HISTÓRIA, GÊNERO E EDUCAÇÃO: AS MOBILIZAÇÕES DE GÊNERO PELA DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA SOB UMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA, GÊNERO E EDUCAÇÃO: AS MOBILIZAÇÕES DE GÊNERO PELA DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA SOB UMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO."

Transcrição

1 HISTÓRIA, GÊNERO E EDUCAÇÃO: AS MOBILIZAÇÕES DE GÊNERO PELA DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA SOB UMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO. ( ) 1 INTRODUÇÃO Thiago de Sales Silva Universidade Federal do Ceará O presente trabalho de pesquisa, ainda em estado inicial, é vinculado a um projeto maior desenvolvido pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em História e Gênero (GPEHG) do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará, coordenado e orientado pela Prof(a) Dr(a) Ana Rita Fonteles Duarte. A pesquisa empreendida pelo grupo analisa, dentro do recorte temático-temporal da ditadura civil-militar brasileira ( ), de que forma as estratégias psicossociais formuladas pelo Estado, baseado na Doutrina de Segurança Nacional, em combate ao comunismo, mobilizaram identidades de gênero na construção de um ideário patriótico. Nesse sentido, busca-se entender as articulações da Doutrina em torno do inimigo interno, personificado por setores da sociedade que promoviam ações comunistas. A estratégia de caráter psicossocial centralizava-se nas questões morais de comportamento e identidade, pois, segundo a Doutrina, a degradação da moral era um mecanismo utilizado pelos comunistas na tentativa de ganhar terreno para a divulgação e implementação de seus ideais (MOTTA, 2002). Diante desse quadro, foi criada, em âmbito nacional, a disciplina de Educação Moral e Cívica com a finalidade de promover um perfil ideal de cidadão comprometido com os valores e fundamentos que constituem os pilares da nação e com o fortalecimento de um povo unido em torno de um bem comum. Este artigo irá se deter em um recorte, dentro da pesquisa maior, analisando especificamente as mobilizações de gênero em torno da disciplina Educação Moral e Cívica (EMC), a partir da forma como as identidades masculinas e femininas foram pensadas tanto no âmbito da família quanto em âmbito nacional. Para isso, alguns livros 1 Esta pesquisa é financiada pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), contemplada por editais de ambas as instituições.

2 2 fonte serão fundamentais nesta pesquisa, tais como livros didáticos de EMC, Moral e Civismo de Moacir Araújo Lopes e o Manuel Básico da Escola Superior de Guerra Contextualização, fontes e problemáticas. A implementação da Ditadura Civil Militar no Brasil respondeu a expectativa de setores militares e civis temerosos a uma maior difusão de ideias comunistas no país, o que poderia levar a ações mais enérgicas de grupos sociais vinculados a este ideário. Considerado o inimigo interno, o comunismo será foco de violentas investidas por parte do Estado, que tomará como base a Doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento para justificar seus atos. À frente das medidas acerca da segurança nacional estava a Escola Superior de Guerra (ESG), órgão que exercia funções de direção e planejamento da segurança nacional, o qual estabelecia as diretrizes que configuraram as estratégias de defesa do país. Segundo a cientista política Maria Helena Moreira Alves (1984, p. 26), a Doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento Efetivamente prevê que o Estado conquistará certo grau de legitimidade graças a um constante desenvolvimento capitalista e a seu desempenho como defensor da nação contra a ameaça dos inimigos internos e da guerra psicológica. A legitimidade é vinculada aos conceitos de desenvolvimento econômico e segurança interna. Tal acepção nos faz indagar acerca de que ações foram mobilizadas para que os objetivos estatais fossem alcançados, bem como sua inserção na sociedade. Para ajudar a pensar essas questões nos são muito caras as contribuições do General Golbery de Couto e Silva, um dos maiores teóricos da Escola Superior de Guerra (ESG) sobre a segurança nacional, em seu livro Conjuntura Política Nacional O Poder Executivo e Geopolítica do Brasil, obra sobre os aspectos da Segurança Nacional no período do Regime Militar. Golbery nos apresenta as configurações da Segurança Nacional a partir de um quadro em que a política de segurança fomentava o conceito estratégico no qual estavam inseridas diretrizes governamentais que direcionavam estratégias para quatro âmbitos: o Político, o Econômico, o Psicossocial e o Militar. O recorte utilizado por esta pesquisa centralizar-seá na Estratégia Psicossocial, na medida em que esta atuará no campo da moral tendo em vista setores específicos da sociedade civil, tais como a família, as escolas e as universidades.

3 3 O Manual Básico da Escola Superior de Guerra (1977), obra organizada e frequentemente atualizada pela ESG, que concentra grande parte das estratégias elaboradas no âmbito da Segurança Interna e Externa, expressa que a Estratégia Psicossocial Visa à motivação de pessoas e da sociedade, com a finalidade de criar condições psicológicas favoráveis ao apoio das atividades de mobilização. [...] O impacto dessa influência se faz de maneira muito intensa na Expressão Psicossocial, alterando hábitos, costumes, padrões de comportamento, contribuindo para o surgimento de novas formas de pensar, sentir e agir, com efeitos profundos sobre o tecido social. O Estado de Segurança Nacional, tendo como base a Estratégia Psicossocial, preocupou-se de forma particular com a questão da degradação da moral, desestruturação familiar e com o desvio sexual. Como afirma Rodrigo Patto de Sá Motta (2002, p. 64) o comunismo significaria um desafio à sobrevivência da própria sociedade civilizada, ameaçada em seus fundamentos por estes bárbaros do mundo contemporâneo. Na perspectiva da Doutrina, uma sociedade marcada pela mudança de comportamento no sentido da desarticulação dos princípios morais cristãos se tornaria campo fértil para a difusão do ideário comunista no país. Dessa forma, estratégias serão pensadas na tentativa de instituir valores cristãos no âmbito social em detrimento da ameaça comunista que, supostamente, se instalava no país. Um dos mecanismos utilizados pelo Estado com o intuito de fortalecer os valores morais, foi a criação da disciplina de Educação Moral e Cívica, segundo o Decreto-Lei 869/69. Tal iniciativa tornou obrigatório o ensino da disciplina em todas as escolas brasileiras, de todos os níveis de ensino, tendo em vista a formação de um brasileiro consciente de suas obrigações com a nação. Uma das fontes utilizadas para o desenvolvimento deste trabalho de pesquisa será o livro Moral e Civismo de Moacir Araujo Lopes, principal idealizador da disciplina de Educação Moral e Cívica e primeiro presidente da Comissão de Moral e Civismo. Esta obra é composta por uma série de palestras, realizadas em diferentes oportunidades entre os anos de 1966 e 1970, pelo general. Segundo Araújo Lopes (1971, p. 121), a constituição do caráter com base na moral, originária da ética, tendo como fonte Deus bem como o amor a pátria e às suas tradições, com capacidade de renúncia levaria a ação intensa e permanente, em benefício do Brasil. Estes elementos constituíam o conceito de civismo que funcionava como chave para a defesa do princípio democrático, a preservação dos

4 4 valores espirituais e o aprimoramento do caráter, com apoio na moral, na dedicação à família e à comunidade. Nesse sentido, a elaboração de um principio cívico será bastante justificada a partir dos problemas os quais o país vinha enfrentando, apontados como grave fase atual da nação. Segundo afirma Juliana Miranda Filgueiras (2006) a Comissão de Moral e Civismo é vinculada diretamente à Doutrina de Segurança Nacional e à Escola Superior de Guerra e seus membros eram preferencialmente diplomados pelas ESG. As mobilizações em torno do exercício da cidadania contribuiriam para o estabelecimento de uma nação forte construída pelos jovens do país, pois estes deveriam se preparar para exercer uma função na sociedade, por isso, a disciplina de Educação Moral e Cívica traria em seu currículo a apreensão de direitos e deveres, do amor à pátria e, ainda dentro dessa perspectiva, o estabelecimento de identidades para homens e mulheres na construção desta nação. Refletir sobre as iniciativas estatais em torno da educação e seu viés de gênero seria pensar na proposta da historiadora Joan Scott (1991) quando esta formula que as relações de gênero são uma primeira forma de dar significado às relações de poder. Ter a dimensão de que as preocupações com as questões comportamentais e referentes à sexualidade estão inseridas dentro de um projeto para o país que procura articular aspectos da segurança nacional caracteriza bem a proposta lançada pela historiadora; demarca, inclusive, a linha de análise na qual esta pesquisa se orienta. O forte viés de gênero encontrado no manual de moral e civismo de Moacir Araújo Lopes pensará em modelos masculinos e femininos ideais baseados em princípios cristãos. Os desvios de comportamento e da moral sexual deveriam ser corrigidos, pois só assim o país estaria no caminho certo para o desenvolvimento, sobretudo, econômico. Identificamos esses aspectos no seguinte trecho escrito pelo general: A presente fase histórica, no mundo ocidental e no Brasil, é marcada por profunda involução da moral com a exaltação do erotismo, calmamente aceita; pela degradação da mulher; por demonstrações baixas de caráter - corrupção e subversão; e pela conseqüente decadência das instituições basilares da nacionalidade, entre as quais, sobretudo a Família e a Escola. (LOPES, 1971, p. 94)

5 5 A análise elaborada por Moacir Araújo Lopes se pauta bastante num olhar sobre os jovens e as mulheres, talvez por serem considerados os elementos mais vulneráveis ao desvio da moral. A partir da década de 1970 uma série de obras serão publicadas no país, na tentativa de atender a nova demanda dos currículos escolares, a disciplina de Educação Moral e Cívica. Segundo afirma Filgueiras (2006, p. 95), a disciplina tornou-se obrigatória em 1969, mas em 1970 já existiam dez livros no mercado. No ano de 1971 foram publicados mais treze livros da disciplina. As editoras didáticas atenderam rapidamente a demanda do marcado da Educação Moral e Cívica. Os elementos destacados por Moacir Araujo Lopes acerca do desvio da moral serão expressamente difundidos nos livros didáticos de EMC, sobretudo aqueles que se detêm no tema família. O lugar da família na sociedade, sua atuação na educação dos novos cidadãos, o caráter cristão que a constituiu, além do estabelecimento de papéis de mães e pais, mulheres e homens, no convívio familiar vão marcar as principais preocupações envolvendo a família. Os discursos marcados pelo gênero serão encontrados nos livros didáticos dos diferentes níveis de ensino, ou seja, 1 e 2 graus. Um exemplo disso está no seguinte trecho extraído do livro Curso de Educação Moral e Cívica de Pinto Ferreira (1974, p. 109): Vê-se assim a formulação de uma nova moral sexual, coadjuvada pela onda de erotismo, pelos festivais de pornografia, pelos hippies, pelos vestidos transparentes, pelas revistas de nudismo, pelo cinema, pelo desnudamento progressivo da mulher, pelo maiô topless, em ondas desagregadoras da estabilidade da família e do casamento. [...] Essa nova moral sexual, contudo deve ser combatida. É preciso contestá-la e superála. [...] É preciso então conter esta fúria agressiva e demolidora contra as instituições da família e do casamento, como medida indispensável de coesão e estabilidade social. O livro de Pinto Ferreira, voltado para o 2 grau (1 e 2 ano colegial) traduz um pouco o clima vivenciado pelo país na década de 1970, em que a difusão de novos modelos de sexualidade e comportamento emergiam no Brasil contrapondo-se ao tipo ideal proposto para o próprio desenvolvimento da nação. Dessa forma, a moral sexual encontraria na moral cristã o seu lugar, pois somente a instituição da família, devidamente constituída por princípios cívicos, traria a almejada estabilidade social ao país.

6 6 No livro Construindo o Brasil de Maria T. Pimentel (1977, p. 101), voltado para o 1 e 2 graus, as formulações acerca do lugar dos pais na sociedade se tornam mais clara, a partir do seguinte trecho. O esposo: apresenta características físicas e psicológicas diferentes da mulher. Tem maior força física e uma musculatura apropriada para trabalhos mais pesados. É mais racional, lógico e organizador que a mulher, faz planos a longo prazo. Tem o dom da organização, lançandose por causa disso, a emprêsas difíceis e corajosas. A esposa: tem o corpo apto para a maternidade. É dotada de grande capacidade de sentimento e amor, delicada, com inteligência e perspicácia, especialmente encaminhadas à missão de ser mãe. É mais intuitiva e mais sagaz que o homem, tem maior resistência à dor e capacidade de praticar o altruísmo, que quer dizer abertura para o outro, possui as qualidades essenciais de que a criança vai precisar nos primeiros anos de vida. A clara definição dos papéis exercidos por homens e mulheres no âmbito da família, constituindo aí identidades de gênero a estes sujeitos, demarca a linha em que se orienta esta pesquisa. As mobilizações em torno do gênero, atribuições de características específicas a homens e mulheres, a naturalização de determinados tipos de comportamentos, vão configurar uma espécie de modelo ideal de cidadão, considerado absolutamente necessário naquela conjuntura sócio-política. Diante de tal contexto, podemos perceber, inclusive, um duplo movimento ao pensar as relações entre público e privado. O primeiro, encontrado nos livros didáticos, está no próprio estabelecimento de modelos, para homens e mulheres na sociedade, o âmbito público constituído pelo elemento masculino e o privado pelo feminino. O segundo movimento compreende o fato da preocupação em encerrar o feminino no privado estar diretamente ligada ao próprio projeto elaborado para o país. Dessa forma, o privado se inscreve no campo político. As problemáticas formuladas, na tentativa de entender as formas pelas quais se sustentam os perfis de gênero elaborados pelos manuais e livros didáticos de moral e civismo, nos levam a questionamentos ainda mais desafiadores, como: havia divergências, entre as diferentes frentes que atuavam na Comissão de Moral e Civismo, na Escola Superior de Guerra e no próprio governo na fomentação de modelos identitários de gênero considerados adequados? É na análise destes discursos que notaremos como isso se deu no âmbito das relações de poder que, no sentido dado por Michel Foucault (2010, p.179),

7 7 atravessam, caracterizam e constituem o corpo social e que estas relações de poder não podem se dissociar, se estabelecer nem funcionar sem uma produção, uma acumulação, uma circulação e um funcionamento do discurso. Tal prerrogativa se insere naquilo que Michel Foucault (2009, p ) vai chamar de caráter descontínuo dos discursos, na medida em que não se deve pensar em discursos reinantes ilimitados, mas no intercruzamento entre eles, notabilizando aí a instituição das práticas. A profusão de discursos estabelecendo modelos de gênero ganhará espaço no âmbito da educação, pois este exerce influência sobre os campos da cultura, do comportamento e até mesmo da censura, estando os três imbricados no campo do discurso e das práticas. Analisar a construção destes discursos, seus deslocamentos e articulações no campo político se apresentam como um desafio para esta pesquisa, na medida em que estas questões norteiam os objetivos a que pretendemos alcançar. Nesse sentido, as contribuições teóricas de Foucault e Scott, referências nos estudos de gênero, bem como o diálogo constante com dissertações de mestrado, livros, artigos e demais obras sobre o período, inseridas dentro do recorte aqui esboçado, são altamente relevantes para esta pesquisa. Conclusão Pensar as relações de gênero no período da Ditadura Civil Militar no Brasil é lançar um olhar acerca das relações de poder que ali se estabeleciam. A formulação de modelos identitários, como forma de legitimação, além de não ser algo inocente, se insere em determinado contexto e está sujeito a mobilizações carregadas de sentido. Entender o lugar, as possíveis contradições e o poder de penetração das prerrogativas sustentadas pela Comissão de Moral e Civismo dentro de um Projeto pensado para o Brasil, no período em questão, são objetiva-chave aos quais esta pesquisa pretende alcançar.

8 8 BIBLIOGRAFIA ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil ( ). Petrópolis: Vozes, FILGUEIRAS, Juliana Miranda. A Educação Moral e Cívica e sua produção didática: f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Estudos Pós- Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, FOUCAULT, Michel. A ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, Microfísica do poder. São Paulo: Graal, MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho o anticomunismo no Brasil ( ). São Paulo: Perspectiva; Fapesp, SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Trad. Christine Rufino Dabat, Recife, 1991, (mimeo). FONTES Escola Superior de Guerra. Manual básico. Rio de Janeiro: ESG, FERREIRA, Pinto. Curso de Educação Moral e Cívica. Rio de Janeiro: José Konfino, LOPES, Mociar Araújo. Moral e civismo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, PIMENTEL, Maria T. Construindo o Brasil. São Paulo: Edições Loyola, SILVA, Golbery do Couto. Conjuntura política nacional. O poder executivo e geopolítica do Brasil. Rio de Janeiro: livraria José Olimpío Editora, PIMENTEL, Maria T. Construindo o Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 1977.

