V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba"

Transcrição

1 V Ciclo de debates em Ciências Sociais I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (UEMS) REITOR Fábio Edir dos Santos Costa VICE-REITORA Eleuza Ferreira Lima ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL André Giulliano Mazini PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO Jelly Makoto Nakagaki PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL Adriana Rochas de Carvalho Fruguli Moreira PRÓ-REITORA DE ENSINO Silvane Aparecida de Freitas PRÓ-REITOR DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Carla Villamaina Centeno PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS Edmilson de Souza DIAGRAMAÇÃO Júnior Tomaz de Souza Catalogação na fonte: Biblioteca da Unidade Universitária de Paranaíba - UEMS Ciclo de Debates em Ciências Sociais (5. : 2014: Paranaíba, MS) Programação Geral e Caderno de Resumos/ V Ciclo de Debates em Ciências Sociais e I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaiba; Coordenação de Carlos Eduardo França. - Paranaíba, MS: UEMS, p. Anual ISSN Tema: Ciências Sociais em perspectiva: debates sobre os movimentos sociais contemporâneos 1. Ciclo de Debates Ciências Sociais I. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. II. França, Carlos Eduardo. III. Título. CDD 300 Catalogação na Publicação: Bibliotecária: Susy dos Santos Pereira - CRB1ª/1783

3 O V Ciclo de debates em Ciências Sociais. I Semana de Ciências Sociais da UEMS - Paranaíba. intitulado Ciências Sociais em perspectiva: debates sobre os movimentos sociais contemporâneos tem como objetivo promover debates e reflexões sobre as perspectivas contemporâneas das Ciências Sociais, além de incentivar os discentes a apresentarem os resultados de suas pesquisas acadêmicas nos grupos de trabalho do evento. A semana contará com palestras de intelectuais de renomadas instituições de ensino superior, com minicurso, oficinas culturais de MC e DJ, e diversas atividades de encerramento na forma de SARAU. A proposta do evento é envolver tanto a comunidade acadêmica da UEMS, como a população local, na tentativa de promover debates e a divulgação das atividades do curso de Ciências Sociais junto aos estudantes do Ensino Médio das escolas de Paranaíba, dos movimentos sociais locais e grupos identitários de capoeira, hip hop, bem como pessoas situadas em territórios periféricos que não possuem conhecimento dos trabalhos realizados pelo curso e como ingressar na Universidade. Enfim, o evento permitirá a aproximação entre o curso de Ciências Sociais com a população local por meio de discussões sobre os movimentos sociais contemporâneos. Comissão Organizadora e Científica

4 COMISSÃO ORGANIZADORA Prof. Dr. Carlos Eduardo França (coordenador do evento) Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Me. Alexandre de Castro Prof. Me. Bruno de Oliveira Ribeiro Prof. Me. João Paulo Aprígio Moreira Prof. Dr. José Antônio de Souza Profa. Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Prof. Me. Sinomar Ferreira do Rio COMITÊ CIENTÍFICO Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Me. Alexandre de Castro Prof. Me. Bruno de Oliveira Ribeiro Prof. Dr. Carlos Eduardo França Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Prof. Me. João Paulo Aprígio Moreira Prof. Dr. José Antônio de Souza Profa. Dra. Lucélia Tavares Guimarães Prof. Me. Michael Daniel Bomm Profa. Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Prof. Me. Sinomar Ferreira do Rio

5 GT 01 A interface entre ciência e arte, ambiente e política Prof.ª Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga Profa. Me. Maria Raquel da Cruz Duran GT 02 Questões raciais, classe e gênero Prof. Me. Alexandre de Castro GT 03 Ensino de Sociologia e experiências do PIBID Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Dr. Carlos Eduardo França Minicurso 01: MPB: música, resistência e memória Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Minicurso 02: Consciência negra para quem? Os desafios da luta antirracista na educação Prof.ª Me Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai)

6 10/11/2014 8h às 9h Local: Pátio da UEMS Credenciamento Grupos de trabalhos 9h às 11h Local: Sala 7 GT 01 A interface entre ciência e arte, ambiente e política Prof.ª Me. Patrícia Benedita Aparecida Braga e Profa. Me. Maria Raquel da Cruz Duran 9h às 11h Local: Sala 8 GT 02 Questões raciais, classe e gênero Prof. Me. Alexandre de Castro. 13h às 17h Local: Sala 9 GT 03 Ensino de Sociologia e experiências do PIBID Prof. Me. Ailton de Souza Prof. Dr. Carlos Eduardo França. 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: "Democracia e Conservadorismo" Prof. Dr. Claudio Reis (UFGD) 11/10/2014 8h às 12h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Minicurso 01: MPB: música, resistência e memória Prof. Dr. Djalma Querino de Carvalho Minicurso 02: Consciência negra para quem? Os desafios da luta antirracista na educação Local: Sala 09 UEMS Prof.ª Me Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai) 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Movimento negro: da luta nas ruas à luta nas universidades - uma mesma alameda? Prof. Dr. Dagoberto José Fonseca (UNESP/Araraquara)

7 12/11/2014 8h às 11h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Oficina de DJcom a DJ Vivian Marques de São Paulo Capital 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Os atores intermediários na saúde: Refletindo sobre o papel das organizações sociais e sua relação com o Estado Prof. Dr. Julio Cesar Donadone (UFSCar) 13/11/2014 8h às 11h e das 13h as 17h Local: Anfiteatro da UEMS Oficina de MCcom a DJ-MC Luana Hansen e o MC Hahsaan de São Paulo - Capital. 19h Local: Anfiteatro da UEMS Palestra: Territorializacao do capital e as resistências no campo em Mato Grosso do Sul Prof. Dr. Sedeval Nardoque (UFMS/Três Lagoas) 22h Local: Espelho d água em frente à UEMS SARAU (apresentações culturais e culturais) com DJ Vivian Marques, DJ-MC Luana Hansen e o MC Hahsaan de São Paulo - Capital.

8 GT 01 TRABALHO ETNOGRÁFICO: UMA AVENIDA QUE REVELA O CENÁRIO POLITICO DE UMA SOCIEDADE BIBLIOGRAFIA SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO DO SUL: ESTUDO PRELIMINAR DE VIGOTSKI A RUBINSTEIN: UMA COMPREENSÃO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA A PARTIR DE PESQUISAS DOS PSICÓLOGOS SOVIÉTICOS CULTURA E GLOBALIZAÇÃO: AS COMPLEXIDADES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA PROPOSTAS DE INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA NA EDUCAÇÃO: AS CONTRIBUIÇÕES DOS SOVIÉTICOS FLORESTAN FERNANDES E O COMPROMISSO POLÍTICO DO SOCIÓLOGO INTERVENÇÕES COM UM TERCEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA BUSCANDO O ENTENDIMENTO DA POLÍTICA BRASILEIRA DIFERENTES TRIBOS URBANAS: UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA EM SALA DE AULA O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NACIONAL PARA DARCY RIBEIRO... 17

9 A FORMAÇÃO DO MERCADO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PARANAÍBA.. 18 A HERMENÊUTICA COMO LINGUAGEM COMUM DE NOSSO TEMPO ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS TEORICOS DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MEDIO EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O PROCESSO DE REGULARIZAÇÃO/DISCIPLINARIZAÇÃO COMO NORMALIZADOR DO ANORMAL REPRESENTAÇÃO POLÍTICA: UMA ANÁLISE NOS PROJETOS DE LEI NA CÂMARA MUNICIPAL DE PARANÍBA MS ( ) GT 02 DESGRAÇADO SEXO QUE NÃO SE PODE CONFIAR: A MISOGINIA MEDIEVAL NO LAI HOMEM-LOBO GÊNERO E DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR MOVIMENTOS SOCIAIS: UMA POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE DA MULHER NEGRA NO BRASIL? DA CONTRAVENÇÃO AO CRIME DE RACISMO: A EFICÁCIA DA IMPUNIDADE TEORIAS RACIAIS E O DISCURSO DE BRANQUEAMENTO EM REDES SOCIAIS: PÁGINA ORGULHO SER BRANCO... 23

10 DIREITOS HUMANOS NO COMBATE AO RACISMO: LEI 7.716/89, INCLUSÃO E O AMPARO AO NEGRO BRASILEIRO NA ATUALIDADE A TAL MINEIRA DEMOLIDORA DE MITOS: CLARA NUNES, MÚSICA POPULAR EA DESCOBERTA DA ÁFRICA NO BRASIL DOS ANOS RACISMO AMBIENTAL NA CIDADE DE PARANAÍBA: UM ESTUDO SOBRE A REPORTAGEM BAIRRO DE POBRE É ATERRADO COM LIXO A ATUAÇÃO DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS NA UNIVERSIDADE PARA ALÉM DE UMA FUNÇÃO OPERACIONAL: POSSIBILIDADES, DESAFIOS E LIMITES GT 03 INTERDISCIPLINARIDADE, INTERCULTURALIDADE E FORMAÇÃO DOCENTE IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE MOVIMENTO NEGRO NO BRASIL E A PERSPECTIVA DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DE PARANAÍBA/MS POLÍTICAS DE REDUÇÃO DE DANOS OU COMBATE ÀS DROGAS? COMO ANDA A DISCUSSÃO SOBRE A QUESTÃO DAS DROGAS NA ESCOLA, UMA PROBLEMATIZAÇÃO À LUZ DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID A COMPREENSSÃO DA IDEOLOGIA RELIGIOSA NO AMBIENTE ESCOLAR RELATOS DE EXPERIÊNCIA: APLICAÇÃO DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO... 29

11 PIBID E O ENSINO DE SOCIOLOGIA A PARTIR DA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DOS ALUNOS DO ENSINO MEDIO DE UMA ESCOLA DE PARANAÍBA/MS AS NOVAS TECNOLOGIAS E OS MOVIMENTOS SOCIAIS UMA ANÁLISE SOCIOLÓGICA DA LITERATURA NO LIVRO DIDÁTICO: ASPECTOS HISTÓRICO- SOCIAIS ABORDADOS NO PRÉ-MODERNISMO BRASILEIRO O RELATO DA VIVÊNCIA COMO BOLSISTA DO PIBID: O DESINTERESSE DO ALUNO NA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA OS IMPACTOS DA REORGANIZAÇÃO DO TRABALHO: RELATO DA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA EM UMA INDÚSTRIA DE CALÇADOS DA CIDADE DE PARANAÍBA/MS A EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA E O PIBID... 32

12 12 TRABALHO ETNOGRÁFICO: UMA AVENIDA QUE REVELA O CENÁRIO POLITICO DE UMA SOCIEDADE Marta Soares Ferreira O presente ensaio se dá a partir de uma atividade etnográfico de observação realizada in loco quando estava no horário de trabalho, durante duas noites de sábado, em um mesmo bar, noites de maior movimento, e também a partir de outras noites quando fiquei simplesmente a observar e ouvindo o que as pessoas falavam. Outros dados coletados em conversações com alguns amigos, que frequentam assiduamente o ambiente de diversão noturna. Neste trabalho é usado o método da obrado autor Roberto Cardoso de Oliveira (1996), um trabalho que exige o exercício do olhar, ouvir e escrever, este foi um trabalho de etnografia á disciplina de antropologia no primeiro ano do curso de ciências sociais. Trata-se de ressaltar as atividades noturnas que ocorrem na Avenida Pedro Manvailler, tendo como ênfase dois quarteirões que são os mais movimentados. Este ensaio teve como objetivo ressaltar como a juventude se relacionava e como se divertia de forma peculiar, em um espaço público, uma espécie de atividade determinante, a não ser as pessoas que chegam de outro lugar, as que estão entrando na juventude em um período tão contemporâneo, que por outro lado a mais de 15 anos não se inova o modo de diversão, não se aprecia outras atividades, como teatros, sarau cultural, espaços alternativos, o que parece uma problemática pela falta de opção de eventos culturais diferenciados, mas ainda que se tenha uma eventualidade em outro local, não atinge a maioria daqueles grupos que ali frequentam. Os questionamentos dos que chegam na cidade e perpassa por uma experiência de estranhamento com a aquele contexto, sugerem se isto não é influencia do contexto político da potencia do capital do latifúndio e do agronegócio. Pretende-se neste trabalho pensar em uma antropologia urbana, referindo se ao contexto social, de ostentação, que faz uma sociedade mesmo interiorana a ter experiência pessoal bem peculiar, escolhas de estilos de musicas reproduzidas pela mídia formando uma mentalidade excludente, sob uma perspectiva de uma sociedade que se submete a uma situação de controle, assolada pelo cenário político, individualista mesmo com um contexto histórico de diversidades, de grupos étnicos na cidade de Amambai. Portanto em somente dois quarteirões de uma única avenida da cidade, pode-se fazer um trabalho etnográfico que mostre as relações de poder mensurado em um contexto político. BIBLIOGRAFIA SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO DO SUL: ESTUDO PRELIMINAR Gislaine Pereira dos Santos (G-UEMS/Paranaíba) Estela Natalina Mantovani Bertoletti (UEMS/Paranaíba) Este trabalho compõe a bibliografia sobre alfabetização em Mato Grosso do Sul. Objetiva-se, neste estudo, contribuir para estudos e pesquisas sobre alfabetização a partir de dados sobre o estado. Nossos objetivos específicos são: realizar levantamento da bibliografia sobre alfabetização produzida em Mato Grosso do Sul; analisar a bibliografia sobre alfabetização produzida no estado e subsidiar pesquisas correlatas. A temática e o método vinculam-se a uma pesquisa bibliográfica e de levantamento documental, nos cursos de Mestrado e Doutorado de Programas de Pós-Graduação em Educação e Letras, partindo da hipótese de

13 13 que não há nenhuma pesquisa sobre alfabetização nesse sentido voltada para o Mato Grosso do Sul, questiona-se: qual a bibliografia sobre alfabetização produzida neste estado? Especificamente, realizamos o levantamento e analisamos da bibliografia sobre alfabetização produzida no Estado e subsidiar pesquisas correlatas. Neste levantamento, foram localizadas 23 publicações, sendo que o programa em Letras da UFGD desenvolveu uma dissertação e os de Educação, 21 dissertações e uma teses com temas diversificados. As produções no estado ainda são recentes e poucas, podendo ser considerada insuficiente. DE VIGOTSKI A RUBINSTEIN: UMA COMPREENSÃO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA A PARTIR DE PESQUISAS DOS PSICÓLOGOS SOVIÉTICOS Alexandre Pito Giannoni (G-UFMS/CPar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar a compreensão da função imaginativa entre os psicólogos Soviéticos e seus diversos grupos de pesquisa, diferenciando algumas de suas compreensões entre esta função psicológica superior. Para isto utilizam-se como referencial teórico os trabalhos de L. S. Vigotski, E. I. Ignatiev, I. M. Rozet, A.R.Luria, V. Mukhina e S. L. Rubinstein. Tais autores, embora preocupados com o desenvolvimento de um novo ser humano e, pesquisando ainda sobre um regime socialista possuem grandes divergências ao explicar o desenvolvimento da imaginação e suas particularidades na personalidade dos seres humanos. Porém, todos partem de um ponto principal e semelhante, sendo este, a própria realidade objetiva. Todos os recursos utilizados pela atividade criativa - técnica, científica ou artística - são retirados da própria realidade, neste sentido, todos chegam a uma mesma conclusão de que as mais diversas criações humanas não surgem do nada. Ainda nestas compreensões pode-se observar que as escolas que pertencem tais Soviéticos influenciam em suas pesquisas, encontrando várias semelhanças entre Vigotski, Luria e Mukhina. Tratando-se da escola de Rubinstein várias são as divergências com seus seguidores como o próprio Ignatiev que desconsidera totalmente a intuição como um processo de criação e, Rozet que apresenta a imaginação como uma função muito pobre e em certas ocasiões, reduzida a uma qualidade do pensamento. Como conclusão deste trabalho encontra-se nos Soviéticos, possibilidades de atuar e intervir na imaginação técnica, científica e principalmente artística dos seres humanos, a partir das mais diversas propostas apresentadas pelos mesmos. Palavras-chave: Psicologia Soviética; Vigotski; Rubinstein CULTURA E GLOBALIZAÇÃO: AS COMPLEXIDADES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Joice Bianca Foschiera de Lima (UEMS/Amambai) Monique Francielle Castilho Vargas (UEMS/Amambai) Danilo Ferreira Sebastião (NAAH/S-Amambai) O processo de deslocamento contínuo das estruturas sociais desde o século XVIII levou a identidade anterior, que até então se pretendia plena, a se fracionar. Desta maneira, este trabalho pretende discutir o cenário das estruturas sociais atuais e

14 14 suas próprias estruturas, levando em consideração a contribuição deste para a pluralização das identidades, assim como os aspectos positivos e negativos desta fragmentação.a relevância deste trabalho se dá ao passo que vivemos em uma sociedade complexa, onde interesses individuais entremeiam-se com os desejos coletivos, resultando na formação de estruturas sociais constantemente modificadas. Consequentemente, a identidade acompanha esta instabilidade, fragmentando-se diante do individual e do universal. Atualmente, o distanciamento entre a identidade particular e universal é complexa,sendo que o cenário no qual as identidades se fragmentam é o de uma indústria cultural, que tenta induziros consumidores a se depararem com a suposta universalização das necessidades, descontextualizadas e estandardizadas como um desejo geral, onde podem ser supridas por meio da mesma (ADORNO, 2002).Assim, a discussão a cerca da fragmentação identitária mostra-se relevante enquanto entendimento do cenário atual, que nos atinge constantemente de proveitos e desvantagens, dentro dos qual construímos nosso ser social.esse trabalho terá base um método que visa edificar um diálogo entre autores que tratam a problemática da fragmentação das identidades na pós-modernidade, tendo como fonte o estudo bibliográfico. PROPOSTAS DE INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA NA EDUCAÇÃO: AS CONTRIBUIÇÕES DOS SOVIÉTICOS Alexandre Pito Giannoni (G-UFMS/CPar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar intervenções realizadas em uma escola estadual de Paranaíba-MS e, em um colégio de Jaboticabal-SP em que foi proposto o desenvolvimento da função imaginativa a partir da poesia e da literatura. Como referencial teórico utilizou-se a compreensão dos Soviéticos, em especial E. I. Ignatiev, que apresenta alguns estudos entre imaginação representativa, criativa e ilusões. A imaginação representativa seria responsável por fazer o indivíduo imaginar algo sobre a realidade.por sua vez, a imaginação criativa seria aquela responsável pela criação e objetivação de algo novo, como materiais artísticos ou científicos. E, as ilusões seriam todos os sonhos que os seres humanos desenvolvem ao longo de suas atividades na realidade. A partir destes três conceitos imaginação representativa, criativa e ilusão - criou-se algumas intervenções que seguiam o método do materialismo histórico dialético.descontruiu-sea imaginação dos alunos e se propôs a reconstrução junto com eles durante as atividades. Iniciou-se o trabalho a partir das ilusões criadas pelos alunos, partindo para a imaginação representativa até a proposta de intervenção na imaginação criativa.durante as últimas atividades pediu-se para que os alunos desenvolvessem produções artísticas a partir da criação de poesias. Como resultado deste trabalho, pôde-se observar que durante a desconstrução e reconstrução da imaginação muitas das queixas que as escolas possuíam sobre seus alunos também foram descontruídas e, tais alunos além de desenvolverem sua imaginação artística começaram a fazer isso de forma crítica, a partir das próprias composições poéticas e, se apropriando de conceitos da própria psicologia Soviética. Palavras-chave: Psicologia Histórico-Cultural; Imaginação Representativa; Imaginação Criativa.

15 15 FLORESTAN FERNANDES E O COMPROMISSO POLÍTICO DO SOCIÓLOGO Adriany dos Santos Martiniano Borges (G-UEMS) Fabrício Antonio Deffacci (UEMS) Essa pesquisa bibliográfica serve de subsídio teórico para a investigação do compromisso político que o sociólogo deve assumir a partir da concepção de sociologia formulada por Florestan Fernandes tratando-se do aspecto político, antes de ser um cientista, o sociólogo deve ser compreendido como cidadão, como sujeito histórico que, inserido no mundo, poderá conduzir a sociedade a uma nova condição, destacando a posição do intelectual vinculada ao pensamento crítico, que deve estar apto para a visão dos conflitos visto em cenário de crise social atual. Cabe ao intelectual, portanto, a orientação da mudança social em um estágio de crise generalizada sem intervir, mas por meio de seus conhecimentos formularem uma solução para resolvê-lo. Desse modo a sociologia emerge como sendo fundamental para o processo de mudança social no Brasil onde essa nova formulação torna-se essencial para o pensamento critico isto sendo para uma nova ciência social de caráter emancipatório. Portanto, ciência e sociedade se fundem para que assim o sociólogo possa romper com os fundamentos de uma sociologia parada e corrompida pela dominação de classes, a onde deve surgir a sociologia como ciência tendo em sua essência o compromisso critico. Ao submeter à teoria critica apanha diferentes perspectivas dos grupos e classes que compõem a maioria dos povos Brasileiros, sendo esses índios, negros, imigrantes, escravos e livres, trabalhadores da cidade e do campo, foram as próprias condições sociais, que surgiu as ciências sociais que se viu afrontada com as desigualdades sociais, econômicas, políticas e culturais, diversidades e antagonismos, contradições das sociedades de classes que estavam em expansão. Portanto, a perspectiva critica, esta vinculada ao ensino, a conferencia, ao debate publico, sempre questionando e fazendo com que o real e o pensado seja levado a debate e com isso haja uma nova concepção sociológica. Palavras-chave: Florestan Fernandes, Intelectuais, compromisso político. INTERVENÇÕES COM UM TERCEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O DESENVOLVIMENTO DA FUNÇÃO IMAGINATIVA Helen da Costa Toledo Piza (UFMS/Cpar) Jassonia Lima Vasconcelos Paccini (UFMS/CPar) Este trabalho possui como objetivo apresentar as análises de uma atividade realizada em um terceiro ano do ensino fundamental de uma escola estadual do município de Paranaíba-MS. Esta atividade possuiu como finalidade verificar a zona de desenvolvimento real dos alunos. Neste sentido, o que estes conseguem realizar sem a mediação de um adulto ou de uma criança mais velha, tratando-se da criação artística. Possuindo também a investigação de compreender a qualidade e o desenvolvimento que encontrava-se a função imaginativa. Para isto partiu-se de um referencial teórico da psicologia Histórico- Cultural, baseada nas compreensões do psicólogo soviético L. S. Vigotski, também utilizou-se de outros autores da

16 16 psicologia soviética como E. I Ignatiev e I. M. Rozet. A atividade ocorreu primeiramente com a leitura da poesia "A Casa" de Vinicius de Morais, assim, um dos facilitadores da atividade declamou a poesia aos alunos e pediu para que estes realizassem um desenho da casa descrita, por meio de desenhos individuais e coletivo. Obteve-se como resultado uma qualidade imediatista na função imaginativa destes, portanto, a qualidade que estes alunos possuem em sua imaginação vincula-se ainda a características reprodutivas da própria função, não conseguindo ainda objetivar novas criações na realidade. Concluiu-se, queos alunos em sua zona de desenvolvimento real encontram-se executando tarefas relacionados a imaginação reprodutiva, assim, deve-se realizar atividades futuras que possua a mediação de adultos, auxiliando no desenvolvimento criativo da função imaginativa, trabalhando assim, na zona de desenvolvimento proximal dos mesmo. BUSCANDO O ENTENDIMENTO DA POLÍTICA BRASILEIRA Doralice Pereira da Silva (G-UEMS) Fabricio Antônio Deffacci (UEMS) O objetivo deste trabalho é apresentar a atividade desenvolvida com os alunos da Escola Estadual Dom Aquino Correa da Costa na cidade de Amambai/MS. A atividade foi realizada com os alunos do Ensino Médio e seu propósito foi despertar a participação política por meio da construção da consciência cívica. Naquela semana estava acontecendo o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva Soberana do Sistema Político, o qual se deu entre os dias 01 e 07 de setembro de 2014 e a escola aderiu ao movimento, por isso justifica-se a elaboração desta atividade de forma que, partimos dos esclarecimentos políticos básicos relacionados ao Plebiscito, tendo em vista a Constituição (1988) que é a base do direcionamento estrutural e político do país. Além disso, o desenrolar da atividade apresentou em linhas gerais a realidade da política brasileira, mostrando aos alunos dados de como estão na atualidade as campanhas eleitorais; como são financiadas; quem são os eleitos; por quem somos representados e no que resulta essa forma de política. Partimos dos questionamentos: O que é a Política, qual seu significado e o seu nível de importância? A forma como é aplicada no Brasil, está correta? Tem trazido resultados ou é necessário mudanças? A Democracia existe? Para o desenvolvimento da discussão em sala de aula foi usado o panfleto e a cartilha que esclarece o que é o Plebiscito e sua importância. A elaboração desta atividade também é fundamental para nós acadêmicos de Ciências Sociais e futuros professores de Sociologia, pois temos o compromisso de desenvolver atividades que incentivem os questionamentos da realidade e assim contribuam para formar jovens com posicionamento político e críticos, responsáveis pela luta por ideais que possam transformar uma sociedade. Palavras-chave: Democracia. Política. Corrupção. DIFERENTES TRIBOS URBANAS: UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA EM SALA DE AULA Jonathan Antonio da Silva (UEMS) Rosinei Oliveira da Rosa (UEMS)

17 17 Elizandra Gehrke (UEMS) Nagilla Neves Lemes (UEMS) Este trabalho foi desenvolvido no primeiro ano do ensino médio da Escola Estadual Dom Aquino Corrêa, se justificou em promover uma discussão sobre as diferentes tribos urbanas existentes no Brasil. Inicialmente foi feita uma breve explanação sobre o assunto que forneceu suporte para a discussão, em seguida construíram-se grupos que representaram diferentes tribos da sociedade brasileira para defender a sua visão sobre a temática. O trabalho teve o objetivo de ampliar o conhecimento e a sensibilidade dos alunos abrindo espaço para a discussão em relação às tribos urbanas. Para que as apresentações surtissem efeito, propusemos que os alunos viessem de forma caracterizada de forma a interagirem com os grupos que representam as diversas tribos da sociedade. A apresentação foi marcada com antecedência de forma que os alunos estivessem preparados para apresentar e defender o grupo social que representaria em sala de aula, no qual teriam incumbência de expor diversas questões procurando esclarecer os pontos negativos e positivos desses grupos representados, no sentido de fazer uma reflexão critica e repensar seus conceitos sobre as diferentes tribos urbanas, as apresentações foram amplas e permitiram perceber que houve êxito no proposto. Palavras-chave: Apresentações. Alunos. Tribos urbanas. O PAPEL DA EDUCAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NACIONAL PARA DARCY RIBEIRO Flávia Machado dos Santos (G-UEMS/Paranaíba) João Paulo Aprígio Moreira (UEMS/Paranaíba) Este trabalho busca discutir o papel da educação no desenvolvimento nacional para Darcy Ribeiro. Buscou-se investigar primeiramente em sua biografia e trabalhos como os de Mattos (2009) e Moreira (2010, 2012) sua trajetória no campo educacional. Em seguida, suas principais ideias acerca do desenvolvimento, tais como o nacional-desenvolvimentismo, caminho de desenvolvimento para as nações latino-americanas, onde se inclui o Brasil, buscando o rompimento das relações de dependência histórica as quais estes países estariam submetidos, segundo o autor. No papel de transformação deste quadro de subdesenvolvimento inscrito em sua teoria sobre o tema, a educação se configuraria como um dos principais eixos para o desenvolvimento nacional. É nesse sentido, que a partir de sua atuação no CBPE (Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais) ao lado de Anísio Teixeira, como Ministro da Educação do Governo João Goulart, com suas querelas com Carlos Lacerda, em defesa de uma educação pública que Darcy Ribeiro se envolveu politicamente no tema da Educação. Esta trajetória, além de sua participação na construção dos CIEPs, de várias universidades no Brasil e no mundo, foi coroada com a frente que tomou, a partir de sua atuação no Congresso Nacional como Senador da República, na criação e promulgação da LDB-1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação que vigora até a atualidade, tendo seu nome como homenagem. Palavras-chave: Darcy Ribeiro, Educação, desenvolvimento, biografia.

18 18 A FORMAÇÃO DO MERCADO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PARANAÍBA Ândrea Alves da Silva (G-UEMS/Paranaíba) João Paulo Aprígio Moreira (UEMS/Paranaíba) Esta pesquisa trata da construção social do mercado de educação infantil em Paranaíba, tendo como norte a discussão de campo e mercado de Pierre Bourdieu. Trata-se de uma critica a noção de homo economicus que entende o mercado isolado de seu contexto social. Para tanto, foi feito uma discussão teórica a partir da sociologia econômica de Pierre Bourdieu (2002) e Jardim (2008), bem como pesquisa bibliográfica a partir do levantamento de dados históricos no que diz respeito à educação infantil no Brasil e, por fim, uma pesquisa empírica sobre as escolas que oferecem educação infantil na cidade de Paranaíba, Mato Grosso Sul, para uma explicitação do campo educacional na cidade. Temos como resultados preliminares que a educação infantil em Paranaíba é oferecida pela rede municipal que detém a maioria dos alunos, seguida por instituições filantrópicas, como a Casa da Criança e o Centro de Educação Infantil Lar Teresa Spinelli, além de duas instituições particulares não menos importantes vinculadas a grandes sistemas de ensino como Anglo e Objetivo. A partir disso a pesquisa ainda em andamento busca apresentar as concepções sobre a educação para cada um destes atores que compõem o campo da educação infantil no município de Paranaíba, Mato Grosso do Sul. Palavras-chave: educação infantil, sociologia econômica, Paranaíba. A HERMENÊUTICA COMO LINGUAGEM COMUM DE NOSSO TEMPO Rodrigo Bianchini Cracco (UFMG/ Belo Horizonte/Capes) Na virada do século XX-XXI chama a atenção o relativismo predominante frente aos limites descortinados, de forma irreversível, das metodologias científicas e das filosofias da história consolidadas ao longo do século passado. À passagem da reificação dos modelos explicativos para a pluralidade interpretativa muitos autores dão o nome de crise. Crise do estruturalismo, do marxismo, de inteligibilidade, identidade e práticas das ciências sociais, anarquia epistemológica; enfim, várias crises são identificadas quando a comodidade situacional é perturbada, quando uma descontinuidade assalta a permanência dos modelos teóricos. Uma das saídas possíveis da crise para as ciências que tem o homem como objeto é a hermenêutica. Contudo, é em sua acepção relativista que a hermenêutica é considerada a linguagem universal de nosso tempo. A volta à pauta da retórica concorre e soma com a hermenêutica relativista para caracterizar a crença de que as interpretações são sempre livres, exclusivamente subjetivas e, por isso, não servem para representar referentes reais ou almejar a verdade. Os defensores da perspectiva pós-moderna esquecem-se, porém, que a hermenêutica sempre almejou ser uma doutrina da verdade no campo da interpretação, como afirma Jean Grondin. Buscaremos nessa comunicação, portanto, apresentar a hermenêutica como via possível para o conhecimento nas ciências do homem e alguns resultados positivos de sua prática. Palavras-chave: Hermenêutica. Ciências Sociais. Epistemologia.

19 19 ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS TEORICOS DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MEDIO Mauricio Augusto Freitas Paula de Souza (G-UEMS) Carlos Eduardo França (UEMS) O tema proposto e a disciplina de sociologia no decorrer do ensino médio, trazendo para a sala de aula novas discussões e métodos pedagógicos que antes não se faziam presentes no cenário escolar, é a aplicação de conceitos teóricos dos renomados sociólogos Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber, introduzindo as novas tecnologias como ferramenta de aprendizagem. O objetivo e quebrar o paradigma de que se tem uma sociologia difusa e complexa, com a finalidade de produzir uma consciência sobre a realidade, antes não observada. O tópico central do plano de aula é a apresentação sobre a diferente visão dos diferentes teóricos com o tema o trabalho, visto que o tema é muito abrangente, e bem trabalhado abre um leque de discussões como a formação e a importância das instituições sociais, movimentos sociais, conflitos sociais, globalização, dominação cultural, etc. Observando a aplicação do conteúdo de forma organizada, e que se faça uma relação sequencial. A metodologia será focada na interação de novas tecnologias, possibilitando aos alunos fazerem o uso de forma consciente, pesquisando em seus celulares, notebooks, tablets. Trazendo essas inovações como atrativo, tornando as aulas mais dinâmicas, interativas e produtivas. Contando com o uso de aulas áudios-visuais, com apresentações de trabalhos, debates, resolução de exercícios, pesquisa de campo. Trabalhando não somente com os livros didáticos, mas utilizando poemas, letras de musica, exibição de filmes, visita orientada as instituições sociais. Com método avaliativo, em formato de provas escrita e oral, participação nas aulas, apresentação de trabalhos individuais ou em grupo. Com a expectativa de se obter o resultado de um ensino-aprendizagem, e o fortalecimento da sociologia no âmbito social-escolar. Palavras-chave: Sociólogos, Trabalhado, Ensino-aprendizagem. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O PROCESSO DE REGULARIZAÇÃO/DISCIPLINARIZAÇÃO COMO NORMALIZADOR DO ANORMAL Nathália Sayuri Yamada (PG-UEMS) Carlos Eduardo França (G-UEMS) A Educação Especial é sem dúvidas um grande desafio para a Educação Brasileira. Uma vasta literatura tem sido produzida a este respeito que, de forma sedutora, muitas vezes põe em condições nebulosas as finalidades políticas/sociais e econômicas da Educação em relação às pessoas com deficiência. Nesse sentido, nosso objetivo foi percorrer sobre o poder social exercido nas instituições educacionais como estratégia utilizada para controlar e disciplinar os corpos, considerando este processo como constituído de mecanismos eficientes utilizados para melhor incidência do poder sobre o corpo. O presente trabalho discute as estratégias de normalização aplicadas aos considerados anormais, sob a ótica do Filósofo Michael Foucault (1987, 2005, 2010), considerando as práticas do poder

20 20 disciplinar inerentes as Instituições e os discursos defendidos como verdades na Modernidade em relação ao anormal, nesta perspectiva, tem por objetivo também, refletir sobre os paradigmas educacionais da educação inclusiva proposto por Aranha (2005). Cumpre assim pensarmos os regimes de verdade que configuram o modo como pensamos e agimos e que ainda se configura em práticas de segregação, excluindo sistematicamente todos os diferentes. Não podemos negar que as formas de tratar as pessoas com deficiência mudou, tendo por base as políticas de exclusão das minorias, é certamente um avanço em prol das pessoas historicamente excluídas e marginalizadas, porém ainda há muito em se refletir sobre como as instituições escolares estão se organizando para dar conta das diversidades, sob tudo, garantindo qualidade de ensino. Palavras-chave: Educação Especial. Michael Foucault. Deficiência. REPRESENTAÇÃO POLÍTICA: UMA ANÁLISE NOS PROJETOS DE LEI NA CÂMARA MUNICIPAL DE PARANÍBA MS ( ) Jéssica Patrícia Ferreira da Silva (G-UEMS/Paranaíba) Patrícia Benedita Aparecida Braga (UEMS/ Paranaíba) O presente trabalho têm por foco a análise da Representação Política no município de Paranaíba, Mato Grosso do Sul, em relação aos projetos de leis que foram desenvolvidos pelo Legislativo da Câmara Municipal. Com o objetivo de refletir sobre a atuação do legislativo em Paranaíba - MS, busca-se averiguar a existência de uma representação política democrática efetiva por parte dos vereadores selecionados como amostra. Por meio de uma pesquisa empírica, fundamentada nos apontamentos teóricos sobre representação de Manin (1999), Pitkin (2006), entre outros, busca-se problematizar o ideal representativo democrático e o comportamento legislativo, via dados contidos nos projetos de lei. O universo amostral selecionado foi o corpo de vereadores mais reeleitos no período de 1988 a Logo, a indagação fundamentou-se no seguinte questionamento: será que os representantes reeleitos representam a população paranaibense? E como conclusão parcial, constata-se até o presente momento, de que os representantes políticos (vereadores reeleitos) não estão representando os quereres da população paranaibense em termos de efetividade democrática e isto fica evidente nos projetos de lei cunhados pelos próprios. Palavra-chave: Representação Política; Representatividade; Representação democrática efetiva. DESGRAÇADO SEXO QUE NÃO SE PODE CONFIAR: A MISOGINIA MEDIEVAL NO LAI HOMEM-LOBO Ligia Cristina Carvalho (UNESP, UEMS/Cassilândia) Os Laisde Maria de França, escritos literários que abordam o amor cortês, foram produzidos durante a Idade Média Central (XI-XIII), mais precisamente na segunda metade do século XII.Propomos nesta comunicação apresentar uma breve análise de um dos Lais, o lai Home-Lobo, a partir de uma perspectiva bakhtiniana. Mikhail

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 AS APRESENTAÇÕES ACONTECERÃO DIA 20/05 (QUARTA-FEIRA), NO PERÍODO DA MANHÃ E DA TARDE! Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 s: Práticas na leitura e escrita na

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL

PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL Considerando os objetivos explicitados em seu Regulamento,

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Período de realização: 2013/2014 12 de setembro de 2014: Enfim formados! Este foi o brinde dos dez estudantes

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP)

Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP) Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP) Oliveira, Tatiane Guimarães Pedroso 1 ; Bastos, Isabella

Leia mais

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY).

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). 158 6 Conclusão [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). Neste trabalho de pesquisa, procurei entender como

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Projeto Semana Acadêmica 2012 SEMANA ACADÊMICA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS 2012 UFPEL. A Ciência que perturba: Rediscutindo a Pratica do Cientista Social

Projeto Semana Acadêmica 2012 SEMANA ACADÊMICA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS 2012 UFPEL. A Ciência que perturba: Rediscutindo a Pratica do Cientista Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA. Projeto Semana Acadêmica 2012 SEMANA ACADÊMICA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS 2012 UFPEL A Ciência que perturba:

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Mônica Correia Baptista/UFMG Maria Fernanda Rezende Nunes/UNIRIO Patrícia Corsino/UFRJ Vanessa Ferraz Almeida Neves/UFMG Rita Coelho/MEC Ângela Barreto/Consultora

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO

60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos PROGRAMAÇÃO VIII Semana do Assistente Social 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos 12 a 15 de maio de 2008 Escola de Serviço Social da PUC Minas Apoio: Núcleo de Direitos Humanos - Pró-Reitoria de Extensão

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais