGD desenvolveu uma dissertação e os de Educação, 21 dissertações e uma teses com temas diversificados. As produções no estado ainda são recentes e poucas, podendo ser considerada insuficiente. DE VIGOTSKI A RUBINSTEIN: UMA COMPREENSÃO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA A PARTIR DE PESQUISAS DOS PSICÓLOGOS SOVIÉTICOS Alexandre Pito Giannoni (G-UFMS/CPar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar a compreensão da função imaginativa entre os psicólogos Soviéticos e seus diversos grupos de pesquisa, diferenciando algumas de suas compreensões entre esta função psicológica superior. Para isto utilizam-se como referencial teórico os trabalhos de L. S. Vigotski, E. I. Ignatiev, I. M. Rozet, A.R.Luria, V. Mukhina e S. L. Rubinstein. Tais autores, embora preocupados com o desenvolvimento de um novo ser humano e, pesquisando ainda sobre um regime socialista possuem grandes divergências ao explicar o desenvolvimento da imaginação e suas particularidades na personalidade dos seres humanos. Porém, todos partem de um ponto principal e semelhante, sendo este, a própria realidade objetiva. Todos os recursos utilizados pela atividade criativa - técnica, científica ou artística - são retirados da própria realidade, neste sentido, todos chegam a uma mesma conclusão de que as mais diversas criações humanas não surgem do nada. Ainda nestas compreensões pode-se observar que as escolas que pertencem tais Soviéticos influenciam em suas pesquisas, encontrando várias semelhanças entre Vigotski, Luria e Mukhina. Tratando-se da escola de Rubinstein várias são as divergências com seus seguidores como o próprio Ignatiev que desconsidera totalmente a intuição como um processo de criação e, Rozet que apresenta a imaginação como uma função muito pobre e em certas ocasiões, reduzida a uma qualidade do pensamento. Como conclusão deste trabalho encontra-se nos Soviéticos, possibilidades de atuar e intervir na imaginação técnica, científica e principalmente artística dos seres humanos, a partir das mais diversas propostas apresentadas pelos mesmos. Palavras-chave: Psicologia Soviética; Vigotski; Rubinstein CULTURA E GLOBALIZAÇÃO: AS COMPLEXIDADES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Joice Bianca Foschiera de Lima (UEMS/Amambai) Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai) Danilo Ferreira Sebastião (NAAH/S-Amambai) O processo de deslocamento contínuo das estruturas sociais desde o século XVIII levou a identidade anterior, que até então se pretendia plena, a se fracionar. Desta maneira, este trabalho pretende discutir o cenário das estruturas sociais atuais e

14 14 suas próprias estruturas, levando em consideração a contribuição deste para a pluralização das identidades, assim como os aspectos positivos e negativos desta fragmentação.a relevância deste trabalho se dá ao passo que vivemos em uma sociedade complexa, onde interesses individuais entremeiam-se com os desejos coletivos, resultando na formação de estruturas sociais constantemente modificadas. Consequentemente, a identidade acompanha esta instabilidade, fragmentando-se diante do individual e do universal. Atualmente, o distanciamento entre a identidade particular e universal é complexa,sendo que o cenário no qual as identidades se fragmentam é o de uma indústria cultural, que tenta induziros consumidores a se depararem com a suposta universalização das necessidades, descontextualizadas e estandardizadas como um desejo geral, onde podem ser supridas por meio da mesma (ADORNO, 2002).Assim, a discussão a cerca da fragmentação identitária mostra-se relevante enquanto entendimento do cenário atual, que nos atinge constantemente de proveitos e desvantagens, dentro dos qual construímos nosso ser social.esse trabalho terá base um método que visa edificar um diálogo entre autores que tratam a problemática da fragmentação das identidades na pós-modernidade, tendo como fonte o estudo bibliográfico. PROPOSTAS DE INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA NA EDUCAÇÃO: AS CONTRIBUIÇÕES DOS SOVIÉTICOS Alexandre Pito Giannoni (G-UFMS/CPar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar intervenções realizadas em uma escola estadual de Paranaíba-MS e, em um colégio de Jaboticabal-SP em que foi proposto o desenvolvimento da função imaginativa a partir da poesia e da literatura. Como referencial teórico utilizou-se a compreensão dos Soviéticos, em especial E. I. Ignatiev, que apresenta alguns estudos entre imaginação representativa, criativa e ilusões. A imaginação representativa seria responsável por fazer o indivíduo imaginar algo sobre a realidade.por sua vez, a imaginação criativa seria aquela responsável pela criação e objetivação de algo novo, como materiais artísticos ou científicos. E, as ilusões seriam todos os sonhos que os seres humanos desenvolvem ao longo de suas atividades na realidade. A partir destes três conceitos imaginação representativa, criativa e ilusão - criou-se algumas intervenções que seguiam o método do materialismo histórico dialético.descontruiu-sea imaginação dos alunos e se propôs a reconstrução junto com eles durante as atividades. Iniciou-se o trabalho a partir das ilusões criadas pelos alunos, partindo para a imaginação representativa até a proposta de intervenção na imaginação criativa.durante as últimas atividades pediu-se para que os alunos desenvolvessem produções artísticas a partir da criação de poesias. Como resultado deste trabalho, pôde-se observar que durante a desconstrução e reconstrução da imaginação muitas das queixas que as escolas possuíam sobre seus alunos também foram descontruídas e, tais alunos além de desenvolverem sua imaginação artística começaram a fazer isso de forma crítica, a partir das próprias composições poéticas e, se apropriando de conceitos da própria psicologia Soviética. Palavras-chave: Psicologia Histórico-Cultural; Imaginação Representativa; Imaginação Criativa.

15 15 FLORESTAN FERNANDES E O COMPROMISSO POLÍTICO DO SOCIÓLOGO Adriany dos Santos Martiniano Borges (G-UEMS) Fabrício Antonio Deffacci (UEMS) Essa pesquisa bibliográfica serve de subsídio teórico para a investigação do compromisso político que o sociólogo deve assumir a partir da concepção de sociologia formulada por Florestan Fernandes tratando-se do aspecto político, antes de ser um cientista, o sociólogo deve ser compreendido como cidadão, como sujeito histórico que, inserido no mundo, poderá conduzir a sociedade a uma nova condição, destacando a posição do intelectual vinculada ao pensamento crítico, que deve estar apto para a visão dos conflitos visto em cenário de crise social atual. Cabe ao intelectual, portanto, a orientação da mudança social em um estágio de crise generalizada sem intervir, mas por meio de seus conhecimentos formularem uma solução para resolvê-lo. Desse modo a sociologia emerge como sendo fundamental para o processo de mudança social no Brasil onde essa nova formulação torna-se essencial para o pensamento critico isto sendo para uma nova ciência social de caráter emancipatório. Portanto, ciência e sociedade se fundem para que assim o sociólogo possa romper com os fundamentos de uma sociologia parada e corrompida pela dominação de classes, a onde deve surgir a sociologia como ciência tendo em sua essência o compromisso critico. Ao submeter à teoria critica apanha diferentes perspectivas dos grupos e classes que compõem a maioria dos povos Brasileiros, sendo esses índios, negros, imigrantes, escravos e livres, trabalhadores da cidade e do campo, foram as próprias condições sociais, que surgiu as ciências sociais que se viu afrontada com as desigualdades sociais, econômicas, políticas e culturais, diversidades e antagonismos, contradições das sociedades de classes que estavam em expansão. Portanto, a perspectiva critica, esta vinculada ao ensino, a conferencia, ao debate publico, sempre questionando e fazendo com que o real e o pensado seja levado a debate e com isso haja uma nova concepção sociológica. Palavras-chave: Florestan Fernandes, Intelectuais, compromisso político. INTERVENÇÕES COM UM TERCEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA Helen da Costa Toledo Piza (UFMS/Cpar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar as análises de uma atividade realizada em um terceiro ano do ensino fundamental de uma escola estadual do município de Paranaíba-MS. Esta atividade possuiu como finalidade verificar a zona de desenvolvimento real dos alunos. Neste sentido, o que estes conseguem realizar sem a mediação de um adulto ou de uma criança mais velha, tratando-se da criação artística. Possuindo também a investigação de compreender a qualidade e o desenvolvimento que encontrava-se a função imaginativa. Para isto partiu-se de um referencial teórico da psicologia Histórico- Cultural, baseada nas compreensões do psicólogo soviético L. S. Vigotski, também utilizou-se de outros autores da

16 16 psicologia soviética como E. I Ignatiev e I. M. Rozet. A atividade ocorreu primeiramente com a leitura da poesia "A Casa" de Vinicius de Morais, assim, um dos facilitadores da atividade declamou a poesia aos alunos e pediu para que estes realizassem um desenho da casa descrita, por meio de desenhos individuais e coletivo. Obteve-se como resultado uma qualidade imediatista na função imaginativa destes, portanto, a qualidade que estes alunos possuem em sua imaginação vincula-se ainda a características reprodutivas da própria função, não conseguindo ainda objetivar novas criações na realidade. Concluiu-se, queos alunos em sua zona de desenvolvimento real encontram-se executando tarefas relacionados a imaginação reprodutiva, assim, deve-se realizar atividades futuras que possua a mediação de adultos, auxiliando no desenvolvimento criativo da função imaginativa, trabalhando assim, na zona de desenvolvimento proximal dos mesmo. BUSCANDO O ENTENDIMENTO DA POLÍTICA BRASILEIRA Doralice Pereira da Silva (G-UEMS) Fabricio Antônio Deffacci (UEMS) O objetivo deste trabalho é apresentar a atividade desenvolvida com os alunos da Escola Estadual Dom Aquino Correa da Costa na cidade de Amambai/MS. A atividade foi realizada com os alunos do Ensino Médio e seu propósito foi despertar a participação política por meio da construção da consciência cívica. Naquela semana estava acontecendo o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político, o qual se deu entre os dias 01 e 07 de setembro de 2014 e a escola aderiu ao movimento, por isso justifica-se a elaboração desta atividade de forma que, partimos dos esclarecimentos políticos básicos relacionados ao Plebiscito, tendo em vista a Constituição (1988) que é a base do direcionamento estrutural e político do país. Além disso, o desenrolar da atividade apresentou em linhas gerais a realidade da política brasileira, mostrando aos alunos dados de como estão na atualidade as campanhas eleitorais; como são financiadas; quem são os eleitos; por quem somos representados e no que resulta essa forma de política. Partimos dos questionamentos: O que é a Política, qual seu significado e o seu nível de importância? A forma como é aplicada no Brasil, está correta? Tem trazido resultados ou é necessário mudanças? A Democracia existe? Para o desenvolvimento da discussão em sala de aula foi usado o panfleto e a cartilha que esclarece o que é o Plebiscito e sua importância. A elaboração desta atividade também é fundamental para nós acadêmicos de Ciências Sociais e futuros professores de Sociologia, pois temos o compromisso de desenvolver atividades que incentivem os questionamentos da realidade e assim contribuam para formar jovens com posicionamento político e críticos, responsáveis pela luta por ideais que possam transformar uma sociedade. Palavras-chave: Democracia. Política. Corrupção. DIFERENTES TRIBOS URBANAS: UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA EM SALA DE AULA Jonathan Antonio da Silva (UEMS) Rosinei Oliveira da Rosa (UEMS)

17 17 Elizandra Gehrke (UEMS) Nagilla Neves Lemes (UEMS) Este trabalho foi desenvolvido no primeiro ano do ensino médio da Escola Estadual Dom Aquino Corrêa, se justificou em promover uma discussão sobre as diferentes tribos urbanas existentes no Brasil. Inicialmente foi feita uma breve explanação sobre o assunto que forneceu suporte para a discussão, em seguida construíram-se grupos que representaram diferentes tribos da sociedade brasileira para defender a sua visão sobre a temática. O trabalho teve o objetivo de ampliar o conhecimento e a sensibilidade dos alunos abrindo espaço para a discussão em relação às tribos urbanas. Para que as apresentações surtissem efeito, propusemos que os alunos viessem de forma caracterizada de forma a interagirem com os grupos que representam as diversas tribos da sociedade. A apresentação foi marcada com antecedência de forma que os alunos estivessem preparados para apresentar e defender o grupo social que representaria em sala de aula, no qual teriam incumbência de expor diversas questões procurando esclarecer os pontos negativos e positivos desses grupos representados, no sentido de fazer uma reflexão critica e repensar seus conceitos sobre as diferentes tribos urbanas, as apresentações foram amplas e permitiram perceber que houve êxito no proposto. Palavras-chave: Apresentações. Alunos. Tribos urbanas. O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NACIONAL PARA DARCY RIBEIRO Flávia Machado dos Santos (G-UEMS/Paranaíba) João Paulo Aprígio Moreira (UEMS/Paranaíba) Este trabalho busca discutir o papel da educação no desenvolvimento nacional para Darcy Ribeiro. Buscou-se investigar primeiramente em sua biografia e trabalhos como os de Mattos (2009) e Moreira (2010, 2012) sua trajetória no campo educacional. Em seguida, suas principais ideias acerca do desenvolvimento, tais como o nacional-desenvolvimentismo, caminho de desenvolvimento para as nações latino-americanas, onde se inclui o Brasil, buscando o rompimento das relações de dependência histórica as quais estes países estariam submetidos, segundo o autor. No papel de transformação deste quadro de subdesenvolvimento inscrito em sua teoria sobre o tema, a educação se configuraria como um dos principais eixos para o desenvolvimento nacional. É nesse sentido, que a partir de sua atuação no CBPE (Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais) ao lado de Anísio Teixeira, como Ministro da Educação do Governo João Goulart, com suas querelas com Carlos Lacerda, em defesa de uma educação pública que Darcy Ribeiro se envolveu politicamente no tema da Educação. Esta trajetória, além de sua participação na construção dos CIEPs, de várias universidades no Brasil e no mundo, foi coroada com a frente que tomou, a partir de sua atuação no Congresso Nacional como Senador da República, na criação e promulgação da LDB-1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação que vigora até a atualidade, tendo seu nome como homenagem. Palavras-chave: Darcy Ribeiro, Educação, desenvolvimento, biografia.

18 18 A FORMAÇÃO DO MERCADO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PARANAÍBA Ândrea Alves da Silva (G-UEMS/Paranaíba) João Paulo Aprígio Moreira (UEMS/Paranaíba) Esta pesquisa trata da construção social do mercado de educação infantil em Paranaíba, tendo como norte a discussão de campo e mercado de Pierre Bourdieu. Trata-se de uma critica a noção de homo economicus que entende o mercado isolado de seu contexto social. Para tanto, foi feito uma discussão teórica a partir da sociologia econômica de Pierre Bourdieu (2002) e Jardim (2008), bem como pesquisa bibliográfica a partir do levantamento de dados históricos no que diz respeito à educação infantil no Brasil e, por fim, uma pesquisa empírica sobre as escolas que oferecem educação infantil na cidade de Paranaíba, Mato Grosso Sul, para uma explicitação do campo educacional na cidade. Temos como resultados preliminares que a educação infantil em Paranaíba é oferecida pela rede municipal que detém a maioria dos alunos, seguida por instituições filantrópicas, como a Casa da Criança e o Centro de Educação Infantil Lar Teresa Spinelli, além de duas instituições particulares não menos importantes vinculadas a grandes sistemas de ensino como Anglo e Objetivo. A partir disso a pesquisa ainda em andamento busca apresentar as concepções sobre a educação para cada um destes atores que compõem o campo da educação infantil no município de Paranaíba, Mato Grosso do Sul. Palavras-chave: educação infantil, sociologia econômica, Paranaíba. A HERMENÊUTICA COMO LINGUAGEM COMUM DE NOSSO TEMPO Rodrigo Bianchini Cracco (UFMG/ Belo Horizonte/Capes) Na virada do século XX-XXI chama a atenção o relativismo predominante frente aos limites descortinados, de forma irreversível, das metodologias científicas e das filosofias da história consolidadas ao longo do século passado. À passagem da reificação dos modelos explicativos para a pluralidade interpretativa muitos autores dão o nome de crise. Crise do estruturalismo, do marxismo, de inteligibilidade, identidade e práticas das ciências sociais, anarquia epistemológica; enfim, várias crises são identificadas quando a comodidade situacional é perturbada, quando uma descontinuidade assalta a permanência dos modelos teóricos. Uma das saídas possíveis da crise para as ciências que tem o homem como objeto é a hermenêutica. Contudo, é em sua acepção relativista que a hermenêutica é considerada a linguagem universal de nosso tempo. A volta à pauta da retórica concorre e soma com a hermenêutica relativista para caracterizar a crença de que as interpretações são sempre livres, exclusivamente subjetivas e, por isso, não servem para representar referentes reais ou almejar a verdade. Os defensores da perspectiva pós-moderna esquecem-se, porém, que a hermenêutica sempre almejou ser uma doutrina da verdade no campo da interpretação, como afirma Jean Grondin. Buscaremos nessa comunicação, portanto, apresentar a hermenêutica como via possível para o conhecimento nas ciências do homem e alguns resultados positivos de sua prática. Palavras-chave: Hermenêutica. Ciências Sociais. Epistemologia.

19 19 ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS TEORICOS DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MEDIO Mauricio Augusto Freitas Paula de Souza (G-UEMS) Carlos Eduardo França (UEMS) O tema proposto e a disciplina de sociologia no decorrer do ensino médio, trazendo para a sala de aula novas discussões e métodos pedagógicos que antes não se faziam presentes no cenário escolar, é a aplicação de conceitos teóricos dos renomados sociólogos Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber, introduzindo as novas tecnologias como ferramenta de aprendizagem. O objetivo e quebrar o paradigma de que se tem uma sociologia difusa e complexa, com a finalidade de produzir uma consciência sobre a realidade, antes não observada. O tópico central do plano de aula é a apresentação sobre a diferente visão dos diferentes teóricos com o tema o trabalho, visto que o tema é muito abrangente, e bem trabalhado abre um leque de discussões como a formação e a importância das instituições sociais, movimentos sociais, conflitos sociais, globalização, dominação cultural, etc. Observando a aplicação do conteúdo de forma organizada, e que se faça uma relação sequencial. A metodologia será focada na interação de novas tecnologias, possibilitando aos alunos fazerem o uso de forma consciente, pesquisando em seus celulares, notebooks, tablets. Trazendo essas inovações como atrativo, tornando as aulas mais dinâmicas, interativas e produtivas. Contando com o uso de aulas áudios-visuais, com apresentações de trabalhos, debates, resolução de exercícios, pesquisa de campo. Trabalhando não somente com os livros didáticos, mas utilizando poemas, letras de musica, exibição de filmes, visita orientada as instituições sociais. Com método avaliativo, em formato de provas escrita e oral, participação nas aulas, apresentação de trabalhos individuais ou em grupo. Com a expectativa de se obter o resultado de um ensino-aprendizagem, e o fortalecimento da sociologia no âmbito social-escolar. Palavras-chave: Sociólogos, Trabalhado, Ensino-aprendizagem. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O PROCESSO DE REGULARIZAÇÃO/DISCIPLINARIZAÇÃO COMO NORMALIZADOR DO ANORMAL Nathália Sayuri Yamada (PG-UEMS) Carlos Eduardo França (G-UEMS) A Educação Especial é sem dúvidas um grande desafio para a Educação Brasileira. Uma vasta literatura tem sido produzida a este respeito que, de forma sedutora, muitas vezes põe em condições nebulosas as finalidades políticas/sociais e econômicas da Educação em relação às pessoas com deficiência. Nesse sentido, nosso objetivo foi percorrer sobre o poder social exercido nas instituições educacionais como estratégia utilizada para controlar e disciplinar os corpos, considerando este processo como constituído de mecanismos eficientes utilizados para melhor incidência do poder sobre o corpo. O presente trabalho discute as estratégias de normalização aplicadas aos considerados anormais, sob a ótica do Filósofo Michael Foucault (1987, 2005, 2010), considerando as práticas do poder

20 20 disciplinar inerentes as Instituições e os discursos defendidos como verdades na Modernidade em relação ao anormal, nesta perspectiva, tem por objetivo também, refletir sobre os paradigmas educacionais da educação inclusiva proposto por Aranha (2005). Cumpre assim pensarmos os regimes de verdade que configuram o modo como pensamos e agimos e que ainda se configura em práticas de segregação, excluindo sistematicamente todos os diferentes. Não podemos negar que as formas de tratar as pessoas com deficiência mudou, tendo por base as políticas de exclusão das minorias, é certamente um avanço em prol das pessoas historicamente excluídas e marginalizadas, porém ainda há muito em se refletir sobre como as instituições escolares estão se organizando para dar conta das diversidades, sob tudo, garantindo qualidade de ensino. Palavras-chave: Educação Especial. Michael Foucault. Deficiência. REPRESENTAÇÃO POLÍTICA: UMA ANÁLISE NOS PROJETOS DE LEI NA CÂMARA MUNICIPAL DE PARANÍBA MS ( ) Jéssica Patrícia Ferreira da Silva (G-UEMS/Paranaíba) Patrícia Benedita Aparecida Braga (UEMS/ Paranaíba) O presente trabalho têm por foco a análise da Representação Política no município de Paranaíba, Mato Grosso do Sul, em relação aos projetos de leis que foram desenvolvidos pelo Legislativo da Câmara Municipal. Com o objetivo de refletir sobre a atuação do legislativo em Paranaíba - MS, busca-se averiguar a existência de uma representação política democrática efetiva por parte dos vereadores selecionados como amostra. Por meio de uma pesquisa empírica, fundamentada nos apontamentos teóricos sobre representação de Manin (1999), Pitkin (2006), entre outros, busca-se problematizar o ideal representativo democrático e o comportamento legislativo, via dados contidos nos projetos de lei. O universo amostral selecionado foi o corpo de vereadores mais reeleitos no período de 1988 a Logo, a indagação fundamentou-se no seguinte questionamento: será que os representantes reeleitos representam a população paranaibense? E como conclusão parcial, constata-se até o presente momento, de que os representantes políticos (vereadores reeleitos) não estão representando os quereres da população paranaibense em termos de efetividade democrática e isto fica evidente nos projetos de lei cunhados pelos próprios. Palavra-chave: Representação Política; Representatividade; Representação democrática efetiva. DESGRAÇADO SEXO QUE NÃO SE PODE CONFIAR: A MISOGINIA MEDIEVAL NO LAI HOMEM-LOBO Ligia Cristina Carvalho (UNESP, UEMS/Cassilândia) Os Laisde Maria de França, escritos literários que abordam o amor cortês, foram produzidos durante a Idade Média Central (XI-XIII), mais precisamente na segunda metade do século XII.Propomos nesta comunicação apresentar uma breve análise de um dos Lais, o lai Home-Lobo, a partir de uma perspectiva bakhtiniana. Mikhail

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL Universidade Federal de Santa Maria I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 e 21 de outubro de 2015 A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A REORGANIZAÇÃO DE CICLOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: UM ESTUDO SOBRE A NOVA PROPOSTA E SEUS IMPACTOS INICIAIS

A REORGANIZAÇÃO DE CICLOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: UM ESTUDO SOBRE A NOVA PROPOSTA E SEUS IMPACTOS INICIAIS A REORGANIZAÇÃO DE CICLOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: UM ESTUDO SOBRE A NOVA PROPOSTA E SEUS IMPACTOS INICIAIS Resumo Jéssica Martins Mantovan 1 - UMESP Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e

Leia mais