COMUNICAÇÃO SOCIAL E SEGURANÇA NACIONAL: O LUGAR DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO PROJETO DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG)

COMUNICAÇÃO SOCIAL E SEGURANÇA NACIONAL: O LUGAR DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO PROJETO DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG) COMUNICAÇÃO SOCIAL E SEGURANÇA NACIONAL: O LUGAR DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO PROJETO DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG) ANA RITA FONTELES DUARTE 1 A Escola Superior de Guerra (ESG), criada em 1949, no âmbito

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

MORAL E COMPORTAMENTO A SERVIÇO DA DITADURA MILITAR UMA LEITURA DOS ESCRITOS DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA

MORAL E COMPORTAMENTO A SERVIÇO DA DITADURA MILITAR UMA LEITURA DOS ESCRITOS DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA MORAL E COMPORTAMENTO A SERVIÇO DA DITADURA MILITAR UMA LEITURA DOS ESCRITOS DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Ana Rita Fonteles Duarte 1 Resumo: O objetivo desta comunicação é, a partir de documentos produzidos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Academia Brasileira de Ciências

Academia Brasileira de Ciências Academia Brasileira de Ciências VII Seminário ABC na Educação Científica DISCUTINDO O CURRÍCULO E QUALIDADE DO ENSINO: PERSPECTIVA MULTICULTURAL E INCLUSÃO SOCIAL Cléa Monteiro 2011 Niterói considera

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Nesse mesmo ano de 1965 foi organizada uma equipe de trabalho, constituída de grupos e

Nesse mesmo ano de 1965 foi organizada uma equipe de trabalho, constituída de grupos e Fundacentro Expressão da ideologia nacional e dos projetos internacionais A concepção de uma instituição de pesquisa em saúde e segurança do trabalho no Brasil teve início em 1952, quando o Brasil sediou

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Atividade: Mesa-Redonda (MR-02) Título: OS POVOS INDÍGENAS E AS DEMANDAS POLÍTICAS NO BRASIL ATUAL Instituição Proponente: ABA Coordenador: Vânia

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA

PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA 1 PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA Profa. Ms. Janaina Jácome dos Santos 1 RESUMO Esse artigo tem como foco refletir sobre as transformações nas propostas curriculares para o ensino fundamental

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Educação, Civismo e Religiosidade durante a Ditadura Civil Militar no Brasil (1964 1985)

Educação, Civismo e Religiosidade durante a Ditadura Civil Militar no Brasil (1964 1985) Educação, Civismo e Religiosidade durante a Ditadura Civil Militar no Brasil (1964 1985) Resumo Durante os anos de 1964 a 1985, o Brasil viveu sob um regime civil militar. Neste período a vida de todos

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado A situação nacional e os caminhos para melhorar a qualidade do ensino profissionalizante Francisco Aparecido Cordão Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

UEL. brunopaviani@hotmail.com 1

UEL. brunopaviani@hotmail.com 1 EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA NA DITADURA MILITAR BRASILEIRA: UMA TENTATIVA DE LEGITIMAR O PODER. (1969-1971) Bruno Paviani 1 Universidade Estadual de Londrina GT6 - Poder, Política e Estado Resumo: O presente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca O Estado Novo e as armadas forças

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO EDUCAÇÃO BÁSICA A educação básica, presumida no texto original da Constituição da República de 1988, tornou-se manifesta por meio da Emenda Constitucional n o 59/2009. O art. 208, incisos I e VII, ora

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão da FACDO Projeto de Atividades Complementares PROJETO CINE FACDO 2014.1

Núcleo de Pesquisa e Extensão da FACDO Projeto de Atividades Complementares PROJETO CINE FACDO 2014.1 Núcleo de Pesquisa e Extensão da FACDO Projeto de Atividades Complementares PROJETO CINE FACDO 2014.1 Apresentação O Projeto Cine Facdo a ser desenvolvido pelo NUPEX se propõe a levar os acadêmicos matriculados

Leia mais

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE (anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE Dia 22 de maio de 2014 Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade São Paulo Marcos de Referência O seminário é parte de um projeto de pesquisa coordenado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI

DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI DIREITOS HUMANOS E PROMOÇÃO DA CIDADANIA LGBT NA PARAÍBA DO SÉCULO XXI Introdução: Simone Joaquim Cavalcante 1 UFCG Stella Márcia de Morais Santiago 2 UFCG No Brasil, observamos historicamente, as formas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários Verli PETRI vpetri@terra.com.br Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) O processo de prefaciamento/apresentação

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Maria Lúcia Chaves Lima (UFP), Ricardo Pimentel Mello (UFC) Lei Maria

Leia mais

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA RETÓRICA : CRÍTICA E RECEPÇÃO

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais